DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO AULA 11 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO AULA 11 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade"

Transcrição

1 DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO AULA 11 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização de Computadores Linda Null e Julia Labur. INTRODUÇÃO Um dispositivo de armazenamento possui a capacidade de gravar/armazenar informações que podem ser recuperadas posteriormente. Dispositivos que apenas armazenam dados são denominados mídias de armazenamento, dispositivos que processam informações podem tanto acessar uma mídia de gravação portátil, como também podem ter um componente permanente que armazena e obtém dados. TECNOLOGIA DE DISCOS MAGNÉTICOS No período anterior a invenção da tecnologia de unidades de disco, meios sequenciais como cartões perfurados ou fita de papel eram os únicos tipos de armazenamentos durável disponíveis. Se houvesse a necessidade de ler um que estava gravado no final de um rolo de fita, todo o volume dessa precisaria ser lido, um registro de cada vez. Leitoras lentas e pequenos sistemas de memória tornavam esse processo extramente demorado. Além disso, fitas e cartões não eram apenas lentos, mas também possuíam uma pequena vida útil, se degradando muito rapidamente. Fitas de papel muitas vezes se esticavam, rompendo-se, e as fitas magnéticas estavam sujeitas a um manejo inadequado por parte dos operados. Na década de 50, mais especificamente em 1956, a IBM mudou o mundo da computação, quando anunciou o primeiro computador comercial baseado em disco, denominado RAMAC Método de Acesso Aleatório de Cálculo e Controle. Pelos padrões de hoje, o disco desta máquina pioneira seria incompreensivelmente grande (24 polegadas 60 cm) e lento (1 segundo tempo de acesso). Em contraste, no início de 2000, a IBM iniciou a comercialização de uma unidade de disco de alta capacidade para uso em computadores portáteis e câmeras digitais. Estes discos tinham uma polegada (2,5 cm) de diâmetro, capacidade de 1 gigabyte (GB) e seu tempo de acesso médio era de 15 milissegundos. Unidade de disco são chamadas de dispositivos de acesso randômico (algumas vezes direto) porque cada unidade de armazenamento, o setor, possui um endereço único que pode ser acessado independentemente dos setores ao seu redor. Os setores são divisões de círculos denominados trilhas. Na maioria dos sistemas, cada trilha contém exatamente o mesmo número de setores. Cada setor contém o mesmo número de bytes. Alguns fabricantes colocam mais bytes em seus discos utilizando todos os setores aproximadamente do mesmo tamanho, colocando mais setores nas

2 trilhas externas do que nas internas. Isto é denominado bits por zona. A gravação de bits por zona raramente é usada porque requer controles eletrônicos da unidade mais sofisticados dos que os sistemas tradicionais. As trilhas dos discos são numeradas consecutivamente, iniciando pela trilha 0, na borda mais externa do disco. Os setores, entretanto, podem não estar em ordem consecutiva ao redor do perímetro de uma trilha. Unidade de Disco Rígido HD Discos rígidos (HD Hard Disk) possuem circuitos de controle e um ou mais discos de metal chamados de pratos, sobre os quais uma fina película de material magnetizável é colocada. Os pratos de discos são empilhados em uma haste (pino), que é movimentado por um motor localizado dentro da caixa do disco. Os discos podem ter movimentações na casa de rotações por minuto (rpm), sendo as velocidades mais comuns 5400 RPM e 7200 RPM. Os cabeçotes de leitura/escrita são normalmente montados em um braço atuador giratório que é posicionado em seu local próprio por campos magnéticos induzidos por bobinas que cercam o eixo do braço. Quando o atuador é energizado, todo o conjunto de cabeçotes de leitura/escrita se move em direção ao centro do disco, ou dele se distancia. Geralmente existe um cabeçote de leitura/escrita por superfície usável do disco, eles nunca tocam a superfície do disco, ao invés disso eles flutuam acima dessa superfície em um colchão de ar de poucos microns de espessura. Quando disco é desligado os cabeçotes se recolhem para um lugar seguro. Isto é chamado de estacionar os cabeçotes. Se um cabeçote de leitura/escrita tocar a superfície do disco, muito provavelmente este estará inutilizável. Esta condição é chamada de quebra do cabeçote. O tempo de posicionamento é o tempo que um braço de disco leva para se posicionar sobre a trilha desejada, ele não inclui o tempo que leva para o cabeçote ler o diretório do disco. O diretório do disco mapeia a informação lógica de um arquivo, por exemplo, documento.doc, para um endereço físico de setor, como cilindro 7, superfície 3, setor 72. Algumas unidades de disco de alto desempenho praticamente eliminam o tempo de posicionamento fornecendo um cabeçote de leitura/escrita para cada trilha de cada superfície usável do disco. Sem braços móveis no sistema, a única demora para acessar dados é causada pelo retardo rotacional. O retardo rotacional é o tempo que leva para o setor requerido se posicionar sob o cabeçote de leitura/escrita. A soma do retardo rotacional e do tempo de posicionamento é conhecida como tempo de acesso. Adicionando o tempo de acesso com o tempo necessário para ler os dados do disco, temos a quantidade conhecida como tempo de transferência, o qual, obviamente, depende de como os dados são lidos. Durante uma leitura de dados, as trilhas mais externas estão menos susceptíveis a erros de leitura, devido a baixa densidade de bits por medida de área, ao contrário do que acontece em trilhas mais internas (mais densas). Para assegurar melhor confiabilidade, os diretórios de disco podem ser colocados nas trilhas mais externa, trilha 0. Isto significa que, para cada acesso, o braço tem que voltar para a trilha 0 e depois retornar para a trilha de dados requerida, o que

3 implica em um baixo desempenho, pelo grande arco que é necessário ser feito pelos braços de acesso. Contudo melhorias na tecnologia de gravação e nos algoritmos de correção de erros permitem que o diretório seja colocado na posição que lhe dá a melhor performance: na trilha central. Isto reduz substancialmente o movimento do braço, dando a melhor vazão possível. Considerando o disco apresentado na imagem anterior, imaginemos que o mesmo contém trilhas por superfície (são 8 superfícies) e cada trilha possui 746 setores. Isso significa que existem mais de 286 milhões de setores no disco. Uma tabela de alocação que relaciona o estado de cada setor (sendo o estado gravado em 1 byte) consumiria mais de 200 megabytes do espaço do disco. Na verdade o grande problema não seria gastar um grande espaço de armazenamento mas sim ler esta estrutura de dados todas vez que necessitássemos verificar o estado de um setor, já que esse processo consumiria uma quantidade de tempo excessiva. Por essa razão, sistemas operacionais endereçam setores em grupos, chamados blocos ou clusters, para simplificar o gerenciamento de arquivos. O número de setores por bloco determina o tamanho da tabela de alocação. Quanto menor for o tamanho do bloco (cluster) de alocação, menos espaço perdido existe quando um arquivo não ocupa todo o bloco; entranto, tamanhos menores de blocos (clusters) tornam maiores e mais lentas as tabelas de alocação. Discos Flexíveis (floppy) Os discos flexíveis são organizados da mesma maneira que os discos rígidos, com trilhas e setores endereçáveis. Eles são frequentemente chamados de discos flexíveis porque a cobertura magnética fica sobre um substrato flexível. As suas densidades de dados e velocidade rotacional 300 ou 360 RPM são limitadas pelo fato de que não podem ser selados da mesma maneira que discos rígidos, já que os cabeçotes de leitura/escrita deles devem tocar sua superfície magnética. Considerando um disquete de 3.5'', 1.44MB, cada setor do disquete contém 512 bytes de dados. Existem 18 setores por trilha e 80 trilhas por lado. Sendo assim um disco de 1.44MB contém 18 x 80 x 2 = 2880 setores. Sendo assim uma tabela de alocação do tipo FAT para disco flexível, por exemplo, precisaria de 12 bits para apontar um grupo, esse modo de organização é conhecido como FAT12. Para um maior entendimento, considere as entradas na FAT dadas na imagem abaixo, sabendo que a FAT possui uma entrada para cada grupo no disco, supondo que nosso arquivo ocupa quatro setores, iniciando do 121. Quando lemos este arquivo, acontece o seguinte: 1. O diretório do disco é lido para encontrar o grupo inicial (121). O primeiro grupo é lido para recuperar a primeira parte do arquivo. 2. Para encontrar o restante do arquivo, a entrada na FAT na posição 121 é lida, dando o próximo grupo do arquivo e a entrada FAT (124). 3. O grupo 124 e a entrada na FAT para o grupo 124 são lidos. A entrada FAT aponta para os próximos dados no setor O setor de dados 126 e a entrada na FAT 126 são lidos. A entrada na FAT aponta para os próximos dados no setor O setor de dados 122 e a entrada na FAT 122 são lidos. Ao ver o marcador <EOF> para o próximo setor de dados, o sistema sabe que ele obteve o último setor do arquivo. O sistema FAT é muito útil para sistemas flexíveis pelo fato do desempenho não ser de grande preocupação para disquetes e também pelo fato de possuírem capacidades padrões,

4 diferentemente dos discos fixos, para os quais o aumento de capacidade é praticamente diário. Para utilização de grupos de diretórios em discos rígidos a utilização de FATs de 16 e 32 bits são mais adequadas. TECNOLOGIA DE DISCOS ÓTICOS Sistemas óticos de armazenamento oferecem armazenamento de dados (praticamente) ilimitado a um custo que é competitivo com o da fita. Discos óticos vêm em diversos formatos, sendo o formato mais popular CD-ROM (compact disc-read onle memory), que pode conter mais de 0,5 GB de dados. CD-ROMs são um meio somente de leitura, tornando-se ideais para distribuição de software e de dados. Discos CR-R (CD-recordable) e CD-RW (CD-rewtitable) são dispositivos de armazenamento ótico usados para guardar dados a longo prazo. Bibliotecas de armazenamento robotizadas, chamadas de caixas de música (jukeboxes) óticas, fornecem inúmeros discos óticos. Jukeboxes podem armazenar de dezenas a centenas de discos, com capacidades totais de 50 GB a 1200GB e até mesmo acima disso. Fabricantes de discos óticos sustentam que discos óticos, diferentemente de meio magnético, podem ser armazenados por 100 anos sem degradação notável. CD-ROM Os CD-ROMs são discos de policarbonato (plástico) com 120 milímetros (4,8 polegadas) de diâmetro sobre os quais é aplicado um filme refletivo de alumínio. O filme de alumínio é selado com uma camada protetora de acrílico para evitar corrosão. A camada de alumínio reflete a luz emitida por um diodo de laser verde situado sob o disco. A luz refletida passa através de um prisma, que a desvia para o fotodetector. O fotodetector converte os pulsos de luz em sinais elétricos, que são enviados a um decodificador eletrônico na unidade. Os CD-ROMs são escritos a partir do centro em em direção à borda externa usando uma única linha de saliências em espiral no policarbonato. Estas saliências são chamados de caroços (pits) porque se parecem com caroços quando vistos na superfície de cima do CD. Espaços lineares entre caroços são chamados de solos. Os caroços, por sua saliência, interferem na reflexão do feixe de laser de tal maneira que a luz que reflete da saliência cancela exatamente a luz incidente do laser, isso resulta em pulsos de luz e escuridão, qual são interpretados pelos circuitos de unidade como dígitos binários (as bordas dos caroços correspondem a 1s binários). Interior de uma unidade de CD-ROM Diferentemente de armazenamento magnético, as trilhas do centro do disco possuem a mesma densidade de bits que as trilhas da borda externa do disco. CD-ROMs foram projetados para armazenar música e outros sinais sequenciais de áudio. Os dados são armazenados em

5 porções de 2352 bytes, chamados setores, que ficam ao longo do comprimento da trilha. Setores são constituídos por 98 unidades primitivas de 588 bits chamadas de quadros de canal. Espiral da trilha e ampliação da trilha de um CD-ROM DVD-ROM Discos digitais versáteis ou DVDs (antes chamados de discos digitais de vídeo), podem ser pensados como CDs de densidade quádrupla. A rotação de DVDs é cerca de três vezes a velocidade de CDs. Os caroços de DVDs são aproximadamente da metade do tamanho dos caroços dos CDs. Assim como os CDs eles possuem unidades que são graváveis e unidades que são regraváveis. Ao contrário dos CDs eles podem apresentar apenas um lado ou dois lados, assim como apenas uma camada ou duas camadas. DVDs de uma camada e um lado podem armazenar 4,78 GB, e DVDs de dupla camada e dois lados podem acomodar 17 GB de dados. O DVD supera os CD em vários aspectos, um dos mais importantes é que o DVD usa um laser de menor tamanho, isso permite que o espaço utilizado por um único bit seja mais curto, o menor caroços em um DVD possui 0,4 mícron, enquanto em um CD é de 0,83 mícron. Trilhas em DVDs podem ser colocadas colocadas bem juntas, isso significa que a trilha em esperial de um DVD é mais longa. Para fins de comparação, o tamanho da trilha de um CD se fosse desenrolada de sua espiral é de cerca de 8 Km, já a trilha do DVD se alongaria por cerca de 11,8 Km.

6 Uma segunda grande melhoria é que o formato da trilha do DVD é muito mais simples do que o formato de uma trilha de CD. Além disso, o DVD tem um algorítimo de correção de erros mais eficiente do que o CD. A correção de erros em DVD fornece uma proteção maior usando um número bastante reduzido de bits redundantes do que a do CD. Com sua maior densidade de dados e melhores tempos de acesso, o DVD deve se tornar um meio ideal para armazenamento e recuperação de dados a longo prazo. Métodos de Gravação em Discos Ópticos Diversas tecnologias são usadas para permitir a gravação em CDs e DVDs. O método mais barato e mais difundido usa tintura sensível ao calor. A tintura é colocada entre o substrato de policarbonato (plástico) e a camada refletiva no CD. Quando atingida pela luz emitida pelo laser, esta tintura cria um caroço no substrato de policarbonato. Este caroço afeta as propriedades óticas da camada refletiva. Meios óticos regraváveis, tais como o CD-RW, substituem as camadas de tintura e de cobertura refletiva de um disco CD-R por uma liga metálica com elementos como índio, telúrio, antimônio e prata. Essa camada quando aquecida, aproximadamente a 500º, pelo laser sofre uma alteração molecular, tornando-se menos refletiva. A cobertura retorna a seu estado refletivo original quando aquecida a 200º, permitindo assim que os dados sejam alterados qualquer número e vezes.

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)?

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)? Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Aplicadas e Educação Departamento de Ciências Exatas Motivação ACII: Armazenamento Secundário Prof. Rafael Marrocos Magalhães professor@rafaelmm.com.br

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Memória Externa Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Tipos de Memória Externa Disco Magnético

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Externa Slide 1 Sumário Disco Magnético RAID Memória Óptica Slide 2 Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou

Leia mais

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI

Introdução à Computação: Armazenamento Secundário. Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Introdução à Computação: Armazenamento Secundário Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Objetivos Relacionar os benefícios do armazenamento secundário. Identificar e descrever as mídias de

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR DISCO MAGNÉTICO O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou de plástico,

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 6 Memória externa slide 1 Tipos de memória externa Disco magnético: RAID. Removível. Óptica: CD-ROM. CD-Recordable (CD-R).

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II 1 Armazenamento secundário Primeiro tipo de armazenamento secundário: papel! Cartões perfurados HDs, CD-ROM, floppy disks, memórias

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 07: Memória Secundária MEMÓRIA SECUNDÁRIA Discos magnéticos: Organização do disco magnético em faces, trilhas e setores; Tipos de discos magnéticos Discos óticos: CD/DVD/BluRay

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 05 Armazenamento e Multimídia Armazenamento Secundário Separado do próprio computador. Software e dados armazenados em base quase permanente. Diferentemente da memória, não

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Hardware de Computadores 1 O disco rígido, é um sistema de armazenamento de alta

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05 Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 Armazenamento Secundário BENEFÍCIOS

Leia mais

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO Benefícios do Armazenamento Secundário: Espaço: grande quantidade de espaço disponível; Confiabilidade: altamente confiável; Conveniência: usuários autorizados

Leia mais

Arquitetura de computadores

Arquitetura de computadores computadores Aceitam uma densidade de gravação muito superior que aquela dos meios magnéticos. Os discos ópticos são gravados por feixes laser. Exemplo: Para um disco óptico com capacidade para uma hora

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Colegiado de Engenharia de Computação Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Aula 09 (semestre 2011.2) Prof. Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto, M.Sc. rosalvo.oliveira@univasf.edu.br 2 Armazenamento

Leia mais

CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory.

CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory. CD-ROM Compact Disc- Read Only Memory. O CD-ROM é um pequeno disco plástico (policarbonato) com 1,2 mm de espessura, semelhantes aos CD s de música, e da mesma forma que estes, pode armazenar vastas quantidades

Leia mais

19/09/2009 TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO. ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral ARMAZENAMENTO MAGNÉTICO

19/09/2009 TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO. ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral ARMAZENAMENTO MAGNÉTICO TIPOS DE DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO Duas tecnologias principais: Armazenamento magnético Disquetes Discos Rígidos Fitas Magnéticas ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES George Gomes Cabral Armazenamento óptico

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Dispositivos de Armazenamento Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Discos 2. Fitas magnéticas 3. CD-ROM Capítulo: 2 (APOSTILA). Dispositivos de Armazenamento Armazenamento permanente Custo menor

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 16: Entrada e Saída: Estudo de Caso Diego Passos Última Aula Software de Entrada e Saída. Subsistema de E/S. Conjunto de camadas de abstração para realização de

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

FORMATAÇÃO DE DISCO SETORES

FORMATAÇÃO DE DISCO SETORES FORMATAÇÃO DE DISCO O DISCO RÍGIDO CONSISTE DE UM ARRANJO DE PRATOS DE ALUMÍNIO, LIGA METÁLICA OU VIDRO, CADA QUAL COBERTO POR UMA FINA CAMADA DE ÓXIDO DE METAL MAGNETIZADO APÓS A FABRICAÇÃO, NÃO HÁ DADO

Leia mais

Arquitectura dos processadores

Arquitectura dos processadores Arquitectura dos processadores Outra arquitectura foi desenvolvida pela Motorola para os Apple Macintosh.(incompativel com o PC - IBM). Passaram a existir duas arquitecturas de processadores: CISC (Complex

Leia mais

5.1 - Armazenamento em Disco

5.1 - Armazenamento em Disco CEFET-RS Curso de Eletrônica 5.1 - Armazenamento em Disco Aspectos Físicos F e Elétricos Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 05.1.1 Armazenamento

Leia mais

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br Computação I Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br MÓDULO I- Introdução à Informática Hardware Hardware? HARDWARE é a parte física do computador. É o conjunto de componentes mecânicos, elétricos

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Hardware X Software Memória do Computador Hardware X Software Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin Discos magnéticos: Flexíveis (em desuso) e Rígidos Discos óticos: CD (Compact Disk): CD ROM; CD -/+ R; CD -/+ RW DVD(Digital Versatile Disk): DVD ROM; DVD -/+ R; DVD -/+ RW Discos

Leia mais

Conhecendo o Disco Rígido

Conhecendo o Disco Rígido Conhecendo o Disco Rígido O disco rígido ou HD (Hard Disk), é o dispositivo de armazenamento de dados mais usado nos computadores. Nele, é possível guardar não só seus arquivos como também todos os dados

Leia mais

Cristiano Sebolão Nº 26748. Pedro Arcão Nº 22408. João Marques Nº 27228

Cristiano Sebolão Nº 26748. Pedro Arcão Nº 22408. João Marques Nº 27228 Cristiano Sebolão Nº 26748 Pedro Arcão Nº 22408 João Marques Nº 27228 Para que os dados não se percam, precisam de ser gravados num dispositivo de armazenamento como disquetes, disco rígidos, discos ópticos

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Arquitetura e Organização de Computadores Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2008 Tópicos Processadores Memória Principal Memória

Leia mais

Notas da Aula 16 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 16 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 16 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Disco Rígido: Visão Geral Há inúmeros dispositivos de E/S em um sistema computacional moderno. Por esta razão, é inviável do ponto de vista de

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO

HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO HD (Hard Disk) DISCO RÍGIDO HISTÓRIA O primeiro disco rígido (o IBM 350) foi construído em 1956, e era formado por um conjunto de nada menos que 50 discos de 24 polegadas de diâmetro, com uma capacidade

Leia mais

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-Rom Até pouco tempo atrás, as opções mais viáveis para escutar música eram os discos de vinil e as fitas cassete. Porém, a Philips, em associação com outras empresas, desenvolveu

Leia mais

Memória principal; Unidade de Controle U C P. Unidade Lógica e Aritmética

Memória principal; Unidade de Controle U C P. Unidade Lógica e Aritmética Tecnologia da Administração Computador: origem, funcionamento e componentes básicos Parte II Sumário Introdução Origem Funcionamento Componentes Básicos Referências Sistema Binário O computador identifica

Leia mais

RAID RAID RAID. Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum

RAID RAID RAID. Fig. 5.17, pág. 226 do livro do Tanenbaum RAID O DESEMPENHO DA CPU TEM DUPLICADO A CADA 18 MESES. NA DÉCADA DE 1970, O TEMPO DE SEEK VARIAVA DE 50 A 100 ms, NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ESSE TEMPO ATINGE UM POUCO MENOS DE 10 ms => A DIFERENÇA

Leia mais

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas Memória Externa Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou plástico, coberto com um material que poder magnetizado. Os dados são gravados e posteriormente lidos do

Leia mais

AULA 2. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email:

AULA 2. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email: AULA 2 Disciplina: Informática Básica Professor: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Índice Continuação aula anterior... Memória Barramento Unidades de armazenamento Periféricos Interfaces

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento

Dispositivos de Armazenamento Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Dispositivos de Armazenamento A memória do computador

Leia mais

Memórias Secundárias. Prof. Rafael Sandim

Memórias Secundárias. Prof. Rafael Sandim Memórias Secundárias Prof. Rafael Sandim Disquete Disco Rígido HD Fitas para Backup CD DVD Blue-ray Pen Drives Cartões de Memória Disco de Estado Sólido - SSD Descrevendo as Memórias Descrevendo as Memórias

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória Infra-Estrutura de Hardware Conceitos Básicos Memória Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Bits de Memória Ordem de Bytes Conceitos Básicos Memória Secundária Códigos de Correção

Leia mais

DISCOS RÍGIDOS. O interior de um disco rígido

DISCOS RÍGIDOS. O interior de um disco rígido Serve para guardarmos os ficheiros de forma aleatória e de grande tamanho São constituídos por discos magnéticos (pratos) de lâminas metálicas extremamente rígidas (daí o nome de disco rígido). Esses discos

Leia mais

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo Se ouço o esqueço, se vejo recordo, se faço o aprendo Meios de Armazenamento Secundário Principais Dispositivos de Entrada Principais Dispositivos de Saída Outros Dispositivos de Entrada/Saída Meios de

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária

Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Introdução à Organização de Computadores Memória Secundária Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária

Leia mais

INSTITUTO MARTIN LUTHER KING CURSO PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: HARDWARE

INSTITUTO MARTIN LUTHER KING CURSO PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: HARDWARE Memória ROM Vamos iniciar com a memória ROM que significa Read Only Memory, ou seja, uma memória somente para leitura. Isso quer dizer que as instruções que esta memória contém só podem ser lidas e executadas,

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Administração dos Recursos de Hardware e Software

Tecnologia e Sistemas de Informações Administração dos Recursos de Hardware e Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Administração dos Recursos de Hardware e Software Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 9 O que é Hardware e Software? Hardware

Leia mais

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS

29/05/2013. Dispositivos de Armazenamento. Armazenamento Magnético. Recuperação de Dados HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS 2 Dispositivos de Armazenamento HARDWARE: ARMAZENAMENTO DE DADOS Armazenam dados quando o computador está desligado Dois processos Escrita de dados Leitura de dados Introdução à Microinformática Prof.

Leia mais

Representação de Dados

Representação de Dados Arquitetura de Computadores I Memória Secundária (parte 1) Prof. Raphael Garcia Arquitetura de Computadores I Conteúdo: Representação dos Dados Sistemas de Armazenamento de Dados Mídias de Armazenamento

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Discos Qual o principal gargalo? 2 Discos Discos são gargalos Discos são muito mais lentos que as redes ou a CPU Muitos processos são

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Unidade 8 - Periféricos de armazenamento Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO... 3 DISCO RÍGIDO (HD)... 3 TECNOLOGIAS DE TRANSFERÊNCIA... 3 IDE/ATA/PATA...

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Componentes Sistema Informação Hardware - Computadores - Periféricos Software - Sistemas Operacionais - Aplicativos - Suítes Peopleware - Analistas - Programadores - Digitadores

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE HARDWARE Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA COMPUTADOR QUANTO AO TIPO COMPUTADOR SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO o Analógico o Digital o Híbrido o Hardware (parte física)

Leia mais

Hardware Básico. Outros Dispositivos de Armazenamento. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. Outros Dispositivos de Armazenamento. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico Outros Dispositivos de Armazenamento Professor: Wanderson Dantas Unidades Ópticas Unidades ópticas usam um feixe de laser para ler e gravar (no caso das unidades e mídias que permitem

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um dispositivo Compreender o mecanismo de acionamento de um dispositivo

Leia mais

ESTRUTURA DE UM DISCO RÍGIDO

ESTRUTURA DE UM DISCO RÍGIDO ESTRUTURA DE UM DISCO RÍGIDO O disco rígido é o único componente básico de funcionamento mecânico no PC. Por esse motivo, é também o elemento interno mais suscetível a riscos de problemas relacionados

Leia mais

Memórias Parte 2. SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores. Aula 5. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Memórias Parte 2. SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores. Aula 5. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Departamento de Engenharia Elétrica - EESC-USP SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Memórias Parte 2 Aula 5 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Memórias Semicondutoras n Características

Leia mais

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR 19 Aula 4 Flip-Flop Flip-flops são circuitos que possuem a característica de manter os bits de saída independente de energia, podem ser considerados os princípios das memórias. Um dos circuitos sequenciais

Leia mais

Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING

Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING CONTEÚDO Introdução Armazenamento de dados Dispositivo de armazenamento Buffering de

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Hardware de Computadores 1 O disco rígido, é um sistema de armazenamento de alta

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 4.1 HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS Qualquer PC é composto pelos mesmos componentes básicos: Processador, memória, HD, placa-mãe, placa de vídeo e monitor

Leia mais

DISPOSITIVOS DE BLOCO. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

DISPOSITIVOS DE BLOCO. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves DISPOSITIVOS DE BLOCO Professor: João Paulo de Brito Gonçalves INTRODUÇÃO Periférico Dispositivo conectado a um computador de forma a possibilitar sua interação com o mundo externo. Conectados ao computador

Leia mais

Informática Aplicada à Química. Hardware armazenamento II

Informática Aplicada à Química. Hardware armazenamento II Informática Aplicada à Química Hardware armazenamento II Sistemas de Armazenamento de Dados Sistemas de Armazenamento de Dados Partes Físicas Características Composição Dispositivos de armazenamento Mídia

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal. Memória principal

Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal. Memória principal Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal Organização Operações de leitura e escrita Capacidade http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2 Componente de um sistema

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Prof. Douglas Juliani)

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Prof. Douglas Juliani) Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior (Material: Prof. Douglas Juliani) Agenda Conceitos importantes Hierarquia de memória Tipos de memória Características Memórias visão geral ARMAZENAR

Leia mais

Instituto Politécnico do Porto. Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Informática. Tecnologia Informática. Capítulo 6.

Instituto Politécnico do Porto. Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Informática. Tecnologia Informática. Capítulo 6. Instituto Politécnico do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Informática Tecnologia Informática Capítulo 6.5 Unidades de armazenamento amovíveis 6.5.1 Disquete 3

Leia mais

Curso: Montagem, Configuração e Manutenção de Microcomputadores Aluno: Turma: MANUT 1002A Instrutor: Fernando Lucas de Oliveira Farias

Curso: Montagem, Configuração e Manutenção de Microcomputadores Aluno: Turma: MANUT 1002A Instrutor: Fernando Lucas de Oliveira Farias Curso: Montagem, Configuração e Manutenção de Microcomputadores Aluno: Turma: MANUT 1002A Instrutor: Fernando Lucas de Oliveira Farias ARQUITETURA DE COMPUTADORES II (DISCO RÍGIDO) 1. INTRODUÇÃO: O HD

Leia mais

SGBD. Membros: Leandro Cardoso Aguiar. Murillo Parreira. Rafael Gondim Peixoto

SGBD. Membros: Leandro Cardoso Aguiar. Murillo Parreira. Rafael Gondim Peixoto SGBD Membros: Leandro Cardoso Aguiar Murillo Parreira Rafael Gondim Peixoto Tópico Capítulo 11 Armazenamento e consulta de dados Introdução Começa com uma visão geral do meio de armazenamento físico; Mecanismos

Leia mais

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória Secundária Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória de grande capacidade (dezenas de Gigabytes). Armazenamento massivo. Implementada em meio magnético (hard disk, fitas magnéticas)

Leia mais

Estrutura e funcionamento de um sistema informático

Estrutura e funcionamento de um sistema informático Estrutura e funcionamento de um sistema informático 2006/2007 Sumário de trabalho. Memórias principais e memórias secundárias. Ficha 2 Revisão da aula anterior 3 Memórias informáticas Memórias principais,

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.9 Memória Cache: A memória cache é uma pequena porção de memória inserida entre o processador e a memória principal, cuja função é acelerar a velocidade de transferência das informações entre a CPU e

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador 1 Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Curso: Sistemas de Informação Introdução 2 O Computador é uma ferramenta que

Leia mais

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Hardware André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Gerações de hardware Tipos de computadores Partes do Microcomputador Periféricos Armazenamento de

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 10 Índice 1. A Organização do Computador - Continuação...3 1.1. Memória Primária - II... 3 1.1.1. Memória cache... 3 1.2. Memória Secundária... 3 1.2.1. Hierarquias de

Leia mais

Capítulo 2. Noção de hardware. As componentes de um computador.

Capítulo 2. Noção de hardware. As componentes de um computador. Definição 1 Capítulo 2. Noção de hardware. As componentes de um computador. 1. Definição Hardware : toda a parte física do computador. Ex.: Monitor, caixa, disquetes, impressoras, etc. Hardware (hard =

Leia mais

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento.

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento. Conceitos básicos b sobre Hardware O primeiro componente de um sistema de computação é o HARDWARE(Ferragem), que corresponde à parte material, aos componentes físicos do sistema; é o computador propriamente

Leia mais

Informática Computador Visão Geral. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc.

Informática Computador Visão Geral. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Informática Computador Visão Geral Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Objetivos Identificar os componentes básicos de um sistema de computador: entrada, processamento, saída e armazenamento. Relacionar

Leia mais

Conceitos e Gerenciamento de Memória

Conceitos e Gerenciamento de Memória Conceitos e Gerenciamento de Memória Introdução à Ciência da Computação Professor Rodrigo Mafort O que é memória? Dispositivos que permitem armazenar dados temporariamente ou definitivamente. A unidade

Leia mais

Fundamentos da Computação Dispositivos de Armazenamento Entrada e Saída

Fundamentos da Computação Dispositivos de Armazenamento Entrada e Saída Fundamentos da Computação Dispositivos de Armazenamento Entrada e Saída Dispositivos de Memória Secundária; de Massa ou Armazenamento. Prof. Bruno Guilhen www.concursosdeti.com.br Unidades de armazenamento:

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Entendendo o Computador Componentes do Computador COMPONENTES DO COMPUTADOR Tabela ASCII A sigla ASCII deriva de American Standard Code for Information Interchange, ou seja, Código no Padrão Americano

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Memória Secundária Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Gerência

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 04: Subsistemas de Memória SUBSISTEMAS DE MEMÓRIA Tipos de memória: de semicondutores (ROM, PROM, EPROM, EEPROM, Flash, RAM); magnéticas (discos e fitas) e... óticas( CD

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 2.1 CONCEITO DE BIT O computador só pode identificar a informação através de sua elementar e restrita capacidade de distinguir entre dois estados: 0

Leia mais

O DVD. Tecnologia Digital Versatitle Disc. O aparecimento do DVD O DVD O DVD

O DVD. Tecnologia Digital Versatitle Disc. O aparecimento do DVD O DVD O DVD O DVD Tecnologia Digital Versatitle Disc O DVD O DVD designado por Digital Video Disc, actualmente conhecido por Digital Versatitle Disc. Tal como o CD o DVD é uma tecnologia que possui várias utilizações,

Leia mais

Apresentação. Conceitos Iniciais. Apresentação & Introdução. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br.

Apresentação. Conceitos Iniciais. Apresentação & Introdução. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação Apresentação & Introdução Condicionamento www.profricardobeck.com.br contato@profricardobeck.com.br Material Didático Site / E-mail Testes? Edital Mensurando Dados Sistemas de numeração Conceitos

Leia mais

Apresentação. Conceitos Iniciais. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação & Introdução.

Apresentação. Conceitos Iniciais. www.profricardobeck.com.br. contato@profricardobeck.com.br. Apresentação & Introdução. Apresentação www.profricardobeck.com.br contato@profricardobeck.com.br Apresentação & Introdução Condicionamento Material Didático Site / E-mail Testes? Edital Conceitos Iniciais 1 Mensurando Dados Sistemas

Leia mais

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário

Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória Secundária Arquitetura de Computadores Armazenamento Secundário Memória de grande capacidade (dezenas de Gigabytes). Armazenamento massivo. Implementada em meio magnético (hard disk, fitas magnéticas)

Leia mais

I - A COMUNICAÇÃO (INTERFACE) COM O USUÁRIO:

I - A COMUNICAÇÃO (INTERFACE) COM O USUÁRIO: I - A COMUNICAÇÃO (INTERFACE) COM O USUÁRIO: Os dispositivos de comunicação com o usuário explicados a seguir servem para dar entrada nos dados, obter os resultados e interagir com os programas do computador.

Leia mais

Supercomputadores e Clusters

Supercomputadores e Clusters UNIDADE 2 Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. Supercomputadores e Clusters Supercomputadores: é um computador com altíssima velocidade de processamento e grande capacidade de memória.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais GERÊNCIA DE DISPOSITIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 12 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional GERÊNCIA DE DISPOSITIVOS - INTRODUÇÃO É uma das principais e mais complexas funções

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 - MEMÓRIA SECUNDÁRIA 1. INTRODUÇÃO Por maior que seja a memória principal, ela sempre será considerada muito pequena, pois é necessário armazenar mais informações do que ela suporta. Outro fator

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Setores, trilhas, cabeças e cilindros.

Setores, trilhas, cabeças e cilindros. Aula 13 Arquitetura de Computadores 03/11/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber DISCO RÍGIDO Disco rígido, disco duro ou HD (Hard Disk) é a parte do

Leia mais

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado Memória Armazenamento Sistema de Arquivos 1 Hierarquia de Memórias 2 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 02 Hardware e Software Sistemas de Informação Baseados no Computador - CBIS PROCEDIMENTOS PESSOAS HARDWARE SOFTWARE BANCO DE DADOS TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Armazenamento Secundário

Armazenamento Secundário Armazenamento Secundário SCC-503 Algoritmos e Estruturas de Dados II Thiago A. S. Pardo Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Armazenamento secundário Primeiro tipo de armazenamento secundário: papel! Cartões

Leia mais

UCP. Memória Periféricos de entrada e saída. Sistema Operacional

UCP. Memória Periféricos de entrada e saída. Sistema Operacional Arquitetura: Conjunto de elementos que perfazem um todo; estrutura, natureza, organização. Houaiss (internet) Bit- Binary Digit - Número que pode representar apenas dois valores: 0 e 1 (desligado e ligado).

Leia mais

Como fazer Backup. Previna-se contra acidentes no disco rígido

Como fazer Backup. Previna-se contra acidentes no disco rígido Como fazer Backup Previna-se contra acidentes no disco rígido Vocês já imaginaram se, de uma hora para outra, todo o conteúdo do disco rígido desaparecer? Parece pesadelo? Pois isso não é uma coisa tão

Leia mais