INSPEÇÃO POR PARTÍCULAS MAGNÉTICAS AUTOMATIZADA EM BISEL DE TUBOS SOLDADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSPEÇÃO POR PARTÍCULAS MAGNÉTICAS AUTOMATIZADA EM BISEL DE TUBOS SOLDADOS"

Transcrição

1 INSPEÇÃO POR PARTÍCULAS MAGNÉTICAS AUTOMATIZADA EM BISEL DE TUBOS SOLDADOS Edson Vasques Moreira João Maurício Godoy Luiz Fernando Marcondes Moreira Robson Pedroso Manão Abstract. Visando atender a necessidade de alguns clientes, em exigir a inspeção por partículas magnéticas nos biséis tubos à procura do defeito de dupla laminação nesta região dos tubos a CONFAB adquiriu um novo equipamento junto a empresa Multiflux. Esta inspeção é um requisito adicional a especificação API 5L e é um requisito da norma DNV OS-F101 e de algumas especificações de clientes principalmente em projetos destinados a aplicações Offshore. Para atender estas exigências foi desenvolvido um equipamento que faz a inspeção nas extremidades dos tubos em todo o perímetro na região do bisel. O equipamento foi construído para inspecionar tubos de 12 ¾ a 48 de diâmetro da linha UOE SAW com ciclo total de inspeção médio menor que 01 minuto. Palavras Chaves: Tubos, partículas magnéticas, automatizado 1. Introdução A inspeção por partículas magnéticas nos biséis de tubos vem sendo um requisito muito freqüentemente solicitado pelos clientes principalmente em projetos Off-Shore e mais recentemente pela DNV OS-F A CONFAB visando atender estas necessidades fez um novo investimento na planta de tubos SAW-UOE situada em Pindamonhangaba, já para ser aplicado em um projeto da Petrobrás com tubos 18 x 0,500 a serem lançados na Baía da Guanabara, onde tivemos pela primeira vez um requisito da fabricação de tubos de acordo com a especificação DNV citada acima e o projeto acompanhado pela própria DNV. O equipamento automatizado de Inspeção por Partículas Magnéticas nos biséis dos tubos foi desenvolvido em conjunto com a empresa nacional MULTIFLUX. Para atender as necessidades desta planta em termos de produtividade, layout, operação, durabilidade, eficiência e adequada técnica para detecção do defeito objetivado além do atendimento das normas e especificações envolvidas, o equipamento foi construído para detectar dupla laminação na superfície e sub-superfície do bisel dos tubos, com bom desempenho, adequada produtividade, ótima repetibilidade, fácil operação não necessitando de troca do ferramental e sim pequenos e rápidos ajustes. O equipamento inspeciona as duas extremidades do tubo ao mesmo tempo necessitando portanto um inspetor em cada uma delas. Cada lado é composto por um cabeçote de magnetização que é basicamente um yoke especial, com pernas articuladas, e fabricada com sistema copiador da superfície do tubo, um circuito fechado de circulação da suspensão e uma cabine para inspeção, podendo utilizar partículas magnéticas fluorescentes ou não fluorescentes. 2. Características Técnicas do Equipamento Equipamento: Yoke por sistema: Controle da magnetização: Método de inspeção: Varredura: Detecção dos defeitos: Direção do campo: Intensidade do campo: Partículas Magnéticas: Desmagnetização: 2 sistemas (cabeçotes de magnetização), sendo um em cada extremidade do tubo. 1 Yoke Especial com pernas articuladas. Realizado através do amperímetro, calibrado, existente em cada sistema. Contínuo, corrente alternada (AC). 100% do bisel de cada extremidade do tubo. Descontinuidades superficiais e sub-superficiais no sentido da laminação. Longitudinal. 0 a 100 A/cm, podendo ser controlada através de um potenciômetro existente no equipamento. Partícula via úmida fluorescente ou visível. Não é necessário, menor que 10 gauss. 02 a 06 de Junho de 2003 / June 2 to Rio de Janeiro - RJ - Brasil

2 Veículo: Água com agente distensor. Condição da superfície: Livre de óleo e graxa. Produtividade : Ciclo total médio de 1 minuto. Faixa de diâmetro: 323,8mm a 1219,2mm (12 3/4 a 48 ). Faixa de espessura: 6,35mm a 31,75mm (0,250 a 1,250 ). Faixa de comprimento: 9000 a mm, especial de 6000 à 9000 mm 3. Processo de Fabricação dos Tubos Soldados O equipamento de partículas magnéticas está instalado no final da linha de fabricação de tubos imediatamente após o tubo ter sido biselado. Esta planta fabrica tubos pelo processo UOE-SAW, e é uma das mais produtivas e eficientes da CONFAB. Utiliza-se de chapas laminadas que são ensaiadas nas usinas de aço nacionais ou internacionais. Basicamente o processo UOE significa prensar a chapa em forma de U e de O, solda por arco submerso interno e externo e expandir os tubos. Estes tubos posteriormente são testados hidrostaticamente e sua solda é inspecionada em toda extensão por ultra-som e nas extremidades são realizados os ensaios radiográficos por uma extensão de aproximadamente 205 mm de acordo com a API ou 300 mm pela DNV. As extremidades dos tubos são biseladas, inspecionadas visual e dimensionalmente. Também, se especificado, inspecionados por partículas magnéticas ou líquidos penetrantes. Após isto, é feita a pesagem, medição de comprimento e marcação dos tubos. Cada ponto do processo é lançado o status da inspeção do tubo gerando total rastreabilidade deste em todas as etapas de fabricação. Um sistema computadorizado supervisiona esta fabrica. SRQ que significa Sistema de Rastreabilidade e Qualidade. Este sistema controla também testes nos laboratórios, liberações e carregamento dos tubos. Figura 1 Fluxograma dos pontos principais planta UOE-SAW

3 4. Equipamento de Inspeção Figura 2 Visão geral do equipamento de inspeção Este equipamento tem uma faixa de trabalho no sentido do comprimento do tubo de tal forma que se possa trabalhar com as variações de comprimento dos tubos especificadas e cada uma das maquinas se move a procura da extremidade do tubo. No início da obra se ajusta o equipamento para o diâmetro e a espessura, colocando um tubo da obra com um defeito artificial simulando uma dupla laminação na região central do bisel. Os tubos que serão inspecionados são posicionados sobre rolos rotativos suspensos e finalmente os sistemas de magnetização são acoplados às extremidades do tubo. Este acoplamento é feito manualmente pelo próprio inspetor. Após o equipamento estar acoplado ao tubo, os rolos rotativos, os yokes e o aplicador da suspensão (chuveiro) são ligados e a inspeção é iniciada. A velocidade máxima de rotação do tubo é de 5 m/min dependendo das variáveis envolvidas no projeto como tamanho de defeito, tipo de partículas e outras. Os sistemas de magnetização são inclinados entre 20 e 30 graus com o objetivo de evitar que a suspensão, que é drenada por gravidade, remova as indicações formadas antes que o inspetor possa realizar a avaliação. Estes sistemas são independentes sendo que cada sistema possui dois tipos de copiador. O primeiro deles serve para manter sempre fixa a distância entre o centro das pernas do yoke e a face do bisel, e tem o objetivo de deixar sempre constante esta distância, para que a inspeção possa ser realizada em uma zona onde o campo magnético esteja entre o mínimo e o máximo valor admissível, por exemplo 17 a 65 A/cm. O segundo tipo de copiador mantém as pernas dos Yokes sempre a uma mesma distância da superfície do tubo. O cilindro pneumático mantém cada perna do Yoke sempre em contato com a superfície do tubo e é acionado imediatamente após o posicionamento da maquina em relação ao bisel do tubo. O campo magnetizante e a solução também são acionados neste momento. Vide Figuras 3 e 4. Figura 3 Detalhe dos copiadores Figura 4 Detalhe do copiador da perna do Yoke.

4 Cada sistema de magnetização possui um coletor, cuja finalidade é colher a solução que foi aspergida sobre a superfície do bisel, para que a mesma retorne ao tanque, podendo assim ser reaproveitada. Possui também um amperímetro calibrado que serve para que o próprio inspetor monitore constantemente o correto funcionamento do yoke a maquina possui alarme de falta de campo que é indicado imediatamente no painel de controle do operador. No caso de utilizarmos partículas magnéticas fluorescentes, uma cabine escura é instalada de forma que atenda os níveis de luminosidade, e luz negra conforme especificado. Periodicamente, normalmente duas vezes por turno de trabalho, a eficiência do ensaio é checada através de Padrões de Verificação de Eficiência e de um tubo padrão especialmente construído que possui uma indicação artificial em cada bisel, simulando uma dupla laminação. O controle da luminosidade, concentração das partículas e outros são também avaliados Área de Inspeção e Avaliação Para garantir a eficiência da inspeção na área a ser inspecionada (bisel), é utilizado um Medidor de Campo Magnético de efeito Hall, modelo 5070, marca F.W.Bell, calibrado, determinando um campo magnético entre 24 e 40 ou 17 a 65 A/cm de acordo com a especificação envolvida. Este campo é ajustado utilizando uma distância do centro da perna do yoke à face do bisel, por exemplo igual a 50 mm e então ajusta-se a potência no potenciômetro existente no painel de comando. Com isto pode-se ajustar o campo máximo (40 ou 65 A/cm) no eixo do Yoke e a extensão do bisel que atinge o valor mínimo (17 ou 24 A/cm). Este é o setup do aparelho. A região onde a solução com as partículas magnéticas devem ser jogadas e o local onde o inspetor deve dar o laudo é determinado. Como rotina esta região é sempre próxima ao eixo do Yoke. Caso por algum motivo houver necessidade de se alterar a potência do equipamento, a distância entre o centro das pernas do yoke e a face do bisel deve ser analisada para confirmar se há ou não a necessidade de ser alterada para manter o mesmo nível de campo magnético. Figura 5 - Potenciômetro Figura 6 Painel de Trabalho 4.2. Variáveis da Inspeção Na inspeção, as seguintes variáveis devem ser consideradas: - Iluminação - Concentração das Partículas Magnéticas - Distância do centro das pernas do yoke a face do bisel - Velocidade de rotação do tubo - Intensidade de magnetização - Posição do aplicador de suspensão (chuveiro) - Posição do sistema de magnetização (inclinação entre 20 e 30 graus) - Posição do olho do inspetor. - Qualificação do inspetor.

5 5. Conclusão Este equipamento automático de inspeção por partículas magnéticas instalado na CONFAB desde Junho de 2002 atende a diversos requisitos adicionais de inspeção por partículas magnéticas nas extremidades dos tubos, de forma extremamente satisfatória. Este equipamento apresenta também uma boa produtividade, repetibilidade e sensibilidade. Outro fator importante é o fato de o inspetor ter a sua integridade física preservada, pois é um equipamento de fácil manuseio não havendo necessidade de grande esforço físico ou de movimentos repetitivos, que são comuns nas inspeções com yokes manuais. Este projeto foi bastante interessante e com este conceito não exigiu enormes maquinas de magnetização que além de encarecer o fornecimento teríamos vários problemas com peças de reposição. 7. Referências American Petroleum Institute, API Specification 5L, Washington, July American Society for Testing and Materials, ASTM E709 Standard Guide for Magnetic Particle Examination, British Standards Institution, BS 6072 Method for Magnetic Particle Flaw detection, ISO Seamless and welded steel tubes for pressure purposes Magnetic particle inspection of the tube ends for the detection of laminar imperfections, Abstract The inspection of magnetic particles at bevel of the pipe is used to attend the customer necessity to obtain pipes checked by magnetic particle on the bevel area, to detect laminations in this area of the pipes, a new equipment was obtained together Multiflux company. This inspection is an additional specification to API 5L and requirement of the standard DNV OS-F101, customers specifications and offshore projects. To carry out requirement, the equipment was developed to inspect in both extremes of the pipe ends on all bevel perimeter area. The equipment was made to inspect pipes from 12 ¾ to 48 of diameter of the UOE SAW manufacturer with total perimeter cycle smaller than 01 minute. 9. Direitos Autorais Os autores são os únicos responsáveis pelo conteúdo descrito neste trabalho.

N-1598 REV. E NOV / 2003 ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - PARTÍCULAS MAGNÉTICAS. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27. Procedimento.

N-1598 REV. E NOV / 2003 ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - PARTÍCULAS MAGNÉTICAS. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27. Procedimento. ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - PARTÍCULAS MAGNÉTICAS Procedimento Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto desta

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

Análise da dispersão do fluxo magnético em ensaios não destrutivos

Análise da dispersão do fluxo magnético em ensaios não destrutivos Análise da dispersão do fluxo magnético em ensaios não destrutivos Pedro Henrique Viveiros Maravilha* Resumo Este artigo tem como objetivo demonstrar a utilização de técnicas magnéticas em ensaios não

Leia mais

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca 1. INSPETOR CONTROLE DE QUALIDADE- Atuar com inspeção de processos / final, ensaios de rotina, controle de qualidade e verificação de falhas na

Leia mais

PROCEDIMENTO DE ULTRA-SOM PARA INSPEÇÃO DE WELDOLETS

PROCEDIMENTO DE ULTRA-SOM PARA INSPEÇÃO DE WELDOLETS PROCEDIMENTO DE ULTRA-SOM PARA INSPEÇÃO DE WELDOLETS Rubem Manoel de Braga Antônio Fernando Burkert Bueno Afonso Regully Universidade Federal do Rio Grande do Sul Luís Carlos Greggianin Companhia Petroquímica

Leia mais

Ensaio de tração: procedimentos normalizados

Ensaio de tração: procedimentos normalizados A U A UL LA Ensaio de tração: procedimentos normalizados Introdução Hoje em dia é comum encontrar uma grande variedade de artigos importados em qualquer supermercado e até mesmo em pequenas lojas de bairro:

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DE TUBOS

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DE TUBOS PUC Rio Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Engenharia Mecânica Laboratório de Integridade Estrutural PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DE TUBOS Prof. Ronaldo D. Vieira rdvieira@puc-rio.br

Leia mais

NOVA TÉCNICA DE ENSAIOS POR CORRENTES PARASITAS DE TUBOS COM COSTURA DURANTE O PROCESSO DE FABRICAÇÃO

NOVA TÉCNICA DE ENSAIOS POR CORRENTES PARASITAS DE TUBOS COM COSTURA DURANTE O PROCESSO DE FABRICAÇÃO NOVA TÉCNICA DE ENSAIOS POR CORRENTES PARASITAS DE TUBOS COM COSTURA DURANTE O PROCESSO DE FABRICAÇÃO Autor: Alejandro Spoerer Empresa: Polimeter Comércio e Representações Ltda. Palavras-chaves: ensaio

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador DESCRITIVO TÉCNICO Nome Equipamento: Máquina automática para corte de silício 45º e perna central até 400 mm largura Código: MQ-0039-NEP Código Finame: *** Classificação Fiscal: 8462.39.0101 1 Alimentador

Leia mais

Ensaios visuais. END não é o fim! Na verdade, esta é a sigla

Ensaios visuais. END não é o fim! Na verdade, esta é a sigla A UU L AL A Ensaios visuais END não é o fim! Na verdade, esta é a sigla que identifica o novo grupo de ensaios que você vai estudar nesta e nas próximas aulas deste módulo: os ensaios não destrutivos.

Leia mais

Elaboração de Planilhas para Auxílio à Inspeção de Recebimento para Tubulações de Aço Liga e Aço Inoxidável

Elaboração de Planilhas para Auxílio à Inspeção de Recebimento para Tubulações de Aço Liga e Aço Inoxidável Heitor Belfort de Sousa Gama Leandro Teodoro Soares Dias Elaboração de Planilhas para Auxílio à Inspeção de Recebimento para Tubulações de Aço Liga e Aço Inoxidável Monografia apresentada ao Programa de

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

Soluções ZX2 Aplicações Bem Sucedidas para o Segmento Automotivo e Fornecedores

Soluções ZX2 Aplicações Bem Sucedidas para o Segmento Automotivo e Fornecedores Soluções ZX2 Aplicações Bem Sucedidas para o Segmento Automotivo e Fornecedores Detecção de anel O-ring de válvula solenóide em processo de montagem Verificação da banda de rodagem Discriminação de variedades

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO

MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO Certificada ISO 9001:2008 1 A técnica de MFL consiste na magnetização com imãs permanentes poderosos capazes de criar um campo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais. Terminologia Usual de Soldagem e Símbolos de Soldagem

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais. Terminologia Usual de Soldagem e Símbolos de Soldagem UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Terminologia Usual de Soldagem e Símbolos de Soldagem Prof. Paulo J. Modenesi Belo Horizonte, julho de 2008 Terminologia

Leia mais

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados 1 Tubos cladeados Tubos resistentes à corrosão Tubos cladeados Tubos especiais e componentes prontos para a instalação Tubulações pré-fabricadas e componentes soldados Vasos, tanques e torres Construção

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA 1 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA 1. INTRODUÇÃO 2. FABRICAÇÃO DE TUBOS 3. NORMAS DE FABRICAÇÃO 4. INFORMAÇÕES TÉCNICAS 4.1 - Cálculo do Peso Teórico 4.2 - Raio de Canto teórico dos

Leia mais

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister Introdução: Propriedades mecânicas indicam o comportamento dos materiais quando sujeitos a esforços de

Leia mais

Módulo 6. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 7.4, 7.5 e 7.6

Módulo 6. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 7.4, 7.5 e 7.6 Módulo 6 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 7.4, 7.5 e 7.6 7.4 - Aquisição 7.4.1 - Processo de aquisição A organização deve garantir que o produto

Leia mais

3. MATERIAIS E MÉTODOS

3. MATERIAIS E MÉTODOS 80 3. MATERIAIS E MÉTODOS Para este estudo foram adotados dois tipos de materiais diferentes, um metálico (material 1) e outro compósito (material 2). Amostras destes materiais foram obtidas em produtos

Leia mais

N-1596 REV. E NOV / 2003 ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - LÍQUIDO PENETRANTE. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27. Procedimento.

N-1596 REV. E NOV / 2003 ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - LÍQUIDO PENETRANTE. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27. Procedimento. ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - LÍQUIDO PENETRANTE Procedimento Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto desta Norma.

Leia mais

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Documento: Cliente: ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Pag: 1 of 9 Título: Estrutura Metálica para o Galpão e para os Pórticos TECHNIP ENGENHARIA S/A

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

ULTRA-SOM MEDIÇÃO DE ESPESSURA PROCEDIMENTO DE END PR 036

ULTRA-SOM MEDIÇÃO DE ESPESSURA PROCEDIMENTO DE END PR 036 Página: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento fixa as condições mínimas do ensaio não destrutivo por meio de ultra-som para medição de espessura em materiais metálicos, em exames de qualificação do Sistema

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Central de Detecção e Alarme Contra Incêndio V260 Imagem Central V260 36 Laços Manual de Instalação Leia atentamente o manual antes do manuseio do equipamento ÍNDICE 1 COMANDOS E SINALIZAÇÕES DA CENTRAL

Leia mais

Ensaios não-destrutivos

Ensaios não-destrutivos Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Mecânica Ensaios não-destrutivos Prof. Dr. Fábio Lúcio Santos => Partículas Magnéticas => Líquidos Penetrantes Partículas Magnéticas => O ensaio

Leia mais

Sua confiança em inspeção.

Sua confiança em inspeção. , Sua confiança em inspeção. Inspeção que trás segurança. A TND Inspeções Técnicas trás a experiência de seus gestores, que atuam há mais de 10 anos no seguimento de inspeção. A capacidade técnica de sua

Leia mais

LÍQUIDO PENETRANTE PROCEDIMENTO DE END PR 001

LÍQUIDO PENETRANTE PROCEDIMENTO DE END PR 001 Página: 1 de 40 1. OBJETIVO 1.1 Este procedimento estabelece as condições necessárias para a execução do ensaio não destrutivo por meio de Líquido Penetrante para detecção de descontinuidades superficiais,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO Antonio A. de Carvalho, Raphael C. S. B. Suita, Ivan C. da Silva, João M. A. Rebello Universidade Federal do Rio

Leia mais

DOCUMENTO EM FASE DE IMPLANTAÇÃO

DOCUMENTO EM FASE DE IMPLANTAÇÃO Página: 1 de 40 1. OBJETIVO 1.1 Este procedimento estabelece as condições necessárias para a execução do ensaio não destrutivo por meio de Líquido Penetrante para detecção de descontinuidades superficiais,

Leia mais

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Trabalho apresentado no XXI Congresso Nacional de Ensaios Não Destrutivos,

Leia mais

Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title

Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title Additional Manual do Information Produto be certain. 100-238-343 A Informações sobre Direitos Autorais Informações sobre Marca Registrada Informação

Leia mais

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho 1 ME-01 REV00 13 3 1 2 14 9 10 12 4 5 6 7 11 8 1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho da porta

Leia mais

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS Página: 1 de 18 1. OBJETIVO Complementar a norma ABENDE NA-001, no que se refere ao estabelecimento da sistemática para Qualificação e Certificação de Pessoal em Ensaios Não Destrutivos nos setores industriais

Leia mais

Linha de Equipamentos

Linha de Equipamentos Linha de Equipamentos TECNOLOGIA PARA MAIOR PRODUTIVIDADE E REDUÇÃO DE CUSTOS Tecnopress Automação Industrial Fundada em 1987, a Tecnopress Automação Industrial é hoje a mais moderna indústria brasileira

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação Chave de nível capacitiva Cod: 073AA-004-122M Rev. B Série LC-200 Março / 2010 S/A Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

CABINE DE SEGURANÇA BIOLÓGICA

CABINE DE SEGURANÇA BIOLÓGICA A AEROGLASS reserva-se o direito de alterações sem prévio aviso. CABINE DE SEGURANÇA BIOLÓGICA CLASSE 2 TIPO A-1 * Símbolo internacional de risco biológico. Apresentação Com mais de 40 anos de experiência

Leia mais

Ensaios por Partículas Magnéticas- Equipamentos de Magnetização"No Contact" Clayton Moura de Oliveira ITW - Chemical Products Ltda

Ensaios por Partículas Magnéticas- Equipamentos de MagnetizaçãoNo Contact Clayton Moura de Oliveira ITW - Chemical Products Ltda Ensaios por Partículas Magnéticas- Equipamentos de Magnetização"No Contact" Clayton Moura de Oliveira ITW - Chemical Products Ltda Trabalho apresentado na 6ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos

Leia mais

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo:

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 161, de 30 de setembro de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Introdução. Bem vindo, ao mundo dos automatizadores para portas de enrolar!!!

Introdução. Bem vindo, ao mundo dos automatizadores para portas de enrolar!!! D I S T R I B U I D O R Introdução Bem vindo, ao mundo dos automatizadores para portas de enrolar!!! A NEW AUTOMATIZADORES atua no mercado nacional há 1 ano, distribuindo para todo Brasil e America Latina.

Leia mais

02 REVISÃO 26.06.2013 Eng. Bruno Moreno Campos

02 REVISÃO 26.06.2013 Eng. Bruno Moreno Campos 02 REVISÃO 26.06.2013 Eng. Bruno Moreno Campos 01 REVISÃO 10.06.2009 Eng. Rommel / 26600/D-MG 00 EMISSÃO INICIAL, ATUALIZAÇÕES E SUBST.: GE.01/435.75/00894/02 21.08.2008 Eng. Rommel / 26600/D-MG Rev. Modificação

Leia mais

AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014)

AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014) ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014) Maio 2014 Caderno de Especificações Técnicas Segurança do Trabalho de Sobradinho 1/19 ESPECIFICAÇÃO

Leia mais

Medição de Nível. Profa. Michelle Mendes Santos

Medição de Nível. Profa. Michelle Mendes Santos Medição de Nível Profa. Michelle Mendes Santos Introdução Medir a variável nível em processos industriais é quantificar referenciais por meio da monitoração contínua ou discreta com o objetivo de avaliar

Leia mais

Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Co-Requisito: MECN0055 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2

Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Co-Requisito: MECN0055 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 PROGRAMA Disciplina: ENSAIOS MECÂNICOS Código: MECN0015 Carga Horária Semestral: 60 HORAS Obrigatória: sim Eletiva: Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 00; TOTAL: 04 Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS

Leia mais

Conheça nossa empresa

Conheça nossa empresa Conheça nossa empresa Empresa Damaeq Integridade, Vontade de Superar-se, Satisfação do Cliente. MODELO PANDA 2015 Novo coletor compactador modelo PANDA 2015, com capacidade para 15m³ ou 19m³ de lixo compactado.

Leia mais

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som?

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? A U A UL LA Ultra-som Introdução Você sabia que, por terem uma visão quase nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? Eles emitem ondas ultra-sônicas e quando recebem o eco de retorno são capazes de

Leia mais

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS)

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS) UFPR METROLOGIA MECÂNICA DIMENSIONAL Especificações Geométricas de Produto Geometrical Product Specifications (GPS) TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES Tolerâncias geométricas As peças ao

Leia mais

Transmissor de Vazão Mod. RTVG

Transmissor de Vazão Mod. RTVG 1. Introdução O Medidor de vazão tipo turbina é um instrumento de medição de vazão volumétrico. O elemento sensível à vazão é um rotor com um sistema de palhetas fixas, suspenso livremente sobre um eixo

Leia mais

Pedro Rocha 2015-10-15

Pedro Rocha 2015-10-15 Pedro Rocha 2015-10-15 Circulação O veiculo não pode sair do centro para se posicionar nas linhas ou áreas de inspeção Via de fuga Evitar o cruzamento de veículos 2 As linhas devem ser estruturadas para

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO (3 de 3) 11/NOV/2010 a 20/JAN/2011 REIVAX AUTOMAÇÃO E CONTROLE

RELATÓRIO DE ESTÁGIO (3 de 3) 11/NOV/2010 a 20/JAN/2011 REIVAX AUTOMAÇÃO E CONTROLE RELATÓRIO DE ESTÁGIO (3 de 3) 11/NOV/2010 a 20/JAN/2011 REIVAX AUTOMAÇÃO E CONTROLE Supervisor: Fernando Amorim da Silveira Coordenador: Victor Juliano De Negri Estagiário: Marcos Kaupert 20 de janeiro

Leia mais

Rudloff: Tradição, Agilidade e Experiência

Rudloff: Tradição, Agilidade e Experiência Rudloff: Tradição, Agilidade e Experiência Imagem Aérea da Empresa Pátio Fabril Usinagem Horta Comunitária Pátio Fabril Engenharia Cursos In Company ministrados pelo SENAI A Rudloff foi fundada em 1960,

Leia mais

APLICAÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA DETECÇÃO, DIMENSIONAMENTO E MAPEAMENTO DE DANOS POR HIDROGÊNIO EM COLUNA LAVADORA DE CARBONO

APLICAÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA DETECÇÃO, DIMENSIONAMENTO E MAPEAMENTO DE DANOS POR HIDROGÊNIO EM COLUNA LAVADORA DE CARBONO 12 a Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos COTEQ 2013 047 APLICAÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA DETECÇÃO, DIMENSIONAMENTO E MAPEAMENTO DE DANOS POR HIDROGÊNIO EM COLUNA LAVADORA DE CARBONO Mauro

Leia mais

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Liz F Castro Neto lfcastroneto@gmail.com Dênis de Almeida Costa denis.costa@fatec.sp.gov.br 1. Resumo Na soldagem de união, a

Leia mais

Introdução: Tabela: Medidas de segurança

Introdução: Tabela: Medidas de segurança Introdução: As Biseladoras Internas Merax podem ser utilizadas para biselar e /ou facear paredes de tubos de diâmetro interno de 16 mm à 610 mm em diferentes espessuras (conforme tabela abaixo). Tabela:

Leia mais

ENSAIO NÃO DESTRUTIVO QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL

ENSAIO NÃO DESTRUTIVO QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL ENSAIO NÃO DESTRUTIVO QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL Procedimento Geral ETM-CORP ENGENHARIA, TECNOLOGIA E MATERIAIS CORPORATIVO ST SERVIÇOS TÉCNICOS Os comentários e sugestões referentes a este documento devem

Leia mais

A capacidade de carga total com uso moderado é de aproximadamente 80% após 300 ciclos.

A capacidade de carga total com uso moderado é de aproximadamente 80% após 300 ciclos. Segurança da bateria A HP encara a segurança com muita seriedade e disponibiliza Material Safety Data Sheets (MSDS) (Fichas de dados de segurança de material; em inglês) que fornecem informações gerais

Leia mais

www.keelautomacao.com.br Linha KSDF Solução em corte CNC

www.keelautomacao.com.br Linha KSDF Solução em corte CNC Linha KSDF Solução em corte CNC Linha KSDF Solução em corte CNC Características Destinada ao processo de corte mecanizado de chapas aço carbono, inox, alumínio, ferro entre outros. Esta máquina foi desenvolvida

Leia mais

Soldagem I. Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas

Soldagem I. Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Soldagem I Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas Prof. Paulo J. Modenesi Belo Horizonte, novembro de 2001

Leia mais

BUILDING WIND STEEL TOWERS, BUILDING A BETTER FUTURE

BUILDING WIND STEEL TOWERS, BUILDING A BETTER FUTURE BUILDING WIND STEEL TOWERS, BUILDING A BETTER FUTURE Visão Ser reconhecida pelo mercado como referência de atendimento, qualidade e prazo no fornecimento de torres eólicas. Missão Fornecer torres eólicas,

Leia mais

N-1594 REV. F DEZ / 2004 ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - ULTRA-SOM. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27. Procedimento. Apresentação

N-1594 REV. F DEZ / 2004 ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - ULTRA-SOM. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27. Procedimento. Apresentação ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - ULTRA-SOM Procedimento Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto desta Norma. O Órgão

Leia mais

ULTRA-SOM - SOLDA PROCEDIMENTO DE END PR 011

ULTRA-SOM - SOLDA PROCEDIMENTO DE END PR 011 Página: 1 de 29 1. OBJETIVO Este procedimento fixa as condições para a execução do ensaio por ultra-som para detecção e avaliação de descontinuidades em juntas soldadas de acordo com o Sistema Nacional

Leia mais

www.consulting.fernandotavares.com.pt

www.consulting.fernandotavares.com.pt Campo de minigolfe Notas sobre a execução de um campo de minigolfe Introdução O minigolfe está regulamentado pela Federação Portuguesa de Minigolfe e internacionalmente pela World Minigolf Sport Federation

Leia mais

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000)

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) AUTOMATIZADORES PARA PORTAS DE ENROLAR IMPORTAÇÃO E SUPORTE TÉCNICO NA INSTALAÇÃO Manual de Usuário (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) SAC: 55 + 11 3088

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

COPINAVAL 24/10/2007. END s Aplicação no setor naval Certificação

COPINAVAL 24/10/2007. END s Aplicação no setor naval Certificação COPINAVAL 24/10/2007 END s Aplicação no setor naval Certificação O que significa END? Ensaios Não Destrutivos: Verificar a existência de descontinuidades; Verificar a propriedade de um material; Não causa

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM...

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM... Motores H-Compact COMPACTO, REFRIGERAÇÃO EFICIENTE A importância crescente da economia de energia, dos requerimentos ambientais, da procura por dimensões menores e das imposições dos mercados nacionais

Leia mais

Este padrão aplica-se às atividades de Qualificação e Certificação de Pessoal realizado pelo SEQUI-ETCM/CEND.

Este padrão aplica-se às atividades de Qualificação e Certificação de Pessoal realizado pelo SEQUI-ETCM/CEND. 1. OBJETIVO PP-5EN-0063 Fornecer ao candidato no Processo de Qualificação de Pessoal para Inspetores de END Ultrassom PHASED ARRAY, as instruções necessárias para o exame prático no ensaio não destrutivo

Leia mais

L. 23.504.245/0001-51 20 / A CEP

L. 23.504.245/0001-51 20 / A CEP SOLUÇÕES INDUSTRIAIS Com mais de 10 anos de experiência em soluções industriais e inspeções de qualidade a GMAC oferece atendimento objetivo e focado nos resultados desejados. A confiabilidade e segurança

Leia mais

SISTEMA DE CALIBRAÇÃO PARA AVALIAR OS ERROS CINEMÁTICOS E DE ATRASO DO SERVOACIONAMENTO DE TORNOS CNC ATRAVÉS DE UM LASER INTERFEROMÉTRICO

SISTEMA DE CALIBRAÇÃO PARA AVALIAR OS ERROS CINEMÁTICOS E DE ATRASO DO SERVOACIONAMENTO DE TORNOS CNC ATRAVÉS DE UM LASER INTERFEROMÉTRICO SISTEMA DE CALIBRAÇÃO PARA AVALIAR OS ERROS CINEMÁTICOS E DE ATRASO DO SERVOACIONAMENTO DE TORNOS CNC ATRAVÉS DE UM LASER INTERFEROMÉTRICO Heber Ferreira Franco de Castro 1, Wellington Santos Barros 2

Leia mais

TUBOS SEM COSTURA (a) barra circular sob compressão diametral; (b) cavidade axial formada no centro da barra; (c) ilustração de um laminador perfurador. Vista das barras ao final do arco circular

Leia mais

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM NORMA FBTS N-008 Novembro/15 Revisão 0 CRITÉRIOS PARA A QUALIFICAÇÃO E A CERTIFICAÇÃO DE SUPERVISORES E ENCARREGADOS DE SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA

Leia mais

CONHECIMENTO ESPECÍFICO

CONHECIMENTO ESPECÍFICO CONHECIMENTO ESPECÍFICO 6. O PID (Proporcional Integral Derivativo) é comumente usado na automação industrial para se encontrar um erro entre a entrada e a saída de um processo qualquer. Nesse processo,

Leia mais

Alimentadores Eletrônicos

Alimentadores Eletrônicos Alimentadores Eletrônicos P/A Brasil Ltda Rua José Felix de Oliveira, 834 sala 7B Cotia SP CEP 06708-645 Fone: 55 11 4617-5497 Fax: 55 11 4612-6186 E-Mail: campello@pa.com Web: www.pa.com Introdução A

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 24, de 05/03/07 Sistema de Resfriamento

Leia mais

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas Decreto Estadual nº 45.765, de 4 de maio de 2001 Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO,

Leia mais

Artigo Descrição Núm. do artigo Cabo de conexão universal Cabo de conexão, fêmea-fêmea, universal

Artigo Descrição Núm. do artigo Cabo de conexão universal Cabo de conexão, fêmea-fêmea, universal Cabos Os cabos de tomada que se utilizam são especialmente robustos, fabricados por Amphenol (serie C 16 1/7pin) ou Binder (serie 693/7pin) para as balanças WL 103 e Fischer (tipo 104/4pin) para a WL 104.

Leia mais

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE 1 OBJETIVO Esta Norma fixa as condições exigíveis para a indicação

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

Truck Crane TKA-420N TKA-420N TRUCK CRANE

Truck Crane TKA-420N TKA-420N TRUCK CRANE Truck Crane TKA-420N TKA-420N TRUCK CRANE DESTAQUES DO NOVO GUINDASTE TKA-420N Moderna e confortável cabina de comando, com amplo campo de visão e fácil acesso aos controles do guindaste. Possui ventilação,

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o. Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega

C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o. Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega C e n t r o O p e r a t i v o e d e T e c n o l o g i a d e R e g a d i o 1 Introdução

Leia mais

Histórico. Conesteel Válvulas Industriais Ltda Fone: (11) 2910.1444 www.conesteel.com.br І vendas@conesteel.com.br

Histórico. Conesteel Válvulas Industriais Ltda Fone: (11) 2910.1444 www.conesteel.com.br І vendas@conesteel.com.br Histórico A CONESTEEL foi fundada em 1986, inicialmente como fabricante de conexões e após alguns anos iniciou a fabricação de válvulas forjadas. Seu quadro diretor é formado por profissionais com experiência

Leia mais

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao

Leia mais

WORX AEROCART MODELO WG050

WORX AEROCART MODELO WG050 WORX AEROCART MODELO WG050 Avisos Gerais de Segurança AVISO Leia todos os avisos e instruções de segurança. Não seguir os avisos e instruções pode resultar em lesão séria. Guarde todos os avisos e instruções

Leia mais

STEEL PIPES FOR THE OIL AND GAS INDUSTRY TUBOS DE AÇO PARA O SETOR DE PETRÓLEO E GÁS SUPPLY CONDITIONS CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO

STEEL PIPES FOR THE OIL AND GAS INDUSTRY TUBOS DE AÇO PARA O SETOR DE PETRÓLEO E GÁS SUPPLY CONDITIONS CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO STEEL PIPES FOR THE OIL AND GAS INDUSTRY TUBOS DE AÇO PARA O SETOR DE PETRÓLEO E GÁS Pipes used for prospecting, drilling, oil, gas and by-products transport and processing, as well as in refineries, chemical

Leia mais

Cortinas de Ar Série BZCAF G1

Cortinas de Ar Série BZCAF G1 www.brize.com.br Versão 04.0. Cortinas de Ar Série BZCAF G SUMÁRIO DADOS TÉCNICOS BZCAF 09C 7V G BZCAF C 7V G BZCAF 5C 7V G COMPRIMENTO (mm) 900 00 500 POTÊNCIA (W) 85/80 50/45 5/90 TENSÃO (V) 7 7 7 CORRENTE

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA MANUAL DE OPERAÇÕES CLIMATIZAÇÃO DA BIBLIOTECA CASA DE RUI BARBOSA Av. São Clemente, Nº134 Botafogo Rio de Janeiro/RJ 1 O presente Manual tem por objetivo descrever e especificar as características operacionais,

Leia mais

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Variável: Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Participantes do Aprofundamento da Variável: Coordenador: Mário Vinícius Bueno Cerâmica Betel - Uruaçu-Go Colaboradores: Juarez Rodrigues dos

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL PARA TUBOS

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL PARA TUBOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL PARA TUBOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL COMPOSICÃO QUÍMICA PROCESSO DE FABRICAÇÃO PROPRIEDADES MECÂNICAS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CONTROLE DE QUALIDADE TENSÕES ADMISSÍVEIS EMPREGO

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO OL MODELO OL - MOTOR PERKINS

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO OL MODELO OL - MOTOR PERKINS Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

SAN.T.IN.NT 39. Em polietileno, na cor azul Royal, classe B e E Ref. A 29-R, com catraca.

SAN.T.IN.NT 39. Em polietileno, na cor azul Royal, classe B e E Ref. A 29-R, com catraca. 1 / 5 SUMÁRIO: 1. OBJETIVO 2. DESCRIÇÃO 3. MATERIAL 4. DETALHES 5. MEDIDAS 6. EMBALAGEM 7. IDENTIFICAÇÃO 8. GARANTIAS 9. AMOSTRAS 10. INSPEÇÃO 11. LOGOTIPO 12. REFERÊNCIAS 13. ANEXOS 1. OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 4-5t CPC40 CPCD40/45/50 CPQD40/45/50

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 4-5t CPC40 CPCD40/45/50 CPQD40/45/50 HELI MOTOR COM POTÊNCIA PARA 4-5t Painel de Instrumentos Digital Limpo e fácil de ler Leitura instantânea ao ligar Layout ergonômico CPC40 45/50 /45/50 Torre de ampla visão As empilhadeiras séries H2000

Leia mais

SOLUÇÃO DE CONTROLE DE VÁLVULAS PROPORCIONAIS USANDO SINAL PWM CASO DO REGULADOR DE VELOCIDADE DE UMA TURBINA KAPLAN

SOLUÇÃO DE CONTROLE DE VÁLVULAS PROPORCIONAIS USANDO SINAL PWM CASO DO REGULADOR DE VELOCIDADE DE UMA TURBINA KAPLAN SOLUÇÃO DE CONTROLE DE VÁLVULAS PROPORCIONAIS USANDO SINAL PWM CASO DO REGULADOR DE VELOCIDADE DE UMA TURBINA KAPLAN Cristiano Bühler Rafael de Paiva Jonatan Reichert Luiz Alberto Ventura Márcio Ferreira

Leia mais

24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore

24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore 24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore Rio de Janeiro, 15 a 19 de Outubro de 2012 Adequação do mercado ao reaquecimento da Indústria Naval Waneska Lima Magalhães Resumo:

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais