NEUROPATIA DIABÉTICA. Dr. Edson Marquez Universidade de Uberaba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NEUROPATIA DIABÉTICA. Dr. Edson Marquez Universidade de Uberaba"

Transcrição

1 NEUROPATIA DIABÉTICA Dr. Edson Marquez Universidade de Uberaba

2 É DEFINIDA COMO A PRESENÇA DE SINAIS E/OU SINTOMAS DE DISFUNÇÃO DOS NERVOS PERIFÉRICOS EM PESSOAS COM DIABETES, APÓS EXCLUSÃO DE OUTRAS CAUSAS. É MANIFESTACÃO FREQUENTE QUE AFETA 40-50% DOS PACIENTES COM DM2 E EM MENOR PROPORÇÃO NOS PACIENTES COM DM1.

3 FATORES DE RISCO DIABETES DE LONGA DATA OBESIDADE HIPERTRIGLICERIDEMIA CETOACIDOSE RETINOPATIA HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPOGLICEMIA

4 PODE SE EXPRESSAR POR: 1. SÍNDROMES DOLOROSAS GRAVES AGUDAS, DECORRENTES DE FLUTUAÇÕES GLICÊMICAS. 2. FORMAS SILENCIOSAS, ACARRETANDO ULCERAÇÕES E AMPUTAÇÕES. 3. COMPRESSÃO GRADUAL DOS NERVOS. 4. ALTERAÇÕES FUNCIONAIS AUTONÔMICAS, DE IMPORTANTES MORBIDADE E MORTALIDADE.

5

6 CLASSIFICAÇÃO FOCAIS E MULTIFOCAIS: SÃO RESTRITAS A DISTRIBUIÇÃO DE UM ÚNICO NERVO OU DE MÚLTIPLOS NERVOS E OCORREM EM PACIENTES MAIS IDOSOS. DECORRE DE VASCULITE OU INFARTO PERINEURAL DE INSTALAÇÃO AGUDA E DOLOROSA E EVOLUÇÃO LIMITADA. SE RESOLVEM ESPONTANEAMENTE ENTRE 6 E 12 SEMANAS E REQUER APENAS TRATAMENTO SINTOMÁTICO. MONONEUROPATIAS: CRANIANAS E MEMBROS. RADICULONEUROPATIAS: TÓRAX E ABDÔMEN. AMIOTROFIA: MOTORA PROXIMAL, FEMURAL.

7 CRANIANAS ACOMETEM PARES CRANIANOS, PROVAVELMENTE POR INFARTOS MICROVASCULARES. OS PARES MAIS AFETADOS SÃO: III (ÓCULO- MOTOR), IV (TROCLEAR), VI ( ABDUCENTE) E O VII (FACIAL). PACIENTES IDOSOS SÃO MAIS AFETADOS. TEM INSTALAÇÃO AGUDA, DOLOROSA E LIMITADA COM RECUPERAÇÃO EM 3 MESES.

8 MEMBROS SEGMENTO SUPERIOR: MEDIANO, ULNAR E RADIAL. SEGMENTO INFERIOR: PERONEAL COMUM, FEMURAL LATERAL CUTÂNEO, SURAL E ISQUIÁTICO. TEM INÍCIO AGUDO E OCORREM DEVIDO A INFARTO OU ISQUEMIA PERINEURAL.

9 NEUROPATIAS COMPRESSIVAS COMPROMETEM NERVOS ISOLADAMENTE E RESULTAM DE TRAUMAS. TEM CARÁTER PROGRESSIVO E PODEM NECESSITAR CIRURGIA. A APRESENTAÇÃO E O DIAGNÓSTICO NÃO DIFEREM ENTRE DIABÉTICOS E NÃO DIABÉTICOS. OS NERVOS MAIS ACOMETIDOS SÃO MEDIANO, ULNAR, PERONEAL, FEMORAL LATERAL CUTÂNEO E FEMORAL.

10 MEDIANO LEVA A SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO. OCORRE DOR INTENSA, EM QUEIMAÇÃO COM PARESTESIAS, COM INTENSIFICAÇÃO GRADUAL ATÉ OS ESTÁGIOS MAIS AVANÇADOS, CARACTERIZADOS POR HIPOTROFIA DE EMINÊNCIA TENAR OU MÃO CAÍDA. MEMBROS INFERIORES O NERVO PERONEAL É O MAIS AFETADO OCORRE FRAQUEZA DA DORSIFLEXÃO E PÉ CAÍDO.

11 NEUROPATIA TRUNCAL CONSTITUEM EVENTOS RAROS, COM ENVOLVIMENTO DAS RAÍZES NERVOSAS DA REGIÃO TORÁCICA, PROVAVELMENTE DE ORIGEM NERVOSA. PODEM SER UNI OU BILATERAIS, SÃO MAIS COMUNS EM IDOSOS E SE ACOMPANHAM DE PERDA DE PESO. OCORRE DOR INTENSA, EM QUEIMAÇÃO, LACINANTE E ASSEMELHA-SE A NEVRALGIA PÓS HERPÉTICA.

12 AMIOTROFIA (NEUROPATIA MOTORA PROXIMAL) OCORRE DOR INTENSA, EM QUEIMAÇÃO, NAS COXAS, ALÉM DE FRAQUEZA MUSCULAR SIGNIFICATIVA, HIPOTROFIA DOS MÚSCULOS DOR QUADRIS E DA COXA, ALÉM DE PERDA PONDERAL SUBSTANCIAL. PROVAVELMENTE OCORRE POR COMPROMETIMENTO DA RAIZ DO NERVO FEMORAL, PELA COMBINAÇÃO DE FATORES METABÓLICOS E VASCULARES, COM ISQUEMIA E INFILTRAÇÃO INFLAMATÓRIA. TEM RECUPERAÇÃO ENTRE 3 E 12 MESES.

13 POLINEUROPATIAS SIMÉTRICAS GENERALIZADAS SENSITIVA AGUDA TEM INÍCIO AGUDO OU SUBAGUDO, DIANTE DO CONTROLE METABÓLICO POBRE OU DESCOMPENSAÇÃO METABÓLICA AGUDA, BEM COMO MELHORA BRUSCA DO CONTROLE GLICÊMICO. O QUADRO DOLOROSO É MUITO IMPORTANTE E TEM EXACERBAÇÕES NOTURNAS OU DURANTE O REPOUSO. PODE SE MANIFESTAR COMO DOR LACINANTE, EM QUEIMAÇÃO, HIPERALGESIA, CHOQUES, AGULHADAS E ALODÍNEA DE CONTATO. TEM RECUPERAÇÃO EM ATÉ 12 MESES.

14 SENSITIVO MOTORA CRÔNICA ESTÁ CLARAMENTE ASSOCIADA EXPOSIÇÃO CRÔNICA A HIPERGLICEMIA, TEM CARÁTER INCIDIOSO E IRREVERSÍVEL E PODE SER UMA DAS MANIFESTAÇÕES DO DM2 AO DIAGNÓSTICO. TEM INCIDÊNCIA DE 17 A 20% APÓS 10 ANOS E 50% APÓS 25 ANOS DE DIABETES. QUADRO CLÍNICO TEM PREDOMÍNIO DO COMPONENTE SENSITIVO. ENVOLVIMENTO MOTOR PIORA A GRAVIDADE DA EVOLUÇÃO. OS NERVOS MAIS LONGOS SÃO MAIS AFETADOS, EXPLICANDO O ENVOLVIMENTO INICIAL DOS MEMBROS INFERIORES, A PARTIR DOS DEDOS DOS PÉS, COM EVOLUÇÃO NO SENTIDO DISTAL-PROXIMAL.

15 CARACTERÍSTICA DOS SINTOMAS A DOR PODE SURGIR EM REPOUSO, MELHORA COM OS MOVIMENTOS E TEM EXACERBAÇÃO NOTURNA OU PODE HAVER INTOLERÂNCIA A ESTÍMULOS SIMPLES E HABITUALMENTE INDOLORES. O ENVOLVIMENTO PERIFÉRICO AUTONÔMICO OCASIONA RESPOSTAS TIPICAMENTE CIRCULATÓRIAS VASOMOTORAS E DE TEMPERATURA REFERIDAS COMO SENSAÇÃO DE ESFRIAMENTO E AQUECIMENTO. A DOR PODE SER VARIÁVEL. A DORMÊNCIA É UM SINTOMA NEGATIVO POR NÃO SER DOLOROSO E NÃO REQUER INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA.

16 NEUROPATIA AUTONÔMICA AS MANIFESTACÕES MAIS COMUNS SÃO AS CARDIOVASCULARES, GASTROINTESTINAIS E GENITOURINÁRIAS. CARDIOVASCULARES. SÃO CAUSADAS POR ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS NO NEURÔNIO AUTONÔMICO PERIFÉRICO, SEM LESÕES ESTRUTURAIS CONHECIDAS. TEM ELEVADA MORTALIDADE POR ARRITMIAS, INFARTOS SILENCIOSOS E MORTE SÚBITA. TAXA DE MORTALIDADE DE 27% EM 10 ANOS.

17 TRATO GASTROINTESTINAL. OCORREM EM 3/4 DOS PACIENTES DIABÉTICOS. MANIFESTAÇÕES MAIS COMUNS SÃO CONSTIPAÇÃO ALTERNADA COM DIARRÉIA EXPLOSIVA E GASTROPARESIA. A GASTROPARESIA É MAIS COMUM E EXPRESSA-SE POR NÁUSEAS, VÔMITOS, SACIEDADE PRECOCE, ERUCTAÇÃO, DISTENÇÃO ABDOMINAL.

18 TRATO GENITOURINÁRIO PODE HAVER HIPOTONIA VESICAL, BEXIGA NEUROGÊNICA, DISFUNÇÃO ERÉTIL E EJACULAÇÃO PRECOCE. DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS SUDORÍPARAS PODE HAVER ANIDROSE, HIPERIDROSE OU SUDORESE GUSTATÓRIA (SUDORESE PROFUSA NA CABEÇA, PESCOÇO E TRONCO APÓS INGESTÃO DE DETERMINADOS ALIMENTOS).

19 SINAIS E SINTOMAS DA NEUROPATIA AUTONÔMICA PERIFÉRICOS VASODILATAÇÃO DORSAL NOS PÉS, ANIDROSE, EDEMA, NEUROSTEOARTROPATIA DE CHARCOT. CARDIOVASCULARES HIPOTENSÃO ORTOSTÁTICA AUMENTO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM ORTOSTATISMO. TAQUICARDIA FIXA EM REPOUSO ECG SINAIS DE INFARTO DO MIOCÁRDIO MAPA AUSÊNCIA DE DESCENSO NOTURNO, PERDA DO RITMO CIRCADIANO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA. RISCO AUMENTADO PARA MORTE SÚBITA.

20 ESÔFAGO GASTROINTESTINAIS DISFAGIA OU PIROSE SENSAÇÃO DE PLENITUDE PÓS-PRANDIAL VÔMITOS INCOERCÍVEIS OBSTIPAÇÃO INTESTINAL DIARRÉIA EXPLOSIVA INCONTINÊNCIA FECAL GENITOURINÁRIA BEXIGA NEUROGÊNICA INFECÇÕES URINÁRIAS RECORRENTES DIMINUIÇÃO DO JATO URINÁRIO REDUZIDA SENSAÇÃO DE PLENITUDE DISTENÇÃO ABDOMINAL DISFUNÇÃO ERÉTIL COM LIBIDO PRESERVADO EJACULAÇÃO RETRÓGRADA SECURA VAGINAL

21 OUTRAS MANIFESTAÇÕES SUDORESE GUSTATÓRIA (FACIAL E TRUNCAL, PÓS-PRANDIAL) ALTERAÇÕES PUPILARES DE ACOMODAÇÃO. HIPOGLICÊMIA DESAPERCEBIDA FALHA AUTONÔMICA FALHA NA RESPOSTA DA CONTRA- REGULAÇÃO HORMONAL, PRINCIPALMENTE EPINEFRINA.

22 ABORDAGEM TERAPÊUTICA CONTROLE METABÓLICO: CONTROLE DA GLICEMIA ÓTIMO E ESTÁVEL. MUDANÇA DE ESTILO DE VIDA: PARAR DE FUMAR, DE INGERIR BEBIDA ALCOÓLICA, INICIAR ATIVIDADES FÍSICAS. EXCLUSÃO DE OUTRAS CAUSAS DE NEUROPATIA: HIPOTIREOIDISMO, ALCOOLISMO, DEFICIÊNCIA DE VITAMINA B 12, HANSENÍASE, AIDS, PORFIRIA, ANEMIA PERNICIOSA, LESÕES TRAUMÁTICAS PRÉVIAS, LESÕES VASCULARES, ETC.

23 TERAPIA MEDICAMENTOSA ANALGÉSICOS SIMPLES E ANTI- INFLAMATÓRIOS. LIMITA-SE AOS QUADROS DE DOR LEVE POIS TEM RESPOSTA POUCO EXPRESSIVA.

24 ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS SÃO CONSIDERADOS DROGAS DE PRIMEIRA LINHA. ATUAM ATRAVÉS DO EFEITO MODULADOR DA ATIVIDADE DOS RECEPTORES NOCICEPTIVOS DAS FIBRAS C E, SOBRETUDO, PELO BLOQUEIO NA RECAPTAÇÃO SINÁPTICA DE NOREPINEFRINA NOS SISTEMAS DESCENDENTES DE CONTROLE DA DOR. AMITRIPTILINA: DOSE INICIAL DE MG A NOITE COM DOSE MÁXIMA DE MG NORTRIPTILINA (PAMELOR): 25 MG 3 A 4 VEZES AO DIA. É CONTRAINDICADA EM PACIENTES COM BEXIGA NEUROGÊNICA, HIPERTROFIA PROSTÁTICA, GLAUCOMA, ARRITMIAS CARDÍACAS.

25 INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA ATUAM INIBINDO A RECAPTAÇÃO PRÉ- SINÁPTICA DE SEROTONINA MAS NÃO DE NOREPINEFRINA. PODEMOS USAR FLUOXETINA, SERTRALINA, PAROXETINA, CITALOPRAM. MENOS EFETIVO QUE OS ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS.

26 INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA E NORADRENALINA VENAFLAXINA (EFEXOR) E DULOXETINA (CYMBALTA) SÃO INDICADOS NA NEUROPATIA DOLOROSA AGUDA ANTICONVULSIVANTES CARBAMAZEPINA (TEGRETOL MG/DIA): USADO NOS CASOS DE DOR MODERADA. CLONAZEPAM (RIVOTRL MG/DIA): NOS CASOS DE CÃIMBRAS OU SÍNDROME DAS PERNAS INQUIETAS. GABAPENTINA (NEUROTIN MG/DIA) É CONSIDERADA MEDICAÇÃO DE PRIMEIRA LINHA JUNTO COM ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS. LAMOTRIGINA (LAMICTAL MG/DIA) TEM BOA EFICÁCIA NO TRATAMENTO DA DOR NEUROPÁTICA.

27 AGENTES ANTIARRÍTMICOS MEXILETINA (MEXITIL MG/DIA) TEM ESTRUTURA ANÁLOGA A LIDOCAÍNA COM AÇÃO SEMELHANTE ÀQUELA NO BLOQUEIO DOS CANAIS DE SÓDIO. OPIÓIDES E OPIÁCEOS SÃO USADOS EM CURTO PERÍODO DE TEMPO E APENAS EM QUADROS RESISTENTES E DE EXTREMA INTENSIDADE DOLOROSA TRAMADOL MG/DIA OXICODONA MG/DIA

28 ALGORÍTMO DE TRATAMENTO NEUROPATIA SINTOMÁTICA EXCLUIR ETIOLOGIAS NÃO DIABÉTICAS ESTABILIZAR CONTROLE GLICÊMICO ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS (AMITRIPTILINA MG AO DEITAR) ANTICONVULSIVANTES (GABAPENTINA 1.8 G/DIA) OPIÓDES OU OPIÓIDES SIMILES (TRAMADOL, OXICODONA) ENCAMINHAR PARA CLÍNICA DE DOR

29 ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES AUTONÔMICAS GASTROPARESIA REFEIÇÕES FRACIONADAS E COM BAIXO TEOR DE GORDURA. USO DE DROGAS PROCINÉTICAS QUE ACELERAM O ESVAZIAMENTO GÁSTRICO, MELHORAM OS SINTOMAS E ALIVIAM O REFLUXO. CASOS GRAVES QUE NÃO RESPONDEM A MEDICAÇÃO PODE-SE INDICAR CIRURGIA DE DERIVAÇÃO GASTROINTESTINAL E MARCAPASSO GÁSTRICO.

30 CARDIOVASCULOPATIA HIPOTENSÃO ORTOSTÁTICA: AUMENTO DA INGESTÃO DE SAL, USO DE MEIAS ELÁSTICAS, ELEVAÇÃO DA CABECEIRA DA CAMA. FLUDROCORTISONA: TRAZ ALÍVIO AO AUMENTAR O TÔNUS ARTERIAL E EXPANDIR O VOLUME PLASMÁTICO. METOCLOPRAMIDA, PROPANOLOL, CLONIDINA. BETA BLOQUEADORES CARDIOSELETIVOS: ATENOLOL TEM BOA RESPOSTA NAS TAQUICARDIAS DECORRENTES DA DISAUTONOMIA.

31 ENTEROPATIA ANTIBIÓTICOS E QUIMIOTERÁPICOS: TETRACICLINA, SULFAMETOXAZOL/TRIMETROPIN, METRONIDAZOL, CIPROFLOXACINA SUPLEMENTAÇÃO DE ENZIMAS PANCREÁTICAS, FIBRAS SOLÚVEIS. BEXIGA NEUROGÊNICA AGENTES SIMPATICOMIMÉTICOS: BETANECOL, DOXAZOSINA QUE LEVAM A RELAXAMENTO DO ESFÍNCTER VESICAL. CIRURGIA DO COLO CERVICAL, AUTOCATETERIZAÇÃO VESICAL INTERMITENTE.

32 SUDORESE GUSTATÓRIA PROPANTELINA OU ADESIVOS DE ESCOPOLAMINA. DISFUNÇÃO ERÉTIL INIBIDORES DA FOSFODIESTERASE TIPO 5. DISTÚRBIOS DE EJACULAÇÃO PSEUDOEFEDRINA, BROFENIRAMINA, IMIPRAMINA.

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Neuropatia Diabética e o Pé Diabético Instrutora:

Leia mais

NEUROPATIA DIABÉTICA. Taciana Borges E2 Endocrinologia Geísa Macedo - Coordenadora

NEUROPATIA DIABÉTICA. Taciana Borges E2 Endocrinologia Geísa Macedo - Coordenadora NEUROPATIA DIABÉTICA Taciana Borges E2 Endocrinologia Geísa Macedo - Coordenadora Definição / Epidemiologia Definição : sinais ou sintomas de disfunção dos nervos periféricos em pacientes diabéticos (intolerantes

Leia mais

Bahiana de Medicina pelo Prof. Edilberto A. S. Oliveira, como convidado no Simpósio da Dor, em setembro de 2009

Bahiana de Medicina pelo Prof. Edilberto A. S. Oliveira, como convidado no Simpósio da Dor, em setembro de 2009 CAUSAS DA DOR EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS Resumo dos slides apresentados na Palestra realizada na Escola Bahiana de Medicina pelo Prof. Edilberto A. S. Oliveira, como convidado no Simpósio da Dor,

Leia mais

cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg

cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg cloxazolam Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Comprimido FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: Embalagens com 20 e 30 comprimidos contendo

Leia mais

FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente

FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente Data: / / Nome: 1) Avaliação de melhora pelo paciente (NÃO USAR NA PRIMEIRA): Muito pior Pior Igual Melhor Muito melhor 2) Índice de dor generalizada:

Leia mais

Eletroneuromiografia na abordagem diagnóstica das Neuropatias Periféricas

Eletroneuromiografia na abordagem diagnóstica das Neuropatias Periféricas Eletroneuromiografia na abordagem diagnóstica das Neuropatias Periféricas Sociedade Brasileira de Neurofisiologia Clínica Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitação Elaboração Final: 23 de

Leia mais

DOR PÉLVICA DISMENORRÉIA TPM. Profa. Dra. Maria Bethânia da Costa Chein Departamento de Medicina III

DOR PÉLVICA DISMENORRÉIA TPM. Profa. Dra. Maria Bethânia da Costa Chein Departamento de Medicina III DOR PÉLVICA DISMENORRÉIA TPM Profa. Dra. Maria Bethânia da Costa Chein Departamento de Medicina III Dor pélvica -Sem relação com fluxo menstrual Aguda d. inflamatória Crônica diagnóstico diferencial 2

Leia mais

POLINEUROPATIA DOLOROSA

POLINEUROPATIA DOLOROSA Angelina M. M. Lino Grupo de Nervos Periféricos Clínico Divisão de Clínica Neurológica - HCFMUSP CASO 1 POLINEUROPATIA DOLOROSA DVP, mulher, 83 anos há 3 anos dor e queimação em pés que ascenderam até

Leia mais

Assistência Farmacêutica na Depressão

Assistência Farmacêutica na Depressão Definição Assistência Farmacêutica na Depressão Grupo de atividades relacionadas com o medicamento, destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por uma comunidade, envolvendo o abastecimento de medicamentos

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA - UNICAMP

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA - UNICAMP Prezado aluno, Estes exercícios fazem parte de uma compilação de vários testes e provas que foram utilizadas no passado e formam uma base sólida para estudo. Tente resolvê-los sozinho, ao invés de simplesmente

Leia mais

Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura

Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura Neuropatias sob a visão da Medicina Chinesa Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura Neuropatias sob a visão da Medicina Chinesa Revisão da neurofisiologia da dor, Revisão da fisiopatologia

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA Em 1904, Gowers descreveu um conjunto de sinais e sintomas onde predominavam

Leia mais

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL A coluna cervical é o elo flexível entre a plataforma sensorial do crânio

Leia mais

POLARAMINE EXPECTORANTE maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina+ guaifenesina

POLARAMINE EXPECTORANTE maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina+ guaifenesina POLARAMINE EXPECTORANTE maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina+ guaifenesina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES POLARAMINE Expectorante é indicado para uso oral. POLARAMINE Expectorante

Leia mais

CYMBALTA cloridrato de duloxetina D.C.B. 03263

CYMBALTA cloridrato de duloxetina D.C.B. 03263 1 CDS08ABR09 CYMBALTA cloridrato de duloxetina D.C.B. 03263 FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO CYMBALTA é apresentado em cápsulas de liberação retardada de cloridrato de duloxetina equivalente a 30 mg de

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 330/2014. Beum (tiamina), Tegretol (carbamazepina), Prebictal (pregabalina)

RESPOSTA RÁPIDA 330/2014. Beum (tiamina), Tegretol (carbamazepina), Prebictal (pregabalina) 22/06/2014 RESPOSTA RÁPIDA 330/2014 Beum (tiamina), Tegretol (carbamazepina), Prebictal (pregabalina) SOLICITANTE :Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito de Itapecerica - MG NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco.

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco. 112360002 Stugeron cinarizina comprimidos Forma farmacêutica e apresentações Comprimidos de 25 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 75 mg em embalagem com 30 comprimidos. USO ADULTO Composição

Leia mais

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO. Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1.

NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO. Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1. NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1 O conceito Infecção, ulceração e a destruição dos tecidos profundos com

Leia mais

EXPECTAMIN. (maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina + guaifenesina) LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA.

EXPECTAMIN. (maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina + guaifenesina) LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. EXPECTAMIN (maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina + guaifenesina) LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA Solução Oral 0,4 mg/ ml + 4 mg/ml + 20 mg/ml I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais

DORES RECORRENTES MOMENTO II Abril 2010 DORES RECORRENTES - DENOMINADOR COMUM ETIOLOGIA: Maioria - dores primárias; Dicotomia: Orgânico x Emocional. Associação de vários tipos de dores; Presença de dores

Leia mais

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida.

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida. Drenol hidroclorotiazida PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Drenol Nome genérico: hidroclorotiazida Forma farmacêutica e apresentações: Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. USO ADULTO

Leia mais

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana RESUMO Posicionamento Oficial do Colégio Americano de Medicina Esportiva: Exercise

Leia mais

Diabetes Mellitus. Introdução. Sinais e sintomas. Diagnóstico

Diabetes Mellitus. Introdução. Sinais e sintomas. Diagnóstico Diabetes Mellitus Introdução Distúrbio metabólico caracterizado por hiperglicemia crônica e alterações do metabolismo de carboidratos, proteínas e gorduras, decorrentes de defeitos da secreção e/ou ação

Leia mais

PARATRAM cloridrato de tramadol + paracetamol

PARATRAM cloridrato de tramadol + paracetamol PARATRAM cloridrato de tramadol + paracetamol APRESENTAÇÕES Comprimidos Paratram 37,5 mg + 325mg. Embalagem com 10, 20 ou 30 comprimidos. USO ORAL. USO ADULTO. COMPOSIÇÃO Cada comprimido de PARATRAM contém

Leia mais

Depressão Resumo de diretriz NHG M44 (junho 2012)

Depressão Resumo de diretriz NHG M44 (junho 2012) Depressão Resumo de diretriz NHG M44 (junho 2012) Van Weel-Baumgarten EM, Van Gelderen MG, Grundmeijer HGLM, Licht-Strunk E, Van Marwijk HWJ, Van Rijswijk HCAM, Tjaden BR, Verduijn M, Wiersma Tj, Burgers

Leia mais

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático.

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático. Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Controla e Modula as Funções Viscerais Neurônio Pré Ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio Pós Ganglionar Simpático

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Curso de semiologia em Clínica Médica II

DIABETES MELLITUS. Curso de semiologia em Clínica Médica II DIABETES MELLITUS Curso de semiologia em Clínica Médica II Prof. Luiz Shiguero Matsubara Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Botucatu, u, UNESP 2008 DIABETES MELLITUS Síndrome clínica

Leia mais

Farmacologia do S.N.Autônomo

Farmacologia do S.N.Autônomo Farmacologia do S.N.Autônomo Drogas Adrenérgicas e Antiadrenérgicas UNESP Dra. Flávia Cristina Goulart Campus de Marília fgeducar@marilia.unesp.br Catecolaminas Aminas simpatomiméticas ou adrenérgicas

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da

Leia mais

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos:

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas do cotovelo em adultos: l As fraturas correspondem 31.8% dos traumas em cotovelo no adulto; l Freqüência: cabeça do rádio 39,4%; luxação do cotovelo

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br G00-G99 CAPÍTULO VI : Doenças do sistema nervoso G00.0 Meningite por Haemophilus G00.1 Meningite pneumocócica G00.2 Meningite estreptocócica G00.3 Meningite estafilocócica G00.8 Outras meningites bacterianas

Leia mais

Vazy Cloridrato de sibutramina monoidratado

Vazy Cloridrato de sibutramina monoidratado Vazy Cloridrato de sibutramina monoidratado EMS Sigma Pharma Ltda cápsula 10mg e 15mg 1 Vazy cloridrato de sibutramina monoidratado IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Vazy (Cloridrato de sibutramina monoidratado)

Leia mais

Psicofarmacologia. Transtornos de Ansiedade. Transtornos de Ansiedade PSICOFARMACOLOGIA 15/05/2015

Psicofarmacologia. Transtornos de Ansiedade. Transtornos de Ansiedade PSICOFARMACOLOGIA 15/05/2015 Psicofarmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia PSICOFARMACOLOGIA Distúrbios Psiquiátricos - Tratamento : 1950 10 a 15% de prescrições - EUA Brasil prevalência de transtornos

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

Amaryl. Glimepirida Uso adulto. Forma farmacêutica e apresentação - AMARYL

Amaryl. Glimepirida Uso adulto. Forma farmacêutica e apresentação - AMARYL Amaryl Glimepirida Uso adulto Forma farmacêutica e apresentação - AMARYL Comprimidos sulcados 1 mg: Embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos sulcados 2 mg: Embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos sulcados

Leia mais

ZOMIG e ZOMIG OD zolmitriptana

ZOMIG e ZOMIG OD zolmitriptana ZOMIG e ZOMIG OD zolmitriptana I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOMIG e ZOMIG OD zolmitriptana APRESENTAÇÕES ZOMIG Comprimidos revestidos de 2,5 mg em embalagens com 2 comprimidos ZOMIG OD Comprimidos orodispersíveis

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

Abordagem ao Paciente Hematológico

Abordagem ao Paciente Hematológico Universidade Federal Fluminense Abordagem ao Paciente Hematológico Gilberto P Cardoso O objetivo de todo médico é prevenir doenças. Na impossibilidade, que possa reconhecer e intervir para evitar complicações.

Leia mais

Dr. Sidney Sredni- Grupo Vale sem Dor grupovalesemdor@live.com

Dr. Sidney Sredni- Grupo Vale sem Dor grupovalesemdor@live.com * Dr. Sidney Sredni- Grupo Vale sem Dor grupovalesemdor@live.com Como devo iniciar a avaliação neurológica do paciente com dor? ANANMENSE DETALHADA O EXAME NEUROLÓGICO PODE SER DIVIDO EM SEIS PARTES PRINCIPAIS:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo NÚMERO DO PROCESSO Autos nº. 0112.14.005276-5 DATA

Leia mais

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS 2013 Diretoria Executiva Diretor-Presidente: Cassimiro Pinheiro Borges Diretor Financeiro: Eduardo Inácio da Silva Diretor de Administração: André Luiz de Araújo Crespo

Leia mais

cloxazolam Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Comprimidos 1 mg 2 mg

cloxazolam Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Comprimidos 1 mg 2 mg cloxazolam Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Comprimidos 1 mg 2 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloxazolam Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES cloxazolam comprimidos 1 mg. Embalagem

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA: TERAPÊUTICA FARMACOLÓGICA

SÍNDROME METABÓLICA: TERAPÊUTICA FARMACOLÓGICA Síndrome metabólica: terapêutica fatmacológica 115 SÍNDROME METABÓLICA: TERAPÊUTICA FARMACOLÓGICA M.ª Helena Ramos Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo, Hospital Geral de Santo António Porto

Leia mais

Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do

Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do Hospital das Clínicas FMUSP 26/09/2015 64% pacientes

Leia mais

DONAREN RETARD. cloridrato de trazodona APSEN. APRESENTAÇÕES Comprimido de liberação prolongada de 150 mg em caixas com 10 e 20 comprimidos

DONAREN RETARD. cloridrato de trazodona APSEN. APRESENTAÇÕES Comprimido de liberação prolongada de 150 mg em caixas com 10 e 20 comprimidos DONAREN RETARD cloridrato de trazodona APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos de liberação prolongada APRESENTAÇÕES Comprimido de liberação prolongada de 150 mg em caixas com 10 e 20 comprimidos USO ORAL

Leia mais

DIAFORMIN (cloridrato de metformina) União Química Farmacêutica Nacional S/A Comprimido 850 mg

DIAFORMIN (cloridrato de metformina) União Química Farmacêutica Nacional S/A Comprimido 850 mg DIAFORMIN (cloridrato de metformina) União Química Farmacêutica Nacional S/A Comprimido 850 mg Diaformin cloridrato de metformina Comprimido IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Leia mais

MIOSAN. cloridrato de ciclobenzaprina USO ADULTO

MIOSAN. cloridrato de ciclobenzaprina USO ADULTO 1 MODELO DE BULA MIOSAN cloridrato de ciclobenzaprina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos Revestidos: Caixas com 10 e 30 comprimidos revestidos de 5 mg. Caixas com 10 e 30 comprimidos revestidos

Leia mais

Sonolência Excessiva Diurna (SED)

Sonolência Excessiva Diurna (SED) Sonolência Excessiva Diurna (SED) A sonolência é queixa comum, principalmente, entre adolescentes, quase sempre por não desfrutarem de sono satisfatório. Eles dormem poucas horas à noite e, no dia seguinte,

Leia mais

Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013

Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013 Fibromialgia DOR - USP Roberto Vlainich 2013 1 Dados históricos 1900 Edward Gowers Fibrosite 1970 Smythe tender points 1970 Moldofsky Distúrbio sono 1980 Yunus Fibromialgia 1988 Vaeroy Substância P 1990

Leia mais

BUSCOPAN COMPOSTO SOL PACIENTE

BUSCOPAN COMPOSTO SOL PACIENTE Buscopan Composto butilbrometo de escopolamina + dipirona APRESENTAÇÕES Solução oral (gotas) de 6,67 mg/ml + 333,4 mg/ml, frascos com 20 ml. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

APRESENTAÇÕES CYMBALTA

APRESENTAÇÕES CYMBALTA CDS22FEV12 CYMBALTA cloridrato de duloxetina D.C.B. 03263 APRESENTAÇÕES CYMBALTA 30 mg, cápsulas de liberação retardada, apresentado em caixas com 14 ou 28 cápsulas. CYMBALTA 60 mg, cápsulas de liberação

Leia mais

CYMBALTA Eli Lilly do Brasil Ltda. Cápsula dura de liberação retardada 30 e 60 mg

CYMBALTA Eli Lilly do Brasil Ltda. Cápsula dura de liberação retardada 30 e 60 mg CYMBALTA Eli Lilly do Brasil Ltda. Cápsula dura de liberação retardada 30 e 60 mg 1 CDS16NOV13 CYMBALTA cloridrato de duloxetina D.C.B. 03263 APRESENTAÇÕES CYMBALTA 30 mg, cápsulas de liberação retardada,

Leia mais

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento MARINA VERAS Reumatologia REUMATISMOS DE PARTES MOLES INTRODUÇÃO Também denominado de reumatismos extra-articulares Termo utilizado para definir um

Leia mais

Neurofobia. O Exame Neurológico. O Monstro Neurológico... 17/08/15. Neurophobia, the Fear of Neurology Among Medical Students

Neurofobia. O Exame Neurológico. O Monstro Neurológico... 17/08/15. Neurophobia, the Fear of Neurology Among Medical Students O Exame Neurológico Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Carlos Caron Jean Martin Charcot (1825-1893) Jean Martin Charcot (1825-1893) O Monstro Neurológico... Neurofobia Neurophobia, the Fear of Neurology

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência Gabarito da Prova realizada em 2/nov/2012 QUESTÃO 1 - Transtorno depressivo

Leia mais

Nausedron (cloridrato de ondansetrona)

Nausedron (cloridrato de ondansetrona) Nausedron (cloridrato de ondansetrona) Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Comprimidos Revestidos 8 mg Modelo de Bula para Paciente I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nausedron cloridrato de

Leia mais

mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999

mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES mirtazapina 30 mg. Embalagem contendo 7, 14 ou 28 comprimidos revestidos. mirtazapina 45 mg. Embalagem contendo

Leia mais

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral)

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral) Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 5- Psicofármacos e Ansiedade Ansiedade Estado desagradável de tensão, apreensão, inquietação ; Um medo às vezes de origem desconhecida; Sintomas

Leia mais

Valsartana LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. Comprimido revestido. 40mg, 80mg, 160mg e 320mg

Valsartana LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. Comprimido revestido. 40mg, 80mg, 160mg e 320mg Valsartana LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA Comprimido revestido 40mg, 80mg, 160mg e 320mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Valsartana medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa?

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa? Hérnia de Hiato e Refluxo Gastroesofágico. Atualmente cresce o número de pessoas que estão apresentando sintomas relativas ao aparelho digestivo, como má digestão ou sensação de queimação no estômago entre

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck)

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck) Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos

Leia mais

VELIJA cloridrato de duloxetina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

VELIJA cloridrato de duloxetina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA VELIJA cloridrato de duloxetina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÕES Cápsula de liberação retardada contendo 30 mg de duloxetina base. Embalagens com 10 ou 30 cápsulas.

Leia mais

Aula 13: Distúrbios gastrointestinais

Aula 13: Distúrbios gastrointestinais Aula 13: Distúrbios gastrointestinais Distúrbios gastrointestinais Distúrbios gastrointestinais são aqueles que afetam todo o tubo gastrointestinal e órgãos anexos; Os mais frequentes são: azia, gastrite,

Leia mais

RETEMIC. cloridrato de oxibutinina

RETEMIC. cloridrato de oxibutinina 1 Modelo de Bula RETEMIC cloridrato de oxibutinina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: Comprimidos de 5 mg - Caixas contendo 30 e 60 comprimidos. Xarope 1 mg/ml - Frascos contendo 120 ml. COMPOSIÇÃO:

Leia mais

Doença arterial periférica Resumo de diretriz NHG M13 (segunda revisão, fevereiro 2014)

Doença arterial periférica Resumo de diretriz NHG M13 (segunda revisão, fevereiro 2014) Doença arterial periférica Resumo de diretriz NHG M13 (segunda revisão, fevereiro 2014) Bartelink MEL, Elsman BHP, Oostindjer A, Stoffers HEJH, Wiersma Tj, Geraets JJXR. traduzido do original em holandês

Leia mais

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Sandra Cristina Catelan-Mainardes 2 RESUMO: O presente estudo

Leia mais

1. PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO? Este medicamento é um coadjuvante destinado ao tratamento do alcoolismo crônico.

1. PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO? Este medicamento é um coadjuvante destinado ao tratamento do alcoolismo crônico. Esta bula sofreu aumento de tamanho para adequação a legislação vigente da ANVISA. Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. ANTIETANOL dissulfiram

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR QUESTÃO 21 Paciente com síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores de longa data apresentando queixa de claudicação incapacitante

Leia mais

BAMBAIR* cloridrato de bambuterol. BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora.

BAMBAIR* cloridrato de bambuterol. BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora. Dizeres de Bula BAMBAIR* cloridrato de bambuterol FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS A PROGRAMA BÁSICO TEÓRICO PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS Abdome agudo Abordagem neurológca da fraqueza AIDS (SIDA) Anemias Antibióticos Arritmias cardíacas Asma Auto-imunidade e doenças imunológicas

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado 1 Consiste em uma articulação do ombro com dor e rigidez que não pode ser explicada por nenhuma alteração estrutural. Obs: Embora seja comum o uso destes termos nas aderências pós traumáticas do ombro,

Leia mais

CA, DIABETES MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO MELLITUS, INFECÇÃO CRÔNICA. Data: 05/06/2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013

CA, DIABETES MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO MELLITUS, INFECÇÃO CRÔNICA. Data: 05/06/2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013 Data: 05/06/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz Daniel da Silva Ulhoa Número do processo: 0687130020043-5 MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO RESSÃO, FIBROMIALGIA,

Leia mais

Caracterizada por queimação associada à irritação, ardência, prurido, dor ou edema, com duração de 3-6 meses.

Caracterizada por queimação associada à irritação, ardência, prurido, dor ou edema, com duração de 3-6 meses. Vulvodínia Isabel do Val Profª Ad. Ginecologia UFF- Patologia TGI e Colposcopia Presidente da ABPTGIC- Cap RJ Membro ISSVD IFCPC Member Educational Committee Dor Vulvar Caracterizada por queimação associada

Leia mais

Diabetes - Introdução

Diabetes - Introdução Diabetes - Introdução Diabetes Mellitus, conhecida simplesmente como diabetes, é uma disfunção do metabolismo de carboidratos, caracterizada pelo alto índice de açúcar no sangue (hiperglicemia) e presença

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS

BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS BRISTOL-MYERS SQUIBB BUSPAR cloridrato de buspirona Uso oral APRESENTAÇÃO BUSPAR 5 mg é apresentado em cartuchos com 2 blisters

Leia mais

cinarizina NOVA QUÍMICA FARMACÊUTICA LTDA. comprimido 25 mg e 75 mg

cinarizina NOVA QUÍMICA FARMACÊUTICA LTDA. comprimido 25 mg e 75 mg cinarizina NOVA QUÍMICA FARMACÊUTICA LTDA. comprimido 25 mg e 75 mg cinarizina Medicamento Genérico, Lei n 9.787, de 1999 I - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome genérico: cinarizina APRESENTAÇÕES cinarizina

Leia mais

... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA MÉDICO ESPECIALISTA NEUROLOGISTA 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA)

Leia mais

Cloridrato de Ondansetrona

Cloridrato de Ondansetrona BULA DO PACIENTE Cloridrato de Ondansetrona HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 2mg/mL 2mL 2mg/mL 4mL cloridrato de ondansetrona Medicamento genérico - Lei nº 9.787 de 1.999 APRESENTAÇÕES Solução injetável -

Leia mais

Anexo III. Alterações a secções relevantes do resumo das características do medicamento e folhetos informativos

Anexo III. Alterações a secções relevantes do resumo das características do medicamento e folhetos informativos Anexo III Alterações a secções relevantes do resumo das características do medicamento e folhetos informativos Nota: Este Resumo das Características do Medicamento e o folheto informativo resultam do procedimento

Leia mais

Bicalutamida inibe o estímulo androgênico, resultando assim na regressão dos tumores prostáticos.

Bicalutamida inibe o estímulo androgênico, resultando assim na regressão dos tumores prostáticos. BICALUTAMIDA Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 Oral Comprimido revestido USO ADULTO Forma Farmacêutica e Apresentação da Bicalutamida Embalagem com 30 comprimidos contendo 50 mg de bicalutamida.

Leia mais

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO i) DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Sevoflurano Baxter 100%, líquido para inalação por vaporização. ii) COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

Naramig GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos 2,5mg

Naramig GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos 2,5mg Naramig GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos 2,5mg LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Naramig cloridrato de naratriptana APRESENTAÇÃO Naramig

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PSIQUIATRIA

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PSIQUIATRIA 2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PSIQUIATRIA Questão nº: 21 Assinale a alternativa FALSA relativa aos quadros demenciais: a) A demência de Alzheimer se caracteriza por novelos neurofibrilares e placas

Leia mais

VIA DE ADMINISTRAÇÃO TÓPICA OCULAR USO ADULTO

VIA DE ADMINISTRAÇÃO TÓPICA OCULAR USO ADULTO APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas contendo 5ml ou 10ml de solução oftálmica estéril de cloridrato de levobunolol (5 mg/ml). VIA DE ADMINISTRAÇÃO TÓPICA OCULAR USO ADULTO

Leia mais

BULA. RUBRANOVA injetável. Solução injetável. Cartucho com 1 ampola com 5.000 mcg/2 ml ou 15.000 mcg/2 ml.

BULA. RUBRANOVA injetável. Solução injetável. Cartucho com 1 ampola com 5.000 mcg/2 ml ou 15.000 mcg/2 ml. BULA RUBRANOVA injetável RUBRANOVA cloridrato de hidroxocobalamina 5.000 e 15.000 mcj Injetável FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: Solução injetável. Cartucho com 1 ampola com 5.000 mcg/2 ml ou 15.000

Leia mais