Ensacamento de frutos: uma antiga prática ecológica para controle da mosca-das-frutas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ensacamento de frutos: uma antiga prática ecológica para controle da mosca-das-frutas"

Transcrição

1 Ensacamento de frutos: uma antiga prática ecológica para controle da mosca-das-frutas João, Paulo Lipp * Secchi, Valdir Antônio ** 1 O problema Um dos problemas fitossanitários mais graves na fruticultura, com perdas econômicas significativas, tem sido o ataque das moscas-dasfrutas. As espécies Anastrepha fraterculus e Ceratitis capitata assumem grande importância econômica, considerando-se que nossas condições climáticas permitem, durante todo o ano, a existência de frutos cultivados e silvestres, favorecendo a sobrevivência e o deslocamento da praga de uma planta para outra (TRÉS, 1992). *Engenheiro Agrônomo, Ms. em Citricultura (Universidade Politécnica de Valencia-Espanha)e Assistente Técnico Estadual da EMATER/RS. **Engenheiro Agrônomo, Mestre em Agronomia e Assistente Técnico Estadual da EMATER/RS. prejuízos causados aos fruticultores são antigos. Desde que apareceram os primeiros pomares comerciais, o controle tem sido necessário para viabilizar a colheita e a comercialização. Em Taquari, no período de 1955 a 1957, foram realizadas pesquisas na Estação Experimental de Pomicultura (hoje Centro de Pesquisa de Fruticultura) e, também, na propriedade dos "Irmãos Höerlle", em Montenegro, visando o controle da mosca-das-frutas em pomares de laranjeiras, variedade Valência, muito suscetível aos ataques da mosca por ser de colheita tardia. Nas parcelas testemunhas e nos pomares vizinhos, sem tratamentos, tiveram 70 a 80% de frutos bichados (GONÇALVES, 1958). 2 O controle Antes do advento dos inseticidas químicos, o controle da mosca limitava-se às práticas de con- 53

2 54 trole biológico e mecânico, tais como limpeza dos pomares, recolhimento dos frutos caídos, capinas e lavras superficiais, com a finalidade de destruição das pupas e caça com vidros pegamoscas (GONÇALVES et al., 1958). Günther (1977), ao publicar matéria no Suplemento Rural do jornal Correio do Povo ( ) acerca do problema das moscas-dasfrutas, assim se reportou: "Em 1943 havia considerável plantação de árvores frutíferas em minha Granja Concórdia, na Vila Nova (Porto Alegre), e recebia mensalmente as publicações "Deutsche Ilustrierte Monatshefte - Obst e Gartenbau", de Munique. Foi então que li um artigo sobre "A Necessidade de Combate Biológico da Mosca da Fruta". No caso específico dos frutos caídos, o recolhimento e enterrio freqüente durante a safra e enterrá-los, a fim de matar as larvas neles alojadas, é uma importante prática auxiliar, que se baseia no controle biológico natural. Consiste na coleta dos frutos caídos, colocando-os em pequenos buracos (70x70x30 cm), no meio do pomar. No fundo do buraco coloca-se uma camada de 10 cm de areia, coberta por uma tela fina, com malha de 2 mm, para impedir a saída das moscas e facilitar a passagem das vespinhas que fazem o controle biológico (TRÉS, 1992). 3 O ensacamento O ensacamento das frutas para protegêlas do ataque de moscas é uma das práticas fitossanitárias mais antigas e eficazes. Na década de 60, quando a Grande Porto Alegre era o principal pólo de produção de hortigranjeiros no Rio Grande do Sul, o ensacamento era prática usual, principalmente para o pêssego, pêra e ameixa. Usavam-se sacos de papel encerado e de papel manteiga e, também, folhas de jornal, para proteger os cachos de uva contra o ataque de vespas e outros insetos (ROSA, 2002). Nos municípios de produção citrícola, o ensacamento era praticado correntemente, desde o início do século passado, exigindo dispêndio elevado de material e, em especial, de mão-de-obra, tornando-se inviável, principalmente nos grandes pomares, onde difícil se tornava a obtenção de mão-de-obra barata e abundante (GONÇALVES et al., 1958). A partir do final da década de 60 e início dos anos 70, o ensacamento praticamente deixou de ser feito, substituído pela aplicação de iscas com inseticidas para controle da mosca-das-frutas. A escassez de mão-de-obra na zona rural, o maior custo, o tamanho dos pomares e o preço final da fruta são fatores que hoje limitam esta prática a determinadas espécies e variedades. A mosca-das-frutas ataca o pêssego no início ou durante o período de inchamento do fruto, quando estiver ligeiramente mole. Um modo prático para determinar o "ponto" é cravar levemente a unha no fruto. Se ocorrer um "estalo", estará no ponto de ataque, geralmente acontecendo em torno de dias antes da maturação (EMBRAPA, 1990). A proteção de pêssegos com saquinhos de papel é bastante eficiente contra a mosca-dasfrutas. frutos não ficam bichados e apresentam melhor aparência pela sanidade e maturação uniforme. A época mais aconselhável para a realização do ensacamento é antes do início do inchamento, isto é, quando os frutos ultrapassarem o diâmetro de, mais ou menos, 6 a 7 cm (SACHS et al., 1984). Lorenzato (1988) recomenda proteger os frutos com saquinhos de papel encerado, com dimensões de 23x16 cm, 27x20 cm e outras, logo que estejam formados, antes que ocorra o ataque da mosca. Devem ser colocados lateralmente em relação ao ramo e amarrados com arame fino n.º 24 por trás do ramo que sustenta o fruto. (SACHS et al., 1984). Shizuto (1973) recomenda usar amarrilhos de junco

3 fino, barbante ou fita de plástico para amarrar os saquinhos. Piza Junior e Kavati (2002), reportando-se ao ensacamento da goiaba de mesa (Psidium guajava L.), consideram que os frutos remanescentes do desbaste são protegidos por sacos de papel-manteiga, com as dimensões usuais de 15x12 cm, que podem ser adquiridos prontos. Todavia, os produtores preferem fazer sacos a partir de resmas de papel adquiridas do fabricante, pela melhor qualidade do produto empregado, que apresenta maior durabilidade e resistência. sacos são presos no pedúnculo do fruto ou no ramo que o sustenta, por meio de um fitilho vegetal ou arame fino. O ensacamento das goiabas novas (tamanho da azeitona), visa obter frutos de melhor qualidade e sem resíduos de agrotóxicos. Tem a finalidade de proteger o fruto do ataque do gorgulho, das moscas-das-frutas e da incidência direta do sol (SILVA, 1998). Em nespereira, o cacho é revestido com saquinhos de papel para impedir o ataque de aves e insetos (JORDÃO; NAKANO, 2000). Na bananicultura, utilizam-se sacos de polietileno. É uma prática usada principalmente para cultivos destinados à exportação, apresentando como vantagens: aumentar a velocidade de desenvolvimento dos frutos; evitar o ataque de pragas (abelha irapuá, tripes, etc.) e melhorar a qualidade geral da fruta pela redução dos danos relacionados com raspões, queimaduras no fruto pela fricção de folhas dobradas, escoras e processo de corte do cacho e seu manuseio. A operação consiste em se eliminar a última penca, deixandose apenas um "dedo", que permitirá a circulação normal da seiva (ALVES, 2000). Para o ensacamento da graviola são utilizados sacos plásticos translúcidos perfurados no fundo, quando os frutos tiverem cerca de 3 a 5 cm (SACRAMENTO, 2000). Em tomateiros, visando o controle das pragas dos frutos Neoleucinodes elegantalis (broca-pequena) e Helicoverpa zea (broca-grande), Jordão & Nakano (2000) testaram o efeito do ensacamento de pencas de tomates, associadas ou não a repelentes. Houve redução do ataque dessas pragas com resultados semelhantes ao nível controle químico padrão. Para a proteção dos cachos de uva contra a ação de insetos, pássaros e de moléstias criptogâmicas na fase de maturação, Marengo (2002) recomenda o uso de plásticos transparentes. Além da finalidade fitossanitária, o ensacamento serve para manter a uniformidade de coloração (RIVADULLA, 1996, citado por JORDÃO; NAKANO, 2000). Na cultura da alcachofra, Isechi et al. (1998) recomendam o ensacamento dos botões ou inflorescências (partes comestíveis) com sacos de papel para preservar a sua cor roxa característica, que assegura melhor preço no mercado. Para a proteção do marmelo, Duarte (2000) recomenda o ensacamento quando os frutos apresentarem cerca de 4 cm de diâmetro, usando-se saquinhos de papel impermeável, de 20x25 cm. Na cultura do maracujazeiro, ensacam-se os frutos para protegê-los das moscas-das-frutas e do percevejo-do-maracujá, Diactor bilineatus (JORDÃO; NAKANO, 2000). 4 resgates históricos Bettio O senhor Valter José Souza Bettio, 57 anos, produtor de frutas e hortaliças da terceira geração de uma família de horticultores, filho de Vitório Quinto Simone Bettio, da Vila Nova, e agora próximo ao Bairro Restinga, em Porto Alegre (RS), recorda que até a década de 60 praticamente toda produção de pêssego era ensacada para impedir o ataque da moscadas-frutas. 55

4 56 Protegiam cerca de frutos por safra, sendo este trabalho feito, na maior parte das vezes, por mulheres que chegavam a empapelar frutos/dia. Esta prática, segundo ele, exigia muita habilidade, tanto para ensacar, como identificar o momento certo da colheita, com a observação da cor da casca da fruta através do saco de papel. As principais variedades cultivadas e ensacadas na metade do século passado eram: 15 de Outubro; 15 de Novembro; Delicioso; Maracotão. Para ele, atualmente, o custo alto da mão-de-obra, o tamanho dos pomares e o preço final da fruta impedem a aplicação desta prática. Moresco O senhor José Moresco, 48 anos, outro produtor de família tradicional na fruticultura, recorda que seu avô utilizava o ensacamento dos frutos em todo pomar. Chegaram a ensacar 5 ha de pêssegos, além de 1 ha de pêras. Observava que, além do controle das moscas, a cor e o sabor das frutas também melhoravam e as frutas eram comercializadas ensacadas. Girelli Na região da Serra do Rio Grande do Sul, a prática do ensacamento também é antiga, como nos conta o senhor Alcides Girelli, 50 anos, de Bento Gonçalves, hoje fruticultor em Muçum. De família com tradição na fruticultura, confirma que seu pai e avô utilizavam o ensacamento de frutas. Atualmente ensaca cerca de goiabas/ano. Engel No outro lado do Rio Caí, na localidade de Sertão Capivara, hoje município de Portão, cerca de 20 Km do porto de São Sebastião do Caí, a família de Reinaldo Engel também fazia do ensacamento uma prática comum para proteger as laranjas, chegando a ensacar frutas/ano. Um dos descendentes, o senhor Lauro Engel, 69 anos, citricultor, juntamente com seus filhos e genros, ainda hoje continua ensacando frutos da variedade Murcott. Em 2002, foram unidades, vendidas em novembro, ao preço médio de R$ 25,00/cx de 25 kg. Höerlle No Vale do Caí, principal região produtora de citros, o ensacamento de frutos era utilizado em quase todos os pomares de laranjas Valência e Natal, ou Natal Umbigo, desde a primeira metade do século XX. Relatam os irmãos Pedro Arno Höerlle, 75 anos, e Jorge Renato Höerlle, 55 anos, que seu pai, senhor Ernesto Höerlle, também filho de citricultores e pioneiro no cultivo da laranja Valência na região, passou a utilizar a prática do ensacamento, incentivado por um missionário evangélico, o pastor Droerte, vindo da Alemanha, que mencionava ser comum, naquele país, a utilização de sacos em maçãs, pêras e em outras frutas de clima temperado. Durante bom tempo, seu pai foi "taxado de louco" por ensacar a safra dessas duas variedades de laranjas tardias. Em 1952, quando era comum esta prática na região, ele mandou vir da Alemanha uma "máquina" para cortar os arames utilizados no ensacamento. cartuchos eram preparados geralmente à noite pelas famílias, com folhas de jornal ou revistas e colados com goma feita de polvilho. Naquela época, 100% dos produtores ensacavam seus frutos tardios e conseguiam vender grande parte das laranjas na época de Natal e até mesmo em fevereiro e março. A senhora Miriam Höerlle, de origem dinamarquesa, esposa de Jorge Höerlle e moradora na localidade de Bananal, na época município de Montenegro, trabalhou muitos anos com uma "equipe" de ensacadoras, já que esta prática era feita, na maioria das vezes, por

5 mulheres. Chegava a ensacar até laranjas em 10 horas de serviço diário e cerca de frutos/safra. Naquela época, todo transporte de laranjas era feito com barcos através dos rios Caí e Guaíba, levando de 6 a 7 horas até o cais do Mercado das Frutas, em Porto Alegre, onde esperavam os carroceiros e comerciantes para adquirirem as frutas que eram vendidas por unidade (milheiros). Para os compradores e consumidores acreditarem que os frutos não estavam "bichados", deixavam muitos frutos ensacados até o varejo. 5 tipos de sacos de papel Empresa Plastipel, de Vacaria (RS), pode-se estimar em o número de sacos de papel vendidos anualmente pelas indústrias para o ensacamento de frutos no Rio Grande do Sul. Incluindo-se a produção artesanal feita de papel jornal, ainda usada nos citros, podese estimar em 6 milhões de frutos ensacados por ano. Em ordem de expressão no ensacamento de frutos, a goiaba é a mais protegida, seguida pela pêra, pêssego, tangerina Murcott, caqui, maçã, laranja Valência, uva, entre outras em menor escala. Atualmente, existem no comércio vários tipos de sacos de papel, confeccionados por diversas firmas e destinados ao ensacamento de pêssego, ameixa, goiaba, laranja, bergamota, pêra, maçã, caqui, entre outras frutas, que precisam ser protegidas das pragas. principais tipos são de papel encerado, branco ou "glassine" 40g/m2 e o papel pardo. tamanhos são variáveis conforme a espécie e variedade da fruta. Por exemplo: 35x18 cm (pêssego, ameixa, goiaba); 35x22 cm (goiaba); 40x24 cm (pêra, caqui, bergamota). 6 A dimensão da prática Conforme informações obtidas junto à A ALVES, S. A. M. Cultura da banana Disponínvel em: < tratos.htm>. Acesso em 27 de novembro de Brsil ANVISA-Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria n.º 177, de 4 de março de Diário Oficial da União, Brasilia DF, 08 março Secá 1 7 Referências DUARTE, A. C. Moléstias e pragas do marmeleiro. Revista Campo,Porto Alegre n.16, Ano 2, 1966, p EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Fruteiras de Clima Temperado. Cartilha do produtor de pêssego. Pelotas, RS, p. (EMBRAPA-CNPFT. Documentos, 36). 57

6 GONÇALVES, O.; KOBER, E.; VARGAS, E. O controle da mosca das frutas em citrus. A Granja, Porto Alegre, (133): GÜNTHER, E. F. Combate biológico à mosca da fruta (Anastrepha). Correio do Povo (Suplemento Rural), Porto Alegre ISECHI, K., PAIVA, L. C., MALUF, W. R. Como plantar alcachofra. 1 ed. UFLA (Boletim Técnico de Hortaliças, 11). JORDÃO, L. A.; NAKANO, O. Controle de pragas dos frutos do tomateiro pelo ensacamento das pencas. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, Piracicaba, v.29, n.4, p , dez LORENZATO, D. Controle integrado de moscas-das-frutas em frutíferas rosáceas. Porto Alegre, IPAGRO, Porto Alegre 31: MARENGO, E. A. Calendário de tratos culturais em videiras.disponível em: < calendario.htm.> Acesso em PIZA JUNIOR, C. T. & KAVATI, R. Goiaba de mesa (Psidium guajava L.). Disponível em:< Acesso em RIVADULLA, P. S. Presente y futuro del sector de la uva de mesa del Vinapó Frut. Prof. nº 83: p35-39, ROSA, J. I. da. Ensacamento de frutos. Porto Alegre. EMATER/RS,2002. (Informativo DAT, 70). SACHS, HERTER, F. G. Et al. A cultura do pessegueiro. Pelotas, CNPFT, 1984, 156p. (Circular Técnica, 10). SACRAMENTO, C. K. do. Graviola. CEPLAC, Jornal do CEPLAC Notícias, jul Internet: < graviloa.htm>. Acesso em SALLES, L. A. Principais pragas da ameixeira, pessegueiro, pereira e seu controle. Apostila, 19f. s.d. SHIZUTO, M. Fruticultura. 2.ed. Campinas: Instituto Campineiro de Ensino Agrícola, 1973, v.3, 371p. SILVA, D. N. da. A cultura da goiabeira. Vitória:EMATER-ES p. TRÉS, F. Mosca das frutas. Niterói: EMATER-RIO, p. (Agropecuária fluminense, 10). 1 Atualmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), visando preservar a saúde do consumidor, regulamentaram o uso de embalagens e equipamentos celulósicos destinados a entrar em con- Notas tato com alimentos e matérias-primas para alimentos, determinando que nenhum componente da embalagem poderá conter resíduos prejudiciais ao produto acondicionado e/ou à saúde humana. (Portaria ANVISA n.º 177/99; Portaria MA n.º 127/91). 58

221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA

221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer RESUMO 221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA Enilton Fick Coutinho

Leia mais

Copyright WISER. All Rights Reserved.

Copyright WISER. All Rights Reserved. Copyright WISER. All Rights Reserved. Marciano Marques Bittencourt Engenheiro Agrônomo 17 anos Atuação Fruticultura e Horticultura no SUL Sediado em São Joaquim - SC MOLECULAS DE ORIGEM NATURAL HIDRÓLISE

Leia mais

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG COMPRA DE HORTIFRUTICOLAS PARA A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ESPECIFICAÇÃO DO EDITAL CEASA MG CEAGESP ABACAXI PÉROLA OU HAWAÍ: De Primeira; Graudo. Classificação: Grupo I (Polpa Amarela), Subgrupo: Colorido (Até

Leia mais

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Luan Cruvinel Miranda (1) ; Mateus Murilo Rosa (1) ; Ricardo Monteiro Corrêa (2) (1) Estudante de Agronomia. Instituto Federal

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 FRUTICULTURA Elaboração: Eng. Agr. Paulo Fernando de Souza

Leia mais

No Brasil, as frutas e

No Brasil, as frutas e FRUTAS E HORTALIÇAS: FONTE DE PRAZER E SAÚDE No Brasil, as frutas e hortaliças frescas são produzidas, em diferentes épocas do ano, por milhares de pequenos produtores, distribuídos por todo o país. A

Leia mais

PROCEDÊNCIA E PERDAS PÓS-COLHEITA DE PRODUTOS HORTIFRUTÍCOLAS COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE BARRA DO BUGRES-MT

PROCEDÊNCIA E PERDAS PÓS-COLHEITA DE PRODUTOS HORTIFRUTÍCOLAS COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE BARRA DO BUGRES-MT PROCEDÊNCIA E PERDAS PÓS-COLHEITA DE PRODUTOS HORTIFRUTÍCOLAS COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE BARRA DO BUGRES-MT Philipe dos Santos 1 (EALI/UNEMAT) ph_sinop@hotmail.com Elayne Vicente Siqueira 2 (EALI/UNEMAT)

Leia mais

Desperdício de Alimentos no Brasil um desafio político e social a ser vencido

Desperdício de Alimentos no Brasil um desafio político e social a ser vencido Desperdício de Alimentos no Brasil um desafio político e social a ser vencido ¹Antonio Gomes Soares A diminuição da disponibilidade de alimentos é um problema que se agrava com a expansão da população

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação ANEXO I. Especificação Técnica

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação ANEXO I. Especificação Técnica ANEXO I Especificação Técnica UNIDADES ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ABACAXI: Fruto colhido maduro, o que é indicado quando a malha do fruto estiver aberta; o padrão desejado são frutos com peso acima de 1,8 (um

Leia mais

COLEÇÕES DE FRUTEIRAS E EXPERIMENTOS INSTALADOS NO CAMPO EXPERIMENTAL DE SILVA JARDIM, DA PESAGRO-RIO

COLEÇÕES DE FRUTEIRAS E EXPERIMENTOS INSTALADOS NO CAMPO EXPERIMENTAL DE SILVA JARDIM, DA PESAGRO-RIO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 43 - março/2015 - Niterói - RJ COLEÇÕES DE FRUTEIRAS E EXPERIMENTOS INSTALADOS NO CAMPO EXPERIMENTAL DE SILVA JARDIM, DA PESAGRO-RIO 1 1 1 Alcílio Vieira ; Jerônimo Graça

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 03/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 101312/2014-81 VIGÊNCIA: 01/04/2015 a 31/03/2016 A.L.M. CORTEZ - HORTIFRUTIGRANJEIROS - ME CNPJ: 08.453.366/0001-28 ITEM ESPECIFICAÇÃO QUANT.

Leia mais

Relatório sobre o projeto: Combate ao desperdício de alimentos

Relatório sobre o projeto: Combate ao desperdício de alimentos SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE EE LÚCIA SILVA DE ASSUMPÇÃO Rua José de Alencar, n.º 830 - Pirapozinho SP Fone: (018) 3269-1374 - CEP 19200-000 Relatório

Leia mais

Data: ABN. Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados

Data: ABN. Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados Veículo: Assunto: Data: ABN 28/09/2012 Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados http://www.abn.com.br/editorias1.php?id=71860 Que o Brasil há muitos anos produz cafés de qualidade excepcional

Leia mais

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br.

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br. Avaliação de Pragas em uma Cultura de Milho para Produção de Sementes. BELLIZZI, N. C. 1, WINDER, A. R. S. 2, PEREIRA JUNIOR, R. D. 2 e BARROS, H. A. V. 2. 1 Docente do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

Comercialização do Tomate de Mesa no Entreposto Terminal de São Paulo

Comercialização do Tomate de Mesa no Entreposto Terminal de São Paulo Comercialização do Tomate de Mesa no Entreposto Terminal de São Paulo Engenheiro Agrônomo Paulo Roberto Ferrari Centro de Qualidade, Pesquisa & Desenvolvimento Volume comercializado ETSP de frutas, hortaliças,

Leia mais

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS 1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS Organização de Produtores para produção e comercialização de laranjas in natura. MAURÍLIO SOARES GOMES - Engenheiro Agrônomo JOSÉ ROBERTO GOLFETE - Técnico

Leia mais

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 1 Universidade Estadual de Ponta Grossa - Professor Doutor Associado Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade

Leia mais

Registros de Agrotóxicos para Jardinagem Amadora - Lei 6.360/76 - Lei 7.802/89 SITUAÇÃO ATUAL

Registros de Agrotóxicos para Jardinagem Amadora - Lei 6.360/76 - Lei 7.802/89 SITUAÇÃO ATUAL Registros de Agrotóxicos para Jardinagem Amadora - Lei 6.360/76 - Lei 7.802/89 SITUAÇÃO ATUAL Iscas Formicidas para o controle de formigas cortadeiras uso irregular/desvio de uso produtos irregulares registros

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

CLIPPING De 20 de abril de 2015

CLIPPING De 20 de abril de 2015 CLIPPING De 20 de abril de 2015 VEÍCULO DATA 18/04/2015 2 3 4 5 6 VEÍCULO EDITORIA Negócios/Castilho DATA 17/04/2015 Fabricantes de arcos de violinos da Europa conhecem Pau Brasil do IPA Itapirema A comitiva

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR CÍTRICO DO MUNICÍPIO DE MATINHAS E MICRORREGIÃO DO BREJO PARAIBANO

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR CÍTRICO DO MUNICÍPIO DE MATINHAS E MICRORREGIÃO DO BREJO PARAIBANO CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR CÍTRICO DO MUNICÍPIO DE MATINHAS E MICRORREGIÃO DO BREJO PARAIBANO DAL MONTE 1, Hélio Luiz Beretta FERNANDES 2, Inês Leal de Andrade GOMES 3, Jairo

Leia mais

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP Página 1 de 10 Controle Integrado de Pragas CIP Página 2 de 10 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

CLIPPING De 20 de fevereiro de 2015

CLIPPING De 20 de fevereiro de 2015 CLIPPING De 20 de fevereiro de 2015 19/02/2015 IPA está distribuindo Orelha de Elefante Mexicano para os agricultores da área de sequeiro Os agricultores que fazem parte da jurisdição do IPA Petrolina

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DA ABRACEN RIO GRANDE DO SUL

ENCONTRO NACIONAL DA ABRACEN RIO GRANDE DO SUL ENCONTRO NACIONAL DA ABRACEN RIO GRANDE DO SUL PADRONIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DOS ALIMENTOS Eng. Ms. Agrônomo Gustavo Costa de Almeida PORTO ALEGRE, 12/12/2012 Tecnologia da informação INFORMAÇÃO INFORMAÇÃO

Leia mais

Produzir com Qualidade, Necessidade para Sobreviver. Implicações técnicas, etapas para as certificações PIM e EurepGap

Produzir com Qualidade, Necessidade para Sobreviver. Implicações técnicas, etapas para as certificações PIM e EurepGap Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina Gerência Regional de Caçador Estação

Leia mais

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado*

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* ISSN 1678-9636 Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* 49 O feijoeiro é uma das principais culturas plantadas na entressafra em sistemas irrigados nas regiões Central e Sudeste do Brasil.

Leia mais

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE PÃES ARTESANAIS PULVERIZADOS COM EXTRATOS ALCOÓLICOS DE ERVAS AROMÁTICAS E CONDIMENTARES 1

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE PÃES ARTESANAIS PULVERIZADOS COM EXTRATOS ALCOÓLICOS DE ERVAS AROMÁTICAS E CONDIMENTARES 1 AVALIAÇÃO SENSORIAL DE PÃES ARTESANAIS PULVERIZADOS COM EXTRATOS ALCOÓLICOS DE ERVAS AROMÁTICAS E CONDIMENTARES 1 RESUMO Rita de Cássia Zanúncio Araujo 2 Sára Maria Chalfoun de Souza 3 Joelma Pereira 4

Leia mais

Embrapa Mandioca e Fruticultura e a Cooperação Internacional. Tecnologia da Raiz ao Fruto

Embrapa Mandioca e Fruticultura e a Cooperação Internacional. Tecnologia da Raiz ao Fruto Embrapa Mandioca e Fruticultura e a Cooperação Internacional Tecnologia da Raiz ao Fruto Viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para a sustentabilidade da agricultura, com foco em

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA LARANJEIRA PÊRA EM FUNÇÃO DE PORTAENXERTOS NAS CONDIÇÕES DE CAPIXABA, ACRE.

DESENVOLVIMENTO DA LARANJEIRA PÊRA EM FUNÇÃO DE PORTAENXERTOS NAS CONDIÇÕES DE CAPIXABA, ACRE. DESENVOLVIMENTO DA LARANJEIRA PÊRA EM FUNÇÃO DE PORTAENXERTOS NAS CONDIÇÕES DE CAPIXABA, ACRE. ROMEU DE CARVALHO ANDRADE NETO 1 ; ANA MARIA ALVES DE SOUZA RIBEIRO 2 ; CAROLINY IZABEL ARAÚJO DE FREITAS

Leia mais

Programa de Rotulagem

Programa de Rotulagem Programa de Rotulagem O rótulo é a identidade do alimento O rótulo identifica o produto, a sua quantidade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma exigência da lei que deve ser cumprida

Leia mais

CRÉDITO RURAL: DESAFIANDO UM PARADIGMA SOCIAL, ECONOMICO E AMBIENTAL PARA SUSTENTABILIDADE

CRÉDITO RURAL: DESAFIANDO UM PARADIGMA SOCIAL, ECONOMICO E AMBIENTAL PARA SUSTENTABILIDADE CRÉDITO RURAL: DESAFIANDO UM PARADIGMA SOCIAL, ECONOMICO E AMBIENTAL PARA SUSTENTABILIDADE INTRODUÇÃO O crédito rural é um importante instrumento para fomentar atividades e proporcionar a realização de

Leia mais

TOMATE, UM MERCADO QUE NÃO PÁRA DE CRESCER GLOBALMENTE

TOMATE, UM MERCADO QUE NÃO PÁRA DE CRESCER GLOBALMENTE TOMATE, UM MERCADO QUE NÃO PÁRA DE CRESCER GLOBALMENTE O Brasil está entre os dez maiores produtores mundiais, mas precisa vencer alguns desafios para tornar-se um importante player no mercado global Por

Leia mais

ESTAÇÃO DE AVISOS DE CASTELO BRANCO

ESTAÇÃO DE AVISOS DE CASTELO BRANCO CIRCULAR Nº 14 / 2009 CASTELO BRANCO, 22 DE JULHO 1 PRUNÓIDEAS Pessegueiros 1.1 - Mosca da fruta (Ceratitis capitata ) As condições climáticas são favoráveis ao aparecimento da mosca da fruta. Já registámos

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

O USO DA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL: O CASO DA CARNE DO PAMPA GAÚCHO

O USO DA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL: O CASO DA CARNE DO PAMPA GAÚCHO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 O USO DA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL: O CASO DA CARNE DO PAMPA GAÚCHO Andréia Moreira da Fonseca Boechat 1, Yony Brugnolo Alves

Leia mais

Cadeia Agroindustrial de Citros

Cadeia Agroindustrial de Citros Cadeia Agroindustrial de Citros O impulso da citricultura no Brasil, especialmente em sua principal região produtora São Paulo -, deveu-se à instalação das indústrias de suco de laranja concentrado na

Leia mais

A criação de cobaias (porquinhos-da-índia) em zonas urbanas e periurbanas

A criação de cobaias (porquinhos-da-índia) em zonas urbanas e periurbanas A criação de cobaias (porquinhos-da-índia) em zonas urbanas e periurbanas Lilia Chauca Francia e Marco Dulanto Bautista Instituto Nacional de Investigación Agraria INIA, PERU Foto: T Pinzas A criação e

Leia mais

Janeiro de 2013 Volume 01

Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento - Conab Dipai - Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 RELATÓRIO TÈCNICO Técnico: João Adolfo Kasper Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 Objetivo: Realizar o 5º Levantamento da Safra 2004/2005 sendo a 3ª avaliação para as culturas, Arroz Sequeiro, Milho

Leia mais

Logistica e Distribuição. Definição de embalagem. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993. Outras funções da embalagem são:

Logistica e Distribuição. Definição de embalagem. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993. Outras funções da embalagem são: Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Embalagem Primárias Apoio 1 2 Definição de embalagem A embalagem é um recipiente ou envoltura que armazena produtos temporariamente

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas

Manejo Integrado de Pragas Universidade Federal de Viçosa Departamento de Biologia Animal BAN 160 Entomologia Geral Manejo Integrado de Pragas Prof. Eliseu José G. Pereira eliseu.pereira@ufv.br O que é? Exemplos Organismo Praga

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

A COMERCIALIAÇÃO DO MARACUJÁ AMARELO NA CEASA DE RIBEIRÃO PRETO S.P.

A COMERCIALIAÇÃO DO MARACUJÁ AMARELO NA CEASA DE RIBEIRÃO PRETO S.P. A COMERCIALIAÇÃO DO MARACUJÁ AMARELO NA CEASA DE RIBEIRÃO PRETO S.P. GISELLE SMOCING ROSA(CPF: 218131888-31) MARIA INEZ ESPAGNOLI GERALDO MARTINS (CPF: 748443508-20) FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS

Leia mais

OS QUILOMBOS E A FRUTICULTURA

OS QUILOMBOS E A FRUTICULTURA OS QUILOMBOS E A FRUTICULTURA VAREIRO,Jéssica Davalos 1 ; OLIVEIRA, Euclides Reuter 2 ; FORNASIERI, José Luiz 2 ; RAMOS, Marisa Bento Marins 3 ; MONÇÃO,Flávio Pinto 4 ; PIESANTI, Gustavo Henrique Leite

Leia mais

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU Wadson de Menezes Santos 1 ; Maria Priscilla Celestino Silveira 1 ; Raul Santos Macedo 2 ; Christtianno de Lima Rollemberg

Leia mais

Levantamento da Fruticultura Comercial do Rio Grande do Sul

Levantamento da Fruticultura Comercial do Rio Grande do Sul SÉRIE REALIDADE RURAL VOLUME 28 Levantamento da Fruticultura Comercial do Rio Grande do Sul Paulo Lipp João (Coordenação) José Ivan da Rosa Valdecir Carlos Ferri Macael Divan Martinello Porto Alegre, 2002.

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão Ministério

Leia mais

USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL

USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL Londrina, Outubro de 2.015. Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural - Paraná Agente de ATER - PAULO ROBERTO MRTVI INSCRIÇÃO DADOS DA

Leia mais

DIAGNÓSTICO QUALITATIVO DA SITUAÇÃO DE DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NA EMPASA/JP

DIAGNÓSTICO QUALITATIVO DA SITUAÇÃO DE DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NA EMPASA/JP DIAGNÓSTICO QUALITATIVO DA SITUAÇÃO DE DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NA EMPASA/JP MARTINS, Marcus Vinicius de Oliveira 1, GOMES, Liana Santos do Nascimento 1, SUCUPIRA, Weslley Ferreira Martins 2, NASCIMENTO,

Leia mais

PÓL Ó O L O DE E UVA V DE E ME M S E A E E VI V N I HO NO O ES E T S A T DO DO ES E P S ÍR Í IT I O O SAN A TO T

PÓL Ó O L O DE E UVA V DE E ME M S E A E E VI V N I HO NO O ES E T S A T DO DO ES E P S ÍR Í IT I O O SAN A TO T PÓLO DE UVA DE MESA E VINHO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pólo de Uva de Mesa e Vinho no Estado do Espírito Santo IMPORTÂNCIA ECONÔMICA E SOCIAL IMPORTÂNCIA ECONÔMICA SOCIAL Transformar o Estado do Espírito

Leia mais

Apoio à Citricultura Paulista: subvenção ao prêmio de seguro de sanidade 1

Apoio à Citricultura Paulista: subvenção ao prêmio de seguro de sanidade 1 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Apoio à Citricultura Paulista: subvenção ao prêmio de seguro de sanidade 1 A expansão do agronegócio brasileiro nos últimos anos tem sido marcante,

Leia mais

Considerando que o descarte de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais;

Considerando que o descarte de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais; RESOLUÇÃO N 037/2009 - SEMA Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O Secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO MEPITEL

INSTRUÇÕES DE USO MEPITEL VERSÃO 1 INSTRUÇÕES DE USO MEPITEL Nome técnico: Curativo Nome comercial: Mepitel Verifique no rótulo do produto a versão da instrução de uso correspondente. Não utilize instrução de uso com versão diferente

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO Fredy Moreinos Netafim Brasil Sist. Equips. Irrigação Ltda Rua Salvador Scaglione, 135 14066-446 Ribeirão Preto SP 55 16 2111.8000 netafim@netafim.com.br O Brasil

Leia mais

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Mercado Volante de Hortigranjeiros. Autor: Equipe da Ceasa/DF

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Mercado Volante de Hortigranjeiros. Autor: Equipe da Ceasa/DF Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Companhia Nacional de Abastecimento Conab Diretoria de Gestões de Estoques Diges Superintendência de Programas Institucionais e Sociais de Abastecimento

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SOLÂNEA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SOLÂNEA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOLÂNEA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N.º 01/2011 PARA AQUISIÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR COM DISPENSA

Leia mais

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013.

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. Ano II 20 de maio de 2013. Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. A Ampasul participou do 11º Encontro dos cotonicultores da região de Paranapanema/SP e pode ver que naquela região os produtores

Leia mais

MANEJO E MONITORAMENTO DE MOSCAS-DAS-FRUTAS. Adalton Raga & Miguel Francisco de Souza Filho

MANEJO E MONITORAMENTO DE MOSCAS-DAS-FRUTAS. Adalton Raga & Miguel Francisco de Souza Filho MANEJO E MONITORAMENTO DE MOSCAS-DAS-FRUTAS Adalton Raga & Miguel Francisco de Souza Filho Instituto Biológico, Centro Experimental Central do Instituto Biológico, CP 70, CEP 13001-970, Campinas, SP, Brasil.

Leia mais

FERRAMENTAS PARA PODA E ENXERTIA. Procurar as empresas nos links da internet

FERRAMENTAS PARA PODA E ENXERTIA. Procurar as empresas nos links da internet FERRAMENTAS PARA PODA E ENXERTIA Procurar as empresas nos links da internet http://www.limmat.com.br/ Tesoura de poda grossos Serrote de poda para ramos Figura 1: Extensão Telescópico Profissional Extensão

Leia mais

SELEÇÃO DE PERMISSIONÁRIOS PARA FEIRA ORGANICA EDITAL DE REGULAMENTO

SELEÇÃO DE PERMISSIONÁRIOS PARA FEIRA ORGANICA EDITAL DE REGULAMENTO Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Abastecimento Departamento de Unidades de Abastecimento Gerencia de Controle de Qualidade Rua General Carneiro, 938 - Centro 80060-150 Curitiba

Leia mais

Presença indesejável no Brasil

Presença indesejável no Brasil Presença indesejável no Brasil Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos mosca-branca (Bemisia argentifolii) é uma velha conhecida da comunidade científica. Os problemas que causa à agricultura

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR

INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR Importador: Lamedid Comercial e Serviços Ltda. Endereço: Av. Gupê, nº 10767 Galpão 20, Bloco IV Jardim Belval Município: Barueri SP -CEP: 06422-120

Leia mais

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2.

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2. I N F O R M A T I V O Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição Agricultura Página 2 O Dragão está em xeque? Prezados

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM

INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM ZF do BRASIL Ltda INSTRUÇÕES DE EMBALAGEM Versão 1 Sumário Dados gerais de Embalagem... 3 Notas Fiscais (NF-e) para Embalagens... 3 Fluxo com Embalagens do Fornecedor / ZF... 3 Embalagens de Propriedade

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Utilização de jato de água e ar no controle de cochonilhas farinhentas em videira

Utilização de jato de água e ar no controle de cochonilhas farinhentas em videira 243 Utilização de jato de água e ar no controle de cochonilhas farinhentas em videira Utilização de jato de água e ar no controle de cochonilhas farinhentas em videira Use of water and air to control mealybugs

Leia mais

agricultura familiar

agricultura familiar saúde A importância da agricultura familiar na merenda escolar Iniciativas em Santa Rosa do Viterbo são exemplos de sucesso Por Danielle Lautenschlaeger Inúmeras famílias brasileiras ainda obtêm sua renda

Leia mais

Levantamento de Indicadores de Sustentabilidade no Assentamento Antonio Conselheiro, Município de Barra do Bugres 1

Levantamento de Indicadores de Sustentabilidade no Assentamento Antonio Conselheiro, Município de Barra do Bugres 1 Levantamento de Indicadores de Sustentabilidade no Assentamento Antonio Conselheiro, Município de Barra do Bugres 1 B. R. WINCK (1) ; M. Rosa (2) ; G. LAFORGA (3), R. N. C. FRANÇA (4), V. S. Ribeiro (5)

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO SUREG-ES. BRÍCIO ALVES DOS SANTOS JÚNIOR - Superintendente

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO SUREG-ES. BRÍCIO ALVES DOS SANTOS JÚNIOR - Superintendente CONJUNTURA CACAU NO ESPÍRITO SANTO Agosto/2015 SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO SUREG-ES BRÍCIO ALVES DOS SANTOS JÚNIOR - Superintendente KERLEY MESQUITA DE SOUZA Assistente e Técnico de Operações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO, ACEITABILIDADE E INTENÇÃO DE COMPRA DE DOCE DE BANANA EM MASSA ADICIONADO DE AMENDOIM

DESENVOLVIMENTO, ACEITABILIDADE E INTENÇÃO DE COMPRA DE DOCE DE BANANA EM MASSA ADICIONADO DE AMENDOIM DESENVOLVIMENTO, ACEITABILIDADE E INTENÇÃO DE COMPRA DE DOCE DE BANANA EM MASSA ADICIONADO DE AMENDOIM SILVA, W.J. 1 ; GONÇALVES, C.A.A. 2 ; SILVA, M.B. L. 3 ; PEREIRA, E.A.A. 4 ; MANZAN, J.R.G. 5 ; SILVA,

Leia mais

PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011

PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011 Estado do Rio Grande do Sul CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011 Boletim de Informações

Leia mais

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR www.rehau.com.br Construção Automotiva Indústria DESIGN PARA MÓVEIS DA REHAU: SOLUÇÕES INOVADORAS DE SISTEMAS NO MESMO LOCAL A REHAU se estabeleceu como a principal

Leia mais

ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE ROMÃ (Punica Granatum L.)... 611

ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE ROMÃ (Punica Granatum L.)... 611 ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE ROMÃ (Punica Granatum L.).... 611 ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE ROMÃ (Punica Granatum L.). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios/Apta will.takata@gmail.com narita@apta.sp.gov.br

Leia mais

Nº 06. sistema agroflorestal

Nº 06. sistema agroflorestal EMEIO AMBIENT Nº 06 sistema agroflorestal Em uma sala de aula na zona rural... Bom dia! Bom dia, professor! Hoje vamos falar sobre o futuro do planeta! O senhor disse que iríamos estudar agricultura e

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

Rastreabilidade e Segurança Alimentar. Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP

Rastreabilidade e Segurança Alimentar. Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP Rastreabilidade e Segurança Alimentar Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP Algumas constatações O cumprimento das exigências legais é dever de cada cidadão.

Leia mais

Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia IDARON Secretaria de Agricultura, Pecuária e Regularização Fundiária -SEAGRI

Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia IDARON Secretaria de Agricultura, Pecuária e Regularização Fundiária -SEAGRI Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia IDARON Secretaria de Agricultura, Pecuária e Regularização Fundiária -SEAGRI GERÊNCIA DE INSPEÇÃO E DEFESA SANITÁRIA VEGETAL Programa

Leia mais

A CULTURA DA GOIABEIRA

A CULTURA DA GOIABEIRA Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz A CULTURA DA GOIABEIRA Prof. Angelo Pedro Jacomino Centro de Origem região tropical da América: sul do México até sul do Brasil

Leia mais

Unidade móvel de tratamento de água por diatomácea

Unidade móvel de tratamento de água por diatomácea Unidade móvel de tratamento de água por diatomácea A UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO DE TRATAMENTO DE ÁGUA POR DIATOMÁCEA A Útil/Tetis instalou-se no Rio de Janeiro, como representante das empresas estrangeiras

Leia mais

S I M U L A D O UVA. Conhecimento Específico 1 Geografia INSTRUÇÕES

S I M U L A D O UVA. Conhecimento Específico 1 Geografia INSTRUÇÕES Conhecimento Específico 1 Geografia INSTRUÇÕES UVA S I M U L A D O 1. Leia com atenção as instruções e observe se na sua prova encontram-se todas as questões previstas e se há falhas ou imperfeições gráficas

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: e-mail: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: e-mail: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO TÍTULO: AGRICULTURA ORGÂNICA: ALTERNATIVA DE RENDA NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO TRIÂNGULO MINEIRO E ALTO PARANAÍBA AUTORES: Gabriel José Barbosa, Murilo M. O. de Souza e David G. Francis e-mail: jbarbosa@bol.com.br,

Leia mais

DIÁRIO DE CAMPO: FERRAMENTA PARA DESENVOLVER O HÁBITO DE REGISTRAR PROCEDIMENTOS NA PRODUÇÃO INTEGRADA. DE MORANGO'

DIÁRIO DE CAMPO: FERRAMENTA PARA DESENVOLVER O HÁBITO DE REGISTRAR PROCEDIMENTOS NA PRODUÇÃO INTEGRADA. DE MORANGO' 102 IX Seminário Brasileiro de Produção Integrada de Frutas DIÁRIO DE CAMPO: FERRAMENTA PARA DESENVOLVER O HÁBITO DE REGISTRAR PROCEDIMENTOS NA PRODUÇÃO INTEGRADA. DE MORANGO' ABREU, A. C. de'; CALEGARIO

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PIRACICABA INTERAÇÃO DE FATORES DE PRODUÇÃO

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 TRANSFERÊNCIA DA TECNOLOGIA DO CONSÓRCIO MILHO SAFRINHA E PLANTAS FORRAGEIRAS PARA PRODUTORES RURAIS POR MEIO DE

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Mepitel Film. Modelos: Mepitel Film 6x7cm, Mepitel Film 10x12cm, Mepitel Film 10x25cm, Mepitel Film 15x20cm

INSTRUÇÕES DE USO. Mepitel Film. Modelos: Mepitel Film 6x7cm, Mepitel Film 10x12cm, Mepitel Film 10x25cm, Mepitel Film 15x20cm INSTRUÇÕES DE USO VERSÃO 1 Mepitel Film Nome Comercial: Mepitel Film Nome Técnico: Curativo Modelos: Mepitel Film 6x7cm, Mepitel Film 10x12cm, Mepitel Film 10x25cm, Mepitel Film 15x20cm Verifique no rótulo

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

O Entreposto Terminal da CEAGESP e as embalagens

O Entreposto Terminal da CEAGESP e as embalagens O Entreposto Terminal da CEAGESP e as embalagens A Corrente da Produção ao Consumo Insumos Tecnologia Produção Transporte Atacado Consumo Varejo Serviço de Alimentação O negócio de frutas e hortaliças

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGEM PLÁSTICA PARA TRANSPORTE E COMERCIALIZAÇÃO DE TOMATE

DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGEM PLÁSTICA PARA TRANSPORTE E COMERCIALIZAÇÃO DE TOMATE Nº 35, dezembro de 1999, p.1-6 DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGEM PLÁSTICA PARA TRANSPORTE E COMERCIALIZAÇÃO DE TOMATE Rita de Fátima Alves Luengo¹ Antônio Willians Moita² Termos para indexação: embalagem, hortaliça,

Leia mais

Manual 6: TREINAMENTO PARA CARREGADORES DE MERCADO

Manual 6: TREINAMENTO PARA CARREGADORES DE MERCADO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Companhia Nacional de Abastecimento Conab Diretoria de Gestões de Estoques Diges Superintendência de Programas Institucionais e Sociais de Abastecimento

Leia mais