7 - CORRENTES DE FALTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "7 - CORRENTES DE FALTA"

Transcrição

1 CORRENTES DE FALTA Toda instalação elétrica está sujeita a defeitos que proporcionam altas correntes elétricas, as denominadas correntes de falta. Sempre da ocorrência de uma falta, os dispositivos de proteção devem atuar com segurança, isolando os defeitos com mínimo de dano às linhas e equipamentos. Os cabos, as barras, as chaves, bem como os demais componentes de uma instalação elétrica, devem ser capazes de suportar por um determinado tempo os efeitos térmicos e mecânicos resultantes da circulação das elevadas correntes de falta. Uma avaliação do valor da corrente de falta é, a rigor, bastante complexa, pois trata-se de um problema que envolve diversos fatores, muitos dos quais totalmente imprevisíveis. Por exemplo, o valor das correntes de falta depende: da impedância de toda a rede de distribuição de média e de alta tensão que alimenta a instalação elétrica; do tipo e da potência da fonte ou das fontes envolvida(s); da impedância das linhas de baixa tensão; da impedância de falta (contato mais ou menos perfeito); do instante iniciai do início da falta com relação à variação senoidal da tensão aplicada. São consideradas fontes das correntes de falta os geradores e motores síncronos, os motores de indução, e os sistemas elétricos das concessionárias. Todas essas fontes devem ser bloqueadas quando da ocorrência de uma falta. Como já dito, o cálculo de correntes de falta é muito complexo. Porém, para os objetivos desse curso, pode-se determinar as correntes de curtocircuito com razoável precisão utilizando as equações seguintes: Circuitos trifásicos com tensões 0/380 V: CC 3φ cosφcci l 5 l S S Circuitos monofásicos (bifásicos) de 0 V: CC cosφcci l 0 l S S Circuitos trifásicos com tensões 17/0 V: CC3φ 16 1, 7 57 cosφcci l 5 l S S

2 37 Circuitos monofásicos (bifásicos) de 17 V: CC 16 1, 7 57 cosφcci l 0 l S S Nas equações acima tem-se: CC3φ corrente de curto circuito trifásica no ponto em que ocorre a falta [ka]; CC corrente de curto circuito monofásica ou bifásica no ponto em que ocorre a falta [ka]; corrente de curto circuito inicial. Esta corrente é normalmente aquela que ocorre no secundário do transformador e seu valor pode ser obtido junto às concessionárias de energia elétrica [ka]; l comprimento do circuito elétrico [m]; S seção do condutor elétrico [mm ]; cos φ cc fator de potência da corrente de curto circuito. O valor desse fator de potência depende da corrente de curto circuito inicial ( ) e pode ser obtido através da tabela 7.1. Tabela 7.1: Fator de potência da corrente de curto circuito (cos φ cc ) [ka] 1,5 a 3 3,1 a 4,5 4,6 a 6 6,1 a 10 10,1 a 0 Maior que 0 cos φ cc 0,9 0,8 0,7 0,5 0,3 0,5 Exemplo 7.1: Seja um circuito trifásico de 380 V constituído por condutores de cobre de seção 16 mm e comprimento 0 m. Sendo a corrente de curto circuito presumida no início da linha de 15 ka, determine o valor da corrente de curto circuito no final da linha. Solução. Da Tabela 7.1 obtém-se o valor do fator de potência da corrente de curto circuito: cos φ cc 0,3. Como tem-se um circuito trifásico de 380 V, utiliza-se a seguinte expressão para cálculo da corrente de curto circuito no final da linha: CC 3φ cosφcci l 5 l S S Substituindo-se os valores tem-se: CC 3φ , CC3φ 6,3 [ka]

3 38 Exemplo 7.: Seja um circuito trifásico de 380 V constituído por. condutores de cobre de seção 10 mm e comprimento 65 m. Sendo a corrente de curto circuito presumida no início da linha de 10 ka, determine o valor da corrente de curto circuito: a) no meio da linha; b) na extremidade da linha. Solução. Da Tabela 7.1 obtém-se o valor do fator de potência da corrente de curto circuito: cos φ cc 0,5. Temos duas condições. a) meio da linha: l 3,5 [m]. Utiliza-se a seguinte expressão para cálculo da corrente de curto circuito: CC 3φ cosφcci l 5 l S S Substituindo-se os valores tem-se: CC 3φ , 5 3, 5 5 3, CC3φ,56 [ka] b) extremidade da linha: l 65 [m]. Utiliza-se a seguinte expressão para cálculo da corrente de curto circuito: CC 3φ cosφcci l 5 l S S Substituindo-se os valores tem-se: CC 3φ , CC3φ 1,40 [ka] As equações também podem ser utilizadas em cascata para determinarse correntes de curto circuito em pontos diferentes.

4 39 Exemplo 7.: Seja um circuito conforme a figura seguinte: Corrente de Curto Circuito nicial - Quadro Geral Alimentador Quadro Terminal Circuito Terminal Dados dos circuitos da figura: 1,5 ka; Seção dos condutores do circuito alimentador: 35 mm ; Comprimento do circuito alimentador: 45 m; Seção dos condutores do circuito terminal: 16 mm ; Comprimento do circuito terminal: 30 m. Sabendo que o circuitos alimentador e terminal são trifásicos de 17/0 V, determine o valor da corrente de curto circuito na extremidade do circuito terminal. Solução. Para solução desse problema, inicialmente deve-se calcular a corrente de curto circuito na extremidade do alimentador. Como a corrente de curto circuito inicial vale 1,5 ka, o fator de potência, segundo a Tabela 7.1, vale: cos φ cc 0,3. Como tem-se um circuito trifásico de 17/0 V, utiliza-se a seguinte expressão para cálculo da corrente de curto circuito na extremidade do alimentador: CC3φ 16 1, 7 57 cosφcci l 5 l S S Substituindo os valores tem-se: CC 3φ 16 1, 5 1, , , CC3φ 3,8 [ka]

5 40 Esta corrente de curto circuito na extremidade do alimentador irá servir como corrente de curto circuito inicial para o cálculo da corrente na extremidade do circuito terminal. O fator de potência passa a valer: cos φ cc 0,8 (Tabela 7.1). Como tem-se um circuito trifásico de 17/0 V, utiliza-se a seguinte expressão para cálculo da corrente de curto circuito na extremidade do alimentador: CC3φ 16 1, 7 57 cosφcci l 5 l S S Substituindo os valores tem-se: CC 3φ 16 3, 8 1, , , CC3φ 1,78 [ka]

6 41 8 DSPOSTVOS DE PROTEÇÃO PARA NSTALAÇÕES ELÉTRCAS DE BAXA TENSÃO Todos os condutores vivos de um circuito devem ser protegidos contra as sobrecargas e contra os curtos-circuitos, por um ou mais dispositivos de proteção que promova(m) sua interrupção quando da ocorrência de uma dessas condições anormais. Por outro lado, a proteção contra as sobrecargas e contra os curto-circuitos devem ser devidamente coordenadas. São considerados dispositivos que asseguram a proteção contra as sobrecargas e contra os curtos-circuitos os que são capazes de interromper qualquer sobrecorrente igual ou inferior à corrente presumida de curto-circuito, no ponto de aplicação. Podem ser aplicados para essa dupla função disjuntores com disparadores de sobrecorrente, disjuntores associados com fusíveis e dispositivos fusíveis de uso geral. São considerados dispositivos que asseguram apenas proteção contra sobrecorrente aqueles que têm capacidade de interrupção inferior à corrente de curto-circuito presumida no ponto de aplicação. É o caso, por exemplo, dos relés térmicos. 8.1 Sobrecarga. As correntes de sobrecarga são caracterizadas pelos seguintes fatos: provocam, no circuito, correntes superiores à corrente nominal (até 10 x N ); provocam solicitações dos equipamentos acima de suas capacidades nominais. As sobrecargas são extremamente prejudiciais ao sistema elétrico, produzindo efeitos térmicos altamente danosos aos circuitos. 8. Correntes de curto-circuito. As correntes de curtos-circuitos são provenientes de falhas ou defeitos graves das instalações, tais como: falha ou rompimento da isolação entre fase e terra; falha ou rompimento da isolação entre fase e neutro; falha ou rompimento da isolação entre fases distintas. As correntes de curto-circuito se caracterizam por possuir valores extremamente elevados, da ordem de a % da corrente nominal do circuito. 8.3 Disjuntores termomagnéticos. Os disjuntores são dispositivos que garantem, simultaneamente, a manobra e a proteção contra correntes de sobrecarga e contra correntes de curto circuito. De forma resumida, os disjuntores cumprem três funções básicas: abrir e fechar os circuitos (manobra); proteger os condutores e os aparelhos contra sobrecarga, através de seu dispositivo térmico; proteger os condutores contra curto-circuito, através de seu dispositivo magnético.

7 4 A Figura 8.1 apresenta exemplos de disjuntores. Figura 8.1: Exemplos de disjuntores. O disjuntor mais utilizado para proteção e manobra de circuitos de iluminação e tomadas é do tipo quick-leg, no qual um disparador ou dispositivo de proteção térmica funciona de acordo com o princípio do bimetal, cujo princípio baseia-se na dilatação de duas lâminas de metais diferentes (normalmente aço e latão), portanto com coeficientes de dilatação distintos, desligando o circuito na eventualidade de uma sobrecarga. No caso de ocorrer um curto-circuito, a proteção far-se-á através de um disparador magnético bobinado Princípio de funcionamento de um disjuntor termomagnético. Existem dois modos de atuação de um disjuntor: a atuação térmica, em caso de ocorrência de sobrecarga, e a atuação magnética, em caso de ocorrência de curto-circuito. Operação térmica. Os disparadores térmicos operam baseados no princípio dos pares termoelétricos, isto é, nas diferentes dilatações que apresentam os metais quando submetidos a uma variação de temperatura. Duas lâminas de metais diferentes são ligadas através de solda, sob pressão ou eletroliticamente. Estas lâminas dilatam diferentemente quando aquecidas, fazendo com que o conjunto se curve e produzindo o fechamento de um contato que, por sua vez, provoca a abertura do disjuntor. A Figura 8. ilustra o exposto. Os disparadores térmicos, que nos disjuntores, normalmente, são percorridos pela corrente de carga do circuito, devem operar a partir de uma corrente de operação, referida a uma temperatura de calibração. Para temperaturas ambientes superiores à de calibração, o disjuntor pode atuar com valores de corrente inferiores à de operação previamente fixadas. Alguns disparadores térmicos possuem um faixa de corrente de ajuste sendo a calibração realizada atuando-se sobre o alongamento ou a curvatura das lâminas.

8 43 Figura 8.: Princípio de funcionamento de um disparador térmico bimetálico. Operação magnética. A Figura 8.3 mostra o esquema básico de um disparador magnético. Sua armadura é tensionada através de uma mola, de tal forma que apenas acima de um valor definido de corrente, chamada de corrente de operação, é vencida a inércia da armadura e a tensão da mola. A armadura é, então, atraída pelo núcleo, promovendo, através de conexões mecânicas, a abertura dos contatos de um disjuntor. Figura 8.3: Princípio de funcionamento de um disparador magnético. A força necessária para equilibrar a ação da mola é proporcional ao quadrado da força magnetomotriz do circuito magnético, N x, sendo N o número de espiras da bobina e a corrente de operação do disparador (que circula pelo circuito protegido e pela bobina). Assim, qualquer corrente de valor superior a provoca a atuação do dispositivo.

9 44 A corrente de operação pode ter um valor único fixado ou pode ser variável numa faixa de corrente de ajuste, o que é obtido através da variação do entreferro ou da tensão da mola Seqüência de fechamento manual. A Figura 8.4 apresenta a seqüência de fechamento manual de um disjuntor. A parte A apresenta a posição de contatos abertos. Nesta posição o contato móvel (4) está fulcrando na alavanca de manobra (1) e a mola de disparo () está tracionada. A mola transmite ao contato móvel uma força cujo conjugado em relação ao fulcro tem sentido anti-horário. O esquema B mostra o momento que se aplica uma força à alavanca de manobra, deslocando-se o fulcro. O contato móvel (4) desloca-se para a posição fechado. No esquema C o disjuntor encontra-se fechado: contato móvel (4) e contato fixo (5) tocam-se. A velocidade de fechamento não depende da velocidade de acionamento da alavanca de comando. Figura 8.4: Seqüência de fechamento manual de um disjuntor Atuação térmica. A Figura 8.5 apresenta a atuação de um disjuntor no momento de ocorrência de uma sobrecarga. O esquema A mostra o disjuntor na posição fechada: a alavanca foice (3) está bloqueada na alavanca de engate (6). Quando da ocorrência de uma sobrecarga, o bimetal (7) se curva até agir sobre a parte final da alavanca de engate. O esquema B mostra a rotação da alavanca de engate que liberta a alavanca foice à qual é fixada a mola. O contato se abre enquanto o conjugado da força, transmitido pela mola ao contato móvel, muda de sentido em relação ao fulcro. O esquema C apresenta o término da atuação térmica: o contato móvel continua seu movimento até a abertura total, enquanto a alavanca de manobra passa à posição intermediária, indicando a atuação automática do dispositivo.

10 45 Figura 8.5: Seqüência de atuação térmica de um disjuntor Atuação magnética. A Figura 8.6 apresenta a atuação do disjuntor durante a ocorrência de um curto-circuito. O esquema A mostra o disjuntor na posição fechada: a alavanca foice (3) está bloqueada na alavanca de engate (6). Ocorrendo um curto-circuito, o disparador eletromagnético (8) atrai a alavanca de engate, liberando a alavanca foice. O esquema B mostra o momento que o contato se abre. Também nesse caso, a alavanca de manobra passa a posição intermediária, indicando a atuação automática do dispositivo. O esquema C mostra um novo fechamento do dispositivo: para fechar novamente o disjuntor, deve-se rearmar o mecanismo, girando a alavanca de manobra até a posição de abertura; reengatada a alavanca, pode-se de novo proceder ao fechamento. Figura 8.6: Seqüência de atuação magnética de um disjuntor Características dos disjuntores. Três características dos disjuntores são importantes: 1. seu número de pólos: monopolares ou unipolares protegem somente uma única fase; bipolares protegem, simultaneamente, duas fases; tripolares protegem, simultaneamente, três fases;. tensão de operação: baixa tensão (tensão nominal até V); média e alta tensões (acima de 1.000) V.

11 46 3. corrente de interrupção admissível: máximo valor da corrente de curto circuito que o disjuntor consegue interromper. 8.4 Fusíveis. Um dispositivo fusível é um equipamento de proteção que, pela fusão de uma parte especialmente projetada, abre o circuito no qual se acha inserido e interrompe a corrente, quando esta excede um valor especificado durante um tempo especificado Tipos de fusíveis de baixa tensão. Diazed. São usados preferencialmente na proteção dos condutores de redes de energia elétrica e circuitos de comando. A Figura 8.7 apresenta o esquema de um fusível diazed e a Figura 8.8 exemplos de curvas características deste tipo de fusível. Figura 8.7: Exemplo de um fusível Diazed. Figura 8.8: Curvas de atuação de fusíveis Diazed.

12 47 Silized. Estes fusíveis têm como característica serem ultra-rápidos, sendo, portanto, ideais para a proteção de aparelhos equipados com semicondutores (tiristores e diodos) em retificadores e conversores. A Figura 8.9 apresenta exemplos deste tipo de fusível. Figura 8.9: Fusíveis Silized. Neozed. São fusíveis de menores dimensões e com características de retardo da atuação, utilizados para proteção de redes de energia elétrica e circuitos de comando. A Figura 8.10 apresenta um exemplo deste tipo de fusível. Figura 8.10: Fusíveis Neozed.

13 48 Fusíveis NH. Estes fusíveis reúnem as características de fusível retardado para correntes de sobrecarga e de fusível rápido para correntes de curto-circuito. São próprios para proteger os circuitos, que em serviço, estão sujeitos às sobrecargas de curta duração, como por exemplo acontece na partida direta de motores trifásicos de indução. A Figura 8.11 apresenta exemplos deste tipo de fusível e a Figura 8.1 suas curvas características. Figura 8.11: Exemplos de fusíveis NH. Figura 8.1: Curvas de atuação de fusíveis NH.

14 Precauções a serem tomadas nas substituições de fusíveis. nunca utilizar um fusível de capacidade de corrente superior ao projetado para a instalação, nem por curto período de tempo; na falta do fusível, no momento da troca, jamais faça qualquer tipo de remendo, supondo que a instalação está protegida; no lugar do fusível que queimou, podemos colocar um fusível de capacidade de corrente menor, até que seja providenciado o correto; se o rompimento do fusível se deu por sobrecarga, fazer um levantamento da carga do circuito para redimensioná-lo; se foi por curto-circuito a causa do rompimento do fusível, proceder ao reparo da instalação antes da substituição do fusível. 8.5 Dimensionamento dos dispositivos de proteção Proteção contra sobrecargas. A NBR 5410 estabelece condições que devem ser cumpridas para que haja uma perfeita coordenação entre os condutores vivos de um circuito e os dispositivos que os protege contra sobrecarga e curto-circuito. Assim, duas condições devem ser satisfeitas simultaneamente: 1 a condição: b N Z a condição: 1,45 x Z para fusíveis: F ; para disjuntores: D 1,35 x N sendo: b corrente de projeto do circuito [A]; N corrente nominal do dispositivo de proteção [A]; Z capacidade de condução de corrente dos condutores vivos do circuito nas condições previstas para sua instalação, submetidos aos fatores de correção eventuais. Ou seja: Z Z x fator de correção de agrupamento x fator de correção de temperatura Z capacidade de condução de corrente dos condutores (obtido na Tabela 5); valor de corrente que assegura o acionamento do dispositivo de proteção, sem que ocorra dano ao condutor, no limite de 45% de sobrecarga; F corrente de fusão de fusíveis. D corrente de disparo térmico de disjuntores. As tabelas seguintes trazem alguns dados de fabricantes de fusíveis e disjuntores.

15 50 Tabela 8.1: Exemplos de valores de corrente nominal de fusíveis Diazed e NH. Fusíveis Diazed N [A] Fusíveis NH N [A] Tabela 8.: Corrente convencional de fusão ( F ) e corrente convencional de não fusão ( NF ) para temperatura ambiente de 0 o C. N [A] F NF N 4,1 x N 1,5 x N 4 < N 10 1,9 x N 1,5 x N 10 < N 5 1,75 x N 1,4 x N 5 < N 100 1, 6 x N 1,3 x N 100 < N ,6 x N 1, x N Tabela 8.3: Correntes nominais de disjuntores termomagnéticos em função da temperatura ambiente. Temperatura ambiente ( o C) Correntes nominais N [A} Unipolar Multipolar Unipolar Multipolar Unipolar Multipolar Unipolar Multipolar 10 9,5 9,6 9,0 9, 8,5 8, ,3 14,4 13,5 13,8 1,8 13, , 18,0 18,4 17,0 17,6 5 3,8 4,0,5 3,0 1,3,0 30 8,5 8,8 7,0 7,6 5,5 6, ,3 33,6 31,5 3, 9,8 30, ,0 38,4 36,0 36,8 34,0 35, 50 47,5 48,0 45,0 46,0 4,5 44, ,0 57,6 54,0 55, 51,0 5, ,9 73,5 7, , 67,9-96,3-93, , , ,0 Os disjuntores de baixa tensão são normalmente calibrados para as temperaturas de 0 o C ou 40 o C (dependendo de sua corrente nominal). Porém esses disjuntores são instalados em quadros de distribuição, onde a temperatura normalmente sofre acréscimo. Esse aumento da temperatura reduz a capacidade de corrente do disjuntor e isso deve ser considerado no seu dimensionamento. A Tabela 8.3 apresenta, assim, valores das correntes

16 51 dos disjuntores em diversas temperaturas. Na prática considera-se sempre uma temperatura de 10 o C acima da temperatura ambiente e dimensiona-se os disjuntores para essa situação. Exemplo 8.1: Dimensionar os condutores e o disjuntor de um circuito de chuveiro, com as seguintes características: P N W; U 0 V (F-F), sendo utilizados condutores de cobre com isolação PVC, instalados em eletroduto aparente, onde existe um outro circuito. Temperatura ambiente de 40 o C e comprimento do circuito de 1,5 m. Considere fator de potência de 1,0 e queda de tensão percentual de %. Utilizar disjuntor bipolar. a) dimensionamento dos condutores. Tem-se: maneira de instalar: B1 (Tabela 3); dois condutores carregados (F-F); Solução. nicialmente, deve-se calcular a corrente de projeto: b 0 [A]. 0 Fator de correção da temperatura: f1 0,87 (temperatura de 40 C Tabela 6). Fator de correção de agrupamento: f 0,8 (dois circuitos no eletroduto Tabela 7). Cálculo da corrente fictícia de projeto (b'): 0 b' b' 8, 7 0, 87 0, 8 [A] Com o valor de b' consulta-se a Tabela 5 para determinar o valor da seção do condutor e obtém-se: seção do condutor de 4 mm. Deve-se verificar se a queda de tensão deste condutor está dentro das especificações ( U%,0%). Tem-se: 0,0 0 Uunit Uunit 17,6 V/A.km 0 0,015 De posse desse valor, consulta-se a Tabela 9. Como o fator de potência é de 1,00, utiliza-se 0,95 na Tabela 9. Assim sendo, verifica-se que o condutor de,5 mm atende os requisitos de queda de tensão. Portanto, o condutor escolhido é o de 4 mm. b) dimensionamento do disjuntor bipolar. No dimensionamento dos disjuntores, é interessante adotar um valor de temperatura ambiente 10 o C acima da registrada.

17 5 Verificação da 1 a condição: 1 a condição: b N Z b 0 A; A corrente Z deve ser corrigida pelos fatores adequados. Da Tabela 5, verifica-se que o condutor de 4 mm, maneira de instalar B1, suporta uma corrente de 3 A ( Z 3 A. Este valor deve ser corrigido pelos fatores de correção. Tem-se: z 3 x 0,87 x 0,8,3 A. A primeira condição, portanto, fica: 0 N,3. O valor de N é obtido através da Tabela 8.3, utilizando a coluna de temperatura 50 o C (40 10) e disjuntor multipolar. Desta tabela obtém-se o seguinte valor que atende a 1 a condição: N A. Este valor corresponde a um disjuntor de 5 A. Verificação da Segunda condição 1,45 x Z 1,35 x N 1,35 x 9,7 A. 1,45 x Z 1,45 x,3 Z 3,3 A. 9,7 A 3,3 A a segunda condição é atendida. condutores de 4 mm ; disjuntor bipolar de 5 A. Resposta: Exemplo 8.: Dimensionar os condutores e o disjuntor de um circuito que alimenta uma carga de 9 kva. Considere os seguintes dados: circuito trifásico sem neutro; tensão de 0 V; condutores de cobre com isolação PVC instalados em eletrodutos de PVC em alvenaria; fator de potência de 0,8; um único circuito no eletroduto; temperatura ambiente de 30 o C; comprimento do circuito de 0 m; queda de tensão percentual de %; utilizar disjuntores unipolares.

18 53 Solução. a) dimensionamento dos condutores. Tem-se: maneira de instalar: B5 (Tabela 3); três condutores carregados (trifásico sem neutro); nicialmente deve-se calcular a corrente de projeto: b b 3,6[A]. 3 0 Fator de correção da temperatura: f1 1,00 (temperatura de 30 C Tabela 6). Fator de correção de agrupamento: f 1,0 (um circuito no eletroduto Tabela 7). Assim, b' b Com o valor de b consulta-se a Tabela 5 para determinar o valor da seção do condutor e obtém-se: seção do condutor de 4 mm. Deve-se verificar se a queda de tensão deste condutor está dentro das especificações ( U%,0%). Tem-se: 0,0 0 Uunit Uunit 9,31V/A.km 3,6 0,0 De posse desse valor, consulta-se a Tabela 9. Utiliza-se o fator de potência de 0,8. Assim sendo, verifica-se que o condutor de 4 mm atende os requisitos de queda de tensão. Portanto, o condutor escolhido é o de 4 mm. b) dimensionamento dos disjuntores monopolares. No dimensionamento dos disjuntores, é interessante adotar um valor de temperatura ambiente 10 o C acima da registrada. Verificação da 1 a condição: 1 a condição: b N Z b 3,6 A; A corrente Z será igual a Z, pois os fatores de correção valem 1. Da Tabela 5 verifica-se que o condutor de 4 mm, maneira de instalar B5 com 3 condutores carregados, suporta uma corrente de 8 A. A primeira condição, portanto, fica: 3,6 N 8.

19 54 O valor de N é obtido através da Tabela 8.3, utilizando a coluna de temperatura 40 o C (30 10) e disjuntor unipolar. Desta tabela obtém-se o seguinte valor que atende a 1 a condição: N 7 A. Este valor corresponde a um disjuntor de 30 A. Verificação da Segunda condição 1,45 x Z 1,35 x N 1,35 x 3,6 31,89 A. 1,45 x Z 1,45 x 8 Z 40,6 A. 31,89 A 40,6 A a segunda condição é atendida. condutores de 4 mm ; disjuntores unipolares de 30 A. Resposta: Exemplo 8.3: Dimensionar os condutores e o disjuntor de um circuito que alimenta uma carga de W. Considere os seguintes dados: tensão de 110 V (F-N); condutores de cobre com isolação PVC instalados em eletrodutos de PVC embutidos em alvenaria; fator de potência de 1,0; três circuito no eletroduto; temperatura ambiente de 30 o C; comprimento do circuito de 5 m; queda de tensão percentual de %; a) dimensionamento dos condutores. Tem-se: maneira de instalar: B5 (Tabela 3); dois condutores carregados (F - N); Solução. nicialmente deve-se calcular a corrente de projeto: 1800 b b 16,36[A]. 110 Fator de correção da temperatura: f1 1,00 (temperatura de 30 C Tabela 6). Fator de correção de agrupamento: f 0,7 (três circuitos no eletroduto Tabela 7). Cálculo da corrente fictícia de projeto (b'):

20 55 16,36 b' b' 3, 37 1, 00 0, 7 [A] Com o valor de b' consulta-se a Tabela 5 para determinar o valor da seção do condutor e obtém-se: seção do condutor de,5 mm (z 4 A). Deve-se verificar se a queda de tensão deste condutor está dentro das especificações ( U%,0%). Tem-se: U 0,0 110 U 16,35 0,0 unit unit 6,91 V/A.km De posse desse valor, consulta-se a Tabela 9. Como o fator de potência é de 1,00, utiliza-se 0,95 na Tabela 9. Assim sendo, verifica-se que o condutor de,5 mm atende os requisitos de queda de tensão. Portanto, o condutor escolhido é o de,5 mm. b) dimensionamento dos disjuntores. No dimensionamento dos disjuntores, é interessante adotar um valor de temperatura ambiente 10 o C acima da registrada. Verificação da 1 a condição: 1 a condição: b N Z b 16,35 A; A corrente Z deve ser corrigida pelos fatores adequados. Da Tabela 5, verifica-se que o condutor de,5 mm, maneira de instalar B5 com dois condutores carregados, suporta uma corrente de 4 A ( Z ). Este valor deve ser corrigido pelos fatores de correção. Tem-se: z 4 x 1,00 x 0,7 16,8 A. A primeira condição, portanto, fica: 16,35 N 16,8. O valor de N é obtido através da Tabela 8.3, utilizando a coluna de temperatura 40 o C (30 10). Assim, verifica-se que não há disjuntor comercial que atenda essa especificação. Portanto, deve-se buscar um condutor de maior seção. Escolhe-se o próximo condutor disponível que é o de 4 mm, cuja z vale 3 A. Este valor deve ser corrigido pelos fatores de correção. Tem-se: z 3 x 1,00 x 0,7,4 A. A primeira condição, portanto, fica: 16,35 N,4.

21 56 O valor de N é obtido através da Tabela 8.3, utilizando a coluna de temperatura 40 o C (30 10). Assim, verifica-se que há duas opções possíveis: disjuntor unipolar: N 17 A corresponde a um disjuntor comercial de 0 A; disjuntor bipolar: N 17,6 A corresponde a um disjuntor comercial de 0 A; Verificação da Segunda condição Para disjuntores: 1,45 x Z Verificação do disjuntor unipolar: 1,35 x N 1,35 x 17,95 A. 1,45 x Z 1,45 x,4 33,8 A.,95 A 33,8 A a segunda condição é atendida para o disjuntor unipolar. Verificação do disjuntor bipolar: 1,35 x 17,6 3,76 A. 1,45 x Z 1,45 x,4 33,8 A. 3,76 A 33,8 A a segunda condição é atendida para o disjuntor bipolar. Resposta: condutores de 4 mm ; disjuntores unipolares de 0 A; ou disjuntor bipolar de 0 A. Exemplo 8.4: Dimensionar os condutores e a proteção (disjuntores ou fusíveis Diazed) de um circuito alimentador de uma instalação elétrica residencial com as seguintes cargas: tomadas de uso geral (Tugs):.800 W; iluminação: W; chuveiros (4.000 W cada); condicionadores de ar (1.900 W cada); 1 torneira elétrica (3.000 W); 1 ferro elétrico (1.000 W); 1 forno de micro ondas (1.500 W); 1 máquina de lavar louça (.000 W); 1 máquina de secar roupa (.500 W);

22 57 Considere as seguinte informações: tensão de 0 V (F - N); condutores de cobre com isolação PVC instalados em eletroduto de PVC embutidos em alvenaria; fator de potência de 0,95; comprimento de 5 m; temperatura de 30 o C; um único circuito no eletroduto; queda de tensão admissível de %. a) Cálculo da demanda da instalação. Solução. A demanda da instalação pode ser calculada pela seguinte expressão: D P1 x fd1 P x fd P3 x fd3 P4 x fd4 P5 x fd5 P6 x fd6 P7 x fd7 P8 x fd8 P9 x fd9. P1 é referente a potência de Tugs e iluminação. Assim, tem-se: P W. Da Tabela 9 obtém-se o valor do fator de demanda fd1: fd1 0,59. P é referente a chuveiros, torneiras, ferros e aquecedores de água de passagem elétricos. Assim, tem-se: P W. Da Tabela 11 obtém-se o valor do fator de demanda fd: fd 0,76. P4 é referente a fornos de microondas, máquinas de lavar louça e máquinas de secar roupa. Assim, tem-se: P W. Da Tabela 18 obtém-se o valor do fator de demanda fd4: fd4 0,7. P6 é referente a potência de condicionadores de ar. Assim, tem-se: P W. Da Tabela 15 obtém-se o valor do fator de demanda fd6: fd6 1,00. P3, P7, P8 e P9 referem-se a equipamentos que não constam na instalação. Assim, esses itens não serão considerados. Portanto, o cálculo da demanda fica: D x 0, x 0, x 0, x 1 D W.

23 58 b) dimensionamento dos condutores. Tem-se: maneira de instalar: B5 (Tabela 3); três condutores carregados (F - N); nicialmente deve-se calcular a corrente de projeto: 1936 b b 88 [A]. 0 Fator de correção da temperatura: f1 1,00 (temperatura de 30 C Tabela 6). Fator de correção de agrupamento: f 1,0 (um circuito no eletroduto Tabela 7). Assim, b' b Com o valor de b consulta-se a Tabela 5 para determinar o valor da seção do condutor e obtém-se: seção do condutor de 5 mm (z 89 A). Deve-se verificar se a queda de tensão deste condutor está dentro das especificações ( U%,0%). Tem-se: U 0,0 0 U 88 0,05 unit unit V/A.km De posse desse valor, consulta-se a Tabela 9. Como o fator de potência é de 1,00, utiliza-se 0,95 na Tabela 9. Assim sendo, verifica-se que um condutor de 16 mm atende os requisitos de queda de tensão. Portanto, o condutor escolhido é o de 5 mm. c) dimensionamento da proteção. c1) disjuntores. No dimensionamento dos disjuntores, é interessante adotar um valor de temperatura ambiente 10 o C acima da registrada. Verificação da 1 a condição: 1 a condição: b N Z b 88 A; Da Tabela 5, verifica-se que o condutor de 5 mm, maneira de instalar B5 com três condutores carregados, suporta uma corrente de 89 A. Este valor não precisa ser corrigido pelos fatores de correção, pois os mesmos valem 1,0. A primeira condição, portanto, fica:

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br 1. INTRODUÇÃO A representação dos circuitos de comando de motores elétricos é feita normalmente

Leia mais

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l Análise da Corrente de Curto - Circuito A Análise da corrente de curto circuito em sistemas de baixa tensão é necessária para dimensionar corretamente a proteção do equipamento (disjuntor de proteção)

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos.

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos. 8 4.1 Condutores elétricos. 4 LINHAS ELÉTRICAS Os condutores elétricos constituem os principais componentes das linhas elétricas que conduzem eletricidade até as cargas elétricas. Define-se condutor elétrico

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1)

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) PROF. WESLEY DE ALMEIDA SOUTO wesley@cefetba.br 03/ 2004 1. INTRODUÇÃO A representação

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores

Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores 1 Norma técnica...03 1.1 ABNT...03 1.2 Avaliação da conformidade...03 2 Legislação...03

Leia mais

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Fusíveis

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Fusíveis 1. Conceituação Prof. Epaminondas Lage Os fusíveis são dispositivos de proteção que, pelas suas características, apresentam destaque na proteção contra correntes de curto-circuito, podendo também atuar

Leia mais

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 36 Fusível NH Zonasde Atuação 224 A Fusível NH Zonasde Atuação 355 A 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 37 5 Proteção e Coordenação

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias NOVOS Disjuntores RX 3 A solução ideal para instalações residenciais e terciárias Ambiente Residencial - área úmida Ambiente Residencial Soho - Pequeno Escritório ou Home Office Ambiente Residencial -

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Concurso Público Nível Médio

Concurso Público Nível Médio Concurso Público Nível Médio Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Código da Vaga: CRC-03 Caderno de Prova Aplicação: 10/02/2010 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Ao receber este caderno, confira

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

H1 DIMENSIONAR FUSÍVEIS PARA APLICAÇÃO DE PROTEÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS. Aula 2 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

H1 DIMENSIONAR FUSÍVEIS PARA APLICAÇÃO DE PROTEÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS. Aula 2 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 H1 DIMENSIONAR FUSÍVEIS PARA APLICAÇÃO DE PROTEÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS Aula 2 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO 2 FUSÍVEIS; 2.1 Tipo D; 2.2 Tipo NH; 2.3 Ultra-rápidos; 2.5 Dimensionamento dos fusíveis;

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES 11 DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES 11.1 INTRODUÇÃO Freqüentemente os projetos e as instalações de engenharia elétrica de potência apresentam um ou mais equipamentos elétricos, instalados ao longo

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Método da capacidade de condução de corrente Roteiro: 1. Calcular a corrente de projeto (I p ) dos circuitos da edificação; 2. Definir parâmetros de instalação

Leia mais

Especificação de Disjuntores Segundo a ABNT

Especificação de Disjuntores Segundo a ABNT Especificação de Disjuntores Segundo a ABNT Responsabilidade do profissional Normas Regulamentadoras (NR) - SSMT/MTb MTb NR-10 em 10.1.2 : Nas instalações e serviços em eletricidade,... usar as normas

Leia mais

Instalações elétricas resumo

Instalações elétricas resumo Instalações elétricas resumo Na instalação elétrica de um prédio (residencial, comercial ou industrial), temos basicamente: - Equipamentos relacionados com a alimentação da instalação, tais como geradores,

Leia mais

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS Análise de Circuitos Contatores/Relés Aula 02 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Sobrecarga

Leia mais

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Sensores Amedição das grandezas físicas é uma necessidade. Para essa função são utilizados sensores estes convertem a grandeza a medir noutra. No caso da instrumentação a variável de saída é normalmente

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Dimensionamento de condutores Tipos de Condutores Condutores isolados Condutores unipolar Condutores multipolar Critérios para dimensionamento:

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES z CNCEITS BÁSICS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores, Eletrodutos e Proteção

PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores, Eletrodutos e Proteção INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS JOÃO PESSOA CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA DUSPIPLINA: PIEP PROF.: KALINA MEDEIROS PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores,

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados 1 Temperatura característica dos condutores 1 Corrente de curto-circuito no condutor 1 Gráfico das correntes máximas de curto-circuito

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

Comandos Elétricos. Teoria e Aplicações. Ligação de Motores

Comandos Elétricos. Teoria e Aplicações. Ligação de Motores Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de Corrente Alternada Mais usados porque a transmissão de energia é alternada

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Alguns padrões de qualidade são indiscutíveis

Alguns padrões de qualidade são indiscutíveis Alguns padrões de qualidade são indiscutíveis Fabricado no Brasil Disjuntores 5SX1 Proteção para instalações elétricas de baixa tensão Segurança e tecnologia Alavanca embutida Garantia de proteção contra

Leia mais

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral DISPOSITIVOS DE COMANDO Índice 1 Objetivo... 1 2... 1 2.1 Generalidades......

Leia mais

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores...

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... COMANDOS ELÉTRICOS 3 SUMÁRIO I. Contator... 5 II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11 III. Motor Monofásico... 15 IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... 19 V. Inversão do Sentido de

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; freqüência nominal; potência ou corrente

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

Automação. Industrial.

Automação. Industrial. Automação Industrial. Apostila 1 Acionamentos e Simbologia. Prof. Alexandre Landim Automação Industrial. Introdução: Na Automação Industrial, bem como automação de processos e sistemas em geral, além do

Leia mais

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Leonel Rodrigues Gerente de Aplicação de Produto Nexans Product Application Dept. Sep 2014 1 Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos Conteúdo do Curso: Finalidade dos comandos Elétricos Proteção contra correntes de curto circuito Proteção contra correntes de sobrecarga Dispositivos de Manobras

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi Instalações Elétricas Industriais Divisão de Sistemas de Alimentação Faixa de Tensão Elétrica (IE) orrente Alternada - A orrente ontínua- Extra Baixa Tensão: Tensão Inferior à 50 V (A) e 120 V () Baixa

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO (RESUMO) Instalações tipo C são instalações abastecidas a partir da rede pública de baixa tensão. Estas instalações são certificadas pela Certiel Associação Certificadora

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 19/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Previsão de Carga Especiais NBR-5410 Cargas Especiais? Em geral, são cargas de uso comum em um edifício.

Leia mais

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi Comandos Elétricos Comandos Elétricos ACIONAMENTO CONVENCIONAL Conhecido como partidas convencionais de motores, utilizam se de dispositivos eletromecânicos para o acionamento (partida) do motor (ex. contatores

Leia mais

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 COMANDOS ELÉTRICOS ÍNDICE CONTATOR 1. Objetivo 2 2. Introdução Teórica 2 2.1. Contator 2 2.2. Contatos 3 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 2.4. Relé Bimetálico 4 3. Material Utilizado 5

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

Mini-Disjuntores. GE Industrial Solutions. GE imagination at work. Aplicações comerciais e industriais Norma IEC (0,5-125A) GE Consumer & Industrial

Mini-Disjuntores. GE Industrial Solutions. GE imagination at work. Aplicações comerciais e industriais Norma IEC (0,5-125A) GE Consumer & Industrial GE Consumer & Industrial GE Industrial Solutions Produzidos no Brasil Séries G5 e G0 MiniDisjuntores Aplicações comerciais e industriais Norma IEC (0,5 A) GE imagination at work 2 1 Parte externa, termoplástica

Leia mais

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA 1 Apresentação O livro Comandos Elétricos tem como objetivo dar subsídios teóricos e facilitar as atividades práticas propostas na Bancada Didática

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNVERSDADE FEDERAL DE JUZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

INSTITUTO CECY LEITE COSTA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA DISCIPLINA DE ELETROTÉCNICA PROF. ALEXSANDER FURTADO CARNEIRO.

INSTITUTO CECY LEITE COSTA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA DISCIPLINA DE ELETROTÉCNICA PROF. ALEXSANDER FURTADO CARNEIRO. 2 INSTITUTO CECY LEITE COSTA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA DISCIPLINA DE ELETROTÉCNICA PROF. ALEXSANDER FURTADO CARNEIRO Eletrotécnica Dedicatória Dedico este trabalho a DEUS, pois sem ele nada nesta vida

Leia mais

Simbologia de instalações elétricas

Simbologia de instalações elétricas Simbologia de instalações elétricas Os símbolos gráficos usados nos diagramas unifilar são definidos pela norma NBR5444, para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel. Neste tipo de planta

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 9 Instalações para motores elétricos. Prof. JORGE LUIZ MORETTI

Leia mais

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana INTRODUÇÃO Um gerador de corrente continua é uma máquina elétrica capaz de converter energia mecânica em energia elétrica. Também

Leia mais

Disjuntor Nema. MSA CONTROL Indústria Elétrica Ltda. Rua Iapó 334 - Casa Verde - São Paulo - SP - CEP:02512.02

Disjuntor Nema. MSA CONTROL Indústria Elétrica Ltda. Rua Iapó 334 - Casa Verde - São Paulo - SP - CEP:02512.02 GE Energy Management Industrial Solutions MSA CONTROL (11) 39611171 comercial@msacontrol.com.br Disjuntor Nema Disjuntores (10 a 1200A) MSA CONTROL Indústria Elétrica Ltda. Rua Iapó 334 Casa Verde São

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas As instalações e dimensionamentos de fios e cabos elétricos de baixa tensão devem obedecer as recomendações indicadas na NBR 5410/2004. Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados

Leia mais

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U).

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U). 32 Apoio Proteção e seletividade Capítulo XII Proteção de cabos Por Cláudio Mardegan* Falando em proteção de cabos, este capítulo abordará de proteção deve ficar, no máximo, igual ao valor de alguns critérios

Leia mais

Relés de Sobrecarga Térmicos 3US

Relés de Sobrecarga Térmicos 3US Relés de Sobrecarga Térmicos US Relés de Sobrecarga Térmicos US /2 / /5 /8 Resumo Tabela de Seleção Informações Técnicas Esquema Dimensional catalogo TS_ cap.indd 1 Relés de Sobrecarga Térmicos US Relés

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 12 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 12.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo apresenta-se os conceitos e as principais etapas para a realização de projetos de instalações elétricas prediais de baixa tensão (até 1000 V), monofásicos

Leia mais

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA 2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA A instalação de máquinas diversas requer uma grande gama de dispositivos que possibilitem o perfeito funcionamento, de preferência o mais automatizado possível,

Leia mais

CURSO DE COMANDOS ELÉTRICOS

CURSO DE COMANDOS ELÉTRICOS FUMEP Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba EEP Escola de Engenharia de Piracicaba COTIP Colégio Técnico Industrial de Piracicaba CURSO DE COMANDOS ELÉTRICOS Prof. Marcelo Eurípedes da Silva Piracicaba,

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de instalação número: Esquema ilustrativo Descrição Método de instalação a utilizar para a capacidade de condução de corrente 1 1 1 eletroduto de seção

Leia mais

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO (NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO (NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA Prova : Amarela (PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA /PSCAP/2011) É PERMITIDO O USO

Leia mais

Dispositivos de Proteção de CCM

Dispositivos de Proteção de CCM 58 Dispositivos de Proteção de CCM Elaborado por Weberton Eller, Thiago Ribeiro, Gilberto Marques e Allan Souto A utilização dos centros de controle de motores (CCM) é bastante comum nas indústrias, em

Leia mais

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES MÓDULO 2 Aula 4 Professor: Ricardo Rizzo MAGNETISMO É uma propriedade muito conhecida dos imãs, de atrair o ferro. Um imã possui dois pólos magnéticos denominados norte

Leia mais

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar Minidisjuntores MBW Correntes nominais de 2 a 70 A Curvas de disparo B e C Versões monopolar, bipolar, tripolar e tetrapolar Interruptores Diferenciais Residuais DRs RBW Sensibilidade de ou 0mA Correntes

Leia mais

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação.

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. De acordo com a potência (carga), o contator é um dispositivo de comando

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

Demanda, Diagrama Unifilar, Memorial descritivo e Orçamento

Demanda, Diagrama Unifilar, Memorial descritivo e Orçamento Demanda, Diagrama Unifilar, Memorial descritivo e Orçamento Demanda e Padrão de Entrada Diagrama Unifilar Memorial descritivo e Orçamento Diferentemente do restante da instalação, as normas que regem a

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais