UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO COPPEAD DE ADMINISTRAÇÃO A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE USUÁRIOS NA ACEITAÇÃO DE SISTEMAS ERP EM EMPRESAS NO BRASIL André Luiz Matos Rodrigues da Silva Rio de Janeiro 2005

2 A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE USUÁRIOS NA ACEITAÇÃO DE SISTEMAS ERP EM EMPRESAS NO BRASIL André Luiz Matos Rodrigues da Silva Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração, Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Administração. Orientador: Prof. Donaldo de Souza Dias, D.Sc. Rio de Janeiro 2005

3 Silva, André Luiz Matos Rodrigues da. A influência do treinamento de usuários na aceitação de sistemas ERP em empresas no Brasil / André Luiz Matos Rodrigues da Silva. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, xiii, 104f.: il. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, Instituto COPPEAD de Administração, Orientador: Donaldo de Souza Dias. 1. Aceitação de Tecnologia. 2. Sistemas de Informação. 3. ERP. 4. Administração Teses. I. Dias, Donaldo de Souza (Orient.). II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto COPPEAD de Administração. III. Título.

4 A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE USUÁRIOS NA ACEITAÇÃO DE SISTEMAS ERP EM EMPRESAS NO BRASIL André Luiz Matos Rodrigues da Silva Dissertação de Mestrado submetida ao Programa de Pós-Graduação em Administração, Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Administração. Aprovada em / /, por: Presidente da Banca Prof. Donaldo de Souza Dias, D.Sc. COPPEAD/UFRJ Orientador Prof. Antônio Roberto Ramos Nogueira, D.Sc. COPPEAD/UFRJ Profª. Monica Zaidan Gomes Rossi, D.Sc. FACC/UFRJ Rio de Janeiro Setembro de 2005

5 À minha filha, Manuela

6 AGRADECIMENTOS Esta dissertação materializa, em parte, os quase dois anos dedicados ao curso de mestrado. Este longo período de estudos e, principalmente, esta dissertação, seriam impossíveis sem o apoio de diversas pessoas, cada qual com a sua intensidade e configuração, mas todas de suma importância. Antes e acima de tudo, devo meus maiores agradecimentos a Deus, pela oportunidade de mais esta vida e por todas as oportunidades nesta vida, dentre elas a de ter sido aceito e concluído este curso. Aos meus pais (in memoriam), agradeço por todo amor, carinho, alegrias, educação e orientações de vida que me deram. À minha esposa, Andréa, pelo incentivo em todo o percurso, e mais ainda pela paciência nos momentos de tensão e mau humor. À Manuela, minha querida filha, que veio completar a família durante o curso, agradeço por sua doçura, alegria e sorrisos incondicionais, que sempre me renovavam os ânimos. Ao meu orientador, professor Donaldo de Souza Dias, sou imensamente grato. Em primeiro lugar por me abrir os olhos e nutrir a curiosidade para um outro lado da tecnologia o humano e social, incluindo os benefícios, mudanças e demais conseqüências de sua adoção que acabou sendo a área de estudo de minha dissertação. Além disso, agradeço muitíssimo pelos ensinamentos referentes à metodologia e prática da pesquisa, pelo aclarar dos melhores caminhos a serem trilhados e, especialmente, pela preocupação, compreensão e amizade que me dedicou, tendo sempre a palavra certa para cada momento, sabendo dosar a motivação e os puxões de orelha.

7 A fase de seleção do tema da pesquisa de dissertação é uma das mais difíceis, pois são muitas as possibilidades e normalmente queremos abraçar o mundo, levando à indecisão, insegurança, inércia e angústia. Pelo auxílio fundamental e decisivo nesta fase, agradeço à professora e colega Mônica Silva, pois foi ela a grande incentivadora do tema que escolhi para minha dissertação. Ao professor Roberto Nogueira, agradeço pelo rico conteúdo e forma de suas aulas, que trouxeram grandes e essenciais conhecimentos sobre o par tecnologiaestratégia, e também sobre as diversas maneiras de tratar e analisar os dados de uma pesquisa de campo, bem como interpretar e representar os resultados. À professora Teresa Carneiro, registro meus agradecimentos pelo apoio na fase de prospecção de participantes para a pesquisa. Por fim, expresso minha gratidão aos colegas de curso, e grandes amigos, Juliana Coutinho, Fabiano Lanini e Fábio Meletti, por todo o empenho que tiveram em me ajudar na verdadeira caça a respondentes para o questionário da pesquisa e nas análises estatísticas dos resultados. Agradeço, ainda, à amiga Georgea do Nascimento, pela busca de contatos com as empresas e, principalmente, pela força e torcida que sempre me dedicou. Àqueles que, em cada empresa, me ajudaram na dura tarefa de coletar os dados, mas optaram por manter seus nomes em sigilo, deixo também minha sincera gratidão.

8 RESUMO SILVA, André Luiz Matos Rodrigues da. A influência do treinamento de usuários na aceitação de sistemas ERP em empresas no Brasil. Orientador: Donaldo de Souza Dias. Rio de Janeiro, Dissertação (Mestrado em Administração) Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Esta pesquisa examina qual a influência do treinamento de usuários na aceitação de tecnologia, mais especificamente os sistemas integrados de gestão empresarial (ERP). O estudo utilizou como fundamentação teórica o Modelo de Aceitação de Tecnologia (TAM), idealizado por Fred Davis, e avaliou o impacto do fator treinamento nos fatores centrais deste modelo utilidade percebida, facilidade de uso percebida e atitude em relação à tecnologia. Partindo de uma abordagem quantitativa, foi realizada uma pesquisa de campo com a aplicação de questionários. A amostra foi composta por 90 usuários diretos de sistemas ERP, funcionários de seis empresas operando no Brasil, na maioria de grande porte e de manufatura. No tratamento dos dados e teste das hipóteses foram aplicadas técnicas de análise estatística multivariada. Os resultados mostraram que o treinamento influenciou positivamente na aceitação dos sistemas ERP. O treinamento no sistema ERP teve um efeito direto na facilidade de uso percebida, e esta afetou diretamente a utilidade percebida. Verificou-se que a utilidade percebida foi o único e grande determinante da atitude positiva em relação ao sistema ERP. Estes resultados permitiram rejeitar total ou parcialmente as três hipóteses referentes ao modelo da pesquisa, e confirmar resultados de pesquisas anteriores. Também foi observado que, em geral, o treinamento não atendeu às expectativas e necessidades dos usuários notadamente com relação ao seu tipo, duração e detalhamento e que nem todos receberam treinamento formal. Adicionalmente, foi possível identificar três grupos de usuários estatisticamente diferenciados. O primeiro foi composto por usuários que apresentaram uma grande aceitação do sistema ERP, especialmente por entenderem a sua utilidade para a organização. O segundo grupo reuniu aqueles com maior predisposição tecnológica, tendo uma boa aceitação do sistema ERP a despeito da grande insatisfação com o treinamento. O terceiro grupo, em contrapartida, foi constituído por usuários que mostraram elevada resistência ao sistema ERP. Além disso, duas das seis empresas se destacaram. Uma por não ter nenhum dos seus respondentes no terceiro grupo (resistente), e ao mesmo tempo ser a maior participante (35,7%) do segundo grupo (predispostos), o que de certa forma indica que a empresa foi bem sucedida na adoção do ERP. A outra empresa destacou-se negativamente: 55% dos seus respondentes foram classificados como resistentes o que equivale a 61,1% do terceiro grupo sugerindo que houve problemas na implementação do ERP. Esta pesquisa contribuiu teórica e empiricamente ao testar o modelo TAM em um novo contexto: no Brasil (uma cultura diferente da sua original); examinando o treinamento como variável antecedente; investigando profissionais em seus ambientes de trabalho; e focando em sistemas ERP (uma tecnologia complexa e de uso obrigatório). E seus resultados confirmaram a validade do treinamento como ferramenta de apoio à aceitação de sistemas ERP.

9 ABSTRACT SILVA, André Luiz Matos Rodrigues da. A influência do treinamento de usuários na aceitação de sistemas ERP em empresas no Brasil. Orientador: Donaldo de Souza Dias. Rio de Janeiro, Dissertação (Mestrado em Administração) Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, This research analyses the influence of training end users in technology acceptance, specifically focusing on Enterprise Resource Planning systems (ERP). This study utilized the Technology Acceptance Model (TAM), idealized by Fred Davis, as theoretical foundation, and evaluated the impact of the training on TAM s core constructs perceived usefulness, perceived ease-of-use and attitude towards technology. Following a quantitative approach, a survey was applied using questionnaires. The sample was composed of 90 end users of ERP systems, employees of six companies operating in Brazil, most of them large-sized and from manufacture sector. Multivariate statistical analysis was used to investigate the collected data and to test the hypotheses. The results showed that training positively influenced the acceptance of ERP systems. The training on ERP systems had a direct effect on the perceived ease-of-use, and the perceived ease-of-use had a direct effect on perceived usefulness. It showed that the perceived usefulness was the greatest and the only factor to determine the positive attitude towards ERP system. These results allowed the total or partial rejection of the three hypotheses related to the research model, and confirm the results of previous researches. It was noticed that, in general, the training did not reach the expectations and the needs of the users, especially regarding the kind, length and detail of training. More than this, not all end users had a formal training. In addition, it was possible to identify three statistically differentiated groups of users. The first one was formed by users that demonstrated a great acceptance of the ERP system, especially because they understand its usefulness for the organization. The second group was composed by people that revealed a technological predisposition, having a good acceptance of the ERP system in spite of the high dissatisfaction with the training. The third set, on the other hand, was built of end users that showed a high level of ERP system rejection. Besides that, two of the six companies stood out. One of them for not having none end users in the third group (resistant), and at the same time to be the major participant (35.7%) of the second group (predisposed), which to a certain extent demonstrates that the company was successful in the ERP implementation. The other corporation had a negative result, with 55% of its participants classified in the third group (resistant), representing 61.1% of this group, which suggests that this company had problems in the ERP implementation. This research offers theoretical and empiric contributions. It tested and reinforced the validity of an existent theory, the TAM model, on a different context: in Brazil a culture which is different from the original one; evaluating the training as antecedent variable; investigating professionals in their workplaces; and focusing in ERP systems a complex and mandatory technology. Besides that, its results confirmed the importance of the training as a tool to motivate the acceptance of ERP systems.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Modelo de Aceitação de Tecnologia (TAM) (DAVIS, 1986)...13 Figura 2 - Modelo Motivacional de Uso de Microcomputadores...17 Figura 3 - Motivação para o uso de TI (Dias, 1998)...18 Figura 4 - Modelo causal de treinamento de usuários...22 Figura 5 - Modelo Teórico dos Determinantes da Facilidade de Uso Percebida...25 Figura 6 - TAM estendido para ambiente ERP...28 Figura 7 - Modelo da Pesquisa...47 Figura 8 - Modelo Final da Pesquisa...71 Figura 9 - Dendograma utilizando o método Ward...73 Figura 10 - Modelo Final da Pesquisa...88

11 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Distribuição dos respondentes por Área Funcional...57 Gráfico 2 - Quantidade de Respondentes x Nível de Habilidade...58 Gráfico 3 - Respondentes por Grupo...72 Gráfico 4 - Disposição dos Grupos de acordo com as Funções Discriminantes...77 Gráfico 5 - Média dos Construtos por Agrupamento...78 Gráfico 6 - Média dos Construtos por Empresa...83

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Respondentes por Empresa...50 Quadro 2 - Questionários por Forma de Retorno...51 Quadro 3 - Itens utilizados para medir o modelo da pesquisa...53 Quadro 4 - Perfil das Empresas Participantes...56 Quadro 5 - Estatística dos Itens por Construto...59 Quadro 6 - Coeficientes de Confiabilidade dos Construtos...63 Quadro 7 - Matriz de Correlações...64 Quadro 8 - Resultados das Regressões Lineares...65 Quadro 9 - Testes Multivariados de Significância (Agrupamentos)...74 Quadro 10 - Testes F Univariados (Agrupamentos)...75 Quadro 11 - Coeficientes das Funções Discriminantes Derivadas...75 Quadro 12 - Classificação dos Respondentes em Grupos pelas Funções Discriminantes...76 Quadro 13 - Matriz de Estrutura das Funções Discriminantes...76 Quadro 14 - Média dos Construtos por Agrupamento...77 Quadro 15 - Distribuição de Sexo por Agrupamento...79 Quadro 16 - Distribuição de Treinamento Formal por Agrupamento...80 Quadro 17 - Distribuição de Empresa por Agrupamento...81 Quadro 18 - Testes Multivariados de Significância (Empresas)...82 Quadro 19 - Testes F Univariados (Empresas)...82

13 SUMÁRIO 1 O PROBLEMA INTRODUÇÃO OBJETIVO PERGUNTA DA PESQUISA DELIMITAÇÃO DO ESTUDO RELEVÂNCIA DO ESTUDO REFERENCIAL TEÓRICO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E O INDIVÍDUO TAM, O MODELO DE ACEITAÇÃO DE TECNOLOGIA ESTUDOS EMPÍRICOS SOBRE ACEITAÇÃO E USO DE TI APLICABILIDADE DO MODELO TAM EM DIFERENTES CULTURAS SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL, OU ERP Conceitos Gerais Breve Histórico Benefícios, Problemas e Mudanças Dois Estudos de Caso METODOLOGIA TIPO DE PESQUISA QUESTÕES DA PESQUISA MODELO DA PESQUISA HIPÓTESES DA PESQUISA...47

14 3.5 UNIVERSO E AMOSTRA SELEÇÃO DOS SUJEITOS COLETA DE DADOS TRATAMENTO DOS DADOS ANÁLISE DE RESULTADOS PERFIL DA AMOSTRA Variáveis Demográficas Experiência Prévia ANÁLISE DOS ITENS DOS CONSTRUTOS TESTE DO MODELO DA PESQUISA Análise de Confiabilidade Análise de Correlação Análise de Regressão Linear SEGMENTAÇÃO DA AMOSTRA Análise de Agrupamentos (Cluster) Análise Discriminante CONCLUSÃO VISÃO GERAL LIMITAÇÕES DO ESTUDO SUGESTÕES PARA PESQUISAS FUTURAS...94 REFERÊNCIAS...96 APÊNDICE A QUESTIONÁRIO...100

15 1 1 O PROBLEMA 1.1 INTRODUÇÃO O volume de transações realizadas e de informações que circulam na maioria das empresas atualmente é tão grande que é praticamente impossível operar sem utilizar a Tecnologia da Informação para automatizar as tarefas e apoiar as decisões. Os constantes avanços tecnológicos alcançados nas últimas décadas têm implicado em uma considerável queda de preços de computadores, periféricos e, em menor escala, de softwares. O advento dos microcomputadores disseminou e popularizou a Tecnologia da Informação (TI) e os Sistemas de Informação (SI) em todas as organizações, grandes e pequenas. Em 1986 Fred Davis já ressaltara que o uso direto de sistemas de informação pelos usuários finais, em todos os níveis organizacionais, vinha se expandido rapidamente, e era esperado um crescimento contínuo nas décadas seguintes, o que pode ser facilmente constatado atualmente. Entretanto, ele também advertiu que os ganhos reais de performance organizacional resultado desejado do uso de novos sistemas de informação não seriam obtidos se os usuários por algum motivo não adotassem os novos sistemas disponibilizados. Apesar da significativa evolução tecnológica e dos crescentes investimentos das organizações nessas tecnologias, o problema de sub utilização de sistemas afeta vários negócios. Como bem observa Venkatesh (2000), investimentos bem sucedidos em tecnologia podem levar a um substancial aumento de produtividade, e conseqüentemente a um aumento de lucratividade. Por outro lado, problemas com os SI e seu uso podem implicar em resultados indesejados, como perdas financeiras e insatisfação dos funcionários.

16 2 Uma das barreiras para que uma organização possa usufruir plenamente os benefícios que os seus investimentos em TI podem trazer é a resistência dos usuários para aceitar e usar os sistemas disponíveis (DAVIS, 1989; DIAS, 1998; IGBARIA, PARASURAMAN e BAROUDI, 1996; VENKATESH, 2000). Assim, entender a aceitação de sistemas pelos usuários, bem como os fatores que podem influenciar positivamente nesta aceitação é um assunto de grande importância, tanto para pesquisadores como para profissionais da área de TI. A década de 90 foi marcada pelo surgimento e expressiva difusão dos sistemas ERP (Enterprise Resource Planning), ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. A principal motivação para as organizações implementarem os sistemas ERP está nos seus recursos de integração e padronização de informações e processos (AL-MASHARI, 2003). Para Davenport (1998) não foi uma surpresa que muitas companhias tenham batido às portas dos fornecedores de sistemas ERP, afinal estes pacotes de software prometem a completa integração de toda a informação que flui por uma organização, sendo a verdadeira realização de um antigo sonho. É verdade que os sistemas ERP podem trazer grandes recompensas, mas os riscos envolvidos são igualmente grandes. Estes sistemas são profundamente complexos, e sua instalação requer grandes investimentos de dinheiro, tempo e conhecimento. Não foram poucas as histórias de problemas, fracassos e projetos fora de controle. Mas apesar dos grandes desafios técnicos, a principal razão de falha dos sistemas têm cunho organizacional.

17 3 1.2 OBJETIVO Vários estudos têm sido realizados com o intuito de identificar fatores intrínsecos e extrínsecos envolvidos nas decisões, intenções e satisfação dos indivíduos quanto à aceitação e ao uso de TI e de SI. Grande parte deles se baseia no modelo conhecido como TAM Technology Acceptance Model, idealizado por Fred Davis (1986) em sua tese de doutorado. Este modelo propõe que duas variáveis a utilidade percebida e a facilidade de uso percebida influenciam diretamente na atitude e na intenção de uso de tecnologia. Um dos fatores mais citados nestes estudos como potencial facilitador no processo de aceitação e uso de SI, é o treinamento de usuários (BROWN et al., 2002; IGBARIA, PARASURAMAN e BAROUDI, 1996; LEE, KIM e LEE, 1995; VENKATESH, 1999). Fred Davis (1986) incentivou o desenvolvimento de extensões, refinamentos e elaborações do modelo, com o propósito de se alcançar um maior e melhor entendimento dos processos envolvidos na aceitação de tecnologias pelos usuários, e conseqüentemente gerar subsídios para um melhor planejamento de intervenções que aumentem esta aceitação. Venkatesh (1999) sugeriu que sejam realizados estudos em tecnologias mais complexas. Outros autores recomendaram que os sistemas de uso obrigatório carecem de mais investigação (DAVIS, BAGOZZI e WARSHAW, 1992; VENKATESH, 2000). Legris, Ingham e Collerette (2003) reforçam a necessidade de implementar estudos sobre o TAM com foco em aplicações mais relevantes, de uso obrigatório, envolvendo processos de negócios e a realidade dos profissionais em seus ambientes empresariais. Amoako-Gyampah e Salam (2004) notaram que a maioria dos estudos anteriores foi realizada em ambientes tradicionais e relativamente simples, ainda que importantes, tais como computação pessoal,

18 4 correio eletrônico, editores de texto e planilhas eletrônicas. Mas com o advento e adoção de complexos sistemas de informação, que atravessam limites funcionais e mesmo organizacionais, por vezes forçando a reengenharia de processos durante sua implementação, surge a necessidade de estudos que examinem o TAM neste cenário mais complexo da TI. A profusão dos sistemas ERP é notável, como também é a quantidade de problemas vivenciados pelas empresas na implementação desses sistemas. De acordo com Davenport (1998), tais problemas são principalmente devidos ao impacto direto que o ERP tem na estrutura e cultura organizacionais, e conseqüentemente nos indivíduos. Souza e Zwiker (2000) verificaram, por exemplo, que a integração proporcionada pelos sistemas ERP talvez o benefício mais valorizado e procurado pelas empresas traz maiores exigências e responsabilidades para os usuários e, por conseguinte, geram resistências. Também constataram que, nas empresas que pesquisaram, o usuário final não foi envolvido no processo de implementação e nem recebeu treinamento a respeito das novas exigências trazidas pela visão de processos. Motivado por estas considerações, o objetivo a que se propõe o presente trabalho é, baseado em uma revisão bibliográfica da literatura acadêmica referente à aceitação e uso de SI, e fundamentado nos pressupostos do modelo TAM, realizar uma pesquisa em empresas atuantes no Brasil para investigar a influência que o treinamento de usuários tem sobre a aceitação de sistemas de informação de uso obrigatório, mais especificamente de Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Com esta pesquisa pretende-se identificar fatores positivos e negativos na relação usuário-sistema e, à luz da teoria, sugerir ações que possam promover uma maior aceitação da tecnologia da informação pelos indivíduos.

19 5 1.3 PERGUNTAS DA PESQUISA Em conjunção com o objetivo acima descrito, a principal pergunta que se pretende responder é: Qual a influência do treinamento de usuários na aceitação de Sistemas Integrados de Gestão Empresarial (ERP) em companhias atuantes no Brasil? Decorrente desta, e buscando ampliar o entendimento sobre os indivíduos e suas percepções a respeito dos aspectos investigados, uma segunda pergunta foi proposta: É possível segmentar os participantes da pesquisa de acordo com suas percepções sobre o Treinamento no sistema ERP, a Facilidade de Uso, a Utilidade, e a Atitude em relação ao sistema ERP? 1.4 DELIMITAÇÃO DO ESTUDO O foco da pesquisa é essencialmente o indivíduo e as suas percepções a respeito dos sistemas de informação e do treinamento nestes sistemas. Não são analisadas as características técnicas dos sistemas, nem a sua adequação às necessidades operacionais e estratégicas das organizações. Também não é medido o retorno sobre o investimento em TI, nem o aprendizado decorrente do treinamento oferecido aos usuários. Por fim, não se pretende propor soluções referentes à avaliação de programas de treinamento, nem ao desenvolvimento, aquisição, ou metodologias de implantação de softwares.

20 6 1.5 RELEVÂNCIA DO ESTUDO A necessidade de organizar e controlar melhor e mais eficientemente os processos, inclusive para manter a competitividade frente ao mercado, tem levado cada vez mais empresas a investir na implantação de sistemas de informação. Contudo, nem sempre esses sistemas de informação ajudam a alcançar os resultados esperados. Uma das causas de fracasso, parcial ou total, das implementações de sistemas de informação é a sua não aceitação pelos usuários, bem como a sua sub utilização ou uso inadequado. A importância desta pesquisa reside, antes de tudo, no fato de analisar o componente humano dos sistemas de informação, não somente como a parte que recebe os impactos resultantes da tecnologia, mas também, e principalmente, como um agente ativo e indispensável para o êxito desta tecnologia e, conseqüentemente, para o sucesso da organização. Na esfera acadêmica, esta pesquisa é relevante porque estende os estudos sobre o modelo TAM, reforçando sua validade teórica e empírica, e aprofundando em um fator antecedente específico o treinamento de usuários em sistemas de informação. Um outro ponto importante, de relevância tanto acadêmica quanto prática, é que esta pesquisa buscou seguir as sugestões de outros autores (LEGRIS, INGHAM e COLLERETTE, 2003; VENKATESH, 1999, 2000), investigando o modelo TAM com profissionais em seus ambientes de trabalho, e com foco em uma tecnologia mais complexa e de uso obrigatório os sistemas ERP ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Além disso, grande parte dos estudos apoiados no modelo TAM foi realizada nos EUA, sendo que alguns autores têm pesquisado, e até questionado, a sua aplicabilidade em outras culturas

21 7 (STRAUB, KEIL e BRENNER, 1997). O presente estudo, do ponto de vista acadêmico, também serve como teste da validade dos pressupostos do modelo TAM em relação à cultura organizacional brasileira. Do ponto de vista prático, sua relevância está em investigar e sugerir ações para aumentar a aceitação e o uso de sistemas de informação pelos usuários nas empresas, o que poderá contribuir significativamente para a obtenção de sucesso na implementação de SI.

22 8 2 REFERENCIAL TEÓRICO Este capítulo contém uma compilação da teoria utilizada para contextualizar e fundamentar o desenvolvimento da pesquisa. Primeiramente buscou-se investigar os sistemas de informação e suas relações de causa e efeito, tanto com a organização quanto com o indivíduo. No passo seguinte é apresentado o modelo TAM, seus elementos e conceitos básicos. A seguir são examinados alguns estudos empíricos sobre aceitação de tecnologia, cujas conclusões e sugestões trazem idéias e suporte para a pesquisa. Por fim, são vistos alguns conceitos e análises sobre os sistemas ERP. 2.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO De acordo com Bio (1985), existem relações de interdependência entre os sistemas de informação e a organização que os tornam inexoravelmente interligados, de forma que a alteração, a mudança e o replanejamento de um deles afetará o outro. De fato, a implementação de sistemas de informação pode levar a repercussões expressivas na estrutura da organização, como transferências e/ou eliminação e/ou criação de funções, mudanças na natureza de funções, e a revisão de autoridade e/ou responsabilidades. Por outro lado, problemas organizacionais como agrupamento inadequado de funções, indefinição de autoridade/responsabilidades, inexistência de funções importantes para a consecução dos objetivos, e duplicidade de funções, entre outros, afetam sensivelmente a implementação de sistemas de informação adequados e eficazes. Em função do avanço tecnológico dos computadores, os fabricantes têm colocado à disposição dos usuários equipamentos cada vez menores, de maior capacidade, com maior flexibilidade e potencialidade de uso, e a preços mais reduzidos. Esse fato não só amplia o número de empresas que podem dispor desses recursos, mas também tem despertado maior

23 9 criatividade e permitido o desenvolvimento de sofisticadas tecnologias na concepção dos sistemas de informação que, até há algum tempo, não era sequer possível imaginar (BIO, 1985). Tapscott e Caston (1995) sugerem que um novo paradigma na situação geopolítica mundial está se transformando em realidade, criando um novo modelo no ambiente empresarial internacional, constituído pela ascensão de uma nova empresa, atuante em rede e aberta. Essas mudanças globais também estão provocando alterações na tecnologia da informação: as barreiras de tecnologia estão sendo desmanteladas, antigas arquiteturas de computação estão sendo deixadas de lado, e a natureza e o propósito da computação estão sendo radicalmente alterados. Segundo os autores, durante as primeiras décadas de sua existência ( ), a TI era buscada basicamente como meio de redução de custos administrativos. Atualmente vive-se uma segunda era da TI, a qual passou para a linha de frente na maioria das organizações, tornando-se estratégica à medida que foi transformada em componente necessário para a execução de estratégias empresariais. É difícil estimar a significância estratégica da nova tecnologia da informação. Ela vem promovendo profundas transformações na natureza dos produtos, processos, empresas, indústrias, e até mesmo da competição. Até recentemente muitos executivos tratavam a TI como uma atividade de suporte, e delegavam-na aos departamentos de processamento de dados. No entanto, agora toda a empresa deve entender os amplos efeitos e implicações da nova tecnologia, e como ela pode criar vantagens competitivas substanciais e sustentáveis (PORTER e MILLAR, 1985).

24 10 Parece não haver dúvidas de que a gestão eficiente de informações em uma organização pode ser uma fonte de vantagem competitiva, contudo nem sempre isso acontece e muitos investimentos em TI falham em seus objetivos estratégicos. A (falsa) idéia de que problemas complexos podem ser rapidamente resolvidos com investimentos em tecnologias e sistemas sofisticados é bastante sedutora. Porém, esta visão reducionista pode levar a grandes prejuízos e a conseqüências até mesmo mais desastrosas. A implementação de sistemas, na verdade, pode envolver amplas transformações de processos organizacionais, com significativas implicações no modelo de gestão, na estrutura organizacional, no estilo e cultura gerenciais, e, particularmente, nas pessoas (WOOD JR e CALDAS, 2000). 2.2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E O INDIVÍDUO Bio (1985) chama atenção para a importância de se pensar a empresa como uma organização social, humana, e não como um conjunto de máquinas e equipamentos, ou como uma estrutura formal que distribui funções, procedimentos, sistemas e computadores. Muitos administradores e especialistas estão progressivamente mergulhados em soluções técnicas e racionais, ao mesmo tempo em que o clima, do ponto de vista humano, parece estar cada dia mais tenso, desgastante e pouco motivador. Na área de sistemas de informação, especificamente, os problemas tendem a ser analisados e interpretados à luz de conceitos e técnicas de sistemas, projetos e processamento de dados, freqüentemente implicando em soluções que não se efetivam, seja por dificuldades de entendimento, comportamentos contrários ou obstáculos políticos. É fundamental, portanto, a conscientização de que qualquer mudança organizacional ou de sistemas é antes de tudo um fato humano, envolvendo assim, inevitavelmente, aspectos psicológicos, sociais e políticos.

Influência do Treinamento de Usuários na Aceitação de Sistemas ERP no Brasil. Autoria: André Luiz Matos Rodrigues da Silva, Donaldo de Souza Dias

Influência do Treinamento de Usuários na Aceitação de Sistemas ERP no Brasil. Autoria: André Luiz Matos Rodrigues da Silva, Donaldo de Souza Dias Influência do Treinamento de Usuários na Aceitação de Sistemas ERP no Brasil Autoria: André Luiz Matos Rodrigues da Silva, Donaldo de Souza Dias Resumo: Esta pesquisa examina a influência do treinamento

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

6 Resultados e Conclusões

6 Resultados e Conclusões 6 Resultados e Conclusões Esta tese começou com a apresentação da importância das PMEs de manufatura para o desenvolvimento econômico-regional, focalizando especialmente o setor de alimentos e bebidas.

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI CUSTOMER SUCCESS STORY Março 2014 AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI PERFIL DO CLIENTE Indústria: Manufatura Empresa: AT&S Funcionários: 7.500 Faturamento: 542 milhões

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro?

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro? Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Serviços de qualidade;! Pesquisas

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail. O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.com 1. Introdução Podemos considerar inegável que um dos fatores atuantes

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de ERP Enterprise Resource Planning Pacote de ferramentas que integram toda a empresa, a grande vantagem é que os dados

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização Pesquisa de Mercado Aula 1 Prof. Me. Ricieri Garbelini Tópicos Abordados 1. Identificação do problema ou situação 2. Construção de hipóteses ou determinação dos objetivos 3. Tipos de pesquisa 4. Métodos

Leia mais

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Leonardo Pimenta de Mello Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais