CONDUTORES ELÉTRICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONDUTORES ELÉTRICOS"

Transcrição

1 CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1, Ωm ρ alum = 2, Ωm

2 Existem algumas famílias de cabos: Cabos de potência: usados para o transporte de energia elétrica em instalações de geração, transmissão, distribuição e utilização de energia elétrica. Cabos de controle: usados nos circuitos de controle de sistemas e equipamentos. Cabos de rede: usados em circuitos de comunicação e transmissão de voz e dados.

3 Cabos de potência Barras barramentos

4 Classes de encordoamento NBR NM 280 CONDUTORES DE COBRE Classe 1: condutores sólidos (fios) Classe 2: condutores encordoados, compactados ou não Classe 3: condutores encordoados não compactados Classes 4, 5 e 6: condutores flexíveis com graus de flexibilidades crescentes

5 Condutores de Alumínio Instalações industriais seção nominal 16 mm 2 alimentada por SE instalação feita por pessoas qualificadas Instalações comerciais seção nominal 50 mm 2 instalação feita por pessoas qualificadas os locais sejam exclusivamente BD1 BD1:edificações residenciais com altura inferior a 50m e edificações não residenciais com baixa densidade de ocupação altura inferior a 18m. PROIBIDO BD4: locais de afluência de público de maior porte, estabelecimentos de ensino, hospitais

6 Condutores mínimos NBR 5410

7 ISOLAÇÃO x ISOLAMENTO Isolação: define o aspecto qualitativo: A isolação é de PVC. Isolamento: se refere ao aspecto quantitativo: O condutor é isolado para 750 V.

8 MATERIAL PARA ISOLAÇÃO DE CONDUTORES Termoplásticos: material que amolece com o aumento da temperatura: PVC Cloreto de Polivinila PE ou PET - Polietileno Polipropileno Polivinil Antiflam Termofixos: material mais resistente à variação da temperatura: XLPE: Polietileno reticulado EPR: Propileno Borracha etileno Borracha de silicone

9 PVC: mistura de cloreto de polivinila puro (resina sintética), plastificante, cargas e estabilizantes. EPR: os compostos são reticulados por meio de peróxidos orgânicos. As misturas correspondentes tem por conseguinte a melhor resistência possível ao envelhecimento térmico e aos agentes oxidantes. XLPE: o processo de reticulação consiste em criar, no interior do material, pontos intermoleculares estáveis por via química, com auxílio de peróxidos orgânicos ou de moléculas de ligação especiais. Pode-se dizer que o polietileno sofre uma transformação interna análoga à da borracha quando vulcanizada.

10 PVC - Cloreto de polivinila Transmite mal o fogo, mas sua combustão provoca a produção de fumaça, gases corrosivos e tóxicos. Envelhecimento térmico pode ser eficazmente combatido por estabilizantes apropriados. É facilmente colorido com cores vivas. Muito bom para cabos de potência e para os cabos de teletransmissão a distância média. Suas perdas dielétricas são elevadas, principalmente acima de 20 kv, limitando o seu emprego a sistemas de 10 kv.

11

12 EPR Borracha Etileno Propleno Grande flexibilidade mesmo a temperaturas inferiores a 0 C. Possui uma resistência à deformação térmica que permite temperaturas de 250 C durante os curtos-circuitos. Possui boa caraterística no que diz respeito ao envelhecimento térmico, o que permite conservar densidades de corrente aceitáveis quando os cabos funcionam em temperatura ambiente elevada. É considerada um ótimo isolante sólido, tanto em baixa como em alta tensão.

13

14 XLPE Polietileno Reticulado Apresenta uma resistência à deformação térmica bastante satisfatória em temperaturas de até 250 C. A reticulação faz desaparecer por completo a tendência à fissuração (stress cracking), apresentada pela resina original. É utilizado em cabos de baixa e média tensão.

15 Todo condutor percorrido por uma corrente elétrica, se aquece. O material de que consiste a isolação dos condutores também suporta determinadas temperaturas até um determinado valor, acima do qual começam a perder suas propriedades físicas, químicas, mecânicas, elétricas, etc. Cada tipo de isolação corresponde a 3 tipos de temperatura:

16 Temperatura máxima de serviço contínuo: - Maior temperatura que a isolação pode atingir continuamente em serviço normal. Temperatura de sobrecarga: Temperatura máxima que a isolação pode atingir em regime de sobrecarga. Esse regime não deve ser superior a 100 horas durante 12 meses consecutivos, ou superar a 500 horas durante a vida do condutor. Temperatura de curto-circuito: Máxima temperatura que o condutor pode atingir em regime de curto-circuito. A duração desse regime não deve superar 5 segundos na vida do cabo.

17 Em função do material de sua isolação e cobertura, os cabos podem ser classificados em termos de seu comportamento quando submetido a ação do fogo como: Propagadores de chama: Entram em combustão sob a ação direta da chama e a mantém mesmo após a retirada da chama. EPR e XLPE Não propagadores de chama: Removida a chama ativadora, a combustão do material cessa. PVC Resistentes a chama: Mesmo em caso de exposição prolongada, a chama não se propaga ao longo do material isolando do cabo. P. Ex. Sintenax Antiflam, da Prysmian e Noflam BWF 750V da Ficap Resistentes ao fogo: São materiais especiais incombustíveis que permitem o funcionamento do circuito elétrico por um tempo mesmo em presença de um incêndio. São usados em circuitos de segurança e sinalização de emergência. Ex. Afumex da Prysmian e Afitox, da Ficap.

18

19 ITENS da NBR Condutores

20

21

22

23

24

25 Os valores de capacidade de condução de corrente são referidos a: Temperatura ambiente: 30ºC para todas as maneiras de instalar, exceto as linhas no solo; Temperatura no solo: 20º C; 1 circuito dentro do eletroduto.

26 Fatores de correção de temperatura

27 Fatores de correção de agrupamento

28 Tensões de isolamento V o : tensão fase-terra para a qual o cabo ou acessório é projetado V: tensão fase-fase para a qual o cabo ou acessório é projetado. A NBR 6251 padronizou as seguintes tensões de isolamento 0,6 / 1 kv 1,8 / 3 kv 3,6 / 6 kv 6 / 10 kv 8,7 / 15 kv 12 / 20 kv...e outras

29

30 Março/2015

31

32 Março/2015

33

34 Identificação de Condutores A NBR 5410/2004 prevê, no item , que os condutores de um circuito devem ser identificados, porém deixa em aberto o modo de como fazer esta identificação. Recomenda-se, entretanto, que o instalador (usuário) identifique os condutores através de cores, como forma de facilitar a instalação e identificação das funções (condutor fase, neutro, proteção) bem como aumentar a segurança na manutenção da instalação Condutor de Proteção (aterramento) PE Condutor - Fase Condutor Neutro PEN Condutor - Retorno

35 DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES NBR 5410 CONDUTORES DE FASE

36 CONDUTOR NEUTRO O condutor neutro não pode ser comum a mais de um circuito. O condutor neutro de um circuito monofásico deve ter a mesma seção do condutor de fase. Quando num circuito trifásico com neutro, a taxa de terceira harmônica e seus múltiplos for superior a 15%, a seção do condutor neutro não deve ser inferior a dos condutores fase, podendo ser igual a dos condutores fase se essa taxa não for superior a 33%. Exemplo: circuitos com lâmpadas de descarga, incluindo as fluorescentes; Quando num circuito trifásico com neutro, a taxa de terceira harmônica e seus múltiplos for superior a 33%, pode ser necessário um condutor neutro com seção superior à dos condutores de fase. Exemplo: circuitos que alimentam computadores ou outros equipamentos de tecnologia de informação. O Anexo F da NBR 5410/2004 fornece subsídios para esse dimensionamento.

37 CONDUTOR DE PROTEÇÃO LEI Nº , DE 26 DE JULHO DE Determina a obrigatoriedade de as edificações possuírem sistema de aterramento e instalações elétricas compatíveis com a utilização de condutor-terra de proteção, bem como torna obrigatória a existência de condutor-terra de proteção nos aparelhos elétricos que especifica. A NBR 5410/2004 recomenda o uso de condutores de proteção (designados por PE), que, preferencialmente, deverão ser condutores isolados, cabos unipolares ou veias de cabos multipolares

38 CONDUTOR DE PROTEÇÃO Todo circuito deve dispor de condutor de proteção, em toda sua extensão. Um condutor de proteção pode ser comum a mais de um circuito, observado o disposto em Um condutor de proteção pode ser comum a dois ou mais circuitos, desde que esteja instalado no mesmo conduto que os respectivos condutores de fase e sua seção pode ser dimensionada conforme a tabela:

39

40 Quedas de tensão máxima

41 Quedas de tensão máxima

42 Dimensionamento por queda de tensão U = % U I(A) l(km) = Volts Ampére km onde: U: queda de tensão em V/A*km % U: máximo valor da queda de tensão admitida em V I: corrente em Ampére l: comprimento do circuito em km.

43

44

45 Ligação de Circuitos de Iluminação Ligação Interruptor - Lâmpada

46 Circuitos de Iluminação O interruptor sempre secciona a fase!

47 Circuitos de Iluminação

48 Ligação de 1 ponto de luz usando 1 Interruptor simples O condutor de proteção é obrigatório. Foi omitido nos desenhos para permitir a comparação dos esquemas. Esquema Unifilar Esquema Funcional

49 Ligação de 2 pontos de luz usando 1 interruptor simples O condutor de proteção é obrigatório. Foi omitido nos desenhos para permitir a comparação dos esquemas. Esquema Unifilar Esquema Funcional

50 Ligação de 1 ponto de luz usando interruptores paralelos O condutor de proteção é obrigatório. Foi omitido nos desenhos para permitir a comparação dos esquemas. Esquema Unifilar Esquema Funcional

51 Ligação de 1 ponto de luz usando interruptores paralelos

52 Ligação de 1 ponto de luz usando interruptores paralelo e intermediário O condutor de proteção é obrigatório. Foi omitido nos desenhos para permitir a comparação dos esquemas. Esquema Funcional

53

54 Ligação de uma tomada simples

55 Tomadas monofásica e bifásica

56 Ligação de uma tomada simples

57

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES 1. Introdução - O dimensionamento dos condutores deve ser realizado seguindo as seguintes etapas: a) cálculo da corrente de projeto; b) dimensionamento pelo critério da máxima

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de Método de instalação Esquema ilustrativo Descrição instalação a utilizar número: para a capacidade de condução de corrente 1 1 Condutores isolados

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Dimensionamento de Condutores Elétricos Livro: João Mamede Filho Instalações Elétricas Industriais 2 Dimensionamento de

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; frequência nominal; potência ou

Leia mais

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax Compact até 35kV. Construção: Aplicações: Características: MANEIRAS DE INSTALAR RECOMENDADAS

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax Compact até 35kV. Construção: Aplicações: Características: MANEIRAS DE INSTALAR RECOMENDADAS Cabo Eprotenax Compact 105 6 até 35kV 1 2 3 4.1 4.2 5 6 7 Construção: Aplicações: Características: CONDUTOR (1) Metal: fio cobre nu, têmpera mole. Forma: redonda compacta Encordoamento: classe 2. BLINDAGEM

Leia mais

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax 6 até 35kV. Construção: Aplicações: Características: MANEIRAS DE INSTALAR RECOMENDADAS

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax 6 até 35kV. Construção: Aplicações: Características: MANEIRAS DE INSTALAR RECOMENDADAS Cabo Eprotenax 6 até 35kV 1 2 3 4.1 4.2 5 6 7 Construção: Aplicações: Características: CONDUTOR (1) Metal: fio cobre nu, têmpera mole. Forma: redonda compacta Encordoamento: classe 2. BLINDAGEM DO CONDUTOR

Leia mais

KMAT 400ºC 1KV PROJETOS ESPECIAIS. Dados Construtivos: Valores Nominais. Peso (kg/km) Diâmetro Externo Nominal (mm) Formação Classe 4 (mm) Seção (mm²)

KMAT 400ºC 1KV PROJETOS ESPECIAIS. Dados Construtivos: Valores Nominais. Peso (kg/km) Diâmetro Externo Nominal (mm) Formação Classe 4 (mm) Seção (mm²) Quando o assunto é equipamentos ou processos seguros, contar com uma solução personalizada em cabos elétricos pode ser fundamental para o sucesso de sua empresa, seja para suprir suas necessidades técnicas

Leia mais

FIO PLASTICOM CABOS DE ENERGIA. Fios e cabos elétricos ANTICHAMA 450/750 V. Central de Relacionamento : (11)

FIO PLASTICOM CABOS DE ENERGIA. Fios e cabos elétricos ANTICHAMA 450/750 V. Central de Relacionamento : (11) FIO PLASTICOM ANTICHAMA 450/750 V têmpera mole, isolado com Policloreto de Vinila (PVC), tipo PVC/A para 70 C, antichama (BWF-B). embutidos em eletrodutos, bandejas ou canaletas. ANTICHAMA 450/750 V Normas

Leia mais

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues 2º Bimestre Prof. Evandro Junior Rodrigues Agosto 2016 Evandro Junior Rodrigues Robôs M óveis e sua Aplicação em Sumário Transformadores Geração + Transmissão + Distribuição Proteção contra sobrecorrente

Leia mais

Materiais Elétricos. Condutores. Prof. Msc. Getúlio Tateoki

Materiais Elétricos. Condutores. Prof. Msc. Getúlio Tateoki Definições Materiais Elétricos -Um condutor elétrico é um produto metálico geralmente de forma cilíndrica e de comprimento muito maior do que a maior dimensão transversal, utilizado para transportar energia

Leia mais

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax Compact 6 até 35kV. Construção: Aplicações: Características:

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax Compact 6 até 35kV. Construção: Aplicações: Características: Cabo Eprotenax Compact 6 até 35kV 1 2 3 4.1 4.2 5 6 7 Construção: Aplicações: Características: CONDUTOR (1) Metal: fio cobre nu, têmpera mole. Forma: redonda compacta Encordoamento: classe 2. BLINDAGEM

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO COBRE

CATÁLOGO TÉCNICO COBRE CATÁLOGO TÉCNICO COBRE CATÁLOGO TÉCNICO COBRE Índice 6 Fio Tecnofire Antichama 450 / 750 V 7 Cabo Tecnofire Rígido Antichama 450 / 750 V 8 Cabo Tecnofire Flexível Antichama 450 / 750 V 9 Cabo Tecnofire

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição DICAS Instalações elétricas prediais/industriais 2ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PRE Flexibilidade Os cabos flexíveis estão substituindo, com vantagens, os cabos rígidos tradicionais. Veja porque:

Leia mais

PT2 PRONTUÁRIO TÉCNICO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO

PT2 PRONTUÁRIO TÉCNICO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO VICTORY - 1697-09/2008 PT2 PRONTUÁRIO TÉCNICO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO 9ª Edição Prysmian Energia Cabos e Sistemas do Brasil S.A. Av. Alexandre de Gusmão, 145 - CEP 09110-900 - Santo André - SP Central

Leia mais

Cabos para Uso Geral com Isolação 70 o C

Cabos para Uso Geral com Isolação 70 o C Cabos para Uso Geral com Isolação 70 o C Noflam Antichama BWF Flexível 450/750V 1 Condutor: Fios de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, atendendo à classe 5 de encordoamento. 2 Isolação: PVC (70 ºC) composto

Leia mais

Capítulo 9. O aquecimento dos condutores e a queda de tensão. 9.1 Introdução 26/04/2010

Capítulo 9. O aquecimento dos condutores e a queda de tensão. 9.1 Introdução 26/04/2010 Capítulo 9 O aquecimento dos condutores e a queda de tensão 2008 by Pearson Education slide 1 9.1 Introdução O dimensionamento correto de condutores e de sua proteção é um problema térmico. Trata-se de

Leia mais

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 As prescrições desta Norma complementam, modificam ou substituem as prescrições de caráter geral contidas

Leia mais

COBERTURA (7) Composto termoplástico de PVC SEM CHUMBO, tipo ST2. AG2 Bom AD7 Bom NBR NM 332-1

COBERTURA (7) Composto termoplástico de PVC SEM CHUMBO, tipo ST2. AG2 Bom AD7 Bom NBR NM 332-1 Cabo Voltalene 6 até 35kV 1 2 3 4.1 4.2 5 6 7 Construção: CONDUTOR (1) Metal: fio cobre nu, têmpera mole. Forma: redonda compacta Encordoamento: classe 2. BLINDAGEM DO CONDUTOR (2) Camada composto termofixo

Leia mais

2 Condutores Elétricos

2 Condutores Elétricos 2 Condutores Elétricos 2.1 Introdução O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada de sua instalação e da carga a ser suprida. Um condutor mal dimensionado, além de implicar

Leia mais

1 Iluminação (SAT + Recepção + Acesso Coberto + WC PNE)

1 Iluminação (SAT + Recepção + Acesso Coberto + WC PNE) Introdução Este documento técnico tem por objetivo descrever os critérios utilizados nos projetos elétricos e telefônicos do Centro de Referência de Assistência Social CRAS da cidade de Cachoeira de Goiás,

Leia mais

CATÁLO GO DE PR O DUTOS

CATÁLO GO DE PR O DUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS CONDUZINDO ENERGIA, CARREGANDO QUALIDADE. QUEM SOMOS A Conduspar, uma empresa brasileira que completa 30 anos de mercado em 2016, está presente em praticamente todos os segmentos,

Leia mais

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Eletricidade Aplicada Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Dimensionamento de Condutores Elétricos I Circuitos Elétricos Residenciais Dimensionamento Consiste em determinar a seção mínima

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS / INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS / INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS / INDUSTRIAIS Flexibilidade Os cabos flexíveis estão substituindo, com vantagens, os cabos rígidos tradicionais. Veja porque: a construção do condutor, a parte metálica do

Leia mais

Condutores Elétricos

Condutores Elétricos Condutores Elétricos Aspectos construtivos e aplicações Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica da USP 14 de março de 2013 EPUSP Giovanni Manassero

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção

Leia mais

CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS

CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS RTÉROS DE DMENSONAMENTO DE RUTOS 1) RTÉRO DE APADADE DE ONDUÇÃO DE ORRENTE A corrente de dimensionamento será obtida a partir da seguinte equação: dim t n F F a Onde: orrente de dimensionamento; dim F

Leia mais

SISTEMAS DE ATERRAMENTO PARA INSTALAÇÕES COM SUBESTAÇÕES PRÓPRIAS NBR14039/2005 E

SISTEMAS DE ATERRAMENTO PARA INSTALAÇÕES COM SUBESTAÇÕES PRÓPRIAS NBR14039/2005 E SSTEMAS DE ATERRAMENTO PARA NSTALAÇÕES COM SUBESTAÇÕES PRÓPRAS NBR14039/005 E-31.000 Prof. Marcos Fergütz setembro/016 Para definir os esquemas de aterramento, deve-se observar a simbologia: - Esquema

Leia mais

CABOS DE AQUECIMENTO

CABOS DE AQUECIMENTO Fabricados a partir de uma liga resistiva isolada com polímeros com alta resistência a temperatura, intempéries e ataques químicos. Potência Variável Materiais: Resistor: fios resistivos. Isolação: Borracha

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PLANILHA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 9 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 9.1 RAMAIS ALIMENTADORES 9.1.1 Barramento de cobre Ø5,16mm (0,187kg/m) m 10,00 25,20 252,00 1,69 9.1.2 Chave seccionadora de média tensão, com fusível incorporado, sem carga, uso

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Dispositivos de Proteção Dimensionamento dos Condutores do Circuito Uma vez feita a divisão dos circuitos... Chega a hora de dimensionar a proteção e os condutores! 2 Dispositivos

Leia mais

CISCEA. Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo PÁGINA: PLANILHA QUANTIDADE /ORÇAMENTÁRIA. 1 de 5 DATA:

CISCEA. Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo PÁGINA: PLANILHA QUANTIDADE /ORÇAMENTÁRIA. 1 de 5 DATA: 1 de 5 01.00.000 SERVIÇOS TÉCNICOS-PROFISSIONAIS 01.02.000 GEOTECNIA 01.02.107 Medição de resistividade do solo.01 - Ponto de medição com 5 níveis (2, 4, 8, 16 e 32)m un 10,00 01.03.000 ESTUDOS E PROJETOS

Leia mais

Cabos Fibep Média Tensão

Cabos Fibep Média Tensão Cabos Fibep Média Tensão Índice Página Fibep BF 6kV a 35kV - Descrição, características, performance e benefícios 02 - Qualidade assegurada, aplicações 03 - Representação esquemática - tripla extrusão

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ATENDIMENTO DE LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES JUNTO À FAIXA DE PRAIA DA ORLA MARÍTIMA Código NTD-00.074 Data da emissão 05.12.2005 Data da última revisão 18.01.2008 Folha

Leia mais

Balança de cilindro de gás Modelo GCS-1

Balança de cilindro de gás Modelo GCS-1 Medição eletrônica de pressão Balança de cilindro de gás Modelo GCS-1 WIKA folha de dados PE 87.19 Aplicações Medição de nível de gases em gabinetes de gás e sistemas de distribuição de gás Medição de

Leia mais

Liderança em Cabos Vulcanizados. Cabos para uso Naval

Liderança em Cabos Vulcanizados. Cabos para uso Naval Cabos para uso Naval COFINAV NH e lmnh 2 A CONFIABILIDADE QUE FAZ A DIFERENÇA (Estas certificações são da linha geral de cabos produzidos pela Cofibam) Política da qualidade A COFIBAM SE COMPROMETE EM

Leia mais

Entrevista concebida por Paulo Alessandro Delgado - Gerente de Marketing da Cobrecom Fios e Cabos Elétricos

Entrevista concebida por Paulo Alessandro Delgado - Gerente de Marketing da Cobrecom Fios e Cabos Elétricos Entrevista concebida por Paulo Alessandro Delgado - Gerente de Marketing da Cobrecom Fios e Cabos Elétricos 1. Por que é importante para a sua empresa participar da FEICON BATIMAT NORDESTE? Qual a importância

Leia mais

INVERSOR DE EMERGÊNCIA

INVERSOR DE EMERGÊNCIA INVERSOR DE EMERGÊNCIA O Inversor de Emergência trata-se de um dispositivo que deve ser acoplado juntamente com um reator, transformando as luminárias fluorescentes em sistemas de iluminação normal e emergência.

Leia mais

Mangueiras Perfis Técnicos

Mangueiras Perfis Técnicos Produtos de Qualidade Mangueiras Perfis Técnicos Mangueiras Apresentação NASHA, fundada em 1990, possui ex- tubos e perfis técnicos extrudados em PVC periência no mercado industrial e neste perío- (policloreto

Leia mais

CCW06 Conjunto de Manobra e Controle de Média Tensão Até 24 kv 20 ka. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

CCW06 Conjunto de Manobra e Controle de Média Tensão Até 24 kv 20 ka. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas CCW06 Conjunto de Manobra e Controle de Média Tensão Até 24 kv 20 ka Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Versatilidade e segurança para suas aplicações Compactação, segurança operacional

Leia mais

CATÁLOGO DE CABOS MÉDIA TENSÃO

CATÁLOGO DE CABOS MÉDIA TENSÃO CATÁLOGO DE CABOS MÉDIA TENSÃO CATÁLOGO DE CABOS MÉDIA TENSÃO ALUB Além de atender as concessionárias e empreiteiras, nossa atuação busca ampliar as atividades no mercado de energia renovável, a fim de

Leia mais

TABELA DE PREÇOS OUTUBRO 2010 V. 2

TABELA DE PREÇOS OUTUBRO 2010 V. 2 TABELA DE PREÇOS OUTUBRO 2010 V. 2 CABO VINIL FLEXÍVEL CABOS 0,6/1kV CABO FITER FLEX CABO AFITOX EP90-F 1kV 1 2 4 1,5 1,259 2,670,590 4,716 2,5 1,844,971 5,4 7,084 4 2,682 5,752 8,022 10,56 6,796 8,005

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE COMPONENTESII

DIMENSIONAMENTO DE COMPONENTESII DIMENSIONAMENTO DE COMPONENTESII INSTALAÇÃO DE MOTORES Prof. Marcos Fergütz Julho/2013 CAPACIDADE DE CORRENTE DIMENSIONAMENTO DA FIAÇÃO CASO 1: ALIMENTAÇÃO PARA UM MOTOR -RAMAL RAMAL I rm 1,25 xi = nm

Leia mais

Cabo Fiter Flex 0,6/1kV

Cabo Fiter Flex 0,6/1kV abo Fiter Flex 0,6/1kV São destinados às instalações gerais em eletrodutos ao ar livre (em bandejas, prateleiras ou suporte análogos), perfilados, espaços de construção, bem como sistemas subterrâneos

Leia mais

TABELA DE PREÇOS JANEIRO 2011

TABELA DE PREÇOS JANEIRO 2011 TABELA DE PREÇOS JANEIRO 0 CABO VINIL FLEXÍVEL CABOS 0,6/kV CABO FITER FLEX CABO AFITOX EP90-F kv,5,6,88,9 5,8,5,0,7 5,970 7,805,968 6, 8,88,78 6, 8,86,75 6,950 0 7,7,757,50 8,785 6,,897,0 5,85 5 7,7 6,57

Leia mais

I. Fatores a serem considerados durante o Projeto

I. Fatores a serem considerados durante o Projeto I. Fatores a serem considerados durante o Projeto 1. Adaptação do projeto ao meio ambiente; 2. Escolha do nível de tensão; 3. Seleção dos condutores fase (tipo e tamanho); 4. Seleção dos cabos pára-raios;

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Bloco Autônomo de Iluminação de Emergência À Prova de Tempo (IP 65) - Com 01 Lâmpada Fluorescente de 8 W. Código AFMAC8IP O Bloco Autônomo com uma lâmpada fluorescente de 8 Watts é um equipamento de iluminação

Leia mais

4 Recomendações. Instalações Elétricas Prediais - Geraldo Cavalin e Severino Cervelin - Ed. Érica 1

4 Recomendações. Instalações Elétricas Prediais - Geraldo Cavalin e Severino Cervelin - Ed. Érica 1 4 Recomendações 1. Remover a isolação do condutor, de tal forma que seja o suficiente para que, no ato de emendá-los, não ocorra falta nem sobra. 2. Após remover a isolação, o condutor de cobre deve estar

Leia mais

!""""#$ %&!""""## ,* -+..///&)*+

!#$ %&!## ,* -+..///&)*+ !""""#$ %&!""""## '(&)*+,* -+..///&)*+ *'01 *23.24 *))456)78!98 8!982!8;!98 )< %*=+)45+) *+97'+))458>?< *)*@ *+.@A3)'B7= -)* )< *'-C' *''D8!>8$"+!" *+B67?;E F?2E F?%E >* >G )< *411 )*'++.'* *)))45E.2 +@CB7+%H

Leia mais

Energia e fenómenos elétricos

Energia e fenómenos elétricos Energia e fenómenos elétricos 1. Associa o número do item da coluna I à letra identificativa do elemento da coluna II. Estabelece a correspondência correta entre as grandezas elétricas e os seus significados.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANGELO RS TIC Tecnologia da Informação e Comunicações Departamento de Processamento de Dados

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANGELO RS TIC Tecnologia da Informação e Comunicações Departamento de Processamento de Dados PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO ANEXO-I Especificação técnica mínimas dos serviços a serem realizados Projeto EDUCAR José Fioravante Schneider 09/09/2014 Página 1 de 14 ANEXO-I Especificação técnica

Leia mais

O que é Aterramento? É A LIGAÇÃO INTENCIONAL DE UM EQUIPAMENTO OU UM SISTEMA À TERRA DE MODO A CRIAR UM CAMINHO SEGURO E DE BAIXA RESISTÊNCIA.

O que é Aterramento? É A LIGAÇÃO INTENCIONAL DE UM EQUIPAMENTO OU UM SISTEMA À TERRA DE MODO A CRIAR UM CAMINHO SEGURO E DE BAIXA RESISTÊNCIA. ATERRAMENTO BT O que é Aterramento? É A LIGAÇÃO INTENCIONAL DE UM EQUIPAMENTO OU UM SISTEMA À TERRA DE MODO A CRIAR UM CAMINHO SEGURO E DE BAIXA RESISTÊNCIA. FUNÇÕES DO ATERRAMENTO Desligamento Automático

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE

CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos fios existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor do núcleo dos átomos. Quando uma força,

Leia mais

INDUSTRIA DO CIMENTO MINERAÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO PARA CABOS ELÉTRICOS COM CONDUTORES EM COBRE. Volume III e IV

INDUSTRIA DO CIMENTO MINERAÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO PARA CABOS ELÉTRICOS COM CONDUTORES EM COBRE. Volume III e IV INDUSTRIA DO CIMENTO MINERAÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO PARA CABOS ELÉTRICOS COM CONDUTORES EM COBRE Volume III e IV INTRODUÇÃO Guia de Aplicação para Cabos Elétricos com Condutores em Cobre Fornecer conceitos

Leia mais

Fios e cabos elétricos

Fios e cabos elétricos Fios e cabos elétricos Fio Sólido BWF 0 V Condutor sólido de cobre nu, têmpera mole. Isolação de PVC/A 0ºC antichama. nominal,, condutor,3,,3, 3,,8 isolação externo nominal, 3,3 3,83,3,,8 33 3 Cabo BWF

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-06/08/2014 06/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções

Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções J. Neves dos Santos J. Rui Ferreira M. Costa Matos J. Tomé

Leia mais

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA REVISÃO ENEM Eletrodinâmica CORRENTE ELÉTRICA Corrente elétrica em um condutor é o movimento ordenado de suas cargas livres devido a ação de um campo elétrico estabelecido no seu interior pela aplicação

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

Conector Bimetálico para Condutor Concêntrico de Alumínio

Conector Bimetálico para Condutor Concêntrico de Alumínio TIPO 1 Tabela 1 Item Seção do condutor (mm²) Diâmetro Condutor (mm) Dimensões (mm) A (máx.) B C Código 1 6 3,1 6790664 2 10 4,1 7,93 0,05 20 1,0 18 1,0 6797691 3 16 5,1 6797692 Nº Data Revisões Aprov.:

Leia mais

Cap. 5 - Corrente, Resistência e Força Eletromotriz

Cap. 5 - Corrente, Resistência e Força Eletromotriz Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 5 - Corrente, Resistência e Força Eletromotriz Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, estudaremos a definição de corrente,

Leia mais

Corrente elétrica. GRANDE revolução tecnológica. Definição de corrente Controle do movimento de cargas

Corrente elétrica. GRANDE revolução tecnológica. Definição de corrente Controle do movimento de cargas Definição de corrente Controle do movimento de cargas corrente elétrica{ GANDE revolução tecnológica fi eletrotécnica, eletrônica e microeletrônica (diversidade de aplicações!!) Ex. motores elétricos,

Leia mais

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS. PMT Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R.

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS. PMT Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R. ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R. Demarquete 1 Roteiro da Aula Histórico Química das moléculas poliméricas Estrutura

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. PEBD Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação Especificação Técnica Tubos

Leia mais

Catálogo de Produtos. Soluções 3M. para Instalações Elétricas

Catálogo de Produtos. Soluções 3M. para Instalações Elétricas Catálogo de Produtos Soluções 3M para Instalações Elétricas Índice Pág. Fitas Isolantes Premium...3 Fitas Isolantes Uso Geral...5 Acessórios para Instalações Elétricas...6 Fitas Elétricas Especiais....9

Leia mais

Easy9 A melhor escolha

Easy9 A melhor escolha Easy9 A melhor escolha Segurança Conforto Praticidade > PROTEÇÃO DA INSTALAÇÃO Disjuntores modulares Easy9 A oferta de disjuntores modulares Easy9 é destinada ao comando e à proteção da instalação elétrica

Leia mais

Planejamento e projeto das instalações elétricas

Planejamento e projeto das instalações elétricas Planejamento e projeto das instalações elétricas 1) A energia elétrica fornecida aos consumidores residenciais é resultado da conexão do consumidor com: a) Sistema elétrico de geração; b) Sistema de compatibilidade

Leia mais

CIRCUITO ELÉTRICO. Um circuito elétrico é um caminho ou itinerário para a corrente elétrica. CORRENTE ELÉTRICA

CIRCUITO ELÉTRICO. Um circuito elétrico é um caminho ou itinerário para a corrente elétrica. CORRENTE ELÉTRICA CIRCUITO ELÉTRICO Um circuito elétrico é um caminho ou itinerário para a corrente elétrica. CORRENTE ELÉTRICA A corrente elétrica é um fluxo de eletrões que transportam energia elétrica. COMPONENTES DE

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS CIRCUITOS ELÉTRICOS

INTRODUÇÃO AOS CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO AOS CIRCUITOS ELÉTRICOS Circuito Elétrico Está associado à: Presença de corrente elétrica: agente que transfere energia da fonte (pilha) para o aparelho (lâmpada). O que é necessário para se

Leia mais

3M Terminal Contrátil a Frio QT-II Série 5620

3M Terminal Contrátil a Frio QT-II Série 5620 3M Terminal Contrátil a Frio QT-II Série 5620 Corpo Isolador em Borracha de Silicone Classe Tensão 3,6/6 kv a 8,7/15 kv Ambientes Internos Boletim Técnico Março 2014 Descrição do produto Os conjuntos de

Leia mais

Entre (F / N), (F / PE) e (F / PEN) Tecnologia de proteção. Varistor de Óxido de Zinco - MOV Tempo de resposta

Entre (F / N), (F / PE) e (F / PEN) Tecnologia de proteção. Varistor de Óxido de Zinco - MOV Tempo de resposta VC L Dispositivo de Proteção contra Surtos (DPS) com tecnologia de proteção baseada na utilização de varistor de óxido de zinco (). -Três locais para marcadores/identificadores; -Encaixe em trilho ( linha

Leia mais

Procobre Brasil.

Procobre Brasil. Procobre Brasil O PROCOBRE é uma rede de instituições latino-americanas cuja missão é a promoção do uso do cobre, impulsionando a pesquisa e o desenvolvimento de novas aplicações e difundindo sua contribuição

Leia mais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais OBJETIVO Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais Garantir o funcionamento adequado da instalação e a conservação

Leia mais

Prática 1: Dispositivos de Comando de Iluminação

Prática 1: Dispositivos de Comando de Iluminação Prática 1: Dispositivos de Comando de Iluminação 1 Objetivo básico Conhecer os principais dispositivos de acionamento de iluminação. Fundamentos teóricos Uma instalação elétrica residencial deve disponibilizar

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL Página 1 de 2 COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1. OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA PT.DT.PDN COM CABOS BAIXA TENSÃO PRÉ-REUNIDOS

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA PT.DT.PDN COM CABOS BAIXA TENSÃO PRÉ-REUNIDOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.009 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Kathiane Queiroz Esquemático Simplificado Instalação residencial 3-Medidor 1-levantamento das potências (cargas) a serem instaladas na residência. NT-001 NT-001 Potência Total instalada

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 01/12/2016

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 01/12/2016 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 01/12/2016 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Lapiseira Super - Grip H 187-SL 0,7mm. CARACTERÍSTICA: Lapiseira com ponta

Leia mais

Sistema de Distribuição de Energia Elétrica com Barramentos Blindados para Edifícios de Uso Coletivo com Medição Centralizada

Sistema de Distribuição de Energia Elétrica com Barramentos Blindados para Edifícios de Uso Coletivo com Medição Centralizada Sistema de Distribuição de Energia Elétrica com Barramentos Blindados para Edifícios de Uso Coletivo com Medição Centralizada Barramentos Blindados Novemp - Tipos de Barramentos - Vantagens - Sistema Modular

Leia mais

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores e Isolantes Isolantes Materiais que não conduzem eletricidade; Condutores

Leia mais

Título: Atestado de Homologação de fornecedores de materiais

Título: Atestado de Homologação de fornecedores de materiais 1 de 1 Atestamos, para devidos fins, que a empresa ELETROCAL IND.COM.MATERIAIS ELET LTDA, registrada no CNPJ/MF sob nº 83.060.012/0001-39, com sede à AV. ENG. LOURENÇO FAORO, nº 4567, CAÇADOR SC, CEP 89500-000,

Leia mais

Saída 24 V DC, 12 W < 1 % < 1 % < 200 < 200 < 10 < 20 < 90 < 100

Saída 24 V DC, 12 W < 1 % < 1 % < 200 < 200 < 10 < 20 < 90 < 100 Características 78.12 78.36 Fontes de alimentação DC Alta eficiência (acima de 91%) Baixo consumo em stand-by (

Leia mais

FEUP 4º ano LEEC Produção e Transporte de Energia I Enunciados de Problemas sobre Cálculo Mecânico Ano Lectivo de 2005/06

FEUP 4º ano LEEC Produção e Transporte de Energia I Enunciados de Problemas sobre Cálculo Mecânico Ano Lectivo de 2005/06 FEUP 4º ano LEEC Produção e Transporte de Energia I Enunciados de Problemas sobre Cálculo Mecânico Ano Lectivo de 2005/06 Problema 1 Uma linha aérea a 150 KV está implantada numa zona costeira, sendo as

Leia mais

Cabos de Controle e Instrumentação

Cabos de Controle e Instrumentação Cabos de Controle e Instrumentação 1 Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. Somos um dos maiores fabricantes mundiais de fios e cabos, com mais de 170 anos de história de progresso contínuo em

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Mar.13 PEBD / PEAD Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação

Leia mais

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A Descrição do Produto A fonte de alimentação é uma solução para aplicações de uso geral no que se refere a alimentação de controladores programáveis, sensores e comando de quadro elétricos. Tem uma saída

Leia mais

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Condutores O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada das condições de sua instalação e da carga a ser suprida. Dimensionar

Leia mais

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Disciplina Eletrotécnica Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Conceitos básicos Eletricidade Eletrostática Eletrodinâmica Cargas elétricas em repouso

Leia mais

Permissividade de materiais elétricos

Permissividade de materiais elétricos Permissividade de materiais elétricos CONDUTORES E ISOLANTES Os condutores de eletricidade são meios materiais que permitem facilmente a passagem de cargas elétricas. O que caracteriza um material como

Leia mais

Técnicas de medida. Algumas considerações

Técnicas de medida. Algumas considerações Técnicas de medida Algumas considerações Divisão das grandezas a medir Dimensionais Físicas Eléctricas (DC, baixa e alta frequência) Outras (químicas, ópticas, analíticas e radiação) Tipos de medida Medida

Leia mais

Tipo Contator de Potência

Tipo Contator de Potência Fabricante de relés e temporizadores desde 1954 Tipo Contator de Potência Características Contator de Potência Contatos NA com abertura > 3mm com dupla abertura Energização contínua para bobina e contatos

Leia mais

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC Instalações Hidráulicas: Água Quente Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS: ÁGUA QUENTE Primeiro ponto: Apresentação da norma técnica, vigente. Projeto

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPA-CEAP Curso de arquitetura e urbanismo INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELéTRICOS Parte iii Profº MSc.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPA-CEAP Curso de arquitetura e urbanismo INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELéTRICOS Parte iii Profº MSc. CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPA-CEAP Curso de arquitetura e urbanismo INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELéTRICOS Parte iii Profº MSc. espíndola Disjuntores Termomagnéticos CERTIFICAÇÃO INMETRO Obrigatório

Leia mais

Luminárias Outdoor. UrbanStep. Iluminando o futuro. Segurança para os moradores

Luminárias Outdoor. UrbanStep. Iluminando o futuro. Segurança para os moradores Luminárias Outdoor UrbanStep Iluminando o futuro Segurança para os moradores Oferecendo para você a melhor relação custo-benefício em iluminação viária. Com design otimizado para uso em vias públicas e

Leia mais

ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA.

ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA. ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA. Laboratório pertencente à RBLE. Relatório de Ensaios de Produtos (REP): n. 1403054-2/01 Emissão: 25.06.2014 Solicitante: Endereço: Fabricante: Eletrocal Indústria

Leia mais

Ensino Médio Unid. São Judas Tadeu Professor (a): Leandro Aluno (a): Série: 2ª Data: / / LISTA DE FÍSICA II

Ensino Médio Unid. São Judas Tadeu Professor (a): Leandro Aluno (a): Série: 2ª Data: / / LISTA DE FÍSICA II Ensino Médio Unid. São Judas Tadeu Professor (a): Leandro Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2016. LISTA DE FÍSICA II Orientações: - A lista deverá ser respondida na própria folha impressa ou em folha de papel

Leia mais

Capítulo 2 - Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais 2.1. Simbologia Padronizada

Capítulo 2 - Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais 2.1. Simbologia Padronizada Capítulo 1 - Conceitos Básicos de Eletricidade para Aplicação em Instalações Elétricas 1.1. Tipos e Formas de Distribuição de Energia 1.1.1. Energia 1.2. Geração de Energia Elétrica 1.2.1. Barragem 1.2.2.

Leia mais

O que é um circuito eléctrico?

O que é um circuito eléctrico? SISTEMAS ELÉCTRICOS E ELECTRÓNICOS A produção em larga escala é recente e revolucionou por completo o nosso dia-a-dia A electricidade é tão antiga como o Universo! O que é um circuito eléctrico? Éum conjunto

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO A norma brasileira para instalações elétricas de baixa tensão é a NBR 5410 Fixa as condições que as instalações de baixa tensão devem atender; Primeira edição de 1941;

Leia mais

Lista de Exercícios Perda de Carga Localizada e Perda de Carga Singular

Lista de Exercícios Perda de Carga Localizada e Perda de Carga Singular Lista de Exercícios Perda de Carga Localizada e Perda de Carga Singular 1. (Petrobrás/2010) Um oleoduto com 6 km de comprimento e diâmetro uniforme opera com um gradiente de pressão de 40 Pa/m transportando

Leia mais