Plano Plurianual de Gestão Etec Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro To

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Plurianual de Gestão 2015 2019 Etec Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro To"

Transcrição

1 Plano Plurianual de Gestão Etec Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro To De acordo com o disposto no Capítulo II do Regimento Comum das Escolas Técnicas do CEETEPS, o Plano Plurianual de Gestão PPG apresenta a proposta de trabalho da ETEC. Conta, como Pedagógico PPP, no qual são explicitados os valores, as crenças e os princípios pedagógicos da escola. A concepção coletiva dos projetos a serem desenvolvidos parte, necessariamente, do PP por meio da análise dos contextos interno e externo, da reflexão sobre o instituído e da escola almejada pela comunidade. O Plano Plurianual de Gestão tem uma vigência de cinco anos, com replanejamento, no mínimo, anual. A atualização anual, com inclusão de novos projetos, garante o horizonte permanente de cinc Todo projeto supõe rupturas com o presente e promessas para o futuro. Projetar significa tentar quebrar um estado confortável para arriscar se, atravessar um período de instabilidade e buscar uma nova estabilida contém de estado melhor do que o presente. Um projeto educativo pode ser tomado como promessa frente a determinadas rupturas. As promessas tornam visíveis os campos de ação possível, comprometendo seu Município: São Paulo INTRODUÇÃO ETEC PROFESSORA DOUTORA DOROTI QUIOMI KANASHIRO TOYOHARA E mail: Telefone: (11) Endereço: RUA AMBROSIA DO MEXICO, S/N JARDIM CIDADE PIRITUBA CEP Homepage: A ETEC Profa. Dra. Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara é uma escola relativamente nova, ainda está em processo de construção de sua identidade, pauta significados. O Plano Plurianual de Gestão inicia sua elaboração neste ano, refletindo e demonstrando o trabalho da Comunidade Escolar mediante suas conqui que necessitam ser priorizadas para que não haja prejuízos em todo processo educacional e administrativo que se pretende atingir em suas metas. 1/76

2 E é nessa perspectiva que envolvemos toda comunidade escolar desta Unidade de Ensino na elaboração do nosso Projeto Politico Pedagógico (PPG), haja vis e autores no processo evolutivo desta sociedade onde a gestão democrática é um dos pilares desse processo. O processo de elaboração deste plano contou com a participação do Diretor da ETEC, Assistente Técnico Administrativo, Diretores de Serviços Administrativo e Apoio Educacional, Coordenação Pedagógica e de Curso, docentes, funcionários, alunos e membros do Conselho de Classe com momentos em que todos se e levantamento de dados e informações, análise dos indicadores, definição das situações problemas e suas prioridades, definindo as metas e os projetos que se de cinco anos, além de priorizar o andamento e a conclusão dos projetos em vigência conforme análise e justificativa do cumprimento de metas, mediante as ne Escolar. Foram várias reuniões com os representantes de classe de todos os períodos, funcionários, professores e coordenadores, esse debate foi fun de um processo democrático de definições de prioridades e metas na busca de uma escola pública de qualidade. PARTICIPANTES Diretor Eliane Leite Alcantara Malteze Fabrício Oliveira Nome Conselho de Escola Segmento que representa I Etapas do II Daniele de Oliveira Reis Coordenador Eliane Leite Alcantara Malteze Diretor de Escola Marcelo Penteado de Toledo Diretor de Serviços Paulo Henrique Pescio Professor Tatiany Guedes Martins Bibliotecária Outros Colaboradores Nome Função/Cargo I II Flavia Cristina da Silva Coordenador Pedagógico Isabela da Fonseca Pinheiro Coordenador de Curso Marco Antonio da Silva Coordenador de Curso Maria Inês Rodrigues Projeto Relação Empresa Escola Nilson Costa Nascimento Junior Coordenador de Curso Paulo Henrique Ubirajara Mijas Coordenador de Curso Representantes de Classe período da Manhã Representantes de Classe Representantes de Classe período da Noite Representantes de Classe Representantes de Classe período da Tarde Representantes de Classe Silvia Rodrigues Nunes Coordenador de Curso Vanderson Rodrigo dos Santos Orientador Educacional Vera Maria dos Santos Mãe membro da APM Legenda das etapas I II III IV Levantamento de Dados e Informações Análise dos Indicadores Definição de prioridades; Definição de Metas / Projetos 2/76

3 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PLANO POLÍTICO PEDAGÓGICO A comunidade escolar da Etec Profa. Dra. Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara, baseada nas necessidades educacionais, humanísticas, culturais, políticas apresentadas na região onde está inserida, desenvolve o seu plano político pedagógico no intuito de supri las, garantindo um ambiente educativo de qualidade. Implantou se uma metodologia ed objetivando a garantia de práticas pedagógicas interdisciplinares condizentes com a realidade da comunidade escolar. Entende se por educação de qualidade aquela que desenvolve no aluno co permitam no tornar se um cidadão ético, crítico e competente na resolução de problemas e na execução de seu trabalho, preparando os para enfrentar as constantes transformações sociai sociedade e promovendo o seu desenvolvimento. É preciso desenvolver no aluno uma posição de engajamento, compromisso e participação que o sensibilize para sua dimensão humana. Apresentação da escola: A ETEC Profa. Dra. Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara, possui como missão Ofertar educação de ensino médio e profissional de excelência, desenvolvendo as competências e h tecnológicos, humanísticos e científicos necessários ao amplo exercício da cidadania, preparando os para enfrentar as constantes transformações sociais, respeitando valores culturais d desenvolvimento. Significa dizermos que o espaço da escola é responsável pela formação de cidadãos capazes de enfrentar os novos desafios do mundo contemporâneo, respeitando valores culturai desenvolvimento. Estamos buscando e revitalizando as nossas parcerias para que essa missão seja cumprida com excelência. Atualmente a Escola tem quatro Cursos Técnicos: Contabilidade, Eletroeletrônica, Eventos e Segurança no Trabalho e o Ensino Médio. Com aproximadamente 900 alunos, 63 professo interação significativa no processo do desenvolvimento de conhecimento técnico científico, com competências para a atuação no mercado produtivo e na construção de uma sociedade huma participativa e democrática. Organizamos vários eventos que fazem parte do itinerário formativo dos educandos. Destacamos a realização de EVENTOS realizados na Escola, Visitas Técnicas, Participação em Feiras Tecnológicas, Congressos e outros, sinalizando os pr Atualização contínua e técnica para professores e Manutenção da identidade da Escola, ressaltando a importância das atividades; Desenvolvimento do espírito empreendedor e do trabalho em equipe entre os alunos, com foco em desenvolvimento sustentável; Integração de alunos, professores, funcionários, coordenadores, pais e profissionais, além da comunidade local; Fortalecimento das nossas parcerias, mantendo uma relação de estreito respeito, credibilidade e confiança; Visibilidade da ETEC e dos nossos parceiros, agregando valor aos serviços e/ou produtos ofertados. HISTÓRICO DA ESCOLA: Em 25 de julho de 2011 deu se o início das atividades, ainda como extensão da Etec Gildo (Perus), com os cursos de técnico em segurança do trabalho (tarde e noite), eletroeletrônica (tarde e houve demanda para o período da tarde). Durante praticamente todo o primeiro semestre, as primeiras turmas conviveram com obras. Apesar de ter o espaço diminuído pelas obras, o primeiro semestre foi um sucesso. Em outubro de 2011 a extensão da Etec Gildo, ganhou o status de Etec, desvinculando se administrativ patrona a Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara. HISTÓRICO DO PATRONO DA ESCOLA A Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara, nasceu em Apucarana, no Paraná, em 15 de março de Filha de Seiti Kanashiro (1929) e de Luzia Kanashiro (1931), era a mais velh Em 1958, a família se mudou para Maringá, onde passou sua infância e adolescência. Durante o último ano do colégio na Escola Estadual Dr, Gastão Vidigal, trabalhou como assistente na Escola de Inglês FISK, para custear o curso preparatório para vestibular mas, ao fazer t 100% de desconto por ter obtido a melhor pontuação. Passou no curso Engenharia Química na UEM Universidade Estadual de Maringá. Mais tarde, foi a Curitiba fazer o curso de Química na Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, após outr professora. Terminando este curso, em 1979, foi à UNICAMP, Universidade Estadual de Campinas, motivada a fazer o curso de Engenharia de Alimentos. Por seu currículo escolar, conseguiu ingressar no c De 1984 a 1989, fez mestrado em Engenharia de Alimentos na própria UNICAMP e, de 2005 a 2010, fez doutorado em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Em 6 de julho de 1985, casou se com Roberto Takashi Toyohara, Engenheiro Mecânico pela Escola de Engenharia de São Carlos USP e teve dois filhos, Rafael Kanashiro Toyohara (1986), qu Alimentos na UNICAMP e Guilherme Kanashiro Toyohara (1990), que cursa Engenharia Química na Escola Politécnica da USP. Era professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo e professora do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza. Tinha experiência na área de Química, atuando principalmente nos seguintes temas: estratégia de ensino, educação ambiental, ensino médio e projeto interdisciplinar. Uma vida dedicada aos estudos e compromisso com a aprendizagem de seus alunos, nunca mediu esforços para estar sempre atualizada no seu campo de atuação. Não sabia negar solicitaçõ Destacava se pela disponibilidade, simpatia, simplicidade e humildade, em todos os lugares por onde passava. Era apreciadora dos mais diversos tipos de artes. Na música, sua preferência era pela música popular brasileira. Descrita por todos que a conheciam como uma pessoa sensível, que gostava de viajar, religiosa, de muita crença e fé em Deus. E que diante das dificuldades, nunca se deixava vencer. A vida e Como iniciou seu trabalho ainda muito jovem, faltava pouco tempo para a merecida aposentadoria, o que alimentou o sonho de poder viajar e de cuidar dos netos, sendo este o maior deles. Porém precocemente em 20 de fevereiro de HISTÓRICO DO BAIRRO Embora a história urbana de Pirituba tenha começado com a inauguração da estação ferroviária, o local tem histórico mais antigo. No final do século 18, por exemplo, o Coronel Anastácio d Anastácio, por aquisições e arremates judiciais de diversas glebas. A área da Fazenda estendeu se à margem direita da velha estrada de rodagem que ligava S. Paulo a Campinas e Jundiaí. 3/76

4 Em 1856 a Fazenda Anastácio veio a ser adquirido pelo Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar e sua mulher, Domitília de Castro Canto e Melo, a Marquesa de Santos. Em 1917 a Companhia A Anastácio e Capuava dos herdeiros da Marquesa de Santos. Ao adquirir o controle acionário da Companhia Armour, a Deltec destinou à Cia City, sua associada, áreas antes destinadas à criação Esta é a origem dos espaços que, nas décadas de 1970 e 1980, vieram a ser transformados nos loteamentos residenciais City América, Recanto Anastácio e Jardim dos Pinheiros, todos com o p concentração na região de indústrias como a Fiat Lux, o Lanifício Pirituba, as Refinações de Milho Brasil, a Gessy Lever, os Pianos Fritz Dobbert, a Metalúrgica Mauser, e outras, conferiram ao predominantemente industrial. Com isso. Pirituba tornou se uma região muito populosa, com perfil majoritariamente operário. Além disso, o bairro é cortado pela linha de trens que liga Santos a Jundiaí da Cia. Paulista de Trens Metropolit Um bom número de empresas de atividade comercial tem se instalado para atender a essa população, dando outro perfil ao bairro, hoje mais comercial que industrial, tendo como carro chefe o S 25 anos de existência neste mês e que foi construída em área do antigo Lanifício Pirituba. Por conta do progresso e pela vocação industrial de Pirituba (aliada à sua localização estratégica, próximo às Rodovias dos Bandeirantes e Anhanguera), a Cia. City desenvolveu um projeto volta planejado, que veio a ser implantado a partir de 1995: o City Empresarial Jaraguá. AMBIENTE EDUCATIVO: O homem não pode participar ativamente na história, na sociedade, na transformação da realidade se não for ajudado a tomar consciência da realidade e da sua própria capacidade contra forças que não entende, cuja importância não meça, cujas formas e contornos não discirna; (...) Isto é verdade se se refere às forças da natureza (...) isto também é assim nas pode ser modificada senão quando o homem descobre que é modificável e que ele o pode fazer. Paulo Freire O compromisso da ETEC Profa. Dra. Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara é de contribuir para a formação de cidadãos críticos e conscientes preparados para o exercício da vida profissional e par isso, os princípios e valores que permeiam as ações da escola saão: Igualdade de condições Compromentimento com a qualidade do ensino ofertado; Gestão Democrática e participativa; Liberdade e autonomia; Valorização dos professores; Respeito às diferenças individuais e às diversidades culturais; Convivio ético, solidário e respeitoso; Responsabilidade socioambiental; A ETEC oferece os cursos: Ensino Médio com duração de 03 anos e os cursos técnicos com 03 semestres, Contabilidade, Segurança do Trabalho e Eletroeletrônica (duração de 04 semestres) Médio de Eventos e Segurança do Trabalho (duração de 03 anos). CURSO PERÍODO TURMA Nº DE ALUNOS MATRICULADOS ETIM EVENTOS INTEGRAL1º EV A 40 ETIM EVENTOS INTEGRAL2º EV A 35 CURSO PERÍODO TURMA Nº DE ALUNOS MATRICULADOS ETIM SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAL1º ST A 40 CURSO PERÍODO TURMA Nº DE ALUNOS MATRICULADOS ENSINO MÉDIO MANHÃ 1º A 40 ENSINO MÉDIO MANHÃ 2º A 40 ENSINO MÉDIO MANHÃ 2º B 40 ENSINO MÉDIO MANHÃ 3º A 40 ENSINO MÉDIO MANHÃ 3º B 40 CURSO PERÍODO TURMA Nº DE ALUNOS MATRICULADOS CONTABILIDADE NOITE 1º 40 CONTABILIDADE NOITE 2º 28 CONTABILIDADE NOITE 3º 29 CURSO PERÍODO TURMA Nº DE ALUNOS MATRICULADOS ELETROELETRONICA TARDE 1º 37 ELETROELETRONICA TARDE 2º 26 ELETROELETRONICA TARDE 3º 24 ELETROELETRONICA TARDE 4º 11 CURSO PERÍODO TURMA Nº DE ALUNOS MATRICULADOS ELETROELETRONICA NOITE 1º 40 ELETROELETRONICA NOITE 2º 36 ELETROELETRONICA NOITE 3º ELETROELETRONICA NOITE 4º CURSO PERÍODO TURMA Nº DE ALUNOS MATRICULADOS SEGURANÇA DO TRABALHO TARDE 2º 39 SEGURANÇA DO TRABALHO TARDE 3º 28 4/76

5 CURSO PERÍODO TURMA Nº DE ALUNOS MATRICULADOS SEGURANÇA DO TRABALHO NOITE 1º 40 SEGURANÇA DO TRABALHO NOITE 2º 40 SEGURANÇA DO TRABALHO NOITE 3º 32 CURSO PERÍODO VAGAS INSCRITOS DEMANDA Eventos Integrado ao Ensino Médio Integral ,48 Ensino Médio Manhã ,30 Contabilidade Noite ,58 Eletroeletrônica Tarde ,95 Eletroeletrônica Noite ,23 Segurança do Trabalho Tarde ,05 Segurança do Trabalho Noite ,90 DEMANDA 1º SEMESTRE 2014 CURSO PERÍODO VAGAS INSCRITOS DEMANDA Contabilidade Noite ,78 Eletroeletrônica Tarde ,00 Eletroeletrônica Noite ,75 Segurança do Trabalho Tarde ,03 Segurança do Trabalho Noite ,63 DEMANDA 2º SEMESTRE 2014 CURSO PERÍODO VAGAS INSCRITOS DEMANDA Eventos Integrado ao Ensino Médio Integral ,78 Segurança do Trabalho Integrado ao Integral ,38 Ensino Médio Ensino Médio Manhã ,33 Contabilidade Noite ,23 Eletroeletrônica Tarde ,90 Eletroeletrônica Noite ,10 Segurança do Trabalho Noite ,78 DEMANDA 1º SEMESTRE 2015 A matriz curricular dos cursos técnicos e integrados é organizada de forma a contemplar todas as competências e habilidades necessárias para a formação de um técnico cidadão preparada pa em constante transformação. A matriz do Ensino Médio está pautada nos pilares da educação de acordo com os Parâmetros Curriculares Ø Saber conhecer; Ø Saber fazer; Ø Saber ser; Ø Saber conviver; O aluno do Ensino Médio ao concluir deverá: 1. Dominar Linguagens dominar basicamente a norma culta da língua portuguesa e saber usar as diferentes linguagens para se expressar e se comunicar; 2. Compreender Fenômenos construir e aplicar conceitos das diferentes áreas do conhecimento de modo a investigar e compreender a realidade; 3. Resolução de Problemas selecionar, organizar, relacionar e interpretar dados e informações, trabalhando os contextualizadamente para enfrentar situações problema e tomar decisões; 4. Construir Argumentos organizar informações e conhecimentos disponíveis de forma a argumentar consistentemente; 5. Elaborar Propostas recorrer a conhecimentos desenvolvidos para elaborar propostas de intervenção solidária na realidade. A escola realiza bimestralmente reunião de pais com objetivo de estreitar os laços entre família e escola, não é só um momento de informar o sucesso ou insucesso do aluno, mas sim apresent para melhoria do rendimento escolar. O oferecimento da Língua Espanhola se dá no Centro de Lingua, mas entendemos sua importância na formação de nossos alunos, que vai muito além do seu eventual desejo de dominar esta lín permitir a abertura de novas perpesctivas profissionais. 5/76

6 Os componentes curriculares de Filosofia e Sociologia fazem parte da matriz curricular de todas as séries do Ensino Médio e Integrado com 01 (uma) aula semanal cada componente. RELAÇÃO ENTE ESCOLA E COMUNIDADE: Os pais se sentiram mais acolhidos pela escola, pois a comunicação entre escola/família se estreitou visto que existe uma pessoa responsável dentro da Unidade escolar para atender suas sug acadêmica do educando. O Orientador Educacional apoia e motiva os alunos a divulgarem e mostrarem nossa escola para a comunidade deixando os livres para organizar eventos onde a população possa constatar o qu tem alegria em recebê los. Mensalmente tanto os Representantes de Sala quanto o Grêmio Estudantil, se reúne com o Orientador, para saber como esta o clima acadêmico, se as aulas estão sendo produtivas, se os a vozes aos alunos, eles entenderam que a escola de fato está aberta para uma conversa e que sempre estará disposta a ajudar para melhorar o processo de ensino aprendizagem. Os pais são bastante participativos, sentindo se seguros em procurar a escola toda vez que se faz necessário para informação e esclarecimento de dúvidas. A escola em 2014 iniciou o Projeto " Pais Presentes" com objetivo de trazer a comunidade escolar para palestras e rodas de discussão sobre temas como: Adolescência e limites, Drogas, Vestibular. Foram duas palestras no 1º semestre e duas no semestre. Projeto que visa integrar comunidade e escola. ESTÁGIOS: No ano de 2014 com a chegada do ATA intensificamos as ações de busca de empresas com potencial para atender nossos alunos como estagiários e ações de orientação dos alunos a respei formação profissional. 6/76

7 ESTÁGIOS EM ANDAMENTO Quantidade de ALUNOS realizando estágios curriculares não obrigatórios em 2015/1 e 2014 ENSINO MÉDIO: Desde 2015: CEDP Centro de Desenvolvimento Profissional Condomínio West Plaza Shopping Center I NUBE Núcleo Brasileiro de Estágios Ltda. Center Credit Recup. De Credito e Cobranças S/S FUNDAP Fundação do desenvolvimento Administrativo CPTM Companhia de Trens Metropolitanos Desde 2014: FUNDAP Superintendência Técnica de Relações Institucionais PROATIVA Recuperação de Crédito CIEE Centro de Integração Empresa Escola Instituto Nacional de seguro Social INSS NUBE R Brasil Soluções e assessoria em Cobrança e Teleatendimento Ltda. SABESP Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (3 alunos) ETIM EVENTOS: Desde 2014: CIEE Área de MKT e Eventos da Caixa Econômica Federal CONTABILIDADE: Desde 2015: NUBE D. Pizarro de Oliveira Contabil ME NUBE Rédito Contábil Ltda. Desde 2014: NUBE Rédito Contábil Ltda. (2 alunos) NUBE Bonomi Contábil S/S Ltda. ME (2 alunos) NUBE Paim Consultoria Contábil Ltda. Triatlon Equipamentos e atividades Esportivas Ltda. ELETROELETRÔNICA: Desde 2015: NUBE Fresenius Kabi Brasil Ltda FUNDAP CPTM Desde 2014: NUBE Controller BMS Comercio e Serviços para Automação Ltda. (2 alunos) CIEE Instrutherm Instrumentos de Medição Ltda. ( 2 alunos) NUBE Moas Ind e Com Imp e Exp Ltda. CIEE Atell Assistência Técnica Especializada em Lase L (2 alunos) Siemens Ltda NUBE Low Cost Gerenciamento de serviços Ltda. SEGURANÇA DO TRABALHO: Desde 2014: Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos CIEE Saint Gobain Distribuição Brasil Ltda. Evik Segurança e Vigilância Ltda. CURSO TOTAL DE ALUNOS ESTAGIANDO ATUALMENTE 26/02/2015 NÚMERO DE ALUNOS ENSINO MÉDIO 10 ETIM EVENTOS 01 7/76

8 TÉCNICO EM CONTABILIDADE 08 TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA 11 TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 03 Também estão sendo realizadas ações no sentido de melhorar as informações para os alunos estágio, através de oficinas de estágios que terão os seguintes objetivos: * Conhecer a legislação federal vigente, Lei nº11.788/08 e a importância de aplicar os conhecimentos teóricos que serão aprimorados na prática; * Facilitar o fluxo ( encaminhamentos ) dos estágios, incentivando a adesão e diminuindo obstáculos e receios; * Esclarecer aspectos legais, atitudinais e técnicos, facilitando futuras ações em campo; * Ressaltar as competências Pessoais, Corporativas e Profissionais (Técnicas), exemplificando os principais tipos de atividades solicitadas em cada área; * Conhecer as diferenças entre estágios curriculares obrigatórios e não obrigatórios. Parcerias: No ano de 2014, a escola estreitou as relações com as empresas e profissionais que atuam na área da educação. Essa relação institucional só foi possível ser viabilizada com a presença do ATA empresa escola. Precisamos fortalecer essas parcerias, pois o conhecimento compartilhado é muito importante, os alunos podem realizar visitas as instituições, conhecer a rotina do trabalho do curso técnico que tecnologias, conversar com profissionais que atuam na área. Para empresa essas parcerias também são frutíferas, pois podem conhecer a realidade da escola do lado de dentro, ampliando a visão sobre a escola e também sobre a qualidade do trabalho des Alguns eventos realizados: Capacitação da Minipa para professores e alunos, capacitação para coordenadores sobre liderança, Oficina de redação para os alunos do ensino médio, visita a Vo entre outras parcerias. DOCENTES: A equipe de professores é composta por 63 professores que atuam no mercado de trabalho e em outras ETECS. A grande maioria dos professores são indeterminados, muitos ampliam em outras unidades da região, porém no Curso Técnico de Eletroeletrônica temos dificuldades na contratação de doce atividades além da docência. Temos docentes com boa formação em sua área de atuação, fazendo a ligação entre Teoria x Prática no campo profissional, trazendo para o aluno uma melhor compreensão dos conteúdos estud do trabalho. Equipe Professor Ana Paula Ferreira Vicari Formação Grad. em Gestão Hoteleira Celso Carnevale Grad. Tecnologia em Automação Industrial Cesar Augusto Alves de Souza Tecnologia Mat e componentes eletronicos Claudio Melhado Martinez Grad. Em Ciencias Contabeis 8/76

9 Cleusa Lopes Malta Licenciada em Letras Daniel Ferreira de Carvalho Lic. Em História Daniel Martinho do Nascimento Lic. matematica/ Grad em Ciencias Cont. Daniela de Oliveira Nunes Grad. em Administração Daniele de Oiveira Reis Grad. em Administração Daniele Genovesi Tecnologia Mat e componentes eletronicos Douglas Leonardo dos Santos Licenciado em Química Douglas Willian de Araújo Automação Industrial Edilson Peixoto Simoes Rebollo Grad. em Engenheiro Eletrico Elza Cedro de Andrade Lic. em Letras Fátima Conceição Sivieri Lic. Em Matemática Flavia Cristina da Silva Lic. em Educação fisica Flavio Pereira Bertine Grad. Arquitetura Haroldo Alves dos Santos Grad. Tecnologia em Sistemas Eletrônicos Isabela da Fonseca Pinheiro Grad. Em Nutrição Israel Pereira de Souza Licenciatura em Mat/ Cursando Eng Eletrica Iverson Machado Lic. em Fisica e Tecnico em eletronica João Batista Vetore Licenciatura Ciências Economica Joel Leandro de Moraes Neto Lic. em Fisica e Tecnico em eletronica Jose Antonio Seabra da Costa Bacharel em Direito José de Jesus de Paiva Grad em Administração Karina da Silva Oliveira Lic. em Filosofia Katia Josefa da Silva Lic. em Letras Lucia Helena Matioli da Motta Licenciatura em Matematica Luiz Roberto de Oliveira Grad. em Engenheiro Eletrico Manoel Messias de C.Filho Grad. em Engenheiro Mecânico Mara Silvia Negrini Biasini Graduada em Fisioterapia Marcelo de Paula Grad. em Engenheiro Eletrico Marcelo Pelaes de Almeida Grad. Ciencia da Computação Marco Antonio da Silva Grad. em Engenheiro Eletrico Marco Aurelio Hegedus Grad. Em Arquitetura Marconi Afonso Longo Salvador Lic. em Geografia Marcos Honórío Neves Grad. em Engenharia Eletrica 9/76

10 Marilia Emanuela Myrrha Lic. em Letras Maurício Rodrigues de Melo Lic. Plena em Informatica Milton Cesar Rodrigues Grad.em Sistemas da Informação Nilson da Costa Nascimento Junior Lic. em Quimica Odirlei Barbalho Silva Grad. em Engenheiro Eletrico Paulo Henrique Pescio Grad. em Engenharia Eletrica Paulo Henrique Ubirajara Mijas Lic. em Letras Regiane Oho Lic. em Educação Artística Ricardo Costa Lima Grad. em Engenheiro Eletrico Ricardo Gomes Brasil Licenciado em Letras Roberto César Augusto Graduado em Ciências Contabeis Roberval Rodrigues Grad. em Engenheiro Mecanico Rogerio de Melo Maia Grad. em Ciencias Econômicas Ronaldo Barbosa de Souza Grad. em Engenharia Eletrica Ronaldo Silva Borges Grad. em Segurança do Trabalho Rosana aparecida de Freitas Silva Graduada em Turismo Sandra Scala Funi Grad. Economia/lic Matematica Saulo Rodrigo Benatti Yokoo Tecnologia Automação Industrial Silvia Nunes Rodrigues Grad. Engenheira Quimica Tarcisio Misael de Lima Grad. em Engenharia Eletrica Thiago Lima Merissi Lic. em Ciências Biológicas Valdir Alves de Medeiros Junior Grad. Em Desenho Industrial Vinicius Cardoso Messias Grad. Sistema de Informação Zilmara Romero Avalo Grad. em Enfermagem ADMINISTRATIVO: O quadro administrativo está quase completo, temos uma equipe comprometida com a escola e com o Projeto Pedagógico. Equipe Administrativa Administrativos Acácio Felipe da Silva Filho Alessandra Fernella G. dos Santos Célia R.C.S. da Silva Miranda Eliane Leite Alcantara Malteze Élida Paula de Oliveira Sousa Cargo Diretor de Serviços Administrativo Agente Técnico Administrativo Assistente Administrativo Diretor de Escola Técnica Técnico Administrativo 10/76

11 Marcelo Penteado de Toledo Maria Ines Rodrigues Marli Moreira luiz Pedro Henrique A. Capusso Rita de Cássia Giusti Barbosa Vanderson Rodrigo da Silva Vera Maria dos Santos Tatiany Guedes Martins ESTAGIÁRIOS Carolina Rosa dos Santos Diretor Acadêmico Assistente Técnico Administrativo Agente Técnico Administrativo Agente Técnico Administrativo Agente Técnico Administrativo Orientador Educacional Agente Técnico Administrativo Analista Técnico Administrativo Estagiários Josimar Salustiano de Lima Estagiários Pedro Henrique Gomes da Silva Pimentel Estagiários Biblioteca Escolar Responsável: Tatiany Guedes A biblioteca escolar oferece serviços de apoio à aprendizagem, disponibilizando livros e outros recursos informacionais aos membros da comunidade escolar, possibilitando lhes tornarem se pe de informações em todos os formatos e meios. Manifesto IFLA/UNESCO para a biblioteca escolar. A escola para oferecer serviços adequados à comunidade e para que ela realmente seja um apoio à aprendizagem dos alunos, constituiu a comissão de biblioteca (aluno, professor e bibliotecár de ação para melhoria do espaço físico, equipamentos, livros e bem como atividades que envolvam a comunidade escolar. Trabalho de Conclusão de Curso TCC O Trabalho de Conclusão de Curso TCC, conforme orientações do Manual de Orientação de Estágio, elaborado pelo Centro Paula Souza, configura se em uma atividade escolar de sistematiza de estudo pertinente à área de formação profissional. Tal atividade, que representa o resultado de um estudo, revela conhecimento a respeito do tema escolhido, emanado do desenvolvimento do das habilitações profissionais da escola. I. Oferecer educação profissional por meio de mecanismos que garantam a contextualização de currículos; II. Promover a efetiva interdisciplinaridade no desenvolvimento do trabalho; III. Possibilitar o acompanhamento e o controle das práticas desenvolvidas pelos alunos, na própria escola ou nas instituições parceiras, permitindo a verificação do desempenho dos alunos, segu Plano de Curso; IV. Proporcionar experiências práticas específicas aos alunos por meio do desenvolvimento de projetos, promovendo a integração com o mundo do trabalho e o convívio sócio profissional; V. Propiciar ao aluno o domínio das bases norteadoras da profissão de forma ética e compatível com a realidade social, desenvolvendo valores inerentes à cultura do trabalho; VI. Promover a autonomia na atividade de produção de conhecimento científico. A diversidade de temas e os projetos inovadores desenvolvidos pelos alunos, hoje constituem o diferencial para a instituição, pois alguns foram premiados na FETEPS e em outras feiras de ciênc PROJETO INTEGRADOR O projeto integrador é desenvolvido no 2º módulo do Curso Técnico de Contabilidade, com o objetivo de desenvolver um trabalho de modelo interdisicplinar, Os cursos técnicos de Contabilida Projeto Integrador nos primeiros e segundos módulos, trabalhando assim a interdisciplinaridade. Será desenvolvido um tema gerador, com o objetivo de trabalhar de forma inter e transdisciplinar, permitido que se abranja a complexidade crescente do mundo pós moderno. Esta abordagem cie o Homem se volta para si mesmo e procura entender seu papel no mundo. Coordenação Pedagógica: 11/76

12 O coordenador pedagógico como parte integrante da equipe de gestão é fundamental no ambiente escolar, pois ele promove a integração dos envolvidos no processo ensino aprendizagem, es forma saudável. Ele tem um papel essencial na valorização da formação do professor, pois desenvolve certas habilidades capazes de lidar com as diferenças, tendo como objetivo ajudar efetivam de qualidade. O coordenador pedagógico tem que ter consciência da responsabilidade do papel que assume na instituição, por isso, deve estar em constante processo de formação e em parceria com o corpo d Agindo dessa forma, ele estará promovendo um ambiente democrático e participativo em que a comunidade escolar terá liberdade para produzir conhecimento, a mudanças atitudinais, procedimen IDENTIFICAÇÃO ETEC Profºª.Drª Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara MUNICÍPIO São Paulo Professor (a) Responsável: Flavia Cristina da Silva nº de HAE 30 (trinta) Título do Projeto: Atividades interdisciplinar e integradora um novo olhar sobre as práticas pedagógicas. A. LINHA DE ATUAÇÃO PARA ORGANIZAÇÃO DO PROJETO: Metodologias de ensino aprendizagem B. OBJETIVO(S) DO PROJETO: Geral: Criar estratégias para colaborar na formação docente capacitando e acompanhando este profissional processo aprendizagem. no Específico: Ser um facilitador no desenvolvimento de competências, habilidades e atitudes docentes. C. META(S) DO PROJETO: O projeto visa um acompanhamento docente, visando as atividades pedagógicas, definindo metodologias de ensino, aplicando estratégias que favoreçam a aprendizagem do discente. META(S) ASSOCIADA(S) AO PPG QUE SERÃO TRABALHADAS NO PROJETO DE COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA: O projeto visa um acompanhamento docente, visando as atividades pedagógicas, definindo metodologias de ensino, aplicando estratégias que favoreçam a aprendizagem do discente. SISTEMA DE AVALIAÇÃO/RECUPERAÇÃO E PROGRESSÃO PARCIAL Os procedimentos de avaliação utilizados são diversificados, atendendo a legislação vigente. Avaliando habilidades e competências para garantir que o processo ensino aprendizagem se efetive, mostrando o que foi ensinado. Caso o discente tenha resultado insuficiente são diagnosticadas as causas através de documentos institucionais Del. 11, apontando as causas e propondo soluções a partir das causas diagnostic Ao aluno é permitido mostrar seu progresso de formas mais variadas, através de trabalhos, atividades em sala, demonstrações de atitudes e até mesmo sendo questionados em sala sobre o cont O aluno deve saber como e porque está seno avaliado, para que possa compreender e até discutir os critérios utilizados, percebendo assim o valor da avaliação em sua formação, o professor dev cada etapa da atividade, prevelecendo os aspectos qualitativos sobre os aspectos quantitativos. Os instrumentos de Avaliação, que deverão constar no Plano de Trabalho, poder ser entre outros: Avaliação escrita Trabalho de pesquisa 12/76

13 Textos, relatórios, resenhas; Seminários; Observação direta do desempenho do aluno; Avaliação prática; Estudo dirigido; Auto avaliação; Portifólio, etc. A recuperação é contínua, realizada no decorrer das aulas, em todos os componentes curriculares, por meio de orientação de estudos e atividades diversificadas adaptadas as dificuldades apresentadas por cada aluno, sempre levando em consideração o princípio de respeito a diferença, diversidade de caracterísiticas e ritimos de aprendizagem dos alunos. A orientação Educacional em conjunto com a coordenação de curso e a coordenação pedagógica farão o acompanhamento da evolução desse trabalho. As bases tecnológicas são meios para construção de competências, habilidades e formação de valores e transcendem aos limites tradicionais das disciplinas escolares de forma interdisciplinar. Assim, a interdisciplinaridade será uma prática pedagógica utilizada na escola, para que se garanta uma aprendizagem menos fragmentada e um diálogo entre os componentes curriculares, possibilitando ao aluno a ressignificação dos conteúdos trabalhados em sala de aula. Interdisciplinaridade A utilização da interdisciplinaridade como forma de desenvolver um trabalho de integração dos conteúdos de uma disciplina com outras áreas de conhecimento é uma das propostas apresent aprendizado aluno. Mediante aos trabalhos realizados dos anos decorrentes, como feiras temáticas, festas, visitas técnicas, participação em feiras, palestras e situações de debate, nas reuniões de planejamento e sentimos a necessidade de desenvolver os trabalhos junto a comunidade, com isso proporcionando ao aluno, ao professor e toda comunidade escolar um olhar diferenciado da aprendizagem. O processo de ensino se caracteriza pela combinação de atividades do professor e dos alunos, ou seja, o professor dirige o estudo das matérias e assim, os alunos atingem progressivamente o atingir as competências. Essas ações interdisciplinares buscam um interesse em comum, dessa forma, a interdisciplinaridade só será eficaz se for uma maneira eficiente de se atingir metas educacionais previament comunidade escolar. Acredito que a interdisciplinaridade visa garantir a construção de um conhecimento globalizante, rompendo com os limites das disciplinas, oferecendo uma nova postura diante do conhecimento, contexto do conhecimento. Trabalhar nessa perspectiva exige uma postura do professor que vai além do que está descrito nos PCNS e PTDS, pois é necessário que ele assuma uma atitude integ didáticas adequadas para essa perspectiva. É através do ensino interdisciplinar, dentro do aspecto histórico crítico, que os professores possibilitarão aos seus alunos uma aprendizagem eficaz complexidade. AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PPP: A eficácia, construção e execução do projeto político pedagógico da escola estão pautadas por um acompanhamento contínuo e sistemático de toda equipe gestora, e entende se equipe gestora ( diretor, ATA, coordenador pedagógico, coordenador de curso, Diretor de Serviços Administrativo e Acadêmico). É necessário que haja responsáveis pela mobilização da escola e espaço para discussão dos rumos que o PPP está tomando, para isso é fundamental: 1) Análise dos PTDs, para verificar a sua relação com o Plano de Curso e proposta pedagógica da 2) Construção, junto com os professores, de um instrumento de acompanhamento do diário de classe, garantindo que eles possam participar da avaliação de suas práticas pedagógicas; 3) 3) Acompanhamento do Planejamento e Desenvolvimento do TCC, verificando a pertinência com o 13/76

14 perpperfil de conclusão dos 4) 4) Construção, juntamente com os professores, de um instrumento de avaliação dos projetos desenvolvidos pelos cursos, professores e 5) 5) Reunir se periodicamente com coordenadores de curso e professores, para estudo e discussão; 6) 6) Reunir se periodicamente com a Orientação Educacional para avaliação e adequação das necessidades dos 7) 7) Reunir se bimestralmente, junto com a coordenação de curso, para avaliação e replanejamento do PDT. É importante, conjuntamente com a comunidade escolar, verificar se o PPP, está efetivamente sendo cumprido e quais as reformulações e adequações são necessárias para que se torne um ins de qualidade e democrática. ETIM DE EVENTOS A área de Hospitalidade engloba diversos segmentos entre eles destaca se o de eventos. Este segmento vem se fortalecendo de forma considerável no cenário nacional. O Brasil entrou de vez no circuito dos grandes eventos sendo palco para shows internacionais, fóruns de expressão como a Rio +20 e claro destaque nos eventos esportivos como a Fórmula 1, que realiza a sua última etapa na cidade de São Paulo. Contudo o mercado se agita mesmo com os dois megaeventos que irão acontecer nos próximos anos, a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de Os olhos do mundo irão se voltar para o Brasil. Trazendo para um panorama mais regional, encontra se o Estado de São Paulo que tem relevância no cenário mercadológico dos eventos, sendo destaque entre os estados brasileiros. Com eventos desde festas até realizações de feiras e congressos, o Estado de São Paulo vem cada vez mais crescendo no setor e atraindo pessoas de todas as partes do Brasil e do mundo. Mas falar em São Paulo como anfitriã de eventos importantes é falar sem dúvida nenhuma da força que tem a metrópole paulistana. A cidade de São Paulo destaca se de maneira estonteante sendo referência quando se trata de eventos na América Latina. Maior cidade do país e uma das maiores do planeta, São Paulo é uma cidade de vanguarda, antenada com as principais tendências mundiais. Sede de grandes espetáculos musicais e de grandes shows internacionais é parte dos calendários mundiais da moda, como a São Paulo Fashion Week, sem falar na riqueza cultural da cidade expressada em eventos como a Virada Cultural, evento este que traz mais de 350 atrações de lazer durante 24 horas ininterruptas. Por essas razões, a elaboração de um Curso TÉCNICO EM EVENTOS INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO é imprescindível para atender a demanda dos eventos que serão gerados no Estado de São Paulo, oferecendo qualificação profissional nas Escolas Técnicas Estaduais do Centro Paula Souza. O TÉCNICO EM EVENTOS será o profissional que saberá agir com eficácia nos diversos campos ligados à área de Eventos como: hostess, atendimento, recepção, relações públicas, serviços de alimentação, gastronomia, promoção, vendas, elaboração de briefing, captação de patrocínio e parceiros, negociação com clientes, fornecedores entre outros, garantindo assim o sucesso e a excelência na prestação de serviços. A habilitação profissional fornecerá subsídios para o desenvolvimento de atividades administrativas e de captação de recursos; assim, o profissional estará apto a elaborar projetos, prestando orientação e serviços técnicos e logísticos, a fim de posicionar e promover o contratante (empresa pública, privada ou sem fins lucrativos) diante de seus públicos, observando a prospecção de novos clientes, demandas do mercado e as novas necessidades, a partir da avaliação do processo. 14/76

15 Dessa forma, o TÉCNICO EM EVENTOS deverá apresentar iniciativa, sendo prático, com capacidade de negociação, de comunicação e de análise crítica. O ensino técnico integrado de Técnico em Eventos, na ETEC vem atender as necessidades da região por esse profissional, portanto além das competências previstas no Plano de curso, estão programadas atividades integradoras para alunos e professores, com objetivo que conheçam o perfil deste profissional: 1) Viagem ao Porto de Santos para professores e alunos com objetivo de apresentar o papel histórico do local e seu potencial no trade turístico do Estado de São Paulo; 2) Viagem a São Luís de Paraitinga para alunos com objetivo de ampliar o repertório turístico do 3) Palestra com Mario Beni professor doutor em Turismo; 4) Concepção e organização da Feira de Idioma na ETEC ETIM DE SEGURANÇA DO TRABALHO A Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO está organizada de acordo com o Eixo Tecnológico d articuladas, com terminalidade correspondente às qualificações profissionais técnicas de nível médio identificadas no mercado de trabalho. Com a integração do Ensino Médio e Técnico, o Curso de TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO, estruturado na modalidade Integrado passa a ter uma Matriz Curricular composta de duas Os componentes curriculares da Formação Geral (Ensino Médio); Os componentes curriculares da Formação Profissional (Ensino Técnico). Essas especificidades se referem na forma como as funções e as competências serão desenvolvidas nas diferentes partes apresentadas. As funções e as competências referentes aos componentes curriculares da Formação Geral (Base Nacional Comum e da Parte Diversificada) são direcionadas para: O desenvolvimento do aluno em seus aspectos físico, intelectual, emocional e moral; A formação da sua identidade pessoal e social; A sua inclusão como cidadão participativo nas comunidades onde atuará; A incorporação dos bens do patrimônio cultural da humanidade em seu acervo cultural pessoal; A fruição das artes, da literatura, da ciência e das tecnologias; A preparação para escolher uma profissão e formas de atuar produtiva e solidariamente na sociedade; A aquisição de bases científicas requisitadas pelas bases tecnológicas que constituem a organização curricular da parte técnica. Por serem desta natureza, as competências a serem desenvolvidas na Formação Geral (Ensino Médio), são as mesmas para todos os componentes curriculares e os conhecimentos requeridos cada uma delas podem ser também os mais diversos, ao contrário do que ocorre na Formação Profissional. Nessa, para cada componente curricular as competências são diferenciadas, bem como são específicas e bem definidas as bases tecnológicas a elas correspondentes. Por isso, as listas de temas que deverão ser trabalhados para construção de conhecimentos em cada componente curricular são apresentadas no final da relação das competências das três sé trabalhados em uma ou outra série dependerá da integração que se fará, por meio de projetos interdisciplinares, entre os diversos componentes de uma mesma área de estudos, de áreas d Formação Geral (Ensino Médio) com as constituintes da Formação Profissional, neste último caso relacionando bases científicas com bases tecnológicas e teoria com a prática em ativ TRABALHO. Também o destaque dado aos Valores e Atitudes justifica se porque, desenvolvê los é um dos objetivos importantes do curso. ENSINO MÉDIO A educação básica tem por finalidade, segundo o artigo 22 da LDB, desenvolver o educando, assegurar lhe a formação indispensável para o exercício da cidadania e fornecer lhe meios pa posteriores. Esta última finalidade deve ser desenvolvida de maneira precípua pelo ensino médio, uma vez que entre as suas finalidades específicas incluem se a preparação básica para o serem desenvolvidas por um currículo, que destacará a educação tecnológica básica, a compreensão do significado da ciência, das letras e das artes; o processo histórico de transformaçã portuguesa como instrumento de comunicação, acesso ao conhecimento e exercício da cidadania. Nesse sentido, o ensino médio deve ser planejado em consonância com as características sociais, culturais e cognitivas do sujeito humano referencial desta última etapa da Educação 15/76

16 Básica: adolescentes, jovens e adultos. Cada um desses tempos de vida tem a sua singularidade, como síntese do desenvolvimento biológico e da experiência social condicionada historicamente. Por outro lado, se a construção do conhecimento científico, tecnológico e cultural é também um processo sócio histórico, o ensino médio pode configurar se como um momento em que necessidades, interesses, curiosidades e saberes diversos confrontam se com os saberes sistematizados, produzindo aprendizagens socialmente e subjetivamente significativas. Num processo educativo centrado no sujeito, o ensino médio deve abranger, portanto, todas as dimensões da vida, possibilitando o desenvolvimento pleno das potencialidades do educando Visto a mudança do perfil de nossos alunos e acompanhando seu comportamento, podemos afirmar que está cada mais fácil trabalhar determinados assuntos ou projetos com eles, porque apresentam uma boa bagagem, quer dizer, eles trazem grande experiência ou vivência, ou ao menos informação daquilo que querem para o futuro ou que vivem no presente. Além disso, percebemos um adolescente mais atuante e mais transparente, que nos permite trabalharmos com mais exigência (aos estudos e à postura adequada). Por outro lado, eles são mais carentes, ou seja, acenam uma necessidade de serem ouvidos ou de terem seus objetivos aceitos ou validados por um adulto líder, que seja referência. Por isso, e tendo conhecimento disso, é que nossos professores são orientados atender essas necessidades, trabalhando para que esses jovens se tornem mais seguros, autônomos e em alguns casos líderes. Isso se dá por meio de projetos (vide relação) em que todos os alunos são responsáveis pela realização do mesmo (o professor é um orientador), pela forma como são avaliados (o professor deve criar aulas e atividades que gerem o refletir, trocar e expressar se), pela cobrança da participação em aula (atenção, produção e busca) e pelo tratamento que recebem dos professores e demais colaboradores (representantes de sala, membros do Grêmio, parte de determinado grupo, papel da escola, e sua individualidade). ELETROELETRÔNICA A área de atuação do profissional com formação em Eletroeletrônica é ampla. Ele pode trabalhar em diversos segmentos do setor produtivo, principalmente o industrial, c Televisão, Termoelétricas, Hidroelétricas e Subestações de energia. Com atuação em telecomunicações, sistemas de telefonia sem fio (celulares), rádio, televisão e outras formas de propagação de sinais, o profissional em Eletroeletrônica p hidroelétricas e subestações de energia, assim como em indústrias de máquinas elétricas e de equipamentos eletroeletrônicos. Responsável por executar, fiscalizar, orientar e coordenar diretamente serviços de manutenção e reparo de equipamentos elétricos e eletrônicos, instalações e elaboração de como conduzir e treinar as respectivas equipes. O profissional é treinado para possuir conhecimento do processo de implementação de produtos que incorporam novas te atividades de instalação, manutenção, controle e acionamento eletroeletrônico. O curso de Eletroeletrônica desde sua implantação tem trazido destaque para a ETEC, com participação na FEBRACE, FETEPS, MOSTRATEC. 16/76

17 SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivo do Técnico em Segurança do trabalho: Supervisionar as atividades ligadas á segurança do trabalho, visando assegurar condições que eliminem ou reduzam ao mínimo os riscos d observando o cumprimento de toda a legislação pertinente, que regulam a matéria. Suas metas são: A) Promover inspeções nos locais de trabalho, identificando condições de perigo, tomando todas as providências necessárias para eliminar estas situações de riscos, bem como treinar e conscie na segurança do trabalho. B) Preparar programas de treinamento sobre segurança do trabalho, incluindo programas de conscientização e divulgação de normas de segurança, visando ao desenvolvimento de uma atitud segurança do trabalho. C) Determinar a utilização pelo trabalhador dos equipamentos de proteção individual (EPI), bem como indicar e inspecionar equipamentos de proteção contra incêndio, quando as condições as riscos à segurança e integridade física do trabalhador, bem como os equipamentos de proteção coletiva do trabalho (EPC). D) Colaborar nos projetos de modificações prediais ou novas instalações da empresa, visando a criação de condições mais seguras no trabalho, bem como todo sistema de ergonomia no trabalho E) Pesquisar e analisar as causas de doenças ocupacionais e as condições ambientais em que ocorreram, tomando as providências exigidas em lei, visando evitar sua reincidência, bem causadoras dessas doenças. F) Promover campanhas, palestras e outras formas de treinamento com o objetivo de divulgar as normas de segurança e higiene do trabalho individual e coletiva, bem como para informar e cons insalubres, perigosas e penosas, fazendo o acompanhamento e avaliação das atividades de treinamento e divulgação. G) Supervisionar os serviços de cantina e refeitórios, vigilância e portaria, visando garantir o bom atendimento ao público interno e visitantes, bem como a sua segurança. H) Distribuir os equipamentos de proteção individual (EPI), bem como indicar e inspecionar equipamentos de proteção contra incêndio, quando as condições assim o exigirem, visando à reduçã física do trabalhador, bem como todos os Equipamentos de Proteção Coletivas (EPC). I) Colaborar com os componentes da CIPA em seus programas, estudando suas observações e proposições, visando a adotar soluções corretivas e preventivas de acidentes do trabalho, seja ind J) Levantar e estudar estatísticas de acidentes do trabalho, doenças profissionais e do trabalho, analisando suas causas e gravidade, visando a adoção de medidas preventivas, para evitar que se K) Elaborar planos para controlar efeitos de catástrofes, criando as condições para combate a incêndios e salvamento de vítimas de qualquer tipo de acidente, pela forma de treinamentos constan L) Preparar programas de treinamento, admissional e de rotina, sobre segurança do trabalho, incluindo programas de conscientização e divulgação de normas e procedimentos de segurança, visan preventiva nos funcionários quanto à segurança do trabalho, pois a vida e a saúde, também representam patrimônio da empresa. M) Prestar apoio à CIPA e SIPAT, organizando as atividades e recursos necessários, semestralmente. N) Avaliar os casos de acidente do trabalho, acompanhando o acidentado para recebimento de atendimento médico adequado, processando avaliar as suas causas. O) Realizar inspeções nos locais de trabalho, identificando condições de perigo, tomando todas as providências necessárias para eliminar as situações de riscos, bem como treinar e conscientiz segurança no trabalho, sempre que possível. P) Conscientizar e demonstrar, a direção da empresa, da necessidade e obrigatoriedades de EPI e EPC mais moderno. Q) Deverá sempre: 01) Manter o fichário de EPI, EPC e extintores de incêndio atualizados; 02) Manter atualizados os quadros setoriais de acidentes; bem como suas causas; 03) Orientar o trabalhador quanto ao uso do EPI e do EPC; 04) Acompanhar acidentados ao Pronto Socorro e emitir CAT. 05) Fazer exames audiométricos e outros necessários; 06) Comunicar ao Depto. Pessoal sobre a estabilidade de acidentados e suas causas; 07) Dar suporte técnico à CIPA e coordenar a realização da SIPAT semestralmente; 08) Preparar documentos e programas exigidos pela legislação do trabalho; 09) Elaborar mapa de riscos, bem como evitar; 10) Dar de si tudo para evitar acidentes na empresa. 17/76

18 CONTABILIDADE O TÉCNICO EM CONTABILIDADE é o profissional que desempenha tarefas relativas à contabilidade e auxilia a administração das entidades. Analisa a documentação contábil e elabora o plano documentos relativos à atividade contábil e prepara as conciliações contábeis. Registra as operações de débito e crédito da empresa, ordenando os movimentos de partidas simples e dobr haveres, direitos e obrigações legais. Constitui e regulariza empresas, examina e classifica documentos fiscais e parafiscais. Auxilia no atendimento à fiscalização e precede a consultoria emp operacionaliza a contabilidade de custos, efetua contabilidade gerencial e realiza controle patrimonial. MERCADO DE TRABALHO Trabalhar em escritórios de contabilidade, em departamentos de contabilidade de empresas agrícolas, comerciais, industriais e de serviços, do terceiro setor e em órgãos governamentais. Ao concluir os MÓDULOS I, II e III, o TÉCNICO EM CONTABILIDADE deverá ter construído as seguintes competências gerais: Identificar a organização e os processos de uma empresa comercial, industrial ou prestação de serviços, governamentais e do terceiro setor; Aplicar princípios e conceitos, tais como patrimônio, faturamento, lucro bruto e lucro líquido, custos e despesas, margem de contribuição e outros índices relacionados à produtividad Identificar e interpretar a legislação que regula as atividades de comercialização, tais como as normas referentes aos direitos do consumidor, aos contratos comerciais, as normas de comércio exterior e normas Internacionais de Contabilidade, às questões tributárias e fiscais; Controlar estoques utilizando técnicas e modelos adequados; Aplicar conceitos de matemática financeira (juros, descontos, prestações) e calcular valores, utilizando se de calculadoras financeiras ou de planilhas de cálculo; Aplicar normas e leis pertinentes ou que regulamentem atividades da área, como as referentes à conduta ética e a direitos autorais, patentes e saúde e segurança do trabalho; Utilizar de forma ética e adequada as possibilidades oferecidas por leis de incentivo fiscal à produção na área; Comunicar se com os profissionais das equipes, utilizado vocabulário técnico e glossário de contabilidade específico; Negociar e documentar, nos formatos legais, usuais, contratos típicos da produção, da distribuição, da comercialização e prestação de serviços terceirizados; Identificar as estruturas orçamentárias e societárias das entidades e relacioná las com os processos de gestão; Utilizar os instrumentos de planejamento, bem como executar, controlar e avaliar os procedimentos dos ciclos: Financeiro; Contábil; Tributário Do patrimônio; Da produção; Dos sistemas de informações. Identificar características, possibilidades e limites na área de atuação profissional; Utilizar a tecnologia disponível na pesquisa de ferramentas e no desenvolvimento das atividades da área. 18/76

19 ATOS LEGAIS DE CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DECRETO Nº ,DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 Cria a Escola Técnica Estadual ETEC Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara Pirituba, no Município de São Paulo. Eletroeletrônica Plano de Curso aprovado pela Portaria CETEC nº 172 de , publicada no Diário Oficial de Poder Executivo Seção I página 47. Contabilidade Plano de Curso aprovado pela Portaria CETEC nº 177, de , publicada no DOE de Poder Executivo Seção I página 40. Segurança do Trabalho Plano de Curso aprovado pela Portaria CETEC nº 159, de , publicada no Diário Oficial de Poder Executivo seção I página 47. Ensino Médio Autorizado pelo parecer 105/98 do CEE, DOE de 02/04/1998 Se. I, pág. 13 Eventos Integrado ao Ensino Médio Plano de curso aprovado pela Portaria CETEC 161 de , publicada no Diário Oficial de Poder Executivo Seção I página 59 Segurança do Trabalho Integrado ao Ensino Médio Plano de curso aprovado pela Portaria CETEC 164 de , publicada no Diário Oficial de Poder Executivo Seção I página 59, retificada no Diário Ofic Executivo Seção I página 53. HISTÓRICO DA ESCOLA HISTÓRICO Em 25 de julho de 2011 deu se o início das atividades, ainda como extensão da Etec Gildo (Perus), com os cursos de técnico em segurança do trabalho (tarde e noite), eletroeletrônica (tarde e no houve demanda para o período da tarde). Durante praticamente todo o primeiro semestre, as primeiras turmas conviveram com obras. Apesar de ter o espaço diminuído pelas obras, o primeiro sem 2011 a extensão da Etec Gildo, ganhou o status de Etec, desvinculando se administrativamente da mesmao e ganhando como patrona a Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara. HISTÓRIA DA PATRONA DA ESCOLA A Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara, nasceu em Apucarana, no Paraná, em 15 de março de Filha de Seiti Kanashiro (1929) e de Luzia Kanashiro (1931), era irmãos. Em 1958, a família se mudou para Maringá, onde passou sua infância e adolescência. Durante o último ano do colégio na Escola Estadual Dr, Gastão Vidigal, trabalhou como assistente na Escola de Inglês FISK, para custear o curso preparatório para vestibular mas, ao obteve 100% de desconto por ter obtido a melhor pontuação. Passou no curso Engenharia Química na UEM Universidade Estadual de Maringá. Mais tarde, foi a Curitiba fazer o curso de Química na Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, função de professora. Terminando este curso, em 1979, foi à UNICAMP, Universidade Estadual de Campinas, motivada a fazer o curso de Engenharia de Alimentos. Por seu currículo escolar, conseguiu ingres De 1984 a 1989, fez mestrado em Engenharia de Alimentos na própria UNICAMP e, de 2005 a 2010, fez doutorado em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual Paulista Júlio de M Em 6 de julho de 1985, casou se com Roberto Takashi Toyohara, Engenheiro Mecânico pela Escola de Engenharia de São Carlos USP e teve dois filhos, Rafael Kanashiro Toyoh Engenharia de Alimentos na UNICAMP e Guilherme Kanashiro Toyohara (1990), que cursa Engenharia Química na Escola Politécnica da USP. Era professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo e professora do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza. Tinha experiência na área de 19/76

20 Química, atuando principalmente nos seguintes temas: estratégia de ensino, educação ambiental, ensino médio e projeto interdisciplinar. Uma vida dedicada aos estudos e compromisso com a aprendizagem de seus alunos, nunca mediu esforços para estar sempre atualizada no seu campo de atuação. Não sabia negar pessoas. Destacava se pela disponibilidade, simpatia, simplicidade e humildade, em todos os lugares por onde passava. Era apreciadora dos mais diversos tipos de artes. Na música, sua preferência era pela música popular brasileira. Descrita por todos que a conheciam como uma pessoa sensível, que gostava de viajar, religiosa, de muita crença e fé em Deus. E que diante das dificuldades, nunca se deixava vencer. A Como iniciou seu trabalho ainda muito jovem, faltava pouco tempo para a merecida aposentadoria, o que alimentou o sonho de poder viajar e de cuidar dos netos, sendo este o maior deles. precocemente em 20 de fevereiro de HISTÓRICO DO BAIRRO Embora a história urbana de Pirituba tenha começado com a inauguração da estação ferroviária, o local tem histórico mais antigo. No final do século 18, por exemplo, o Coronel Anastácio de Freit Anastácio, por aquisições e arremates judiciais de diversas glebas. A área da Fazenda estendeu se à margem direita da velha estrada de rodagem que ligava S. Paulo a Campinas e Jundiaí. Em 1856 a Fazenda Anastácio veio a ser adquirida pelo Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar e sua mulher, Domitília de Castro Canto e Melo, a Marquesa de Santos. Em 1917 a Companhia Armour Anastácio e Capuava dos herdeiros da Marquesa de Santos. Ao adquirir o controle acionário da Companhia Armour, a Deltec destinou à Cia City, sua associada, áreas antes destinadas à criação Esta é a origem dos espaços que, nas décadas de 1970 e 1980, vieram a ser transformados nos loteamentos residenciais City América, Recanto Anastácio e Jardim dos Pinheiros, todos com o p concentração na região de indústrias como a Fiat Lux, o Lanifício Pirituba, as Refinações de Milho Brasil, a Gessy Lever, os Pianos Fritz Dobbert, a Metalúrgica Mauser, e outras, conferiram ao b predominantemente industrial. Com isso. Pirituba tornou se uma região muito populosa, com perfil majoritariamente operário. Além disso, o bairro é cortado pela linha de trens que liga Santos a Jundiaí da Cia. Paulista de Trens Metropolit Um bom número de empresas de atividade comercial tem se instalado para atender a essa população, dando outro perfil ao bairro, hoje mais comercial que industrial, tendo como carro chefe o Sh 25 anos de existência neste mês e que foi construído em área do antigo Lanifício Pirituba. Por conta do progresso e pela vocação industrial de Pirituba (aliada à sua localização estratégica, próximo às Rodovias dos Bandeirantes e Anhanguera), a Cia. City desenvolveu um projeto voltad planejado, que veio a ser implantado a partir de 1995: o City Empresarial Jaraguá. Modalidade: Médio NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO O currículo do ensino médio da Escolas Técnicas Estaduais do Centro Paula Souza foi elaborada coletivamente pelos docentes, com objetivo de apresentar no princípios da reforma, implantada pela Lei das Diretrizes e Base Nacional 9394/96 A clientela da Etec Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara, é uma clientela de classe média, no aspecto econômico, com faixa etária variando d alunos ingressantes na primeira série do ensino médio. Apesar de ser um dos principais indicadores o ingresso do alunos no ensino superior ainda não pode s ainda não ter formado nenhuma turma do ensino médio. As aulas de língua estrangeira (espanhol) serão oferecidas no segundo ano com duas aulas semanais. As aulas de Filosofia e Sociologia, são matérias independentes ministradas na primeira série, com uma aula semanal cada. No terceiro ano os alunos terão uma aula semana de disciplina de projetos. Habilitações associadas: Ensino Médio Modalidade: Técnico O TÉCNICO EM CONTABILIDADE é o profissional que desempenha tarefas relativas à contabilidade e à administração das organizações. Analisa a documentação co Organiza, controla e arquiva documentos relativos à atividade contábil/ administrativa e controla as movimentações. Constitui e regulariza empresas, identifica documentos e i procede a consultoria empresarial. Executa a contabilidade geral, operacionaliza a contabilidade de custos e efetua contabilidade gerencial. Administra o departamento de pessoa MERCADO DE TRABALHO Trabalhar em escritórios de contabilidade, em departamentos de contabilidade de empresas agrícolas, comerciais, industriais e de serviços e em órgãos governamentais. O TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO é o profissional que atua em ações prevencionistas nos processos produtivos com auxílio de métodos e técnicas de ide controle de riscos ambientais, de acordo com a Legislação Brasileira, Normas Regulamentadoras e princípios de Higiene, Saúde e Segurança do Trabalho. Desenvolve aç segurança do trabalho. Seleciona, controla, orienta e fiscaliza o uso de EPI e EPC. Coleta e organiza informações de saúde e de segurança no trabalho. Avalia e executa diverso inclusive PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais). Investiga, analisa acidentes e recomenda medidas de prevenção e controle. MERCADO DE TRABALHO O TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO atua em todas as empresas privadas e públicas, que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho hospitais, empresas comerciais, mineradoras, etc. Também poderá atuar na área rural. O TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA é o profissional que planeja serviços de manutenção e instalação eletroeletrônica e realiza manutenções preventivas, preditiv componentes eletroeletrônicos. Realiza medições e testes, como também desenvolve e executa projetos de instalações elétricas, circuitos eletrônicos e automação. Elabora do conformidade com normas e procedimentos técnicos e de qualidade, segurança, higiene, saúde e preservação ambiental. Planeja e executa a instalação e a instalações eletroeletrônicas industriais, observando normas técnicas e de segurança. Projeta e instala sistemas de acionamento e controle eletroeletrônicos. Propõe o uso efi desenvolve e executa projetos de instalações elétricas em edificações em baixa tensão. MERCADO DE TRABALHO Indústria eletroeletrônica. Indústria de manufatura e de processos. Empresas de manutenção e automação. Laboratórios de controle e de qualidade, de manutenção e pesquisa Desenvolvimento de projetos eletroeletrônicos e prestação de serviços. Habilitações associadas: Contabilidade Eletroeletrônica Segurança do Trabalho Modalidade: ETIM DE EVENTOS Integrado 20/76

21 A área de Hospitalidade engloba diversos segmentos entre eles destaca se o de eventos. Este segmento vem se fortalecendo de forma considerável no cenário nacional. O Brasil entrou de vez no circuito dos grandes eventos sendo palco para shows internacionais, fóruns de expressã eventos esportivos como a Fórmula 1, que realiza a sua última etapa na cidade de São Paulo. Contudo o mercado se agita mesmo com os dois megaeventos que irão acontecer nos próximos anos, a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de Os olhos do mundo irão se voltar para Trazendo para um panorama mais regional, encontra se o Estado de São Paulo que tem relevância no cenário mercadológico dos eventos, sendo destaque entre os estados brasileiros. Com ev feiras e congressos, o Estado de São Paulo vem cada vez mais crescendo no setor e atraindo pessoas de todas as partes do Brasil e do mundo. Mas falar em São Paulo como anfitriã de eventos importantes é falar sem dúvida nenhuma da força que tem a metrópole paulistana. A cidade de São Paulo destaca se de maneira estontean eventos na América Latina. Maior cidade do país e uma das maiores do planeta, São Paulo é uma cidade de vanguarda, antenada com as principais tendências mundiais. Sede de grandes esp internacionais é parte dos calendários mundiais da moda, como a São Paulo Fashion Week, sem falar na riqueza cultural da cidade expressada em eventos como a Virada Cultural, evento este durante 24 horas ininterruptas. Por essas razões, a elaboração de um Curso TÉCNICO EM EVENTOS INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO é imprescindível para atender a demanda dos eventos que serão gerados no Estado profissional nas Escolas Técnicas Estaduais do Centro Paula Souza. O TÉCNICO EM EVENTOS será o profissional que saberá agir com eficácia nos diversos campos ligados à área de Eventos como: hostess, atendimento, recepção, relações ETIM DE SEGURANÇA DO TRABALHO A Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO está organizada de acordo com o Eixo Tecnológico d articuladas, com terminalidade correspondente às qualificações profissionais técnicas de nível médio identificadas no mercado de trabalho. Com a integração do Ensino Médio e Técnico, o Curso de TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO, estruturado na modalidade Integrado passa a ter uma Matriz Curricular composta de duas Os componentes curriculares da Formação Geral (Ensino Médio); Os componentes curriculares da Formação Profissional (Ensino Técnico). Essas especificidades se referem na forma como as funções e as competências serão desenvolvidas nas diferentes partes apresentadas. As funções e as competências referentes aos componentes curriculares da Formação Geral (Base Nacional Comum e da Parte Diversificada) são direcionadas para: O desenvolvimento do aluno em seus aspectos físico, intelectual, emocional e moral; A formação da sua identidade pessoal e social; A sua inclusão como cidadão participativo nas comunidades onde atuará; A incorporação dos bens do patrimônio cultural da humanidade em seu acervo cultural pessoal; A fruição das artes, da literatura, da ciência e das tecnologias; A preparação para escolher uma profissão e formas de atuar produtiva e solidariamente na sociedade; A aquisição de bases científicas requisitadas pelas bases tecnológicas que constituem a organização curricular da parte técnica. Por serem desta natureza, as competências a serem desenvolvidas na Formação Geral (Ensino Médio), são as mesmas para todos os componentes curriculares e os conhecimentos requeridos cada uma delas podem ser também os mais diversos, ao contrário do que ocorre na Formação Profissional. Nessa, para cada componente curricular as competências são diferenciadas, bem como são específicas e bem definidas as bases tecnológicas a elas correspondentes. Por isso, as listas de temas que deverão ser trabalhados para construção de conhecimentos em cada componente curricular são apresentadas no final da relação das competências das três sé trabalhados em uma ou outra série dependerá da integração que se fará, por meio de projetos interdisciplinares, entre os diversos componentes de uma mesma área de estudos, de áreas d Formação Geral (Ensino Médio) com as constituintes da Formação Profissional, neste último caso relacionando bases científicas com bases tecnológicas e teoria com a prática em ativ TRABALHO. Também o destaque dado aos Valores e Atitudes justifica se porque, desenvolvê los é um dos objetivos importantes do curso. Habilitações associadas: Eventos (Integrado) Segurança do Trabalho (Integrado) AGRUPAMENTO DISCENTE (1º Semestre) 2015 Habilitação Série/Módulo Turno Contabilidade 1º Módulo Noite Contabilidade 2º Módulo Noite Contabilidade 3º Módulo Noite Eletroeletrônica 1º Módulo Noite Eletroeletrônica 1º Módulo Tarde Eletroeletrônica 2º Módulo Noite Eletroeletrônica 3º Módulo Tarde Eletroeletrônica 3º Módulo Noite Eletroeletrônica 4º Módulo Tarde Eletroeletrônica 4º Módulo Noite Eletrotécnica 2º Módulo Tarde Ensino Médio 1ª Série Manhã 21/76

22 Ensino Médio 2ª Série Manhã Ensino Médio 3ª Série Manhã Eventos (Integrado) 1ª Série Manhã Eventos (Integrado) 2ª Série Manhã Segurança do Trabalho 1º Módulo Noite Segurança do Trabalho 2º Módulo Noite Segurança do Trabalho 2º Módulo Tarde Segurança do Trabalho 3º Módulo Noite Segurança do Trabalho 3º Módulo Tarde Segurança do Trabalho (Integrado) 1ª Série Manhã Soma total AGRUPAMENTO DISCENTE (2º Semestre) 2015 Habilitação Série/Módulo Turno CLASSES DESCENTRALIZADAS RECURSOS HUMANOS 2015 O fato de sermos uma unidade nova nos traz algumas dificuldades, porém nossa localização nos traz alguns benefícios. Dificuldades pois padecemos da falta de cargos administrativos, porem, nossa localização faz com que vários servidores queiram transferência para nossa unidade. Em face disso, a administração de nossa unidade é formada pela direção, por um assistente administrativo, dois auxiliares administrativos, uma bibliotecária e um professor que acadêmico. Quanto aos professores, temos 41 docentes em nosso quadro, sendo, 06 determinados e 35 indeterminados. Número excepcional para uma unidade tão jovem como a nossa unida Acacio Felipe Filho da Silva Administrativo Diretor de Serviço Administrativo SEÇÃO III Dos Serviços Administrativos Artigo 31 Os Serviços Administrativos compreendem a execução das atividades de administração de pessoal, recursos físicos, financeiros e materiais, compras, almoxarifado, limpeza, patrimônio, segurança, zeladoria, manutenção das instalações, equipamentos e outras pertinentes no âmbito da Etec. Parágrafo único As atribuições do responsável pelos Serviços Administrativos serão descritas em Deliberação do Conselho Deliberativo do CEETEPS, inerentes ao emprego público ocupado. Alessandra F. G. Santos Administrativo Locada na Diretoria de Serviços Administrativo Tecnólogo em gestão de Recursos Humanos Ana Paula Ferreira Vicari Indeterminado do ETIM de Eventos Graduada em Turismo Carolina Rosa dos Santos Estagiário Atua na Diretoria de Serviços Administrativos Celia Regina C. S. da Silva Miranda 22/76

23 Administrativo Assistente Administrativo Cargo em Confiança Ensino Médio Completo Celso Carnevale do Curso de Eletroeletrônica Cesar Augusto A. de Souza Professor indeterminado Professor I 01/08/2012 Tecnólogo em Materiais e Processos de Componentes Eletrônicos. Claudio Melhado Martinez Professor indeterminado 07/02/2012 Graduação bacharel em ciências contabeis Leciona nos Componentes: Contabilidade Empresarial e Comercial, Prática Trabalhista e Previdenciária. 23/76

24 Cleusa Lopes Malta Professor determinado do Ensino Médio e ETIM Lingua Portuguesa e Inglês Daniel do Nascimento Martinho Professor Indeterminado 01/06/1991 Licenciado em matematica e graduação em ciencias contabeis Coordenador do ensino médio Leciona nos componentes:matemática,contabilidade geral,planejamento de conclusão de curso, projetos contábeis II, processos estáticos, aplicativos contabilidade geral, operações financeiras, processos estatísticos. Daniel Ferreira de Carvalho Indeterminado do Ensino Médio e ETIM Professor de História 24/76

25 Daniela Genovesi Professor Indeterminado 03/08/2012 Formação: Materiais de Processos e Componentes Eletrônicos Daniele de Oliveira Reis Professor indeterminado 01/08/2012 Graduada em Administração de Empresas Leciona nos componentes: Gestão Empresarial e Técnicas em Estruturação de Campanha Douglas Leonardo dos Santos Professor determinado Química Ensino Médio 25/76

26 Douglas Willian de Araújo Indeterminado atuando no Curso de Eletroeletrônica Eliane Leite Alcantara Malteze Administrativo Diretor de Escola Técnica A Direção da Etec, sem prejuízo de outras constantes em documento próprio do CEETEPS e da legislação, terá as seguintes atribuições: I Garantir as condições para o desenvolvimento da gestão democrática do ensino, na forma prevista pela legislação e neste Regimento; II Coordenar a elaboração do projeto político pedagógico da III Gerenciar os recursos físicos, materiais, humanos e financeiros para atender às necessidades da escola a curto, médio e longo prazos; IV Promover a elaboração, o acompanhamento, a avaliação e o controle da execução do Plano Plurianual de Gestão e do Plano Escolar; V Coordenar o planejamento, execução, controle e avaliação das atividades da VI Garantir: a) o cumprimento dos conteúdos curriculares, das cargas horárias e dos dias letivos previstos; b) os meios para a recuperação de alunos de menor rendimento e em progressão parcial; VII Assegurar o cumprimento da legislação, bem como dos regulamentos, diretrizes e normas emanadas da administração superior; VIII Expedir diplomas, certificados e outros documentos escolares, responsabilizando se por sua autenticidade e exatidão; IX Desenvolver ações, visando ao contínuo aperfeiçoamento dos cursos e programas, dos recursos físicos, materiais e humanos da X Administrar o patrimônio da escola, observadas as normas e diretrizes estabelecidas; XI Promover ações para a integração escola família comunidade empresa; XII Coordenar a elaboração de projetos, submetendo os à aprovação dos órgãos competentes, acompanhar seu desenvolvimento e avaliar seus resultad XIII Criar condições e estimular experiências para o aprimoramento do processo educacional; XIV Integrar as ações dos serviços prestados pela escol XV Prestar informações à comunidade escolar; XVI Gerir a execução de ajustes administrativos que envolvam atividades nas dependências da Etec; XVII Desempenhar outras atividades correlatas e afins. Elida Paula de Oliveira Souza Administrativo Responsável pelo almoxarifado e compras. Ensino Médio Completo, cursando Educação Física Elza Cedro de Andrade Professor Indeterminado 01/02/2011 Licenciada em letras Leciona nos componentes: Linguagem, Trabalho e Tecnologia e Inglês Instrumental 26/76

27 Fátima Conceição Sivieri Professor determinado Ensino Médio Matemática Flavia Cristina da Silva Professora: indeterminada 10/08/2010 Graduação; bacharel em educação fisica Leciona nos componentes: educação fisica ensino médio Flavio Pereira Bertine Professor indeterminado 01/08/2012 Graduação Arquitetura e Urbanismo e Lato Sensu em Engenharia de Segurança do Trabalho. Leciona nos Componentes: Analise Ergonômica do Trabalho e Segurança nos processos industriais. 27/76

28 Isabela da Fonseca Pinheiro e coordenadora do ETIM de Eventos Israel Pereira de Souza determinado do curso de Eletroeletrônica e Contabilidade Iverson Machado Professor indeterminado 01/08/2012 Graduação: Física e Técnico em Eletrônica Leciona nos componentes: física, eletrônica analógica i, montagem de circuitos elétricos 28/76

29 José Antonio Seabra da Costa Professor Indeterminado 01/08/2012 Bacharel em Direito Leciona nos componentes:meio Ambiente e Segurança do Trabalho,Relações Humanas no Trabalho,direiro e legislação, contabilidade tributária José de Jesus Paiva Professor Indeterminado 01/08/2012 Formação : Administração de Empresas Josimar Salustiano da Silva Estagiário Diretoria de Serviços Administrativo Data do Contrato 05/02/2014 Karina da Silva Oliveira Professora de Filosofia Professor Indeterminado 17/02/ /76

30 Katia Josefa da Silva Determinado de Inglês Instrumental do Curso de Eletroeletrônica Luiz Roberto de Oliveira Professor: indeterminado 10/09/1998 Graduação: licenciado, engenheiro de segurança do trabalho Leciona no componente representação digital em segurança do trabalho, higiene e segurança do trabalho e segurança nos processos industriais. Manoel Messias da Conceição Filho Graduação tecnologia em mecânica Professor indeterminado 01/02/2013 Leciona no componente: desenho técnico técnico em eletroeletrônica 30/76

31 Marcelo de Paula Professor Indeterminado 21/02/1994 Graduado em Engenharia Elétrica Leciona: Eletrônica Industrial de Potência I Marcelo Pelaes Almeida Professor Indeterminado 26/03/2013 Graduado: Sistemas de Informação Professor da área de informática para cursos diversos Marcelo Penteado de Toledo 31/76

32 Administrativo Respondendo pela Diretoria de Serviços Acadêmico SEÇÃO IV Dos Serviços Acadêmicos Artigo 32 Os Serviços Acadêmicos compreendem a escrituração, documentação escolar, expedição e registro de documentos escolares, fornecimento de informações e dados para planejamento, controle de processos e avaliações dos resultados do ensino e aprendizagem. Parágrafo único Compete ao responsável designado para os Serviços Acadêmicos, além das atribuições previstas em regulamentos próprios do CEETEPS: 1. responder pela regularidade e autenticidade dos registros e documentos da vida escolar do aluno; 2. cumprir e fazer cumprir normas legais, regulamentos, diretrizes e prazos estabelecidos para execução dos trabalhos; 3. propor medidas ou expedir instruções que visem à racionalização e manutenção das suas atividades; 4. instruir e emitir pareceres em processos e expedientes em assuntos sob sua responsabilidade; 5. assinar os documentos escolares que, conforme normas legais, exijam sua assinatura; 6. fornecer dados e informações acadêmicas para cadastros oficiais, responsabilizando se por eles; 7. responsabilizar se pela guarda ou arquivo dos registros e documentos acadêmicos. Marcelo Santana determinado do curso de Eletroeletrônica Marco Antonio da Silva de Eletroetronica Graduação: Engenharia Elétrica Professor Indeterminado 01/02/2012 Marconi Afonso Longo Salvador Professor: indeterminado 21/02/1998 Graduação; geografia Leciona no componente geografia ensino médio 32/76

33 Marcos Aurelio Hegedus Professor Indeterminado 01/08/2012 Graduado em Arquitetura e Urbanismo e Lato Sensu em Engenharia de Segurança do Trabalho., Leciona nos componentes: Higiene e Segurança do Trabalho,Representação Digital em Segurança do Trabalho, Segurança nos processos Industriais, Fund Legislação e Normas Técnicas Marcos Honório Neves Professor Indeterminado 17/02/2014 Formação: Engenheiro Elétrico Latu Sensu em Segurança do Trabalho Maria Ines Rodrigues Outros 33/76

34 Professor responsável pela relação empresa escola. Formação: Nutricionista Ingresso no Centro Paula Souza 15/06/1994 Maria Inês Rodrigues Administrativo Assistente Técnico Administrativo Artigo 33 Competem aos Serviços de Relações Institucionais, assistir ao diretor, além das atribuições previstas em regulamentos próprios do CEETEPS: I. propor estudos e participar da elaboração de normas e procedimentos internos da Etec, como Normas de Convivência, Estatutos, Informativos e outros; II. manter intercâmbio com empresas e instituições públicas e privadas visando a integrar a Etec ao contexto socioeconômico da região; III promover as relações escola empresa; IV. analisar o mercado e levantar os indicadores visando à proposição de novos cursos ou atualização dos existentes; V. buscar parcerias junto às empresas e instituições públicas e privadas de acordo com as políticas e diretrizes estabelecidas pela Administração Central; VI. promover e divulgar a Etec e suas atividades; VII. planejar, organizar e controlar os programas de Estágio, bem como acompanhar as atividades dos Professores Responsáveis por Estágio em conjunto com a Coordenação de Curso. Marilia Emanuella Myhrra Professor Indeterminado 01/08/2013 Professor de LPL e Inglês Marli Moreira Luíz Administrativo Recepção e serviços acadêmicos. Ensino Médio Completo. Milton Cesar Rodrigues Graduado em Ciências da Computação Nilson Costa do Nascimento Junior 34/76

35 Professor indeterminado 01/08/2010 Graduação licenciatura química Leciona no componente química ensino médio Odirlei Barbalho Silva Professor Indeterminado 01/08/2012 Formação: Engenheiro Elétrico Paulo Henrique Ubirajara Mijas Professor Indeterminado 01/08/2012 Licenciado letras Leciona nos componentes inglês e inglês instrumental 35/76

36 Pedro Henrique Abilio Capusso Administrativo Auxiliar Administrativo Ensino Médio Completo, cursando Psicologia. Presta serviço junto aos alunos. Pedro Henrique Gomes da Silva Pimentel Estagiário Atua na Diretoria de Serviços Administrativo Regiane Oho Indeterminado Artes Ensino Médio Ricardo da Costa Lima Professor de Eletroeltronica Professor Indeterminado 01/08/2012 Rita de Cássia Giusti Barbosa Administrativo Atua na Diretoria de Serviços e Biblioteca Roberto Cesar Augusto Professor Indeterminado 01/08/2012 Graduado em Ciências Contábeis, pós graduado em controladoria, respondendo pela secretaria acadêmicana ETEC Gildo Brandão 36/76

37 Roberval Rodrigues Graduação: tecnologia em mecânica Professor indeterminado 01/02/1994 Leciona o componente desenho técnico Rogério de Melo Maia Professor Indeterminado 01/02/2012 Graduado em Ciências Econômicas, Leciona nos componentes: economia e mercado, contabilidade de custos. Ronaldo Barbosa de Souza Professor do Curso de Eletroeletrênica Professor Indeterminado 17/02/ /76

38 Ronaldo Silva Borges Indeterminado Segurança do Trabalho Rosana aparecida de Freitas Silva Indeterminado de Sociologia e disciplinas do curso de Evento Sandra Scala Funi Professor Indeterminado Formação: Bacharel em Economia, ESQUEMA I e Matemática. 38/76

39 20/02/1998 Saulo Rodrigo Benatti Yokoo Professor Indeterminado. 01/08/2012 Tecnólogo em automação Industrial Leciona os componentes:eletrônica analógica II,eletrônica digital II Montagem de Circuitos Elétricos, Comandos Elétricos I,Eletrônica Analógica I,Eletrônica Silvia Nunes Rodrigues Tarcisio Misael de Lima 39/76

40 Determinado do curso de Eletroeletrônica Tatiany Guedes Martins Administrativo Graduação biblioteconomia Administra os trabalhos relacionados as rotinas biblioteca. Valdir Alves de Medeiros Junior Indeterminado Disciplinas Projeto do Ensino Médio Vandreson Rodrigo da Silva Outros Orientação Educacional Formação: Educação Física 01/02/2010 Vera Maria Santos Administrativo Auxiliar Administrativo locada na Diretoria de Serviços acadêmicos. Formada em Pedagogia. Vinicius Cardoso Messias Professor Indeterminado 01/08/2012 Graduado em Sistema da Informação Leciona nos componentes: Representação Digital em Segurança do Trabalho, Aplicativos Informatizados Em Saúde e Segurança do Trabalho 40/76

41 Zilmara Romero Avalo Professor indeterminado 01/07/2010 Graduação enfermagem Leciona nos componentes: analise ergonômico do trabalho,gestão de saúde, RECURSOS FÍSICOS Esse projeto apresentou melhorias, como a colocação de caxilhos nos corredores, evitando assim que chovesse dentro da escola, contudo, abandonou os brises, que são essenciais tornado a sala de aula um ambiente mais apropriado ao ensino. A caixa d'água é muito baixa, sendo assim, com pouco uso nasce o risco de desabastecimento do 4º andar. Apesar fortes críticas dos professores e alunos do curso de segurança do trabalho, pois os espaços abertos podem gerar riscos a todos que utilizam do prédio. A sala de fitness ainda não está equipada, falta equipamentos para os cursos se considerarmos o previstos nos laboratório de currículo. Não foi previsto refeitório para atender o Ensino Integrado e nem espaço para guarda da merenda escolar. Algumas adequações serão feita para melhor atender os alunos, como: o 1º andar, o espaço da biiblioteca será destinado para o refeitório. Foi implantado o Ensino Integrado de Eventos e não há material nem laboratório, sendo necessárias algumas adequações. O espaço para coordenação ficou pequeno, sendo necessária também algumas adequações para atendermos todos os coordenadores. Será feita adequação no espaço da cantina para guarda e distribuição de merenda seca. O pátio é insuficiente para o aluno sendo necessário colocação de bancos para maior conforto do aluno. Os alunos do curso de segurança e eletroeletrônica farão levantamento das necessidades da escola considerando o aspecto de segurança. Será necessária a instalação apropriada de gás para que não tenham botijão em espaço fechados como copa e cantina. 2º Andar Laboratório de Eletricidade Analógica e de Potência Área: 93,91 m² Laboratório destinado ao curso de Eletroeletrônica Térreo Biblioteca Área: 155,23 m² Espaço destinado ao acervo de livros, leitura e utilização de outras mídias. Ainda em fase de montagem 41/76

42 Térreo Lanchonete Área: 31,45 m² Espaço utilizado para a vendas de alimentos ao alunos, professores e servidores em geral Térreo Dispensa Área: 8,78 m² Espaço utilizado pela lanchonete para armazenar produtos em geral. Térreo Cozinha Área: 22,01 m² Espaço utilizado pela lanchonete para preparar alguns alimentos. Térreo Vestiário Masculino Área: 30,97 m² Espaço destinado ao asseio pessoal. Térreo Vestiário Feminino Área: 30,97 m² Espaço destinado ao asseio pessoal. Térreo Refeitório para os alunos Área: 166,72 m² Espaço destinado para refeitório dos alunos 1º Andar Almoxarifado Área: 8,00 m² Espaço destinado ao armazenamento, contudo, utilizado parcialmente. 1º Andar Laboratório se Sistemas de Automação Área: 77,32 m² Laboratório destinado ao curso de eletroeletrônica, aguardando equipamentos. 1º Andar Laboratório de Máquinas e Instalações Elétricas Área: 66,48 m² Espaço utilizado pelo alunos do curso de eletroeletrônica, especialmente pelas matérias de máquinas elétricas e instalações elét 1º Andar Laboratório de Eletricidade e Telecomunicações Área: 65,05 m² Espaço utilizado pelos alunos de eletroeletrônica, principalmente nas aulas de eletromagnetismo. 1º Andar Laboratório de Segurança do Trabalho Área: 65,05 m² Espaço destinado aos alunos de Segurança do Trabalho, onde podem visualizar de forma prática os conceitos voltados ao curso 1º Andar Área Técnica Área: 18,16 m² Espaço que dá acesso ao quadro de energia do andar. 1º Andar Sanitário Feminino Para Deficientes Área: 3,60 m² Sanitário para deficiente 1º Andar Sanitário Feminino Área: 19,71 m² Sanitário Feminino 1º Andar Sanitário Masculino Área: 19,71 m² 42/76

43 Sanitário Masculino 1º Andar Sanitário Masculino Para Deficientes Área: 3,60 m² Destinado a pessoas deficientes 1º Andar Sala de Fitness Área: 65,05 m² Espaço destinado às aulas de educação física, pois a unidade não conta com quadra poliesportiva. 1º Andar Auditório Área: 93,91 m² Auditório com capacidade para 120 pessoas 2º andar Laboratório do curso de Evento Área: 13 m² Sala anexo ao laboratório de ciência que foi adequada para o curso de eventos. 2º Andar Laboratório de Eletrônica Digital e Microprocessados Área: 65,05 m² Laboratório destinado ao curso de Eletroeletrônica 2º Andar Laboratório de Representação Digital CAD Área: 65,05 m² Laboratório com microcomputadores destinado ao curso de eletroeletrônica, com software de representação digital CAD 2º Andar Laboratório de Informática Área: 65,05 m² Espaço destinado ao desenvolvimento de atividades com o auxílio da ferramenta da informática, utilizado por todos os curso da 2º Andar Área Técnica Área: 18,16 m² Espaço que dá acesso ao quadro de energia do andar. 2º Andar Sanitário Feminino Para Deficientes Área: 3,60 m² Sanitário para deficiente 2º Andar Sanitário Feminino Área: 19,71 m² Sanitário Feminino. 2º Andar Sanitário Masculino Área: 19,71 m² Sanitário Masculino. 2º Andar Sanitário Masculino Para Deficientes Área: 3,60 m² Sanitário para deficiente 2º Andar Laboratório de Ciências Área: 126,73 m² Espaço utilizado pelas disciplinas de Química, Física e Biologia. Espaço com bancadas e pias. 2º Andar Sala de Apoio Área: 25,79 m² Sala com acesso pelo laboratório de ciência, destinada a guardar os materiais do laboratório de ciências. 3º Andar Sala de Aula 43/76

44 Área: 93,91 m² Sala de aula com espaço para 40 alunos 3º Andar Sala de Aula Área: 65,05 m² Sala de aula com espaço para 40 alunos 3º Andar Sala de Aula Área: 65,05 m² Sala de aula com espaço para 40 alunos 3º Andar Sala de Aula Área: 65,05 m² Sala de aula com espaço para 40 alunos 3º Andar Área Técnica Área: 18,16 m² Espaço que dá acesso ao quadro de energia do andar. 3º Andar Sanitário Feminino Para Deficientes Área: 3,60 m² Sanitário para deficiente 3º Andar Sanitário Feminino Área: 19,71 m² Sanitário feminino. 3º Andar Sanitário Masculino Área: 19,71 m² Sanitário masculino 3º Andar Sanitário Masculino Para Deficientes Área: 3,60 m² Sanitário para deficiente 3º Andar Sala de Aula Área: 65,05 m² Sala de aula com espaço para 40 alunos 3º Andar Sala de Aula Área: 93,91 m² Sala de aula com espaço para 40 alunos 4º Andar Sala de Aula Área: 93,91 m² Sala de aula com espaço para 40 alunos 4º Andar Sala de Aula Área: 65,05 m² Sala de aula com espaço para 40 alunos 4º Andar Sala de Aula Área: 65,05 m² Sala de aula com espaço para 40 alunos 4º Andar Sala de Aula Área: 65,05 m² Sala de aula com espaço para 40 alunos 44/76

45 4º Andar Sala de Aula Área: 65,05 m² Sala de aula com espaço para 40 alunos 4º Andar Sala de Aula Área: 93,91 m² Sala de aula com espaço para 40 alunos 4º Andar Área Técnica Área: 18,16 m² Espaço que dá acesso ao quadro de energia do andar. 4º Andar Sanitário Feminino Para Deficientes Área: 3,60 m² Sanitário Feminino Para Deficientes 4º Andar Sanitário Feminino Área: 19,71 m² Sanitário Feminino 4º Andar Sanitário Masculino Área: 19,71 m² Sanitário Masculino 4º Andar Sanitário Masculino Para Deficientes Área: 3,60 m² Sanitário Masculino Para Deficientes Administrativo Térreo Depósito Área: 47,55 m² Espaço destinado a armazenar equipamentos diversos. Administrativo Térreo Manutenção Área: 28,20 m² Espaço ainda não utilizado, contudo, com destinação prevista para execução de pequenos reparos na unidade. Administrativo Térreo Arquivo Área: 12,32 m² Espaço destinado ao arquivo da secretaria acadêmica e Administração. Ainda não utilizado. Administrativo 1º Andar Diretoria de Serviços Administrativos Área: 15,86 m² Espaço destinado ao diretor de serviços, ainda não utilizado. Administrativo 1º Andar Atendimento ao aluno Área: 8,01 m² Espaço destinado a atender o aluno, além disso é onde está localizado o PABX. Administrativo 1º Andar Secretaria Área: 38,65 m² Espaço destinado aos colaboradores que atuam junto a secretaria acadêmica da unidade. Administrativo 1º Andar Sanitário Feminino Área: 3,94 m² Sanitário Feminino Administrativo 1º Andar Sanitário Masculino Área: 3,94 m² Sanitário masculino 45/76

46 Administrativo 2º Andar Sala dos Professores Área: 19,97 m² Sala destinada aos docentes, para preparar aulas, aguardar até a próxima aula e para outras atividades ligadas à docência. Administrativo 2º Andar Sala de Reunião Área: 12,32 m² Espaço destinado a reuniões diversas. Administrativo 2º Andar Sala de Coordenação Área: 12,32 m² Espaço destinado aos coordenadores da unidade. Administrativo 2º Andar Sala da Direção Área: 12,32 m² Espaço destinado ao diretor da unidade. Administrativo 2º Andar Sanitário Masculino Área: 3,94 m² Sanitário masculino Administrativo 2º Andar Sanitário Feminino Área: 3,94 m² Sanitário feminino Administrativo 2º Andar Copa Área: 6,99 m² RECURSOS MATERIAIS Nossa unidade iniciou as atividades praticamente sem recursos materias, os quais começaram a ser recebidos no decorrer do semestre. Cursos como contabilidade, segurança do sofreram com a falta de recursos, contudo, é inegável o prejuízo sofrido pelos alunos do curso de eletroeletrônica, prejuízo este que estamos batalhando para eliminar. Há a previsão do curso de projetos mecânicos para esta unidade, porém, é fato que seu início deve ocorrer apenas após a chegada dos recursos materiais. Em relação à chegada d de equipamentos para o laboratório de ciências, utilizado pelo ensino médio. Certamente a expansão dos recursos materiais é um dos pontos a ser melhorado em nossa unidade. Quantidade Bem Departamento/Ambiente 5 Adaptador Impressão Frente e Verso Administração 2 Anemômetro Digital Marta Homis Laboratório de Segurança do Tr 2 Ar condicionado Qtde 04 carrier cond s/m/v 30000BTU.s Ar Condicionado Qtde 01Philco HI WALL Unid Auditório 1º andar 9 Armário de Aço com 2 portas de Abrir Laboratórios diversos 5 Armário de Aço com duas portas de correr Laboratórios diversos 5 Armário Extra Alto Administração 5 Armário Médio Administração e Biblioteca 3 Armário vestiário de aço com 20 vãos sobrepostos de 5 em 5 Sala dos Professores e Bibliotec 1 Armário vestiário de aço com 8 vãos sobrepostos de 2 a 2 Depósito 5 Arquivo de aço com 4 gavetas Administração 4 Banco de ensaio para estudo de eletroeletrônica, eletricidade e eletromagnetismo Laboratório de Eletricidade 2 Bebedouro elétrico de garrafão aço inox Administração 6 Bebedouro elétrico máster frio Corredores 1 Bloco em aço espacial em jogo 46 pç Laboratório de Metrologia 1 Bloco em aço espacial em jogo 46pç Almoxarifado 1 Bomba de amostragem de ar poeira marca casell a modelo tuff 3 Laboratório de Segurança do Tr 1 Bomba de Amostragem de Gases Diversos Laboratório de Segurança do Tr 400 Cadeira FXSB Sala de Aula 70 Cadeira FXSBEB Laboratório diversos 5 Cadeira GTCBA TC PRT EL E PRT Administração 100 Cadeira GTSBEB TC AZL PE EL ES PRT Laboratórios diversos 4 Caixa de som amplificada c/ conexões entrada e saída Genesis 7510 Almoxarifado 1 Cal Boca S/ Rel. Comp. 0 25MM Laboratório de Metrologia 1 Central digital impacta 68 Sala do servidor 63 Computadores Administração e Laboratório de 2 Conj. Mesa com 4 cadeiras acopladas para refeitório Páteo 5 Conjunto em longarina p/ auditório c/ 4 lugares s/ braço Páteo 3 Decibelimetro Homis Laboratório de Segurança do Tr 1 Detector de gas portátil Laboratório de Segurança do Tr 2 Dosimetro digital Homis Laboratório de Segurança do Tr 15 Estante Desmontável de aço tipo Biblioteca com 10 prateleiras Biblioteca 46/76

47 1 Filtro de linha 6 tomadas Administração 1 Forno tipo doméstico, modelo micro ondas Electrolux Copa 1 Geladeira Laboratório de Eventos 2 Impressora HP laser Jet Administração 5 Impressora HP OfficeJet Pro Administração 1 Indicador de Sequencia de Fase Laboratório de Segurança do Tr 1 Info way Note Administração 3 Luximetro digital homis Laboratório de Segurança do Tr 1 Manequim adulto para treino Laboratório de Segurança do Tr 2 Manequim corpo inteiro em resina Laboratório de Segurança do Tr 1 Medidor de Rugosidade Portátil Laboratórios diversos 7 Mesa com cadeira acoplada para refeitório Páteo 10 Mesa de reunião redonda Biblioteca e Laboratórios 2 Mesa de reunião retangular Sala de reunião e direção 10 Mesa escrivaninha Administração 4 Mesa Est. Trabalho Administração 400 Mesa MMF03 Sala de Aula 8 Mesa para impressora Administração 80 Mesa Retangular p/ computador Laboratório de Informática 21 Mesas para refeitório Refeitório dos alunos 2 Micro. Ext. Dig mm sem Saída Digital Laboratório de Metrologia 50 Microcomputadores HP Intel Core i Laboratórios diversos 1 Microfone Administração 2 Micrometro Laboratório de Metrologia 5 Micrometro ext 25 50mm/0,001mm com catraca e integrado Almoxarifado 2 Micrometro ext.0 25mm Laboratório de Metrologia 3 Micrometro Ext mm/0,001mm c/ catraca e tambor integr. Laboratório de Metrologia 2 Micrometro Ext mm Laboratório de Metrologia 5 Microondas Refeitório dos alunos 2 Micrômetro Ext mm Laboratório de Metrologia 1 Mini rack 19 Administração 1 Mini System Philco Qtde Administração 1 Multifuncional a laser monocromático Samsung modelo SCX 4833FD Administração 1 Net gear switch 24 PT GB Rack Servidor 1 Nobreak Servidor 1 Panasonic Aparelho Facsmile, impressão térmica, secretaria eletrônica Administração 1 Paquimetros profund.digital 6 /150mm Almoxarifado 5 Paquímetro Titânio 150 mm/6 0,02 mm Laboratório de Metrologia 10 Paquímetro Titânio 150 mm/6 0,05mm Laboratório de Metrologia 11 Projetor Multimídia Hitachi CP x3021wn Laboratórios diversos 8 Quadro aviso Salas Diversas 12 Quadro bco form Laboratórios diversos 12 Quadro vd tx lousaline Sala de Aula 1 Refrigerador Doméstico Electrolux Copa 5 Relógio Comparador 10mm Laboratório de Metrologia 1 Servidor HP Sala do servidor 1 Sony Filmadora Digital full HD modelo HDR CX 150 Administração 2 Suporte medição c/base magn. Laboratório de Metrologia 2 Suporte Medição c/ Base Magn. Laboratório de Metrologia 3 Suporte para projetor multimídia Laboratórios diversos 1 SW Office Propos Laboratórios diversos 8 Tela retrátil standard 200 cm Almoxarifado 10 Telefone pleno PT Administração, biblioteca e port 2 Termo higrômetro digital homis Laboratório de Segurança do Tr 2 Termo higrômetro infravermelho digital Homis Laboratório de Segurança do Tr 2 Termômetro Digital Homis Laboratório de Segurança do Tr 72 Toalha de papel simples interfolhada Uso geral 7 Unid. Lab. Integrado Laboratório de Máquinas e Insta 7 Unid. Lab. Integrado Laboratório de Sistemas de Aut 1 Utop Fogão Altas Branco Copa 6 Ventilador oscil coluna Administração 30 Ventilados oscil parede Salas Diversas RECURSOS FINANCEIROS O Centro Paula Souza contribui com adiantamento mensal no valor de R$ 3.900,00 (Três mil e novecentos reais) para atender despesas miúdas e de pronto pagamento. A verba oriunda da Associação de Pais e Mestres é utilizada para manuntenção da escola, compra de equipamentos, auxilio a alunos carentes, aquisição do NSA, pagamento do s informatizado, entre outras necessidades da escola. PLANILHA DE VERBA DA UNIDADE DE ENSINO ENTRADA 1. VERBA DE ADIANTAMENTO MENSAL R$ 3.900,00 2. ENTRADA APM 2.1 CANTINA ESCOLAR 2.200, LOCAÇÃO PAPELARIA R$ 300,00 11% 47/76

48 2.3 VESTIBULINHO 1º SEM/ MATRÍCULA INGRESSANTES SUBTOTAL APM TOTAL R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 89% SERVIÇOS TERCEIRIZADOS Nesta unidade temos dois prestadores de serviços. A empresa de segurança é a Alfa Gama Segurança e Vigilância Ltda., contamos com 2 vigilantes por turno, no total de 8 vigilantes, em turnos de 12 x 36. Já a empresa de Limpeza é a WF SERVIÇOS TERCEIRIZADOS LTDA EPP, autorizada a prorrogação do contrato até 17/02/2014, com efetivo de 4 colaboradores. COLEGIADOS, ORGANIZAÇÕES E INSTITUIÇÕES AUXILIARES 2015 Denominação: Associa? de Pais e Mestres APM Aos onze dias do mês de fevereiro de dois mil e quinze, nesta cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua Ambrosia do México nº 180, Pirituba, reuniram professores, funcionários e pais de alunos da Escola Técnica Estadual Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara, bem como pessoas da comunidad Eleição da nova diretoria executiva, conselho deliberativo e fiscal da Associação de Pais e Mestres APM da referida unidade de ensino, eleger e de dar posse dos Conselhos Fiscal e Deliberativo e dos respectivos suplentes, tudo de acordo com o edital publicado e afixado no quadro de avisos da unidade escolar e circ a presidência dos trabalhos, a Sra. Eliane Leite Alcantara Malteze designou a Sra. Célia Regina Correia Soares da Silva Miranda para servir de Secretária desta proposta a constituição da Associação de Pais e Mestres APM da Escola Técnica Estadual Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara. A seguir, a S processo de escolha, pelos presentes, dos nomes para os cargos da Diretoria Executiva e seus suplentes, membros e suplentes do Conselho Deliberativo e Fisc assim constituída: DIRETORIA EXECUTIVA: Diretor Executivo: Claudio Melhado Martinez brasileiro, professor, R.G. nº , CPF Nº , residente e domiciliado a Rua Dias Velho nº São Paulo; Vice Diretor Executivo: Flavia Cristina da Silva brasileira, solteira, professora, R.G. nº , CPF nº , residente e domiciliada a Rua D Leite nº 42 apto 16 Vila Verde/Pirituba São Paulo São Paulo; Secretário: Célia Regina Correia Soares da Silva Miranda brasileira, casada, Assistente Administrativo, R.G. nº , CPF nº , residen nº 54 Vila Cruz das Almas São Paulo São Paulo; Diretor Financeiro: Vera Maria dos Santos brasileira, divorciada, funcionária pública, R.G. nº , CPF nº , residente e domiciliada a Jardim Pinheral Mariporã São Paulo São Paulo; Vice Diretor Financeiro: Lilian Valim Pioli brasileira, casada, funcionário pública municipal, R.G. nº , CPF nº , residente e domicilia Bloco 10 apto 31 Pirituba São Paulo São Paulo; Diretor Cultural, Esportivo e Social: Élida Paula de Oliveira brasileira, solteira, técnico administrativo, R.G. nº , CPF nº , residente 54 Vila Cruz das Almas São Paulo São Paulo; Diretor de Patrimônio: Iverson Machado, brasileiro, divorciado, R.G. nº , CPF Nº , residente e domiciliado a Rua Colonia da Gloria, Paulo São Paulo; CONSELHO DELIBERATIVO: Presidente: Eliane Leite Alcantara Malteze, brasileira, casada, Diretor de ETEC, R.G. nº , CPF nº , residente e domicilia a Rua Minas São Paulo São Paulo; Professores: Saulo Rodrigo Benatti Yokoo, brasileiro, casado, Professor, R.G. nº , CPF nº , residente e domiciliado a Rua João Oliv Paulo São Paulo; Marilia Emanuella Myrrha, brasileira, casada, professora, R.G. nº , CPF nº , residente e domiciliada a Rua Maria Paulo São Paulo e Thiago Lima Merissi, brasileiro, casado, professor, R.G. nº , CPF nº , residente e domiciliada a Rua Pera Marm Paulo; Pais: Kaiser Paiva Celestino da Silva brasileiro, casado, aposentado, R.G. nº , CPF Nº , residente e domiciliado a Rua Giacomo Cre Paulo; André Luis Fernando dos Santos, brasileiro, casada, comprador, R.G. nº e CPF nº , residente e domiciliado a Rua Antonio P Pirituba, São Paulo São Paulo; Rosilene Maria de Jesus, brasileira, solteira, professora, R.G. Nº , CPF nº , residente e domiciliada Jaraguá São Paulo São Paulo; Alunos: Pedro Henrique Viana dos Santos, brasileiro, solteiro, estudante, R.G. nº , CPF nº , residente e domiciliada a Rua Livia Val Mariporã São Paulo; Alessandra Fernella Garcia dos Santos, brasileira, casada, estudante, R.G. nº , CPF nº , residente e domic Jardim São José São Paulo São Paulo. Sócio Admitido: Ronicleo Gomes de Souza, brasileiro, solteiro, empresário, R.G. nº , CPF nº , residente e domiciliado a Avenida João Paulo São Paulo; CONSELHO FISCAL: Sandra Regina dos Santos Roizentul, brasileira, casada, do lar, R.G. nº , CPF nº , residente e domiciliada a Rua General Candido d Portugal Pirituba São Paulo São Paulo; Marcia Farias Camargo, brasileira, casada Contadora, R.G. nº , CPF nº , residente e d Pirituba São Paulo São Paulo. Zilmara Romero Avalo, brasileira, solteira, professora, R.G. nº , CPF nº , residente e domiciliada a Rua Montes Claros, 224 Guar Os eleitos foram empossados neste ato. A Senhora Presidente, agradecendo a presença de todos. Nada mais havendo a tratar, a Senhora Presidente deu por mandou que se lavrasse esta ata, lida e achada conforme, vai devidamente assinada e datada. Eu Célia Regina Correia Soares da Silva Miranda Secretário da Célia Regina Correia Soares da Silva Miranda Secretária da APM Eliane Leite Alcantara Malteze Presidente do Conselho Deliberativo Claudio Melhado Martinez Diretor Executivo Denominação: Conselho de Escola ATA DA ASSEMBLEIA GERAL DE CRIAÇÃO E CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO DE ESCOLA DA ETEC PROFESSORA DOUTORA DOROTI QUIOMI KANASHIRO TOYOH Aos dezoito dias do mês de agosto de dois mil e catorze, nesta cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua Ambrosia do México nº 180, Pirituba, reunira professores, funcionários e pais de alunos da Escola Técnica Estadual Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara, bem como pessoas da comunidad constituição do Conselho de Escola , ficando assim constituída: Eliane Leite Alcantara Malteze Diretor de Escola, presidente nato; Acácio Felipe da S de serviços e relações institucionais; Paulo Henrique Pescio, representante dos professores; Daniele de Oliveira Reis, representante dos coordenadores; Élida P dos servidores técnicos e administrativos; Rosilene Maria de Jesus, representante dos pais de Murilo Durigon Santos, representante dos Saulo das instituições auxiliares; Claudio Melhado Martinez, representantes dos empresários. Sem mais nada a ser tratado, a reunião foi encerrada. São Paulo, 18 de Denominação: Grêmio Estudantil Grêmio Estudantil Vinicius da Silva Moura Presidente Jessica Maciel de Souza Vice Presidente 48/76

49 Gabriela Cabrera Secretária Geral Nathalia Vasconcelos Nascimento Tesoureira Milena Baratella Alves Diretora Social Mikaella Caparelli da Silva Diretor de Imprensa Loifre Brisanti de Souza Jr. Diretor de Esportes Leonardo Magdanello Araujo Diretor de Cultura Gabriela Lemes Prado de Oliveira Diretora de Saúde e Meio Ambiente MISSÃO "Ofertar educação de ensino médio e profissional de excelência, desenvolvendo as competências e habilidades através dos conhecimentos tecnológicos, humanísticos e científico da cidadania, preparando os para enfrentar as constantes transformações sociais, respeitando valores culturais dessa sociedade e promovendo o seu desenvolvimento. " Ser uma instituição reconhecida pela sua excelência na formação de ensino de nível médio, preparando assim os profissionais de alta performance para serem líderes no mercado VISÃO CARACTERÍSTICAS REGIONAIS O bairro de Pirituba passa atualmente por uma fase de crescimento imobiliário, impulsionado pela perspectiva do rodoanel e do Metrô linha laranja na região. Foi inaugurado o Shopping Tietê Plaza e em breve teremos o Instituto Federal. Esse crescimento é uma oportunidade para melhoria dos cursos ofertados, construção de parcerias com as empresas locais e aumento da demanda de todos os cursos da unidade. Oportunidades Ameaças Crescimento imobiliário da região Desmanches localizados na proximidade da escola Terminal de ônibus próximo a escola Excesso de pernilongos trazendo casos de dengue na escola Terminal de trem próximo a escola Falta de sinalização de pedestre próximo a Vias de acesso da escola Falta de policiamento da região Construção do Instituto Federal previsto para 2015 Relação com o comércio e empresas locais Relação com os órgãos públicos da região Dados da região: Zona Norte 2 Distritos administrativos: Jaraguá, Pirituba e São Domingos Site: Telefone: / Endereço: Rua Luiz Carneiro, 192 Bairro: Pirituba CEP: População total: habitantes População de 0 a 9 anos: habitantes População de 10 a 14 anos: habitantes População de 15 a 19 anos: habitantes População de 20 a 29 anos: habitantes População de 30 a 59 anos: habitantes População com 60 anos ou mais: habitantes Área geográfica total: 55,10 km² Fonte: IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) Censo Demográfico /76

50 Porcentagem de jovens desempregados 15,27 Origem: Pirituba é o resultado da justaposição de Piri (taboa = vegetação de brejo) com o aumentativo Tuba que, na língua tupi significa muito. Constituído por 74 bairros, limita se ao norte, com o distrito do Jaraguá; ao sul, com a Lapa, tendo coo divisor com o Rio Tietê, a leste com a Freguesia do Ó e Brasilândia, e oeste com o São Dom O bairro de Pirituba teve suas origens, na existência de grandes fazendas de café, sendo três as principais: a Fazenda Barreto do Dr. Luis Pereira Barreto, a Fazenda do Brigadeiro Tobias e a Faz pelo Parque Estadual do Jaraguá). Da fazenda Jaraguá surgiram alguns sítios e chácaras, que posteriormente deram lugar a várias vilas, sendo o primeiro e mais importante núcleo a Vila Pirituba, atualmente em grande desenvolvim da administração Pirituba Perus, Biblioteca Brito Broca e o Centro Educacional Municipal. Logo em seguida ao núcleo inicial formado pela vila Pirituba surgiram: Vila Clarice, Jardim Regina, e Vila Sta. Mônica, que levaram o bairro a ligar se às encostas do Pico do Jaraguá, e em direçã se, Vila Mangalot (a mais antiga de todas), Vila Maria Eugênia, e vila Boaçava. Pirituba e sua vocação Industrial A concentração na região de industrias como Indústria de Máquinas, Combustol Indústria Comércio, Raycon do Brasil Indústria e Comércio de Ferragens, Plásticos Joal, Serval Indústria Comérci Metalúrgica Mauser Indústria e Comércio, Inave Indústria Comércio Válvulas Controle, VitaDerm, Fiat Lux, a Gessy Lever, os Pianos Friz Dobbert, a Metalúrgica Mauser, e outras, conferiu ai bair predominante industrial. Com isso, Pirituba tornou se uma região muito populosa, com o perfil majoritariamente operário. Além disso, o bairro é cortado pela linha de trens que liga a Santos a Jund metropolitanos. Um bom número de empresas de atividades comercial tem se instalado para atender essa população. O antigo Laticínio Pirituba, parcialmente destruído por um incêndio,foi transformado no Shopp Por conta do progresso e pela vocação industrial de Pirituba (aliada a sua localização estratégica, próximos às rodovias Bandeirantes e Anhanguera), a Cia City desenvolveu um projeto voltado pa planejado, que veio a ser implantado a partir de 1995: o City Empresarial Jaraguá. Distante apenas 2,5 Km. da rotatória do Rodoanel, esse empreendimento é um modelo de urbanismo mundial e a Novolit, Santa Suzana, Lopes Moço, CESVI e Ueta. Estações Ferrovoárias Pirituba: Linha tronco Km (1935) Inauguração: 01/02/1885 Uso atual: estação de trens metropolitanos Data de construção do prédio atual: anos 1970 Terminal de ônibus Pirituba Atendido por 26 linhas Corredor Pirituba Lapa Centro Inaugurado em 13/12/2003 Administrado pela SPTrans Metas para a implantação ou ampliação: Mega Pólo de Eventos de Pirituba, que terá como meta de implantação o ano de Estrutural de Transporte Público Coletivo Linhas e Estações, Metrô e CPTM incluir as seguintes Estações do Metrô, em extensão à linha verde: Aurélia Toneleiro Cerro Corá Anastácio P Eventos Santa Mônica Nardini Mutinga Vila Piauí Características do corpo discente: A unidade escolar conta hoje com 24 turmas em 03 turnos sendo: 05 turmas no período da manhã; 03 turmas no período integral; 06 turmas no período da tarde; 10 turmas no período da noite; CARACTERÍSTICAS DO CORPO DISCENTE A Diretoria de Serviços Acadêmicos e a Orientação Educacional preparou questionário socioeconômico dos alunos para podermos identificarmos quem é esse escola. Resultado do questionário Sócioeconômico demonstrando as características discentes: 50/76

51 51/76

52 52/76

53 53/76

54 54/76

55 55/76

56 56/76

57 AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DE METAS DO ANO ANTERIOR Meta: Resultado: Justificativa: Melhorar os canais de comunicação da escola Meta cumprida 57/76

58 A escola implantou o site da escola, facebook e twitter como canais de comunicação da Colocamos quadro de avisos em todos os andares da escola e sala de aulas; Realizamos reuniões periódicas com todos os alunos e funcionários para melhoria da comunicação; Encaminhamos e mail para todos os professores e funcionários para com todas as informações da escola, pois ainda não temos os e mails institu Meta: Resultado: Justificativa: Interagir a comunidade com a Unidade Escolar Meta cumprida Iniciamos em 2014 uma série de atividades, com o objetivo de trazer a comunidade escolar. Projeto Pais presentes, que neste primeiro momento constituiu na realização de pales Drogas, Mercado Profissional; Para 2015 além dessas palestras também estão destinados eventos sobre Beleza e Saúde para as mães, Empreendedorismo, Educação Financeiro. Ações como Imposto de Renda para comunidade também estão previstas pra 2015 Meta: Resultado: Justificativa: Aumentar o acesso ao Portal Educacional ClickIdeia Cumprida parcialmente Com a licença gestante do responsável pelo Portal Click Ideia, não consigamos ampliar o acesso ao referido Portal. Meta: Resultado: Justificativa: Aumentar o acesso ao Portal Educacional ClickIdeia Cumprida parcialmente Com a licença gestante do responsável pelo Portal Click Ideia, não consigamos ampliar o acesso ao referido Portal. Meta: Resultado: Justificativa: Melhoria das atividades pedagógicas visando diminuição das perdas Meta cumprida No ano de 2014 todo o trabalho da escola com capacitações e reuniões pedagógicas foram voltadas na discussão e melhoria das práticas pedagógicas, com a finalidade da reduçã Ainda no curso de eletroeletrônica período da os indices de perdas são altos, que caberá uma reflexão sobre a implantação do ETIM, para melhoria dos resultados. Meta: Resultado: Justificativa: Melhorar os resultados obtidos no Observatório escolar e SAI Meta cumprida Tivemos um melhoria nos resultados do Observatório e SAI, alcançando uma melhoria em torno de 10%. Porém existem ainda muitos aspectos a serem melhorados, como RH, p foco das metas de Meta: Resultado: Justificativa: Equipar os laboratórios da escola Meta cumprida parcialmente A escola através de suas parcerias e veba de adiantamento conseguiu equipar os laboratórios. porém está longe do ideal, pois alguns equipamentos são do laboratório de currículo administração central. Meta: Resultado: Justificativa: Contratação de funcionário Cumprida parcialmente Estamos no aguardo para abertura de processo seletivo de Agente Administrativo e Auxiliar de Instrução. Porém tivemos a transferência para nossa ETEC de 02 agentes administrativo e com a publicação dos cargos de confiança, estamos com todos os quadros preenchidos. Meta: Resultado: Justificativa: Realizar eventos que envolvam toda a comunidade escolar Meta cumprida Iniciamos em 2014 uma série de atividades, com o objetivo de trazer a comunidade escolar. Projeto Pais presentes, que neste primeiro momento constituiu na realização de pales Drogas, Mercado Profissional; Também foram realizadas a Feira de Profissão, Feira Vocacional, além da Festa Junina que teve a participação de toda comunidade escolar Para 2015 além dessas palestras também estão destinados eventos sobre Beleza e Saúde para as mães, Empreendedorismo, Educação Financeiro. Meta: Resultado: Justificativa: Redução o número de casos de Progressão Parcial Meta cumprida Com as ações definidas pela coordenação pedagógica tivemos a redução de 80% dos casos de Progressão Parcial. Meta: Resultado: Justificativa: Estreitar a relação com empresas concedentes de estágios e empresas da área de atuação dos cursos Meta cumprida Com a atuação do ATA que voltou suas ações em busca de parcerias, conseguimos atingir nossas metas. Meta: Resultado: Justificativa: Parcerias com editoras, livrarias e campanha de doação de livros Cumprida parcialmente Esta ação ainda está um pouco tímida, conseguimos algumas doações, mas não atendem ainda as necessidades da escola. INDICADORES 58/76

59 Denominação: Aumento do desempenho do Observatório Escolar Análise: Gráfico dos Resultados do Observatório 2014, que indica a necessidade de melhoria nos Blocos: Comunicação e Documentação Escolar e Convênios, Parcerias e Contratos. Denominação: Aumento da participação no Sai 2014 Análise: A comunidade apresentou um indice de 100% na participação do SAI /76

60 DiretorELIANE LEITE ALCANTARA MALTEZE (c) Questionários Respondidos773 % Participação = c / (a+b) 100 Pendências0(*) Fonte: CETEC e CESU base 2º semestre/2014 e URH base julho/2014 (**) Ingressantes em 2014 com matrícula confirmada e não se apresentaram para o WebSAI (***) Questionários Respondidos / (Cadastros ativos no WebSAI + Novos Ingressantes 2014) Baixas no Sistema (evasões, transferências, etc.) 2º Semestre 2013: 487 1º Semestre 201: 41 Concluintes 2º Semestre º Semestre 2014 Tipo de Pessoa Quantidade Informada pelas Coordenadorias * Cadastros Ativos no WebSAI Novos Ingressantes 2014 ** Pendências Questionários Respondidos % *** Aluno ETEC Coordenador de Curso ETEC Coordenador Pedagógico ETEC Equipe de Direção ETEC Funcionário ETEC Denominação: Desempenho Geral SAI 2014 Análise: Melhoria dos resultados em relação a Etec Profª. Drª. Doroti Quiomi K. Toyohara São Paulo Indicadores Edição Pontos Máximos Pontos Obtidos Unidade Região Processo ,46 70, ,99 72,52 Resultado ,69 73, ,1 68,79 Denominação: Análise: Empresas Parcerias Estágios Aunidade Escolar vem desenvolvendo um trabalho de relacionamento intensificando seus laços com um bom números de parceiros com intuito de melhoria nos processos da esc professores, formação dos alunos, doação de material e parcerias para estágios. Parceiros da unidade de ensino: CNA Universidade Anhanguera Távola do Saber Actus curso PontoCom Tecnologia Minipa Universidade Mogi das Cruzes ESMAC Mais Eventos Formautra e Turismo 60/76

61 Univerdade de São Paulo Faculdade de Educação Subprefeitura Jaragua Pirituba Denominação: Demanda do Vestibulinho Análise: Aumento progressivo da demanda do Vestibulinho. PONTOS FORTES PONTOS FORTES 1. Localização da Unidade de Ensino 2. Estrutura física da Unidade, apesar a falta de quadra; 3. Corpo docente composto por especialistas com excelente nível de conhecimento e competências que atende as necessidades do mercado de trabalho; 4. Envolvimento dos alunos com a 5. Equipe de direção atuante, buscando soluções para a melhoria educacional 6. Projetos da escola constantemente sendo representados em feiras como FEBRACE, MOSTRATEC, FETEPS, entre outras 7. Destaque da escola nas Olimpadas de Matemática; 8. Aumento da demanda do vestibulinho principalmente no curso de Eletroeletrônica período da tarde; SITUAÇÕES PROBLEMA Para levantamentos dos pontos fortes, situações problemas, prioridades e metas foram feitos com toda a comunidade escolar, alunos, funcionários e professores. Foram diversos dias de reuniões em diversos horários para que todos pudessem participar. Foi um momento rico de troca e discussão, pois o envolvimento pressupõe compromentimento nas ações. SITUAÇÕES PROBLEMAS 1. Excesso de pernilongo na escola, ocasionando um número significativo de alunos com suspeita de dengue; 2. Falta de comunicação na diretoria de serviços administrativos; 3. Falta de quadra poliesportiva; 4. Falta de identificação dos funcionários 5. Necessidade de Treinamento para funcionários; 6. Espaço de Lazer para funcionários no horário do almoço 7. Falta de Canais de Comunicação 8. Cumprimento de prazos 9. Problemas de Internet/Rede/WIfi do laboratório Falta de Mesas na sala 13, dificultando as atividades do curos 11. Retorno da máquina de café 12. Ventiladores das salas de aulas excesso de barulho 13. Atraso dos professores para a sala de aula 14. Limpeza dos banheiros; 15. Falta de foco de alguns professores 61/76

62 16. Excesso de Insetos na escola 17. Falta de dedetização na Dedetização da escola 18. Poucas Visitas técnicas no curso de Segurança do trabalho 19. Aquisição de Material de Consumo para aulas práticas do curso de eletroeletrônica e Eventos 20. Falta de material permanente equipamentos para os laboratórios, compromentendo o desenvolvimento das aulas práticas 21. Falta de cadeira na sala Aquisição de calculadoras científicas para os alunos 23. Sinalização dos andares 24. Lâmpada queimada da sala Elaboração de Material didático apostilado para os cursos, melhoria o desenvolvimento dos alunos 26. Implantação da Merenda Escolar, pois ajudaria o aluno que não tem condições de comprar lanche na cantina 27. Implantar Cantina Saudável, oferecendo frutas e secos naturais; 28. Comunicação sobre palestras 29. Temas da Sipat 30. Poucas aulas práticas na disciplina de Instalações Elétricas causando desmotivação nos 31. Laboratório 15 e 16 Ventilação e Mofo 32. Falta de datashow em algumas sala de aula dificultando o desenvolvendo das aulas 33. Falta de caixas de com nas salas de aulas, dificultando a exibição de vídeos específicos dos cursos; 34. Manutenção e conserto das janelas quebradas 35. Preço do Uniforme 36. Almoço da cantina muita demora e fila 37. Corte da grama 38. Necessidade de mais uma geladeira para refeitório dos alunos 39. Excesso de Gastos com o curso de Eventos PRIORIDADES " Sem sonhos, a vida não tem brilho. Sem metas, os sonhos não tem alicerces. Sem prioridades, os sonhos não tornam reais" Augusto Cury 1) Manutenção permanente e preventiva da 2) Investimento para compra de material e equipamentos 3) Implantação da merenda escolar; 4) Melhoria da comunicação da escola (Gestão, professores e alunos); 5) Capacitação dos funcionários 6) Incentivo às visitas técnicas 7) Utilização de laboratórios para as aulas práticas Objetivo Geral: OBJETIVOS Criar momentos de reflexão e crescimento profissional, priorizando as necessidades da escola na busca constante da qualidade e excelência de ensino, visando à formação de cidadãos crí sociedade Objetivos Específicos: Com base em nossa prioridade definimos como objetivos a serem alcançados: 1) Buscar junto ao Centro Paula Souza a disponibilidade dos equipamentos previstos e ainda não entregues e com o objetivo de implementação da qualidade, buscar por meios próprios e pa laboratórios com foco às necessidades de nossa comunidade escolar. 2) Buscar um canal de divulgação da escola (SITE, BLOG, Twitter, watsapp, quadro de avisos) 3) Propiciar encontros com a finalidade de formação em serviços dos funcionários através de parceiras e outras instituições; 4) Orientar e capacitar os professores para a utilização de novas práticas pedagógicas, uso de laboratório, visitas técnicas e palestras 5) Fortalecer parcerias com empresas no sentido de ampliação de campo de estágio e capacitação de alunos professores e funcionários; 62/76

63 METAS Meta: Realizar de forma mais efetiva a manutenção permanente e preventiva da escola reduzindo em 70% os problemas da escola Duração: 1 Ano 1) Criar rotinas de controle da manutenção da escola, como o objetivo de reduziirmos em 70% os problemas com da 2) Fazer levantamento sistemático de equipamentos e espaço físico que necessita de manutenção; Meta: Ofertar a 100% dos alunos merenda escolar seca na escola Duração: 1 Ano 1) Organizar o espaço para armazenamento da merenda escolar; 2) Organizar sistemática de distribuição da merenda escolar; 3) Criar mecanismos de conscientização dos alunos sobre o lixo consciente que será produzido com a merenda escolar; Meta: Duração: Aumentar em 50% o uso dos laboratórios para as aulas práticas 1 Ano A coordenação deverá implantar ações para aumento das aulas práticas e utilização dos laboratórios. 1) Orientar os docentes na elaboração do PTD no sentido que contemple a utilização do laboratório e novas práticas 2) Auxiliar o docente promovendo capacitação para utilziação do laboratório; 3) Levantar junto aos docentes a necessidade de aquisição de material 4) Acompanhar o desempenho discente no que tange as aulas práticas 5) Aplicar pesquisa de satisfação dos Meta: Duração: Parcerias com editoras, livrarias e campanha de doação de livros 2 Anos Aumentar em 50% o acervo da biblioteca através de parcerias com editoras e livrarias, bem como realizar campanha de doação de livros para aumento do acervo da biblioteca Meta: Duração: Realizar eventos que envolvam toda a comunidade escolar 2 Anos No ano de 2014 a escola conseguiu realizar 02 eventos para os pais. Para 2015 aumentar em 50% as atividades que envolvam pais, professores e alunos. Projeto Pais Presentes palestras para pais, oficinas de cozinha. Meta: Duração: Redução o número de casos de Progressão Parcial 2 Anos Criar ações pedagógicas que possibilitem a redução dos casos de Progressão parcial Meta: Duração: Aumentar em 20% o número de empresas parceiras 3 Anos Aumentar em 20% o número de empresas parceiras com os seguintes objetivos: 1) Visitas técnicas 2) Capacitação docente e administrativa; 3) Aquisção e doação de material e equipamentos; Meta: Duração: Melhorar em 30% em relação ao ano anterior os resultados obtidos no Observatório escolar e SAI 3 Anos Os resultados obtidos no Observatório Escolar e SAI causou desmotivação na equipe escolar. Os índices apresentados foram resultados de falta de registro e acompanhamento da Para isso, deverá criar sistemática de registro e acompanhamento dos ações da escola, com o objetivo de melhorar esses índices. Meta: Duração: Melhorar os canais de comunicação da escola 4 Anos Apesar do Site da escola ser um canal importante de comunicação, estabelecer meios de comunicação eficaz e contínuo para que a comunicação na escola seja mais eficiente entr funcionários e alunos. Meta: Melhoria das atividades pedagógicas visando diminuição das perdas 63/76

64 Duração: 4 Anos Objetivo: Fomentar junto ao corpo docente a implementação de novas atividade pedagógicas. META: A cada ano ser implantado ao menos uma nova proposta de atividade pedagógica INDICADORES: Relatório dos resultados inovadores, visando a dimunição de 10% da obtidos pela atividade e quantidade de AÇÕES perda de alunos ao final de quatro anos, tendo formandos. por base os formandos do primeiro semestre de RECURSOS PRAZO RESP STATUS Fomentar a criatividade no corpo docente visando a aplicação do princípio da melhora contínua Dar apoio a projetos apresentados Analisar relatórios de resultados Capacitação para a confecção do PTD Meta: Duração: Reuniões de planejamento Recursos dependente de projetos Nenhum Reuniões de área e de planejamento Equipar os laboratórios da escola 5 Anos Coordenação Pedagógica, Semestralmente Permanente coordenadores de cursos e direção Coordenação Pedagógica, Semanalmente Permanente coordandores de cursos e direção Coordenação Pedagógica, Semestralmente Permanente coordenadores de cursos e direção Coordenação Semestralmente Pedagógica e de cursos A falta de equipamentos principalmente, contribui com a perda de alunos. Portanto além de intensificar a solicitação de equipamentos junto ao Centro Paula Souza, a escola deve doação desses equipamentos, bem como, melhorar a arrecadação da APM com objetivo de melhoria dos laboratórios. PROJETOS 2015 Projeto: Interação com a comunidade pais presentes Responsável(eis): Coordenação, direção, coordenação pedagógica, orientação educacional Data de Início: 01/03/2014 Data Final: 31/12/2015 Palestras para pais, Feira Vocacional, Feira de Idiomas, Semana de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, 1.Nome do Projeto: Interação com a comunidade PAIS PRESENTES 2.Responsável pelo Projeto: Sandra Scala, Vanderson da Silva; Maria Inês Rodrigues 3.Diagnóstico: Presença dos pais e comunidade na escola é muito pequeno, por se tratar de uma escola técnica almejada pela região 4.Principais Demandas: Levantar através de lista de presença, fotos a participação dos pais nos eventos realizados na escola 5.Objeto Geral: Aumentar a presença de pais e comunidades na escola 6.Justificativa: A participação da comunidade na escola, valida a importância da formação do técnico 64/76

65 7.Público Beneficiado: A comunidade em geral 9.Metas/ Ações: a) Divulgar os eventos desenvolvidos na b) Estreitar a relação com a c) criar atividades que envolvam a comunidade Imposto de Renda, Campanhas de Saúde, Feira de Vocacional, Feira de Idiomas, palestras, etc. Metas associadas: > Realizar eventos que envolvam toda a comunidade escolar Projeto: Responsável(eis): Teatro Data de Início: 01/01/2014 Data Final: 01/12/2015 Professor de Artes e Educação Fisica Tem como finalidade inserir a comunidade escolar na dimensão da arte cênica, especialmente o teatro. O caminho da inserção da Etec na arte teatral será feito pelos estudantes e local acompanhados por um professor experiente em dramaturgia. A trilha a ser seguida contará com oficinas especializadas como a de expressão corporal e de encenação. Assim, o Projeto garante uma formação teatral básica àqueles que se sen Em participar deste projeto, o estudante desenvolverá competências não só artísticas, mas também as de leitura e de sociabilidade, pois o apresentar se a um público exige hab qual se pressupõe o entendimento de um texto escrito e de comandos de uma direção teatral. Textos e comandos dentro do universo do teatro pertencem ao patrimônio cultural m o que fará o nosso estudante e demais participantes a conhecer numa diversidade de textos e contextos, garantindo lhe uma ampliação de sua visão de mundo, tornando o ou novas ideias continuadoras do fazer cultural. Por fim, o Projeto corresponde a uma didática interdisciplinar, principalmente nas áreas de Linguagens e Códigos e de Ciências Hu os participantes. Para se atingir esse objetivo, contaremos com parcerias de empresas, APM e dos envolvidos diretamente no processo. Outro ponto relevante é a função social deste projeto pois além de integrar a Unidade ao bairro, ajuda a proteger o adolescente, tirando o da rua, atingindo assim, uma responsa da Criança e do Adolescente. Metas associadas: > Interação com a comunidade Projeto: Criação de grupo de estudos e capacitação dos professores Responsável(eis): Coordenação pedagógica e coordenação de curso Data de Início: 01/04/2014 Data Final: 31/12/2015 Capacitação continuada dos professores sobre metodologia de avaliação, práticas pedagógicas, como objetivo da redução dos casos de Progressão Parcial. Criação de grupos para troca de experiências bem sucedidas. 1.Nome do Projeto: Criação de Grupo de Estudos de Alunos e Capacitação dos Professores 2.Responsável pelo Projeto: Eliane Leite, Sandra Scala,, iverson Machado, Flavio Bertine, Flavia Cristina da Silva, Daniele de Oliveira Reis; Marilia Myrha 3.Diagnóstico: Número elevado de alunos com Progressão Parcial 4.Principais Demandas: 65/76

66 Levantar o número de casos de alunos de progressão parcial por curso, módulo e componente curricular; Incentivar a criação de grupo de estudos de alunos, incentivando hábitos de estudo; Capacitação os professores sobre as diversas estratégias de avaliação do aluno 5.Objeto Geral: Reduzir o número de casos de progressão parcial 6.Justificativa: O número elevado de casos de Progressão Parcial desestimula o aluno, ocasionando desistência. 7.Público Beneficiado: Alunos em geral 9.Metas/ Ações: a) Reduzir em 50% os casos de progressão parcial no ano de 2014 e 2015; Metas associadas: > Redução o número de casos de Progressão Parcial Projeto: Responsável(eis): Projeto Interdisciplinar Semana Paulo Freire Carros Nilson Costa e Paulo Mijas Data de Início: 01/04/2015 Data Final: 16/05/2015 Objetivo Geral e Específico: Este projeto tem como objetivo promover e criar oportunidades para os docentes sintetizarem e compartilhares o conhecimento através de um tema gerar " Carro, problema ou so solidariedade entre pares, a capacidade de organização, pesquisa e inovação. Metodolologia: Trabalho de pesquisa sobre carros e equipamentos; Pesquisa sobre a história do carro e seus componentes Construção de rolemã Funcionamento de uma injeção eletrônica Pesaquisas sobre combústivel altenativo SIPAT Violência no trânsito Custo para manutenção de um carro Cronograma Planejamento discussão do projeto com os docentes de todos os cursos da fevereiro/2015 Adequação e escolha dos temas para cada curso fevereiro 2015 Desenvolvimento do projeto março/abril 2015 Realização do Projeto Maio/ /76

67 Metas associadas: > Aumentar em 20% o número de empresas parceiras > Melhoria das atividades pedagógicas visando diminuição das perdas > Realizar eventos que envolvam toda a comunidade escolar PROJETOS FUTUROS Projeto: Laboratório Ideal Responsável(eis): Iverson, Flávio Bertine, Flavia Cristina Data de Início: 03/02/2014 Data Final: 31/12/2016 A falta de equipamento nos laboratórios tem causado constantes reclamações dos professores junto a direção; O projeto consiste em: 1º) Fazer levantamento das necessidades dos laboratórios de cada curso; 2º) Identificar quais equipamentos deveriam ser encaminhados pelo CPS; 3º) Levantar empresas parceiras com potencial para doação de equipamentos; 4º) Aumentar os recursos da APM para que possa colaborar com a aquisição de equipamentos; 1.Nome do Projeto: Laboratório Ideal 2.Responsável pelo Projeto: Direção e coordenadores de cursos 3.Diagnóstico: Falta de equipamento nos laboratórios 4.Principais Demandas: Levantar através do Plano de curso os equipamentos necessários para os cursos; Verificar junto ao Centro o processo de licitação desses equipamentos Parcerias com a empresa em busca de doação 5.Objeto Geral: Melhorar a estrutura dos laboratórios da escola 6.Justificativa: A importância desses laboratórios para a formação de nossos alunos 7.Público Beneficiado: Alunos em geral 9.Metas/ Ações: a) Aumentar em 30% os equipamentos necessários para o laboratório 67/76

68 Metas associadas: > Equipar os laboratórios da escola > Realizar de forma mais efetiva a manutenção permanente e preventiva da escola reduzindo em 70% os problemas da escola > Aumentar em 50% o uso dos laboratórios para as aulas práticas Projeto: Redução do Índice de perdas Responsável(eis): Sandra Scala, Vanderson, iverson e Flávio Bertine Data de Início: 03/02/2014 Data Final: 31/12/2018 Este projeto consiste em fazer levantamento das causas de evasão; Acompanhamento pela Orientação Educacional de alunos com excesso de faltas; Levantamento dos alunos com possíveis desinteresse pelo curso; Ampliar as ofertas de estágios, com objetivo de redução das evasões; 1.Nome do Projeto: Redução dos índices de perdas 2.Responsável pelo Projeto: Coordenação Pedagógica e Coordenadores de cursos 3.Diagnóstico: Número elevado de desistência principalmente nos cursos técnicos da tarde 4.Principais Demandas: Levantar as causas da evasão; Fazer estudo junto com os professores sobre a possibilidade de abertura do ETIM de Eletroeletrônica e Segurança do Trabalho 5.Objeto Geral: Redução dos índices de perdas, principalmente no período da tarde 6.Justificativa: O alto índice de evasão causa prejuízo a instituição (desmotivação do aluno e professor) 7.Público Beneficiado: Alunos em geral 9.Metas/ Ações: a) Reduzir em 30% os índices de perdas; b) Implantação do Ensino Integrado Metas associadas: > Melhoria das atividades pedagógicas visando diminuição das perdas Projeto: Canais de Comunicação Responsável(eis): Marcelo de Toledo, Vanderson Santos Data de Início: 03/02/ /76

69 Data Final: 31/12/2018 Criar um novo site e outros cainais de comunicação da escola e comunidade. 1.Nome do Projeto: CANAIS DE COMUNICAÇÃO 2.Responsável pelo Projeto: Marcelo Penteado,Vanderson da Silva 3.Diagnóstico: Alunos, professores, funcionários e comunidade insatisfeito pela não existência de formas de comunicação com a escola, externa e internamente 4.Principais Demandas: a) Levantar juntos aos alunos que tipo de comunicação inexiste na escola. b) Verificar com os professores como vêem a comunicação na escola c) Na reunião de pais, através de questionário verificar como são informados das ações da escola, das atividades de seus filhos 5.Objeto Geral: Melhorar os canais de comunicação da escola. 6.Justificativa: Uma gestão democrática só acontece se todos forem ouvidos e participam das decisões da escola. É importante que todos acompanhem o projeto político pedagógico da escola e um canal aberto de comunicação favorece a participação de todos os envolvidos. 7.Público Beneficiado: A comunidade em geral 9.Metas/ Ações: a) Instalar na escola quadro de avisos b) Instalar caixas de sugestões e criticas c) Desenvolver um site para a d) Utilizar as mídias sociais como canal de comunicação: Blog, facebook e twitter e) Divulgar as ações da f) Divulgar as ações da APM, Conselho de Escola e prestação de contas; Metas associadas: > Melhorar os canais de comunicação da escola > Melhorar os canais de comunicação da escola Projeto: Responsável(eis): ClickIdéia Coordenador do Projeto 69/76

70 Data de Início: 01/01/2014 Data Final: 31/01/2017 O portal ClikIdeia disponibilizado pelo Centro Paula Souza tem por objetivo apresentar uma nova ferramenta ao docente. Essa ferramenta é rica em possiblidades, contudo, sua aplicação efetiva encontra barreiras em alguns elementos. O primeiro dos problemas encontrados é a dificuldade de alguns professores de interagir com o próprio computador, ou seja, para alguns professores o computador não é uma fe complicador. Outro problema é o desconhecimento do docente quantos ao conteúdo e possibilidades do portal. Tanto o primeiro problema quanto o segundo podem ser sanados com a interação do coordenador do projeto ClickIdeia com os professores. Essa interação é importante, pois esse projeto será mensurado pelos acessos dos professores e alunos ao portal. Somente com a divulgação do portal, por e mail, por contato direto com o professor ou através do próprio quadro de aviso da sala dos professores, possibilitara atingir as metas d Aliás, a meta interna para o projeto é tomar por base os acessos de 2012, e anualmente majorar em 20% desses acessos, até dobrá los num período de cinco anos. É importante considerar para esse cálculo a quantidade de alunos existentes na unidade a fim de não gerar distorções nos resultados. No decorrer dos anos pretendemos transforma o portal clickideia em uma ferramenta sine qua non para todas as disciplinas do ensino médio desta unidade. Metas associadas: > Utilização do ClickIdeia Projeto: Responsável(eis): Promoção de atividades extra curriculares e parcerias com agências de empregos Sandra Scala Funi Data de Início: 01/02/2013 Data Final: 01/12/2017 Ampliar a oferta de atividades extra curriculares. Promover pelo menos uma palestra específica para cada curso mantido pela unidade; Fortalecer parcerias com agências de empregos. A justificativa de tal projeto está levando em consideração que os docentes precisam de apoio pedagógico para intermediar as ações entre teoria e prátic trabalho. As palestras fortalecem a ligação entre o que é estudado em sala e um profissional de excelência, conforme consta na missão da escola, além de colocar os al profissionais da área além de ampliar a sua rede de contato. Associados a isso parcerias com agencias de empregos além de fortalecer o nome da etec, fornece profissionais aptos aos moldes do mercado de trabalho. Acredita se também que uma vez inseridos no mercado de trabalho por meio da parceria, isso venha diminuir as perdas, cumprindo assim a missão da escola. Realização de cinco palestras durante o ano; Estabelecer parceria com pelo menos uma agência de emprego; Adesão de pelo menos 15% dos alunos desempregados no banco de currículo. Metas associadas: > Melhoria das atividades pedagógicas visando diminuição das perdas > Recolocar pessoas no mercado de trabalho > Aumentar em 20% o número de empresas parceiras Projeto: Melhoria dos Resultados do SAI e Observatório Escolar Responsável(eis): Direção, coordenação de curso, coordenação pedagógica e Orientação Educacional Data de Início: 01/04/2014 Data Final: 31/12/2016 Criar plano de ação para acompanhamento das ações da Unidade Escolar, com o objetivo de melhorar os resultados obtidos nestes indicadores. 1.Nome do Projeto: Melhoria dos Resultados do SAI e Observatório Escolar 2.Responsável pelo Projeto: Eliane Leite, Sandra Scala, Vanderson da Silva; Maria Inês Rodrigues, Marcelo de Toledo, iverson Machado, Flavio Bertine, Flavia Cristina da Silva, Daniele de Oliveira Reis 3.Diagnóstico: 70/76

71 Resultados do Observatório Escolar e SAI não foram satifatório 4.Principais Demandas: Plano de Ação para levantamento dos resultados não satisfatório, estabelecimento de metas, ações, acompanhamento e responsáveis; 5.Objeto Geral: Melhorar os resultados do SAI e Observatório Escolar 6.Justificativa: O SAI e Observatório Escolar são instrumentos importantes de avaliação da escola, utilizados para elaboração de metas e projetos. 7.Público Beneficiado: A comunidade em geral 9.Metas/ Ações: a) Melhorar em 20% os resultados obtidos no SAI; b) Aumentar em 30% os resultados do Observatório Escolar Metas associadas: > Melhorar os resultados obtidos no Observatório escolar e SAI Projeto: Alunos em estágio Responsável(eis): Coordenador de Curso e Relação Empresa Escola Data de Início: 01/04/2014 Data Final: 31/12/2017 Aumentar a relação com as empresas concedentes de estágios e ligadas com a área de atuação dos cursos, com objetivo de aumentarmos o número de alunos que realizam estágio 1.Nome do Projeto: Alunos em estágio 2.Responsável pelo Projeto: Maria Inês Rodrigues e Coordenadores de Curso 3.Diagnóstico: Quantidade de alunos que fazem estágio insuficiente 71/76

72 4.Principais Demandas: Levantar o número em estágio; Contatar e estreitar as empresas que recebem nossos alunos como estagiários; Estreitar a relação com as empresas concedentes de estágio CIEE, NUBE, Central de Estágios, etc. Criar um banco de dados com as empresas da região com potencial para receber os nossos alunos 5.Objeto Geral: Aumentar o número de aluno em estágio 6.Justificativa: A vivência no mercado de trabalho reduz a evasão e a desmotivação dos alunos. 7.Público Beneficiado: Alunos em geral 9.Metas/ Ações: a) Aumentar em 30% os aluno em estágio; Metas associadas: > Estreitar a relação com empresas concedentes de estágios e empresas da área de atuação dos cursos Projeto: Campanha de livros Responsável(eis): Comissão de Biblioteca Escolar Data de Início: 01/04/2014 Data Final: 21/12/2016 Aumentar o acervo de livros técnicos da Biblioteca da escola. 1.Nome do Projeto: Campanha de Livros 2.Responsável pelo Projeto: Comissão de Biblioteca 3.Diagnóstico: Falta de livros específicos dos cursos: Contabilidade, Eletroeletrônica, Segurança do Trabalho, Eventos e Ensino Médio 4.Principais Demandas: Levantar através do Plano de curso os livros necessários para os cursos 72/76

73 5.Objeto Geral: Aumentar o acervo da Biblioteca 6.Justificativa: A importância desse material para a formação de nossos alunos 7.Público Beneficiado: Alunos em geral 9.Metas/ Ações: a) Aumentar em 50% o acervo da biblioteca Metas associadas: > Parcerias com editoras, livrarias e campanha de doação de livros Projeto: Responsável(eis): Acesso Portal Click Idéia Marilia Myhrra Data de Início: 01/04/2014 Data Final: 31/12/2016 Aumentar o acesso do Portal Click Idéia, utilizando como instrumento de pesquisa de pesquisa de alunos e professores 1.Nome do Projeto: CLICK IDÉIA 2.Responsável pelo Projeto: Marilia Emanuela Myrhha e Sandra Scala 3.Diagnóstico: Redução do acesso ao Portal Click Ideia 4.Principais Demandas: Promover a capacitação dos professores; Levantar os índices de acesso do Portal Click Ideia; Incentivar a utilização pelos professores e alunos do Portal 5.Objeto Geral: Aumentar a utilização e acesso do Portal Click Ideia como ferramenta Pedagógica 6.Justificativa: O Portal Click Ideia tem demonstrado ser uma ferramenta pedagógica importante para professores e alunos, além de ser uma estratégia diferenciada para uso em sala de aula 73/76

74 7.Público Beneficiado: Aluno em geral 9.Metas/ Ações: a) Aumentar em 30% o acesso do Portal; b) Capacitar 100% dos professores para a utilização do Portal; Metas associadas: > Aumentar o acesso ao Portal Educacional ClickIdeia Projeto: Responsável(eis): Visitas Técnicas Data de Início: 30/03/2015 Data Final: 31/12/2018 Objetivos gerais: Nilson Costa, Paulo Mijas, Vanderson Rodrigo 1) Fornecer elementos para que os participantes promovam a Educação Ambiental em todos os níveis de ensino, tendo em vista os PCNS e os temas transversais ética pluralida sexual e meio ambiente. 2) Contribuir para a discussão em torno da necessidade de uma abordagem interdisciplinar da Educação Ambiental; Objetivos Específicos: 1) Desenvolver a integração: Tursmo, Cultura, Meio Ambiente, preservação e Educação 2) Identificar e analisar com senso ciritico as problemáticas mabientais, suas causas e consequ~encias 3) Observar a Usino Edgard de Souza, a primeira construida no Rio Tiete; 4) Conhecer Santana de Parnaíba: Igreja Matriz (parte religiosa e estudo da simbologia), observações aos casarões tombados; 5) Analisar as etapas de transformação do rio desde São Paulo até Porto Feliz; 6) Conhecer as formações rochosas de vavito, sua origem e caracterísitica; Metodologia A cada ano, possibilitar a visita em campo dos alunos do Ensino Médio e ETIM. iniciando em 2015 com término em 2018 Cronograma 1) Roteiro dos Bandeirantes agosto de ) Projetoar Petar agosto ) Paranapiacaba agosto ) Serra do Mar agosto 2018 Metas associadas: > Melhoria das atividades pedagógicas visando diminuição das perdas > Realizar eventos que envolvam toda a comunidade escolar Projeto: Alimentação Saudável Responsável(eis): Maria Ines Rodrigues, Vanderson Rodrigo da Silva Data de Início: 01/04/2015 Data Final: 31/03/2016 PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 74/76

75 Objetivo Geral: Implementar na escola ações que visem uma alimentação saudável; Objetivos Específicos: Implementar a merenda escolar na unidade escolar, com implementação de palestras de orientação alimentação que favoreçam o consumo mais saudável; Justificativa do projeto: A necessidade da implantação da merenda escolar, não pode estar simplesmente atrelada a distribuição dos kits de merenda, necessita estar atrelado a uma cultura de melhoria da alimentação dos nossos jovens qu alimentação com poucos nutrientes; Metodologia Encontros que favoreçam o reconhecimento e a importância dos alimentos fontes de nutrientes como: proteínas, lipídeos, glicídios, vitaminas, minerais, fibras e o aumento do consumo da água. Além de conceito Cronograma: 01 Encontros com alunos e pais abril 2015 a abril de 2016 Metas associadas: > Ofertar a 100% dos alunos merenda escolar seca na escola Projeto: Melhor prevenir do que remediar Responsável(eis): Acacio Felipe Filho Data de Início: 31/03/2015 Data Final: 30/03/2016 PROJETO MELHOR PREVINIR DO QUE REMEIDAR Objetivo Geral: Implementar uma cultura de manutenção preventiva e permanente da escola (equipamentos e infraestrutura); Objetivos Específicos: Melhorar a manutenção e prevenção dos equipamentos da escola e infraestrutura da escola, Justificativa do projeto: Nas reuniões com alunos e professores constantemente surgem queixar sobre equipamentos com problemas técnicos, ventiladores, janelas, que além do transtorno, causam o prejuízo para os pr Pois muitas vezes preparam aulas e organização alguma atividade no laboratório e encontram quebrados, muitas vezes por mal uso. Metodologia Cartilha de orientação para uso adequados de equipamentos; Cartazes com desligue os equipamentos após seu uso; Criar rotinas de vistorias do prédio, para detectar possíveis problemas no prédio; Cronograma: Cartilha de orientação para uso adequados de equipamentos; abril a julho/2015 Cartazes com desligue os equipamentos após seu uso; abril a julho/2015 Criar rotinas de vistorias do prédio, para detectar possíveis problemas no prédio; abril/2015 a março de 2016 Metas associadas: 75/76

76 PARECER DO CONSELHO DE ESCOLA Copyright 2008, Centro Paula Souza Desenvolvido por P2S Tecnologia 76/76

Plano Plurianual de Gestão 2013-2017. Etec Rubens de Faria e Souza. Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico

Plano Plurianual de Gestão 2013-2017. Etec Rubens de Faria e Souza. Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico Plano Plurianual de Gestão 2013-2017 Etec Rubens de Faria e Souza Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico ORIENTAÇÕES: O Projeto Político Pedagógico é a identidade da escola. Nesta tela, apresente

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos.

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos. BACHARELADO Administração O curso de Administração tem como objetivo formar profissionais que poderão atuar como executivos, técnicos em funções administrativas e/ou empreendedores, com capacidade de alinhar

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

Projeto de Gestão Pedagógica - 2014

Projeto de Gestão Pedagógica - 2014 Projeto de Gestão Pedagógica - 2014 Etec (Código e nome da unidade): 164 Etec Professor Mário Antônio Verza Professor: Claudia Patricia Candia Maciel Nº Matrícula: 019.290 Categoria: I E-mail: claudia.candia@etec.sp.gov.br

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Faculdade Figueiredo Costa 16/73

Faculdade Figueiredo Costa 16/73 16/73 CAPITULO IV GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL O Curso de Graduação em Administração deve ensejar como perfil desejado do formando, capacitação e aptidão para compreender as questões

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS Comissão Própria de Avaliação Porto Alegre, março de 2005. 1 Diretora Vera Lucia Dias Duarte Coordenador do Curso Dr. Dakir Lourenço Duarte

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Plano Plurianual de Gestão 2014-2018 Etec Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara Município: São Paulo Plano Político Pedagógico

Plano Plurianual de Gestão 2014-2018 Etec Professora Doutora Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara Município: São Paulo Plano Político Pedagógico Bem vindo 254 Início Alterar Senha Plano Plurianual de Gestão Introdução Participantes Projeto Político Pedagógico Atos Legais Histórico Caracterização Planejamento Estratégico Parecer do Conselho de Escola

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Projeto Pedagógico de Curso

Projeto Pedagógico de Curso 2012 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Projeto Pedagógico de Curso UNIVERSIDADE CUIABÁ DE FACULDADE DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA E

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

'PROCESSOS N. os 1055/09 PROTOCOLOS N.º s 10.153.662-9 2010/10 10.153.694-7 PARECER CEE/CEB N.º 205/11 APROVADO EM 07/04/11

'PROCESSOS N. os 1055/09 PROTOCOLOS N.º s 10.153.662-9 2010/10 10.153.694-7 PARECER CEE/CEB N.º 205/11 APROVADO EM 07/04/11 'PROCESSOS N. os 1055/09 PROTOCOLOS N.º s 10.153.662-9 2010/10 10.153.694-7 PARECER CEE/CEB N.º 205/11 APROVADO EM 07/04/11 CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADO: COLÉGIO ESTADUAL JOSÉ BONIFÁCIO ENSINO

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/003/2009. UNIVERSIDADE ESTADU DA PARAÍBA APROVA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA, DO CENTRO DE EDUCAÇÃO - CEDUC, QUE REFORMULA

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º 1.005, DE 1º DE JULHO DE 2013 (DOU de 02/06/2013 Seção I Pág.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º 1.005, DE 1º DE JULHO DE 2013 (DOU de 02/06/2013 Seção I Pág. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 1.005, DE 1º DE JULHO DE 2013 (DOU de 02/06/2013 Seção I Pág. 54) O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta

REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta Nilson Marcos Dias Garcia a b [nilson@ppgte.cefetpr.br] José Luiz Fabris a [fabris@cefetpr.br] Cristóvão Renato M. Rincoski a [rincoski@cefetpr.br]

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - CÂMPUS JOINVILLE PLANO DE AÇÃO DIREÇÃO GERAL Gestão 2016-2019

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - CÂMPUS JOINVILLE PLANO DE AÇÃO DIREÇÃO GERAL Gestão 2016-2019 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - CÂMPUS JOINVILLE PLANO DE AÇÃO DIREÇÃO GERAL Gestão 2016-2019 EQUIPE GESTORA PROF. ELISABETE MAIA FURTADO Direção Geral Graduada em Enfermagem e Obstetrícia pela UNIVALI

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ETHIKOS

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ETHIKOS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ETHIKOS FACULDADE PHENIX (Portaria MEC Nº 89, DE 12/01/06) MANUAL DO CURSISTA 2014 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ETHIKOS Seja bem-vindo ao Instituto de Educação Ethikos. O Manual do Cursista

Leia mais

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS O Instituto Akatu é uma organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o Consumo Consciente. PERFIL DA VAGA: PERFIL GERAL DA FUNÇÃO

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA Governo do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR INFORMAÇÕES GERAIS: Denominação: Curso Técnico em Infraestrutura Escolar Eixo Tecnológico: Apoio Educacional Titulação Conferida:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR COLÉGIO ESTADUAL CHATEAUBRIANDENSE ENSINO MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL R. ESTADOS UNIDOS, 170 - JD. AMÉRICA ASSIS CHATEAUBRIAND

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no

Leia mais

Curso de Pedagogia Portaria de Autorização ME nº 2415, de 14 de Setembro de 2001- Reconhecimento -Portaria ME. 58/2007. INÍCIO-01/08/2006 1º Semestre

Curso de Pedagogia Portaria de Autorização ME nº 2415, de 14 de Setembro de 2001- Reconhecimento -Portaria ME. 58/2007. INÍCIO-01/08/2006 1º Semestre Inciso II Programa de cada curso oferecido e demais componentes curriculares, sua duração, requisitos e critérios de Avaliação: Instituto Educacional do Estado de São Paulo Autorização de Credenciamento:

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes para as Disciplinas do Currículo da Educação Profissional de Nível Médio ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO COMISSÃO COORDENADORA DO

Leia mais

Plano Educação. www.planoeducacao.com.br LISTA COMPLETA DE CURSOS DO PLANO EDUCAÇÃO. Área Assunto Titulo

Plano Educação. www.planoeducacao.com.br LISTA COMPLETA DE CURSOS DO PLANO EDUCAÇÃO. Área Assunto Titulo Plano Educação LISTA COMPLETA DE CURSOS DO PLANO EDUCAÇÃO 1 Administração Comércio, Vendas e Negociações Administração de Mercado Exterior Administração Comércio, Vendas e Negociações Atendimento ao cliente

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

CEDHAP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO APLICADO PARCERIAS E TRABALHO VOLUNTÁRIO EM EDUCAÇÃO

CEDHAP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO APLICADO PARCERIAS E TRABALHO VOLUNTÁRIO EM EDUCAÇÃO PARCERIAS E TRABALHO VOLUNTÁRIO EM EDUCAÇÃO Heloísa Lück Diretora Educacional do CEDHAP Centro de Desenvolvimento Humano Aplicado Curitiba - PR Artigo publicado na revista Gestão em Rede no. 24 de out.

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

MANUAL DISCENTE 2012

MANUAL DISCENTE 2012 MANUAL DISCENTE 2012 SUMARIO 1. Apresentação da Instituição 02 2. Organização Institucional 03 3. Missão, Visão, Princípios e Valores 04 4. Procedimentos Acadêmicos 05 5. Estágio Supervisionado e Trabalho

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas Diagnosticar Sonhar Orçar Poupar FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Por que incluir a educação financeira na sua escola? Dados recentes

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

O Papel do Gestor Educacional frente aos desafios das políticas educacionais

O Papel do Gestor Educacional frente aos desafios das políticas educacionais SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE FORMAÇÃO PERMANENTE O Papel do Gestor Educacional frente aos desafios das políticas educacionais Organização e Coordenação:

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais