RAID RAID RAID. Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RAID RAID RAID. Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum"

Transcrição

1 RAID O DESEMPENHO DA CPU TEM DUPLICADO A CADA 18 MESES. NA DÉCADA DE 1970, O TEMPO DE SEEK VARIAVA DE 50 A 100 ms, NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ESSE TEMPO ATINGE UM POUCO MENOS DE 10 ms => A DIFERENÇA ENTRE O DESEMPENHO DA CPU COM A DO DISCO TEM SE ACENTUADO COM O PASSAR DO TEMPO COMO O PROCESSAMENTO PARALELO TEM SIDO CADA VEZ MAIS USADO, ACREDITOU-SE QUE REALIZAR E/S EM PARALELO TAMBÉM SERIA UMA BOA IDEIA RAID RAID REDUNDANT ARRAY OF INEXPENSIVE DISKS (ARRANJO REDUNDANTE DE DISCOS BARATOS) É UM CONJUNTO DE SEIS ORGANIZAÇÕES PARA DISCOS DESTINADO A MELHORAR O DESEMPENHO, A CONFIABILIDADE DOS DISCOS OU AMBOS RAID CAIXA DE DISCOS USO DE UM CONTROLADOR RAID NO LUGAR DA(S) PLACA(S) CONTROLADORA(S) PARA O S.O. A MATRIZ É APENAS UM DISCO ÚNICO GRANDE E CARO (SEM SER CARO SINGLE LARGE EXPENSIVE DISK, SLED) EM GERAL, USAM-SE DISCOS SCSI NÃO HÁ NECESSIDADE DE ALTERAR O S.O.

2 RAID OS DADOS SÃO DISTRIBUÍDOS PELOS DISCOS DA MATRIZ, O QUE PERMITE OPERAÇÃO EM PARALELO A DISTRIBUIÇÃO É DENOMINADA STRIPING AS SEIS ORGANIZAÇÕES DE DISCOS FORAM DENOMINADAS NÍVEIS DE 0 A 5 EXISTEM OUTRAS ORGANIZAÇÕES DECORRENTES DAS SEIS ORIGINAIS RAID Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum RAID CADA FAIXA PODE ENVOVER UM NÚMERO CONSTANTE DE SETORES (MESMO TAMANHO EM TODOS OS DISCOS DE UMA MESMA MATRIZ) A IDEIA É A DO ARMAZENAMENTO DAS FAIXAS DE MANEIRA ROUND ROBIN EXISTEM IMPLEMENTAÇÕES DE CADA ESQUEMA RAID BASEADA EM SW E BASEADA EM HW (TOMAR CUIDADO NA AQUISIÇÃO)

3 RAID 0 SEM REDUNDÂNCIA (SOMENTE FAIXAS), QUAL É O GANHO? SE FAIXAS GRANDES SÃO USADAS, QUAL É O GANHO? SE A APLICAÇÃO REQUER GRANDE QUANTIDADE DE DADOS ARMAZENADOS SEQUENCIALMENTE, COMO DEVEM SER TRATADAS DIFERENTES REQUISIÇÕES DE E/S? O QUE OCORRE SE UM DOS DISCOS FALHA? ATÉ QUANTOS DISCOS PODEM FALHAR? RAID 0 DISCOS QUE RECEBEM MÚLTIPLAS REQUISIÇÕES VÃO TRATANDO-AS TRANPARENTEMENTE PARA O S.O. DESEMPENHO INFERIOR COM REQUISIÇÕES QUE REQUISITAM UM SETOR POR VEZ COM UM MTBF DE 20 MIL HORAS, A CADA 20 MIL / NÚMERO DE DISCOS PODERÁ OCORRER UM ERRO POR CONTA DE NÃO CONTAR COM REDUNDÂNCIA, NÃO É DE FATO UM RAID RAID 1 É O NÍVEL 0 ESPELHADO (COM REDUNDÂNCIA) COMO DEVE SER PROCESSADA UMA OPERAÇÃO DE ESCRITA SOBRE A MATRIZ? EXISTE ALGUM GANHO COM A REDUNDÂNCIA (ALÉM DA RECUPERAÇÃO DE FALHA)? O QUE OCORRE SE UM DOS DISCOS FALHA? ATÉ QUANTOS DISCOS PODEM FALHAR?

4 RAID 2 AO INVÉS DE FAIXAS, TRABALHA COM BITS, PALAVRAS OU MESMO BYTES REDUNDÂNCIA ATRAVÉS DE CÓDIGO DE HAMMING QUE É UM ECC DISTRIBUÍDO, QUE PERMITE CORREÇÃO DE BITS INDIVIDUAIS E DETECÇÃO DE ATÉ DOIS BITS DE ERRO. POR EXEMPLO, EM SETE BITS, BITS 1, 2 E 4 SÃO USADOS PARA PARIDADE TODOS OS DISCOS DA MATRIZ PARTICIPAM DE QUALQUER SOLICITAÇÃO DE E/S, POIS AS FAIXAS SÃO PEQUENAS, OU SEJA, ENCONTRAM-SE DIVIDIDAS NOS DIVERSOS DISCOS RAID 2 A MOVIMENTAÇÃO DOS BRAÇOS DOS DIVERSOS DISCOS DEVE SER SINCRONIZADA; PORQUE? SÓ TEM SENTIDO EM AMBIENTES COM SUSCETIBILIDADE DE ERROS NÃO É COMERCIALIZADO O QUE OCORRE SE UM DOS DISCOS FALHA? ATÉ QUANTOS DISCOS PODEM FALHAR?

5 RAID Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum RAID 3 RAID 4 PARIDADE BIT-INTERLEAVED, CALCULADA ATRAVÉS DE UM (XOR) DOS BITS REQUER APENAS UM DISCO PARA TRATAR REDUNDÂNCIA TODOS OS DISCOS DA MATRIZ PARTICIPAM DE QUALQUER SOLICITAÇÃO DE E/S, POIS AS FAIXAS SÃO PEQUENAS A MOVIMENTAÇÃO DOS BRAÇOS DOS DIVERSOS DISCOS DEVE SER SINCRONIZADA; PORQUE? O QUE OCORRE SE UM DOS DISCOS FALHA? ATÉ QUANTOS DISCOS PODEM FALHAR? NÃO NECESSITA QUE OS DISCOS SEJAM SINCRONIZADOS SIMILAR AO RAID 0 COM PARIDADE PERMITE MÚLTIPLAS LEITURAS SIMULTÂNEAS EXISTE OVERHEAD NAS OPERAÇÕES DE ESCRITA; PORQUE? O QUE OCORRE SE UM DOS DISCOS FALHA?

6 ATÉ QUANTOS DISCOS PODEM FALHAR? RAID 5 RAID 4 COM PARIDADE BLOCK-LEVEL DISTRIBUÍDA, PARIDADE BIT A BIT INDIVIDUAL PARA CADA FAIXA TODO DISCO É USADO PARA ARMAZENAR BITS DE PARIDADE RECONSTRUÇÃO DO CONTEÚDO DE UM DISCO QUE FALHOU É UM PROCESSO COMPLEXO O QUE OCORRE SE UM DOS DISCOS FALHA? ATÉ QUANTOS DISCOS PODEM FALHAR? CD CDs SÃO DISCOS ÓPTICOS COM DENSIDADE DE GRAVAÇÃO MUITO MAIOR DO QUE OS DISCOS MAGNÉTICOS, COM VIDA ÚTIL DE CEM ANOS ESPECIFICAÇÃO ISO (LIVRO VERMELHO) USA LASER INFRAVERMELHO DE ALTA POTÊNCIA PARA QUEIMAR ORIFÍCIOS DE 0,8 MÍCRON DE DIÂMETRO (DEPRESSÕES PITS), EM UM DISCO MESTRE REVESTIDO DE VIDRO AS ÁREAS NÃO QUEIMADAS SÃO AS SUPERFÍCIES (LANDS)

7 CD UMA MATRIZ É CRIADA A PARTIR DO DISCO MESTRE, NO LUGAR DOS PITS APARECEM ELEVAÇÕES RESINA DE POLICARBONATO É DERRAMADA SOBRE A MATRIZ CAMADA FINA DE ALUMÍNIO REFLETOR É DEPOSITADA SOBRE O POLICARBONATO APLICAÇÃO DE UM VERNIZ PROTETOR CD PARA TOCAR, UM DIODO DE LASER DE BAIXA POTÊNCIA DISPARA UMA LUZ INFRAVERMELHA, ENQUANTO O DISCO GIRA (COMPRIMENTO DE ONDA DE 0,78 MÍCRON) COM AS DEPRESSÕES VOLTADAS PARA O LASER, TENDO UMA ALTURA DE ¼ DO COMPRIMENTO DA ONDA, A LUZ REFLETIDA TEM METADE DO COMPRIMENTO DAQUELA REFLETIDA POR UMA SUPERFÍCIE NA FRONTEIRA, PITS E LANDS INTERFEREM DESTRUTIVAMENTE E RETORNAM MENOS LUZ PARA UM FOTODETECTOR CD TRANSIÇÃO PIT/LAND OU LAND/PIT É TRATADO COMO 1, SEM TRANSIÇÃO, 0 A GRAVAÇÃO CONSTITUI UMA ESPIRAL CONTÍNUA, COMEÇANDO DE DENTRO PARA FORA ROTAÇÕES, O QUE EQUIVALE A 5,6 KM

8 VELOCIDADE LINEAR CONSTANTE PARA LEITURA REQUER QUE A ROTAÇÃO SEJA CONTINUAMENTE REDUZIDA (530 RPM ATÉ 200 RPM) DISCOS MAGNÉTICOS OPERAM COM VELOCIDADES ÚNICAS, DE RPM A RPM CD-ROMs O LIVRO AMARELO DEFINE O CD-ROM (DISCO COMPACTO MEMÓRIA APENAS DE LEITURA (COMPACT DISK READ ONLY MEMORY) PARA ARMAZENAMENTO DE DADOS COMPUTACIONAIS FORMATAÇÃO E CORREÇÃO DE ERROS MESMO TAMANHO DO CD, COM COMPATIBILIDADE MECÂNICA E ÓPTICA CD-ROMs Pág. 229 do livro do Tanenbaum

9 CD-ROMs O PREÂMBULO CONTÉM O NÚMERO DO SETOR (3 BYTES) E O MODO (1 BYTE) MODO 1 É USADO PARA APLICAÇÕES QUE REQUEREM VALIDAÇÃO DE LEITURAS ECC DE 288 BYTES (CÓDIGO DE REED-SOLOMON) MODO 2 NÃO TEM ECC (APLICAÇÕES QUE NÃO NECESSITAM DE CORREÇÃO DE ERROS OU NÃO TÊM TEMPO PARA O SEU CÁLCULO TEMPO REAL SOFT) CD-ROMs VELOCIDADE ÚNICA (1 X) 75 SETORES/SEG (TAXA DE BYTES NO MODO 1 E BYTES NO MODO 2) UM CD-ROM DE 32 X ( BYTES/SEG) NÃO É PÁREO PARA UM SCSI-2 DE 10 MBYTES/SEG TEMPO DE POSICIONAMENTO CD-ROMs O LIVRO VERDE PERMITE QUE SE MISTURE MÍDIAS EM UM MESMO SETOR MULTIMÍDIA ISO 9660 (HIGH SIERRA) DEFINE TRÊS NÍVEIS PARA A DEFINIÇÃO DE NOMES DE ARQUIVOS: NÍVEL 1 DE ATÉ OITO CARACTERES COM EXTENSÃO OPCIONAL DE TRÊS (SOMENTE MAIÚSCULAS, DÍGITOS E HÍFEN) E OITO NÍVEIS DE DIRETÓRIO (SEM EXTENSÃO); TODOS OS ARQUIVOS DEVEM ESTAR CONTÍGUOS; NÍVEL 2 DE ATÉ 32 CARACTERES; NÍVEL 3 PERMITE ARQUIVOS NÃO CONTÍGUOS

10 CD-Rs CDs GRAVÁVEIS (CD-RECORDABLES) SÃO CONSTITUÍDOS DO MESMO MATERIAL DOS CD-ROMs, MAS CONTÊM UM CAMINHO LARGO DE 0,6 MM PARA GUIAR O LASER PARA ESCRITA SÃO DOURADOS, DEVIDO AO USO DE OURO NO LUGAR DO ALUMÍNIO AS DIFERENÇAS ENTRE PITS E LANDS NECESSITAM SER SIMULADAS, ADICIONANDO UMA CAMADA DE TINTA ENTRE O POLICARBONATO E A CAMADA REFLETORA DE OURO CD-Rs EM SEU ESTADO INICIAL, A CAMADA DE TINTA É TRANSPARENTE PARA ESCREVER, O LASER É ELEVADO PARA ALTA POTÊNCIA (8-16mW), O QUE FAZ A TINTA AQUECER E ASSIM ROMPER UM LIGAÇÃO QUÍMICA, CRIANDO UM PONTO ESCURO NA LEITURA, COM O LASER A 5mW, O FOTODETECTOR CAPTA AS DIFERENÇAS ENTRE PONTOS ESCUROS E AS ÁREAS TRANSPARENTES; MESMO QUANDO LIDOS POR UM LEITOR CONVENCIONAL DE CD-ROM OU UM TOCADOR DE CD DE ÁUDIO CD-Rs O LIVRO LARANJA (FORMATO CD-ROM X A) PERMITE QUE UM CD-R SEJA GRAVADO DE MODO INCREMENTAL UM GRUPO DE SETORES CONSECUTIVOS GRAVADOS É CHAMADO DE TRILHA DO CD-ROM, COM UMA TABELA

11 DE CONTEÚDO DE VOLUME (VOLUME TABLE OF CONTENTS VTOC) CADA TRILHA TEM SUA PRÓPRIA VTOC, COM AS INFORMAÇÕES DA ÚLTIMA VTOC AO SER INSERIDO, BUSCA-SE A VTOC MAIS ATUAL CD-Rs PARA EVITAR PIRATARIA: O OS TAMANHOS VERDADEIROS SÃO EMBUTIDOS NO SOFTWARE DE INSTALAÇÃO OU ESCONDIDOS (PODENDO USAR CRIPTOGRAFIA) O ECCs INTENCIONALMENTE INCORRETOS EM SETORES SELECIONADOS O INTERVALOS NÃO PADRONIZADOS ENTRE TRILHAS O ENTRE OUTROS DEFEITOS FÍSICOS CD-RW CDs REGRAVÁVEIS (CD-REWRITABLES) USA UMA LIGA METÁLICA DE PRATA, ÍNDIO, ANTIMÔNIO E TELÚRIO PARA A CAMADA DE GRAVAÇÃO, QUE APRESENTA DOIS ESTADOS ESTÁVEIS: CRISTALINO E AMORFO, COM DIFERENTES REFLETIVIDADES SÃO TRÊS POTÊNCIAS DE LASERS: ALTA, DERRETE A LIGA DO ESTADO CRISTALINO PARA O AMORFO (PIT); MÉDIA, DERRETE A LIGA PARA O ESTADO CRISTALINO; BAIXA PARA LEITURA (NÃO ALTERA O ESTADO DA LIGA)

12 DVD DISCO DE VÍDEO DIGITAL (DIGITAL VIDEO DISK OU DIGITAL VERSITILE DISK) SEGUE O MESMO PROJETO DOS CDs, EXCETO POR: O DEPRESSÕES MENORES (0,4 MÍCRON) O ESPIRAL MAIS ESTREITO (0,74 MÍCRON ENTRE TRILHAS ) O LASER VERMELHO (0,65 MÍCRON) DVD AUMENTO DE SETE VEZES NA CAPACIDADE (4,7 GBYTES) DVD 1 X A 1,4 MBYTES/SEG PARA LEITURA DE CDs E CD-ROMs, UM SEGUNDO LASER É NECESSÁRIO USANDO MPEG-2 (ISO 13346) PARA COMPRESSÃO, PODE CONTER 133 MINUTOS DE VÍDEO DE TELA CHEIA E MOVIMENTAÇÃO COMPLETA EM ALTA RESOLUÇÃO (720 X 480), COM TRILHAS SONORAS EM ATÉ OITO LÍNGUAS E LEGENDAS EM ATÉ 32 IDIOMAS DVD LADO SIMPLES, CAMADA SIMPLES (4,7 GBYTES); LADO SIMPLES, CAMADA DUPLA (8,5 GBYTES); LADO DUPLO, CAMADA SIMPLES (9,4 GBYTES), OU LADO DUPLO, CAMADA DUPLA (17 GBYTES)

13 DVD Pág. 232 do livro do Tanenbaum DVD DEPENDENDO DE ONDE O LASER ESTEJA FOCALIZADO, A LEITURA É FEITA NA CAMADA REFLETORA OU NA SEMIREFLETORA O DISCO DUPLO É CONSTITUÍDO DE DOIS DISCOS DE LADO SIMPLES COLADOS (PARA MANTER A MESMA ESPESSURA, UM DISCO DE LADO SIMPLES TEM UM SUBSTRATO VAZIO) DVD INCOMPATIBILIDADE INTENCIONAL ENTRE DISCOS DESTINADOS AOS EUA, À EUROPA E AOS DEMAIS CONTINENTES (SEM INFORMAÇÕES DE COMO É FEITA) BLU-RAY LASER AZUL DE 0,408 MÍCRONS PARA 25 GBYTES EM DISCO DE CAMADA ÚNICA E 50 GBYTES PARA A DUPLA HD DVD, COM MESMO LASER AZUL E CAPACIDADE DE ATÉ 15 GBYTES, CAMADA SIMPLES, E 30 GBYTES, CAMADA DUPLA

14 Exercícios 1. Exercício de 13 a 18 do livro. 2. No esquema RAID 0, se as faixas são grandes em tamanho, qual é o ganho? 3. No esquema RAID 0, há a necessidade de sincronização entre os diversos dispositivos, porque? Considere tanto leituras como escritas. 4. Porque há sobrecarga nas operações de escrita no esquema RAID 4? 5. Redundância está relacionada a esquemas em que um dado pode ser perdido, por que é possível reconstitui-lo. Considere as seguintes colocações: a) Os dados que são copiados em um BACKUP constituem um tipo de redundância. b) Nos esquemas RAID os dados nunca têm cópia. c) Os dados, que estão copiados em uma cópia de BACKUP, nem sempre estão atualizados em relação as dados originais. d) A redundância nos esquemas RAID objetivam não deixar o sistema parar, dependendo do número de discos que falham. e) Os dados que foram copiados através de um BACKUP estão sempre disponíveis e não deixam o sistema parar. I. Todas as colocações são verdadeiras. II. Nenhuma das colocações é verdadeira. III. As colocações a, c e d são verdadeiras. IV. As colocações a, b e e são verdadeiras. V. As colocações a, b e c são verdadeiras. 6. Considerando que você tenha uma aplicação altamente sensível à perda de dados, em que o tempo médio para uma falha (MTBF) é de menos de um ano e que está com seu orçamento comprometido, qual seria a sua escolha de arquitetura RAID? Justifique. 7. Compare as características de um DVD com as de um disco magnético. Não se esqueça de usar um quadro. 8. Falso ou verdadeiro: a) DVDs podem ser regravados; b) O tamanho de um disco DVD é o mesmo de um CD (120 mm de diâmetro) c) As trilhas de um DVD têm o mesmo tamanho. d) Há informação para correção de erros em um CD-ROM. e) CD-ROMs utilizam os mesmos materiais que os CDs. 9. Explique a diferença entre uma trilha de um disco magnético e a de um CD- ROM. 10. Porque é mais difícil posicionar o cabeçote de leitura em um CD do que em um disco rígido?

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR DISCO MAGNÉTICO O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou de plástico,

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Externa Slide 1 Sumário Disco Magnético RAID Memória Óptica Slide 2 Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin Discos magnéticos: Flexíveis (em desuso) e Rígidos Discos óticos: CD (Compact Disk): CD ROM; CD -/+ R; CD -/+ RW DVD(Digital Versatile Disk): DVD ROM; DVD -/+ R; DVD -/+ RW Discos

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Memória Externa Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Tipos de Memória Externa Disco Magnético

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Sistema de Entrada/Saída - Redundant Array of Independent Disks 0 - Matriz de Discos sem Tolerância a Falhas 1 - Espelhamento 2 - Código de Hamming 3 - Transferência Paralela

Leia mais

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO Benefícios do Armazenamento Secundário: Espaço: grande quantidade de espaço disponível; Confiabilidade: altamente confiável; Conveniência: usuários autorizados

Leia mais

Arquitetura de computadores

Arquitetura de computadores computadores Aceitam uma densidade de gravação muito superior que aquela dos meios magnéticos. Os discos ópticos são gravados por feixes laser. Exemplo: Para um disco óptico com capacidade para uma hora

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Arquitetura e Organização de Computadores Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2008 Tópicos Processadores Memória Principal Memória

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 07: Memória Secundária MEMÓRIA SECUNDÁRIA Discos magnéticos: Organização do disco magnético em faces, trilhas e setores; Tipos de discos magnéticos Discos óticos: CD/DVD/BluRay

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento em massa. José Roberto B. Gimenez

Dispositivos de Armazenamento em massa. José Roberto B. Gimenez Dispositivos de Armazenamento em massa José Roberto B. Gimenez 2 Estrutura da apresentação O meio físico de armazenamento Interfaces de conexão ATA, SCSI, FC RAID array Sistemas de Armazenamento DAS, NAS,

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 6 Memória externa slide 1 Tipos de memória externa Disco magnético: RAID. Removível. Óptica: CD-ROM. CD-Recordable (CD-R).

Leia mais

Hardware Básico. Outros Dispositivos de Armazenamento. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. Outros Dispositivos de Armazenamento. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico Outros Dispositivos de Armazenamento Professor: Wanderson Dantas Unidades Ópticas Unidades ópticas usam um feixe de laser para ler e gravar (no caso das unidades e mídias que permitem

Leia mais

RAID. Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID (Redundant Array of Independent Disks )

RAID. Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID (Redundant Array of Independent Disks ) RAID O que é um RAID? RAID RAID (Redundant Array of Independent Disks ) Matriz Redundante de Discos Independentes Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID Surgiu

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais RAID Marcelo Diniz http://marcelovcd.wordpress.com/ O que é RAID? RAID RAID (Redundant Array of Independent Disks ) Matriz Redundante de Discos Independentes Recuperar informação

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Discos Qual o principal gargalo? 2 Discos Discos são gargalos Discos são muito mais lentos que as redes ou a CPU Muitos processos são

Leia mais

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)?

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)? Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Aplicadas e Educação Departamento de Ciências Exatas Motivação ACII: Armazenamento Secundário Prof. Rafael Marrocos Magalhães professor@rafaelmm.com.br

Leia mais

EA960 Redundância e Confiabilidade: RAID

EA960 Redundância e Confiabilidade: RAID EA960 Redundância e Confiabilidade: RAID Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. Levy Boccato 1 Motivação Revisitando a lei de Amdahl:

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória Infra-Estrutura de Hardware Conceitos Básicos Memória Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Bits de Memória Ordem de Bytes Conceitos Básicos Memória Secundária Códigos de Correção

Leia mais

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Introdução à Computação: Armazenamento Secundário Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Objetivos Relacionar os benefícios do armazenamento secundário. Identificar e descrever as mídias de

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Memória Secundária Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Gerência

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais GERÊNCIA DE DISPOSITIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 12 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional GERÊNCIA DE DISPOSITIVOS - INTRODUÇÃO É uma das principais e mais complexas funções

Leia mais

O DVD. Tecnologia Digital Versatitle Disc. O aparecimento do DVD O DVD O DVD

O DVD. Tecnologia Digital Versatitle Disc. O aparecimento do DVD O DVD O DVD O DVD Tecnologia Digital Versatitle Disc O DVD O DVD designado por Digital Video Disc, actualmente conhecido por Digital Versatitle Disc. Tal como o CD o DVD é uma tecnologia que possui várias utilizações,

Leia mais

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado Memória Armazenamento Sistema de Arquivos 1 Hierarquia de Memórias 2 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Capítulo. 2007 by Pearson Education

Capítulo. 2007 by Pearson Education Organização de Sistemas de Capítulo 2 Organização de Sistemas de 2 ORGANIZAÇÃO DE SISTEMAS DE COMPUTADORES 2.1 PROCESSADORES 2.2 MEMÓRIA PRIMÁRIA 2.3 MEMÓRIA SECUNDÁRIA 2.4 ENTRADA/ SAÍDA Organização de

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Dispositivos de Armazenamento Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Discos 2. Fitas magnéticas 3. CD-ROM Capítulo: 2 (APOSTILA). Dispositivos de Armazenamento Armazenamento permanente Custo menor

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

Aula 06. Discos e Drives

Aula 06. Discos e Drives Aula 06 Discos e Drives Disquetes São discos magnéticos usados para armazenar dados dos computadores. Podem armazenar textos, imagens, programas, etc. São vendidos normalmente em caixas com 10 unidades.

Leia mais

DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO AULA 11 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO AULA 11 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO AULA 11 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização de Computadores Linda

Leia mais

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-Rom Até pouco tempo atrás, as opções mais viáveis para escutar música eram os discos de vinil e as fitas cassete. Porém, a Philips, em associação com outras empresas, desenvolveu

Leia mais

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks Criado em alternativa para os discos grandes e caros. Justificativa: Substituindo discos grandes por muitos discos pequenos, o desempenho melhoraria mais cabeças

Leia mais

Cristiano Sebolão Nº 26748. Pedro Arcão Nº 22408. João Marques Nº 27228

Cristiano Sebolão Nº 26748. Pedro Arcão Nº 22408. João Marques Nº 27228 Cristiano Sebolão Nº 26748 Pedro Arcão Nº 22408 João Marques Nº 27228 Para que os dados não se percam, precisam de ser gravados num dispositivo de armazenamento como disquetes, disco rígidos, discos ópticos

Leia mais

RAID 1. RAID 0 2. RAID 1

RAID 1. RAID 0 2. RAID 1 EJAV - ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL JOSÉ APRÍGIO BRANDÃO VILELA Curso Técnico de Informática Professor Jonathas José de Magalhães AULA 08 - RAID RAID O desempenho das memórias secundárias

Leia mais

Fundamentos da Computação Dispositivos de Armazenamento Entrada e Saída

Fundamentos da Computação Dispositivos de Armazenamento Entrada e Saída Fundamentos da Computação Dispositivos de Armazenamento Entrada e Saída Dispositivos de Memória Secundária; de Massa ou Armazenamento. Prof. Bruno Guilhen www.concursosdeti.com.br Unidades de armazenamento:

Leia mais

481040 - Programador/a de Informática

481040 - Programador/a de Informática 481040 - Programador/a de Informática UFCD - 0801 ADMINISTRAÇÃO DE REDES LOCAIS Sessão 9 SUMÁRIO Sistemas redundantes; Modos de Operação RAID Sistemas redundantes 1. Redundância significa ter componentes

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Colegiado de Engenharia de Computação Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Aula 09 (semestre 2011.2) Prof. Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto, M.Sc. rosalvo.oliveira@univasf.edu.br 2 Armazenamento

Leia mais

Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina Operação de Sistemas Aplicativos I

Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina Operação de Sistemas Aplicativos I CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA Escola Técnica Estadual de Avaré ETE-AVARÉ CURSO DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA NÚCLEO DE APOIO Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento

Dispositivos de Armazenamento Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Dispositivos de Armazenamento A memória do computador

Leia mais

FORMATAÇÃO DE DISCO SETORES

FORMATAÇÃO DE DISCO SETORES FORMATAÇÃO DE DISCO O DISCO RÍGIDO CONSISTE DE UM ARRANJO DE PRATOS DE ALUMÍNIO, LIGA METÁLICA OU VIDRO, CADA QUAL COBERTO POR UMA FINA CAMADA DE ÓXIDO DE METAL MAGNETIZADO APÓS A FABRICAÇÃO, NÃO HÁ DADO

Leia mais

AVALIAÇÃO À DISTÂNCIA 1 GABARITO

AVALIAÇÃO À DISTÂNCIA 1 GABARITO Fundação CECIERJ - Vice Presidência de Educação Superior a Distância Curso de Tecnologia em Sistemas de Computação UFF Disciplina INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA... AD1 2 semestre de 2008. Data... AVALIAÇÃO À

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Paralelismo a nível de disco A origem do RAID O

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória Secundária Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória de grande capacidade (dezenas de Gigabytes). Armazenamento massivo. Implementada em meio magnético (hard disk, fitas magnéticas)

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05 Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 Armazenamento Secundário BENEFÍCIOS

Leia mais

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistema de Arquivos Arquivos Espaço contíguo de armazenamento Armazenado em dispositivo secundário Estrutura Nenhuma: seqüência de bytes Registros, documentos,

Leia mais

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas Memória Externa Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou plástico, coberto com um material que poder magnetizado. Os dados são gravados e posteriormente lidos do

Leia mais

Capítulo 5 Gerência de Dispositivos

Capítulo 5 Gerência de Dispositivos DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Capítulo 5 Gerência de Dispositivos Luiz Affonso Guedes 1 Luiz Affonso Guedes 2 Conteúdo Caracterização dos

Leia mais

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais.

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Olá nobre concurseiro e futuro servidor público! Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Essa

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Armazenamento

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Armazenamento Infraestrutura de Hardware Entrada/Saída: Armazenamento Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual

Leia mais

Arquitectura dos processadores

Arquitectura dos processadores Arquitectura dos processadores Outra arquitectura foi desenvolvida pela Motorola para os Apple Macintosh.(incompativel com o PC - IBM). Passaram a existir duas arquitecturas de processadores: CISC (Complex

Leia mais

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória Secundária Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória de grande capacidade (dezenas de Gigabytes). Armazenamento massivo. Implementada em meio magnético (hard disk, fitas magnéticas)

Leia mais

CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory.

CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory. CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory. O CD-ROM é um pequeno disco plástico (policarbonato) com 1,2 mm de espessura, semelhantes aos CD s de música, e da mesma forma que estes, pode armazenar vastas quantidades

Leia mais

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo Se ouço o esqueço, se vejo recordo, se faço o aprendo Meios de Armazenamento Secundário Principais Dispositivos de Entrada Principais Dispositivos de Saída Outros Dispositivos de Entrada/Saída Meios de

Leia mais

Memória principal; Unidade de Controle U C P. Unidade Lógica e Aritmética

Memória principal; Unidade de Controle U C P. Unidade Lógica e Aritmética Tecnologia da Administração Computador: origem, funcionamento e componentes básicos Parte II Sumário Introdução Origem Funcionamento Componentes Básicos Referências Sistema Binário O computador identifica

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Cenário off- line (bolha) 2 Roubo de Informação Roubo de Informação - Acesso físico

Leia mais

Arquitetura e organização de computadores

Arquitetura e organização de computadores Arquitetura e organização de computadores 3º. Sem. Sistemas de informação Prof. Emiliano S. Monteiro Barramentos BUS Modelo de barramento CPU(ALU, UC, Registradores) Memória Entrada e saída (I/O) Barramento

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 05 Armazenamento e Multimídia Armazenamento Secundário Separado do próprio computador. Software e dados armazenados em base quase permanente. Diferentemente da memória, não

Leia mais

Blu-Ray. Introdução. O que é Blu-ray? Marco Mapa www.marcomapa.xpg.com.br

Blu-Ray. Introdução. O que é Blu-ray? Marco Mapa www.marcomapa.xpg.com.br Blu-Ray Introdução O Blu-ray é o padrão de disco óptico que veio com a proposta de substituir o DVD, tanto em reprodutores de vídeo quanto em computadores. As medidas de um disco Blu-ray (ou BD, de Blu-ray

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation. As informações

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 16: Entrada e Saída: Estudo de Caso Diego Passos Última Aula Software de Entrada e Saída. Subsistema de E/S. Conjunto de camadas de abstração para realização de

Leia mais

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS 2 Dispositivos de Armazenamento HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS Armazenam dados quando o computador está desligado Dois processos Escrita de dados Leitura de dados Introdução à Microinformática Prof.

Leia mais

Por dentro do CD-R. Fundamentos da tecnologia do CD-ROM. Do CD-ROM ao CD-R. http://www.music-center.com.br/cd-r.htm

Por dentro do CD-R. Fundamentos da tecnologia do CD-ROM. Do CD-ROM ao CD-R. http://www.music-center.com.br/cd-r.htm Page 1 of 5 Por dentro do CD-R Gravar seus próprios CDs no computador é algo que atualmente qualquer um pode fazer. Mas como funciona o processo de gravação de um CD-R? Para entender a tecnologia por trás

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução É preciso conhecer a estrutura de um sistema de computação antes que possamos explorar os detalhes de sua operação.

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática

Tópicos Especiais em Informática Tópicos Especiais em Informática RAID Prof. Ms.-Eng. Igor Sousa Faculdade Lourenço Filho 1 de outubro de 2014 igorvolt@gmail.com (FLF) Tópicos Especiais em Informática 1 de outubro de 2014 1 / 14 Introdução

Leia mais

Hardware. Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial

Hardware. Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial Hardware Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial Conteúdo Definição do hardware; Tipo e tamanho dos computadores; Família dos computadores; Elementos do hardware; Portas de comunicação.

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA Entradas/Saídas Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA Relembrar a recepção com espera activa Para receber um byte pela porta

Leia mais

Prof. Orlando Rocha. Qual o nosso contexto atual?

Prof. Orlando Rocha. Qual o nosso contexto atual? 1 Qual o nosso contexto atual? Atualmente, vivemos em uma sociedade que é movida pela moeda informação! No nosso dia-a-dia, somos bombardeados por inúmeras palavras que na maioria das vezes é do idioma

Leia mais

Organização de Computadores Prof. Alex Vidigal Bastos

Organização de Computadores Prof. Alex Vidigal Bastos Organização de Computadores Prof. Alex Vidigal Bastos Armazenar dados e programas que serão utilizados pelo processador (CPU unidade central de processamento) O subsistema de memória é constituído de

Leia mais

Estrutura e funcionamento de um sistema informático

Estrutura e funcionamento de um sistema informático Estrutura e funcionamento de um sistema informático 2006/2007 Sumário de trabalho. Memórias principais e memórias secundárias. Ficha 2 Revisão da aula anterior 3 Memórias informáticas Memórias principais,

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica - EESC-USP. Organização de Computadores. Memórias Parte 2. Aula 5. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Departamento de Engenharia Elétrica - EESC-USP. Organização de Computadores. Memórias Parte 2. Aula 5. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Departamento de Engenharia Elétrica - EESC-USP SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Memórias Parte 2 Aula 5 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Memórias Secundárias Hierarquia de Memórias

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 - MEMÓRIA SECUNDÁRIA 1. INTRODUÇÃO Por maior que seja a memória principal, ela sempre será considerada muito pequena, pois é necessário armazenar mais informações do que ela suporta. Outro fator

Leia mais

Arquitectura de Computadores II. Interface com Periféricos

Arquitectura de Computadores II. Interface com Periféricos Arquitectura de Computadores II LESI - 3º Ano Interface com Periféricos João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Janeiro 2002 Aspecto frequentemente relegado para segundo

Leia mais

Capítulo 5 Entrada/Saída

Capítulo 5 Entrada/Saída Capítulo 5 Entrada/Saída 5.1 Princípios do hardware de E/S 5.1.1 Dispositivos de E/S Os dispositivos de E/S podem ser divididos em duas categorias: Dispositivos de bloco Armazena informações em blocos

Leia mais

HIERARQUIA DE MEMÓRIAS

HIERARQUIA DE MEMÓRIAS MEMÓRIA SECUNDARIA HIERARQUIA DE MEMÓRIAS Memórias Memória Secundaria Memória Terciária Sigla NOME TECNOLOGIA ROM Read Only Memory (memória somente de leitura) Gravada na fábrica uma única vez PROM EPROM

Leia mais

Níveis de RAID - RAID 0

Níveis de RAID - RAID 0 RAID RAID é acrônimo para Redundant Array of Inexpensive Disks. Este arranjo é usado como um meio para criar um subsistema de unidade de disco, rápido e confiável, através de discos individuais. RAID é

Leia mais

RAID. História. Vantagens. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

RAID. História. Vantagens. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. RAID RAID significa "Redundant Array of Inexpensive Drives" (Conjunto Redundante de Discos Econômicos). Com o tempo, numa tentativa de desassociar o conceito de

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

Manual do Nero Express

Manual do Nero Express Manual do Nero Express Nero AG Informações sobre direitos autorais e marcas registradas O manual do Nero Express e todo o seu conteúdo é protegido por leis de direitos autorais e são de propriedade da

Leia mais

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Baseado no material do Prof. Luis Otavio Alvares e do Prof. Dr. Rodrigo Fernandes de Mello

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS HARDWARE Professor Mauricio Franceschini Duarte profmaudua@gmail.com HARDWARE VÁRIOS TIPOS DE EQUIPAMENTOS GRANDE PORTE MAINFRAME COMPUTADOR PESSOAL - PC DESKTOPS COMPUTADOR

Leia mais

armazenamento (escrita ou gravação (write)) recuperação (leitura (read))

armazenamento (escrita ou gravação (write)) recuperação (leitura (read)) Memória Em um sistema de computação temos a UCP se comunicando com a memória e os dispositivos de E/S. Podemos fazer um paralelo do acesso à memória com um carteiro entregando cartas ou um acesso à biblioteca.

Leia mais

Sistemas Tolerantes a Falhas

Sistemas Tolerantes a Falhas Sistemas Tolerantes a Falhas Ténicas de TF para Diversidade de Dados Prof. Jó Ueyama 1 Introdução A diversidade de dados vem complementar as técnicas de diversidade vistas até agora A diversidade de dados

Leia mais

Atualização, Backup e Recuperação de Software. Número de Peça: 405533-201

Atualização, Backup e Recuperação de Software. Número de Peça: 405533-201 Atualização, Backup e Recuperação de Software Número de Peça: 405533-201 Janeiro de 2006 Sumário 1 Atualizações de Software Recebimento Automático de Atualizações de Software HP...................................

Leia mais

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO SOFTWARE AO NÍVEL DO USUÁRIO SOFTWARE INDEPENDENTE DE DISPOSITIVOS ACIONADORES DE DISPOSITIVOS (DRIVERS) TRATAMENTO DE INTERRUPÇÕES HARDWARE FUNÇÕES: INTERFACE UNIFORME PARA OS DRIVERS USO DE BUFFERS INFORMAÇÃO

Leia mais

Dispositivos de Memória

Dispositivos de Memória Chipset Conjunto de chips que fazem a comunicação entre a e os demais dispositivos do computador. Todas as informações que trafegam pela placa mãe passam necessariamente pelo Chipset, que tem dois chips:

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos EUA. As informações

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais Guia técnico Métodos de marcação direta de peças Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais A prática da Marcação Direta de Peças (DPM) é utilizada em muitas indústrias

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II 1 Armazenamento secundário Primeiro tipo de armazenamento secundário: papel! Cartões perfurados HDs, CD-ROM, floppy disks, memórias

Leia mais

SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum

SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Cronograma Introdução

Leia mais

DIGITAL VERSATILE DISC DVD

DIGITAL VERSATILE DISC DVD Digital Versatile Disc DVD Especificações Técnicas Para O DVD Introdução Dentro deste documento, você encontrará toda a informação necessária para criar e produzir seu DVD. Rogamos-lhe relacionar-se com

Leia mais

O RAID foi proposto em 1988 por David A. Patterson, Garth A. Gibson e Randy H. Katz na publicação "Um

O RAID foi proposto em 1988 por David A. Patterson, Garth A. Gibson e Randy H. Katz na publicação Um AID - Wikipédia, a enciclopédia livre de 10 5/10/2009 16:30 Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Redundant Array of Independent Drives, também denominado Redundant Array of Inexpensive Drives ou mais

Leia mais

Seu manual do usuário COMPAQ BD 340I http://pt.yourpdfguides.com/dref/3594988

Seu manual do usuário COMPAQ BD 340I http://pt.yourpdfguides.com/dref/3594988 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA Núcleo de Educação a Distância UniEvangélica 2 ÍNDICE 1 Introdução à Informática... 3 1. O Computador... 3 Teclado... 3 Mouse... 5 Monitor...

Leia mais