Aula 8. Manuseio e Movimentação de Materiais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 8. Manuseio e Movimentação de Materiais"

Transcrição

1 Aula 8 Manuseio e Movimentação de Materiais Prof. José Fernando Pereira Jr. Manuseio de Materiais e Equipamentos Fora de Estrada 2º Semestre

2 Sumário 4.6 Manuseio e Movimentação dos materiais Situações indesejáveis na movimentação de materiais Benefícios potenciais do emprego de Equipamentos de Manuseio e Movimentação As 11 Leis da Movimentação de Materiais Equipamentos de Movimentação de Materiais 4.7. Documentos utilizados na armazenagem 4.8. Escolhas a serem feitas no processo de armazenagem 4.9. Sistema de Gerenciamento de Armazéns - WMS (Warehouse Management system) Exercícios de Fixação

3 Tamanho Armazenar itens pequenos em espaços projetados para peças grandes é um desperdício. Por outro lado, é indesejável que itens grandes não caibam no espaço designando pelos outros princípios de estocagem (similaridade, popularidade). Se existem incertezas a respeito do tamanho das partes, então o sistema deve ser projetado para se ajustar às necessidades. Ex: variedade de tamanhos de prateleiras, racks de altura regulável.

4 4.6 Manuseio e Movimentação dos materiais Por que são necessários os equipamentos de manuseio e de armazenagem? Como os equipamentos devem ser selecionados?

5 4.6 Manuseio e Movimentação dos materiais

6 4.6 Manuseio e Movimentação dos materiais

7 4.6.1 Situações indesejáveis na movimentação de materiais 1. Manuseio: homens manipulando cargas com mais de 25kg e mulheres carregando objetos com peso superior a 20kg; 2. Desvio: materiais desviados do caminho mais direto e natural de transformação no processo produtivo para fins de inspeção, conferência ou outros; 3. Paradas: pessoas da produção abandonando seus postos para efetuar operações de movimentação; 4. Suprimento: trabalhadores de produção parados em virtude da falta de suprimento de matéria-prima; 5. Elevação: cargas acima de 50 kg sendo levantados mais de 1 metro sem ajuda mecânica.

8 4.6.2 Benefícios potenciais do emprego de Equipamentos de Manuseio e Movimentação Redução da mão de obra. Redução do custo de materiais. Aumento de produção. Aumenta a capacidade de armazenagem. Melhora a distribuição da armazenagem. Melhora as condições trabalho. O trabalho braçal será realizado pelo equipamento, liberando o trabalhador para serviços mais nobres (!?) Os equipamentos permitem melhor acondicionamento e um transporte mais seguro, reduzindo as perdas. Ocorre pela facilitação e aceleração do fluxo de materiais até o processo produtivo. Ocorre pelo melhor aproveitamento da altura dos prédios destinados à estocagem. Os dispositivos destinados à formação de carga unitária favorecem a arrumação e distribuição das cargas. Os equipamentos proporcionam maior segurança e redução da fadiga.

9 As 11 Leis da Movimentação de Materiais 1ª Obediência ao fluxo das operações Disponha a trajetória dos materiais de forma que a mesma seja a seqüência de operações. Ou seja, utilize sempre, dentro do possível, o arranjo tipo linear. 2ª Mínima distância Reduza as distâncias e transporte pela eliminação de zigue--zagues no fluxo dos materiais. 3ª Mínima manipulação Reduza a freqüência de transporte manual. O transporte mecânico custa menos que as operações de carga e descarga, levantamento e armazenamento. Evite manipular os materiais tanto quanto possível ao longo do ciclo de processamento. 4ª Segurança e satisfação Leve sempre em conta a segurança dos operadores e o pessoal circulante, quando selecionar o equipamento de transporte de materiais.

10 As 11 Leis da Movimentação de Materiais 5ª Padronização Use equipamento padronizado na medida do possível. O custo inicial é mais baixo, a manutenção é mais fácil e mais barata e a utilização desse equipamento é mais variada por ser mais flexível que equipamentos especializados. 6ª Flexibilidade O valor de determinado equipamento para o usuário é proporcional à sua flexibilidade, isto é, à capacidade de satisfazer ao transporte de vários tipos de cargas, em condições variadas de trabalho. Máxima utilização do equipamento 7ª Máxima utilização do equipamento Mantenha o equipamento ocupado tanto quanto possível. Evite acúmulo de materiais nos terminais do ciclo de transporte. Se não puder manter o equipamento de baixo investimento, mantenha o quociente [CARGA ÚTIL / CARGA MORTA] tão baixo quanto possível; ¼ é considerado o ideal.

11 8ª Máxima utilização da gravidade 4. Armazenagem As 11 Leis da Movimentação de Materiais Use a gravidade sempre que possível. Pequenos trechos moto-rizados de transportadores podem elevar a carga a uma altura con-veniente para suprir trechos longos de transportes por gravidade. 9ª Máxima utilização do espaço disponível Use o espaço sobre cabeças sempre que for possível. Empilhe cargas ou utilize suportes especiais para isso. 10ª Método alternativo Faça uma previsão de um método alternativo de movimentação em caso de falha do meio mecânico de transporte. Essa alternativa pode ser bem menos eficiente que o processo definitivo de transporte, mas pode ser de grande valor em casos de emergência. Exemplos: colocar pontos esparsos para instalação de uma talha manual; prever espaço para movimentação de uma empilhadeira numa área coberta por uma ponte rolante.

12 11ª Menor custo total 4. Armazenagem As 11 Leis da Movimentação de Materiais Selecione equipamentos na base de custos totais e não somente do custo inicial mais baixo, ou do custo operacional, ou somente de manutenção. O equipamento escolhido deve ser o que apresenta o menor custo total para uma vida útil razoável e a uma taxa de retorno do investimento adequado.

13 Equipamentos de Movimentação de Materiais O manuseio dos diversos materiais de um almoxarifado pode ser efetuado: Manualmente, ou Com equipamentos (mecânicos ou elétricos). Os equipamentos são máquinas e dispositivos desenvolvidos para transportar materiais entre as diversas fases do processo (fluxo do material). Cada equipamento foi desenvolvido com habilidades características e específicas.

14 Equipamentos de Movimentação de Materiais Nos almoxarifados a utilização de equipamentos adequados traz inúmeras vantagens. Tipos mais comuns: Transportadores - São os equipamentos fixos que transportam materiais de um ponto a outro no processo. Ex.: Correias, correntes, fitas metálicas, roletes, rodízios, etc... Guindastes, talhas e elevadores - São equipamentos fixos ou móveis (guindastes) que transportam material geralmente usado para elevação (mudança de nível), carga e descarga. Ex.: Pontes rolantes, Guinchos, elevadores, Monovias, etc... Veículos industriais - São equipamentos móveis, geralmente automotores, que transportam materiais entre pontos mais distantes (veículos de carga). Carrinhos, tratores, trailers, etc... Equipamentos de posicionamento, pesagem e controle - Estes equipamentos têm aplicações específicas para controles no processo. Ex.: rampas, plataformas, balanças, etc... Containeres e estruturas de suporte - São equipamentos usados no acondicionamento dos materiais, geralmente para transporte, auxiliam a embalagem principal. Ex.: Vasos, tanques, estrados, Caixas, etc...

15 Seleção de equipamentos de movimentação Os equipamentos de movimentação devem ser selecionados obedecendo a um plano geral de administração do fluxo de matérias primas, produtos em processo e produtos acabados. Não convém que a aquisição de equipamentos seja dirigida a uma solicitação solada sob o risco de ocorrer sub-aproveitamento.

16 Seleção de equipamentos de movimentação

17 Equipamentos Dentro desta grande variedade de tipos de equipamentos, relacionamos alguns equipamentos, seu uso mais freqüente, vantagens e desvantagens:

18 Carrinhos São equipamentos simples e transportam cargas entre 50 e 100 kg. Inicialmente eram manuais, receberam adaptações para paletes tambores e bobinas. São encontrados nos modelos: Tipo alavanca; Plataformas rodantes; De uma roda; De duas rodas; De rodas múltiplas. Etc...

19 Uso: 1. Formação de lotes para despacho; 4. Armazenagem Carrinhos 2. Movimentação de operações mecanizadas; Trabalhos de conservação e reparação; Movimentação de matéria prima e semi acabados em linhas de produção e montagem. Vantagens: Baixo custo; Versatilidade; Silenciosos; Baixíssimo custo de manutenção. Desvantagens: Capacidade de carga e raio de ação limitada; Baixa velocidade de operação; Exigem mais mão de obra que equipamentos mecanizados; Baixa produção.

20 Carrinhos

21 Carretas (também chamados de carrinhos elétricos ) Transportam grandes volumes ente unidades industriais, em distâncias intermediárias (curtas para caminhões e longas para empilhadeiras). Uso: 1. Transporte de carga entre departamentos; 2. Transporte de barras e outras cargas compridas; 3. Transporte de cargas volumosas. 4. Separação de pedidos Vantagens: Baixo investimento (relativo); Baixo custo operacional (relativo); Necessidade de poucos veículos de tração; Flexibilidade; Não exige pisos especiais. Desvantagens: Exigem mão de obra adicional e equipamentos extras para carga e descarga; Se o número de paradas é grande a velocidade de operação é reduzida.

22 Elevadores São equipamentos de movimentação vertical dos materiais. De acordo com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), se classificam em: Elevador de carga; Elevadores de alçapão.

23 Elevadores Uso: 1. No transporte entre andares diferentes; 2. Carga e descarga entre o pavimento térreo e o subsolo; Vencer desníveis entre a rua e o piso do almoxarifado. Vantagens: Ocupam menos espaço que outros equipamentos (rampa, por exemplo); São relativamente baratos. Desvantagens: Exigem cuidados na operação e manutenção para evitar acidentes; Menos velozes que os outros equipamentos.

24 Empilhadeiras frontais São equipamentos de larga utilização, pois apresentam vantagens indiscutíveis em relação ao trabalho braçal. Existem os modelos movidos a óleo diesel, gás e energia elétrica. Uso: 1. Transporte de cargas pesadas em distâncias relativamente pequenas; 2. Transporte de cargas unitárias (paletes); Vantagens: Ocupa pouco espaço; Permite livre escolha do itinerário; Possibilita melhor aproveitamento do espaço vertical; Dá maior segurança ao operário e à carga; Diminui mão de obra. Desvantagens: Exige a unitização (paletização) das pequenas cargas; Retorno quase sempre vazio; Operador deve ser especializado; Fluxo de material intermitente; Transporte mais lento que por equipamentos especializados; A capacidade diminui com o aumento da altura de elevação; Piso bastante regular, principalmente para empilhadeiras elétricas.

25 Empilhadeiras laterais São mais adequadas para manobras de cargas pesadas, compridas e desajeitadas em pequenos espaços. Uso: 1. Na estocagem de cargas paletizadas, eliminam corredores transversais e exigem corredores mais estreitos; 2. No escoamento ou suprimento de linhas de montagem, com redução de área em relação às convencionais; 3. No transporte urbano, podem ser usadas para distâncias de até 10 km. 4. Em terrenos acidentados ou pisos irregulares; 5. Em portos, manobram contenedores de até 45 t;

26 Empilhadeiras laterais Vantagens: Grande capacidade de carga (até 45 t); Grande raio de ação (até 10 km); Grande velocidade de deslocamento (até 40 km/h); Dispensam equipamentos auxiliares; Melhores aproveitamentos de espaço operam em corredores estreitos; Têm mais estabilidade; Desvantagens: Menor velocidade de elevação, comparando com as convencionais (frontais); Não ultrapassam pilhas ou obstáculos; Preço inicial (investimento) maior que as frontais, custos de manutenção equivalentes; São importadas.

27 Empilhadeiras manuais São equipamentos intermediários entre os carrinhos e as empilhadeiras motorizadas. Seu mecanismo de elevação pode ser manual, hidráulico, elétrico ou eletro hidráulico. Uso: 1. Alimentação de máquinas; 2. Estocagem de cargas; 3. Grande altura; 4. Carga e descarga de caminhões; 5. Auxiliar de empilhadeira motorizada. Vantagens: Baixo preço; Não exige operador especializado. Desvantagens: Raio de ação limitado; Capacidade limitada à 1500 kg; Baixa velocidade de operação

28 Empilhadeiras

29 Tipos de Empilhadeira Empilhadeira de Mastro Retrátil / Pantográfica Uma forma de empilhadeira que avança a carga, permitindo que os garfos alcancem ou posicionem um pálete ou unitizador de produtos. Empilhadeiras Elétricas com Patolas - Proporciona a estabilidade de carga e veículo através do uso de patas externas ao invés de peso contrabalançado. Empilhadeiras Elétricas com Patolas Pantográficas Empilhadeiras desenvolvidas a partir das empilhadeiras de patolas convencionais diminuindo os garfos na empilhadeira e proporcionando uma capacidade de alcance com um mecanismo tesoura (pantógrafo). Empilhadeira Frontais a Contrapeso - Empregam um contrabalanço na parte de trás da máquina para estabilizar cargas sendo transportadas e elevadas num mastro na frente da empilhadeira. Empilhadeiras Laterais - Carregam e descarregam de um lado assim eliminando a necessidade de virar a máquina dentro do corredor para acessar posições de estocagem. Existem 02 tipos: ou todo o mastro se move em um conjunto de trilhos transversalmente ao veículo ou os garfos projetam-se de um mastro fixo em um pantógrafo. Empilhadeira Selecionadora de Pedidos Veículo industrial, equipado com uma plataforma de carga e uma plataforma de controle do operador, móvel como um todo no mastro. Empilhadeiras Tri-laterais - Assim como a empilhadeira lateral, a empilhadeira tri-lateral não requer que o veículo faça uma volta dentro do corredor para estocar ou retirar um pálete. Ao invés disso, a carga é levantada por garfos que giram no mastro, ou um mastro que gira no veículo, ou um mecanismo de garfo. Empilhadeiras Tri-laterais e Selecionadoras de Pedidos Híbridas - São similares às empilhadeiras trilaterais, exceto pelo fato de que a cabine do operador é levantada juntamente com a carga.

30 Guindastes móveis Podem ser dos tipos lança hidráulica montada em plataforma ou veículo totalmente motorizado. Com capacidade que chega a 33 t.

31 Guindastes móveis Uso: 1. Em pátios de manobras; 2. Movimentação de cargas e carregamento de navios em portos; 3. Montagens industriais; 4. Construção pesada; 5. Terminais de levantamento em áreas restritas; 6. Oficinas de manutenção. Vantagens: Dependendo do tipo, pode operar cargas paletizadas; A lança pode atingir locais de difícil acesso; Movimenta-se em qualquer sentido; Uso muito versátil; Transporta cargas em locais em que o piso é obstáculo. Desvantagens: Mais lento que os equipamentos especializados; Não pode ser utilizado em lugares de altura limitada; Não passa em corredores estreitos.

32 Pontes rolantes Combina capacidade de elevação de carga com movimentos horizontais em dois sentidos, seu percurso é limitado pelas colunas e comprimento dos trilhos. Uso: 1. Em usinas de força; 2. Oficinas mecânicas; 3. Armazéns; 4. Pátios externos; 5. Linhas de montagem; 6. Usinas de acúcar. Etc Siderurgia, no carregamento de fornos, laminação, etc.;

33 Pontes rolantes Vantagens: Durabilidade elevada; Podem movimentar cargas ultrapassadas; Não interferem com o trabalho ao nível do solo; Modelos para operação ao nível do solo podem ser operados por pessoal não especializado; Podem carregar e descarregar em qualquer ponto, possibilitando adequado posicionamento da carga. Desvantagens: Exigem estruturas; Quando o edifício não prevê a ponte, sua adaptação aumenta o investimento; Preço inicial (investimento) relativamente alto; Área de movimentação definida; Sempre requer mão de obra adicional, ao nível do solo

34 Pontes rolantes empilhadeira Consiste em uma ponte rolante com duas vigas principais, onde está acoplado um carrinho com um mastro com um conjunto de garfos. Uso: 1. Movimentam todos os tipos de materiais (perfilados, fardos, madeiras, tubos) entre os processos. 2. Altura de empilhamento superior a 6 m; 3. Estocagem de grande volume de material; 4. Necessidade de fluxo rápido de carga; 5. Área restrita de estocagem; 6. Piso pouco resistente e irregular para utilização de empilhadeiras convencionais; 7. Planos de carga e descarga diferentes, impossibilitando a utilização de ponte rolante convencional. Vantagens: Permite elevadas alturas de empilhamento; Elimina corredores, absorve até 70% da área útil; Aumenta a velocidade de operação, permitindo fluxo rápido da carga.

35 Pontes rolantes empilhadeira Desvantagens: Exige investimento maior que uma empilhadeira ou ponte convencional; A manutenção é mais alta.

36 Pórtico rolante Semelhante à ponte rolante, a diferença está em que os trilhos são fixados no piso. Uso: 1. Na movimentação ao ar livre de cargas pesadas, em pequenos vãos e grandes comprimentos de rolamento. Vantagens (em relação à ponte rolante): Maior capacidade de carga; Possibilidade de deslocamento a maiores distâncias; Não requer estrutura. Desvantagens (em relação à ponte rolante): Uso mais estrito e em vãos menores; Menos seguro; Interfere com o tráfego no piso; Mais caro.

