O BAIRRO JOÃO DE BARRO : SABERES E FAZERES XAMÂNICOS NA FORMAÇÃO DE UMA COMUNIDADE DE DESTINO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O BAIRRO JOÃO DE BARRO : SABERES E FAZERES XAMÂNICOS NA FORMAÇÃO DE UMA COMUNIDADE DE DESTINO"

Transcrição

1 O BAIRRO JOÃO DE BARRO : SABERES E FAZERES XAMÂNICOS NA FORMAÇÃO DE UMA COMUNIDADE DE DESTINO Eliana Amábile Dancini Professora Doutora em Sociologia pela UNESP, campus de Araraquara, SP Professora de Sociologia do Curso de Pedagogia e de Ciências da Educação I Pós-Graduação Mestrado em Educação do Centro Universitário Moura Lacerda, Ribeirão Preto SP Guariba, Estado de São Paulo, encharcada de canaviais e usinas álcool-açucareiras, sinala a geografia do mapa onde o Bairro do João de Barro se localiza. A fronteira é o espaço, nãoespaço, ante espaço de circunscrição da análise, uma vez que o universo delimitado de estudo refere-se à zona do imaginário. A fronteira é o lugar virtual; o tempo de natureza criativa por onde se constrói o traçado de uma cartografia imaginal. Na Vila João de Barro, dos meninos do morro, o corte de cana queimada cobre, germina casas de ponta a ponta. Lugar de centro 1, simbolicamente, por obra de batismo dos homens, santos e demônios, a Vila é terra de pele negra. A nação é mineira na grande parte e sua bandeira é o charco da fé. Na sua cabeceira, traz por guardiã uma capela de mirrados dotes. Flores pobres no adorno, quadros e estatuetas de santos mutilados, três paredes só erguem-se no esforço de guardar uma teia de significados. A quarta, uma presença-ausente, conjuga o verbo da espera e da acolhida. Porta sem porta, um vão sem sentinelas, assinala o convite, quase uma súplica... uma reza, uma vela, um pouco de tempo, um olhar dos que passam por ali. É um ossário dos ícones mutilados da Vila. À sua volta os trabalhos de santo deixam rastros. Povo de rara escolha despenca às dúzias no João de Barro. Ali, pessoas dos interiores das Gerais aportam, na maioria. Dão de cara com o fascínio do novo, empencam-se de diferenças, sangram exotismos e esoterismos. Ambientados, ambientam o lugar. Aos pés do túmulo, particularmente os mais velhos, teimam em manter o juízo trazidos de outros cantos e tempos. A Vila é um dos momentos de operacionalização da geografia da dominação e da recusa; é o lugar de destino forçado para muitos, a fé e o amor feitos aos poucos, a alma curtida em aflições nos dias de hoje. No imaginário dos moradores, o conjunto de casas, botecos, pensões e barracões, pequenas oficinas de fundo de quintal, igrejas, terreiros de santos e outros templos, ruas e ruelas de minguados verdes, ganha as feições de grande Domus. O Bairro fervilha, convulsiona-se por dentro, alinha-se em um só aos olhos de quem chega. Traz um riso místico e o lamento. Se um olho ri, o outro cisma, endurece, mescla-se de descrença e abandono. Ali, por suas ruas estreitas, pouco mais que grandes valas, a aspiração, a briga encarniçada se faz por mínimos vitais. Sonhos minúsculos, alguns milenares, compõem os tons do direito à fantasia. Entendido como casa, apropriado pelo grupo, o Bairro apresenta-se sem fronteiras que os olhos possam ver. Cada corpo mora sem cerca, trafega sem cancelas. Ali o familiar está seguro entre iguais, quando o estranho, o de fora, o inimigo real ou imaginário batem à porta. O canavial e o berço, a mineirice de procedência e o facão, o xamanismo da Chapada do Norte de Minas Gerais, o âmbar colorindo a pele e uma sintaxe singular são componentes que autorizam o ritual de iniciação. Afeto, necessidade e fé, escolha, carma ou redenção, benção, castigo ou sedução, Deus e o Demo, tudo se mistura num caleidoscópio cultural. Nos balcões do Bairro desfilam a alegria, o desespero, as tragédias, curiosidades e mexericos, medos, angústias e profecias. Marcam ponto o acontecido do dia-a-dia do trabalho, amores e desavenças domésticas, a revolta contra os maus tratos dos feitores, contra a exploração da usina e a lenga-lenga dos puxa-sacos. À sombra das tentações, batizados em água santa 2, os bares recitam versículos e salmos, comentam a última cura e seu receituário. Natureza mestiça, botecos e espeluncas acotovelam-se entre casas de família, igrejas e terreiros de santos. Falam a alma do Bairro. 1 2 Lugar de centro: simboliza os pontos mais auráticos da Vila; converte-se em centro dinâmico da vida social do grupo; guarda uma dimensão sagrada para os moradores do João de Barro. Água santa é o nome dado à cachaça, a pinga ou outra bebida forte, como o conhaque.

2 São lugares de jogatina pobre, de comércio ralo. Transpiram o interdito. Jogam o vício, a fantasia, o riso, a cantoria, a pedra de crack e a maconha. Para uns, como Seu Afonso, a ida para o bar, longe de ser visto como sina ou armadilha do destino, é parte de um cerimonial de devoção curtido no prazer, temperado com esmero, sorvido como vinho dos deuses na terra. Acaso, destino, tentação ou livre arbítrio, o fato é que o burburinho dos bares envolve, trança e amarra a vida de muita gente na Vila. É um dos instantes minúsculos da festa, da orgia, do sensual dos corpos. Seres e horas bacantes bailam nas imagens. Nele o cotidiano e o duplo do Bairro fazem a corte, convidam o passante. Nos arranjos dos seus interiores muitas histórias fascinantes são contadas, o místico impregna e incorpora o ambiente. As imagens de santos se arrumam entre as garrafas. Pequenos altares se compõem, um bando de ícones variados, de objetos de muitos cultos se arrancham em cerimônia de exposição. O bar aninha sentinelas. Nossa Senhora da Aparecida e os sinais da Cruz adonam-se do ambiente. As greves, comidas, amores e humores, o pregão do trabalho, o riso, a festa estão na travessia desse canal. O surreal encanta o centro das festas, desfila com o cortejo de foliões. Mestre da folia, um dos xamãs da tribo, Seu Afonso, é um dos amantes do bar. Fronteira do demônio, meridiano das tentações, no bar a Vila expõe sua face mais andrógena. Pedra Viva, um reservatório de energia insondável, momento de enraizamento do imaginário de um grupo de pessoas, a Vila João de Barro, ante os infortúnios do presente, cumpre verdadeiro Ritual de Centro: gesta o fluido que alimenta os desafortunados da sorte, os expulsos da terra e excluídos do trabalho nos canaviais; acolhe, afaga, protege, realiza na simplicidade dos trajes um majestoso cerimonial de comunhão/consagração. O Bairro é o lugar limite da perdição e chão da conversão, da redenção, da terra eleita. Irregular nas linhas dos traçados, corpo/alma, verdadeira entidade, ele tem a terra, a água, o fogo, o galho de arruda, o negro e o vermelho nas cores das tintas, a cura e o feitiço, morte e vida nos entalhes do manto. Ao pé da Vila depositam-se velas, amuletos, oferendas, pedidos e súplicas. Filha de Deus, os demônios na contra face, a história da vida no João de Barro segue contando e recontando o mito da resistência, do encantamento dos canavieiros e dos errantes da miséria dos campos do país. Neste território, a cana de açúcar, o facão, a cidade e a Cruz tornam-se símbolos da tribo. A pesquisa, da qual este trabalho constitui um fragmento, aventura-se por caminhos do imaginário, tem por norte a trama do processo de construção/re-construção das pessoas moradoras no João de Barro. Mantém por guia a concepção de que os sujeitos coletivos aqui considerados são, no movimento, os articulistas da sua própria humanização. Locus da luta encarniçada pela vida, na Vila as pessoas ocupam-se incansáveis nas artimanha de driblar a morte. Constroem para si e para os outros uma história de vida como mito, um elenco de significados, uma rede de saberes e fazeres mágicos que impregnam o cotidiano. Todo o imaginário, uma centralidade subterrânea 3, formam elos re-ligantes, trançam as feições de uma comunidade de destino 4. O imaginário da morte, um universo de figuras e histórias ficcionais, a ritualização das práticas triviais, a memória das gerações são os fios que formam a identidade/alteridade do grupo. No Bairro, o imaginário ficcional enredilha a vida de seus moradores, impregna espaços e tempos. No cardápio, no cultivo/produção da pessoa, está a gula de comida, amores, ódios, cachaça, fé, feitiço e cura. No roteiro, a ronda do orgiasmo impõe-se dentro e fora das casas. Arlequinal, essa comunidade de destino tece, no presente dos dias, uma alma malhada 5, uma face mestiça. Neste cenário, o convite para embrenhar-se pela malha de relações embricadas na formação/educação de um grupo sob as lentes do imaginário, seduz e desafia Centralidade subterrânea refere-se a rede de relações marcadas pelo sensível, pelo sensitivo, pelo emocional e por pequenos nadas da vida cotidiana que estabelecem ligação entre as pessoas de um grupo. Comunidade de destino é uma expressão empregada aqui para dizer dos elos sociais, reais/imaginários que colam a vida de uns à dos outros, conferindo identidade/diversidade a um grupo, traçando um caminho comum. Alma malhada, mestiça no sentido que a Vila vai construindo sua identidade/alteridade no seu cotidiano de luta por existir. A diversidade, o estrangeiro vive no interior das suas muralhas, convulsionam o grupo. No João de Barro há uma sinergia entre o local e o global.

3 Protagonistas de si próprios, as pessoas do João de Barro, gente tatuada de pluralidades, transmutam seu território em reduto. Ao mesmo tempo, o Bairro, universo real/virtual, corporifica a condição de imenso portal; franquia entradas e saídas de si (coisas, idéias, imaginários, pessoas); faz a costura/re-costura do local e do global, da identidade/estrangeiridade. A opção é por ler certa realidade, é por olhar a vida vivida por um grupo de pessoas olhando nos olhos de quem vive; questionar a objetividade das relações de trabalho e, portanto, a objetividade da categoria trabalho como suficiente para definir a identidade/diversidade dos moradores do João de Barro. As suas memórias e tradições, seus vários saberes, todo o seu universo imagético 6, seus corpos que balançam aos sons e burburinhos da festa, do trampo, dos amores e ódios, dos rituais do feitiço e da cura, toda esta diversidade de linguagens diz dos ingredientes da mistura, da polifonia de imagens que conforma a Vila. Quando os estudos são do imaginário, seres espectrais contracenam. Engramados nos fios da memória, os sinais ganham alma, re-apresentam as formas na leveza do ser. Virtuais, mortos e vivos brotam do fundo da retina. Insubordinados, misturam-se, estabelecem dialogias, constroem cenários pedagógicos. Virtual e real, real e imaginário combinam-se, confrontam-se incessantemente nos campos dos saberes e fazeres educativos, no viver de todos os dias. Na Vila, bruxas, uma legião de imagens, o bando de benzedores, curandeiros, rezadores e outros xamãs da tribo, debochados, cínicos e galhofeiros, foliões e fieis seguidores dos sacramentos, pessoas simples, seres sem glória trançam e re-trançam a renda da magia fantástica do humano, sua produção / constituição / cultivo coletivo. Vão espalhando ensinamentos, forma de entender os mundos, os acontecidos dentro e fora dos muros dessa cidadela, tornam-se grandes mestres do viver em dias de pobreza material. Fazem complexa a existência dos que moram por ali. As suas mãos, palavras, gestos, paramentos encharcam a Vila de símbolos, de significados, de uma fala cifrada, saturada de mistérios. Nesse mosaico vivo, que é a Vila, o imaginário persiste como fantasma que intriga, instiga, matiza o processo de formação do grupo e de cada pessoa. A poesia mantém-se como linguagem profunda da vida, sobre a vida. O avesso, o diverso, a diferença, o irreverente, o interdito e a incerteza, também, constituem ingredientes nesse ato de construção da singularidade do Bairro. O fio da navalha se põe sob os pés quando o imaginário fantástico é colocado como objeto de estudo; quando a leitura da realidade é a partir das suas sombras, do seu duplo; quando o que a modernidade considerou como secundaridade e tentou colocar como resíduo, sobe ao palco e toma lugar de destaque nas cenas. A dureza dos conceitos e das categorias teóricas em apreço pela ciência oficial, enclausura a vida, impulsionando para dizer de outra forma as relações vividas por certas pessoas. A emoção, a sensibilidade e o intuitivo compõem os temperos, convidam a aparar as distâncias entre ciência e poesia, entre ciência e magia, arte e simbólico. Ler e escrever a partir de uma razão sensível, feminina, parece o mais justo. Sob essa ótica, pavoneado, o imaginário ganha destaque em cena. Nas cores do Mambembe, o dionisíaco prende o fôlego, cativa o olho que olha. Andarilho e boêmio de profissão e comunhão, chega regido pelo inesperado, nas asas do fazde-conta. Tem a obscuridade por contorno; a ambivalência, o contraditório e o simultâneo nos abismos dos tecidos. Dança à sombra da versatilidade do jogo, na sensibilidade da entrega. Aqui o real e seus duplos aprontam-se nos camarins. Nas esquinas da Vila, à sombra da paixão e sob o morno da amizade, o presente se abre exibindo intimidades banais. Uma pergunta ressoa aos ouvidos todo o tempo: quem são, como são formadas as pessoas cujas vidas estão alçadas pelo ritmo dos canaviais modernos no final do século XX, cuja existência passa, incorpora, depende e altera os canaviais, o rural e o urbano da região; por onde passa o ato plural de formação desses autores/atores. A objetividade do trabalho, sua qualidade de suporte privilegiado da existência, reforça a sujeição da pessoa do trabalhador ampliando as zonas de incerteza quanto: à natureza estritamente objetiva das suas feições; a condição de signo definidor da vida social. Questiona-se o trabalho, como solo único viabilizador da continuidade e explicação da vida do Bairro; sua nobreza de 3 6 Imagético é uma expressão empregada por M. Maffesoli para chamar a atenção para todo o processo de aurificação, espiritualização, para toda a vida simbólica/mítica/mágica das pessoas, objetos, situações.

4 espaço privilegiado de constituição dos sujeitos, da sua própria humanização. O sagrado ronda os passos de todos, de tudo. O ato de criação de si, das relações, dos espaços e tempos, dos fazeres e afazeres, é sustentado também pelo universo do sagrado, suas magias, fascinações e horrores. Olhar através da diversidade e duplicidade que identificam o grupo de pessoas, implica, pois, entender as estrangeiridades que se espalham, se defratam por todo o real considerado. Atormentado e inquieto, todo o fantasioso da vida retorna como ácido que fustiga, solda e corrói a pluralidade e a unicidade cultural da Vila. Nesse lugar o verme come por dentro, prolifera e dissemina; absorve, expele, repele, metaboliza a pluralidade e o único. Útero dilatado, sempre em tempo fértil, o Bairro abre-se e fecha-se para o exterior. Mutante, trabalha sem descanso a mutação. A opção é, pois, caminhar por uma pluralidade de idiomas do social, das pessoas consideradas, por um perfil complexo, denso. São imagens, gestos, ícones, cores, odores, paladares, sons, palavras mágicas, rituais, práticas de várias ordens, todo um ficcional que quer falar, dizer de muitos jeitos o fazer das pessoas. Na Vila, os expulsos e empobrecidos da terra, fieis e fervorosos, vivenciam o processo de urbanização, inventam e re-inventam o mítico em suas histórias de vida. Experienciam parte do processo de sua constituição/formação, enquanto grupo de feição impar. O cultivo de sua condição humana se processa também por uma rede de crenças, de práticas mágicas, de trabalhos de feitiço e cura. O imaginário ficcional impregna objetos, lugares, povoa a cabeça, espiritualiza as práticas dos homens, mulheres e crianças em tempos banais e na excepcionalidade dos dias. O corpo de lendas, mitos, histórias ficcionais, a ritualização do corriqueiro e a banalização do sagrado germinam vidas singulares. Por esse corpo místico/mítico, por um ato eucarístico, totemizando objetos, lugares, situações e figuras, uma alma mestiça é gestada e nutrida. Todo um processo educativo, entendido enquanto viveiro, solo fértil que partureia vidas humanas individuais e coletivas, acontece nesse universo mágico, em chão sagrado. Ambígua, contraditória, encantada, feições plurais, a complementaridade marcando os semblantes, a primitividade e o espírito dos tempos de agora entranhados em cada fibra dos corpos, a Vila semeia ambigüidades e contradições no presente de seus dias, ao longo de sua trajetória de vida. Singulares na unicidade de sujeitos, trazendo nas veias o sangue dos ancestrais e todas as estrangeiridades encontradas pelo caminhos, os moradores do lugar plantam e cultivam um universo imaginal. Transpiram deuses, demônios, seres fantásticos, vampirescos, monstruosos até onde as imagens de si alcançam. Uma pedagogia dos monstros, fiada aos poucos e com esmero, especialmente por xamãs e anciãos da tribo, ocupa lugar de destaque na feitura de cada pessoa, trabalha incansável a costura e re-costura da alma do Bairro. Quando os domínios são do imaginário, do ficcional, do fantástico, a duplicidade se instala, mitos e ritos povoam todos os instantes de cada dia. Eles explicam, ensinam e, generosos, dizem ao mago/aprendiz os jeitos de enfrentamento e contorno da morte. Mitos e ritos cultivam corpos que semeiam almas, parturiando vidas. Costurado na duplicidade, o cotidiano fantástico arma-se de potências mágicas na resistência astuciosa dos homens às injunções extremas e externas; na feitura de si próprios enquanto comunidade de destino. O fantástico traja o múltiplo, casa e mostra-se na pluralidade das máscaras. Apresentase no e como lendário, na volaticidade da imagem banal, no mágico que fia e desfia a memória, costura e re-costura fragmentos do vivido/pensado/imaginado, arte cotidiana de injetar alma no criado/re-criado, de remexer as catacumbas para arrancar e trazer os mortos à superfície cotidiana. O fantástico acomoda-se, encarna, expressa a religiosidade do grupo, o elemento re-ligante que traça e re-traça o destino coletivo. O repertório de contos, mitos, assim como pequenos e grandes ícones, modernos e ancestrais, vestem a vida dos homens. Todo o universo do imaginário constitui uma dentre as dimensões do homem. Pensar a educação enquanto processo complexo, que contemple o ser humano na sua universalidade (globalidade/diversidade), exige, portanto, a re-significação do imaginário; a passagem obrigatória por este campo. A territoriedade do fantástico desempenha, assim, papel significativo para a sustentação da sociabilidade do grupo. Pelo território perambulam os interditos, os condenados, os malditos, a danação. Nesses campos o esquecimento vagueia sem morada. Enterrados, soterrados em certos 4

5 lugares do social, os fantasmas da tradição mantêm o sopro de vida, soldam os elos de uma identidade sem cancelas. A idéia é que os lugares guardam os passos dos homens, contêm as memórias de seus rastros, mas não como simples depósitos. São presentificados, vivificados, significados e re-significados sempre. Esse é o território do que não morre, do que é sempre rememorado. Representa uma corporeidade aberta, incompleta e, por isso, fértil. Visitar e inquirir os espaços de presentificação do passado, cristalização da memória do grupo, sondar as fortalezas erguidas por ele no afrontamento do destino constituem inquietações que este ensaio pretende levar ao leitor. O João de Barro é transmutado em lugar privilegiado, um espaço de figuração do imaginário; mais que isso, é visto como arquétipo da sociabilidade que movimenta a seta do tempo. Inquirir a pluralidade, a rede de relações trançada cotidianamente, em busca dos fossos do fantástico, faz-se necessário. Ouvir a sonoridade das ruas e becos, de bares e vendas, dos pequenos e grandes oráculos; percorrer a epiderme das coisas agasalhadas nos quartos, espalhadas pela cozinha, adornando as paredes, arrumadas ao redor das casas, são estações obrigatórias quando se pretende inquirir sobre o trabalho de cultivo, sobre a arte de esculpir pessoas singulares. O João de Barro requer do observador pupila dilatada para ver o imaginal celebrado em dias de exceção e nos instantes sem gloria. O processo educativo, de feitura de si por um coletivo de mãos acostumadas ao trampo, senhoras de múltiplos saberes e fazeres, supõe a viagem pelo lendário, nas asas aventureiras dos contos e histórias populares, no terror dos monstros, no encanto dos mitos e sonhos minúsculos que o dia-a-dia costura. É preciso ouvir as falas dos contadores da Vila, sentinelas e transformistas da sua própria cultura, de todo o simbolismo que encharca o Bairro. É preciso freqüentar os campos das rezas, dos trabalhos de malefício/cura e caminhar pelas fronteiras da morte através das falas, tendo por guias os xamãs da tribo 7 Na Vila João de Barro, o negro da epiderme não comunga o afro dos rituais. O mágico das práticas xamânicas, das ferramentas, o imaginário caboclo do interior de Minas Gerais predomina. Se a macumba aterroriza, baralha e entorpece, o mineiro da benzição, das garrafadas apazigua, desfaz o forte dos olhos do mal. Tornar-se curador, feiticeiro, benzedor, raizeiro para Adolfo, Seu Afonso, Zé Moreira, Dona Maria e outros xamãs da Vila e para o grupo que se beneficia deles, constitui ato de entrega, o atendimento de um chamado, uma missão da qual ninguém sai impune. É um destino, tem que ser cumprido. Doadas pelo Além, transpirando da magia dos objetos, das palavras, dos gestos, vestimentas, cores, aromas, sons, dos conhecimentos e saberes, da criatividade e artimanhas rituais, conferidas por sua natureza e saberes singulares, por folhas e elementos cósmicos, as forças dos xamãs devem garantir todos os dias a sobrevida do curador. Viajantes do espaço da morte, o xamã não pratica andança solitária. A cura é confraria de fazeres e saberes tramados entre magos de várias ordens religiosas e poderes, entre xamãs, seres espectrais e os pacientes. Figura central, universo re-ligante, o xamã vai e volta do espaço da morte. Representa o mais vulcânico e onírico do imaginal da Vila. A dor e a doença falam, ensinam ao doente e ao curador. Curador, feiticeiro, raizeiro, benzedor são seres videntes, trazem a alteridade dentro de seus corpos, alimentam o estranho dentro do grupo. Adolfo e outros são moradores da Vila, trabalhadores dos canaviais, agentes e portadores de uma cultura que assola e marca o João de Barro, mineiro de raiz como todo o Bairro, mas alimenta nos mesmos corpos o estrangeiro. Seus dons, conhecimentos e forças, suas formas de pensar e agir, suas familiaridades com o espaço da morte fazem desses xamãs, seres diferentes, admirados, adorados, queridos e temidos. São, ao mesmo tempo, párias e soberanos. A trajetória de Adolfo, Zé Moreira e outros xamãs, figuras destacadas no movimento dos trabalhadores e no cotidiano da Vila, constitui um fragmento que diz dos caminhos percorridos pelo grupo, da forma de ser desse grupo, da sua formação enquanto sujeitos. Importante narrar suas vidas, seus passos, suas concepções, porque dizem da individualidade/singularidade de certos seres, mas também para dar conta, o quanto possível, da alma mestiça da Vila. 5 7 Xamãs da tribo são considerados novos xamãs. Nomeia o grupo de curandeiros, benzedores, rezadores, aqueles que detêm os saberes do feitiço e da cura no João de Barro.

6 O João de Barro oferece, pois, aos olhos, sua natureza malhada. Seus vários cantos estruturam a fisionomia da vida social que pulsa em suas veias. Revela os traços de sua arquitetura juncada na estreiteza das ruas e nas proximidades das casas. O pensado e acontecido voam até os ouvidos de todos, alardeando a partilha diária dos afetos, da palavra e dos objetos ralos, dos saberes e fazeres. Em pequenos goles, uma linguagem matizada flui, é tecida a partir dos lugares e situações triviais. O familiar e o estranho dialogam. Todo o grupo exala uma estética, diz da sua ética. A anormalidade, a exceção e o surreal são os elementos que alinhavam a existência do grupo, mobilizando as energias para a criação, recriação, redenção. Estratégia de sobrevivência, o grupo vai construindo e sedimentando uma sabedoria rude, por vezes cínica, que parece ensinar que o disfarce, a máscara e a duplicidade tornam possível a continuação da vida, formação/re-formação das pessoas. Figuras ficcionais, os monstros, demônios, santos e outros espectro revelam a ambivalência do social, a medida da sua pluralidade exuberante. As visões, as imagens que compõem esse discurso paralelo são construções coletivas, armações coletivas, assumem feições educativas. Depositárias da memória, habitat onde a memória e a identidade/diversidade do grupo são cultuadas/cultivadas, as histórias fantásticas transmutam-se em canais, em cartilhas de alfabetização/aprendizado do grupo. A memória coletiva e individual constitui outro campo de fertilização do fantástico, tem peso como recurso educativo. É preciso brindar a memória e isso é extremamente pedagógico. É possível dizer, portanto, que no interior da memória aloja-se o sagrado porque ela oferece em sacrifício a morte em pequenas doses como estratégia de conquista do eterno, da permanência, da garantia da vida no horizonte da sétima geração, como diz um chefe indígena. A educação é, pois, um ato extremo, contém uma radicalidade; a vida parturiada do fundante da condição humana a morte. Presença ausência, a memória re-significa os objetos, os fatos, as situações, o mundo. Grande fosso energético, vida e morte eternizam-se na recordação. A memória, soleira que permite a iluminação e a extinção, um dos umbigos do mundo, traz os mortos de volta. Através da memória individual e coletiva, os mortos interferem nos destinos dos vivos, aterrorizam, costuram malefícios e viabilizam a cura. Nela, o passado se recusa a conjugar o pretérito, exige re-significação, redenção, transcendência. Nessa medida a memória retém o espírito do grupo. Apresenta-se como húmus de sociabilidade do grupo. É o solo onde o enraizamento do coletivo acontece. Seu caráter de resistência, de reduto, de laboratório cultual, fosso de símbolos, onde o grupo inventa, re-significa, re-constroí estratégias de ressurreição torna-se fala recorrente. Em seus domínios a felicidade marca encontro. Ela é um dos campos onde o imaginário social povoa suas imagens. As histórias de monstros, seres vampirescos, fantasmas, santos e espíritos malignos, os estoques de mitos, a história de vida como mito, estão incrustados na memória. Vivificação da duplicidade, vista ao mesmo tempo como discurso cifrado do existir, tais histórias constituem uma das configurações da memória, um dos espaços educativos do grupo. Todo o arsenal de mitos é compreendido como linguagem da memória, como um dos momentos de possessão da memória. Nesse sentido, a história de um grupo tem no mito garantido seu contínuo, sua sobrevida. Entalhado no segredo, envolto em mistério, o mito se apresenta como ato de re-invenção, re-significação do mundo, ato pedagógico. Certos mitos, criados em torno de bravura, do destemor, da intranqüilidade e do caráter guerreiro formam uma aura em torno dos cortadores de cana da Vila João de Barro. Desassossegam a obediência do trabalhador, correm a região e chegam aos ouvidos das usinas, põem encarregados, feitores e gatos na retaguarda, tornando cautelosos os passos da patrãozada, compõe os traços de identidade/diversidade, de dignidade do grupo. Dentre as formas de materialização da memória/reminiscência, perfila-se o universo iconográfico do grupo. Os ícones são vistos como construções coletivas, marcados pela pluralidade, pela superposição e transfiguração dos significados. Nesse sentido, podem se entendidos como transmutações da matéria. Retêm muitas vidas, padecem de mortes sucessivas. Mutilados pelo tempo, os ícones são monumentos de memória, universos de lembranças. Natureza viscosa eles mantêm colados os fervorosos, retêm uma força pedagógica. 6

7 Caminhos difíceis e intrincados são a constante na tarefa de rastreamento e remontagem, re-constituição dos fragmentos. A paciência, a sutileza, o estado de alerta, a ausência de preconceitos e o traquejo dos saberes e fazeres do João de Barro compõem a mistura, a poção mágica no olhar. Fascinam os olhos, os atos de celebração da vida, a música, a festa, a brincadeira, as práticas de malefícios, encantamento e cura, os duplos, as máscaras da morte, o ato plural de construir/cultivar homens também por esses caminhos. Quando os domínios são os do fantástico, do imaginário ficcional de um grupo de pessoas, está colocada a problematização do fazer social. O ser coletivo de um Bairro, nesses termos, passa por lócus não privilegiados, secundarizados pela modernidade das ciências sociais: o imaginário. Quando a condição de trabalhador do corte de cana está no horizonte, há grande dificuldade do conhecimento instituído ir além da categoria trabalhador. Os moradores do Bairro em questão vão alem dessa identidade, desse reducionismo. Esgarçam no cotidiano tais amarras e constituemse como pessoas: um fazer coletivo, tenso, permeado por localismos, particularidades, familiaridades e por globalidades, unicidades que remetem ao homem planetário, um ser que incorpora ao agora, a memória, a lenda das eras. A pretensão é considerar, sem eletividades, que o imaginário, o simbólico/mítico/mágico estão defratados por todo o social historicamente vivido; que tais aspectos conjugam com outros elementos, o gregarismo. Eles formam um elo re-ligante, um visgo que garante a socialidade do grupo, a formação dos sujeitos. As pessoas, os moradores da Vila, trançando as objetividades do existir ao imaginário ficcional, cotidianamente vão produzindo sua trajetória de destino, construindo estratégias de vida/morte/renascimento. Com isto, interrogam o ser humano na própria condição de humano, no seu processo de feitura, de cultivo. O grupo traz, na sua vivência/experiência, a pedagogia na sua radicalidade. O imaginário ficcional, os saberes das rezas, dos malefícios e das curas; o simbolismo colado à pele dos homens e mulheres, à epiderme das casas, dos monumentos, dos objetos, dos corpos que dançam, brincam, se tocam, fazem a festa, choram as mortes, as desesperanças, as misérias de todos os dia; em todo este universo fantasioso o princípio fundacional é a vida. Talvez a grande interrogação a fazer seja, ao mesmo tempo, um convite para olhar, inquirir esta sociabilidade que nos remete ao enraizamento da nossa condição humana. As dimensões primárias ressoam alto no João de Barro. Nas pedagogias dos tempos modernos elas são, no entanto, freqüentemente relegadas, esquecidas, silenciadas. A terra enquanto entidade, maternidade/paternidade, útero e cova, o corpo, a estética/ética, o sensível, a festa, a razão a ser educada, a cultura, a memória, o Eros, surgem como centralidades auráticas que sinalam os moradores da Vila. São oferendas, vem regidas pelo princípio da dádiva, do generoso, do embelezamento do mundo, da esperança nos olhos dos condenados. Propõem o repensar das pedagogias para a vida, para a re-costura do homem como ser humano plural, total. O que se observa e vivencia no João de Barro é um ato de contaminação que não se faz harmônico, sem ruídos, sem tensões, nem apesar da desordem, mas com ela. Está aí um dos grandes ensinamentos que aquelas pessoas, generosamente, provocam em quem se dispõe a olhar, a ouvir, a sentir e pensar. Vivendo em condições materiais desumanas, pessoas das quais foi roubada a humanização, colocam para si diariamente a tarefa de recuperar a humanidade roubada. Quando se anda pelos escondidos do Bairro, de olho voltado para os interiores, o que se mostra são esquinas transmutadas em encruzilhadas, casas convertidas em oráculos, objetos resplandecendo a aura, fazeres domésticos representando pequenos rituais, paredes que se tornam painéis de ícones variados, cômodos que são dobras, dobras que são viveiros, caminhos que acolhem passos ressuscitando a matéria, palavras cujo poder evoca deuses e demônios, moradas cujas rugas são grandes valas onde fervilham almas desse e de outros mundos, móveis, utensílios que guardam segredos, aprisionam e flamejam lembranças, histórias de vidas que são mitos. Toda a arquitetura do Bairro, a geometria dos objetos, as disposições da matéria, a agrimensura dos espaços, os arranjos dos lugares, ganham vida dupla, trazem esquadrinhadas as rotas do fantástico. Quando se olha para o íntimo do Bairro se vê casas, botecos e ruas e outros templos que são estações privilegiadas da alma da Vila. 7

8 8 BIBLIOGRAFIA BÁSICA AUGÉ MARC. Não- Lugar. Introdução a uma Antropologia da Supermodernidade. Ed. Papirus. Campinas, S.P. ARIES, PH1LLIPPE. O Homem Diante da Morte. Vol. 2. Ed. Francisco Alves, Rio de Janeiro, R.J., BACHELARD, GASTON. A Poética do Devaneio. 1ª ed., Ed. Martins Fontes, São Paulo, S.P., A Poética do Espeço. 1 a ed., Ed. Martins Fontes, São Paulo, S.P., A Água e os Sonhos. Ensaio sobre a imaginação da Matéria. Ed. Martins Fontes, São Paulo, S.P., A Terra e os Devaneios do Repouso. Ensaios sobre as Imagens da Intimidade. 1 a ed., Ed. Martins Fontes, São Paulo, S.P., A Terra e os Devaneios da Vontade. Ensaio sobre a Imaginação das Forças. 1 a ed., Ed.Martins Fontes, São Paulo, S.P., BEAINI, THAIS CURI. Máscaras do Tempo. 1 a ed., Ed. Vozes, Petrópolis, R.J., BAUDRILLARD, JEAN. A Transparência do Mal. Ensaio sobre os Fenômenos Extremos. 2 a ed., Ed. Papirus, Campinas, S.P., A Troca Simbólica e a Morte. Ed. Loyola, São Paulo, S.P., BATAILLE, GEORGES. A Experiência Interior. Ed. Ática, São Paulo, S P., CAPRA, FRITJOF. O Tao da Física. Um Paralelo entre a Física Moderna e o Misticismo Oriental. Ed. Cultrix, São Paulo, S.P., DURAND, GILBERT. A Imaginação Simbólica. 6 a ed., Ed. 70, Lisboa, Portugal, A Fé do Sapateiro, 1 a ed., Ed. UNB, Brasília, D.F., As Estruturas Antropológicas do Imaginário. Ed. Martins Fontes, São Paulo, S.P., MAFFESOLI, MICHEL. No Fundo das Aparências. Ed. Vozes, Petrópolis, R.J., MORIN, EDGAR. O Método IV. As Idéias: Sua Natureza, Vida, Habita e Organização. Publicações Europa-América, Portugal, Lisboa, 1991.

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

Amone Inacia Alves Graduada em História - UESB Especialista em Ciência Política - IBPEX Mestre em Sociologia das Organizações - UFPR

Amone Inacia Alves Graduada em História - UESB Especialista em Ciência Política - IBPEX Mestre em Sociologia das Organizações - UFPR Folclore Mede-se a inteligência de um povo pela sua capacidade de não só ser gente. Nascemos gente ao acaso, ao natural e transformamos em povo na busca perfeita pelas formas, curvas e cores. São as cores

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano,

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária ocê é convidado a iniciar uma experiência de oração. Às vezes pensamos que o dia-a-dia com seus ruídos, suas preocupações e sua correria não é lugar apropriado para levantar nosso

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura. Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura. Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa CANÇÃO Borres Guilouski Somos diversos E somos plurais Somos diferentes E somos iguais Respeito

Leia mais

Quanto à Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração

Quanto à Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração SANTA MARIA MÃE DE DEUS 01 de janeiro de 2015 Quanto à Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração Leituras: Números 6, 22-27; Salmo 67 (66), 2-3.5-6.8 (R/cf. 2a); Carta de São

Leia mais

Índice COMO RECONHECER OS VÁRIOS TIPOS DE FEITIÇOS... 23

Índice COMO RECONHECER OS VÁRIOS TIPOS DE FEITIÇOS... 23 Índice INTRODUÇÃO... 13 HISTÓRIA DA MAGIA NEGRA... 15 Dois Tipos Distintos de Magia... 15 O Papel dos Magos na Sociedade... 16 O Medo do Desconhecido... 16 Canalização dos Desejos Mentais... 16 Suportes

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

Explicação da Missa MISSA

Explicação da Missa MISSA Explicação da Missa Reunidos todos os catequizandos na Igreja, num primeiro momento mostram-se os objetos da missa, ensinam-se os gestos e explicam-se os ritos. Em seguida celebra-se a missa sem interrupção.

Leia mais

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

A poética do cotidiano doméstico, de Lucinda Nogueira Persona, sob a regência de Cronos.

A poética do cotidiano doméstico, de Lucinda Nogueira Persona, sob a regência de Cronos. A poética do cotidiano doméstico, de Lucinda Nogueira Persona, sob a regência de Cronos. Marta Helena COCCO; Maria Zaíra TURCHI Pós-graduação em Letras e Lingüística - UFG martacocco@uol.com.br Palavras-chave:

Leia mais

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo LEITURA ORANTE DA BÍBLIA Um encontro com Deus vivo A quem nós iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. (Jo 6,68) Recordando a história... A leitura orante da Palavra é uma tentativa de responder

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MENDONÇA, Magda Letícia Bezerra 1 Palavras-chave: Histórias, Educação infantil A presente apresentação refere-se a parte do trabalho

Leia mais

IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE

IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE REVISTA INTER-LEGERE WWW.CCHLA.UFRN.BR/INTERLEGERE IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE IMAGES OF THE VIOLENCE: COLLAGES OF BITS AND PIECES OF TEENAGERS EVERYDAY LIFE SINOPSE José

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

Hora do conto: uma experiência maravilhosa

Hora do conto: uma experiência maravilhosa Hora do conto: uma experiência maravilhosa Jucelma Terezinha Neves Schneid UPF Todos apreciam uma boa história, mas muita pouca gente conhece o valor real dela. Muitos que a usam para diferentes fins,

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Lição Oito. O Culto a Deus. Que É Culto? adoração da parte da pessoa que pensa acerca de Deus. O culto é a reação humana à glória,

Lição Oito. O Culto a Deus. Que É Culto? adoração da parte da pessoa que pensa acerca de Deus. O culto é a reação humana à glória, Livro 1 página 57 Lição Oito O Culto a Deus Que É Culto? O culto é o ato de reconhecer a Deus por quem Ele é. Inclui uma atitude de reverência, devoção e adoração da parte da pessoa que pensa acerca de

Leia mais

OS GRANDES DESAFIOS NA ENCÍCLICA LAUDATO SÍ

OS GRANDES DESAFIOS NA ENCÍCLICA LAUDATO SÍ OS GRANDES DESAFIOS NA ENCÍCLICA LAUDATO SÍ NOVIDADES DA ENCÍCLICA 1.Primeira na história da Igreja com este enfoque ecológico. 2.Convergência: Preocupações da ciência, da sociedade e da Igreja, como as

Leia mais

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Marlene Flauzina OLIVEIRA Mestranda em Geografia - Programa de Pós-Graduação Campus Jataí/UFG mflauzina@hotmail.com Eguimar

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Antes da Solene celebração, entregar a lembrança do centenário No Final terá um momento de envio onde cada pessoa reassumirá a missão. O sinal deste momento será a colocação

Leia mais

A TEATRALIDADE NO BAIADÔ E NAS MANIFESTAÇÕES DE CULUTRA POPULAR

A TEATRALIDADE NO BAIADÔ E NAS MANIFESTAÇÕES DE CULUTRA POPULAR 1 A TEATRALIDADE NO BAIADÔ E NAS MANIFESTAÇÕES DE CULUTRA POPULAR Laís Batista Costa 1 UFU- Uberlândia, Minas Gerais. fellicyt@yahoo.com.br Renata Bittencourt Meira 2 UFU- Uberlândia, Minas Gerais. rbmeira@hotmail.com

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO TRADIÇÕES RELIGIOSAS TEXTOS SAGRADOS Se as religiões estão para humanizar

Leia mais

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia.

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Jesus e sua vida Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Seu nascimento foi no meio de muitas

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante.

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante. Aula 25 Creio na Igreja Católica.1 Frei Hipólito Martendal, OFM. 1. Leitura de At 2, 1-15. Ler e explicar... Dia de Pentecostes (=Quinquagésima) é o 50º dia depois da Páscoa. Os judeus celebravam a Aliança

Leia mais

PENSAMENTOS DE IRMÃ DULCE

PENSAMENTOS DE IRMÃ DULCE PENSAMENTOS DE IRMÃ DULCE 1. "O amor supera todos os obstáculos, todos os sacrifícios. Por mais que fizermos tudo é pouco diante do que Deus faz por nós." 2. "Sempre que puder, fale de amor e com amor

Leia mais

A MAGIA NEGRA NÃO É UM MITO i

A MAGIA NEGRA NÃO É UM MITO i 1 A Magia Negra Não é um Mito A MAGIA NEGRA NÃO É UM MITO i por Aleister Crowley Aleister Crowley O Pior Homem do Mundo The London Sunday Dispatch, 2 de Julho de 1933 A magia negra não é um mito. É uma

Leia mais

Passa Passarinho. Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas.

Passa Passarinho. Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas. Passa Passarinho Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas Rumores de asas Não passa Passarinho Pelo meu mundo sozinho Deixa tuas asas Formarem

Leia mais

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final Pontifícia Universidade Católica Departamento de Artes & Design Curso de Especialização O Lugar do Design na Leitura Nome: Giselle Rodrigues Leal Matrícula: 072.997.007 Data: 19/05/08 Módulo Estratégia

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

OFICINA DAS MENINAS. O homem sonha, Deus quer e a obra nasce. F. Pessoa.

OFICINA DAS MENINAS. O homem sonha, Deus quer e a obra nasce. F. Pessoa. OFICINA DAS MENINAS O homem sonha, Deus quer e a obra nasce. F. Pessoa. O fruto de experiências vividas por anos de trabalho na rede social de Araraquara, legou-nos uma bagagem de inquietações que foram

Leia mais

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES Resumo O texto em questão é parte da pesquisa em desenvolvimento (mestrado) que tem como objetivo

Leia mais

PROJETO DE LEITURA SUGESTÕES DE ATIVIDADES

PROJETO DE LEITURA SUGESTÕES DE ATIVIDADES PROJETO DE LEITURA URASHIMA TARO LÚCIA HIRATSUKA PARTE 1 PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: ATIVAÇÃO DO CONHECIMENTO PRÉVIO Atividade 1 SUGESTÕES DE ATIVIDADES Cada povo tem suas narrativas

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento A existência de núcleos citadinos não é um fenômeno contemporâneo. Na verdade, esses núcleos começaram a surgir

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 Naiara de Souza Araújo 2 Raquel Leandro Portal 3 Resumo O Brasil é um país com uma ampla diversidade cultural que necessita ser valorizada e por

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

FORMAÇÃO HUMANESCENTE DE CANTORES-EDUCADORES: CENAS DE CONVIVENCIALIDADE ESTÉTICA

FORMAÇÃO HUMANESCENTE DE CANTORES-EDUCADORES: CENAS DE CONVIVENCIALIDADE ESTÉTICA 1 FORMAÇÃO HUMANESCENTE DE CANTORES-EDUCADORES: CENAS DE CONVIVENCIALIDADE ESTÉTICA Artemisa Andrade e Santos BACOR/PPGEd/UFRN Este estudo trata da formação humanescente de cantores-educadores articulado

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO 1. IDENTIDADE DO COMPONENTE CURRICULAR O Ensino Religioso deve buscar

Leia mais

CADÊ MEU AJEUM? A COMIDA E SEUS VÁRIOS SIGNIFICADOS NOS TERREIROS DE CANDOMBLÉ DE ARACAJU

CADÊ MEU AJEUM? A COMIDA E SEUS VÁRIOS SIGNIFICADOS NOS TERREIROS DE CANDOMBLÉ DE ARACAJU CADÊ MEU AJEUM? A COMIDA E SEUS VÁRIOS SIGNIFICADOS NOS TERREIROS DE CANDOMBLÉ DE ARACAJU Janaina Couvo Teixeira Maia de Aguiar Universidade Federal da Bahia janainacouvo@gmail.com GT 04 - O Alimento como

Leia mais

Es c o l h e r p e n s a r

Es c o l h e r p e n s a r Es c o l h e r p e n s a r As fotografias de Daniel Costa (1973-2000) apresentadas aqui constituem parte de um conjunto que ele próprio concebeu como alternância de duas séries a de fotografias de nuvens

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO ANA ELIZABETH CAVALCANTI DA COSTA 3 ÍNDICE Introdução... 13 1ª Parte - O Universo Mágico Os Ciclos

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO 0 A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO (1)Prof. Dr. Samir Cristino de Souza (IFRN) (2) Prof a. Dr a. Maria da Conceição Xavier de Almeida (UFRN) RESUMO A Pedagogia da

Leia mais

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu.

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu. O Pão da Vida Na solenidade de Corpus Christi, queremos recordar que os atos redentores de Cristo, que culminam na sua morte e ressurreição, atualizam-se na Eucaristia, celebrada pelo Povo de Deus e presidida

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações?

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações? O Canto Litúrgico Como escolher os cantos para nossas celebrações? O que é Liturgia? Liturgia é antes de tudo "serviço do povo", essa experiência é fruto de uma vivencia fraterna, ou seja, é o culto, é

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

1º Lugar CONCURSO JOGOS FLORAIS 2009. Poesia Subordinada a Mote

1º Lugar CONCURSO JOGOS FLORAIS 2009. Poesia Subordinada a Mote CORTEJO DIVINO I As ruas são um jardim E na festa mais singela, Ao abrir duma janela, Um perfume de alecrim. Gentes que mostram assim, Que o Mundo tem mais valor E, em traços de pintor, Há quem pinte bem

Leia mais

Sala: 3 anos (1) Educadora: Isabel Ferreira

Sala: 3 anos (1) Educadora: Isabel Ferreira Sala: 3 anos (1) Educadora: Isabel Ferreira SETEMBRO A Escola as Cores (cont.) Estabelecer relações com os outros e conhecer as regras e os comportamentos sociais na sala; Utilizar de forma adequada os

Leia mais

OBS.: o tema está articulado ao Saber V enfrentar as incertezas.

OBS.: o tema está articulado ao Saber V enfrentar as incertezas. Aventura do Espírito : a Sociologia e a formação de jovens no Ensino Médio Rosemary de Oliveira Almeida - UECE Felícia Maria de Sousa Lima - Escola de Ensino Médio Liceu Vila Velha Judas Tadeu Pereira

Leia mais

Sal da TERRA e luz do MUNDO

Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da terra e luz do mundo - jovens - 1 Apresentação pessoal e CMV Centro Missionário Providência Canto: vós sois o sal da terra e luz do mundo... MOTIVAÇÃO: Há pouco tempo

Leia mais

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE A Novena de Natal deste ano está unida à Campanha da Fraternidade de 2013. O tema Fraternidade e Juventude e o lema Eis-me aqui, envia-me, nos leva para o caminho da JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE Faça a

Leia mais

Expressão Cultural selecionada: Rezadeiras

Expressão Cultural selecionada: Rezadeiras Município: Ipaporanga Estado: CE Mobilizador Cultural: Cyria Mayrellys Lima Expressão Cultural selecionada: Rezadeiras Prática desenvolvida na Europa, durante da Idade Média, estritamente dentro do modelo

Leia mais

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO 2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO NOME: Jaguarari, outubro de 2010. CADERNO DO 6º E 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2010 Numa carta de Papai Noel destinada às crianças, ele comunica que não será

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE ENVELHECIMENTO ATIVO A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS ESTAÇÕES DA VIDA... PRIMAVERA..

Leia mais

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA SAGRADA Nº 8 - Mar/15 PRESTA atenção RELIGIÃO! BÍBLIA Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! vai tratar de um assunto muito importante: Religião. A fé é uma questão muito pessoal e cada

Leia mais

001 Você Pode Estar Correndo Sérios Riscos!

001 Você Pode Estar Correndo Sérios Riscos! 001 Você Pode Estar Correndo Sérios Riscos! Página 1 de 6 Pr. Israel Liberato Lucas 6:46-49 NVI 002 46 "Por que vocês me chamam Senhor, Senhor e não fazem o que eu digo? 47 Eu lhes mostrarei a que se compara

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR BALAIO DE IDEIAS

PROJETO INTERDISCIPLINAR BALAIO DE IDEIAS PROJETO INTERDISCIPLINAR BALAIO DE IDEIAS 6º ANO / ENSINO FUNDAMENTAL Goiânia, 2014 COLÉGIO AGOSTINIANO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA A maior riqueza de um país é a sua cultura I. APRESENTAÇÃO No decorrer do

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Teologia. Objetivos e palavras-chave. Introdução. Exegese do Novo Testamento Cartas e Apocalipsismo. Prof. Dr. Paulo Roberto Garcia

Teologia. Objetivos e palavras-chave. Introdução. Exegese do Novo Testamento Cartas e Apocalipsismo. Prof. Dr. Paulo Roberto Garcia Teologia Prof. Dr. Paulo Roberto Garcia Exegese do Novo Testamento Cartas e Apocalipsismo Objetivos e palavras-chave Objetivos O módulo apresenta a análise do texto bíblico e o domínio de ferramentas que

Leia mais

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Eric Ponty O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Pinturas de Fernando Campos [2005] Virtual Book s Numa noite de outubro a pequena Maria Lúcia viu o azul do céu escuro da tarde um homem andando de bicicleta.

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT)

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) 11-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Em que sentido toda a vida de Cristo é Mistério? Toda a vida

Leia mais

Impressões sobre o Porto. Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1

Impressões sobre o Porto. Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1 Impressões sobre o Porto Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1 Resumo Utilizando alguns preceitos sobre a fotografia como forma de contextualização do tema, o presente artigo trata da imagem fotográfica enquanto

Leia mais

Oficina de Liturgia e. Por. Pe. Cleiton Alencar Salvador 2011

Oficina de Liturgia e. Por. Pe. Cleiton Alencar Salvador 2011 Oficina de Liturgia e Música Por. Pe. Cleiton Alencar Salvador 2011 I parte Ohomem éum ser sacramental, queno planoreligioso expressam suas relações com Deus através de um conjunto de sinais e símbolos.(puebla

Leia mais

Rituais de festa em uma morte anunciada. anos. Filha de Maria Dias da Silva, mãe solteira, lavadeira, vendedora de lenha, entre outros serviços

Rituais de festa em uma morte anunciada. anos. Filha de Maria Dias da Silva, mãe solteira, lavadeira, vendedora de lenha, entre outros serviços Rituais de festa em uma morte anunciada Profª Drª Temis Gomes Parente Universidade Federal do Tocantins Campus de Porto Nacional - TO. Email: temis.parente@uol.com.br No dia 29 de maio de 2004, em Natividade-

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

Tema 3: Espiritualidade O Espírito faz bater nossos corações em uníssono

Tema 3: Espiritualidade O Espírito faz bater nossos corações em uníssono Tema 3: Espiritualidade O Espírito faz bater nossos corações em uníssono O ESPÍRITO FAZ BATER NOSSOS CORAÇÕES EM UNÍSSONO (Ir. Henri Vergès) Espiritualidade enraizada no Deus de Jesus, encarnada nas realidades

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ]

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] ANA MAFALDA LEITE Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] Um dizer poético pleno. Professora e poeta luso-moçambicana encantada por Florbela Espanca,

Leia mais

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor!

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor! LIÇÕES DE VIDA Regilene Rodrigues Fui uma menina sem riquezas materiais Filha de pai alcoólatra e mãe guerreira. Do meu pai não sei quase nada, Algumas tristezas pela ignorância e covardia Que o venciam

Leia mais

Planificação Anual. Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação. Registo e produções - Confiança

Planificação Anual. Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação. Registo e produções - Confiança Planificação Anual Professor: Gabriela Maria R. D. T. L. C. Silva Disciplina: Ano: préescolar Turma: I Ano letivo: 2014-2015 Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação Facilitar a adaptação

Leia mais