Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010"

Transcrição

1 ABCD Gonçalves & Tortola S.A.

2 Demonstrações financeiras em Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações de resultados abrangentes 8 Demonstrações das mutações do patrimônio líquido 9 Demonstrações dos fluxos de caixa Método indireto 10 Notas explicativas às demonstrações financeiras

3 ABCD KPMG Auditores Independentes Central Tel 55 (43) Av. Higienópolis, sala 62 Fax 55 (43) Londrina, PR Brasil Internet Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas Gonçalves & Tortola S.A. Maringá - PR Examinamos as demonstrações financeiras individuais e consolidadas da Gonçalves & Tortola S.A., identificadas como e, respectivamente, que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2012 e as respectivas demonstrações do resultado, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações financeiras A administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras individuais de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e das demonstrações financeiras consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board IASB, assim como pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração dessas demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Companhia. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. 3

4 ABCD KPMG Auditores Independentes Central Tel 55 (43) Av. Higienópolis, sala 62 Fax 55 (43) Londrina, PR Brasil Internet Opinião sobre as demonstrações financeiras individuais Em nossa opinião, as demonstrações financeiras individuais acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Gonçalves & Tortola S.A., em 31 de dezembro de 2012, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Opinião sobre as demonstrações financeiras consolidadas Em nossa opinião, as demonstrações financeiras consolidadas acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira consolidada da Gonçalves & Tortola S.A., em 31 de dezembro de 2012, o desempenho consolidado de suas operações e os seus fluxos de caixa consolidado para o exercício findo naquela data, de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board IASB e as práticas contábeis adotadas no Brasil. Ênfase Conforme descrito na nota explicativa 4, as demonstrações financeiras individuais foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. No caso da Gonçalves & Tortola S.A., essas práticas diferem do IFRS, aplicável às demonstrações financeiras separadas, somente no que se refere à avaliação dos investimentos em controladas e coligadas pelo método de equivalência patrimonial, enquanto que para fins do IFRS seria custo ou valor justo. Nossa opinião não está ressalvada em função desse assunto. Londrina, 14 de abril de 2013 KPMG Auditores Independentes CRC 2SP014428/O-6-F-PR Marcello Palamartchuk Contador CRC 1PR049038/O-9

5 Balanços patrimoniais em (Em milhares de Reais) Ativos Nota Caixa e equivalentes de caixa Outros investimentos, incluindo derivativos Contas a receber de clientes e outros créditos Estoques Ativos biológicos Pagamentos antecipados Ativo fiscal corrente Total do ativo circulante Outros investimentos, incluindo derivativos lp Contas a receber de clientes e outros créditos lp Ativo fiscal corrente lp Depósitos judiciais Investimentos Ativos biológicos lp Imobilizado Intangíveis Total do ativo não circulante Total do ativo As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 5

6 Balanços patrimoniais em (Em milhares de Reais) Passivo Nota Fornecedores e outras contas a pagar Empréstimos e financiamentos Passivo fiscal corrente Obrigações sociais Adiantamentos recebidos Dividendos a pagar Total do passivo circulante Fornecedores e outras contas a pagar lp Empréstimos e financiamentos lp Passivo fiscal corrente lp Passivo fiscal diferido Provisão para contingências Total do passivo não circulante Patrimônio líquido Capital social Adiantamento para futuro aumento de capital Ajustes de avaliação patrimonial Reservas de lucros Patrimônio líquido atribuível aos controladores Participação de não controladores Total do patrimônio líquido Total do passivo Total do passivo e patrimônio líquido As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 6

7 Demonstrações de resultados Exercícios findos em (Em milhares de Reais) Nota Receita operacional líquida Custo das vendas ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Lucro bruto Despesas de vendas 26 (68.449) (52.270) (37.020) (67.753) (51.779) (36.693) Despesas administrativas 27 (50.260) (35.727) (20.919) (48.701) (35.283) (20.545) Outros resultados operacionais Resultado de equivalência patrimonial Resultado antes das receitas (despesas) financeiras liquidas e impostos Receitas financeiras Despesas financeiras (67.254) (59.692) (21.470) (62.783) (59.291) (21.251) Receita (despesas) financeiras líquidas 29 (32.186) (12.773) (8.470) (28.699) (12.592) (8.531) Resultado antes dos impostos Imposto de renda e contribuição social corrente 21 (7.952) (4.814) (2.461) (7.237) (3.576) (1.300) Imposto de renda e contribuição social diferidos 21 (544) (22.274) (2.268) (1.359) (22.477) (2.134) Lucro do exercício Resultado atribuído para Acionistas controladores Acionistas não controladores Lucro do exercício As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 7

8 Demonstrações de resultados abrangentes Exercícios findos em (Em milhares de Reais) Resultado do exercício Resultados abrangentes Realização do custo atribuído líquido dos impostos Resultado abrangente total As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 8

9 Demonstrações das mutações do patrimônio líquido Exercícios findos em (Em milhares de Reais) Atribuível aos acionistas controladores Adiantamento para Ajustes de Reservas de Lucros Participação de Total do Capital futuro aumento avaliação Reserva de Reserva de Lucros (prejuízos) acionistas não patrimônio social de capital patrimonial Reserva Legal retenção de lucros Incentivos Fiscais acumulados Total controladores líquido Saldo em 1º de janeiro de Lucro do exercício Realização do ajuste da avaliação patrimonial, líquido do efeito tributário (1.727) (30) (30) Adiantamento para futuro aumento de capital Aumento de capital social (9.454) (22.040) Destinação do lucro. Reserva legal 629 (629). Reserva de lucros (8.546). Dividendos propostos (3.147) (3.147) (3.147) Saldo em 31 de dezembro de Lucro do exercício Realização do ajuste da avaliação patrimonial, líquido do efeito tributário (2.439) (581) (22) (603) Destinação do lucro. Reserva legal (2.061). Reserva de lucros (54.566). Dividendos propostos (3.253) (3.253) (3.253) Saldo em 31 de dezembro de Lucro do exercício Realização do ajuste da avaliação patrimonial, líquido do efeito tributário (1.508) (69) (69) Aumento de capital social (3.451) (75.245) Constituição de reserva de incentivo fiscal do período (19.223) Destinação do lucro. Reserva legal (2.182). Reserva de lucros (23.752) Saldo em 31 de dezembro de As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 9

10 Demonstrações dos fluxos de caixa Exercícios findos em (Em milhares de Reais) Fluxo de caixa das atividades operacionais Lucro do exercício Ajustes para reconciliar o resultado do exercício com recursos provenientes de atividades operacionais: Depreciação e amortização Provisão para créditos de liquidação duvidosa Provisão para contingências Resultado de equivalência patrimonial (190) (1.118) (5.736) (6.945) (6.699) Lucro recebido participações em outras sociedades (4) (1) (1) (3) (1) (1) Resultado na venda de ativo imobilizado e intangível Ganho na combinação de negócio (64.365) (64.365) Imposto de renda e contribuição social diferidos (29.517) (39.334) Variação nos ativos e passivos Outros investimentos, incluindo derivativos (7.020) (12.860) (6.962) (5.745) Contas a receber de clientes e outros créditos (27.665) (22.468) (23.293) (25.505) (23.420) (23.110) Estoques (48.042) (6.976) (47.834) (7.069) Ativos biológicos (9.419) (5.414) (12.532) (9.419) (12.344) (5.601) Pagamentos antecipados (2.973) (380) Ativo fiscal corrente (52.995) (14.298) (2.684) (52.527) (11.766) (2.532) Depósitos judiciais (594) (821) (573) (582) (772) (415) Fornecedores e outras contas a pagar Passivo fiscal Obrigações sociais Adiantamentos recebidos (144) (255) 987 (144) 414 (794) Fluxo de caixa liquido decorrente das atividades operacionais ( ) (529) (30.916) (94.054) 676 (6.708) Fluxo de caixa de atividades de investimento Ativo imobilizado (56.217) ( ) (41.201) (48.072) (44.923) (41.499) Ativo intangível (145) (44) (198) (36) Investimentos (40) (1.466) (725) (45.102) (4.671) Fluxo de caixa decorrente das atividades de investimento (56.401) (77.070) (41.969) (44.960) (63.796) (46.206) Fluxo de caixa de atividades de financiamento Aporte de capital de acionistas Empréstimos e financiamentos líquidos Dividendos (3.253) (3.147) (1.456) (3.253) (3.147) Caixa proveniente de atividades de financiamento Aumento (Redução) líquido em caixa e equivalentes de caixa (40.726) (19.370) Caixa e equivalentes de caixa em 1º de janeiro Caixa e equivalentes de caixa em 31 de dezembro As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 10

11 Notas explicativas às demonstrações financeiras (Em milhares de Reais) 1 Contexto operacional A Gonçalves & Tortola S.A ( Companhia ) é uma sociedade anônima de capital fechado domiciliada no Brasil. O endereço registrado do escritório da Companhia está sediado na Estrada Maringá, s/nº, Lote 152 Gleba Patrimônio Maringá, na cidade de Maringá, Estado do Paraná. As demonstrações financeiras individuais e consolidadas da Companhia relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012 abrangem a Companhia e suas controladas, controladas em conjunto, e investimentos em empresas coligadas (conjuntamente referidas como o Grupo e individualmente como entidades do Grupo ). O Grupo é detentor de 31 unidades, sendo 18 unidades produtivas, 13 comerciais e de distribuição, e tem por objeto, juntamente com suas controladas, fomentar toda Cadeia Produtiva de Avicultura de Corte, em sua área de atuação, promovendo desenvolvimento e melhorias sócio-econômicas de seus parceiros criadores, fornecedores, clientes, colaboradores e comunidades. Destacam-se as atividades de recebimentos e beneficiamento de cereais; fábricas de rações para alimento animal; matrizeiros de aves; produção de ovos férteis e comerciais; incubatório de ovos férteis; produção de pintainho de um dia; produção de aves no sistema de parceira/integração; abatedouro de aves; preparação e comércio de derivados de aves nos mercados interno e externo. Também integram o seu portfólio de negócios, as atividades de importação, exportação e revenda de gêneros alimentícios e frios; serviços de representação comercial; serviço de transporte de mercadorias, e a agropecuária. As controladas da Companhia, consolidadas nas demonstrações financeiras são: Incubatório Canção Ltda., Canção Comércio de Caminhões Ltda. e Mister Industrial Avícola S.A., as quais possuem os objetos sociais, apresentados abaixo. Incubatório Canção Ltda. Produção de ovos incubáveis, incubação de ovos, recria, prestação de serviços de incubação de ovos e venda de ovos férteis. Canção Comércio de Caminhões Ltda. Comércio no varejo de veículos e utilitários novos e usados. Mister Indústrial Avícola S.A. - a engorda, abate, industrialização, comercialização, distribuição e exportação de aves e pequenos animais e seus derivados. Produção de ração animal ou subprodutos da atividade da avicultura para consumo próprio ou comercialização. 11

12 2 Aquisições de controlada Aquisição da Mister Industrial Avícola S.A. Em dezembro de 2011, a Companhia firmou Contrato de Compra e Venda com a Avícola Felipe S.A., da totalidade das ações da empresa Mister Industrial Avícola S.A., sua subsidiária integral. A Avícola Felipe S.A., ingressou com Recuperação Judicial, através dos autos nº075/2011, em trâmite perante a 1ª Vara Cível da Comarca de Paranavaí Estado do Paraná. Apresentado o plano de recuperação judicial, a Avícola Felipe informou que um dos meios de recuperação judicial do qual poderia se utilizar, era a venda de Unidade Produtiva Isolada, de sua propriedade, através do leilão, com apresentação de propostas fechadas e, mediante o cumprimento de determinadas condições que constaram do próprio plano de recuperação judicial. A Companhia, interessada na aquisição da Unidade Produtiva Isolada Mister Industrial Avícola, apresentou a proposta para aquisição, e cumpriu as formalidades indicadas no edital de convocação de assembléia geral. Na data de 10 de agosto de 2011, a assembléia geral de credores aprovou o plano de recuperação judicial apresentado pela Avícola Felipe S.A., inclusive a venda da Unidade Produtiva Isolada Mister Industrial Avícola S.A., para a Companhia, com base nos artigos 50, 60, 141, inciso II e artigo 144, todos da Lei de Recuperação Judicial. No dia 24 de novembro de 2011, o Judiciário concedeu a Recuperação da Avícola Felipe S.A.. Neste processo foram conferidos todos ativos materiais e imateriais que compõem a unidade produtiva isolada Mister, a saber: (i) bens, (ii) a marca Mister Frango e (iii) a dívida da Vendedora composta por créditos trabalhistas, dos créditos garantia real e dos créditos quirografários sujeitos à recuperação judicial, a qual está sujeita a alterações por discussões de impugnações de crédito, bem como as demais dívidas consideradas extra-concursais, assim como os empregados da vendedora necessários à condução das atividades da Companhia e contratos operacionais inerentes às atividades a serem exercidas por ela e, (iv). contratos de parceria com integrados. A aquisição da Mister Industrial Avícola permitirá maior participação da Companhia no mercado avícola, através do acesso à da planta industrial do frigorífico da Mister Avícola Industrial e contato junto aos seus parceiros. O Grupo também espera reduzir seus custos por meio da economia por escala. Ativos identificáveis adquiridos e passivos assumidos A seguir, são resumidos os tipos de contraprestações transferidas e os valores reconhecidos de ativos adquiridos e passivos assumidos na data de aquisição: 12

13 R$ Mil Caixa e equivalentes de caixa 797 Contas a receber de clientes e outros créditos Estoques Ativo fiscal corrente Investimentos 458 Imobilizado Intangíveis 121 Fornecedores e outras contas a pagar (16.145) Empréstimos e financiamentos (15.838) Obrigações sociais (3.021) Total líquido ativos identificáveis Goodwill e Marca Mister A definição de valor da marca Mister no montante de R$ foi apurada com base no relieffrom-royalty method, que é uma derivação do income approach. Essa metodologia é amplamente utilizada por especialistas na valorização de marcas, patentes, licenças e outros intangíveis, e considera que o intangível seria de propriedade de outra entidade, a qual cobraria um royalty pela utilização pelo privilégio de seu uso. A principal razão para a valorização da marca Mister é decorrente da sua grande penetração no mercado brasileiro. O ágio é atribuído principalmente à perícia e ao talento técnico da força de trabalho da Mister e às sinergias as quais se espera atingir da integração da entidade ao negócio existente de abate de aves. Nenhuma parte do ágio reconhecido tem expectativa de ser dedutível para os fins de imposto de renda e contribuição social. No balanço patrimonial individual da Companhia e nas demonstrações financeiras consolidadas, o ágio acima demonstrado está incluído no valor contábil do investimento e no intangível, respectivamente, e sua amortização, não é permitida. O imposto de renda diferido, calculado com base na alíquota vigente no país onde a empresa opera, está sendo apurado sobre as diferenças temporárias geradas na combinação de negócios. R$ Mil Patrimônio líquido sem ajustes da combinação de negócios Ajustes de combinação de negócios (+) Valor atribuído a marca Mister (+) Goodwill Taxa de impostos de renda e contribuição social 34% Impostos diferido (21.884) Patrimônio líquido ajustado pela combinação de negócios Valor da compra 1 (=) Ganho na combinação de negócio

14 3 Entidades do grupo Participação Acionária Unifrango Agroindustrial S.A. Brasil Coligada 18% 18% 10% Incubatório Canção Ltda. Brasil Controlada 98% 98% 98% Canção Comércio de Caminhões Ltda. Brasil Controlada 98% 98% 98% Mister Industrial Avícola S.A. Brasil Controlada 100% 100% Unifrango Agroindustrial S.A. Brasil Coligada 11% 10% 10% Indústria de Farinha e Óleo Canção Ltda. Brasil Controlada 98% 98% 4 Base de preparação a. Declaração de conformidade com relação às normas do CPC e IFRS As demonstrações financeiras individuais foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária, os Pronunciamentos, as Orientações e as Interpretação emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) As demonstrações financeiras consolidadas foram preparadas conforme as normas internacionais de relatório financeiro ( IFRS ) emitidas pelo International Accounting Standards Board IASB. A emissão das demonstrações financeiras individuais e consolidadas foi autorizada pelo Conselho de Administração em 14 de abril de b. Base de mensuração As demonstrações financeiras individuais e consolidadas foram preparadas com base no custo histórico com exceção dos seguintes itens materiais reconhecidos nos balanços patrimoniais: Os instrumentos financeiros derivativos mensurados pelo valor justo; Os instrumentos financeiros não-derivativos mensurados pelo valor justo por meio do resultado; Os ativos financeiros disponíveis para venda mensurados pelo valor justo por meio do resultado c. Moeda funcional e moeda de apresentação Essas demonstrações financeiras individuais e consolidadas são apresentadas em Real, que é a moeda funcional da Companhia. Todas as informações financeiras apresentadas em Real foram arredondadas para o milhar mais próximo, exceto quando indicado de outra forma. 14

15 d. Uso de estimativas e julgamentos A preparação das demonstrações financeiras individuais e consolidadas de acordo com as normas CPC exige que a Administração da Companhia faça julgamentos, estimativas e premissas que afetam a aplicação de políticas contábeis e os valores reportados de ativos, passivos, receitas e despesas. Os resultados reais podem divergir dessas estimativas. Estimativas e premissas são revistos de uma maneira contínua. Revisões com relação a estimativas contábeis são reconhecidas no exercício em que as estimativas são revisadas e em quaisquer exercícios futuros afetados. As informações sobre julgamentos críticos referente as políticas contábeis adotadas que apresentam efeitos sobre os valores reconhecidos nas demonstrações financeiras individuais e consolidadas os quais, eventualmente, podem ser distintos dos valores de realização, estão incluídas nas seguintes notas explicativas: Nota 10 Contas a receber de clientes e outros créditos * Nota 15 Imobilizado (depreciação) Nota 21 Tributos diferidos Nota 22 Provisão para contingências Nota 30 Instrumentos Financeiros (*) Provisão estimada para perda em créditos de liquidação duvidosa 5 Principais políticas contábeis Políticas contábeis, mudança de estimativa e retificação de erro As demonstrações financeiras referente aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2011 e 2010, originalmente emitidas em 24 de abril de 2012 e 29 de abril de 2011 respectivamente, estão sendo reapresentadas, em conformidade com o CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro, em decorrência da aplicação da totalidade dos novos pronunciamentos CPC. Abaixo demonstraremos um resumo dos efeitos demonstrações financeiras da controladora e consolidado originalmente apresentadas em 2011, comparativas às demonstrações reapresentadas. 15

16 Ativos Ref Apresentado Ajuste ou Anteriormente Reapresentado Reclassificação Caixa e equivalentes de caixa (6.712) Outros investimentos, incluindo derivativos Contas a receber de clientes e outros créditos (2.080) Estoques (20.687) Ativos biológicos Pagamentos antecipados (25.674) Ativo fiscal corrente (11.512) Ativos mantidos para venda (326) Total do ativo circulante (26.177) Outros investimentos, incluindo derivativos Contas a receber de clientes e outros créditos lp (8.530) Ativo fiscal corrente lp Depósitos judiciais Investimentos (422) Ativos biológicos lp Imobilizado Intangíveis Total do ativo não circulante Total do ativo Passivo Ref Apresentado Ajuste ou Anteriormente Reapresentado Reclassificação Fornecedores e outras contas a pagar (17.296) Empréstimos e financiamentos Passivo fiscal corrente Obrigações sociais Adiantamentos recebidos (3) Dividendos a pagar Total do passivo circulante (8.117) Fornecedores e outras contas a pagar lp (15.313) Empréstimos e financiamentos lp Passivo fiscal corrente lp (18.570) Passivo fiscal diferido Provisão para contigências Total do passivo não circulante Patrimônio líquido Capital social Adiantamento para futuro aumento de capital Ajustes de avaliação patrimonial Reserva de reavaliação (858) Reserva de lucros Patrimônio líquido atribuível aos controladores Participação de não controladores Total do patrimônio líquido Total do passivo Total do passivo e patrimônio líquido

17 Ativos Ref Apresentado Ajuste ou Anteriormente Reapresentado Reclassificação Caixa e equivalentes de caixa (7.205) Outros investimentos, incluindo derivativos Contas a receber de clientes e outros créditos (586) Estoques (20.688) Ativos biológicos Pagamentos antecipados (24.159) Ativo fiscal corrente (11.512) Ativos mantidos para venda (326) Total do ativo circulante (23.719) Outros investimentos, incluindo derivativos Contas a receber de clientes e outros créditos lp (8.500) Ativo fiscal corrente lp Depósitos judiciais Investimentos (422) Ativos biológicos lp Imobilizado Intangíveis Total do ativo não circulante Total do ativo Passivo Ref Apresentado Ajuste ou Anteriormente Reapresentado Reclassificação Fornecedores e outras contas a pagar (8.057) Empréstimos e financiamentos Passivo fiscal corrente (0) Obrigações sociais Adiantamentos recebidos (3) Dividendos a pagar Total do passivo circulante (8.061) Fornecedores e outras contas a pagar lp (2.623) Empréstimos e financiamentos lp Passivo fiscal corrente lp (15.825) Passivo fiscal diferido Provisão para contigências Total do passivo não circulante Patrimônio líquido Capital social Adiantamento para futuro aumento de capital Ajustes de avaliação patrimonial Reserva de reavaliação (858) Reservas de lucros Total do patrimônio líquido Total do passivo e patrimônio líquido

18 Ref Apresentado Ajuste ou Anteriormente Reapresentado Reclassificação Receita operacional líquida Custo das vendas 28 ( ) ( ) 210 Lucro bruto Despesas de vendas 24 (52.270) (52.270) Despesas administrativas 24 (87.898) (35.727) Outros resultados operacionais Ganho combinação de negócios (26.146) Resultado de equivalência patrimonial Resultado antes das receitas (despesas) financeiras liquidas e impostos Receitas financeiras Despesas financeiras 26 (42.905) (59.692) (16.787) Receita (despesas) financeiras líquidas (12.774) (12.773) Resultado antes dos impostos Imposto de renda e contribuição social corrente (4.814) (4.814) Imposto de renda e contribuição social diferidos 27 (1.222) (22.274) (21.052) Lucro do exercício Ref Apresentado Ajuste ou Anteriormente Reapresentado Reclassificação Receita operacional líquida Custo das vendas ( ) ( ) Lucro bruto Despesas de vendas 24 (86.955) (51.779) Despesas administrativas 24 (35.283) (35.283) Outros resultados operacionais Ganho combinação de negócios (26.146) Resultado de equivalência patrimonial Resultado antes das receitas (despesas) financeiras liquidas e impostos Receitas financeiras Despesas financeiras 26 (42.504) (59.291) (16.787) Receita (despesas) financeiras líquidas (12.592) (12.592) Resultado antes dos impostos Imposto de renda e contribuição social corrente (3.576) (3.576) - Imposto de renda e contribuição social diferidos 27 (1.425) (22.477) (21.052) Lucro do exercício

19 1- Reclassificação de saldo de aplicações financeiras que não se enquadram na definição de caixa e equivalentes de caixa, em função de estarem vinculadas às operações secundárias de empréstimos e financiamentos e outras operações, para o grupo de outros investimentos, incluindo derivativos de acordo com os quesitos do CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis. 2- Reclassificação de saldo de aplicações financeiras vinculadas a empréstimos e financiamentos, e a operação de Convir, anteriormente apresentadas como caixa e equivalentes e reclassificação de debêntures realizáveis em curto prazo, para o grupo de outros investimentos de acordo com o CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis. Reclassificação dos saldos das operações de opções de compra de commodities, de acordo com o CPC 39 - Instrumentos Financeiros Apresentação, para este grupo. 3- Reclassificação do saldo de juros e seguros a apropriar, agora classificado no grupo de contas a receber de clientes e outros créditos. Reclassificação dos saldos referente às operações com instrumentos derivativos para o grupo de outros investimentos, incluindo derivativos, de acordo com o CPC 39 Instrumentos Financeiros Apresentação. 4- Reclassificação do saldo de aves em formação para o grupo do Ativo Biológico conforme requerido pelo CPC 29 - Ativo Biológico e reclassificação dos adiantamentos a fornecedores realizados para aquisição de estoques, para o grupo de estoques. 5- Reclassificação de saldo de aves em formação, anteriormente apresentados como estoque, em consonância com o CPC 29 - Ativo Biológico. 6- Contabilização da conciliação do saldo de fornecedores em abertos e respectivos pagamentos já realizados, anteriormente apresentado no grupo de pagamento antecipados. Reclassificação do saldo de adiantamento para aquisição de estoques e imobilizados para os respectivos grupos, conforme CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis. Reclassificação do saldo de adiantamentos realizados a partes relacionadas, para o grupo de contas a receber de clientes e outros créditos, incluindo partes relacionadas, para fins de Apresentação das Demonstrações Contábeis (CPC 26). 7- Reclassificação dos créditos de PIS e COFINS para o longo prazo, considerando com a expectativa de realização dos créditos, de acordo com o CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis. 8- Reclassificação dos saldos para o grupo de outros investimentos de acordo com as prerrogativas do CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis. 9- Reclassificação do saldo de debêntures para o grupo de outros investimentos incluindo derivativos circulantes, para fins de Apresentação das Demonstrações Contábeis (CPC 26). Reclassificação dos saldos de consórcios em andamento para o grupo de ativo imobilizado, de acordo com o CPC 27 - Ativo Imobilizado. 10- Reclassificação do saldo de terrenos mantidos para valorização de capital a longo prazo para o grupo de ativos disponíveis para a venda para fins de apresentação das demonstrações contábeis (CPC 26). 11- Reclassificação do saldo de matrizes anteriormente apresentadas no grupo de imobilizado, de acordo com CPC 29 - Ativo Biológico. 19

20 12- Reclassificação dos saldos referente às matrizes para o grupo de Ativo Biológico, conforme CPC 29 Ativo Biológico. Reclassificação dos adiantamentos para aquisição de imobilizado para este grupo, anteriormente apresentados como pagamentos antecipados. Reclassificação dos saldos de consórcios em andamento para este grupo, anteriormente apresentados no grupos de contas a receber de clientes e outros créditos, de acordo com o CPC 27 Ativo Imobilizado. 13- Reconhecimento dos montantes referente ao Goodwill e Marca Mister na combinação de negócio realizada de acordo com o CPC 15 (R1) Combinação de Negócios. 14- Contabilização da conciliação do saldo de fornecedores em abertos e respectivos pagamentos já realizados. 15- Reclassificação os saldos referente às operações com partes relacionadas para o grupo de Fornecedores e Outras Contas a Pagar, incluindo partes relacionadas de acordo com o CPC 05 (R1) Divulgação sobre Partes Relacionadas. 16- Reclassificação para divulgação dos tributos diferidos, conforme requerido pelo CPC 32 - Tributos sobre o Lucro, anteriormente apresentado em Obrigações Sociais e Fiscais. Ajuste para reconhecimento dos impostos diferidos sobre a depreciação rural acelerada, conforme rege o respectivo CPC citado. Reconhecimento dos tributos diferidos sobre a operação de combinação de negócio de acordo com o CPC 15 (R1) Combinação de Negócios. 17- Reconhecimento de provisão para contingências cíveis e fiscais conforme preconiza o CPC 25 - Provisões, Ativos Contingentes e Passivos Contingentes, e seus respectivos impactos fiscais. 18- Reconhecimentos dos tributos diferidos sobre a reavaliação de terrenos conforme CPC 32 Tributos Sobre o Lucro e reclassificação dos saldos para o grupo de ajuste de avaliação patrimônio de acordo com as premissas do CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis. 19- Reflexo da correção das práticas contábeis adotadas, líquido dos efeitos tributários (IR e CS diferidos): constituição de provisão para contingências. Correção do ajuste de avaliação patrimonial reflexa da controlada Incubatório Canção Ltda. diretamente no patrimônio líquido na rubrica de ajuste de avaliação patrimonial reflexa. Ajuste para realização do custo atribuído no resultado. Contabilização dos tributos diferidos sobre depreciação rural acelerada. 20- Reclassificação dos montantes referente à empréstimos e financiamentos da controlada Mister anteriormente apresentados no grupo de fornecedores e outras contas a pagar, para o grupo de empréstimos e financiamentos de acordo com a natureza da operação, e em circulante e não circulante de acordo com o prazo de exigibilidade, em consonância com o CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis. Contabilização da conciliação do saldo de fornecedores em abertos e respectivos pagamentos já realizados. 21- Reclassificação do saldo de empréstimos e financiamentos a pagar, anteriormente apresentados no grupo de fornecedores e outras contas à pagar, de acordo com o CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis. 20

21 22- Reclassificação do saldo de acordo com seu prazo de exigibilidade segundo o CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis e contabilização da conciliação do saldo de fornecedores em abertos e respectivos pagamentos já realizados, mantidos anteriormente no saldo de pagamento antecipados. 23- Reclassificação do saldo de fornecedores e outras contas à pagar, para o grupo de empréstimos e financiamentos de acordo com a natureza da operação, e em não circulante de acordo com o prazo de exigibilidade, em consonância com o CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis. 24- Abertura nas demonstrações financeiras do grupo de despesas com venda de acordo com o CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis. 25- Reconhecimento dos montantes referente ao Goodwill e Marca Mister na combinação de negócio realizada de acordo com o CPC 15 (R1) Combinação de Negócios. Reclassificação do resultado da combinação de negócio para o grupo de outros resultados operacionais de acordo com o CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis. 26- Reclassificação do resultado financeiro referente à atualização do valor justo dos instrumentos financeiros derivativos para os grupos de receitas financeiras e despesas financeiras de acordo com sua natureza de acordo com o CPC 39 Instrumentos Financeiros: Apresentação. 27- Reconhecimentos dos tributos diferidos sobre: operação de combinação de negócios; depreciação acelerada rural: provisão para contingências e créditos de liquidação duvidosa e sobre realização do custo atribuído, de acordo com o CPC 32 Tributos sobre o Lucro. 28- Eliminação dos saldos referente à operação entre a e Controla Mister para fins de consolidação de acordo com o CPC 36 Demonstrações Consolidadas. Abaixo demonstraremos um resumo dos efeitos demonstrações financeiras da controladora e consolidado originalmente apresentadas em 2010, comparativas às demonstrações reapresentadas. 21

22 Ativos Ref Apresentado Ajuste ou Anteriormente Reapresentado Reclassificação Caixa e equivalentes de caixa (9.685) Outros investimentos, incluindo derivativos Contas a receber de clientes e outros créditos (1.707) Estoques (16.480) Ativos biológicos Pagamentos antecipados (18.016) Ativo fiscal corrente (68) Total do ativo circulante (15.617) Outros investimentos, incluindo derivativos Contas a receber de clientes e outros créditos lp (209) Ativo fiscal corrente lp Depósitos judiciais Investimentos (422) Ativos biológicos lp Imobilizado Intangíveis (4) Total do ativo não circulante Total do ativo (9.456) Passivo Ref Apresentado Ajuste ou Anteriormente Reapresentado Reclassificação Fornecedores e outras contas a pagar (10.522) Empréstimos e financiamentos Passivo fiscal corrente (185) Obrigações sociais Adiantamentos recebidos Dividendos a pagar Total do passivo circulante (10.040) Fornecedores e outras contas a pagar lp Empréstimos e financiamentos lp Passivo fiscal corrente lp (18.153) Passivo fiscal diferido Total do passivo não circulante Patrimônio líquido Capital social Adiantamento para futuro aumento de capital Ajustes de avaliação patrimonial Reserva de reavaliação (858) Reserva de lucros (5.027) Patrimônio líquido atribuível aos controladores (5.319) Participação de não controladores Total do patrimônio líquido (5.318) Total do passivo (4.138) Total do passivo e patrimônio líquido (9.456) 22

23 Ativos Ref Apresentado Ajuste ou Anteriormente Reapresentado Reclassificação Caixa e equivalentes de caixa (9.685) Outros investimentos, incluindo derivativos Contas a receber de clientes e outros créditos (98) Estoques (14.465) Ativos biológicos Pagamentos antecipados (19.627) Ativo fiscal corrente (68) Total do ativo circulante (15.617) Outros investimentos, incluindo derivativos Contas a receber de clientes e outros créditos lp (193) Ativo fiscal corrente lp Depósitos judiciais Investimentos (422) Imobilizado Intangíveis (3) Total do ativo não circulante Total do ativo (9.456) Passivo Ref Apresentado Ajuste ou Anteriormente Reapresentado Reclassificação Fornecedores e outras contas a pagar (9.002) Empréstimos e financiamentos Passivo fiscal corrente (185) Obrigações sociais Adiantamentos recebidos (4) Dividendos a pagar Total do passivo circulante (9.190) Fornecedores e outras contas a pagar lp Empréstimos e financiamentos lp Passivo fiscal corrente lp (15.115) Passivo fiscal diferido Total do passivo não circulante Patrimônio líquido Capital social Adiantamento para futuro aumento de capital Ajustes de avaliação patrimonial Reserva de reavaliação (858) Reserva de lucros (5.027) Total do patrimônio líquido (5.319) Total do passivo e patrimônio líquido (9.456) 23

24 Ref Apresentado Ajuste ou Anteriormente Reapresentado Reclassificação Receita operacional líquida Custo das vendas ( ) ( ) Lucro bruto Despesas de vendas 21 (37.020) (37.020) Despesas administrativas 21 (57.938) (20.919) Outros resultados operacionais (852) Resultado de equivalência patrimonial Resultado antes das receitas (despesas) financeiras liquidas e impostos (852) Receitas financeiras Despesas financeiras 23 (20.169) (21.470) (1.300) Receita (despesas) financeiras líquidas (8.088) (8.470) (381) Resultado antes dos impostos (1.233) Imposto de renda e contribuição social corrente (2.461) (2.461) Imposto de renda e contribuição social diferidos 24 (1.511) (2.268) (757) Lucro do exercício (1.989) Ref Apresentado Ajuste ou Anteriormente Reapresentado Reclassificação Receita operacional líquida Custo das vendas ( ) ( ) Lucro bruto Despesas de vendas 21 (36.693) (36.693) Despesas administrativas 21 (57.238) (20.545) Outros resultados operacionais Resultado de equivalência patrimonial (855) Resultado antes das receitas (despesas) financeiras liquidas e impostos (855) Receitas financeiras Despesas financeiras 23 (19.951) (21.251) (1.300) Receita (despesas) financeiras líquidas (8.150) (8.531) (381) Resultado antes dos impostos (1.236) Imposto de renda e contribuição social corrente (1.300) (1.300) Imposto de renda e contribuição social diferidos 24 (1.377) (2.134) (757) Lucro do exercício (1.993) 24

25 1- Reclassificação de saldo de aplicações financeiras que não se enquadram na definição de caixa e equivalentes de caixa, em função de estarem vinculadas às operações secundárias de empréstimos e financiamentos e outras operações, para o grupo de outros investimentos, incluindo derivativos de acordo com os quesitos do CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis. 2- Reclassificação de saldo de aplicações financeiras vinculadas a empréstimos e financiamentos, e a operação de Convir, anteriormente apresentadas como caixa e equivalentes e reclassificação de debêntures realizáveis em curto prazo, para o grupo de outros investimentos de acordo com o CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis. Reclassificação dos saldos das operações de opções de compra de commodities, de acordo com o CPC 39 - Instrumentos Financeiros Apresentação, para este grupo. 3- Reclassificação do saldo de juros e seguros a apropriar, agora apresentado no grupo de contas a receber de clientes e outros créditos de acordo com o CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis. Reclassificação do saldo de adiantamentos realizados para o grupo de pagamentos antecipados para fins de Apresentação das Demonstrações Contábeis (CPC 26). 4- Reclassificação do saldo de aves em formação para o grupo do Ativo Biológico conforme requerido pelo CPC 29 - Ativo Biológico e reclassificação dos adiantamentos a fornecedores realizados para aquisição de estoques, para o grupo de estoques. 5- Reclassificação de saldo de Aves em Formação para o grupo de Ativo Biológico em consonância com o CPC 29 - Ativo biológico. 6- Contabilização da conciliação do saldo de fornecedores em abertos e respectivos pagamentos já realizados, anteriormente apresentado no grupo de pagamento antecipados. Reclassificação do saldo de adiantamento para aquisição de estoques e imobilizados para os respectivos grupos, conforme CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis. Reclassificação do saldo de adiantamentos realizados a partes relacionadas, para o grupo de contas a receber de clientes e outros créditos, incluindo partes relacionadas, para fins de Apresentação das Demonstrações Contábeis (CPC 26). 7- Compensação dos tributos diferidos ativos e passivos para fins de Apresentação das Demonstrações Contábeis (CPC26). 8- Reclassificação do saldo de terrenos utilizados na operação da Companhia para o grupo do ativo imobilizado de acordo com o CPC 27 Ativo Imobilizado. 9- Reclassificação do saldo de adiantamentos para aquisição de ativo imobilizado, para o grupo de Ativo Imobilizado, conforme preconiza o CPC 27 Ativo Imobilizado. Reclassificação do saldo referente às marcas e patentes, para o grupo do Ativo Intangível, conforme preconiza o CPC 04 - Ativo Intangível. Reclassificação do saldo referente às matrizes, anteriormente apresentas no grupo do Ativo Imobilizado, para este grupo, segundo preconiza o CPC 29 - Ativo Biológico. 10- Reclassificação do saldo referente às marcas e patentes, anteriormente classificados como Ativo Imobilizado, para este grupo, conforme preconiza o CPC 04 - Ativo Intangível. 25

26 11- Reclassificação do saldo a pagar para partes relacionadas, anteriormente classificadas como adiantamentos recebidos, para este grupo, para fins de Apresentação das Demonstrações Contábeis (CPC 26). Reclassificação do saldo operações com instrumentos financeiros derivativos, para o grupo de Derivativos, de acordo com o CPC 39 - Instrumentos Financeiros Apresentação. 12- Reclassificação para divulgação dos tributos diferidos, anteriormente apresentado em Obrigações. Reconhecimento dos tributos diferidos sobre a depreciação acelerada rural de acordo com o CPC 32 - Tributos sobre o Lucro. 13- Reclassificação dos saldos com partes relacionadas, para o grupo de fornecedores e outras contas a pagar, incluindo partes relacionadas de acordo com o CPC 05 (R1) Divulgação sobre Partes Relacionadas. 14- Reconhecimentos dos tributos diferidos sobre a reserva de reavaliação de terrenos conforme CPC 32 Tributos Sobre o Lucro e reclassificação dos saldos para o grupo de ajuste de avaliação patrimônial de acordo com as premissas do CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis. 15- Reflexo da correção das práticas contábeis adotadas, líquido dos efeitos tributários (IR e CS diferidos): correção do ajuste de avaliação patrimonial reflexa da controlada Incubatório Canção Ltda. transitando diretamente no patrimônio líquido na rubrica de ajuste de avaliação patrimonial reflexa. Ajuste para realização do custo atribuído no resultado. Contabilização dos tributos diferidos sobre depreciação rural acelerada. 16- Reclassificação do saldos referente à depósitos judiciais da controlada Incubatório Canção Ltda., anteriormente apresentado no grupo de clientes e outros contas à receber, para fins de Apresentação das Demonstrações Contábeis (CPC 26). 17- Reclassificação do saldo referente às matrizes, anteriormente apresentas no grupo do Ativo Imobilizado, para este grupo, segundo preconiza o CPC 29 - Ativo Biológico. 18- Contabilização da conciliação do saldo de fornecedores em abertos e respectivos pagamentos já realizados. Contabilização do ajuste ao valor de mercado dos instrumentos financeiro derivativos, referente à operações de opções de venda de commodities de acordo com o CPC 38 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração. 19- Reclassificação do saldo de adiantamentos recebidos de fornecedores, anteriormente apresentado no grupo de fornecedores e outras contas a pagar, para este grupo para fins de Apresentação das Demonstrações Contábeis (CPC26). 20- Reclassificação de saldo para fornecedores e outras contas a pagar para o passivo não circulante de acordo com o prazo de exigibilidade dos títulos, para fins de apresentação das Demonstrações Contábeis (CPC 26). 21- Abertura nas demonstrações financeiras do grupo de despesas com venda de acordo com o CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis. 22- Reclassificação dos montantes referente à realização do ajuste de avaliação patrimonial reflexa do Incubatório Canção Ltda., para a rubrica de reserva de lucros, de acordo com o CPC 18 (R2) Investimentos em Controladas e Coligadas. 26

Ecoporto Holding S.A. (Anteriormente Denominada Ecoporto Holding Ltda.)

Ecoporto Holding S.A. (Anteriormente Denominada Ecoporto Holding Ltda.) Ecoporto Holding S.A. (Anteriormente Denominada Ecoporto Holding Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as

Leia mais

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015 Demonstrações financeiras intermediárias em KPDS 134230 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras intermediárias 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações dos resultados

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras demonstrações financeiras 1 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Ao Conselho de Administração e aos Acionistas da Ultrapar Participações S.A. São Paulo SP Examinamos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A.

Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A. Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Índice Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2)

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Deliberação CVM nº 640, de 7 de outubro de 2010 (Pág. 57) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre efeitos das mudanças

Leia mais

Demonstrações Financeiras MPX Energia S.A. (Companhia aberta)

Demonstrações Financeiras MPX Energia S.A. (Companhia aberta) Demonstrações Financeiras MPX Energia S.A. 31 de dezembro de 2012 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e 2011 Índice

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 2 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e Mantenedores da FUNDAÇÃO PRÓ RIM JOINVILLE SC Examinamos as demonstrações financeiras da Fundação Pró Rim, que compreendem

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CONTEÚDO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013

TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Yuny Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012

Leia mais

Demonstrações Financeiras Estácio Participações S.A.

Demonstrações Financeiras Estácio Participações S.A. Demonstrações Financeiras Estácio Participações S.A. 31 de dezembro de 2011 e 2010 com Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações financeiras individuais e consolidadas

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Fertilizantes Heringer S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2011

Fertilizantes Heringer S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2011 Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A.

Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A. Demonstrações Financeiras Arezzo Indústria e Comércio S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2014 Índice Relatório dos

Leia mais

BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013. Página 1 de 16

BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013. Página 1 de 16 BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 Página 1 de 16 BETAPART PARTICIPAÇÕES S.A. Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2014 e de 2013 Conteúdo Relatório

Leia mais

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações Financeiras com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

METALÚRGICA DUQUE S/A CNPJ N 84.683.762/0001-20 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DE 2011

METALÚRGICA DUQUE S/A CNPJ N 84.683.762/0001-20 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DE 2011 METALÚRGICA DUQUE S/A CNPJ N 84.683.762/0001-20 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DE 2011 Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras da Metalúrgica Duque S/A, referentes

Leia mais

VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A.

VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. Demonstrações Contábeis 31 de Dezembro de 2014 e 2013 Conteúdo Relatório dos Auditores

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01047-2 SARAIVA S.A. LIVREIROS EDITORES 60.500.139/0001-26 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01047-2 SARAIVA S.A. LIVREIROS EDITORES 60.500.139/0001-26 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2015 e 2014 FPRJ/ORN/TMS 0753/16 FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Vigor Alimentos S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis KPMG Auditores Independentes Fevereiro de 2013 KPDS 51378 KPMG Auditores Independentes R. Dr. Renato Paes de

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 KPDS 83595 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 3 Balanços patrimoniais consolidados 5 Demonstrações de resultados consolidadas 6 Demonstrações

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

Demonstrações Financeiras Magazine Luiza S.A.

Demonstrações Financeiras Magazine Luiza S.A. Demonstrações Financeiras Magazine Luiza S.A. e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras...

Leia mais

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 com o Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014 Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014 KPDS 114064 Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02101-6 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 08.807.432/0001-10 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02101-6 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 08.807.432/0001-10 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA A SER REALIZADA NO DIA 30.04.2015

PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA A SER REALIZADA NO DIA 30.04.2015 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA A SER REALIZADA NO DIA 30.04.2015 Senhores Acionistas, O Conselho de Administração de Hotéis Othon S.A. vem apresentar aos Senhores Acionistas

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO ALGODÃO- IBA. Relatório dos auditores independentes

INSTITUTO BRASILEIRO DO ALGODÃO- IBA. Relatório dos auditores independentes INSTITUTO BRASILEIRO DO ALGODÃO- IBA Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 FPRJ/HÁ/LB/KD 0350/11 INSTITUTO BRASILEIRO DO ALGODÃO - IBA Demonstrações contábeis

Leia mais

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais S.A. BDMG

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais S.A. BDMG Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais S.A. BDMG 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras consolidadas

Leia mais

Graal Investimentos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional)

Graal Investimentos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras Período de 10 de agosto de 2011 (data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2011 (em

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A. Índice

Raízen Combustíveis S.A. Índice Raízen Combustíveis S.A. Índice Balanço patrimonial...2 Demonstração do resultado...4 Demonstração do resultado abrangente...5 Demonstração das mutações do patrimônio líquido...6 Demonstração dos fluxos

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5 Demonstrações Contábeis Consolidadas de acordo com as Normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board - IASB 2014 Bradesco 1 Sumário oação de

Leia mais

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis MAA/MFD/YTV 2547/15 Demonstrações contábeis Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Balanços patrimoniais

Leia mais

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

BB Capitalização S.A.

BB Capitalização S.A. BB Capitalização S.A. CNPJ 07.681.872/0001-01 Demonstrações Contábeis Intermediárias Semestre findo em 30.06.2014 Contadoria Gesub - Gerência de Subsidiárias Subsi V - Divisão de Subsidiárias V RELATÓRIO

Leia mais

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas - RJ. Professor das Faculdades Atibaia

Leia mais

Demonstrações financeiras Docelar Alimentos e Bebidas S.A. 31 de março de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações financeiras Docelar Alimentos e Bebidas S.A. 31 de março de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Docelar Alimentos e Bebidas S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demosntrações Financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Balanços patrimoniais...

Leia mais

Demonstrações financeiras IFRS em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras IFRS em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações financeiras IFRS em KPDS 81486 Demonstrações financeiras IFRS em Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balançospatrimoniais 5 Demonstrações do

Leia mais

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013 BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. BV LEASING - ARRENDAMENTO MERCANTIL S.A. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, apresentamos as demonstrações

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01732-9 TRACTEBEL ENERGIA S.A. 02.474.103/0001-19 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01732-9 TRACTEBEL ENERGIA S.A. 02.474.103/0001-19 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A.

AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A. AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A. Demonstrações Contábeis com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Construtora Adolpho Lindenberg S.A

Demonstrações Financeiras. Construtora Adolpho Lindenberg S.A Demonstrações Financeiras Construtora Adolpho Lindenberg S.A 31 de dezembro de 2011 e 2010 Construtora Adolpho Lindenberg S.A Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2011 e 2010 Índice Relatório dos

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Rossi Residencial S.A.

Rossi Residencial S.A. Demonstrações Financeiras Rossi Residencial S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes 1 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Administradores

Leia mais

GTD PARTICIPAÇÕES S.A.

GTD PARTICIPAÇÕES S.A. GTD PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES GTD PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

Lorenge S.A. Participações

Lorenge S.A. Participações Lorenge S.A. Participações Demonstrações Financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Deloitte

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental. 31 de dezembro de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental. 31 de dezembro de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 Índice Relatório dos auditores independentes sobre as

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS. 31 de dezembro de 2013 e de 2012.

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS. 31 de dezembro de 2013 e de 2012. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2013 e de 2012. 1 Índice Balanço Patrimonial...3 Demonstração dos resultados dos exercícios...4 Demonstração das mutações do patrimônio

Leia mais

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

Banco Volkswagen S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes Aos administradores Banco Volkswagen S.A. Examinamos as demonstrações

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

Altus Sistemas de Automação S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2014

Altus Sistemas de Automação S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2014 Altus Sistemas de Automação S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2014 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) A T I V O

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) A T I V O BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) A T I V O CIRCULANTE 2014 2013 2014 2013 Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 110.829

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01732-9 TRACTEBEL ENERGIA S.A. 02.474.103/0001-19 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01732-9 TRACTEBEL ENERGIA S.A. 02.474.103/0001-19 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Medise Medicina Diagnóstico e Serviços S.A.

Demonstrações Financeiras Medise Medicina Diagnóstico e Serviços S.A. Demonstrações Financeiras Medise Medicina Diagnóstico e Serviços S.A. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório auditores independentes

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES 1. BREVE HISTÓRICO DO CLUBE CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 O Esporte Clube Vitória, fundado na cidade do Salvador, onde tem foro e sede,

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A.

Demonstrações Financeiras Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A. Demonstrações Financeiras Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A. 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Condomínio São Luiz Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830 Torre

Leia mais

Demonstrações contábeis ECTE - Empresa Catarinense de Transmissão de Energia S.A.

Demonstrações contábeis ECTE - Empresa Catarinense de Transmissão de Energia S.A. Demonstrações contábeis ECTE - Empresa Catarinense de Transmissão de Energia S.A. 31 de dezembro de 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis 31 de dezembro de 2011 Índice

Leia mais

Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo - Central Sicredi PR/SP

Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo - Central Sicredi PR/SP Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo com Relatório dos Auditores Independentes - Central Sicredi PR/SP Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A.

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as Informações Trimestrais (ITRs) trimestre findo em 30 de junho de 2015 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Dommo Empreendimentos

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Prosegur Brasil S.A. Transportadora de Valores e Segurança KPDS 86275 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

Fundamentos Decifrados de Contabilidade

Fundamentos Decifrados de Contabilidade 1 Resultado... 1 1.1 Receitas... 1 1.2 Despesas... 3 1.3 Ajustes... 6 2 Os conceitos de capital e de manutenção do capital... 7 1 Resultado O resultado é a medida mais utilizada para aferir a performance

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2012 KPDS 41367 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

ALL - América Latina Logística Malha Norte S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e de acordo com as

ALL - América Latina Logística Malha Norte S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e de acordo com as ALL - América Latina Logística Malha Norte S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS)

Leia mais

Demonstrações financeiras em IFRS 31 de dezembro de 2012

Demonstrações financeiras em IFRS 31 de dezembro de 2012 KPMG Auditores Independentes Fevereiro de 2013 KPDS 52109 Conteudo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais consolidados 5 Demonstrações de resultados

Leia mais

Companhia de Marcas e Controladas

Companhia de Marcas e Controladas Companhia de Marcas e Controladas Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche

Leia mais

Demonstrações financeiras. Camil Alimentos S.A.

Demonstrações financeiras. Camil Alimentos S.A. Demonstrações financeiras Camil Alimentos S.A. 28 de fevereiro de 2011, 2010 e 2009 Demonstrações Financeiras Individuais (Controladora) elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil,

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações financeiras consolidadas em KPDS 84432 Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 4 Balanços patrimoniais

Leia mais

Demonstrações Financeiras Companhia Ligna de Investimentos

Demonstrações Financeiras Companhia Ligna de Investimentos Demonstrações Financeiras Companhia Ligna de Investimentos com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras individuais e consolidadas Índice Relatório dos auditores independentes...1

Leia mais

Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08

Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08 Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08 O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que o

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

RELATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO. Exercício de 2009. Exercício de 2010

RELATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO. Exercício de 2009. Exercício de 2010 1 - Mensagem da Administração Senhores Acionistas, A administração da Concessão Metroviária do Rio de Janeiro tem o prazer de encaminhar para apreciação de V.Sas. o Relatório de Administração e as Demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Brasil Lau-Rent Locação de Máquinas e Equipamentos Ltda.

Demonstrações Financeiras Brasil Lau-Rent Locação de Máquinas e Equipamentos Ltda. Demonstrações Financeiras Brasil Lau-Rent Locação de Máquinas e Equipamentos Ltda. e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Embratel Participações S.A.

Embratel Participações S.A. Embratel Participações S.A. Laudo de avaliação de acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis para efeito de cisão Em 30 de setembro de 2014 Índice

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais