UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DISCIPLINAS: CIRCUITOS E SISTEMAS DIGITAIS GUIA PRÁTICO MAX-PLUS II VERSÃO 7.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DISCIPLINAS: CIRCUITOS E SISTEMAS DIGITAIS GUIA PRÁTICO MAX-PLUS II VERSÃO 7."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DISCIPLINAS: CIRCUITOS E SISTEMAS DIGITAIS GUIA PRÁTICO MAX-PLUS II VERSÃO ESTUDANTE Prof. Dr. José Renes Pinheiro Prof. Dr. Hélio Leães Hey Monitor: Robinson Figueiredo de Camargo

2 01 ÍNDICE DE LOCALIZAÇÃO O Software MAX+PLUS II VERSÃO Arquiteturas da ALTERA AHDL (Altera Hardware Description Language) APLICATIVOS DO GERENCIADOR MAX+PLUS II EXEMPLO PARA A CONSTRUÇÃO DE UM CIRCUITO DIGITAL ADICIONANDO UM NOVO COMPONENTE CRIANDO SEU PRÓPRIO COMPONENTE OPÇÂO CLOCK DESEJA AUMENTAR TEMPO DE SIMULAÇÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 21

3 02 O Software MAX+PLUS II VERSÃO 7.21 O software Altera MAX+PLUS II (Multiple Array matrix Programable Logic User System) versão 7.21, trata-se de uma edição estudantil da versão comercial do software MAX+PLUS II 8.0 possuindo muitos aspectos em comum. É um pacote provido de programas para Edição, compilação, verificação (simulação e análise no tempo) e gravação de PLD s altera de todas as famílias Altera. Este software suporta esquemas e textos baseados em linguagem de descrição de hardware incluindo Altera linguagem de descrição de hardware (AHDL) e (VHDL). O software MAX+PLUS II é um software constituído de uma multiplataforma, ambiente de arquitetura - independente a fim de que seja facilmente adaptável as necessidades do usuário. Oferecendo fácil implementação do projeto, processamento inteligente, e como saída obtém-se a programação do chip (PLD). Um projeto completo é constituído de vários arquivos de entrada (arquivo projeto), cada arquivo contém um conjunto de informações, que são compartilhadas entre os demais arquivos da hierarquia formada no momento da compilação ou simulação, de tal forma que os arquivos da hierarquia em conjunto descrevem o projeto desde a linguagem de descrição hardware (AHDL ou VHDL) até a especificação dos pinos de I/O do PLD a ser programado. Para isso o MAX+PLUS II é composto de três editores de entrada: editor gráfico, editor de texto e editor de formas de onda e dois editores auxiliares: o editor de planta baixa e editor de símbolos. Através dos quais são criados os arquivos projeto que formarão a árvore (hierarquia). Arquiteturas da ALTERA A Altera propõe uma série de arquiteturas programáveis as quais nomeia CPLD (Complex Programmable Logic Devices). As CPLDs utilizam matrizes de interconecção onde os atrasos nas conexões são previsíveis e, uma vez os blocos alocados, independem do seu roteamento. Os tipos de roteamento implementados nas arquiteturas Altera são os seguintes: - Global Interconnect; - PIA Programmable Logic Array e Enhanced Programmable Logic Array; - Fast Track Interconnect. Do ponto de vista da implementação das funções lógicas no interior dos blocos lógicos, as arquiteturas podem ser classificadas em dois grupos: - Arquiteturas MAX (Multiple Array Matrix): são EPLDs onde a estrutura do bloco lógico está baseada em soma de produtos (SOP);

4 03 - Arquiteturas FLEX (Flexible Logic Elements Matrix): são EPLDs onde a estrutura do bloco lógico está baseada em Look-up Tables (LUT). Do ponto de vista da Tecnologia de programação dos componentes, as arquiteturas podem ser classificadas em quatro grupos: - SRAM; - FLASH; - EEPROM; - EPROM. As arquiteturas de circuitos programáveis da Altera são: - Arquitetura Classic; - Arquitetura MAX 5000; - Arquitetura MAX 7000; - Arquitetura MAX 9000; - Arquitetura FLEX 8000; - Arquitetura FLEX 10000; - Arquitetura FLASHlogic. Evolução das Arquiteturas da Altera

5 04 AHDL (Altera Hardware Description Language) É uma linguagem desenvolvida sobre declarações que definem uma lógica de funcionamento, na qual o circuito é construído. Os elementos e declarações desta linguagem são poderosos versáteis e fáceis de usar. Você pode criar todo seu projeto em AHDL ou mesclá-lo com outros tipos de arquivos de projeto. Embora você possa utilizar qualquer editor de texto ASCII para criar um projeto em AHDL, o editor de texto do sistema MAX+PLUSII permite uma série de vantagens devido a suas características de construção que tornam o seu projeto muito mais fácil e simples. Estas facilidades, e todo o suporte sobre o seu funcionamento estão contidos em seu HELP, que pode ser acessado on-line. Vantagens da utilização de HDL (Hardware Description Language) Desenvolver o projeto em linguagem descritiva de hardware permite inúmeras vantagens. Podemos dizer que o projetista não necessita possuir conhecimentos profundos em circuitos e sistemas digitais para desenvolver o seu projeto. O projeto em linguagem descritiva de hardware facilita modificações e correções de erros, podendo assim, o projetista ampliar facilmente o seu projeto com apenas algumas modificações em algumas linhas de comando. Passos Básicos para Formação de um Projeto Abaixo serão relacionados os passos básicos na formação do projeto completo: 1º Criação de um novo arquivo de projeto ou uma hierarquia para múltiplos arquivos de projeto em uma combinação dos três editores de entrada.(text EDITOR, GRAPHIC EDITOR ou WAVEFORM EDITOR). 2º Especificar o arquivo de projeto que será o topo da hierarquia. 3º Especificar a família lógica para o projeto. Se o usuário não especificar o compilador se encarrega de determinar a família mais adequada para o projeto. Abrir a janela do compilador e acionar a compilação do projeto. Se você desejar, você pode acionar o Timing SNF Extrator Module para que o compilador crie um arquivo netlist para simulação e análises no tempo. Uma vez obtendo sucesso na compilação pode-se observar a o desempenho através da simulação e analise no tempo. Para rodar a análise basta abrir a janela ANLYZER, selecionar um modo de análise e acionar o botão start. Já para a simulação primeiro deve-se criar um vetor de entradas Simulator Chanel File (.scf) através do waveform editor ou um Vector File através do text editor.

6 05 A janela do gerenciador MAX+PLUS II é aberta automaticamente quando você inicia o software, esta janela possui alguns comandos comuns a todas as versões do software MAX+PLUSII, conforme figura 1,por exemplo abrir um arquivo, compilar ou simular o projeto corrente ou mudar para um outro projeto, bem como comandos específicos da versão mais atualizada se for o caso. Para a versão 7.21 ou 8.0 o gerenciador é constituído de 11 programas aplicativos. Figura 1 Estes mesmos programas aplicativos também podem ser acionados por ícones fora dos menus do gerenciador, conforme descrição abaixo: Aplicativos do gerenciador MAX+PLUS II: Ícones - Hierarchy Display - mostra a hierarquia atual que se está trabalhando onde pode ser visualizada a árvore hierárquica e o tipo de cada arquivo que ela compõe se é texto, diagrama esquemático ou arquivo de forma de onda. Também é possível abrir ou fechar um ou mais arquivos da hierarquia diretamente para modificar o seu conteúdo. Graphic Editor - abre o editor gráfico para a construção do diagrama esquemático onde blocos são interligados para formar o circuito lógico, cada

7 bloco representa primitivas, macrofunções e megafunções presentes nas bibliotecas Altera ou pode haver um ou mais blocos criados pelo próprio usuário. 06 Symbol Editor - permite a edição de símbolos existentes nas bibliotecas Altera ou criação de um novo. Text Editor - o editor de texto permite criar ou editar textos escritos em linguagem de descrição de hardware AHDL ou VHDL, bem como os demais arquivos de texto que compõem um projeto. Waveform Editor - este editor pode servir para duas finalidades: como ferramenta para um arquivo de entrada ou para entrar com vetores de teste e verificar os resultados na simulação. Floorplan Editor - permite ao programador designar a lógica para o pino de saída do chip e a disposição das células lógicas no chip graficamente, possibilitando ao usuário a visualização dos pinos no chip para eventualmente efetuar a ligação deste à célula lógica contida no logic array block. Compiler - processa projetos lógicos das famílias Altera já mencionadas, podendo-se utilizar partes ou todo o processo de compilação do projeto. Simulator - utilizado para testar operações lógicas e temporização interna (tempo de setup, hold,...) do circuito lógico. Timing Analyzer - Analisa a performance do circuito lógico otimizando-o para a compilação. Programmer - possibilita a programação, verificação, e teste do chip. Message Processor - mostra os erros, perigos, e mensagens sobre o estado do projeto.

8 07 EXEMPLO PARA A CONSTRUÇÃO DE UM CIRCUITO DIGITAL 1º Passo) Após entrar no programa Max+Plus II, abrir um novo arquivo, conforme figura 2 abaixo; FIGURA 2 2º Passo) Selecionar o tipo de arquivo, para nosso exemplo selecionamos o Graphic Editor File, conforme figura 3; FIGURA 3

9 08 3º Passo) Selecionar no menu Symbol, o item Enter Symbol, conforme figura 4; FIGURA 4 4º Passo) Então dentro da livraria de símbolos (Symbol Libraries), escolha a livraria (prim, mf, mega ou edit) onde se encontra o dispositivo desejado, para este exemplo selecionaremos a livraria c:\maxplusii\max2lib\prim, digite então OK e aparecerão os dispositivos contidos nesta livraria;

10 FIGURA º Passo) Selecionamos a porta lógica And2, digite OK, observe a figura 6 abaixo; FIGURA - 6 6º Passo) Selecionar na mesma livraria prim dois pinos de entrada (input), que serão referenciados aos sinais de entrada da porta and2 e um pino de saída (output), que será referenciado a saída da porta and2.conforme a figura 7 abaixo. FIGURA - 7 7º Passo) De nome aos pinos de entrada e saída, clicando em PIN_NAME, conforme figura 8 ;

11 Figura º Passo) Selecione no menu a opção File, e nesta a opção Project e dentro desta a opção Save & Check, observe figura 9. Onde abrir-se-á uma janela onde deve-se dar um nome ao seu projeto, onde este será agora um arquivo com extensão.gdf, e então o programa fará a checagem do circuito, para verificação de erro, conforme a figura 10 abaixo. FIGURA 9

12 FIGURA OBS: Em caso de erro, selecione a mensagem de erro em vermelho, conforme figura 11 e então verifique no seu projeto, a cor vermelha que destaca a parte do circuito que precisa ser alterado, conforme figura 12. FIGURA 11 FIGURA 12

13 12 9º Passo) Selecione no menu a opção Max+Plus II, e então dentro desta a opção Waveform Editor, observe figura 13; onde neste você deve clicar no botão direito do mouse e escolher a opção inserir nó (insert node), conforme figura 14. Na opção insert node escolha o nome do nó, que deverá corresponder ao nome que você já atribui aos pinos no 7º passo, escolha também seu valor e se ele é de entrada (input pin) ou de saída (output pin), conforme figura 15. FIGURA 13 FIGURA - 14

14 13 FIGURA 15 10º Passo) Selecione novamente a opção File, opção Project dentro desta, a opção Save, Compile & Simulate, conforme figura 16. FIGURA 16

15 14 11º Passo) Selecione a opção Open SCF do Simulator : Timing Simulation, conforme figura 17 abaixo, onde será verificado o sinal de resposta do circuito, conforme figura 18. FIGURA - 17 Figura 18

16 Está pronto! Seu circuito foi basicamente simulado. 15 Dica importante : Para selecionar o valor desejado para o sinal, conforme figura 19, no intervalo também desejado, selecione o pino desejado e clique no ícone referenciado aqui ao lado e depois no intervalo de tempo desejado e então selecione o valor do sinal 0 (zero), 1(um), X, Z, Inv (inverter o sinal), etc..., conforme figura 20. FIGURA - 19

17 FIGURA ADICIONANDO UM NOVO COMPONENTE Para adicionar uma nova porta lógica ao seu circuito digital, selecione novamente no menu Symbol, o item Enter Symbol ( 3º Passo), então dentro da livraria de símbolos (Symbol Libraries), escolha a livraria (prim, mf, mega ou edit) onde se encontra o dispositivo desejado, para este exemplo selecionaremos a livraria c:\maxplusii\max2lib\prim novamente, digite então OK e aparecerão os dispositivos contidos nesta livraria (4º Passo), ou então de dois cliques com mouse sobre a tela onde está seu circuito. OBS: Para ligar dois ou mais componentes, basta marcar com a seta do mouse sobre a(s) entrada(s) ou saída(s) da(s) porta(s) lógica(s) e arrastar a seta até o componente desejado, conforme figura 21. FIGURA 21 CRIANDO SEU PRÓPRIO COMPONENTE Muitas vezes desejamos criar nosso próprio componente, algumas vezes por questões estéticas outras devido ao circuito ser grande demais para projetado na tela de seu programa Max+PlusII, tendo em vista desses fatos a ferramenta Max+PlusII oferece a você usuário condições de criar seu componente, bastando apenas dirigir-se ao menu principal, salvar seu projeto (baseado na figura 21) com outro nome, fazer nova checagem em Save & Check ( conforme 8º passo), após escolher a opção File e nesta a opção Create Default Symbol, conforme figura 22.

18 17 FIGURA 22 Então depois de realizar a instrução, dirija-se ao menu Symbol, Enter Symbol e seu projeto estará já registrado no menu Enter Symbol, pasta maxplusii, em nosso exemplo o nome de nosso componente é exemplo1, conforme figura23.

19 18 FIGURA 23 Selecione seu componente clique em OK, e ENTÃO AÍ ESTÁ SEU COMPONENTE, figura 24.

20 FIGURA Se desejar verificar as portas que estão dentro de seu componente clique sobre ele duas vezes, então poderá vê-las, observe figura 25. FIGURA 25 OBS: Seu componente exemplo1, necessitará de novas portas de entradas e saída, para poder realizar a simulação deste, ver figura 26. Não necessariamente as entradas e saídas precisam Ter o mesmo nome das do componente que você criou.

21 20 FIGURA 26 OPÇÂO CLOCK Muitas vezes desejamos que uma entrada seja o clock do circuito, para implementarmos isto em nosso circuito, após selecionamos a opção Waveform, clique sobre sua entrada (input A em nosso caso) que já foi criada, ela ficará marcada com preto (não consta na figura abaixo), então selecione o ícone clock, e você poderá escolher se ele partirá (starting Value) do valor zero ou um (1) e o fator de multiplicação de seu clock (Multiplied By), ver figura 27.

22 FIGURA DESEJA AUMENTAR TEMPO DE SIMULAÇÃO Para aumentar seu tempo após concluir sua simulação com a observação dos resultados e ressalto que somente após, entre no menu File, Project em End Time, conforme figura 28 e então altere seu tempo de simulação e após refaça novamente a escolha dos valores para sua entradas porque senão ele simulará apenas até o tempo de simulação anterior. Após simule novamente. FIGURA 28 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1) Manual Max+Plus II Altera - Getting Starded - versão 5.0, julho ) Everton Glaser Corrêa da Conceição - Relatório de Estágio Supervisionado 3) Mario Junbeck - Trabalho Cricte 1999.

Portas Lógicas Básicas: Parte 2 Simulação Lógica

Portas Lógicas Básicas: Parte 2 Simulação Lógica Laboratório 1 - continuação Portas Lógicas Básicas: Parte 2 Simulação Lógica 5. Introdução à Simulação Lógica Neste laboratório, você tomará contato com a ferramenta de projeto digital Max+Plus II, da

Leia mais

Tutorial do Quartus II

Tutorial do Quartus II Tutorial do Quartus II Introdução A seguir, você tomará contato com a ferramenta de projeto digital Quartus II, da Altera Corporation, que além de permitir descrever e simular circuitos lógicos complexos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E MATEMÁTICA APLICADA DIMAP

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E MATEMÁTICA APLICADA DIMAP UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E MATEMÁTICA APLICADA DIMAP Disciplina: DIM0403 Laboratório de Circuitos Lógicos Professor: Sílvio Fernandes 08 Introdução

Leia mais

4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL

4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL 4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL Prof. Cesar da Costa VHDL é uma linguagem para descrever sistemas digitais utilizada universalmente. VHDL é proveniente de VHSIC Hardware

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia Elétrica Engenharia da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia Elétrica Engenharia da Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia Elétrica Engenharia da Computação Software Altera Linguagem VHDL Compilando VHDL com o ALTERA MAX PLUS II - 1 - Compilando VHDL com o ALTERA MAX

Leia mais

Tutorial do Max Plus II Baseline

Tutorial do Max Plus II Baseline Tutorial do Max Plus II Baseline Thiago Valentin de Oliveira 10/08/2010 1 Baixando, Licenciando e Instalando o Software O primeiro passo é adquirir o software Max Plus II com uma licença. Isso pode ser

Leia mais

Tutorial para Criar e Simular Circuitos Digitais no Altera Quartus (R) II - versão 9.1

Tutorial para Criar e Simular Circuitos Digitais no Altera Quartus (R) II - versão 9.1 Tutorial para Criar e Simular Circuitos Digitais no Altera Quartus (R) II - versão 9.1 Laboratório Digital Marlim Pereira Menezes Profa. Dra. Liria M. Sato Prof. Dr. Edson Midorikawa Departamento de Engenharia

Leia mais

PASSO A PASSO COMO CRIAR UM NOVO PROJETO EM SCHEMATIC NO SOFTWARE QUARTUS II

PASSO A PASSO COMO CRIAR UM NOVO PROJETO EM SCHEMATIC NO SOFTWARE QUARTUS II PASSO A PASSO COMO CRIAR UM NOVO PROJETO EM SCHEMATIC NO SOFTWARE QUARTUS II 1) Após abrir o quartus II, clique em CREATE A NEW PROJECT (tela abaixo). Se estiver utilizando windows 7, execute como administrador.

Leia mais

Programação de CPLDs no ambiente ISE 4.2i da Xilinx

Programação de CPLDs no ambiente ISE 4.2i da Xilinx Programação de CPLDs no ambiente ISE 4.2i da Xilinx O presente documento resume os passos necessários para programar um Complex Programmable Logic Device (CPLD) usando o editor de esquema eléctrico e a

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS INTRODUÇÃO AO AMBIENTE DE PROJECTO DO XILINX ISE 10.1 PEDRO TOMÁS, PAULO LOPES, HORÁCIO NETO

SISTEMAS DIGITAIS INTRODUÇÃO AO AMBIENTE DE PROJECTO DO XILINX ISE 10.1 PEDRO TOMÁS, PAULO LOPES, HORÁCIO NETO INTRODUÇÃO AO AMBIENTE DE PROJECTO DO XILINX ISE 10.1 PEDRO TOMÁS, PAULO LOPES, HORÁCIO NETO REVISÃO DE NOVEMBRO DE 2012 INTRODUÇÃO O Xilinx ISE é um ambiente integrado de projecto de circuitos digitais.

Leia mais

3.a Aula Prática Projeto de Circuitos Sequenciais com FPGA. Projeto e simulação de um gerador de frequência

3.a Aula Prática Projeto de Circuitos Sequenciais com FPGA. Projeto e simulação de um gerador de frequência 3.a Aula Prática Projeto de Circuitos Sequenciais com FPGA Prof. Cesar da Costa Projeto e simulação de um gerador de frequência Muitas vezes, várias frequências de clock são necessárias em um circuito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista EXPERIMENTO 1 INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO A. Introdução O Quartus II é um software utilizado para

Leia mais

Sistemas Digitais. Tutorial Placa de Prototipação - Altera

Sistemas Digitais. Tutorial Placa de Prototipação - Altera Sistemas Digitais Tutorial Placa de Prototipação - Altera Monitoria SD 2012.1 Daniel Alexandro/Vanessa Ogg/Gustavo Benevides/Gilliano Ginno/Sidney Marlon Editado por (DARA) Placa Altera 1 Antes de Usar

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa.

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa. Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Sistemas Digitais Introdução ao Ambiente de Projecto da Xilinx Paulo Lopes, Horácio

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Sistemas Digitais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Sistemas Digitais Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Sistemas Digitais Introdução ao Ambiente de Projecto da Xilinx Paulo Lopes, Horácio

Leia mais

Exercício Opcional: FAMILIARIZAÇÃO COM O SOFTWARE CIRCUIT MAKER 2000

Exercício Opcional: FAMILIARIZAÇÃO COM O SOFTWARE CIRCUIT MAKER 2000 Laboratório de Sistemas Digitais /0 Exercício Opcional: FAMILIARIZAÇÃO COM O SOFTWARE CIRCUIT MAKER 000 OBJETIVO Aprender a utilizar o Editor de Esquemáticos e o Simulador Lógico Criar e simular os esquemáticos

Leia mais

Disciplina: Processamento Digital de Sinais (ENG577) Aula 05 Parte 2: Dispositivos de Hardware Programável Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.

Disciplina: Processamento Digital de Sinais (ENG577) Aula 05 Parte 2: Dispositivos de Hardware Programável Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba. Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica Disciplina: Processamento Digital de Sinais (ENG577) Aula 05 Parte 2: Dispositivos de Hardware Programável

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5 MANUAL PICKIT2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4 2.1. Ligação da porta USB... 4 2.2. LEDs de estado... 4 2.3. Botão... 5 2.4. Conector de programação... 5 2.5. Slot para chaveiro...

Leia mais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Universidade Federal de São Carlos Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Prof. Dr. Emerson Carlos Pedrino 7ª Prática: Introdução à Verilog-HDL e á Lógica Sequencial Data: 22/05/2014 Nome: Adrián

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS 1 Para iniciar a edição de um esquema elétrico para posterior simulação, busque no menu Iniciar do Windows, a opção Todos os Programas. Localize a pasta onde foi instalado o Proteus e selecione o programa

Leia mais

Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação. Arquitectura de Computadores ETI IGE

Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação. Arquitectura de Computadores ETI IGE Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação Tutorial Arquitectura de Computadores ETI IGE 02 XILINX 1. Criação de um projecto Edição e simulação

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

Manual de Instalação da Plataforma Scorpion. 1. Como conectar a Plataforma Scorpion com a Xilinx Starter-3E kit

Manual de Instalação da Plataforma Scorpion. 1. Como conectar a Plataforma Scorpion com a Xilinx Starter-3E kit Manual de Instalação da Plataforma Scorpion 1. Como conectar a Plataforma Scorpion com a Xilinx Starter-3E kit Para começar a ler este manual, é bom que você conheça os componentes desta conexão. Plataforma

Leia mais

Dispositivos Lógicos Programáveis

Dispositivos Lógicos Programáveis PARTE 1 - TEORIA Dispositivos Lógicos Programáveis Os dispositivos lógicos programáveis (PLD Programmable Logic Device) são circuitos integrados programáveis, que possuem um grande número de portas lógicas,

Leia mais

O Primeiro Programa em Visual Studio.net

O Primeiro Programa em Visual Studio.net O Primeiro Programa em Visual Studio.net Já examinamos o primeiro programa escrito em C que servirá de ponto de partida para todos os demais exemplos e exercícios do curso. Agora, aprenderemos como utilizar

