O BAIRRO JOÃO DE BARRO : SABERES E FAZERES XAMÂNICOS NA FORMAÇÃO DE UMA COMUNIDADE DE DESTINO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O BAIRRO JOÃO DE BARRO : SABERES E FAZERES XAMÂNICOS NA FORMAÇÃO DE UMA COMUNIDADE DE DESTINO"

Transcrição

1 O BAIRRO JOÃO DE BARRO : SABERES E FAZERES XAMÂNICOS NA FORMAÇÃO DE UMA COMUNIDADE DE DESTINO Eliana Amábile Dancini Professora Doutora em Sociologia pela UNESP, campus de Araraquara, SP Professora de Sociologia do Curso de Pedagogia e de Ciências da Educação I Pós-Graduação Mestrado em Educação do Centro Universitário Moura Lacerda, Ribeirão Preto SP Guariba, Estado de São Paulo, encharcada de canaviais e usinas álcool-açucareiras, sinala a geografia do mapa onde o Bairro do João de Barro se localiza. A fronteira é o espaço, nãoespaço, ante espaço de circunscrição da análise, uma vez que o universo delimitado de estudo refere-se à zona do imaginário. A fronteira é o lugar virtual; o tempo de natureza criativa por onde se constrói o traçado de uma cartografia imaginal. Na Vila João de Barro, dos meninos do morro, o corte de cana queimada cobre, germina casas de ponta a ponta. Lugar de centro 1, simbolicamente, por obra de batismo dos homens, santos e demônios, a Vila é terra de pele negra. A nação é mineira na grande parte e sua bandeira é o charco da fé. Na sua cabeceira, traz por guardiã uma capela de mirrados dotes. Flores pobres no adorno, quadros e estatuetas de santos mutilados, três paredes só erguem-se no esforço de guardar uma teia de significados. A quarta, uma presença-ausente, conjuga o verbo da espera e da acolhida. Porta sem porta, um vão sem sentinelas, assinala o convite, quase uma súplica... uma reza, uma vela, um pouco de tempo, um olhar dos que passam por ali. É um ossário dos ícones mutilados da Vila. À sua volta os trabalhos de santo deixam rastros. Povo de rara escolha despenca às dúzias no João de Barro. Ali, pessoas dos interiores das Gerais aportam, na maioria. Dão de cara com o fascínio do novo, empencam-se de diferenças, sangram exotismos e esoterismos. Ambientados, ambientam o lugar. Aos pés do túmulo, particularmente os mais velhos, teimam em manter o juízo trazidos de outros cantos e tempos. A Vila é um dos momentos de operacionalização da geografia da dominação e da recusa; é o lugar de destino forçado para muitos, a fé e o amor feitos aos poucos, a alma curtida em aflições nos dias de hoje. No imaginário dos moradores, o conjunto de casas, botecos, pensões e barracões, pequenas oficinas de fundo de quintal, igrejas, terreiros de santos e outros templos, ruas e ruelas de minguados verdes, ganha as feições de grande Domus. O Bairro fervilha, convulsiona-se por dentro, alinha-se em um só aos olhos de quem chega. Traz um riso místico e o lamento. Se um olho ri, o outro cisma, endurece, mescla-se de descrença e abandono. Ali, por suas ruas estreitas, pouco mais que grandes valas, a aspiração, a briga encarniçada se faz por mínimos vitais. Sonhos minúsculos, alguns milenares, compõem os tons do direito à fantasia. Entendido como casa, apropriado pelo grupo, o Bairro apresenta-se sem fronteiras que os olhos possam ver. Cada corpo mora sem cerca, trafega sem cancelas. Ali o familiar está seguro entre iguais, quando o estranho, o de fora, o inimigo real ou imaginário batem à porta. O canavial e o berço, a mineirice de procedência e o facão, o xamanismo da Chapada do Norte de Minas Gerais, o âmbar colorindo a pele e uma sintaxe singular são componentes que autorizam o ritual de iniciação. Afeto, necessidade e fé, escolha, carma ou redenção, benção, castigo ou sedução, Deus e o Demo, tudo se mistura num caleidoscópio cultural. Nos balcões do Bairro desfilam a alegria, o desespero, as tragédias, curiosidades e mexericos, medos, angústias e profecias. Marcam ponto o acontecido do dia-a-dia do trabalho, amores e desavenças domésticas, a revolta contra os maus tratos dos feitores, contra a exploração da usina e a lenga-lenga dos puxa-sacos. À sombra das tentações, batizados em água santa 2, os bares recitam versículos e salmos, comentam a última cura e seu receituário. Natureza mestiça, botecos e espeluncas acotovelam-se entre casas de família, igrejas e terreiros de santos. Falam a alma do Bairro. 1 2 Lugar de centro: simboliza os pontos mais auráticos da Vila; converte-se em centro dinâmico da vida social do grupo; guarda uma dimensão sagrada para os moradores do João de Barro. Água santa é o nome dado à cachaça, a pinga ou outra bebida forte, como o conhaque.

2 São lugares de jogatina pobre, de comércio ralo. Transpiram o interdito. Jogam o vício, a fantasia, o riso, a cantoria, a pedra de crack e a maconha. Para uns, como Seu Afonso, a ida para o bar, longe de ser visto como sina ou armadilha do destino, é parte de um cerimonial de devoção curtido no prazer, temperado com esmero, sorvido como vinho dos deuses na terra. Acaso, destino, tentação ou livre arbítrio, o fato é que o burburinho dos bares envolve, trança e amarra a vida de muita gente na Vila. É um dos instantes minúsculos da festa, da orgia, do sensual dos corpos. Seres e horas bacantes bailam nas imagens. Nele o cotidiano e o duplo do Bairro fazem a corte, convidam o passante. Nos arranjos dos seus interiores muitas histórias fascinantes são contadas, o místico impregna e incorpora o ambiente. As imagens de santos se arrumam entre as garrafas. Pequenos altares se compõem, um bando de ícones variados, de objetos de muitos cultos se arrancham em cerimônia de exposição. O bar aninha sentinelas. Nossa Senhora da Aparecida e os sinais da Cruz adonam-se do ambiente. As greves, comidas, amores e humores, o pregão do trabalho, o riso, a festa estão na travessia desse canal. O surreal encanta o centro das festas, desfila com o cortejo de foliões. Mestre da folia, um dos xamãs da tribo, Seu Afonso, é um dos amantes do bar. Fronteira do demônio, meridiano das tentações, no bar a Vila expõe sua face mais andrógena. Pedra Viva, um reservatório de energia insondável, momento de enraizamento do imaginário de um grupo de pessoas, a Vila João de Barro, ante os infortúnios do presente, cumpre verdadeiro Ritual de Centro: gesta o fluido que alimenta os desafortunados da sorte, os expulsos da terra e excluídos do trabalho nos canaviais; acolhe, afaga, protege, realiza na simplicidade dos trajes um majestoso cerimonial de comunhão/consagração. O Bairro é o lugar limite da perdição e chão da conversão, da redenção, da terra eleita. Irregular nas linhas dos traçados, corpo/alma, verdadeira entidade, ele tem a terra, a água, o fogo, o galho de arruda, o negro e o vermelho nas cores das tintas, a cura e o feitiço, morte e vida nos entalhes do manto. Ao pé da Vila depositam-se velas, amuletos, oferendas, pedidos e súplicas. Filha de Deus, os demônios na contra face, a história da vida no João de Barro segue contando e recontando o mito da resistência, do encantamento dos canavieiros e dos errantes da miséria dos campos do país. Neste território, a cana de açúcar, o facão, a cidade e a Cruz tornam-se símbolos da tribo. A pesquisa, da qual este trabalho constitui um fragmento, aventura-se por caminhos do imaginário, tem por norte a trama do processo de construção/re-construção das pessoas moradoras no João de Barro. Mantém por guia a concepção de que os sujeitos coletivos aqui considerados são, no movimento, os articulistas da sua própria humanização. Locus da luta encarniçada pela vida, na Vila as pessoas ocupam-se incansáveis nas artimanha de driblar a morte. Constroem para si e para os outros uma história de vida como mito, um elenco de significados, uma rede de saberes e fazeres mágicos que impregnam o cotidiano. Todo o imaginário, uma centralidade subterrânea 3, formam elos re-ligantes, trançam as feições de uma comunidade de destino 4. O imaginário da morte, um universo de figuras e histórias ficcionais, a ritualização das práticas triviais, a memória das gerações são os fios que formam a identidade/alteridade do grupo. No Bairro, o imaginário ficcional enredilha a vida de seus moradores, impregna espaços e tempos. No cardápio, no cultivo/produção da pessoa, está a gula de comida, amores, ódios, cachaça, fé, feitiço e cura. No roteiro, a ronda do orgiasmo impõe-se dentro e fora das casas. Arlequinal, essa comunidade de destino tece, no presente dos dias, uma alma malhada 5, uma face mestiça. Neste cenário, o convite para embrenhar-se pela malha de relações embricadas na formação/educação de um grupo sob as lentes do imaginário, seduz e desafia Centralidade subterrânea refere-se a rede de relações marcadas pelo sensível, pelo sensitivo, pelo emocional e por pequenos nadas da vida cotidiana que estabelecem ligação entre as pessoas de um grupo. Comunidade de destino é uma expressão empregada aqui para dizer dos elos sociais, reais/imaginários que colam a vida de uns à dos outros, conferindo identidade/diversidade a um grupo, traçando um caminho comum. Alma malhada, mestiça no sentido que a Vila vai construindo sua identidade/alteridade no seu cotidiano de luta por existir. A diversidade, o estrangeiro vive no interior das suas muralhas, convulsionam o grupo. No João de Barro há uma sinergia entre o local e o global.

3 Protagonistas de si próprios, as pessoas do João de Barro, gente tatuada de pluralidades, transmutam seu território em reduto. Ao mesmo tempo, o Bairro, universo real/virtual, corporifica a condição de imenso portal; franquia entradas e saídas de si (coisas, idéias, imaginários, pessoas); faz a costura/re-costura do local e do global, da identidade/estrangeiridade. A opção é por ler certa realidade, é por olhar a vida vivida por um grupo de pessoas olhando nos olhos de quem vive; questionar a objetividade das relações de trabalho e, portanto, a objetividade da categoria trabalho como suficiente para definir a identidade/diversidade dos moradores do João de Barro. As suas memórias e tradições, seus vários saberes, todo o seu universo imagético 6, seus corpos que balançam aos sons e burburinhos da festa, do trampo, dos amores e ódios, dos rituais do feitiço e da cura, toda esta diversidade de linguagens diz dos ingredientes da mistura, da polifonia de imagens que conforma a Vila. Quando os estudos são do imaginário, seres espectrais contracenam. Engramados nos fios da memória, os sinais ganham alma, re-apresentam as formas na leveza do ser. Virtuais, mortos e vivos brotam do fundo da retina. Insubordinados, misturam-se, estabelecem dialogias, constroem cenários pedagógicos. Virtual e real, real e imaginário combinam-se, confrontam-se incessantemente nos campos dos saberes e fazeres educativos, no viver de todos os dias. Na Vila, bruxas, uma legião de imagens, o bando de benzedores, curandeiros, rezadores e outros xamãs da tribo, debochados, cínicos e galhofeiros, foliões e fieis seguidores dos sacramentos, pessoas simples, seres sem glória trançam e re-trançam a renda da magia fantástica do humano, sua produção / constituição / cultivo coletivo. Vão espalhando ensinamentos, forma de entender os mundos, os acontecidos dentro e fora dos muros dessa cidadela, tornam-se grandes mestres do viver em dias de pobreza material. Fazem complexa a existência dos que moram por ali. As suas mãos, palavras, gestos, paramentos encharcam a Vila de símbolos, de significados, de uma fala cifrada, saturada de mistérios. Nesse mosaico vivo, que é a Vila, o imaginário persiste como fantasma que intriga, instiga, matiza o processo de formação do grupo e de cada pessoa. A poesia mantém-se como linguagem profunda da vida, sobre a vida. O avesso, o diverso, a diferença, o irreverente, o interdito e a incerteza, também, constituem ingredientes nesse ato de construção da singularidade do Bairro. O fio da navalha se põe sob os pés quando o imaginário fantástico é colocado como objeto de estudo; quando a leitura da realidade é a partir das suas sombras, do seu duplo; quando o que a modernidade considerou como secundaridade e tentou colocar como resíduo, sobe ao palco e toma lugar de destaque nas cenas. A dureza dos conceitos e das categorias teóricas em apreço pela ciência oficial, enclausura a vida, impulsionando para dizer de outra forma as relações vividas por certas pessoas. A emoção, a sensibilidade e o intuitivo compõem os temperos, convidam a aparar as distâncias entre ciência e poesia, entre ciência e magia, arte e simbólico. Ler e escrever a partir de uma razão sensível, feminina, parece o mais justo. Sob essa ótica, pavoneado, o imaginário ganha destaque em cena. Nas cores do Mambembe, o dionisíaco prende o fôlego, cativa o olho que olha. Andarilho e boêmio de profissão e comunhão, chega regido pelo inesperado, nas asas do fazde-conta. Tem a obscuridade por contorno; a ambivalência, o contraditório e o simultâneo nos abismos dos tecidos. Dança à sombra da versatilidade do jogo, na sensibilidade da entrega. Aqui o real e seus duplos aprontam-se nos camarins. Nas esquinas da Vila, à sombra da paixão e sob o morno da amizade, o presente se abre exibindo intimidades banais. Uma pergunta ressoa aos ouvidos todo o tempo: quem são, como são formadas as pessoas cujas vidas estão alçadas pelo ritmo dos canaviais modernos no final do século XX, cuja existência passa, incorpora, depende e altera os canaviais, o rural e o urbano da região; por onde passa o ato plural de formação desses autores/atores. A objetividade do trabalho, sua qualidade de suporte privilegiado da existência, reforça a sujeição da pessoa do trabalhador ampliando as zonas de incerteza quanto: à natureza estritamente objetiva das suas feições; a condição de signo definidor da vida social. Questiona-se o trabalho, como solo único viabilizador da continuidade e explicação da vida do Bairro; sua nobreza de 3 6 Imagético é uma expressão empregada por M. Maffesoli para chamar a atenção para todo o processo de aurificação, espiritualização, para toda a vida simbólica/mítica/mágica das pessoas, objetos, situações.

4 espaço privilegiado de constituição dos sujeitos, da sua própria humanização. O sagrado ronda os passos de todos, de tudo. O ato de criação de si, das relações, dos espaços e tempos, dos fazeres e afazeres, é sustentado também pelo universo do sagrado, suas magias, fascinações e horrores. Olhar através da diversidade e duplicidade que identificam o grupo de pessoas, implica, pois, entender as estrangeiridades que se espalham, se defratam por todo o real considerado. Atormentado e inquieto, todo o fantasioso da vida retorna como ácido que fustiga, solda e corrói a pluralidade e a unicidade cultural da Vila. Nesse lugar o verme come por dentro, prolifera e dissemina; absorve, expele, repele, metaboliza a pluralidade e o único. Útero dilatado, sempre em tempo fértil, o Bairro abre-se e fecha-se para o exterior. Mutante, trabalha sem descanso a mutação. A opção é, pois, caminhar por uma pluralidade de idiomas do social, das pessoas consideradas, por um perfil complexo, denso. São imagens, gestos, ícones, cores, odores, paladares, sons, palavras mágicas, rituais, práticas de várias ordens, todo um ficcional que quer falar, dizer de muitos jeitos o fazer das pessoas. Na Vila, os expulsos e empobrecidos da terra, fieis e fervorosos, vivenciam o processo de urbanização, inventam e re-inventam o mítico em suas histórias de vida. Experienciam parte do processo de sua constituição/formação, enquanto grupo de feição impar. O cultivo de sua condição humana se processa também por uma rede de crenças, de práticas mágicas, de trabalhos de feitiço e cura. O imaginário ficcional impregna objetos, lugares, povoa a cabeça, espiritualiza as práticas dos homens, mulheres e crianças em tempos banais e na excepcionalidade dos dias. O corpo de lendas, mitos, histórias ficcionais, a ritualização do corriqueiro e a banalização do sagrado germinam vidas singulares. Por esse corpo místico/mítico, por um ato eucarístico, totemizando objetos, lugares, situações e figuras, uma alma mestiça é gestada e nutrida. Todo um processo educativo, entendido enquanto viveiro, solo fértil que partureia vidas humanas individuais e coletivas, acontece nesse universo mágico, em chão sagrado. Ambígua, contraditória, encantada, feições plurais, a complementaridade marcando os semblantes, a primitividade e o espírito dos tempos de agora entranhados em cada fibra dos corpos, a Vila semeia ambigüidades e contradições no presente de seus dias, ao longo de sua trajetória de vida. Singulares na unicidade de sujeitos, trazendo nas veias o sangue dos ancestrais e todas as estrangeiridades encontradas pelo caminhos, os moradores do lugar plantam e cultivam um universo imaginal. Transpiram deuses, demônios, seres fantásticos, vampirescos, monstruosos até onde as imagens de si alcançam. Uma pedagogia dos monstros, fiada aos poucos e com esmero, especialmente por xamãs e anciãos da tribo, ocupa lugar de destaque na feitura de cada pessoa, trabalha incansável a costura e re-costura da alma do Bairro. Quando os domínios são do imaginário, do ficcional, do fantástico, a duplicidade se instala, mitos e ritos povoam todos os instantes de cada dia. Eles explicam, ensinam e, generosos, dizem ao mago/aprendiz os jeitos de enfrentamento e contorno da morte. Mitos e ritos cultivam corpos que semeiam almas, parturiando vidas. Costurado na duplicidade, o cotidiano fantástico arma-se de potências mágicas na resistência astuciosa dos homens às injunções extremas e externas; na feitura de si próprios enquanto comunidade de destino. O fantástico traja o múltiplo, casa e mostra-se na pluralidade das máscaras. Apresentase no e como lendário, na volaticidade da imagem banal, no mágico que fia e desfia a memória, costura e re-costura fragmentos do vivido/pensado/imaginado, arte cotidiana de injetar alma no criado/re-criado, de remexer as catacumbas para arrancar e trazer os mortos à superfície cotidiana. O fantástico acomoda-se, encarna, expressa a religiosidade do grupo, o elemento re-ligante que traça e re-traça o destino coletivo. O repertório de contos, mitos, assim como pequenos e grandes ícones, modernos e ancestrais, vestem a vida dos homens. Todo o universo do imaginário constitui uma dentre as dimensões do homem. Pensar a educação enquanto processo complexo, que contemple o ser humano na sua universalidade (globalidade/diversidade), exige, portanto, a re-significação do imaginário; a passagem obrigatória por este campo. A territoriedade do fantástico desempenha, assim, papel significativo para a sustentação da sociabilidade do grupo. Pelo território perambulam os interditos, os condenados, os malditos, a danação. Nesses campos o esquecimento vagueia sem morada. Enterrados, soterrados em certos 4

5 lugares do social, os fantasmas da tradição mantêm o sopro de vida, soldam os elos de uma identidade sem cancelas. A idéia é que os lugares guardam os passos dos homens, contêm as memórias de seus rastros, mas não como simples depósitos. São presentificados, vivificados, significados e re-significados sempre. Esse é o território do que não morre, do que é sempre rememorado. Representa uma corporeidade aberta, incompleta e, por isso, fértil. Visitar e inquirir os espaços de presentificação do passado, cristalização da memória do grupo, sondar as fortalezas erguidas por ele no afrontamento do destino constituem inquietações que este ensaio pretende levar ao leitor. O João de Barro é transmutado em lugar privilegiado, um espaço de figuração do imaginário; mais que isso, é visto como arquétipo da sociabilidade que movimenta a seta do tempo. Inquirir a pluralidade, a rede de relações trançada cotidianamente, em busca dos fossos do fantástico, faz-se necessário. Ouvir a sonoridade das ruas e becos, de bares e vendas, dos pequenos e grandes oráculos; percorrer a epiderme das coisas agasalhadas nos quartos, espalhadas pela cozinha, adornando as paredes, arrumadas ao redor das casas, são estações obrigatórias quando se pretende inquirir sobre o trabalho de cultivo, sobre a arte de esculpir pessoas singulares. O João de Barro requer do observador pupila dilatada para ver o imaginal celebrado em dias de exceção e nos instantes sem gloria. O processo educativo, de feitura de si por um coletivo de mãos acostumadas ao trampo, senhoras de múltiplos saberes e fazeres, supõe a viagem pelo lendário, nas asas aventureiras dos contos e histórias populares, no terror dos monstros, no encanto dos mitos e sonhos minúsculos que o dia-a-dia costura. É preciso ouvir as falas dos contadores da Vila, sentinelas e transformistas da sua própria cultura, de todo o simbolismo que encharca o Bairro. É preciso freqüentar os campos das rezas, dos trabalhos de malefício/cura e caminhar pelas fronteiras da morte através das falas, tendo por guias os xamãs da tribo 7 Na Vila João de Barro, o negro da epiderme não comunga o afro dos rituais. O mágico das práticas xamânicas, das ferramentas, o imaginário caboclo do interior de Minas Gerais predomina. Se a macumba aterroriza, baralha e entorpece, o mineiro da benzição, das garrafadas apazigua, desfaz o forte dos olhos do mal. Tornar-se curador, feiticeiro, benzedor, raizeiro para Adolfo, Seu Afonso, Zé Moreira, Dona Maria e outros xamãs da Vila e para o grupo que se beneficia deles, constitui ato de entrega, o atendimento de um chamado, uma missão da qual ninguém sai impune. É um destino, tem que ser cumprido. Doadas pelo Além, transpirando da magia dos objetos, das palavras, dos gestos, vestimentas, cores, aromas, sons, dos conhecimentos e saberes, da criatividade e artimanhas rituais, conferidas por sua natureza e saberes singulares, por folhas e elementos cósmicos, as forças dos xamãs devem garantir todos os dias a sobrevida do curador. Viajantes do espaço da morte, o xamã não pratica andança solitária. A cura é confraria de fazeres e saberes tramados entre magos de várias ordens religiosas e poderes, entre xamãs, seres espectrais e os pacientes. Figura central, universo re-ligante, o xamã vai e volta do espaço da morte. Representa o mais vulcânico e onírico do imaginal da Vila. A dor e a doença falam, ensinam ao doente e ao curador. Curador, feiticeiro, raizeiro, benzedor são seres videntes, trazem a alteridade dentro de seus corpos, alimentam o estranho dentro do grupo. Adolfo e outros são moradores da Vila, trabalhadores dos canaviais, agentes e portadores de uma cultura que assola e marca o João de Barro, mineiro de raiz como todo o Bairro, mas alimenta nos mesmos corpos o estrangeiro. Seus dons, conhecimentos e forças, suas formas de pensar e agir, suas familiaridades com o espaço da morte fazem desses xamãs, seres diferentes, admirados, adorados, queridos e temidos. São, ao mesmo tempo, párias e soberanos. A trajetória de Adolfo, Zé Moreira e outros xamãs, figuras destacadas no movimento dos trabalhadores e no cotidiano da Vila, constitui um fragmento que diz dos caminhos percorridos pelo grupo, da forma de ser desse grupo, da sua formação enquanto sujeitos. Importante narrar suas vidas, seus passos, suas concepções, porque dizem da individualidade/singularidade de certos seres, mas também para dar conta, o quanto possível, da alma mestiça da Vila. 5 7 Xamãs da tribo são considerados novos xamãs. Nomeia o grupo de curandeiros, benzedores, rezadores, aqueles que detêm os saberes do feitiço e da cura no João de Barro.

6 O João de Barro oferece, pois, aos olhos, sua natureza malhada. Seus vários cantos estruturam a fisionomia da vida social que pulsa em suas veias. Revela os traços de sua arquitetura juncada na estreiteza das ruas e nas proximidades das casas. O pensado e acontecido voam até os ouvidos de todos, alardeando a partilha diária dos afetos, da palavra e dos objetos ralos, dos saberes e fazeres. Em pequenos goles, uma linguagem matizada flui, é tecida a partir dos lugares e situações triviais. O familiar e o estranho dialogam. Todo o grupo exala uma estética, diz da sua ética. A anormalidade, a exceção e o surreal são os elementos que alinhavam a existência do grupo, mobilizando as energias para a criação, recriação, redenção. Estratégia de sobrevivência, o grupo vai construindo e sedimentando uma sabedoria rude, por vezes cínica, que parece ensinar que o disfarce, a máscara e a duplicidade tornam possível a continuação da vida, formação/re-formação das pessoas. Figuras ficcionais, os monstros, demônios, santos e outros espectro revelam a ambivalência do social, a medida da sua pluralidade exuberante. As visões, as imagens que compõem esse discurso paralelo são construções coletivas, armações coletivas, assumem feições educativas. Depositárias da memória, habitat onde a memória e a identidade/diversidade do grupo são cultuadas/cultivadas, as histórias fantásticas transmutam-se em canais, em cartilhas de alfabetização/aprendizado do grupo. A memória coletiva e individual constitui outro campo de fertilização do fantástico, tem peso como recurso educativo. É preciso brindar a memória e isso é extremamente pedagógico. É possível dizer, portanto, que no interior da memória aloja-se o sagrado porque ela oferece em sacrifício a morte em pequenas doses como estratégia de conquista do eterno, da permanência, da garantia da vida no horizonte da sétima geração, como diz um chefe indígena. A educação é, pois, um ato extremo, contém uma radicalidade; a vida parturiada do fundante da condição humana a morte. Presença ausência, a memória re-significa os objetos, os fatos, as situações, o mundo. Grande fosso energético, vida e morte eternizam-se na recordação. A memória, soleira que permite a iluminação e a extinção, um dos umbigos do mundo, traz os mortos de volta. Através da memória individual e coletiva, os mortos interferem nos destinos dos vivos, aterrorizam, costuram malefícios e viabilizam a cura. Nela, o passado se recusa a conjugar o pretérito, exige re-significação, redenção, transcendência. Nessa medida a memória retém o espírito do grupo. Apresenta-se como húmus de sociabilidade do grupo. É o solo onde o enraizamento do coletivo acontece. Seu caráter de resistência, de reduto, de laboratório cultual, fosso de símbolos, onde o grupo inventa, re-significa, re-constroí estratégias de ressurreição torna-se fala recorrente. Em seus domínios a felicidade marca encontro. Ela é um dos campos onde o imaginário social povoa suas imagens. As histórias de monstros, seres vampirescos, fantasmas, santos e espíritos malignos, os estoques de mitos, a história de vida como mito, estão incrustados na memória. Vivificação da duplicidade, vista ao mesmo tempo como discurso cifrado do existir, tais histórias constituem uma das configurações da memória, um dos espaços educativos do grupo. Todo o arsenal de mitos é compreendido como linguagem da memória, como um dos momentos de possessão da memória. Nesse sentido, a história de um grupo tem no mito garantido seu contínuo, sua sobrevida. Entalhado no segredo, envolto em mistério, o mito se apresenta como ato de re-invenção, re-significação do mundo, ato pedagógico. Certos mitos, criados em torno de bravura, do destemor, da intranqüilidade e do caráter guerreiro formam uma aura em torno dos cortadores de cana da Vila João de Barro. Desassossegam a obediência do trabalhador, correm a região e chegam aos ouvidos das usinas, põem encarregados, feitores e gatos na retaguarda, tornando cautelosos os passos da patrãozada, compõe os traços de identidade/diversidade, de dignidade do grupo. Dentre as formas de materialização da memória/reminiscência, perfila-se o universo iconográfico do grupo. Os ícones são vistos como construções coletivas, marcados pela pluralidade, pela superposição e transfiguração dos significados. Nesse sentido, podem se entendidos como transmutações da matéria. Retêm muitas vidas, padecem de mortes sucessivas. Mutilados pelo tempo, os ícones são monumentos de memória, universos de lembranças. Natureza viscosa eles mantêm colados os fervorosos, retêm uma força pedagógica. 6

7 Caminhos difíceis e intrincados são a constante na tarefa de rastreamento e remontagem, re-constituição dos fragmentos. A paciência, a sutileza, o estado de alerta, a ausência de preconceitos e o traquejo dos saberes e fazeres do João de Barro compõem a mistura, a poção mágica no olhar. Fascinam os olhos, os atos de celebração da vida, a música, a festa, a brincadeira, as práticas de malefícios, encantamento e cura, os duplos, as máscaras da morte, o ato plural de construir/cultivar homens também por esses caminhos. Quando os domínios são os do fantástico, do imaginário ficcional de um grupo de pessoas, está colocada a problematização do fazer social. O ser coletivo de um Bairro, nesses termos, passa por lócus não privilegiados, secundarizados pela modernidade das ciências sociais: o imaginário. Quando a condição de trabalhador do corte de cana está no horizonte, há grande dificuldade do conhecimento instituído ir além da categoria trabalhador. Os moradores do Bairro em questão vão alem dessa identidade, desse reducionismo. Esgarçam no cotidiano tais amarras e constituemse como pessoas: um fazer coletivo, tenso, permeado por localismos, particularidades, familiaridades e por globalidades, unicidades que remetem ao homem planetário, um ser que incorpora ao agora, a memória, a lenda das eras. A pretensão é considerar, sem eletividades, que o imaginário, o simbólico/mítico/mágico estão defratados por todo o social historicamente vivido; que tais aspectos conjugam com outros elementos, o gregarismo. Eles formam um elo re-ligante, um visgo que garante a socialidade do grupo, a formação dos sujeitos. As pessoas, os moradores da Vila, trançando as objetividades do existir ao imaginário ficcional, cotidianamente vão produzindo sua trajetória de destino, construindo estratégias de vida/morte/renascimento. Com isto, interrogam o ser humano na própria condição de humano, no seu processo de feitura, de cultivo. O grupo traz, na sua vivência/experiência, a pedagogia na sua radicalidade. O imaginário ficcional, os saberes das rezas, dos malefícios e das curas; o simbolismo colado à pele dos homens e mulheres, à epiderme das casas, dos monumentos, dos objetos, dos corpos que dançam, brincam, se tocam, fazem a festa, choram as mortes, as desesperanças, as misérias de todos os dia; em todo este universo fantasioso o princípio fundacional é a vida. Talvez a grande interrogação a fazer seja, ao mesmo tempo, um convite para olhar, inquirir esta sociabilidade que nos remete ao enraizamento da nossa condição humana. As dimensões primárias ressoam alto no João de Barro. Nas pedagogias dos tempos modernos elas são, no entanto, freqüentemente relegadas, esquecidas, silenciadas. A terra enquanto entidade, maternidade/paternidade, útero e cova, o corpo, a estética/ética, o sensível, a festa, a razão a ser educada, a cultura, a memória, o Eros, surgem como centralidades auráticas que sinalam os moradores da Vila. São oferendas, vem regidas pelo princípio da dádiva, do generoso, do embelezamento do mundo, da esperança nos olhos dos condenados. Propõem o repensar das pedagogias para a vida, para a re-costura do homem como ser humano plural, total. O que se observa e vivencia no João de Barro é um ato de contaminação que não se faz harmônico, sem ruídos, sem tensões, nem apesar da desordem, mas com ela. Está aí um dos grandes ensinamentos que aquelas pessoas, generosamente, provocam em quem se dispõe a olhar, a ouvir, a sentir e pensar. Vivendo em condições materiais desumanas, pessoas das quais foi roubada a humanização, colocam para si diariamente a tarefa de recuperar a humanidade roubada. Quando se anda pelos escondidos do Bairro, de olho voltado para os interiores, o que se mostra são esquinas transmutadas em encruzilhadas, casas convertidas em oráculos, objetos resplandecendo a aura, fazeres domésticos representando pequenos rituais, paredes que se tornam painéis de ícones variados, cômodos que são dobras, dobras que são viveiros, caminhos que acolhem passos ressuscitando a matéria, palavras cujo poder evoca deuses e demônios, moradas cujas rugas são grandes valas onde fervilham almas desse e de outros mundos, móveis, utensílios que guardam segredos, aprisionam e flamejam lembranças, histórias de vidas que são mitos. Toda a arquitetura do Bairro, a geometria dos objetos, as disposições da matéria, a agrimensura dos espaços, os arranjos dos lugares, ganham vida dupla, trazem esquadrinhadas as rotas do fantástico. Quando se olha para o íntimo do Bairro se vê casas, botecos e ruas e outros templos que são estações privilegiadas da alma da Vila. 7

8 8 BIBLIOGRAFIA BÁSICA AUGÉ MARC. Não- Lugar. Introdução a uma Antropologia da Supermodernidade. Ed. Papirus. Campinas, S.P. ARIES, PH1LLIPPE. O Homem Diante da Morte. Vol. 2. Ed. Francisco Alves, Rio de Janeiro, R.J., BACHELARD, GASTON. A Poética do Devaneio. 1ª ed., Ed. Martins Fontes, São Paulo, S.P., A Poética do Espeço. 1 a ed., Ed. Martins Fontes, São Paulo, S.P., A Água e os Sonhos. Ensaio sobre a imaginação da Matéria. Ed. Martins Fontes, São Paulo, S.P., A Terra e os Devaneios do Repouso. Ensaios sobre as Imagens da Intimidade. 1 a ed., Ed. Martins Fontes, São Paulo, S.P., A Terra e os Devaneios da Vontade. Ensaio sobre a Imaginação das Forças. 1 a ed., Ed.Martins Fontes, São Paulo, S.P., BEAINI, THAIS CURI. Máscaras do Tempo. 1 a ed., Ed. Vozes, Petrópolis, R.J., BAUDRILLARD, JEAN. A Transparência do Mal. Ensaio sobre os Fenômenos Extremos. 2 a ed., Ed. Papirus, Campinas, S.P., A Troca Simbólica e a Morte. Ed. Loyola, São Paulo, S.P., BATAILLE, GEORGES. A Experiência Interior. Ed. Ática, São Paulo, S P., CAPRA, FRITJOF. O Tao da Física. Um Paralelo entre a Física Moderna e o Misticismo Oriental. Ed. Cultrix, São Paulo, S.P., DURAND, GILBERT. A Imaginação Simbólica. 6 a ed., Ed. 70, Lisboa, Portugal, A Fé do Sapateiro, 1 a ed., Ed. UNB, Brasília, D.F., As Estruturas Antropológicas do Imaginário. Ed. Martins Fontes, São Paulo, S.P., MAFFESOLI, MICHEL. No Fundo das Aparências. Ed. Vozes, Petrópolis, R.J., MORIN, EDGAR. O Método IV. As Idéias: Sua Natureza, Vida, Habita e Organização. Publicações Europa-América, Portugal, Lisboa, 1991.

Amone Inacia Alves Graduada em História - UESB Especialista em Ciência Política - IBPEX Mestre em Sociologia das Organizações - UFPR

Amone Inacia Alves Graduada em História - UESB Especialista em Ciência Política - IBPEX Mestre em Sociologia das Organizações - UFPR Folclore Mede-se a inteligência de um povo pela sua capacidade de não só ser gente. Nascemos gente ao acaso, ao natural e transformamos em povo na busca perfeita pelas formas, curvas e cores. São as cores

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Mapa CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal por onde

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE

IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE REVISTA INTER-LEGERE WWW.CCHLA.UFRN.BR/INTERLEGERE IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE IMAGES OF THE VIOLENCE: COLLAGES OF BITS AND PIECES OF TEENAGERS EVERYDAY LIFE SINOPSE José

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura. Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura. Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa CANÇÃO Borres Guilouski Somos diversos E somos plurais Somos diferentes E somos iguais Respeito

Leia mais

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano,

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia.

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Jesus e sua vida Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Seu nascimento foi no meio de muitas

Leia mais

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA SAGRADA Nº 8 - Mar/15 PRESTA atenção RELIGIÃO! BÍBLIA Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! vai tratar de um assunto muito importante: Religião. A fé é uma questão muito pessoal e cada

Leia mais

Utilizar na comunicação 4 ouvidos

Utilizar na comunicação 4 ouvidos Utilizar na comunicação 4 ouvidos Desafio para a relação catequética Estimado catequista, imagine que se encontra com o Luís sorriso no pátio do centro paroquial. O Luís Sorriso vai cumprimentá-lo de forma

Leia mais

Índice COMO RECONHECER OS VÁRIOS TIPOS DE FEITIÇOS... 23

Índice COMO RECONHECER OS VÁRIOS TIPOS DE FEITIÇOS... 23 Índice INTRODUÇÃO... 13 HISTÓRIA DA MAGIA NEGRA... 15 Dois Tipos Distintos de Magia... 15 O Papel dos Magos na Sociedade... 16 O Medo do Desconhecido... 16 Canalização dos Desejos Mentais... 16 Suportes

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante.

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante. Aula 25 Creio na Igreja Católica.1 Frei Hipólito Martendal, OFM. 1. Leitura de At 2, 1-15. Ler e explicar... Dia de Pentecostes (=Quinquagésima) é o 50º dia depois da Páscoa. Os judeus celebravam a Aliança

Leia mais

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA A Antropologia é o estudo do homem e seu mundo. Como ciência da humanidade, ela se preocupa em conhecer cientificamente o ser humano em sua totalidade. (MARCONI, Marina

Leia mais

O MUNDO É A CASA DO HOMEM

O MUNDO É A CASA DO HOMEM O MUNDO É A CASA DO HOMEM Nichan Dichtchekenian Há dois motivos principais que me levam a fazer esta apresentação: O primeiro é fazer um esclarecimento e uma defesa da Fenomenologia, buscando, este esclarecimento,

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia.

Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia. Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia. Caríssimos Irmãos e Irmãs: Assim que Maria Madalena vira o túmulo vazio, correu à Jerusalém atrás de Pedro e João. Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO 0 A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO (1)Prof. Dr. Samir Cristino de Souza (IFRN) (2) Prof a. Dr a. Maria da Conceição Xavier de Almeida (UFRN) RESUMO A Pedagogia da

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS 1 CARTA DA TERRA A Carta da Terra é uma declaração de princípios fundamentais para a construção de uma sociedade que seja justa, sustentável e pacífica. Ela diz o que devemos fazer para cuidar do mundo:

Leia mais

POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR?

POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR? POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR? Como Encontrar a Verdadeira Felicidade Rosanne Martins Introdução Este livro foi escrito com o intuito de inspirar o leitor a seguir o sonho que traz em seu coração.

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO 1. IDENTIDADE DO COMPONENTE CURRICULAR O Ensino Religioso deve buscar

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento A existência de núcleos citadinos não é um fenômeno contemporâneo. Na verdade, esses núcleos começaram a surgir

Leia mais

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE A Novena de Natal deste ano está unida à Campanha da Fraternidade de 2013. O tema Fraternidade e Juventude e o lema Eis-me aqui, envia-me, nos leva para o caminho da JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE Faça a

Leia mais

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Antes da Solene celebração, entregar a lembrança do centenário No Final terá um momento de envio onde cada pessoa reassumirá a missão. O sinal deste momento será a colocação

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca INAUGURAÇÃO DA «CASA DE CULTURA JORGE

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

MURAL DEZEMBRO 2015. Compromisso NATAL SOLIDÁRIO. O Natal está chegando e nessa data não podemos esquecer de ajudar quem precisa!!

MURAL DEZEMBRO 2015. Compromisso NATAL SOLIDÁRIO. O Natal está chegando e nessa data não podemos esquecer de ajudar quem precisa!! Compromisso NATAL SOLIDÁRIO O Natal está chegando e nessa data não podemos esquecer de ajudar quem precisa!! Todos os anos os Correios fazem uma ação muito bacana para que as crianças carentes possam ter

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Junto com todos os povos da Terra nós formamos uma grande família. E cada um de nós compartilha a responsabilidade pelo presente e pelo futuro

Junto com todos os povos da Terra nós formamos uma grande família. E cada um de nós compartilha a responsabilidade pelo presente e pelo futuro para crianças Junto com todos os povos da Terra nós formamos uma grande família. E cada um de nós compartilha a responsabilidade pelo presente e pelo futuro bem-estar da família humana e de todo o mundo

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

O relacionamento amoroso em «ARRET»

O relacionamento amoroso em «ARRET» O relacionamento amoroso em «ARRET» ARRET - O Diário da Viagem (2009) de J. A. Dal Col J. A. Dal Col ganhou motivação e inspiração para escrever a sua visão utópica do mundo (ARRET nome do nosso planeta

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

728DD62502. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

728DD62502. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus S/PARTIDO em 09/08/2005 Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Antes de me reportar aos senhores quero lembrar que a Igreja Universal

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

CONTEÚDOS. Candomblé Umbanda Xamanismo

CONTEÚDOS. Candomblé Umbanda Xamanismo CONTEÚDOS Candomblé Umbanda Xamanismo HABILIDADES Conhecer as religiões afrodescendentes e anímicas PAUTA DO DIA Acolhida Problematização Entrevista Exibição do Vídeo Leitura de Imagem Aprofundando o tema-

Leia mais

Boniteza! Chegou o contador de história!

Boniteza! Chegou o contador de história! Rio de Janeiro / RJ 2015 Boniteza! Chegou o contador de história! Edição Editora Coordenação para desenvolvimento de projeto; organização, concepção editorial, texto e revisão Valéria Pereira Ilustrações

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

JOÃO E O PÉ DE FEIJÃO EM CORDEL

JOÃO E O PÉ DE FEIJÃO EM CORDEL 1 NOME: Nº: 4º ANO: DATA DE ENTREGA: Queridos alunos e alunas As férias chegaram e com elas a vontade de passear, viajar, brincar com os amigos e curtir o merecido descanso, mas não podemos esquecer que

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO ANA ELIZABETH CAVALCANTI DA COSTA 3 ÍNDICE Introdução... 13 1ª Parte - O Universo Mágico Os Ciclos

Leia mais

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag Autor: Rabbi Yehuda Ashlag A Kabbalah ensina a correlação entre causa e efeito de nossas fontes espirituais. Estas fontes se interligam de acordo com regras perenes e absolutas objetivando gols maiores

Leia mais

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu.

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu. O Pão da Vida Na solenidade de Corpus Christi, queremos recordar que os atos redentores de Cristo, que culminam na sua morte e ressurreição, atualizam-se na Eucaristia, celebrada pelo Povo de Deus e presidida

Leia mais

Músicos, Ministros de Cura e Libertação

Músicos, Ministros de Cura e Libertação Músicos, Ministros de Cura e Libertação João Paulo Rodrigues Ferreira Introdução Caros irmãos e irmãs; escrevo para vocês não somente para passar instruções, mas também partilhar um pouco da minha experiência

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis Grupos de Oração sem a experiência do Batismo no Espírito Santo, exercício dos carismas e o cultivo da vivência fraterna, revelam uma face desfigurada da RCC. Reflitamos a esse respeito tendo por base

Leia mais

1Capítulo A SAUDADE DE DEUS

1Capítulo A SAUDADE DE DEUS 1Capítulo A SAUDADE DE DEUS Por intermédio de Jeremias, Deus traz uma palavra carregada de emoção. Em primeiro lugar, Deus sente saudade dos tempos áureos de afeição do seu povo por ele (Jr 2.2). Nos versículos

Leia mais

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Marlene Flauzina OLIVEIRA Mestranda em Geografia - Programa de Pós-Graduação Campus Jataí/UFG mflauzina@hotmail.com Eguimar

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE ENVELHECIMENTO ATIVO A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS ESTAÇÕES DA VIDA... PRIMAVERA..

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS

DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014/2015 (Resposta Social de Creche) DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS Setembro Integração/adaptação das Crianças Reunião de Pais 24/09/2014 Outono - Promover a integração

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

Joyce das Flores 1 1 Mestra em Saúde Coletiva pelo Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IESC/ UFRJ).

Joyce das Flores 1 1 Mestra em Saúde Coletiva pelo Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IESC/ UFRJ). As práticas do cuidado em saúde num serviço hospitalar de doenças infecciosas e parasitárias do Rio de Janeiro como principal destino do itinerário terapêutico das pessoas que vivem com HIV/aids. Joyce

Leia mais

MÓDULO 1: A INFÂNCIA. Como ocorre a cura no processo de O Grito Essencial? A menos que. você use toda sua. energia em seu próprio

MÓDULO 1: A INFÂNCIA. Como ocorre a cura no processo de O Grito Essencial? A menos que. você use toda sua. energia em seu próprio É um processo terapêutico, meditativo e espiritual que aborda as três etapas mais importantes de nossa vida: a infância, a adolescência e a idade adulta, integrando-as à consciência do ser interior. Dada

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

ARTE E SAUDE - EXPERIMENTAÇÕES LÚDICO-PEDAGÓGICAS NA PESQUISA SOBRE CUIDADO DE ENFERMAGEM RENAN TAVARES

ARTE E SAUDE - EXPERIMENTAÇÕES LÚDICO-PEDAGÓGICAS NA PESQUISA SOBRE CUIDADO DE ENFERMAGEM RENAN TAVARES 1 ARTE E SAUDE - EXPERIMENTAÇÕES LÚDICO-PEDAGÓGICAS NA PESQUISA SOBRE CUIDADO DE ENFERMAGEM RENAN TAVARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO/UNIRIO Palavras-chave: JOGO, CORPO, CUIDADO DE

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Resumo. As crianças desde o seu nascimento estão imersas em uma cultura para qual, inevitavelmente, terão

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo

XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo Autor: Profa Dra Sandra Leila de Paula Título do Trabalho: Análise Sociológica de Desenhos Infantis: uma nova perspectiva de análise para grupos de

Leia mais

Quanto à Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração

Quanto à Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração SANTA MARIA MÃE DE DEUS 01 de janeiro de 2015 Quanto à Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração Leituras: Números 6, 22-27; Salmo 67 (66), 2-3.5-6.8 (R/cf. 2a); Carta de São

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo.

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. 1 Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. Amados Irmãos no nosso Senhor Jesus Cristo: É devido à atuação intima do Espírito

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

1º Lugar CONCURSO JOGOS FLORAIS 2009. Poesia Subordinada a Mote

1º Lugar CONCURSO JOGOS FLORAIS 2009. Poesia Subordinada a Mote CORTEJO DIVINO I As ruas são um jardim E na festa mais singela, Ao abrir duma janela, Um perfume de alecrim. Gentes que mostram assim, Que o Mundo tem mais valor E, em traços de pintor, Há quem pinte bem

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB)

1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB) Universidade de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde Hospital Universitário de Brasília 1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB) Práticas

Leia mais