Proteção dos transformadores Parte I

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proteção dos transformadores Parte I"

Transcrição

1 26 Capítulo IX Proteção dos transformadores Parte I Por Cláudio Mardegan* Normas e guias Para o desenvolvimento deste capítulo, proteção dos transformadores, as seguintes normas/guias foram consideradas: - ANSI C IEEE Std C ANSI C NEC NBR NBR Pontos a serem observados a) Ponto Inrush (CET) É a corrente de energização do transformador. A corrente de magnetização de um transformador ocorre, entre outras, nas seguintes situações: Energização do transformador; Ocorrência de falta externa; Tensão de restabelecimento após a eliminação de uma falta externa; Mudança no tipo de falta durante uma contingência, como de falta fase-terra, para falta fase-fase-terra; Ao paralelar um transformador já energizado com outro. A corrente de magnetização circula apenas no enrolamento primário. Assim, deve-se tomar certas precauções com as proteções diferenciais e proteção de terra do primário, pois poderá haver desligamento indevido na energização. A forma de onda, a duração e o valor da corrente inrush dependem de vários fatores: Tamanho do transformador: quanto menor o transformador, maior a corrente inrush em múltiplos da corrente nominal. Quanto à duração, quanto maior o transformador, mais tempo irá durar a corrente inrush. Impedância do sistema atrás do transformador: quanto maior a potência de curto-circuito do sistema que fica atrás do transformador maior poderá ser a corrente inrush. A duração poderá aumentar se a potência de curto-circuito for baixa. Das propriedades magnéticas do material do núcleo: quanto pior a qualidade da chapa utilizada para a confecção do núcleo, mais severa será a corrente de magnetização do transformador. Os transformadores atuais são projetados com chapas de aço silício laminado com grão orientado cujas densidades de fluxo variam entre 1.5 a 1.75 Tesla. Quando os transformadores são projetados com estas densidades de fluxo a corrente inrush é menor. Do fluxo remanescente no núcleo: ao desenergizar o transformador, um fluxo remanescente permanece no núcleo. Ao reenergizar o transformador, se houver a combinação mais desfavorável da fase da tensão com o fluxo remanescente, as densidades de fluxo podem atingir valores de 2xB Máx +Br, em que B Máx é a densidade de fluxo máxima e Br é a densidade de fluxo residual. As densidades de fluxo residuais podem ser da ordem de 1.3 a 1.7 Tesla. Como referência, a densidade de fluxo (B) remanescente no núcleo apresenta os seguintes valores típicos:

2 27 Chapa de grão orientado B Remanescente = 0.9 B Máx Chapa de grão não orientado B Remanescente = 0.7 B Máx Valor instantâneo da tensão quando o transformador é energizado: na energização, o transformador é quase que puramente indutivo. Num circuito puramente indutivo, a corrente está atrasada de 90º da tensão. Isso significa que, quando a tensão está passando por zero, a corrente está no seu valor máximo. Assim, chavear o transformador com a tensão passando por zero é a condição mais adversa em termos de valor da corrente inrush. Forma como o transformador é energizado: o valor da corrente inrush depende da área de seção entre o núcleo e o enrolamento que está sendo energizado, de forma que valores maiores são obtidos quando o enrolamento interno (de menor diâmetro) é energizado primeiro. Por questões de isolação, os enrolamentos de menor tensão são normalmente projetados para serem internos e os de maior tensão para serem externos. Com esta filosofia, se os transformadores são abaixadores, a ordem de grandeza das correntes de magnetização é entre cinco a dez vezes a corrente nominal. Se os transformadores são elevadores, a ordem de grandeza das correntes de magnetização varia entre dez a 25 vezes a corrente nominal. Tabela 1 Valores de Inrush de pico no instante t = 0 Tipo do Transformador Corrente Inrush de Pico % Múltiplos (no instante t= 0 s) Abaixador Primário conectado em Delta Primário conectado em Y aterrada x In x In Elevador Primário conectado em Delta Primário conectado em Y aterrada x In x In Cálculo da corrente inrush sem levar em conta a resistência do enrolamento Quando se fala em transformador, deve-se considerar que ele é composto de material ferromagnético e, consequentemente, é saturável e sujeito à curva de histerese B x H, ou φ x i ou v x i, como apresentado na Figura 1. Outras literaturas apontam para o indicado na tabela seguinte: Figura 1 Curva de histerese

