Sociedades de Revisores OFICIAIS de CONTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sociedades de Revisores OFICIAIS de CONTAS"

Transcrição

1 Sociedades de Revisores OFICIAIS de CONTAS Foto: Daniel Grill/Tetra Images/Corbis/VMI Faz parte integrante do Diário Económico n.º 5826 de 19 de Dezembro de 2013 e não pode ser vendido separadamente Estreitamento do mercado cria novos desafios à actividade de auditoria. Sociedades de revisores começam a apostar noutras geografias. Conheça as alterações que a anunciada Reforma do IRC e a nova Directiva da Contabilidade trazem às empresas e ao trabalho dos ROC.

2

3 ÍNDICE EDITORIAL FRANCISCO FERREIRA DA SILVA, SUBDIRECTOR Actividade vive tempos de mudança Pedro Aperta 06 ENTREVISTA José Azevedo Rodrigues, Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Queremos abrir esta actividade a outros licenciados Director António Costa Director-executivo Bruno Proença Subdirectores Francisco Ferreira da Silva e Helena Cristina Coelho Coordenação Sónia Branco Colaboram nesta edição: Fátima Ferrão e Helena Peralta Produção Ana Marques (chefia), Artur Camarão, Carlos Martins João Santos Departamento Gráfico Dário Rodrigues (editor), Ana Maria Almeida Tratamento de Imagem Samuel Rainho (coordenação), Paulo Garcia, e Tiago Maia Impressão e Acabamento SIG Presidente Nuno Vasconcellos Vice-presidente Rafael Mora Administradores Paulo Gomes, António Costa Gonçalo Faria de Carvalho Director Geral Comercial Bruno Vasconcelos Redacção Rua Vieira da Silva, nº45, Lisboa, Tel.: / Fax: MERCADO DA AUDITORIA Existe muito trabalho para as sociedades de revisores, mas a pressão sobre os preços e o estreitamento do mercado fazem com que a rentabilidade seja reduzida. 10 REFORMA DO IRC Grandes e médias empresas em processo de internacionalização poderão ser das poucas entidades a beneficiar efectivamente da anunciada reforma. 12 DIRECTIVA DA CONTABILIDADE O que muda no panorama contabilístico nacional após a aplicação da nova directiva comunitária. 14 INTERNACIONALIZAÇÃO Os PALOP representam uma oportunidade para as sociedades nacionais. Conheça dois casos de sucesso. 16 OLD SCHOOL & NEW SCHOOL Duas gerações de revisores, sentados à mesma mesa, partilham visões, estratégias e opiniões sobre a profissão. 20 FÓRUM Quais os desafios e as oportunidades da actividade de revisão oficial de contas? 24 AS SOCIEDADES Conheça as SROC em Portugal O ambiente de retracção económica e o decréscimo no número de empresas sujeitas a auditoria aumentam a pressão sobre os revisores oficiais de contas, ao mesmo tempo que também sobe o nível de exigência e descem os preços. O principal activo dos ROC é a credibilidade, o que obriga a manter ou aumentar a qualidade do trabalho. Além disso, o sector público é dos mais problemáticos para os profissionais desta área que vêem a actividade tabelada perante um volume crescente de normativos e requisitos legais que complicam a vida dos auditores. As alterações sucessivas, sobretudo no novo século, prejudicam a estabilidade do edifício fiscal e abalam a confiança nas leis, sobretudo nos Orçamentos do Estado, que são o veículo da maior parte dessas alterações. Essa realidade, aliada ao incremento da regulação e às novas normas de conduta empresarial, significa uma cada vez maior exigência para os ROC que estão sujeitos ao escrutínio do mercado e a uma maior fiscalização por parte da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas (OROC). As dificuldades do sector empresarial reflectem-se nas sociedades de ROC. A saída é, por isso, muitas vezes a internacionalização e os países de língua oficial portuguesa (PALOP) são a oportunidade de um primeiro passo. Os revisores oficiais de contas vivem, por isso, tempos de mudança que não são necessariamente maus, mas que exigem cada vez mais valências, resiliência e capacidade de adaptação à nova realidade e às novas regras. < > 3

4 MERCADO DA AUDITORIA Muito trabalho mas pouca rentabilidade O ESTREITAMENTO DO MERCADO FAZ COM QUE HAJA CADA VEZ MENOS EMPRESAS SUJEITAS A AUDITORIA. AS SOCIEDADES DE REVISORES TÊM BASTANTE TRABALHO, MAS A PRESSÃO SOBRE OS PREÇOS É MUITO MAIOR, ASSIM COMO NÍVEL DE EXIGÊNCIA DA PROFISSÃO. OMERCADO DA AUDITORIA e da revisão oficial de contas continua a enfrentar os mesmos desafios de anos anteriores. As circunstâncias actuais em que o país está mergulhado não favorecem o desenvolvimento desta profissão. Essas circunstâncias têm reflexo na actividade das empresas nacionais, que são, por sua vez, o principal mercado dos revisores oficiais de contas. Empresas a desaparecer ou a reduzirem a sua facturação, saindo assim das balizas que as obriga à revisão oficial de contas, conduzem a uma redução significativa do mercado, deixando algumas Sociedades de Revisores Oficiais de Contas (SROC) numa situação complicada. Os auditores acumulam preocupações. O estreitamento do mercado, o que leva a que haja cada vez menos empresas sujeitas a auditoria, ou porque reduzem a sua actividade ou porque se fundem ou até optam pela insolvência. As SROC têm até muito David Paul Morris/Bloomberg trabalho, mas pouca rentabilidade, e por isso muitas delas vivem ainda a contar a tesouraria ao fim do mês para pagar salários, refere, a propósito, José Azevedo Rodrigues, bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas (OROC). Para este responsável, a situação é transversal a todo o país e a todas as classes profissionais. O bastonário, em entrevista ao Quem é Quem nas SROC, fala mesmo numa espiral da morte, de empobrecimento geral, que debilita a economia. Para José Azevedo Rodrigues, o País necessita de uma estratégia nacional, definida para determinado período, que permita aos investidores terem uma noção clara do que podem encontrar dentro de fronteiras. Só assim se conseguirá captar investimento estrangeiro, essencial em algumas áreas. E é aqui que entram alterações normativas como o novo Código do IRC que, na generalidade, a Ordem vê com bons olhos. Para o bastonário, é fundamental um enquadramento legal que apoie as decisões de investimento, e que não seja apenas um conjunto de opções e entendimentos sem grande ligação. Na especialidade há alguns aspectos normativos com os quais a OROC não se identifica, mas estão a ser dados passos no bom sentido. Também ao nível das normas, o novo regulamento europeu para a auditoria tem registado avanços e retrocessos e a aprovação final deverá acontecer durante o próximo ano. PREÇOS E EXIGÊNCIA Outra das questões actuais nesta profissão é a forte pressão para a descida dos preços praticados pelos auditores, sobretudo no sector público, em que a actividade é tabelada. Neste ponto, a OROC revela forte preocupação, pois põe em causa a qualidade do serviço 4

5 O mercado da auditoria em números 1313 Revisores oficiais de contas (ROC) 698 ROC a exercer a actividade em sociedades (sócios e contratados) 494 ROC a exercer a actividade em nome individual (213 com empresas, 281 sem empresas) 222 Sociedades de Revisores Oficiais de Contas (SROC) Entidades sujeitas a revisão (com mandato em aberto) 77 Cotadas 1308 Entidades de Interesse Público 244,7 milhões de euros Volume de negócios do sector em ,4 milhões de euros Volume negócios das SROC em ,3 milhões de euros Volume negócios ROC individuais em 2011 oferecido. Esta questão é ainda mais preocupante ao nível do sector público, muito legislado, com um grau de dificuldade e de exigência também elevado. As sociedades de revisores precisam de ter equipas com competências alargadas para este tipo de trabalho que é, efectivamente, pago abaixo do que seria desejável. Segundo o discurso de abertura do XI Congresso dos ROC, feito pelo bastonário da Ordem, o tema do mesmo era «Auditoria: Desafio e Confiança», porque este lema é o mais apropriado no contexto financeiro, económico e social por que estamos a passar, o que nos leva a acreditar que, inquestionavelmente, o serviço mais relevante transaccionado pelos revisores oficiais de contas é mesmo a confiança. E é para manter a credibilidade da profissão, que é indiscutivelmente o seu maior activo, que a OROC está empenhada em fiscalizar, cada vez mais, todos os casos que suscitem dúvidas, para manter a qualidade mínima da profissão. Não estamos preocupados com o facto de o profissional trabalhar barato, mas sim se consegue fazer um bom trabalho por esse preço, diz, em entrevista, José Azevedo Rodrigues. Acima de tudo, a profissão é hoje mais exigente do que era há alguns anos, e o grau de fiscalização também tende a acompanhar essa exigência. < > 5