Leia mais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Universidade Federal de São Carlos Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Prof. Dr. Emerson Carlos Pedrino 3ª Prática: Rotação de uma palavra nos Displays de 7 segmentos Data: 10/04/2014 Nome: Adrián

Leia mais

Dispositivos Lógicos Programáveis

Dispositivos Lógicos Programáveis unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Guaratinguetá Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá Professor Carlos Augusto Patrício Amorim Dispositivos Lógicos Programáveis Autores Caio Augusto

Leia mais

Sistemas Digitais. Módulo 15 Prof. Celso PLD - DISPOSITIVOS LÓGICOS PROGRAMÁVEIS

Sistemas Digitais. Módulo 15 Prof. Celso PLD - DISPOSITIVOS LÓGICOS PROGRAMÁVEIS 1 PLD - DISPOSITIVOS LÓGICOS PROGRAMÁVEIS Os projetos com circuitos digitais mais complexos podem se tornar inviáveis devido a vários problemas, tais como: - Elevado número de C.I. (circuitos integrados)

Leia mais

Autor: Daniel Corteletti Centro Tecnológico de Mecatrônica SENAI

Autor: Daniel Corteletti Centro Tecnológico de Mecatrônica SENAI LINGUAGEM LADDER p/ microcontroladores microchip PIC Autor: Daniel Corteletti Centro Tecnológico de Mecatrônica SENAI Ladder: É uma linguagem de programação gráfica, em forma de diagrama, que por ser de

Leia mais

Nota de Aplicação. Exemplo de log de usuários utilizando IHM Magelis e o leitor biometrico XB5S5B2L2. Suporte Técnico Brasil. Versão: 1.

Nota de Aplicação. Exemplo de log de usuários utilizando IHM Magelis e o leitor biometrico XB5S5B2L2. Suporte Técnico Brasil. Versão: 1. Nota de Aplicação Exemplo de log de usuários utilizando IHM Magelis e o leitor biometrico XB5S5B2L2. Versão: 1.0 Suporte Técnico Brasil Especificações técnicas Hardware: Firmware: HMIGTO4310 XB5S5B2L2

Leia mais

mvbuilder - Manual do Usuário

mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder Editor de mapas para o meavox Parte integrante da Suite meavox de comunicação alternativa. Manual do Usuário do mvbuilder Autor: Gustavo Furtado Versão deste documento:

Leia mais

Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui.

Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui. 3 Tecnologia FPGA Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui. 3.1. FPGA: Histórico, linguagens e blocos Muitos dos

Leia mais

GUIA DE REFERÊNCIA PARA PROJETOS DE CIRCUITOS DIGITAIS USANDO A FERRAMENTA ALDEC ACTIVE-CAD

GUIA DE REFERÊNCIA PARA PROJETOS DE CIRCUITOS DIGITAIS USANDO A FERRAMENTA ALDEC ACTIVE-CAD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA NÚCLEO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO EM ENGENHARIA ELÉTRICA GUIA DE REFERÊNCIA PARA PROJETOS DE CIRCUITOS DIGITAIS USANDO A FERRAMENTA ALDEC ACTIVE-CAD

Leia mais

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS)

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus Sistemas

Leia mais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Universidade Federal de São Carlos Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Prof. Dr. Emerson Carlos Pedrino 9ª Pratica: Computador de 16 bits Data:17/07/2014 Nome: Adrián Agüero Faraldo RA: 612227

Leia mais

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR 1 - Integra Services Atenção: o Integra Services está disponível a partir da versão 2.0 do software Urano Integra. O Integra Services é um aplicativo que faz parte

Leia mais

Somador e subtrator de 8 bits

Somador e subtrator de 8 bits Somador e subtrator de 8 bits Nota: Para desenvolver o somador e subtrator de 8 bits na Plataforma Windows, utilize preferencialmente Windows XP ou Vista. Você poderá encontrar problemas durante algumas

Leia mais

Nota de Aplicação. Escrita em Banco de Dados SQL com o Vijeo Citect 1.0. Suporte Técnico Brasil. Versão:

Nota de Aplicação. Escrita em Banco de Dados SQL com o Vijeo Citect 1.0. Suporte Técnico Brasil. Versão: Nota de Aplicação Escrita em Banco de Dados SQL com o Vijeo Citect Versão: 1.0 Suporte Técnico Brasil Especificações técnicas Hardware: Software: Versão: Vijeo Citect 7.40 SP 2 SQL Server 2012 Suporte

Leia mais

Procedimentos para configurar o Motion Detection no D-ViewCam 1 Para configurar o Motion Detection no D-ViewCam, é necessário que a câmera IP esteja

Procedimentos para configurar o Motion Detection no D-ViewCam 1 Para configurar o Motion Detection no D-ViewCam, é necessário que a câmera IP esteja Procedimentos para configurar o Motion Detection no D-ViewCam 1 Para configurar o Motion Detection no D-ViewCam, é necessário que a câmera IP esteja conectada ao software (D-ViewCam). 1 2 Abra o D-ViewCam

Leia mais

INSTALAÇÃO DO CHEF FOODS NET

INSTALAÇÃO DO CHEF FOODS NET INSTALAÇÃO DO CHEF FOODS NET Obs.: Caso já possua um programa compactador de arquivo pular a etapa 1. 1 - Compactador de Arquivo Para instalar o Chef Foods Net você precisa de um programa descompactador

Leia mais

Nota de Aplicação. Exemplo de comunicação Modbus entre o XBTGC2230 e Brio utilizando a função READ_VAR. Suporte Técnico Brasil. Versão: 1.

Nota de Aplicação. Exemplo de comunicação Modbus entre o XBTGC2230 e Brio utilizando a função READ_VAR. Suporte Técnico Brasil. Versão: 1. Nota de Aplicação Exemplo de comunicação Modbus entre o XBTGC2230 e Brio utilizando a função READ_VAR Versão: 1.0 Suporte Técnico Brasil Especificações técnicas Hardware: Firmware: XBTGC2230T 6.2.22.0

Leia mais

Software de Telecomunicações. Introdução ao Cinderella

Software de Telecomunicações. Introdução ao Cinderella Software de Telecomunicações Introdução ao Cinderella Prof RG Crespo Software de Telecomunicações Cinderella : 1/26 Descrição Ambiente de desenvolvimento, que inclui: Editor gráfico em SDL Analisador Simulador

Leia mais

Passo 3: No diagrama de blocos com o menu de funções aberto (Figura anterior), abra a função express Signal Analysis e escolha Simulate signal.

Passo 3: No diagrama de blocos com o menu de funções aberto (Figura anterior), abra a função express Signal Analysis e escolha Simulate signal. TUTORIAL INTRODUÇÃO AO LABVIEW 8.2 Passo 1: Inicie o Labview. Você verá esta tela: Passo 2: Selecione blank VI (VI é a sigla de VIRTUAL INSTRUMENT). Fazendo isso você terá acesso a área de trabalho, a

Leia mais

Programação Básica em STEP 7 O SIMATIC Manager. SITRAIN Training for Automation and Drives Página 2-1

Programação Básica em STEP 7 O SIMATIC Manager. SITRAIN Training for Automation and Drives Página 2-1 Conteúdo Pág. Do Processo para o Projeto... 2 Estrutura de um Projeto STEP 7... 3 Iniciando o SIMATIC Manager... 4 Os Menus e Barras de Ferramentas do SIMATIC Manager... 5 A Barra de Ferramentas no SIMATIC

Leia mais

❶ No Sistema Gênesis, na Aba ESTOQUE

❶ No Sistema Gênesis, na Aba ESTOQUE ❶ No Sistema Gênesis, na Aba ESTOQUE a) Checagem de Estoque - Verifique o estoque dos produtos desejados. b) Listar produtos com a quantia de estoque mínimo atingido: ESTOQUE / RELATÓRIO / ALERTA DE COMPRA

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 07 Linguagem Ladder Profª Danielle Casillo A LINGUAGEM LADDER Foi a primeira que surgiu para programação

Leia mais

Semana de Engenharia

Semana de Engenharia Semana de Engenharia Introdução a Linguagem de Descrição de HW VHDL a ao Projeto Baseado em Lógica de Programação ALTERA Prof.. Daniel Barros Júnior (dbarros@ee.pucrs.br) Bolsista: Dárcio Prestes (darcio(

Leia mais

Manual de Instalação e Operação RECIP

Manual de Instalação e Operação RECIP Manual de Instalação e Operação RECIP AMNNIPC012.00 05/09 Índice 1. RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES...1 2. DESCRIÇÃO DO PRODUTO...1 3. INSTALAÇÃO...1 4. CONFIGURAÇÃO O RECIP...3 4.1 JANELA PRINCIPAL...3 4.2

Leia mais

MANUAL PARA GERAÇÃO DE CAT52 IMPRESSORA BEMATECH

MANUAL PARA GERAÇÃO DE CAT52 IMPRESSORA BEMATECH MANUAL PARA GERAÇÃO DE CAT52 IMPRESSORA BEMATECH Sumário Gerando a CAT52... 3 Compartilhando o arquivo gerado na Rede Privada(XP)(Versão 1)... 7 Compartilhando o arquivo gerado na Rede Privada(XP)(Versão

Leia mais

Simulador do Processador Neander T&D-Bench Simulator Manual do Usuário. por Júlio César Maccali. revisado por Prof. Christian Zambenedetti

Simulador do Processador Neander T&D-Bench Simulator Manual do Usuário. por Júlio César Maccali. revisado por Prof. Christian Zambenedetti UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CAMPUS UNIVERSITÁRIO DA REGIÃO DOS VINHEDOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, DA NATUREZA E DE TECNOLOGIA CURSO DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS Simulador do Processador Neander

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

DICAS PARA CONFECÇÃO DE PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO

DICAS PARA CONFECÇÃO DE PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO DICAS PARA CONFECÇÃO DE PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO Esse material contém algumas dicas que irão ajudar na confecção de placas de circuito impresso. Também foram incluídos os passos necessários para se

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE

IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE Rev.: 01 (03/09/2007) PRODUTOS ELETRÔNICOS METALTEX LTDA. Rua: José Rafaelli, 221 - Socorro - S. Amaro - São Paulo / SP. CEP: 04763-280 - Brasil Tel.: 55

Leia mais

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DO MILLENIUM III

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DO MILLENIUM III INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DO MILLENIUM III 2014 1 Partes para fixação retráteis 2 Terminais da alimentação 3 Display LCD 4 Terminais de entrada 5 Teclas A e B 6 Teclas de navegação 7 Cartucho para a colocação

Leia mais

Manual (Office 365) Para acesso ao sistema de e-mails, os passos iniciais continuam os mesmos.

Manual (Office 365) Para acesso ao sistema de e-mails, os passos iniciais continuam os mesmos. Histórico de Alterações Versão Data Autor Função Descrição 1 14/09/2012 Roberto Gouveia Analista de Help Desk Criação inicial 2 19/11/2013 Roberto Gouveia Analista de Help Desk Atualização A partir de

Leia mais

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I APRESENTAÇÃO... 1 AMBIENTE DE TRABALHO... 2 A folha de cálculo... 2 O ambiente de trabalho do Excel... 3 Faixas de Opções do Excel... 4 - Guia

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE CONTROLADOR LÓGICO BASEADO EM LÓGICA PROGRAMÁVEL ESTRUTURADA ( FPGA) Resumo

IMPLEMENTAÇÃO DE CONTROLADOR LÓGICO BASEADO EM LÓGICA PROGRAMÁVEL ESTRUTURADA ( FPGA) Resumo IMPLEMENTAÇÃO DE CONTROLADOR LÓGICO BASEADO EM LÓGICA PROGRAMÁVEL ESTRUTURADA ( FPGA) Cesar da Costa Cost036@attglobal.net UNITAU Universidade de Taubaté Departamento de Engenharia Mecânica Pós-Graduação

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2012 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2012 VW Soluções 1 Apresentação O Cabo PicKit2 é uma versão simplificada do gravador PicKit2 da Microchip com a idéia de podermos substituir o microcontrolador dos Clp Pic 28 e/ou Clp Pic40 por outros com maiores capacidades

Leia mais

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Bases tecnológicas Dispositivos Lógicos Programáveis. Introdução à Tecnologia

Leia mais

O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo:

O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo: UNIDADE 1: CONFIGURAÇÃO O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo: Pc12.lnk, ao ser clicado, Para iniciar um projeto, utilize a barra de ferramentas abaixo: Clique

Leia mais

Criando seu primeiro programa: Ao abrir o software, ele já está pronto para começar a programar:

Criando seu primeiro programa: Ao abrir o software, ele já está pronto para começar a programar: Criando seu primeiro programa: Ao abrir o software, ele já está pronto para começar a programar: Após inserir funções, os códigos aparecerão na lateral esquerda: Assim que seu programa estiver pronto,

Leia mais

Circuitos Lógicos. Profa. Grace S. Deaecto. Faculdade de Engenharia Mecânica / UNICAMP 13083-860, Campinas, SP, Brasil. grace@fem.unicamp.

Circuitos Lógicos. Profa. Grace S. Deaecto. Faculdade de Engenharia Mecânica / UNICAMP 13083-860, Campinas, SP, Brasil. grace@fem.unicamp. Circuitos Lógicos Profa. Grace S. Deaecto Faculdade de Engenharia Mecânica / UNICAMP 13083-860, Campinas, SP, Brasil. grace@fem.unicamp.br Segundo Semestre de 2013 Profa. Grace S. Deaecto ES572 DMC / FEM

Leia mais

Conhecendo o Proteus

Conhecendo o Proteus Conhecendo o Proteus Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Em uma série de 3 artigos, veremos como usar o Proteus. Introdução Iremos neste momento iniciar nosso estudo no Proteus usando para isso as

Leia mais

Inteligência Embarcada Módulo de Inteligência Embarcada

Inteligência Embarcada Módulo de Inteligência Embarcada Inteligência Embarcada Módulo de Inteligência Embarcada - Para acessar o módulo deve-se ir ao menu FERRAMENTAS, sub-menu INTELIGÊNCIA EMBARCADA. O menu, ilustrado abaixo, contém as seguintes opções: Configurando

Leia mais

YAMAHA MAGICSTOMP GUITAR EFFECTS PROCESSOR

YAMAHA MAGICSTOMP GUITAR EFFECTS PROCESSOR Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para YAMAHA MAGICSTOMP GUITAR EFFECTS PROCESSOR. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

Electrónica Digital 2. Xilinx Webpack

Electrónica Digital 2. Xilinx Webpack Electrónica Digital 2 Xilinx Webpack (ver 5.2) Notas para iniciação (Outubro 2003) António Cunha Prefácio Este texto tem como objectivo introduzir os primeiros conceitos sobre a utilização de um CAD para

Leia mais

Sistema de Automaçaõ de Vendas Manual Passo a Passo

Sistema de Automaçaõ de Vendas Manual Passo a Passo Sistema de Automaçaõ de Vendas Manual Passo a Passo Transmissão Antes de começar a trabalhar, vamos entender o item do menu transmissão, é nele que se faz atualização dos dados do moinho para o seu computador,

Leia mais

Funções básicas Cronograma Cronograma Funções Básicas

Funções básicas Cronograma Cronograma Funções Básicas Funções Básicas Fevereiro 2015 - 1) Selecionar o menu Portfólio > Projetos, clique para janela projetos abrir. 2) Selecione botão incluir para abrir um projeto. Preencha os campos obrigatórios nos Dados

Leia mais

Quinta Lista de Exercícios -

Quinta Lista de Exercícios - INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO COORDENADORIA DE INFORMÁTICA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO Quinta Lista de Exercícios - INSTRUÇÕES: 1) Nesta lista de exercícios, vamos nos preocupar em implementar o comportamento

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

Boletim Técnico R&D 02/08 Simulador do software A1 Automation Tools 27 de fevereiro de 2008

Boletim Técnico R&D 02/08 Simulador do software A1 Automation Tools 27 de fevereiro de 2008 Boletim Técnico R&D 02/08 Simulador do software A1 Automation Tools 27 de fevereiro de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar o funcionamento e as características do recurso Simulador disponível no software

Leia mais

SIMILAR TECNOLOGIA E AUTOMAÇÃO Rua Alagoas, 2466 CEP: 80630 050 Curitiba Paraná Tel. 41 3074.0300 www.similar.ind.br www.lsbrasil.com.

SIMILAR TECNOLOGIA E AUTOMAÇÃO Rua Alagoas, 2466 CEP: 80630 050 Curitiba Paraná Tel. 41 3074.0300 www.similar.ind.br www.lsbrasil.com. 1 CRIANDO UM PROGRAMA BÁSICO NO CLP Entradas e Saídas: Em uma programação de CLP, podemos nos deparar com dois tipos de memórias de entradas e saídas digitais: Memórias de entradas e saídas físicas: Essas

Leia mais

Nota de Aplicação. Exemplo de gerenciamento de usuários nas IHMs Magelis utilizando como acessório leitor biometrico XB5S5B2L2. Suporte Técnico Brasil

Nota de Aplicação. Exemplo de gerenciamento de usuários nas IHMs Magelis utilizando como acessório leitor biometrico XB5S5B2L2. Suporte Técnico Brasil Nota de Aplicação Exemplo de gerenciamento de usuários nas IHMs Magelis utilizando como acessório leitor biometrico XB5S5B2L2. Versão: 1.0 Suporte Técnico Brasil Especificações técnicas Hardware: Firmware:

Leia mais

Micro CLP incorporado ao inversor de frequência TOSHIBA VFS15 MY FUNCTION

Micro CLP incorporado ao inversor de frequência TOSHIBA VFS15 MY FUNCTION Micro CLP incorporado ao inversor de frequência TOSHIBA VFS15 MY FUNCTION - 2 - 1 INTRODUÇÃO Visando a redução de periféricos elétricos envolvendo o controle de velocidade de motores, a Toshiba inseriu

Leia mais

TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS

TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS Autodesk 360 é a nuvem da Autodesk, podendo ser acessada pela sua conta da Autodesk Education Community (estudantes) ou Autodesk Academic Resource

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema.

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema. O que é o projeto O PROINFODATA - programa de coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras tem como objetivo acompanhar o estado de funcionamento dos laboratórios

Leia mais

Usando o simulador MIPS

Usando o simulador MIPS Usando o simulador MIPS O objetivo desta aula prática será a utilização do simulador MipsIt para executar programas escritos em linguagem de máquina do MIPS. 1 Criando um projeto Cada programa a ser executado

Leia mais

Megamídia ML Sistemas - VALID MANUAL DE ATUALIZAÇÃO CFC DIGITAL VERSÃO 10

Megamídia ML Sistemas - VALID MANUAL DE ATUALIZAÇÃO CFC DIGITAL VERSÃO 10 Megamídia ML Sistemas - VALID MANUAL DE ATUALIZAÇÃO CFC DIGITAL VERSÃO 10 Sumário PREPARAÇÃO PARA ATUALIZAÇÃO...03 DETALHES IMPORTANTES...03 ATUALIZAÇÃO UTIL_CFC...04 VERIFICANDO A VERSÃO DO UTIL_CFC...06

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

1.0 Apresentação. 2.0 O que é o produto? 3.0 Do que é composto? 4.0 Como funciona? 5.0 Instalando a interface da Call Rec (Hardware)

1.0 Apresentação. 2.0 O que é o produto? 3.0 Do que é composto? 4.0 Como funciona? 5.0 Instalando a interface da Call Rec (Hardware) 1.0 Apresentação 2.0 O que é o produto? 3.0 Do que é composto? 4.0 Como funciona? 5.0 Instalando a interface da Call Rec (Hardware) 6.0 Instalando o Software Call Rec 7.0 Configuração do Software Call

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Manual de backup de dados

Manual de backup de dados Manual de backup Manual de backup de dados Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Objetivo... 2 2. MÍDIAS APROPRIADAS PARA GRAVAÇÃO DE DADOS... 2 2.1 Pen Drive... 2 2.2 HD Externo... 3 3. PROCEDIMENTO... 4 3.1

Leia mais

1.0 Apresentação. 2.0 O que é o produto? 3.0 Do que é composto? 4.0 Como funciona? 5.0 Instalando a interface da Rec-All mono (Hardware)

1.0 Apresentação. 2.0 O que é o produto? 3.0 Do que é composto? 4.0 Como funciona? 5.0 Instalando a interface da Rec-All mono (Hardware) 1.0 Apresentação 2.0 O que é o produto? 3.0 Do que é composto? 4.0 Como funciona? 5.0 Instalando a interface da Rec-All mono (Hardware) 6.0 Instalando o Software Rec-All mono 7.0 Configuração do Software

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

O diagrama ASM contém dois elementos básicos: o bloco de estado e o bloco de decisão.

O diagrama ASM contém dois elementos básicos: o bloco de estado e o bloco de decisão. 14 3.2 Projeto da Unidade de Controle (VHDL) 3.2.1 Diagrama ASM (Algorithmic State Machine) ASM é um fluxograma através do qual se representa a seqüência de ações que a unidade de controle de um sistema

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

Capítulo 3 Implementação de Modelos de Simulação

Capítulo 3 Implementação de Modelos de Simulação 33 Capítulo 3 Implementação de Modelos de Simulação A simulação é uma ferramenta disponibilizada pela área de pesquisa operacional que possibilita: orientar o processo de tomada de decisão, proceder análises

Leia mais

b 1 Copyright 2008-2012 In9 Mídia Soluções Digitais Inc. All rights reserved.

b 1 Copyright 2008-2012 In9 Mídia Soluções Digitais Inc. All rights reserved. b 1 Conteúdo Capítulo 1... 3 Instalando o Neonews... 3 Neonews no Linux... 6 Capítulo 2... 7 Configurando o NeoNews... 7 Capítulo 3... 13 Teclas de Atalho do NeoNews Player... 13 2 Capítulo 1 Instalando

Leia mais

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion Os componentes ColdFusion (CFC) permitem ao usuário encapsular lógicas de aplicação e de negócios (business logic) em unidades auto-controladas reutilizáveis.

Leia mais

Capítulo 1. INTRODUÇÃO

Capítulo 1. INTRODUÇÃO Capítulo 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceitos de: linguagem de programação, FORTRAN, projeto, programa-fonte, programa-objeto, programa-executável, compilação, comando Procedimentos básicos para

Leia mais

ANDROID APPLICATION PROJECT

ANDROID APPLICATION PROJECT Criando um programa Abrindo o programa Eclipse, clique na opção [FILE], depois em [NEW], selecione a opção [PROJECT], uma janela de opção do tipo de projeto irá se abrir, escolha [ANDROID] logo depois

Leia mais

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar WINDOWS XP Wagner de Oliveira ENTRANDO NO SISTEMA Quando um computador em que trabalham vários utilizadores é ligado, é necessário fazer login, mediante a escolha do nome de utilizador e a introdução da

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

Montar planilhas de uma forma organizada e clara.

Montar planilhas de uma forma organizada e clara. 1 Treinamento do Office 2007 EXCEL Objetivos Após concluir este curso você poderá: Montar planilhas de uma forma organizada e clara. Layout da planilha Inserir gráficos Realizar operações matemáticas 2

Leia mais

Para inserir custo fixo às tarefas, siga os passos abaixo :

Para inserir custo fixo às tarefas, siga os passos abaixo : Capítulo 9 Custos 166 CUSTOS INSERINDO CUSTO FIXO AO PROJETO O custo total do projeto é o custo total de recurso somado ao custo total de custos fixos. O custo com recurso já é computado quando alocamos

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais