1 º, 2 º E 3 º C I C L O

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 º, 2 º E 3 º C I C L O"

Transcrição

1 PROVAS DE FINAL DE CICLO º, 2 º E 3 º C I C L O P R O F E S S O R E S A P L I C A D O R E S 1 2 D E M A I O D E

2 2 E N Q U A D R A M E N T O L E G A L Antes do início do período da aplicação das Provas Finais de Ciclo, o Diretor do Agrupamento promove, obrigatoriamente, uma reunião preparatória com os professores dos secretariados de exames, professores vigilantes e coadjuvantes, no sentido de analisar e estabelecer os procedimentos a adoptar no desempenho das respetivas funções, dada a grande importância de que se reveste a sua atuação neste processo. (ponto 2.3.) Norma 02 JNE 2014 Nota: A este propósito, o professor vigilante pode, em caso de absoluta necessidade, permutar a sua vigilância, mediante preenchimento de documento-modelo próprio, disponível na reprografia, e respetiva entrega na Direção Executiva, com 48h de antecedência.

3 Agrupamento de Escolas da Madalena 3 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S Os Professores Aplicadores devem comparecer no SE 30 minutos antes da realização da prova Confirmada a presença junto do secretariado de exames, os professores aplicadores devem-se dirigir para as respetivas salas e verificar assegurar as seguintes condições logísticas: número de Organização da sala: distância entre carteiras distribuição das Ausência de qualquer material que possa fornecer informações aos alunos Lista(s) dos alunos que irão fazer a prova

4 Agrupamento de Escolas da Madalena 4 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S O u t r o s i m p e r a t i v o s l o g í s t i c o s Existência de um relógio; Existência de uma tesoura, fornecida pelo secretariado de exames; Registo, de caráter obrigatório, no quadro, da duração da prova. A vigilância das provas finais, no 1.º ciclo, deve ser assegurada em cada sala por 2 professores, escolhidos de entre os que não lecionam o 1.º ciclo e, nos demais ciclos, de entre os que não pertencem ao grupo de docência da disciplina sobre a qual incide a prova. No 1º ciclo, está assegurada a colaboração dos professores e assistentes operacionais das escolas de origem, a fim de acompanharem e orientarem os seus alunos para as salas de realização das provas e os acompanharem durante o intervalo.

5 E D D E Agrupamento de Escolas da Madalena 5 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S 09:00h A 13:30h B - Hora a que os alunos se devem apresentar na escola 09:15h A 13:45h B - Início da chamada -pela ordem constante na(s)pauta(s). A - 1º ciclo B - demais ciclos A distribuição dos alunos dentro das salas faz-se pela ordem da(s) pauta(s): da esquerda para a direita e da frente para trás tendo em conta a localização do quadro

6 6 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S Se o aluno falta o lugar correspondente fica vago Assinalar, nas pautas de chamada, as presenças (P) e as faltas (F) NOTA: As P e as F deverão ser registadas após os 15 min. estabelecidos para eventuais atrasos. Caso a prova seja composta por dois momentos: na 1ª parte, após os 15 min.; na 2ª parte, de imediato. Exemplo: 1ª parte 2ª parte 1 Maria Silva P P 2 Manuel Sousa P F

7 7 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S I d e n t i f i c a ç ã o d o s a l u n o s, i n c l u i n d o o s d o 1 º c i c l o Os alunos devem fazer-se acompanhar de Cartão de Cidadão ou de um cartão com fotografia que os identifique. (o pedido de emissão de CC não é válido) Na falta de qualquer doc. Duas testemunhas identificam o aluno.

8 8 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S O s a l u n o s n ã o p o d e m l e v a r p a r a a s a l a : suportes escritos telemóveis equipamentos multimédia (desligados) mochilas carteiras estojos lancheiras Devem ser colocados na mesa que será colocada à entrada da sala. Depois de concluída a chamada Na 1ª parte é permitida a entrada de alunos até 15 min. depois do início da prova.

9 M U I T O I M P O R TA N T E Agrupamento de Escolas da Madalena 9 Antes do início das provas, durante o período de chamada dos alunos e imediatamente antes da sua entrada na sala de prova, os professores vigilantes devem solicitar aos alunos que efetuem uma auto verificação cuidada a fim de se assegurarem de que possuem o material necessário para a realização da prova, e que não possuem qualquer material ou equipamento não autorizado, em particular telemóveis. Os alunos deverão também assinar, já nos respetivos lugares, o Modelo 14 JNE, no qual declaram que efetuaram a verificação referida. Qualquer telemóvel ou outro meio de comunicação móvel que seja detetado na posse de um aluno, quer esteja ligado ou desligado, determina a anulação da prova. É igualmente proibida a utilização de quaisquer sistemas de comunicação móvel nas salas de exames por parte dos professores vigilantes.

10 10 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S 0 9 : 1 5 h 1 3 : 4 5 h E n t r a d a d o s a l u n o s p a r a a s a l a 09:30h 14:00h Início da Prova. Nesse intervalo de tempo, um elemento do secretariado de exames fará a distribuição dos sacos pelas salas. No caso do 1º ciclo um saco com o caderno 1 e um saco com o caderno 2. Atenção As entradas e o início fim das provas e tolerâncias serão assinaladas por toques da campainha (a abordar mais à frente). A partir deste momento, deverão ser seguidos todos os procedimentos descritos no Guião de Aplicação de cada prova.

11 11 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S 0 9 : 1 5 h 0 9 : 3 0 h 1 3 : 4 5 h : 0 0 h (Período que antecede a abertura do(s) saco(s)) Ler todas as instruções conforme constam no manual do aplicador. Informar os alunos que as respostas são dadas no próprio enunciado (1º e 2º ciclos). Em caso de engano, os alunos devem riscar o que não interessa - não há substituição dos enunciados. Esclarecer todas as dúvidas Sem contrariar qualquer instrução da prova. Verificar se todos têm o material necessário. Aquando da abertura do(s) saco(s) confirmar que não se encontra(m) violado(s). Caso seja preciso, recorrer ao material de reserva.

12 12 P R OVA S F I N A I S D E 1 º C I C LO L o c a l de aplicação: s e d e d o a g r u p a m e nto C A L E N DÁ R I O P r o va s Português Matemática 19 de maio 09:30 h 21 de maio 09:30 h 09:00 h - Hora a que os Professores Aplicadores devem comparecer na Escola

13 13 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S MATERIAIS PERMITIDOS NO 1º CICLO Português Canetas ou esferográficas de tinta indelével preta. Matemática Canetas e esferográficas de tinta indelével preta, lápis, borrachas, apara-lápis, réguas graduadas e compassos. Materiais de reserva - cada escola providenciará o material para ser fornecido aos alunos, em caso de necessidade. Não é permitido o uso de corretor

14 14 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S 0 9 : 3 0 h Distribuição das provas (caderno 1) e preenchimento do respetivo cabeçalho Distribuir o caderno; Após distribuição do caderno 1, dar instruções para o preenchimento do respetivo cabeçalho; Certificar-se de que todos os alunos sabem como proceder corretamente; Os alunos acompanham a leitura das orientações constantes nas Instruções gerais da prova.

15 15 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S Esclarecer todas as dúvidas que surjam desde que não digam respeito ao conteúdo da prova; Sem contrariar qualquer instrução 0 9 : 3 5 h I n í c i o f o r m a l d a 1 ª p a r t e Começo formal da contagem do tempo da 1ª parte - 5 minutos após o toque; Resolução da 1ª parte da prova caderno º C I C L O - D U R A Ç Ã O D A 1 ª PA R T E D A P R O V A P O R T U G U Ê S 6 0 m i n. D U R A Ç Ã O D A 1 ª PA R T E D A P R O V A M AT E M ÁT I C A 45 m i n.

16 2ª Parte 2ª Parte 1ª Parte 1ª Parte Agrupamento de Escolas da Madalena 16 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S Gestão do tempo da Prova de Final de 1º Ciclo de PORTUGUÊS FASES DE APLICAÇÃO SEM USO DA TOLERÂNCIA Início da prova Preenchimento do cabeçalho HORÁRIO * DAS PROVAS 09:30 h 5 min. 1ª parte - aplicação do caderno 1 60 min. Final da 1ª parte Intervalo Reinício da prova Preenchimento do cabeçalho 10:35 h 35 min. 11:10 h 5 min. 2ª parte - aplicação do caderno 2 30 min. Conclusão da prova 11:45 h Tempo total de realização da prova 90 min. (60+30) FASES DE APLICAÇÃO COM USO DA TOLERÂNCIA Intervalo Início da prova Preenchimento do cabeçalho HORÁRIO * DAS PROVAS 09 h 30 h 5 min. 1ª parte - aplicação do caderno 1 60 min. Tolerância Final da 1ª parte Reinício da prova Preenchimento do cabeçalho 20 min. 10 h 55 h 15 min. 11 h 10 h 5 min. 2ª parte - aplicação do caderno 2 30 min. Tolerância Conclusão da prova 10 min. 11 h 55 h Tempo total de realização da prova 90 min. (60+30) * À exceção dos alunos com NE(E) s

17 2ª Parte 2ª Parte 1ª Parte 1ª Parte Agrupamento de Escolas da Madalena 17 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S Gestão do tempo da Prova de Final de 1º Ciclo de MATEMÁTICA FASES DE APLICAÇÃO SEM USO DA TOLERÂNCIA Início da prova Preenchimento do cabeçalho HORÁRIO * DAS PROVAS 09:30 h 5 min. 1ª parte - aplicação do caderno 1 45 min. Final da 1ª parte Intervalo Reinício da prova Preenchimento do cabeçalho 10:20 h 30 min. 10:50 h 5 min. 2ª parte - aplicação do caderno 2 45 min. Conclusão da prova 11:40 h Tempo total de realização da prova 90 min. (45+45) FASES DE APLICAÇÃO COM USO DA TOLERÂNCIA Intervalo Início da prova Preenchimento do cabeçalho HORÁRIO * DAS PROVAS 09:30 h 5 min. 1ª parte - aplicação do caderno 1 45 min. Tolerância Final da 1ª parte Reinício da prova Preenchimento do cabeçalho 15 min. 10:35 h 15 min. 10:50 h 5 min. 2ª parte - aplicação do caderno 2 45 min. Tolerância Conclusão da prova 15 min. 11:55 h Tempo total de realização da prova 90 min. (45+45) * À exceção dos alunos com NE(E) s

18 18 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S N o d e c o r r e r d a p r o v a 1 ª P a r t e Percorrer os lugares com o mínimo de perturbação para os alunos; Certificar-se de que todos os alunos têm apenas o material necessário à resolução da prova; Conferir a identidade do aluno face ao seu documento de identificação e verificar se o nome coincide com o da pauta de chamada; Verificar o correto preenchimento dos elementos de identificação no cabeçalho da capa da prova (caderno 1); Os dois professores vigilantes rubricam o enunciado, depois de preenchido o cabeçalho pelo aluno (caderno 1), no local reservado para o efeito.

19 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S Agrupamento de Escolas da Madalena 19 N o d e c o r r e r d a p r o v a 1 ª P a r t e Avisar os alunos quando faltarem 10 minutos para terminar a 1ª parte; Terminado o tempo destinado à 1ª parte, avisar os alunos de que: Não podem escrever mais nada; Se devem manter sentados e em silêncio, enquanto: se procede à recolha do caderno 1; se procede à conferência dos cadernos pela pauta de chamada; se verifica se alguma prova ou parte de prova se encontra indevidamente escrita a lápis; Têm que regressar à sala quando ouvirem o toque; Podem ir para o intervalo.

20 20 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S D u r a n t e o i n t e r v a l o Os professores vigilantes: Organizam o caderno 1 por ordem da pauta de chamada, ficando estes dentro do envelope na sala de prova; Asseguram-se que a porta e as janelas ficam devidamente trancadas.

21 19 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S 2ª parte 11:10 h > no caso da prova de português 10:50 h > no caso da prova de matemática Certificar-se que todos os alunos regressaram do intervalo; Voltar a fazer a chamada Distribuir o caderno 2 Verificar se os alunos ocupam os mesmos lugares Após distribuição do caderno 2 a todos os alunos e da folha de rascunho (no caso de PORT), relembrar as instruções para o preenchimento do cabeçalho; Certificar-se de que todos os alunos sabem como proceder. NOTA: Informar os alunos que as folhas de rascunho não são recolhidas!

22 22 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S Os alunos acompanham a leitura das orientações constantes nas instruções gerais do caderno 2. Começa a contagem do tempo para a realização da 2ª parte da prova (5 minutos após o toque); Tempo disponível para a resolução da 2ª parte da prova caderno min. no caso da prova de português 45 min. no caso da prova de matemática ATENÇÃO Escrever na Folha de Registo de Aplicação da Prova a hora do início da 2ª parte.

23 21 23 Os professores aplicadores devem: A P L I C A Ç Ã O D A S P R O V A S N o d e c o r r e r d a p r o v a 2 ª p a r t e Deslocar-se pela sala com frequência; Certificar-se que todos os alunos têm apenas o material necessário para resolução da prova; Conferir a identidade do aluno face ao seu documento de identificação e verificar se o nome coincide com o da pauta de chamada; Verificar o correto preenchimento dos elementos de identificação no cabeçalho da prova (caderno 2); Rubricar (ambos os professores aplicadores) o enunciado, depois de preenchido o cabeçalho pelo aluno, no local reservado para o efeito. Avisar os alunos quando faltarem 5 minutos para o términus da prova de Português e 10 minutos para a prova de Matemática.

24 24 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S F i m d a p r o v a 1 º c i c l o Quando terminar o tempo da 2ª parte, avisar que: não podem escrever mais nada; têm que manter a prova em cima da mesa e certificar-se que não falta nada; devem levar a folha de rascunho. Enquanto os alunos se mantêm nos seus lugares, os profs. aplicadores: recolhem o caderno 2, o qual deverá ser anexo ao respetivo caderno 1 e inseridos em envelope(s) de certificar-se acordo com a(s) que pauta(s); verificam se alguma prova não ou falta parte nada. da prova se encontra indevidamente escrita a lápis; autorizam a saída dos alunos. Mandar sair os alunos.

25 25 F i m d a p r o v a 1 º c i c l o A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S Para além dos passos anteriores, os professores aplicadores devem: Juntar a lista dos alunos devidamente anotada - P (presenças), F (ausências); Registar (na Folha de Registo de Aplicação) eventuais incumprimentos de alunos detetados durante a 2ª parte da prova. Preencher integralmente a Folha de Registo de Aplicação, devidamente assinada. Guardar tudo no mesmo envelope

26 26 Entregar ao Secretariado de Exames: E N T R EGA DA S P R OVA S os cadernos 1 e 2 que não foram utilizados as listas dos alunos devidamente anotadas os envelopes (com a etiqueta preenchida), contendo as provas dos alunos folha do Registo de Aplicação, preenchida e assinada P (presenças); F (faltas) ATENÇÃO Nº de provas a entregar = Nº de alunos assinalados com P na lista. Seguir todos os procedimentos do JNE constantes da NORMA

27 27 A P L I C A Ç ÃO DA S P R OVA S O U T R A S CONSIDERAÇÕES Durante a aplicação das provas, os professores aplicadores não podem: conversar entre si; usar qualquer sistema de comunicação móvel; ausentar-se da sala Em caso de força maior pode haver substituição de um professor aplicador (chamar elemento do Secretariado) exceto durante o intervalo, devendo fechar as respetivas janelas e porta. por um professor suplente permanece na sala até ao final da aplicação da prova

28 28 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S O U T R A S C O N S I D E R AÇÕES A L U N O S C O M N E C E S S I D A D E S E D U C AT I VA S ( E S P E C I A I S ) Realizam Provas Finais a Nível de Escola, em sala à parte, que serão enviadas ao agrupamento de exames para classificação. As fases da aplicação da prova serão dadas no próprio dia aos professores aplicadores. Não haverá toques para estes alunos. A sua saída, entrada e tempo de prova e tolerâncias serão controladas por um dos elementos do secretariado de exames, consoante a utilização ou não utilização da(s) tolerância(s).

29 29 A P L I C A Ç ÃO DA S P R OVA S O U T R A S CONSIDERAÇÕES N o d e c u r s o d a p r o v a só é permitida a entrada nas salas a: Professores Aplicadores; Elementos da Direção Executiva; Membros do Secretariado de Exames; Inspeção Geral de Educação. Acesso livre e direto às salas

30 30 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S O U T R A S C O N S I D E R AÇÕES D e s i s t ê n c i a e a b a n d o n o d a s a l a O aluno não está autorizado a abandonar a sala. Se o fizer, ainda que advertido, os professores aplicadores deverão comunicar imediatamente o facto ao Diretor do Agrupamento Em qualquer dos casos (desistência ou abandono), as provas são sempre enviadas para o Agrupamento de Exames, para classificação, ainda que só tenham os cabeçalhos preenchidos; No caso de necessidade de ir ao WC, o aluno deverá ser acompanhado pelo Assistente Operacional que se encontrar de apoio ao corredor e espaços adjacentes (não permitindo a permanência ou circulação de pessoas não envolvidas na aplicação das provas)

31 31 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S O U T R A S C O N S I D E R AÇÕES I r r e g u l a r i d a d e s Nas folhas de prova caderno 1 caderno 2 não pode haver: qualquer elemento que identifique o aluno; Expressões despropositadas ou desrespeitosas nos cadernos 1 ou 2 podem implicar Anulação da prova pelo JNE F r a u d e s Se os alunos tentarem cometer ou cometerem qualquer fraude: Suspensão imediata da prova, não podendo esses alunos abandonar a sala até ao fim da duração da prova. aluno(s) eventual(ais) cúmplice(s)

32 32 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S O U T R A S C O N S I D E R AÇÕES F r a u d e s ( c o n t i n u a ç ã o ) Situação a comunicar imediatamente ao Diretor, mediante relatório fundamentado. Anulação da prova pelo Diretor Situações anómalas, que ocorram durante a realização da Prova, devem ser comunicadas ao Diretor decide do procedimento a adoptar Relatório para o JNE São rigorosamente interditos aos professores responsáveis pela aplicação quaisquer procedimentos que possam ajudar os alunos a resolver a prova.

33 33 P U B L I C I TAÇ ÃO D O S R E S U LTA D O S 1 ª c h a m a d a No dia 12 de junho serão publicados e afixados na sede do agrupamento e nos respetivos estabelecimentos de ensino os resultados obtidos pelos alunos do 1º e 2º ciclos; No dia 14 de julho serão publicados e afixados na sede do agrupamento os resultados obtidos pelos alunos do 3º ciclo; As provas ficam na sede do Agrupamento para consulta dos professores.

34 34 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S - TO Q U E S P O R T U G U Ê S 1 º C I C L O 1º 09:15 h 2º 09:30 h 3º 10:35 h 4º 10:55 h (c/ tolerância) - toque breve 5º 11:10 h REINÍCIO 2ª PARTE 6º 11:45 h 7º 11:55 h (c/ tolerância) - toque breve

35 35 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S - TO Q U E S M AT E M ÁT I C A 1 º C I C L O 1º 09:15 h 2º 09:30 h 3º 10:20 h 4º 10:35 h (c/ tolerância) toque breve 5º 10:50 h REINÍCIO 2ª PARTE 6º 11:40 h 7º 11:55 h (c/ tolerância) toque breve

36 36 C A L E N DÁ R I O DA S P R OVA S F I N A I S DE 2ºCICLO ( 6 º A N O D E E S C O L A R I DA D E ) P r o va s Português Matemática 19 de maio 14:00 h 21 de maio 14:00 h 13:30 h- Hora a que os Professores Aplicadores devem comparecer no SE

37 37 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S Duração da Prova de Final de Ciclo de PORTUGUÊS - 2º CICLO FASES DE APLICAÇÃO Início da prova Preenchimento do cabeçalho Final da prova s/ tolerância Final da prova c/tolerância HORÁRIO DAS PROVAS 14:00 horas 5 min. 15:35 h 16:05 h A prova não está estruturalmente separada em parte 1 e 2.

38 2ª Parte 2ª Parte 1ª Parte 1ª Parte Agrupamento de Escolas da Madalena 38 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S Duração da Prova de MATEMÁTICA 2º ciclo FASES DE APLICAÇÃO SEM USO DA TOLERÂNCIA Início da prova Preenchimento do cabeçalho HORÁRIO * DAS PROVAS 14:00 h 5 min. 1ª parte - aplicação do caderno 1 30 min. Tolerância * 10 min. * Final da 1ª parte (a) Período para recolha apenas das calculadoras; Distribuição caderno 2 Reinício da prova Preenchimento do cabeçalho 14:35 h+ 10min* 5 min. 14:50 h 5 min. 2ª parte - aplicação do caderno 2 60 min. Conclusão da prova 15:55 h Tempo total de realização da prova 90 min. (30+60) FASES DE APLICAÇÃO COM USO DA TOLERÂNCIA Início da prova Preenchimento do cabeçalho HORÁRIO * DAS PROVAS 14:00 h 5 min. 1ª parte - aplicação do caderno 1 30 min. Tolerância 10 min. * Final da 1ª parte (a) Período para recolha apenas das calculadoras; Distribuição caderno 2 Reinício da prova Preenchimento do cabeçalho 14:45 h 5 min. 14:50 h 5 min. 2ª parte - aplicação do caderno 2 60 min. Tolerância Conclusão da prova 20 min. 16:15 h Tempo total de realização da prova 90 min. (30+60) ( a ) N a p r á t i c a t o d o s o s a l u n o s u s u f r u e m d e m a i s 1 0 m i n. * d e p r o v a, n a 1 ª p a r t e, u m a v e z q u e n ã o p o d e m s a i r d a s a l a d e a p l i c a ç ã o d a m e s m a.

39 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S Agrupamento de Escolas da Madalena 39 M AT E M ÁT I C A 2 º C I C L O No final da 1ª parte recolhem APENAS as calculadoras, mantendo-se os alunos no seu lugar e na posse do caderno1; No final da 2ª parte, enquanto os alunos se mantêm no seu lugar, é recolhido o caderno 1 e o caderno 2, que deverão ficar juntos; Verificam se alguma prova ou parte da prova se encontra indevidamente escrita a lápis; Autorizam a saída dos alunos; Juntar a lista dos alunos devidamente anotada - P (presenças), F (ausências); Registar, na Folha de Registo de Aplicação, eventuais incumprimentos de alunos, que tenham sido detetados depois do intervalo da prova. Preencher integralmente a Folha de Registo de Aplicação, devidamente assinada. Guardar tudo no mesmo envelope.

40 Agrupamento de Escolas da Madalena 40 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S - TO Q U E S P O R T U G U Ê S M AT E M ÁT I C A 2 º C I C L O PORTUGUÊS 1º 13:45 h 2º 14:00 h 3º 15:35 h (s/ tolerância) 4º 16:05 h (c/ tolerância) MATEMÁTICA 1º 13:45 h 2º 14:00 h 3º 14:45 h toque breve 4º 14:50 h início 2ª parte 5º 15:55 h (s/ tolerância) 6º 16:15 h (c/ tolerância)

41 41 C A L E N DÁ R I O DA S P R OVA S F I N A I S DE 3ºCICLO ( 9 º A N O D E E S C O L A R I DA D E ) P r o va s Português Matemática 17 de junho 09:30 23 de junho 09:30 09:00 h - Hora a que os Professores Aplicadores devem comparecer no S.E.

42 42 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S Duração da Prova de Final de Ciclo de PORTUGUÊS 3º CICLO FASES DE APLICAÇÃO Início da prova Final da prova s/ tolerância Final da prova c/tolerância HORÁRIO DAS PROVAS 09:30 horas 11:00 horas 11:30 horas As respostas das provas de PORT e MAT são registadas em folha própria a fornecer pela escola. Provas de Provas Final de Finais Ciclo de 2013 Ciclo 2014

43 2ª Parte 2ª Parte 1ª Parte 1ª Parte Agrupamento de Escolas da Madalena 43 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S Duração da Prova de MATEMÁTICA 3º ciclo FASES DE APLICAÇÃO SEM USO DA TOLERÂNCIA Início da prova HORÁRIO * DAS PROVAS 09:30 h 1ª parte - aplicação do caderno 1 35 min. Tolerância * 10 min. * Final da 1ª parte (a) 10:05 h + 10 m* Período para recolha apenas das calculadoras ; Distribuição caderno 2 Reinício da prova 5 min. 10:20 h FASES DE APLICAÇÃO COM USO DA TOLERÂNCIA Início da prova HORÁRIO * DAS PROVAS 09:30 h 1ª parte - aplicação do caderno 1 35 min. Tolerância Final da 1ª parte (a) Período para recolha apenas das calculadoras ; Distribuição caderno 2 Reinício da prova 10 min. 10:15 h 5 min. 10:20 h 2ª parte - aplicação do caderno 2 55 min. Conclusão da prova 11:15 h 2ª parte - aplicação do caderno 2 55 min. Tolerância 20 min. Conclusão da prova 11:35 h Tempo total de realização da prova 90 min. (35+55) Tempo total de realização da prova 90 min. (35+55) ( a ) N a p r á t i c a t o d o s o s a l u n o s u s u f r u e m d e m a i s 1 0 m i n. * d e p r o v a, n a 1 ª p a r t e, u m a v e z q u e n ã o p o d e m s a i r d a s a l a d e a p l i c a ç ã o d a m e s m a.

44 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S 44 M AT E M ÁT I C A 3 º C I C L O No final da 1ª parte recolhem APENAS as calculadoras, mantendo-se os alunos no seu lugar e na posse do enunciado e folha de prova; No final da 2ª parte, enquanto os alunos se mantêm no seu lugar, é recolhido a folha de prova; os alunos levam consigo o enunciado e as folhas de rascunho; Verificam se alguma prova ou parte da prova se encontra indevidamente escrita a lápis; Autorizam a saída dos alunos; Juntar a lista dos alunos devidamente anotada - P (presenças), F (ausências); Registar, na Folha de Registo de Aplicação, eventuais incumprimentos de alunos, que tenham sido detetados depois do intervalo da prova. Preencher integralmente a Folha de Registo de Aplicação, devidamente assinada. Guardar tudo no mesmo envelope.

45 Agrupamento de Escolas da Madalena 45 A P L I C AÇ ÃO DA S P R OVA S - TO Q U E S P O R T U G U Ê S M AT E M ÁT I C A 3 º C I C L O PORTUGUÊS 1º 09 h 15 min. 2º 09:30 h 3º 11:00 h (s/ tolerância) 4º 11:30 h (c/ tolerância) MATEMÁTICA 1º 09 h 15 min. 2º 09:30 h 3º 10:15 h toque breve 4º 10:20 h - início 2ª parte 5º 11:15 h (s/ tolerância) 6º 11:35 h (c/ tolerância)

46 46 C O N S I D E R AÇÕES FINAIS Nas provas de equivalência à frequência realizadas no próprio enunciado da prova, este deverá estar preparado para garantir o respetivo anonimato, sendo necessário introduzir um espaço para talão destacável, idêntico ao utilizado pelo GAVE (a direção já enviou documento modelo). Terminada a chamada e atribuídos os lugares, os professores responsáveis pela vigilância devem distribuir o papel de prova nas disciplinas em que a mesma não é resolvida no próprio enunciado. O papel de rascunho não pode ser entregue ao examinando antes da distribuição dos enunciados. Relativamente às máquinas de calcular deve ter-se em atenção o seguinte: só são autorizadas as calculadoras que respeitem as características técnicas previstas nas respetivas Informações-Prova Final de Ciclo.

47 47 C O N S I D E R AÇÕES FINAIS Dado que nas provas finais de 2º e 3º Ciclo de Matemática os alunos usufruem obrigatoriamente de 10 minutos de tolerância, dispensase a chamada de atenção para o fim da 1ª parte da prova. Tanto nas provas de Português, como nas de Matemática, de 2º e 3º Ciclos, os professores vigilantes deverão chamar à atenção que faltam 10 minutos para o final da prova.

48 48 AGRADECEMOS A VOSSA ATENÇÃO SECRETARIADO DE EXAMES DIREÇÃO

Norma 02/2015 Provas Finais 4º e 6º anos

Norma 02/2015 Provas Finais 4º e 6º anos Norma 02/2015 Provas Finais 4º e 6º anos Todas estas instruções têm de ser lidas e esclarecidas pelo diretor de turma ou professor titular de turma, na sala de aula, antes do final do 3.º período, devendo

Leia mais

Provas Finais do Ensino Básico 1º Ciclo 4º Ano

Provas Finais do Ensino Básico 1º Ciclo 4º Ano Secretariado de Exames 2012/2013 Provas Finais do Ensino Básico 1º Ciclo 4º Ano http://www.dgidc.min edu.pt/jurinacionalexames/ www.gave.min edu.pt/np3/exames 1 Calendário de provas finais do 1º ciclo

Leia mais

Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Escola Básica com JI de Ribamar. Provas e Exames do Ensino Básico 2013

Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Escola Básica com JI de Ribamar. Provas e Exames do Ensino Básico 2013 Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente Escola Básica com JI de Ribamar Provas e Exames do Ensino Básico 2013 Instruções para Professores Vigilantes e Coadjuvantes A função de

Leia mais

AGRUPAMENTO PROFESSOR ÓSCAR LOPES - MATOSINHOS. Provas finais de Ciclo do Ensino Básico 2014

AGRUPAMENTO PROFESSOR ÓSCAR LOPES - MATOSINHOS. Provas finais de Ciclo do Ensino Básico 2014 AGRUPAMENTO PROFESSOR ÓSCAR LOPES - MATOSINHOS Provas finais de Ciclo do Ensino Básico 2014 PROFESSOR VIGILANTE As seguintes instruções são um resumo da Norma 2/JNE/2014, não dispensando, porém a leitura

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRI O (11º e 12º ano)

ENSINO SECUNDÁRI O (11º e 12º ano) Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas ENSINO SECUNDÁRI O (11º e 12º ano) 2014 NORMAS GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS/PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDOME PROVAS FINAIS DE CICLO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDOME PROVAS FINAIS DE CICLO ENSINO BÁSICO PROVAS FINAIS DE CICLO ENSINO BÁSICO Provas Finais do 1. Ciclo 1. As provas finais do 1. ciclo realizam-se no 4. ano de escolaridade, em duas fases com uma única chamada, sendo a 1.ª fase em maio e obrigatória

Leia mais

Secretariado de exames. Normas para os Professores Vigilantes

Secretariado de exames. Normas para os Professores Vigilantes Secretariado de exames Normas para os Professores Vigilantes Nota: Nos termos do ponto 5.1 da norma 02/JNE/2013, o serviço de exames, nomeadamente, o exercício de funções no secretariado de exames, vigilância,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Valongo

Agrupamento de Escolas de Valongo Agrupamento de Escolas de Valongo Reunião 29 de abril de 2013 Professores Vigilantes Provas Finais 1.º ciclo 2013 Calendarização Calendarização Português Matemática 07 maio 9h30 10 maio 9h30 8h40 Os professores

Leia mais

E X A M E S N A C I O N A I S

E X A M E S N A C I O N A I S Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo AGRUPAMENTO VERTICAL GENERAL HUMBERTO DELGADO - 170276 E X A M E S N A C I O N A I S I n f o r m a ç ã o a o s p r o f e s s o r e s V I G I L A N

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos do Estreito de Câmara de Lobos N.º do Código do Estabelecimento de Ensino 3102-202 Nº de Telefone: 291945614/15

Leia mais

Provas Finais de Português e Matemática (6º e 9ºanos) (Informação Alunos) Resumo Norma 02/JNE/2014

Provas Finais de Português e Matemática (6º e 9ºanos) (Informação Alunos) Resumo Norma 02/JNE/2014 Provas Finais de Português e Matemática (6º e 9ºanos) (Informação Alunos) Resumo Norma 02/JNE/2014 6ºano Material autorizado 9ºano Port e Mat- Canetas ou esferográficas de tinta indelével preta ou azul.

Leia mais

Provas Finais de Ciclo Provas de Equivalência à Frequência

Provas Finais de Ciclo Provas de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de Arronches 135197 EB 2, 3 Nª Srª da Luz 330437 Provas Finais de Ciclo Provas de Equivalência à Frequência Informação para docentes vigilantes e coadjuvantes 2015 Despacho nº 8651/2014

Leia mais

Escola Secundária Emídio Navarro

Escola Secundária Emídio Navarro Escola Secundária Emídio Navarro INFORMAÇÃO AOS ALUNOS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Prova Final do 3º ciclo de Português, Matemática e PLNM, Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário, Provas de Equivalência

Leia mais

REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS 2015 Professores Vigilantes

REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS 2015 Professores Vigilantes REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS 2015 Professores Vigilantes 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO 4.1 Relativamente às provas finais do 1.º ciclo: a) Português canetas ou esferográficas de tinta indelével preta

Leia mais

Provas Finais de Ciclo do Ensino Básico 2013/2014. Atribuições Professores Vigilantes

Provas Finais de Ciclo do Ensino Básico 2013/2014. Atribuições Professores Vigilantes Provas Finais de Ciclo do Ensino Básico 2013/2014 Atribuições Professores Vigilantes ω O exercício de funções em vigilâncias é de aceitação obrigatória. A dispensa do serviço de exames, se devidamente

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 170100 Escola Básica 2,3 de Pegões 345192 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 170100 Escola Básica 2,3 de Pegões 345192 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 170100 Escola Básica 2,3 de Pegões 345192 2014/2015 INFORMAÇÃO AOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO E ALUNOS ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PROVAS FINAIS DO 2.º E 3.º CICLO EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ES

PROVAS FINAIS DO 2.º E 3.º CICLO EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ES PROVAS FINAIS DO 2.º E 3.º CICLO EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ES NORMA 01/JNE/2013 NORMA 02/JNE/2013 Reunião com aplicadores, 13 de Junho de 2013 1 RESUMO DA NORMA 02/JNE/2013 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA OS VIGILANTES DE ACORDO COM A NORMA 2/JNE/2015

INSTRUÇÕES PARA OS VIGILANTES DE ACORDO COM A NORMA 2/JNE/2015 1/13 INSTRUÇÕES PARA OS VIGILANTES DE ACORDO COM A NORMA 2/JNE/2015 6.3 Na distribuição dos alunos dentro das salas de prova, deve acautelar se a conveniente distância entre eles. Esta distribuição deve

Leia mais

EXAMES / PROVAS NACIONAIS 2º e 3º Ciclo

EXAMES / PROVAS NACIONAIS 2º e 3º Ciclo Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 170100 Escola Básica 2,3 de Pegões 345192 EXAMES / PROVAS NACIONAIS 2º e 3º Ciclo 2013/2014 INFORMAÇÃO AOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO E ALUNOS ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS DO 1ºCICLO

REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS DO 1ºCICLO REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS DO 1ºCICLO Material específico autorizado 2014 Português Caneta ou esferográfica de tinta azul ou preta. Matemática Caneta ou esferográfica de tinta azul ou preta, lápis, borracha,

Leia mais

Cambridge English for Schools PORTUGAL 2015. Deve ser consultado o Manual de Aplicação do Teste disponível na página do IAVE no seguinte endereço:

Cambridge English for Schools PORTUGAL 2015. Deve ser consultado o Manual de Aplicação do Teste disponível na página do IAVE no seguinte endereço: INFORMAÇÃO AOS ALUNOS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Preliminary English Test (PET) Cambridge English for Schools PORTUGAL 2015 O Cambridge English for Schools PORTUGAL é um projeto que tem como principal

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d a G u i a

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d a G u i a PROVAS DO ENSINO BÁSICO E EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO O professor vigilante deve comparecer junto do Secretariado de Exames (Bloco A) 30 minutos antes do início da prova de exame. ATENÇÃO: Não há tolerância!

Leia mais

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade úri Nacional de Exames Certificar com Equidade Relatório 2011 AVALIAÇÃO EXTERNA NORMA 02/JNE/2012 DA APRENDIZAGEM Instruções Exames - Realização, Nacionais classificação, reapreciação e Provas de e reclamação

Leia mais

PROVAS/EXAMES FINAIS 3º ciclo E. Básico e E. Secundário ATRIBUIÇÕES DOS PROFESSORES VIGILANTES

PROVAS/EXAMES FINAIS 3º ciclo E. Básico e E. Secundário ATRIBUIÇÕES DOS PROFESSORES VIGILANTES PROVAS/EXAMES FINAIS 3º ciclo E. Básico e E. Secundário ATRIBUIÇÕES DOS PROFESSORES VIGILANTES MUITO IMPORTANTE: A função de vigilante de provas e exames é uma das mais importantes e de maior responsabilidade

Leia mais

PROVAS FINAIS DE CICLO 2014 - ENSINO BÁSICO Resumo da Norma 02/JNE/2014 - ALUNOS. Capítulo I REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS DE CICLO 9º Ano

PROVAS FINAIS DE CICLO 2014 - ENSINO BÁSICO Resumo da Norma 02/JNE/2014 - ALUNOS. Capítulo I REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS DE CICLO 9º Ano Agrupamento Vertical de Escolas D. Dinis Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos D. Dinis Quarteira PROVAS FINAIS DE CICLO 2014 - ENSINO BÁSICO Resumo da Norma 02/JNE/2014 - ALUNOS Capítulo I REALIZAÇÃO DAS PROVAS

Leia mais

LOCAL DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS: Escola Básica da Gafanha da Nazaré NORMA 02/JNE/2015

LOCAL DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS: Escola Básica da Gafanha da Nazaré NORMA 02/JNE/2015 DGEstE - Direção de Serviços da Região Centro ATENÇÃO LOCAL DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS: Escola Básica da Gafanha da Nazaré NORMA 02/JNE/2015 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO, REAPRECIAÇÃO E RECLAMAÇÃO

Leia mais

NORMA 02/JNE/2013 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação 2

NORMA 02/JNE/2013 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação 2 NORMA 02/JNE/2013 Instruções - Realização, classificação, reapreciação e reclamação Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário 1 NORMA 02/JNE/2012 Instruções Realização, classificação, reapreciação

Leia mais

Instruções Gerais para Provas Finais/Provas de Equivalência à Frequência - Ensino Básico 2014

Instruções Gerais para Provas Finais/Provas de Equivalência à Frequência - Ensino Básico 2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE V. N. DE POIARES Contribuinte nº.600074994 SEDE: Escola E.B. 2,3/S Dr. Daniel de Matos Telefone 239 429 410 / 411 - Fax 239 422 602 Apartado 31. 3350-909 Vila Nova de Poiares

Leia mais

Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo. Reunião de preparação para Provas e Exames 2015 - AEVA

Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo. Reunião de preparação para Provas e Exames 2015 - AEVA Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo As informações constantes desta apresentação de preparação para exames e provas finais não dispensa a leitura integral das Normas 01 e 02/JNE/2015, bem como outra

Leia mais

Preliminary English Test for Schools Portugal MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE

Preliminary English Test for Schools Portugal MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE Preliminary English Test for Schools Portugal 2015 MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE Reading, Writing, Listening e Speaking Índice Introdução... 1 1. Caracterização do teste... 1 2. Realização do teste... 2

Leia mais

PROVAS FINAIS 2015 Ensino Básico Norma 02/EB/2015

PROVAS FINAIS 2015 Ensino Básico Norma 02/EB/2015 PROVAS FINAIS 2015 Ensino Básico Norma 02/EB/2015 Resumo das instruções 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO Relativamente às provas finais do 1.º ciclo, cada escola deve providenciar material para fornecer

Leia mais

Prova Final de Matemática. Caderno 1: 45 minutos. Tolerância: 15 minutos. 1.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 42/2.ª Fase

Prova Final de Matemática. Caderno 1: 45 minutos. Tolerância: 15 minutos. 1.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 42/2.ª Fase Prova Final de Matemática 1.º Ciclo do Ensino Básico Prova 42/2.ª Fase/2014 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura do Aluno CC

Leia mais

Instruções aos Alunos para a realização do teste Cambridge English Language Assessment: Key for Schools Componentes do teste:

Instruções aos Alunos para a realização do teste Cambridge English Language Assessment: Key for Schools Componentes do teste: Instruções aos Alunos para a realização do teste Cambridge English Language Assessment: Key for Schools Componentes do teste: Componente 1 Reading & Writing - Esta componente é formada por 9 partes e 56

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE PROVAS E EXAMES

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE PROVAS E EXAMES 3º CICLO e ENSINO SECUNDÁRIO INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE PROVAS E EXAMES INFORMAÇÃO - ALUNOS JNE/EXAMES NACIONAIS/2015 NORMA 02/JNE/2015 1. ESCOLAS DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS E EXAMES 1.3. As escolas onde

Leia mais

Exames nacionais E N S I N O S E C U N D Á R I O

Exames nacionais E N S I N O S E C U N D Á R I O Exames nacionais E N S I N O S E C U N D Á R I O Afixação dos resultados da avaliação Afixação das pautas de avaliação final do 3.º período: 9 de junho Entrega de avaliações pelos diretores de turma: 9

Leia mais

Exames Nacionais 2013

Exames Nacionais 2013 Exames Nacionais 2013 Normas para Exames do Ensino Básico e Secundário - VIGILANTES E COADJUVANTES Estas normas são válidas para: Todas as fases e chamadas dos exames nacionais do Ensino Secundário e do

Leia mais

Prova/código Fase/chamada Dia Hora Língua Portuguesa / 22 1ª / 1ª 20. 06. 11 09.00 Matemática / 23 1ª / 1ª 22. 06. 11 09.00

Prova/código Fase/chamada Dia Hora Língua Portuguesa / 22 1ª / 1ª 20. 06. 11 09.00 Matemática / 23 1ª / 1ª 22. 06. 11 09.00 Escola Básica 2º e 3º ciclos D. Luís Mendonça Furtado Ano lectivo 2010/11 EXAMES NACIONAIS DE 3º CICLO Língua Portuguesa e Matemática Súmula da Norma 02/EB/11 Este documento não dispensa a leitura integral

Leia mais

de ensino (modelo oficial).

de ensino (modelo oficial). INFORMAÇÕES SOBRE AS PROVAS FINAIS DO 3º CICLO Todas as instruções constantes desta Informação têm de ser lidas e esclarecidas pelo diretor de turma, na sala de aula, até à semana anterior à realização

Leia mais

EXAMES NACIONAIS ANO LECTIVO 2010/11 VIGILÂNCIA DE EXAMES

EXAMES NACIONAIS ANO LECTIVO 2010/11 VIGILÂNCIA DE EXAMES EXAMES NACIONAIS ANO LECTIVO 2010/11 VIGILÂNCIA DE EXAMES Anexo 2 1 SERVIÇO DE VIGILÂNCIA DE EXAMES ANO LECTIVO 2010/11 ESTE DOCUMENTO DEVE SER LIDO ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES DEVEM SER ESCRUPULOSAMENTE

Leia mais

Instruções para os alunos

Instruções para os alunos Instruções para os alunos Resumo da norma 02/JNE/2015 e do Despacho Normativo n.º 6A/2015 de 5 de março Parte I - Instruções para a realização das provas Ensino Básico e Secundário Capítulo I Realização

Leia mais

EXAMES NACIONAIS 2011 Ensino Básico

EXAMES NACIONAIS 2011 Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA Escola Básica Serra da Gardunha Fundão EXAMES NACIONAIS 2011 Ensino Básico Atribuições dos professores vigilantes e coadjuvantes - Nos termos do nº20, do Regulamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONCURSOS PÚBLICOS ROTEIRO DO FISCAL DE SALA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONCURSOS PÚBLICOS ROTEIRO DO FISCAL DE SALA INSTRUÇÕES: 1. Os fiscais de sala são os responsáveis pela guarda de todo o material de aplicação recebido e utilizado na sala de prova, não devendo afastar-se do mesmo, principalmente do envelope cinza

Leia mais

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO INFORMAÇÕES PARA ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO I - FIM DAS ATIVIDADES ESCOLARES As atividades escolares dos alunos do 11º e 12º

Leia mais

NORMAS PARA PROFESSORES VIGILANTES/ SUPLENTES/COADJUVANTES

NORMAS PARA PROFESSORES VIGILANTES/ SUPLENTES/COADJUVANTES ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE Norma para professores vigilantes / suplentes / coadjuvantes 2013 NORMAS PARA PROFESSORES VIGILANTES/ SUPLENTES/COADJUVANTES Os Professores designados para assegurarem o serviço

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DOS EXAMES NACIONAIS 2012 ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DOS EXAMES NACIONAIS 2012 ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DOS EXAMES NACIONAIS 2012 ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 4. Material específico autorizado 4.1. As folhas de prova a utilizar na prova final do 3.º ciclo de Língua Portuguesa, nos

Leia mais

Exames: Resumo Norma 2/Jne/ 2014

Exames: Resumo Norma 2/Jne/ 2014 Exames: Resumo Norma 2/Jne/ 2014 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO 4.2 Nas provas finais de Português e Matemática dos 1º e 2º ciclos do ensino básico as respostas são

Leia mais

Caderno 1: 30 minutos. Tolerância: 10 minutos. (é permitido o uso de calculadora)

Caderno 1: 30 minutos. Tolerância: 10 minutos. (é permitido o uso de calculadora) Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Prova 62/1.ª Fase/2014 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura do Aluno CC

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

ENSINO SECUNDÁRIO EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA JERÓNIMO EMILIANO DE ANDRADE DE ANGRA DO HEROÍSMO ENSINO SECUNDÁRIO EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO EXAMES NACIONAIS/ 2015

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO EXAMES NACIONAIS/ 2015 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO EXAMES NACIONAIS/ 2015 Reunião com Encarregados de Educação 28/05/2015 18,00 Horas Auditório Joaquim de Carvalho ENSINO SECUNDÁRIO Quais as disciplinas em que

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes REGULAMENTO DE RECUPERAÇÃO DE MÓDULOS EM ATRASO

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes REGULAMENTO DE RECUPERAÇÃO DE MÓDULOS EM ATRASO Página 1 de 9 Objeto, âmbito e destinatários 1. O presente regulamento estabelece o regime geral de realização das provas de recuperação a realizar em época extraordinária para conclusão de módulos em

Leia mais

EXAMES NACIONAIS 2014

EXAMES NACIONAIS 2014 Agrupamento de Escolas Murtosa EXAMES NACIONAIS 2014 Resumo da Norma 02/JNE/2014 NORMA 02/JNE/2014 4 - Material específico autorizado 4.1 Cada escola providenciará o material necessário para poder fornecer

Leia mais

Provas a Nível de Escola

Provas a Nível de Escola Provas a Nível de Escola PROVA FINAL DO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 52/1ª Fase/2014 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de CC identificação

Leia mais

MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE PET (Preliminary English Test for Schools): READING & WRITING E LISTENING PROVA DIA 06 DE MAIO DE 2015.

MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE PET (Preliminary English Test for Schools): READING & WRITING E LISTENING PROVA DIA 06 DE MAIO DE 2015. MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE PET (Preliminary English Test for Schools): READING & WRITING E LISTENING PROVA DIA 06 DE MAIO DE 2015 Introdução Deste resumo do manual constam os procedimentos e as instruções

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DA BOLSA DE MANUAIS ESCOLARES Preâmbulo O presente regulamento cumpre o estipulado nos artigos n.º 7.º, 7.º-A, 7.º-B e 13.º-A do Despacho n.º 11886-A/2012, de 6 de setembro (que altera o despacho n.º 18987/2009, de 17 de agosto, com

Leia mais

Caderno 1: 30 minutos. Tolerância: 10 minutos. (é permitido o uso de calculadora)

Caderno 1: 30 minutos. Tolerância: 10 minutos. (é permitido o uso de calculadora) Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Prova 62/1.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura do Aluno CC

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/40/2012. Regulamento da Biblioteca do Instituto Superior de Engenharia do porto

DESPACHO ISEP/P/40/2012. Regulamento da Biblioteca do Instituto Superior de Engenharia do porto DESPACHO DESPACHO ISEP/P/40/2012 Regulamento da Biblioteca do Instituto Superior de Engenharia do porto Considerando que: 1. As boas práticas de gestão impõem a existência de regras de organização claras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS DE SELEÇÃO E INGRESSO PAVE EDITAL 053/2015 04/10/2015 INSTRUÇÕES PARA O DIA DA PROVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS DE SELEÇÃO E INGRESSO PAVE EDITAL 053/2015 04/10/2015 INSTRUÇÕES PARA O DIA DA PROVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS DE SELEÇÃO E INGRESSO PAVE EDITAL 053/2015 04/10/2015 INSTRUÇÕES PARA O DIA DA PROVA ! UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS

Leia mais

Exames Nacionais do Ensino Secundário. http://agrcanelas.edu.pt/

Exames Nacionais do Ensino Secundário. http://agrcanelas.edu.pt/ 2015 Exames Nacionais do Ensino Secundário http://agrcanelas.edu.pt/ PARA EFEITOS DE ADMISSÃO A EXAME, OS CANDIDATOS CONSIDERAM-SE: ALUNOS INTERNOS ALUNOS AUTOPROPOSTOS EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO

Leia mais

Prova Final de Matemática. Caderno 1: 50 minutos. Tolerância: 20 minutos. 1.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 42/1.ª Fase.

Prova Final de Matemática. Caderno 1: 50 minutos. Tolerância: 20 minutos. 1.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 42/1.ª Fase. PROVA FINAL DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 42/1.ª Fase/2013 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI n.º

Leia mais

GUIÃO CLARIFICADOR DOS PROCEDIMENTOS A ADOTAR EM TODOS

GUIÃO CLARIFICADOR DOS PROCEDIMENTOS A ADOTAR EM TODOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE POIARES GUIÃO CLARIFICADOR DOS PROCEDIMENTOS A ADOTAR EM TODOS OS NÍVEIS DE ENSINO AO NÍVEL DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014/2015 Este guião indica alguns dos procedimentos

Leia mais

Concurso Externo, Contratação Inicial e Reserva de Recrutamento

Concurso Externo, Contratação Inicial e Reserva de Recrutamento MANUAL DE INSTRUÇÕES Reclamação da Candidatura Eletrónica Concurso Externo, Contratação Inicial e Reserva de Recrutamento Tipo de candidato Externo e LSVLD Nos termos do Aviso n.º 3597-K/2016, publicado

Leia mais

Perguntas e respostas sobre prova de conhecimentos gerais

Perguntas e respostas sobre prova de conhecimentos gerais e respostas sobre prova de conhecimentos gerais (Consurso centralizado de ingresso n. o 001-2012-AT-01) Os candidatos admitidos devem ler atentamente as Observações para os candidatos admitidos na página

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 28 de março de 2014

Reitoria. Universidade do Minho, 28 de março de 2014 Reitoria despacho RT-14/2014 Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 37.º e no n.º 2 do artigo 51.º dos Estatutos da Universidade do Minho, aprovados pelo Despacho Normativo n.º 61/2008, de 5 de dezembro

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO

ANEXO I REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO ANEXO I REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO Artigo 1.º Modalidades 1 São as seguintes as modalidades de avaliação: a) De diagnóstico; b) Modular. 2 A avaliação de diagnóstico é aplicada no início do ano letivo,

Leia mais

O boletim de jogo é preenchido em 4 vias, que, no fim do jogo, serão entregues: I. ANTES DO INÍCIO DO JOGO

O boletim de jogo é preenchido em 4 vias, que, no fim do jogo, serão entregues: I. ANTES DO INÍCIO DO JOGO INTRODUÇÃO O Boletim de Jogo é um documento oficial, cujo preenchimento é da responsabilidade do Marcador, de acordo com as regras e instruções que se apresentam de seguida. O marcador além de ter de saber

Leia mais

EXAMES NACIONAIS/PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

EXAMES NACIONAIS/PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EXAMES NACIONAIS/PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA RESUMO DAS INSTRUÇÕES () COM O ESSENCIAL PARA COMPLETA INFORMAÇÃO DOS INTERESSADOS (Corrigido em 15-05-2014) 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO 4.1 Relativamente

Leia mais

Excerto da Norma 02/JNE/2015 Instruções para a Realização, Reapreciação e Reclamação das Provas e Exames do Ensino Secundário

Excerto da Norma 02/JNE/2015 Instruções para a Realização, Reapreciação e Reclamação das Provas e Exames do Ensino Secundário Excerto da Norma 02/JNE/2015 Instruções para a Realização, Reapreciação e Reclamação das Provas e Exames do Ensino Secundário Excerto da NORMA 02/JNE/2015 Instruções para Realização Reapreciação Reclamação

Leia mais

ESCOLA COOPERATIVA VALE S. COSME. Provas Finais e Exames Nacionais INFORMAÇÕES ALUNOS

ESCOLA COOPERATIVA VALE S. COSME. Provas Finais e Exames Nacionais INFORMAÇÕES ALUNOS Provas Finais e Exames Nacionais INFORMAÇÕES ALUNOS (Extraídas da NORMA 2/JNE/2014 Instruções para a realização/classificação/reapreciação e Reclamação) Provas Finais e Exames Nacionais 2014 1 CAPÍTULO

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS. Decreto n.º 25/95 Acordo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América Relativo à Assistência Mútua entre os Respectivos Serviços Aduaneiros Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º

Leia mais

NORMA 02/JNE/2015 Instruções para Realização / Classificação / Reapreciação / Reclamação

NORMA 02/JNE/2015 Instruções para Realização / Classificação / Reapreciação / Reclamação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTREMOZ Escola Básica Sebastião da Gama NORMA 02/JNE/2015 Instruções para Realização / Classificação / Reapreciação / Reclamação Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino

Leia mais

Prova Final de Matemática. 3.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 92/1.ª Chamada. Duração da Prova: 90 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Final de Matemática. 3.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 92/1.ª Chamada. Duração da Prova: 90 minutos. Tolerância: 30 minutos. PROVA FINAL DO 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 92/1.ª Chamada/2012 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 835/2.ª Fase 13 Páginas Duração

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 CAPITULO I NATUREZA, FINS E OBJETIVOS A empresa de consultoria e assessoria de eventos PORMENOR MÁGICO, com sede em Guimarães juntamente com a empresa

Leia mais

Reitoria Coordenadoria de Relações Internacionais. Edital No. 004/2014 COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS/INGLÊS SEM FRONTEIRAS

Reitoria Coordenadoria de Relações Internacionais. Edital No. 004/2014 COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS/INGLÊS SEM FRONTEIRAS Edital No. 004/2014 COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS/INGLÊS SEM FRONTEIRAS A coordenadoria de Relações Internacionais da UENP torna pública a abertura de inscrições e demais procedimentos relativos

Leia mais

Edital do Processo Seletivo

Edital do Processo Seletivo Edital do Processo Seletivo EDITAL GERAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO SELETIVO DO PRÉ UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL 2016 A prefeitura municipal de São Mateus do Maranhão, por meio da secretaria

Leia mais

Guia de Apoio à Candidatura Online

Guia de Apoio à Candidatura Online Recomendações gerais: Consultar as Normas e as Perguntas Frequentes - FAQ disponíveis no sítio eletrónico http://rehabitarlisboa.cm-lisboa.pt, menu COMO FAZER / Programa O Bairro (com)vida ; Certificar-se

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES Aperfeiçoamento da Candidatura Eletrónica CONCURSO INTERNO E EXTERNO CONTRATAÇÃO INICIAL / RESERVA RECRUTAMENTO Ano Escolar 2015/2016 NOS TERMOS DO AVISO N.º 2505-B/2015, PUBLICADO

Leia mais

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal Capítulo I ASPECTOS GERAIS Artigo 1.º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece um conjunto de normas a serem observadas e cumpridas pelos

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR MÚLTIPLO - IESM - DO PROCESSO SELETIVO DE VESTIBULAR PARA INGRESSO 2016.1 EDITAL Nº. 02/2015

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR MÚLTIPLO - IESM - DO PROCESSO SELETIVO DE VESTIBULAR PARA INGRESSO 2016.1 EDITAL Nº. 02/2015 INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR MÚLTIPLO - IESM - DO PROCESSO SELETIVO DE VESTIBULAR PARA INGRESSO 2016.1 EDITAL Nº. 02/2015 A Faculdade IESM- Instituto de Ensino Superior Múltiplo, situada na Avenida Boa

Leia mais

PROJETO QUADRO DE HONRA STAPLES (2013/2014) TERMOS E CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO

PROJETO QUADRO DE HONRA STAPLES (2013/2014) TERMOS E CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO PROJETO QUADRO DE HONRA STAPLES (2013/2014) TERMOS E CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO 1. NATUREZA E ÂMBITO DO QUADRO DE HONRA STAPLES 1.1. O QUADRO DE HONRA STAPLES é uma iniciativa da Staples Portugal Equipamento

Leia mais

EDITAL 001/2016 REFERENTE AO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NA XI TURMA DO CURSO PRÉ-VESTIBULAR MUNICIPAL.

EDITAL 001/2016 REFERENTE AO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NA XI TURMA DO CURSO PRÉ-VESTIBULAR MUNICIPAL. M. SAMPAIO DOS SANTOS (INSTITUTO INTELECTUS) PRÉ- VESTIBULAR MUNICIPAL SÃO JOSÉ DE RIBAMAR EDITAL 001/2016 REFERENTE AO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NA XI TURMA DO CURSO PRÉ-VESTIBULAR MUNICIPAL. A

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CARLOS GARGATÉ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CARLOS GARGATÉ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CARLOS GARGATÉ Exmo. Sr. Encarregado de Educação Vimos, por este meio, informá-lo sobre algumas das normas das Provas Finais Nacionais de 6º e 9º ano de Português e Matemática e

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1. Objeto

REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1. Objeto REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1. Objeto O presente Regulamento estabelece o regime de eleição dos membros que integrarão

Leia mais

Edital de Seleção de Equipe para Aplicação de Provas do Vestibular

Edital de Seleção de Equipe para Aplicação de Provas do Vestibular O Grupo Educacional Unis, seleciona colaboradores para aplicação de provas presenciais aos(às) candidatos(as) do Vestibular 2016/2. 1 DAS VAGAS 1.1 As vagas de aplicadores serão estipuladas do dia 30/06/2016

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS

REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS PREÂMBULO O Projeto Pedagógico da União de Freguesias de Sacavém e Prior Velho foi elaborado ao abrigo da Legislação em vigor (Decreto-Lei 32/2011, de 07 de Março),

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito de aplicação

Artigo 1.º Âmbito de aplicação Resolução da Assembleia da República n.º 54/2004 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, da República Popular da China, Relativo ao Auxílio

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha 1 REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA Capítulo 1 Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Gouveia (C.M.G.) compreende o âmbito, funções

Leia mais

11 FÍSICO- QUÍMICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20

11 FÍSICO- QUÍMICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 informação-prova de equivalência à frequência data:. 0 5. 2 0 11 FÍSICO- QUÍMICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 1.O B J E T O D E A V A L I

Leia mais

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

Regras Práticas de Utilização dos Cartões Eletrónicos. Alunos

Regras Práticas de Utilização dos Cartões Eletrónicos. Alunos Regras Práticas de Utilização dos Cartões Eletrónicos Alunos No dia 2 de abril, entra em funcionamento na Escola Básica e Secundária de Salvaterra de Magos, um Sistema de Automação Escolar, adiante designado

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Certificado de Incapacidade Temporária para o Trabalho.

MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Certificado de Incapacidade Temporária para o Trabalho. Certificado de Incapacidade Temporária para o Trabalho Novo CIT GUIA DO UTILIZADOR 2014 Ficha Técnica Autor: - Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação

Leia mais

Agrupamento de Escolas Joaquim de Araújo. Resumo da Norma 2/JNE/2015

Agrupamento de Escolas Joaquim de Araújo. Resumo da Norma 2/JNE/2015 Agrupamento de Escolas Joaquim de Araújo Resumo da Norma 2/JNE/2015 Ensino Básico e Ensino Secundário (Informação para alunos e encarregados de educação) No presente resumo estão inseridos na íntegra os

Leia mais

EXAMES NACIONAIS DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO ANO DE 2013

EXAMES NACIONAIS DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO ANO DE 2013 EXAMES NACIONAIS DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO ANO DE 2013 RESUMO DA NORMA 02/JNE/2013 (Este resumo deve ser lido aos alunos em espaço aula, pelos diretores de turma e...devendo haver registo desta ação

Leia mais

NORMAS DE CONVIVÊNCIA

NORMAS DE CONVIVÊNCIA NORMAS DE CONVIVÊNCIA Prezado aluno, Através deste manual, que deve ser consultado sempre que necessário, você terá acesso a informações sobre a estrutura e funcionamento do colégio e sobre os procedimentos

Leia mais

COREME Comissão de Residência Médica

COREME Comissão de Residência Médica EDITAL Nº 001/2016 - COREME A Comissão de Residência Médica (COREME) do CESUMAR Centro Universitário de Maringá e Hospital Municipal de Maringá através de convênio com a Prefeitura Municipal de Maringá

Leia mais

Apenas o enunciado da prova será recolhido. As cotações dos itens de cada uma das partes encontram-se no final do respetivo caderno da prova.

Apenas o enunciado da prova será recolhido. As cotações dos itens de cada uma das partes encontram-se no final do respetivo caderno da prova. Provas a Nível de Escola PROVA FINAL DO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 52/1ª Fase/2014 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de CC identificação

Leia mais

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS MUNICÍPIO DE ODEMIRA. Concurso de Criação do Logótipo para a Freguesia de Boavista dos Pinheiros REGULAMENTO

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS MUNICÍPIO DE ODEMIRA. Concurso de Criação do Logótipo para a Freguesia de Boavista dos Pinheiros REGULAMENTO FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS MUNICÍPIO DE ODEMIRA Concurso de Criação do Logótipo para a Freguesia de Boavista dos Pinheiros REGULAMENTO Artigo 1.º Promotor 1. A Freguesia de Boavista dos Pinheiros

Leia mais

Provas do Ensino Básico 2015

Provas do Ensino Básico 2015 DGEste - Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEONARDO COIMBRA FILHO, PORTO Código 152213 Ano Letivo 2014/2015 Provas do Ensino Básico 2015 Instruções - Realização, Classificação,

Leia mais

Referencial GBC Brasil Casa MANUAL DO CANDIDATO: PROVA CONSULTOR GBC BRASIL CASA

Referencial GBC Brasil Casa MANUAL DO CANDIDATO: PROVA CONSULTOR GBC BRASIL CASA Referencial GBC Brasil Casa MANUAL DO CANDIDATO: PROVA CONSULTOR GBC BRASIL CASA Agosto de 2014 1 Green Building Council Brasil SUMÁRIO Inscrição para o exame... 3 Requisitos de qualificação... 3 Agendamento

Leia mais