Como foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer:"

Transcrição

1 ELETRÔNI IGITl I FUNÇÕES LÓGIS Formas de representação de uma função lógica omo foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer: Soma de Produtos Produtos de Somas ( + + ( + ( ( + ) om objetivo de desenvolver um procedimento para encontrar a expressão mínima de uma função lógica(minimizar a função), serão analisadas duas formas padrões, também denominadas Formas anônicas, utilizadas para representar as funções lógicas, que são: a) Forma canônica de Soma de Produtos b) Forma canônica de Produto de Somas ( ( ( ( omo pode ser observado nos exemplos mostrados acima, cada componente da soma de produtos ou do produto de somas, contém todas as variáveis da função, negadas ou não. Observa-se também que as negações existentes abrangem somente variáveis individuais. Forma canônica de Soma de Produtos Qualquer função lógica pode ser representada na forma canônica de Soma Produtos. Tomemos como exemplo, a mesma função vista anteriormente: ) ( + ) omo já foi visto, podemos representar a função como uma soma de produtos: ) + + É importante observar que, embora a função esteja representada como uma soma de produtos, ela não está na forma canônica, pois nem todas as parcelas componentes da soma possuem as três

2 ELETRÔNI IGITl I 2 variáveis da função (, e ). Para se chegar à forma canônica de soma de produtos, é necessário que as três variáveis estejam presentes em todas as parcelas da soma. É possível observar que na segunda parcela não aparece a variável enquanto na terceira parcela não aparece a variável. Nosso objetivo é reescrever a função de modo que as três variáveis apareçam em todas as parcelas. Para isto, vamos lançar mão de dois teoremas vistos anteriormente: x + x e x x omo na segunda parcela da soma, não aparece a variável deve-se multiplicar (operação lógica E) esta parcela por +. O valor da expressão não é alterado, considerando que + e.. o mesmo modo, na terceira parcela não aparece a variável. ssim, multiplicamos esta parcela por +. ssim, esenvolvendo temos, ) + ( + ) + ( + ) ) omo o produto está em duplicidade, podemos eliminar um deles, pois x + x x. Portanto, ) função ) está representada agora na sua forma canônica de Soma de Produtos, onde as três variáveis, negadas ou não, aparecem em todas as parcelas da soma. ada um dos produtos componentes da forma canônica da soma de produtos recebe a denominação de Minterm. Portanto, podemos dizer que a função está representada na forma de Soma de Minterms. Exemplo: Representar como uma soma de minterms, a função: +

3 ELETRÔNI IGITl I 3 Inicialmente deve-se representar a função como uma soma de produtos, aplicando os teoremas e princípios já vistos: ( + + ( + ) Seguindo o procedimento visto acima, temos, ( + ) + ( + ) + ( + )( + + ( + ) ( + plicando a propriedade distributiva, Eliminando os produtos duplicados, temos a soma de minterms abaixo: Forma canônica de Produto de Somas onsiderando a mesma função analisada anteriormente: ) ( + ) a qual, como já foi visto, pode ser expressa através do seguinte Produto de Somas: ) ( + + )( + )( + ) omo podemos observar, temos um produto de somas que não está na forma canônica, tendo em vista que as três variáveis da função não aparecem em todas as somas. Na segunda soma não aparece a variável e na terceira soma não aparece a variável. É possível reescrever a expressão, de modo que as três variáveis, negadas ou não, apareçam em todas as somas. Para isto, serão utilizados os teoremas: x + 0 x e x x 0

4 ELETRÔNI IGITl I 4 omo na segunda soma não aparece a variável é possível somar o produto, o que não altera seu valor, uma vez que 0. o mesmo modo, adicionaremos o produto na terceira soma. ssim: ) ( + + )( + + )( + + ) plicando a propriedade distributiva: x + y z (x + y) (x + z), ) ( + + )( + + )( + + )( + + )( + + ) Eliminando somas repetidas, temos: ) ( + + )( + + )( + + )( + + ) hegamos portanto, à forma canônica de produto de somas, onde as três variáveis da função aparecem, negadas ou não, em todas as somas. ada uma das somas componentes do produto é denominada Maxterm. forma canônica de produto de somas é portanto um Produto de Maxterms. Exemplo: Representar como um produto de maxterms a função: Representando a função como um produto de somas: + ( + + ( + ) [ ( + + ] [ ( ] ( + )( + + )( + ) ( + )( + + )( + + )( + ) ( + )( + + )( + + )( + ) ( + )( + + ( + + ( + ) Inserindo as variáveis faltantes em cada soma: ( ( ( ( ( ( ( ( ( ( ( ( + + +

5 ELETRÔNI IGITl I 5 ( ( ( ( ( ( ( ( ( ( ( ( Eliminando somas duplicadas: ( ( ( ( ( ( ( ( Identificação dos Minterms om objetivo de facilitar a representação de uma função lógica através da soma de minterms, veremos a seguir uma forma de identificar cada um dos minterms componentes da função. Seja por exemplo a função abaixo, representada pela soma de minterms: ) Para identificar um minterm, transformamos o produto de variáveis em um número binário, associando o bit 0 à variável negada e o bit à variável não negada. Para o minterm, temos a seguinte associação: 0 0 O número binário 00 corresponde a 2 no sistema decimal. ssim, o minterm denominado minterm 2 e representado por m 2. é Para a função especificada acima, temos então: ) Portanto, m, m 2, m 5, m 6, m 7,

6 ELETRÔNI IGITl I 6 Podemos escrever a função como: ) m + m + m + m + m, ou de forma mais resumida: f(,) Σm(,2,5,6,7), ou simplesmente f(,) Σ(,2,5,6,7) Identificação dos Maxterms Para o caso da função representada através de um produto de maxterms, adotamos um procedimento similar, com a diferença que, associamos o bit à variável negada e o bit 0 à variável não negada. Seja por exemplo a função: ) ( + + )( + + )( + + )( + + ) Se tomarmos por exemplo, o maxterm ( + + ) e fizermos as associações especificadas, temos: O número binário 0 é equivalente a 3 no sistema decimal, portanto, maxterm 3, sendo representado por M corresponde ao esta forma, para a função especificada acima temos: ) ( + + )( + + )( + + )( + + ) Então: + + M, + + M 3, + + M 4, + + M 7 Podemos escrever a função como:

7 ELETRÔNI IGITl I 7 ) M M M M, ou ainda: f(,) ΠM(,2,4,7), Ou, de forma mais resumida: f(,) Π(,2,4,7) Exemplos: a) Representar a soma de produtos correspondente à função abaixo: f(, Σ(0,,4,8,0,2,3,5) m 0 m m 4 m 8 m 0 m 2 m 3 m 3 Portanto, b) Representar o produto de somas correspondente à função abaixo: Portanto, f(, Π(2,3,5,6,7,9,,4) M 2 M 3 M 5 M 6 M 7 M 9 M M 4

8 ELETRÔNI IGITl I 8

9 ELETRÔNI IGITl I 9 Exercícios: onsidere a função lógica: ( + ( + + ( + a) Representar o circuito que realiza a função acima, como uma estrutura de dois níveis de portas, utilizando: a.) Somente portas NN; a.2) Somente portas NOR. b) Representar a função acima como: b.) Soma de Minterms; b.2) Produto de Maxterms.

10 ELETRÔNI IGITl I 0 aracterização de uma função lógica Nos tópicos anteriores, as funções lógicas foram apresentadas, na forma de soma de minterms ou produto de maxterms, sem qualquer preocupação no sentido de saber de onde as mesmas foram obtidas. Será visto a seguir, o processo de caracterização de uma função lógica, ou seja, de que maneira determinamos os minterms ou maxterms de uma função. onsideremos como exemplo, um sistema de alarme no qual existam quatro sensores, identificados por:, e. O diagrama em blocos do nosso sistema de alarme está mostrado na figura abaixo: Sensor Sensor Sensor f(, larme Sensor Nosso objetivo é determinar qual é a lógica necessária para disparar o alarme, em função dos sinais gerados pelos sensores. O alarme deverá ser disparado caso qualquer uma das seguintes condições seja satisfeita: a) Se os sensores e forem ativados, desde que o sensor não seja ativado; b) Se somente o sensor for ativado; c) Se os sensores, e forem ativados; d) Se somente o sensor for ativado e) Se os sensores e forem ativados. eterminar a função lógica f(, que aciona o alarme, considerando os seguintes valores lógicos: x 0 sensor x não ativado x sensor x ativado f(, 0 Não disparar o alarme f(, isparar o alarme

11 ELETRÔNI IGITl I O primeiro passo para a caracterização da função, é a construção da tabela verdade, na qual são representadas todas as possíveis combinações das variáveis de entrada(sensores) e, a partir das condições estabelecidas, qual é a saída correspondente à cada uma das combinações. tabela verdade para o sistema de alarme, está mostrada abaixo: f(, Uma vez obtida a tabela verdade, temos que decidir se a função será representada na forma de soma de minterms ou produto de maxterms. No nosso exemplo, vamos analisar ambas as formas. a) Função na forma de soma de minterms: Nesta forma de representação, como já vimos, a função é representada como uma soma de produtos, onde cada produto contém as quatro variáveis da função, complementadas ou não. nalisando a tabela verdade, vemos que na linha 3, quando 0, 0, e 0, o valor da função deve ser f(,. evemos então, incluir na nossa soma, o produto, cujo resultado será para a combinação especificada. omo o resultado deste produto é, e considerando que + x, teremos f(,, independente do valor assumido pelos demais produtos componentes da função. a mesma forma, para a linha 5 da tabela verdade, quando 0,, 0 e 0, devemos incluir na soma, o produto, de modo a termos f(, para a combinação especificada. Generalizando, devemos incluir na soma, um produto para cada linha da tabela verdade onde o valor da função deve ser. esta forma, garantimos que, para cada uma destas combinações temos um produto que garante o valor para a função nestas linhas.

12 ELETRÔNI IGITl I 2 ssim, para a tabela verdade acima, temos a seguinte soma de minterms: Portanto, para determinar a função como uma soma de minterms, devemos incluir na função um minterm para cada linha da tabela verdade onde o valor da função deve ser. b) Função na forma de produto de maxterms Nesta forma de representação, a função é representada como um produto de somas, onde cada soma contém as quatro variáveis da função, complementadas ou não. nalisando a tabela verdade, vemos que na linha, quando 0, 0, 0 e 0, o valor da função deve ser f(, 0. Incluímos então no nosso produto, a soma + + +, cujo resultado será 0 para a combinação especificada. omo o resultado desta soma é 0, e considerando que 0 x 0, teremos f(, 0, independente do valor assumido pelas demais somas componentes da função. a mesma forma, para a linha 2 da tabela verdade, quando 0, 0, 0 e, devemos incluir no produto, a soma + + +, de modo a termos f(, 0 para a combinação especificada. Generalizando, devemos incluir no produto, uma soma para cada linha da tabela verdade onde o valor da função deve ser 0. esta forma, garantimos que, para cada uma destas combinações temos uma soma que garante o valor 0 para a função nestas linhas. ssim, para a nossa função temos o seguinte produto de maxterms: ( ( ( ( ( ( ( ( Portanto, a função lógica a ser implementada para acionar o nosso alarme, pode ser escrita como: f(, Σ(2,4,6,7,,2,4,5), ou então, f(, Π(0,,3,5,8,9,0,3) Exercício: Simplificar a função lógica encontrada para acionamento do alarme.

13 ELETRÔNI IGITl I 3 MP E KRNUGH O mapa de Karnaugh é uma ferramenta de grande utilidade no processo de simplificação de funções lógicas. O mapa de Karnaugh é representado por uma figura geométrica, na qual existe um quadro correspondente à cada linha da tabela verdade que define a função. omo foi visto no exemplo do alarme, existe uma correspondência entre as linhas da tabela verdade e os minterms e maxterms da função. a mesma forma, existe uma correspondência entre os minterms e maxterms com os quadros do mapa de Karnaugh. Mapa de Karnaugh para uma função de 2 variáveis onsideremos, por exemplo, a função de duas variáveis, cuja tabela verdade está representada abaixo: f(,) O mapa de karnaugh para uma função de duas variáveis, é composto de quatro quadros, conforme podemos ver na figura abaixo: Primeiramente, é necessário identificar cada um dos quadros componentes do mapa, ou seja, qual quadro corresponde à qual minterm. Para isto, deve-se associar à cada coluna um dos valores da variável e à cada linha os valores da variável ficando portanto com a seguinte representação: 0 0 Portanto, o mapa correspondente à tabela verdade mostrada acima é:

14 ELETRÔNI IGITl I Outras formas de representar a identificação dos quadros no mapa, estão mostrados na figura abaixo: Nos exemplos acima, estão representados tanto os minterms como os maxterms da função no mapa de Karnaugh. Na prática, considerando que os valores são mutuamente exclusivos, basta representar um deles, ou seja, representamos somente os s ou somente os 0 s da função. ssim, a função acima pode ser representada pelos mapas: f(,) Σ(,3) ou, 0 0 f(,) Π(0,2) Portanto, se a função for representada como uma soma de minterms, colocamos s nos quadros correspondentes aos minterms e se for representada como um produto de maxterms, colocamos 0 s nos quadros correspondentes aos maxterms.

15 ELETRÔNI IGITl I 5 Mapa de Karnaugh para 3 variáveis onsideremos agora, uma função de 3 variáveis, cuja tabela verdade está mostrada abaixo: f(,) função é: ou, f(,) Σ(2,4,6,7) f(,) Π(0,,3,5) O mapa de karnaugh para uma função de três variáveis é formado por oito quadros, conforme mostrado abaixo: omo podemos observar, nas colunas colocamos os valores para as variáveis e e nas linhas os valores para a variável. Observe que os valores para as variáveis e seguem a seqüência do código Gray, o qual já foi visto anteriormente. No caso da função representada pela tabela verdade acima, temos os seguintes minterms representados no mapa:

16 ELETRÔNI IGITl I 6 aso seja utilizada a representação dos maxterms da função temos o seguinte mapa: Mapa de Karnaugh para 4 variáveis O mapa para quatro variáveis possui 6 quadros, que podem ser identificados colocando nas colunas os valores das variáveis e e nas linhas os valores das variáveis e, utilizando a seqüência do código Gray, como foi visto acima. Na figura abaixo está mostrada a representação de um mapa para quatro variáveis: Seja por exemplo, a função: f(, Σ(0,,2,4,6,7,0,2) ou, f(, Π(3,5,8,9,,3,4,5) representação do mapa para esta função, utilizando os minterms é:

17 ELETRÔNI IGITl I 7 É importante salientar que, a disposição dos minterms/maxterms no mapa de Karnaugh depende da forma como as variáveis da função são dispostas. Se alterarmos a disposição das variáveis, alteraremos também a disposição dos minterms/maxterms. Nos exemplos que serão vistos, utilizaremos sempre a disposição apresentada acima. Minimização de funções utilizando o mapa de Karnaugh característica fundamental do mapa de Karnaugh é resultado da utilização da seqüência do código Gray para representar os valores das variáveis no mapa. omo já foi visto no capítulo que trata de códigos binários, o código Gray possui a característica de ter somente um bit diferente entre dois valores consecutivos. ssim dois quadros adjacentes do mapa, na horizontal ou na vertical (na diagonal esta característica não é observada), possuem somente uma variável com valor diferente entre os dois. Esta característica se observa também em quadros que estão na extremidade do mapa, seja na horizontal ou na vertical. Portanto, se existirem dois minterms em quadros adjacentes no mapa (na horizontal ou na vertical), estes dois minterms terão todas as variáveis iguais, com exceção de uma, que será negada em um minterm e não negada em outro. Seja por exemplo, a função f(, Σ(2,4,7,0,2,5) O mapa para esta função, utilizando os minterms, está mostrado abaixo. m 2 m 4 onforme é possível observar no mapa de Karnaugh da função, os minterms m 4 e m 2 são adjacentes(na horizontal). Estes dois minterms diferem somente pela variável, que aparece negada no minterm m 4 e não negada no minterm m 2. esta forma, m 4 + m 2 + ( + )

18 ELETRÔNI IGITl I 8 Observa-se portanto, que os dois minterms podem ser combinados, resultando em um único produto composto de três variáveis. Observe que a variável que aparece negada em um minterm e não negada em outro, foi eliminada. O grande mérito do mapa de Karnaugh, é que o mesmo permite um reconhecimento visual rápido dos minterms que podem ser combinados ssim, qualquer par de minterms adjacentes (na horizontal ou na vertical) podem ser combinados, resultando em um produto, onde é eliminada a variável que aparece negada em um minterm e não negada em outro. s chaves que indicam os valores das variáveis nos diversos quadros do mapa, nos permitem identificar rapidamente qual é a variável que muda de um quadro para outro. No caso da função vista acima, podemos identificar no mapa, três pares de minterms adjacentes, conforme mostrado no mapa abaixo: Para extrair do mapa os produtos correspondentes a cada combinação, analisamos a posição dos minterms em relação às chaves. Se todos os minterms da combinação estão cobertos pela chave, a variável correspondente aparece não negada e se os minterms estão fora da abrangência da chave, a variável correspondente aparece negada. ssim: m 4 + m 2 m m m m expressão mínima para a função é a soma dos produtos obtidos: + +

19 ELETRÔNI IGITl I 9 Exemplo: Encontrar a expressão mínima da função: f(, Σ(0,,,4,5). O mapa de Karnaugh para a função está mostrado abaixo: omo já foi visto, é possível combinar os minterms 0 e, assim como os minterms 4 e 5, combinações estas que estão indicadas no mapa. nalisando o mapa, podemos observar que o minterm também pode ser combinado com o minterm 5. Porém, o minterm 5 já foi combinado com o minterm 4. questão é, um minterm pode ser combinado mais de uma vez? resposta é afirmativa, sendo a explicação apresentada a seguir. nalisando somente os minterms, 4 e 5 temos: m m + m Observamos na expressão acima, que o produto pode ser combinado tanto com produto como com produto. onsiderando que, x + x x, fica claro que podemos duplicar o produto na expressão acima, sem alterar seu valor. ssim, m m + m Podemos agora combinar uma das ocorrências do minterm 5 com o minterm e a outra com o minterm 4. Portanto: m + m + m ( + ) + ( Seguindo a mesma linha de raciocínio, podemos notar que um produto qualquer pode ser replicado quantas vezes for necessário, de forma a ser combinado com outros produtos. Isto

20 ELETRÔNI IGITl I 20 significa que, qualquer minterm no mapa de Karnaugh pode ser combinado quantas vezes for necessário. Na figura abaixo está mostrado o mapa com todas as combinações possíveis. expressão mínima da função é portanto: + + onsideremos agora a função f(, Σ(2,3,8,0,2), mapeada na figura abaixo, onde estão indicadas todas as possíveis combinações partir das combinações possíveis, mostradas no mapa, é extraída a expressão mínima da função, que é: Uma das características do mapa de Karnaugh é que, se utilizarmos corretamente o mesmo, a expressão extraída é mínima, ou seja, não pode mais ser simplificada. nalisando a expressão acima, vemos que podemos fatorar nos três primeiros produtos.

21 ELETRÔNI IGITl I 2 Portanto, ( Na expressão acima, podemos identificar, entre parênteses, o teorema xy + xz + yz xy + xz. Então, o produto (correspondente a yz) pode ser eliminado, ficando portanto a expressão: ( Podemos ainda, simplificar a expressão de forma diferente: + ( + + ) Utilizando o mesmo teorema, verificamos que o produto pode ser eliminado da expressão. Temos então: + + o exemplo acima, é possível concluir que: a) função possui duas expressões mínimas: b) O mapa não foi utilizado corretamente, pois foi possível simplificar a expressão. Verificamos então, através das expressões mínimas obtidas para a função acima, que temos uma combinação desnecessária no mapa. nalisando as combinações m 2 +m 0 e m 8 + m 0, verificamos que uma das duas é desnecessária. opção por uma ou outra combinação nos leva à uma das duas expressões mínimas da função vistas anteriormente. pergunta a ser respondida é, como identificar uma combinação desnecessária? omo regra geral, para que uma combinação seja necessária, pelo menos um minterm desta combinação não pode pertencer a nenhuma outra combinação, situação esta que não ocorre no exemplo acima.

22 ELETRÔNI IGITl I 22 Na figura abaixo estão mostradas as duas configurações possíveis para o mapa do nosso exemplo ombinações envolvendo mais de dois minterms Nos exemplos vistos até aqui, foram analisadas as combinações envolvendo dois minterms adjacentes no mapa, onde cada combinação resulta em um produto onde uma das variáveis é eliminada. e modo geral, é possível efetuar combinações com 2 n minterms, desde que as condições necessárias sejam satisfeitas. Uma combinação com 2 n minterms, resulta em um produto onde são eliminadas n variáveis. ombinações típicas com 4 minterms estão mostradas abaixo: onsideremos por exemplo, a função f(, Σ(0,,4,5), cujo mapa está mostrado a seguir. No mapa estão também indicadas duas alternativas para as combinações com os pares de minterms. Na alternativa indicada pela linha cheia, combinamos os minterms m 0 +m 4 e m + m 5. Temos portanto:

23 ELETRÔNI IGITl I 23 e ssim, m m m m omo podemos observar, esta expressão pode ser simplificada. ( + Isto significa, que podemos efetuar na realidade, uma única combinação com os quatro minterms, combinação esta que está indicada no mapa abaixo: Para extrair do mapa o produto correspondente à combinação com os quatro minterms, observamos o seguinte: omo as combinações são de minterms, duas variáveis serão eliminadas; uas variáveis têm valores diferentes entre os quatro minterms ( e ). Estas variáveis serão eliminadas; uas variáveis têm o mesmo valor para os quatro minterms ( e. Estas variáveis são as que formarão o produto a ser extraído do mapa; omo os quatro minterms estão na região do mapa onde, esta variável aparece não negada. o mesmo modo, como os quatro minterms estão na região do mapa onde, esta variável também aparece não negada ssim, temos diretamente do mapa:

24 ELETRÔNI IGITl I 24 Nos mapas de Karnaugh abaixo, estão mostradas outras situações onde é possível combinar os quatro minterms: + + a mesma forma, podem ser feitas combinações com minterms, desde que satisfeitas as condições necessárias. Numa combinação com 8 minterms são eliminadas 3 variáveis. Observe que, para que a combinação seja possível, uma das variáveis deve ter o mesmo valor nos oito minterms e três variáveis têm valor diferente. + +

25 ELETRÔNI IGITl I 25 Utilização do Mapa de Karnaugh té este ponto, foram analisadas as diferentes possibilidades de efetuar as combinações com os minterms no mapa de Karnaugh. Veremos agora como efetivamente utilizar o mapa de Karnaugh para se obter a expressão mínima de uma função. e início, é necessário estabelecer os seguintes conceitos: a) s combinações devem ser efetuadas de modo que cada minterm seja incluído em pelo menos uma combinação, se possível. omo será visto adiante, existem situações em que um minterm não pode ser combinado com nenhum outro. b) onsiderando que numa combinação de 2 n minterms são eliminadas n variáveis de um produto, devem ser selecionadas aquelas combinações que abrangem o maior número possível de minterms. Um certo cuidado deve ser observado para que não sejam selecionadas combinações que são desnecessárias, conforme foi visto anteriormente. Exemplo: obter a expressão mínima da função f(, Σ(3,6,8,0,,3,4,5). omo se observa no exemplo acima, a combinação que abrange o maior número de minterms, tracejada no mapa, mostrou ser desnecessária, e não pode ser incluída na expressão mínima da função. Portanto, a expressão mínima da função é: e modo a evitar combinações desnecessárias, pode-se seguir a seqüência de etapas relacionadas abaixo: ) Identificar os minterms que não podem ser combinados com nenhum outro;

26 ELETRÔNI IGITl I 26 2) Identificar os minterms que só podem fazer parte de uma única combinação com dois minterms. queles minterms que podem ser combinados mais de uma vez, são temporariamente ignorados; 3) Identificar os minterms que só podem fazer parte de uma única combinação com quatro minterms. queles minterms que podem ser combinados mais de uma vez, são temporariamente ignorados; 4) Repetir o procedimento para grupos de oito minterms, dezesseis, etc; 5) Se após seguir o procedimento acima, ainda restar algum minterm que não foi combinado, o mesmo pode ser combinado de forma arbitrária, sempre levando em consideração que devemos ter o menor número possível de combinações. Exemplos: a) Minimizar a função lógica: f(, Σ(0,,3,5,6,9,,2,3,5). e acordo com a sequência de etapas proposta, observamos que: ) O minterm 6 não pode ser combinado com nenhum outro. Indicamos isto através de um circulo em torno do minterm. 2) O minterm 0 pode ser combinado somente com o minterm. a mesma forma, o minterm 2 pode ser combinado somente com o minterm 3. 3) Os minterms 3, 5 e 5 somente podem ser combinados uma vez, numa combinação com quatro minterms. expressão mínima da função é portanto:

27 ELETRÔNI IGITl I 27 b) Minimizar a função lógica: f(, Σ(0,2,3,4,5,7,8,9,3,5). ),,, ( f c) Minimizar a função lógica: f(, Σ(,3,4,5,6,7,,2,4,5). ),,, ( f d) Minimizar a função lógica: f(, Σ(0,2,4,6,7,8,9,0,3,5). ),,, ( f

28 ELETRÔNI IGITl I 28 Utilização do mapa quando a função é representada pela soma de maxterms té aqui, foi vista a utilização do mapa de Karnaugh quando a função é representada pela soma de minterms. Quando a função é representada pelo produto de maxterms, as regras para as combinações são exatamente as mesmas já vistas para os minterms. eve-se apenas tomar cuidado no mapeamento da função e na extração da expressão mínima, lembrando que, no caso dos maxterms a variável negada é associada ao bit e variável não negada é associada ao bit 0. Exemplos: a) Obter a expressão mínima da função: O mapeamento dos maxterms está mostrado abaixo: f(, Π(0,,2,4,5,6,8,,5) , ) ( + )( + )( + + )( + + ) b) Obter a expressão mínima da função: f(, Π(0,3,4,5,6,7,,3,4,5)

29 ELETRÔNI IGITl I 29 Exercícios: Minimizar as funções abaixo: a) f(, Σ(0,3,4,5,7,,2,4,5) b) f(, Σ(0,,2,5,6,8,9,0,3) c) f(, Σ(0,2,3,4,5,6,7,8,0,,5) d) f(, Σ(0,,2,3,5,8,9,0,,2,4,5) e) f(, Σ(,2,3,5,7,0,,2,3,4,5) f) f(, Σ(0,2,4,5,7,8,0,2,4,5) g) f(, Σ(0,,5,8,0,,3,4,5) h) f(, Π(0,,2,5,8,0,,3,4,5) i) f(, Π(,2,3,4,5,7,9,0,,5) j) f(, Π(0,2,3,4,5,6,7,8,0,,3,5)

30 ELETRÔNI IGITl I 30 Mapa de Karnaugh para funções de 5 variáveis construção de um mapa de Karnaugh para funções de 5 variáveis segue o mesmo procedimento já visto para os mapas de 2, 3 e 4 variáveis. onsiderando que o mapa é formado por 32 quadros, dispostos em uma matriz de 4 linhas por 8 colunas, colocamos nas colunas os valores de três destas variáveis (, e ) e nas linhas os valores das outras duas variáveis ( e E), utilizando a seqüência do código Gray, conforme podemos observar na figura abaixo. E Representando as chaves, temos o mapa abaixo: E nalisando este mapa, percebemos que a linha tracejada divide o mesmo em dois mapas de quatro variáveis. No mapa da esquerda temos 0 e no mapa da direita temos. lém disto, é possível notar que o mapa da direita está invertido em relação ao original. Isto significa que, todos os critérios já vistos para utilização de um mapa de quatro variáveis são válidos para cada uma das partes que compõem o mapa de cinco variáveis. lém disso, podemos observar que os minterms simétricos em relação à linha tracejada central, são logicamente adjacentes, ou seja, possuem somente uma variável diferente entre os dois (variável ). esta forma, minterms simétricos também podem ser combinados.

31 ELETRÔNI IGITl I 3 Seja por exemplo, a função f(,,e) Σ(0,5,8,0,,20,2,22,23,26,27), mapeada no mapa de cinco variáveis abaixo: E Os minterms 0 e 8, assim como os minterms 20, 2, 22 e 23 podem ser combinados da mesma forma que são feitas as combinações em um mapa de 4 variáveis. É possível observar também, que os minterms 5 e 2 são simétricos e podem ser combinados. lém disso, os pares de minterms (0, ) e (26, 27) também são simétricos podendo ser combinados no quadrado mostrado no mapa. expressão mínima da função é portanto:, E) + E + + E. Uma representação alternativa para o mapa de cinco variáveis está mostrada na figura abaixo, onde foi mapeada a mesma função do exemplo anterior. E Nesta representação, o mapa da direita foi girado 80 graus em torno de um eixo vertical, de modo a ficar na posição normal de um mapa de quatro variáveis. Neste caso, ao invés de trabalharmos com minterms simétricos, trabalhamos com minterms correspondentes nos dois mapas.

32 ELETRÔNI IGITl I 32 Exemplos: Minimizar as funções de 5 variáveis: a) f(,,e) Σ(0,2,5,8,3,5,8,2,24,29,3) E, E) b) f(,,e) Σ(0,,4,5,6,2,4,6,9,20,22,28,30,3) E, E) Exercícios Minimizar as funções: a) f(,,e) Σ(0,2,4,6,9,0,3,4,5,6,8,2,24,26,28,29,30,3) b) f(,,e) Σ(0,2,4,5,6,7,8,0,2,3,6,8,2,23,24,25,26,29) c) f(,,e) Σ (0,,2,5,7,8,9,0,3,5,6,7,9,2,22,24,25,26,29,30) c) f(,,e) Π(,2,4,5,8,5,8,20,2,24,29)

33 ELETRÔNI IGITl I 33 Mapa de Karnaugh para funções de 6 variáveis O mapa para uma função de 6 variáveis é composto por 64 quadros, dispostos em uma matriz de 8 linhas por 8 colunas. identificação de cada um dos quadros está mostrada na figura abaixo. EF Na figura abaixo temos representadas as chaves que definem o posicionamento das variáveis, bem como está mapeada a função. Podemos observar que, o mapa para 6 variáveis é formado por quatro mapas de 4 variáveis. F E F, E, F ) EF + + E E + EF + E F

34 ELETRÔNI IGITl I 34 Mapeamento quando a função não é expressa em minterms té agora, vimos como mapear uma função no mapa de Karnaugh quando conhecemos os minterms ou os maxterms da mesma. Veremos a seguir, que podemos mapear a função bem como encontrar sua expressão mínima, mesmo sem ter os seus minterms. Seja por exemplo a função ( ( + + Para mapear a função, é necessário representar a mesma como uma soma de produtos. ssim: evemos agora efetuar um procedimento ao contrário do processo de minimização, ou seja, cada produto componente da soma, corresponde a uma combinação de minterms. Portanto, corresponde à combinação: m 0 + m + m4 + m5 corresponde à combinação: m + m3 + m5 + m7 corresponde à combinação: m 4 + m6 corresponde à combinação: m 4 + m5 + m2 + m3 corresponde à combinação: m 0 + m corresponde à combinação: m 9 + m corresponde à combinação: m 2 + m0 Na figura abaixo temos o mapeamento completo da função, com as respectivas combinações que podemos efetuar para extrair a expressão mínima. ssim, Exercício: Mapear e obter a expressão mínima da função abaixo. (

35 ELETRÔNI IGITl I 35 Funções não especificadas completamente e acordo com o que já foi visto, uma função lógica qualquer f é definida especificando o valor assumido (f 0 ou f ), para cada combinação possível das variáveis independentes, através da tabela verdade. partir desta especificação, determinamos os minterms ou maxterms da função e, através do mapeamento da função no mapa de Karnaugh, sua expressão mínima. No entanto, existem situações em que o valor da função f não é especificado para todas, combinações da variáveis. Neste caso, diferentes funções são possíveis, todas elas satisfazendo as especificações. Estas funções, aparecem em duas situações. Às vezes não nos interessa qual o valor que a função assume para certas combinações de variáveis. Em outros casos, sabemos de antemão que certas combinações de variáveis nunca ocorrem. Vejamos por exemplo, o circuito apresentado abaixo. Entrada ontador Lógica Saida S esejamos que a saída do circuito seja S quando o valor registrado pelo contador for 0,, 2, 6, 7 e 8. onsiderando que o contador conta de 0 a 9 e considerando que existem 6 combinações possíveis com quatro bits, existem 6 combinações que nunca irão ocorrer na entrada do nosso circuito. omo temos certeza que estas combinações nunca ocorrerão, o valor da função para estas combinações é irrelevante. Podemos fazer tanto f 0 como f nestas situações. Neste caso colocamos x na tabela verdade para estas situações de forma a indicar que o valor assumido pela função neste caso é irrelevante (don t care). Temos então, para o nosso exemplo, a seguinte tabela verdade: S

36 ELETRÔNI IGITl I 36 função neste caso, é representada por: x 0 x 0 0 x 0 x 0 x x f(, Σ(0,,2,6,7,8) + d(0,,2,3,4,5) omo x pode assumir tanto o valor 0 como, podemos ter diversas funções diferentes, cada uma delas com sua expressão mínima. omo nosso objetivo é encontrar a expressão mais simples para a função, fazemos igual a aqueles x que contribuem para simplificar a função. Os demais fazemos iguais a 0, conforme mostrado no mapa abaixo. x x x x x x expressão mínima para a função neste caso é: + + Exercícios: Minimizar as funções abaixo: a) f(, Σ(,4,5,6,8) + d(0,,2,3,4,5) b) f(,,e) Σ(0, 2,3,6,2) + d(4,5,6,7,8,,3,5,8,9,22,23,24, 25,26,29,30,3

37 ELETRÔNI IGITl I 37 MINIMIZÇÃO E FUNÇÕES POR TULÇÃO (Método de Quine-Mcluskey) O mapa de Karnaugh é uma ferramenta útil para a minimização de funções de até 5 ou no máximo 6 variáveis. Para funções com um número maior de variáveis, o uso mapa de Karnaugh é muito complexo. Para estas situações, temos que lançar mão de algum tipo de procedimento sistemático, preferencialmente um que possa ser automatizado. O processo minimização de funções por tabulação, também conhecido como método de Quine- Mcluskey, satisfaz os requisitos acima, ou seja, pode ser utilizado tanto manualmente como programável em computadores. O conceito fundamental envolvido neste procedimento está baseado em repetidas aplicações do princípio xy + x y x, para se obter o conjunto de todas as combinações possíveis entre os minterms da função, a partir do qual a expressão mínima pode ser selecionada. ssim, a primeira etapa consiste em determinar, de forma sistemática, quais produtos podem ou não ser combinados e efetuar todas as combinações possíveis. Genericamente, dois produtos quaisquer com k variáveis podem ser combinados, se e somente se, ambos tiverem k- variáveis idênticas e diferirem em apenas uma variável. O produto resultante desta combinação é composto pelas k- variáveis idênticas, enquanto a variável que é negada em um produto e não negada em outro é eliminada. omo exemplo, consideremos a função de 7 variáveis abaixo: f(,,e,f,g) Σ(66,74,75,79,98,99,07,) Representando a função através da soma de produtos, temos:, E, F, G) EFG + EFG + EFG + EFG + EFG + EFG + EFG + EFG s combinações que podem ser efetuadas são: m 66 + m 74 EFG + EFG EFG( + EFG m 66 + m 98 EFG + EFG EFG( + ) EFG m 74 + m EFG + EFG EF ( G + G) 75 EF m 75 + m EFG + EFG FG( E + E) 79 FG m + m EFG + EFG EFG( + ) EFG m + m EFG + EFG EFG( + ) 79 EFG

38 ELETRÔNI IGITl I 38 m 98 + m 99 EFG + EFG EF ( G + G) EF m + m EFG + EFG EFG( EFG m + m EFG + EFG FG( E + E) 07 FG Podemos ainda efetuar uma combinação com 4 minterms: m + m + m + m FG + FG FG( + ) FG Portanto:, E, F, G) EFG + EFG + EF + EF + + EFG + FG Esta ainda não é a expressão mínima da função, pois a mesma ainda pode ser simplificada, como podemos ver abaixo: FG + EFG + EF FG + EFG FG + EF + EFG FG + EF EF + EFG + EFG Em todos os casos acima, foi aplicado o teorema: EF + EFG xy + xz + yz xy + xz ssim, a expressão mínima da função é:, E, F, G) EFG + EF + FG nalisando o procedimento visto acima, fica evidente a necessidade de existir um procedimento formal e sistemático para encontrar a expressão mínima de função lógica, que nos conduza de forma direta ao resultado final. Este procedimento, que veremos a seguir, é o método tabular de Quine-Mcluskey.

39 ELETRÔNI IGITl I 39 Funções mínimas e suas propriedades No estudo das funções lógicas, existe uma distinção entre expressão mínima e expressão irredutível de uma função, sendo que nenhuma delas é necessariamente única. onvém lembrar que, toda expressão mínima é irredutível porém, nem toda expressão irredutível é mínima. Por exemplo, dada a função f(, Σ(,2,3,4,5,6,8,2), as expressões: e são expressões irredutíveis desta função, enquanto as expressões: e são expressões mínimas da função. Vamos analisar a seguir, as propriedades destas expressões e determinar as características dos termos contidos em uma expressão representada pela soma de produtos mínima. onceito de Implicantes Uma função lógica f(,...) cobre outra função g(,...) se f assume o valor sempre que g o fizer. Representamos esta fato por f g. ssim, se f cobre g, existe um na sua tabela verdade em cada linha onde g também tiver. No exemplo mostrado abaixo, ) + + g (, ) omo podemos observar, a função f(,) cobre a função g(,).

40 ELETRÔNI IGITl I 40 Se f cobre g e por sua vez g cobre f, então f e g são equivalentes. Seja f(,...) uma função lógica qualquer e h(,...) um produto de variáveis. Se f cobre h, então h implica f, ou h é um implicante de f. implicação é representada por h f. Portanto, um implicante de uma função lógica é todo o produto de variáveis que é coberto pela função. Exemplo: Se f h + e, então h é um implicante de f. Obs.: Pelo que observamos, fica claro que todos os minterms de uma função, bem como todas as possíveis combinações com estes minterms, são implicantes da função. Implicantes Primos Um Implicante Primo p de uma função f é um produto de variáveis coberto por f, de tal forma que a retirada de qualquer variável de p resulta em um novo produto não coberto pela função f. O conjunto de todos os implicantes primos de f é representado por P. Por exemplo, na função: +, h é um implicante e h 2 é um implicante primo. Teorema: Uma soma de produtos irredutível equivalente à função f é a união de implicantes primos de f. esta forma, para encontrar a expressão mínima de uma função f, a primeira etapa consiste em gerar o conjunto de todos os implicantes primos da função f e, deste conjunto selecionar aqueles implicantes primos cuja união produz a expressão mínima para a função. Supondo que a função f seja representada na forma de soma de produtos, a aplicação do principio xy + x y x entre pares de minterms produz um implicante de f. plicações repetidas deste princípio entre pares de produtos que possuem somente uma variável diferente, produz um conjunto de implicantes de f. Um produto que não pode mais ser combinado com nenhum outro, é um implicante primo da função f. esta forma, a primeira etapa na determinação da expressão mínima de uma função é a combinação sistemática dos produtos. segunda etapa, que é a seleção do conjunto mínimo de implicantes primos, é em geral mais complicada, como veremos adiante.

41 ELETRÔNI IGITl I 4 Exemplo: eterminar o conjunto P de todos os implicantes primos da função: f(, Σ(0,4,5,7,8,9,3,5) Soma de produtos:, ) ombinações com 2 minterms: ombinações com 4 minterms: m m m m 4 + m 8 + m 5 m m m m m 5 m m 8 + m 9 m m m 5 m + + O conjunto de implicantes primos é: P erivando expressões mínimas de uma função Uma inspeção no conjunto de implicantes primos P do exemplo anterior nos mostra que o implicante primo deve estar contido em qualquer expressão irredutível equivalente à f, uma vez que é o único produto que cobre os minterms 7 e 5. Qualquer outro minterm da função é coberto por dois implicantes primos, sendo que nenhum deles é essencial para a especificação de uma expressão irredutível. Um implicante primo p de uma função f é denominado implicante primo essencial se ele cobre pelo menos um minterm de f que não é coberto por nenhum outro implicante primo. onsiderando que todos os minterms da função devem ser cobertos, todos os implicantes primos essenciais devem estar contidos em qualquer expressão irredutível da função f. Exemplos:

42 ELETRÔNI IGITl I 42 f(, Σ(4,5,8,2,3,4,5) P + + Todos os implicantes primos são essenciais. f(, Σ(0,2,3,4,5,7) P Neste caso, nenhum implicante primo é essencial. Todos os implicantes primos têm o mesmo tamanho (mesmo número de variáveis) e cada minterm é coberto por exatamente dois implicantes primos. omo foi visto, as etapas para a obtenção da expressão mínima de uma função f são as seguintes: ) eterminar todos os implicantes primos essenciais da função e incluí-los na expressão mínima; 2) Remover da lista de implicantes primos, aqueles que são cobertos pelos implicantes primos essenciais; 3) Se o conjunto obtido na etapa cobrir todos os minterms de f, então esta é a expressão mínima única. Senão, selecionar implicantes primos adicionais, de forma que todos os minterms seja cobertos, e o número de implicantes primos seja mínimo. execução da etapa 3 nem sempre é tão simples. Para um número pequeno de variáveis, isto pode ser feito através do mapa de Karnaugh, enquanto que para um número maior de variáveis um método tabular torna-se necessário.

43 ELETRÔNI IGITl I 43 eterminação dos implicantes primos por tabulação (Quine Mcluskey) través de uma análise da representação binária dos minterms, observa-se que a condição necessária e suficiente para que dois minterms possam ser combinados é que suas representações em binário difiram em somente uma posição. Para que a representação binária de dois minterms sejam diferentes em somente uma posição, é necessário que os dois minterms possuam somente um bit diferente. esta forma, para facilitar o processo de combinação, os minterms são arranjados em grupos, de acordo com o número de bits existentes na sua representação em binário. Para que o processo seja sistemático, os seguintes passos devem ser seguidos: - rranjar todos os minterms em grupos, de tal forma que todos os minterms de um mesmo grupo tenham o mesmo número de bits na sua representação binária. O número de bits em um produto é denominado índice do mesmo. eve-se agrupar os produtos em ordem crescente de seu índice; 2- omparar cada produto de um grupo com todos os outros do grupo sucessivo, combinando os produtos sempre que possível. Repetir este processo, comparando cada produto de um grupo de índice i com os produtos do grupo de índice i+, até que todas as combinações sejam efetuadas. ois produtos de grupos adjacentes são combináveis se diferirem em somente um bit na sua representação binária. O termo resultante consiste nos bits idênticos, sendo o bit diferente substituído por um traço (-). ada produto que foi combinado pelo menos uma vez, deve ser marcado; 3- Os termos gerados no passo 2 são comparados de acordo com o mesmo procedimento. Um novo termo é gerado pela combinação de dois termos que difiram em somente um bit e que tenham o traço na mesma posição. O processo continua até que nenhuma combinação seja mais possível. queles termos que não foram marcados formam o conjunto dos implicantes primos da função. Este procedimento consiste em um processo mecanizado de comparação e redução de todos os pares de produtos adjacentes. Exemplo: eterminar os implicantes primos da função: f(, Σ(0,,2,5,7,8,9,0,3,5) Inicialmente os minterms arranjados em ordem crescente do seu índice, conforme mostrado na tabela abaixo :

44 ELETRÔNI IGITl I 44 minterm plicando o processo descrito no passo 2 temos: Obs.: a marca indica que o minterm foi combinado. 0, , , ,5 0-0, , , , ,7 0-5,3-0 9,3-0 7,5-3,5 - Repetindo novamente o processo com os grupos formados na etapa anterior: 0,,8, ,2,8, ,5,9, ,7,3,5 - - O Mapa de Implicantes Primos O mapa de implicantes primos mostra o relacionamento de cobertura entre os implicantes primos e os minterms da função.

45 ELETRÔNI IGITl I 45 Este mapa consiste em uma tabela com m linhas e n colunas, onde n representa respectivamente o número de minterms e m o número de implicantes primos. s entradas na iésima linha do mapa consiste de x s colocados nas intersecções das colunas correspondentes aos minterms cobertos pelo iésimo implicante primo. O mapa de implicantes primos correspondente à função vista anteriormente, está mostrado abaixo: minterms implicantes x x x O problema agora consiste em selecionar um conjunto mínimo de implicantes primos tal que, cada coluna contenha pelo menos um x nas linhas correspondentes ao conjunto selecionado e que, o número total de literais (variáveis) nos implicantes primos seja o menor possível. Estes requisitos garantem que a união dos implicantes primos selecionados é equivalente à função f, e que nenhuma outra expressão contendo um número menor de literais, equivalente a f, possa ser encontrada. Linha essenciais Se uma coluna do mapa de implicantes contiver somente um x, o implicante primo correspondente à linha em que este x aparece é essencial e, conseqüentemente, deve ser incluído em qualquer expressão mínima de f. no exemplo acima, os implicantes primos e são essenciais. Este x é identificado no mapa, assim como o implicante primo correspondente ao mesmo. linha correspondente a um implicante primo essencial é denominada linha essencial. Uma vez determinados os implicantes primos essenciais, todos os minterms cobertos pelos mesmos são marcados. No exemplo acima, o implicante primo essencial cobre, além dos minterms 2 e 0, também os minterms 0 e 8. assim, os minterms 0, 2, 8 e 0 são marcados. Se, após todos os implicantes primos, bem como os minterms terem sido marcados, a função inteira estiver coberta, isto é, todos os minterms foram marcados, então a união dos implicantes primos essenciais corresponde à expressão mínima da função. aso contrário, implicantes primos adicionais serão necessários.

46 ELETRÔNI IGITl I 46 Os dois implicantes primos essenciais e do exemplo acima, cobrem todos os minterms da função, com exceção dos minterms e 9. Para encontrar quais são os implicantes primos não essenciais necessários para cobrir o restante dos minterms, construímos um mapa de implicantes primos reduzido,contendo somente os implicantes primos não essenciais e os minterms que não foram cobertos pelos implicantes primos essenciais, conforme mostrado abaixo. implicantes 9 través do mapa novo mapa de implicantes primos, observa-se que os minterms e 9 são cobertos tanto pelo implicante primo como pelo implicante primo. omo ambos os implicantes possuem o mesmo número de variáveis, existem duas expressões mínimas para a função, que são: + + e + + Exemplos: Minimizar as funções abaixo, através do método de Quine Mcluskey: a) f(, Σ(0,2,3,4,5,7,8,9,3,5) eterminação dos implicantes primos (tabulação): 0: : 000 4: 000 8: 000 3: 00 5: 00 9: 00 7: 0 3: 0 5:

47 ELETRÔNI IGITl I 47 Obs.: Todas as combinações que não estão assinaladas são implicantes primos. Mapa dos implicantes primos: implicante omo pode-se observar no mapa, é um implicante primo essencial e cobre os minterms 5, 7, 3 e 5. Mapa dos implicantes primos reduzido: implicante omo o nosso objetivo é encontrar uma expressão mínima qualquer para a função, é possível simplificar o mapa de implicantes primos, considerando que: O implicante primo O implicante primo O implicante primo é coberto por é coberto por é coberto por Portanto, estes implicantes primos podem ser extraídos do mapa, o que resulta em: implicante

48 ELETRÔNI IGITl I 48 E a expressão mínima da função é: b) f(, Σ(0,2,3,4,5,7,8,0,,3,5) eterminação dos implicantes primos: Mapa dos implicantes primos: implicante Mapa de implicantes primos reduzido: implicante Uma expressão mínima da função é:

49 ELETRÔNI IGITl I 49 c) f(,,e) Σ(,3,4,5,6,7,0,,2,3,4,5,8,9,20,2,22,23,25,26,27) Tabulação dos implicantes primos:

50 ELETRÔNI IGITl I 50 Mapa de implicantes primos: : Implicantes primos essenciais Mapa de implicantes primos reduzido Este mapa contém somente os implicantes primos que não são essenciais, bem como os minterms que não são cobertos pelos implicantes primos essenciais. omo estamos interessados em obter uma expressão mínima qualquer, podemos reduzir ainda mais o mapa, eliminando os implicantes primos que cobrem minterms que são cobertos por outros implicantes primos. E é coberto por E ; E é coberto por E ; é coberto por ; é coberto por.

51 ELETRÔNI IGITl I 5 Eliminando estes implicantes primos, temos o mapa final, mostrado abaixo: expressão mínima da função é:, E)

52 ELETRÔNI IGITl I 52 plicação do método de Quine-Mcluskey para funções não especificadas completamente: Na minimização de funções não especificadas completamente (funções que envolvem condições irrelevantes), o procedimento de tabulação para determinar os implicantes da função segue os mesmos procedimentos já vistos para as funções contendo somente minterms. Exemplo: Minimizar a função f(, Σ(0,2,5,6,8) + d(0,,2,3,4,5) eterminação dos implicantes primos: Na etapa de tabulação e combinação, tanto os minterms e as condições irrelevantes são tratados da mesma maneira, ou seja, tratamos todas as condições irrelevantes como se fossem minterms. 0: 0000 (0,2): 00-0 (0,2,8,0): : 000 (0,8): -000 (2,6,0,4): --0 8: 000 (2,6): 0-0 (8,0,2,4): --0 5: 00 (2,0): -00 (0,,4,5): -- 6: 00 (8,0): 0-0 (2,3,4,5): -- 0: 00 (8,2): -00 2: 00 (5,3): -0 : 0 (6,4): -0 3: 0 (0,): 0-4: 0 (0,4): -0 5: (2,3): 0- (2,4): -0 (,5): - (3,5): - (4,5): - Mapa de implicantes primos: Na construção do mapa de implicantes primos, são considerados somente os minterms da função. s condições irrelevantes são ignoradas. Os implicantes primos que envolvem somente condições irrelevantes são desconsiderados x x x omo os implicantes primos e cobrem somente condições irrelevantes, eles não são necessários, podendo ser eliminados. No mapa de implicantes primos podemos observar que os

53 ELETRÔNI IGITl I 53 implicantes primos essenciais cobrem todos os minterms da função, sendo a expressão mínima portanto, composta somente pelos implicantes primos essenciais., E) + + Exercício: Minimizar a função abaixo f(, Σ(,2,3,5,6,8) + d(0,,2,3,4,5) eterminação dos implicantes primos: Mapa de implicantes primos: omo os implicantes primos e cobrem somente condições irrelevantes, podem ser eliminados. Mapa de implicantes primos reduzido

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL 1 CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL Sumário 1.1. Sistemas de Numeração... 3 1.1.1. Conversão Decimal Binária... 3 1.1.2. Conversão Binária Decimal... 3 1.1.3. Conversão Binária Hexadecimal...

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Falso: F = Low voltage: L = 0

Falso: F = Low voltage: L = 0 Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Automação Predial e Industrial Professor: Ronimack Trajano 1 PORTAS LOGICAS 1.1 INTRODUÇÃO Em 1854, George Boole introduziu o formalismo que até hoje se usa para

Leia mais

04 Simplificação de funções lógicas. v0.1

04 Simplificação de funções lógicas. v0.1 4 Simplificação de funções lógicas v. Introdução Funções lógicas podem ter muitas variáveis e assim ser muito complexas Podemos simplificá-las analiticamente mas poderá não ser uma tarefa fácil Existem

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE... 3 1.

Leia mais

Álgebra. SeM MiSTéRio

Álgebra. SeM MiSTéRio Álgebra SeM MiSTéRio Série SeM MiSTéRio Alemão Sem Mistério Álgebra Sem Mistério Cálculo Sem Mistério Conversação em Alemão Sem Mistério Conversação em Espanhol Sem Mistério Conversação em Francês Sem

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

CAPÍTULO II. Funções e Portas Lógicas

CAPÍTULO II. Funções e Portas Lógicas UNIVERIDDE FEDERL DE UERLÂNDI FCULDDE DE ENGENHRI ELÉTRIC postila de Eletrônica Digital CPÍTULO II Funções e Portas Lógicas 2.1 Introdução Em 1854 o matemático inglês George oole apresentou um sistema

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

Portas Lógicas (continuação)

Portas Lógicas (continuação) ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I Portas Lógicas (continuação) Circuitos Combinacionais Minimização Booleana 2 A complexidade de uma função Booleana reflete a complexidade combinacional do circuito

Leia mais

Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo abaixo) para Pré-IME, Pré-ITA, EsPCEx, EEAer, ENEM.

Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo abaixo) para Pré-IME, Pré-ITA, EsPCEx, EEAer, ENEM. O ALGEBRISTA Autor: Laércio Vasconcelos www.laercio.com.br Livro de ÁLGEBRA do ensino fundamental (6º ao 9º ano) Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Frações. Números Racionais

Frações. Números Racionais Frações Números Racionais Consideremos a operação 4:5 =? onde o dividendo não é múltiplo do divisor. Vemos que não é possível determinar o quociente dessa divisão no conjunto dos números porque não há

Leia mais

Aula 8 Circuitos Integrados

Aula 8 Circuitos Integrados INTRODUÇÃO À ENGENHRI DE COMPUTÇÃO PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO GRNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHRI ula Circuitos Integrados Introdução Portas Lógicas em Circuitos Integrados Implementação de Funções

Leia mais

Tecnologia da Informação Prof. Mário Henrique de Souza Pardo Resumo Aula 4

Tecnologia da Informação Prof. Mário Henrique de Souza Pardo Resumo Aula 4 Tecnologia da Informação Prof. Mário Henrique de Souza Pardo Resumo Aula 4 1 MS-Excel Aplicando funções às suas fórmulas de Excel (continuação) Serão vistas, nesta aula as funções de busca e referência

Leia mais

Representação de números em máquinas

Representação de números em máquinas Capítulo 1 Representação de números em máquinas 1.1. Sistema de numeração Um sistema de numeração é formado por uma coleção de símbolos e regras para representar conjuntos de números de maneira consistente.

Leia mais

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio:

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio: ELETRÔNICA DIGITAl I 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO INTRODUÇÃO A base dos sistemas digitais são os circuitos de chaveamento (switching) nos quais o componente principal é o transistor que, sob o ponto de vista

Leia mais

Circuitos Digitais. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica. São Paulo 2014. Prof. José dos Santos Garcia Neto

Circuitos Digitais. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica. São Paulo 2014. Prof. José dos Santos Garcia Neto Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Circuitos Digitais Prof. José dos Santos Garcia Neto São Paulo 2014 Prof. José dos Santos Garcia Neto 1 Introdução Esta apostila tem como objetivo

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

No microfone, sua saída pode assumir qualquer valor dentro de uma faixa de 0 à 10mV. 1 - Sistemas de numeração

No microfone, sua saída pode assumir qualquer valor dentro de uma faixa de 0 à 10mV. 1 - Sistemas de numeração 1 - Sistemas de numeração Lidamos constantemente com quantidades. Quantidades são medidas monitoradas, gravadas, manipuladas aritmeticamente e observadas. Quando lidamos com quantidades, é de suma importância

Leia mais

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática I. O jogo A Torre de Hanói consiste de uma base com três pinos e um certo número n de discos de diâmetros diferentes, colocados um sobre o outro em

Leia mais

Técnicas Digitais TDI

Técnicas Digitais TDI Educação Profissional Técnica Mecatrônica Técnicas Digitais TDI 2 o semestral SENAI-SP, 2 Trabalho adaptado pela Faculdade SENAI de Tecnologia Mecatrônica e Gerência de Educação Diretoria Técnica Walter

Leia mais

2 Álgebra Booleana e Circuitos Lógicos

2 Álgebra Booleana e Circuitos Lógicos 2 Álgebra ooleana e ircuitos Lógicos Uma álgebra ooleana pode ser definida com um conjunto de operadores e um conjunto de axiomas, que são assumidos verdadeiros sem necessidade de prova. Em 1854, George

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

MECÂNICA GERAL PARA ENGENHEIROS

MECÂNICA GERAL PARA ENGENHEIROS MEÂNI GER R ENGENHEIRS apítulo rofª: cilayne Freitas de quino Forças no lano sobre um orpo Rígido R RGID Em mecânica elementar assumimos que a maior parte dos corpos são rígidos, isto é, as deformações

Leia mais

Unidade 5: Sistemas de Representação

Unidade 5: Sistemas de Representação Arquitetura e Organização de Computadores Atualização: 9/8/ Unidade 5: Sistemas de Representação Números de Ponto Flutuante IEEE 754/8 e Caracteres ASCII Prof. Daniel Caetano Objetivo: Compreender a representação

Leia mais

Síntese de Circuitos Combinacionais

Síntese de Circuitos Combinacionais Síntese de Circuitos Combinacionais Projecto Descrição informal dum circuito => => Descrição formal duma Função => Diagrama lógico Nessa descrição, muitas vezes utiliza-se os termos e, ou e não. Por exemplo:

Leia mais

Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3

Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3 Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3 http://www.bpiropo.com.br/fpc20051017.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 17/10/2005 Autor: B.Piropo Na coluna anterior, < http://www.forumpcs.com.br/viewtopic.php?t=131250

Leia mais

Eletrônica Digital para Instrumentação. Herman Lima Jr. hlima@cbpf.br

Eletrônica Digital para Instrumentação. Herman Lima Jr. hlima@cbpf.br G03 Eletrônica Digital para Instrumentação Prof: hlima@cbpf.br Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) Organização do curso Introdução à eletrônica digital

Leia mais

Themis Serviços On Line - Publicações

Themis Serviços On Line - Publicações Nome do documento Guia do Usuário Themis Serviços On Line - Publicações Sumário Introdução:... 3 1 - Cadastro dos Usuários do Themis Serviços On Line:... 3 2 - Acesso ao Sistema Themis Serviços On Line:...

Leia mais

Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*)

Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*) Rafael Domingos G Luís Universidade da Madeira/Escola Básica /3 São Roque Departamento de Matemática Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*) A difusão de calculadoras gráficas tem levado

Leia mais

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 Este é o 6º artigo da série de dicas para facilitar / agilizar os cálculos matemáticos envolvidos em questões de Raciocínio Lógico, Matemática, Matemática Financeira

Leia mais

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts.

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts. I FUNÇÔES E LOCOS LÓGICOS I.1 - SISTEMS DIGITIS - INTRODUÇÃO Sistemas Digitais Notas de ula 1 O mundo real apresenta duas representações para as medidas. Representação analógica e a representação digital.

Leia mais

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes CAPÍTULO 2 1. Introdução Um grafo é uma representação visual de um determinado conjunto de dados e da ligação existente entre alguns dos elementos desse conjunto. Desta forma, em muitos dos problemas que

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito nas melhores faculdades IM - maio 006 MTMÁTI 0. a) atore a epressão 3 3 + 6. b) Resolva, em, a inequação 3 3 + 6 +. a) 3 3 + 6 = (3 ) 6(3 ) = ( 6)(3 ) = ( + 6 )( 6 )(3 ) é a forma fatorada

Leia mais

Resolução de sistemas lineares

Resolução de sistemas lineares Resolução de sistemas lineares J M Martínez A Friedlander 1 Alguns exemplos Comecemos mostrando alguns exemplos de sistemas lineares: 3x + 2y = 5 x 2y = 1 (1) 045x 1 2x 2 + 6x 3 x 4 = 10 x 2 x 5 = 0 (2)

Leia mais

Análise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva MULTIPLEXADORES

Análise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva MULTIPLEXADORES nálise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da ilva MULTIPLEXDORE O multiplexador ou Mux é um circuito combinacional dedicado com a finalidade de selecionar, através de variáveis

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Gráficos. Incluindo gráficos

Gráficos. Incluindo gráficos Gráficos Mas antes de começar, você precisa ter em mente três conceitos importantes que constituem os gráficos do Excel 2007. O primeiro deles é o ponto de dados. Este elemento é representado pela combinação

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Atualizado em Prof. Rui Mano E mail: rmano@tpd.puc rio.br SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Sistemas de Numer ação Posicionais Desde quando se começou a registrar informações sobre quantidades, foram criados diversos

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

Exercícios Adicionais

Exercícios Adicionais Exercícios Adicionais Observação: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós recomendamos

Leia mais

49,36 10 = 4 10 1 + 9 10 0 + 3 10 1 + 6 10 2

49,36 10 = 4 10 1 + 9 10 0 + 3 10 1 + 6 10 2 Fundamentos da Programação 20 V. SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Sistema Sexagesimal (Base 60): Utilizado na subdivisão da hora em 60 minutos, dos minutos em 60 segundos; e do grau dos ângulos em minutos e segundos.

Leia mais

Ambos têm os algarismos 7854 seguidos, a potência de dez apenas moverá a vírgula, que não afeta a quantidade de algarismos significativos.

Ambos têm os algarismos 7854 seguidos, a potência de dez apenas moverá a vírgula, que não afeta a quantidade de algarismos significativos. ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Os algarismos significativos são os algarismos que têm importância na exatidão de um número, por exemplo, o número 2,67 tem três algarismos significativos. Se expressarmos o número

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 1 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

Livro de álgebra para ensino fundamental 2 ( 6º ao 9º ano)

Livro de álgebra para ensino fundamental 2 ( 6º ao 9º ano) O ALGEBRISTA Autor: Laércio Vasconcelos www.laercio.com.br Livro de álgebra para ensino fundamental ( º ao º ano) Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) Pré-IME, Pré-ITA,

Leia mais

Exercícios de Eletrônica Digital Instrutor Gabriel Vinicios Tecnologia Eletrônica II - Tarde

Exercícios de Eletrônica Digital Instrutor Gabriel Vinicios Tecnologia Eletrônica II - Tarde Exercícios de Eletrônica Digital Instrutor Gabriel Vinicios Tecnologia Eletrônica II - Tarde 1.0 - Projeto de ircuitos ombinacionais 1.1 Três botões controlam três motores de potências diferentes. O botão

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) III Resolução de sistemas lineares por métodos numéricos. Objetivos: Veremos

Leia mais

Probabilidade - aula I

Probabilidade - aula I e 27 de Fevereiro de 2015 e e Experimentos Aleatórios e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Entender e descrever espaços amostrais e eventos para experimentos aleatórios. Interpretar

Leia mais

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas.

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas. Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas questões, com as respectivas resoluções comentadas. Amigos, para responder às questões deste Simulado, vamos

Leia mais

Planilha de controle de faltas iniciais

Planilha de controle de faltas iniciais Planilha de controle de faltas iniciais Apresentação Esta pasta de trabalho foi criada pensando naquela fase do cotidiano escolar das escolas públicas. Aquela fase inicial na qual há uma lista de alunos

Leia mais

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Item MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Página 1.Apresentação... 4 2.Funcionamento Básico... 4 3.Instalando o MCS... 4, 5, 6 4.Utilizando o MCS Identificando

Leia mais

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Professor Orientador: Alberto Berly Sarmiento Vera Belo Horizonte 2012 Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Monografia

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução).

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução). Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística DCC Leônidas O. Brandão 1 Computador à Gaveta O objetivo deste texto é introduzir os primeiros conceitos de algoritmos a partir de um modelo

Leia mais

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Introdução Até o capítulo passado, você aprendeu a sintetizar dados a partir de um conjunto desordenado de dados, identificando a quantidade

Leia mais

Modelagem de Circuitos Digitais

Modelagem de Circuitos Digitais 1 Modelagem de Circuitos Digitais Para modelar um circuito digital para realizar uma determinada operação: Analisar problema Identificar sinais de entrada do circuito Identificar sinais de saída do circuito

Leia mais

Computadores podem pensar?

Computadores podem pensar? Computadores podem pensar? Descubra você mesmo 2008-2013 Menno Mafait (http://mafait.org) 1 Índice 1. Introdução...4 1.1. O conceito Thinknowlogy...4 2. A álgebra e lógica em linguagem natural...5 2.1.

Leia mais

Programação em papel quadriculado

Programação em papel quadriculado 4 NOME DA AULA: Programação em papel quadriculado Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a entender como a codificação funciona. RESUMO Ao "programar"

Leia mais

I. Princípio Fundamental da Contagem (P.F.C.)

I. Princípio Fundamental da Contagem (P.F.C.) ANÁLISE OMBINATÓRIA A principal finalidade da Análise ombinatória é estabelecer métodos de contagem. I. Princípio Fundamental da ontagem (P.F..) O P.F.., ou princípio multiplicativo, determina o número

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA

Leia mais

Bem-vindo ao curso delta Gerenciamento de peso para a versão 9.1. Este curso aborda a nova solução de peso introduzida nessa versão.

Bem-vindo ao curso delta Gerenciamento de peso para a versão 9.1. Este curso aborda a nova solução de peso introduzida nessa versão. Bem-vindo ao curso delta Gerenciamento de peso para a versão 9.1. Este curso aborda a nova solução de peso introduzida nessa versão. Você deve ter bons conhecimentos de estoque, UM e administração de posições

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes Codificação Principais códigos utilizados Computadores e Equipamentos de Comunicações Digitais trabalham com representação e códigos. A codificação binária de sinais é largamente utilizada em Sistemas

Leia mais

Circuitos Seqüenciais

Circuitos Seqüenciais Circuitos Seqüenciais Circuitos Lógicos DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva Circuitos Seqüenciais Um circuito seqüencial síncrono consiste de um circuito combinacional e uma rede de memória formada por

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

Projeto de Máquinas de Estado

Projeto de Máquinas de Estado Projeto de Máquinas de Estado Organizado por Rodrigo Hausen. Original de Thomas L. Floyd. Versão 0: 15 de março de 2013 http://compscinet.org/circuitos Resumo Grande parte deste texto, exemplos e estrutura

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços.

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Nesse tópico, você aprenderá a administrar listas de preços no SAP Business One. Sua empresa atualiza múltiplas listas de preços para fornecer

Leia mais

CAPÍTULO I. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA Apostila de Eletrônica Digital. Sistemas de Numeração. 1.

CAPÍTULO I. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA Apostila de Eletrônica Digital. Sistemas de Numeração. 1. CAPÍTULO I Sistemas de Numeração. Introdução O decimal é o mais importante dos sistemas numéricos. Ele está fundamentado em certas regras que são a base de formação para qualquer outro sistema. Além do

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

O numerador e o denominador são os termos de uma fração: 2 numerador 3 denominador

O numerador e o denominador são os termos de uma fração: 2 numerador 3 denominador Prof. Danillo OBS!! O numerador e o denominador são os termos de uma fração: 2 numerador 3 denominador Este relógio marca meio dia e meia O denominador indica em quantas partes iguais uma unidade foi

Leia mais

Material Teórico - Aplicações das Técnicas Desenvolvidas. Exercícios e Tópicos Relacionados a Combinatória. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Aplicações das Técnicas Desenvolvidas. Exercícios e Tópicos Relacionados a Combinatória. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Aplicações das Técnicas Desenvolvidas Exercícios e Tópicos Relacionados a Combinatória Segundo Ano do Ensino Médio Prof Cícero Thiago Bernardino Magalhães Prof Antonio Caminha Muniz

Leia mais

Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF

Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF No capítulo anterior... Estratégias de busca auxiliadas por heurísticas (A*, BRPM)

Leia mais

Aula 1: Introdução à Probabilidade

Aula 1: Introdução à Probabilidade Aula 1: Introdução à Probabilidade Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 07 de Março de 2012 Experimento Aleatório Um experimento é qualquer processo

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Exploratória de Dados utilizando o Excel 2007 Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Exploratória de Dados utilizando o Excel 2007 Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Exploratória de Dados utilizando o Excel 2007 Professor Marcelo Menezes Reis Índice Analítico 1. Filtragem... 4 1.1 Filtragem para identificação de células vazias...

Leia mais

Superintendência Regional de Ensino de Ubá - MG Núcleo de Tecnologia Educacional NTE/Ubá. LibreOffice Impress Editor de Apresentação

Superintendência Regional de Ensino de Ubá - MG Núcleo de Tecnologia Educacional NTE/Ubá. LibreOffice Impress Editor de Apresentação Superintendência Regional de Ensino de Ubá - MG Núcleo de Tecnologia Educacional NTE/Ubá LibreOffice Impress Editor de Apresentação Iniciando o Impress no Linux Educacional 4 1. Clique no botão 'LE' no

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

CAPÍTULO I - ELEMENTOS DE PROBABILIDADE

CAPÍTULO I - ELEMENTOS DE PROBABILIDADE CAPÍTULO I - ELEMENTOS DE PROBABILIDADE 1.1 INTRODUÇÃO Em geral, um experimento ao ser observado e repetido sob um mesmo conjunto especificado de condições, conduz invariavelmente ao mesmo resultado. São

Leia mais

Aula 17 GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS. META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado

Aula 17 GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS. META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Diferenciar grandezas escalares e vetoriais; compreender a notação

Leia mais

Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007

Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007 Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007 1 - Inicialmente, na Barra de Camadas clique no ícone (Gerenciador de Propriedades da Camada), para configurar o estilo de camada: 2 - Na caixa de

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 Versão Preliminar 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...4 1.1 Apresentação...4 1.2 Organização e uso do manual...4 1.3 Dúvidas e canais de atendimento...4 2 VISÃO GERAL

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA PORCENTAGEM MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA Quando é dito que 40% das pessoas entrevistadas votaram no candidato A, esta sendo afirmado que, em média, de cada pessoas, 40 votaram no candidato

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

Apostila de Iniciação Musical. Baseado no Livro Teoria da Música de Ricci Adams Compilação de: Elsaby Antunes 1ª Edição.

Apostila de Iniciação Musical. Baseado no Livro Teoria da Música de Ricci Adams Compilação de: Elsaby Antunes 1ª Edição. Apostila de Iniciação Musical Baseado no Livro Teoria da Música de Ricci Adams Compilação de: Elsaby Antunes 1ª Edição. Junho 2008 http://www.elsabyantunes.blogspot.com/ elsabyantunes@gmail.com Prefácio

Leia mais

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz setor 08 080509 080509-SP Aula 35 MATRIZ INVERSA Uma matriz quadrada A de ordem n diz-se invertível, ou não singular, se, e somente se, existir uma matriz que indicamos por A, tal que: A A = A A = I n

Leia mais

A Equação de Bernoulli

A Equação de Bernoulli Aula 4 A equação de Bernoulli Objetivos O aluno deverá ser capaz de: Descrever a dinâmica de escoamento de um fluido. Deduzir a Equação de Bernoulli. Aplicar a Equação de Bernoulli e a Equação da Continuidade

Leia mais

CRUZAMENTO DE VARIÁVEIS, ANÁLISE BIVARIADA E GRÁFICOS

CRUZAMENTO DE VARIÁVEIS, ANÁLISE BIVARIADA E GRÁFICOS Sphinx APRENDIZ - p.201 8 ANÁLISES CRUZADAS E MÚLTIPLAS CRUZAMENTO DE VARIÁVEIS, ANÁLISE BIVARIADA E GRÁFICOS O sistema permite que sejam feitos cruzamentos dos mais diversos tipos de variáveis. Os cruzamentos,

Leia mais

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1 1 2 3 4 5 COMPOSIÇÃO DA MATÉRIA O uso prático da eletricidade já é do conhecimento humano à mais de cem anos. A eletricidade consiste do movimento de elétrons em um condutor. Para poder entender o que

Leia mais

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIS Como vimos no módulo 1, para que nós possamos extrair dos dados estatísticos de que dispomos a correta análise e interpretação, o primeiro passo deverá ser a correta

Leia mais

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \.

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV1 &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV Å 1Ro}HV *HUDLV Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. [\ [\ É fácil verificar

Leia mais