Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts."

Transcrição

1 I FUNÇÔES E LOCOS LÓGICOS I.1 - SISTEMS DIGITIS - INTRODUÇÃO Sistemas Digitais Notas de ula 1 O mundo real apresenta duas representações para as medidas. Representação analógica e a representação digital. primeira mostra valores variando de forma contínua, como o representado pelo mostrador de um velocímetro. segunda mostra variações que ocorrem de forma discreta, como o mostrador de um relógio. Os sistemas digitais tratam das grandezas que são representadas por números no formato binário, que é a forma de tratamento dos sistemas computacionais atuais. Os sistemas digitais são baseados em sistemas que operam com dois níveis de sinal para indicar os valores lógicos ZERO (0, FLSO) e UM (1, VERDDE). Fisicamente são construídos com circuitos elétricos que usam valores de tensão elétrica padronizados. Exemplo: 5 Volts para representar o valor lógico UM e 0 Volts para o valor lógico ZERO. Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts Valor lógico ZERO (FLSO, 0): 0 Volts. Os sistemas digitais recebem dados lógicos em uma ou mais entradas e os transformam de acordo com a definição funcional de projeto. s variáveis de entrada são representadas por letras maiúsculas,, C, etc. s saídas (dados processados) são representadas pelas letras minúsculas: a,b,c,...x,y, z. figura I.1 apresenta um sistema digital. Dados de Entrada C Sistema Digital x y z dados de saída Figura I. 1 Sistema de processamento de dados (,,C,...,) que produz novos dados (x,y,z,.). I.1.1-Funções lógicas ase teórica formulação da lógica digital, também chamada lógica de oole, lógica ooleana, lógica de chaveamento, está baseada em artigo de George oole, publicado em Em 1939, Claude Shanon, aplicou a lógica de oole em projetos de circuitos de chaveamento em telefonia. Com base neste formalismo foram desenvolvidos circuitos básicos padrões (denominados portas lógicas), evoluindo até os complexos sistemas computacionais atuais. O estudo a seguir trata da base lógica de sistemas digitais, da operação de dispositivos digitais, da análise e projeto de sistemas e dispositivos computadorizados. I.1.2 Estudo de funções lógicas Sob o ponto de vista matemático, função é uma regra que se determina o valor de uma segunda variável dependente, y, a partir do valor da variável independente, x. De uma maneira geral, as variáveis dependentes e independentes não precisam ser números. Exemplo um semáforo. Verde prossiga marelo devagar Vermelho Pare

2 Sistemas Digitais Notas de ula 2 s variáveis lógicas têm as seguintes propriedades: Só pode assumir um (ou outro) valor de dois possíveis valores; Os valores são expressos por declarações Os dois valores possíveis, devem ser tais que, com base na lógica, sejam mutuamente exclusivos; s funções lógicas são definidas sistemas digitais com duas ou mais entradas (,,...) e fornecem um ou mais valores na saída. São representadas por diagramas, tabelas e expressões matemáticas. Um diagrama é a forma de representação gráfica de funções lógicas. Uma tabela verdade é uma matriz que mostra todas as combinações dos dados de entrada e os valores de saída que representam uma função (ou a solução de um sistema digital). s funções lógicas também são representadas por relações matemáticas. figura apresenta um sistema de duas entradas e uma saída. Função Lógica (s) Saída Figura I.2 Função lógica com duas entradas (, ) e uma saída, s. I.2 - Função ND. PRODUTO LÓGICO. - Operação ND entre duas entradas lógicas (, ). Definição: O resultado da operação da função ND entre duas entradas e, somente será UM (1) se as entradas forem UM (1) ao mesmo tempo. Se qualquer uma entrada for ZERO (0) então o resultado será ZERO (0). figura I.3 e a tabela I.1 descrevem a função ND S= Figura I.3 Função ND. Diagrama e expressão lógica (matemática). Tabela I.1- Tabela verdade para a função ND Na representação lógica S=., e o ponto é um operador para as entradas e. Um operador realiza uma transformação ou operação entre dados iniciais e os transformam segundo uma regra conhecida. O ponto realiza a operação ND - PRODUTO LÓGICO entre e.

3 Sistemas Digitais Notas de ula Uma função computacional para a porta ND - habilitação de informação ou sinal. porta ND pode habilitar (ou desabilitar) um sinal lógico permitindo ou inibindo a passagem do mesmo. Na figura I.4, a entrada funciona como controle de habilitação para o sinal na entrada. O funcionamento está baseado no seguintes aspectos: (a) Quando = 0, a saída S (=. ) é sempre zero. Não há transmissão (passagem) de informação. informação é perdida. (b) Quando = 1 (verdade), a entrada é transferida integralmente (transmitida) para a saída S. informação é mantida. Figura I.4 Entrada controlando a entrada de. Quando =1 o sinal é transferido para a saída S. Quando =0 o valor na saída é sempre 0, para qualquer valor da entrada -Sinal de entrada -Habilitação (enable)=1 -Sinal de entrada -Habilitação (enable)= Um circuito que implementa a porta ND Saída= Saída=0 Sob o ponto de vista elétrico, a porta ND pode ser entendida como duas chaves ( e ) ligadas em série. Para a lâmpada (L) acender é necessário que ambas as chaves estejam ligadas (para baixo). V(ateria) L(âmpada) Figura I.5 Implementação da função ND. e são duas chaves em série; L é uma lâmpada ligada na bateria de tensão V. (i) Quando e estão ligadas (para baixo) a bateria é conectada e a lâmpada acende. (ii) Quando uma chave qualquer estiver desligada, a lâmpada não acende. lâmpada acesa indica o nível lógico UM. lâmpada apagada indica o nível ZERO. Exemplos do dia-a-dia na aplicação da função ND: I - Haverá aula se for período letivo e houver energia elétrica. II - relação de todos os alunos que tenham sobrenome Silva e cursem o primeiro semestre Porta ND com três entradas porta ND pode ser generalizada para três ou mais entradas de acordo com a seguinte definição: O resultado da operação ND somente será UM, se todas as entradas tiverem o valor UM. Nas demais situações o resultado da operação ND será ZERO. figura I.6 e a tabela I.2 apresentam a definição funcional da função ND com três entradas.

4 Sistemas Digitais Notas de ula 4 C S=..C Figura I.6 porta ND pode ser generalizada para um numero variado de entradas, conforme a seguinte definição funcional: Quando pelo menos uma das entradas for ZERO a saída será ZERO. C s Tabela I.2 Porta ND de três entradas Exercício. 1- presentar a função ND para quatro entradas, C e D. Escrever a expressão matemática correspondente. presente a tabela verdade e o diagrama funcional. Exercício 2 Mostrar como uma porta ND de três entradas (,, C) pode ser desenvolvida com duas portas ND de duas entradas. Desenhar o diagrama lógico. Exercício 3 Repita o exercício 2 para uma porta ND de quatro entradas (,, C, D). Desenhe o diagrama lógico. Exercício 5 Explique como generalizar uma porta de múltiplas entradas a partir de portas de duas entradas Diagramas no tempo Os sistemas digitais estão baseados em dispositivos que recebem e fornecem valores binários (ZEROS e UNS) que variam no tempo. unidade de tempo é o segundo e seus submúltiplos: Décimos de segundo; Centésimos de segundo; Milésimos de segundo; Microssegundo (milionésimo de segundo); Nanosegundo (bilionésimo de segundo); Picosegundo (trilionésimo de segundo); Etc. Estes valores de intervalos de tempo refletem a grande velocidade de operação dos computadores digitais que realizam bilhões de ações computacionais (soma, subtração,...) por segundo. Os sistemas digitais operam com dados binários (ZEROS e UNS) que são processados e fornecem novos valores em cada intervalo de tempo. Os diagramas no tempo permitem analisar o comportamento de um sistema digital sujeito a entradas que mudam com o de tempo. figura I.7 mostra o diagrama de tempo de uma porta ND com duas entradas conhecidas (,). O nível alto indica valor lógico UM. O nível baixo indica o valor lógico ZERO. saída é obtida pela aplicação da função ND em cada intervalo de tempo: saída será LT (UM) quando e estiverem no nível LTO ao mesmo tempo; saída será ZERO (nível baixo) nas demais situações. Nível alto Nível baixo

5 Sistemas Digitais Notas de ula 5 Saída Figura I.7 Diagrama no tempo para a função ND. saída somente será UM (nível alto) quando as duas entradas forem UM ao mesmo tempo. saída estará em nível baixo (ZERO) nas demais situações. I.2.5 -Clock Nos sistemas digitais, um sinal eletrônico denominado CLOCK (TEMPORIZDOR) sincroniza as ações computacionais. O clock é um sinal periódico com valores ZERO e UM, em intervalos de tempo bem definidos e invariáveis: figura I.8 representa 7 oscilações do clock em um determinado intervalo de tempo ZERO UM CLOCK Tempo 1 segundo T Figura I.7- Representação do clock e indicação dos lógicos ZERO e UM. No intervalo de um segundo ocorreram 7 pulsos de clock, indicando f=7hz. O período de clock é indicado por T. O clock altera entre ZERO e UM na unidade de tempo. O número de variações do clock na unidade de tempo é denominado de freqüência de clock. unidade que mede a freqüência do clock é o Hertz (Hz). unidade Hz indica o número de vezes por segundo que ocorreu o clock. O Hertz é o mesmo que ciclo por segundo. duração de um pulso de clock é denominada período do clock e é medido em segundos. relação entre o período e a freqüência do cloçk é : T=1/f ou também f=1/t; O clock de freqüência f =1Hz indica um pulso completo em um segundo e de duração T=1s. O clock de freqüência f=2hz indica dois pulsos completos em um segundo e de duração T=(1/2)s. I.2.6 Exercícios. 1 - Qual é a duração (T, período) de um clock com freqüência: (i) f=10 Hz; (ii) f=100hz; (iii) F=1000Hz. 2 - Monte a tabela verdade para os conjuntos de 3 entradas (,, C). C s s C

6 Sistemas Digitais Notas de ula Monte a tabela verdade para as quatro entradas (,, C, D). C D s s C D 0 1 Perguntas: 4 - Como seria um sistema de 5 entradas? Qual é a representação de uma função ND de cinco entradas? 5 Represente um sistema de seis entradas (,, C, D, E, F) a partir de portas de duas entradas? I.3 - Função OR + (OU). SOM LÓGIC PR ENTRDS e. I.3.1- Caracterização da função O resultado da função OR somente será falso (0) se todas as entradas forem falsas (0). saída será 1 quando pelo menos uma entrada for 1. Exemplo lógico: Na disciplina Educação Física, O LUNO SERÁ PROVDO SE TIVER PRESENÇ SUPERIOR 75% DS ULS OU SE FOR DISPENSDO POR REGULMENTO D ESCOL Diagrama lógico, tabela verdade e expressão lógica. figura I.8 apresenta o diagrama lógico da função OR. No detalhe, as bordas laterais que são abauladas. Tabela I.2 corresponde a tabela verdade. Somente quando e forem ZERO (falso) ao mesmo tempo, o resultado da função OR é ZERO. + S= Tabela I.2 - Tabela verdade da função OR

7 Figura I.8 Representação da função OR Sistemas Digitais Notas de ula Construção da porta OR. figura I.9 mostra o diagrama de implementação da função asta que uma das chaves ou estejam ligadas para que a lâmpada (L) acenda indicando a saída UM (nível alto, VERDDE). lâmpada L estará acesa se as chaves e forem acionadas ao mesmo tempo. L Figura I.9 - Implementação da função OR. Quando uma das chaves estiver acionada, a bateria estará ligada a lâmpada L que acenderá indicando nível lógico Generalização da função OR para mais de duas entradas. O resultado da função OR para mais de duas entradas mostrará UM quando pelo menos uma das entradas for UM. figura 1.10 mostra o diagrama funcional da porta OR para três entradas, e a expressão lógica correspondente. C S=++C Figura I.10 - Porta OR para três entradas. Quando pelo menos uma das entradas tiver valor UM a saída S será UM Função computacional de habilitação de uma entrada pela porta OR De modo análogo à porta ND, a porta OR também pode ser usada para habilitar um sinal. figura 1.11 mostra a porta OR executando a função habilitação. Neste caso, o sinal será transmitido para a saída S se =0. ENLE() Saída controlada por Figura 1.11 porta OR pode habilitar uma entrada. Neste caso, a habilitação de um sinal ocorre na situação =0 (a entrada seria transmitida), enquanto =1 tornaria a saída sempre igual a um, o que corresponde a perda de informação Diagramas no tempo figura I.12 mostra o diagrama de tempo de uma porta OR com duas entradas conhecidas (, ). O nível alto indica valor lógico UM e o nível baixo indica o valor lógico ZERO. definição da função OR ou a tabela 1.2 foi usada para obter a saída (última linha): Toda a vez que uma das entradas ( ou ) for UM (estiver no nível alto) a saída será UM.

8 Sistemas Digitais Notas de ula 8 Saída Exercícios 1 - Desenhe o diagrama e monte a tabela verdade para um sistema OR de três entradas a partir de portas OR de duas entradas. Desenhe os diagramas correspondentes. 2 - Desenhe o diagrama e monte a tabela verdade para um sistema OR de quatro entradas a partir de portas OR de duas entradas. Desenhe os diagramas correspondentes. I.4- Porta inversora - Caracterização. saída da porta inversora será UM se a entrada for ZERO e a saída será ZERO se a entrada for UM. O nome da porta inversora é justificado pela troca do valor da entrada Diagrama porta inversora (simbolizado por uma barra sobre a entrada ou um apóstrofo após a letra ) é representada pela tabela e diagrama abaixo: Saída Tabela I.4 Tabela verdade para a porta inversora. Figura 1.12 Diagrama da porta inversora. I Exercícios e diagrama no tempo O diagrama a seguir mostra o processo de inversão do sinal executado pela porta NOT (inversora). O sinal é o inverso (como um espelho) do sinal (entrada).

9 Sistemas Digitais Notas de ula 9 Figura 1.13 Resultado da inversão do sinal pela ação da porta inversora. Quando o sinal estiver no nível alto, o valor correspondente no tempo do sinal, estará em nível baixo. I O que acontece com a informação, quando é entrada de duas inversoras seqüencialmente? O exemplo a seguir mostra um sinal de entrada que alimenta duas portas inversoras ligadas em série (seqüencialmente). pós duas inversões, o valor de entrada é recuperado. Figura Uma entrada percorre duas inversoras. entrada () é recuperada na segunda porta. Responda as questões O que acontece se o sinal de entrada, atravessa três inversoras? O que acontece se o sinal de entrada atravessa um número ímpar de inversoras? O que acontece se o sinal de entrada atravessa um número par de inversoras? OCONCEITO DE SOM DE PRODUTOS. Os projetos de circuitos lógicos computacionais podem ser desenvolvidos e compreendidos pelo conceito de SOM DE PRODUTOS. Este desenvolvimento é obtido com funções ND que recebem as entradas e que são unidas através de portas OR. O exemplo mostra duas portas ND recebendo dados binários e uma porta OR na saída dos dados. O exemplo mostra o valor de s para os valores de e dados para todos os valores de uma tabela. Neste exemplo, a saída vale um quando: Segunda linha: =0; =1; Terceira linha: =1; =0. Nas demais situações, a saída vale ZERO... + s =.+. Figura 1.15 Modelo de soma de produtos. Cada porta ND está associada a uma linha da tabela verdade: saída. está associada à segunda linha da tabela verdade que tem =0 e =1. s Tabela Tabela verdade para o diagrama da figura 1.15

10 Sistemas Digitais Notas de ula 10 saída. está associada à terceira linha da tabela verdade que tem =1 e =0. expressão. associada aos valores =0 e =1 indica que o valor de deve ser ZERO e o valor de deve ser UM para que o resultado. seja igual a UM. Raciocínio análogo deve ser aplicado para a terceira linha (. ) que requer =1 e =0 para que a saída. tenha valor igual a UM. Exercício. Obtenha a expressão lógica e a tabela verdade para o circuito. ( a ) bolinha indica uma inversora aplicada aos sinais e. Exercício complementar. Seguindo a mesma linha dos exercícios acima obtenha a expressão lógica e o diagrama a partir das seguintes tabelas verdade. s C s C D s I.5 - Função XOR - (OU EXCLUSIVO) I.5.1 Caracterização

11 Sistemas Digitais Notas de ula 11 O resultado da operação XOR entre duas entradas lógicas e, somente será falso (0) se as entradas tiverem o mesmo valor lógico. função XOR informa quando duas entradas são diferentes. I Diagrama, tabela verdade e expressão lógica Figura I.12- Diagrama Lógico da função XOR Tabela I.3- Tabela verdade para a função XOR função XOR pode ser entendida como aquela que informa quando duas entradas são diferentes. Observando a tabela I.3, percebe-se que quando e tem o mesmo valor, o resultado do XOR é ZERO, isto é: (i) =0 e =0 então XOR =0 ; valores de e iguais =1 e =1 então XOR =0 (ii) =0 e =1 então XOR =1 ; valores de e diferentes. =1 e =0 então XOR =1 I Função computacional para a função XOR. Porta inversora controlada função XOR tem inúmeras aplicações na lógica computacional. Estas aplicações podem ser desenvolvidas tanto por software (programação) como por hardware (circuitos lógicos equivalentes). O exemplo a seguir mostra a inversão da entrada () por um sinal de controle (). Característica: Quando =0 a saída da porta XOR será sempre igual à entrada. Quando =1, a saída da porta XOR será igual à entrada invertida. (sinal de entrada) 1 (entrada de controle) + S Figura I.13 Porta inversora controlada. a) Quando =0 a saída S transmite o sinal sem alteração. b) Quando =1 a saída S transmite o sinal invertido (complementado).

12 Sistemas Digitais Notas de ula 12 I Função computacional para a função XOR. Criptografia O exemplo é uma aplicação computacional de interesse na proteção e transmissão de informação: criptografia. Criptografia é uma palavra derivada da junção de cripto (esconder) e grafia (escrita). criptografia é a técnica para esconder informações. É aplicada quando se necessita de segurança no envio de informações entre dois pontos e que a informação pode ser interceptada indevidamente. solução de segurança por criptografia consiste em alterar o conteúdo original da informação. pós receber a informação, o receptor deve recuperar o conteúdo original. Somente o receptor deve ter recursos imediatos para obter a informação correta O processo inicial é chamado de encriptação e o de recuperação da informação é chamada de decriptação. porta XOR pode ser usada para encriptar e decriptar a informação. O processo converte a informação original (I) usando um código denominado chave (K) de conhecimento apenas do emissor e do destinatário. O sinal transformado (S) somente pode ser recuperado (decriptado) com o conhecimento da chave (ou através de tentativas). No exemplo, um sinal de entrada I (I0, I1, I2, I3 = ) é transformado no sinal S (S0, S1, S2, S3 = ) através da operação XOR bit a bit entre a entrada I e a chave K (K0, K1, K2, K3 = ). figura I.14 apresenta estas operações. I0=1 I1=0 I2=0 I3=1 XOR XOR XOR XOR K0=1 K1=1 K2=0 K3=0 S0=0 S1=1 S2=0 S3=1 Figura I.14 Operação XOR aplicada à criptografia. entrada I é transformada no sinal S através da operação XOR bit a bit:, I( ) XOR K( ) = S( ). informação I é recuperada pela operação S XOR K. Notar que a operação I XOR é realizada bit a bit. O exemplo a seguir mostra a operação XOR realizada no exemplo anterior XOR Como exercício, mostre o processo de recuperação de informação na criptografia utilizando um sistema de portas XOR exatamente ao da figura I.14, isto é: S XOR K I.5.5 Exemplos/exercícios.

13 Sistemas Digitais Notas de ula 13 Exemplo - Diagrama no tempo. figura mostra a saída de uma porta XOR de duas entradas (., ) que variam no tempo. Saída Figura I.15 Diagrama de tempo para porta XOR com duas entradas (, ). saída é ZERO quando as entradas são iguais. saídas vale um quando as entradas são diferentes. Exemplo. Generalização da porta XOR de três entradas a partir da porta de duas entradas. saída XOR para as entradas, é aplicada à entrada seguinte. C Figura I.16 Porta XOR para três entradas s C S Tabela I.4- Tabela XOR para três entradas Exercício - Obtenha a tabela verdade para completar a tabela I.4. Exercício. Generalização da porta XOR de quatro entradas a partir da porta XOR de duas entradas. Obtenha a tabela verdade. C S s C D

14 Sistemas Digitais Notas de ula 14 Exercício. Monte a tabela verdade para a porta XOR com cinco entradas a partir de portas XOR de duas entradas. Desenhe o diagrama. I.6 - Exercícios gerais I Verdadeiro ou Falso Considere que: (i) variável X representa o complemento de X (X barrado), onde X representa,, C. (ii) representa o produto lógico (ND) entre e. (iii) O símbolo + representa a soma lógica (OR) +. (i) - Com relação a uma porta ND, assinale V ou F. ( )- O resultado será Falso (0) quando as duas entradas e forem iguais. ( ) - O resultado será Verdadeiro (1) quando as duas entradas e forem diferentes. ( )- O resultado será Verdadeiro quando as duas entradas forem Falso (0). ( )- O resultado será Falso (0) quando pelo menos uma das entradas Falso (0) ( )- O resultado será Verdadeiro (1) quando pelo menos uma das entradas for Verdadeiro (1). (ii) - Com relação a uma porta OR, assinale V ou F. ( ) - O resultado será Falso (0) quando pelo menos uma das duas entradas ( ) for Falso (0) ( )- O resultado será Verdadeiro (1) quando as duas entradas ( ) forem diferentes. ( )- O resultado será Verdadeiro (1) quando pelo menos uma entrada (,) for Verdadeira (1). ( ) - O resultado será Falso (0) quando as duas entradas ( ) forem iguais. ( ) - O resultado será Verdadeiro quando as duas entradas ( ) forem Falso (0). (iii) - Com relação à função XOR (ou exclusivo) pode-se dizer que ( ) O resultado é Falso (0) quando pelo menos uma das entradas for (0). ( )- O resultado é Verdadeiro quando pelo menos uma das entrada for (1) ( ) - O resultado é Verdadeiro quando as entradas tiverem valores diferentes entre si ( ) - O resultado é Verdadeiro quando as entradas tiverem o mesmo valor I Montar a tabela verdade para o diagrama a seguir. Obter as expressões lógicas. O círculo na entrada da porta OR indica a inversão. S= I Obtenha a tabela verdade, a expressão lógica (e o equivalente lógico quando houver). ( i )

15 Sistemas Digitais Notas de ula 15 ( ii ) ( ii ) ( iv ) Equivalência entre tabelas diagramas e expressões lógicas com a soma de produtos. Projetos representação de expressões lógicas na forma da soma de produtos é aplicada na realização de diagrama lógico e de tabela verdade para se obter a expressão lógica equivalente. I.7.1 Exemplo de projeto.

16 Sistemas Digitais Notas de ula 16 Considerar inicialmente um sistema de duas entradas (,) e uma saída (s). Queremos projetar um sistema que indique quando as entradas e são iguais ( = ). figura I.17 mostra a tabela verdade que é a solução do projeto. Esta função (=) é chamada de COINCIDÊNCI. = S=. +. produto Linha Linha Não usar Linha Não usar Linha Figura Indicador de igualdade. saída (+) informa quando as entradas e são iguais. linha indicada como produto é obtida pela operação ND entre as entradas e considerando que: (i) - Quando a saída for ZERO, o produto não é realizado. O produto não é realizado. Não usar. Na figura 1.17, as linhas 2 e 3 não devem ser usadas porque a saída (coluna =) tem o valor ZERO. (ii) - Quando a saída for UM, o produto é realizado, porém a variável de entrada ( ou ) deve ser barrada se o valor na linha for ZERO e deve ser mantida quando for igual a UM. Na figura I.17 temos: Linha 1: =0 e =0. Neste caso o produto vale:. Linha 2: =1 e =1. Neste caso o produto vale:. (iii) expressão lógica que representa o projeto é a SOM LÓGIC dos produtos obtidos, isto e: S=. +. Sob o ponto de vista lógico, podemos dizer que um sistema digital informa que as entradas são iguais quando: (a) s entradas são ambas iguais a ZERO, indicado por. OU quando (b) s entradas são ambas iguais a UM indicado por. RESUMO: Quando a saída é igual a 1, é montado o produto., porém, complementando a variável de entrada (., ) que tiver o valor ZERO. expressão lógica correspondente a tabela é a soma dos produtos obtidos: (Saída = ) =. +.. O circuito lógico correspondente está na figura S=. +. Figura 1.18 Circuito lógico correspondente ao projeto do comparador =..

17 Sistemas Digitais Notas de ula 17 I.7.2 Projetos. Exemplos e exercícios. 1 Projetar um sistema digital de duas entradas e para informar quando. Montar a tabela verdade, obter a expressão lógica e desenhar o diagrama. Este é o projeto da porta XOR. 2 - Projetar um sistema digital de duas entradas e para informar quando ( é maior ou igual a ). Montar a tabela verdade, obter a expressão lógica e desenhar o diagrama. 3 - Projetar um sistema digital de duas entradas e para informar quando ( é maior que ). Montar a tabela verdade, obter a expressão lógica e desenhar o diagrama. > S (>) Figura I.19 Um comparador de 1 bit para duas entradas e. O sistema informa quando >, isto é, quando =1 e =0. S=. Circuito lógico para o comparador > > Tabela verdade que mostra a condição verdadeira quando >. Neste caso = 1 e =0. Observar que a expressão S=. informa que > quando o valor de for 1 e o valor de for 0. Explicação da solução do projeto de um sistema de duas entradas (, ) para mostrar quando >. > Passo 1 Tabela I.5- tabela verdade apresenta a solução do problema. Quando = 1 e =0, então a saída será UM. Os demais termos são ZERO. > Passo 2 Tabela tabela verdade é completada com o termo.. O termo representa o complemento de (nesta linha =0). s demais linhas não devem ser apresentadas.

18 Sistemas Digitais Notas de ula 18 O passo 3 consiste em obter expressões simplificadas para o projeto. Neste exemplo, a equação obtida não necessita de simplificação. > Passo 4 Figura I.20 - saída > ocorre quando =1 e =0, e é representada pelo circuito lógico com uma porta ND e as entradas e (invertida). expressão lógica não necessita de simplificação. 4 - Projetar um sistema digital de duas entradas e para informar quando ( é menor que ). Montar a tabela verdade, obter a expressão lógica e desenhar o diagrama. 5 - Projetar um sistema digital de duas entradas e para informar quando ( é menor ou igual a ). Montar a tabela verdade, obter a expressão lógica e desenhar o diagrama. 6 - Projetar um sistema digital de entradas,, C e D, e quatro saídas S1, S2, S3 e S4, tal que: - saída S1 informe um valor maior ou igual a oito (em decimal) que corresponde ao binário 1000; - saída S2 informe as entradas binárias com valores compreendidos entre 0110 e C - saída S3 informe quando o número decimal formado pelas entradas C D forma um número ímpar. D- saída S3 informa quando a entrada form igual a 1 (verdade) 7 -- Projetar um sistema digital de entradas,, C e trés saídas que acionam os LED s x, y e z, conforme a figura: x / z \ y Os LEDs devem ser acionados de oito maneiras diferentes: (000) ligar x; (001) ligar y; (010) ligar z; (011) ligar x, y; (100) ligar x,z; (101) ligar zw; (110) ligar xyz.; (111) todas desligadas. 7 Projeto - Um técnico de laboratório de química possui quatro produtos,, C e D, que devem ser transportados com os seguintes cuidados: (i) Os produtos e C não podem estar juntos, a não ser que o produto esteja presente. (ii) Os produtos C e D não podem estar juntos a na ser que esteja presente. O sistema digital deve indicar quando houver uma combinação perigosa no transporte.

19 Sistemas Digitais Notas de ula 19 Problema 1 Dado o circuito abaixo, determine sua equação lógica e sua tabela verdade. Em seguida, simplifique sua equação e monte o circuito a partir da nova equação. Problema 2 Monte a equação do circuito abaixo. Utilizando a simplificação algébrica obtenha o circuito simplificado equivalente.

CAPÍTULO II. Funções e Portas Lógicas

CAPÍTULO II. Funções e Portas Lógicas UNIVERIDDE FEDERL DE UERLÂNDI FCULDDE DE ENGENHRI ELÉTRIC postila de Eletrônica Digital CPÍTULO II Funções e Portas Lógicas 2.1 Introdução Em 1854 o matemático inglês George oole apresentou um sistema

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

Funções Lógicas e Portas Lógicas

Funções Lógicas e Portas Lógicas Funções Lógicas e Portas Lógicas Nesta apresentação será fornecida uma introdução ao sistema matemático de análise de circuitos lógicos, conhecido como Álgebra de oole Serão vistos os blocos básicos e

Leia mais

Multiplexação de Displays

Multiplexação de Displays Multiplexação de Displays D.T. e J.R.B./200 (revisão) E.T.M./2003 (revisão da parte experimental) E.T.M./200 (revisão) E.T.M./2006 (revisão) RESUMO Nesta experiência são apresentados alguns conceitos sobre

Leia mais

Aula 8 Circuitos Integrados

Aula 8 Circuitos Integrados INTRODUÇÃO À ENGENHRI DE COMPUTÇÃO PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO GRNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHRI ula Circuitos Integrados Introdução Portas Lógicas em Circuitos Integrados Implementação de Funções

Leia mais

NX- USB MANUAL DO USUARIO V1.2

NX- USB MANUAL DO USUARIO V1.2 NX- USB MANUAL DO USUARIO V1.2 NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2014 - Todos os direitos Reservados Atualizado em: 24/09/2014 IMPORTANTE Máquinas de controle numérico são potencialmente perigosas. A Nevex

Leia mais

Falso: F = Low voltage: L = 0

Falso: F = Low voltage: L = 0 Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Automação Predial e Industrial Professor: Ronimack Trajano 1 PORTAS LOGICAS 1.1 INTRODUÇÃO Em 1854, George Boole introduziu o formalismo que até hoje se usa para

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Circuitos Lógicos Portas Lógicas

Circuitos Lógicos Portas Lógicas Circuitos Lógicos Portas Lógicas Prof.: Daniel D. Silveira 1 Álgebra de Boole George Boole desenvolveu um sistema de análise lógica por volta de 1850 Este sistema é conhecido atualmente como álgebra de

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

Circuitos Combinacionais

Circuitos Combinacionais ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES Circuitos Combinacionais Portas Lógicas Sistemas Digitais 2 Definição funcional: Aparato dotado de conjuntos finitos de entradas e saídas e capaz de processar

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

Circuitos Digitais 144L

Circuitos Digitais 144L Circuitos Digitais Notas de Aula - 02 INSTITUTO: CURSO: DISCIPLINA: Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Ciência da Computação e Sistemas de Informação Circuitos Digitais 144L 1.0 Circuitos Combinacionais.

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PRJET DE REDES www.projetoderedes.com.br urso de Tecnologia em Redes de omputadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 1: onceitos de Redes de Dados

Leia mais

Conceitos básicos do

Conceitos básicos do Conceitos básicos Conceitos básicos do Este artigo descreve os conceitos de memória eletrônica. Apresentar os conceitos básicos dos flip-flops tipo RS, JK, D e T, D Apresentar o conceito da análise de

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

Flip-Flops. Slide 1. Flip-flop NOR SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado. Flip-flop NAND SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado

Flip-Flops. Slide 1. Flip-flop NOR SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado. Flip-flop NAND SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado Slide 1 Flip-flop NOR SR cruzado Flip-Flops Reiniciar Configurar Reiniciar Configurar Reter Não usado Flip-flop NAND SR cruzado Reiniciar Configurar Reiniciar Configurar Reter Não usado 6.071 Lógica Digital

Leia mais

Modelagem de Circuitos Digitais

Modelagem de Circuitos Digitais 1 Modelagem de Circuitos Digitais Para modelar um circuito digital para realizar uma determinada operação: Analisar problema Identificar sinais de entrada do circuito Identificar sinais de saída do circuito

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO CARACTERÍSTICAS GERAIS... 3 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 3 PAINEL... 4 FUNÇÕES DO PAINEL... 4 FUNÇÕES INTERNAS PLACA DE CONTROLE... 6 FUNÇÕES INTERNAS

Leia mais

Cap9) Circuitos Lógicos MSI

Cap9) Circuitos Lógicos MSI Cap9) Circuitos Lógicos MSI As informações e os dados são codificados em binário e são continuamente submetidos a diversas operações. Inúmeros CI s que realizam estas operações estão presentes na categoria

Leia mais

Programação Básica em STEP 7 Operações Binárias. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 6-1

Programação Básica em STEP 7 Operações Binárias. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 6-1 Conteúdo Página Operações Lógicas Binárias: AND, OR...2 Operações Lógicas Binárias: OR Exclusivo (XOR)...3 Contatos Normalmente Abertos e Normalmente Fechados. Sensores e Símbolos... 4 Exercício...5 Resultado

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Comutador de Iluminação de Provisória Para Lâmpadas HQI ou Sódio, Código AFCSC250 Equipamento destinado a ser instalado em locais que são iluminados através de lâmpadas HQI ou de Sódio, geralmente estas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A22 (1) O circuito a seguir amplifica a diferença de

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E MEDIDAS

INSTRUMENTAÇÃO E MEDIDAS INSTRUMENTAÇÃO E MEDIDAS TRABALHO N.º1 ACCIONAR DISPOSITIVOS EXTERNOS ATRAVÉS DA PORTA PARALELA Duração do trabalho 2 aulas práticas CIRCUITO 1 Objectivos Compreender o funcionamento da porta paralela

Leia mais

No microfone, sua saída pode assumir qualquer valor dentro de uma faixa de 0 à 10mV. 1 - Sistemas de numeração

No microfone, sua saída pode assumir qualquer valor dentro de uma faixa de 0 à 10mV. 1 - Sistemas de numeração 1 - Sistemas de numeração Lidamos constantemente com quantidades. Quantidades são medidas monitoradas, gravadas, manipuladas aritmeticamente e observadas. Quando lidamos com quantidades, é de suma importância

Leia mais

1 CIRCUITOS COMBINACIONAIS

1 CIRCUITOS COMBINACIONAIS Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Automação Predial e Industrial Professor: Ronimack Trajano 1 CIRCUITOS COMBINACIONAIS Um circuito digital é dito combinacional quando em um dado instante de tempo

Leia mais

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Prof. José Roberto Marques (direitos reservados) A ENERGIA DAS REDES ELÉTRICAS A transformação da energia de um sistema de uma forma para outra, dificilmente

Leia mais

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL Controlador Lógico Programável ( Hardware ) Para aprendermos como funciona um CLP, é necessário uma análise de seus componentes básicos, utilizados por todos os CLPs disponíveis

Leia mais

Projeto de Circuitos. Introdução ao Computador 2008/01 Bernardo Gonçalves

Projeto de Circuitos. Introdução ao Computador 2008/01 Bernardo Gonçalves Projeto de Circuitos Lógicos Introdução ao Computador 2008/01 Bernardo Gonçalves Sumário Da Álgebra de Boole ao projeto de circuitos digitais; Portas lógicas; Equivalência de circuitos; Construindo circuitos

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores.

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores. Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Projecto de Arquitectura de Computadores Jogo dos Blocos (variante do Arkanoid) (Versão 1.0) 2008/2009 Índice 1 Objectivo...

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos 2.4 Código BCD (Binary-coded decimal) Quando um número decimal é representado pelo seu número binário equivalente, dizemos que é uma

Leia mais

Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3

Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3 Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3 http://www.bpiropo.com.br/fpc20051017.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 17/10/2005 Autor: B.Piropo Na coluna anterior, < http://www.forumpcs.com.br/viewtopic.php?t=131250

Leia mais

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP Introdução à Algebra de Boole Em lógica tradicional, uma decisão é tomada

Leia mais

Sistemas de Controle Digital

Sistemas de Controle Digital ADL 24 Cap 13 Sistemas de Controle Digital Vantagens dos Computadores Digitais O uso de computadores digitais na malha leva às seguintes vantagens sobre os sistemas analógicos: (1) custo, (2) flexibilidade

Leia mais

Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 19/12/2005 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 19/12/2005 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Barra de LEDs Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 19/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

associação de resistores

associação de resistores PARTE I Unidade B 7 capítulo associação seções: 71 Resistor 72 em paralelo 73 mista 74 Curto-circuito antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas principais do capítulo e marque um na coluna

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CEFET/SC - Unidade de São José. Curso Técnico em Telecomunicações CONTADORES. Marcos Moecke

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CEFET/SC - Unidade de São José. Curso Técnico em Telecomunicações CONTADORES. Marcos Moecke MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Unidade de São José Curso Técnico em Telecomunicações CONTADORES Marcos Moecke São José - SC, 25 SUMÁRIO 5. CONTADORES... 5. CONTADORES ASSÍNCRONOS... CONTADOR ASSÍNCRONO CRESCENTE...

Leia mais

Análise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva MULTIPLEXADORES

Análise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva MULTIPLEXADORES nálise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da ilva MULTIPLEXDORE O multiplexador ou Mux é um circuito combinacional dedicado com a finalidade de selecionar, através de variáveis

Leia mais

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL 1 CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL Sumário 1.1. Sistemas de Numeração... 3 1.1.1. Conversão Decimal Binária... 3 1.1.2. Conversão Binária Decimal... 3 1.1.3. Conversão Binária Hexadecimal...

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 267/269 - TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 SISTEMA HCS 2005 PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO (Baseado no Guarita Vr5.0x Última modificação:

Leia mais

Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 2

Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 2 AUTOMAÇÃO (M323) CAPÍTULO V Sistemas Combinatórios 2013/2014 Bibliografia do capítulo José Novais (1997), Método sequencial para automatização electro-pneumática, 3ª Edição, Fundação Calouste Gulbenkian

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO. Eng. Marcelo Saraiva Coelho

INSTRUMENTAÇÃO. Eng. Marcelo Saraiva Coelho INSTRUMENTAÇÃO CONCEITOS E DEFINIÇÕES Nas indústrias, o termo PROCESSO tem um significado amplo. Uma operação unitária, como por exemplo, destilação, filtração ou aquecimento, é considerado um PROCESSO.

Leia mais

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações.

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações. Parte 4 - Técnicas de programação (Lógica simples) INTRODUÇÃO Programar em ladder é muito simples, desde que ele tenha uma estrutura sob a qual o programa deve ser desenvolvido, ou seja, se deve ter um

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INF01118 - Técnicas Digitais para Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INF01118 - Técnicas Digitais para Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INF01118 - Técnicas Digitais para Computação Prof. Fernanda Gusmão de Lima Kastensmidt (turmas DEF) Exercícios Área 2 Lembre-se que o

Leia mais

Manual de utilização do módulo NSE METH 3E4RL

Manual de utilização do módulo NSE METH 3E4RL INSTALAÇÃO 1 - Baixe o arquivo Software Configurador Ethernet disponível para download em www.nse.com.br/downloads-manuais e descompacte-o em qualquer pasta de sua preferência. 2 - Conecte a fonte 12Vcc/1A

Leia mais

04 Simplificação de funções lógicas. v0.1

04 Simplificação de funções lógicas. v0.1 4 Simplificação de funções lógicas v. Introdução Funções lógicas podem ter muitas variáveis e assim ser muito complexas Podemos simplificá-las analiticamente mas poderá não ser uma tarefa fácil Existem

Leia mais

Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO. AlbaLED Cores Piscina

Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO. AlbaLED Cores Piscina Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO AlbaLED Cores Piscina Copyright G2N Automação Indústria e Comércio Ltda. 2009. AlbaLED Cores Piscina Este Guia do Instalador e Manual do Usuário foi publicado pela

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 10ª Série Automação Industrial Engenharia Elétrica A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

Como foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer:

Como foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer: ELETRÔNI IGITl I FUNÇÕES LÓGIS Formas de representação de uma função lógica omo foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer: Soma de Produtos Produtos

Leia mais

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox 1- Scilab e a placa Lab_Uino A placa Lab_Uino, é uma plataforma aberta para aprendizagem de sistemas microprocessados. Com a utilização de um firmware especifico a placa Lab_Uino é reconhecido pelo sistema

Leia mais

Técnicas Digitais TDI

Técnicas Digitais TDI Educação Profissional Técnica Mecatrônica Técnicas Digitais TDI 2 o semestral SENAI-SP, 2 Trabalho adaptado pela Faculdade SENAI de Tecnologia Mecatrônica e Gerência de Educação Diretoria Técnica Walter

Leia mais

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL Diego S. Mageski diego.mageski@hotmail.com Bene R. Figueiredo bfigueiredo@ifes.edu.br Wagner T. da Costa wagnercosta@ifes.edu.br Instituto Federal

Leia mais

Circuitos Lógicos Registradores e Contadores

Circuitos Lógicos Registradores e Contadores Circuitos Lógicos Registradores e Contadores Prof.: Daniel D. Silveira 1 Problemas de temporização Como Q1 muda de estado na borda de descida, J2 e Q2 mudará de estado quando receber a mesma borda de descida.

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br. Dispositivos de processamento Armazenamento Outros componentes

Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br. Dispositivos de processamento Armazenamento Outros componentes Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br Dispositivos de processamento Armazenamento Outros componentes Dispositivos de processamento Os dispositivos de processamento são responsáveis por interpretar

Leia mais

Inversor GV3000/SE CA para Operação Volts/Hertz e Vetorial Manual de Referência e Start-up do Software Versão 6.0. Manual de Instruções D2-3359-2PT

Inversor GV3000/SE CA para Operação Volts/Hertz e Vetorial Manual de Referência e Start-up do Software Versão 6.0. Manual de Instruções D2-3359-2PT Inversor GV3000/SE CA para Operação Volts/Hertz e Vetorial Manual de Referência e Start-up do Software Versão 6.0 Manual de Instruções D2-3359-2PT As informações contidas neste manual estão sujeitas à

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO. COMPOSIÇÃO DO TRANSMISSOR (Figura 1) DIVISÃO DESTE MANUAL. Este manual está dividido em duas partes:

MANUAL DE OPERAÇÃO. COMPOSIÇÃO DO TRANSMISSOR (Figura 1) DIVISÃO DESTE MANUAL. Este manual está dividido em duas partes: MANUAL DE OPERAÇÃO INTRODUÇÃO: O FLASH PRESENÇA MOTO foi desenvolvido especialmente para a utilização em Motos, porque o mercado necessita de um aparelho versátil, de pequenas dimensões e completo, que

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE INSTRUÇÕES

MANUAL BÁSICO DE INSTRUÇÕES MANUAL BÁSICO DE INSTRUÇÕES ANTES DE LIGAR O DISPOSITIVO, AJUSTE A CHAVE SELETORA DE TENSÃO, LOCALIZADA NA PARTE INTERNA DO APARELHO, CONFORME ILUSTRAÇÃO 13. 1 O display informa hora/minuto intercalado

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinaisi ula 03 Transmissão é o deslocamento de ondas eletromagnéticas em um meio físico (canal

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA

Leia mais

Trabalho de Redes de Computadores

Trabalho de Redes de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO UFC VIRTUAL PROJETO JOVEM DIGITAL KP NOME: Trabalho de Redes de Computadores Questão 1: Assinale V para verdadeiro e F para falso. Os itens que estiverem falsos

Leia mais

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Laboratório de Telecomunicações - Aula Prática 4 Sub-turma: 3 Nomes dos alunos: Tarefa 17 Ruído em um Link Digital Objetivo:

Leia mais

TÉCNICAS DIGITAIS I (CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES)

TÉCNICAS DIGITAIS I (CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES) CENTRO TECNOLÓGICO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES-TET APOSTILA DE TÉCNICAS DIGITAIS I (CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES) &CIRCUITOS DIGITAIS (CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B Hamtronix CRD200 - Manual de Instalação e Operação Software V 2.0 Hardware Revisão B INTRODUÇÃO Índice...01 Suporte On-line...01 Termo de Garantia...01 Em Caso de Problemas (RESET)...01 Descrição do Produto...02

Leia mais

LABORATÓRIO 11. Diodos e LEDs. Objetivos: Identificar o comportamento de um diodo e de um LED em um circuito simples; calcular a resistência. do LED.

LABORATÓRIO 11. Diodos e LEDs. Objetivos: Identificar o comportamento de um diodo e de um LED em um circuito simples; calcular a resistência. do LED. LABORATÓRIO 11 Diodos e LEDs Objetivos: do LED. Identificar o comportamento de um diodo e de um LED em um circuito simples; calcular a resistência Materiais utilizados Diodo, LED, multímetro, resistores,

Leia mais

Manual da Comunicação Profibus DP

Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Relé Inteligente Série: SRW 01 Versão de Software: V1.3X Idioma: Português Documento: 10000089150 / 00 04/2008 Sumário SOBRE O MANUAL...5 1 A REDE PROFIBUS DP...6 1.1

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Central de Alarme Particionada

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Central de Alarme Particionada MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO AP6 Central de Alarme Particionada www.compatec.com.br 2 www.compatec.com.br 3 4. Dimensões do produto... 5. Conhecendo o seu produto... 7 5.1 Conhecendo as funções da central...

Leia mais

Aula 19. Conversão AD e DA Técnicas

Aula 19. Conversão AD e DA Técnicas Aula 19 Conversão AD e DA Técnicas Introdução As características mais importantes dos conversores AD e DA são o tempo de conversão, a taxa de conversão, que indicam quantas vezes o sinal analógico ou digital

Leia mais

UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC. Fonte: Othon M. N. Batista

UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC. Fonte: Othon M. N. Batista UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC Fonte: Othon M. N. Batista Relembrando a aula passada A verificação de redundância cíclica (CRC Cyclic Redundancy Check) consiste na técnica de detecção de erros muito

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO Marcella Scoczynski Ribeiro (UTFPR/UEPG) marcella_engcomp@yahoo.com.br Matheus Safraid (UEPG) msafraid@hotmail.com Resumo Este trabalho apresenta os benefícios

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0257, de 13 de outubro de 2010.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0257, de 13 de outubro de 2010. Portaria Inmetro/Dimel n.º 0257, de 13 de outubro de 2010. O Diretor de Metrologia Legal do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro, no exercício da delegação de

Leia mais

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-211 CONTROLE REMOTO

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-211 CONTROLE REMOTO CENTRAL DE ALARME COM FIO AW2 CONTROLE REMOTO CARACTERÍSTICAS DO APARELHO Central de alarme de setor com fio; Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; Carregador de bateria incorporado;

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

CONHECIMENTO ESPECÍFICO

CONHECIMENTO ESPECÍFICO CONHECIMENTO ESPECÍFICO 6. O PID (Proporcional Integral Derivativo) é comumente usado na automação industrial para se encontrar um erro entre a entrada e a saída de um processo qualquer. Nesse processo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100 Manual de Operação Balança UR10000 LIGHT 300/100 1 - INTRODUÇÃO Este equipamento foi projetado para atender aos mais rigorosos requisitos de precisão em pesagem, possuindo componentes de altíssima qualidade,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação RADAR DUO 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento... 4 3.1

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS Circuitos com memória Latches NAND e NOR e exemplos de utilização Estado do Flip-flop ao ligar o circuito Pulsos digitais Sinais de clock e flip-flops com clock circuitos

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 O Sistema HCS 2000 é composto por: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO SISTEMA HCS 2000 v6.x Receptores: dispositivos

Leia mais

Tecnicas com Sistemas Digitais

Tecnicas com Sistemas Digitais Tecnicas com Sistemas Digitais Prof. Engº Luiz Antonio Vargas Pinto 1 Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto 2 Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto Índice Índice...2 Introdução...3 Ruído (Bounce)...3 Transistor

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

1) Entendendo a eletricidade

1) Entendendo a eletricidade 1) Entendendo a eletricidade 1 2) Circuitos Modelix 2 3) Utilizando o Sistema Esquemático Modelix-G (Modelix-Grafix) 6 4) Fazendo montagens com os Circuitos Modelix 7 5) Exercícios para treinar 8 Objetivo:

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CCET - Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Engenharia de Computação VELOHIDRO CURITIBA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CCET - Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Engenharia de Computação VELOHIDRO CURITIBA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CCET - Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Engenharia de Computação VELOHIDRO CURITIBA 2011 1 Fernando Brambilla de Mello Silvio da Costa Reis Victor Miranda

Leia mais

MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA

MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA Manual de operação Relógio MD 5705 Revisão 1.02 Maio de 2010 1 Índice Apresentação... 3 Display de LCD... 3 Leitor de crachás... 3 Leitor biométrico... 3 Teclado...

Leia mais

110228-002. MICROFLASH 2Te. Guia do usuário

110228-002. MICROFLASH 2Te. Guia do usuário 110228-002 Guia do usuário Impressora microflash 2te: visão superior... 1 Utilização da bateria: orientações gerais... 2 Carregamento da bateria... 2 Determinação da condição da bateria... 2 Instalação

Leia mais

Manual de operações e instruções

Manual de operações e instruções Manual de operações e instruções Transmissor e Indicador de Vazão de Ar TIVA Com display LCD Rua Cincinati, 101 - São Paulo -SP Tel. / Fax (011) 5096-4654 - 5096-4728. E-mail: vectus@vectus.com.br Para

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

PUC Rio. Curso Superior de Tecnologia em Processamento de Dados (TPD/P15) ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

PUC Rio. Curso Superior de Tecnologia em Processamento de Dados (TPD/P15) ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES PUC Rio Curso Superior de Tecnologia em Processamento de Dados (TPD/P15) Atualizado em ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Rui Mano E mail Internet: rmano@tpd.puc rio.br CONCEITOS DE LÓGICA DIGITAL CIRCUITOS

Leia mais

Aula 11. 1. Memória principal e 2. Memória de armazenagem em massa.

Aula 11. 1. Memória principal e 2. Memória de armazenagem em massa. Aula 11 Memórias Semicondutoras Introdução Em termos gerais, a memória de um computador pode ser dividida em dois tipos: 1. Memória principal e 2. Memória de armazenagem em massa. A memória principal é

Leia mais

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna:

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna: Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade

Leia mais

Práticas de laboratório de Eletrônica Digital

Práticas de laboratório de Eletrônica Digital Universidade Federal de Uberlândia Práticas de laboratório de Eletrônica Digital Prof. Dr. Alan Petrônio Pinheiro Faculdade de Engenharia Elétrica Curso de Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações (campus

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Força Eletromotriz Induzida

Força Eletromotriz Induzida Força Eletromotriz Induzida 1. (Uerj 2013) Um transformador que fornece energia elétrica a um computador está conectado a uma rede elétrica de tensão eficaz igual a 120 V. A tensão eficaz no enrolamento

Leia mais