Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:"

Transcrição

1 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade que possui o sistema de proteção de selecionar a parte danificada do circuito it eretirá la de serviço sem alterar os circuitos it em condições normais. Coordenação Ato ou efeito de dispor dois ou mais dispositivos de proteção em série, de forma a atuarem em uma sequência de operação preestabelecida garantindo a seletividade da proteção. Rapidez Sensibilidade Capacidade de resposta dentro do menor tempo possível de modo a assegurar a continuidade do suprimento e a manutenção de condições normais de operação das partes normais. Capacidade de identificar uma condição anormal que excede um valor limite ou de pickup para a qual inicia se uma ação de proteção. É a capacidade de resposta dentro de uma faixa esperada de ajuste, ou seja, é a capacidade da proteção responder às sobrecargas e aoscurto circuitos para os quais foi projetada. Confiabilidade d Probabilidade de um componente, equipamento ou sistema funcionar corretamente quando sua atuação for requerida. A confiabilidade tem dois aspectos: 1. Confiança: É a certeza de uma operação correta mediante a ocorrência de uma falta. 2. Segurança: É a certeza de não haver operação indesejada.

2 5 Proteção e Coordenação Baixa Tensão 2 Curto circuito Sobrecarga Sobretensões (descargas atmosféricas) Limitação através de dispositivos de proteção Fusíveis (Diazed e NH), disjuntores, relés térmicos e Pára Raios.

3 5 Proteção e Coordenação Baixa Tensão 3 Prescrições básicas das proteções contra sobrecorrentes em instalações industriais Sobrecarga Interroper as correntes de sobrecarga nos condutores dos circuitos e motores de modo a evitar o aquecimento da isolação dos fios e enrolamento dos motores; Dispositivos para proteção de motores não devem ser sensíveis a corrente de carga absorvida pelo mesmo. A proteção de motores deve ter características compatíveis com o regime de corrente de partida, tempo admissível com rotor bloqueado e tempo de aceleração do motor. Curto Circuito Os dispositivos de proteção devem ter sua capacidade de interrupção ou de ruptura igual ou superior ao valor da corrente de curto circuito presumida (calculada) no ponto de sua instalação. A energia que o dispositivo de proteção deve deixar passar não pode ser superior à energia máxima suportada pelos dispositivos e condutores situados a jusante. Os circuitos terminais que alimentam um só motor podem ser protegidos contra curtos circuitos utilizando se fusíveis do tipo NH ou diazed com retardo de tempo ou disjuntores magnéticos. Indicação de aplicação dos dispositivos de proteção para cada tipo de carga Sobrecorrentes Motores Força, iluminaçãoe i cargas gerais Sobrecarga Curto circuito Relé bimetálico com contator, disjuntor térmico Fusível do tipo Diazed e NH com retardo de tempo ou disjuntor magnético Disjuntor térmico Fusível do tipo Diazed e NH com retardo de tempo ou disjuntor magnético

4 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 4 Integral de Joule: t 0 [()] it dt I T 2 2 cs 2 J / A s Energia por unidade de resistência I cs : corrente de falta que atravessa o dispositivo de proteção (A) T: Tempo de duração da corrente de falta (s) I c : Capacidadedecorrentedocaboquenessas condições atinge a temperatura máxima para serviço contínuo. I l : Valor limite da corrente para a qual o aquecimento do condutor é adiabático, ou seja, sem troca de calor entre o condutor e a isolação. Aintegraldejouleédefinidacomo aenergia necessária ái para elevar a temperaturat de operação em serviço contínuo até a temperatura de curto circuito. Característica da integral de joule típica de cabos de baixa tensão.

5 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 5 A NBR 5410:2004 estabelece que a integral de joule a qual o dispositivo de proteção deve deixar passar não deve ser superior à integral de Joule necessária para aquecer o condutor desde a temperatura máxima de serviço contínuo até a temperatura limite de curto circuito, ou seja: 2 K S 2 : integral de joule para aquecimento do condutor desde a t temperatura máxima para serviço contínuo até a temperatura [()] it dt K S de curto-circuito, admitindo-se aquecimento adiabático, sendo: 0 K 115 para condutores de cobre com isolação de PVC. K 143 para condutores de cobre com isolação de EPR ou XLPE. 2 S : seção do condutor (mm ). Para curto circuitos de qualquer duração, onde a assimetria da corrente não seja significativa, e para curtos circuitos simétricos de duração igual ou superior a 0,1s e igual ou inferiora5s, pode se escrever: I T K S cs T K S I cs I cs : corrente de falta presumida simétrica (A) T: Tempo de duração da corrente de falta sendo 0,1 T 5 (s)

6 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 6 Exemplo (10.1): (10 1): Determinar o tempo máximo que a proteção deve atuar quando um determinado circuito em condutor isolado de cobre de seção de 70mm2 tipo de isolação PVC, é atravessado por uma corrente de curto curto circuito circuito de valor igual a 6,5 ka. Exemplo 5.2 (10.2): ( ) Um CCM é alimentado por um circuito trifásico em condutor de cobre isolado em PVC de PVC, d seção ã de d 95 mm2. A corrente t de falta é de A e a proteção atua para essa corrente em 0,3 s. Verificar se a isolação do condutor suporta esta condição.

7 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 7 Proteção por dispositivo de proteção à corrente diferencial residual: Fornece segurança à vida dos usuários de energia elétrica quando a instalação está protegida por um dispositivo dimensionado para uma corrente de fuga no valor não superior a 30 ma. Curva tempo x corrente das reações fisiológicas dos seres humanos. zona 1: Não provoca distúrbios perceptíveis. zona 2: não provoca distúrbios fisiológicos prejudiciais. zona 3: provoca distúrbios fisiológicos sérios, porém reversíveis, tais como parada cardíaca, parada respiratória e contrações musculares. zona 4: provoca distúrbios úbi fisiológicosi i graves e geralmente irreversíveis, tais como fibrilação cardíaca e parada respiratória. i zona 5: representa a faixa de atuação do dispositivo de proteção DR para a corrente de fuga de 30mA.

8 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 8 Proteção por dispositivo de proteção à corrente diferencial residual: O princípio básico de funcionamento do dispositivo DR leva em conta que a soma das correntes que circulam nos condutores de fase e de neutro é nula, gerando desta forma, um campo magnético nulo. O DR não deve envolver, em nenhuma hipótese, o condutor de proteção PE. Dispositivo DR instalado em um circuito trifásico Nota: De acordo com a NBR 5410:2004, qualquer que seja o esquema de aterramento deve ser objeto de proteção complementar contra contatos diretos por dispositivos à corrente diferencial residual de alta sensibilidade, isto é, com corrente diferencial residual nominal igual ou inferior a 30 ma.

9 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 9 RelésTérmicosdeSobrecarga: Tempo de Atuação da unidade térmica: M I I c a Ia: Corrente de ajuste da unidade térmica (A) Ic: Corrente "sentida" pelo relé (A). M: : Múltiplo da corrente ajustada. Ajuste do relé de sobrecarga: Serviço Contínuo do motor (S1): 1. I I a c 2. I a I nc 3. Trb Tar Tpm Condição de partida do motor M Característica de atuação do relé 3UA da Siemens. I T nc pm T rb : Corrente nominal do condutor (A). : Tempo de partida do motor (s). : Tempo de rotor bloqueado (s).

10 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 10 RelésTérmicosdeSobrecarga: Serviço de curta duração ou intermitente (S2 S6): I eq T corrigido ar 2 2 I T I T I eq : Corrente equivalente do ciclo de carga (A). pm pm nm n 1 Tn: Tempo de regime normal de funcionamento (s). Tt Tr 3 Tt Tpm Tn: Tempo de um ciclo de funcionamento (s). T r : Tempo de repouso (s). 0, 25 T ar Curva de operação de um motor em regime S4 Nota: Em determinados casos pode se omitir a proteção de sobrecarga dependendo do regime de serviço do motor. No entanto é sempre aconselhável seguir a orientação do fabricante da máquina a ser acionada.

11 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 11

12 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 12 A NBR 5410:2004 considera corrente de sobrecarga de pequena intensidade quando o condutor atinge uma temperatura de regime não superior à temperatura máxima de sobrecarga relativa à natureza da sua isolação, dada na Tabela 3.5; Correntes de sobrecarga de até 1,45 vezes a capacidade nominal do condutor são consideradas de pequena intensidade. Podem ser toleradas por um longo período de tempo, porém devem ser limitadas na duração para não prejudicar a isolação do condutor.

13 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 13 Exemplo de aplicação 5.3 (10.3): Determinar o ajuste do relé bimetálico de um motor de 50 cv, 380 V, IV polos, em regime de funcionamento S1, alimentado por um circuito em condutor unipolar de cobre, isolação PVC, de seção igual a 25 mm 2, instalado em canaleta fechada embutida no piso. O tempo de partida do motor é de 2s. Exemplo de aplicação 5.4 (10.4): Determinaroajustedorelébimetálicodeproteçãode um motor de 75 cv, IV polos, 380 V, acionado em regime intermitente tipo S4 dado na Figura abaixo. O tempo de partida do motor é de 3s. O motor opera em condição de sobrecarga de 10%. O condutor é do tipo unipolar, isolado em PVC, e está instalado no interior de eletroduto, enterrado no piso.

14 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 14 Disjuntores de baixa tensão: Podem acumular várias funções: Proteção contra sobrecarga (disjuntor térmico); Proteção contra curto circuitos (disjuntor magnético); Comando funcional (manobra do circuito); Seccionamento (abertura em carga); Proteção contra contatos diretos. Parâmetros elétricos: Corrente nominal: circula permanentemente no disjuntor sem causar sua atuação; Tensão nominal: é aquela à qual estão referidas a capacidade de interrupção e as demais características nominais do disjuntor. Capacidade nominal de interrupção de curto circuito: é a máxima corrente presumida de interrupção, de valor eficaz, que o disjuntor pode interromper, operando dentro de suas características nominais de tensão e frequência.

15 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 15 Disjuntores de baixa tensão: Característica de atuação de um disjuntor termomagnético.

16 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 16 Região A: I I a não existe limitação de corrente. Região B: I a < I I m tempo de disparo longo devido à temporização da unidade térmica. Região C: I m < I I rd tempo de disparo curto devido à atuação sem temporização da unidade magnética. Região D: I > I rd caracterizada pela impropriedade do uso do disjuntor. Integral de joule disjuntores x condutor Regiões características quanto a integral de joule. I: Corrente sentida pelo disjuntor; I a ou I n : Corrente nominal ou de ajuste; I m : Corrente de sensibilidade da unidade magnética; I rd : Corrente de interrupção do disjuntor;

17 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 17 Disjuntores de baixa tensão: Especificação e ajuste para proteção contra sobrecarga 1) 2) I I a a I I c nc 3) a) b) I I adc adc 1, 45 I I nc nc Por questões práticas utiliza se: I adc K I a T T T 4) rb ad pm Condição de partida do motor I adc : Corrente convencional de atuação do disjuntor (A). adc T ad : Tempo convencional de atuação do disjuntor (s). K: Fator de multiplicação dado pela Tabela Nota 1: Entende se por corrente convencional de atuação aquela que assegura efetivamente a atuação do disjuntor dentro de um intervalo de tempo T ad (vide figuras anteriores). Nota 2: Acondição3 a) é aplicável quando for possível assumir que a temperatura limite de sobrecorrente dos condutores (Tabela 3.5) não venha a ser mantida por um período de tempo superior a 100 horas durante 12 meses consecutivos ou 500 horas ao longo da vida útildo condutor. Quando issonão ocorre usa se a condição 3 b).

18 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 18 Disjuntores tipo L: Adequados à proteção de circuitos de distribuição, circuitos de iluminação, d tomadas de d e de d comando; d Disjuntores tipo G: Adequados à proteção de equipamentos sujeitos a sobrecargas (motores).

19 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 19 Disjuntores em geral Disjuntores em Caixa Moldada

20 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 20 Disjuntores de baixa tensão: Especificação e ajuste para proteção contra curto circuito 1) 2) I T cs ad I T rd sc Capacidade de interrupção do disjuntor Proteção da isolação do condutor Ics: Corrente de curto-circuito trifásica simétrica (A). Trd: Capacidade de interrupção do disjuntor (A). T sc : Tempo máximo em (s) que a isolação do condutor suporta para uma corrente de curto-circuito trifásica simétrica - (A). I sc Integral de Joule Condição 2): Curva de Coordenação Disjuntor x Condutor T ad T sc K S 2 I 2 2 cs

21 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 21

22 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 22

23 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 23

24 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 24 Disjuntores 3VU13 Siemens Disjuntores 3VF3/5/6 Siemens

25 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 25 Disjuntores 3VF12 Siemens Disjuntores 3VU16 Siemens

26 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 26 Disjuntores 3WN6 Siemens

27 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 27 Disjuntores da série H Siemens

28 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 28 Exemplo de aplicação 5.5 (10.5): Determinar os ajustes do disjuntor destinado à proteção de um motor de 50 cv, 380 V, IV polos, em regime de funcionamento S1, alimentado por um circuito em condutor unipolar de cobre, tipo de isolação PVC, de seção igual a 25 mm 2, instalado em eletroduto enterrado. O tempo de partida do motor é de 3s. Acorrentedecurto circuito trifásica no terminal do motor é de 5 ka. Admite se que a corrente de sobrecarga do condutor ao longo de sua vida útil seja controlada e não superará 100 horas durante 12 meses consecutivos ou 500 horas ao longo da vida útil do condutor. Exemplo de aplicação 5.6: Considere que no problema anterior, a corrente de curtop p ç q p, circuito trifásica no terminal do motor seja de 40 ka. Determinar se os ajustes do disjuntor destinado à proteção do mesmo motor e do condutor de 25 mm 2 são adequados neste caso.

29 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 29 Fusíveis: São dispositivos destinados a proteção de circuitos elétricos e que se fundem quando percorridos por uma corrente de valor superior àquela para a qual foram projetados. Classificação IEC (NBR 11841) utiliza duas lt letras: 1ª letra g atuaçãoparasobrecargaecurto circuito; faixa de interrupção a atuação apenasparacurto para curto circuito; circuito; 2ª letra categoria de utilização L/G proteção de cabos e uso geral; M proteção de motores; R proteção de circuitos com semicondutores. gg e gm: utilizados para proteção contra correntes de sobrecarga e curto circuito; am: utilizados apenas para proteção contra correntes de curto circuito. Assim são indicados para proteção de circuitos de motores supondo se que já se tenha um dispositivo de proteção contra sobrecarga (relé térmico/bimetálico ou disjuntor térmico);

30 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 30 Tipos construtivos: NH ou Diazed do tipo com retardo; Os fusíveis NH e Diazed apresentam a classificação am e portanto são largamente utilizados na proteção de circuitos de motores contra correntes de curto circuito considerando que já se tenha uma proteção contra sobrecarga. Os fusíveisam são dotados d das seguintes características: ti Não devem fundir para correntes menores ou iguais a K 1 xi n ; Podem fundir para correntes entre K 1 xi n e K 2 xi n ; Devem fundir para correntes maiores que K 2 xi n ;

31 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 31 Característica tempo x corrente dos fusíveis tipo am

32 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 32 Fusível NH Fusível NH Zonas de Atuação

33 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção Fusível Diazed Zonas de Atuação 33

34 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 34 Fusível Diazed Fusível Diazed Zonas de Atuação

35 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção Fusível NH NH Zonas de Atuação 35

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 36 Fusível NH Zonasde Atuação 224 A Fusível NH Zonasde Atuação 355 A 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 37 5 Proteção e Coordenação

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar Minidisjuntores MBW Correntes nominais de 2 a 70 A Curvas de disparo B e C Versões monopolar, bipolar, tripolar e tetrapolar Interruptores Diferenciais Residuais DRs RBW Sensibilidade de ou 0mA Correntes

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias NOVOS Disjuntores RX 3 A solução ideal para instalações residenciais e terciárias Ambiente Residencial - área úmida Ambiente Residencial Soho - Pequeno Escritório ou Home Office Ambiente Residencial -

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1)

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) PROF. WESLEY DE ALMEIDA SOUTO wesley@cefetba.br 03/ 2004 1. INTRODUÇÃO A representação

Leia mais

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l Análise da Corrente de Curto - Circuito A Análise da corrente de curto circuito em sistemas de baixa tensão é necessária para dimensionar corretamente a proteção do equipamento (disjuntor de proteção)

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; freqüência nominal; potência ou corrente

Leia mais

7 - CORRENTES DE FALTA

7 - CORRENTES DE FALTA 36 7 - CORRENTES DE FALTA Toda instalação elétrica está sujeita a defeitos que proporcionam altas correntes elétricas, as denominadas correntes de falta. Sempre da ocorrência de uma falta, os dispositivos

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br 1. INTRODUÇÃO A representação dos circuitos de comando de motores elétricos é feita normalmente

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

Relés de Sobrecarga Térmicos 3US

Relés de Sobrecarga Térmicos 3US Relés de Sobrecarga Térmicos US Relés de Sobrecarga Térmicos US /2 / /5 /8 Resumo Tabela de Seleção Informações Técnicas Esquema Dimensional catalogo TS_ cap.indd 1 Relés de Sobrecarga Térmicos US Relés

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

Proteção e Seletividade. Sidnei Castro sidnei.castro@schneider-electric.com 48-8801.2013

Proteção e Seletividade. Sidnei Castro sidnei.castro@schneider-electric.com 48-8801.2013 Proteção e Seletividade Sidnei Castro sidnei.castro@schneider-electric.com 48-8801.2013 Conceitos Básicos de Proteção Elementos de Proteção - Disjuntores - Fusíveis - Reles Térmicos - Interruptores Diferenciais

Leia mais

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U).

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U). 32 Apoio Proteção e seletividade Capítulo XII Proteção de cabos Por Cláudio Mardegan* Falando em proteção de cabos, este capítulo abordará de proteção deve ficar, no máximo, igual ao valor de alguns critérios

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Proteção contra choques elétricos e incêndios

Proteção contra choques elétricos e incêndios Proteção contra choques elétricos e incêndios Fabricado no Brasil Dispositivos D Proteção contra correntes de fuga à terra em instalações elétricas de baixa tensão Dispositivos D, Módulos D, Disjuntores

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi Comandos Elétricos Comandos Elétricos ACIONAMENTO CONVENCIONAL Conhecido como partidas convencionais de motores, utilizam se de dispositivos eletromecânicos para o acionamento (partida) do motor (ex. contatores

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014 Questão 1 Conhecimentos Específicos Técnico em Eletrotécnica Um forno elétrico industrial de 100 kw/440v trifásico é acionado diariamente por cerca de 5 horas e 12 minutos. O consumo mensal (30 dias) de

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

Instalações elétricas resumo

Instalações elétricas resumo Instalações elétricas resumo Na instalação elétrica de um prédio (residencial, comercial ou industrial), temos basicamente: - Equipamentos relacionados com a alimentação da instalação, tais como geradores,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados 1 Temperatura característica dos condutores 1 Corrente de curto-circuito no condutor 1 Gráfico das correntes máximas de curto-circuito

Leia mais

Dispositivos de Proteção de CCM

Dispositivos de Proteção de CCM 58 Dispositivos de Proteção de CCM Elaborado por Weberton Eller, Thiago Ribeiro, Gilberto Marques e Allan Souto A utilização dos centros de controle de motores (CCM) é bastante comum nas indústrias, em

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Leonel Rodrigues Gerente de Aplicação de Produto Nexans Product Application Dept. Sep 2014 1 Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRECORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRECORRENTES PROTEÇÃO CONTRA SOBRECORRENTES Normalização IEC de disjuntores BT........................................................140 Tipos e normalização de dispositivos fusíveis........................................14

Leia mais

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Fusíveis

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Fusíveis 1. Conceituação Prof. Epaminondas Lage Os fusíveis são dispositivos de proteção que, pelas suas características, apresentam destaque na proteção contra correntes de curto-circuito, podendo também atuar

Leia mais

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40 1/40 Os valores de capaci dade de condução de correntes constantes das tabelas a seguir, foram calculados de acordo com os critérios estabelecidos pela NBR 11301. Para os cálculos foram consideradas aterradas

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores

Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores 1 Norma técnica...03 1.1 ABNT...03 1.2 Avaliação da conformidade...03 2 Legislação...03

Leia mais

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Sensores Amedição das grandezas físicas é uma necessidade. Para essa função são utilizados sensores estes convertem a grandeza a medir noutra. No caso da instrumentação a variável de saída é normalmente

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

H1 DIMENSIONAR FUSÍVEIS PARA APLICAÇÃO DE PROTEÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS. Aula 2 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

H1 DIMENSIONAR FUSÍVEIS PARA APLICAÇÃO DE PROTEÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS. Aula 2 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 H1 DIMENSIONAR FUSÍVEIS PARA APLICAÇÃO DE PROTEÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS Aula 2 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO 2 FUSÍVEIS; 2.1 Tipo D; 2.2 Tipo NH; 2.3 Ultra-rápidos; 2.5 Dimensionamento dos fusíveis;

Leia mais

Concurso Público Nível Médio

Concurso Público Nível Médio Concurso Público Nível Médio Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Código da Vaga: CRC-03 Caderno de Prova Aplicação: 10/02/2010 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Ao receber este caderno, confira

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

Especificação de Disjuntores Segundo a ABNT

Especificação de Disjuntores Segundo a ABNT Especificação de Disjuntores Segundo a ABNT Responsabilidade do profissional Normas Regulamentadoras (NR) - SSMT/MTb MTb NR-10 em 10.1.2 : Nas instalações e serviços em eletricidade,... usar as normas

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

Automação. Industrial.

Automação. Industrial. Automação Industrial. Apostila 1 Acionamentos e Simbologia. Prof. Alexandre Landim Automação Industrial. Introdução: Na Automação Industrial, bem como automação de processos e sistemas em geral, além do

Leia mais

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral DISPOSITIVOS DE COMANDO Índice 1 Objetivo... 1 2... 1 2.1 Generalidades......

Leia mais

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger SOBRETENSÃO saiba como se proteger O QUE É UMA DESCARGA ELÉTRICA? Descargas atmosféricas são relâmpagos que produzem uma quantidade extremamente grande de energia elétrica pulsada de milhares de ampères

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS Análise de Circuitos Contatores/Relés Aula 02 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Sobrecarga

Leia mais

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA 1 Apresentação O livro Comandos Elétricos tem como objetivo dar subsídios teóricos e facilitar as atividades práticas propostas na Bancada Didática

Leia mais

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas Disjuntores-Motor BDM-G Generalidade: O disjuntor-motor BDM-G,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção dos motores. Possuem alta capacidade de

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS

CONDUTORES ELÉTRICOS CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1,72 10-8 Ωm ρ alum = 2,80 10-8

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

Esquemas de Aterramento. Sérgio Ferreira de Paula Silva

Esquemas de Aterramento. Sérgio Ferreira de Paula Silva Esquemas de Aterramento 1 Aterramento O aterramento é a ligação de um equipamento ou de um sistema à terra, por motivos de proteção ou por exigência quanto ao funcionamento do mesmo. Aterramento de proteção:

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG Catalogo Técnico Disjuntor Motor BDM-NG Disjuntores-Motor BDM-NG Generalidade: O disjuntor-motor BDM-NG,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 041/2010 EM REVISÃO Inspeção Visual em Instalações Elétricas de Baixa

Leia mais

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Comando e protecção de motores Introdução SISTEMAS de ACCIONAMENTO ELECTROMECÂNICO, O que são? Sistemas capazes de converter energia eléctrica em energia mecânica

Leia mais

Manobra e Proteção de Motores. sirius. Métodos de Partida

Manobra e Proteção de Motores. sirius. Métodos de Partida anobra e Proteção de otores sirius étodos de Partida étodos de partida Índice Páginas Partida direta coordenada com fusível... e Partida direta com reversão coordenada com fúsivel... 5 e 6 Partida estrela-triângulo

Leia mais

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Tintas

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Tintas Capacitores Correção do Fator de Potência Motores Automação Energia Tintas Unidade Capacitiva Monofásica - UCW g As unidades capacitivas monofásicas WEG, tipo UCW, são produzidas com filme de polipropileno

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Proteção Contra Sobretensões ( NBR 5410)

Proteção Contra Sobretensões ( NBR 5410) Proteção Contra Sobretensões ( NBR 5410) Na NBR 5410, norma que regulamenta as instalações elétricas de baixa tensão, a primeira menção ao tema das sobretensões aparece no item 1.3.4 - Proteção contra

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de instalação número: Esquema ilustrativo Descrição Método de instalação a utilizar para a capacidade de condução de corrente 1 1 1 eletroduto de seção

Leia mais

GUIA PARA AULAS DE PROJETOS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

GUIA PARA AULAS DE PROJETOS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS GUIA PARA AULAS DE PROJETOS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS APRESENTAÇÃO Este material tem como finalidade oferecer aos alunos de Projetos Elétricos Industriais, de maneira simples e prática, os principais fundamentos

Leia mais

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO (NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO (NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA Prova : Amarela (PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA /PSCAP/2011) É PERMITIDO O USO

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Dimensionamento de condutores Tipos de Condutores Condutores isolados Condutores unipolar Condutores multipolar Critérios para dimensionamento:

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2

Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2 Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2 Disjuntores FM101 - Linha de Disjuntores em Caixa moldada Disjuntores FM101 - Linha de Disjuntores em Caixa moldada Os disjuntores FM

Leia mais

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões Protecção contra Descarregadores Protecção contra As podem muitas vezes causar danos irreparáveis nas instalações eléctricas, bem como, nos equipamentos eléctricos e electrónicos. Os descarregadores são

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGA DE CÁLCULO SUBESTAÇÕES DE 5kV Elaborado por Carlos Alberto Oliveira Júnior Maio 26 ÍNDCE. Obtenção dos dados...2.. Documentos necessários...2.2. Dados necessários...2 2. Cálculo

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores, Eletrodutos e Proteção

PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores, Eletrodutos e Proteção INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS JOÃO PESSOA CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA DUSPIPLINA: PIEP PROF.: KALINA MEDEIROS PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores,

Leia mais

Í N D I C E D E R E V I S Õ E S D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S

Í N D I C E D E R E V I S Õ E S D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S Página de 30 PROJETO: Í N D I C E D E R E V I S Õ E S R E V. D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S 0 EMISSÃO INICIAL 0 2 3 4 5 6 7 8 DATA 4.05.205 25.08.205 EXECUÇÃO WV WV VERIFICAÇÃO

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO.

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO. Fornecimento de Energia Elétrica Nos banheiros deverão ser instalados um disjuntor bifásico no quadro de energia existente de cada quadrante conforme projeto. Deste quadro sairá a alimentação para os banheiros.

Leia mais

Proteção Diferencial. GE Energy Services Industrial Solutions. imagination at work

Proteção Diferencial. GE Energy Services Industrial Solutions. imagination at work GE Consumer & Industrial GE Energy Services Industrial Solutions Proteção Diferencial DR - Interruptor Diferencial Residual DDR - Disjuntor com Proteção Diferencial DOC (Diff-o-Click) - Blocos Diferenciais

Leia mais

Capacitores para Correção do Fator de Potência Bobinas de polipropileno metalizado, auto-regenerativo e com dielétrico seco Perdas dielétricas

Capacitores para Correção do Fator de Potência Bobinas de polipropileno metalizado, auto-regenerativo e com dielétrico seco Perdas dielétricas Capacitores para Correção do Fator de Potência Bobinas de polipropileno metalizado, auto-regenerativo e com dielétrico seco Perdas dielétricas menores que 0,4 W/kvar Dispositivo interruptor de segurança

Leia mais

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos Conteúdo do Curso: Finalidade dos comandos Elétricos Proteção contra correntes de curto circuito Proteção contra correntes de sobrecarga Dispositivos de Manobras

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DIMENSIONAMENTOS. 16/08/2009 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Colbert São Paulo

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DIMENSIONAMENTOS. 16/08/2009 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Colbert São Paulo INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DIMENSIONAMENTOS 16/08/2009 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Colbert São Paulo 2 Conteúdo Introdução... 7 Etapas do Projeto Elétrico... 8 Normas Relacionadas... 9 Previsão

Leia mais

protecção contra sobreintensidades

protecção contra sobreintensidades DOSSIER o electricista 02 Bruno Serôdio (Eng.º) Gestor de Produto Hager - Sistemas Eléctricos Modulares, S.A. protecção contra sobreintensidades {NAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS} A protecção das instalações

Leia mais

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Método da capacidade de condução de corrente Roteiro: 1. Calcular a corrente de projeto (I p ) dos circuitos da edificação; 2. Definir parâmetros de instalação

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Manobra e proteção de motores Contatores 3TS e Relés de Sobrecarga Térmicos 3US

Manobra e proteção de motores Contatores 3TS e Relés de Sobrecarga Térmicos 3US Controles Industriais Resumo Manobra e proteção de motores Contatores TS e Relés de Sobrecarga Térmicos US Catálogo TS/US Siemens Ltda 0 Siemens Ltda 0 Controle Industrial Contatores TS Relés de Sobrecarga

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais