FORMATAÇÃO DE DISCO SETORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMATAÇÃO DE DISCO SETORES"

Transcrição

1 FORMATAÇÃO DE DISCO O DISCO RÍGIDO CONSISTE DE UM ARRANJO DE PRATOS DE ALUMÍNIO, LIGA METÁLICA OU VIDRO, CADA QUAL COBERTO POR UMA FINA CAMADA DE ÓXIDO DE METAL MAGNETIZADO APÓS A FABRICAÇÃO, NÃO HÁ DADO ALGUM ARMAZENADO ANTES DE PODER SER USADO, NECESSIDADE DE UMA FORMATAÇÃO DE BAIXO NÍVEL o UM PADRÃO MAGNÉTICO É GRAVADO SOBRE O PRATO o CRIAÇÃO DE TRILHAS CONCENTRICAS, CONSTITUÍDAS DE SETORES, COM INTERVALOS ENTRE ELES (GAPS) SETORES COMPOSTO POR UM PREÂMBULO o PADRÃO BINÁRIO PARA RECONHECER O SEU INÍCIO o PERMITE A LOCALIZAÇÃO (CHS) MAIORIA DOS DISCOS COM 512 BYTES / SETOR ECC CONTÉM INFORMAÇÕES REDUNDANTES PARA RECUPERAÇÃO DE ERROS DE LEITURA (VARIA DE TAMANHO DE FABRICANTE PARA FABRICANTE) NÃO É INCOMUM TER UM ECC DE 16 BYTES EXISTEM SETORES SOBRESSALENTES EM CASO DE DEFEITOS (NA MESMA TRILHA OU EM CILINDROS ESPECIAIS) DEFEITOS DE FABRICAÇÃO

2 FORMATAÇÃO DE DISCO Pág. 233 livro do Tanenbaum FORMATAÇÃO DE DISCO OS SETORES SÃO NUMERADOS AO LONGO DA TRILHA A PARTIR DE 0 AS TRILHAS SÃO NUMERADAS A PARTIR DE 0 (MAIS EXTERNA) EM DIREÇÃO AO CENTRO AS CABEÇAS SÃO NUMERADAS A PARTIR DE 0 (DE CIMA PARA BAIXO) O DESLOCAMENTO DE CILINDRO (CYLINDRIC SKEW) PERMITE QUE O DISCO LEIA VÁRIAS TRILHAS EM UMA OPERAÇÃO CONTÍNUA O CHAVEAMENTO DE CABEÇOTE (HEAD SKEW) CONSOME UM TEMPO FINITO

3 CAPACIDADE DO DISCO REDUZIDA POR CONTA DA FORMATAÇÃO DE BAIXO NÍVEL o DEPENDENDO DO TAMANHO DO PREÂMBULO, DO INTERVALO ENTRE SETORES E DO ECC o NÚMERO DE SETORES SOBRESSALENTES 20 % MENOR QUE A IDEAL TODOS OS DISCOS DO MESMO TIPO APRESENTAM A MESMA CAPACIDADE REJEIÇÃO NA FÁBRICA A CAPACIDADE É INFORMADA SEM FORMATAÇÃO E SEM CONSIDERAR A BASE BINÁRIA (KILO, MEGA, GIGA, TERA, PETA...) ENTRELAÇAMENTO (INTERLEAVING) CONSIDERANDO A TRANSFERÊNCIA DOS DADOS QUE ESTÃO NO DISPOSITIVO, A CONTROLADORA PODE TER BUFFER PARA UM SETOR, OPERAR COM UM BUFFER DE UM BLOCO DE DOIS SETORES PODE OCORRER UM PROBLEMA CASO O TEMPO DE ESVAZIAMENTO DO BUFFER SEJA MAIOR QUE A DURAÇÃO DO INTERVALO ENTRE SETORES (GAP)

4 ENTRELAÇAMENTO (INTERLEAVING) ENQUANTO OCORRE A TRANSFERÊNCIA PARA A (OU DA) MEMÓRIA, A CABEÇA DE LEITURA ESTARÁ PASSANDO SOBRE O SETOR SEGUINTE, ENTÃO: OU A CONTROLADORA É COMPLEXA PARA CONTROLAR A TRANSFERÊNCIA E A E/S AO MESMO TEMPO OU O SETOR SEGUINTE É PERDIDO, EXIGINDO NOVA ROTAÇÃO O TEMPO DE TRANSFERÊNCIA PODE SER GRANDE O BASTANTE PARA OCORRER A PERDA DE MAIS DE UM SETOR. ENTRELAÇAMENTO (INTERLEAVING) SOLUÇÕES: NECESSIDADE DE DUAS OU MAIS ROTAÇÕES PARA A LEITURA/ESCRITA DE UM BLOCO DE SETORES ENDEREÇAMENTO NÃO SEQUENCIAL EM UMA TRILHA, PERMITINDO A EXISTÊNCIA DE UM OU MAIS SETORES ENTRE DOIS SETORES COM ENDEREÇOS ADJACENTES ENTRELAÇAMENTO (INTERLEAVING) BUFFER CAPAZ DE ARMAZENAR O EQUIVALENTE A UMA TRILHA DE DADOS

5 ENTRELAÇAMENTO (INTERLEAVING) QUANDO DA FORMATAÇÃO DE UM DISCO, O FATOR DE ENTRELAÇAMENTO É CONSIDERADO Figura 234 livro do Tanenbaum PARTICIONAMENTO CADA PARTIÇÃO É UM DISCO LÓGICO SEPARADO A EXISTÊNCIA DE MAIS DE UMA PARTIÇÃO PERMITE A COEXISTÊNCIA DE VÁRIOS SISTEMAS OPERACIONAIS ÁREA DE TROCA (SWAP SPACE) REGISTRO MESTRE DE INICIALIZAÇÃO (MASTER BOOT RECORD MBR) CONTÉM INSTRUÇÕES (CÓDIGO) PARA BOOT E A TABELA DE PARTIÇÕES (COM CILINDRO/SETOR INICIAL E TAMANHO DA PARTIÇÃO)

6 FORMATAÇÃO DE ALTO NÍVEL DURANTE A FORMATAÇÃO DE ALTO NÍVEL SÃO COLOCADAS NO DISCO AS INFORMAÇÕES DE CONTROLE, NECESSÁRIAS AO S.O., PARA A MANIPULAÇÃO DOS DADOS RESIDENTES NO DISCO (BLOCOS PARA BOOT, A ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZENAMENTO LIVRE, DIRETÓRIO RAIZ E UM SISTEMA DE ARQUIVOS VAZIO) INCLUI A INFORMAÇÃO SOBRE QUAL É O SISTEMA DE ARQUIVOS ALGUNS SETORES PODEM SER CONSIDERADOS DANIFICADOS (BAD) BOOT (ENERGIA LIGADA) A BIOS ENTRA EM EXECUÇÃO, CARREGA O MBR E SALTA (JMP) PARA O CÓDIGO QUE FOI CARREGADO MBR VERIFICA QUAL A PARTIÇÃO A SER ATIVADA MBR CARREGA O SETOR DE INICIALIZAÇÃO DA PARTIÇÃO E SALTA PARA O CÓDIGO QUE FOI CARREGADO INICIALIZAÇÃO BUSCA UM PROGRAMA NO DIRETÓRIO RAIZ (S.O. OU BOOTSTRAP), CARREGA-O E SALTA PARA ELE

7 O TEMPO DE RESPOSTA PARA LEITURA OU ESCRITA É FUNÇÃO DE QUATRO FATORES: O TEMPO DE POSICIONAMENTO (SEEK) - CILINDRO APROPRIADO ATRASO ROTACIONAL (LATÊNCIA) - SETOR APROPRIADO TEMPO DE LEITURA (NÃO É CONSIDERADO NO LIVRO) TEMPO DE TRANSFERÊNCIA REAL DO DADO REDUÇÃO NO TEMPO MÉDIO DE POSICIONAMENTO PODE MELHORAR O DESEMPENHO DO SISTEMA ESCALONAMENTO DO BRAÇO ESTRATÉGIAS PARA ESCALONAMENTO DE SERVIÇOS EM DISCO FCFS (FIFO) POSICIONAMENTO MAIS CURTO PRIMEIRO (SHORTEST SEEK FIRST) ELEVADOR (SCAN) SÓ FAZ SENTIDO SE A GEOMETRIA REAL É A MESMA DA VIRTUAL

8 LISTA DE REQUISIÇÕES O DRIVER DE DISCO MANTÉM UMA ESTRUTURA (LISTA LIGADA), ORGANIZADA PELO Nº DO CILINDRO, COM TODAS AS REQUISIÇÕES PARA O CILINDRO P.E. REQUISIÇÕES NA SEGUINTE ORDEM (CONSIDERANDO APENAS O C TEM TAMBÉM: O H, S, Nº DE BYTES, ENDEREÇO, OPERAÇÃO) 11, 1, 36, 16, 34, 9 E 12 PODE SER ALTERADA PELA CHEGADA DE NOVAS REQUISIÇÕES USANDO FCFS SERÃO NECESSÁRIAS MOVIMENTAÇÕES DE 11 PARA 1 (10), 1 PARA 36 (35), DE 36 PARA 16 (20), DE 16 PARA 34 (18), DE 34 PARA 9 (25) E DE 9 PARA 12 (3) NUM TOTAL DE 111 CILINDROS Figura baseada na Figura 5.25 livro do Tanenbaum

9 USANDO POSICIONAMENTO MAIS CURTO PRIMEIRO SERÃO NECESSÁRIAS MOVIMENTAÇÕES DE 1, 3, 7, 15, 33 E 2 NUM TOTAL DE 61 CILINDROS Figura baseada na Figura 5.25 livro do Tanenbaum, página 235 USANDO POSICIONAMENTO MAIS CURTO PRIMEIRO SOB UM NÚMERO MUITO GRANDE E CONTINUO DE REQUISIÇÕES, O BRAÇO TENDE A PERMANECER NO MEIO DO DISCO REQUISIÇÕES NOS EXTREMOS TÊM DE ESPERAR PARA SEREM ATENDIDAS CONFLITO ENTRE JUSTIÇA E DESEMPENHO

10 ALGORITMO DO ELEVADOR UM BIT INDICANDO A DIREÇÃO A SEGUIR, PARA CIMA OU PARA BAIXO. QUANDO UMA REQUISIÇÃO É TERMINADA, CHECA-SE O BIT: SE É PARA CIMA, O BRAÇO É MOVIDO PARA A PRÓXIMA REQUISIÇÃO MAIS ALTA. SE NÃO EXISTEM REQUISIÇÕES MAIS ALTAS, A DIREÇÃO É INVERTIDA (ELEVADOR) OU ALCANÇA-SE O EXTREMO E A DIREÇÃO É INVERTIDA (SCAN). COM A DIREÇÃO PARA BAIXO, O BRAÇO MOVE-SE PARA A PRÓXIMA REQUISIÇÃO MAIS BAIXA E ASSIM POR DIANTE. ALGORITMO DO ELEVADOR SERÃO NECESSÁRIAS MOVIMENTAÇÕES DE 1, 4, 18, 2, 27 E 8 NUM TOTAL DE 60 CILINDROS Figura baseada na Figura 5.26 livro do Tanenbaum, página 236

11 ALGORITMO DO ELEVADOR NORMALMENTE, O RESULTADO É LIGEIRAMENTE MELHOR SE COMPARADO COM A POSICIONAMENTO MAIS CURTO PRIMEIRO QUALQUER CONJUNTO DE REQUISIÇÕES, SEM INSERÇÕES, PODE SER ATENDIDO EM NO MÁXIMO DUAS VEZES O NÚMERO DE CILINDROS HÁ UMA VARIANTE DA ESTRATÉGIA SCAN, DENOMINADA C-SCAN - SCAN CIRCULAR, ONDE O ATENDIMENTO SE DÁ APENAS EM UMA DIREÇÃO. OUTRAS OTIMIZAÇÕES ALÉM DA OTIMIZAÇÃO DE SEEKS, PODEM-SE OTIMIZAR AS REQUISIÇÕES PARA A MESMA TRILHA (OU MESMO CILINDRO), ESCOLHENDO-SE AQUELA QUE PASSARÁ SOB A CABEÇA MAIS RAPIDAMENTE (CONTROLADORA COM O CONJUNTO DE REQUISIÇÕES E POSSIBILIDADE DE INSPECIONAR QUAL SETOR ACABOU DE PASSAR) EM UM MESMO CILINDRO A ESCOLHA DO CABEÇOTE NÃO ENVOLVE SEEK OU LATÊNCIA

12 OUTRAS OTIMIZAÇÕES SE O TEMPO DE SEEK É MENOR QUE O DE LATÊNCIA, AO INVÉS DE ORDENAR AS REQUISIÇÕES POR CILINDRO, MELHOR ORDERNAR POR SETOR COMO LER UM SÓ BLOCO (CLUSTER) É INEFICIENTE, A CONTROLADORA COLOCA VÁRIOS SETORES (QUE PODEM NÃO TER SIDO REQUISITADOS) EM UMA CACHE LOCAL, DE FORMA DINÂMICA, SENDO DIVIDIDA METADE PARA LEITURAS E METADE PARA ESCRITAS. ISTO NÃO IMPEDE QUE HAJA UMA CACHE DO S.O. OUTRAS OTIMIZAÇÕES CARACTERÍSTICAS DE UMA CONTROLADORA DE DISCOS QUE PODEM PERMITIR QUE O TEMPO MÉDIO DE ACESSO SEJA REDUZIDO CONSIDERAVELMENTE SEEKS SIMULTÂNEOS (UM POR DISPOSITIVO) READ OU WRITE EM UM DISPOSITIVO E SEEKS SIMULTÂNEOS NOS DEMAIS NECESSIDADE DE UMA TABELA DE REQUISIÇÕES PENDENTES

13 CARACTERÍSTICAS DE UM FLOPPY DISK, PADRÃO COM DUPLA DENSIDADE NOS DOIS LADOS Nº DE CILINDROS 40 TEMPO DE SEEK TRILHAS POR 2 (ADJACENTES) 6 ms CILINDRO SETORES POR TRILHA 9 (MÉDIO) 77 ms SETORES POR? TEMPO DE ROTAÇÃO 200 ms DISQUETE BYTES POR SETOR 512 TEMPO DE INÍCIO/ BYTES POR DISQUETE PARADA DE MOTOR 250 ms TEMPO DE 22 ms TRANSFERÊNCIA DISCO ATÉ MEMÓRIA CARACTERÍSTICAS DE UM HD CONECTADO AO UM PC 486 DX2/66, COM CONTROLADORA EIDE Nº DE CILINDROS TEMPO DE SEEK TRILHAS POR 2 (ADJACENTES) 5 ms CILINDRO SETORES POR TRILHA 76 (MÉDIO) 14 ms BYTES POR SETOR 512 VELOCIDADE DE ROTAÇÃO 4500 rpm TOTAL DE BYTES? TEMPO DE LATÊNCIA 6,67 ms TEMPO DE 53,7 ms TRANSFERÊNCIA DISCO ATÉ MEMÓRIA

14 Exercícios 1. Exercícios 19 a 22 e Diferencie formatação de baixo nível de formatação alto nível. 3. Considere um dispositivo que gira a dez mil RPM. Qual é o tempo gasto para uma rotação? Se este dispositivo tem 300 setores por trilha, quanto tempo demora para se passar por cima de um setor? Se o tempo para posicionar o cabeçote de uma trilha para a sua adjacente é de 800 microseg, qual deve ser o deslocamento de cilindro, para permitir a leitura de vários setores em uma única operação? 4. Qual seria o tamanho em bytes de um disco com 200 polegadas quadradas, cada qual com uma capacidade de 10 9 bytes? Considere uma perda de 20 % por conta da formatação e não se esqueça da base Considere um barramento de 80 MBytes/seg (SCSI). Quanto dessa capacidade vai ser necessária para um disco que gira a dez mil RPM e tem 300 setores/trilha, conseguindo ler toda uma trilha em uma operação? 6. Um disquete contém 40 cilindros. O tempo de seek é de 6 mseg entre dois cilindros adjacentes. Em média dois blocos logicamente consecutivos permanecem separados por 13 cilindros, se nenhuma medida especial for tomada durante a criação do arquivo. Caso o sistema operacional tente manter os blocos juntos, estes ficam separados em média por dois cilindros. Qual é o tempo médio para a leitura de 100 blocos nos dois casos, considerando o atraso rotacional médio de 10 mseg e o tempo de transferência de um bloco de 5 mseg? 7. Qual seria o valor do atraso rotacional caso o motor girasse a 7200 rpm? 8. Considere as seguintes características de um HD conectado a uma controladora SCSI. Nº DE CILINDROS TEMPO DE SEEK Nº REAL DE CILINDROS (ADJACENTES) 5 ms TRILHAS POR CILINDRO 16 (MÉDIO) 11,5 ms SETORES POR TRILHA 63 VELOCIDADE DE ROTAÇÃO 5400 rpm

15 BYTES POR SETOR 512 TEMPO DE LATÊNCIA? TOTAL DE BYTES? TEMPO DE UMA OPERAÇÃO DE E/S? 9. Considere as seguintes características de um HD ATA de 160 Gbytes. Complete as características representadas por?. Nº DE CILINDROS? TEMPO DE SEEK Nº REAL DE CILINDROS (ADJACENTES) 4 ms TRILHAS POR CILINDRO 16 (MÉDIO) 8,5 ms SETORES POR TRILHA 63 VELOCIDADE DE ROTAÇÃO? BYTES POR SETOR 512 TEMPO DE LATÊNCIA 4,16 ms TOTAL DE BYTES 160 GBytes TAXA DE TRANSFERÊNCIA DISCO ATÉ MEMÓRIA 32 Mbytes/ sec 10. Calcule o número de cilindros percorridos para um conjunto de requisições cujos cilindros sejam, segundo a ordem de chegada: 3, 341, 1045, 45, 31, 49909, 354, 23, 31. Considere que o braço se encontra inicialmente no cilindro 100. Faça o cálculo para cada uma das estratégias vistas em sala de aula. 11. Escreva o algoritmo do elevador para atendimento de uma lista ligada de requisições. 12. Porque é preferível usar lista-ligada para armazenar requisições no driver ao invés de um vetor? 13. Qual é a desvantagem da estratégia de escalonamento de braço "posicionamento mais curto primeiro" sobre a do elevador?

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Entrada e Saída Drivers e s Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Luciana A. F. Martimiano

Leia mais

Gerenciador de Entrada/Saída

Gerenciador de Entrada/Saída Universidade Federal do ABC BC 1518 - Sistemas Operacionais (SO) Gerenciador de Entrada/Saída (aula 11) Prof. Marcelo Zanchetta do Nascimento Roteiro Princípios básicos de hardware de E/S; Operações dos

Leia mais

Capítulo 5 Gerência de Dispositivos

Capítulo 5 Gerência de Dispositivos DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Capítulo 5 Gerência de Dispositivos Luiz Affonso Guedes 1 Luiz Affonso Guedes 2 Conteúdo Caracterização dos

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 16: Entrada e Saída: Estudo de Caso Diego Passos Última Aula Software de Entrada e Saída. Subsistema de E/S. Conjunto de camadas de abstração para realização de

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Memória Secundária Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Gerência

Leia mais

Notas da Aula 16 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 16 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 16 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Disco Rígido: Visão Geral Há inúmeros dispositivos de E/S em um sistema computacional moderno. Por esta razão, é inviável do ponto de vista de

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 11

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 11 Sumário: O disco rígido e a disquete estrutura física. Como os dados são armazenados fisicamente. Como o MS-DOS organiza o disco. O registo de boot. Aula Teórica 11 Leitura Recomendada: Capítulos 28 e

Leia mais

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO SOFTWARE AO NÍVEL DO USUÁRIO SOFTWARE INDEPENDENTE DE DISPOSITIVOS ACIONADORES DE DISPOSITIVOS (DRIVERS) TRATAMENTO DE INTERRUPÇÕES HARDWARE FUNÇÕES: INTERFACE UNIFORME PARA OS DRIVERS USO DE BUFFERS INFORMAÇÃO

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Dispositivos de Armazenamento Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Discos 2. Fitas magnéticas 3. CD-ROM Capítulo: 2 (APOSTILA). Dispositivos de Armazenamento Armazenamento permanente Custo menor

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II 1 Armazenamento secundário Primeiro tipo de armazenamento secundário: papel! Cartões perfurados HDs, CD-ROM, floppy disks, memórias

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

5.1 - Armazenamento em Disco

5.1 - Armazenamento em Disco CEFET-RS Curso de Eletrônica 5.1 - Armazenamento em Disco Aspectos Físicos F e Elétricos Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 05.1.1 Armazenamento

Leia mais

Capítulo 5 Entrada/Saída

Capítulo 5 Entrada/Saída Capítulo 5 Entrada/Saída 5.1 Princípios do hardware de E/S 5.1.1 Dispositivos de E/S Os dispositivos de E/S podem ser divididos em duas categorias: Dispositivos de bloco Armazena informações em blocos

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sumário 2 a edição Revisão: Fev/2003 Sistemas Operacionais Entrada e saída Capítulo 5 Princípios básicos de hardware Arquitetura de computadores Gerência de entrada e saída Software de entrada e saída

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Hardware de Computadores 1 O disco rígido, é um sistema de armazenamento de alta

Leia mais

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistema de Arquivos Arquivos Espaço contíguo de armazenamento Armazenado em dispositivo secundário Estrutura Nenhuma: seqüência de bytes Registros, documentos,

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Sistema de Arquivos Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Gerência de Arquivos É um dos serviços mais visíveis do SO. Arquivos são normalmente

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.9 Memória Cache: A memória cache é uma pequena porção de memória inserida entre o processador e a memória principal, cuja função é acelerar a velocidade de transferência das informações entre a CPU e

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)?

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)? Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Aplicadas e Educação Departamento de Ciências Exatas Motivação ACII: Armazenamento Secundário Prof. Rafael Marrocos Magalhães professor@rafaelmm.com.br

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Discos Qual o principal gargalo? 2 Discos Discos são gargalos Discos são muito mais lentos que as redes ou a CPU Muitos processos são

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas Memória Externa Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou plástico, coberto com um material que poder magnetizado. Os dados são gravados e posteriormente lidos do

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 07: Memória Secundária MEMÓRIA SECUNDÁRIA Discos magnéticos: Organização do disco magnético em faces, trilhas e setores; Tipos de discos magnéticos Discos óticos: CD/DVD/BluRay

Leia mais

ESTRUTURA DE UM DISCO RÍGIDO

ESTRUTURA DE UM DISCO RÍGIDO ESTRUTURA DE UM DISCO RÍGIDO O disco rígido é o único componente básico de funcionamento mecânico no PC. Por esse motivo, é também o elemento interno mais suscetível a riscos de problemas relacionados

Leia mais

Conhecendo o Disco Rígido

Conhecendo o Disco Rígido Conhecendo o Disco Rígido O disco rígido ou HD (Hard Disk), é o dispositivo de armazenamento de dados mais usado nos computadores. Nele, é possível guardar não só seus arquivos como também todos os dados

Leia mais

19/09/2009 TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO. ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral ARMAZENAMENTO MAGNÉTICO

19/09/2009 TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO. ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral ARMAZENAMENTO MAGNÉTICO TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO Duas tecnologias principais: Armazenamento magnético Disquetes Discos Rígidos Fitas Magnéticas ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral Armazenamento óptico

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10 Índice 1. A Organização do Computador - Continuação...3 1.1. Memória Primária - II... 3 1.1.1. Memória cache... 3 1.2. Memória Secundária... 3 1.2.1. Hierarquias de

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória Infra-Estrutura de Hardware Conceitos Básicos Memória Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Bits de Memória Ordem de Bytes Conceitos Básicos Memória Secundária Códigos de Correção

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Memória Externa Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Tipos de Memória Externa Disco Magnético

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário

Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário Fundamentos de Arquivos e Armazenamento Secundário Cristina D. A. Ciferri Thiago A. S. Pardo Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Moacir Ponti Jr. Armazenamento de Dados Armazenamento primário memória

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Sistema de Entrada/Saída - Redundant Array of Independent Disks 0 - Matriz de Discos sem Tolerância a Falhas 1 - Espelhamento 2 - Código de Hamming 3 - Transferência Paralela

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO

HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO HISTÓRIA O primeiro disco rígido (o IBM 350) foi construído em 1956, e era formado por um conjunto de nada menos que 50 discos de 24 polegadas de diâmetro, com uma capacidade

Leia mais

DISCOS RÍGIDOS. O interior de um disco rígido

DISCOS RÍGIDOS. O interior de um disco rígido Serve para guardarmos os ficheiros de forma aleatória e de grande tamanho São constituídos por discos magnéticos (pratos) de lâminas metálicas extremamente rígidas (daí o nome de disco rígido). Esses discos

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Arquitetura e Organização de Computadores Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2008 Tópicos Processadores Memória Principal Memória

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Externa Slide 1 Sumário Disco Magnético RAID Memória Óptica Slide 2 Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou

Leia mais

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende:

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende: ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário USUÁRIO A performance do sistema depende: da eficiência das estruturas de dados utilizadas; como o sistema opera

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal. Memória principal

Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal. Memória principal Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal Organização Operações de leitura e escrita Capacidade http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2 Componente de um sistema

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Hardware X Software Memória do Computador Hardware X Software Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada

Leia mais

Sistema de arquivos. Dispositivos com tecnologias variadas. CD-ROM, DAT, HD, Floppy, ZIP SCSI, IDE, ATAPI,... sistemas de arquivos em rede

Sistema de arquivos. Dispositivos com tecnologias variadas. CD-ROM, DAT, HD, Floppy, ZIP SCSI, IDE, ATAPI,... sistemas de arquivos em rede Sistema de arquivos Dispositivos com tecnologias variadas CD-ROM, DAT, HD, Floppy, ZIP SCSI, IDE, ATAPI,... sistemas de arquivos em rede Interfaces de acesso uniforme visão homogênea dos dispositivos transparência

Leia mais

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 4 Memória cache Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Características Localização. Capacidade.

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um dispositivo Compreender o mecanismo de acionamento de um dispositivo

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO E/S PROGRAMADA QUANDO A CPU FAZ TODO O TRABALHO RELACIONADO A UMA OPERAÇÃO DE E/S, NO CASO DO PROCESSO QUERER IMPRIMIR (NA IMPRESSORA) ABCDEFGH : ESTES CARACTERES SÃO COLOCADOS EM UMA ÁREA DE MEMÓRIA DO

Leia mais

Organização de Arquivos

Organização de Arquivos Classificação e Pesquisa de Dados Aula 2 Organização de s: s Sequenciais e s Sequenciais Indexados UFRGS INF01124 Organização de s Propósito Estudo de técnicas de armazenamento e recuperação de dados em

Leia mais

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado Memória Armazenamento Sistema de Arquivos 1 Hierarquia de Memórias 2 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR DISCO MAGNÉTICO O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou de plástico,

Leia mais

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática FRANCIS RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento Magnéticos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Dispositivos de Armazenamento Magnéticos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Dispositivos de Armazenamento Magnéticos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Dispositivos de Armazenamento Magnéticos Dispositivo magnético ou na situação a ser estudada, dispositivo de armazenamento magnético,

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Arquitetura e organização de computadores

Arquitetura e organização de computadores Arquitetura e organização de computadores 3º. Sem. Sistemas de informação Prof. Emiliano S. Monteiro Barramentos BUS Modelo de barramento CPU(ALU, UC, Registradores) Memória Entrada e saída (I/O) Barramento

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SIMULADOR DE ESTRATÉGIAS DE ESCALONAMENTO DE DISCO RÍGIDO COM CABEÇOTE MÓVEL EM SISTEMAS DE MULTIPROGRAMAÇÃO

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SIMULADOR DE ESTRATÉGIAS DE ESCALONAMENTO DE DISCO RÍGIDO COM CABEÇOTE MÓVEL EM SISTEMAS DE MULTIPROGRAMAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UM SIMULADOR DE ESTRATÉGIAS DE ESCALONAMENTO DE DISCO RÍGIDO COM CABEÇOTE MÓVEL EM SISTEMAS DE MULTIPROGRAMAÇÃO 1 AGUIAR, Carlos Eduardo Pereira de; 1 ASSIS, Marcos Antônio de; 1 BARBOSA,

Leia mais

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br Introdução INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br introdução Tópicos conceitos básicos o que é um programa um programa na memória decifrando um código referência Capítulo

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS 2 Dispositivos de Armazenamento HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS Armazenam dados quando o computador está desligado Dois processos Escrita de dados Leitura de dados Introdução à Microinformática Prof.

Leia mais

DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO AULA 11 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO AULA 11 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO AULA 11 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização de Computadores Linda

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Laboratório de Hardware

Laboratório de Hardware Laboratório de Hardware Prof. Marcel Santos Responsável por implementar em software um recurso que não existe no hardware. O hardware oferece simplesmente um grande conjunto de bytes contíguos, e a tarefa

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros Sistemas de Ficheiros Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros 1 Armazenamento de Informação de Longo Prazo 1. Deve armazenar grandes massas de dados

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores II (CEA 509) Armazenamento e o Sistema de E/S

Organização e Arquitetura de Computadores II (CEA 509) Armazenamento e o Sistema de E/S Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Organização e Arquitetura de Computadores II (CEA 509) Armazenamento e o Sistema de E/S Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência de Arquivos Gerência de Arquivos Um sistema operacional tem por finalidade permitir que o usuários do computador executem aplicações,

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Colegiado de Engenharia de Computação Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Aula 09 (semestre 2011.2) Prof. Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto, M.Sc. rosalvo.oliveira@univasf.edu.br 2 Armazenamento

Leia mais

Capítulo 7. Discos. Armazenamento de dados

Capítulo 7. Discos. Armazenamento de dados Capítulo 7 Discos Armazenamento de dados Esta é uma das funções importantes de um computador. Além de acessar e processar dados, o computador precisa também armazená-los. Existem portanto diferentes métodos

Leia mais

Entrada/Saída. E/S Mapeada na Memória. Dispositivos de E/S. FACENS - Faculdade de Engenharia de Sorocaba. emitir comandos para os dispositivos

Entrada/Saída. E/S Mapeada na Memória. Dispositivos de E/S. FACENS - Faculdade de Engenharia de Sorocaba. emitir comandos para os dispositivos FACENS - Faculdade de Engenharia de Sorocaba Entrada/Saída Entrada/Saída emitir comandos para os dispositivos interceptar interrupções e tratar erros fornecer interface entre os dispositivos e o restante

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S Estruturas de sistemas de computação Sumário! Operação de um sistema de computação! Estruturas de E/S! Estruturas de armazenamento! Hierarquia de armazenamento 2 1 Arquitectura de um sistema de computação

Leia mais

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Introdução à Computação: Armazenamento Secundário Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Objetivos Relacionar os benefícios do armazenamento secundário. Identificar e descrever as mídias de

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução É preciso conhecer a estrutura de um sistema de computação antes que possamos explorar os detalhes de sua operação.

Leia mais

SGBD. Membros: Leandro Cardoso Aguiar. Murillo Parreira. Rafael Gondim Peixoto

SGBD. Membros: Leandro Cardoso Aguiar. Murillo Parreira. Rafael Gondim Peixoto SGBD Membros: Leandro Cardoso Aguiar Murillo Parreira Rafael Gondim Peixoto Tópico Capítulo 11 Armazenamento e consulta de dados Introdução Começa com uma visão geral do meio de armazenamento físico; Mecanismos

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº UNIDADE 1I: SISTEMA COMPITACIONAL Elementos hardware e periféricos Um sistema computacional consiste num conjunto de dispositivos eletrônicos (hardware) capazes de processar informações de acordo com um

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída (E/S)

Gerenciamento de Entrada e Saída (E/S) Gerenciamento de Entrada e Saída (E/S) Adriano J. Holanda http://adrianoholanda.org Depto Computação e Matemática FFCLRP USP 02/06/2014 Entrada e Saída: E/S teclado mouse impressora disco rígido monitor

Leia mais

O TEMPO DE ACESSO A UM DADO EM DISCOS MAGNÉTICOS É FORMADO POR TRÊS TEMPOS SIGNIFICATIVOS COMBINADOS:

O TEMPO DE ACESSO A UM DADO EM DISCOS MAGNÉTICOS É FORMADO POR TRÊS TEMPOS SIGNIFICATIVOS COMBINADOS: SISTEMAS/AMBIENTE OPERACIONAL PÁG. 1 SISTEMA DE ARQUIVOS VERSÃO MELHORADA DO IOCS (INPUT OUTPUT CONTROL SYSTEM) DOS ANTIGOS SISTEMAS BATCH. O SISTEMA DE ARQUIVOS, GERALMENTE INSERIDO NO NÚCLEO DOS SISTEMAS

Leia mais

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória Secundária Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória de grande capacidade (dezenas de Gigabytes). Armazenamento massivo. Implementada em meio magnético (hard disk, fitas magnéticas)

Leia mais

Armazenar dados e programas que serão utilizados pelo processador (CPU Unidade Central de Processamento)

Armazenar dados e programas que serão utilizados pelo processador (CPU Unidade Central de Processamento) Armazenar dados e programas que serão utilizados pelo processador (CPU Unidade Central de Processamento) Tempo de acesso: maior que o tempo de acesso da cache, 50 a 70 ns; Capacidade: bem maior que a cache;

Leia mais

Setores, trilhas, cabeças e cilindros.

Setores, trilhas, cabeças e cilindros. Aula 13 Arquitetura de Computadores 03/11/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber DISCO RÍGIDO Disco rígido, disco duro ou HD (Hard Disk) é a parte do

Leia mais

Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING

Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING CONTEÚDO Introdução Armazenamento de dados Dispositivo de armazenamento Buffering de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerenciamento de Memória Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Paula Prata e nas transparências

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05 Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 Armazenamento Secundário BENEFÍCIOS

Leia mais

Fundamentos da Computação Dispositivos de Armazenamento Entrada e Saída

Fundamentos da Computação Dispositivos de Armazenamento Entrada e Saída Fundamentos da Computação Dispositivos de Armazenamento Entrada e Saída Dispositivos de Memória Secundária; de Massa ou Armazenamento. Prof. Bruno Guilhen www.concursosdeti.com.br Unidades de armazenamento:

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09 SISTEMAS OPERACIONAIS Sistemas de Arquivos Apostila 09 1.0 INTRODUÇÃO Sistema de Arquivos: conceito de arquivo, métodos de acesso, estrutura de diretório, estrutura do sistema de arquivos, métodos de alocação

Leia mais

Organização de Computadores Como a informação é processada?

Organização de Computadores Como a informação é processada? Curso de ADS/DTEE/IFBA Organização de Computadores Como a informação é processada? Prof. Antonio Carlos Referências Bibliográficas: 1. Ciência da Computação: Uma visão abrangente - J.Glenn Brokshear 2.

Leia mais