Métodos de monitorização da varroa nas colónias.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Métodos de monitorização da varroa nas colónias."

Transcrição

1 Métodos de monitorização da varroa nas colónias. Filipe Nunes (Médico Veterinário, Hifarmax) Carlos Relva (Eng. Florestal e dos Recursos Naturais, Hifarmax) Na apicultura atual a monitorização e controlo da população de ácaros de varroa nas colónias de abelhas torna-se fundamental, por vários motivos: Dar informação ao apicultor, para poder fazer uma gestão ativa das suas colmeias, podendo decidir quais as melhores técnicas a utilizar em determinado momento de forma a manter a varroa controlada. Conhecer a dimensão da população de ácaros nas colmeias, de forma a poder tomar decisões em relação a aplicação do tratamento (tomar a decisão de tratar ou não tratar). Monitorizar a eficácia dos tratamentos realizados e verificar se a população de varroas depois do tratamento é suficientemente baixa para manter a colónia em segurança ou se é necessário fazer novo tratamento. Atualmente existem diferentes métodos de amostragem da população de varroas nas colónias, os quais podem ser utilizados de acordo com os objetivos de cada amostragem e do rigor exigido. Tabuleiros de recolha (Queda Natural) Este método consiste em colocar nas colmeias estrados com um fundo em rede, os quais vêm já preparados para levar um tabuleiro metálico onde são recolhidas as varroas que caem da colónia. Existindo variantes deste método, os tabuleiros plásticos que se colocam sobre o estrado dentro da colmeia, ou cartolinas impregnadas com Fig. 1: Estrado Sanitário com tabuleiro de recolha vaselina, que também são colocadas sobre o estrado, as varroas que caem ficam presas na vaselina, impedindo que voltem para as abelhas.

2 Cuidados a ter neste método: As colmeias devem estar em suportes preparados para evitar a passagem de formigas, porque as formigas comem as varroas ou levam-nas, alterado os resultados da contagem da queda da varroa. Os tabuleiros devem ser examinados e contados de acordo com uma frequência pré-definida, que poderá variar entre 1 dia e 1 semana. Um intervalo de tempo muito grande aumenta a dificuldade da contagem, devido ao grande número de ácaros e de detritos que se acumulam nos tabuleiros. Contagens com intervalos de tempo mais curtos facilitam a contagem, no entanto, é necessário ter cuidado com o número de horas que o tabuleiro fica na colmeia, de forma a não cometermos erros na estimativa da queda média diária de ácaros. Consoante o número de horas que o tabuleiro fica na colmeia e as horas do dia, pode levar a uma sobre ou subestimativa da população de varroas presentes na colónia, porque a própria dinâmica e comportamento das abelhas na colónia afeta a queda da varroa. Independentemente do intervalo de tempo entre contagens, é importante passar os valores de varroas contados, para uma média de queda diária, para isso, é necessário dividir o número de varroas contadas pelo número de dias em que os tabuleiros estiveram na colónia. Este método de amostragem é baseado no facto de existir uma relação direta entre o número de ácaros que caem naturalmente no tabuleiro e a população de ácaros existente na colónia. Vantagens e desvantagens É um método sensível capaz de detetar pequenas populações do ácaro, permitindo ao apicultor ter uma boa estimativa da dimensão real da população de varroa na colónia. Não perturba o normal funcionamento da colónia e é não destrutivo, o que permite o seu uso durante todo o ano. É o método de amostragem mais rigoroso quando bem utilizado. No entanto, requer muito tempo que aumenta diretamente com o número de colmeias utilizadas, dá algum trabalho, nas contagens dos tabuleiros, na colocação e remoção dos mesmos. Requer o investimento em material específico (estrados de rede e tabuleiros ou os tabuleiros plásticos). O tempo de contagem dos tabuleiros aumenta diretamente com o número de ácaros e com a quantidade de resíduos (Calderone & Lin; 2003). Exige visitas regulares ao apiário de acordo com o intervalo definido para as observações dos tabuleiros FERA De acordo com a nossa experiência recomendaríamos contagens com frequências entre 2 a 4 dias.

3 Para valores de queda diária de varroa superiores a: Outubro/Novembro: 3 varroas; Dezembro /Janeiro: 10 varroas; Fevereiro/Abril: 15 varroas; Maio/Junho: 20 varroas Deve tratar. Inspeção da cria de zangão Este é outro método utilizado para acompanhar a dinâmica populacional da varroa, baseia-se no facto de existir um conjunto de factores que leva a que as infestações de varroa na criação de zangão operculada sejam maiores que na criação de obreiras. Consiste em selecionar uma região ou mais regiões do ninho com criação de zângãos operculada e com a ajuda de um garfo desoperculador, retirar as pupas de zângão, para em seguida serem inspecionadas em relação à presença de varroa quer sobre pupas quer dentro dos alvéolos. Repita este procedimento até analisar pelo menos 100 células operculadas com pupas de zângão. Fig. 2: Grafo de desopercular com pupas de zangão e com várias varroas. Conte todas as pupas de zangãos analisadas e destas as que continham varroa. Estime a proporção de pupas que têm varroas sobre si ou dentro do alvéolo. (O número de pupas com varroa / número total de pupas analisadas) x 100 FERA 2010

4 De uma forma geral, 5% da criação de zângão afetada representa uma infestação leve. Acima dos 30% de pupas infestadas considera-se que a colónia está gravemente infestada e deve ser aplicado um tratamento contra a varroa de imediato. Vantagens e desvantagens do método É um método que não requer muito tempo por parte do apicultor, não dá muito trabalho e é facilmente integrado nas inspeções rotineiras das colónias, pelo apicultor. No entanto, os dados obtidos por este método são pouco rigorosos, requer algum cuidado por parte do apicultor aquando da sua aplicação, para a correta contagem dos alvéolos de zangãos observados e destes os que continham varroa. Este método permite obter uma aproximação da população de varroa nas colmeias, mas não dá dados concretos sobre a dimensão da população de varroa e o estado da infestação na colónia. Inspeção da cria Este método torna-se relevante apenas quando não existe criação de zangão na colmeia, porque as varroas apresentam preferência pela criação de zangão. Consiste em retirar uma área de favo com cria dos dois lados, esta recolha pode ser realizada durante uma visita rotineira ao apiário pelo apicultor. Para isso tem de selecionar um quadro com criação nos dois lados, sacudir as abelhas que estão sobre o quadro para dentro da colmeia, e selecionar uma área de favo com cerca de 30cm2 (5cm X 6cm). Com a Fig. 3: Colheita de favo com cria. Foto retirada: abelhasdosor.blogspot ajuda de uma faca serrilhada corte o pedaço de favo, se possível evitando os arames do quadro, e guarde-o de forma a que este não se amachuque durante o transporte. Tome nota da colmeia e do local da colmeia onde retirou o quadro. Fora do apiário, é importante calcular a área (em cm 2 ) do favo e tomar nota da área efetivamente ocupada com criação operculada. Multiplique este valor por 4.2 (caso se trate de criação de obreira), ou 2.9 (caso se trate de criação de zângão), para obter o número de células operculadas da amostra.

5 De seguida deve montar os crivos, o superior de 5mm e o que fica em seguida por baixo com uma malha mais apertada de 0,5mm ou um pano de preferência branco. Após isso, desopercule a criação (com a ajuda de uma faca que corte bem ou um garfo de desopercular), e coloque o favo e os opérculos sobre o crivo superior. Depois lave os opérculos e o favo com a ajuda de um chuveiro, para que todo o material que está dentro dos alvéolos saia para o crivo e em seguida lave o material que está no crivo superior para garantir que as varroas passam todas para o crivo inferior. Fig. 4: Favos desoperculado com cria. Foto retirada: montedomel.blogspot Deixe escorrer um pouco e em seguida conte o número de varroas adultas (de cor castanho-escuro avermelhado) que estão no crivo inferior. O nível aproximado de infestação da colónia (em %) será: (Nº varoas contadas/ Nº de células operculadas) x 100 Valores de infestações superiores a: 15 % (na criação de obreira) 30 % (na criação de zângão) Deve tratar as colónias o mais rapidamente possível. Vantagens e desvantagens. É um método que permite fazer a recolha do material e levá-lo para ser analisado noutro local ou ser guardado e analisado mais tarde. Não requer muito tempo e é fácil de executar, a recolha pode ser efectuada numa visita de rotina do apicultor ao apiário. Pode ser utilizado em colónias que tenham morrido há pouco tempo, como forma de determinar a taxa de infestação da colónia, a fim de perceber se a causa de morte terá sido a varroa. É pouco sensível a populações de ácaros pequenas e no caso de populações grandes de ácaros, este método pode sobrestimar a população. Outra das desvantagens deste método é o fato de ser destrutivo, obriga a cortar uma parte de favo de criação que é levado, por este motivo não pode ser utilizado

6 de forma constante ao longo do ano e não pode ser utilizado em todas as épocas do ano. Como máximo pode utilizá-lo 6 vezes por ano numa colónia. Infestação em abelhas adultas Este é um dos métodos mais utilizado pelos apicultores e técnicos, por ser um método muito prático, que permite obter dados imediatos do estado da colmeia. Material para este método Um frasco com uma boca larga e tampa, (frasco de mel de 1kg) Água limpa Detergente (Uma colher das de chá) Fig. 5: Amostras, de favo com cria e de abelhas. Foto retirada: montedomel.blogspot Etiquetas Um pano branco ou crivo com malha de 0,5mm Um crivo ou um passador (com uma malha 5mm) Um funil Procedimentos Encher até 1/3 do frasco com água limpa Juntar umas gotas de detergente (ou uma colher das de chá) Num quadro da câmara de criação sacudir cerca de 100 abelhas para dentro do frasco (antes confirme que a rainha não está nesse quadro) e tape imediatamente. Agitar até que todas as abelhas estejam mortas. Verta toda a solução e todas as abelhas que estão no frasco para o crivo superior que por sua vez está sobre o pano branco, (colocar primeiro o crivo de 5mm para reter as abelhas e colocar por de baixo um crivo de 0,5mm ou um pano branco para reter as varroas), lave bem as abelhas que ficaram no crivo superior de forma a garantir que não ficam varroas aí retidas.

7 Contar o número de abelhas e anotar. Contar o número de varroas e anotar. Calcular qual a percentagem de infestação ((número de varroas/ número de abelhas)x100%) se este valor for superior a 5% tem de tratar as suas abelhas contra a varroa o mais rapidamente possível. Vantagens e desvantagens do método. É um método que é muito expedito, a recolha das abelhas é rápida, as abelhas podem ser levadas para um local fora do apiário onde possam ser feitas as contagens de forma confortável. A recolha das abelhas pode ser conciliada com uma visita de rotina ao apiário. Dá-nos de imediato a relação de varroas por abelhas, sendo esta relação um bom indicador do estado da colónia. Desvantagem é um método que mata algumas abelhas, por isso não pode ser utilizado muitas vezes por ano, nem pode ser realizado na mesma colmeia mais que 6 vezes por ano. Também não ficamos com uma ideia concreta da dimensão da população de varroas, o resultados podem variar com a hora do dia e local de onde são recolhidas as abelhas. Conclusões: Ao longo do texto são apresentados 4 métodos de monitorização da varroa, com o objetivo de dar a conhecer ao apicultor diferentes métodos de monitorização da varroa. Desta forma o apicultor poderá escolher para as diferentes situações do seu dia-a-dia o melhor método, de acordo com as vantagens e desvantagens que cada um deles apresenta. O outro aspeto que consideramos ser importante é que o apicultor seja capaz de escolher qual destes métodos é o mais apropriado para utilizar de acordo com os objetivos da monitorização, recursos e tempo disponível. E a partir dos dados recolhidos ser capaz de tomar decisões. Alguns dos métodos aqui apresentados tem variações que têm sido introduzidas por distintos autores, no entanto a base do método continua a ser a mesma.

8 Bibliografia FERA 2010, Managing Varroa; Sand Hutton, York (www.defra.gov.uk/fera) Calderone, N.; Lin, S.; Rapid determination of the numbers of varroa destructor, a parasitic mite of the honey bee, Apis mellifera, on Sticky-board collection devices; Apidologie 34, Murilhas, A.; Casaca, J.; Conviver com a varroa em Portugal; Universidade de Évora;

CONVIVER COM A VARROA EM PORTUGAL

CONVIVER COM A VARROA EM PORTUGAL A g r o 3 5 4 / 0 1 A V A P I n t A P I C U L T U R A, V A R R O O S E, A M B I E N T E E P R O T E C Ç Ã O I N T E G R A D A CONVIVER COM A VARROA EM PORTUGAL - Um contributo para a adopção de boas práticas

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões.

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões. Obtenção do Mel Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO Abelhas

Leia mais

Á frente no controle da varroa resistente. Cuidamos das suas abelhas

Á frente no controle da varroa resistente. Cuidamos das suas abelhas Inovador e Natural Á frente no controle da varroa resistente Cuidamos das suas abelhas O que é? Ação Aplicação Precauções Benefícios Apiguard é um tratamento à base de timol contra a varroa, em que uma

Leia mais

Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS

Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS Wagner da Paz Andrade 1 ; Gustavo Haralampidou da Costa Vieira 2 1 Estudante do Curso de Agronomia da UEMS, Unidade Universitária

Leia mais

PRODUÇÃO DE PÓLEN APÍCOLA

PRODUÇÃO DE PÓLEN APÍCOLA PRODUÇÃO DE PÓLEN APÍCOLA Maria Luisa Teles Marques Florêncio Alves Zootecnista, Ms, PqC do Polo Regional Vale do Paraíba/APTA marialuisa@apta.sp.gov.br Os grãos de pólen ou simplesmente pólen, são estruturas

Leia mais

Plano de luta contra a varroose

Plano de luta contra a varroose Plano de luta contra a varroose Página 1 de 13 1. Introdução A varroose é uma doença da abelha melífera Apis mellifera L. causada pelos haplotipos da Coreia e do Japão do ácaro Varroa destructor, cujos

Leia mais

CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA

CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA Maio de 2015 Patrocínio: LISTA DE FIGURAS Figura 1. Produtos da apicultura.... 4 Figura 2. Abelha Rainha.... 5 Figura 3. Operárias numa caixa de abelha.... 6 Figura 4. Zangões....

Leia mais

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Limpeza e desinfecção das colméias Importante para: - qualidade de vida das abelhas - boa produção

Leia mais

ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA UMIDADE PELO MÉTODO EXPEDITO ( SPEEDY )

ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA UMIDADE PELO MÉTODO EXPEDITO ( SPEEDY ) ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO EXPEDITO ( SPEEDY ) DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÕES...4 5. APARELHAGEM E MATERIAL...4

Leia mais

Monitoramento e controle do ácaro Varroa destructor em colmeias de abelhas Apis mellifera

Monitoramento e controle do ácaro Varroa destructor em colmeias de abelhas Apis mellifera Monitoramento e controle do ácaro Varroa destructor em colmeias de abelhas Apis mellifera Introdução As altas taxas de mortalidade de abelhas ocorridas nos últimos anos em Santa Catarina exigem uma nova

Leia mais

Tópicos Especiais de Engenharia Civil ALBUQUERQUE SOBRINHO, E. J. (2010)

Tópicos Especiais de Engenharia Civil ALBUQUERQUE SOBRINHO, E. J. (2010) Tópicos Especiais de Engenharia Civil ALBUQUERQUE SOBRINHO, E. J. (2010) Introdução Investigações diretas e indiretas Qual sua importância e aplicação? Quais as técnicas empregadas nas investigações diretas

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA EMENTÁRIO:

Leia mais

XTI Congresso de Zootecnia

XTI Congresso de Zootecnia XTI Congresso de Zootecnia Novembro 2002 21 22 OTAD~ VIla Real 2~ A 1iíil» of& _ Ã"! Apartado 60 5001-909 VILA REAL- PORTUGAL Tei./Fax: +351 259 325 261 c -mail ap

Leia mais

Espresso 3000 - Cod. M0S04159 - Edizione 1H10

Espresso 3000 - Cod. M0S04159 - Edizione 1H10 10 2 3 6 4 5 15 8 7 9 14 16 11 12 1 13 18 17 19 20 Espresso 3000 - Cod. M0S04159 - Edizione 1H10 PORTOGUÊS Espresso 3000 1) Interruptor geral 2) Luz de aviso de funcionamento ON: máquina ligada 3) Luz

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

Prof. Maria Cristina Lorenzon/UFRRJ

Prof. Maria Cristina Lorenzon/UFRRJ Prof. Maria Cristina Lorenzon/UFRRJ Apicultor de Hoje Deve ser atualizar Cultivar Bons Hábitos Monitorar seu Desempenho Ser Organizado Preocupar-se com a Saúde das Abelhas Deve Anotar (POR ANO) - Mel (kg),

Leia mais

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções Spot Picker V 0.1 Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Lda Rua D. Luís de Noronha n.º 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel. (+351)

Leia mais

Manipulação caseira de fitoterápicos. Módulo 5 Farm. Ms. Ana Cimbleris Alkmim

Manipulação caseira de fitoterápicos. Módulo 5 Farm. Ms. Ana Cimbleris Alkmim Manipulação caseira de fitoterápicos Módulo 5 Farm. Ms. Ana Cimbleris Alkmim Recomendações gerais Uso de plantas provenientes de modismos deve ser evitado. Duvide sempre das plantas tidas como milagrosas.

Leia mais

BARGOA. Conjunto de Emenda Aérea Selada Vertical - CEASV

BARGOA. Conjunto de Emenda Aérea Selada Vertical - CEASV O CEASV consiste de um conjunto para a acomodação e proteção de emendas de cabos de rede externa de telefonia, em montagem de topo, para instalações aéreas. Trata-se de um sistema versátil, de fácil instalação

Leia mais

ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO

ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO MANUAL DE UTILIZAÇÃO ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO INSTALAÇÃO LIGAÇÃO ELÉCTRICA SUGESTÕES PARA POUPANÇA DE ENERGIA SUGESTÕES PARA A PROTECÇÃO DO AMBIENTE PRECAUÇÕES E RECOMENDAÇÕES GERAIS

Leia mais

Comunicado Técnico 13

Comunicado Técnico 13 Comunicado Técnico 13 ISSN 2177-854X Junho. 2011 Uberaba - MG Planejamento e Implantação de um apiário Instruções Técnicas Responsáveis: Gisele Cristina Favero E-mail: giselefav82@yahoo.com.br Mestre em

Leia mais

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo.

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo. N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO Estudo Comparativo Mafalda Ramalho EDIÇÃO: Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES.

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES. MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES. ÍNDICE 1. Aplicações...3 2. Instalações hidráulicas...4

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE I. Objetivos do Regulamento dos Laboratórios Especializados da Área de Saúde 1. Fornecer um guia geral e regras básicas consideradas mínimas

Leia mais

ABELHAS. Capítulo 4. Apis mellifera. Autores Érica Weinstein Teixeira. Dejair Message. Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA, SAA-SP)

ABELHAS. Capítulo 4. Apis mellifera. Autores Érica Weinstein Teixeira. Dejair Message. Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA, SAA-SP) Capítulo 4 ABELHAS Apis mellifera Autores Érica Weinstein Teixeira Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA, SAA-SP) Dejair Message Universidade Federal de Viçosa (UFV) 178 179 Material para

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE TERRÔMETRO MODELO TR-5500

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE TERRÔMETRO MODELO TR-5500 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE TERRÔMETRO MODELO TR-5500 setembro 2011 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução... - 1-2. Regras

Leia mais

Manual de Instruções Aparelho Abdominal

Manual de Instruções Aparelho Abdominal Manual de Instruções Aparelho Abdominal Parabéns, você acabou de adquirir o Aparelho Abdominal! Um produto ideal para você cuidar da sua saúde e do seu corpo no conforto da sua casa. Temos certeza que

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO BALANÇA ROR MODELO RC 5000/1 CONTADORA ÍNDICE

MANUAL DE OPERAÇÃO BALANÇA ROR MODELO RC 5000/1 CONTADORA ÍNDICE MANUAL DE OPERAÇÃO BALANÇA ROR MODELO RC 5000/1 CONTADORA ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 03 II - INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO... 03 III - LIGANDO SUA BALANÇA... 03 IV - OPERAÇÃO... 04 V - RECURSOS DA BALANÇA CONTADORA...

Leia mais

Volume MANUAIS DO PROJETO. Monitoramento e modelagem do Reservatório. Manual de Laboratorio

Volume MANUAIS DO PROJETO. Monitoramento e modelagem do Reservatório. Manual de Laboratorio Volume 1 MANUAIS DO PROJETO Monitoramento e modelagem do Reservatório Manual de Laboratorio ITAIPU BINACIONAL, 2003 Manual de Laboratório Instituto Agronômico do Paraná Eng. Agr. Dr. Celso de Castro Filho

Leia mais

v1.8-060312 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858

v1.8-060312 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858 APRESENTAÇÃO Os Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL, são equipamentos destinados

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02 ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02 23 INTRODUÇÃO AO TRABALHO NO LABORATÓRIO QUÍMICO 1 OBJETIVOS Apresentar ao aluno os princípios de segurança e bom funcionamento do laboratório de Química, bem como, a elaboração

Leia mais

GESTÃO, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE

GESTÃO, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE GESTÃO, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE Mais Mel é um programa, um conjunto de metodologias, com um conjunto de técnicas de gestão e transferência de tecnologias de produção, por meio de consultorias

Leia mais

Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title

Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title Additional Manual do Information Produto be certain. 100-238-343 A Informações sobre Direitos Autorais Informações sobre Marca Registrada Informação

Leia mais

Como calcular os metros cúbicos de madeira sólida numa pilha de madeira

Como calcular os metros cúbicos de madeira sólida numa pilha de madeira Nota Técnica Nº 3 Como calcular os metros cúbicos de madeira sólida numa pilha de madeira ENVALMA Máquinas para Madeira Ltda. comercial.envalma@gmail.com Nota Técnica Nº 3 Título: Estimação de Volume Estéreo

Leia mais

SUCTRON PRATIC SUCTOR DE ALTA POTÊNCIA BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR

SUCTRON PRATIC SUCTOR DE ALTA POTÊNCIA BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR SUCTRON PRATIC SUCTOR DE ALTA POTÊNCIA BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. TERMOS DE GARANTIA... 3 4. ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

TÉCNICAS DE COLHEITA DE AMOSTRAS

TÉCNICAS DE COLHEITA DE AMOSTRAS TÉCNICAS DE COLHEITA DE AMOSTRAS Nota vestibular. O estudo de edifícios e de instalações, visando determinar a situação existente em relação à produção de aerossóis contaminados com legionelas, deverá

Leia mais

MaxHome. Mini Ferro de Viagem. MaxHome. Sm-110 Bivolt

MaxHome. Mini Ferro de Viagem. MaxHome. Sm-110 Bivolt Mini Ferro de Viagem Sm-110 Bivolt ÍNDICE NOTAS: Parabéns por ter adquirido o seu Mini Ferro de Viagem. Características do produto Dicas de Segurança Informações do aparelho Usando o aparelho Cuidados

Leia mais

Capítulo IV- Pinhole. Pinhole: Processo de se fazer fotografia sem a necessidade do uso de equipamentos convencionais. A

Capítulo IV- Pinhole. Pinhole: Processo de se fazer fotografia sem a necessidade do uso de equipamentos convencionais. A Capítulo IV- Pinhole Pinhole: Processo de se fazer fotografia sem a necessidade do uso de equipamentos convencionais. A câmera pode ser construída de forma artesanal utilizando materiais simples. O nome

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística

Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística Lista 4 de Exercícios de Amostragem Prof. Cristiano Ferraz 1. Em relação ao plano amostral de Bernoulli: a) Explique como retirar uma amostra

Leia mais

Liberação comercial Eucalipto geneticamente modificado (H421) Potenciais riscos para a apicultura Brasileira

Liberação comercial Eucalipto geneticamente modificado (H421) Potenciais riscos para a apicultura Brasileira Liberação comercial Eucalipto geneticamente modificado (H421) Potenciais riscos para a apicultura Brasileira Esther Margarida Bastos Fundação Ezequiel Dias/ Belo Horizonte/ MG A apicultura é de fundamental

Leia mais

Preparação de Soluções

Preparação de Soluções Colégio Paulo VI Preparação de Soluções TÉCNICAS LABORATORIAIS DE QUÍMICA I Ana Filipa Sousa nº2 10ºA Abril 2002 2 ÍNDICE Nomenclatura 4 1. Introdução x 2. Teoria e Método x 3. Material x 4. Produtos x

Leia mais

Índice. Características

Índice. Características Índice 1 2 4 5 12 14 Características 1 Cuidados para manuseio e operação Leia estes cuidados atentamente e use somente conforme destinado ou instruído. Instruções de segurança têm como objetivo evitar

Leia mais

Olinda - Pernambuco - Brasil

Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica Olinda - Pernambuco - Brasil SENDI 2008-06 a 10 de outubro Relocação de Colméias de Abelhas Meloponíneas nas Instalações Elétricas da Cemig

Leia mais

CUIDADOS BÁSICOS COM PEAGÔMETROS

CUIDADOS BÁSICOS COM PEAGÔMETROS RECOMENDAÇÃO TÉCNICA ISSN 1413-9553 novembro, 1997 Número 6/97 CUIDADOS BÁSICOS COM PEAGÔMETROS André Luiz Bugnolli Paulo Renato Orlandi Lasso Ladislau Marcelino Rabello Empresa Brasileira de Pesquisa

Leia mais

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber. É aplicável para leite fluido in natura ou

Leia mais

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O PROJETO DE FUNDAÇÕES O SOLO, NUM PROBLEMA DE FUNDAÇÕES DEVE SER ACEITO TAL COMO SE APRESENTA Para um projeto de fundações bem elaborado, deve-se conhecer: -os tipos de

Leia mais

CÉLULA / SENSOR ION-SELETIVO CLORO LIVRE INORGÂNICO

CÉLULA / SENSOR ION-SELETIVO CLORO LIVRE INORGÂNICO Head office: Via Catania 4, 00040 Pavona di Albano Laziale (Roma) Italy, Tel. +39 06 9349891 (8 lines) Fax +39 06 9343924 CÉLULA / SENSOR ION-SELETIVO CLORO LIVRE INORGÂNICO GUIA DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

Leia mais

HumaPen LUXURA HD CANETA PARA APLICAÇÃO DE INSULINA MANUAL DO USUÁRIO

HumaPen LUXURA HD CANETA PARA APLICAÇÃO DE INSULINA MANUAL DO USUÁRIO CM06NOV09 1 HumaPen LUXURA HD CANETA PARA APLICAÇÃO DE INSULINA MANUAL DO USUÁRIO Para uso exclusivo com Humulin N, Humulin R, Humulin 70N/30R, Humalog, Humalog Mix 25 ou Humalog Mix 50, em refis de 3

Leia mais

Como fazer uma Armadilha para Aedes Aegypti caseira e com garrafa Pet reciclada

Como fazer uma Armadilha para Aedes Aegypti caseira e com garrafa Pet reciclada Como fazer uma Armadilha para Aedes Aegypti caseira e com garrafa Pet reciclada 1 pegue uma garrafa PET de 2 litros e corte-a ao meio, para transformá-la em um funil e um copo. 2 Retire o anel da ponta

Leia mais

Transitores de tempo em domínio de tempo

Transitores de tempo em domínio de tempo Em muitos processos, a regulação do caudal permite controlar reacções químicas ou propriedades físicas através de um controlo de variáveis como a pressão, a temperatura ou o nível. O caudal é uma variável

Leia mais

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll! Os parâmetros para decisão do auditor.! Tipos de planos de amostragem estatística em auditoria. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR

MANUAL DO CONSUMIDOR MANUAL DO CONSUMIDOR PROTEÇÃO PARA VOCÊ E SEU APARELHO Gravadora de Borracha para Carimbos Pré- Entintados REF:2005 (Somente em 110 volts) Indústria e Comércio de Carimbos e Brinquedos Ltda Av.: Souza

Leia mais

Sensor de Nível por Medida de Pressão Diferencial com Sensor SMART

Sensor de Nível por Medida de Pressão Diferencial com Sensor SMART INSTRUMENTAÇÃO II Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação 2006/07 Trabalho de Laboratório nº 4 Sensor de Nível por Medida de Pressão Diferencial com Sensor SMART Realizado por Paulo Alvito 26

Leia mais

BOMBA-FILTRO MANUAL DO UTILIZADOR

BOMBA-FILTRO MANUAL DO UTILIZADOR ESPECIALISTA EM INSUFLÁVEIS BOMBA-FILTRO MANUAL DO UTILIZADOR Para os modelos: 110 220v Leia atentamente e guarde para referência futura! 1 INSTRUÇÕES Agradecemos-lhe a compra da nossa bomba-filtro. Pensamos

Leia mais

Ministério da Indústria e Comércio

Ministério da Indústria e Comércio Ministério da Indústria e Comércio Instituto Nacional de Pesos e Medidas - INPM Portaria INPM nº. 12, de 31 de março de 1967 O Diretor-geral do Instituto Nacional de Pesos e Medidas, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cozinha Industrial Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Serviços de alimentação Este tipo de trabalho aparenta não ter riscos, mas não é bem assim, veja alguns exemplos: Cortes

Leia mais

LOJAS AKI AKI Alverca Quinta da Verdelha E.N.10 Alverca Park Alverca do Ribatejo 2610-501 Alverca tel. +351 219 936 700 fax. +351 219 936 706 AKI Aveiro Retail Park Aveiro, Lj. A e A1 Zona Industrial da

Leia mais

Obrigado por escolher um aparelho da gama KRUPS exclusivamente previsto para a preparação de alimentos e para uma utilização doméstica apenas.

Obrigado por escolher um aparelho da gama KRUPS exclusivamente previsto para a preparação de alimentos e para uma utilização doméstica apenas. Obrigado por escolher um aparelho da gama KRUPS exclusivamente previsto para a preparação de alimentos e para uma utilização doméstica apenas. DESCRIÇÃO a Bloco motor a1 Selector electrónico de velocidade

Leia mais

MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO

MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO MANUAL DE INSTRUÇÃO MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO MODELO: SS-26-1W - 1 - MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO Leia atentamente as instruções antes de iniciar o uso: a) Verificar se a voltagem está correta

Leia mais

1 º, 2 º E 3 º C I C L O

1 º, 2 º E 3 º C I C L O PROVAS DE FINAL DE CICLO 2013 2014 1 º, 2 º E 3 º C I C L O P R O F E S S O R E S A P L I C A D O R E S 1 2 D E M A I O D E 2 0 1 4 2 E N Q U A D R A M E N T O L E G A L Antes do início do período da aplicação

Leia mais

M ANUAL DE IN STRU Ç Õ E S

M ANUAL DE IN STRU Ç Õ E S M ANUAL DE IN STRU Ç Õ E S Em caso de dúvidas e assistência técnica, entrar em contato diretamente com o fabricante: contato@rhj.com.br 11 4522-7400 maternmilk.com.br Manual de Instruções Matern Milk Evolute

Leia mais

1 Introdução. 2 Características técnicas. 3 Instalação

1 Introdução. 2 Características técnicas. 3 Instalação Índice 1. Introdução...03. 2. Características técnicas...03. 3. Instalação...03. 4. Medidas externas...04. 5. Painel de controle...04. 6.Operação...05. 6.2 Aparelhagem...05. 6.3 Ensaio...06. 6.3.1 Definições...06.

Leia mais

Medidor de Umidade CA 50

Medidor de Umidade CA 50 Medidor de Umidade CA 50 Versão 1.04 Data: 21/09/2010 1 Índice C Cuidados com o CA50... 9 D Descrição... 5 E Especificações Técnicas... 10 I Introdução... 3, 4, 5 M Medindo Umidade... 8 Montando o CA50...

Leia mais

CHICCO MAX 3S. Grupo I, II e III 9 a 36 kg

CHICCO MAX 3S. Grupo I, II e III 9 a 36 kg CHICCO MAX 3S Grupo I, II e III 9 a 36 kg INSTRUÇÕES DE USO COMPONENTES 1. Apoio para a cabeça 2.Ganchos de bloqueio do cinto de segurança 3. Encosto 4. Assento IMPORTANTÍSSIMO! LEIA COM MUITA ATENÇÃO

Leia mais

Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO

Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO Química Fundamental Informações Gerais Data: 29 de Fevereiro de 2012 NORMAS DE SEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO Funcionamento do Laboratório Dependendo da atividade prática, os alunos encontrarão

Leia mais

SOLID CERAMIC HAIR STYLER

SOLID CERAMIC HAIR STYLER SOLID CERAMIC HAIR STYLER Straigth & Curls HS 3830 PORTUGUÊS A C E A B D F 2 SEGURANÇA Durante a colocação em funcionamento do aparelho, por favor, respeite as seguintes indicações: 7 Este aparelho destina-se

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS Tempo de Jejum O jejum para alguns exames não é obrigatório, para outros, é necessário que ele seja de 4, 8 ou 12 horas. Verifique com antecedência no

Leia mais

Projeto MEET: Management E learning Experience for Training secondary school's students

Projeto MEET: Management E learning Experience for Training secondary school's students Projeto MEET: Management E learning Experience for Training secondary school's students Código: LLP LDV TOI 10 IT 560 Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (2007 2013) Leonardo da Vinci: Projetos Multilaterais

Leia mais

Manual de Operação 1

Manual de Operação 1 Manual de Operação 1 Termo de Garantia A Midea do Brasil, garante este produto contra defeito de fabricação pelo prazo de um ano a contar da data da emissão da nota fiscal de compra para o consumidor final.

Leia mais

Informaçãoes Para os Doentes

Informaçãoes Para os Doentes Informaçãoes Para os Doentes Sobre a hanseníase... Serão curados da hanseníase se tomarem a PQT, conforme a indicação. Devem completar o ciclo de tratamento: 6 cartelas para doentes PB ou 12 cartelas para

Leia mais

a) DNER-ME 051/94 - Solo-análise granulométrica;

a) DNER-ME 051/94 - Solo-análise granulométrica; MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Prezado Cliente, agradecemos a sua confiança e preferência pela nossa enxada mecânica. Temos a certeza de que a utilização desta sua máquina satisfará plenamente as suas exigências. Para que a máquina

Leia mais

SOPRADOR ASPIRADOR GASOLINA 2T. Manual do Operador

SOPRADOR ASPIRADOR GASOLINA 2T. Manual do Operador SOPRADOR ASPIRADOR GASOLINA 2T Manual do Operador 360422 Agradecemos por optar por um produto de jardinagem Matsuyama. O Soprador Aspirador Matsuyama é desenhado e construído para proporcionar performance

Leia mais

É muito importante que você leia atentamente todas as instruções antes de utilizar o seu climatizador.

É muito importante que você leia atentamente todas as instruções antes de utilizar o seu climatizador. Manual É muito importante que você leia atentamente todas as instruções antes de utilizar o seu climatizador. SUMÁRIO 1 - Precauções de Segurança...pag. 03 2 - Especificações Técnicas...pag. 04 3 - Conheça

Leia mais

Termómetro de Máxima e de Mínima

Termómetro de Máxima e de Mínima Abrigo O Abrigo da estação Agro-meteorológica da Escola Secundária de Cinfães encontrase a uma altura de 1,5 metros e é construído por ripas de madeira branca, que permitem uma ventilação natural e ao

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador Enfermeiro Adilson Adair Böes Enfermeiro João de Deus Reck Lima Junior Rotina

Leia mais

Granulometria. Marcio Varela

Granulometria. Marcio Varela Granulometria Marcio Varela Granulometria Definição: É a distribuição, em porcentagem, dos diversos tamanhos de grãos. É a determinação das dimensões das partículas do agregado e de suas respectivas porcentagens

Leia mais

Axkid Manual de Instruções Kidzone

Axkid Manual de Instruções Kidzone Axkid Manual de Instruções Kidzone segurança Voltada para frente com cinto de 9-18kg Voltada para trás com cinto de segurança Voltada para frente com 9-25 Kg o cinto de segurança do adulto 15-25 kg Testado

Leia mais

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1 RISCO DE EROSÃO Portugal é um dos países europeus mais susceptíveis aos processos de desertificação física dos solos. Cerca de 68% dos solos nacionais estão ameaçados pela erosão e 30% encontram-se em

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POPE: H-08 Página 1 de 9 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome:. Modelo: DM96 1.2 Número de série 31855 1.3 Número de patrimônio: N/A. 1.4 Data de aquisição: N/A. 1.4.1 Entrada no setor: 25/06/13 1.4.2

Leia mais

Por: Filipe Nunes (Médico veterinário, Hifarmax) e. Carlos Relva (Eng.º Florestal e dos Recursos Naturais, Hifarmax)

Por: Filipe Nunes (Médico veterinário, Hifarmax) e. Carlos Relva (Eng.º Florestal e dos Recursos Naturais, Hifarmax) A enxameação Por: Filipe Nunes (Médico veterinário, Hifarmax) e Carlos Relva (Eng.º Florestal e dos Recursos Naturais, Hifarmax) Introdução A forma natural de reprodução das abelhas melíferas dá-se por

Leia mais

LOJAS AKI AKI Alverca Quinta da Verdelha E.N.10 Alverca Park Alverca do Ribatejo 2610-501 Alverca tel. +351 219 936 700 fax. +351 219 936 706 AKI Aveiro Retail Park Aveiro, Lj. A e A1 Zona Industrial da

Leia mais

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Fone: +55 (0 )47 255 2000 - Fax: +55 (0 )47 255 2020 Rua: Anita Garibaldi, nº 262 - Bairro: São Luiz - CP: 52 CEP: 88351-410 - Brusque - Santa Catarina -

Leia mais

NOTA IMPORTANTE Claro cliente, muito obrigado por ter escolhido a balança eletrônica UMA, da Casa Bugatti. Como a maioria dos eletrodomésticos, esta balança deve ser usada com cuidado e atenção para prevenir

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Modelação e Identificação de Sistemas. Controlo. Ângelo Carmo - 1579 Luis Santos - 2717

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Modelação e Identificação de Sistemas. Controlo. Ângelo Carmo - 1579 Luis Santos - 2717 Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Curso de Licenciatura em Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação Modelação e Identificação de Sistemas Controlo Sistema de Transporte e Compactação de

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais Dezembro de 2013

Matemática Aplicada às Ciências Sociais Dezembro de 2013 Informação-EXAME FINAL NACIONAL Matemática Aplicada às Ciências Sociais Dezembro de 2013 Prova 835 2014 11.º Ano de Escolaridade O presente documento divulga informação relativa à prova de exame final

Leia mais

Projecto Ciência Viva: Ao Encontro do. Património. II Parte Tema: É HÚMIDO?

Projecto Ciência Viva: Ao Encontro do. Património. II Parte Tema: É HÚMIDO? Projecto Ciência Viva: Ao Encontro do Património II Parte Tema: É HÚMIDO? INTRODUÇÃO No nosso dia-a-dia utilizamos frequentemente o termo húmido(a), que significa levemente molhado. Usamos expressões como:

Leia mais

cisternas para os convênios municipais Cartilha do programa

cisternas para os convênios municipais Cartilha do programa cisternas para os convênios municipais Cartilha do programa 1 Prefácio Esta cartilha se propõe a ser uma companheira útil e simples. É voltada, principalmente, para as comunidades do semi-árido brasileiro

Leia mais

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS Bastidores das Torres Rolantes Disponíveis em 2 larguras (0,75 e 1,35 m) de 4 degraus (1 m) e 7 degraus (2 m) Os degraus possuem uma superfície estriada antideslizante e a distância entre degraus é de

Leia mais

Fezes recentemente colhidas por evacuação espontânea ou por evacuação provocada (uso de laxantes). b) Quantidade mínima de amostra necessária

Fezes recentemente colhidas por evacuação espontânea ou por evacuação provocada (uso de laxantes). b) Quantidade mínima de amostra necessária 1/5 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O exame de fezes oferece subsídios valiosos quando criteriosamente solicitado e executado. O exame parasitológico de fezes abrange pesquisa de trofozoítos e formas

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

AMOSTRAGEM DO SOLO. Artur Chinelato de Camargo artur.camargo@embrapa.br

AMOSTRAGEM DO SOLO. Artur Chinelato de Camargo artur.camargo@embrapa.br AMOSTRAGEM DO SOLO Artur Chinelato de Camargo artur.camargo@embrapa.br etapa crítica na avaliação da fertilidade de um solo 0,5 kg deverá representar 2.000.000 kg (1 ha) responsável por 80 a 85 % do erro

Leia mais

INTRODUÇÃO. Nesta apostila são apresentados os procedimentos de recarga para cerca de 99% dos cartuchos utilizados no mercado.

INTRODUÇÃO. Nesta apostila são apresentados os procedimentos de recarga para cerca de 99% dos cartuchos utilizados no mercado. INTRODUÇÃO A recarga é um procedimento que deve ser feito com muito cuidado e atenção, depende diretamente das condições de uso de seu cartucho original. Nesta apostila são apresentados os procedimentos

Leia mais

no sentido da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 1 9-18 kg 9m-4a

no sentido da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 1 9-18 kg 9m-4a no sentido da marcha Manual de utilização ECE R44 04 Grupo Peso Idade 1 9-18 kg 9m-4a 1 Obrigado por escolher Besafe izi Comfort. A BeSafe desenvolveu esta cadeira com muito cuidado, para proteger a sua

Leia mais

HD 100. P Cobertor elétrico Instruções de utilização. BEURER GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) www.beurer.com. 06.0.

HD 100. P Cobertor elétrico Instruções de utilização. BEURER GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) www.beurer.com. 06.0. HD 100 P 06.0.43510 Hohenstein P Cobertor elétrico Instruções de utilização BEURER GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) www.beurer.com Conteúdo 1. Volume de fornecimento... 3 1.1 Descrição do aparelho...

Leia mais

Advertências. Código QR. 1 Advertências

Advertências. Código QR. 1 Advertências Advertências Como obter o manual completo Neste manual são apresentadas apenas as noções básicas necessárias para a utilização do aparelho. Para obter o manual completo com as descrições de todas as funcionalidades,

Leia mais

5Manutenções no Sistema de

5Manutenções no Sistema de Manutenção Preventiva dos Filtros do Ar A manutenção adequada deve incluir, também, uma inspeção completa dos sistemas. Todas as conexões, as tubulações ou dutos entre o filtro e o motor devem ser mantidos

Leia mais

Capacetes de Segurança H-700

Capacetes de Segurança H-700 Dados Técnicos Página 1 de 8 Capacetes de Segurança H-700 DESCRIÇÃO GERAL: O capacete de segurança H-700 é composto de: Casco ventilado (com ou sem tira refletiva) ou sem ventilação (com ou sem tira refletiva),

Leia mais

Manual do proprietário: Ride Forward Cushion

Manual do proprietário: Ride Forward Cushion Y i Manual do proprietário: Ride Forward Cushion M Ride Designs a branch of Aspen Seating, LLC 8100 SouthPark Way Littleton, Colorado 80120 USA telefone gratuito (Apenas EUA): 866.781.1633 telefone: 303.781.1633

Leia mais