6 ENTREVISTA José Azevedo Rodrigues Bastonário da Ordem dos Revisores Ofi ciais de Contas (OROC) Queremos abrir esta actividade a outros licenciados José Azevedo Rodrigues afirma que os novos estatutos da OROC favorecem uma maior abertura no regime de acesso à profissão. Os maiores problemas do sector continuam a ser o estreitamento do mercado e a queda de preços, sobretudo no sector público. O que se mantém e que é que se alterou na actividade da revisão de contas durante o último ano? A nova regulamentação europeia é, sem dúvida, o tema mais actual e que, aliás, se mantém desde o ano passado. As negociações com a Comissão Europeia e o Parlamento Europeu não têm sido fáceis, e têm-se registado avanços e retrocessos. Há uma posição diferenciada e antagónica entre países, no que diz respeito a algumas matérias, e não temos conseguido chegar a bom porto. De qualquer forma, tem havido uma evolução positiva e o normativo actual reflecte um pouco melhor o que é a actividade da auditoria. Alguns pontos, dos quais éramos críticos, caíram e, por isso, considero que estamos no bom caminho. Mas não sabemos ainda quando sairá a nova legislação, provavelmente será em E a divisão dos países é equilibrada? Penso que não. A União Europeia tem de trabalhar por consenso das minorias de bloqueio. E Portugal, numa ou noutra matéria, tem feito parte dessas minorias. Porém, temos evoluído na questão da Directiva da Contabilidade, que foi aprovada em Junho de Esta directiva não tem grandes implicações no trabalho do revisor, mas sim no do contabilista, mas entendemos que representa um retrocesso. Ora, isso preocupa-nos bastante, pois a futura directiva de auditoria poderá seguir o mesmo caminho. A primeira tem enfoque no papel da contabilidade, e a segunda tem enfoque nos profissionais de auditoria, na sua organização, nas actividades que podem ou não exercer. A Directiva da Contabilidade permite que os contabilistas tenham mais liberdade e que se possam organizar à sua maneira, enquanto que a auditoria está mais limitada. Consideramos que o modelo subjacente à Directiva da Contabilidade é um retrocesso, pondo em causa o modelo contabilístico nacional que se tinha focado fundamentalmente nas normas internacionais. A União Europeia não alinhou numa visão anglosaxónia, mas sim numa visão mais continental, influenciada sobretudo pela Alemanha e pela França, e acredito que isso traga uma regressão nos conceitos e nas práticas contabilísticas. E a nível interno, que alterações houve? Internamente houve avanços significativos ao nível da lei das Associações Públicas de Profissionais, tendo a Ordem apresentado a sua proposta dos novos estatutos. Fizemos algumas alterações que favorecem uma maior abertura da profissão, sobretudo no regime de acesso. Pretendemos que a profissão seja aberta a licenciados, independentemente da sua formação de base. O projecto está já na fase final. Pretendemos também uma maior abertura nas relações com os PALOP, como Angola e Moçambique. Penso que os estatutos nos dão agora uma liberdade que não davam anteriormente, e, mesmo na actividade dos audito- >>> 6

7 7 Fotos: Pedro Aperta

8 ENTREVISTA >>> res, haviam limitações que hoje não se vindo a aumentar o grau de fiscalização do Conselho Nacional de Super- tamos sujeitos a preços definidos por justificam. Por isso, em conjunto com o Ministério das Finanças, entendemos remover essas limitações. maior exigência no novo regulamento visão de Auditoria e há também uma europeu de auditoria, e dos próprios Quais as maiores dificuldades que se vivem actualmente neste sector? São várias as preocupações que nos movem. A principal é o estreitamento do mercado, o que leva a que haja cada vez menos empresas sujeitas a auditoria, porque reduzem a sua actividade, realizam fusões ou avançam para a insolvência. Isto diminuiu o mercado dos auditores e provoca a necessidade de muitos fazerem uma concorrência por preços. Esta é uma matéria que nos preocupa bastante, pois há preços que não permitem remunerar as competências necessárias, o que prejudica a qualidade do trabalho oferecido. E, por isso, a Ordem vai realizar fiscalizações complementares em todos os casos que nos suscitem dúvidas. Estamos empenhados em manter a qualidade mínima na profissão, através de mecanismos que possam inverter esta tendência de descida de preços. Não estamos preocupados com o facto de o profissional trabalhar barato, mas sim que consiga fazer um trabalho bem feito por esse preço. Hoje, o nível de exigência dos auditores é muito superior ao que era há cinco anos. Tem Muitas vezes não se tem a noção de que um bom acompanhamento das contas vale muito mais do que aquilo que se paga, e a generalidade dos auditores tem feito um trabalho muito positivo no sector público. utilizadores da informação auditada, pelo que acredito que as estruturas tenham de mudar. O sector público continua a arrastar os preços para baixo? Tem vindo a aumentar o nível de intervenção dos auditores no sector público, com cada vez mais entidades obrigadas a terem auditoria. Isto é positivo para a profissão, por um lado, porque melhora a transparência das contas públicas, mas, por outro, es- decretos ou despachos ministeriais. Muitas vezes não é possível fazer o trabalho por aqueles valores. O sector público é muito exigente em termos de qualidade, por vezes demasiado legislado, e fazer auditoria numa entidade pública não é tarefa simples. Há uma quantidade de normativos, de requisitos legais a que estão sujeitos a que o auditor não conseguirá responder com qualidade por aqueles preços. Não conseguem fazer uma revisão destes valores? Nesta altura, essa posição seria em contra-ciclo. Muitas vezes não se tem a noção de que um bom acompanhamento das contas vale muito mais do que aquilo que se paga, e a generalidade dos auditores tem feito um trabalho muito positivo no sector público. Neste momento, estamos a trabalhar para chegar a um protocolo com o Tribunal de Contas para um melhor acompanhamento das entidades públicas e, na medida do possível, com redução de encargos para o erário público. Este protocolo está ainda em fase de negociação, mas esperamos que fique demonstrado que não podemos fazer muito mais com os valores que nos estão a propor. Estamos a falar de valores de menos de 20% do salário do 8

9 presidente das entidades auditadas, o que é verdadeiramente aflitivo, pois os revisores não trabalham individualmente, tendo equipas para pagar. Mas, por outro lado, o sector público representa um aumento de volume e criação de postos de trabalho, não? Sim, aliás tem sido uma área onde se tem crescido, nomeadamente na criação de postos de trabalho, sobretudo nas pequenas sociedades de auditores. As maiores não gostam muito do sector público, pois já fizeram as suas contas e sabem que não é nada rentável, por isso abre-se o caminho a sociedades mais pequenas. Por isso, nesse aspecto tem sido positivo, embora reconheça que há auditores que atravessam algumas dificuldades. Ou seja, temos muito trabalho, mas pouca rentabilidade, e por isso muitas sociedades vivem a contar a sua tesouraria no fim de cada mês para pagar salários. Este é o retrato da auditoria actual, tal como é o retrato do País. É um país que corta às cegas, em que todos vamos empobrecendo. É a chamada espiral da morte, e quando as empresas entram nesta espiral, está tudo errado. Ou tomamos medidas ou vamos todos morrendo aos poucos, as empresas vão desaparecendo, deixando a economia abalada. Fazemos parte do Conselho Nacional das Ordens Profissionais (CNOP), que representa cerca de 300 mil profissionais, e vejo que o problema é extensível a todos. Estas dificuldades têm levado a consolidações ou fusões de sociedades? Nós temos alertado muito para a estrutura organizativa e para a dimensão das sociedades, e aconselhamos para que se agrupem e trabalhem em conjunto. Mas temos uma cultura latina, que é muito individualista, e isso nota-se muito nas SROC. Há profissionais que não entendem que se dermos cinco podemos receber sete de volta. E esta postura fragiliza todo o processo, acabando por haver uma forte concentração nas grandes auditoras. Temos de reconhecer quando somos pequenos. Se há um cliente que cresce e se o queremos acompanhar nesse crescimento, temos de ter uma lógica de trabalho conjunto. Este é, de facto, um problema. Existem muitas sociedades unipessoais e esta figura tem tendência a desaparecer nos novos estatutos, não nos opusemos nessa matéria quando foi proposta pelo Governo. Achamos que os revisores devem formar as suas sociedades e unindo-se há, de facto complementaridades, experiências distintas e melhorias no serviço ao cliente. Há anos que procuro passar esta ideia, mas com muita dificuldade. Em Portugal, se a lei exige, fazemos, se não exige, desleixamos. A proposta do novo Código do IRC prevê uma norma que poderá ser complicada para as pequenas sociedades. Segundo a proposta, as sociedades que não tiverem seis sócios passam a ter um regime fiscal tributável em sede de transparência fiscal, que é mais penalizante do que o regime em sede de IRC. Portanto, se for aprovada, esta nova norma vai despertar o interesse dos auditores em se agruparem. Ou seja, graças a imposições legais, poderão seguir-se melhores práticas e ter melhores organizações. Quanto à reforma do IRC, qual é a sua visão face ao que está proposto? Manifestámos a nossa posição ao senhor secretário de Estado dos Assuntos Fiscais. Na generalidade, não podíamos estar mais de acordo com a necessidade de uma reforma, sobretudo porque temos falta de estabilidade fiscal. Não se consegue captar investimento estrangeiro quando não se estabelece uma relação de confiança com o investidor, numa lógica de médio e longo prazos. Na especialidade, há algumas matérias em que alertámos para o risco subjacente a alguns artigos. < > 9

10 REFORMA DO IRC Reforma... mas pouco GRANDES E MÉDIAS EMPRESAS EM PROCESSO DE INTERNACIONALIZAÇÃO PODERÃO SER DAS POUCAS ENTIDADES A BENEFICIAR EFECTIVAMENTE DA ANUNCIADA REFORMA DO IRC. REDUÇÃO DO DESEMPREGO E CAPTAÇÃO DE INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NÃO ESTÃO GARANTIDOS. A REDUÇÃO GRADUAL DA TAXA do IRC nas empresas é a medida emblemática da reforma anunciada pelo Governo para ter início já em Da actual taxa de 25%, as empresas passariam a entregar ao Estado entre 17% a 19% em Ou seja, teriam uma redução de 6% a 8% nos seus impostos em três anos fiscais. Contudo, e de acordo com alguns especialistas e revisores oficiais de contas (ROC), o impacto das medidas anunciadas não serão, só por si, geradoras de investimento empresarial, crescimento económico ou redução das taxas de desemprego. Com esta medida, empresas que apresentem lucros tributáveis não superiores a 1,5 milhões de euros veriam a sua carga fiscal reduzir-se dos actuais 25% para uma percentagem entre os 17% e os 19%, já em Já os contribuintes com lucro tributável superior a 1,5 milhões de euros beneficiarão, a partir de 2018, da eliminação das taxas da derrama municipal e da derrama estadual, reduzindo-se a taxa máxima de imposto dos actuais 31,5% (na parte do lucro tributável em excesso a 7,5 milhões de euros), para a taxa que vier a ser fixada no aludido intervalo de 17% a 19%, explica José Parada Ramos, revisor oficial de contas e secretário da Assembleia Geral da OROC. Este profissional acredita que, perante os dados actualmente conhecidos, esta reforma está mais virada para as grandes e médias empresas em processo de internacionalização. E exemplifica: A reforma inclui uma medida particularmente penalizadora para as micro e pequenas empresas, que consiste no aumento do limite mínimo dos pagamentos especiais por conta de mil para 1750 euros, deixando os pagamentos por conta de serem considerados no seu cálculo. Esta medida poderá, em muitos casos, fazer a diferença entre ter capacidade de investimento ou facturar apenas para pagar impostos e despesas. Esta opinião é totalmente partilhada por Luís Ferreira Alves, ROC, consultor de gestão e docente universitário. A presente reforma, tendo subjacente o objectivo de estímulo da competitividade fiscal do País, além das medidas de simplificação adoptadas, parece estar tendencialmente virada para as grandes empresas. As mais pequenas, acrescenta, não terão benefício directo destas medidas. Para muitas PME, dada a sua situação deficitária, ser-lhesá indiferente as alterações promovidas pois encontram-se a acumular prejuízos há vários anos. Estes são fiscalmente reportáveis nos pretendidos lucros futuros com as limitações previstas na lei, é claro e não serão invertidos em razão da política fiscal, mas antes pela reinvenção dos seus mercados, processos, produtos e valorização dos seus quadros de pessoal. ESTABILIDADE FISCAL PRECISA-SE Ambos os profissinais contactados pelo Quem é Quem concordam ainda que não será pela simples aplicação destas medidas que Portugal encontrará o caminho do crescimento ou que atrairá novos investimentos estrangeiros. Tendo em conta a inconstância do nosso sistema fiscal, o sucesso de medidas que visem contribuir para o crescimento económico do país pressupõe que sejam dadas garantias aos investidores quanto ao horizonte temporal durante o qual as mesmas irão perdurar, assegura José Parada Ramos. Uma missão difícil, como re- 10

11 Paulo Figueiredo Principalmente por razões de sucessivo desequilíbrio orçamental, Portugal tem sido fértil na alteração sucessiva do seu regime fiscal, prejudicando a pretendida estabilidade e confiança na lei fiscal. conhece Luís Ferreira Alves. Infelizmente, principalmente por razões de sucessivo desequilíbrio orçamental, Portugal tem sido fértil na alteração sucessiva do seu regime fiscal, prejudicando seriamente a pretendida estabilidade e confiança na lei fiscal. Este profissional acredita, por isso, que um regime fiscal que bem acolha e estimule o investimento e, complementarmente, o crescimento a curto/ médio prazo revela-se indispensável, quer por evitar a deslocalização do tecido empresarial para o exterior, quer para atrair investimento estrangeiro para Portugal. Porém, desde que assegure a sua estabilidade no tempo e, assim, garanta a segurança exigida pelas pessoas e pelos agentes económicos. Já no que se refere à diminuição da taxa de desemprego como resultado directo desta reforma, José Parada Ramos acredita que medidas como a redução da taxa de tributação poderão contribuir para atrair investimentos em empresas operacionais, com a criação de novos postos de trabalho. Se fizermos um paralelismo com os benefícios fiscais proporcionados aos grandes projectos de investimento nos anos 90, não faltam exemplos de grupos multinacionais que se instalaram no nosso País, contribuindo de forma relevante para a criação de postos de trabalho se bem que o quadro de benefícios então disponível era claramente mais atractivo, recorda. Visão partilhada por Luís Ferreira Alves que acrescenta, contudo, que este impacto apenas terá lugar caso as medidas implementadas contribuam, de facto, para estimular o investimento sustentado em Portugal. Se não alcançar este desiderato, cremos que não. Em suma, ambos os profissionais são unânimes na opinião de que o sucesso da meta do crescimento não vai, nem pode, esgotar-se no plano da lei fiscal. < > 11

12 DIRECTIVA DA CONTABILIDADE Prós e contras da nova directiva comunitária POUCO MUDARÁ NO PANORAMA CONTABILÍSTICO NACIONAL APÓS A APLICAÇÃO DA RECENTE DIRECTIVA DA CONTABILIDADE, PUBLICADA EM JUNHO DE ESTA RESULTA DE UM CONJUNTO DE COMPROMISSOS ENTRE OS PARCEIROS EUROPEUS. A DIVERGÊNCIA DE OPINIÕES entre os diferentes países da Comunidade Europeia deu origem a uma Directiva da Contabilidade que deixa aos Governos a decisão última sobre as normas a adoptar. Assim, as mudanças em Portugal dependerão apenas da opção do actual executivo. Esperava-se um conjunto de normas que aproximasse a linguagem contabilística europeia para as empresas não cotadas, o que, na realidade, não aconteceu, explica Luísa Anacoreta, ROC e professora auxiliar na Universidade Católica do Porto. No entanto, acredita, estou convencida de que a opção portuguesa será alterar o normativo apenas o necessário para cumprir a directiva, mas tudo depende do rumo que se pretender seguir. Contudo, e não obstante a flexibilidade e liberdade atribuída aos Estados-- -membros, haverá sempre alterações obrigatórias no nosso quadro normativo actual, adianta Luísa Anacoreta. E acrescenta: A maior alteração, que reflecte a grande preocupação da Comissão com a aprovação da recente directiva, relaciona-se com a limitação de informação de relato financeiro a exigir às pequenas empresas. É claro que, como explica a docente, a directiva refere-se a pequenas empresas no quadro da União Europeia. Num país como o nosso, pequenas empresas são quase todas. Só para que se tenha uma ideia das diferenças, no Sistema de Normalização Contabilística (SNC), até agora usado em Portugal, pequenas empresas são aquelas que apresentem um volume de negócios inferior a três milhões de euros. Com a nova directiva, este valor sobe para oito milhões, deixando assim de ser aplicado a muitas PME nacionais. O que vai acontecer com esta alteração de limites é que muitas empresas que usam actualmente o SNC geral serão obrigadas a usar um normativo mais simples e está vedado aos Estados-membros exigirem a estas empresas mais informação do que a prevista na lei, salienta Luísa Anacoreta. DIRECTIVA COM ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS Óscar Figueiredo, revisor oficial de contas, prefere ver as duas faces da moeda. Destaca, por um lado, factores positivos, como a simplificação do processo contabilístico e das obrigações de relato impostas às entidades mais pequenas e, por outro, os mais negativos, como o retrocesso técnico que a nova directiva encerra. Entende-se que as entidades de menor dimensão, não sendo geralmente transnacionais, 12

13 nem o alvo preferido de potenciais investidores, deveriam ser dispensadas de um conjunto de obrigações contabilísticas ou menos exigentes do que para as entidades maiores, clarifica. Contudo, aquele profissional não entende como alguns requisitos das normas internacionais de contabilidade, aceites e impostas pela União Europeia para determinadas empresas, não venham a ser considerados para a Muitas empresas que usam actualmente o SNC geral serão obrigadas a usar um normativo mais simples, e está vedado aos Estados- -membros exigirem a estas empresas mais informação do que a prevista na lei. Yuriko Nakao/Reuters generalidade das entidades às quais se aplica a directiva. No caso português que ainda há pouco tempo aprovou e pôs em vigor um sistema contabilístico moderno, assente em princípios sólidos e em requisitos técnicos internacionais relevantes e coerentes a transposição da directiva vai provocar alterações a algumas das normas e obrigações contabilísticas e de relato existentes, estando os seus efeitos a ser estudadas no seio da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) para futura decisão. < > 13

14 INTERNACIONALIZAÇÃO Avançar para lá de fronteiras OS PALOP SÃO UMA OPORTUNIDADE PARA AS SOCIEDADES NACIONAIS, QUE ACABAM POR SER ARRASTADAS PELA INTERNACIONALIZAÇÃO DOS SEUS CLIENTES PARA ESSES PAÍSES. O PRIMEIRO PASSO de internacionalização das sociedades de revisores oficiais de contas é facilmente compreensível: as empresas suas clientes seguem o caminho do exterior e acabam por levar consigo os profissionais em quem confiam. Esta é a forma mais comum de exportar serviços. Ainda assim, já se conhecem algumas tentativas de instalar sociedades em outros países, em parceria com sócios locais. As sociedades portuguesas começam por dar os primeiros passos de cooperação internacional nos países de expressão portuguesa, onde existem maiores afinidades. A própria Ordem dos Revisores Oficiais de Contas estimula esta colaboração. Temos protocolos assinados com Angola e Moçambique, e já criámos alguns mecanismos de facilitação de cooperação com os PALOP, pois pretendemos alargar e aprofundar essas condições de colaboração. A ideia é facilitar a actuação de revisores portugueses em Angola e Moçambique, e vice-versa. Retirámos alguma burocracia e, dentro do que é possível perante as normas europeias, facilitámos os exames e a associação entre parceiros, revela o bastonário José Azevedo Rodrigues. Joaquim Camilo, partner da J. Camilo e Associados, SROC, afirma que a quebra da procura interna tem obrigado as empresas nacionais a avançarem para novos mercados geográficos. Estes riscos podem ser diminuídos se houver acompanhamento internacional por parte do ROC, quer directamente, quer através de profissionais qualificados da sua rede internacional de auditoria, o que possibilita que o empresário obtenha maiores garantias na qualidade da informação financeira, afirma este responsável. Esta sociedade tem quatro revisores e uma estrutura de 20 técnicos, o que ainda é pouco para a expansão, mas mesmo assim 30% da facturação já provém do estrangeiro e o objectivo é passar para 70% nos próximos dois anos. Há cinco anos que a sociedade opera em Angola, com um parceiro local, e está também a instalar-se em Maputo, Moçambique. O parceiro local já está escolhido e os acordos de parceria feitos, diz Joaquim Camilo. O partner explica ainda que está a criar um departamento dentro da sociedade designado de Procurement Consulting, para trabalhar em colaboração com o cliente e seus fornecedores, o que permitirá a esta sociedade chegar também à Europa e à América. BDO ALARGA A SUA REDE José Soares Barroso, CEO da BDO Portugal, explica que esta é uma área de actividade muito específica, muito regulada, em que não é fácil expandir além-fronteiras. Para se ser ROC noutro país tem de haver o princípio da reciprocidade e tem de haver um exame de admissão à Ordem local, quando existe, refere. A BDO é uma rede mundial que tem presença em 139 países, com cerca de 55 mil profissionais. Cada sociedade é independente, 14

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma A nossa competência e experiência e a qualidade dos nossos serviços ao seu serviço A Grant Thornton assenta a sua estratégia no desenvolvimento

Leia mais

MGI Internacional. Presença em mais de 80 países

MGI Internacional. Presença em mais de 80 países MGI Internacional Presença em mais de 80 países Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores associações internacionais de empresas independentes

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística www.pwcacademy.pt Sistema de Normalização Contabilística Sector da Construção Academia da PwC Oportunidade para apreender os principais aspectos do novo modelo de normalização contabilística bem como os

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

NEWSLETTER. Uma nova dimensão Gescar. Uma parceria pelas PME. Buscando a excelência a cada passo ANO I SETEMBRO-NOVEMBRO 2011

NEWSLETTER. Uma nova dimensão Gescar. Uma parceria pelas PME. Buscando a excelência a cada passo ANO I SETEMBRO-NOVEMBRO 2011 NEWSLETTER ANO I SETEMBRO-NOVEMBRO 2011 Uma nova dimensão Gescar A Gescar Comunicação existe para dar uma nova dimensão à sua empresa, destacando-a da concorrência e dotando-a de uma identidade única.

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS BRAZILIAN DESK. Estabelecendo pontes para o futuro Portugal Brasil

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS BRAZILIAN DESK. Estabelecendo pontes para o futuro Portugal Brasil Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS BRAZILIAN DESK Estabelecendo pontes para o futuro Portugal Brasil Abreu Advogados Brazilian Desk 2015 ABREU ADVOGADOS Quem Somos A Abreu Advogados

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique Consolidar o Futuro Abreu Advogados Ferreira Rocha & Associados 2012 PORTUGAL

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

A Supervisão do Sistema Financeiro

A Supervisão do Sistema Financeiro A Supervisão do Sistema Financeiro Prestam, por isso, um importante contributo para a integridade e a transparência dos mercados de capitais. Amadeu Ferreira OROC 21 de Outubro de 2010 A EFICIÊNCIA DOS

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas)

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas) CURSO DE GESTÃO DE VENDAS Inedem- Apotec Outono 2007 25 e 26 de Setembro 9h00 às 18h30 Dirigido a gestores da área financeira com necessidade de ferramentas informáticas de elevada eficácia na avaliação

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Sessão Pública 19.01.2011 Assembleia da República ABERTURA Senhor Presidente da Comissão dos Negócios Estrangeiros

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

Novo Modelo Contabilístico

Novo Modelo Contabilístico www.pwcacademy.pt Novo Modelo Contabilístico Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Academia da PwC Oportunidade única para apreender os principais aspectos do novo modelo de normalização contabilística.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Apuramento do resultado fiscal em SNC

Apuramento do resultado fiscal em SNC www.pwcacademy.pt Apuramento do resultado fiscal em SNC Lisboa, 23 e 29 de Novembro Academia da PwC Lisboa, 7ª edição Esta formação reúne conteúdos para a atribuição de créditos, nos termos previstos no

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Consolidação de Contas

Consolidação de Contas www.pwc.pt/academy Consolidação de Contas 5ª Edição Lisboa, 9 e 16 de novembro Porto, 21 e 26 de novembro Academia da PwC 5ª Edição Esta formação reúne condições para a atribuição de créditos, nos termos

Leia mais

ABREU INTERNATIONAL LEGAL SOLUTIONS. OUR INNOVATIVE SOLUTIONS WHEREVER YOU NEED US. our innovative solutions wherever you need us.

ABREU INTERNATIONAL LEGAL SOLUTIONS. OUR INNOVATIVE SOLUTIONS WHEREVER YOU NEED US. our innovative solutions wherever you need us. ABREU INTERNATIONAL LEGAL SOLUTIONS OUR INNOVATIVE SOLUTIONS WHEREVER YOU NEED US. our innovative solutions wherever you need us. Constituída em 1993 a AB é uma das maiores Sociedades de Advogados portuguesas

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES Sessão de Abertura A regulação e supervisão da actividade seguradora e de fundos de pensões Balanço, objectivos e estratégias futuras É com

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

SNC Casos Práticos. Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC.

SNC Casos Práticos. Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC. www.pwc.pt/academy SNC Casos Práticos Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 outubro, de novembro Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro Academia da PwC 6ªEdição Lideres na formação de executivos no SNC,

Leia mais

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Janeiro de 2014 2 IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Presidência

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS Arbitragem voluntária tem nova lei a boleia da troika Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura Seminário Orçamento do Estado 2016 3 de Dezembro de 2015 Auditório da AESE Discurso de abertura 1. Gostaria de dar as boas vindas a todos os presentes e de agradecer à AESE, na pessoa do seu Presidente,

Leia mais

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Contributos conjuntos do Conselho Geral e do Reitor em resposta à solicitação de 22 de outubro de

Leia mais

Álvara nº119/93. Trabalho Temporário CCOP Metalomecânica UM PARCEIRO QUE ENTENDE DO SEU NEGÓCIO. www.grupospt.com

Álvara nº119/93. Trabalho Temporário CCOP Metalomecânica UM PARCEIRO QUE ENTENDE DO SEU NEGÓCIO. www.grupospt.com Álvara nº119/93 Trabalho Temporário CCOP Metalomecânica UM PARCEIRO QUE ENTENDE DO SEU NEGÓCIO www.grupospt.com A SPT A SPT é uma empresa certificada pela norma ISO 9001:2008 no âmbito do recrutamento,

Leia mais

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Fernando Teixeira dos Santos Presidente da CMVM 1 - Os recentes escândalos financeiros e falências de importantes empresas cotadas chocaram os

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

MLM Master in Law and Management

MLM Master in Law and Management MLM Master in Law and Management diploma CONJUNTO novaforum.pt MLM Master in Law and Management Os participantes que completem com aproveitamento a componente lectiva do Programa receberão um Diploma de

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

Soluções com valor estratégico

Soluções com valor estratégico Soluções com valor estratégico Contexto O ambiente económico e empresarial transformou-se profundamente nas últimas décadas. A adesão de Portugal à U.E., a adopção do euro e o mais recente alargamento

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 08 Abril 2015 Há quase três décadas que Portugal recebe fundos europeus, mas o próximo quadro comunitário de apoio está a merecer uma

Leia mais

Em ambos os casos estão em causa, sobretudo, os modos de relacionamento das empresas com os seus múltiplos stakeholders.

Em ambos os casos estão em causa, sobretudo, os modos de relacionamento das empresas com os seus múltiplos stakeholders. Notas de apoio à Intervenção inicial do Director Executivo da AEM, Abel Sequeira Ferreira, na Conferência Responsabilidade Social e Corporate Governance, organizada, em parceria, pelo GRACE, pela AEM e

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

www.pwc.pt/academy Workshop Guias de Transporte: implicações no Inventário Permanente

www.pwc.pt/academy Workshop Guias de Transporte: implicações no Inventário Permanente www.pwc.pt/academy Workshop Guias de Transporte: implicações no Inventário Permanente PwC s Academy 2013 Enquadramento No passado dia 1 de Julho entraram em vigor as novas regras para a emissão e comunicação

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 700 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 700 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 700 RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA Fevereiro de 2001 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4-5 RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA 6-21 Considerações gerais 6-10 Elementos

Leia mais

Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres

Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres Do offshore ao homeshore Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres João Cardoso APCC Associação Portuguesa de Contact Centres (Presidente) Teleperformance Portugal OUTSOURCING

Leia mais

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES 2014 1 RELATÓRIO FINAL 1. Objectivos do Grupo de Trabalho 1.1. Caracterizar as Empresas Familiares, em termos da sua definição, especificidades

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 ÁREA ALIMENTAR GESTÃO DE SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Formador: Eng. João Bruno da Costa TRIVALOR, SGPS NUTRIÇÃO Formador: Dr. Lino Mendes - ESTeSL - Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Consolidação de Contas

Consolidação de Contas www.pwc.pt/academy Consolidação de Contas 6ª Edição Lisboa, 12 e 16 de abril 2013 Academia da PwC Esta formação reúne condições para a atribuição de créditos, nos termos previstos no Regulamento de Atribuição

Leia mais

IFRS Update Newsletter

IFRS Update Newsletter www.pwc.pt Newsletter 10ª Edição dezembro 2015 César A. R. Gonçalves Presidente do Comité Técnico da PwC Portugal Quando olhamos em retrospetiva, não é possível definir o ano de 2014 como um ano plácido,

Leia mais

Boletim de Janeiro Atractividade. Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014

Boletim de Janeiro Atractividade. Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014 Boletim de Janeiro Atractividade Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014 13 de Fevereiro de 2014 A missãocrescimento As entidades promotoras: O Conselho Geral: Esmeralda DOURADO Rui

Leia mais

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços Curso de Gestão Empresarial para Comércio e Serviços PROMOÇÃO: COLABORAÇÃO DE: EXECUÇÃO: APRESENTAÇÃO: > A aposta na qualificação dos nossos recursos humanos constitui uma prioridade absoluta para a Confederação

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

PE ENQUADRAMENTO HISTÓRICO- -CONTABILÍSTICO E PERSPECTIVAS FUTURAS

PE ENQUADRAMENTO HISTÓRICO- -CONTABILÍSTICO E PERSPECTIVAS FUTURAS PE ENQUADRAMENTO HISTÓRICO- -CONTABILÍSTICO E PERSPECTIVAS FUTURAS JOAQUIM FERNANDO DA CUNHA GUIMARÃES Revisor Oficial de Contas n.º 790 Docente do Ensino Superior Técnico Oficial de Contas n.º 2586 Membro

Leia mais

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012 Human Resources Human Resources Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012, realizados pela Michael Page. O objectivo dos nossos Estudos de Remuneração

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais