EA960 Redundância e Confiabilidade: RAID

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EA960 Redundância e Confiabilidade: RAID"

Transcrição

1 EA960 Redundância e Confiabilidade: RAID Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. Levy Boccato 1

2 Motivação Revisitando a lei de Amdahl: Um programa benchmark é executado durante 100 segundos, sendo que 90 s são gastos pela CPU e 10 s referem-se a operações de entrada-saída. Considere que o número de processadores dobre a cada dois anos, mas a velocidade de cada processador e o tempo de entrada-saída não se alteram. Qual o speedup observado ao final de seis anos? 2

3 Motivação Revisitando a lei de Amdahl: Após n anos Tempo de CPU (s) Tempo de entrada-saída (s) Tempo total (s) % do tempo consumido com entrada-saída % 2 90/2 = % 4 45/2 = % 6 23/2 = % Após 6 anos, o speedup no desempenho da CPU foi igual a 90/11 = 8 Contudo, o speedup no tempo total foi de apenas 100/21 = 4,7. Isso significa que a revolução do paralelismo precisa ser acompanhada de aprimoramentos nos mecanismos de entrada-saída. Um exemplo bastante claro desta necessidade está ligada aos discos magnéticos (unidades de armazenamento massivo). 3

4 Motivação Acelerar as operações de entrada-saída foi a motivação original dos arranjos de discos (disk arrays). Antigamente (anos 80-90), a opção vigente era em favor do uso de um único disco maior e mais caro, projetado de modo a assegurar um menor tempo médio para falhar (mean time to failure, MTTF). Alternativa: utilizar um número maior de discos menores. Expectativa: alcançar um desempenho superior. Argumento: já que várias cabeças de leitura/gravação estariam disponíveis, isso possibilitaria a realização de acessos independentes bem como de transferências de volumes maiores de dados espalhados nos vários discos. 4

5 Motivação O problema é que um arranjo de discos poderia deteriorar significativamente a confiabilidade. Vejamos isto através de um exemplo simples. Único disco probabilidade de falha: 4% Quatro discos probabilidade de falha (individual): 6% Se a informação for simplesmente espalhada pelos discos, basta que um deles falhe para que o sistema de armazenamento fique comprometido. P{pelo menos 1 falha de disco} = 1 P{nenhuma falha} = 1 0,94 4 = 21,9% 5

6 Motivação E se houvesse uma forma de conseguir recuperar a informação gravada mesmo quando um único disco do arranjo falhar? P{pelo menos 2 falhas de disco} = 6*p 2 (1-p) 2 + 4*p 3 (1-p) 3 + p 4 = 1,9% Sendo ainda mais otimista, e se conseguíssemos lidar com a falha de dois discos? P{pelo menos 3 falhas de disco} = 4*p 3 (1-p) 3 + p 4 = 0,08% 6

7 Motivação Para alcançar estes níveis de confiabilidade mais que desejáveis, é preciso explorar o conceito de redundância. Em outras palavras, não somente gravamos os dados, mas também informações extras que refletem o conteúdo efetivamente armazenado. Para contemplar a redundância, será necessário utilizar um número maior de discos no arranjo. No caso do exemplo anterior, teríamos ao menos um disco extra: P{pelo menos 2 falhas} = 10*p 2 (1-p) *p 3 (1-p) 2 + 5*p 4 (1-p) + p 5 = 3,1% 7

8 Portanto, confiabilidade se tornou mais rentável por meio da construção de um arranjo de discos menores e mais baratos contendo algum mecanismo de redundância. Esta abordagem deu origem ao termo RAID (originalmente, redundant array of inexpensive disks; posteriormente, redundant array of independent disks). Ideias centrais: RAID é um conjunto de unidades de discos físicos, o qual é visto pelo sistema operacional como uma única unidade lógica de armazenamento. Os dados são distribuídos pelos discos físicos do array segundo uma técnica denominada striping. A redundância é usada para armazenar informações codificadas (e.g., de paridade), o que possibilita a recuperação dos dados no caso de uma falha de disco. 8

9 Resumo: 9

10 RAID 0: Simplesmente espalhar os dados pelos vários discos (striping) acaba por forçar o acesso a alguns ou todos eles. Vantagem: se duas solicitações de entradasaída diferentes necessitam acessar blocos de dados armazenados em discos distintos, ambas podem ser atendidas em paralelo. 10

11 RAID 1: Espelhamento (mirroring ou shadowing): toda vez que um dado precisa ser escrito em um disco, ele também é gravado em um disco redundante, de modo que sempre há duas cópias da informação. Assim, se um disco falhar, basta procurar em seu espelho que o dado desejado pode ser recuperado. Opção cara: número de discos é o dobro do RAID 0. 11

12 RAID 2: não é utilizado na prática (custo não compensa) Um código de correção de erro é computado para os bits em cada disco de dados, e os bits do código são armazenados nas respectivas posições nos vários discos de paridade. Opção: código de Hamming capaz de corrigir erros de um único bit e detectar erros em dois bits. Funcionamento: Em uma única leitura, todos os discos são acessados simultaneamente. Os dados solicitados e o código de correção de erro são entregues ao controlador do array. Se houver um erro em um único bit, ele é capaz de identificar e de corrigir instantaneamente. Em uma única gravação, todos os discos de dados e de paridade precisam ser acessados. 12

13 RAID 3 (Bit-Interleaved Parity): Independentemente do tamanho do array, um único disco é usado para guardar as informações redundantes. Usualmente, um único bit de paridade é calculado para o conjunto de bits individuais na mesma posição em todos os discos de dados. Diferentemente do RAID 1, muitos discos precisam ser lidos para determinar o dado faltante. A hipótese que motiva esta técnica é a de que demorar mais para recuperar-se de uma falha, gastando, contudo, menos com armazenamento redundante constitui um bom trade-off. 13

14 RAID 3 (Bit-Interleaved Parity): Considere um array de cinco unidades, em que X0 a X3 guardam os dados e X4 é o disco de paridade. X 4( i) X 3( i) X 2( i) X1( i) X 0( i) Como recuperar a informação se X2 falhou? Se adicionarmos o OU-exclusivo entre X4(i) que é o bit de paridade e X2(i) que é o bit que falhou, nos dois lados da equação acima, obtemos: X 2( i) X 4( i) X 3( i) X1( i) X 0( i) 14

15 RAID 4 (Block-Interleaved Parity): Utiliza a mesma razão de discos de dados e de checagem que o RAID 3. Uma diferença importante está na forma com que a informação redundante é atualizada por causa de uma operação de escrita. Somente atualizamos as posições que tiveram seus conteúdos alterados em relação ao dado anteriormente armazenado. RAID 3 RAID 4 15

16 RAID 5 (Distributed Block-Interleaved Parity): O RAID 4 possuía uma desvantagem: o disco de paridade precisava ser atualizado em todas as operações de escrita. Isto caracteriza um potencial gargalo para o desempenho do sistema. Proposta: espalhar os bits/blocos de paridade por todos os discos. Isto é, a informação redundante é armazenada nos mesmos discos que os dados. Esta organização permite que múltiplas operações de escrita ocorram simultaneamente desde que os blocos de paridade não estejam localizados no mesmo disco. 16

17 RAID 5 (Distributed Block-Interleaved Parity): RAID 4 RAID 5 Uma operação de escrita no bloco 8 deve acessar seu bloco de paridade em P2, usando, portanto, os discos 1 e 3. Uma segunda escrita no bloco 5 exigiria a atualização de P1, o que requer o acesso aos discos 2 e 4. 17

18 RAID 6 (P + Q Redundancy): Dois cálculos de paridade diferentes são executados e armazenados em blocos separados em discos diferentes. Um array baseado em RAID 6 usa N discos para armazenamento dos dados e mais dois discos extras para paridade. Vantagem: possibilidade de corrigir até dois erros. 18

19 Considerações Finais As estratégias de RAID são amplamente empregadas em servidores. Possíveis preocupações: O array deve ser projetado de modo a permitir que discos com falhas sejam substituídos durante a operação do sistema (hot-swapping disks). Isto, porém, impõe algumas restrições físicas e elétricas para o arranjo e para as interfaces dos discos. Nem sempre a suposição de independência dos discos no tocante às falhas é verdadeira. Múltiplas falhas podem ocorrer devido (1) ao aumento no número de discos no array e (2) ao crescimento da capacidade dos discos. 19

20 Créditos Figuras extraídas de D. A. Patterson e J. L. Hennessy, Computer Organization and Design: The Hardware/Software Interface, Morgan Kauffman, 5ª edição, 2013, e de W. Stallings, Arquitetura e Organização de Computadores, Pearson, 8ª edição,

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks Criado em alternativa para os discos grandes e caros. Justificativa: Substituindo discos grandes por muitos discos pequenos, o desempenho melhoraria mais cabeças

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais RAID Marcelo Diniz http://marcelovcd.wordpress.com/ O que é RAID? RAID RAID (Redundant Array of Independent Disks ) Matriz Redundante de Discos Independentes Recuperar informação

Leia mais

RAID. Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID (Redundant Array of Independent Disks )

RAID. Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID (Redundant Array of Independent Disks ) RAID O que é um RAID? RAID RAID (Redundant Array of Independent Disks ) Matriz Redundante de Discos Independentes Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID Surgiu

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Memória Secundária Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Gerência

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Sistemas de armazenamento

Sistemas de armazenamento Sistemas de armazenamento João Canas Ferreira Dezembro de 2004 Contém figuras de Computer Architecture: A Quantitative Approach, J. Hennessey & D. Patterson, 3 a. ed., MKP c JCF, 2004 AAC (FEUP/LEIC) Sistemas

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

RAID 1. RAID 0 2. RAID 1

RAID 1. RAID 0 2. RAID 1 EJAV - ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL JOSÉ APRÍGIO BRANDÃO VILELA Curso Técnico de Informática Professor Jonathas José de Magalhães AULA 08 - RAID RAID O desempenho das memórias secundárias

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Armazenamento

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Armazenamento Infraestrutura de Hardware Entrada/Saída: Armazenamento Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Sistema de Entrada/Saída - Redundant Array of Independent Disks 0 - Matriz de Discos sem Tolerância a Falhas 1 - Espelhamento 2 - Código de Hamming 3 - Transferência Paralela

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento em massa. José Roberto B. Gimenez

Dispositivos de Armazenamento em massa. José Roberto B. Gimenez Dispositivos de Armazenamento em massa José Roberto B. Gimenez 2 Estrutura da apresentação O meio físico de armazenamento Interfaces de conexão ATA, SCSI, FC RAID array Sistemas de Armazenamento DAS, NAS,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Paralelismo a nível de disco A origem do RAID O

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática

Tópicos Especiais em Informática Tópicos Especiais em Informática RAID Prof. Ms.-Eng. Igor Sousa Faculdade Lourenço Filho 1 de outubro de 2014 igorvolt@gmail.com (FLF) Tópicos Especiais em Informática 1 de outubro de 2014 1 / 14 Introdução

Leia mais

481040 - Programador/a de Informática

481040 - Programador/a de Informática 481040 - Programador/a de Informática UFCD - 0801 ADMINISTRAÇÃO DE REDES LOCAIS Sessão 9 SUMÁRIO Sistemas redundantes; Modos de Operação RAID Sistemas redundantes 1. Redundância significa ter componentes

Leia mais

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas Memória Externa Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou plástico, coberto com um material que poder magnetizado. Os dados são gravados e posteriormente lidos do

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Cenário off- line (bolha) 2 Roubo de Informação Roubo de Informação - Acesso físico

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR DISCO MAGNÉTICO O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou de plástico,

Leia mais

Sistemas de Armazenamento

Sistemas de Armazenamento M. Sc. isacfernando@gmail.com Especialização em Administração de Banco de Dados ESTÁCIO FIR Tipo de Não importa quanta memória seu smartphone tenha, ele nunca terá o bastante para guardar todas as suas

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Externa Slide 1 Sumário Disco Magnético RAID Memória Óptica Slide 2 Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou

Leia mais

Repositório Estável. Raul Ceretta Nunes

Repositório Estável. Raul Ceretta Nunes Repositório Estável Raul Ceretta Nunes Repositório Estável Técnicas de tolerância a falhas freqüentemente necessitam que algum estado do sistema esteja disponível após uma falha. Um disco comum não é aceitável

Leia mais

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais.

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Olá nobre concurseiro e futuro servidor público! Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Essa

Leia mais

Sistemas Tolerantes a Falhas

Sistemas Tolerantes a Falhas Sistemas Tolerantes a Falhas Ténicas de TF para Diversidade de Dados Prof. Jó Ueyama 1 Introdução A diversidade de dados vem complementar as técnicas de diversidade vistas até agora A diversidade de dados

Leia mais

AVALIAÇÃO À DISTÂNCIA 1 GABARITO

AVALIAÇÃO À DISTÂNCIA 1 GABARITO Fundação CECIERJ - Vice Presidência de Educação Superior a Distância Curso de Tecnologia em Sistemas de Computação UFF Disciplina INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA... AD1 2 semestre de 2008. Data... AVALIAÇÃO À

Leia mais

Tecnologia de armazenamento Intel (Intel RST) RAID 0, 1, 5, 10, Matrix RAID, RAID -Pronto

Tecnologia de armazenamento Intel (Intel RST) RAID 0, 1, 5, 10, Matrix RAID, RAID -Pronto Tecnologia de armazenamento Intel (Intel RST) RAID 0, 1, 5, 10, Matrix RAID, RAID -Pronto RAID 0 (striping) RAID 0 utiliza os recursos de leitura/gravação duas ou mais unidades de disco trabalhando em

Leia mais

Níveis de RAID - RAID 0

Níveis de RAID - RAID 0 RAID RAID é acrônimo para Redundant Array of Inexpensive Disks. Este arranjo é usado como um meio para criar um subsistema de unidade de disco, rápido e confiável, através de discos individuais. RAID é

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 6 Memória externa slide 1 Tipos de memória externa Disco magnético: RAID. Removível. Óptica: CD-ROM. CD-Recordable (CD-R).

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Memória Externa Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Tipos de Memória Externa Disco Magnético

Leia mais

Armazenamento de Informação. André Zúquete, João Paulo Barraca SEGURANÇA INFORMÁTICA E NAS ORGANIZAÇÕES 1

Armazenamento de Informação. André Zúquete, João Paulo Barraca SEGURANÇA INFORMÁTICA E NAS ORGANIZAÇÕES 1 Armazenamento de Informação André Zúquete, João Paulo Barraca SEGURANÇA INFORMÁTICA E NAS ORGANIZAÇÕES 1 Problemas Os discos/ssd avariam E cada vez há mais informação digital vital É preciso minimizar

Leia mais

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO Benefícios do Armazenamento Secundário: Espaço: grande quantidade de espaço disponível; Confiabilidade: altamente confiável; Conveniência: usuários autorizados

Leia mais

Dispositivos de Memória

Dispositivos de Memória Chipset Conjunto de chips que fazem a comunicação entre a e os demais dispositivos do computador. Todas as informações que trafegam pela placa mãe passam necessariamente pelo Chipset, que tem dois chips:

Leia mais

Arquitectura de Computadores II. Interface com Periféricos

Arquitectura de Computadores II. Interface com Periféricos Arquitectura de Computadores II LESI - 3º Ano Interface com Periféricos João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Janeiro 2002 Aspecto frequentemente relegado para segundo

Leia mais

Documentação sobre a Tecnologia RAID

Documentação sobre a Tecnologia RAID Documentação sobre a Tecnologia RAID Enquanto especialista no armazenamento de dados, a LaCie reconhece que quase todos os utilizadores de computadores irão necessitar de uma solução de cópia de segurança

Leia mais

RAID. História. Vantagens. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

RAID. História. Vantagens. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. RAID RAID significa "Redundant Array of Inexpensive Drives" (Conjunto Redundante de Discos Econômicos). Com o tempo, numa tentativa de desassociar o conceito de

Leia mais

Capítulo 5 Gerência de Dispositivos

Capítulo 5 Gerência de Dispositivos DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Capítulo 5 Gerência de Dispositivos Luiz Affonso Guedes 1 Luiz Affonso Guedes 2 Conteúdo Caracterização dos

Leia mais

O RAID foi proposto em 1988 por David A. Patterson, Garth A. Gibson e Randy H. Katz na publicação "Um

O RAID foi proposto em 1988 por David A. Patterson, Garth A. Gibson e Randy H. Katz na publicação Um AID - Wikipédia, a enciclopédia livre de 10 5/10/2009 16:30 Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Redundant Array of Independent Drives, também denominado Redundant Array of Inexpensive Drives ou mais

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Colegiado de Engenharia de Computação Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Aula 09 (semestre 2011.2) Prof. Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto, M.Sc. rosalvo.oliveira@univasf.edu.br 2 Armazenamento

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 6 Armazenamento e outros tópicos de E/S

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 6 Armazenamento e outros tópicos de E/S Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 6 Armazenamento e outros tópicos de E/S Material adaptado de: Patterson e Henessy, Computer Organization and Design 4 th Edition 2 Dispositivos de I/O

Leia mais

RAID. Redundant Array of Independent Drives. Conjunto Redundante de Discos Independentes

RAID. Redundant Array of Independent Drives. Conjunto Redundante de Discos Independentes RAID Redundant Array of Independent Drives Conjunto Redundante de Discos Independentes Redundância?! Redundância é ter componentes de reserva para substituir o componente principal mantendo disponibilidade

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Memórias Prof. Galvez Gonçalves

Memórias Prof. Galvez Gonçalves Arquitetura e Organização de Computadores 1 s Prof. Galvez Gonçalves Objetivo: Compreender os tipos de memória e como elas são acionadas nos sistemas computacionais modernos. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

BACKUP 101: PLANEJAMENTOS E FERRAMENTAS

BACKUP 101: PLANEJAMENTOS E FERRAMENTAS BACKUP 101: PLANEJAMENTOS E FERRAMENTAS Jerônimo Medina Madruga (UFPel) Resumo: Em um mundo onde quase todo serviço conta informações digitais, a garantia da segurança desses dados muitas vezes é uma das

Leia mais

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistema de Arquivos Arquivos Espaço contíguo de armazenamento Armazenado em dispositivo secundário Estrutura Nenhuma: seqüência de bytes Registros, documentos,

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória Infra-Estrutura de Hardware Conceitos Básicos Memória Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Bits de Memória Ordem de Bytes Conceitos Básicos Memória Secundária Códigos de Correção

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Arquitetura e Organização de Computadores Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2008 Tópicos Processadores Memória Principal Memória

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

Ficha de Caracterização do Trabalho

Ficha de Caracterização do Trabalho Ficha de Caracterização do Trabalho Título: RAID : aumento do paralelismo e segurança no armazenamento de dados Resumo: Apresentam-se, através de uma linguagem objectiva, os sistemas de armazenamento RAID,

Leia mais

RAID RAID RAID. Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum

RAID RAID RAID. Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum RAID O DESEMPENHO DA CPU TEM DUPLICADO A CADA 18 MESES. NA DÉCADA DE 1970, O TEMPO DE SEEK VARIAVA DE 50 A 100 ms, NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ESSE TEMPO ATINGE UM POUCO MENOS DE 10 ms => A DIFERENÇA

Leia mais

SGBD x Disponibilidade

SGBD x Disponibilidade SGBD x Disponibilidade Objetivo Escopo Motivação Conceitos básicos Disponibilidade Redundância de software Redundância de hardware 1 Objetivo: Objetivo Discutir tecnologias e práticas operacionais utilizadas

Leia mais

Arquitetura de Computadores I

Arquitetura de Computadores I Arquitetura de Computadores I Cap. 08 Armazenamento Secundário e Sistemas de E/S Prof. M.Sc. Bruno R. Silva Plano de aula Introdução Armazenamento em disco e confiabilidade Redes Barramentos e outras conexões

Leia mais

Até que Ponto Seus Dados estão Seguros? Por Kris Land, CTO, diretor de tecnologia da InoStor Corp.

Até que Ponto Seus Dados estão Seguros? Por Kris Land, CTO, diretor de tecnologia da InoStor Corp. Até que Ponto Seus Dados estão Seguros? Por Kris Land, CTO, diretor de tecnologia da InoStor Corp. No mundo de negócios da atualidade, nenhuma questão é mais importante para as grandes centrais de armazenamento

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Discos Qual o principal gargalo? 2 Discos Discos são gargalos Discos são muito mais lentos que as redes ou a CPU Muitos processos são

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. retrospectiva. 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. retrospectiva. 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição retrospectiva slide 1 Organização e arquitetura Arquitetura são os atributos visíveis ao programador. Conjunto de instruções, número

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 16: Entrada e Saída: Estudo de Caso Diego Passos Última Aula Software de Entrada e Saída. Subsistema de E/S. Conjunto de camadas de abstração para realização de

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Entrada e Saída Drivers e s Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Luciana A. F. Martimiano

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

MONTAGEM E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES AULA - 5 DESEMPENHO E UPGRADE GRUPO INSTRUTOR MAIO/JUNHO 2010

MONTAGEM E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES AULA - 5 DESEMPENHO E UPGRADE GRUPO INSTRUTOR MAIO/JUNHO 2010 MONTAGEM E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES AULA - 5 DESEMPENHO E UPGRADE GRUPO INSTRUTOR MAIO/JUNHO 2010 PRIMEIROS PASSOS LEITOR DE DISQUETE: Não se pode dizer que é inútil, mas nunca vai ser considerado com

Leia mais

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória Secundária Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória de grande capacidade (dezenas de Gigabytes). Armazenamento massivo. Implementada em meio magnético (hard disk, fitas magnéticas)

Leia mais

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Memória Cache Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Projeto de Memórias Cache; Tamanho; Função de Mapeamento; Política de Escrita; Tamanho da Linha; Número de Memórias Cache; Bibliografia.

Leia mais

Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment)

Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment) Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment) Introdução Os computadores são constituídos por uma série de tecnologias que atuam em conjunto. Processadores, memórias, chips gráficos, entre

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul QUESTÃO: 29 Além da alternativa a estar correta a alternativa e também pode ser compreendida como correta. Segundo a definição de diversos autores, a gerência de falhas, detecta, isola, notifica e corrige

Leia mais

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)?

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)? Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Aplicadas e Educação Departamento de Ciências Exatas Motivação ACII: Armazenamento Secundário Prof. Rafael Marrocos Magalhães professor@rafaelmm.com.br

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

SGBD. Membros: Leandro Cardoso Aguiar. Murillo Parreira. Rafael Gondim Peixoto

SGBD. Membros: Leandro Cardoso Aguiar. Murillo Parreira. Rafael Gondim Peixoto SGBD Membros: Leandro Cardoso Aguiar Murillo Parreira Rafael Gondim Peixoto Tópico Capítulo 11 Armazenamento e consulta de dados Introdução Começa com uma visão geral do meio de armazenamento físico; Mecanismos

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Dispositivos de Armazenamento Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Discos 2. Fitas magnéticas 3. CD-ROM Capítulo: 2 (APOSTILA). Dispositivos de Armazenamento Armazenamento permanente Custo menor

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Hardware de Computadores 1 O disco rígido, é um sistema de armazenamento de alta

Leia mais

Construindo Sistemas de Gravação e Reprodução de Dados de Áudio, Vídeo e GPS com a Plataforma PXI

Construindo Sistemas de Gravação e Reprodução de Dados de Áudio, Vídeo e GPS com a Plataforma PXI Construindo Sistemas de Gravação e Reprodução de Dados de Áudio, Vídeo e GPS com a Plataforma PXI André Oliveira Engenheiro de Vendas Bruno César Engenheiro de Sistemas 1 Denominador Comum em Sistemas

Leia mais

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Conhecer os dispositivos de armazenamento por meio do conceito e dos tipos de memórias utilizadas no computador. Subsistemas de memória Memória

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

EMC DATA DOMAIN DATA INVULNERABILITY ARCHITECTURE: APRIMORANDO A INTEGRIDADE E A CAPACIDADE DE RECUPERAÇÃO DOS DADOS

EMC DATA DOMAIN DATA INVULNERABILITY ARCHITECTURE: APRIMORANDO A INTEGRIDADE E A CAPACIDADE DE RECUPERAÇÃO DOS DADOS White paper EMC DATA DOMAIN DATA INVULNERABILITY ARCHITECTURE: APRIMORANDO A INTEGRIDADE E A CAPACIDADE DE RECUPERAÇÃO DOS DADOS Uma análise detalhada Resumo Um mecanismo único não é suficiente para garantir

Leia mais

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Introdução à Computação: Armazenamento Secundário Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Objetivos Relacionar os benefícios do armazenamento secundário. Identificar e descrever as mídias de

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 16/06/2008 17:43 Leite Júnior

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 16/06/2008 17:43 Leite Júnior ÍNDICE BACKUP E RESTAURAÇÃO(RECOVERY)...2 BACKUP...2 PORQUE FAZER BACKUP?...2 DICAS PARA BACKUP...2 BACKUP NO WINDOWS...2 BACKUP FÍSICO E ON-LINE...3 BACKUP FÍSICO...3 BACKUP ON-LINE(VIRTUAL) OU OFF-SITE...3

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

EA075 Conversão A/D e D/A

EA075 Conversão A/D e D/A EA075 Conversão A/D e D/A Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. Levy Boccato 1 Introdução Sinal digital: possui um valor especificado

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores. Prof.ª Ms. Elaine Cecília Gatto

Introdução à Arquitetura de Computadores. Prof.ª Ms. Elaine Cecília Gatto Introdução à Arquitetura de Computadores Prof.ª Ms. Elaine Cecília Gatto 1 O nome refere-se ao matemático John Von Neumann, que foi considerado o criador dos computadores da forma como são projetados até

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Comunicação Fim-a-Fim a Alta Vede em Redes Gigabit

Comunicação Fim-a-Fim a Alta Vede em Redes Gigabit Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br Comunicação Fim-a-Fim a Alta Vede em Redes Gigabit DaniloM.Taveira, Igor M. Moraes, Daniel de O.Cunha RafaelP.Laufer, Marco D. D. Bicudo, Miguel E. M. Campista,

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas EQUIPAMENTOS ACTIVOS DE REDES José Vitor Nogueira Santos Ficha nº6-0833 21/09 1.Diga o que entende por Redundant

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DA UNESP COLÉGIO TÉCNICO AGRÍCOLA JOSÉ BONIFÁCIO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA RAID

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DA UNESP COLÉGIO TÉCNICO AGRÍCOLA JOSÉ BONIFÁCIO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA RAID FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DA UNESP COLÉGIO TÉCNICO AGRÍCOLA JOSÉ BONIFÁCIO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA RAID AUTORES: André Barbieri David Leandro Vanderlei da Silva Nícolas Claudio

Leia mais

Tolerância a Falhas 1

Tolerância a Falhas 1 1 Roteiro Introdução Histórico Áreas de aplicação Conceitos Detecção e Recuperação de erros Arquiteturas Técnicas de Referências Introdução Meta dos sistemas tolerantes a falha Nenhum defeito de qualquer

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. Introdução. Ivan Saraiva Silva Leonardo Casillo

Organização e Arquitetura de Computadores I. Introdução. Ivan Saraiva Silva Leonardo Casillo Organização e Arquitetura de Computadores I Introdução Ivan Saraiva Silva Leonardo Casillo Sumário Introdução Bibliografia Recomendada O que é um computador Organização de um Computador Modelo de Von Neumann

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA Entradas/Saídas Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA Relembrar a recepção com espera activa Para receber um byte pela porta

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

Notas da Aula 16 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 16 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 16 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Disco Rígido: Visão Geral Há inúmeros dispositivos de E/S em um sistema computacional moderno. Por esta razão, é inviável do ponto de vista de

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br

Leia mais

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da Unidade de Controle. Bibliografia: - STALLINGS,

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING

Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING CONTEÚDO Introdução Armazenamento de dados Dispositivo de armazenamento Buffering de

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais