Provas Finais de Ciclo do Ensino Básico 2013/2014. Atribuições Professores Vigilantes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Provas Finais de Ciclo do Ensino Básico 2013/2014. Atribuições Professores Vigilantes"

Transcrição

1 Provas Finais de Ciclo do Ensino Básico 2013/2014 Atribuições Professores Vigilantes ω O exercício de funções em vigilâncias é de aceitação obrigatória. A dispensa do serviço de exames, se devidamente justificada, é da competência do Diretor. ω A nomeação/ designação de professores para o serviço de exames e para a vigilância das provas não pode recair sobre familiares próximos dos alunos que prestam provas na mesma escola. ω Em cada sala estarão dois professores, escolhidos de entre os que não lecionam a disciplina sobre que incide a prova. ω A ordem de chamada para substituir algum professor é pela ordem constante do documento Distribuição de serviço. ω Os professores vigilantes substitutos permanecem na Sala de Professores, aguardando serem chamados. ω O professor vigilante só pode sair da sala em caso de força maior, sendo substituído por um professor suplente que permanece na sala de exame até ao fim da prova. O professor substituído deverá ir para a sala 12, junto do professor coadjuvante. ω Em cada uma das salas destinadas para a realização das provas finais de ciclo estará um tabuleiro contendo uma tesoura, as pautas de chamada, folhas de prova (3ºciclo), papel de rascunho (formato A4) fornecido pela escola devidamente carimbado e lenços de papel. ω Todos os envolvidos deverão estar na escola, nos dias das provas finais de ciclo, 35 minutos antes da hora prevista para o início da prova, tendo, impreterivelmente que assinar a folha de presenças, junto do secretariado, até esse momento. ω A normalidade e a qualidade do serviço da vigilância das provas nas salas de exame são fundamentais para a sua validação e para a garantia de tratamento equitativo dos alunos. ω Para a realização das provas de exame os alunos não podem levar para a sala quaisquer suportes escritos não autorizados (exemplo: livros, cadernos, folhas), nem quaisquer sistemas de comunicação móvel (computadores 1

2 portáteis, nem aparelhos de vídeo ou áudio, incluindo telemóveis, bips, etc.). Os telemóveis, devidamente desligados, serão depositados em sacos de valores, na sala 5, para o 2º e 3º ciclos, e na sala para o 1º ciclo. Os demais objetos não estritamente necessários para a realização da prova (mochilas, carteiras, estojos, etc.) também ficarão nessa sala. ω Qualquer telemóvel ou outro meio de comunicação móvel que seja detetado na posse de um examinando, quer esteja ligado ou desligado, determina a anulação da prova pela Diretora do estabelecimento de ensino. ω É igualmente proibida a utilização de quaisquer sistemas de comunicação móvel nas salas de exames por parte dos professores vigilantes, ficando à responsabilidade de cada um o cumprimento desta regra. ω Nas salas, durante a realização da prova, não é permitida a entrada de outras pessoas para além dos professores designados para a vigilância das provas, elementos da Direção, membros do Secretariado de exames ou o professor coadjuvante. ω Os Inspetores da Inspeção Geral da Educação e Ciência e da Inspeção Regional de Educação das Regiões Autónomas têm acesso livre e direto às salas de exame. ω As salas das provas devem permanecer com a porta aberta durante a sua realização. Convocatória dos alunos Antes da chamada dos alunos, os professores vigilantes devem registar no quadro a hora de início e de conclusão da prova, fazendo também referência ao período de tolerância. No caso das provas finais do 1º ciclo e da prova de Matemática do 2º e 3ºciclos, deve ser igualmente escrita no quadro a hora de início e de conclusão de cada uma das partes da prova, bem como os respetivos períodos de tolerância. ω Os alunos devem apresentar-se no estabelecimento de ensino 30 minutos antes da hora marcada para o início da prova. ω A chamada faz-se 15 minutos antes da hora marcada para o início da prova, pela ordem constante nas pautas de chamada. ω Em cada carteira dupla não irá estar mais do que um aluno. Conforme estipulado em reunião de Secretariado, a tomada dos lugares sentados, por parte dos alunos, deve iniciar-se pelo lado direito em relação à secretária do professor. ω A distribuição dos alunos deve respeitar sempre a ordem da pauta de chamada, deixando-se vagos os lugares correspondentes aos alunos que faltem. ω Na eventualidade de algum aluno se apresentar às provas sem constar da 2

3 pauta e a situação indiciar erro administrativo, deve ser sempre admitido à prestação da prova a título condicional, procedendo-se de imediato à clarificação da situação escolar do aluno. Identificação dos alunos ω Os alunos não podem prestar provas sem serem portadores do seu Cartão de Cidadão/ Bilhete de Identidade ou de documento que o substitua, desde que contenha fotografia. Ficou deliberado que será o cartão de estudante. O Cartão de Cidadão /Bilhete de Identidade ou o documento de substituição deve estar em condições que não suscitem quaisquer dúvidas na identificação do aluno. ω Os alunos nacionais ou estrangeiros que não disponham de Cartão de Cidadão / Bilhete de Identidade emitido pelas autoridades portuguesas podem, em sua substituição, apresentar ou título de residência ou passaporte ou documento de identificação utilizado no país de que são nacionais ou em que residem. Neste caso, devem ser igualmente portadores do documento emitido pela escola com o número interno de identificação que lhes foi atribuído pelo programa PFEB/ENEB. Atraso na comparência de alunos ω O atraso na comparência dos alunos às provas não pode ultrapassar 15 minutos após a hora do início da mesma, estabelecida no calendário geral de provas. ω A estes alunos não é concedido nenhum prolongamento especial, pelo que terminam a prova ao mesmo tempo dos restantes. A coordenadora do secretariado recolhe uma prova para o professor coadjuvante, logo após a abertura do saco de provas, e entrega-a ao professor coadjuvante em envelope fechado. Após os 15 minutos estabelecidos no ponto anterior, um dos professores responsáveis pela vigilância deve assinalar na pauta de chamada os alunos que não compareceram à prova. Um dos elementos do secretariado recolhe a pauta de chamada. 3

4 Distribuição das folhas de resposta ω Terminada a chamada e atribuídos os lugares, os professores responsáveis pela vigilância devem distribuir o papel de prova nas disciplinas em que houver lugar. Aos examinandos não é permitido escrever nas folhas de resposta antes da distribuição dos enunciados das provas, à exceção do preenchimento do respetivo cabeçalho. ω De seguida procede-se à leitura das instruções gerais e específicas emanadas do IAVE e advertência de que os alunos não podem escrever comentários e que não podem abandonar a sala. (estas instruções costumam vir em número suficiente para distribuir aos alunos) ω Nas provas finais de Português e de Matemática do 1º e 2.º ciclo as respostas são dadas no próprio enunciado, pelo que terão 5 minutos para preenchimento do cabeçalho. 4

5 Preenchimento do cabeçalho do papel de prova Nas provas do 1º e 2.º ciclos os alunos apenas têm de preencher na parte destacável: O seu nome completo, de forma legível e sem abreviaturas; O número do Cartão de Cidadão /Bilhete de Identidade e respetivo local de emissão; Assinatura, conforme Cartão de Cidadão /Bilhete de Identidade. Nas provas do 3.º ciclo, o aluno deve inscrever no cabeçalho: a) Na parte destacável: O seu nome completo, de forma legível e sem abreviaturas; O número do cartão de cidadão/bilhete de identidade e local de emissão, no caso de ser portador de bilhete de identidade; Assinatura, conforme o cartão de cidadão/bilhete de identidade; A designação e o código da prova que se encontra a realizar como, por exemplo, prova de Português (91) ou prova de Matemática (92); Ano de escolaridade, fase ou chamada. b) Na parte fixa: Novamente a designação e o código da prova que se encontra a realizar; O ano de escolaridade, fase ou chamada; No final da prova, o número de páginas utilizadas na sua realização. (Caso haja rasura no preenchimento do número de páginas, a alteração registada tem que ficar legível. Esta alteração deve também ser registada no reverso da parte destacável do cabeçalho sendo neste local apostas as assinaturas dos professores vigilantes e do aluno) Os alunos que não disponham de Cartão de Cidadão /Bilhete de Identidade devem registar, no local destinado ao número do Bilhete de Identidade, o número interno de identificação que lhes foi atribuído, indicando como local de emissão a referência número interno. Advertências aos alunos Os professores responsáveis pela vigilância devem proceder à leitura das instruções gerais e específicas emanadas pelo IAVE e das advertências. Provas de Equivalência à Frequência Os professores responsáveis pela vigilância das Provas de Equivalência à Frequência, após a chamada dos alunos, devem avisar os alunos de que: a) Não podem escrever o seu nome em qualquer outro local das folhas de resposta, para além do cabeçalho; b) Não podem também escrever comentários fora do contexto da prova, nem mesmo referir que a matéria não foi lecionada; 5

6 c) Só podem usar caneta/esferográfica de tinta azul ou preta indelével, sendo apenas permitido caneta/ esferográfica de tinta preta indelével nas provas finais do 1.º ciclo; d) Não podem utilizar fita ou tinta corretora para correção de qualquer resposta. Em caso de engano, devem riscar; e) A utilização do lápis só é permitida nas provas para as quais está expressamente previsto, devendo, mesmo nestas provas, ser utilizada caneta/esferográfica; f) Devem utilizar a língua portuguesa para responder às questões das provas e de exame. Excetuam-se, obviamente, as disciplinas de Língua Estrangeira; g) Só é permitido o uso de dicionários nas provas para as quais tal está expressamente previsto nas Informações Prova; h) Não podem abandonar a sala antes de terminado o tempo regulamentar da prova. Distribuição dos sacos de provas de exames pelas salas ω Após a distribuição dos alunos pelas salas, o secretariado de exames faz, em cada uma das salas de prova a entrega dos sacos com as provas aos professores responsáveis pela vigilância. ω O elemento do secretariado de exames que distribui os sacos pelas salas confirma, em conjunto com os dois professores vigilantes, o código da prova do saco com o código da prova constante na pauta da respetiva sala. Abertura dos sacos de provas ω Os sacos são abertos na hora de início da prova dentro das salas de prova pelos professores vigilantes e os enunciados distribuídos aos alunos à mesma hora em todo o estabelecimento de ensino. Esta distribuição nunca pode ser feita antes da hora marcada para o início da prova. ω No caso das provas finais do 1.º ciclo e das provas de Matemática dos 2.º e 3.º ciclos, os cadernos 1 e 2 devem ser distribuídos, respetivamente, no início da 1.ª parte e da 2ª parte da prova. ω Quando distribuem o enunciado da prova distribuem igualmente o papel de rascunho, que oportunamente é rubricado e datado por um dos professores vigilantes. O papel de rascunho não pode ser entregue aos alunos antes da distribuição dos enunciados. Número de exemplares e erratas ω Os professores vigilantes devem verificar, em momento oportuno após a distribuição dos enunciados, se o número de exemplares, inscrito no exterior do saco de enunciados corresponde ao número de provas existentes no seu interior, dando urgente conhecimento ao secretariado de exames caso seja detetada discrepância. 6

7 ω Os esclarecimentos ou erratas, caso existam, são distribuídos conjuntamente com os envelopes contendo os enunciados, para que sejam distribuídos aos alunos, se aplicável. O seu conteúdo deve ser lido de imediato aos alunos, sendo simultaneamente transcrito, na íntegra, no quadro. ω No caso de o IAVE reportar qualquer esclarecimento a ser divulgado pelo JNE, o secretariado de exames assegurará a sua pronta comunicação aos examinandos. A informação que constar desses esclarecimentos deve ser lida (pelo coadjuvante ou pelos vigilantes) e transcrita, na íntegra, no quadro. Duração da prova ω As provas têm a duração estabelecida nos quadros apresentados no Regulamento das Provas e dos Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário. ω A contagem do tempo de duração da prova inicia-se: a) Logo que concluída a distribuição dos enunciados aos alunos nas provas realizadas em folhas de provas de modelo da EMEC; b) Após a abertura dos sacos, decorridos 5 minutos para o preenchimento do cabeçalho, nas provas finais dos 1º e 2.º ciclos, tendo em conta que estas provas são realizadas no próprio enunciado. ω Os alunos que pretendam usufruir da tolerância só podem abandonar a sala no fim do tempo suplementar. Insuficiência de provas ω Verificando-se a insuficiência de provas prevista no ponto 8.3. da Norma 02/JNE/2014 os alunos permanecem na sala até à distribuição dos enunciados, altura a partir da qual se inicia a contagem do tempo de duração da prova. ω A permanência dos alunos na sala, aguardando a chegada do enunciado, não pode em caso algum ultrapassar o tempo regulamentar previsto para essa prova. ω Se não for possível resolver a situação no período de tempo definido no ponto anterior, a situação será comunicada ao JNE, que tomará a decisão considerada adequada. Verificações a realizar pelos professores vigilantes ω Durante a realização da prova, com o mínimo de perturbação para os alunos, os professores responsáveis pela vigilância devem percorrer os lugares e: a) Conferir a identidade do aluno face ao seu documento de identificação e verificar se o nome coincide com o da pauta de chamada; 7

8 b) Verificar o correto preenchimento dos elementos de identificação nos cabeçalhos das provas; c) Rubricar, ambos os vigilantes, as folhas de resposta no local reservado para o efeito, depois de preenchido o cabeçalho pelo aluno (ambos os cadernos, quando aplicável). d) Verificar se os alunos se encontram a utilizar lápis na resolução da prova, sendo que qualquer prova ou item de prova cuja resposta se encontre escrita a lápis, sem expressa indicação, não é classificada. Substituição das folhas de resposta ω As provas cujas respostas são dadas quer em folhas modelo da EMEC quer nos próprios enunciados não são substituídas, devendo, em caso de engano, os alunos riscar o que não interessa, sem prejuízo do referido no n.º da Norma 02/JNE/2014. ω Sempre que ocorra uma situação que possa eventualmente implicar a transcrição de alguma folha de prova, deve, de imediato, o caso ser comunicado ao responsável de agrupamento de exames que decide do procedimento a adotar, à exceção da transcrição prevista para os alunos com necessidades educativas especiais. Desistência de resolução da prova ω Em caso de desistência de resolução da prova não deve ser escrita pelo aluno qualquer declaração formal de desistência, nem no papel da prova nem noutro suporte qualquer. ω O aluno não pode abandonar a sala antes do fim do tempo regulamentar da prova. ω A prova é sempre enviada para classificação no agrupamento de exames, ainda que tenha só os cabeçalhos preenchidos, à exceção das provas classificadas a nível da escola. 8

9 Abandono não autorizado da sala ω Se, apesar de advertido em contrário, algum aluno abandonar a sala antes do fim do tempo regulamentar da prova, os professores responsáveis pela vigilância devem comunicar imediatamente o facto à Diretora. ω A Diretora toma as providências adequadas para impedir a divulgação da prova por parte dos alunos referidos no ponto anterior, nomeadamente não permitindo que estes levem consigo o enunciado, a folha de resposta e o papel de rascunho, assegurando que o aluno em nenhum caso volte a entrar na sala da prova. ω Nesta situação, a prova é anulada pela Diretora, ficando a prova anulada em arquivo na escola, para eventuais averiguações. Irregularidades ω A ocorrência de quaisquer situações anómalas durante a realização de qualquer prova deve ser comunicada de imediato à Diretora, a qual decide do procedimento a adotar, devendo ser posteriormente elaborado relatório da situação para comunicação ao JNE. ω A indicação no papel de prova de elementos suscetíveis de identificarem o examinando implica a anulação da prova pelo JNE. ω A utilização de expressões despropositadas ou desrespeitosas no papel da prova pode implicar a anulação da mesma por decisão do JNE. 9

10 Fraudes ω Aos professores vigilantes compete suspender imediatamente as provas dos examinandos e de eventuais cúmplices que no decurso da realização da prova cometam ou tentem cometer inequivocamente qualquer fraude, não podendo esses examinandos abandonar a sala até ao fim do tempo de duração da prova. ω Esta situação deve ser imediatamente comunicada à Diretora a quem compete a anulação da prova, quer se trate de prova final de ciclo, prova final a nível de escola ou provas de equivalência à frequência, mediante relatório devidamente fundamentado, ficando em arquivo na escola a prova anulada, bem como outros elementos de comprovação da fraude, para eventuais averiguações. ω A suspeita de fraude levantada em qualquer fase do processo de provas ou que venha a verificar-se posteriormente implica a suspensão da eventual eficácia dos documentos entretanto emitidos, após a elaboração de um relatório fundamentado em ordem à possível anulação da prova, na sequência das diligências consideradas necessárias. ω A anulação da prova, no caso a que se alude no número anterior, é da competência do Presidente do JNE, qualquer que seja a modalidade de prova. ω Os procedimentos anteriormente referidos são adotados sem prejuízo de ulterior procedimento criminal. Prestação de esclarecimentos ω Aos professores vigilantes são rigorosamente interditos quaisquer procedimentos que possam ajudar os alunos a resolver a prova. 10

11 Recolha das folhas de resposta No caso das provas finais do 1ºciclo, terminado o tempo de duração da prova, os professores vigilantes em cada sala adotam os seguintes procedimentos: a) No final da 1.ª parte recolhem o Caderno 1, mantendo-se os alunos no seu lugar; b) Procedem à sua conferência pela pauta de chamada; c) Verificam se alguma prova ou parte de prova se encontra indevidamente escrita a lápis; d) Autorizam a saída dos alunos para o intervalo; e) Organizam o Caderno 1 por ordem da pauta de chamada, ficando este dentro de envelope na sala de prova; f) Podem sair da sala durante o intervalo, devendo verificar se as janelas da sala se encontram fechadas e fechar a porta da sala à chave; g) No final da 2.ª parte da prova recolhem o Caderno 2, o qual deverá ser anexo ao respetivo caderno 1, enquanto os alunos se mantêm nos seus lugares; h) Verificam se alguma prova ou parte de prova se encontra indevidamente escrita a lápis; i) Autorizam finalmente a saída dos alunos, sem prejuízo do referido nos n.ºs 25.4 e da Norma 02/JNE/2014; j) Colocam as provas (Caderno 1 e Caderno 2) e restante documentação em envelopes, tendo em conta que a cada turma/pauta corresponde um envelope. No caso da prova final de Matemática dos 2.º e 3º ciclos, terminado o tempo de duração da prova, os professores vigilantes em cada sala adotam os seguintes procedimentos: a) No final da 1.ª parte recolhem apenas as máquinas calculadoras, mantendo-se os alunos no seu lugar; b) No final da 2.ª parte da prova, enquanto os alunos se mantêm nos seus lugares, recolhem o Caderno 1 e Caderno 2, no caso do 2ºciclo, os quais devem ficar juntos, e as folhas de provas no caso do 3ºciclo; c) Verificam se alguma prova ou parte de prova se encontra indevidamente escrita a lápis; d) Autorizam finalmente a saída dos alunos, sem prejuízo do referido nos n.ºs 25.4 e 25.5 ( * ) ; e) Colocam as provas (Caderno 1 e Caderno 2 ou folhas de prova) e restante documentação em envelopes, tendo em conta que a cada turma/pauta corresponde um envelope. Nas restantes provas, terminado o tempo de duração das provas, os professores vigilantes em cada sala adotam os seguintes procedimentos: a) Recolhem as folhas de resposta, mantendo-se os alunos nos seus lugares; b) Procedem à sua conferência pela pauta, confirmando o número de provas recolhidas com os alunos ainda nos seus lugares; c) Confirmam o número de páginas e de folhas de prova utilizadas e o número que foi indicado pelo aluno; d) Verificam se alguma prova ou parte de prova se encontra 11

12 indevidamente escrita a lápis; e) Autorizam finalmente a saída dos alunos, sem prejuízo do referido nos n.ºs 25.4 e ( * ). ( * ) No caso de os professores vigilantes detetarem alguma prova ou parte de prova indevidamente escrita a lápis deverão solicitar apoio ao secretariado de exames, que providencia a possibilidade de os alunos, logo a seguir ao termo da prova, poderem rescrever as respostas a caneta. Para o efeito referido acima os alunos em causa deverão permanecer na sala de prova após a saída de todos os restantes alunos e efetuar a reescrita a caneta na presença dos dois professores vigilantes e de um elemento do secretariado de exames, devendo ser assegurado que o aluno respeita integralmente o texto escrito por si a lápis durante a prova. ω As folhas de rascunho não são recolhidas, já que em caso algum podem ser objeto de classificação. ω Os alunos podem levar da sala as folhas de rascunho e o enunciado da prova, nos casos em que a prova não é realizada no respetivo enunciado. ω Os professores responsáveis pela vigilância entregam ao secretariado de exames as folhas de resposta, a pauta de chamada e os enunciados não utilizados, assinando, de novo a folha de presenças. (in Norma 02/JNE/2014 com adaptações resultantes de reunião do Secretariado de exames) 12

Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Escola Básica com JI de Ribamar. Provas e Exames do Ensino Básico 2013

Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Escola Básica com JI de Ribamar. Provas e Exames do Ensino Básico 2013 Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente Escola Básica com JI de Ribamar Provas e Exames do Ensino Básico 2013 Instruções para Professores Vigilantes e Coadjuvantes A função de

Leia mais

Provas Finais do Ensino Básico 1º Ciclo 4º Ano

Provas Finais do Ensino Básico 1º Ciclo 4º Ano Secretariado de Exames 2012/2013 Provas Finais do Ensino Básico 1º Ciclo 4º Ano http://www.dgidc.min edu.pt/jurinacionalexames/ www.gave.min edu.pt/np3/exames 1 Calendário de provas finais do 1º ciclo

Leia mais

REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS 2015 Professores Vigilantes

REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS 2015 Professores Vigilantes REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS 2015 Professores Vigilantes 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO 4.1 Relativamente às provas finais do 1.º ciclo: a) Português canetas ou esferográficas de tinta indelével preta

Leia mais

LOCAL DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS: Escola Básica da Gafanha da Nazaré NORMA 02/JNE/2015

LOCAL DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS: Escola Básica da Gafanha da Nazaré NORMA 02/JNE/2015 DGEstE - Direção de Serviços da Região Centro ATENÇÃO LOCAL DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS: Escola Básica da Gafanha da Nazaré NORMA 02/JNE/2015 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO, REAPRECIAÇÃO E RECLAMAÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO PROFESSOR ÓSCAR LOPES - MATOSINHOS. Provas finais de Ciclo do Ensino Básico 2014

AGRUPAMENTO PROFESSOR ÓSCAR LOPES - MATOSINHOS. Provas finais de Ciclo do Ensino Básico 2014 AGRUPAMENTO PROFESSOR ÓSCAR LOPES - MATOSINHOS Provas finais de Ciclo do Ensino Básico 2014 PROFESSOR VIGILANTE As seguintes instruções são um resumo da Norma 2/JNE/2014, não dispensando, porém a leitura

Leia mais

PROVAS FINAIS DO 2.º E 3.º CICLO EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ES

PROVAS FINAIS DO 2.º E 3.º CICLO EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ES PROVAS FINAIS DO 2.º E 3.º CICLO EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ES NORMA 01/JNE/2013 NORMA 02/JNE/2013 Reunião com aplicadores, 13 de Junho de 2013 1 RESUMO DA NORMA 02/JNE/2013 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO,

Leia mais

PROVAS FINAIS 2015 Ensino Básico Norma 02/EB/2015

PROVAS FINAIS 2015 Ensino Básico Norma 02/EB/2015 PROVAS FINAIS 2015 Ensino Básico Norma 02/EB/2015 Resumo das instruções 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO Relativamente às provas finais do 1.º ciclo, cada escola deve providenciar material para fornecer

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos do Estreito de Câmara de Lobos N.º do Código do Estabelecimento de Ensino 3102-202 Nº de Telefone: 291945614/15

Leia mais

Secretariado de exames. Normas para os Professores Vigilantes

Secretariado de exames. Normas para os Professores Vigilantes Secretariado de exames Normas para os Professores Vigilantes Nota: Nos termos do ponto 5.1 da norma 02/JNE/2013, o serviço de exames, nomeadamente, o exercício de funções no secretariado de exames, vigilância,

Leia mais

Prova/código Fase/chamada Dia Hora Língua Portuguesa / 22 1ª / 1ª 20. 06. 11 09.00 Matemática / 23 1ª / 1ª 22. 06. 11 09.00

Prova/código Fase/chamada Dia Hora Língua Portuguesa / 22 1ª / 1ª 20. 06. 11 09.00 Matemática / 23 1ª / 1ª 22. 06. 11 09.00 Escola Básica 2º e 3º ciclos D. Luís Mendonça Furtado Ano lectivo 2010/11 EXAMES NACIONAIS DE 3º CICLO Língua Portuguesa e Matemática Súmula da Norma 02/EB/11 Este documento não dispensa a leitura integral

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d a G u i a

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d a G u i a PROVAS DO ENSINO BÁSICO E EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO O professor vigilante deve comparecer junto do Secretariado de Exames (Bloco A) 30 minutos antes do início da prova de exame. ATENÇÃO: Não há tolerância!

Leia mais

Norma 02/2015 Provas Finais 4º e 6º anos

Norma 02/2015 Provas Finais 4º e 6º anos Norma 02/2015 Provas Finais 4º e 6º anos Todas estas instruções têm de ser lidas e esclarecidas pelo diretor de turma ou professor titular de turma, na sala de aula, antes do final do 3.º período, devendo

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DOS EXAMES NACIONAIS 2012 ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DOS EXAMES NACIONAIS 2012 ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DOS EXAMES NACIONAIS 2012 ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 4. Material específico autorizado 4.1. As folhas de prova a utilizar na prova final do 3.º ciclo de Língua Portuguesa, nos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo. Reunião de preparação para Provas e Exames 2015 - AEVA

Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo. Reunião de preparação para Provas e Exames 2015 - AEVA Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo As informações constantes desta apresentação de preparação para exames e provas finais não dispensa a leitura integral das Normas 01 e 02/JNE/2015, bem como outra

Leia mais

Instruções Gerais para Provas Finais/Provas de Equivalência à Frequência - Ensino Básico 2014

Instruções Gerais para Provas Finais/Provas de Equivalência à Frequência - Ensino Básico 2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE V. N. DE POIARES Contribuinte nº.600074994 SEDE: Escola E.B. 2,3/S Dr. Daniel de Matos Telefone 239 429 410 / 411 - Fax 239 422 602 Apartado 31. 3350-909 Vila Nova de Poiares

Leia mais

Provas Finais de Português e Matemática (6º e 9ºanos) (Informação Alunos) Resumo Norma 02/JNE/2014

Provas Finais de Português e Matemática (6º e 9ºanos) (Informação Alunos) Resumo Norma 02/JNE/2014 Provas Finais de Português e Matemática (6º e 9ºanos) (Informação Alunos) Resumo Norma 02/JNE/2014 6ºano Material autorizado 9ºano Port e Mat- Canetas ou esferográficas de tinta indelével preta ou azul.

Leia mais

PROVAS FINAIS DE CICLO 2014 - ENSINO BÁSICO Resumo da Norma 02/JNE/2014 - ALUNOS. Capítulo I REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS DE CICLO 9º Ano

PROVAS FINAIS DE CICLO 2014 - ENSINO BÁSICO Resumo da Norma 02/JNE/2014 - ALUNOS. Capítulo I REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS DE CICLO 9º Ano Agrupamento Vertical de Escolas D. Dinis Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos D. Dinis Quarteira PROVAS FINAIS DE CICLO 2014 - ENSINO BÁSICO Resumo da Norma 02/JNE/2014 - ALUNOS Capítulo I REALIZAÇÃO DAS PROVAS

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRI O (11º e 12º ano)

ENSINO SECUNDÁRI O (11º e 12º ano) Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas ENSINO SECUNDÁRI O (11º e 12º ano) 2014 NORMAS GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS/PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA OS VIGILANTES DE ACORDO COM A NORMA 2/JNE/2015

INSTRUÇÕES PARA OS VIGILANTES DE ACORDO COM A NORMA 2/JNE/2015 1/13 INSTRUÇÕES PARA OS VIGILANTES DE ACORDO COM A NORMA 2/JNE/2015 6.3 Na distribuição dos alunos dentro das salas de prova, deve acautelar se a conveniente distância entre eles. Esta distribuição deve

Leia mais

EXAMES / PROVAS NACIONAIS 2º e 3º Ciclo

EXAMES / PROVAS NACIONAIS 2º e 3º Ciclo Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 170100 Escola Básica 2,3 de Pegões 345192 EXAMES / PROVAS NACIONAIS 2º e 3º Ciclo 2013/2014 INFORMAÇÃO AOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO E ALUNOS ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PROVAS/EXAMES FINAIS 3º ciclo E. Básico e E. Secundário ATRIBUIÇÕES DOS PROFESSORES VIGILANTES

PROVAS/EXAMES FINAIS 3º ciclo E. Básico e E. Secundário ATRIBUIÇÕES DOS PROFESSORES VIGILANTES PROVAS/EXAMES FINAIS 3º ciclo E. Básico e E. Secundário ATRIBUIÇÕES DOS PROFESSORES VIGILANTES MUITO IMPORTANTE: A função de vigilante de provas e exames é uma das mais importantes e de maior responsabilidade

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 170100 Escola Básica 2,3 de Pegões 345192 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 170100 Escola Básica 2,3 de Pegões 345192 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 170100 Escola Básica 2,3 de Pegões 345192 2014/2015 INFORMAÇÃO AOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO E ALUNOS ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Provas Finais de Ciclo Provas de Equivalência à Frequência

Provas Finais de Ciclo Provas de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de Arronches 135197 EB 2, 3 Nª Srª da Luz 330437 Provas Finais de Ciclo Provas de Equivalência à Frequência Informação para docentes vigilantes e coadjuvantes 2015 Despacho nº 8651/2014

Leia mais

NORMAS PARA PROFESSORES VIGILANTES/ SUPLENTES/COADJUVANTES

NORMAS PARA PROFESSORES VIGILANTES/ SUPLENTES/COADJUVANTES ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE Norma para professores vigilantes / suplentes / coadjuvantes 2013 NORMAS PARA PROFESSORES VIGILANTES/ SUPLENTES/COADJUVANTES Os Professores designados para assegurarem o serviço

Leia mais

E X A M E S N A C I O N A I S

E X A M E S N A C I O N A I S Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo AGRUPAMENTO VERTICAL GENERAL HUMBERTO DELGADO - 170276 E X A M E S N A C I O N A I S I n f o r m a ç ã o a o s p r o f e s s o r e s V I G I L A N

Leia mais

Exames Nacionais 2013

Exames Nacionais 2013 Exames Nacionais 2013 Normas para Exames do Ensino Básico e Secundário - VIGILANTES E COADJUVANTES Estas normas são válidas para: Todas as fases e chamadas dos exames nacionais do Ensino Secundário e do

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE PROVAS E EXAMES

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE PROVAS E EXAMES 3º CICLO e ENSINO SECUNDÁRIO INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE PROVAS E EXAMES INFORMAÇÃO - ALUNOS JNE/EXAMES NACIONAIS/2015 NORMA 02/JNE/2015 1. ESCOLAS DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS E EXAMES 1.3. As escolas onde

Leia mais

de ensino (modelo oficial).

de ensino (modelo oficial). INFORMAÇÕES SOBRE AS PROVAS FINAIS DO 3º CICLO Todas as instruções constantes desta Informação têm de ser lidas e esclarecidas pelo diretor de turma, na sala de aula, até à semana anterior à realização

Leia mais

EXAMES NACIONAIS 2011 Ensino Básico

EXAMES NACIONAIS 2011 Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA Escola Básica Serra da Gardunha Fundão EXAMES NACIONAIS 2011 Ensino Básico Atribuições dos professores vigilantes e coadjuvantes - Nos termos do nº20, do Regulamento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO EXAMES NACIONAIS/ 2015

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO EXAMES NACIONAIS/ 2015 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO EXAMES NACIONAIS/ 2015 Reunião com Encarregados de Educação 28/05/2015 18,00 Horas Auditório Joaquim de Carvalho ENSINO SECUNDÁRIO Quais as disciplinas em que

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

ENSINO SECUNDÁRIO EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA JERÓNIMO EMILIANO DE ANDRADE DE ANGRA DO HEROÍSMO ENSINO SECUNDÁRIO EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA

Leia mais

Instruções para os alunos

Instruções para os alunos Instruções para os alunos Resumo da norma 02/JNE/2015 e do Despacho Normativo n.º 6A/2015 de 5 de março Parte I - Instruções para a realização das provas Ensino Básico e Secundário Capítulo I Realização

Leia mais

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO INFORMAÇÕES PARA ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO I - FIM DAS ATIVIDADES ESCOLARES As atividades escolares dos alunos do 11º e 12º

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes REGULAMENTO DE RECUPERAÇÃO DE MÓDULOS EM ATRASO

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes REGULAMENTO DE RECUPERAÇÃO DE MÓDULOS EM ATRASO Página 1 de 9 Objeto, âmbito e destinatários 1. O presente regulamento estabelece o regime geral de realização das provas de recuperação a realizar em época extraordinária para conclusão de módulos em

Leia mais

EXAMES NACIONAIS DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO ANO DE 2013

EXAMES NACIONAIS DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO ANO DE 2013 EXAMES NACIONAIS DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO ANO DE 2013 RESUMO DA NORMA 02/JNE/2013 (Este resumo deve ser lido aos alunos em espaço aula, pelos diretores de turma e...devendo haver registo desta ação

Leia mais

Exames nacionais E N S I N O S E C U N D Á R I O

Exames nacionais E N S I N O S E C U N D Á R I O Exames nacionais E N S I N O S E C U N D Á R I O Afixação dos resultados da avaliação Afixação das pautas de avaliação final do 3.º período: 9 de junho Entrega de avaliações pelos diretores de turma: 9

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Valongo

Agrupamento de Escolas de Valongo Agrupamento de Escolas de Valongo Reunião 29 de abril de 2013 Professores Vigilantes Provas Finais 1.º ciclo 2013 Calendarização Calendarização Português Matemática 07 maio 9h30 10 maio 9h30 8h40 Os professores

Leia mais

Exames: Resumo Norma 2/Jne/ 2014

Exames: Resumo Norma 2/Jne/ 2014 Exames: Resumo Norma 2/Jne/ 2014 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO 4.2 Nas provas finais de Português e Matemática dos 1º e 2º ciclos do ensino básico as respostas são

Leia mais

EXAMES NACIONAIS ANO LECTIVO 2010/11 VIGILÂNCIA DE EXAMES

EXAMES NACIONAIS ANO LECTIVO 2010/11 VIGILÂNCIA DE EXAMES EXAMES NACIONAIS ANO LECTIVO 2010/11 VIGILÂNCIA DE EXAMES Anexo 2 1 SERVIÇO DE VIGILÂNCIA DE EXAMES ANO LECTIVO 2010/11 ESTE DOCUMENTO DEVE SER LIDO ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES DEVEM SER ESCRUPULOSAMENTE

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDOME PROVAS FINAIS DE CICLO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDOME PROVAS FINAIS DE CICLO ENSINO BÁSICO PROVAS FINAIS DE CICLO ENSINO BÁSICO Provas Finais do 1. Ciclo 1. As provas finais do 1. ciclo realizam-se no 4. ano de escolaridade, em duas fases com uma única chamada, sendo a 1.ª fase em maio e obrigatória

Leia mais

1 º, 2 º E 3 º C I C L O

1 º, 2 º E 3 º C I C L O PROVAS DE FINAL DE CICLO 2013 2014 1 º, 2 º E 3 º C I C L O P R O F E S S O R E S A P L I C A D O R E S 1 2 D E M A I O D E 2 0 1 4 2 E N Q U A D R A M E N T O L E G A L Antes do início do período da aplicação

Leia mais

NORMA 02/JNE/2015 Instruções para Realização / Classificação / Reapreciação / Reclamação

NORMA 02/JNE/2015 Instruções para Realização / Classificação / Reapreciação / Reclamação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTREMOZ Escola Básica Sebastião da Gama NORMA 02/JNE/2015 Instruções para Realização / Classificação / Reapreciação / Reclamação Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino

Leia mais

REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS DO 1ºCICLO

REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS DO 1ºCICLO REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS DO 1ºCICLO Material específico autorizado 2014 Português Caneta ou esferográfica de tinta azul ou preta. Matemática Caneta ou esferográfica de tinta azul ou preta, lápis, borracha,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CARLOS GARGATÉ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CARLOS GARGATÉ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CARLOS GARGATÉ Exmo. Sr. Encarregado de Educação Vimos, por este meio, informá-lo sobre algumas das normas das Provas Finais Nacionais de 6º e 9º ano de Português e Matemática e

Leia mais

Excerto da Norma 02/JNE/2015 Instruções para a Realização, Reapreciação e Reclamação das Provas e Exames do Ensino Secundário

Excerto da Norma 02/JNE/2015 Instruções para a Realização, Reapreciação e Reclamação das Provas e Exames do Ensino Secundário Excerto da Norma 02/JNE/2015 Instruções para a Realização, Reapreciação e Reclamação das Provas e Exames do Ensino Secundário Excerto da NORMA 02/JNE/2015 Instruções para Realização Reapreciação Reclamação

Leia mais

Escola Secundária Emídio Navarro

Escola Secundária Emídio Navarro Escola Secundária Emídio Navarro INFORMAÇÃO AOS ALUNOS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Prova Final do 3º ciclo de Português, Matemática e PLNM, Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário, Provas de Equivalência

Leia mais

RESUMO DA NORMA 02/JNE/2015

RESUMO DA NORMA 02/JNE/2015 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO RESUMO DA NORMA 02/JNE/2015 4.3. As folhas de prova a utilizar nos exames finais nacionais do ensino secundário, nos exames a nível de escola e nas provas de equivalência

Leia mais

EXAMES NACIONAIS/PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

EXAMES NACIONAIS/PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EXAMES NACIONAIS/PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA RESUMO DAS INSTRUÇÕES () COM O ESSENCIAL PARA COMPLETA INFORMAÇÃO DOS INTERESSADOS (Corrigido em 15-05-2014) 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO 4.1 Relativamente

Leia mais

PROVAS FINAIS DE CICLO E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO - 2014

PROVAS FINAIS DE CICLO E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO - 2014 PROVAS FINAIS DE CICLO E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO - 2014 RESUMO DA NORMA 02 / JNE / 2014 (Transcrição dos pontos 4, 9, 10, 11, 12, 13, 18, 19, 20, 21, 22, 23 desta norma, bem

Leia mais

Provas Finais do Ensino Básico e Exames Finais do Ensino Secundário

Provas Finais do Ensino Básico e Exames Finais do Ensino Secundário Provas Finais do Ensino Básico e Exames Finais do Ensino Secundário RESUMO DA NORMA 02/JNE/2015 INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO, REAPRECIAÇÃO E RECLAMAÇÃO DAS PROVAS Nesse resumo devem ser inseridos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO CASTÊLO DA MAIA INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DOS EXAMES /2008 INFORMACÕES AOS VIGILANTES

ESCOLA SECUNDÁRIA DO CASTÊLO DA MAIA INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DOS EXAMES /2008 INFORMACÕES AOS VIGILANTES 1. Material autorizado ESCOLA SECUNDÁRIA DO CASTÊLO DA MAIA INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DOS EXAMES /2008 INFORMACÕES AOS VIGILANTES 1.1 As folhas de prova a utilizar nos exames nacionais do ensino secundário

Leia mais

4.8 - As Informações Prova/Exame devem ser afixadas, com a devida antecedência, para conhecimento dos alunos e encarregados de educação.

4.8 - As Informações Prova/Exame devem ser afixadas, com a devida antecedência, para conhecimento dos alunos e encarregados de educação. INFORMAÇÃO AOS ALUNOS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário, Provas de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário, Exame Nacional a Nível de Escola De acordo com os

Leia mais

Escola Básica e Secundária Vale do Tamel. EXAMES DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Informações aos alunos (Resumo da Norma 02/2015) 3º CICLO e Secundário

Escola Básica e Secundária Vale do Tamel. EXAMES DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Informações aos alunos (Resumo da Norma 02/2015) 3º CICLO e Secundário Escola Básica e Secundária Vale do Tamel EXAMES DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Informações aos alunos (Resumo da Norma 02/2015) 3º CICLO e Secundário NORMAS GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS E

Leia mais

Agrupamento de Escolas Joaquim de Araújo. Resumo da Norma 2/JNE/2015

Agrupamento de Escolas Joaquim de Araújo. Resumo da Norma 2/JNE/2015 Agrupamento de Escolas Joaquim de Araújo Resumo da Norma 2/JNE/2015 Ensino Básico e Ensino Secundário (Informação para alunos e encarregados de educação) No presente resumo estão inseridos na íntegra os

Leia mais

EXAMES NACIONAIS 2014

EXAMES NACIONAIS 2014 Agrupamento de Escolas Murtosa EXAMES NACIONAIS 2014 Resumo da Norma 02/JNE/2014 NORMA 02/JNE/2014 4 - Material específico autorizado 4.1 Cada escola providenciará o material necessário para poder fornecer

Leia mais

Norma 02. Júri Nacional de exames/2015. Extrato da Norma 02/JNE/2015 Instruções para Realização Classificação Reapreciação Reclamação

Norma 02. Júri Nacional de exames/2015. Extrato da Norma 02/JNE/2015 Instruções para Realização Classificação Reapreciação Reclamação Norma 02 Júri Nacional de exames/2015 Extrato da Norma 02/JNE/2015 Instruções para Realização Classificação Reapreciação Reclamação CAPÍTULO I REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS DE CICLO E DOS EXAMES FINAIS

Leia mais

4. Material específico autorizado

4. Material específico autorizado Norma 2 EXAMES NACIONAIS 2012_ALUNOS 4. Material específico autorizado 4.1. As folhas de prova a utilizar na prova final do 3.º ciclo de Língua Portuguesa, nos exames finais nacionais do ensino secundário,

Leia mais

ESCOLA COOPERATIVA VALE S. COSME. Provas Finais e Exames Nacionais INFORMAÇÕES ALUNOS

ESCOLA COOPERATIVA VALE S. COSME. Provas Finais e Exames Nacionais INFORMAÇÕES ALUNOS Provas Finais e Exames Nacionais INFORMAÇÕES ALUNOS (Extraídas da NORMA 2/JNE/2014 Instruções para a realização/classificação/reapreciação e Reclamação) Provas Finais e Exames Nacionais 2014 1 CAPÍTULO

Leia mais

Provas e Exames do Ensino Básico (3º ciclo) e do Ensino Secundário

Provas e Exames do Ensino Básico (3º ciclo) e do Ensino Secundário Instruções para Realização, classificação, Reapreciação e reclamação das: Provas e Exames do Ensino Básico (3º ciclo) e do Ensino Secundário (Extraídas da NORMA 02/JNE/2015) EXAMES 2015 1 DATA E HORÁRIO

Leia mais

EXAMES NACIONAIS. 6º,9º, 11º e 12º ANOS. Alunos e Enc. Educação 2013/2014

EXAMES NACIONAIS. 6º,9º, 11º e 12º ANOS. Alunos e Enc. Educação 2013/2014 EXAMES NACIONAIS 6º,9º, 11º e 12º ANOS Alunos e Enc. Educação 2013/2014 Pág. 1/22 EVM-EDU 112/01 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO 4.1 Relativamente às provas finais do 1.º ciclo, cada escola deve providenciar

Leia mais

Provas do Ensino Básico 2015

Provas do Ensino Básico 2015 DGEste - Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEONARDO COIMBRA FILHO, PORTO Código 152213 Ano Letivo 2014/2015 Provas do Ensino Básico 2015 Instruções - Realização, Classificação,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO. Resumo para alunos e encarregados de educação

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO. Resumo para alunos e encarregados de educação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO Resumo para alunos e encarregados de educação 1 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO 4.1 Relativamente às provas finais do 1º ciclo, Cada escola deve providenciar material

Leia mais

MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE PET (Preliminary English Test for Schools): READING & WRITING E LISTENING PROVA DIA 06 DE MAIO DE 2015.

MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE PET (Preliminary English Test for Schools): READING & WRITING E LISTENING PROVA DIA 06 DE MAIO DE 2015. MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE PET (Preliminary English Test for Schools): READING & WRITING E LISTENING PROVA DIA 06 DE MAIO DE 2015 Introdução Deste resumo do manual constam os procedimentos e as instruções

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia da Amadora. Escola Luís Madureira. Resumo da Norma 02/JNE/2015

Santa Casa da Misericórdia da Amadora. Escola Luís Madureira. Resumo da Norma 02/JNE/2015 Santa Casa da Misericórdia da Amadora Escola Luís Madureira Resumo da Norma 02/JNE/2015 Maio 2015 Resumo da Norma 02/JNE/2015 Instruções para Realização Classificação Reapreciação Reclamação Provas e Exames

Leia mais

PROVAS E EXAMES DO ENSINO BÁSICO E DO ENSINO SECUNDÁRIO 2014

PROVAS E EXAMES DO ENSINO BÁSICO E DO ENSINO SECUNDÁRIO 2014 PROVAS E EXAMES DO ENSINO BÁSICO E DO ENSINO SECUNDÁRIO 2014 1/34 OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO O Júri Nacional de Exames, doravante designado por JNE, é, no uso das competências definidas no Anexo I do

Leia mais

Provas e Exames Nacionais do Ensino Básico e Secundário. Resumo da Norma 02/JNE/2014

Provas e Exames Nacionais do Ensino Básico e Secundário. Resumo da Norma 02/JNE/2014 Provas e Exames Nacionais do Ensino Básico e Secundário Resumo da Norma 02/JNE/2014 INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO-CLASSIFICAÇÃO- REAPRECIAÇÃO-RECLAMAÇÃO 1 1. ESCOLAS DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS E EXAMES 1.1.

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO, REAPRECIAÇÃO E RECLAMAÇÃO DAS PROVAS DOS EXAMES NACIONAIS (EXTRACTO DA NORMA Nº 2/ES/2010 DO JNE)

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO, REAPRECIAÇÃO E RECLAMAÇÃO DAS PROVAS DOS EXAMES NACIONAIS (EXTRACTO DA NORMA Nº 2/ES/2010 DO JNE) INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO, REAPRECIAÇÃO E RECLAMAÇÃO DAS PROVAS DOS EXAMES NACIONAIS (EXTRACTO DA NORMA Nº 2/ES/2010 DO JNE) 4. Material específico autorizado 4.1. As folhas de prova a

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Santo André, Santiago do Cacém

Agrupamento de Escolas de Santo André, Santiago do Cacém Agrupamento de Escolas de Santo André, Santiago do Cacém INFORMAÇÃO PARA ENC.DE EDUCAÇÃO E ALUNOS EXAMES - 2015 (Este resumo inclui informação sobre os pontos 4, 9, 10, 11, 12, 13, 18, 19, 20, 21, 22 e

Leia mais

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade úri Nacional de Exames Certificar com Equidade Relatório 2011 AVALIAÇÃO EXTERNA NORMA 02/JNE/2012 DA APRENDIZAGEM Instruções Exames - Realização, Nacionais classificação, reapreciação e Provas de e reclamação

Leia mais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS FINAIS DO ENSINO BÁSICO (3º CICLO) 2014 QUAL O OBJETIVO E A QUEM SE DESTINAM AS PROVAS FINAIS? As provas finais de Língua Portuguesa e Matemática do 9º ano

Leia mais

Exames Nacionais do Ensino Secundário. http://agrcanelas.edu.pt/

Exames Nacionais do Ensino Secundário. http://agrcanelas.edu.pt/ 2015 Exames Nacionais do Ensino Secundário http://agrcanelas.edu.pt/ PARA EFEITOS DE ADMISSÃO A EXAME, OS CANDIDATOS CONSIDERAM-SE: ALUNOS INTERNOS ALUNOS AUTOPROPOSTOS EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO

Leia mais

PROVAS FINAIS / EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

PROVAS FINAIS / EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVAS FINAIS / EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA *Despacho nº 8651/2014, de 3 de julho, com as alterações introduzidas pelo Despacho nº 12236/2014, de 3 de outubro *Despacho normativo

Leia mais

Escola Secundária Filipa de Vilhena 2013/2014

Escola Secundária Filipa de Vilhena 2013/2014 Escola Secundária Filipa de Vilhena 2013/2014 Documentos reguladores Decretos-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho; (Princípios orientadores da organização, da gestão e do desenvolvimento dos currículos dos

Leia mais

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade úri Nacional de Exames Certificar com Equidade Relatório 2011 AVALIAÇÃO EXTERNA NORMA 02/JNE/2012 DA APRENDIZAGEM Instruções Exames - Realização, Nacionais classificação, reapreciação e Provas de e reclamação

Leia mais

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade úri Nacional de Exames Certificar com Equidade NORMA 01/JNE/2014 NORMA 02/JNE/2014 Instruções para a inscrição Instruções Provas para Realização Finais de Classificação Ciclo Exames Reapreciação Nacionais

Leia mais

NORMA 02/JNE/2014 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação

NORMA 02/JNE/2014 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação NORMA 02/JNE/2014 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação 1 FICHA TÉCNICA Título: NORMA 02/JNE/2015 Instruções para Realização Classificação Reapreciação Reclamação: Provas e Exames

Leia mais

NORMA 02/JNE/2014 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação

NORMA 02/JNE/2014 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação NORMA 02/JNE/2014 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação 1 FICHA TÉCNICA Título: NORMA 02/JNE/2015 Instruções para Realização Classificação Reapreciação Reclamação: Provas e Exames

Leia mais

Normas para os alunos

Normas para os alunos Normas para os alunos Material necessário PORTUGUÊS Canetas ou esferográficas de tinta indelével preta. 1.º Ciclo MATEMÁTICA Canetas e esferográficas de tinta indelével preta, lápis, borrachas, apara-lápis,

Leia mais

Cambridge English for Schools PORTUGAL 2015. Deve ser consultado o Manual de Aplicação do Teste disponível na página do IAVE no seguinte endereço:

Cambridge English for Schools PORTUGAL 2015. Deve ser consultado o Manual de Aplicação do Teste disponível na página do IAVE no seguinte endereço: INFORMAÇÃO AOS ALUNOS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Preliminary English Test (PET) Cambridge English for Schools PORTUGAL 2015 O Cambridge English for Schools PORTUGAL é um projeto que tem como principal

Leia mais

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 REGULAMENTO DAS PROVAS DE ADMISSÃO AO INSTITUTO SUPERIOR DE PAÇOS DE BRANDÃO ISPAB PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS NÃO TITULARES DE HABILITAÇÃO

Leia mais

NORMA 02/JNE/2013 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação 2

NORMA 02/JNE/2013 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação 2 NORMA 02/JNE/2013 Instruções - Realização, classificação, reapreciação e reclamação Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário 1 NORMA 02/JNE/2012 Instruções Realização, classificação, reapreciação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE INSCRIÇÃO

PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE INSCRIÇÃO PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE INSCRIÇÃO O boletim de inscrição deve ser preenchido com esferográfica, azul ou preta, não conter rasuras e devem ser tidas em consideração as seguintes indicações: 1.1. Nome

Leia mais

1 - DAS INSCRIÇÕES. 1.4 Portadores de necessidades especiais:

1 - DAS INSCRIÇÕES. 1.4 Portadores de necessidades especiais: 1 - DAS INSCRIÇÕES Cursos de Arquitetura e Urbanismo noturno, Administração noturno, Administração vespertino, Biomedicina noturno, Ciências Biológicas Bacharelado noturno, Ciências Biológicas Licenciatura

Leia mais

Escolas João de Araújo Correia

Escolas João de Araújo Correia EXAMES-DÚVIDAS MAIS FREQUENTES E RESUMO DA NORMA 2/JNE/2014 INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO REAPRECIAÇÃO RECLAMAÇÃO PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA E EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO

Leia mais

NORMA 02/JNE/2015 (Madeira)

NORMA 02/JNE/2015 (Madeira) NORMA 02/JNE/2015 (Madeira) Instruções para Realização Classificação Reapreciação Reclamação Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário VERSÃO para a Região Autónoma da Madeira 1 NORMA 02/JNE/2014

Leia mais

Exames Nacionais 2009 Ensino Secundário INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO, REAPRECIAÇÃO E RECLAMAÇÃO DAS PROVAS

Exames Nacionais 2009 Ensino Secundário INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO, REAPRECIAÇÃO E RECLAMAÇÃO DAS PROVAS Exames Nacionais 2009 Ensino Secundário INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO, REAPRECIAÇÃO E RECLAMAÇÃO DAS PROVAS Abril/2009 NORMA 02/ES/2009 INTRODUÇÃO Funcionando no âmbito da Direcção-Geral de

Leia mais

EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA -2014/2015

EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA -2014/2015 EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA -2014/2015 ESCLARECIMENTOS PARA DIRETORES DE TURMA E ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO (11º e 12º anos dos cursos científico-humanísticos e 12º ano dos

Leia mais

REGULAMENTO PARA REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA ESTRANGEIRO DE BACHAREL EM NUTRIÇÃO

REGULAMENTO PARA REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA ESTRANGEIRO DE BACHAREL EM NUTRIÇÃO REGULAMENTO PARA REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA ESTRANGEIRO DE BACHAREL EM NUTRIÇÃO A Comissão de Graduação em Nutrição (COMGRAD-NUT) da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no uso

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Concurso Público n.º 01/2015. Estado de Santa Catarina MUNICÍPIO DE IOMERÊ

MANUAL DO CANDIDATO. Concurso Público n.º 01/2015. Estado de Santa Catarina MUNICÍPIO DE IOMERÊ MANUAL DO CANDIDATO Concurso Público n.º 01/2015 Estado de Santa Catarina MUNICÍPIO DE IOMERÊ Orientações e Instruções para a Realização das Provas 1. Do horário de comparecimento para a realização das

Leia mais

Instruções aos Alunos para a realização do teste Cambridge English Language Assessment: Key for Schools Componentes do teste:

Instruções aos Alunos para a realização do teste Cambridge English Language Assessment: Key for Schools Componentes do teste: Instruções aos Alunos para a realização do teste Cambridge English Language Assessment: Key for Schools Componentes do teste: Componente 1 Reading & Writing - Esta componente é formada por 9 partes e 56

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1. (Natureza) O Conselho Nacional para a Economia Social, adiante também identificado como CNES,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE CAPÍTULO I - REGIMES DE AVALIAÇÃO Artigo 1º - Modalidades de avaliação CAPÍTULO II - AVALIAÇÃO CONTÍNUA Artigo 2.º - Regime de avaliação contínua

Leia mais

INSTRUÇÕES ALUNOS PROCEDIMENTOS GERAIS

INSTRUÇÕES ALUNOS PROCEDIMENTOS GERAIS PROVAS AFERIÇÃO 2016 ENSINO BÁSICO PORTUGUÊS DIA 6 DE JUNHO 14H MATEMÁTICA DIA 8 DE JUNHO 14H INSTRUÇÕES ALUNOS PROCEDIMENTOS GERAIS 1. As pautas serão afixadas com a antecedência de 48 horas relativamente

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO ARTIGO. 1º. (Definição e Mandato) 1. São membros de pleno direito os delegados eleitos e designados e os membros por inerência

Leia mais

Manual do Candidato - Cursos Técnicos

Manual do Candidato - Cursos Técnicos Manual do Candidato - Cursos Técnicos APRESENTAÇÃO Os Cursos Técnicos oferecidos atendem a política da qualidade do SENAI-RS, sendo o Manual do Candidato instrumento de Orientação aos candidatos quanto

Leia mais

Preliminary English Test for Schools Portugal MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE

Preliminary English Test for Schools Portugal MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE Preliminary English Test for Schools Portugal 2015 MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE Reading, Writing, Listening e Speaking Índice Introdução... 1 1. Caracterização do teste... 1 2. Realização do teste... 2

Leia mais

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1 Artigo 54.º Faltas do aluno do ensino pré-escolar 1. No ensino pré-escolar, o conceito de falta aplica-se quando a criança não comparece durante todo o dia no Jardim de Infância ou nas atividades previstas

Leia mais

EDITAL PARA INGRESSO E BOLSAS INTEGRAIS E PARCIAIS DE ESTUDO PARA O ENSINO MÉDIO DO ANO LETIVO DE 2015.

EDITAL PARA INGRESSO E BOLSAS INTEGRAIS E PARCIAIS DE ESTUDO PARA O ENSINO MÉDIO DO ANO LETIVO DE 2015. EDITAL PARA INGRESSO E BOLSAS INTEGRAIS E PARCIAIS DE ESTUDO PARA O ENSINO MÉDIO DO ANO LETIVO DE 2015. A Direção do COLÉGIO SOPHOS torna público o presente Edital, através de seu site oficial e em mural

Leia mais