HERBÁRIO BOTU IRINA DELANOVA GEMTCHUJNICOV MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROFA. DRA. SILVIA RODRIGUES MACHADO COORDENADORA CIENTÍFICA - HERBÁRIO BOTU

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HERBÁRIO BOTU IRINA DELANOVA GEMTCHUJNICOV MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROFA. DRA. SILVIA RODRIGUES MACHADO COORDENADORA CIENTÍFICA - HERBÁRIO BOTU"

Transcrição

1 HERBÁRIO BOTU IRINA DELANOVA GEMTCHUJNICOV MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROFA. DRA. SILVIA RODRIGUES MACHADO COORDENADORA CIENTÍFICA - HERBÁRIO BOTU DRA. SUZANA BISSACOT BARBOSA BOLSISTA CAPES/PNPD março 2010

2 HERBÁRIO BOTU IRINA DELANOVA GEMTCHUJNICOV MANUAL DE PROCEDIMENTOS Sumário 1. Organização, registro, informatização, disponibilização de dados na web, digitalização de exsicatas. Política de coleções científicas. Procedimentos básicos. 2. Intercâmbio: Permuta, Doação, Empréstimo. Confecção de guias de remessa. Arquivamento de guias e controle de intercâmbio. 3. Organização, informatização, e referência cruzada de lâminas e coleções vouchers.

3 1. Organização, registro, informatização, disponibilização de dados na web, digitalização de exsicatas. Política de coleções científicas. Procedimentos básicos. Herbário Um Herbário é uma coleção científica, composta por amostras de plantas secas, provenientes dos diversos ecossistemas, servindo como registro e referência sobre a vegetação e flora de uma determinada região. As plantas devem ser coletadas em estado fértil, com flores e /ou frutos, que são os elementos indispensáveis para a identificação científica. O nome científico de uma planta é a primeira etapa para o acesso correto de todas as informações sobre botânica. A coleção de plantas depositadas em herbário serve como base para todas as pesquisas em Taxonomia e estudos em áreas correlatas como Fitogeografia, Fitoquímica, Farmacologia, Genética, Ecologia, entre outras. Além das diversas pesquisas que podem ser desenvolvidas no próprio herbário, ele mantêm vínculos de colaboração (intercâmbio de material, apoio de especialistas, etc.) com unidades similares em todo o mundo. O Herbário pode participar na integração das pesquisas sobre a diversidade florística e o inventário sistemático do patrimônio vegetal, essencial para apontar os remanescentes de vegetação nativa com potencial para preservação, bem como subsidiar com mais rigor os estudos que possibilitem o reflorestamento de áreas degradadas. Compete ao Responsável pelo Herbário analisar, propor e subsidiar ações relacionadas à política e ao gerenciamento das coleções, tendo como base o conceito de coleções como documentação da diversidade biológica e o seu papel na disponibilização de informações sobre a diversidade vegetal. 3

4 TÉCNICAS DE COLETA, PREPARAÇÃO, PRESERVAÇÃO E MANEJO DE COLEÇÕES CIENTÍFICAS EM BOTÂNICA O sistema de manejo de coleções de herbário inclui os seguintes processos: a) Herborização das coleções - prensagem, triagem, secagem e montagem das exsicatas b) Incorporação ao acervo - numeração, registro e arquivamento Para isso, as coleções precisam ser obtidas através de expedições à campo ou por meio de intercâmbio entre herbários. Expedições à campo: (coleta de material) Para que uma coleta obtenha resultados satisfatórios, o coletor deverá possuir os seguintes objetos: Tesoura de poda: utilizada para cortar de forma precisa as partes vegetais a serem coletadas; Facão: útil para fazer picada dentro da mata; Podão: possui um cabo que proporciona o corte de material com até 10 metros de altura; Caderno de campo: para anotações da coleta; Lápis; Fita adesiva; GPS 4

5 Durante a coleta devem ser anotados o máximo de dados possível em caderno de coleta, que serão utilizados para a confecção da etiqueta da exsicata, como: Local de coleta, com referências geográficas Tipo de solo Topografia do local Tipo de vegetação predominante Dados sobre o hábito da planta Dados sobre a planta, cor da flor, aroma, características do fruto Nome vulgar DESIDRATAÇÃO, DESCONTAMINAÇÃO E MONTAGEM DO MATERIAL Após a coleta do material botânico, este deverá ser prensado para melhor conservação até chegar ao Herbário. Para isso, utiliza-se: Jornal: para absorver a umidade do material botânico; Placa de alumínio: colocada entre os jornais para aeração e para conservar o calor na secagem do material botânico, e prensagem no campo de material espinhoso; Papelão: coloca-se entre os jornais para reter a umidade; Prensa: são duas grades de madeira, utilizadas para prensar o material coletado; Corda ou barbante: utilizado para amarrar as duas grades da prensa. Depois de prensado o material em campo, as plantas devem ser desidratadas para sua conservação. No laboratório coloca-se a prensa com as amostras na estufa, durante 2 a 5 5

6 dias, à C aproximadamente, dependendo da composição da planta a ser desidratada. Depois de desidratada, a planta é retirada da estufa e realiza-se uma triagem para separar as melhores amostras do material. Após a triagem, as plantas são amarradas novamente em jornal (agora sem a prensa) para a devida descontaminação. Descontaminação O processo de descontaminação é realizado através da colocação do material botânico, devidamente acondicionado em sacos plásticos, para evitar umidade, em freezer (-18º C) por 4 dias até 2 ou 3 semanas. Após este período de descontaminação, as plantas são novamente colocadas na estufa para secagem. O ideal é que o herbário possua um freezer -30ºC, que é mais eficiente para a descontaminação do material. Nesse freezer, em 24 horas o material estará livre de qualquer inseto, ovos ou larvas. Montagem Depois de o material botânico estar devidamente descontamindo, seguem-se os padrões normais de montagem. A montagem das exsicatas consiste num processo de fixação das plantas secas e prensadas e de sua etiqueta numa cartolina de herbário. Este processo providencia um suporte físico que permite o manuseamento e inclusão do espécime no acervo causando-lhe o mínimo de danos. Um exemplar bem montado deverá possuir qualidades botânicas, isto é, permitir a observação do máximo de características diagnósticas e ter longa durabilidade. Deverá ainda possuir qualidades artísticas, isto é, ser apresentado de forma equilibrada, agradável e estética. O processo de montagem das plantas é feito em cartolina. As plantas são costuradas (deve sempre evitar-se colar a planta por meio de adesivos, que podem se soltar durante o 6

7 tempo, além de atraírem fungos e insetos) na cartolina para uma melhor fixação com a preocupação de não destruir os espécimes. Seguinte à montagem, as plantas recebem carimbo do Herbário e numeração (tombo), e, posteriormente, são impressas as etiquetas do Herbário com os dados característicos de cada planta. Além da ficha, as plantas também são registradas em computador para elaborar um banco de dados de forma a facilitar as atividades de manejo do Herbário e permitir o acesso a essa informação de forma rápida e precisa. Incorporação ao acervo Finalmente, as plantas são incorporadas ao acervo, já classificadas por ordem alfabética de família, gênero e espécie. Todo o processo de montagem e incorporação do material ao acervo deve ser realizado por pessoal técnico específico. CONSERVAÇÃO DA COLEÇÃO Um bom exemplar de herbário deve durar centenas de anos. Para isso algumas ações devem ser rigorosamente controladas: Manuseamento cuidadoso: um exemplar de herbário não deve ser invertido, deve ser sempre mantido na horizontal quando manuseado. Temperatura e humidade: aconselha-se o uso de desumidificadores para o controle da umidade do ar. As condições ideais para a conservação do papel são temperaturas entre 7

8 os ºC e humidade de 55%. As plantas secas conservam-se melhor em locais com níveis de humidade inferiores a este, para reduzir o risco de ataque de fungos e o estabelecimento de colônias de insetos. Desta forma, o ideal é manter o herbário a temperaturas entre os 20-23ºC e humidade entre os 40-55%. A utilização de telhas especiais, do tipo sanduíche, com isolante térmico e pintura especial para reflexão da luz também é aconselhada. Além disso, a sala de acervo não deve ter janelas, apenas uma boa iluminação artificial é o suficiente. As janelas permitem a entrada de sol e de umidade o que não é aconselhado para a boa conservação do material. Caso existam janelas o ideal é colocar insulfime nos vidros. Proteção contra ataque de insetos: a preservação, a longo prazo, dos espécimes de um herbário depende principalmente de uma vigilância constante para detecção da presença de insetos. Infelizmente, são vários os insetos que apreciam plantas secas, tornando-se, por isso, um dos principais inimigos dos herbários. Podem ter sua origem nas próprias plantas quando coletadas, sobrevivendo ao processo de secagem ou sob a forma de ovos. Podem também existir nos armários onde os exemplares são armazenados. Por isso, armários de madeira não são adequados no acervo e o controle de pragas e insetos deve ser rigoroso. Há algumas décadas, a proteção consistia na utilização de bolas de naftalina e cravo-da-índia colocadas nos armários. Nos anos 80 foram reconhecidos os danos na saúde causados pela naftalina. Uma das mais recentes técnicas de controle de insetos em herbários é através da congelação. Os novos espécimes a serem incluídos no herbário são previamente congelados durante uma ou duas semanas a -30 C (descontaminação). Se o congelador não atingir tal temperatura e tendo em consideração que os ovos de algumas espécies de insetos sobrevivem aos -18 C, deve-se proceder a uma dupla congelação, após uma congelação inicial a -18 C, colocar os espécimes a temperatura ambiente durante alguns dias e congelar de novo a -18 C. 8

9 Além disso, as coleções devem ser periodicamente colocadas no congelador num sistema rotativo. Paralelamente, a temperatura do herbário deve ser rigorosamente mantida a cerca de 20 C. Em vários herbários, estes dois métodos conjugados sistema rotativo de congelação e controle da temperatura do acervo demonstraram ser muito eficientes. No entanto, este método é eficaz para erradicar as pragas existentes nos exemplares, mas não tem efeito sobre as colônias que podem estar instaladas nos armários. Desta forma aconselha-se conjugar os dois métodos anteriormente referidos com uma periódica intervenção química no herbário. Uma vez ao ano deve-se fazer o expurgo da coleção utilizando-se gás toxin. No entanto, a naftalina continua sendo utilizada principalmente nas coleções mais importantes dos grandes Herbários, como no Herbário SP. Material Infestado Quando encontra-se qualquer tipo de infestação no material o curador deve ser sempre avisado para as providências necessárias. Deve-se fazer uma limpeza rigorosa, porém muito cuidadosa, com a ajuda de pincel, e depois todo o material do armário deve ir para o freezer e depois estufa (processo de descontaminação) Quando o material encontra-se mofado, faz-se a limpeza da planta aplicando-se formol diluído, várias vezes com pincel. Depois o material deve ir novamente para a estufa para secagem. Selecão rigorosa de todo material utilizado para confecção das exsicatas e acondicionamento das amostras Todo o material utilizado para montagem das exsicatas e acondicionamento de amostras nas Coleções Científicas deve ser rigorosamente selecionado para garantir-se a melhor conservação das Coleções. 9

10 Assim, todo o papel utilizado, incluindo-se cartolina para montagem das exsicatas, capa para as exsicatas, papel para etiquetas e envelopes em geral, papel celofane para carpoteca, caixas para armazenamento de frutos e inflorescências grandes, deve ser livre de ácido. Existem no mercado papéis especiais, acid-free, que podem ser adquiridos em lojas específicas como a finepapers. Para ter a garantia de que o material é realmente livre de ácidos existem testes simples específicos que devem ser sempre realizados antes da sua utilização. Para testes em papéis deve ser utilizada uma caneta específica ph testing pen, faz-se um risco no papel com a caneta e se ficar roxo o papel é livre de ácido e pode ser utilizado, se ficar amarelo, o papel não deve ser utilizado. Para o teste em papel celofane, queima-se o papel e observa-se a cor da chama formada. Além disso, o herbário deve ter uma caneta especial para qualquer tipo de anotação posterior necessária nas exsicatas, como identificações e observações, esta deve ser uma caneta nanquim de tinta indiana, que é mais resistente (archival ink - Pigma Micron 03). Deve-se ter cuidado também com a cola utilizada para a fixação das etiquetas na exsicata, a cola comum branca ou cola em bastão não são indicadas para o uso em Coleções Científicas, estas soltam-se com o tempo, ficam amarelas e atraem fungos e insetos. A cola ideal para ser utilizada em coleções científicas é uma cola especial de celulose CMC, que por ser sintética não atrai fungos nem insetos e não fica amarelada - é comprada em pó, diluída com água destilada e acondicionada em recipiente plástico com tampa com pincel. Os armários utilizados para a estocagem dos papéis para montagem deve ser rigorosamente limpo e livre de insetos, larvas, ovos ou mofo. 10

11 Informatização, disponibilização de dados na web, digitalização de exsicatas O programa utilizado para a informatização da coleção do Herbário é o Brahms, que possibilita inclusive a disponibilização de dados na web, aqueles dados selecionados pelo curador são disponibilizados via SpecisLink. Todo material que sai do Herbário via empréstimo deve ser digitalizado primeiro. O Herbário BOTU possui uma coleção com mais de exemplares sendo o trabalho de digitalização e disponibilização dos dados na web bastante grande, exigindo a presença de técnicos para a realização desses trabalhos. A digitalização da exsicatas e a disponibilização dos dados na internet devem ser consideradas como ferramentas importantes para facilitar o acesso à coleção, também se permite o empréstimo via imagem. Essas ações são utilizadas como forma para diminuir o manuseio das exsicatas, o que diminui e evita a deteriorização do material. POLÍTICA DE COLEÇÕES Cada herbário precisa antes de mais nada ter muito bem definido quais são suas metas, se o herbário é Nacional, a meta é representar a Flora Nacional, se o herbário é Estadual a meta é representar a Flora do Estado, e se o herbário é regional, como o Herbário BOTU, a meta deve ser a de representar a Flora Regional. Todo herbário deve ter dois conjuntos de documentos: as Normas do Herbário e um Manual de Procedimentos do Herbário, o que permite para qualquer pessoa nova que venha trabalhar no Herbário continuar o trabalho da forma em que este vinha sendo feito. 11

12 Consulta ao Herbário Antes de consultar o herbário qualquer pessoa deve sempre ter a autorização do Curador/Coordenador Científico. Ninguém entra no acervo sem a prévia autorização do curador. Nenhum material entra na coleção sem a autorização do curador e sem passar pelos procedimentos de controle de pragas (congelamento e estufa). Isso significa que se algum pesquisador precisar levar seu material para comparação com o material do acervo, o pesquisador deve se programar e enviar seu material para o Herbário com, no mínimo, uma semana de antecedência à sua visita. Assim, o Herbário irá tomar as providências necessárias e o material irá para o freezer e a estufa antes do pesquisador chegar para seu estudo. Se ele chegar ao Herbário com seu material na mão, terá que aguardar pelo menos uma semana, até que seu material tenha passado por todo o processo de descontaminação. Nenhum material deve sair do herbário sem autorização do curador, e todo material que sai do herbário deve necessariamente sair via Empréstimo, como forma de controle da coleção, mesmo que seja para um pesquisador ou aluno da própria Instituição. O Herbário deve ter alguns armários fora do acervo para abrigar o material que os alunos ou pesquisadores estão estudando, coletando, montando. Esse material nunca deve ficar dentro do acervo. A sala do acervo deve conter apenas os armários com as plantas secas e ser utilizada somente para consultas do material do acervo. Todo o processo de montagem de exsicatas, recebimento de material de Intercâmbio, confecções de Guias de Remessa, confecção de etiquetas, informatização, etc. deve ser realizado fora da sala do acervo, em salas próprias para estas atividades. 12

13 Etiquetas Modelo de Etiqueta LOGO DO HERBÁRIO FAMÍLIA Gênero espécie Autor Det: data: Localização: BR, Estado, Município, coordenadas data da coleta Obs: hábito, cor de flor, fruto... Col: Colocar sempre todos os nomes dos coletores, e número do coletor Imprimir o número de etiquetas de acordo com o número de duplicatas. No caso de doação, deve-se manter a etiqueta do herbário de origem, colocar o carimbo do herbário que está recebendo o material com número de entrada. Toda exsicata deve ter o carimbo do herbário com o número de tombo. Além disso, a capa da exsicata também deve ser carimbada. Quando o material for informatizado, então deve-se incluir o carimbo do Brahms para indicar que o material já foi informatizado. O Herbário deve ter também etiquetas e capas para exsicatas específicas, com cor diferente para tipos, isotipos, paratipos. E etiquetas menores para observações e identificação do material por especialistas, que devem ser adicionadas às exsicatas. 13

14 Qualquer outro tipo de informação importante também deve ser sempre indicada ou na etiqueta principal ou em etiquetas adicionais, como a presença de material na carpoteca, xiloteca, ou se foi retirado fragmento para anatomia, estudo de DNA. 2. Intercâmbio: Permuta, Doação, Empréstimo. Confecção de guias de remessa. Arquivamento de guias e controle de intercâmbio. O intercâmbio entre Herbários envolve três ações distintas: Doação, Permuta e Empréstimo: Doação: material não está identificado até espécie, então faz-se a doação do material para o especialista da família que em troca devolve a Identificação do material. Ação com finalidade de identificação de material. Permuta: o material já está identificado, a outra Instituição deve enviar outro material identificado em troca, ação com finalidade de crescimento do acervo. 14

15 Empréstimo: pesquisador requisita material do acervo para estudo, e depois se compromete a devolvê-lo no mesmo estado de conservação em que recebeu. Quando algum aluno necessita pedir material emprestado, seu orientador fica responsável pelo material. Toda ação de Intercâmbio acontece sempre de Curador para Curador. Nunca um aluno ou pesquisador pode enviar uma guia de remessa pedindo material emprestado, ou doando material para outro herbário. Deve-se ter um rigoroso controle de correspondência e guias de remessa. Nunca se deve jogar nada fora. Através dos arquivos se tem controle do material que foi emprestado, do material que foi devolvido, das pendências, etc. Deve-se ter também pastas diferentes para controle do que está entrando e saindo do herbário e do material que precisa ser devolvido para o herbário ou do material que precisa ser devolvido para os outros herbários. Etiquetar as pastas de acordo com material: DOADO PARA NOSSO HERBÁRIO DOADO PARA OUTROS HERBÁRIOS DEVOLVIDO PARA NOSSO HERBÁRIO DEVOLVIDO PARA OUTROS HERBÁRIOS PERMUTA ENVIADA PERMUTA RECEBIDA AGUARDANDO RECEBIMENTO - quando a Instituição envia uma carta pelo correio ou 15

16 a própria Guia de Remessa avisando que está enviando o material, essa carta ou a Guia de Remessa deve ser guardada até o material chegar. Muitas vezes a Guia vem dentro do pacote. EMPRÉSTIMO PARA OUTROS HERBÁRIOS: material do herbário que foi emprestado, pode-se fazer pastas específicas para Universidades, Instituições de Pesquisa, Instituições Estrangeiras EMPRÉSTIMO DE OUTROS HERBÁRIOS: material que está sendo estudado por alunos ou pesquisadores da Instituição, material que veio de outros herbários e que precisará ser devolvido. As guias de empréstimo devem ser separadas de acordo com o pesquisador ou aluno que pediu o material, assim quando o aluno defender seu mestrado/doutorado ele deverá devolver todo o material que está com ele para os herbários correspondentes antes de sua defesa. Assim tem-se um controle rígido do material que precisa ser devolvido e do material que está sendo devolvido. Além desse rígido controle das Guias de Remessa tem que se ter arquivos com pastas distintas no computador. Uma pasta como Intercâmbio e dentro desta vários arquivos separados de acordo com os Herbários. Outra pasta com as Guias de Remessa, e dentro desta pasta separar também arquivos para cada Herbário. Deve-se ter também um rígido controle das Guias de Remessa que estão sendo enviadas, fazer sempre 3 cópias da Guia, 2 serão mandadas junto com o material, uma fica no herbário e deve ser substituída quando o curador do outro Herbário mandar de volta a Guia assinada e datada dizendo que recebeu o material. 16

17 Também deve-se ter uma pasta com as outras correspondências, separadas por Instituição, e arquivos com endereço e Curador de cada um dos Herbários, principalmente os brasileiros. Todo material que vai para o exterior tem que ser acompanhado de uma Guia de Termo de Transferência do Material. Relatório Anual - fazer controle mensal de todas as transações feitas. Anotar o número de material emprestado/doado para controle e para facilitar o relatório anual. Todos esses dados estão contidos nas Pastas de Arquivos de papel e também nos arquivos do computador. Herbário Carpoteca Xiloteca 3.Organização, informatização, e referência cruzada de lâminas e coleções vouchers São vários os tipos de outras coleções que podem ser organizadas, como a Carpoteca, a Xiloteca, coleção de Polén, laminários de anatomia. Todas essa coleções devem ter material voucher no acervo do Herbário e deve-se ter a indicação na exsicata que existe material correspondende em outra coleção e no outro material deve-se ter o link com o número do Herbário. Esses links são muito importantes e essenciais quando existem as coleções adicionais. A Carpoteca pode ser acondicionada em armários específicos ou então pode-se acondicionar os frutos em caixas específicas no próprio armário do acervo, no último qua- 17

18 drado inferior do armário, guardam-se aí todos os frutos correspondentes do material daquele armário e nas exsicatas indica-se que o fruto está no próprio armário. Os frutos devem ser acondicionados nessas caixas especiais, com papel adequado ou em papel celofane, sempre etiquetados. Quando se pretende organizar uma coleção de lâminas, deve-se planejar armários específicos para o acondicionamento das lâminas na horizontal. Toda lâmina deve ser etiquetada e possuir o número de entrada na coleção de lâminas e o número do acervo do Herbário. Herbário Smithsonian National Museum of Natural History, NMNH, Estados Unidos 18

A conservação compreende os cuidados prestados: - aos documentos, - ao local e - sua guarda. Preservação e Conservação Arquivologia

A conservação compreende os cuidados prestados: - aos documentos, - ao local e - sua guarda. Preservação e Conservação Arquivologia Preservação e Conservação Arquivologia A conservação compreende os cuidados prestados: - aos documentos, - ao local e - sua guarda. 1 2 Premissas básicas: 1. Local elevado 2. Mínimo de umidade 3. Área

Leia mais

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Define as normas internas

Leia mais

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Introdução O objetivo desse trabalho é ajudar as Escolas e demais instituições na implantação do programa da coleta seletiva do lixo e do lixo eletrônico.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS LABORATÓRIOS DA FACULDADE TECSOMA REGRAS DE BIOSSEGURANÇA

REGULAMENTO GERAL DOS LABORATÓRIOS DA FACULDADE TECSOMA REGRAS DE BIOSSEGURANÇA REGULAMENTO GERAL DOS LABORATÓRIOS DA FACULDADE TECSOMA REGRAS DE BIOSSEGURANÇA 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 03 REGULAMENTO GERAL DE USO DOS LABORATÓRIOS DA ÁREA DA SAÚDE... 04 TÍTULO I DAS NORMAS DE BIOSSEGURANÇA...

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT 120 R 00 DESTINAÇÃO DE MATERIAIS DESATIVADOS

DECISÃO TÉCNICA DT 120 R 00 DESTINAÇÃO DE MATERIAIS DESATIVADOS R DOCUMENTO NORMATIVO I INDICE 1 OBJETIVO... 1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS... 1 3 PROCEDIMENTOS... 1 3.1 MATERIAIS EXCEDENTES DE OBRAS...1 3.2 MATERIAIS RETIRADOS DEVIDO A DEFEITOS...1 3.3 MATERIAIS DESATIVADOS

Leia mais

Métodos e técnicas de coleta vegetal

Métodos e técnicas de coleta vegetal Métodos e técnicas de coleta vegetal A coleta de material botânico deve priorizar sempre a qualidade, procurando representar, tanto quanto possível, as variações populacionais e ser precisa nas informações

Leia mais

Prática: Cordados (esqueletos)

Prática: Cordados (esqueletos) Prática: Cordados (esqueletos) Autores: Emerson Batista Machado e Priscila Barbosa Peixoto Co-responsável pela revisão e/ou alteração: Alípio Rezende Benedetti Introdução Preparo de esqueletos: Esqueletos

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO APE 2010

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO APE 2010 SECRETARIA de ESTADO da EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA de DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DIRETORIA de ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR COORDENADORIA de ALIMENTAÇÃO e NUTRIÇÃO ESCOLAR INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO APE

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS Este manual foi elaborado para orientar o Cliente, Órgão/Entidade, sobre os procedimentos necessários a serem seguidos com relação à preparação

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

Regulamento da Biblioteca São José

Regulamento da Biblioteca São José 1 Regulamento da Biblioteca São José Pato Branco - PR 2 SUMÁRIO DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO... 3 DA NATUREZA E FINS... 3 DO ACERVO... 4 DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO... 4 DA ORGANIZAÇÃO... 5 DO PESSOAL...

Leia mais

Atividades: Aprendendo a reutilizar o lixo

Atividades: Aprendendo a reutilizar o lixo : Aprendendo a reutilizar o lixo Introdução A quantidade de lixo produzido no mundo é enorme. Para você ter uma idéia dessa quantidade, basta saber que cada brasileiro gera entre 500 gramas a 2 quilos

Leia mais

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto MANUAL TÉCNICO Kit Porta Pronto Carga e Descarga Os produtos são carregados na empresa e preparados de modo a assegurar sua proteção. Durante o transporte até o cliente é imprescindível que sejam mantidas

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

Mudança. manual de montagem. Estante Divisória. ferramenta chave philips. tempo 1 hora e 30 minutos. tempo 1 hora. montagem 2 pessoas

Mudança. manual de montagem. Estante Divisória. ferramenta chave philips. tempo 1 hora e 30 minutos. tempo 1 hora. montagem 2 pessoas manual de montagem montagem 2 pessoas ferramenta martelo de borracha Mudança Estante Divisória ferramenta chave philips tempo 1 hora e 30 minutos ferramenta parafusadeira tempo 1 hora DICAS DE CONSER VAÇÃO

Leia mais

Impressora HP LaserJet Série P2030. Guia de papel e mídia de impressão

Impressora HP LaserJet Série P2030. Guia de papel e mídia de impressão Impressora HP LaserJet Série P2030 Guia de papel e mídia de impressão Impressora HP LaserJet Série P2030 Guia de papel e mídia de impressão Copyright e licença 2008 Copyright Hewlett-Packard Development

Leia mais

CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA. - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para animais e plantas

CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA. - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para animais e plantas CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA 1. Introdução a) Quantificação do vapor d água na atmosfera. b) Importância da quantificação da umidade atmosférica: - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

Colheita, secagem e montagem de material de herbário

Colheita, secagem e montagem de material de herbário Colheita, secagem e montagem de material de herbário 1. Colheita de material Para iniciar a colheita do material de herbário, é necessário levar para o campo: livro de campo (para fazer as anotações necessárias

Leia mais

SEGURANÇA E TÉCNICA DE LABORATÓRIO AULA 01: ORGANIZANDO O LABORATÓRIO TÓPICO 03: ORGANIZAÇÃO LABORATORIAL O laboratório, seja de uma indústria, de um centro de pesquisa ou de uma instituição de ensino

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1 MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento Toledo PR Página 1 INDICE 1. O QUE É O SORE...3 2. COMO ACESSAR O SORE... 4 2.1. Obtendo um Usuário e Senha... 4 2.2. Acessando o SORE pelo

Leia mais

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA.

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA. Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa do Cidadão Instituto Geral de Perícias Instituto de Análises Laboratoriais Laboratório de Genética Forense ANEXO I REGRAS PARA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO

REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO 2015 REGIMENTO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO Título I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º - Este regulamento

Leia mais

Doutora em Ciências Biológicas, Professora Associada da Universidade Estadual de Ponta Grossa, dalva_rocha@uol.com

Doutora em Ciências Biológicas, Professora Associada da Universidade Estadual de Ponta Grossa, dalva_rocha@uol.com 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INTEGRAÇÃO DO HERBÁRIO (HUPG) NO ESPAÇO DIGITAL DO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE HERRRERO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE HERRRERO MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE HERRRERO CURITIBA 2015 MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE HERRRERO Curitiba 2015 Rua Álvaro Andrade, 345 Bairro

Leia mais

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado.

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado. Acondicionamento Para o cliente que deseja enviar um objeto via Correios, o correto acondicionamento dos objetos é muito importante para assegurar que as remessas cheguem bem a seus destinos. Recomenda-se

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 SUDE/DILOG/CANE PROGRAMA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PEAE

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 SUDE/DILOG/CANE PROGRAMA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PEAE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 SUDE/DILOG/CANE PROGRAMA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PEAE 1. DO RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS 1.1 Cada escola é responsável pela guarda, controle,

Leia mais

KERN KHP V20 Versão 1.0 11/2014 P

KERN KHP V20 Versão 1.0 11/2014 P KERN & Sohn GmbH Ziegelei 1 D-72336 Balingen E-mail: info@kern-sohn.com Telefone: +49-[0]7433-9933-0 Fax: +49-[0]7433-9933-149 Internet: www.kern-sohn.com Instrução de instalação Ponte de pesagem ( 3000

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012 Ministério da Justiça CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA - CNPCP RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012 CONSIDERANDO a ausência de preocupação com o tratamento dado aos resíduos gerados

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Edital de Pauta Galeria do MABEU 2013

Edital de Pauta Galeria do MABEU 2013 Edital de Pauta Galeria do MABEU 2013 EDITAL DE PAUTA GALERIA DO MABEU/CCBEU 2013 O presente Edital tem por objeto a seleção pública de projetos para EXPOSIÇÕES na Galeria de Artes do MABEU. As inscrições

Leia mais

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos Instruções de Instalação Pisos Vinílicos LinhadePisosLaminadosemPVC 2,3mmeClick Recomendações e Responsabilidades Os serviços de colocação devem ser repassados a profissionais instaladores de pisos com

Leia mais

apresenta Orientações para aplicação do Pastilhado de Casca de Coco

apresenta Orientações para aplicação do Pastilhado de Casca de Coco apresenta Orientações para aplicação do Pastilhado de Casca de Coco O pastilhado da CoconutArt é fabricado com a casca dura do coco, aproveitando os resíduos da indústria alimentícia. A fabricação das

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO DE COMPUTADORES

SUPORTE TÉCNICO DE COMPUTADORES SUPORTE TÉCNICO DE COMPUTADORES PROF. FABRICIO ALESSI STEINMACHER MONTAGEM E DESMONTAGEM DE SEU COMPUTADOR Primeiramente devemos saber que um computador possui diversos componentes que exige cuidado, como

Leia mais

FRITADEIRA MEGA FRY INOX

FRITADEIRA MEGA FRY INOX 02/13 973-09-05 782264 REV.0 FRITADEIRA MEGA FRY INOX SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha da Fritadeira Philco. Para garantir o melhor desempenho de seu produto,

Leia mais

g) Realizar as leituras das amostras de fezes e lançar seus resultados nas respectivas folhas de trabalho;

g) Realizar as leituras das amostras de fezes e lançar seus resultados nas respectivas folhas de trabalho; 1/9 1. OBJETIVO Definir todas as rotinas executadas no setor da parasitologia, como também as ações pertinentes aos Controles de Qualidade Interno e Externo (Programas de Proficiência e Testes Interlaboratoriais)

Leia mais

Guia de instalação AC 2014 AC 2017

Guia de instalação AC 2014 AC 2017 Guia de instalação AC 2014 AC 2017 Antena Yagi Dual Band AC 2014 AC 2017 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este guia foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

PNV Divulgação de Boas Práticas. Rede de Frio. Ana Paula Abreu

PNV Divulgação de Boas Práticas. Rede de Frio. Ana Paula Abreu PNV Divulgação de Boas Práticas Rede de Frio Dezembro 2011 Ana Paula Abreu S. Farmacêuticos A efectividade e a segurança das vacinas dependem também das suas condições de transporte, de conservação e de

Leia mais

REGISTRO VISITA TÉCNICA COMISSÃO TEMÁTICA DE ATIVIDADES PRODUTIVAS PROJETO DA COOPERATIVA DE CORTE, COSTURA E ARTESANATO

REGISTRO VISITA TÉCNICA COMISSÃO TEMÁTICA DE ATIVIDADES PRODUTIVAS PROJETO DA COOPERATIVA DE CORTE, COSTURA E ARTESANATO REGISTRO VISITA TÉCNICA COMISSÃO TEMÁTICA DE ATIVIDADES PRODUTIVAS 1 PROJETO DA COOPERATIVA DE CORTE, COSTURA E ARTESANATO PROGRAMA ENERGIA SOCIAL PARA A SUSTENTABILIDADE LOCAL Perolândia - GO Data: 22/08/2012

Leia mais

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm)

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm) Barras de Pesagem Beckhauser Manual do Usuário Conheça seu equipamento em detalhes e saiba como aproveitar todo seu potencial no manejo. Leia atentamente este Manual antes de utilizar o produto e antes

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Aplicação da ecologia na engenharia

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS DE OBRAS (MMO)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS DE OBRAS (MMO) PO MAT 0 18/10/21 1. REFERÊNCIA/OBJETIVO ÁREA APLICÁVEL Controlar a logística de materiais de obras (físico e contábil), incluindo as requisições reservas de materiais (RM), aplicações mensais, devoluções

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO 1 -DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 3 CAPÍTULO 2 - DA DESTINAÇÃO DOS LABORATÓRIOS... 3 CAPÍTULO 3 - DAS ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS... 5 CAPÍTULO 4 - UTILIZAÇÃO

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383 A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS

BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE COLEÇÕES É o conjunto de atividades que determina a conveniência de se adquirir, manter ou descartar materiais bibliográficos e

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS NUTRIÇÃO UNIC Profª Andressa Menegaz Conservação por irradiação A irradiação pode servir para: -destruir os microrganismos; -retardar a germinação de certos legumes; -destruir os

Leia mais

Componente B Catalisador AL 1006 Componente B (12256557) - (1,5L)

Componente B Catalisador AL 1006 Componente B (12256557) - (1,5L) WEGNILICA CVE 804 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Promotor de aderência bicomponente, formulado a partir de resinas vinílicas com excelente aderência sobre metais ferrosos e não ferrosos. RECOMENDAÇÕES DE USO: Indicado

Leia mais

1 Introdução. 2 Material

1 Introdução. 2 Material TUTORIAL Criação de Engrenagens em Acrílico Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 18/01/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso.

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas para descarte)

Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas para descarte) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO PTJAM 61 Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas

Leia mais

Aquisição. Manual APC

Aquisição. Manual APC Sumário 1. ORÇAMENTO... 1 1.1 CADASTRO DAS VERBAS...3 1.2 UNIDADE ORGANIZACIONAL...4 1.1.1 Orçamento...6 2. SUGESTÕES DE COMPRA... 1 1.3 ITENS...3 2.1.1 VISUALIZAÇÃO...7 1.4 CONSULTA GERAL E GERAÇÃO DE

Leia mais

PRÊMIO DE MARKETING UNIMED "DR. NILO MARCIANO DE OLIVEIRA"

PRÊMIO DE MARKETING UNIMED DR. NILO MARCIANO DE OLIVEIRA PRÊMIO DE MARKETING UNIMED "DR. NILO MARCIANO DE OLIVEIRA" REGULAMENTO 1. O QUE É O PRÊMIO DE MARKETING UNIMED Criado em 1994, pela Unimed do Brasil, o Prêmio de Marketing Unimed "Dr. Nilo Marciano de

Leia mais

ÍNDICE MANUAL DO USUÁRIO PROGRAMA DE COMPUTADOR. Introdução Pág. 03 a 04 Características Pág. 05 a 06 Documentação Formal Pág.

ÍNDICE MANUAL DO USUÁRIO PROGRAMA DE COMPUTADOR. Introdução Pág. 03 a 04 Características Pág. 05 a 06 Documentação Formal Pág. ÍNDICE Introdução Pág. 03 a 04 Características Pág. 05 a 06 Documentação Formal Pág. 08 a 15 Passo a passo do Formulário Pág. 16 a 24 Documentação Técnica Pág. 25 a 28 Depósito Pág. 29 a 30 Acompanhamento

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS O presente regulamento estabelece os princípios e as normas aplicáveis ao Arquivo Histórico da Caixa Geral de

Leia mais

Especialista em Soluções

Especialista em Soluções Fita Adesiva de Polipropileno (Empacotamento) Fita adesiva de filme de polipropileno biorientado transparente com adesivo acrílico. Indicada para: - Trabalhos escolares; - Reforço de embalagens; - Fechamento

Leia mais

MinyScan Home. Leitor Manual de Código de Barras. Manual do Usuário Versão 2.0b. Data da Revisão: 26/08/05

MinyScan Home. Leitor Manual de Código de Barras. Manual do Usuário Versão 2.0b. Data da Revisão: 26/08/05 MinyScan Home Leitor Manual de Código de Barras Manual do Usuário Versão 2.0b Data da Revisão: 26/08/05 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APRESENTANDO O MINYSCAN HOME... 4 2.1. COMPOSIÇÃO... 4 3. INSTALANDO

Leia mais

MANUAL DE ETIQUETA TÊXTIL

MANUAL DE ETIQUETA TÊXTIL MANUAL DE ETIQUETA TÊXTIL REGULAMENTO TÉCNICO DE ETIQUETAGEM DE PRODUTOS TEXTEIS. NORMA BRASILEIRA I. Considerações Gerais 1. Para os efeitos do presente Regulamento, é considerado produto têxtil aquele

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE ANATOMIA CAPÍTULO I DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E ANATOMIA E SEUS OBJETIVOS

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE ANATOMIA CAPÍTULO I DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E ANATOMIA E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE ANATOMIA CAPÍTULO I DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E ANATOMIA E SEUS OBJETIVOS Art.1º - O presente documento estabelece as normas de organização

Leia mais

Título do documento Revisão Página. A p o io a La b o ra tó rio s. Edina Regina da Silva Orelli 10/10/2010

Título do documento Revisão Página. A p o io a La b o ra tó rio s. Edina Regina da Silva Orelli 10/10/2010 Título do documento Revisão Página [ IT. 106] - Manual de Transporte Apoio 2 1 a 16 A p o io a La b o ra tó rio s ÍNDICE Elaborado Aprovação Edina Regina da Silva Orelli Cristiano Fernandes 10/10/2010

Leia mais

3. DAS INSTALAÇÕES E DA INFRA-ESTRUTURA

3. DAS INSTALAÇÕES E DA INFRA-ESTRUTURA Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto J. Andrade 1. MISSÃO A biblioteca tem como missão atender às necessidades da comunidade acadêmica do Instituto J. Andrade, em suas atividades de estudo, ensino,

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: 2 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento

Leia mais

Como implantar e manter a coleta seletiva na sua escola. Coleta Seletiva

Como implantar e manter a coleta seletiva na sua escola. Coleta Seletiva Como implantar e manter a coleta seletiva na sua escola Coleta Seletiva Apresentaçao ~ Índice Esta cartilha foi elaborada pela Prefeitura de São Bernardo do Campo, em parceria com a SBC Valorização de

Leia mais

O sistema CNEs/MJ é composto pelo CNEs/Web e CNEs/ Prestação de contas.

O sistema CNEs/MJ é composto pelo CNEs/Web e CNEs/ Prestação de contas. Material de apoio Material de apoio Informações Gerais O sistema CNEs/MJ é composto pelo CNEs/Web e CNEs/ Prestação de contas. O acesso ao CNEs/Web é realizado pelo site do CNES no endereço: www.mj.gov.br/cnes

Leia mais

MANUAL TÉCNICO PREALL

MANUAL TÉCNICO PREALL MANUAL TÉCNICO PREALL ÍNDICE 1. PRODUTO 2. RECEBIMENTO 3. ARMAZENAMENTO 4. PREPARAÇAO DO LOCAL DE APLICAÇÃO 5.1 DEFINIÇÃO DE JUNTA 5.2 ASSENTAMENTO 6. LIMPEZA 7. PROTEÇÃO 8. GARANTIA 9. PISO ELEVADO 10.

Leia mais

Caro amigo: Sempre que quiser ou precisar de maiores orientações, pode procurar o GEA, que teremos prazer em ajudá-lo. Saudações ambientalistas,

Caro amigo: Sempre que quiser ou precisar de maiores orientações, pode procurar o GEA, que teremos prazer em ajudá-lo. Saudações ambientalistas, Caro amigo: Um Programa de Coleta Seletiva não é tarefa difícil de realizar, porém é trabalhoso e exige dedicação e empenho, pois engloba pelo menos três etapas: planejamento, implantação e manutenção,

Leia mais

BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção

BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção G Sistema de Detecção/Extinção de Faíscas Segurança para a sua produção Sistemas de Detecção e Extinção de Faíscas são capazes

Leia mais

SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA AUTORIDADE PORTUÁRIA

SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA AUTORIDADE PORTUÁRIA CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTES A SERVIÇOS DE REFORMA PARA ELIMINA- ÇÃO DE PONTOS DE ABRIGO DE POMBOS, NO PRÉDIO SEDE DA CODEBA, LOCALIZADO NO PORTO ORGANIZADO DE SALVADOR-BA.

Leia mais

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO ANTES DE UTILIZAR A PLACA DE FOGÃO SUGESTÕES PARA A PROTECÇÃO DO AMBIENTE PRECAUÇÕES E RECOMENDAÇÕES GERAIS SUGESTÕES PARA POUPANÇA DE ENERGIA CUIDADOS E MANUTENÇÃO GUIA PARA RESOLUÇÃO

Leia mais

DESCRIÇÃO SUCINTA DO SISTEMA SCAP

DESCRIÇÃO SUCINTA DO SISTEMA SCAP Descrição Sucinta do Sistema - 2 - SUMÁRIO DESCRIÇÃO SUCINTA DO SISTEMA SCAP Light... 3 1 - O que é o Sistema SCAP Light... 3 2 - Características Gerais... 3 3 - Funcionalidades do Sistema SCAP Light...

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS

MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS Elaborado por:

Leia mais

PENEIRA AUTOLIMPANTE de Escovas Rotativas - PAL

PENEIRA AUTOLIMPANTE de Escovas Rotativas - PAL Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções PENEIRA AUTOLIMPANTE de Escovas Rotativas - PAL Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal PREGÃO ELETRÔNICO 153/2009 PROCESSO 336.637 Trata-se de pedidos de esclarecimentos encaminhados pelas empresas AURUS Comercial e Distribuidora Ltda., HUFFIX do Brasil Ambientes Empresariais e TELOS S/A

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5 Recomendar procedimentos de segurança na rotina diária das instituições de educação infantil - públicas e privadas.. A Secretária Municipal da Educação do Município de Curitiba,

Leia mais

LAMEB II Centralizado em Microscopia e Técnicas Histológicas

LAMEB II Centralizado em Microscopia e Técnicas Histológicas LAMEB II Centralizado em Microscopia e Técnicas Histológicas 1. NORMAS GERAIS DE USO DO LABORATÓRIO A falta de cumprimento das normas abaixo relacionadas implicará na restrição ao acesso do usuário nas

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE MOEDAS

CONSERVAÇÃO DE MOEDAS CONSERVAÇÃO DE MOEDAS A presente apostila é parte integrante do treinamento e-learning sobre como reconhecer cédulas e moedas legítimas do Real. Brasília, maio de 2005 Copyright Banco Central do Brasil

Leia mais

Introdução ao icare 2

Introdução ao icare 2 Introdução ao icare 2 (Instrumentação para a Coleta Assistida de Resíduos Recicláveis V.2) Arthur Elídio da Silva Lucas Zenaro José Tarcísio F. de Camargo Unipinhal (2015) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 O

Leia mais

Características do papel. Escolhendo formulários préimpressos

Características do papel. Escolhendo formulários préimpressos A qualidade de impressão e a confiabilidade da alimentação da impressora e dos opcionais podem variar de acordo com o tipo e tamanho da mídia de impressão utilizada. Esta seção fornece diretrizes para

Leia mais

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições:

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições: Código: MAP-DIINF-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Acervos Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir os procedimentos de arquivamento e

Leia mais

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Painel de recebíveis e Painel de linhas de crédito Versão 1.0 1 As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. Proposto por: RECEBER E ENCAMINHAR CORRESPONDÊNCIAS Serviço de Expediente e Arquivo (SEARQ) Analisado por: Departamento de Suporte Operacional (DESOP) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria Geral de

Leia mais

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa.

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa. Mais Questões Isildo M. C. Benta, Assistência Técnica Certificada de Sistemas Solares Quanto poupo se instalar um painel solar térmico? Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da

Leia mais

REGULAMENTO 2015 FEIRA DE PROJETOS E MOSTRA DE INOVAÇÃO DO SENAC-RS

REGULAMENTO 2015 FEIRA DE PROJETOS E MOSTRA DE INOVAÇÃO DO SENAC-RS REGULAMENTO 2015 FEIRA DE PROJETOS E MOSTRA DE INOVAÇÃO DO SENAC-RS 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1.1. Evento: FEIRA DE PROJETOS E MOSTRA DE INOVAÇÃO DO SENAC RS Temática: Construindo soluções. Objetivo: Apresentar

Leia mais

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Uso da Cal

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Uso da Cal IPHAN/MONUMENTA Manual Prático Uso da Cal 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho 1 ME-01 REV00 13 3 1 2 14 9 10 12 4 5 6 7 11 8 1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho da porta

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. ESTADO DO RIO DE JANEIRO Proposto por: Chefe de Serviço da Revista de Direito (SERED) Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão e Disseminação do Conhecimento (DECCO) Aprovado por: Diretor da Diretoria-Geral

Leia mais

ML-800 PRANCHA ALISADORA

ML-800 PRANCHA ALISADORA ML-800 PRANCHA ALISADORA INTRODUÇÃO A ML-800 Milano NKS é um produto de alta tecnologia e qualidade. Para entender todas as funções deste aparelho e utilizá-lo com segurança, leia atentamente as recomendações

Leia mais

MISTURADOR E DIRECIONADOR DE ÁGUA

MISTURADOR E DIRECIONADOR DE ÁGUA MISTURADOR E DIRECIONADOR DE ÁGUA MANUAL DE INSTRUÇÕES (UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO) MODELO: AMX-102 UT-1 PARABÉNS!!!! VOCÊ ACABOU DE ADQUIRIR UMA DAS MELHORES VÁLVULAS MISTURADORA E DIRECIONADORA DE ÁGUA.

Leia mais

Tanque vertical. Reservatório vertical em filamento contínuo. Manual de Instalação, Manutenção e Garantia

Tanque vertical. Reservatório vertical em filamento contínuo. Manual de Instalação, Manutenção e Garantia Tanque vertical Reservatório vertical em filamento contínuo Manual de Instalação, Manutenção e Garantia 1 - Descrição do equipamento Tanque vertical fabricado em PRFV (poliéster reforçado com fibra de

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Os organismos retiram constantemente da natureza os elementos químicos de que necessitam, mas esses elementos sempre retornam ao ambiente. O processo contínuo de retirada e de devolução de elementos químicos

Leia mais

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador 2 IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação contida neste documento é propriedade da Ingenieros, S.A. e nenhuma parte dela pode ser reproduzida ou transferida sob nenhum

Leia mais

3. Definições: Código de Classificação de Documentos do TJAM. Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 06. Páginas 10. Data 31/05/2012.

3. Definições: Código de Classificação de Documentos do TJAM. Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 06. Páginas 10. Data 31/05/2012. 001/20 - Providenciar o Arquivamento, : 1. Objetivo: Padronizar os procedimentos relacionados aos pedidos de arquivamento, desarquivamento e encaminhar os autos processuais findos oriundos das Unidades

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA

RELATÓRIO SOBRE A INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA RELATÓRIO SOBRE A INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA 1 RELATÓRIO SOBRE A BIBLIOTECA INFORMAÇÕES GERAIS: As bibliografias das disciplinas do curso estão atualizadas, e seguem o padrão de três obras para a bibliografia

Leia mais

Planilha de controle de faltas iniciais

Planilha de controle de faltas iniciais Planilha de controle de faltas iniciais Apresentação Esta pasta de trabalho foi criada pensando naquela fase do cotidiano escolar das escolas públicas. Aquela fase inicial na qual há uma lista de alunos

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 3 o TRIMESTRE DE 2012

PROVA DE FÍSICA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROVA DE FÍSICA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROF. VIRGÍLIO NOME N o 8 o ANO Olá, caro(a) aluno(a). Segue abaixo uma série de exercícios que têm, como base, o que foi trabalhado em sala de aula durante todo o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto Multidisciplinar em Saúde Campus Anísio Teixeira LABORATÓRIOS DE MICROBIOLOGIA DE ALIMENTOS, ENZIMOLOGIA & MICROBIOLOGIA INDUSTRIAL (LMA & LEMI) Professores Responsáveis:

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais