Anexo II Sistema concetual Estatísticas da Saúde e Incapacidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo II Sistema concetual Estatísticas da Saúde e Incapacidades"

Transcrição

1 Anexo II Sistema concetual Estatísticas da Saúde e Incapacidades SAÚDE PÚBLICA ESTADO DE SAÚDE ACAMADO ANDAR ANOS DE VIDA SAUDÁVEL ATIVIDADE DE VIDA DIÁRIA ATIVIDADE INSTRUMENTAL DE VIDA DIÁRIA AUTO APRECIAÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE AUTONOMIA CAUSA EXTERNA CIDADÃO COM NECESSIDADES ESPECIAIS COLESTEROL NÍVEL DE COLESTEROL COMORBILIDADE COMUNICAÇÃO CONDIÇÃO DE SAÚDE CONVERSAÇÃO DEFICIÊNCIA DEFICIÊNCIA AUDITIVA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL DEFICIÊNCIA MENTAL DEFICIÊNCIA MOTORA DEFICIÊNCIA VISUAL MULTIDEFICIÊNCIA DEPENDÊNCIA DOENÇA ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ALERGIA ALERGIA ALIMENTAR ANGINA DE PEITO AVC ARTRITE ARTROSE ASMA ASMA PREDOMINANTEMENTE ALÉRGICA 1

2 ATAQUE CARDÍACO BRONQUITE BRONQUITE CRÓNICA BRUCELOSE CASO DE DOENÇA CIRROSE HEPÁTICA CONJUNTIVITE ALÉRGICA DERMATITE DERMATITE DE CONTACTO DEPRESSÃO DIABETES MELLITUS DIABETES GESTACIONAL DOENÇA AGUDA DOENÇA CORONÁRIA DOENÇA CRÓNICA DOENÇA DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA CASO CONFIRMADO DE DOENÇA DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA DOENÇA DO LEGIONÁRIO DOENÇA INFECIOSA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÓNICA ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO ENFISEMA PULMONAR FEBRE DE MALTA FEBRE DOS FENOS FEBRE ESCARO NODULAR GONORREIA GRIPE HIPERTENSÃO ARTERIAL INCONTINÊNCIA URINÁRIA INFEÇÃO PELO VIH INSUFICIÊNCIA RENAL LITÍASE RENAL PAROTIDITE PEDRAS NOS RINS RINITE RINITE ALÉRGICA SALMONELOSE FEBRE PARATIFOIDE 2

3 FEBRE TIFOIDE SIDA SÍFILIS SÍNDROME DA IMONUDEFICIÊNCIA ADQUIRIDA TÉTANO TOSSE CONVULSA TUBERCULOSE DOR CERVICALGIA DOR AGUDA DOR CERVICAL DOR CRÓNICA DOR LOMBAR ESTRUTURA DO CORPO FALAR FUNCIONALIDADE FUNÇÕES DA ATENÇÃO FUNÇÕES DA MEMÓRIA FUNÇÕES DO CORPO FUNÇÃO AUDITIVA FUNÇÃO DA VISÃO GRAVIDEZ DURAÇÃO DA GRAVIDEZ GRAVIDADE DA DOENÇA GLICÉMIA GLICOSE INCIDÊNCIA ÍNDICE DE MASSA CORPORAL IMUNIDADE INCAPACIDADE INCAPACIDADE PERMANENTE INFLAMAÇÃO LAVAR-SE MENOPAUSA MOBILIDADE MORBILIDADE PARTICIPAÇÃO PERTURBAÇÃO FUNCIONAL 3

4 PREVALÊNCIA PROBLEMA DE SAÚDE PROBLEMA DE SAÚDE PROLONGADO PROMOÇÃO DA SAÚDE RECÉM-NASCIDO SAÚDE MENTAL SAÚDE ORAL SAÚDE REPRODUTIVA SINAL SINTOMA TAXA DE COBERTURA VACINAL TAXA DE SOBREVIVÊNCIA TENSÃO ARTERIAL TRAUMA VESTIR-SE VIH VÍRUS DA IMONUDEFICIÊNCIA HUMANA DETERMINANTE DE SAÚDE AMAMENTAÇÃO ACIDENTE ACIDENTE DE LAZER ACIDENTE DE VIAÇÃO ACIDENTE DOMÉSTICO ATITUDE ATIVIDADE ATIVIDADE DE LAZER ATIVIDADE DOMÉSTICA ATIVIDADE FÍSICA ATIVIDADE DESPORTIVA BARREIRA BEBIDA ALCOÓLICA CONTRACEÇÃO ABSTINÊNCIA PERIÓDICA ADESIVO CONTRACETIVO ANEL CONTRACETIVO COITO INTERROMPIDO CONTRACEÇÃO DE EMERGÊNCIA CONTRACEÇÃO HORMONAL 4

5 CONTRACEÇÃO INJETÁVEL DIAFRAGMA DISPOSITIVO INTRA-UTERINO DIU ESPERMICIDA HORMONA INJETÁVEL TRIMESTRAL IMPLANTE HORMONAL LAQUEAÇÃO DE TROMPAS PÍLULA CONTRACETIVA PÍLULA DO DIA SEGUINTE PRESERVATIVO VASECTOMIA FACILITADOR FATORES AMBIENTAIS FATORES CONTEXTUAIS FATORES PESSOAIS FUMO PASSIVO LESÃO LESÃO AUTOPROVOCADA INTENCIONALMENTE LESÃO PROVOCADA POR AGRESSÃO DE TERCEIROS PREVENÇÃO DA DOENÇA PRÓTESE PRÓTESE AUDITIVA REFEIÇÃO FAST FOOD REFEIÇÃO PRÉ-COZINHADA RISCO SUPORTE SOCIAL VACINA VACINAÇÃO CAUSA DE MORTE ANOS POTENCIAIS DE VIDA PERDIDOS AUTO DE VERIFICAÇÃO DE ÓBITO CAUSA BÁSICA DE MORTE CAUSA DE MORTE DIRETA CAUSA DE MORTE EXTERNA CERTIFICADO DE ÓBITO MORTALIDADE EVITÁVEL ÓBITO MATERNO 5

6 TAXA DE MORTALIDADE MATERNA CUIDADOS DE SAÚDE PRESTADOR DE CUIDADOS DE SAÚDE estruturas de cuidados de saúde BERÇÁRIO CAMA CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS DOMICÍLIO ENFERMARIA ENTIDADE CONVENCIONADA ESTABELECIMENTO DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE ACES CENTRO DE DIAGNÓSTICO CENTRO DE SAÚDE CENTRO DE TERAPÊUTICA CENTRO HOSPITALAR CONSULTÓRIO MÉDICO PRIVADO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE PRIVADO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE PÚBLICO EXTENSÃO DE CENTRO DE SAÚDE HOSPITAL HOSPITAL ESPECIALIZADO HOSPITAL GERAL HOSPITAL PRIVADO HOSPITAL PÚBLICO NÚCLEO DE SAÚDE FAMILIAR POSTO MÉDICO POSTO MÉDICO PARTICULAR POSTO MÉDICO PÚBLICO POSTO DE ENFERMAGEM SERVIÇO EM ESTABELECIMENTO DE SAÚDE SERVIÇO DE ESPECIALIDADE FARMÁCIA PARAFARMÁCIA POSTO FARMACÊUTICO MÓVEL HOSPITAL DE DIA 6

7 INSTITUIÇÃO HOSPITALAR LINHA DA SAÚDE AÇORES LOTAÇÃO OFICIAL LOTAÇÃO PRATICADA QUARTO PRIVADO QUARTO SEMIPRIVADO REDE DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS UNIDADE DE CONVALESCENÇA UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS UNIDADE DE DIA E DE PROMOÇÃO DA AUTONOMIA UNIDADE DE LONGA DURAÇÃO E MANUTENÇÃO UNIDADE DE MÉDIA DURAÇÃO E REABILITAÇÃO VAGA NA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS REDE DE REFERENCIAÇÃO HOSPITALAR SALA DE CONSULTA SALA DE PARTOS SALA PARA TRABALHO DE PARTO SAÚDE 24 SERVIÇO DE ATENDIMENTO PERMANENTE SERVIÇO DE ATENDIMENTO PROLONGADO SERVIÇO DE URGÊNCIA SERVIÇO DE URGÊNCIA BÁSICA SERVIÇO DE URGÊNCIA HOSPITALAR SALA DE OBSERVAÇÃO SERVIÇO DE URGÊNCIA MÉDICO-CIRÚRGICA SERVIÇO DE URGÊNCIA POLIVALENTE SERVIÇO DOMICILIÁRIO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE SERVIÇO REGIONAL DE SAÚDE SISTEMA DE SAÚDE UNIDADE DE CONSULTA EXTERNA UNIDADE DE INTERNAMENTO UNIDADE FUNCIONAL CLÍNICA HOSPITALAR BLOCO OPERATÓRIO SALA OPERATÓRIA SALA DE CIRURGIA SALA DE INTERVENÇÃO CIRÚRGICA SALA DE OPERAÇÕES 7

8 SERVIÇO FARMACÊUTICO HOSPITALAR UNIDADE DE CUIDADOS INTENSIVOS UNIDADE DE CUIDADOS INTENSIVOS NEONATAIS UNIDADE DE CUIDADOS INTERMÉDIOS UNIDADE DE CUIDADOS PÓS-ANESTÉSICOS RECOBRO NO INTERNAMENTO RECOBRO NO BLOCO OPERATÓRIO UNIDADE DE QUEIMADOS UNIDADE FUNCIONAL DE PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE SAÚDE UNIDADE DE CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE UNIDADE DE RECURSOS ASSISTENCIAIS PARTILHADOS UNIDADE DE SAÚDE DE ILHA UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE UNIDADE MÓVEL DE SAÚDE UNIDADE MÓVEL DOMICILIÁRIA recursos humanos de cuidados de saúde CLÍNICA GERAL CINESIOTERAPIA CUIDADOR INFORMAL EQUIPA COMUNITÁRIA DE SUPORTE EM CUIDADOS PALIATIVOS EQUIPA COORDENADORA LOCAL EQUIPA COORDENADORA REGIONAL EQUIPA DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS EQUIPA DE GESTÃO DE ALTAS EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA EQUIPA INTRA-HOSPITALAR DE SUPORTE EM CUIDAODS PALIATIVOS ESPECIALIDADE EM ENFERMAGEM ESPECIALIDADE EM MEDICINA ANATOMIA PATOLÓGICA ESTOMATOLOGIA MEDICINA GERAL E FAMILIAR ORTODONTIA PSIQUIATRIA SUBESPECIALIDADE EM MEDICINA FISIOTERAPIA 8

9 PSICOTERAPIA PROFISSIONAL DE SAÚDE CINESIOTERAPEUTA DIETISTA ENFERMEIRO ENFERMEIRO DO TRABALHO ENFERMEIRO ESPECIALISTA FARMACÊUTICO FARMACÊUTICO COMUNITÁRIO FARMACÊUTICO DE OFICINA FISIOTERAPEUTA HIGIENISTA ORAL MÉDICO MÉDICO DE FAMÍLIA MÉDICO ESPECIALISTA MÉDICO CIRURGIÃO MÉDICO DE MEDICINA GERAL E FAMILIAR MÉDICO DO TRABALHO PSIQUIATRA ESTOMATOLOGISTA MÉDICO DENTISTA ORTODONTISTA NUTRICIONISTA ODONTOLOGISTA PROFISSIONAL DE FARMÁCIA PSICÓLOGO PSICOTERAPEUTA TÉCNICO DE ANÁLISES CLÍNICAS E DE SAÚDE PÚBLICA TÉCNICO DE ANATOMIA PATOLÓGICA, CITOLÓGICA E TANATOLÓGICA TÉCNICO DE FARMÁCIA TÉCNICO SUPERIOR DE SAÚDE DO RAMO DE FARMÁCIA TÉCNICO SUPERIOR DE SAÚDE DO RAMO DE GENÉTICA TÉCNICO SUPERIOR DO RAMO DE PSICOLOGIA CLÍNICA SERVIÇO SOCIAL TÉCNICO DE RADIOLOGIA TÉCNICO DE SAÚDE AMBIENTAL TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO TÉCNICO SUPERIOR DE SAÚDE DO RAMO DE ENGENHARIA SANITÁRIA 9

10 TÉCNICO SUPERIOR DE SAÚDE DO RAMO DE LABORATÓRIO TÉCNICO SUPERIOR DE SAÚDE DO RAMO DE NUTRIÇÃO TÉCNICO SUPERIOR DE SERVIÇO SOCIAL TERAPEUTA DA FALA TERAPEUTA OCUPACIONAL utilização dos cuidados de saúde AÇÃO PALIATIVA ACESSIBILIDADE ACOMPANHANTE DE DOENTE ADMISSÃO ADMISSÃO NÃO PROGRAMADA ADMISSÃO PROGRAMADA ADMISSÃO URGENTE ALTA ALTA COM PARECER MÉDICO FAVORÁVEL ALTA CONTRA PARECER MÉDICO AMBULATÓRIO ATO CIRÚRGICO ATO COMPLEMENTAR DE DIAGNÓSTICO ANÁLISE CLÍNICA CITOLOGIA CERVICAL COLONOSCOPIA COLONOSCOPIA TOTAL MAMOGRAFIA TESTE DE PAPANICOLAU PESQUISA DE SANGUE OCULTO NAS FEZES ATO COMPLEMENTAR DE TERAPÊUTICA TRANSFUSÃO DE SANGUE SESSÃO EM SAÚDE SESSÃO EM HOSPITAL DE DIA ATO DE ENFERMAGEM ATO EM SAÚDE ATO MÉDICO PRESCRIÇÃO CIRURGIA CIRURGIA CONVENCIONAL CIRURGIA DE AMBULATÓRIO CIRURGIA ELETIVA 10

11 CIRURGIA PROGRAMADA CIRURGIA URGENTE PEQUENA CIRURGIA CONSULTA CONSULTA A DOENTE INTERNADO CONSULTA DE ENFERMAGEM CONSULTA DE INTERSUBSTITUIÇÃO CONSULTA MÉDICA CONSULTA ABERTA CONSULTA COMPLEMENTAR CONSULTA DE RECURSO CONSULTA DE REFORÇO CONSULTA DE CLÍNICA GERAL CONSULTA DE ESPECIALIDADE CONSULTA DE MEDICINA GERAL E FAMILIAR CONSULTA DE SAÚDE DE ADULTOS EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS PRIMEIRA CONSULTA EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS CONSULTA DE PLANEAMENTO FAMILIAR CONSULTA DE SAÚDE DO RECÉM-NASCIDO, DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CONSULTA DE SAÚDE MATERNA PRIMEIRA CONSULTA DE SAÚDE MATERNA CONSULTA DE VIGILÂNCIA DE SAÚDE CONSULTA INDIRETA NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA CONSULTA MÉDICA PRESENCIAL CONSULTA MÉDICA SEM A PRESENÇA DO UTENTE CONSULTA NO DOMICÍLIO CONSULTA SUBSEQUENTE NO HOSPITAL PRIMEIRA CONSULTA NO HOSPITAL TELECONSULTA CONSULTA MULTIDISCIPLINAR CONSULTA DE OUTRO PROFISSIONAL DE SAÚDE CONVENÇÃO CUIDADOS DE ENFERMAGEM CUIDADOS INFORMAIS CUIDADOS MÉDICOS CUIDADOS PALIATIVOS CUIDADOS PREVENTIVOS DIAGNÓSTICO ADICIONAL 11

12 DIAGNÓSTICO PRINCIPAL DOENTE EQUIVALENTE DOENTE INTERNADO DOENTES SAÍDOS DOENTES TRATADOS EPISÓDIO CLÍNICO EXAME AUXILIAR DE DIAGNÓSTICO EXAME AUXILIAR DE TERAPÊUTICA EVENTO EM SAÚDE GRUPO DE DIAGNÓSTICOS HOMOGÉNEOS IMPLANTE IMPLANTE AUDITIVO INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ LEGALMENTE EFETUADA INTERNAMENTO DEMORA MÉDIA DE INTERNAMENTO DURAÇÃO MÉDIA DE INTERNAMENTO EXISTÊNCIA FINAL DE DOENTES EXISTÊNCIA INICIAL DE DOENTES REINTERNAMENTO TEMPO DE INTERNAMENTO TOTAL DE INTERNAMENTOS TAXA DE OCUPAÇÃO NO ANO INTERVENÇÃO CIRÚRGICA LENTE DE CONTACTO LENTE INTRAOCULAR LISTA DE ESPERA MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO DE UM MEDICAMENTO DOSE DIÁRIA DEFINIDA FORMA FARMACÊUTICA MEDICAMENTO GENÉRICO QUOTA DE MERCADO DO MEDICAMENTO GENÉRICO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA MEIO AUXILIAR DE DIAGNÓSTICO MEIO AUXILIAR DE TERAPÊUTICA MEIO COMPLEMENTAR DE DIAGNÓSTICO MEIO COMPLEMENTAR DE TERAPÊUTICA OCORRÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR 12

13 OCORRÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR EMERGENTE OCORRÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR NÃO URGENTE OCORRÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR URGENTE PRIORIDADE NOS SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR TIPOLOGIA DA OCORRÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR OPERAÇÃO CIRÚRGICA PARTO PARTO COM ASSISTÊNCIA PARTO DISTÓCICO CESARIANA PARTO EUTÓCICO PARTO SEM ASSISTÊNCIA PROCEDIMENTO CIRÚRGICO PROCESSO CLÍNICO DO UTENTE PROGRAMA DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE RASTREIO REABILITAÇÃO REFERENCIAÇÃO RETRATAMENTO DE TUBERCULOSE TEMPO DE ESPERA TESTE GENÉTICO TRANSFERÊNCIA TRANSFERÊNCIA EXTERNA TRANSFERÊNCIA INTERNA TRATAMENTO UTENTE UTENTE ADMITIDO NA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS UTENTE ASSISTIDO NA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS UTENTE DESLOCADO UTENTE INSCRITO UTENTE SAÍDO DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO DOENÇA PROFISSIONAL CASO INCIDENTE DE DOENÇA PROFISSIONAL DOENÇA PROFISSIONAL EVOLUTIVA PARTICIPAÇÃO OBRIGATÓRIA ATIVIDADE DE RISCO ELEVADO ABSENTISMO DO TRABALHADOR POR RAZÕES DE SAÚDE DO PRÓPRIO 13

14 DOENÇA RELACIONADA COM O TRABALHO EXAME DE ADMISSÃO NO ÂMBITO DA MEDICINA DE TRABALHO EXAME OCASIONAL NO ÂMBITO DA MEDICINA DE TRABALHO EXAME PERIÓDICO NO ÂMBITO DA MEDICINA DE TRABALHO FATOR DE RISCO GRUPO DE RISCO NÚMERO DE DIAS DE TRABALHO PERDIDOS TEMPO DE TRABALHO 14

NORMAS DA USF FAMALICÃO I

NORMAS DA USF FAMALICÃO I I.- MARCAÇÃO DE CONSULTAS Como marcar uma consulta? Opte pelas consultas com hora certa; quando necessitar de consulta dê preferência às consultas pré marcadas. Terá a sua consulta previamente assegurada

Leia mais

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 O Decreto Legislativo Regional n.º 16/2008/A, de 12 de junho, que procedeu à criação da Rede de cuidados continuados

Leia mais

D. Morbidade Horário de Início : :

D. Morbidade Horário de Início : : D. Morbidade Horário de Início : : Agora vou perguntar sobre doenças crônicas e infecciosas. Vou fazer perguntas sobre diagnóstico de doenças, uso dos serviços de saúde e tratamento dos problemas. D1 D2

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO COMUM PARA TODAS AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS SAÚDE PÚBLICA E SAÚDE COLETIVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1. História do sistema de saúde no Brasil; 2. A saúde na

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA SAÚDE

ESTATÍSTICAS DA SAÚDE ESTATÍSTICAS DA SAÚDE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2011 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada da Região Autónoma

Leia mais

PARECER ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE. Rua S. João de Brito, 621 L 32 4100-455 PORTO TEL.:222 092 350 FAX: 222 092 351. www.ers.pt geral@ers.

PARECER ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE. Rua S. João de Brito, 621 L 32 4100-455 PORTO TEL.:222 092 350 FAX: 222 092 351. www.ers.pt geral@ers. PARECER Na sequência de diversas denúncias e exposições rececionadas pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS), e de informações prestadas a título de cooperação institucional 1, sobre prestação de cuidados

Leia mais

Benefícios. Benefícios cobertos pelo UnitedHealthcare Community Plan. Plano de Saúde. Destaques do. Ir ao médico

Benefícios. Benefícios cobertos pelo UnitedHealthcare Community Plan. Plano de Saúde. Destaques do. Ir ao médico s s cobertos pelo UnitedHealthcare Community Plan Como associado do UnitedHealthcare Community Plan, tem os seguintes serviços cobertos. (Lembre-se de mostrar sempre o seu cartão de identificação de associado

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

FUNECE Fundação Universidade Estadual do Ceará Comissão Executiva do Vestibular - CEV/UECE

FUNECE Fundação Universidade Estadual do Ceará Comissão Executiva do Vestibular - CEV/UECE Secretaria de Educação e Desporto Escolar FUNECE Fundação Universidade Estadual do Ceará Comissão Executiva do Vestibular - CEV/UECE Concurso Público para Professor da Rede Municipal de Ensino de Itapipoca

Leia mais

MEDICINA FÍSICA E DE REABILITAÇÃO

MEDICINA FÍSICA E DE REABILITAÇÃO MEDICINA FÍSICA E DE REABILITAÇÃO A nova aposta do Hospital SOERAD O novo serviço de Medicina Física e de Reabilitação do Hospital SOERAD já se encontra em funcionamento, dispondo de uma equipa multidisciplinar

Leia mais

COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA. Clique para editar os estilos do texto mestre ASSISTÊNCIA

COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA. Clique para editar os estilos do texto mestre ASSISTÊNCIA COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA ASSISTÊNCIA JULHO/2013 REDE DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Aumento da Rede credenciada MÊS DE REFERÊNCIA Dez/11 Dez/12 CLINICA 508 653 CLINICA ODONTOLÓGICA 42 41 HOSPITAL 161

Leia mais

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO PROJECTO CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO do Hospital de Santa Maria CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO MARIA RAPOSA Todos os anos, um número crescente de crianças, dos 0 aos 18 anos de idade, são assistidas

Leia mais

METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO

METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO METODOS DE BARREIRA Imobilizam os espermatozóides, impedindo-os de entrar em contato com o óvulo e de haver fecundação. Espermicidas (sob a forma de óvulos,

Leia mais

Hospital Central do Funchal: Internistas na vanguarda de um novo modelo de gestão hospitalar

Hospital Central do Funchal: Internistas na vanguarda de um novo modelo de gestão hospitalar 2015-11-23 19:36:19 http://justnews.pt/noticias/hospital-central-do-funchal-internistas-na-vanguarda-de-um-novo-modelo-de-gestao-hospitalar Hospital Central do Funchal: Internistas na vanguarda de um novo

Leia mais

CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS. Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro

CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS. Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro Braga, 3 de Novembro de 2015 Programas de melhoria da qualidade e segurança Experiência internacional Reino Unido: Monitor

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS. Professora Daiana Escola La Salle Águas Claras 8º ano

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS. Professora Daiana Escola La Salle Águas Claras 8º ano MÉTODOS CONTRACEPTIVOS Professora Daiana Escola La Salle Águas Claras 8º ano METODOS DE BARREIRA Imobilizam os espermatozoides, impedindo-os de entrar em contato com o óvulo e ocorrer a fecundação. Espermicidas

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Este guia tem como objetivo fornecer aos Utentes, desta unidade, informações sobre os serviços disponíveis, para que os possam utilizar de forma equilibrada e racional.

Leia mais

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015 S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015 A redução de listas de espera cirúrgicas, de consultas e de meios complementares de diagnóstico e terapêutica para tempos de espera clinicamente

Leia mais

LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE. Perfil de Saúde. e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo VOLUME1

LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE. Perfil de Saúde. e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo VOLUME1 LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE Perfil de Saúde e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo 2015 VOLUME1 O Padrão dos Descobrimentos Elevar as nossas Crianças a horizontes mais rasgados

Leia mais

SEJA COMPETITIVO, PROMOVENDO A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ACÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO

SEJA COMPETITIVO, PROMOVENDO A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ACÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO www.medialcare.pt SEJA COMPETITIVO, PROMOVENDO A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ACÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO 1 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Com a colaboração de uma especialista em Nutrição, propomos apresentar a temática

Leia mais

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. Direcção Regional de Faro ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. Direcção Regional de Faro ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ Este documento retrata o estado dos serviços públicos de saúde, sobretudo no que concerne aos cuidados de enfermagem e pretende descrever as dificuldades com

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EMPREGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo (gênero masculino e

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa Mestrado Integrado em Medicina - 6º ano Unidade Curricular: Estágio Profissionalizante Regente: Professor Doutor Fernando Miguel

Leia mais

Planificação Disciplina de Saúde 2.º ano Módulos 3, 4, 5,6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Planificação Disciplina de Saúde 2.º ano Módulos 3, 4, 5,6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Objetivos gerais: Planificação Disciplina de Saúde 2.º ano Módulos 3, 4, 5,6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde 2015/2016 Explicar que as tarefas que se integram no âmbito de intervenção do/a

Leia mais

Para começar, algumas perguntas se referem a seu estado de saúde.

Para começar, algumas perguntas se referem a seu estado de saúde. 0 0 0 IDENTIFICADOR Para começar, algumas perguntas se referem a seu estado de saúde. A. De um modo geral, em comparação a pessoas da sua idade, como você considera o seu próprio estado de saúde? Muito

Leia mais

PLANO DE SAÚDE CLÁSSICO DA PT COMUNICAÇÕES, S.A. 1. OBJETIVO

PLANO DE SAÚDE CLÁSSICO DA PT COMUNICAÇÕES, S.A. 1. OBJETIVO PLANO DE SAÚDE CLÁSSICO DA PT COMUNICAÇÕES, S.A. 1. OBJETIVO O Plano de Saúde Clássico da PT Comunicações S.A. visa regular um sistema de saúde potencialmente aplicável a todos os trabalhadores da Empresa

Leia mais

Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 10 1. Objectivo Este procedimento tem como objectivo definir os procedimentos adoptados para o Serviço de Medicina do. 2. Aplicação Este procedimento

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS Mônica R. P. T. Macedo Nunes monica.nunes@campinas.sp.gov.br ATENÇÃO DOMICILIAR A atenção domiciliar consiste numa modalidade de atenção à saúde substitutiva

Leia mais

< Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB >

< Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB > Índice < Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB > Índice Índice... 2 Métodos Contraceptivos... 3 O que são?... 3 Métodos Reversíveis... 4 Métodos Contraceptivos Hormonais... 4 Pílula Contraceptiva...

Leia mais

O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR

O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR ROSANI DA ROSA BENDO 1 LAIS PRISCILA FAGHERAZZI 2 MARA LUCIA RENOSTRO ZACHI 3 INTRODUÇÃO:

Leia mais

Tabela de Benefícios Apólices para grupos corporativos

Tabela de Benefícios Apólices para grupos corporativos Plano de Saúde Marítimo - em conformidade com a Convenção do Trabalho Marítimo de 2006 Tabela de Benefícios Apólices para grupos corporativos Em conformidade com a MLC 2006 Nosso Plano de Saúde Marítimo

Leia mais

MÓDULO AD-HOC PARA 2002 DO INQUÉRITO AO EMPREGO SOBRE O EMPREGO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA QUESTIONÁRIO

MÓDULO AD-HOC PARA 2002 DO INQUÉRITO AO EMPREGO SOBRE O EMPREGO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA QUESTIONÁRIO MÓDULO AD-HOC PARA 2002 DO INQUÉRITO AO EMPREGO SOBRE O EMPREGO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA QUESTIONÁRIO INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI N.º 6/89, DE 15 DE ABRIL), DE RESPOSTA

Leia mais

Na comemoração anual do Dia Mundial da Criança cumpre recordar que o bem estar das crianças se realiza, ou não, no seio das famílias e que as

Na comemoração anual do Dia Mundial da Criança cumpre recordar que o bem estar das crianças se realiza, ou não, no seio das famílias e que as Na comemoração anual do Dia Mundial da Criança cumpre recordar que o bem estar das crianças se realiza, ou não, no seio das famílias e que as condições socioeoconomicoculturais destas são determinantes

Leia mais

Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados

Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados ANEXO AO ROTEIRO DE INTERVENÇÃO EM ARTICULAÇÃO E CONTINUIDADE DE CUIDADOS ANEXO II Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados Autores: Ana Dias (doutoranda da Universidade de Aveiro

Leia mais

Doutorado em Ciências da saúde, ciências biológicas ou áreas afins e portadores do título de graduação em curso da área da saúde ou biológicas.

Doutorado em Ciências da saúde, ciências biológicas ou áreas afins e portadores do título de graduação em curso da área da saúde ou biológicas. Anexo I - Edital nº 94/20 Concurso Docente Lotação: Instituto de Ciências da Saúde, Regime de Trabalho de Dedicação Exclusiva.- e 1 vaga em regime de 40 horas Tema do Nº de Pontos das Provas Escrita e

Leia mais

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO Ana Coely Araujo Vieira¹; Fernanda Naiene Rodrigues Valadares²; Rebecca Pessoa de Almeida Lima³; Joventina

Leia mais

Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde de Entre Douro e Vouga II - Aveiro Norte:

Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde de Entre Douro e Vouga II - Aveiro Norte: PLANO LOCAL DE SAÚDE i FICHA TÉCNICA Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde de Entre Douro e Vouga II - Aveiro Norte: Francisco Borges Coordenador da Unidade de Saúde Pública, Médico

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

Mais de metade da população com 18 ou mais anos tinha excesso de peso

Mais de metade da população com 18 ou mais anos tinha excesso de peso Inquérito Nacional de Saúde 11 de novembro de 2015 Mais de metade da população com 18 ou mais anos tinha excesso de peso Em, mais de metade (52,8%) da população com 18 ou mais anos, tinha excesso de peso

Leia mais

CALENDÁRIO DA SAÚDE JANEIRO

CALENDÁRIO DA SAÚDE JANEIRO JANEIRO 02 - Dia do Sanitarista 04 - Dia do Hemofílico 14 - Dia do Enfermo 19 - Dia do Terapeuta Ocupacional 20 - Dia do Farmacêutico 24 - Dia Mundial do Hanseniano FEVEREIRO 05 - Dia Estadual do Médico

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: NÚMERO: 009/2015 DATA: 25/09/2015 ASSUNTO: Vacinação contra a gripe com a vacina trivalente para a época 2015/2016 PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Vacinação; Gripe Todos os médicos, farmacêuticos e enfermeiros

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES STEDIM 2015

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES STEDIM 2015 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES STEDIM 2015. Serviço Técnico de Educação para a Deficiência Intelectual e Motora Direção Regional de Educação e Recursos Humanos Região Autónoma da Madeira Caminho de Santo António,

Leia mais

Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed

Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed 1 Sumário Apresentação...2 Introdução... 4 Justificativa...5 Conceitos...8 Objetivo Geral...9 Objetivo Específico...10 Áreas de Atuação...11 Formas de Atuação...

Leia mais

ANEXO 3 PROGRAMA CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE

ANEXO 3 PROGRAMA CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE ANEXO 3 PROGRAMA CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE 1. Conhecimentos sobre o SUS - Legislação da Saúde: Constituição Federal de 1988(Título VIII - capítulo II - Seção II); Lei 8.080/90 e Lei 8.142/90; Norma

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA Objetivos do Curso Curso da área da saúde, centrado nos aspectos ergonômicos e sociais da atividade humana. Visa à formação

Leia mais

Rua Camilo Castelo Branco, N. 4, (a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal), Lisboa

Rua Camilo Castelo Branco, N. 4, (a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal), Lisboa Programa de Formação Código - Designação Ajudante de Acção Directa A atitude perante o idoso Local Rua Camilo Castelo Branco, N. 4, (a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal), Lisboa Projecto n.º: N/a

Leia mais

Plano Anual Saúde Escolar

Plano Anual Saúde Escolar Escola Básica e Secundária de Velas Plano Anual Saúde Escolar 2015- Equipa de Saúde Escolar INTRODUÇÃO A Escola Básica e Secundária de Velas, através da Equipa de Saúde Escolar e conjuntamente com o Centro

Leia mais

Nº de Utilizadores do Hospital Psiquiátrico. Nº de Utilizadores do Hospital Psiquiátrico. Fecho (Ano N-2) Estimado (Ano N-1) Acumulado (Ano N)

Nº de Utilizadores do Hospital Psiquiátrico. Nº de Utilizadores do Hospital Psiquiátrico. Fecho (Ano N-2) Estimado (Ano N-1) Acumulado (Ano N) Q 2 Número de Utilizadores do Hospital (P) Instituições Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, EPE Agr. Scenario Contratualização Time Dezembro 2012 Área de Influência Fora da Área de Influência Notas:

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Vacinação contra a gripe sazonal em 2009/2010 Nº: 33/DSPCD DATA: 08/09/2009 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros Dr.ª Maria da Graça Freitas Destaques para a época da gripe 2009/2010:

Leia mais

A GRIPE SAZONAL Porque deve ser vacinado

A GRIPE SAZONAL Porque deve ser vacinado A GRIPE SAZONAL Porque deve ser vacinado A Gripe. Proteja-se a si e aos outros. A GRIPE SAZONAL: PORQUE DEVE SER VACINADO É possível que, recentemente, tenha ouvido falar bastante sobre diversos tipos

Leia mais

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR)

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) Preliminarmente, cabe lembrar que a concessão dos Serviços Médicos e Complementares pela Universidade de São

Leia mais

SALVADOR SAÚDE NUCLEARES GABARITO OFICIAL DA MULTIDISCIPLINAR 2016.1 GRUPO UNIRB

SALVADOR SAÚDE NUCLEARES GABARITO OFICIAL DA MULTIDISCIPLINAR 2016.1 GRUPO UNIRB SALVADOR SAÚDE NUCLEARES ANTROPOLOGIA E SOCIEDADE B B A D E A B E C D DIREITOS HUMANOS N N N N N N N N N N FILOSOFIA E ÉTICA B A C D B C D E C B GESTÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO B A C E E A B C D E HISTORIA

Leia mais

Antes de tomar este medicamento informe o seu médico: Se tem história de doença cardíaca, ritmo irregular cardíaco ou angina.

Antes de tomar este medicamento informe o seu médico: Se tem história de doença cardíaca, ritmo irregular cardíaco ou angina. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Onsudil 0,05 mg comprimidos Onsudil 0,005 mg/ml xarope Onsudil 0,1 mg/ml solução para inalação por nebulização cloridrato de procaterol Leia atentamente

Leia mais

BROCHURA para o DOENTE com ARTRITE IDIOPÁTICA JUVENIL POLIARTICULAR (AIJp) em TRATAMENTO com RoACTEMRA

BROCHURA para o DOENTE com ARTRITE IDIOPÁTICA JUVENIL POLIARTICULAR (AIJp) em TRATAMENTO com RoACTEMRA BROCHURA para o DOENTE com ARTRITE IDIOPÁTICA JUVENIL POLIARTICULAR (AIJp) em TRATAMENTO com RoACTEMRA Esta brochura fornece informação de segurança importante para o doente com AIJp e para os seus pais/responsáveis

Leia mais

ácido acetilsalicílico

ácido acetilsalicílico ácido acetilsalicílico EMS S/A Comprimido 100mg I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ácido acetilsalicílico Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos Comprimidos contendo 100 mg de

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA POR: AMANDA REIS NORMANDIA AG.EDUCADOR II SMERJ

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA POR: AMANDA REIS NORMANDIA AG.EDUCADOR II SMERJ GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA POR: AMANDA REIS NORMANDIA AG.EDUCADOR II SMERJ OBJETIVO: DISCUTIR A INCIDÊNCIA DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA ASSUNTOS ABORDADOS: ADOLESCÊNCIA GRAVIDEZ PRECOCE PREVENÇÃO DA GRAVIDEZ

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Histórico 2005: Início dos trabalhos com financiamento da prefeitura municipal de Cascavel. 2008: ampliação dos serviços para 2 equipes de

Leia mais

Unidades prestadores de cuidados de saúde do SNS. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Unidades prestadores de cuidados de saúde do SNS. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) NÚMERO: 006/2015 DATA: 08/04/2015 ASSUNTO: Gestão Integrada da Obesidade Requisitos para Centros de Tratamento Cirúrgico de Obesidade PALAVRAS-CHAVE: Tratamento Cirúrgico de Obesidade, Obesidade PARA:

Leia mais

ASPECTOS SÓCIO POLÍTICO DA SAÚDE Noções básicas de políticas sociais, com ênfase nas do setor saúde.

ASPECTOS SÓCIO POLÍTICO DA SAÚDE Noções básicas de políticas sociais, com ênfase nas do setor saúde. 1º PERÍODO ANATOMIA HUMANA Unidade I - Anatomia sistemática-generalidades - Nomenclatura anatômica. Sistema ósseo. Articular. Muscular. Sistema nervoso. Sistema circulatório. Sistema digestivo. Sistema

Leia mais

Quem somos? MUNICÍPIO DO SEIXAL CENSOS 2011. População residente 158.269 hab. População jovem 27% População idosa 15% Mulheres 52% Homens 48%

Quem somos? MUNICÍPIO DO SEIXAL CENSOS 2011. População residente 158.269 hab. População jovem 27% População idosa 15% Mulheres 52% Homens 48% ARPIFF, 21 DE NOVEMBRO DE 2014 Quem somos? MUNICÍPIO DO SEIXAL CENSOS 2011 47.661 30,11% 48.629 30,73% 28886 18,25% 2776 1,75% 13258 8,38% População residente 158.269 hab. População jovem 27% População

Leia mais

ARS Algarve,IP lança nova página institucional

ARS Algarve,IP lança nova página institucional ARS Algarve,IP lança nova página institucional A Administração Regional de Saúde do Algarve disponibiliza desde o início de maio uma nova página institucional, criada com recursos da instituição, com o

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS

PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Ocidental e Oeiras PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS ÍNDICE ACRÓNIMOS...

Leia mais

I N S T I T U T O N A C I O N A L D E S A Ú D E D O U T O R R I C A R D O J O R G E MÉDICOS-SENTINELA. O que se fez em 1999

I N S T I T U T O N A C I O N A L D E S A Ú D E D O U T O R R I C A R D O J O R G E MÉDICOS-SENTINELA. O que se fez em 1999 I N S T I T U T O N A C I O N A L D E S A Ú D E D O U T O R R I C A R D O J O R G E MÉDICOS-SENTINELA O que se fez em 1999 13 Lisboa Setembro de 2014 D e p a r t a m e n t o d e E p i d e m i o l o g i

Leia mais

Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2014 Março 2015

Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2014 Março 2015 Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2014 Março 2015 ACSS - Departamento de Gestão da Rede de Serviços e Recursos em Saúde (DRS) Núcleo Funcional da Rede Nacional de

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae an Europass-Curriculum Vitae In pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Orvalho, Inês Tabau Rua Vicente Pindela, nº 36 1º esquerdo 3030-030 Coimbra Telefone(s) +351 239716762 Telemóvel: +351

Leia mais

Planificação Disciplina de HSCG 2.º ano Módulos 5, 6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Planificação Disciplina de HSCG 2.º ano Módulos 5, 6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Objetivos gerais: Planificação Disciplina de HSCG 2.º ano Módulos 5, 6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde 2015/2016 Explicar que as tarefas que se integram no âmbito de intervenção do/a técnico/a

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A Lei Complementar nº 395, de 26 de dezembro de 1996, e alterações posteriores, é uma das mais importantes leis do nosso Município, por definir a forma com que o Executivo Municipal

Leia mais

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Programa de Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados Área Temática de Saúde Resumo

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Losartan + Hidroclorotiazida Medirex 50 mg + 12,5 mg comprimidos revestidos por película Losartan + Hidroclorotiazida Medirex 100 mg + 25 mg comprimidos

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010 Plano Nacional de Saúde -2010 Avaliação de indicadores Maio de 2010 0 das Regiões (NUT II do D.L. de 1999) em relação ao do... 2 Evolução dos indicadores em relação à Meta para 2010... 9 1 das Regiões

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto Estado do Rio de Janeiro ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto Estado do Rio de Janeiro ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS GARI DESCRIÇÃO SUMÁRIA Compreende os cargos que tem como atribuições varrer e limpar ruas e logradouros públicos e coletar o lixo acumulado em sarjetas, caixas de ralos

Leia mais

1 O que é Urografina (Forma farmacêutica e Categoria farmacoterapêutica)

1 O que é Urografina (Forma farmacêutica e Categoria farmacoterapêutica) O nome do seu medicamento é: UROGRAFINA Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento. Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico

Leia mais

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS)

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) ANEXO III 58 ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) Adições aparecem em itálico e sublinhado; rasuras

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini

QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1 Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 1. UF: 2. Município:

Leia mais

considerando a necessidade de diminuir o risco de infecção hospitalar, evitar as complicações maternas e do recém-nascido;

considerando a necessidade de diminuir o risco de infecção hospitalar, evitar as complicações maternas e do recém-nascido; PORTARIA Nº 1.016, DE 26 DE AGOSTO DE 1993 O Ministério de Estado da Saúde, Interino no uso das atribuições legais, e. considerando a necessidade de incentivar a lactação e o aleitamento materno, favorecendo

Leia mais

FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos - COÉTICA

FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos - COÉTICA FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos - COÉTICA AVALIAÇÃO DOS PROTOCOLOS - Reunião Ordinária de 13/12/2007 = andamento do protocolo: : o pesquisador

Leia mais

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010 Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica Setembro/2010 Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Instituição de Saúde composta

Leia mais

Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos

Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos Prof. Rivaldo Assuntos Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos Administração e Gerenciamento de Enfermagem Enfermagem na Atenção à Saúde da Mulher e da Criança Enfermagem nas Doenças Transmissíveis

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso Área: Enfermagem Discursiva Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL

ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL REGULAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA DE ALUNOS (PORTARIA 60/2012, de 29 de maio) Direção Regional da

Leia mais

Conforme os normativos da ANS, seguem as definições de Cobertura Parcial Temporária (CPT) e Agravo:

Conforme os normativos da ANS, seguem as definições de Cobertura Parcial Temporária (CPT) e Agravo: Solicitação de Inclusão de Dependentes / Agregado * Data Sucursal Cia Nº da Apólice Certificado (se SPG) Registro na ANS: 005711 Nome do Titular (preenchimento obrigatório) Legendas Sexo 1 - Masculino

Leia mais

Circular 574/2014 São Paulo, 24 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) Prezados Senhores,

Circular 574/2014 São Paulo, 24 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) Prezados Senhores, Circular 574/2014 São Paulo, 24 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) S ASSISTENCIAIS TERAPÊUTICOS OCUPACIONAIS NAS DIVERSAS MODALIDADES PRESTADAS PELO TERAPEUTA OCUPACIONAL Diário Oficial da

Leia mais

CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VILA FÁTIMA

CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VILA FÁTIMA RELATÓRIO DE 2013 Tenho a satisfação de encaminhar-lhe o relatório das atividades realizadas no Centro de Extensão Universitária em 2013. Neste ano participaram 6 faculdades (Direito, Educação, Enfermagem,

Leia mais