3 28 Do eletromagnetismo, sabe-se que: (Equação 1) Isolando se dφ (Equação 2) Como a tensão é senoidal: (Equação 3) Levando-se a equação 3 em 2 e integrando-se obtém-se: (Equação 4) Toda vez que integramos, aparece uma parcela constante, que representa a condição inicial, que no caso do transformador é o fluxo remanescente. Sabe-se também que a integral de Sen(ωt) é Cos(ωt) / ω. Assim, resolvendo-se a equação 4, chega-se a nas equações 5 e 6: (Equação 5) (Equação 6) Imaginando-se que é a primeira vez que o transformador é energizado e que a chapa ainda não possui magnetismo remanescente ou residual, ou seja, ΦR ~ 0. Assim, quando se aplica a tensão v(t) tem-se um fluxo (t), 90 atrasado, como indicado na Figura 2. Figura 4 Circuito relativo à energização de um transformador em circuito puramente indutivo. Nesta condição já existe um fluxo remanescente Φ = ΦR. O valor máximo do fluxo no próximo ½ ciclo (de t3 = 360 até t5 = 540 ) será: ComoΦ Máx = VRMS / (4.44 x n x f), t3 = Φt1 = 360, t5 = ωt2 = 540. Para chapas de grão orientado ΦR = 0.9 Φ Máx (Equação 8) (Equação 9) (Equação 7) Nesta condição, o fluxo irá modular sobre o valor de ΦR e não mais no eixo Φv = 0, como indicado na Figura 5. Figura 2 Tensão e fluxo. A partir da figura anterior, pode-se montar um ciclo de histerese, imaginando-se que se energiza o transformador em 90, ou seja, em to. Os demais pontos são como mostrados na curva da Figura 3. Figura 5 Fluxo remanescente após a desenergização e energização. Levando-se em conta este novo fluxo na curva de histerese, obtém-se a curva da Figura 6. Figura 3 Curva de histerese relativa aos pontos to a t5 da curva da Figura 2. Imaginando-se agora que se desenergiza o transformador em t1, ou seja, quando o fluxo é máximo (ângulo de 180 ). Na desenergização, a corrente cai para zero e, assim, H = N. i cai para zero e o fluxo que existirá é o fluxo remanescente ΦR. Ao se reenergizar o transformador, estaria se ligando um circuito como mostrado na figura seguinte: Figura 6 Relação entre fluxo, curva de histerese e corrente inrush. Como pode ser observado na Figura 6, a corrente não tem forma de onda senoidal e sim, pulsante, sendo que o semiciclo negativo é ceifado. Dependendo do valor do fluxo remanescente e do instante

4 30 em que o transformador é energizado, esta onda pode estar do lado positivo ou negativo. Esta forma de onda é típica de corrente inrush e é devido a esta forma de onda que o teor de 2ª harmônico é elevado. Durante a energização de transformadores, a corrente de magnetização não apresenta forma senoidal. A decomposição de meia onda senoidal ideal é dada por: i(t)= 2. (I RMS / p) {1 (p /2). Sen (ωt) (2/3) Cos (2ωt) (2/15) Cos (4ωt) (2/35) Cos (6ωt) -...} Isso demonstra um teor de 2ª harmônica de 2/3, ou seja, de 66%. Este fato é de suma importância para o ajuste das restrições harmônicas dos relés diferenciais. A Tabela 2 apresenta o teor harmônico típico. Como pode ser observado, o conteúdo de 2ª e 3ª harmônicas são preponderantes. Deve-se tomar cuidado com as harmônicas de 3ª ordem, pois, como já demonstrado anteriormente, estas apresentam características de sequência zero e podem causar a atuação indevida de relés de sobrecorrente de terra (direcionais ou não). Figura 9 Corrente inrush típica de um transformador. O valor das correntes Ia (início) = 470 A e Ia (fim) = 210 A; Ib (início) = 980 A e Ib (fim) = 260 A; Ic (início) = 650 A e Ic (fim) = 77 A. As Figuras 9a, 9b, 9c e 9d representam a Figura 9 com zoom. Tabela 2 Teor harmônico da Corrente Inrush Harmônicos em Transformadores de Força Ordem % 2 o 3 o 4 o 5 o 6 o 7 o 63,0 26,8 5,1 4,1 3,7 2,4 Figura 9a Inrush da Figura 9 com zoom. Cálculo da corrente Inrush levando em conta a resistência O chaveamento de um transformador que possui resistência de enrolamento pode ser representado pelo circuito da Figura 7. Figura 9b Inrush da Figura 9 com zoom+. Figura 7 Circuito relativo à energização de um transformador real. A forma de onda para este caso continua pulsante, entretanto, vai amortecendo ao longo do tempo. Figura 8 Corrente inrush de um transformador real. Figura 9c Inrush da Figura 9 com zoom++.

