Desempenho da Base de Dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desempenho da Base de Dados"

Transcrição

1 Desempenho Parte I Base de Dados 1 Desempenho da Base de Dados O desempenho de uma base de dados pode ser optimizado e afinado, escolhendo os valores adequados dos parâmetros do SGBD usado, o desenho dos objectos (por exemplo, a estrutura de uma tabela) e a forma de implantação física (por exemplo, e heap, clustering index, partitioning, etc.) Convém notar que não existe nenhuma técnica de afinação que consiga melhorar o desempenho de interrogações se a base de dados estiver mal concebida, no entanto, existem algumas técnicas que podem produzir bons resultados em diferentes situações em que nos deparemos com problemas de desempenho. No módulo anterior (Organização Física) já ficámos com ideia i de como a organização física pode influenciar o desempenho de uma base de dados. Neste módulo vamos tentar dar uma visão integrada das principais questões que influenciam o desempenho de uma base de dados. 2 1

2 Aspectos relevantes Alguns dos aspectos que devem ser considerados a este nível: Dimensão das páginas Espaço livre Indexação Clustering Partições Localização e alocação dos ficheiros Compressão de dados Inlerleaving data 3 Aspectos relevantes Alguns dos aspectos que devem ser considerados a este nível (cont.): Reorganização Desnormalização (incluindo materialização de vistas) Alojamento em file systems ou directamente sobre partições do disco Estatísticas 4 2

3 Dimensão das páginas Como vimos no módulo 1, a dimensão da página tem consequências ao nível do número de linhas que nela cabem e, portanto, do número de acessos ao disco que serão necessários para executar determinada interrogação. Mas também tem consequências no desperdício de espaço. Em alguns sistemas é possível escolher (dentro de alguns limites) a dimensão da página para uma dada tabela. Exemplo: Para uma tabela com linhas de dimensão 3000 bytes, num sistema que permita páginas de 4 e 16 KB, que dimensão de página escolher. 4 KB (4096 bytes)? 16KB (16384 bytes)? Tem de se saber qual o overhead associado às páginas e às linhas, mas 5 Dimensão das páginas Supondo um overhead de página de 96 bytes e por linha de 6 bytes, teremos os seguintes casos a considerar: 1. Páginas de 4KB = 4000 bytes disponíveis 4000 div (3006) = 1 linha por página 994 bytes de desperdício dí por página em 4 KB por página (24%) 2. Páginas de 16 KB = bytes disponíveis div (3006) = 5 páginas por página *3006 = = 1258 bytes de desperdício em 16KB por página (7,7%) e, em média, apenas metade da última página estará preenchida. Logo 2,5*3006 = 7515 bytes de desperdício em toda a tabela (em média) Do ponto de vista de desperdício, se a tabela for pequena a diferença não é significativa, podendo, mesmo a melhor solução ser a página de 4KB (por exemplo, se a página tiver menos de 5 linhas). Se a tabela tiver número significativo de linhas, a melhor solução seria a página de 16KB. Do ponto de vista de número de operações de I/O, verifica-se situação semelhante. Se a tabela for pequena, a dimensão da página não é muito importante, podendo até ser preferível a página de 4KB (por exemplo, se a tabela apenas tiver uma linha), mas se a tabela tiver muitas linhas, a página de 16KB é preferível por, potencialmente, dividir por 5 o número de operações de I/O necessário para aceder a informação da tabela (sobretudo quando se faz acesso sequencial ou por gama de valores da chave de um clustered index) 6 3

4 Espaço livre Como vimos no módulo 1, a escolha do fill factor associado às folhas dos índices tem influência no desempenho. Em geral a reserva de eapaço livre tem influência no desempenho, devido às seguintes situações: 1.Quando uma folha está totalmente preenchida e se tem de inserir um novo registo (por exemplo, nas folhas de um clustered index), tem de se realizar um page split que toma tempo de CPU e de I/O e pode obrigar à propagação para níveis superiores de um índice (mais tempo de CPU e de I/O) 2.Os acessos para leitura realizados por gama de valores podem ficar mais lentos à medida que vai havendo page splits, pois as páginas consecutivas deixam de estar contíguas no disco 3.Se não existir espaço livre suficiente, as colunas de dimensão variável podem obrigar ao uso de zonas de overflow. Alguns sistemas permitem manter uma página após um determinado número de páginas preenchidas (FREEPAGE) e outros (como o Slq Server) permitem manter uma determinada percentagem de cada página livre (PCTFREE). Genericamente, fala-se em fill factor quando alguma destas possibilidades existe. Factores a ter em conta na decisão: Frequência de inserções e actualizações, volume de acessos sequências (ou por gama de valores) por oposição aos acessos aleatórios, impacto nos acessos nonclustered, probabilidade de page-splits encadeamento e migração de linhas. 7 Indexação Como vimos no módulo 1, em geral, os índices podem ter impacto positivo nos acessos para leitura, mas nem sempre isso acontece e, às vezes, os ganhos que deles advêm não são compensados pelos impactos negativos que têm em termos de ocupação de espaço e de desempenho na inserções, remoções e actualizações. Em geral devemos adoptar índices que permitam melhorar o desempenho de várias interrogações, mas é razoável fazê-lo para se melhorar o desempenho de uma interrogação se ela tirar um grande impacto no sistema (por exemplo, é executada frequentemente). A definição de índices nunca é definitiva. É necessário monitorizar o funcionamento do sistema para o ir afinando. A indexação não é, em geral, adequada nas seguintes situações: Tabelas muito pequenas Sobre colunas variáveis, se o SGBD considerar no índice sempre a dimensão máxima Sobre tabelas que apenas são acedidas com operadores sequenciais (table scan) O número de entradas por página de índice (ordem, fun out ou factor de ramificação) é pequeno. 8 4

5 Indexação A indexação é particularmente útil nas seguintes situações 1. Localizar um linha, dados os valores de determinadas colunas 2. Realizar acessos por gama de valores de uma coluna 3. Tornar os joins mais eficientes (se existirem índices sobre as colunas de join) 4. Relacionar dados entre tabelas diferentes (chaves estrangeiras) 5. Agregação de dados (se existire índices sobre as coluna em group by ) 6. Ordenar os dados para satisfazer uma interrogação (ex: SELECT DISCTINCT...) 9 Indexação Covering indexes Na interrogação Select A,B from T Where C = 20, um índice sobre a coluna C pode aumentar o desempenho, mas essa melhoria pode ser aumentada se criarmos um índice sobre as colunas (C,B,A), pois, nesse caso não é necessário aceder aos dados, bastando o índice para responder à interrogação (fala-se em index overloading). Com um índice sobre (C,B,A), também podemos melhorar o desempenho em interrogações que envolvam na cláusula WHERE a coluna C, as colunas C e B e as colunas C e B e A, mas se o objectivo é apenas melhorar o desempenho da interrogação do exemplo anterior, gastamos espaço desnecessário nos níveis superiores do índice. No Sql Server, em alternativa, podemos usar um índice sobre C com A e B como included columns. 10 5

6 Indexação Filtered ndexes No SQl Server, os filtered indexes permitem ter índices específicos sobre conjuntos diferentes de registos da mesma tabela. Uma das possibilidades de utilização deste índice é indexar apenas a zona da tabela que é mais frequentemente acedida. Por exemplo, num sistema de gestão de alunos, poderia fazer sentido criar índices apenas sobre a gama de números de aluno mais recentes, dado que são estes que, maioritariamente, correspondem aos alunos activos e, portanto, que figurarão em mais interrogações. Quando os alunos mais antigos aparecerem em interrogações, a resposta do sistema não tirará partido dos índices. Outra possibilidade é criar índices unique sobre colunas (por exemplo, C) que admitam valores null. Neste caso criar-se-ia o filtro com uma cláusula WHERE C is NOT NULL 11 Indexação Filtered ndexes Vantagens adicionais deste tipo de índices: facilidade de manutenção (manutenção separada de vários índices menores) Índices menores, portanto, mais rápidos Estatísticas mais correctas quando obtidas por amostragem porque todas as amostras são relativas à zona coberta pelo filtro e, portanto, a que será objecto das interrogações para a as quais ele se destina. Se incluíssemos toda a tabela, estaríamos a influenciar as estatísticas com dados que nunca serão acedidos usando o filtro. Menos espaço, dado que podemos excluir do índice alguns dos dados 12 6

7 Indexação Indexação Clustering Consiste na manutenção dos tados da tabela ordenados por ordem de um conjunto de colunas, normalmente, conseguido, como vimos, à custa de C um clustered index.(no máximo, um). O clustering facilita acessos sequências pela ordem das colunas sobre as quais é definido, sendo particularmente útil nos acessos por gama de valores destas colunas. Mas coloca um problema na inserção de novos valores, uma vez formado o cluster, podendo ocasionar page splits (*) (). A definição de um fill factor inferior a 100% pode ser necessária, se a tabela for sujeita a muitas inserções depois de criado o índice. (*) Em alguma literatura são referidos dois tipos de page split: o normal que corresponde ao que vimos no módulo 1 e o monotónico que corresponde basicamente à inserção de uma nova página (por exemplo, no fim de um heap). Neste texto apenas consideramos page split o primeiro caso. 13 Indexação Clustering Na criação de um clustering index deve ter-se em conta o seguinte: 1. Apenas pode haver um clustering index por tabela 2. Em alguns sistemas, a chave do clustered index aparece nas páginas dos índices non clustered (locator no SQL Server), contribuindo para o gasto de espaço e consequentemente, menos eficiência desses índices por resultar em factores de ramificação menores. Deve, portanto, tentar-se que, em especial, nos clusterd indexes, as chaves sejam de pequenas dimensões. A situação pode ser piorada para índices non clustered e non unique, pois, nesse caso, as entradas do índice nos níveis superiores também usam a chave do índice clustered como um uniquifier 3. Deve evitar-se a definição de índices clustered (em especial) cujas chaves sejam sujeitas a alterações frequentes (essas alterações obrigam a recalcular o índice). 4. Os índices clusterd devem, preferencialmente, ser calculados depois da tabela estar preenchida e, de preferência, não deveriam ser sujeitos a inserções depois deste momento. 5. Quando existem índices non clustered sobre um clusterd index, deve criar-se primeiro o clustered index (depois de preenchida a tabela) e depois os índices non clustered. De outro modo, este terão de ser recalculados quando se criar o clustered index. 14 7

8 Indexação Clustering Na criação de um clustering index deve ter-se em conta o seguinte: 6. Se sobre um índice clustered se realizarem inserções posteriores com valores da chave que sejam essencialmente aleatórios (ex: GUID), a probabilidade de page splits aumenta e distribui-se por todo o índice, contribuindo para o aumente da fragmenteção. Isto contrasta com a situação em que os valores inseridos são sempre na sequência ordenada dos últimos existentes no índice, onde o page split ocorre sempre na última página. Logo, o início do cluster mantém-se como inicialmente criado. Claro que, se fizermos muitas inserções em alturas do tempo distantes umas das outras,, a parte final do cluster também ficará muito fragmentada (NewSequentialID() no Sql Server). 7. Os page-splits contribuem para a fragmentação do cluster index, pelo que, pode ser necessário reorganizar o índice posteriormente. 8. De notar que alguns sistemas evitam os page-splits criando os novos registos numa zona de overflow, mas a consequência é que esses dados já não estão clustered e, portanto, os acessos a eles serão mais lentos 15 Indexação Boas práticas Explorar as possibilidades de uso de covering indexes e filtered indexes. Não se devem criar índices sem qualquer critério, na tentativa de que, tentando, se conseguirá melhorar o desempenho. Devem usar-se estatísticas ferramentas que nos auxiliem a tomas decisões sobre os índices mais promissores para melhoramento do desempenho. As chaves estrangeiras são boas candidatas para chaves de índices, dado serem frequentes os acessos a tabelas por essas chaves. Exemplo: Factura(NumFact,...) Item (NumItem, NumFact[FK],...) A existência de um índice sobre NumFact na tabela Item permite melhorar o desempenho na execução de interrogações do tipo SELECT * FROM Item WHERE NumFact = 1111 Para chaves de índices com mais do que uma coluna, devem (se possível) colocar-se primeiro as colunas mais selectivas, especialmente se elas aparecerem em predicados LIKE nas cláusulas WHERE das interrogações que se pretende optimizar. 16 8

9 Indexação Boas práticas Para operações de JOIN com muitos dados, um clustered index sobre as colunas de join de ambas as tabelas pode ter resultados excelentes, dado que poderá permitir realizar a operação com apenas um percurso em cada tabela (o operador merge join que veremos mais tarde trabalha sobre versões das tabelas ordenadas pelas colunas de join). Exemplo: Se a tabela T1 com coluna C1 tiver os valores 3, 1, 2 e a tabela T2 com a coluna C2 tiver os valores 2, 3, 0, se não ordenarmos os dados de ambas as tabelas, teremos de fazer múltiplos percursos numa das tabelas se se pretender realizar o join de T1 e T2 com a condição T1.C1 = T2.C2, mas se ordenarmos ambas as tabelas, basta fazer um percurso em cada uma delas. 1, 2, 3 0, 2, 3 ^ ^ ^ ^ ^ ^ (2,2) ^ ^ (3,3) 17 Indexação Boas práticas Para tabelas que sejam sujeitas a muitas alterações sobre as colunas do índice e muitas inserções, convém que os índices usem um fill factor apropriado (80 90%). Colunas usadas frequentemente para acesso a gamas de valores são boas candidatas para chave de um clustered index. É adequado que todas as criações, alterações e remoções de índices sejam testadas num ambiente de teste com a mesma estrutura da base de dados de produção e volume de dados e de acessos tão semelhante quanto possível, antes de serem concretizadas no sistema de produção 18 9

10 Partições Dependendo do SGBD utilizado, podemos encontrar várias formas de fazer corresponder as tabelas a unidades de alocação em disco ( ficheiros ). 1. Em alguns sistemas, a forma standard consiste em criar cada tabela num ficheiro usado apenas para ela. 2. Em alguns sistemas é possível colocar uma tabela em multíplos ficheiros (caso do Sql Server, com partições). Esta situação é conhecida como table partitioning. 3. Em alguns sistemas (caso do Sql Server) é possível colocar múltiplas tabelas num único ficheiro. (Recordar o que foi visto no módulo 1 sobre filegrpoups e partições no Sql Server) Como vimos no módulo 1, as partições realizadas sobre tabelas são uma forma de melhorar o desempenho por facilitarem a exploração do paralelismo de I/O e de CPU, Mas também pode ter efeito positivo na facilidade de manutenção (incluindo backups). Também podem contribuir para melhorar o desempenho em geral, por permitirem reduzir os espaços de procura em muitas interrogações. Por exemplo, num heap com 1000 alunos, a procura de um aluno teria, no pior caso de percorrer todo o heap. Com 4 partições de 250 alunos, apenas teríamos de percorrer, no prior caso 250 registos. 19 Localização e alocação dos ficheiros A localização física dos dados pode ter impactos enormes no desempenho. Não esquecer que as unidades de memória secundária mais comum (discos e tapes) têm partes mecânicas móveis o que as torna lentas relativamente às restantes componentes existentes nu SGBD. A colocação de toda a informação na mesma unidade de discos, para além de dificultar acções de manutenção (por exemplo backup e restore) tem como consequência aumentar a dimensão média das filas de acesso a disco, impedindo que se tire todo o proveito do potencial do servidor (por exemplo, multiprocessamento). Por outro lado o desempenho também se degrada porque haverá mais movimentos das cabeças do disco do que haveria se se utilizassem, de forma adequada, várias unidades de disco. É necessário ter noção dos padrões de acesso a cada porção dos dados para tomar decisões criteriosas, pois mais unidades de discos correspondem a maiores custos. A utilização dos níveis de RAID adequados é um exercício nesta linha, mas não permite um nível de controlo muito grande

11 Localização e alocação dos ficheiros Existem, no entanto, algumas decisões genéricas que se podem avançar : 1. É bom colocar os ficheiros de índices em discos diferentes daqueles onde são colocados os dados. Por exemplo, o num clustered index, pouco fragmentado, os dados tendem a ficar em páginas consecutivas, mas numa zona diferente das do nível superior do índice, o que acarreta mais movimentos das cabeças no disco. A inserção de um registo num clustered index que obrigue a um page split é um bom exemplo desta situação. 2. Pode generalizar-se, dizendo que existindo tabelas ou índices que sejam acedidos frequentemente em conjunto, é vantajoso do ponto de vista de desempenho que eles se situem em discos diferentes. 3. Um caso especial é o ficheiro Log Transaccional que, por ter u padrão de acesso sobretudo sequencial e por ser muito usado por todas as transacções na mesma base de dados, por um lado, e, por outro, por exigir requisitos de robustez adicionais deve ser colocado em unidades reservadas. 21 Localização e alocação dos ficheiros Existem, no entanto, algumas decisões genéricas que se podem avançar : 4. É necessário ter cuidados especiais na formatação dos discos para serem usados pelo SGBD, devendo garantir-se o alinhamento adequado entre as unidades de alocação dos discos e as pistas (uma unidade de alocação não deve iniciar-se numa pista e terminar noutra) e entre as páginas e as unidades de alocação no disco (uma página não deve iniciar-se numa unidade de alocação e terminar noutra). Por exemplo, no Sql Server, dado que a alocação de espaço é feita em grupos de 8 páginas de 8KB, na melhor forma de alinhamento, os discos para Sql Server deveriam estar formatados para unidades de alocação de 64KB, de forma a alinharem completamente com um page extent

12 Compressão de dados A compressão de dados pode contribuir para diminuir a necessidade de espaço, mas, também pode contribuir para melhorar o desempenho ao contribuir para reduzir o número de operações de I/O. Por exemplo, em Sql Server, uma tabela cujas linhas ocupem 5000 byte obriga a que cada página apenas contenha uma linha (logo mais desperdício de espaço e, potencialmente, mais operações de I/O nos acessos à tabela. Se, dependendo dos dados, a compressão permitir colocar duas linhas por página já teremos um ganho significativo, quer do ponto de vista de operações de I/O, quer do ponto de vista de desperdício de espaço. No Sql Server, a compressão também pode, potencialmente, reduzir o número vezes em que colunas variáveis necessitam de ser colocadas em páginas de overflow. É, no entanto, necessário ter em conta que a compressão tem um preço associado. Sempre que se acede à página para leitura é necessário descomprimir os dados e sempre que se escreve na página é necessário comprimir os dados. 23 Inlerleaving data Em alguns sistemas (por exemplo Oracle) é possível intercalar no mesmo ficheiro (cluster), o que é vantajoso se elas forem sujeitas a operações de junção frequentes. Exemplo: Professor(NumProf, NomePRof) 1111 Nome Nome2222 Discilina(CodDisc, DesigDisc, ProfReg[FK]) D1 Des D2 Des D3 Des Poderiam ser intercaladas assim: 1111 Nome1111 D1 Des1 D3 Des Nome2222 D2 Des2 O Sql Server não suporta este tipo de organização 24 12

13 Reorganização Por muito bom que tenha sido o desenho da base de dados e as técnicas de optimização utilizadas, não é possível garantir que o sistema exibirá sempre a mesma qualidade em termos de desempenho. Contribuem para a degradação do desempenho durante a exploração do sistema: Dados unclustered (ou porque à partida não se criou o cluster, ou porque o SGBD usou zonas de overflow para evitar as situações de page-split Fragmentação, por exemplo, devida a excessivo número de page-splits, ou porque se fez excessivo uso de zonas de overflow. Row chaining Uma actualização de uma linha leva a o SGBD a transferir parte dela para outra zona onde exista espaço (por exemplo, que acontece com o SQL Server quando uma coluna variável cresce e deixa de caber na página. Uma ocorrência do género (designada row migration) verifica-se quando toda a linha tem de migrar para uma nova zona e se deixa um apontador na página anterior para a nova localização da linha (não se verifica no Sql Server). Page -Splits levaram a que duas páginas logicamente contíguas ficaram fisicamente distantes. File extents ocorre quando o aumento do espaço associado a uma tabela é realizado à custa de um ficheiro diferente do que estava a ser usado originalmente. 25 Reorganização Estes problemas podem ser resolvidos reorganizando os dados. A maneira mais fácil de o fazer é fazer ma cópia dos dados actuais dos objectos envolvidos, refazer a estrutura desses objectos com os novos requisitos e importar para ela os dados da cópia feita. Mas, em muitos casos não é necessário tanto esforço, havendo tipicamente suporte para reorganizações localizadas (por exemplo reorganizar um índice) 26 13

14 Desnormalização Nos sistemas operacionais a regra é normalizar. Porém, em alguns casos, pode ser necessário desnormalizar para se poder garantir os desempenhos adequados em algumas interrogações. Em geral, podemos desnormalizar para atender às seguintes situações: Quando o custo de um join é proibitivo, mas ele não ocorre com frequência, utilizam-se pré-join tables. Cria-se uma tabela que não contenha colunas repetidas e que apenas tenham a informação necessária, sendo essa tabela periodicamente preenchida com os dados das tabelas base. Cuidado porque se trata de uma replicação assíncrona. As vistas materializadas podem ser usadas para resolve este problema do sincronismo. Um caso especial é o caso de informação para relatórios, dado que estes normalmente são baseados em informação histórica e são produzidos em momentos específicos (report tables). Quando é necessário suportar o funcionamento de vários componentes (aplicações) sobre os mesmos dados pode ser necessário replicar algumas tabelas (mirror tables) 27 Desnormalização Em geral, podemos desnormalizar para atender às seguintes situações (cont.): Na mesma linha, pode ser vantajoso criar réplicas de partes das tabelas e não de todas as tabelas com partições verticais ou horizontais (page-split) Uma situação especial é o fraccionamento de colunas de grande dimensão em várias colunas de dimensão menos Combinação de tabelas diferentes numa tabela quando entre elas existe uma relação de 1:1 (e alguns casos aplica-se mesmo quando essa relação é de 1:N) Acrescentar colunas de uma tabela T2 a uma tabela T1 sempre que seja frequente usar-se a tabela T1 em conjunto com essas colunas da tabela T2. Grupos repetitivos normalizar grupos repetitivos à 1NF usando várias linhas (não normalizar à 2NF) Persistir dados calculados se o seu cálculo for proibitivo Usar Speed up tables para lidar com hierarquias de associações 1:N 28 14

15 Alojamento em file systems ou directamente sobre partições do disco Alguns SGBDs implantam as suas bases de dados sobre discos sem qualquer estrutura de file system; outros (como o Sql Server) usam o file system fornecido pelo sistema operativo. Em princípio, o modo preferido é o primeiro, pois a existência de cache ao nível do file system pode ter consequências negativas na consistência de dados O que acontece se a seguir a um checkpoint que tenha sido executado com sucesso do ponto de vista do SGBD a cache do file system atrasar o envio dos dados para o disco e, entretanto ocorrer uma fala do sistema? Obviamente, os SGBDs que suportam as suas bases de dados sobre o file system terão de lidar com essa dificuldade de alguma forma. Poder-se-ia pensar que um segundo nível de cache (ao nível do file system) teria consequências positivas no desempenho, mas, em geral, isso não acontece, podendo a sua existência contribuir mesmo para a degradação do desempenho. 29 Estatísticas Para lidarmos com os problemas vistos anteriormente, é necessário termos ferramentas que nos ajudem nessa tarefa. Um instrumento importante são as estatísticas que o SGBD pode manter. Elas contribuem um pouco para a degradação do desempenho, mas são extremamente úteis para colhermos informação que nos ajude em algumas tarefas (por exemplo, saber se temos ou não de criar um determinado índice). Em geral os SGBD possuem um conjunto de comandos que nos permitem obter estes dados estatísticos. Por exemplo, no Sql Server existe um conjunto de Dynamic Management Viewes que são vistas virtuais que nos permitem aceder a alguma desta informação. A Oracle tem instrumento idêntico (Dynamic Performance Tables). No Sql Server há ainda a salientar nesta linha o Sql profiler e o Sql Server Tunning Advisor 30 15

16 Bibliografia Database Administration the Complete Guide to Practices and Procedures (cap. 11), Craig S. Mullins, Addison Wesley, 2002 Sql Server 2008 Administration in Action (cap. 13), Rod Colledge, Manning Publications,

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação.

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação. Mecanismo usado para mais fácil e rapidamente aceder à informação existente numa base de dados. Bases de Dados de elevadas dimensões. Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados Número: Nome: 1 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados Exame

Leia mais

Bases de Dados. Parte IX: Organização Física dos Dados

Bases de Dados. Parte IX: Organização Física dos Dados Bases de Dados Parte IX Organização Física dos Dados Unidades de Medida da Informação A unidade fundamental é o byte. byte corresponde a 8 bits e cada bit permite representar ou um 0 ou um. Kilobyte (Kbyte

Leia mais

Administração e Optimização de BDs

Administração e Optimização de BDs Departamento de Engenharia Informática 2010/2011 Administração e Optimização de BDs Mini-Projecto 1 2º semestre A resolução deve ser claramente identificada com o número de grupo e entregue sob a forma

Leia mais

EXCEL. Listas como Bases de Dados

EXCEL. Listas como Bases de Dados Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL Listas como Bases de Dados (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina

Leia mais

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 4) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 4) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo V: Indexação em Banco de Dados (Aulas 4) Clodis Boscarioli Agenda: Indexação em SQL; Vantagens e Custo dos Índices; Indexação no PostgreSQL; Dicas Práticas. Índice em SQL Sintaxe:

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S Estruturas de sistemas de computação Sumário! Operação de um sistema de computação! Estruturas de E/S! Estruturas de armazenamento! Hierarquia de armazenamento 2 1 Arquitectura de um sistema de computação

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II 1 Armazenamento secundário Primeiro tipo de armazenamento secundário: papel! Cartões perfurados HDs, CD-ROM, floppy disks, memórias

Leia mais

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que

Leia mais

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 2.2 1 2 Material usado na montagem dos Slides Bibliografia

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

PostgreSQL Performance

PostgreSQL Performance PostgreSQL Performance André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) PostgreSQL Performance February 24, 2012 1 / 45 Sumário 1 Armazenamento 2 Índices

Leia mais

Junções e Índices em Tabelas

Junções e Índices em Tabelas Junções e Índices em Tabelas Prof. Fernanda Baião fernanda.baiao@uniriotec.com.br SGBD Considerados MySQL (http://www.mysql.org) SGBD gratuito e simples, sem muitos recursos avançados Fácil de instalar

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L DEPARTAMENTO: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS ÁREA DISCIPLINAR: 550 - INFORMÁTICA DISCIPLINA: PSI CURSO: Profissional DE: Téc. de Gestão e Programação de Sist. Informáticos

Leia mais

Gestão de Configurações II

Gestão de Configurações II Gestão de Configurações II Bibliografia Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 14 Padrões de Gestão Os padrões de gestão de configurações

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Gestão da Memória Luis Lino Ferreira / Maria João Viamonte Fevereiro de 2006 Gestão da Memória Gestão de memória? Porquê? Atribuição de instruções e dados à memória Endereços lógicos e físicos Overlays

Leia mais

Partitioning Partitioning table App. Partitioning SQL Server Partitioning Vantagens Partitioning Exemplo Passos a dar

Partitioning Partitioning table App. Partitioning SQL Server Partitioning Vantagens Partitioning Exemplo Passos a dar Quilson Antunes 1 2 3 4 5 6 7 Partitioning Partitioning table App. Partitioning SQL Server Partitioning Vantagens Partitioning Exemplo Passos a dar 19 de Agosto de 2011 Microsoft SQL Server Partitioning

Leia mais

Boas Práticas para Otimização de Consultas a Bancos de. Dados usando SQL Server 2005

Boas Práticas para Otimização de Consultas a Bancos de. Dados usando SQL Server 2005 Boas Práticas para Otimização de Consultas a Bancos de Dados usando SQL Server 2005 LEONARDO FERREIRA SOARES* leo.fsoares@gmail.com IREMAR NUNES DE LIMA** iremar.prof@newtonpaiva.br RESUMO Este trabalho

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos Sistema de Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Objetivos Facilitar o acesso dos usuários ao conteúdo dos arquivos; Prover uma forma uniforme de manipulação de arquivos, independente dos

Leia mais

AULA 13 - Gerência de Memória

AULA 13 - Gerência de Memória AULA 13 - Gerência de Memória omo sabemos, os computadores utilizam uma hierarquia de memória em sua organização, combinando memórias voláteis e não-voláteis, tais como: memória cache, memória principal

Leia mais

P S I 2. º A N O F 5 M E S T R E / D E T A L H E E P E S Q U I S A. Criar uma relação mestre-detalhe. Pesquisa de informação

P S I 2. º A N O F 5 M E S T R E / D E T A L H E E P E S Q U I S A. Criar uma relação mestre-detalhe. Pesquisa de informação P S I 2. º A N O F 5 M E S T R E / D E T A L H E E P E S Q U I S A Módulo 18 Ferramentas de Desenvolvimento de Páginas Web Criar uma relação mestre-detalhe 1. Cria uma cópia da página «listaferram.php»

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução à gestão de memória Programação de Sistemas Gestão de memória : 1/16 Introdução (1) A memória central de um computador é escassa. [1981] IBM PC lançado com 64KB na motherboard,

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Memória Secundária Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Gerência

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

Dicas para uso de VLDB (very large databases)

Dicas para uso de VLDB (very large databases) Dicas para uso de VLDB (very large databases) Slide 1 Considerações e Marcas Registradas As informações contidas nesta apresentação não foram submetidas à nenhuma revisão formal e é distribuída sem nenhuma

Leia mais

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende:

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende: ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário USUÁRIO A performance do sistema depende: da eficiência das estruturas de dados utilizadas; como o sistema opera

Leia mais

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados.

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados. O QUE É O ACCESS? É um sistema gestor de base de dados relacional. É um programa que permite a criação de Sistemas Gestores de Informação sofisticados sem conhecer linguagem de programação. SISTEMA DE

Leia mais

Unidade 5 Armazenamento e Indexação

Unidade 5 Armazenamento e Indexação Unidade 5 Armazenamento e Indexação Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Gerenciamento de Memória no Linux O Linux é um sistema operacional com memória virtual paginada, isto quer dizer que

Leia mais

Instruções para Administração do Site do Jornal de Oleiros... 2 Recomendações e Sugestões Técnicas... 2 Aceder à Zona de Administração do Site...

Instruções para Administração do Site do Jornal de Oleiros... 2 Recomendações e Sugestões Técnicas... 2 Aceder à Zona de Administração do Site... Instruções para Administração do Site do Jornal de Oleiros... 2 Recomendações e Sugestões Técnicas... 2 Aceder à Zona de Administração do Site... 2 Gerir Notícias no Site... 4 Inserir uma Notícia no Site...

Leia mais

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1 Entrada e Saída Interface entre periféricos, processador e memória Fonte: Minho - Portugal 1 Ligação Processador/Memória - Periférico Processador Memória Controlo Dados Controlador Fonte: Minho - Portugal

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III 4 ADMINISTRAÇÃO DE SGBDs As pessoas que trabalham com um banco de dados podem ser categorizadas como usuários de banco de dados ou administradores de banco de dados. 1 Entre os usuários, existem

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento 1 Gerência de espaço em disco Cópia de segurança do sistema de arquivo Roteiro Confiabilidade Desempenho

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

António Rocha Nuno Melo e Castro

António Rocha Nuno Melo e Castro António Rocha Nuno Melo e Castro SQL- Strutured Query Language é a linguagem mais usada nas bases dados relacionais. Originalmente desenvolvida pela IBM Actualmente é um standard, o mais recente é o SQL:2003

Leia mais

trigger insert, delete, update

trigger insert, delete, update 1 Um trigger é um conjunto de instruções SQL armazenadas no catalogo da BD Pertence a um grupo de stored programs do MySQL Executado quando um evento associado com uma tabela acontece: insert, delete,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerenciamento de Memória Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Paula Prata e nas transparências

Leia mais

AULA 5 Sistemas Operacionais

AULA 5 Sistemas Operacionais AULA 5 Sistemas Operacionais Disciplina: Introdução à Informática Professora: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Sistemas Operacionais Conteúdo: Partições Formatação Fragmentação Gerenciamento

Leia mais

Tarefa Orientada 16 Vistas

Tarefa Orientada 16 Vistas Tarefa Orientada 16 Vistas Objectivos: Vistas só de leitura Vistas de manipulação de dados Uma vista consiste numa instrução de SELECT que é armazenada como um objecto na base de dados. Deste modo, um

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Arquitetura de SGBD Relacionais Métodos de Acesso Físico

Arquitetura de SGBD Relacionais Métodos de Acesso Físico Arquitetura de SGBD Relacionais Métodos de Acesso Físico Caetano Traina Jr. Grupo de Bases de Dados e Imagens Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos caetano@icmc.usp.br

Leia mais

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes Microsoft Access Nível I Introdução Objectivos Introdução; Criar tabelas; Fazer consultas; Elaborar formulários; Executar relatórios. 2 Introdução aos Sistemas de Gestão de Bases de Dados (SGBD) Desde

Leia mais

CURSO EFA 2012 / 2013

CURSO EFA 2012 / 2013 Avaliação CURSO EFA 2012 / 2013 Formando: Data: / / ÁREA/Assunto: Formando Formador / Mediador: Formador FICHA INFORMATIVA E DE TRABALHO MÓDULO: 0774 INSTALAÇÃO DE SOFTWARE BASE CONTEÚDOS Segurança no

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Organização de Arquivos

Organização de Arquivos Classificação e Pesquisa de Dados Aula 2 Organização de s: s Sequenciais e s Sequenciais Indexados UFRGS INF01124 Organização de s Propósito Estudo de técnicas de armazenamento e recuperação de dados em

Leia mais

Componentes de um Sistema de Operação

Componentes de um Sistema de Operação Componentes de um Sistema de Operação Em sistemas modernos é habitual ter-se as seguintes componentes ou módulos: Gestor de processos Gestor da memória principal Gestor da memória secundária Gestor do

Leia mais

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%?

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? Uma solução eficaz de Gestão Energética para o Retalho Eficiência Energética no Retalho Será que está a gastar mais em energia do que necessita?

Leia mais

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas Memória Externa Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou plástico, coberto com um material que poder magnetizado. Os dados são gravados e posteriormente lidos do

Leia mais

AULA 16 - Sistema de Arquivos

AULA 16 - Sistema de Arquivos AULA 16 - Sistema de Arquivos Arquivos podem ser vistos como recipientes que contêm dados ou como um grupo de registros correlatos. Os arquivos armazenam informações que serão utilizadas, em geral, por

Leia mais

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Objectivos: Junção externa (Outer JOIN) Junção externa à esquerda (LEFT Outer JOIN) Junção externa à direita (RIGHT Outer JOIN) Junção externa completa

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 04

PROVA ESPECÍFICA Cargo 04 10 PROVA ESPECÍFICA Cargo 04 QUESTÃO 21 Analise as seguintes afirmativas: I. Uma das funções de um DBA é gerenciar os mecanismos de segurança de acesso aos dados armazenados em um SGBD (Sistema Gerenciador

Leia mais

Cap. 3 Organização de Ficheiros e Indexação

Cap. 3 Organização de Ficheiros e Indexação Cap. 3 Organização de Ficheiros e Indexação If you don t find it in the index, look very carefully through the entire catalogue. -- Sears, Roebuck, and Co., Consumer s Guide, 1897 Abel J.P. Gomes Bibliografia:

Leia mais

Escola Secundária de Camarate

Escola Secundária de Camarate Escola Secundária de Camarate Ano Lectivo 2014/2015 Planificação da Disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde e Técnico de Restauração e Bar

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros Sistemas de Ficheiros Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros 1 Armazenamento de Informação de Longo Prazo 1. Deve armazenar grandes massas de dados

Leia mais

Manual Gespos Recovery

Manual Gespos Recovery Manual Gespos Recovery Introdução...3 Edição de dados Edicão directa de dados...4 Eliminar todos os dados excluindo tabelas e configurações...6 Estrutura Verificar valores Null das tabelas...6 Recriar

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Dispositivos de Armazenamento Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Discos 2. Fitas magnéticas 3. CD-ROM Capítulo: 2 (APOSTILA). Dispositivos de Armazenamento Armazenamento permanente Custo menor

Leia mais

Índice. Introdução às bases de dados. Parte 1 ÍNDICE DE FIGURAS E QUADROS 11 CONVENÇÕES USADAS NESTE MANUAL 15 PREFÁCIO 17

Índice. Introdução às bases de dados. Parte 1 ÍNDICE DE FIGURAS E QUADROS 11 CONVENÇÕES USADAS NESTE MANUAL 15 PREFÁCIO 17 Índice ÍNDICE DE FIGURAS E QUADROS 11 CONVENÇÕES USADAS NESTE MANUAL 15 PREFÁCIO 17 Parte 1 Introdução às bases de dados 1. Introdução 21 1.1. Os sistemas de bases de dados 23 1.1.1. Breve historial 23

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

Organização de Arquivos

Organização de Arquivos Construção de Sistemas de Gerência de Bancos de Dados DI PUC-Rio Prof: Sérgio Lifschitz Organização de Arquivos Organização de Arquivos Tipos básicos de arquivos: heap files (entry sequenced files) sorted

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Organização Física. ... Header registo ... ... Base de Dados. Table Space. Página. Data Page. registo. Header Página...

Organização Física. ... Header registo ... ... Base de Dados. Table Space. Página. Data Page. registo. Header Página... Organização Física 1 xx Base de Dados Table Space Header Página... Página...... Podem existir vários tipos Data pages, Allocation Map pages (AMP), Index pages,... Header registo registo Data Page... offset

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul QUESTÃO: 29 Além da alternativa a estar correta a alternativa e também pode ser compreendida como correta. Segundo a definição de diversos autores, a gerência de falhas, detecta, isola, notifica e corrige

Leia mais

Sistemas Operativos. Gestão de memória. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt)

Sistemas Operativos. Gestão de memória. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Sistemas Operativos Gestão de memória Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Gestão de memória idealmente a memória seria grande rápida não volátil contudo, na realidade existem limitações físicas! Portanto... hierarquia

Leia mais

Prof. Luiz Fernando. Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE

Prof. Luiz Fernando. Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE Prof. Luiz Fernando Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS Administração de SGBDs De todo o tipo de pessoal envolvido com desenvolvimento, manutenção, e utilização de bancos de dados há dois tipo

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

CONTENÇÕES NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2

CONTENÇÕES NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 CONTENÇÕES NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 ROMULO RUBENS CUNHA JUNIOR 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo aborda os tipos de contenções que podem ocorrer no Sistema Gerenciador de Banco de

Leia mais

Aula 2 Arquitetura Oracle

Aula 2 Arquitetura Oracle Aula 2 Arquitetura Oracle Instancia Oracle Uma instância Oracle é composta de estruturas de memória e processos. Sua existência é temporária na memória RAM e nas CPUs. Quando você desliga a instância em

Leia mais

ESTRUTURA DE SERVER 2008. Lílian Simão Oliveira

ESTRUTURA DE SERVER 2008. Lílian Simão Oliveira ESTRUTURA DE ARMAZENAMENTO SQL SERVER 2008 Lílian Simão Oliveira O Banco de Dados SQL Server mapeia um banco em um conjunto de arquivos do sistema operacional As informações de log e de dados nunca ficam

Leia mais

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande região de armazenamento formada por bytes ou palavras, cada

Leia mais

implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, 2014 2015

implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, 2014 2015 Sistemas de ficheiros: implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Objetivos da aula Descrever algunsdetalhes daimplementação deumsistema de ficheiros Discutir algoritmos

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução Considerações: Recurso caro e escasso; Programas só executam se estiverem na memória principal; Quanto mais processos

Leia mais

Livraria dos Mestres

Livraria dos Mestres Gestão de Projectos Informáticos Livraria dos Mestres 3ª Entrega Empresa B Grupo nº 11 João Maurício nº 53919 Ricardo Carapeto nº 53942 Nuno Almeida nº 53946 Page 1 of 28 Índice 1. Sumário para a Gestão

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Discos Qual o principal gargalo? 2 Discos Discos são gargalos Discos são muito mais lentos que as redes ou a CPU Muitos processos são

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 11

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 11 Sumário: O disco rígido e a disquete estrutura física. Como os dados são armazenados fisicamente. Como o MS-DOS organiza o disco. O registo de boot. Aula Teórica 11 Leitura Recomendada: Capítulos 28 e

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

Tipos de Servidores. Servidores com estado

Tipos de Servidores. Servidores com estado Tipos de Servidores Com Estado X Sem Estado Sequenciais X Concorrentes Com Conexão X Sem Conexão Servidores com estado Servidores com estado armazenam informação sobre cada cliente. Operações podem ser

Leia mais

Tarefa Orientada 14 Subconsultas

Tarefa Orientada 14 Subconsultas Tarefa Orientada 14 Subconsultas Objectivos: Subconsultas não correlacionadas Operadores ALL, SOME e ANY Subconsultas correlacionadas Operador EXISTS Subconsultas incluídas na cláusula FROM de uma consulta

Leia mais

Data Warehousing e OLAP

Data Warehousing e OLAP Data Warehousing e OLAP Jornadas de Engenharia Informática Instituto Politécnico da Guarda Henrique Madeira Departamento de Engenharia Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra

Leia mais

Manual. Formações Modulares Certificadas. A Relha Cooperativa de Serviços CRL. Formador/a: Ricardo Cabral. Data: 05/2013. N.

Manual. Formações Modulares Certificadas. A Relha Cooperativa de Serviços CRL. Formador/a: Ricardo Cabral. Data: 05/2013. N. Manual Formador/a: Ricardo Cabral Data: 05/2013 Formações Modulares Certificadas Área de Formação: Ciências Informáticas UFCD: 0755 Funcionalidades Avançadas N.º Horas: 25 A Relha Cooperativa de Serviços

Leia mais

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Desenvolver modelo físico actual Modelo físico actual Modelos a desenvolver tendo em conta a abordagem clássica Desenvolver modelo lógico actual Modelo

Leia mais

Bases de Dados 2005/2006. Aula 5

Bases de Dados 2005/2006. Aula 5 Bases de Dados 2005/2006 Aula 5 Sumário -1. (T.P.C.) Indique diferenças entre uma tabela e uma relação. 0. A base de dados Projecto 1. SQL Join (variantes) a. Cross Join b. Equi-Join c. Natural Join d.

Leia mais

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22 Sumário Agradecimentos... 19 Sobre o autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo 1 Bem-vindo ao MySQL... 22 1.1 O que é o MySQL?...22 1.1.1 História do MySQL...23 1.1.2 Licença de uso...23 1.2 Utilizações recomendadas...24

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

Capítulo 2. Noção de hardware. As componentes de um computador.

Capítulo 2. Noção de hardware. As componentes de um computador. Definição 1 Capítulo 2. Noção de hardware. As componentes de um computador. 1. Definição Hardware : toda a parte física do computador. Ex.: Monitor, caixa, disquetes, impressoras, etc. Hardware (hard =

Leia mais

Novidades Oracle 11g. Rio Grande Energia - RGE

Novidades Oracle 11g. Rio Grande Energia - RGE Novidades Oracle 11g Daniel Güths Rio Grande Energia - RGE 1 Agenda Oracle Database 11g new features SQL e PL/SQL new features Performance e gerenciamento de recursos Gerenciamento de mudanças Gerenciamento

Leia mais

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language Programação SQL Manipulação de Dados DML Data Manipulation Language Manipulação de Dados (DML) Os comandos INSERT, UPDATE, DELETE, são normalmente classificados como pertencendo a uma sublinguagem da linguagem

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Componentes de um Sistema de Operação

Componentes de um Sistema de Operação Componentes de um Sistema de Operação Em sistemas modernos é habitual ter-se os seguintes componentes ou módulos: Gestor de processos Gestor da memória principal Gestor da memória secundária Gestor do

Leia mais