37 Talhas Equipamento para cargas desajeitadas, pesadas, volumosas e com freqüência variável. Uso: 1. Em deslocamentos verticais; 2. Em deslocamentos horizontais se colocado em monovias; 3. Em ambos os casos na movimentação de cargas pesadas e desajeitadas. Vantagens: Baixo custo inicial (investimento); Facilidade de instalação; Desvantagens: Desaconselhada para produção em série; Exige mão de obra auxiliar.

38 Transportador de corrente É um equipamento composto com troles de aço, com rodas metálicas que se deslocam em uma guia de perfil, seu acionamento é feito por meio de corrente sem fim. Uso: 1. Seções de pintura e decapagem de indústrias, principalmente automobilística; 2. Transporte de reses abatidas em frigoríficos; Em qualquer situação que exija transporte aéreo em série a velocidades reduzidas.

39 Transportador de corrente Vantagens: Aproveitamento da área do piso para fins produtivos; Pode fazer curvas e vencer elevação com facilidade; Permite boa sincronização nas operações de montagem. Desvantagens: Exige estruturas; Área de operação predeterminada e difícil de ser remanejada; Exige mão de obra auxiliar, ao nível do solo.

40 Transportador de rodízios É um equipamento estruturado com rodízios ou roletes, montados com um pequeno declive, para que o acionamento seja feito pela força da gravidade. Transporta materiais leves e médios (cargas unitárias).

41 Transportador de rodízios Uso: Na preparação de lotes de expedição; No empacotamento do produto acabado; Em linhas de montagem; No transporte entre andares diferentes. Vantagens: Não requer acionamento mecânico, funciona em declive; Ocupa pouco espaço; Não requer operador especializado; A estrutura de sustentação é simples e leve; Pode fazer curva. Desvantagens: Capacidade de cargas e de produção limitadas; A carga exige orientação manual nas curvas.

42 4.7. Documentos utilizados na armazenagem Para atendimento das diversas rotinas de trabalho, são utilizados no Almoxarifado os seguintes documentos: Para empresas não informatizadas Ficha de controle de estoque (KARDEX) 2. Ficha de localização O sistema KARDEX é o mais simples e antigo controle. Consiste em registrar, em uma ficha (chamada Kardex), todas as movimentações (entradas e saídas) do material no almoxarifado. Sua operacionalização, por ser manual, requer uma rotina rígida e sistemática, além de um número maior de pessoas no almoxarifado. Na atualidade percebe-se sua aplicação em micro empresa, por não disporem de sistema computadorizado.

43 4.7. Documentos utilizados na armazenagem Documentos de uso geral Ficha de assinatura credenciada 2. Comunicação de irregularidades: documento utilizado para esclarecer ao Fornecedor os motivos da devolução, quer no aspecto quantitativo, quer no aspecto qualitativo. 3. Relatório técnico de inspeção: documento utilizado para definir, sob o aspecto qualitativo, o aceite ou recusa do material comprado do Fornecedor. 4. Devolução de material: documento utilizado para devolver ao estoque do almoxarifado as quantidades de material porventura requisitada além do necessário. 5. Requisição de material: documento utilizado para a retirada de materiais do almoxarifado.

44 4.7. Documentos utilizados na armazenagem A Requisição de Material - RM - está para o gerenciamento do controle de estoque assim como o cheque está para o controle bancário, motivo pelo qual o atendimento das necessidades de um usuário somente se faz mediante a apresentação da respectiva RM, devidamente preenchida e subscrita por emitente credenciado junto ao Almoxarifado.

45 4.8. Escolhas a serem feitas no processo de armazenagem Resumindo o que vimos até aqui, podemos dizer que a figura abaixo sintetiza as decisões a serem tomadas em relação à armazenagem:

46 4.9. Sistema de Gerenciamento de Armazéns - WMS (Warehouse Management system) É um sistema que integra software, hardware e equipamentos periféricos para gerenciar estoque, espaço, equipamentos e mão de obra em armazéns/centros de distribuição. Em linhas gerais é um sistema que melhora a operacionalidade de armazenagem, através do eficiente gerenciamento de informações e recurso do armazém.

47 4.9. Sistema de Gerenciamento de Armazéns - WMS (Warehouse Management system) A necessidade de gerenciar os fluxos de recursos da empresa (Materiais, Informações e Dinheiro) de forma integrada, dentro e fora da organização, direcionou os esforços à adequação das estruturas, integrando num mesmo processo logístico, funções diversas: Suprimentos, Processamento de pedidos, Produção e controle de estoques, Distribuição física/transporte, entre outras.

48 DUVIDAS

49 Bibliografia ARNOLD, J. R. T. Administração de Materiais. São Paulo: Atlas, BALLOU, Ronald H. Logística empresarial : transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, p Portal da Nota Fiscal Eletrônica. Disponível em Acessado em: 22/07/09 as 100:00. DIAS, Marco Aurélio P. - Administração de Materiais, Uma Abordagem Logística - Editora ATLAS, 1997; DIAS, Marco Aurélio P. Administração de Materiais: princípios, conceitos e gestão. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2009 pp. 219 e 220. FRANCISCHINI, P. G., GURGEL, F. A. Administração de Materiais e do Patrimônio. São Paulo: Pioneira Thomson, MARTINS e CAMPOS. Administração de materiais e recursos patrimoniais. São Paulo: Saraiva, 2006 MARTINS, Petrônio Garcia, ALT, Paulo Renato Campos. Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais. Martins, Petronio Garcia; São Paulo: Saraiva 2004 POZO, Hamilton. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais. Atlas, 2004 RODRIGUES, Gerson José Jorio - Redução de Estoques em Três Dimensões - Editora IMAM, 1993; VIANA, J. J. Administração de Materiais - um enfoque prático. São Paulo: Atlas, 2002

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

Aulas 04 e 05: 12/09/11 Aulas 06 e 07: 19/09/11 Aulas 08 e 09: 26/09/09. Armazenagem

Aulas 04 e 05: 12/09/11 Aulas 06 e 07: 19/09/11 Aulas 08 e 09: 26/09/09. Armazenagem Aulas 04 e 05: 12/09/11 Aulas 06 e 07: 19/09/11 Aulas 08 e 09: 26/09/09 Armazenagem Prof. José Fernando Pereira Jr. Manuseio de Materiais e Equipamentos Fora de Estrada 2º Semestre - 2011 Sumário 1/2 4.

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 06 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 06 FILIPE S. MARTINS AULA 06 FILIPE S. MARTINS ROTEIRO EQUIPAMENTOS DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS PALETEIRA EMPILHADEIRA ESTEIRA TRANSPORTADORA TRANSPORTADOR DE ROLETES MONOVIA / TALHA ELÉTRICA TRANSELEVADORES

Leia mais

Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Movimentação de Materiais 1.0 Movimentação de Materiais É a operação de deslocamento físico de materiais de um local para outro, dentro da instalação de armazenamento.

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Empilhadeiras. Orientação: Fernando Gabriel Eguia Pereira Soares

Empilhadeiras. Orientação: Fernando Gabriel Eguia Pereira Soares Empilhadeiras Elaboração: Guido Alves Slavec RA: 200937 Antônio Carlos de Souza Leme RA: 200008 Allan Spagnolo Benites RA: 110050 Felipe Saturnino Tonheiro Carlos RA: 200407 Sandro Aparecido Pereira Faria

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Ricardo A. Cassel A movimentação de materiais é uma atividade importante a ser ponderada quando se deseja iniciar o projeto de novas instalações. Existe uma forte relação entre

Leia mais

Um tipo de empilhadeira para tudo!

Um tipo de empilhadeira para tudo! Um tipo de para tudo! s articuladas têm três fabricantes no reino unido e por lá são amplamente utilizadas A contrabalança da convencional de qua tro rodas é o tipo mais usado no mundo todo, pois seu projeto

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO

MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO A estocagem e o manuseio de tubos e conexões devem obedecer a preceitos mínimos que assegurem a integridade dos materiais, bem como o desempenho esperado.

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS Posição vertical: Dotar o posto de trabalho com regulagem de altura; Suporte para peças; Considerar dados antropométricos, na dúvida colocar

Leia mais

1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS 1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Introdução Para que a matéria prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material, deve movimentar-se;

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTADORES CONTINUOS

SISTEMAS DE TRANSPORTADORES CONTINUOS Consiste na movimentação constante entre dois pontos pré-determinados. d São utilizados em mineração, indústrias, terminais de carga e descarga, terminais de recepção e expedição ou em armazéns. Esteiras

Leia mais

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Administração Profa. Patricia Brecht Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Compras Envolve todo o processo de localização de fornecedores e fonte de suprimento, aquisição de materiais

Leia mais

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO Uma empilhadeira é uma máquina industrial utilizada para levantar e carregar materiais, normalmente através de garfos de metal que são inseridos por debaixo da carga. Geralmente,

Leia mais

TELEBELT TB200 TRANSPORTADOR TELESCÓPICO COM CORREIA

TELEBELT TB200 TRANSPORTADOR TELESCÓPICO COM CORREIA TELEBELT TB200 TRANSPORTADOR TELESCÓPICO COM CORREIA UM NOVO PADRÃO DE INOVAÇÃO E EXCELÊNCIA CARACTERÍSTICAS DO TELEBELT TB200 O telebelt TB 200 é um transportador telescópico com correia tecnologicamente

Leia mais

SkyTrak. Manipuladores

SkyTrak. Manipuladores SkyTrak Manipuladores a a Manipuladores SkyTrak. Feitos para o Jeito que Você Trabalha. Os manipuladores SkyTrak com direção nas quatro rodas são máquinas que trabalham duro para pessoas que dão duro no

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM Os consumidores quando vão às prateleiras das lojas esperam encontrar os produtos que necessitam, não importando se os produtores estão a 10 ou 2.500 Km de distância. Este é o trabalho da logística: prover

Leia mais

Separe pedidos em 10 passos

Separe pedidos em 10 passos Separe pedidos em 10 passos Confira diferentes métodos de trabalhar com pedidos que podem servir para diversos tipos de operação A de pedidos é um dos processos onde há mão de obra intensiva dentro de

Leia mais

MANIPULADORES TELESCÓPICOS JLG

MANIPULADORES TELESCÓPICOS JLG MANIPULADORES TELESCÓPICOS JLG MANIPULADORES TELESCÓPICOS JLG CHEGANDO ATÉ VOCÊ Sua produtividade está em jogo no momento em que você sobe na cabine do manipulador telescópico. A linha de manipuladores

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

Conta com um grupo de engenheiros e projetistas sempre apontando soluções tanto para os mais simples projetos quanto para os mais complexos.

Conta com um grupo de engenheiros e projetistas sempre apontando soluções tanto para os mais simples projetos quanto para os mais complexos. C A T Á L O G O w w w. e s c a l a r e q u i p a m e n t o s. c o m. b r A ESCALAR iniciou as suas atividades em 2002 e sempre teve como seu principal objetivo atender às necessidades especiais do setor

Leia mais

Rev.1 18.01.2013. Racks Paletização KD

Rev.1 18.01.2013. Racks Paletização KD 18.01.2013 Racks Paletização KD O sistema de armazenagem KD de cargas médias e pesadas representa a melhor solução para armazéns em que é necessária uma correta armazenagem para produtos paletizados com

Leia mais

AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/2015 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM

AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/2015 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/25 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM A Pregoeira Pollyanna Allen Gomes de Jesus, designado pela Portaria nº 092/24 da Prefeitura Municipal de Goiânia / Secretaria

Leia mais

Ações para Melhorar o Espaço Físico do Almoxarifado da Secretaria de Finanças da Prefeitura de Belo Horizonte. 1 RESUMO

Ações para Melhorar o Espaço Físico do Almoxarifado da Secretaria de Finanças da Prefeitura de Belo Horizonte. 1 RESUMO Ações para Melhorar o Espaço Físico do Almoxarifado da Secretaria de Finanças da Prefeitura de Belo Horizonte. 1 Nanci. Vaz dos Santos 2 Ana Maria Passos Collares. 3 RESUMO Segundo S lack, C hambers e

Leia mais

Gerenciamento de Depósitos

Gerenciamento de Depósitos Gerenciamento de Depósitos Diferentes modelos e tipos de CD s e armazéns podem auxiliar na busca por soluções logísticas eficientes, para diferentes produtos, com características logísticas diversas. As

Leia mais

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS Bastidores das Torres Rolantes Disponíveis em 2 larguras (0,75 e 1,35 m) de 4 degraus (1 m) e 7 degraus (2 m) Os degraus possuem uma superfície estriada antideslizante e a distância entre degraus é de

Leia mais

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Escolha o melhor fornecedor de sistemas e tecnologia e ganhe flexibilidade, rendimento e eficiência operacional automação que traz resultados

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga 16 Valores Introdução No âmbito da ufcd 5811 Sistemas de transporte e elevação de cargas, foi-nos

Leia mais

CARROS DE REBOQUE. Compre Produtos Certificados. Na Equipleva todos os equipamentos cumprem com as diretivas da CE.

CARROS DE REBOQUE. Compre Produtos Certificados. Na Equipleva todos os equipamentos cumprem com as diretivas da CE. Carros de Mão Carros Ligeiros com Carros para Cargas Médias/Elevadas Carros Armário com e sem Prateleiras Carros com Banca de Trabalho Carros de Apoio à Industria Carros de Reboque Carros para Escritóio

Leia mais

Mais automóveis e menos espaço. Essa é a equação em quase todas as cidades. Por esta razão, os sistemas de estacionamento robotizados, que aproveitam

Mais automóveis e menos espaço. Essa é a equação em quase todas as cidades. Por esta razão, os sistemas de estacionamento robotizados, que aproveitam Mais automóveis e menos espaço. Essa é a equação em quase todas as cidades. Por esta razão, os sistemas de estacionamento robotizados, que aproveitam o espaço disponível mais eficientemente, são uma alternativa

Leia mais

Gestão Estratégica do Transporte

Gestão Estratégica do Transporte Gestão Estratégica do Transporte SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos de Gestão Estratégica; 3. Abordagens da Gestão Estratégica de Transportes; 4. Operações Especiais de Transportes; 5. Conceitos

Leia mais

TÍTULO: ROBÔ CONTROLADO POR LINHA E LUZ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: ROBÔ CONTROLADO POR LINHA E LUZ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ROBÔ CONTROLADO POR LINHA E LUZ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Distribution Solutions, Inc.

Distribution Solutions, Inc. Distribution Solutions, Inc. DSI cria Centro de distribuição organizado para líder de cadeia de lojas de departamentos automação que traz resultados DSI cria Centro de distribuição organizado para líder

Leia mais

MÓDULO II - Qualificação Técnica de Nível Médio de AUXILIAR DE PROCESSOS OPERACIONAIS

MÓDULO II - Qualificação Técnica de Nível Médio de AUXILIAR DE PROCESSOS OPERACIONAIS II. 1 PROCESSOS DE SUPRIMENTOS Função: Processos Operacionais de Suprimentos 1. Analisar os diversos tipos de fornecedores quanto às suas características produtivas, técnicas, tecnológicas e econômicas,

Leia mais

Estantes para paletização dinâmica por força da gravidade

Estantes para paletização dinâmica por força da gravidade Estantes para paletização dinâmica por força da gravidade Ótima rotação dos produtos graças à movimentação da carga Características do sistema de paletização dinâmica As estantes dinâmicas para a armazenagem

Leia mais

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM A EMPRESA NOSSAS SOLUÇÕES PARA ARMAZENAGEM 25 DE AGOSTO DE 1969 Dar continuidade ao legado do pai, exímio ferreiro e artesão. Esse foi o sonho que impulsionou os irmãos

Leia mais

Este sistema de transporte busca a combinação ideal entre a eficiência dos transelevadores e os processos de entrada, expedição e manipulação das

Este sistema de transporte busca a combinação ideal entre a eficiência dos transelevadores e os processos de entrada, expedição e manipulação das Este sistema de transporte busca a combinação ideal entre a eficiência dos transelevadores e os processos de entrada, expedição e manipulação das unidades de carga. Trata-se de um conjunto de elementos

Leia mais

WORX AEROCART MODELO WG050

WORX AEROCART MODELO WG050 WORX AEROCART MODELO WG050 Avisos Gerais de Segurança AVISO Leia todos os avisos e instruções de segurança. Não seguir os avisos e instruções pode resultar em lesão séria. Guarde todos os avisos e instruções

Leia mais

Block Plus sistema convencional

Block Plus sistema convencional SOLUÇÕES DE ARMAZENAGEM Block Plus sistema convencional Block Plus sistema convencional estantes convencionais Trata-se do sistema de armazenagem mais comum e generalizado, adequado para armazenagem dedicada

Leia mais

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência.

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Leveza e conforto aliados à eficiência. As novas telhas termoacústicas TopSteel da Brasilit são de fácil transporte

Leia mais

TS-300BR. CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m

TS-300BR. CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m TADANO GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N TS-300BR TS-300BR DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m LANÇA 4 seções, 9,8 m - 31,0 m DIMENSÕES GERAIS Comprimento

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior)

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior) Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há interferência das portas na faixa livre apenas nas áreas privativas da edificação Área de Aproximação à porta Há área de manobra para cadeira

Leia mais

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2004 Sistema de Resfriamento para

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008 MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008 1 DO OBJETO Visa à contratação de empresa especializada nos serviços de fornecimento, entrega e instalação

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 18-Construção Civil-Alterações Orientador Empresarial PORTARIA SIT nº 201/2011: 24.01.2011, com

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 24, de 05/03/07 Sistema de Resfriamento

Leia mais

Ponte rolante: como escolher

Ponte rolante: como escolher Ponte rolante: como escolher Vários fatores devem ser analisados antes de se optar por um modelo A decisão sobre a escolha do tipo de ponte rolante é altamente influenciada pelo local onde ela deve ser

Leia mais

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS O que é a armazenagem? A armazenagem é constituída por um conjunto de funções: - de recepção, - descarga, - carregamento, matérias-primas, - arrumação produtos acabados ou semi-acabados

Leia mais

Soluções robóticas da Intelligrated

Soluções robóticas da Intelligrated Soluções robóticas Soluções robóticas da Intelligrated Setores atendidos: Alimentos A Intelligrated é uma integradora de robótica certificada com mais de 20 anos de experiência no fornecimento de soluções

Leia mais

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 Altera a Norma Regulamentadora n.º 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO,

Leia mais

Operações de Almoxarifado

Operações de Almoxarifado Administração de Recursos Materiais Operações de Almoxarifado Prof.: Celso A Araujo Operações de Almoxarifado O almoxarifado (ou armazém, ou depósito) executa a movimentação e o transporte interno de cargas

Leia mais

NR 11. E-Book. NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais. E-Book

NR 11. E-Book. NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais. E-Book Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais Nós da DPS Consultoria e Assessoria em Segurança do Trabalho, queremos inicialmente manifestar nossa satisfação pelo seu interesse em nosso

Leia mais

María Esmeralda Ballestero-Alvarez

María Esmeralda Ballestero-Alvarez 6.1.4 Distribuição física 6.1.4 Distribuição física Este capítulo trata o seguinte tema: Ferramentas usadas pelas técnicas de estruturação: Em especial contempla, descreve e detalha a distribuição física

Leia mais

Agora com. Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S. Aluguer MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS

Agora com. Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S. Aluguer MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Agora com Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S Aluguer SOLUÇÕES DE ACESSO MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS BASES SIMPLES / DUPLAS - ALUMÍNIO EN 1004 classe 3 EN 1298 DE

Leia mais

Cat Sistema Acoplador Fusion

Cat Sistema Acoplador Fusion Cat Sistema Acoplador Fusion Carregadeiras de Rodas Características: Maior Desempenho da Máquina A nova interface patenteada da Carregadeira de Rodas oferece desempenho praticamente igual a um sistema

Leia mais

Guindastes. BrochurA produto RC 30 RT 35 RC 35 RC 40 RC 45 RC 60 A 600 RT 100 RT 230-1 RT 230 XL RT 345 XL RT 555-1 RT 670 RT 780 RT 130

Guindastes. BrochurA produto RC 30 RT 35 RC 35 RC 40 RC 45 RC 60 A 600 RT 100 RT 230-1 RT 230 XL RT 345 XL RT 555-1 RT 670 RT 780 RT 130 BrochurA produto Guindastes Fora-de-Estrada RC 30 RT 35 RC 35 RC 40 RC 45 RC 60 A 600 RT 100 RT 230-1 RT 230 XL RT 345 XL RT 555-1 RT 670 RT 780 RT 130 métrico / imperial Vamos Juntos ERGUER o Mundo 2

Leia mais

Kit para Armazenamento de Postes de Concreto Circular e Duplo T

Kit para Armazenamento de Postes de Concreto Circular e Duplo T XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Kit para Armazenamento de Postes de Concreto Circular e Duplo T Wilson César Alves

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC SANTA ISABEL Código: 219 Município: SANTA ISABEL Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Auxiliar de Processos Operacionais Qualificação:

Leia mais

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À EDIFICAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL RIO GRANDE DO SUL,

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE ISSN 1984-9354 ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE Área temática: Logística Erika Ribeiro erika.thais2510@gmail.com Myriã Lozano myricapopis@hotmail.com

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO TANQUES CILÍNDRICOS VERTICAIS TERMOPLASTICOS

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO TANQUES CILÍNDRICOS VERTICAIS TERMOPLASTICOS TECNO PUMP EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS. Rua João Rodrigues Palheta, 227 Jd. Aracati. São Paulo-SP CEP: 04949-050 Fone/fax: (11) 5896-3083 Site: em manutenção - e-mail: vendas.tecnopump@gmail.com MANUAL DE

Leia mais

OPERAÇÕES DE ALMOXARIFADO

OPERAÇÕES DE ALMOXARIFADO O almoxarifado (ou armazém, ou depósito) executa a movimentação e o transporte interno de cargas AULA 04 Armazenagem de Materiais - Almoxarifado Os sistemas para armazenagem responsáveis pelas operações

Leia mais

Um novo padrão em eficiência de estampagem.

Um novo padrão em eficiência de estampagem. TruPunch: Um novo padrão em eficiência de estampagem. Máquinas-Ferramenta / Ferramentas Elétricas Tecnologia a Laser / Eletrônicos Tecnologia na Área Médica Eficiência Inigualável Conteúdo Eficiência Inigualável.

Leia mais

ÍNDICE. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho.

ÍNDICE. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho. Para que nosso produto tenha um resultado positivo, é de fundamental importância que o Manual

Leia mais

INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM

INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM ZF do BRASIL Ltda INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM Versão 1 Sumário Dados gerais de Embalagem... 3 Notas Fiscais (NF-e) para Embalagens... 3 Fluxo com Embalagens do Fornecedor / ZF... 3 Embalagens de Propriedade

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

Schindler 5300 Personalidade. Muito espaço. Sofisticação e modernidade para os elevadores de seu edifício

Schindler 5300 Personalidade. Muito espaço. Sofisticação e modernidade para os elevadores de seu edifício Schindler 5300 Personalidade. Muito espaço. Sofisticação e modernidade para os elevadores de seu edifício Elevadores de Passageiros Schindler Espaço Schindler 5300 significa espaço Ampliamos a cabina de

Leia mais

Pavimentadora de concreto multiuso. Pavimentadora de Concreto SP 500

Pavimentadora de concreto multiuso. Pavimentadora de Concreto SP 500 Pavimentadora de concreto multiuso Pavimentadora de Concreto SP 500 Máquina versátil para pavimentação de concreto Estrutura retrátil da máquina A estrutura principal robusta, resistente a inclinações,

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA O Leiaute no Recebimento de Matérias Primas e na Expedição de Produtos Diego Menoncello (Eng. de Produção - FAJ) diego_menoncello@yahoo.com.br Fernando Henrrique (Eng. de Produção - FAJ) fernando_fernandoms@hotmail.com

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem LOGÍSTICA Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem Objectivos do Capítulo Mostrar de uma maneira geral os principais tipos de sistemas de movimentação,

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE APOIO PARA OPERAÇÕES LOGÍSTICAS

EQUIPAMENTOS DE APOIO PARA OPERAÇÕES LOGÍSTICAS EQUIPAMENTOS DE APOIO PARA OPERAÇÕES LOGÍSTICAS Soluções Inteligentes para Transporte e Armazenagem de Produtos Nada Menos que Excelência Grupo Com vitalidade e sinergia, o Grupo atua em diversos segmentos

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

Equipamentos para Estamparia

Equipamentos para Estamparia Equipamentos para Estamparia CLIENTES EQUIPAMENTOS PARA LINHA DE PRENSAS Mesa destaque de platinas; METALURGIA Braço com imã para destaque; Mesa transferência platina; Sistema de centralização platina;

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS DE OBRAS (MMO)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS DE OBRAS (MMO) PO MAT 0 18/10/21 1. REFERÊNCIA/OBJETIVO ÁREA APLICÁVEL Controlar a logística de materiais de obras (físico e contábil), incluindo as requisições reservas de materiais (RM), aplicações mensais, devoluções

Leia mais

Empilhadoras Elétricas IXION SPE125/SPE160. Controle Sensi-lift

Empilhadoras Elétricas IXION SPE125/SPE160. Controle Sensi-lift Empilhadoras Elétricas Os empilhadores com braços de suporte oferecem uma solução efetiva e econômica para todos os tipos de armazém grandes ou pequenos. A BT oferece o grupo mais completo de empilhadores

Leia mais

Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD

Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD Dimensões Máquina básica com carro inferior R 9760 3650 10000 5480 3675 2445 1810 3950 1610 1700 7945 9360 3975 1720 R 6360 1100 6800 620 17380 Peso operacional

Leia mais

Produto Químico produtos que contém substâncias químicas que pode causar danos à saúde do trabalhador

Produto Químico produtos que contém substâncias químicas que pode causar danos à saúde do trabalhador SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento SUPRIMENTO DE PRODUTOS, MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TERCEIROS PR 7.3 Revisão: 00 Página 1 de 2 Requisito

Leia mais

NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O

NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O 2 3 LIDERANÇA MUNDIAL NÃO É MERA COINCIDÊNCIA. Com parceiros do setor, a New Holland foi responsável por algumas das principais inovações e lançamentos que garantiram a ela a

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 6 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Cargas, embalagens e unitização Modulação, Unitização, Acondicionamento

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTO-BENEFÍCIO: USO DE ESTRUTURAS DE LAJES ALVEOLARES E ESTRUTURAS DE LAJES NERVURADAS

ANÁLISE DE CUSTO-BENEFÍCIO: USO DE ESTRUTURAS DE LAJES ALVEOLARES E ESTRUTURAS DE LAJES NERVURADAS ANÁLISE DE CUSTO-BENEFÍCIO: USO DE ESTRUTURAS DE LAJES ALVEOLARES E ESTRUTURAS DE LAJES NERVURADAS Ernani Alencar Rodrigues 1 Anderson Alves de Oliveira 2 Larissa Maria Argollo de Arruda Falcão 3 RESUMO:

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING O QUE É PICKING? atividade responsável pela coleta do mix correto de produtos, em suas quantidades corretas da área de armazenagem para satisfazer as necessidades do

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS Página: 1 de 13 Texto final APROVADO pelo CPN em 2 SET de 2010, considerando a Nota Técnica O66 2010- DSST/SIT/MTE ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais

Leia mais

Manual de Montagem e Operação Pórtico Manual Serie FX

Manual de Montagem e Operação Pórtico Manual Serie FX 1 Manual de Montagem e Operação Pórtico Manual Serie FX Manual No. 103-0001 R EV. 8/07 ISO 9001 REGISTERED CONTEUDO 2 Advertencias... 3 Recebimento... 5 Ajustes...6 Kit de Transporte...8 Instalação dos

Leia mais

Dimensionamento de espaço

Dimensionamento de espaço Dimensionamento de espaço Definindo os volumes de produtos e os tipos de produtos que serão tratados no projeto, teremos condições, a partir de agora, de dimensionar o tamanho do armazém, suas características

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. GARFO (Comprimento X Largura X Bitola) (mm): 100D7: 1.200 X 200 X 70 / 1.500 X 200 X 75 / 1.650 X 200 X 75 1.800 X 200 X 75 / 2.100 X 200 X 75 / 2.400 X 200 X 75 120D7: 1.200 X 200 X 75 / 1.500 X 200 X

Leia mais