ENE065 Instalações Elétricas I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENE065 Instalações Elétricas I"

Transcrição

1 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior

2 Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais

3 Quadro de Distribuição

4 Quadro de Distribuição O que vem a ser o quadro de distribuição? É o centro de distribuição de energia de toda a instalação elétrica. Este quadro recebe todos os condutores que vem do medidor. É neste quadro que estão os dispositivos de proteção. É deste quadro que partem os circuitos que vão alimentar todos os equipamentos existentes na instalação elétrica.

5 Quadro de Distribuição Componentes - Barramento de Proteção (terra) - Barramento de neutro - Barramento de interligação de Fases - Disjuntores - Termomagnéticos - Diferencial

6 Quadro de Distribuição - Montagem O que deve ser observado na montagem do QD? Acessibilidade a todos os componentes instalados; Identificação dos componentes (Placas e Etiquetas); Independência dos componentes (Interferência prejudicial); Espaço Reserva (Prever aumento da demanda).

7 Quadro de Distribuição Espaço Reserva NBR 5410

8 Quadro de Distribuição Dentro dos Padrões Recomendados

9 Quadro de Distribuição Fora dos Padrões Recomendados

10 Quadro de Distribuição - Advertência

11 Quadro de Distribuição - Advertência

12 Quadro de Distribuição -Quantidade O número de Quadros de Distribuição a ser instalado em um consumidor: 1. Depende do número de centros de carga (sobrados, triplex, etc);

13 Quadro de Distribuição -Quantidade Depende do aspecto econômico; Depende da versatilidade desejada.

14 Quadro de Distribuição - Localização

15 Quadro de Distribuição - Localização Por que? Evita-se gastos com os fios do circuito de distribuição que são os mais grossos de toda a instalação e, portanto, mais caros!!!!

16 Quadro de Distribuição Localização Os quadros terminais e quadros de distribuição deverão ser localizados preferencialmente no Centro de Carga da instalação, que deverá ser definido como o ponto ou região onde se concentram as maiores potências. Por que no Centro de Carga??? Razoável economia nos condutores, uma vez que serão reduzidos os comprimentos dos circuitos terminais, reduzindo-se em conseqüência as quedas de tensão e possivelmente, a bitola dos condutores.

17 Quadro de Distribuição Localização

18 Quadro de Distribuição Localização

19 Quadro de Distribuição Localização Coordenadas X e Y (cargas)

20 Quadro de Distribuição Localização

21 Quadro de Distribuição Localização

22 Quadro de Distribuição Localização

23 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais

24 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais A instalação elétrica deve ser dividida em circuitos, denominados terminais. Esta divisão é importante porque: Facilita a operação e manutenção dos circuitos; Reduz a interferência entre os diversos pontos de utilização. Os circuitos individualizados tem menor queda de tensão e menor corrente nominal, o que possibilita o dimensionamento de condutores e dispositivos de proteção de menor seção e capacidade nominal.

25 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais OBSERVAÇÕES: 1) Deve-se evitar projetar circuitos terminais muito carregados (elevada potência nominal), pois caso isso ocorra, resultará em: Condutores de seção nominal muito grandes (mais caros); Dificuldade na execução da instalação em eletrodutos e as ligações deles aos terminais dos aparelhos de utilização (interruptores, tomadas e luminárias); 2) Cada circuito terminal deve ser ligado a um dispositivo de proteção (disjuntores termomagnéticos ou residuais diferenciais)

26 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais RECOMENDAÇÕES Os circuitos devem ser individualizados pela função do equipamento (tomadas de uso geral, específico e alimentação) Devem ser previstos circuitos independentes para TUGs de cozinhas, copas e área de serviço. Equipamentos que absorvam correntes iguais ou superiores a 10A devem possuir circuitos exclusivos para cada TUEs. A potência dos circuitos, com exceção de circuitos exclusivos para TUEs, deve ser limitada a 1270 VA em 127V, ou 2200 VA em 220V. Em instalações com duas ou três fases, as cargas devem ser distribuídas uniformemente entre as fazes de modo a obter-se o maior equilíbrio possível.

27 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais TENSÃO DOS CIRCUITOS De acordo com o número de fases e a tensão secundária de fornecimento, devemos observar as seguintes recomendações quanto à determinação da tensão de alimentação dos circuitos terminais: MONOFÁSICA Todos os circuitos terminais terão ligação FASE-NEUTRO, na tensão de fornecimento da concessionária local

28 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais BIFÁSICO Circuitos de Iluminação e TUGs devem ser ligados no menor valor de tensão (FASE NEUTRO : MONOFÁSICO) TRIFÁSICO TUEs podem ser ligados no menor valor de tensão (FASE NEUTRO : MONOFÁSICO) ou no maior de tensão (FASE-FASE: BIFÁSICO). Normalmente, utiliza-se circuitos bifásicos para as TUEs de maior potência (chuveiro, torneiras elétricas e aparelhos de ar condicionado)

29 Circuitos Terminais NBR 5410

30 Circuitos Terminais NBR 5410

31 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais

32 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais

33 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais

34 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais

35 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais

36 Balanceamento das Fases da Instalação Elétrica Em instalações com duas (R e S) ou três (R, S e T) fases, as cargas devem ser distribuídas uniformemente entre as fazes de modo a obter-se o maior equilíbrio possível.

37 Balanceamento das Fases da Instalação Elétrica Extremamente Difícil A maior corrente não deve exceder 10% a menor corrente

38 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais Exemplo: Faça a divisão da carga da instalação em circuitos terminais

39 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais Carga instalada : 900 (iluminação) (TUG) (TUE) Carga instalada : VA (simplificação FP=1) 14000W

40 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais Carga instalada : W APARTAMENTOS BIFÁSICOS F-N 127V F-F 220V

41 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais Divisão em circuitos terminais (Demanda de cada Circuito): 1º CIRCUITO: Somente Iluminação (Fase-Neutro) x900W 2º CIRCUITO: 8 TUG (Sala(4)-Quarto(3)-Hall(1)) (Fase-Neutro) x800W 3º CIRCUITO: 2 TUG (Cozinha) (Fase-Neutro) x1200W 4º CIRCUITO: 1 TUG (Cozinha) (Fase-Neutro) --- 1x600 W

42 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais 5º CIRCUITO: TUG (BWC) (Fase-Neutro) --- 1x600 W 6º CIRCUITO: TUE (BWC) (Fase-Fase) --- 1x5400W 7º CIRCUITO: TUE (Cozinha) (Fase-Fase) --- 1x1500W 8º CIRCUITO: TUE (Cozinha) (Fase-Fase) --- 1x3000 W

43 Divisão da Instalação em Circuitos Terminais

44 Balanceamento das Fases da Instalação Elétrica 6654 I Fase 1 52, 4A I Fase 2 54, 2A 127 Balanceamento das Fases

45 Condutores Elétricos

46 Condutores Elétricos- Baixa Tensão (BT) Condutor Elétrico Elemento metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizado com a função específica de transportar energia elétrica. Tipos de Condutores Elétricos

47 Condutores Elétricos- Baixa Tensão (BT) Tipos de Isolamento Revestimento PVC (Cloreto de polivinila) Revestimento EPR (Etilenopropileno) Revestimento XLPE (Polietileno reticulado)

48 Condutores Elétricos- BT- Classificação Propagadores de Chama Entram em combustão sob ação direta da chama e a mantém após a retirada da chama. (EPR-etilenopropileno) e (XLPE-polietileno reticulado) Não Propagadores de Chama Removida a ação das chamas, a combustão cessa. (PVC-cloreto de polivinila) Resistentes à Chama A chama não se propaga ao longo do material isolante do cabo. Resistentes ao Fogo Condutores especiais que permitem o funcionamento do circuito mesmo na presença de um incêndio.

49 Condutores Elétricos- BT -Classes

50 Condutores Elétricos Vídeo

51 Condutores Elétricos- BT-Tabela Fabricante

52 Condutores Elétricos- BT-Identificação Padrão de cores utilizado para identificação dos condutores (NBR 5410:2004) PROTEÇÃO FASE NEUTRO RETORNO

53 Condutores Elétricos- BT- Simbologia Simbologia

54 Condutores Elétricos- Baixa Tensão (BT) OBSERVAÇÕES NBR 5410 Recomenda o uso somente de condutores de cobre em instalações elétricas residenciais; Condutores de alumínio são mais apropriados para a utilização de linhas longas e com poucas emendas e derivações;

55 Dimensionamento de Condutores Elétricos

56 Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionar é definir a seção (área) mínima dos condutores, de modo a garantir que eles suportem satisfatoriamente e simultaneamente as condições de: 1. Limite de Temperatura, determinado pela Capacidade de Corrente 2. Limite de Queda Tensão 3. Capacidade dos Dispositivos de Proteção contra SobreCargas 4. Capacidade de Condução de Corrente de Curto-Circuito por tempo limitado

57 Dimensionamento de Condutores Elétricos ROTEIRO BÁSICO (BAIXA TENSÃO) Determina-se as seções dos condutores conforme a Capacidade de Corrente; Determina-se as seções dos condutores pelo Limite de Queda de Tensão; Determina-se as seções dos condutores pela seção mínima; Para os condutores de proteção verifica-se a capacidade dos mesmos em relação às sobrecargas e curtos-circuitos. Determinadas as seções dos condutores pelos critérios da Capacidade de Corrente, Queda de Tensão e Seção Mínima, adota-se como resultado a de maior seção, e escolhe-se o condutor comercial cuja seção seja maior ou igual à calculada.

58 Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento dos Condutores Ampacidade mm² Queda de Tensão mm² Seção Mínima mm² Escolhe-se Maior seção (área) entre os três métodos

59 Dimensionamento de Condutores Elétricos Ampacidade Esse critério tem por objetivo garantir condições satisfatórias de operação aos condutores e às suas isolações, submetidos aos efeitos térmicos produzidos pela circulação da corrente elétrica de forma a evitar dano ao condutor. Roteiro para Dimensionamento pela Capacidade de Corrente O roteiro descrito a seguir, determinará a seção nominal dos condutores Fase. O condutor Neutro e o condutor de Proteção (PE) serão determinados em função dos condutores Fase.

60 Dimensionamento de Condutores Elétricos Roteiro para Dimensionamento pela Capacidade de Corrente 1º-Passo: TIPO DE ISOLAÇÃO Devemos inicialmente escolher o tipo de isolação dos condutores. O tipo de isolação determinará a temperatura máxima a que os condutores poderão estar submetidos em regime contínuo, em sobrecarga ou em condição de curto-circuito. NBR-5410 PVC mais comuns em instalações prediais e residenciais.

61 Dimensionamento de Condutores Elétricos Roteiro para Dimensionamento pela Capacidade de Corrente 2º-Passo: INSTALAÇÃO DOS CONDUTORES A maneira como os condutores estarão instalados (eletrodutos embutidos ou aparentes, em canaletas ou bandejas, subterrâneos, diretamente enterrados ou ao ar livre, em cabos unipolares ou multipolares, etc.) influenciará na capacidade de troca térmica entre os condutores e o ambiente, e em conseqüência, na capacidade de condução de corrente elétrica dos mesmos. A Tabela 33 da NBR5410, disponível no site da disciplina,define as diversas maneiras de instalação dos condutores, codificando-as em letras e números (Referências Ref).

62 Dimensionamento de Condutores Elétricos

63 Dimensionamento de Condutores Elétricos Roteiro para Dimensionamento pela Capacidade de Corrente 3º-Passo: NÚMERO DE CONDUTORES CARREGADOS Condutor carregado é aquele efetivamente percorrido por corrente elétrica no funcionamento normal do circuito. Neste caso, consideram-se os condutores Fase e Neutro. O condutor de proteção equipotencial, PE, não é considerado condutor carregado. Desta forma, têm-se:

64 Dimensionamento de Condutores Elétricos Roteiro para Dimensionamento pela Capacidade de Corrente NBR-5410

65 Dimensionamento de Condutores Elétricos Roteiro para Dimensionamento pela Capacidade de Corrente 4º-Passo: CALCULO DA CORRENTE DE PROJETO OU NOMINAL

66 Dimensionamento de Condutores Elétricos

67 Dimensionamento de Condutores Elétricos Roteiro para Dimensionamento pela Capacidade de Corrente 5º-Passo: DETERMINAÇÃO DA SEÇÃO DO CONDUTOR Tendo-se definido o Tipo de Isolação dos Condutores, a Maneira de Instalar do Circuito, a Corrente de Projeto e o Número de Condutores carregados do Circuito, deve-se verificar em Tabelas (NBR5410), qual será a bitola do condutor. Tabelas 36 à 39 da NBR5410, disponíveis no site da disciplina.

68 Passo 1 Passo 2 Passo 3 Passo 5 (mm²) Passo 4 (corrente)

69

70

71

72

73

74

75

76 Dimensionamento de Condutores Elétricos Roteiro para Dimensionamento pela Capacidade de Corrente 6º-Passo: FATORES DE CORREÇÃO Para o dimensionamento de condutores será necessário efetuar eventuais correções de modo a adequar cada caso específico às condições de instalação. Existem dois fatores de correção: -Correção Temperatura FCT -(Tabela 40 da NBR5410 disponível no site da disciplina) -Correção devido ao Agrupamento de Condutores FCA (Tabelas 42 à 45 da NBR5410 disponível no site da disciplina)

77 Dimensionamento de Condutores Elétricos Correção da Temperatura (FCT) NBR5410

78 Dimensionamento de Condutores Elétricos Correção devido ao Agrupamento de Condutores (FCA) Aplicável para circuitos que estejam instalados em conjunto com outros circuitos em: Um mesmo eletroduto, calha, bloco alveolado, bandeja; Uma superfície; Eletrodutos enterrados ou cabos diretamente enterrados no solo.

79 Dimensionamento de Condutores Elétricos Correção Agrupamentos FCA - NBR5410

80 Dimensionamento de Condutores Elétricos Correção Agrupamentos FCA - NBR5410

81 Dimensionamento de Condutores Elétricos Correção Agrupamentos FCA - NBR5410

82 Dimensionamento de Condutores Elétricos Correção Agrupamentos FCA - NBR5410

83 Dimensionamento de Condutores Elétricos Correção Agrupamentos FCA - NBR5410

84 Dimensionamento de Condutores Elétricos Roteiro para Dimensionamento pela Capacidade de Corrente 7º-Passo: CORREÇÃO DA CORRENTE É um valor aproximado da corrente do circuito, obtida pela aplicação dos fatores de correção FCT e FCA à corrente de projeto. I ' p I p FCT. FCA Como o valor da corrente corrigida calculado pela expressão abaixo, entramos nas tabelas de dimensionamento para determinar a bitola do condutor (Passo 5).

85 Dimensionamento de Condutores Elétricos Exemplo: Dimensionar, pela capacidade de corrente, os condutores de cobre para um circuito (Fase-Fase) de um chuveiro elétrico, com potência de 4500VA, Tensão de 220V, isolação tipo PVC, eletroduto PVC embutido em alvenaria e temperatura ambiente de 30 C.

86 Dimensionamento de Condutores Elétricos Roteiro: 1. Tipo de Isolação 2. Maneira de Instalar 3. Corrente de Projeto 4. Número de Condutores 5. Determinação da seção do condutor 6. Fatores de Correção

87 Dimensionamento de Condutores Elétricos 1.Tipo de Isolação: Condutores de Isolação PVC; 2. Maneira de Instalar: Embutido em alvenaria. Referência B1 Método 5; 3. Corrente de projeto: Circuito Bifásico (220V/4500W). Ip = 4500/220 = 20,45 A

88 Dimensionamento de Condutores Elétricos 4. Número de Condutores Carregados: Circuito com duas fases sem neutro. Pela Tabela, dois condutores carregados.

89 Dimensionamento de Condutores Elétricos 5. Determinação da seção do condutor: Condutor de Cobre, Método B1 de Instalação, Dois condutores carregados, e Corrente de Projeto 20,45A. Condutor de 2,5 mm².

90 Dimensionamento de Condutores Elétricos 6. Fatores de Correção: Fatores de Correção de Temperatura (FCT) Como temperatura 30 C FCT=1; Fatores de Correção de Agrupamento (FCA) Condutores embutidos referentes a um único circuito FCA=1;

91 Dimensionamento de Condutores Elétricos I ' p 20,45 I p 20, 45A FCT FCA 1 1 Resultado Final: Condutores Fase de 2,5 mm².

92 Exercícios- Ampacidade Quadro Negro Entrega Grupos Seminários

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Método da capacidade de condução de corrente Roteiro: 1. Calcular a corrente de projeto (I p ) dos circuitos da edificação; 2. Definir parâmetros de instalação

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos.

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos. 8 4.1 Condutores elétricos. 4 LINHAS ELÉTRICAS Os condutores elétricos constituem os principais componentes das linhas elétricas que conduzem eletricidade até as cargas elétricas. Define-se condutor elétrico

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de instalação número: Esquema ilustrativo Descrição Método de instalação a utilizar para a capacidade de condução de corrente 1 1 1 eletroduto de seção

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS

CONDUTORES ELÉTRICOS CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1,72 10-8 Ωm ρ alum = 2,80 10-8

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Dimensionamento de condutores Tipos de Condutores Condutores isolados Condutores unipolar Condutores multipolar Critérios para dimensionamento:

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES z CNCEITS BÁSICS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; freqüência nominal; potência ou corrente

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Regras práticas para projeto elétrico Iluminação, TUG, TUE Recomendações práticas Alguns símbolos diferentes (outra concessionária) Página do Professor - Manuel Rendón UFJF Manual

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi Instalações Elétricas Industriais Divisão de Sistemas de Alimentação Faixa de Tensão Elétrica (IE) orrente Alternada - A orrente ontínua- Extra Baixa Tensão: Tensão Inferior à 50 V (A) e 120 V () Baixa

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. Prof.

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL

1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL 1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL Um Projeto Elétrico é a previsão escrita da instalação, com todos os seus detalhes, localização dos pontos de utilização da energia elétrica, comandos, trajeto dos condutores,

Leia mais

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias NOVOS Disjuntores RX 3 A solução ideal para instalações residenciais e terciárias Ambiente Residencial - área úmida Ambiente Residencial Soho - Pequeno Escritório ou Home Office Ambiente Residencial -

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 12 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 12.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo apresenta-se os conceitos e as principais etapas para a realização de projetos de instalações elétricas prediais de baixa tensão (até 1000 V), monofásicos

Leia mais

7 - CORRENTES DE FALTA

7 - CORRENTES DE FALTA 36 7 - CORRENTES DE FALTA Toda instalação elétrica está sujeita a defeitos que proporcionam altas correntes elétricas, as denominadas correntes de falta. Sempre da ocorrência de uma falta, os dispositivos

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores, Eletrodutos e Proteção

PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores, Eletrodutos e Proteção INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS JOÃO PESSOA CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA DUSPIPLINA: PIEP PROF.: KALINA MEDEIROS PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores,

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 19/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Previsão de Carga Especiais NBR-5410 Cargas Especiais? Em geral, são cargas de uso comum em um edifício.

Leia mais

Instalações elétricas I

Instalações elétricas I Curso técnico em eletrônica Ênfase em eletrotécnica Instalações elétricas I Marco Filipe A Rigueira E.E.T.I. Professor Fontes 24/02/2014 0 Sumário 1. Introdução... 2 2. Tensão alternada... 2 3. Simbologia

Leia mais

PROJETO ELÉTRICO. 1) Preencher o quadro de Dimensionamento (item 6) considerando os números indicados pela Norma Técnica (item 3 da apostila);

PROJETO ELÉTRICO. 1) Preencher o quadro de Dimensionamento (item 6) considerando os números indicados pela Norma Técnica (item 3 da apostila); PROJETO ELÉTRICO Prof. Marco Pádua ROTEIRO: ) Preencher o quadro de Dimensionamento (item 6) considerando os números indicados pela Norma Técnica (item da apostila); ) Calcular a Potencia ativa total,

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Leonel Rodrigues Gerente de Aplicação de Produto Nexans Product Application Dept. Sep 2014 1 Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS Julho de 2003

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS Julho de 2003 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS Julho de 2003 Esta edição foi baseada nos Manuais de Instalações Elétricas Residenciais - 3 volumes, 1996 ELEKTRO / PIRELLI complementada, atualizada e ilustrada com

Leia mais

Instalações Elétricas. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas Odailson Cavalcante de Oliveira Exemplo de projeto Considerações: Ar condicionado no quarto Chuveiro elétrico Máquina de lavar Geladeira Sala e cozinha sem divisão na planta: Foi

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Instalações para Iluminação e Aparelhos Eletrodomésticos

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Instalações para Iluminação e Aparelhos Eletrodomésticos INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Instalações para Iluminação e Aparelhos Eletrodomésticos ABNT NBR 5410: 2004 Determinação das características gerais Na concepção de uma instalação elétrica, devem ser determinadas

Leia mais

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO.

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO. Fornecimento de Energia Elétrica Nos banheiros deverão ser instalados um disjuntor bifásico no quadro de energia existente de cada quadrante conforme projeto. Deste quadro sairá a alimentação para os banheiros.

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS Julho de 2003

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS Julho de 2003 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS Julho de 2003 Esta edição foi baseada nos Manuais de Instalações Elétricas Residenciais - 3 volumes, 1996 ELEKTRO / PIRELLI complementada, atualizada e ilustrada com

Leia mais

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO Conceitos Básicos sobre es Elétricos Definições: Vergalhão Produto metálico não-ferroso de seção maciça circular, destinado à fabricação de fios. Fio Metálico Produto maciço,

Leia mais

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Características Construtivas 1) Para Fio Inbranil Antichama: condutor sólido de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, classe 1. Para Cabo Inbranil Antichama: condutor

Leia mais

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO (RESUMO) Instalações tipo C são instalações abastecidas a partir da rede pública de baixa tensão. Estas instalações são certificadas pela Certiel Associação Certificadora

Leia mais

ANÁLISE DE UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESIDENCIAL

ANÁLISE DE UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESIDENCIAL painel de resulados painel de resultados Por Maria Clara de Maio, colaborou Edson Martinho Fotos: Rubens Campo ANÁLISE DE UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESIDENCIAL UUma instalação elétrica mal dimensionada,

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAL / COMERCIAL / PREDIAL

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAL / COMERCIAL / PREDIAL INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAL / COMERCIAL / PREDIAL ÍNDICE APRESENTAÇÃO............................................ 2 INTRODUÇÃO.............................................. 3 TENSÃO E CORRENTE ELÉTRICA...................................

Leia mais

SIMBOX XF. Design Segurança Fácil instalação. Quadros de distribuição de energia. A melhor opção em quadros de distribuição de energia.

SIMBOX XF. Design Segurança Fácil instalação. Quadros de distribuição de energia. A melhor opção em quadros de distribuição de energia. Fabricado no Brasil SIMBOX XF Quadros de distribuição de energia A melhor opção em quadros de distribuição de energia. Design Segurança Fácil instalação www.siemens.com.br/simboxxf SIMBOX XF Por fora muito

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS ESCOLA POLITÉCNICA DA USP PEA - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS ESCOLA POLITÉCNICA DA USP PEA - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS ESCOLA POLITÉCNICA DA USP PEA - LABORATÓRIO

Leia mais

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010 Capítulo 5 Linhas elétricas 2008 by Pearson Education slide 1 5.1 Aspectos gerais Condutor elétrico Fio Barra Linha pré-fabricada Barramento Condutor encordoado: classes 1 a 6 Cabo Corda Perna Coroa Cabo

Leia mais

Apostila de Projeto de Instalações Elétricas Residenciais e Prediais (Parte III)

Apostila de Projeto de Instalações Elétricas Residenciais e Prediais (Parte III) Apostila de Projeto de Instalações Elétricas Residenciais e Prediais (Parte III) 2010 Prof. Edson Watanabe, edsonh@ifsc.edu.br, www.joinville.ifsc.edu.br/~edsonh 1 Conteúdo 3. Introdução 3.1 Simbologia

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS GARANTA UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA SEGURA ÍNDICE APRESENTAÇÃO............................................ 2 INTRODUÇÃO.............................................. 3 TENSÃO

Leia mais

Instalações Elétricas Residenciais. Garanta uma instalação elétrica segura

Instalações Elétricas Residenciais. Garanta uma instalação elétrica segura Instalações Elétricas Residenciais Garanta uma instalação elétrica segura O MESMO CONHECIMENTO, UM NOVO NOME. Graças aos nossos cabos, transportamos energia e comunicação pelo mundo inteiro. A partir de

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: ELÉTRICO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS... 04 3. DESCRIÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Engenharia Elétrica - UniFOA 7 Período Professor Paulo André Dias Jácome Engenheiro Eletricista CREA-RJ 168734/D Bibliografia: Básica: - Instalações Elétricas Hélio Creder

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO

CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO 8 CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO 8.1 INTRODUÇÃO Em qualquer circuito elétrico, nota-se a presença de elementos condutores, que interligam os equipamentos elétricos às fontes e aos demais componentes

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas As instalações e dimensionamentos de fios e cabos elétricos de baixa tensão devem obedecer as recomendações indicadas na NBR 5410/2004. Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40 1/40 Os valores de capaci dade de condução de correntes constantes das tabelas a seguir, foram calculados de acordo com os critérios estabelecidos pela NBR 11301. Para os cálculos foram consideradas aterradas

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Eletricidade Aplicada Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Dimensionamento de Condutores Elétricos I Circuitos Elétricos Residenciais Dimensionamento Consiste em determinar a seção mínima

Leia mais

Instala es El tricas. Curso Completo

Instala es El tricas. Curso Completo Instala es El tricas Curso Completo SUMÁRIO 1 A Produção de Energia Elétrica...7 1.1 Usina Hidroelétrica...7 1.2 Usina Termoelétrica...7 1.3 Usina Nuclear...7 1.4 Usina Alternativa...7 2 A Transmissão

Leia mais

Í N D I C E D E R E V I S Õ E S D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S

Í N D I C E D E R E V I S Õ E S D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S Página de 30 PROJETO: Í N D I C E D E R E V I S Õ E S R E V. D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S 0 EMISSÃO INICIAL 0 2 3 4 5 6 7 8 DATA 4.05.205 25.08.205 EXECUÇÃO WV WV VERIFICAÇÃO

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 26/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Cálculo da Demanda em Edificações Tensão Secundária Cálculo da Demanda em Edificações Individuais (a)

Leia mais

Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons

Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons Elétrica Quem compõe a instalação elétrica - quadro de luz - centro nervoso das instalações elétricas. Deve ser metálico ou de material incombustível, e nunca de madeira (na sua parte interna ou externa).

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

INFORMAÇÕES TÉCNICAS INFORMAÇÕES TÉCNICAS ÍNDICE A Empresa... 03 Contato Comercial... 03 Seleção e Instalação de Condutores Elétricos (NBR 5410)... 04 Tabela de Produtos... 09 Métodos de Instalação... 10 Capacidade de Condução

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE DT-144/2013 DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 INSTALAÇÃO DE CAIXA DE PROTEÇÃO SECUNDÁRIA NA REDE DE BAIXA TENSÃO FOLHA DE CONTROLE DECISÃO TÉCNICA INSTALAÇÃO

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Instalações Elétricas de Baixa Tensão Porto Alegre, Maio de 2010 Revisão: B Esta Norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR Tel.: (021) 2583 6737 Fax.: (021) 2583 6737 Cel.: (021) 9159 4057 dsp@dsp-rj.com.br 1 / 9 Sumário 1 OBJETIVO... 3 2- NORMAS APLICÁVEIS...

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima.

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima. TOMADA NO PISO PONTO DE FORÇA 2 3 3w 4w INTERRUPTOR DE 1 SEÇÃO INTERRUPTOR DE 2 SEÇÕES INTERRUPTOR DE 3 SEÇÕES INTERRUPTOR THREE-WAY PARALELO INTERRUPTOR FR-WAY INTERMEDIÁRIO ACIONADOR DE CIGARRA CIGARRA

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO CSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBATO INDIVIDUAL E COLETIVO 1. OBJETIVO Padronizar entrada da unidade consumidora com a caixa tipo modular, fabricado em policarbonato e tampa transparente, para medição

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES MEMORIAL DESCRITIVO Memorial Descritivo Elétrico Projeto: Marcelo

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DIMENSIONAMENTOS. 16/08/2009 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Colbert São Paulo

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DIMENSIONAMENTOS. 16/08/2009 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Colbert São Paulo INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DIMENSIONAMENTOS 16/08/2009 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Colbert São Paulo 2 Conteúdo Introdução... 7 Etapas do Projeto Elétrico... 8 Normas Relacionadas... 9 Previsão

Leia mais

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l Análise da Corrente de Curto - Circuito A Análise da corrente de curto circuito em sistemas de baixa tensão é necessária para dimensionar corretamente a proteção do equipamento (disjuntor de proteção)

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Projetar uma instalação elétrica de uma edificação consiste em: Quantificar e determinar os tipos e localizar os pontos de utilização de energia elétrica; Dimensionar,

Leia mais

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Autores Marcelo Artur Xavier de Lima CELPE; José Aderaldo Lopes CELPE. 1 AGENDA: A Celpe;

Leia mais

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço 1 Entrada de energia DEFINIÇÕES Instalação de responsabilidade do consumidor, compreendendo ramal de entrada, poste particular ou pontalete, caixas, dispositivos de proteção, eletrodo de aterramento e

Leia mais

Instalações Elétricas I

Instalações Elétricas I Apostila da disciplina ENE-065 para o curso de Engenharia Elétrica da UFJF Instalações Elétricas I Prof. Rodrigo Arruda Felício Ferreira 2010 Programa da disciplina O programa da disciplina de Instalações

Leia mais

Sumário. Instalações Elétricas II

Sumário. Instalações Elétricas II Sumário 1 Introdução... 3 1.1 Definições... 3 1.2 Partes componentes de um projeto elétrico... 3 2 Modalidade de ligações... 3 3 Ramais... 4 4 Etapas de um projeto... 5 4.1 Determinação da carga estimada...

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Manual Técnico Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Líder Mundial na Indústria de Cabos Com a energia como base de seu desenvolvimento, a Nexans é a líder mundial na indústria de cabos,

Leia mais

SIMBOLOGIA E CONVENÇÕES

SIMBOLOGIA E CONVENÇÕES SUMÁRIO 1. SIMBOLOGIA E CONVENÇÕES 3 2. ESQUEMAS FUNDAMENTAIS DE LIGAÇÕES 6 3. PROJETO 12 3.1. Análise inicial 12 3.2. Caracterização do fornecimento de energia 13 4. CÁLCULO LUMINOTÉCNICO 14 4.1. Definições

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1 Introdução As instalações elétricas de baixa tensão são regidas no Brasil pela norma NBR 5410 (também conhecida por NB-3). Esta norma aplica-se às instalações

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

Tanto aspectos do circuito elétrico como do caminhamento físico da instalação são contemplados no diagrama unifilar.

Tanto aspectos do circuito elétrico como do caminhamento físico da instalação são contemplados no diagrama unifilar. 4. DIAGRAMA UNIFILAR 4.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS O diagrama unifilar é um desenho que utilizando simbologia específica, representa graficamente uma instalação elétrica, indicando, sobre a planta arquitetônica:

Leia mais

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico Padrão de Entrada COELBA Informações do site www.coelba.com.br Padrão de Entrada é o conjunto de instalações composto de caixa de medição, sistema de aterramento, condutores e outros acessórios indispensáveis

Leia mais