Hardware Básico. Outros Dispositivos de Armazenamento. Professor: Wanderson Dantas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hardware Básico. Outros Dispositivos de Armazenamento. Professor: Wanderson Dantas"

Transcrição

1 Hardware Básico Outros Dispositivos de Armazenamento Professor: Wanderson Dantas

2

3 Unidades Ópticas Unidades ópticas usam um feixe de laser para ler e gravar (no caso das unidades e mídias que permitem gravação) dados em um disco. Nesta aula, nós estudaremos as unidades de disco óptico mais conhecidas atualmente: o CD, o DVD e o Blu-Ray, além de suas variações. Fisicamente, unidades ópticas são todas parecidas, independente do tipo de mídia que são capazes de ler ou gravar. Você deverá usar uma unidade óptica compatível com o tipo de mídia que você queira ler e/ou gravar. Por exemplo, unidades de CD e DVD não são capazes de ler discos Blu-Ray (apesar de eles terem o mesmo tamanho físico de CDs e DVDs), porém unidades Blu-Ray são capazes de ler (e normalmente gravar) CDs e DVDs.

4 CD O aparelho de CD (Compact Disc, Disco Compacto) foi desenvolvido pela Phillips e pela Sony e lançado no mercado em 1983 para trazer áudio digital de alta qualidade. Dentro de um CD não há sons gravados, apenas números que representam sons. Como o aparelho de CD na verdade lê apenas números na superfície do disco, ele pode usar métodos de correção de erros, o que simplesmente elimina a hipótese de um dado ter sido lido de forma incorreta, o que geraria ruído. Da mesma forma, como trabalha com números, a procura de um determinado dado dentro de um CD é um processo relativamente simples. Aliás, é por armazenar dados em forma de números que o CD é capaz também de armazenar dados de computador, como veremos.

5 CD Com a introdução do CD como mídia para o armazenamento de dados de computador, o CD de áudio passou a ser chamado de CD- DA (Compact Disc, Digital Áudio), enquanto o CD de dados chamase CD-ROM (Compact Disk, Read Only Memory). Atualmente, temos duas variantes importantes do CD tradicional: O CD-R (CD Recordable, CD Gravável) e o CD-RW (CD Read and Write, CD regravável). Como a formatação e o funcionamento dessas mídias são idênticos aos do CD-R e ao CD-RW, quando nos referimos a CD-ROM, estamos nos referindo também ao CD-R e ao CD-RW. Posteriormente, iremos ver as características individuais de cada mídia.

6 Tamanho Físico CDs são tipicamente encontrados com 8 cm de diâmetro (formato também chamado Mini CD ) ou com 12 cm de diâmetro. Existem outros tamanhos e formatos não padronizados, como CDs do tamanho de cartões de visitas para o armazenamento de apresentações. O aparelho de CD lê a superfície de um CD através de um feixe laser, o que permite que informações sejam gravadas muito próximas umas das outras, uma vez que não há interferências de qualquer tipo, além do feixe laser ser extremamente fino. Durante a gravação de um CD, sua superfície é alterada: sulcos são criados para que o laser percorra uma maior distância.

7 Tamanho Físico Como os dados armazenados em mídias ópticas são gravados através da modificação física da superfície do disco, não há como apagarmos dados contidos em um CD nem regravarmos um CD pelo simples fato de ser impossível reconstituir sua superfície original (em outras palavras não há como tapar os sulcos do CD). Obviamente, os CDs regraváveis (CD-RW) funcionam com outra tecnologia, que permite que os dados sejam apagados e regravados, como veremos mais adiante. É por esse motivo que o CD de dados é chamado CD-ROM.

8 Trilha Enquanto que a superfície de discos magnéticos e optomagnéticos é dividida em trilhas concêntricas, em mídias ópticas há apenas uma única trilha, em espiral. Isso ocorre porque o CD foi originalmente criado para reproduzir programas de áudio, que normalmente são escutados de forma contínua, como nos antigos discos de vinil, onde também só havia uma única trilha em forma de espiral (a mesma ideia é aplicada em discos DVD e Blu-Ray, que foram originalmente desenvolvidos para filmes, que também são normalmente assistidos de forma sequencial). Esse formato de trilha faz com que o sistema de controle seja bem mais simples, porém mais lento do que o sistema usado em discos rígidos.

9 Capacidade A dupla Sony-Phillips decidiu que um CD deveria ser grande o suficiente para que nele coubesse a Nona Sinfonia de Beethoven e que não precisaria ter uma capacidade maior do que isso. A Nona Sinfonia de Beethoven foi, portanto, utilizada como parâmetro arbitrário para a decisão da capacidade de armazenamento do CD. Como esta sinfonia tem 74 minutos, a capacidade máxima dos CDs ficou fixada nesse tempo.

10 Capacidade Tipo Setores Capacidade de Dados Duração de Áudio 8 cm ,6 MiB 21 minutos 650 MB ,4 MiB 74 minutos 700 MB ,1 MiB 80 minutos 800 MB ,1 MiB 90 minutos 900 MB ,1 MiB 99 minutos

11 Velocidade Por que devemos nos preocupar com a taxa de transferência de unidades ópticas? Fabricantes do CD-ROM divulgam a taxa de transferência padrão como sendo de 150 kb/s, porém algumas versões podem ser encontradas até 175 kb/s. O CD-ROM pode ser utilizado para o armazenamento de uma grande quantidade de dados; porem, a sua transferência para o micro é lenta demais. Isso prejudica seriamente aplicações multimídia, que não serão capazes de apresentar animações sem quebra de quadros, se lidas diretamente do CD.

12 Velocidade Muitas vezes, a solução encontrada era copiar os arquivos da aplicação do CD-ROM para o disco rígido, executando a aplicação a partir do disco rígido. É claro que, antigamente, tínhamos um grande problema: os discos rígidos eram de baixa capacidade. A melhor solução era aumentar a taxa de transferência da unidade de CD-ROM, permitindo que aplicações multimídia fossem executadas diretamente do CD sem quebra de quadros, sem a necessidade de cópia de arquivos para o disco rígido. O aumento da taxa de transferência foi executado basicamente aumentando-se a velocidade de rotação do CD dentro da unidade. Uma unidade 2x apresenta uma taxa de transferência equivalente ao dobro da usada na unidade padrão, ou seja, de 300 kb/s, da mesma maneira que uma unidade 8x apresenta uma taxa de transferência de 1200kB/s (8 x 150 kb/s) e assim sucessivamente.

13 Mídias CDs podem ser encontrados como três tipos básicos de mídia: Mídias comerciais: São mídias prateadas encontradas em CDs gravados industrialmente, como as encontradas em CDs comercializados por gravadoras de música. CD-R: São mídias vendidas virgens, podendo ser gravadas pelo usuário através de uma unidade óptica compatível; não podem ser apagadas e regravadas. CD-RW: São mídias vendidas virgens, podendo ser gravadas, apagadas e regravadas pelo usuário através de uma unidade óptica compatível.

14 Mídias Comerciais Os CDs comerciais são fabricados a partir de um derivado do petróleo chamado policarbonato. O policarbonato é derretido e injetado em uma forma, que contem o formato do CD a ser gravado, isto é, o formato dos sulcos e das áreas que deverão permanecer lisas. Após o policarbonato ter secado e ter ganho a forma dos sulcos e áreas lisas que a superfície do CD deve ter, o disco resultante formará o substrato plástico do CD. Uma camada reflexiva de alumínio é plicada sobre o substrato plástico. Essa camada serve para reforçar as áreas lisas e sulcos do substrato plástico. Essa cama reflexiva de alumínio é extremamente fina, com apenas alguns nanômetros de espessura. Por cima dessa camada de alumínio é aplicada uma camada de verniz transparente, de forma a proteger o alumínio. O laser consegue ultrapassar essa camada protetora sem o menor problema. Os CDs comerciais são prateados justamente por conta da camada de alumínio.

15 CD-R No disco CD-R, o substrato plástico já vem com a trilha em espiral formada. A gravação dos dados é feita derretendo-se pontos em uma camada de material orgânico. Na camada reflexiva dos CDs-R é tradicionalmente usado ouro (em vez do alumínio dos CDs comerciais), o ouro é mais maleável, o que permite o seu ajuste à camada de material orgânico.

16 CD-RW O CD-RW é regravável, graças ao uso de um material fotossensível que muda sua característica química (e, consequentemente, física) conforme a influencia da luz. Na gravação de dados, um feixe laser de alta intensidade altera a característica do material do ponto do CD-RW que está sendo iluminado. O ponto fica opaco ou cristalino conforme a incidência do laser. Como o material da superfície do CD-RW reflete a luz do feixe laser em uma intensidade diferente dos CDs convencionais e do CD-R, unidades de CD antigas não são capazes de ler discos CD-RW.

17 CD-RW Para que unidades ópticas consigam ler CDs-RW, elas necessitam de um circuito chamado AGC (Automatic Gain Control, Controle Automático de Ganho), que está disponível em todas as unidades ópticas atuais. Como o processo de gravação e apagamento do CD-RW se dá através de luz, você não deve deixar discos CD-RW expostos diretamente a fontes de luz, como, por exemplo, a luz do sol.

18 DVD O DVD (Digital Versatile Disc ou Digital Video Disc) é um disco óptico com o mesmo tamanho físico do CD, porém com capacidades de armazenamento bem maior. O DVD pode ser usado para filmes (DVD-Vídeo), áudio (DVD-Áudio) ou dados de computador (DVD- ROM). Assim como ocorreu com o CD, várias tecnologias foram criadas para permitir mídias graváveis (DVD-R e DVD+R) e regraváveis (DVD-RAM, DVD-RW e DVD+RW), como estudaremos. Unidades de DVD são capazes de ler CDs de áudio, CDs-ROM, CDs- R e CDs-RW. Gravadores de DVD são capazes de gravar mídias DVD e também CDs-R e CDs-RW. Unidades ópticas que são capazes de gravar CDs e ler DVDs (mas não gravar) são também chamadas unidades combo.

19 Funcionamento O princípio de funcionamento do DVD é o mesmo do CD, com a presença de sulcos e áreas lisas na superfície do disco. Como no CD, no DVD só há uma trilha em espiral, e esta é mais longa, por haver um espaço menor entre suas voltas. Outra maneira encontrada para obter uma maior capacidade de armazenamento é o uso de mais camadas e mais lados de gravação. O primeiro disco de DVD de 12 cm lançado, chamado DVD-5, utiliza a mesma tecnologia de gravação do CD, ou seja, um único lado e uma única camada. Para aumentar a capacidade, uma segunda camada de gravação foi adicionada ao DVD-9. Essa camada, de 3,8 GB, é intercalada com a primeira.

20 Funcionamento Para ler os dados contidos na segunda camada, o sistema de leitura controla o feixe laser com outro foco. Na reprodução de vídeos em DVD pode haver uma pequena pausa no momento em que a unidade troca uma camada para outra. Esta mesma técnica é usada em discos Blu-Ray com mais de uma camada. No caso do DVD-10 e DVD-18, ambos têm duas faces. O DVD-10 funciona como se fossem dois DVDs-5 colados um de costas para o outro, enquanto que o DVD-18 funciona como se fossem dois DVDs- 9 colados um de costas para o outro. O usuário tem de virar manualmente o DVD para que a outra face possa ser lida.

21 Capacidades Como são usados 24 bits para o armazenamento do número do setor, em teoria um DVD pode ter até 2 24 setores ou setores. Como cada setor armazena bytes, temos que a capacidade máxima teórica de um DVD é de bytes ou 32 GiB. No entanto, as mídias existentes possuem capacidade inferior, como na tabela abaixo.

22 Capacidades Padrão Diâmetro Capacidade Tempo de Vídeo Lados Camadas DVD-1 8 cm 1,46 GB (1,36 GiB) N/D 1 1 DVD-2 8 cm 2,66 GB (2,47 GiB) N/D 1 2 DVD-3 8 cm 2,92 GB (2,72 GiB) N/D 2 1 DVD-4 8 cm 5,32 GB (4,95 GiB) N/D 2 2 DVD-5 12 cm 4,7 GB (4,37 GiB) 133 minutos 1 1 DVD-6 12 cm 8,5 GB (7,95 GiB) 240 minutos 1 2 DVD-7 12 cm 9,4 GB (8,75 GiB) 266 minutos 2 1 DVD-8 12 cm 17,1 GB (15,90 GiB) 480 minutos 2 2

23 Velocidade A taxa de transferência padrão de uma unidade de DVD é de kb/s, equivalendo a uma unidade de CD-ROM 9x. portanto, unidades de DVD 2x atingem taxas de transferência de 2,7 MB/s e assim sucessivamente. A velocidade da unidade varia de acordo com a mídia usada e/ou com o tipo de operação (leitura ou escrita). Por exemplo, um gravador de DVD pode oferecer velocidade de 16x para leitura, mas 8x para gravação de DVD+RW e 6x para gravação de DVD-RW. É importante comprar mídias compatíveis com a velocidade máxima do gravador, ou do contrário você poderá encontrar problemas na gravação.

24 DVD-Vídeo Para a maioria das pessoas fora do mercado de informática, o principal uso para o DVD é assistir a filmes comerciais gravados nesta mídia.

25 DVD-Áudio O DVD oferece alta capacidade de armazenamento de áudio para usuários. Um DVD-5 é capaz de gravar mais de 55 horas de áudio (ou seja, minutos) com seis canais e qualidade de estúdio. No entanto, este formato não pegou, e poucos DVDs-Áudio foram lançados.

26 Mídias Há vários tipos de mídia usando o formato DVD, conforme listamos a seguir. Para ler ou gravar dados em qualquer uma dessas mídias, a sua unidade óptica deverá ser compatível com a mídia pretendida. É importante lembrar que aparelhos de DVD de mesa nem sempre são capazes de ler DVDs de dados. DVD-ROM: Qualquer mídia de DVD gravada comercialmente ou qualquer mídia em operação de leitura é considerada um DVD- ROM. Assim, a velocidade descrita para DVD-ROM na página de especificações técnicas da unidade óptica refere-se à velocidade de leitura de mídias DVD.

27 Mídias DVD-RAM: A primeira tecnologia de regravação de DVDs. O DVD-RAM era na realidade um disco optomagnético e, com isso, incompatível com unidades de DVD, na época. Esta tecnologia encontra-se atualmente obsoleta. DVD-R: Inicialmente lançado com capacidade de 3,95 GB, foi posteriormente redesenhado para suportar as capacidades que vimos anteriormente. Atualmente as mídias mais comuns são as de uma camada (DVD-5) e de duas camadas (DVD-8). DVD-RW: Similar ao DVD-R, porem permite a regravação de dados, usando a mesma tecnologia do CD-RW.

28 Mídias DVD+R: Padrão concorrente do DVD-R, usando um sistema diferente de orientação para a cabeça. Unidades de DVD mais antigas não conseguem ler este formato. DVD+RW: Padrão concorrente do DVD-RW, usando um sistema diferente de orientação para a cabeça. Unidades de DVD mais antigas não conseguem ler este formato.

29 Diferenças entre DVD-R/DVD-RW e DVD+R/DVD+RW Os formatos DVD-R e DVD-RW (chamados menos ) foram criados pelo consórcio que inventou o DVD e, por isso, são compatíveis com todas as unidades de DVD. Já os formatos DVD+R e DVD+RW (chamados mais ) foram criados por outro grupo de empresas, e unidades de DVD mais antigas não reconhecem mídias mais (algumas unidades passam a reconhecer mídias mais após um upgrade de firmware).

30 Diferenças entre DVD-R/DVD-RW e DVD+R/DVD+RW A maior diferença está no fato de que a gravação de mídias mais pode ser para e continuada posteriormente, sem a necessidade de se fechar a mídia. Na continuação da gravação, não é necessário gravar um Lead Out e depois um Lead In, fazendo com que não haja perda de espaço no disco. Com isso, na gravação de vídeos, não haverá pausas quando a mídia chegar a um ponto onde a gravação foi parada e depois continuada. Por causa dessa característica, as mídias mais são mais apropriadas para uso na gravação de vídeo. Por conta dessa diferença, as mídias mais são consideradas superiores às mídias menos.

31 Blu-Ray Houve uma intensa batalha mercadológica para definir qual seria o formato sucessor do DVD, se o HD-DVD ou o Blu-Ray, com o Blu- Ray ganhando a batalha. Este tipo de disco, também chamado BD, traz uma capacidade de armazenamento superior à do DVD, permitindo a gravação de filmes em alta definição (resolução 1920 x 1080 com varredura progressiva, padrão chamado 1080p). Ele também pode ser usado para a gravação de dados de computador. Alguns consoles de videogame também usam esta tecnologia para o armazenamento de jogos.

32 Tamanho Físico Assim como ocorre com CDs e DVDs, existem discos Blu-Ray com 8 cm e com 12 cm de diâmetro.

33 Funcionamento O principio de funcionamento do Blu-Ray é o mesmo dos CDs e DVDs, com um feixe laser fazendo a leitura de dados, codificados através de áreas lisas e sulcos gravados na superfície do disco.

34 Velocidade A taxa de transferência padrão do Blu-Ray é de 4,5 MB/s, equivalendo a uma unidade de DVD de 3,3x e a uma unidade de CD de 30x. Assim, uma unidade Blu-Ray que consegue ler discos BD-ROM a 4x tem uma taxa de transferência de 18 MB/s. Você deverá compra mídias compatíveis com a velocidade de gravação da unidade, do contrário encontrará problemas na hora de gravar discos.

35 Capacidade Atualmente discos Blu-Ray estão disponíveis com as capacidades listadas na tabela abaixo. Padrão Diâmetro Capacidade Lados Camadas Mini Blu-Ray SL 8 cm 7,79 GB (7,26 GiB) 1 1 Mini Blu-Ray DL 8 cm 15,58 GB (14,51 GiB) 1 2 BD SL 12 cm 25,02 GB (23,31 GiB) 1 1 BD DL 12 cm 50,05 GB (46,61 GiB) 1 2 BDXL 100GB 12 cm 100,10 GB (93,23 GiB) 1 3 BDXL 128 GB 12 cm 128,00 GB (119,21 GiB) 1 4

36 Mídias As mídias Blu-Ray estão disponíveis em três tipos: BD-ROM: Mídias que vêm gravadas de fábrica, como software e filmes. BD-R: Mídias que vêm virgens e podem ser gravadas pelo usuário, mas que não podem ser apagadas e regravadas. BD-RE: Mídias que vêm virgens e podem ser gravadas, apagadas e regravadas pelo usuário, sendo o equivalente às mídias CD-RW, DVD-RW e DVD+RW.

37 Interface de Comunicação As interfaces de comunicação que já existiram para a conexão de unidades ópticas ao computador incluem: SCSI PATA SATA Porta Paralela Porta USB

38 Características Técnicas A seguir listamos as principais características técnicas que você deve saber ao comparar unidades ópticas e/ou decidir qual unidade óptica comprar.

39 Tamanho Físico Unidades ópticas internas para computadores de mesa são disponíveis no formato de 5,25 polegadas. Unidades ópticas originalmente desenvolvidas para computadores portáteis, chamadas slim, são mais finas, e alguns gabinetes compactos só aceitam a instalação deste tipo de unidade.

40 Mídias Suportadas Você deve selecionar uma unidade de acordo com as mídias que você pretende ler e gravar.

41 Velocidade Unidades são vendidas de acordo com as velocidades de leitura e gravação suportadas e é muito comum hoje em dia haver uma velocidade diferente para cada tipo de mídia.

42 Interface Atualmente, a interface mais comum para unidades ópticas é a SATA. Também encontramos adaptadores do tipo USB.

43 Descobrindo Marca e Modelo Muitas vezes você precisará saber a marca e o modelo de uma unidade óptica, por exemplo, para verificar quais são os tipos de mídia e recursos suportados. Uma das maneiras de se descobrir o fabricante de uma unidade óptica é através de seu código FCC. Esse código vem estampado em uma etiqueta colada sobre a unidade e começa por FCC ID. De posse do número FCC da unidade, vá até a página e entre esse número. O sistema retornará o fabricante da unidade. Note que essa dica funciona para descobrir o fabricante de qualquer tipo de componente que tenha um código do tipo FCC ID.

44 Memórias USB (Pen Drives) As memórias USB, mais conhecidas no Brasil como pen drives, são dispositivos de armazenamento baseados em memória flash, conectados ao computador através de uma porta USB. Elas são removíveis, significando que você pode facilmente transportá-las de um local para outro. Como são mais compactas e mais rápidas que outras mídias de armazenamento removível, atualmente as memórias USB são o tipo mais comum de unidade de armazenamento removível. Essas unidades estão disponíveis nos mais diferentes formatos físicos e com as mais diferentes capacidades.

45 Memórias USB (Pen Drives) Ao serem instaladas no computador, elas são reconhecidas como uma unidade tal como um disco rígido, um SSD ou uma unidade óptica, onde você pode ler e gravar arquivos. Internamente, memórias USB são formadas de basicamente dois componentes: um chip controlador e um ou mais chips de memória flash NAND. Pen drives funcionam tal qual SSDs, apresentando o mesmo problema de vida útil. Tudo o que falamos sobre SSDs também é válido para memórias USB. Você pode inclusive considerar memórias USB como se fossem SSDs de bolso.

46 Memórias USB (Pen Drives) O desempenho de memórias USB varia enormemente, e depende dos chips e da versão do barramento USB usados. É sempre importante lembrar que a largura de banda do barramento USB normalmente não é atingida, especialmente com dispositivos mais baratos. Por exemplo, só porque um pen drive é USB 3.0 isso não significa que ele atingirá a largura de banda máxima deste barramento (5 Gbps ou 500 MB/s). Alguns pen drives mais sofisticados usam um chip controlador com capacidade de criptografia, criptografando os dados gravados dentro da memória e, dessa forma, impedindo que pessoas que desconheçam a senha usada para criptografar os dados tenham acesso aos mesmos.

47

48 Memórias USB (Pen Drives) Há também memórias USB ainda mais sofisticadas que trazem um leitor de impressões digitais incorporado, permitindo que apenas o dono da memória possa ter acesso ao conteúdo da mesma. É importante notar que há memórias USB mais baratas que prometem proteger o acesso à memória com o uso de uma senha ou com o uso de um leitor de impressões digitais, mas não criptografam os dados. Com isso, qualquer usuário com um pouco mais de conhecimento técnico pode facilmente burlar o pedido de senha e ter acesso aos dados. Este tipo de solução, portanto, não é confiável.

49 Curiosidades

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

Aula 06. Discos e Drives

Aula 06. Discos e Drives Aula 06 Discos e Drives Disquetes São discos magnéticos usados para armazenar dados dos computadores. Podem armazenar textos, imagens, programas, etc. São vendidos normalmente em caixas com 10 unidades.

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS 2 Dispositivos de Armazenamento HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS Armazenam dados quando o computador está desligado Dois processos Escrita de dados Leitura de dados Introdução à Microinformática Prof.

Leia mais

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO Benefícios do Armazenamento Secundário: Espaço: grande quantidade de espaço disponível; Confiabilidade: altamente confiável; Conveniência: usuários autorizados

Leia mais

Cristiano Sebolão Nº 26748. Pedro Arcão Nº 22408. João Marques Nº 27228

Cristiano Sebolão Nº 26748. Pedro Arcão Nº 22408. João Marques Nº 27228 Cristiano Sebolão Nº 26748 Pedro Arcão Nº 22408 João Marques Nº 27228 Para que os dados não se percam, precisam de ser gravados num dispositivo de armazenamento como disquetes, disco rígidos, discos ópticos

Leia mais

O DVD. Tecnologia Digital Versatitle Disc. O aparecimento do DVD O DVD O DVD

O DVD. Tecnologia Digital Versatitle Disc. O aparecimento do DVD O DVD O DVD O DVD Tecnologia Digital Versatitle Disc O DVD O DVD designado por Digital Video Disc, actualmente conhecido por Digital Versatitle Disc. Tal como o CD o DVD é uma tecnologia que possui várias utilizações,

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05 Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 Armazenamento Secundário BENEFÍCIOS

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 07: Memória Secundária MEMÓRIA SECUNDÁRIA Discos magnéticos: Organização do disco magnético em faces, trilhas e setores; Tipos de discos magnéticos Discos óticos: CD/DVD/BluRay

Leia mais

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-Rom Até pouco tempo atrás, as opções mais viáveis para escutar música eram os discos de vinil e as fitas cassete. Porém, a Philips, em associação com outras empresas, desenvolveu

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin Discos magnéticos: Flexíveis (em desuso) e Rígidos Discos óticos: CD (Compact Disk): CD ROM; CD -/+ R; CD -/+ RW DVD(Digital Versatile Disk): DVD ROM; DVD -/+ R; DVD -/+ RW Discos

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS HARDWARE Professor Mauricio Franceschini Duarte profmaudua@gmail.com HARDWARE VÁRIOS TIPOS DE EQUIPAMENTOS GRANDE PORTE MAINFRAME COMPUTADOR PESSOAL - PC DESKTOPS COMPUTADOR

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR DISCO MAGNÉTICO O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou de plástico,

Leia mais

Hardware. Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial

Hardware. Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial Hardware Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial Conteúdo Definição do hardware; Tipo e tamanho dos computadores; Família dos computadores; Elementos do hardware; Portas de comunicação.

Leia mais

Estrutura e funcionamento de um sistema informático

Estrutura e funcionamento de um sistema informático Estrutura e funcionamento de um sistema informático 2006/2007 Sumário de trabalho. Memórias principais e memórias secundárias. Ficha 2 Revisão da aula anterior 3 Memórias informáticas Memórias principais,

Leia mais

Blu-Ray. Introdução. O que é Blu-ray? Marco Mapa www.marcomapa.xpg.com.br

Blu-Ray. Introdução. O que é Blu-ray? Marco Mapa www.marcomapa.xpg.com.br Blu-Ray Introdução O Blu-ray é o padrão de disco óptico que veio com a proposta de substituir o DVD, tanto em reprodutores de vídeo quanto em computadores. As medidas de um disco Blu-ray (ou BD, de Blu-ray

Leia mais

DISCOS RÍGIDOS. O interior de um disco rígido

DISCOS RÍGIDOS. O interior de um disco rígido Serve para guardarmos os ficheiros de forma aleatória e de grande tamanho São constituídos por discos magnéticos (pratos) de lâminas metálicas extremamente rígidas (daí o nome de disco rígido). Esses discos

Leia mais

RAID RAID RAID. Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum

RAID RAID RAID. Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum RAID O DESEMPENHO DA CPU TEM DUPLICADO A CADA 18 MESES. NA DÉCADA DE 1970, O TEMPO DE SEEK VARIAVA DE 50 A 100 ms, NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ESSE TEMPO ATINGE UM POUCO MENOS DE 10 ms => A DIFERENÇA

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Memória Externa Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Tipos de Memória Externa Disco Magnético

Leia mais

INFORmação. O que é um Computador?

INFORmação. O que é um Computador? Professor: M. Sc. Luiz Alberto Filho Conceitos básicos Evolução histórica Hardware Sistemas de numeração Periféricos Software Unidades Básicas de Medidas 2 Facilidade de armazenamento e recuperação da

Leia mais

AULA 2. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email:

AULA 2. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email: AULA 2 Disciplina: Informática Básica Professor: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Índice Continuação aula anterior... Memória Barramento Unidades de armazenamento Periféricos Interfaces

Leia mais

Seu manual do usuário COMPAQ BD 340I http://pt.yourpdfguides.com/dref/3594988

Seu manual do usuário COMPAQ BD 340I http://pt.yourpdfguides.com/dref/3594988 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Arquitectura dos processadores

Arquitectura dos processadores Arquitectura dos processadores Outra arquitectura foi desenvolvida pela Motorola para os Apple Macintosh.(incompativel com o PC - IBM). Passaram a existir duas arquitecturas de processadores: CISC (Complex

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Unidade 8 - Periféricos de armazenamento Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO... 3 DISCO RÍGIDO (HD)... 3 TECNOLOGIAS DE TRANSFERÊNCIA... 3 IDE/ATA/PATA...

Leia mais

DRAM. DRAM (Dynamic RAM) É a tecnologia usada na fabricação das memória de 30, 72 e 168 pinos. Divide-se em:

DRAM. DRAM (Dynamic RAM) É a tecnologia usada na fabricação das memória de 30, 72 e 168 pinos. Divide-se em: DRAM DRAM (Dynamic RAM) É a tecnologia usada na fabricação das memória de 30, 72 e 168 pinos. Divide-se em: FPM RAM (Fast Page Mode) EDO RAM (Extended Data Output RAM) BEDO RAM (Burst Extended Data Output

Leia mais

Prof. Orlando Rocha. Qual o nosso contexto atual?

Prof. Orlando Rocha. Qual o nosso contexto atual? 1 Qual o nosso contexto atual? Atualmente, vivemos em uma sociedade que é movida pela moeda informação! No nosso dia-a-dia, somos bombardeados por inúmeras palavras que na maioria das vezes é do idioma

Leia mais

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Elementos que constituem o Computador O funcionamento do computador é possível devido aos vários elementos interligados que o constituem:

Leia mais

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado Memória Armazenamento Sistema de Arquivos 1 Hierarquia de Memórias 2 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache

Leia mais

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Informática Básica Conceitos Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Conceitos INFOR MÁTICA Informática INFOR MAÇÃO AUTO MÁTICA Processo de tratamento da informação

Leia mais

Memória principal; Unidade de Controle U C P. Unidade Lógica e Aritmética

Memória principal; Unidade de Controle U C P. Unidade Lógica e Aritmética Tecnologia da Administração Computador: origem, funcionamento e componentes básicos Parte II Sumário Introdução Origem Funcionamento Componentes Básicos Referências Sistema Binário O computador identifica

Leia mais

INSTITUTO MARTIN LUTHER KING CURSO PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: HARDWARE

INSTITUTO MARTIN LUTHER KING CURSO PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: HARDWARE Memória ROM Vamos iniciar com a memória ROM que significa Read Only Memory, ou seja, uma memória somente para leitura. Isso quer dizer que as instruções que esta memória contém só podem ser lidas e executadas,

Leia mais

DISPOSITIVOS DE BLOCO. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

DISPOSITIVOS DE BLOCO. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves DISPOSITIVOS DE BLOCO Professor: João Paulo de Brito Gonçalves INTRODUÇÃO Periférico Dispositivo conectado a um computador de forma a possibilitar sua interação com o mundo externo. Conectados ao computador

Leia mais

Informática. Tipos de Computadores CONHECENDO O COMPUTADOR E SEUS PERIFÉRICOS

Informática. Tipos de Computadores CONHECENDO O COMPUTADOR E SEUS PERIFÉRICOS CONHECENDO O COMPUTADOR E SEUS PERIFÉRICOS A Informática não é um bicho de sete cabeças. Ou é até que conheçamos e desvendemos este bicho. Tudo o que é desconhecido para nós sempre nos parece algo difícil

Leia mais

Introdução. à Informática. Wilson A. Cangussu Junior. Escola Técnica Centro Paula Souza Professor:

Introdução. à Informática. Wilson A. Cangussu Junior. Escola Técnica Centro Paula Souza Professor: Introdução à Informática Escola Técnica Centro Paula Souza Professor: Wilson A. Cangussu Junior Vantagens do computador Facilidade de armazenamento e recuperação da informação; Racionalização da rotina,

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Site : Sniperpspg1.besaba.com. Email : profdjair@sniperpspg1.besaba.com

Site : Sniperpspg1.besaba.com. Email : profdjair@sniperpspg1.besaba.com Site : Sniperpspg1.besaba.com Email : profdjair@sniperpspg1.besaba.com Introdução ao PC ( Personal Computer ) Entre as décadas de 1950 e 1970, nós primórdios da disseminação da informática, vários fabricantes

Leia mais

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA GRUPO DE PESQUISA LEITURA NA TELA Núcleo de Educação a Distância UniEvangélica 2 ÍNDICE 1 Introdução à Informática... 3 1. O Computador... 3 Teclado... 3 Mouse... 5 Monitor...

Leia mais

DIGITAL VERSATILE DISC DVD

DIGITAL VERSATILE DISC DVD Digital Versatile Disc DVD Especificações Técnicas Para O DVD Introdução Dentro deste documento, você encontrará toda a informação necessária para criar e produzir seu DVD. Rogamos-lhe relacionar-se com

Leia mais

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR 19 Aula 4 Flip-Flop Flip-flops são circuitos que possuem a característica de manter os bits de saída independente de energia, podem ser considerados os princípios das memórias. Um dos circuitos sequenciais

Leia mais

Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina Operação de Sistemas Aplicativos I

Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina Operação de Sistemas Aplicativos I CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA Escola Técnica Estadual de Avaré ETE-AVARÉ CURSO DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA NÚCLEO DE APOIO Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina

Leia mais

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)?

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)? Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Aplicadas e Educação Departamento de Ciências Exatas Motivação ACII: Armazenamento Secundário Prof. Rafael Marrocos Magalhães professor@rafaelmm.com.br

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento

Dispositivos de Armazenamento Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Dispositivos de Armazenamento A memória do computador

Leia mais

Como fazer Backup. Previna-se contra acidentes no disco rígido

Como fazer Backup. Previna-se contra acidentes no disco rígido Como fazer Backup Previna-se contra acidentes no disco rígido Vocês já imaginaram se, de uma hora para outra, todo o conteúdo do disco rígido desaparecer? Parece pesadelo? Pois isso não é uma coisa tão

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Externa Slide 1 Sumário Disco Magnético RAID Memória Óptica Slide 2 Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou

Leia mais

Memória ROM. Organização Funcional de um. Computador. ROM (Read-Only Memory) Memória Somente Leitura.

Memória ROM. Organização Funcional de um. Computador. ROM (Read-Only Memory) Memória Somente Leitura. Prof. Luiz Antonio do Nascimento Faculdade Nossa Cidade Organização Funcional de um Computador Unidade que realiza as operações lógicas e aritméticas Comanda as outras operações Sistema Central CPU ULA

Leia mais

Patrícia Noll de Mattos. Introdução à Informática

Patrícia Noll de Mattos. Introdução à Informática Patrícia Noll de Mattos Introdução à Informática 2010 2007 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor dos direitos

Leia mais

HD, SSD ou disco híbrido, qual o melhor para sua empresa?

HD, SSD ou disco híbrido, qual o melhor para sua empresa? HD, SSD ou disco híbrido, qual o melhor para sua empresa? No passado, escolher a melhor opção em armazenamento para o seu PC era tão simples quanto encontrar o maior HD que coubesse em seu orçamento. Infelizmente

Leia mais

CONCEITOS ESSENCIAIS E SISTEMAS OPERATIVOS EM AMBIENTE GRÁFICO. Informação Automática. Informática

CONCEITOS ESSENCIAIS E SISTEMAS OPERATIVOS EM AMBIENTE GRÁFICO. Informação Automática. Informática CONCEITOS ESSENCIAIS E SISTEMAS OPERATIVOS EM AMBIENTE GRÁFICO Sandra Silva 2008 Unicenter. Todos os direitos reservados O que é Informática A palavra informática surgiu: Informação Automática Informática

Leia mais

Prof. Maurício Bueno. Também chamada de secundária, externa ou de massa; Não volátil; Armazena dados para utilização posterior.

Prof. Maurício Bueno. Também chamada de secundária, externa ou de massa; Não volátil; Armazena dados para utilização posterior. CPU Memória Principal Barramento (Bus) Memória Auxiliar Disp. E/S MEM AUXILIAR Também chamada de secundária, externa ou de massa; Não volátil; Armazena dados para utilização posterior. Tecnologia Magnética:

Leia mais

Memórias Secundárias. Prof. Rafael Sandim

Memórias Secundárias. Prof. Rafael Sandim Memórias Secundárias Prof. Rafael Sandim Disquete Disco Rígido HD Fitas para Backup CD DVD Blue-ray Pen Drives Cartões de Memória Disco de Estado Sólido - SSD Descrevendo as Memórias Descrevendo as Memórias

Leia mais

Sigla Nome Tecnologia. vez. Programable Read Only Memory (memória programável somente de leitura)

Sigla Nome Tecnologia. vez. Programable Read Only Memory (memória programável somente de leitura) 1. Introdução As memórias são as responsáveis pelo armazenamento de dados e instruções em forma de sinais digitais em computadores. Para que o processador possa executar suas tarefas, ele busca na memória

Leia mais

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo Se ouço o esqueço, se vejo recordo, se faço o aprendo Meios de Armazenamento Secundário Principais Dispositivos de Entrada Principais Dispositivos de Saída Outros Dispositivos de Entrada/Saída Meios de

Leia mais

DESCREVENDO SISTEMAS DE UM COMPUTADOR

DESCREVENDO SISTEMAS DE UM COMPUTADOR DESCREVENDO SISTEMAS DE UM COMPUTADOR Componentes de Hardware, Software e Sistemas Operacionais Curso Superior de Redes de Computadores André Moraes SISTEMAS DE COMPUTADOR Um sistema de computador consiste

Leia mais

Manual do Nero Express

Manual do Nero Express Manual do Nero Express Nero AG Informações sobre direitos autorais e marcas registradas O manual do Nero Express e todo o seu conteúdo é protegido por leis de direitos autorais e são de propriedade da

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

HIERARQUIA DE MEMÓRIAS

HIERARQUIA DE MEMÓRIAS MEMÓRIA SECUNDARIA HIERARQUIA DE MEMÓRIAS Memórias Memória Secundaria Memória Terciária Sigla NOME TECNOLOGIA ROM Read Only Memory (memória somente de leitura) Gravada na fábrica uma única vez PROM EPROM

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Componentes Sistema Informação Hardware - Computadores - Periféricos Software - Sistemas Operacionais - Aplicativos - Suítes Peopleware - Analistas - Programadores - Digitadores

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Arquitetura e Organização de Computadores Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2008 Tópicos Processadores Memória Principal Memória

Leia mais

Estrutura geral de um computador

Estrutura geral de um computador Estrutura geral de um computador Prof. Helio H. L. C. Monte-Alto Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu

Leia mais

RIPANDO, CONVERTENDO e GRAVANDO arquivos de DVD usando o DVD DECRYPTER e o NERO 7 ULTRA EDITION

RIPANDO, CONVERTENDO e GRAVANDO arquivos de DVD usando o DVD DECRYPTER e o NERO 7 ULTRA EDITION RIPANDO, CONVERTENDO e GRAVANDO arquivos de DVD usando o DVD DECRYPTER e o NERO 7 ULTRA EDITION Ripando um DVD a partir do DVD Decrypter, convertendo DVD-9 [8.5GB] para DVD-5 [4.7GB] para gravação em mídia

Leia mais

Estrutura Geral de um Sistema Informático

Estrutura Geral de um Sistema Informático Estrutura Geral de um Sistema Informático 3 Estrutura Geral de um Sistema Informático 4 Estrutura Geral de um Sistema Informático Dispositivos de Entrada (input) Unidade Central de Processamento (CPU)

Leia mais

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br Computação I Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br MÓDULO I- Introdução à Informática Hardware Hardware? HARDWARE é a parte física do computador. É o conjunto de componentes mecânicos, elétricos

Leia mais

481040 - Programador/a de Informática

481040 - Programador/a de Informática 481040 - Programador/a de Informática UFCD - 0801 ADMINISTRAÇÃO DE REDES LOCAIS Sessão 1 SUMÁRIO Conceito de backups; Backups completos; Backups Incrementais; Backups Diferenciais; Dispositivos de Backups

Leia mais

AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação)

AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação) AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação) Digitalização. Arquitectura básica do hardware. Input, processamento,

Leia mais

APOSTILA DE INFORMÁTICA - INTRODUÇÃO

APOSTILA DE INFORMÁTICA - INTRODUÇÃO APOSTILA DE INFORMÁTICA - INTRODUÇÃO Profa Responsável Fabiana P. Masson Caravieri SUMÁRIO 1. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA... 3 2. PRINCIPAIS COMPONENTES FÍSICOS DO COMPUTADOR... 3 2.1 PERIFÉRICOS...

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento Magnéticos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Dispositivos de Armazenamento Magnéticos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Dispositivos de Armazenamento Magnéticos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Dispositivos de Armazenamento Magnéticos Dispositivo magnético ou na situação a ser estudada, dispositivo de armazenamento magnético,

Leia mais

Hit dos Bits. Série Matemática na Escola

Hit dos Bits. Série Matemática na Escola Hit dos Bits Série Matemática na Escola Objetivos 1. Apresentar o sistema de numeração binário; 2. Mostrar aplicações de sistemas de numeração diferentes do decimal; Hit dos Bits Série Matemática na Escola

Leia mais

Arquitetura e organização de computadores

Arquitetura e organização de computadores Arquitetura e organização de computadores 3º. Sem. Sistemas de informação Prof. Emiliano S. Monteiro Barramentos BUS Modelo de barramento CPU(ALU, UC, Registradores) Memória Entrada e saída (I/O) Barramento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FONTES PEREIRA DE MELO Aplicações Informáticas B. 2006/2007 Grupo II

ESCOLA SECUNDÁRIA FONTES PEREIRA DE MELO Aplicações Informáticas B. 2006/2007 Grupo II ESCOLA SECUNDÁRIA FONTES PEREIRA DE MELO Aplicações Informáticas B 2006/2007 Grupo II 1. Defina o conceito de multimédia. 2. No quadro1, estabeleça a ligação entre os tipos de media e a sua classificação,

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº UNIDADE 1I: SISTEMA COMPITACIONAL Elementos hardware e periféricos Um sistema computacional consiste num conjunto de dispositivos eletrônicos (hardware) capazes de processar informações de acordo com um

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento.

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento. Conceitos básicos b sobre Hardware O primeiro componente de um sistema de computação é o HARDWARE(Ferragem), que corresponde à parte material, aos componentes físicos do sistema; é o computador propriamente

Leia mais

Backup e Recuperação Guia do Usuário

Backup e Recuperação Guia do Usuário Backup e Recuperação Guia do Usuário Copyright 2007-2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. As informações contidas neste

Leia mais

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Introdução à Computação: Armazenamento Secundário Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Objetivos Relacionar os benefícios do armazenamento secundário. Identificar e descrever as mídias de

Leia mais

Capítulo 38 DVD. Informática e cinema

Capítulo 38 DVD. Informática e cinema Capítulo 38 DVD Informática e cinema Enquanto os populares CDs faziam sucesso no armazenamento de dados (CD-ROM) e áudio (CD-Audio), grandes empresas da indústria cinematográfica e de computação juntaram

Leia mais

CD e DVD. 5.3 - Armazenamento Ótico. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva

CD e DVD. 5.3 - Armazenamento Ótico. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva CEFET-RS Curso de Eletrônica 5.3 - Armazenamento Ótico CD e DVD Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 05.3.1 Laserdisk Criação: 1958 (modo transparente)

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

BITS E BYTES COMO O COMPUTADOR ENTENDE AS COISAS

BITS E BYTES COMO O COMPUTADOR ENTENDE AS COISAS BITS E BYTES COMO O COMPUTADOR ENTENDE AS COISAS Toda informação inserida no computador passa pelo Microprocessador e é jogada na memória RAM para ser utilizada enquanto seu micro trabalha. Essa informação

Leia mais

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Informática Aulas: 01 e 02/12 Prof. Márcio Hollweg UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

SISTEMAS INFORMÁTICOS

SISTEMAS INFORMÁTICOS SISTEMAS INFORMÁTICOS Nesta apresentação, aprenderá a distinguir Hardware de software, identificar os principais componentes físicos de um computador e as suas funções. Hardware e Software Estrutura de

Leia mais

CAPÍTULO 4 Interface USB

CAPÍTULO 4 Interface USB Interfaces e Periféricos 29 CAPÍTULO 4 Interface USB Introdução Todo computador comprado atualmente possui uma ou mais portas (conectores) USB. Estas portas USB permitem que se conecte desde mouses até

Leia mais

À INFORMÁTICA... AD2 2 2010. GABARITO

À INFORMÁTICA... AD2 2 2010. GABARITO Fundação CECIERJ - Vice Presidência de Educação Superior a Distância Curso de Tecnologia em Sistemas de Computação UFF Disciplina INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA... AD2 2 semestre de 2010. GABARITO 1. A figura

Leia mais

CURSO DE HARDWARE NÍVEL I

CURSO DE HARDWARE NÍVEL I CURSO DE HARDWARE NÍVEL I Introdução Até a década de 40, possuir um automóvel era motivo de orgulho, preocupação e mais tarde passou a ser um luxo de classe média. Mas com o advento dos carros populares,

Leia mais

Instituto Politécnico do Porto. Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Informática. Tecnologia Informática. Capítulo 6.

Instituto Politécnico do Porto. Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Informática. Tecnologia Informática. Capítulo 6. Instituto Politécnico do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Informática Tecnologia Informática Capítulo 6.5 Unidades de armazenamento amovíveis 6.5.1 Disquete 3

Leia mais

Chama-se sistema informatizado a integração que

Chama-se sistema informatizado a integração que Sistema Informatizado Hardware Sistema Informatizado Chama-se sistema informatizado a integração que acontece de três componentes básicos: a) Os computadores = hardware b) Os programas = software c) Os

Leia mais

Memórias do Computador

Memórias do Computador Organização e Arquitetura de Computadores Memórias do Computador Principal, Cache e Externa Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Baseado no material

Leia mais

Manual do Nero Vision

Manual do Nero Vision Manual do Nero Vision Nero AG Informações sobre direitos autorais e marcas registradas O manual do Nero Vision e todo o seu conteúdo é protegido por leis de direitos autorais e são de propriedade da Nero

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária

Leia mais

CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory.

CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory. CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory. O CD-ROM é um pequeno disco plástico (policarbonato) com 1,2 mm de espessura, semelhantes aos CD s de música, e da mesma forma que estes, pode armazenar vastas quantidades

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação

Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação INFORMÁTICA -É Ciência que estuda o tratamento automático da informação. COMPUTADOR Equipamento Eletrônico capaz de ordenar, calcular, testar, pesquisar e

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 6 Memória externa slide 1 Tipos de memória externa Disco magnético: RAID. Removível. Óptica: CD-ROM. CD-Recordable (CD-R).

Leia mais

Disciplina: Aplicações Informáticas B Ano Letivo: 2011/2012

Disciplina: Aplicações Informáticas B Ano Letivo: 2011/2012 Disciplina: Aplicações Informáticas B Ano Letivo: 2011/2012 Professora: Angélica Vieira Realizado por: Miguel Sandim nº21 e Susana Ribeiro nº24 12ºF Índice Introdução... 3 Resumo... 4 Conceito Multimédia...

Leia mais

Apresentação. Conceitos Iniciais. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação & Introdução.

Apresentação. Conceitos Iniciais. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação & Introdução. Apresentação www.profricardobeck.com.br contato@profricardobeck.com.br Apresentação & Introdução Condicionamento Material Didático Site / E-mail Testes? Edital Conceitos Iniciais 1 Mensurando Dados Sistemas

Leia mais

Cópia de Segurança e Recuperação Manual do utilizador

Cópia de Segurança e Recuperação Manual do utilizador Cópia de Segurança e Recuperação Manual do utilizador Copyright 2008 Hewlett-Packard Development Company, L.P. O Windows e o Windows Vista são marcas comerciais ou marcas registadas da Microsoft Corporation,

Leia mais

Apresentação. Conceitos Iniciais. Apresentação & Introdução. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br.

Apresentação. Conceitos Iniciais. Apresentação & Introdução. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação Apresentação & Introdução Condicionamento www.profricardobeck.com.br contato@profricardobeck.com.br Material Didático Site / E-mail Testes? Edital Mensurando Dados Sistemas de numeração Conceitos

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Hardware X Software Memória do Computador Hardware X Software Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada

Leia mais

1.1 Processador Pentium 4 da Intel. Atualmente existem dois grandes fabricantes de processadores (CPU) no mundo, são eles:

1.1 Processador Pentium 4 da Intel. Atualmente existem dois grandes fabricantes de processadores (CPU) no mundo, são eles: CONCEITOS DE HARDWARE CONCEITOS INICIAIS O QUE É INFORMÁTICA? É a ciência que estuda a informação, buscando formas de agilizar o processo de transformação de dados em informações. Além disso, a informática

Leia mais

19/09/2009 TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO. ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral ARMAZENAMENTO MAGNÉTICO

19/09/2009 TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO. ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral ARMAZENAMENTO MAGNÉTICO TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO Duas tecnologias principais: Armazenamento magnético Disquetes Discos Rígidos Fitas Magnéticas ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral Armazenamento óptico

Leia mais