5 32 Figura 9d Inrush da Figura 9 com zoom++. Como pode ser observado, a corrente inrush decresce com o tempo e, assim, os valores a seguir podem ser utilizados como referência, para fins de proteção de sobrecorrente. Duração tinrush = 100 ms = 0.1 s (Equação 10) Valor da corrente para transformadores abaixadores (Delta no primário) Os valores a seguir têm sido utilizados nos estudos de seletividade: (Equação 14) O exemplo a seguir ilustra o exposto. Dado o diagrama unifilar mostrado na Figura 10, calcule qual a corrente inrush vista pelo relé de entrada (R1), sabendo-se que a potência de curto-circuito trifásica (Pcc3φ) da concessionária no ponto de entrega é de 80 MVA (corrente de 3347 A) e X/R = 8. Transformadores a óleo < 1.0 MVA I Inrush = 10xIn (Equação 11) Transformadores a óleo > 1.0 MVA I Inrush = 8xIn (Equação 12) Transformadores a seco - Todos I Inrush = 14xIn (Equação 13) Se o transformador é abaixador e a conexão do primário é estrela aterrada, deve-se multiplicar os valores das equações 11, 12 e 13 pelo fator 1.4. Se o transformador é elevador e a conexão do primário é delta, multiplicar os valores das equações 11, 12 e 13 pelo fator 1.7. Se o transformador é elevador e a conexão do primário é estrela aterrada, multiplicar os valores das equações 11, 12 e 13 pelo fator 2.5. Os valores apresentados na tabela anterior ou os fornecidos pelos fabricantes de transformadores são valores de projeto considerando-se barramento infinito. Em certas plantas em que o número de transformadores é elevado e a potência de curto-circuito é baixa, o cálculo da corrente inrush utilizando-se os valores supracitados, pode-se chegar a números que não expressam a realidade, visto que a corrente máxima que uma fonte pode fornecer é a corrente de curto-circuito. Neste caso, na falta de um critério, pode-se utilizar o critério seguinte, que consiste em se somar as correntes inrush (de projeto), transformar estas correntes em uma impedância Zin (tanto o transformador como o motor, na partida, podem ser representados como uma impedância constante Vide IEEE Std 399, Brown Book) e soma-se com a impedância do sistema Zs. A nova corrente inrush será: Figura 10 Esquema unifilar do exemplo dado. Pelo critério do fabricante, tem-se: Iinrush-5x2500kVA = 5 x 14In = 70 In = 70x104.5 = 7321 A Iinrush-1x2000kVA = 1 x 8In = 8 In = 8x83.7 = 670 A Iinrush-1x1000kVA = 1 x 8In = 8 In = 8x41.8 = A Iinrush-total fabric = A A potência de curto-circuito da planta é de 80 MVA, o que corresponde a uma corrente de 3347 A. A corrente inrush não pode ser maior que a corrente de curto-circuito, haja vista que a fonte (concessionária) irá limitar a corrente. Então, qual o valor correto a ser considerado? A impedância da fonte é dada por: O transformador na energização se comporta praticamente como o motor de indução (praticamente o mesmo circuito equivalente). O Brown Book do IEEE nos diz que o motor de indução se comporta como uma carga de impedância constante. Logo, o transformador também se comporta como uma carga de impedância constante e, dessa forma, o valor da impedância equivalente da corrente inrush é dada por:

6 33 Norma ANSI C Esta norma define quatro categorias de transformadores a saber: Assim, a impedância total será: Transformadores categoria I São transformadores trifásicos de 15 kva a 500 kva ou de 5 kva a 500 kva monofásicos. A corrente inrush real será: Transformadores categoria II São transformadores trifásicos de 501 kva a 5000 kva ou de 501 kva a 1667 kva monofásicos. b) Suportabilidade Térmica (ST) Define o limite térmico do transformador e depende da norma em que é fabricado. Norma NBR 5356/1993 Tempo t ST = 2 s (Equação 15) Corrente I ST = 100/Z% x In. Se I ST > 25xIn ==> I = 25xInv (Equação 16) Transformadores categoria III São transformadores trifásicos de 5001 kva a kva ou de 1668 kva a kva monofásicos. Transformadores categoria IV São transformadores trifásicos > kva ou > kva monofásicos. Norma IEEE Std C e ANSI C Estas normas definem as capacidades térmicas dos transformadores. As Figuras 11, 12 e 13 mostram estas curvas para as quatro categorias.

7 34 Figura 11 Curva da suportabilidade térmica de transformadores categoria I. Figura 13 Curva da suportabilidade térmica de transformadores categoria III e IV. c) Suportabilidade Térmica Deslocada (STD) Devido à conexão dos transformadores, a corrente de falta à terra no secundário vista pelo primário, em pu, pode ser menor. Assim, a suportabilidade térmica do transformador deve ser deslocada para se garantir a sua proteção. A Figura 14 ilustra a descrição. Figura 12 Curva da suportabilidade térmica de transformadores categoria II. Figura 14 Curto-circuito fase-terra no secundário de um transformador triângulo-estrela. Admitindo-se um curto-circuito fase-terra no secundário de um transformador triângulo-estrela, como sendo igual a 1 pu, impõe correntes de sequência zero neste secundário, quando o secundário é aterrado. Entretanto, na linha, no primário não circula corrente de sequência zero. A corrente de 1 pu na estrela impõe 1 pu dentro do enrolamento primário correspondente.

8 35 Dentro do delta a corrente é igual a 1 / 3 = Assim, na ocorrência de um curto-circuito fase-terra entre os terminais secundários e a primeira proteção de terra à jusante (quando não houver de relé de terra no neutro), a proteção primária tem de garantir a proteção térmica do transformador. E = I cc Assim. no primário CET = Corrente de energização trafo (Inrush) ST = Suportabilidade térmica do transformador STD = Suportabilidade térmica deslocada do trafo d) Curva típica de proteção de fase Apresenta-se na Figura 15 a proteção típica de fase de um transformador. Para um curto-circuito no secundário (Ponto B), o dispositivo de proteção que opera primeiro é o 1, como primeiro backup o 2 e o segundo backup o 3. A curva de suportabilidade térmica do transformador está protegida. O ponto CET lançado na folha de verificação gráfica de seletividade (curva tempo x corrente = TCC time current curves) só circula no primário e, assim, apenas a curva 1 irá enxergá-lo, porém, não opera o disposivito de proteção 3 e, dessa forma, permite a energização do transformador. Devido à elevada impedância do transformador, consegue-se ajustar a unidade instantânea. Assim, para um curto-circuito no secundário, este dispositivo fica seletivo com as proteções localizadas à jusante e opera instantaneamente para curtos-circuitos no primário. Apresenta-se a seguir a nomenclatura utilizada na folha de verificação gráfica de seletividade: A = Corrente nominal do transformador B = I cc Sec. referido ao primário C = I cc Assim. sec. referido ao primário D = I cc no primário Figura 15 Proteção de sobrecorrente de fase típica de um transformador triângulo-estrela. PROTEÇÃO SECUNDÁRIA DE FASE (a) Pick-Up Unidade Temporizada O ajuste típico de pick-up da unidade temporizada é de 1.2 a 1.5 x In do transformador. Entretanto, existem casos em que não se consegue seletividade. Nestas situações, pode-se elevar os valores tomando-se como valores máximos aqueles prescritos no NEC, e sintetizados na tabela a seguir.

9 36 (b) Temporização (da Unidade Temporizada) Deve coordenar com a maior saída do circuito secundário. (c) Unidade Instantânea Como normalmente o transformador alimenta um painel com várias saídas, via de regra, esta unidade fica bloqueada, pois, de outra forma, para um curto-circuito em qualquer saída irá ocorrer o desligamento de todas as outras saídas (pela atuação desta unidade de entrada). Tabela 3 Prescrições do NEC Ajustes máximos dos relés de sobrecorrente segundo o nec em múltiplos de in Z% PRIMÁRIO SECUNDÁRIO Vn > 600 V Vn > 600 V Vn < 600 V Z% < 6 6 < Z% < 10 Disjuntor 6,0 4,0 Fusível 3,0 2,0 Disjuntor 3,0 2,5 Fusível 1,5 1,25 Disjuntor ou Fusível 2,5 2,5 Extraído do NEC National Electric Code 2005 Proteção secundária: Pick-up máximo = 2.5 x In (se Z>6) ou = 3 x In (Z<6) Proteção primária: = Pick-up máximo = 2.5 x In (se não houver proteção ajustada até 2.5 o In no secundário) Proteção primária: = Pick-up máximo = 6 x In (Se Z%<6) ou = 4 x In (Se Z%>6) o Nota: deve existir proteção ajustada até 2.5 In no secundário É óbvio que quanto mais se aumenta o ajuste de um dispositivo de proteção, mais se diminui o seu grau de proteção. Deve-se procurar manter os ajustes os mais baixos possíveis, com seletividade e continuidade operacional. PROTEÇÃO PRIMÁRIA DE FASE (a) Pick-Up Unidade Temporizada O ajuste típico de pick-up da unidade temporizada é de 1.2 a 1.5 x In do transformador. Entretanto, existem casos em que não se consegue seletividade. Nestas situações, pode-se elevar os valores tomando-se como valores máximos aqueles prescritos no NEC [23], e sintetizados na Tabela 6.2. (b) Temporização (da Unidade Temporizada) Deve coordenar com a proteção secundária (relé secundário ou maior saída quando não houver proteção secundária) e permitir circular sem operar o somatório das correntes de carga mais o maior motor partindo.

10 38 (c) Pick-up da Unidade Instantânea O pick-up da unidade instantânea do primário deve ser ajustada para atuar 10% acima do curto-circuito subtransitório assimétrico no secundário, referido ao primário. Deve-se verificar também se o ajuste permite a corrente de energização do trafo (inrush). PROTEÇÃO DE TERRA DO SECUNDÁRIO (a) Pick-up da Unidade Temporizada Depende do tipo de aterramento e da tensão secundária. Sistemas aterrados por resistência são ajustados para 10% da corrente do resistor. Sistemas solidamente aterrados de baixa tensão são ajustados no máximo em 1200 A. (b) Temporização Devem coordenar com a maior saída da barra. Em sistemas de média tensão, aterrados por resistência, deve-se proteger o limite térmico da resistência (por exemplo 10 s). Em sistemas de baixa tensão, devem proteger o NEC (3000 A; 1 s). Deve-se manter os tempos sempre os mais baixos possíveis, com seletividade e proteção. Atualmente, além da proteção de sistemas, a proteção de pessoas também entrou em foco. Estudos de Arc Flash (riscos das faltas por arco) complementam com muita propriedade os estudos de seletividade. É uma boa prática em sistemas de baixa tensão ajustar I-STD abaixo do valor mínimo provável de arco (proteção de backup de terra). (c) Unidade Instantânea Via de regra, deve ser bloqueada pelas mesmas razões expostas na proteção de fase. PROTEÇÃO DE TERRA DO PRIMÁRIO (a) Pick-up da unidade temporizada Depende de vários fatores, tais como tipo de aterramento do sistema a montante, tipo do transformador e de conexão do transformador a jusante, etc. A faixa de ajuste utilizada fica entre 20 A e 120 A (20% a 50% da corrente nominal do circuito). (b) Temporização Com os relés eletromecânicos, estes dispositivos normalmente possuíam faixa de ajuste de 0.5 A a 2 A, eram ajustados no mínimo, ou seja em 0.5 A, eram instantâneos e nestes ajustes não operavam na energização de transformadores. Com o advento dos relés estáticos e posteriormente os relés numéricos digitais, a utilização inicial destes valores de 0.5 A e temporização instantânea mostrou-se

11 39 ineficiente, pois, em muitas vezes, atuava na energização dos transformadores. Devido ao teor de 3ª harmônica, múltiplas na corrente inrush (energização do trafo) e erros de TCs os relés podem operar. A partir destes eventos, foram adotados os seguintes critérios para o ajuste de transformadores com conexão delta no primário: Transformadores a óleo Transformador < 1 MVA=> Pick-up> 1.0 InTR Transformador > 1 MVA=> Pick-up> 0.8 InTR Transformadores a seco Pick-up > 1.4 InTR A Figura 16 ilustra os ajustes praticados. Figura 16 Ajustes da unidade de terra em primário de transformadores conectados em delta. Para outras conexões que permitam a passagem de correntes de sequência zero para o primário, deve-se coordenar com a proteção secundária. (c) Unidade instantânea Quando o transformador está conectado em delta, no primário, a unidade de terra poderia ser ajustada, teoricamente no mínimo, pois um novo sistema de terra se inicia (delta é um circuito aberto no diagrama de sequência zero), no entanto, devido a erro dos TC s deve-se ajustar esta unidade para 1.1 vezes os valores citados no item (b). Para outras conexões, que permitam a passagem de correntes de sequência zero para o primário, deve-se bloquear esta unidade. *CLÁUDIO MARDEGAN é engenheiro eletricista formado pela Escola Federal de Engenharia de Itajubá (atualmente Unifei). Trabalhou como engenheiro de estudos e desenvolveu softwares de curto-circuito, load flow e seletividade na plataforma do AutoCad. Além disso, tem experiência na área de projetos, engenharia de campo, montagem, manutenção, comissionamento e start up. Em 1995 fundou a empresa EngePower Engenharia e Comércio Ltda, especializada em engenharia elétrica, benchmark e em estudos elétricos no Brasil, na qual atualmente é sócio diretor. O material apresentado nestes fascículos colecionáveis é uma síntese de parte de um livro que está para ser publicado pelo autor, resultado de 30 anos de trabalho. CONTINUA NA PRÓXIMA EDIÇÃO Confira todos os artigos deste fascículo em Dúvidas, sugestões e comentários podem ser encaminhados para o

Capítulo X Proteção de transformadores Parte II

Capítulo X Proteção de transformadores Parte II 30 Capítulo X Proteção de transformadores Parte II Por Cláudio Mardegan* No capítulo anterior, iniciamos o estudo sobre proteção dos transformadores. Na primeira parte, falamos sobre normas, guias de consulta

Leia mais

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt 26 Capítulo XIII Proteção de Bancos de Capacitores Shunt Por Cláudio Mardegan* A utilização de bancos de capacitores em sistemas elétricos industriais tem crescido ultimamente devido ao fato de se constituir

Leia mais

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U).

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U). 32 Apoio Proteção e seletividade Capítulo XII Proteção de cabos Por Cláudio Mardegan* Falando em proteção de cabos, este capítulo abordará de proteção deve ficar, no máximo, igual ao valor de alguns critérios

Leia mais

Capítulo IV. Dispositivos de proteção Parte II. Proteção e seletividade. 26 O Setor Elétrico / Abril de 2010. Relé direcional de potência

Capítulo IV. Dispositivos de proteção Parte II. Proteção e seletividade. 26 O Setor Elétrico / Abril de 2010. Relé direcional de potência 26 Capítulo IV Dispositivos de proteção Parte II Por Cláudio Mardegan* Relé direcional de potência Quando instalado na interconexão com Em concepção, os relés direcionais de potência são relés que operam

Leia mais

Capítulo XVII. A seletividade. Proteção e seletividade. A folha de seletividade. Exemplo 1

Capítulo XVII. A seletividade. Proteção e seletividade. A folha de seletividade. Exemplo 1 30 Capítulo XVII A seletividade Por Cláudio Mardegan* O objetivo maior de um estudo de seletividade é determinar os ajustes dos dispositivos de proteção, de forma que, na ocorrência de um curto-circuito,

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

-Transformadores Corrente de energização - inrush

-Transformadores Corrente de energização - inrush -Transformadores Corrente de energização - inrush Definição Corrente de magnetização (corrente de inrush) durante a energização do transformador Estas correntes aparecem durante a energização do transformador,

Leia mais

Capítulo VIII Proteção de motores

Capítulo VIII Proteção de motores 28 Capítulo VIII Proteção de motores Por Cláudio Mardegan* Na elaboração deste capítulo sobre proteção dos Em que: motores, foram consultadas as seguintes normas/guias: 49 Sobrecarga ANSI C37.96-2000 NEMA

Leia mais

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro 60 Capítulo IV Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração Paulo Fernandes Costa* Nos três capítulos anteriores, foram discutidos os aspectos da escolha e

Leia mais

Proteção de geradores

Proteção de geradores 28 Capítulo XI Proteção de geradores Por Cláudio Mardegan* Este capítulo abordará as funções 46, 51V, 40, 32, 81, 24, 59GN, 49S e 60. São as funções típicas para a proteção de geradores. Apresentam-se

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

Capítulo I Transformadores de corrente, potencial e bobinas de Rogowski para fins de proteção Parte 1 Por Cláudio Mardegan*

Capítulo I Transformadores de corrente, potencial e bobinas de Rogowski para fins de proteção Parte 1 Por Cláudio Mardegan* 22 O Setor Elétrico / Janeiro de 2010 Proteção e seletividade Capítulo I Transformadores de corrente, potencial e bobinas de Rogowski para fins de proteção Parte 1 Por Cláudio Mardegan* A proteção de equipamentos,

Leia mais

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGA DE CÁLCULO SUBESTAÇÕES DE 5kV Elaborado por Carlos Alberto Oliveira Júnior Maio 26 ÍNDCE. Obtenção dos dados...2.. Documentos necessários...2.2. Dados necessários...2 2. Cálculo

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DA SUBESTAÇÃO ELÉTRICA ELÉTRICO-SUBESTAÇÃO ABRIGADA 2MVA 1/6 NOVO FÓRUM DA

Leia mais

CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO DE: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO À Engenheiros

Leia mais

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa*

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* 62 Capítulo I Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* Novo! A aplicação de resistores de aterramento do neutro em sistemas industriais,

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

ESTUDO DE SELETIVIDADE DAS PROTEÇÕES DE SOBRECORRENTE DE UM SISTEMA ELÉTRICO

ESTUDO DE SELETIVIDADE DAS PROTEÇÕES DE SOBRECORRENTE DE UM SISTEMA ELÉTRICO UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE ENGENHARIAS, ARQUITETURA E URBANISMO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA / ELETRÔNICA VANESSA FERNANDES NOGUEIRA ORIENTADOR:

Leia mais

Capítulo V. Dispositivos de proteção Parte III. Proteção e seletividade. 26 O Setor Elétrico / Maio de 2010. Relé df/dt. Fusível. Conexão.

Capítulo V. Dispositivos de proteção Parte III. Proteção e seletividade. 26 O Setor Elétrico / Maio de 2010. Relé df/dt. Fusível. Conexão. 26 Capítulo V Dispositivos de proteção Parte III Por Cláudio Mardegan* Relé df/dt Muitas vezes, esperar alguns ciclos para operar um relé de frequência pode não ser uma solução real de proteção de um sistema

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

28 O Setor Elétrico / Março de 2010

28 O Setor Elétrico / Março de 2010 28 Capítulo III Dispositivos de proteção Parte 1 Por Cláudio Mardegan* Terminologia Alguns termos são utilizados no dia a dia dos profissionais de proteção. Apresenta-se a seguir alguns dos mais usados:

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

3 Faltas Desbalanceadas

3 Faltas Desbalanceadas UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior 2012 1 3 Faltas Desbalanceadas 3.1 Introdução Neste capítulo são estudados os curtos-circuitos do tipo monofásico, bifásico e bifase-terra. Durante o estudo será utilizado

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Interface com a concessionária

Interface com a concessionária Capítulo XVI Interface com a concessionária Por Cláudio Mardegan* O objetivo desse capítulo é prover as informações básicas para que se possa dispor de um sistema de proteção adequado na interface com

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Fundamentos de Máquinas Elétricas

Fundamentos de Máquinas Elétricas Universidade Federal do C Engenharia de nstrumentação, utomação e Robótica Fundamentos de Máquinas Elétricas rof. Dr. José Luis zcue uma Regulação de tensão Rendimento Ensaios de curto-circuito e circuito

Leia mais

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 36 Fusível NH Zonasde Atuação 224 A Fusível NH Zonasde Atuação 355 A 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 37 5 Proteção e Coordenação

Leia mais

Projeto de instalação de sistemas UPS

Projeto de instalação de sistemas UPS 22 Capítulo IX Projeto de instalação de sistemas UPS Por Luis Tossi e Azarias Macedo Júnior* Neste capítulo, abordaremos os aspectos relacionados ao projeto de sistemas UPS. Trataremos de forma separada

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA Paulo Eduardo Mota Pellegrino Introdução Este método permite calcular os valores de curto circuito em cada ponto do Sistema de energia elétrica (SEE). Enquanto

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova EE.UFMG - ESCOLA DE ENGENHARIA DA UFMG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELE 0 - CIRCUITOS POLIFÁSICOS E MAGNÉTICOS PROF: CLEVER PEREIRA 1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES - PERDAS EM VAZIO Potência absorvida pelo transformador quando alimentado em tensão e frequência nominais,

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

Polaridade e relação em transformadores de potência

Polaridade e relação em transformadores de potência 68 Capítulo V Polaridade e relação em transformadores de potência Por Marcelo Paulino* O objetivo deste capítulo é apresentar os conceitos de polaridade e defasamento angular de transformadores e as metodologias

Leia mais

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG.

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG. ÍNDICE 1. OBJETIVO...2 2. RESPONSABILIDADES...2 3. CONCEITUAÇÃO...2 3.1 CAPACITOR...2 3.2 CARGAS NÃO LINEARES...2 3.3 BANCO CAPACITIVO...2 3.4 CARGA INSTALADA...2 3.5 POTÊNCIA ATIVA...2 3.6 POTÊNCIA...2

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE ADEQUAÇÃO PARA TC s PARA USO EM PROTEÇÃO

VERIFICAÇÃO DE ADEQUAÇÃO PARA TC s PARA USO EM PROTEÇÃO VERIFICAÇÃO DE ADEQUAÇÃO PARA TC s PARA USO EM PROTEÇÃO Superintendência Técnica Junho de 2010 ÍNDICE 1 OBJETIVO 3 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 3 3 CONDIÇÕES PARA QUE UM TC SEJA CONSIDERADO ADEQUADO 3 3.1

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 A Empresa A PSYS Consultoria em Engenharia e Sistemas Ltda. surgiu do desejo de

Leia mais

Ensaio de resistência de isolamento

Ensaio de resistência de isolamento 56 Capítulo VII Ensaios de resistência de isolamento e de rigidez dielétrica Por Marcelo Paulino* A avaliação do sistema isolante consiste em uma das principais ferramentas para determinar a condição operacional

Leia mais

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779 RELATÓRIO DO ESTUDO DE CURTO CIRCUITO E DA PLANTA DA ULBRA - PARTE 1 CONFORME SOLICITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA STEMAC - 210779 EMITIDA EM 01/03/2007. REVISÃO 1 19/04/2007 Introdução. O presente documento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição:

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição: Capítulo2 CHAVE-FUÍVEI PARA PROTEÇÃO DE ALIMENTADORE E TRANFORMADORE 2.1 Introdução Classicamente, os sistemas de distribuição primários, aéreos, trifásicos e aterrados, constituídos por condutores nus,

Leia mais

SUPERCOORD v2. Software de apoio a estudos de proteção e coordenação da rede de distribuição de energia elétrica.

SUPERCOORD v2. Software de apoio a estudos de proteção e coordenação da rede de distribuição de energia elétrica. SUPERCOORD v2 Software de apoio a estudos de proteção e coordenação da rede de distribuição de energia elétrica. Diego Fontana, Cesar Furlanetto, Edmilson Benedet supercoord@ig.com.br Revisão 1.13 Sumário

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS 1 Impactos da Suportabilidade de Geradores Síncronos Distribuídos a Afundamentos de Tensão na Proteção de Sobrecorrente e Anti-ilhamento Rafael S. Silva, Fernanda C. L. Trindade, Walmir Freitas Resumo--Este

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

1.1- DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES

1.1- DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES Quanto a Finalidade: TRANSFORMADORES 1.1- DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES a)transformadores de Corrente; b)transformadores de Potencial; c)transformadores de Distribuição; d)transformadores de Força. Quanto

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema de Acionamento de Disjuntores Visando a Menor Sobretensão

Desenvolvimento de um Sistema de Acionamento de Disjuntores Visando a Menor Sobretensão 1 Desenvolvimento de um Sistema de Acionamento de Disjuntores Visando a Menor Sobretensão M. V. Garbelotti, TBE; J. A. Jardini; M. Masuda; R. P. Casolari; G. Y. Saiki, EPUSP/PEA/GAGTD 1 Resumo O chaveamento

Leia mais

Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014

Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014 Aplicabilidade de Transformadores de Corrente de Baixa Relação de Transformação Acoplados a Relés de Sobrecorrente Digitais em Circuitos com

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA NOTAS DE AULA PROF. LUCIANO VITORIA BARBOZA SUMÁRIO Capítulo 1. Faltas Trifásicas Simétricas... 1 1.1. Introdução... 1 1.. Transitórios

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios

Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios Revisão 03 12/2014 NORMA ND.62 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejamento e

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS)

Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Proteção 76 Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Zonas de proteção contra raios, características e aplicações do DPS do tipo I Por Sérgio Roberto Santos* Os Dispositivos de Proteção contra Surtos

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA DILIOMAR MOREIRA DURÃES DA SILVA JEAN GABRIEL ROGENSKI PEREIRA ROGER DAL NEGRO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNVERSDADE FEDERAL DE JUZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

Aula 1 Introdução. Análise de redes em condições transitórias. rias:

Aula 1 Introdução. Análise de redes em condições transitórias. rias: Proteção de Sistemas Elétricos Aula 1 Introdução Análise de redes em condições transitórias condições transitórias: rias: chaveamento CC falta de fase formas de ondas anormais descargas atmosféricas origem:

Leia mais

Transformador. Índice. Estrutura

Transformador. Índice. Estrutura Transformador Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Um transformador ou trafo é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência elétrica de um circuito a outro, transformando tensões,

Leia mais

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org 1ª. Questão Considere as seguintes impedâncias e tensões de um transformador cuja potência nominal é S N. Z AT : impedância de dispersão, referida à alta tensão, em ohms; Z BT : impedância de dispersão,

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Um Sistema de Software para Execução de Estudos de Coordenação e Seletividade da Proteção em Sistemas de Distribuição

Um Sistema de Software para Execução de Estudos de Coordenação e Seletividade da Proteção em Sistemas de Distribuição Um Sistema de Software para Execução de Estudos de Coordenação e Seletividade da Proteção em Sistemas de Distribuição D. R. Pereira, J. M. de C. Filho, P. M. da Silveira, J. P. G. de Abreu, G. T. Watanabe,

Leia mais

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que:

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: TÉCNICO EM ELETRICIDADE 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: C1 = 300µF C2 = C3 = 300µF C4 = C5 = C6

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária Elaborado por: Eng. Dener Pioli Gerencia de Engenharia de Automação e Proteção Aprovado por: Sergio

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

LABORATÓRIO INTEGRADO III

LABORATÓRIO INTEGRADO III FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO III Experiência 02: TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS - FUNCIONAMENTO Prof. Norberto Augusto Júnior I) OBJETIVOS: Estudar

Leia mais

Capítulo 9 TRANSFORMADORES

Capítulo 9 TRANSFORMADORES Capítulo 9 TRANSFORMADORES Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos transformadores com base nas leis de Faraday e Lenz, mostra o papel dos transformadores em um sistema elétrico de corrente

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE Um conversor é um equipamento utilizado para converter potência alternada em potência contínua. Num conversor simples, que usa somente diodos retificadores, a tensão

Leia mais

Quando comparado com uma chave mecânica, uma chave eletrônica apresenta vantagens e desvantagens.

Quando comparado com uma chave mecânica, uma chave eletrônica apresenta vantagens e desvantagens. Chave eletrônica Introdução O transistor, em sua aplicação mais simples, é usado como uma chave eletrônica, ou seja, pode ser usado para acionar cargas elétricas. A principal diferença entre o transistor

Leia mais

Aplicações de Relés Microprocessados na Distribuição

Aplicações de Relés Microprocessados na Distribuição Aplicações de Relés Microprocessados na Distribuição Karl Zimmerman Schweitzer Engineering Laboratories, Inc. Belleville, IL USA RESUMO Avanços na tecnologia usando microprocessadores têm resultado em

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

ANÁLISE E MEDIÇÕES DAS SOBRECORRENTES DE ENERGIZAÇÃO DE UM TRANSFORMADOR MONOFÁSICO.

ANÁLISE E MEDIÇÕES DAS SOBRECORRENTES DE ENERGIZAÇÃO DE UM TRANSFORMADOR MONOFÁSICO. ANÁLISE E MEDIÇÕES DAS SOBRECORRENTES DE ENERGIZAÇÃO DE UM TRANSFORMADOR MONOFÁSICO. Guilherme Vasconcellos Marcelino PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA

Leia mais

Impactos da Contribuição de Curto-Circuito da Máquina de Indução em Instalações Elétricas

Impactos da Contribuição de Curto-Circuito da Máquina de Indução em Instalações Elétricas 1 Impactos da Contribuição de Curto-Circuito da Máquina de Indução em Instalações Elétricas I. L. Mota, I. Kopcak, A.C. Baleeiro, B. Alvarenga Resumo As cargas de instalações elétricas industriais possuem

Leia mais

Inrush Zero : Projeto Chesf de P&D, Parte II Resultados dos Ensaios de Campo da Energização Controlada de um Transformador de 100MVA, 230/138kV

Inrush Zero : Projeto Chesf de P&D, Parte II Resultados dos Ensaios de Campo da Energização Controlada de um Transformador de 100MVA, 230/138kV Inrush Zero : Projeto Chesf de P&D, Parte II Resultados dos Ensaios de Campo da Energização Controlada de um Transformador de 100MVA, 230/138kV H. S. Bronzeado, CHESF, S. O Pinto, CHESF, Per Jonsson, ABB,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais