ESTUDO DE COORDENAÇÃO E SELETIVIDADE DO SISTEMA ELÉTRICO DA EMPRESA DO GRUPO ANTOLIN TRIMTEC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE COORDENAÇÃO E SELETIVIDADE DO SISTEMA ELÉTRICO DA EMPRESA DO GRUPO ANTOLIN TRIMTEC"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE ENGENHARIA ARQUITETURA E URBANISMO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA/ELETRÔNICA ESTUDO DE COORDENAÇÃO E SELETIVIDADE DO SISTEMA ELÉTRICO DA EMPRESA DO GRUPO ANTOLIN TRIMTEC São José dos Campos SP Novembro/2013 1

2 EDSON KIYOSHI OKAMOTO ESTUDO DE COORDENAÇÃO E SELETIVIDADE DO SISTEMA ELÉTRICO DA EMPRESA DO GRUPO ANTOLIN TRIMTEC Trabalho de conclusão de curso apresentado à FUNDAÇÃO VALEPARAIBANA DE ENSINO mantenedora da UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA UNIVAP, como parte dos requisitos para obtenção do título em Engenharia Elétrica/Eletrônica Orientador: Prof Luiz Roberto Nogueira São José dos Campos SP Novembro/2013 2

3 Resumo A vida moderna está cada vez mais vinculada à utilização da energia elétrica para mais variados fins. Sua geração e distribuição são complexas e problemas externos e internos de redes consumidoras podem afetar com certa gravidade o sistema. Sistemas de proteções são utilizados para minimizar ao máximo os fatores de interrupção do fornecimento da energia elétrica, por meio da coordenação das proteções e sua seletividade. Este trabalho realiza uma análise de parte do sistema elétrico de uma empresa, onde serão avaliados os componentes de proteção que estão sendo utilizados. Com a determinação dos cálculos das correntes de curto circuito até o ponto de utilização, propor possíveis alterações para que o sistema não esteja vulnerável a riscos de interrupções graves. A coordenação das proteções de entrada estão a cargo de relês de proteção Pextron, seguindo a norma IEEE STD 242, as curvas foram determinadas por um software específico. O procedimento pode ser estendido a todo o sistema da empresa. Um estudo mais profundo demandará muito tempo, não sendo o objetivo principal do trabalho. Palavras chaves: Curto circuito; coordenação; sistema elétrico; seletividade 3

4 Abstract Modern life is increasingly linked to the use of electricity for various purposes. Its generation and distribution problems are complex and the internal and external networks can affect consumers with certain gravity system. Protections systems are used to minimize the maximum factors of supply disruptions of electricity, through the coordination of protections and their selectivity.this work performs an analysis on electric system of a company, which will be evaluated protection components that are being used. With the determination of the calculation of short circuit currents up to the point of use, propose possible changes to the system is not vulnerable to risks of serious interruptions.the coordination of input protections are in charge of protection relays Pextron following IEEE 242, the curves were determined by specific software. The procedure can be extended to the entire system of the company. A deeper study will require a long time, it is not the main objective. Keywords: Short circuit; coordination; electric system; selectivity 4

5 Conteúdo 1. Introdução Objetivo do trabalho Organização do trabalho ANÁLISE DAS CORRENTES DE CURTO CIRCUITO SISTEMA DE BASE E VALORES POR UNIDADE SISTEMA DE BASE VALORES POR UNIDADE DETERMINAÇÃO DAS CORRENTES DE CURTO CIRCUITO As correntes de curto circuito devem ser determinadas em todos os pontos onde se requer a instalação de equipamentos ou dispositivos de proteção METODOLOGIA DE CÁLCULO SEQUÊNCIA DE CÁLCULO Impedância reduzida do sistema (Z us ) Impedância do(s) transformador(es) da subestação (Z t ) Impedância do circuito que conecta o transformador ao QGF Impedância do circuito que conecta o QGF ao CCM Corrente simétrica de curto circuito trifásico Corrente assimétrica de curto circuito trifásico Corrente bifásica de curto circuito Corrente fase-terra de curto circuito Impedância de contato (R ct ) Impedância da malha de terra (R mt ) Impedância de aterramento (R at )

6 Corrente de curto circuito fase-terra máxima Corrente de curto circuito fase-terra mínima Proteção e seletividade Componentes para proteção Componentes de proteção Apresentação do sistema Análise de coordenação do sistema Proteção de Transformadores Magnetização dos Transformadores Ponto ANSI Proteção 51 - Primário Proteção 50 - Primário Proteção dos Alimentadores - Sobrecorrentes de Fase (ANSI 50/51) FIGURA 2 Diagrama unifilar de entrada Determinação das correntes de curto-circuito ESTUDO DE COORDENAÇÃO E SELETIVIDADE FUNÇÕES DE FASE Subestação SE Ajuste do relé primário DJ PL15C (BEGHIM) Ajustes relé RP_1439_SE_ Proteção do transformador TR_ Ajustes relé RP_1439_TR_ Subestação SE Ajustes relé RP_1439 SE ESTUDO DE COORDENAÇÃO E SELETIVIDADE FUNÇÕES DE NEUTRO Subestação SE Ajuste do relé primário DJ PL15C (BEGHIM)

7 Ajustes relé RP_1439_SE_ Proteção do transformador TR_ Ajustes relé RP_1439_TR_ Proteção do transformador TR_ Ajustes relé RP_7140_TR_ Subestação SE Ajustes relé RP_ Resultados Considerações finais Bibiografia

8 1. Introdução A determinação das correntes de curto circuito nas instalações elétricas de baixa e alta tensão de sistemas industriais é fundamental para a elaboração ou análise da proteção e coordenação dos seus diversos elementos [1]. Os valores dessas correntes são baseados no conhecimento das impedâncias, desde o ponto de defeito até a fonte geradora. As correntes do curto circuito adquirem valores de grande intensidade, porém com duração geralmente limitada a frações de segundo. São provocadas mais comumente pela perda de isolamento de algum elemento energizado do sistema elétrico. Os danos provocados na instalação ficam condicionado intervenção corretas dos elementos de proteção. Além das avarias provocadas com a queima de alguns componentes da instalação, as correntes de curto circuito geram solicitações de natureza mecânica, atuando, principalmente, sobre os barramentos, chaves e condutores, ocasionando o rompimento, dos apoios e deformações na estrutura dos quadros de distribuição, caso o dimensionamento destes não seja adequado aos esforços eletromecânicos resultantes. É considerado como fonte de corrente de curto circuito todo componente elétrico ligado ao sistema que passa a contribuir com a intensidade da corrente de defeito, como é o caso dos geradores, condensadores síncronos e motores de indução. Erroneamente, muitas vezes é atribuída ao transformador a propriedade de fonte de corrente de curto circuito. Na realidade, este equipamento é apenas um componente de elevada impedância inserido no sistema elétrico Objetivo do trabalho O trabalho avalia a instalação elétrica de potência de uma empresa quanto ao seu dimensionamento, proteções e seletividade contra sobrecorrentes. Sendo também considerada a coordenação do sistema Organização do trabalho 8

9 O trabalho está organizado como se segue: Capítulo 2 apresenta como foi desenvolvido o cálculo das correntes de curto circuito e o desenvolvimento da seletividade das proteções frente aos componentes a serem protegidos. Capítulo 3 apresenta o sistema estudado e a coordenação de entrada da empresa. Capítulo 4 apresenta os resultados e a análise de coordenação. Capítulo 5 apresenta as considerações finais. 2. ANÁLISE DAS CORRENTES DE CURTO CIRCUITO Será apresentada de forma simplificada a estrutura de cálculo das correntes de curto circuito desde o ponto de entrega da concessionária até o ponto de utilização, aplicando um artifício matemático como será explanado SISTEMA DE BASE E VALORES POR UNIDADE SISTEMA DE BASE Quando num determinado sistema há diversos valores tomados em base diferentes é necessário estabelecer uma base única e transformar todos os valores considerados nessa base para que se possa trabalhar adequadamente com os dados do sistema. Para facilitar o entendimento, basta compreender que o conhecido sistema percentual é um sistema onde os valores considerados são tomados da base 100. Da mesma forma se poderia estabelecer um sistema de base Costuma-se expressar a impedância do transformador em Z% (base 100) de sua potência nominal em kva VALORES POR UNIDADE É um dos vários métodos de cálculo conhecido na prática que procuram simplificar a resolução das questões relativas à determinação das correntes de curto circuito. O valor de uma determinada grandeza por unidade é definido como relação entre esta grandeza e o valor adotado arbitrariamente como sua base, sendo expresso em decimal. O 9

10 valor em pu pode ser também expresso em percentagem que corresponde a 100 vezes o valor encontrado. Uma das vantagens mais significativas para se adotar a prática do sistema por unidade está relacionada à presença de transformadores no circuito. Onde a impedância do primário e secundário do transformador tem o mesmo valor em pu. seja: Algumas vantagens podem ser apresentadas quando se usa o sistema por unidade, ou -Todos os transformadores do circuito são considerados com a relação de transformação 1:1, sendo, portanto, dispensada a representação no diagrama de impedância; - É necessário conhecer apenas o valor da impedância do transformador expressa em pu ou em %, sem identificar a que lado se refere; - Todos os valores expressos em pu estão referidos ao mesmo valor percentual; - Toda impedância expressa em pu tem o mesmo valor, independentemente do nível de tensão a que se está referido o valor da impedância em pu; - Para cada nível de tensão, o valor da impedância ôhmica varia ao mesmo tempo em que varia a impedância base, resultando sempre a mesma relação; - A potência base é selecionada para todo o sistema; - A tensão base é selecionada para um determinado nível de tensão do sistema; -Adotando-se a tensão para um lado de tensão do transformador, deve-se calcular a tensão base para o outro lado de tensão do transformador; Normalmente é tomada como base a tensão nominal do transformador. Comumente, arbitram-se como valores de base a potência e a tensão. As outras grandezas variam em função destas. Tomando-se como base a potência P b em Kva e a tensão V b em kv, tem-se: a) Corrente base I b = P b / ( 3 X V b ) (A) b) Impedância base 10

11 Z b = ( X V b 2 ) / P b (Ω) c) Impedância por unidade ou pu Z pu = Z cω / Z b (pu) Quando o valor de uma grandeza é dado numa determinada base (1) e se deseja conhecer o seu valor numa outra base (2), podem-se aplicar as seguintes expressões: a) Tensão V u2 = V u1 X ( V 1 / V 2 ) (pu) V u2 - tensão em pu na base V 2 V u1 tensão em pu na base V 1 b) Corrente I u2 = I u1 X ( V 2 / V 1 ) X ( P 1 / P 2 ) (pu) I u2 corrente em pu nas bases V 2 e P 2 I u1 corrente em pu nas bases V 1 e P 1 c) Potência P u2 = P u1 X (P 1 /P 2 ) (pu) d) Impedâncias 11

12 Z u2 = Zu1 X (P 2 / P 1 ) X (V 1 / V 2 ) 2 (pu) Z u2 - impedância em pu nas bases V 2 e P 2; Z u impedância em pu nas bases V 1 e P DETERMINAÇÃO DAS CORRENTES DE CURTO CIRCUITO As correntes de curto circuito devem ser determinadas em todos os pontos onde se requer a instalação de equipamentos ou dispositivos de proteção. No cálculo das correntes de defeito devem ser representados os principais elementos do circuito através de suas impedâncias. No entanto, as impedâncias de alguns desses elementos podem ser desprezadas, dependendo de algumas considerações. É importante lembrar que, quanto menor é a tensão do sistema, mais necessário se faz considerar um maior número de impedâncias, dada a influência que poderia exercer no valor final da corrente. Como orientação, podem-se mencionar os elementos do circuito que devem ser considerados através de suas impedâncias no cálculo das correntes de curto circuito. a) Impedância reduzida do sistema É aquela que representa todas as impedâncias desde a fonte de geração até o ponto de entrega de energia à unidade consumidora, isto é, compreendendo as impedâncias da geração, do sistema de transmissão, do sistema de subtransmissão e do sistema de distribuição METODOLOGIA DE CÁLCULO Os processos de cálculo utilizados neste trabalho são de fácil aplicação no desenvolvimento de um projeto industrial, a sequência de cálculo será apresentada a seguir. Os resultados são valores aproximados dos métodos mais sofisticados, porém a precisão obtida satisfaz plenamente aos propósitos a que se destinam. As figuras 1.a e 1.b apresentam os blocos de impedâncias geralmente de uma instalação industrial. 12

13 Figura 1.a- Diagrama unifilar simplificado impedância Figura 1.b- Diagrama em bloco de Onde, P ponto de entrega de energia à indústria; ME posto de medição da concessionária; D posto de proteção e comando, onde são instalados o disjuntor geral de proteção e a chave seccionadora e em alguns casos um transformador de potencial e proteção; TR posto de transformação; 13

14 QGF Quadro Geral de Força, onde são instalados os principais equipamentos de proteção, manobra e medição indicativa em baixa tensão; CCM Centro de Controle de Motores, onde estão instalados, geralmente, os elementos de proteção e manobra dos motores; M- máquinas industriais, caracterizadas, principalmente, pelos valores de placa dos motores que as acionam, ou outros componentes elétricos de trabalho, tais como resistência, reatores, etc. O diagrama de bloco sintetiza a representação das impedâncias de valor significativo que compõem o sistema elétrico, desde a geração até os terminais do motor SEQUÊNCIA DE CÁLCULO Impedância reduzida do sistema (Z us ) a) Resistência (R us ) Como resistência do sistema de suprimento é muito pequena relativamente ao valor da reatância na prática é comum desprezar-se o seu efeito, isto é: R us 0 b) Reatância (X us ) Considerando-se que a concessionária forneça a corrente de curto circuito (I cp ) no ponto de entrega, tem-se: P cc = 3 X V np X 1 cp (kva) P cc potência de curto circuito no ponto de entrega em kva; V np tensão nominal primária no ponto de entrega em kv; I cp corrente de curto circuito simétrica em A. O valor da reatância em pu, é dado pela Equação : 14

15 X us = P b / P cc (pu) Z ut = R ut + jx us (pu) Impedância do(s) transformador(es) da subestação (Z t ) É necessário conhecer: Potência nominal P np dada em kva; Impedância percentual Z pt ; Perdas ôhmicas no cobre P cu em W fabricante; Tensão nominal V nt em kv. a) Resistência (R ut ) Inicialmente determina-se a queda de tensão reativa percentual, ou seja: R pt = Pcu 10 Pnt (%) Então, R ut será determinada pela Equação : R ut = R pt Pb Vnt 2 (pu) Pnt Vb b) Reatância (X ut ) A impedância unitária tem valor de: Pb Vnt Z ut = Z pt 2 (pu) Pnt Vb A reatância unitária será: 15

16 X ut =sqr( Z 2 ut - R 2 ut) Z ut = R ut + jx ut (pu) Considera-se a impedância de sequência zero do transformador como valor igual ao da sequência positiva por serem valores muito próximos Impedância do circuito que conecta o transformador ao QGF a) Resistência (R uc1 ) R cu1ω = (R uω X L c1 )/ (1000 X N c1 ) (Ω) R uω - resistência do condutor de sequência positiva em mω/m (Tabela de cabos) L c1 comprimento do circuito, medido entre os terminais do transformador e o ponto de conexão com o barramento dado em m; N c1 número de condutores por fase do circuito mencionado. b) Reatância (X uc1 ) A reatância do cabo é: X uc1 = (X uω X L c1 ) / (1000 X N c1 ) (Ω) X uω - reatância de sequência positiva do condutor fase em mω/m (tabela de cabos) Z uc1 = R uc1 + jxuc1 (pu) Quando há dois ou mais transformadores ligados em paralelo, deve-se calcular a impedância série de cada transformador com o circuito que o liga ao QGF, determinando-se, R b1ω =( R uω X L b ) / (1000 X N b1 ) (Ω) R uω - resistência ôhmica da barra, em mω/m (tabela de barramento) 16

17 N bl número de barras em paralelo; L b comprimento da barra, em m. A resistência em pu, é dada por: R ub1 = R b1ω X [P b /(1000 X V 2 b) ] (pu) b) Reatância (X ubl ) X b1ω = (X uω X L b ) / (1000 X N b1 ) (Ω) A reatância em, pu, é dada por: X ub1 = X b1ω X [P b /(1000 X V b 2 ) (pu) Z ub1 = R ub1 + jx ub1 (pu) Impedância do circuito que conecta o QGF ao CCM Os valores da resistência e reatância, em pu, respectivamente iguais a R uc2 e X uc2, são calculados à semelhança de R ucl e X ucl Corrente simétrica de curto circuito trifásico Para a determinação das correntes de curto circuito em qualquer ponto o sistema, procede-se à soma vetorial de todas as impedâncias calculadas até o ponto desejado e aplicase a Equação a seguir, ou seja: Z utot = i=1 i=n (R ut + jx ut ) (pu) R ul e X ul são, genericamente a resistência e a reatância unitárias de cada impedância do sistema até o ponto onde se pretende determinar os valores de curto circuito. A corrente base vale: I b = P b / ( 3 X V b ) (A) 17

18 A corrente de curto circuito simétrica, valor eficaz, então, é dada por: I cs = I b / (1000 X Z utot ) (KA) Quando se pretende obter simplificadamente a corrente de curto circuito simétrica nos terminais do transformador, basta aplicar a Equação a seguir: I cst = (I n / Z pz% ) X 100 (A) I n - corrente nominal do transformador, em A; Z pt% - impedância percentual do transformador. Este valor é aproximado, pois ele não está computado a impedância reduzida do sistema de suprimento Corrente assimétrica de curto circuito trifásico I ca = F a X I cs (ka) F a fator de assimetria determinado segundo a relação Corrente bifásica de curto circuito I cb = ( 3 / 2) X I cs (ka) Corrente fase-terra de curto circuito A determinação da correte de curto circuito fase-terra requer o conhecimento das impedâncias de sequência zero do sistema, além das impedâncias de sequência positiva. Se o transformador da instalação for ligado em triângulo primário e estrela no secundário com o ponto neutro aterrado, não se deve levar em conta as impedâncias de sequência zero do sistema de fornecimento de energia, pois estas ficam confinadas no delta do transformador em questão. 18

19 No cálculo das correntes de curto circuito fase-terra, deve-se considerar a existência de três impedâncias que são de fundamental importância para a grandeza dos valores calculados. São elas: Impedância de contato (R ct ) É caracterizada normalmente pela resistência (R ct ) que a superfície de contato do cabo e a resistência do solo no ponto de contato oferecem a passagem da corrente para a terra. Temse atribuído geralmente o valor conservativo de 40Ω Impedância da malha de terra (R mt ) O valor máximo admitido por norma de diversas concessionárias de energia elétrica é de 10Ω, nos sistemas de 15 a 25 kv, e é caracterizado pelo seu componente resistivo Impedância de aterramento (R at ) Não considerado no cálculo, sistema analisado não possui a impedância de aterramento Corrente de curto circuito fase-terra máxima É determinada quando são levadas em consideração somente as impedâncias dos condutores e as do transformador. É calculada segundo a Equação: I cfma = ( 3 X I b ) / ( 2 X Z utot + Z u0t + Z u0c ) (A) Z u0t impedância de sequência zero do transformador que é igual à sua impedância de sequência positiva. O valor Z u0c é determinado considerando-se as resistências e reatância de sequência zero dos condutores. Na prática, pode-se desprezar a impedância de sequência zero dos barramentos, pois o seu efeito não se faz sentir os valores calculados. A impedância do cabo de sequência zero segue o mesmo procedimento que a sequência positiva, observando os valores corretos para a sequência zero, valores tabelados. 19

20 Corrente de curto circuito fase-terra mínima É determinada quando se leva em consideração, além das impedâncias dos condutores e transformadores, as impedâncias de contato, a do resistor de aterramento, caso haja, e da malha de terra. É calculada segundo a Equação: I cftmin = ( 3 X I b ) / ( 2 X Z u0t + Z u0c + Z u0t + 3 X ( R uct + R umt + R uat ) (A) R uct = R ct X [ Pb / (1000 X V 2 b)] (pu) R umt = R mt X [ Pb / (1000 X V 2 b )] (pu) R uat = R at X [ P b / (1000 X V 2 b )] (pu) R mct resistência de contato, em pu; R umt resistência da malha de terra, em pu; R uat resistência do resistor de aterramento, em pu Proteção e seletividade Componentes para proteção Nos sistemas elétricos industriais os componentes usualmente protegidos são os cabos, motores, transformadores. Todos de acordo com as normas internacionais estabelecidas (IEEE Std 242,2001) [2] Componentes de proteção São utilizados componentes de proteção como fusíveis, disjuntores, seccionadoras, relês de sobrecarga, também regulamentados por normas estabelecidas. (IEEE Std 242, 2001) 20

21 3. Apresentação do sistema O anexo 1 apresenta o diagrama unifiliar do circuito analisado, o transformador de 2000 KVA. Antes será apresentado o estudo de coordenação de entrada de todo o complexo Análise de coordenação do sistema Algumas premissas foram consideradas: Curvas de dano dos transformadores conforme IEEE Std C [3] Para modelamento das curvas dos fusíveis foram utilizadas informações de catálogo da Cooper Busmann MV155 (fusível tipo HH). Para intervalos de coordenação entre dispositivos salvo qualquer orientação em contrário, são considerados os seguintes tempos mínimos, conforme IEEE 242: Intervalos Mínimos de Coordenação entre Dispositivo [s] Jusante Montante Fusível Disjuntor de BT Relé Eletromecânico Relé Digital Fusível Espaço Espaço 0,220 0,120 Disjuntor de BT Espaço Espaço 0,220 0,120 Eletromecânico 0,170 0,170 0,350 0,250 Relé Digital 0,170 0,170 0,350 0, Proteção de Transformadores Magnetização dos Transformadores A magnetização de um transformador não deve sensibilizar a sua proteção primária. Para essa verificação, considerou-se que a magnitude das correntes nesse instante é de aproximadamente: 8 (oito) vezes a nominal, durante 100 ms, para transformadores com potência acima 2 MVA; 12 (doze) vezes a nominal, durante 100 ms, para transformadores com potência abaixo 2 MVA Ponto ANSI A curva do dispositivo de proteção deve atender aos requisitos da norma IEEE C para proteção quanto às altas correntes passantes pelo transformador. A referida norma define 21

22 o tempo que um transformador deve suportar tensão plena em um dos enrolamentos com um determinado valor de corrente passante, sem danificação térmica ou mecânica do mesmo. Nos coordenogramas desse estudo são apresentadas as curvas limites dos transformadores, em comparação com as curvas de operação dos dispositivos de proteção associados ao transformador. Para uma adequada proteção, a curva do dispositivo responsável pela proteção deve operar sempre em um tempo inferior ao limite do transformador Proteção 51 - Primário De acordo com os limites estabelecidos pelo NEC (450.3), os ajustes da função de sobrecorrente temporizada (51), devem ser de, no máximo, 300% da corrente nominal do mesmo. Assim sendo, neste estudo os transformadores tiveram suas funções de sobrecorrente de fase ajustadas em aproximadamente 150% do valor da corrente nominal Proteção 50 - Primário Como critério para ajuste da função de sobrecorrente instantânea (50) do enrolamento primário foi considerado que esta proteção deverá: Ser insensível às correntes de magnetização dos transformadores; Atuar para ponto ANSI; Recomenda-se que a proteção atue a 120 % da corrente de magnetização e a 120 % da corrente de curto circuito simétrico trifásico do secundário do transformador Proteção dos Alimentadores - Sobrecorrentes de Fase (ANSI 50/51) De acordo com os limites informados pela ANSI, o ajuste de pick-up da função de sobrecorrente de fase temporizada (51) deve estar, no máximo, em 300% da corrente nominal de sistema. Empregou-se neste estudo o ajuste em 110% da corrente nominal. Esse ajuste garante uma boa sensibilidade para a proteção, sem que haja riscos de operação indesejada. Com base nas informações recebidas (diagramas unifilar e trifilar), e nas considerações acima descritas o sistema elétrico foi modelado conforme a figura 2. 22

23 BANDEIRANTES Isc 3P MVA Isc SLG MVA CBL-0001 Cabo 1 x 150 mm Meters SE-01 RP_1439 DJ_ABB_VMAX_1 In 0.0 A SE V RP_1439_SE_02 RP_1439_TR_5 RP_7140_TR_6 DJ_ABB_VMAX_SE_02 In 0.0 A DJ_ABB_VMAX_TR_5 In 0.0 A FUTURO DJ_ABB_VMAX_TR_6 In 0.0 A CBL-0004 Cabo 1 x 70 mm Meters CBL-0003 Cabo 1 x 25 mm Meters CBL-0002 Cabo 1 x 70 mm Meters FU_TR_5 In A SE-03 FU_TR_6 In 15.0 A SE-04 S TR_5 ANAN kva ANAF kva Z 6.13 % S TR_6 ANAN kva ANAF kva Z 3.47 % DJ_BEGHIM In A SE-02 SE V FU_TR_1 In 80.0 A FU_TR_2 In 80.0 A FU_TR_3 In 80.0 A FU_TR_4 In 80.0 A S TR_1 ANAN kva ANAF kva Z 5.57 % S TR_2 ANAN kva ANAF kva Z 5.57 % S TR_3 ANAN kva ANAF kva Z 5.50 % S TR_4 ANAN kva ANAF kva Z 5.06 % FIGURA 2 Diagrama unifilar de entrada Determinação das correntes de curto-circuito Foram analisadas correntes de curto-circuito trifásico e monofásico, cujos resultados estão na figura 3. 23

24 BANDEIRANTES CBL-0001 SE-01 RP_1439 DJ_ABB_VMAX_1 SE Amps 3P Amps SLG RP_1439_SE_02 RP_1439_TR_5 RP_7140_TR_6 DJ_ABB_VMAX_SE_02 DJ_ABB_VMAX_TR_5 DJ_ABB_VMAX_TR_6 FUTURO CBL-0004 CBL-0003 CBL Amps 3P Amps SLG Amps 3P Amps SLG FU_TR_5 SE-03 FU_TR_6 SE-04 S TR_5 S TR_6 DJ_BEGHIM SE Amps 3P Amps SLG SE-02 FU_TR_1 FU_TR_2 FU_TR_3 FU_TR_4 S TR_1 S TR_2 S TR_3 S TR_4 FIGURA 3 - Modelo curto circuito trifásico e monofásico 3.2. ESTUDO DE COORDENAÇÃO E SELETIVIDADE FUNÇÕES DE FASE Este item destina-se aos ajustes das funções de sobrecorrente de fase (50/51) Subestação SE-02 O disjuntor de entrada é um disjuntor BEGHIM, tripolar, modelo PL15C (PVO), Classe 15kV - 350MVA 630 A, com bobina de abertura, mínima e fechamento e cuja proteção é 24

25 feita através de relé de sobrecorrente primário. O ajuste deste relé deve ser coordenado com os fusíveis instalados no primário dos transformadores TR_1 à TR_4. A montante deste alimentador (SE-01) existe um relé Pextron URP Ajuste do relé primário DJ PL15C (BEGHIM) Corrente de tempo longo (CTL) 2 (200 A); Tempo de atraso (TL) s; Na figura 4 é apresentado o coordenograma com os ajustes necessários à coordenação destes dispositivos. Como todos os transformadores estão protegidos por fusíveis de mesma capacidade (80 A) será apresentada a coordenação com apenas um dos fusíveis. CURRENT IN AMPERES 1000 TR_1 TR_1 100 FU_TR_ DJ_BEGHIM TIME IN SECONDS 0.10 TX Inrush K 10K SE-02.tcc Ref. Voltage: 13800V Current in Amps x 10 SE-02.drw Figura 4 Gráfico de coordenação do transformador TR1 25

26 Com os ajustes propostos na figura 4, é possível verificar que: Não existe atuação para INRUSH; Não existe atuação para a corrente nominal do alimentador (Σ In dos trafos = 160 A); A proteção atua adequadamente para o curto no primário dos transformadores (14,5 ka); A proteção atua adequadamente para o ponto ANSI dos transformadores TR_1 à TR_4; O ajuste de proteção (relé primário) é seletivo em 250 ms com os fusíveis instalados nos primários dos transformadores Ajustes relé RP_1439_SE_02 Corrente de partida de fase (51) 5 (300 A); Tipo de curva de atuação para fase (51) EI; dt de fase (51) 0.1; Tempo definido de fase (51) 0.25; Na figura 5 é apresentado o coordenograma com os ajustes necessários à coordenação destes dispositivos. 26

27 CURRENT IN AMPERES 1000 RP_1439_SE_02 CBL RP_1439_SE_02 DJ_BEGHIM TIME IN SECONDS 0.10 FU_TR_4 CBL K 10K FEEDER SE-02.tcc Ref. Voltage: 13800V Current in Amps x 10 FEEDER SE-02.dr Figura 5 Gráfico de coordenação do transformador TR 1. Com os ajustes propostos na figura 5, é possível verificar que: A proteção atua adequadamente para o curto no primário do transformador (14,5 ka); O cabo alimentador tem sua curva de dano protegida para o curto em seu terminal; O ajuste de proteção do relé Pextron URP-1439 está coordenado em 250 ms com fusível instalado no primário dos transformadores a jusante; Foi priorizada a proteção do cabo em detrimento de coordenação entre o DJ BEGHIM PL15C e o Pextron URP Esta coordenação não se faz necessária por se tratar de um trecho sem derivação de circuitos Proteção do transformador TR_5 27

28 O transformador TR_5 é protegido através de um fusível HH de 125 A. A montante deste alimentador (SE-01) existe um relé Pextron URP Na figura 6 é apresentado o coordenograma com os ajustes necessários à coordenação destes dispositivos. CURRENT IN AMPERES 1000 CBL-0003 RP_1439_TR_5 TR_ TR_5 CBL-0003 RP_1439_TR_5 TIME IN SECONDS 0.10 FU_TR_5 TX Inrush K 10K TR_5.tcc Ref. Voltage: 13800V Current in Amps x 10 TR_5.drw ka); Figura 6 Gráfico de coordenação do transformador TR 5. Com os ajustes propostos na figura 6, é possível verificar que: Não existe atuação para INRUSH; Não existe atuação para a corrente nominal do transformador (80 A); A proteção atua adequadamente para o curto no primário do transformador (14,5 As proteções atuam adequadamente para o ponto ANSI do transformador TR_5; 28

29 O ajuste de proteção do relé Pextron URP-1439 está coordenado em 250 ms com o fusível instalado no primário do transformador. Com os ajustes acima sugeridos, o cabo alimentador (1x3/C #25mm2) não tem sua curva de dano protegida para o curto-circuito em seus terminais. A magnitude de curtocircuito na extremidade próxima ao TR_5 é aproximadamente 14,5 ka. Assumindo que este cabos sejam com isolação EPR, o tempo máximo de suportabilidade do condutor seria aproximadamente de 55 ms, tempo este que não possibilita a devida coordenação com os demais equipamentos. Para resolução do problema é necessária alteração da bitola deste alimentador ou utilização de função instantânea no relé localizado na SE-01, porém com perda de coordenação entre o relé Pextron e o fusível instalado no transformador. Esta coordenação não se faz necessária por se tratar de um trecho sem derivação de circuitos. Na figura 7 é apresentado o coordenograma já com a função 50 do relé Pextron 1439 ajustada. 29

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

ESTUDO DE SELETIVIDADE DAS PROTEÇÕES DE SOBRECORRENTE DE UM SISTEMA ELÉTRICO

ESTUDO DE SELETIVIDADE DAS PROTEÇÕES DE SOBRECORRENTE DE UM SISTEMA ELÉTRICO UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE ENGENHARIAS, ARQUITETURA E URBANISMO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA / ELETRÔNICA VANESSA FERNANDES NOGUEIRA ORIENTADOR:

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária Elaborado por: Eng. Dener Pioli Gerencia de Engenharia de Automação e Proteção Aprovado por: Sergio

Leia mais

Proteção dos transformadores Parte I

Proteção dos transformadores Parte I 26 Capítulo IX Proteção dos transformadores Parte I Por Cláudio Mardegan* Normas e guias Para o desenvolvimento deste capítulo, proteção dos transformadores, as seguintes normas/guias foram consideradas:

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGA DE CÁLCULO SUBESTAÇÕES DE 5kV Elaborado por Carlos Alberto Oliveira Júnior Maio 26 ÍNDCE. Obtenção dos dados...2.. Documentos necessários...2.2. Dados necessários...2 2. Cálculo

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 36 Fusível NH Zonasde Atuação 224 A Fusível NH Zonasde Atuação 355 A 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 37 5 Proteção e Coordenação

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

CÁLCULO DE CORRENTES DE CURTO-CIRCUITO E SELETIVIDADE EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

CÁLCULO DE CORRENTES DE CURTO-CIRCUITO E SELETIVIDADE EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA WILLIAN DE OLIVEIRA CÁLCULO DE CORRENTES DE CURTO-CIRCUITO E SELETIVIDADE EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS TRABALHO

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DA SUBESTAÇÃO ELÉTRICA ELÉTRICO-SUBESTAÇÃO ABRIGADA 2MVA 1/6 NOVO FÓRUM DA

Leia mais

Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico

Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico NT 07 05 008 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. DEFINIÇÕES 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Capítulo X Proteção de transformadores Parte II

Capítulo X Proteção de transformadores Parte II 30 Capítulo X Proteção de transformadores Parte II Por Cláudio Mardegan* No capítulo anterior, iniciamos o estudo sobre proteção dos transformadores. Na primeira parte, falamos sobre normas, guias de consulta

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa*

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* 62 Capítulo I Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* Novo! A aplicação de resistores de aterramento do neutro em sistemas industriais,

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO DE: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO À Engenheiros

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição:

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição: Capítulo2 CHAVE-FUÍVEI PARA PROTEÇÃO DE ALIMENTADORE E TRANFORMADORE 2.1 Introdução Classicamente, os sistemas de distribuição primários, aéreos, trifásicos e aterrados, constituídos por condutores nus,

Leia mais

Capítulo XVII. A seletividade. Proteção e seletividade. A folha de seletividade. Exemplo 1

Capítulo XVII. A seletividade. Proteção e seletividade. A folha de seletividade. Exemplo 1 30 Capítulo XVII A seletividade Por Cláudio Mardegan* O objetivo maior de um estudo de seletividade é determinar os ajustes dos dispositivos de proteção, de forma que, na ocorrência de um curto-circuito,

Leia mais

SUPERCOORD v2. Software de apoio a estudos de proteção e coordenação da rede de distribuição de energia elétrica.

SUPERCOORD v2. Software de apoio a estudos de proteção e coordenação da rede de distribuição de energia elétrica. SUPERCOORD v2 Software de apoio a estudos de proteção e coordenação da rede de distribuição de energia elétrica. Diego Fontana, Cesar Furlanetto, Edmilson Benedet supercoord@ig.com.br Revisão 1.13 Sumário

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA Paulo Eduardo Mota Pellegrino Introdução Este método permite calcular os valores de curto circuito em cada ponto do Sistema de energia elétrica (SEE). Enquanto

Leia mais

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS 1 Impactos da Suportabilidade de Geradores Síncronos Distribuídos a Afundamentos de Tensão na Proteção de Sobrecorrente e Anti-ilhamento Rafael S. Silva, Fernanda C. L. Trindade, Walmir Freitas Resumo--Este

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNVERSDADE FEDERAL DE JUZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U).

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U). 32 Apoio Proteção e seletividade Capítulo XII Proteção de cabos Por Cláudio Mardegan* Falando em proteção de cabos, este capítulo abordará de proteção deve ficar, no máximo, igual ao valor de alguns critérios

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Aplicação da Norma IEEE std 551-2006 no Dimensionamento de Disjuntores de Baixa Tensão

Aplicação da Norma IEEE std 551-2006 no Dimensionamento de Disjuntores de Baixa Tensão Aplicação da Norma IEEE std 551-2006 no Dimensionamento de Disjuntores de Baixa Tensão Fernando A. Grigoletto GQEE - Grupo de Estudos da Qualidade da Energia Elétrica UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA DILIOMAR MOREIRA DURÃES DA SILVA JEAN GABRIEL ROGENSKI PEREIRA ROGER DAL NEGRO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt 26 Capítulo XIII Proteção de Bancos de Capacitores Shunt Por Cláudio Mardegan* A utilização de bancos de capacitores em sistemas elétricos industriais tem crescido ultimamente devido ao fato de se constituir

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779 RELATÓRIO DO ESTUDO DE CURTO CIRCUITO E DA PLANTA DA ULBRA - PARTE 1 CONFORME SOLICITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA STEMAC - 210779 EMITIDA EM 01/03/2007. REVISÃO 1 19/04/2007 Introdução. O presente documento

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Projeto de instalação de sistemas UPS

Projeto de instalação de sistemas UPS 22 Capítulo IX Projeto de instalação de sistemas UPS Por Luis Tossi e Azarias Macedo Júnior* Neste capítulo, abordaremos os aspectos relacionados ao projeto de sistemas UPS. Trataremos de forma separada

Leia mais

Para tal será considerada a principal condição operativa a seguir :

Para tal será considerada a principal condição operativa a seguir : 1 1 - Introdução. O presente trabalho tem por objetivo apresentar os ajustes para as proteções da planta da UTE PARANAPANEMA em 13.8 KV, tomando como referência o desenho Diagrama Unifilar SINER - 0071I-001_r4.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l Análise da Corrente de Curto - Circuito A Análise da corrente de curto circuito em sistemas de baixa tensão é necessária para dimensionar corretamente a proteção do equipamento (disjuntor de proteção)

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014

Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014 Aplicabilidade de Transformadores de Corrente de Baixa Relação de Transformação Acoplados a Relés de Sobrecorrente Digitais em Circuitos com

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O 2 PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O CÓDIGO DO CARGO/VAGA: V0013 1) Considere um transformador

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

Universidade São Francisco Itatiba Engenharia Elétrica Sistema de Proteção da Rede de Distribuição de Energia Elétrica

Universidade São Francisco Itatiba Engenharia Elétrica Sistema de Proteção da Rede de Distribuição de Energia Elétrica Universidade São Francisco Itatiba Engenharia Elétrica Sistema de Proteção da Rede de Distribuição de Energia Elétrica Daniel Maciel Leme Márcio Aparecido da Cunha Tadeu Armando Pitocco Wellington Cornetto

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A PROVA:

INSTRUÇÕES PARA A PROVA: CONCUSO PÚBLICO POFESSO / ELETOTÉCNICA GUPO MAGISTÉIO eservado ao CEFET-N 16 de setembro de 007 INSTUÇÕES PAA A POVA: Use apenas caneta esferográfica azul ou preta; Escreva o seu nome completo, o número

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

Concurso Público Nível Médio

Concurso Público Nível Médio Concurso Público Nível Médio Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Código da Vaga: CRC-03 Caderno de Prova Aplicação: 10/02/2010 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Ao receber este caderno, confira

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG.

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG. ÍNDICE 1. OBJETIVO...2 2. RESPONSABILIDADES...2 3. CONCEITUAÇÃO...2 3.1 CAPACITOR...2 3.2 CARGAS NÃO LINEARES...2 3.3 BANCO CAPACITIVO...2 3.4 CARGA INSTALADA...2 3.5 POTÊNCIA ATIVA...2 3.6 POTÊNCIA...2

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

3 Faltas Desbalanceadas

3 Faltas Desbalanceadas UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior 2012 1 3 Faltas Desbalanceadas 3.1 Introdução Neste capítulo são estudados os curtos-circuitos do tipo monofásico, bifásico e bifase-terra. Durante o estudo será utilizado

Leia mais

A ferramenta ABB para dimensionar suas instalações de forma prática e completa!

A ferramenta ABB para dimensionar suas instalações de forma prática e completa! 100% em PORTUGUÊS A ferramenta ABB para dimensionar suas instalações de forma prática e completa! DOC é um software criado para o dimensionamento de instalações elétricas. É o resultado da ampla experiência

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; freqüência nominal; potência ou corrente

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

Impactos da Contribuição de Curto-Circuito da Máquina de Indução em Instalações Elétricas

Impactos da Contribuição de Curto-Circuito da Máquina de Indução em Instalações Elétricas 1 Impactos da Contribuição de Curto-Circuito da Máquina de Indução em Instalações Elétricas I. L. Mota, I. Kopcak, A.C. Baleeiro, B. Alvarenga Resumo As cargas de instalações elétricas industriais possuem

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br 1. INTRODUÇÃO A representação dos circuitos de comando de motores elétricos é feita normalmente

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

3. Determinação dos condutores (CCMs, QDL, QGF, circuitos terminais, etc.);

3. Determinação dos condutores (CCMs, QDL, QGF, circuitos terminais, etc.); Instalações Elétricas Industriais Professor:Fábio Bertequini Leão Programa de Ensino ELE 1093 1 - Elementos de Projeto Formulação de um Projeto Elétrico Roteiro para elaboração de um Projeto Elétrico Industrial:

Leia mais

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org 1ª. Questão Considere as seguintes impedâncias e tensões de um transformador cuja potência nominal é S N. Z AT : impedância de dispersão, referida à alta tensão, em ohms; Z BT : impedância de dispersão,

Leia mais

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro 60 Capítulo IV Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração Paulo Fernandes Costa* Nos três capítulos anteriores, foram discutidos os aspectos da escolha e

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos.

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Campus Araranguá Curso: Eletromecânica Disciplina: Instalações Elétricas Local: Laboratório de Eletrotécnica Professor: Giovani Batista

Leia mais

REDUÇÃO DO TEMPO DE ELIMINAÇÃO DE FALTAS EM BARRAMENTOS INTERCONECTADOS EM ANÉIS MÚLTIPLOS

REDUÇÃO DO TEMPO DE ELIMINAÇÃO DE FALTAS EM BARRAMENTOS INTERCONECTADOS EM ANÉIS MÚLTIPLOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS- UFMG ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA-PPGEE REDUÇÃO DO TEMPO DE ELIMINAÇÃO DE FALTAS EM BARRAMENTOS INTERCONECTADOS EM ANÉIS MÚLTIPLOS

Leia mais

Proteção Primária ria para Transformadores da Rede de Distribuição Subterrânea

Proteção Primária ria para Transformadores da Rede de Distribuição Subterrânea Proteção Primária ria para Transformadores da Rede de Distribuição Subterrânea Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Rafael Moreno Engenheiro Eletricista Campo rafael.moreno@aes.com Charles

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Aplicações de Relés Microprocessados na Distribuição

Aplicações de Relés Microprocessados na Distribuição Aplicações de Relés Microprocessados na Distribuição Karl Zimmerman Schweitzer Engineering Laboratories, Inc. Belleville, IL USA RESUMO Avanços na tecnologia usando microprocessadores têm resultado em

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

Proteção de geradores

Proteção de geradores 28 Capítulo XI Proteção de geradores Por Cláudio Mardegan* Este capítulo abordará as funções 46, 51V, 40, 32, 81, 24, 59GN, 49S e 60. São as funções típicas para a proteção de geradores. Apresentam-se

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais