Culturas alternativas e plantas para fins energéticos. Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Culturas alternativas e plantas para fins energéticos. Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja"

Transcrição

1 Culturas alternativas e plantas para fins energéticos Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja

2 SUMÁRIO Energias renováveis Energia da biomassa Culturas energéticas Bioetanol Biodiesel Combustíveis sólidos Culturas energéticas potenciais Considerações finais

3 ENERGIAS RENOVÁVEIS As questões relacionadas com a subida do preço dos combustíveis fósseis e o seu progressivo esgotamento; os problemas ambientais e de saúde pública associados à queima dos combustíveis fósseis e à energia nuclear; a forte dependência dos países ocidentais em relação à satisfação das suas necessidades energéticas e os problemas políticos associados a essa dependência;

4 ENERGIAS RENOVÁVEIS motivam o crescente interesse por fontes de energia alternativas renováveis (7%), tais como as energias: Eólica; Solar; Hídrica; Geotérmica; Das ondas, das marés e térmica dos oceanos; Do hidrogénio e da fusão nuclear; Da biomassa (3,7% do total das renováveis).

5 ENERGIA SOLAR Processo agroenergético CO2 Combustão Transformacão Química ENERGIA Transformacão Biológica RESIDUO MINERAL

6 ENERGIA DA BIOMASSA Fontes de biomassa para a produção de energia: culturas energéticas (cana-de-açúcar, milho, soja, girassol, choupo, etc ) resíduos agrícolas, urbanos ou industriais (dejectos, lixos, bagaços, etc ) microorganismos (algas por exemplo) Tipos de biocombustíveis (sólidos, líquidos ou gasosos), obtidos a partir das diferentes fontes de biomassa, que podem ser utilizados na produção de trabalho mecânico ou de energia térmica (calor), em dispositivos convencionais (motores de combustão interna, caldeiras, etc ) em substituição dos combustíveis tradicionais. Sólidos: carvão vegetal, lenha, briquetes, peletes, Líquidos: Biodiesel, Bioetanol, Biometanol, Gasosos: Biogás, Biohidrogénio,

7 ENERGIA DA BIOMASSA Os biocombustíveis de 1ª geração são, em geral, os obtidos: a partir de culturas alimentares, ricas em hidratos de carbono solúveis (amido, açúcares), como a cana-de-açúcar e o milho, para a produção de álcoois, como o bioetanol; a partir de culturas alimentares ricas em óleo vegetal, como a soja, para a produção de ésteres-metílicos ou bioésteres, como o biodiesel. Os biocombustíveis de 2ª geração são em geral álcoois (bioetanol) produzidos a partir de culturas não-alimentares, como as ligno-celulósicas, e a partir de resíduos agrícolas e florestais.

8 CULTURAS ENERGÉTICAS São culturas em que a biomassa produzida é, depois de processada e/ou transformada, convertida em combustíveis para serem utilizados em substituição dos combustíveis convencionais não renováveis. Mais do que novas culturas, na maior parte dos casos trata-se apenas de uma nova utilização para culturas velhas.

9 CULTURAS ENERGÉTICAS As culturas energéticas podem ser agrupadas em três tipos principais em função do tipo de combustível obtido: 1 - Culturas para a produção de bioetanol. 2 - Culturas oleaginosas para a produção de biodiesel. 3 - Culturas ligno-celulósicas para a produção de biocombustíveis sólidos para fins térmicos, principalmente a produção de (agro)electricidade.

10 CULTURAS ENERGÉTICAS Investigação e Experimentação AMBIENTE MELHORAMENTO variedades AGRONOMIA práticas culturais Produção unitária amido, óleo ou biomassa

11 BIOETANOL CULTURAS Culturas produtoras de açúcares: cana-de-açúcar e o sorgo sacarino Culturas produtoras de amido: os cereais (em especial o milho), beterraba sacarina, tupinambo e a batata. É ainda possível produzir bioetanol a partir de culturas lignocelulósicas e a partir de resíduos e sub-produtos das culturas. Culturas ligno-celulósicas: cardo, miscanto e o kenaf Resíduos: palhas de cereais, serradura, restos de podas e bagaços

12 BIOETANOL MILHO O milho é a cultura mais utilizada nos países de clima temperado para a produção de bioetanol vantagens: elevado rendimento potencial em semente elevado teor de amido no endosperma da semente. considerável experiência no cultivo do milho como cultura energética. principal inconveniente: cultura muito exigente nas técnicas de cultivo (rega, fertilização, ) para alcançar elevados rendimentos.

13 BIOETANOL A semente do milho apresenta na sua composição (para 15% de humidade) entre 60 e 65% de amido, além de uma pequena quantidade de açúcares solúveis. Cada tonelada de milho permite produzir cerca de 370 litros de etanol. Para um rendimento de 15t/ha de semente obtemos uma produção aproximada de 5500 litros de etanol/ha.

14 BIOETANOL Resultados obtidos no âmbito do Protocolo das Bioenergias celebrado entre a EDIA, a DRAPAL e a ESAB Produção de grão de Milho (kg/ha) corrigida para 14% humidade (Beja, 2007) Média kg/ha Produção de grão (kg/ha) kg N/ha 242 kg N/ha 50 kg K 2 O/ha 242 kg N/ha 205 kg N/ha 50 kg K 2 O/ha F1*Mitic F1*Agrano F1*Famoso F1*Heroic F2*Mitic F2*Agrano F2*Famoso F2*Heroic F3*Mitic F3*Agrano F3*Famoso F3*Heroic F4*Mitic F4*Agrano F4*Famoso F4*Heroic Fertilização*Variedade

15 BIOETANOL Resultados obtidos no âmbito do Protocolo das Bioenergias celebrado entre a EDIA, a DRAPAL e a ESAB Produção de amido (kg/ha) Produção de amido em Milho (kg/ha) (Beja, 2007) F1*Mitic 205 kg N/ha F1*Agrano F1*Famoso F1*Heroic F2*Mitic 242 kg N/ha 50 kg K 2 O/ha F2*Agrano F2*Famoso F2*Heroic F3*Mitic 242 kg N/ha F3*Agrano F3*Famoso Fertilização*Variedade F3*Heroic Média kg/ha F4*Mitic 205 kg N/ha 50 kg K 2 O/ha F4*Agrano F4*Famoso F4*Heroic

16 BIOETANOL CEREAIS Trigo mole, Trigo rijo, Triticale, Cevada, Aveia Culturas tradicionais de sequeiro. Adaptados aos condicionalismos agroecológicos mediterrânicos com boas produções de biomassa e de amido. Resposta aos sistemas de regadio

17 BIOETANOL TUPINAMBO (Helianthus tuberosus) Também conhecida por girassol batateiro, é uma planta parecida com o girassol mas que produz tubérculos ricos em inulina, um polissacárido da frutose. Adapta-se bem a solos pobres (rústica); com rega a produção de tubérculos pode variar entre 30 e 70 t/ha. Para uma produção de 50 t/ha obtêmse 4850 l/ha de etanol. Alto potencial de melhoramento Não interfere na cadeia alimentar

18 BIODIESEL CULTURAS As culturas mais utilizadas para a produção de biodiesel são a Soja (na América do Norte), a Colza e o Girassol (na Europa) e a Palmeira (no Sudeste Asiático). Em Portugal a cultura com maior potencial é o Girassol, especialmente em regadio; a Colza tem menos potencial, mas pode ser semeada no período outono-invernal em sequeiro.

19 BIODIESEL Girassol É uma planta algo exigente em calor, mas bastante resistente à secura; prefere climas temperados de Verão quente e com alguma chuva. A semente é muito rica em óleo (até 55%); o óleo tem qualidade alimentar, rico em ácidos gordos polinsaturados.

20 BIODIESEL Resultados obtidos no âmbito do Protocolo das Bioenergias celebrado entre a EDIA, a DRAPAL e a ESAB Produção de grão de Girassol em sequeiro (kg/ha) (Beja, 2007) Letras diferentes indicam médias diferentes para p 5%

21 BIODIESEL Resultados obtidos no âmbito do Protocolo das Bioenergias celebrado entre a EDIA, a DRAPAL e a ESAB Produção de óleo de Girassol em sequeiro (kg/ha) (Beja, 2007) Letras diferentes indicam médias diferentes para p 5%

22 BIODIESEL Colza É uma planta adaptada a climas temperados a frescos, sem demasiado calor Só é comestível o óleo de sementes de variedades com baixo teor do ácido erúcico ( canola ); o óleo de colza é rico em ácido oleico (monoinsaturado).

23 BIODIESEL Resultados obtidos no âmbito do Protocolo das Bioenergias celebrado entre a EDIA, a DRAPAL e a ESAB Produção de grão de Colza (kg/ha) em sequeiro e em regadio (Beja, 2006/07)

24 BIODIESEL Resultados obtidos no âmbito do Protocolo das Bioenergias celebrado entre a EDIA, a DRAPAL e a ESAB Produção de óleo de Colza (kg/ha) em sequeiro e em regadio (Beja, 2006/07)

25 BIODIESEL Rícino (Ricinus communis L.) É uma planta arbustiva, rústica Variedades com e sem maturação escalonada. Potencial produtivo de 1500 a 4000 kg/ha de sementes com cerca de 47% de óleo

26 COMBUSTÍVEIS SÓLIDOS Os biocombustíveis sólidos são obtidos a partir da biomassa proveniente de várias origens como sejam: culturas lenhosas de crescimento rápido (choupo, eucalipto, salgueiro, robínia, paulownia, etc.); culturas herbáceas (cardo, miscanto, kenaf, etc.); resíduos agrícolas e florestais (palhas, restos de poda, resíduos florestais, etc.); resíduos de algumas agro-indústrias (serradura, bagaços, cascas, etc.). Estes biocombustíveis podem ser ainda convertidos nos chamados Combustíveis Sólidos Densificados : peletes e briquetes.

27 COMBUSTÍVEIS SÓLIDOS Os biocombustíveis sólidos destinam-se a ser queimados em caldeiras para: a produção de energia térmica visando o aquecimento de instalações agrícolas, industriais e residenciais; a produção de energia eléctrica em centrais térmicas substituindo o carvão ou o gás natural; é a chamada Agroelectricidade...

28 COMBUSTÍVEIS SÓLIDOS As culturas lenhosas com maior potencial para a produção de biomassa são, entre outras, o choupo, o salgueiro, a robinia, o eucalipto e a paulownia. São espécies de crescimento rápido, mas que para produzirem uma grande quantidade de biomassa por ano devem, no nosso país, ser regadas. As plantações são feitas com densidades muito elevadas, (2000 ou mais plantas/ha), sendo cortadas a cada 3 a 6 anos.

29 COMBUSTÍVEIS SÓLIDOS Implantação e estudo de culturas lenhosas CHOUPO (Populus sp) Fotos

30 COMBUSTÍVEIS SÓLIDOS Implantação e estudo de culturas lenhosas PAULOWNIA (Paulownia fortunei) Elevado poder calorífico Produtividade de t/ha Elevada rusticidade no que respeita à temperatura

31 COMBUSTÍVEIS SÓLIDOS Corte e colheita das árvores As árvores, depois de cortadas, são trituradas. A produção de biomassa podem atingir 10 a 20 t/ha/ano. O conteúdo energético é substancialmente inferior ao dos biocombustíveis líquidos.

32 CULTURAS ENERGÉTICAS POTENCIAIS PARA O SUL DA EUROPA Cultura Principal biocombustivel Chuva anual mínima (mm) Colza Biodiesel 400 Girassol Biodiesel 350 Cártamo Biodiesel 400 Mostarda Biodiesel 600 Ricino Biodiesel 500 Cereais Etanol/biomassa (trigo, cevada, aveia, triticale) Beterraba Etanol 500 Batata Etanol 500 Tupinanbo Etanol 500 Cardo Biomassa 400 Sorgo Etanol/biomassa 300 Kenaf Biomassa 500 Opuntia Biomassa 350 Miscanthus Biomassa 600 Arbóreos crecimiento rápido Biomassa 400 (choupo, paulownia, eucalipto,...)

33 Aumentar o emprego nas zonas rurais e o seu consequente desenvolvimento económico. CONSIDERAÇÕES FINAIS A actividade agrícola, através do cultivo de culturas energéticas, pode fornecer matérias-primas para a indústria dos biocombustíveis. A energia pode assim tornar-se uma nova área de negócio da actividade agrícola, permitindo reduzir despesas, em especial em energia eléctrica, diversificar e aumentar as receitas. Aumentar as oportunidades de produção de produtos agrícolas, tradicionalmente de utilização alimentar. Promocão da sustentabilidade e diversidade dos sistemas agrícolas com novas alternativas culturais. Preservação do ambiente e menor dependência dos combustíveis fósseis.

34 Obrigado pela vossa atenção

Aproveitamento da Biomassa Florestal para Fins Energéticos (o início de um novo ciclo para a floresta portuguesa) Potencial das Culturas Energéticas

Aproveitamento da Biomassa Florestal para Fins Energéticos (o início de um novo ciclo para a floresta portuguesa) Potencial das Culturas Energéticas Aproveitamento da Biomassa Florestal para Fins Energéticos (o início de um novo ciclo para a floresta portuguesa) Potencial das Culturas Energéticas Feira Nacional de Agricultura, Auditório CNEMA Santarém

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL

A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL Ciclo de Mesas Redondas A APREN e as Universidades Comemoração do Dia Internacional das Florestas Cláudia Sousa, CBE Aveiro, 20 março de 2014

Leia mais

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL BIODIESEL O que é? O biodiesel pode ser produzido a partir de qualquer óleo vegetal - tal como soja, girassol, canola, palma ou mamona -, assim como a partir de gordura

Leia mais

partir de Jatropha curcas (purgueira) em Países da CPLP de forma sustentada e ambientalmente segura

partir de Jatropha curcas (purgueira) em Países da CPLP de forma sustentada e ambientalmente segura Parceria Público Privada Produção em larga escala de biocombustível a partir de Jatropha curcas (purgueira) em Países da CPLP de forma sustentada e ambientalmente segura A planta Jatropha curcas L.(purgueira)

Leia mais

dar ao consumidor a opção de escolha Ana Luísa Pinho Auditório do NERPOR, Portalegre, 4 de Março de 2008

dar ao consumidor a opção de escolha Ana Luísa Pinho Auditório do NERPOR, Portalegre, 4 de Março de 2008 Biodiesel: dar ao consumidor a opção de escolha Ana Luísa Pinho Auditório do NERPOR, Portalegre, 4 de Março de 2008 Prio Uma empresa do Grupo Martifer Líder ibérica na construção de estruturas metálicas

Leia mais

Tecnologias da Biomassa para Conversão de Energia

Tecnologias da Biomassa para Conversão de Energia Tecnologias da Biomassa para Conversão de Energia Prof. Dr.Waldir A. Bizzo Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Mecânica Matriz energética mundial Matriz energética mundial Matriz

Leia mais

Substituir este slide pelo slide de título escolhido

Substituir este slide pelo slide de título escolhido Substituir este slide pelo slide de título escolhido AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A AGRICULTURA PORTUGUESA Ana Paiva Brandão Coimbra, 7 de Abril de 2011 1 ÍNDICE 1. Alterações climáticas 2. Alterações climáticas

Leia mais

PORBIO. PRODUÇÃO de ALGAS

PORBIO. PRODUÇÃO de ALGAS PORBIO PRODUÇÃO de ALGAS O PROJETO Tem como grande objetivo, o fabrico de um dispositivo fotobiorreator, inovador, para produção de microalgas, tendo como finalidade: produção de biocombustível; extração

Leia mais

WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ

WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ A solução para a questão vai incluir uma mudança substancial em relação ao modelo de produção, consumo e desenvolvimento. Para isso, será necessário

Leia mais

Dia Internacional das Florestas CONFERÊNCIA FLORESTA E TERRITÓRIO: RISCO, ECONOMIA E POLÍTICAS

Dia Internacional das Florestas CONFERÊNCIA FLORESTA E TERRITÓRIO: RISCO, ECONOMIA E POLÍTICAS Dia Internacional das Florestas CONFERÊNCIA FLORESTA E TERRITÓRIO: RISCO, ECONOMIA E POLÍTICAS A contribuição do CBE para a valorização da Biomassa Proença-a-Nova Sábado, 21 de Março de 2015 Piedade Roberto,

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

Caravana dos biocombustíveis: Metodologias e práticas de orientação a estudantes

Caravana dos biocombustíveis: Metodologias e práticas de orientação a estudantes V.5 - N.5 - Out/Dez de 2015 25 Caravana dos biocombustíveis: Metodologias e práticas de orientação a estudantes Acervo Lucas Gabriel Victor Arthur Arruda Marcelino de Oliveira Marjorie Andrade Teixeira

Leia mais

BIODIESEL PARA O CIB

BIODIESEL PARA O CIB BIODIESEL PARA O CIB Roteiro Explicativo de Slides em Power Point Gil Miguel de Sousa Câmara 1 Slide 1 Abertura Slide 2 Famosa frase proferida por Rudolph Diesel em 1912. Slide 3 Razões que justificam

Leia mais

Ocupação Científica de Jovens nas Férias 2011

Ocupação Científica de Jovens nas Férias 2011 Ocupação Científica de Jovens nas Férias 2011 no LNEG de 27/Junho a 2/Setembro INVESTIGADORES E ALUNOS NO LUMIAR DA CIÊNCIA [1998 2011] 13 ANOS DE DIFUSÃO DA CULTURA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO LNEG Iniciativa

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO

BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO BIOCOMBUSTÍVEL Qualquer combustível de origem biológica, não fóssil. Mistura de uma ou mais plantas como: cana-de-açúcar, mamona, soja, cânhamo,

Leia mais

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução PROJECTO AGRO 728 & PEDIZA II Instituições Intervenientes UE - Universidade de Évora - Dep. de Eng.Rural. COTR - Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio ESAB - Escola Superior Agrária de Beja. ATOM

Leia mais

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica!

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ELOBiomass.com Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ÍNDICE Introdução... I Biomassa Lignocelulósica Energética... 1 Energia de Fonte Renovável... 2 Nova Matriz Energética Mundial... 3 Geração

Leia mais

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Apresentação O consumo de óleos vegetais tem aumentado no mundo todo, substituindo parte do consumo de gorduras animais. Embora tenham

Leia mais

Biomassa Vegetal Fonte de Materiais e Energia

Biomassa Vegetal Fonte de Materiais e Energia Universidade de São Paulo Instituto de Química de São Carlos Biomassa Vegetal Fonte de Materiais e Energia Prof. Dr. Antonio Aprigio da Silva Curvelo 19/05/2012 Objetivos Olimpíada Regional de Ciências

Leia mais

GEOGRAFIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo.

GEOGRAFIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo. GEOGRAFIA 01 Um dos passos para o domínio das técnicas de orientação é o conhecimento da Rosa dos Ventos, que é constituída por pontos cardeais, colaterais, subcolaterais e intermediários. Observe a Rosa

Leia mais

GERAÇÃO POR BIOMASSA. Tatiana Gonsalves Diretora Comercial da América do Sul Nexsteppe Sementes do Brasil tgonsalves@nexsteppe.

GERAÇÃO POR BIOMASSA. Tatiana Gonsalves Diretora Comercial da América do Sul Nexsteppe Sementes do Brasil tgonsalves@nexsteppe. GERAÇÃO POR BIOMASSA Tatiana Gonsalves Diretora Comercial da América do Sul Nexsteppe Sementes do Brasil tgonsalves@nexsteppe.com 19 33245007 Matriz Energética Brasileira 87% é de fontes renováveis, enquanto

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEL. Produzida a partir de biomassa agrícola e florestal

ENERGIA RENOVÁVEL. Produzida a partir de biomassa agrícola e florestal ENERGIA RENOVÁVEL Produzida a partir de biomassa agrícola e florestal I - Caracterização geral Descrição: Indicador referente à produção de energia (biocombustíveis, energia elétrica e calor) a partir

Leia mais

Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial.

Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial. Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial. * Penteado, R. A. N. (1) ; * Cunha, R. B. C.; * Penteado, A.P. (1)l renato@lactec.org.br (*) Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento (LACTEC)

Leia mais

UNIÃO DOS PRODUTORES DE BIOENERGIA

UNIÃO DOS PRODUTORES DE BIOENERGIA UNIÃO DOS PRODUTORES DE BIOENERGIA O Brasil oferece grande oferta dos insumos que podem ser utilizados como matériaprima, com o potencial de ser um dos maiores produtores de biodiesel no mundo. A produção

Leia mais

Brasil Ecodiesel. Movendo o Brasil com Biodiesel. Biodiesel Congress 2009 01/09/09

Brasil Ecodiesel. Movendo o Brasil com Biodiesel. Biodiesel Congress 2009 01/09/09 Brasil Ecodiesel Movendo o Brasil com Biodiesel Biodiesel Congress 2009 01/09/09 Macro Tendências do Setor de Biodiesel Pressão mundial por combustíveis renováveis Mundo Em 2008, os biocombustíveis representaram

Leia mais

25/10/2010 AGROENERGIA. Matérias-Primas Processos Formas de Energia FOTOSSÍNTESE. CO 2 + 2H 2 O + hv => CH 2 O + O 2 + H 2 O

25/10/2010 AGROENERGIA. Matérias-Primas Processos Formas de Energia FOTOSSÍNTESE. CO 2 + 2H 2 O + hv => CH 2 O + O 2 + H 2 O Focando em soluções: da biomassa à energia Matérias-primas Alternativas para Biodiesel. Frederico O. M. Durães Chefe-Geral Embrapa Agroenergia In: Conferência BIODIESELBR. Desenvolvendo Oleaginosas Alternativas.

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Utilização do óleo vegetal em motores diesel

Utilização do óleo vegetal em motores diesel 30 3 Utilização do óleo vegetal em motores diesel O óleo vegetal é uma alternativa de combustível para a substituição do óleo diesel na utilização de motores veiculares e também estacionários. Como é um

Leia mais

Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos. 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008

Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos. 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008 Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008 APRESENTAÇÃO Apresentação preparada por: Ronaldo Sampaio PhD. - Diretor da RSConsultants Paulo César

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS

ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS 1. BIOMASSA O termo biomassa refere-se a uma série de produtos e sub-produtos agrícolas e florestais, assim como resíduos diversos de origem animal e humana

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

Fontes de Energia e Meio Ambiente

Fontes de Energia e Meio Ambiente UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA - UFJF INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS ICE DEPARTAMENTO DE QUÍMICA QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Fontes de Energia e Meio Ambiente Alunos: Arina Estefânia Gomes Flávia Campos

Leia mais

Dados Agronómicos. 0,185kg (grão) 0,03 /kg (palha)

Dados Agronómicos. 0,185kg (grão) 0,03 /kg (palha) Dados Agronómicos Cultura Produtividade Preço de venda Milho grão de regadio 12.000 kg/ha 9 a 12.000kg palha 1/1,7 palha 0,185kg (grão) 0,03 /kg (palha) Custos de Produção Taxa Região 70% 4% Évora Milho

Leia mais

Gtoe. Fonte: EIA: "International Energy Outlook 2004

Gtoe. Fonte: EIA: International Energy Outlook 2004 20 16 Gtoe 12 8 4 0 1970 1990 2010 2030 2050 Fonte: EIA: "International Energy Outlook 2004 Demanda Energética Fontes fósseis 2ª geração de biocombustíveis, eólica, solar Solar, eólica, 4ª. geração de

Leia mais

I Seminário sobre Perspectivas Econômicas e Técnicas da Agropecuária no Brasil

I Seminário sobre Perspectivas Econômicas e Técnicas da Agropecuária no Brasil I Seminário sobre Perspectivas Econômicas e Técnicas da Agropecuária no Brasil Estado Atual e Perspectivas do Plantio de Cana-de-Açúcar no Brasil Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Halan Vieira de Queiroz

Leia mais

Central de Biomassa de Portalegre

Central de Biomassa de Portalegre Central de Biomassa de Portalegre Paulo Preto dos Santos, Sobioen Soluções de Bioenergia, SA (Março 2008) Biomassa e Energia O aproveitamento energético da biomassa é cada vez mais relevante Aproxima-se

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

Fontes renováveis PRODUÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEIS NÃO-RENOVÁVEIS. Hidroelétrica

Fontes renováveis PRODUÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEIS NÃO-RENOVÁVEIS. Hidroelétrica PRODUÇÃO DE ENERGIA Fontes renováveis RENOVÁVEIS Têm a possibilidade de se renovar, como as energias solar, hidráulica, eólica (ventos), marés e biomassa. Podem se renovar naturalmente e, se cuidadosamente

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Mudança do Clima A mudança do clima representa um desafio para a sustentabilidade global. Os gases de efeito estufa (GEEs) são apontados como os principais responsáveis

Leia mais

Energia renovável e impacto ambiental

Energia renovável e impacto ambiental Energia renovável e impacto ambiental John Herbert Maciel Diamantino da Silveira* Scarlet Barcelos Silva** Vicente Souza da Silva Júnior*** Resumo Substituir as energias não renováveis pelas renováveis

Leia mais

A produção de energia devora alimentos? Oportunidades e riscos da produção de etanol derivado de cana-de-açúcar no Brasil

A produção de energia devora alimentos? Oportunidades e riscos da produção de etanol derivado de cana-de-açúcar no Brasil A produção de energia devora alimentos? Oportunidades e riscos da produção de etanol derivado de cana-de-açúcar no Brasil Uma posição conjunta do CAPA (Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor, Brasil) e

Leia mais

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade ENERGIA Em busca da sustentabilidade Quais formas de energia você consegue identificar nesta cena? Características de uma boa fonte de combustível i) Fornecer grande quantidade de energia por unidade de

Leia mais

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modernidade trouxe vantagens e prejuízos Poluição causada pelas organizações afeta diretamente a natureza Criação de Leis para minimizar

Leia mais

Revisão bibliográfica

Revisão bibliográfica 17 2 Revisão bibliográfica Miranda e Moura (2000) apresentaram o resultado de um experimento feito cujo objetivo era analisar o comportamento de um motor Diesel após ter o óleo vegetal de dendê in natura

Leia mais

Canola. Informação sobre a. Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel DF 03.07.2013

Canola. Informação sobre a. Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel DF 03.07.2013 Produção de mel Informação sobre a Produção de Canola Raízes profundas Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel Brasília DF 03.07.2013 Engº Agrº Msc Valdir Zonin SEAPA Coordenador

Leia mais

Biocombustíveis: Chances e Limites. MA Robson Luiz da Fonseca

Biocombustíveis: Chances e Limites. MA Robson Luiz da Fonseca Biocombustíveis: Chances e Limites MA Robson Luiz da Fonseca Viçosa 27 de agosto de 2009 Peak Oil James R. Schlesinger (Ex-Secretário de Defesa dos Estados Unidos e ex-diretor da CIA): Os tempos das vacas

Leia mais

Aproveitamento da biomassa florestal para fins energéticos

Aproveitamento da biomassa florestal para fins energéticos Jornada Técnica Eficiência Energética e ambiental em Edifícios Aproveitamento da biomassa florestal para fins energéticos Ponte de Lima, 06 de Fevereiro de 2014 2000 2003 Comissão de Acompanhamento Central

Leia mais

Universidade Federal do Paraná BIOMASSA. Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência Aluno: Paulo Ricardo Vriesman da Silva

Universidade Federal do Paraná BIOMASSA. Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência Aluno: Paulo Ricardo Vriesman da Silva Universidade Federal do Paraná BIOMASSA Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência Aluno: Paulo Ricardo Vriesman da Silva Curitiba, Julho de 2013 AGENDA - INTRODUÇÃO - BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR

Leia mais

JOSÉ MANUEL GODINHO CALADO

JOSÉ MANUEL GODINHO CALADO (BIO)ENERGIA JOSÉ MANUEL GODINHO CALADO ABRIL 2013 Bioetanol Biodiesel Biogás Biocombustíveis Biometanol Bioéster dimetílico Biocombustíveis sintéticos Biohidrogénio Bioetanol O bioetanol é obtido por

Leia mais

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo 103 Trigo no Brasil começa nos Cerrados Márcio Só e Silva Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo dos anos, tem procurado opções de culturas para melhorar, tanto agronomicamente quanto economicamente,

Leia mais

Agende-se para conhecer as novas tecnologias e todo potencial energético da Biomassa!

Agende-se para conhecer as novas tecnologias e todo potencial energético da Biomassa! Conferência sobre novas tecnologias em Bioenergia, Biorrecursos e Biorrefinarias. A AACIRJ Associação orientações de Apoio ao Comércio e Indústria divulga Conferência do estado do sobre Rio de novas Janeiro,

Leia mais

Bioenergia Portugal 2015 Portalegre, 29/05/2015. Biocombustíveis Sólidos Nacionais: Características e Aspectos Críticos

Bioenergia Portugal 2015 Portalegre, 29/05/2015. Biocombustíveis Sólidos Nacionais: Características e Aspectos Críticos Biocombustíveis Sólidos Nacionais: Características e Aspectos Críticos Paula Teixeira, Helena Lopes, Luís Tarelho 29 Maio 2015 1 Com o intuito de Reduzir a emissão de gases com efeito de estufa Diversificar

Leia mais

Bioenergia Portugal 2015 Portalegre, 28/05/2015. Biomassa para a Energia. importância da qualidade na cadeia de valor

Bioenergia Portugal 2015 Portalegre, 28/05/2015. Biomassa para a Energia. importância da qualidade na cadeia de valor Biomassa para a Energia importância da qualidade na cadeia de valor Teresa Almeida Cláudia Mendes BIOENERGIA PORTUGAL 2015 Portalegre, 28 de Maio de 2015 O CBE Associação científica e técnica de direito

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL APRESENTAÇÃO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL AGROICONE JULHO 2015 TEMA CÓDIGO FLORESTAL PROJETO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE BIOENERGIA

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Produção de Alimentos e Energia. Ribeirão Preto

Produção de Alimentos e Energia. Ribeirão Preto Produção de Alimentos e Energia e o Exercício Profissional Ribeirão Preto AdilmaScamparini Engenheira de Alimentos Email ascamparini@uol.com.br F 019 81133730 FAX 019 21214527 Produção de Alimentos Alimentos

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Água. Quente. Grátis. A nova geração de soluções solares compactas e com um design único

Água. Quente. Grátis. A nova geração de soluções solares compactas e com um design único Água. Quente. Grátis. A nova geração de soluções solares compactas e com um design único Água. Quente. Grátis. A visão da Solcrafte uma visão com futuro. Os recursos energéticos fósseis tornam-se cada

Leia mais

UMA VISÃO DAS ENERGIAS DO FUTURO

UMA VISÃO DAS ENERGIAS DO FUTURO UMA VISÃO DAS ENERGIAS DO FUTURO Expedito Parente ERAS ENERGÉTICAS A humanidade gastou 25.000 anos para desenvolver um simples estribo para montaria em cavalos. ERAS ENERGÉTICAS Os raios seguidos de trovões

Leia mais

Energia. Fontes e formas de energia

Energia. Fontes e formas de energia Energia Fontes e formas de energia Energia está em tudo que nos rodeia! Nestas situações associa-se energia à saúde ou à actividade. Energia está em tudo que nos rodeia! Diariamente, ouvimos ou lemos frases

Leia mais

A questão energética. Capítulo 28

A questão energética. Capítulo 28 A questão energética Capítulo 28 Balanço energético mundial Energia é a capacidade de produzir trabalho; Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo Necessidade de novas fontes de energia Ciclos

Leia mais

Obtenção e Uso do Carvão Vegetal

Obtenção e Uso do Carvão Vegetal UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA DISCIPLINA: SEMINÁRIO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA Obtenção e Uso do Carvão Vegetal Doutoranda: Teresa Raquel Lima

Leia mais

Avaliação da viabilidade técnica e econômica da produção de etanol em planta piloto a partir da batata-doce (Ipomoea batatas)

Avaliação da viabilidade técnica e econômica da produção de etanol em planta piloto a partir da batata-doce (Ipomoea batatas) 245 Avaliação da viabilidade técnica e econômica da produção de etanol em planta piloto a partir Recebimento dos originais: 05/09/2014 Aceitação para publicação: 04/06/2015 Loana Wollmann Taborda Mestre

Leia mais

Natureza e Cultura: Contextos e Espaços

Natureza e Cultura: Contextos e Espaços iências Humanas E SUAS T ECC NOLOGIASS Tema Natureza e Cultura: Contextos e Espaços 117 Ficha de Estudo117 Tópico de estudo Impactos Ambientais das Atividades Econômicas e Recursos Energéticos Entendendo

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

Produção Integrada de Álcool Combustível em Sistema Cooperativo

Produção Integrada de Álcool Combustível em Sistema Cooperativo CAPÍTULO II Produção Integrada de Álcool Combustível em Sistema Cooperativo Juarez de Sousa e Silva Roberta Martins Nogueira Introdução Em 1975, o governo brasileiro estabeleceu o PRÓ-ALCOOL, um programa

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro.

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. Maíra Leão da Silveira Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Francisco Mariano da Rocha

Leia mais

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação N, P e K...para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação Objetivo Elevar os teores dos nutrientes (N, P e K) no solo a níveis considerados adequados para as culturas expressarem

Leia mais

CALDEIRAS A LENHA AQUASOLID. Página 1

CALDEIRAS A LENHA AQUASOLID. Página 1 CALDEIRAS A LENHA AQUASOLID Página 1 Índice Caldeiras a Lenha - Todo o conforto com a máxima economia Uma solução de aquecimento eficiente 03 Principais Características 04 Componentes e Benefícios 05 Princípio

Leia mais

As matérias-primas do biodiesel em 2020. Manoel Teixeira Souza Júnior, Ph.D. Chefe Geral da Embrapa Agroenergia

As matérias-primas do biodiesel em 2020. Manoel Teixeira Souza Júnior, Ph.D. Chefe Geral da Embrapa Agroenergia As matérias-primas do biodiesel em 2020 Manoel Teixeira Souza Júnior, Ph.D. Chefe Geral da Embrapa Agroenergia As matérias-primas do biodiesel em 2020 Produção mundial de óleo das principais oleaginosas

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal

Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal A Biomassa Florestal, energia e desenvolvimento rural Universidade Católica do Porto Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal Centro de Biomassa para a Energia 1 O QUE É A BIOMASSA? De acordo

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS POTENCIALIDADES PARA PRODUZIR MATÉRIAS PRIMAS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS ENVOLVENTE DO REGADIO DE ALQUEVA

IDENTIFICAÇÃO DAS POTENCIALIDADES PARA PRODUZIR MATÉRIAS PRIMAS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS ENVOLVENTE DO REGADIO DE ALQUEVA IDENTIFICAÇÃO DAS POTENCIALIDADES PARA PRODUZIR MATÉRIAS PRIMAS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS NA ENVOLVENTE DO REGADIO DE ALQUEVA Elaborado em 2004 Revisto em 2005 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ENQUADRAMENTO DA

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA CAPA AQUECIMENTO GLOBAL Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas Por Mônica Georgino Um dos maiores desafios da humanidade no século 21 é aprender a lidar

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Engenharia

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Engenharia Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Mecânica Energias Renováveis 4 o Ano Prof. Doutor Engenheiro Jorge Nhambiu Aula 1 Recursos energéticos, situação actual

Leia mais

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P.

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P. Instituto Nacional de Investigação Agrária Instituto Nacional de Recursos Biológicos, I.P. SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA Benvindo Maçãs INRB,

Leia mais

PRODUÇÃO DE ECO-COMBUSTÍVEIS POR CONVERSÃO TERMOQUÍMICA DE RESÍDUOS LIGNOCELULÓSICOS E POLIMÉRICOS

PRODUÇÃO DE ECO-COMBUSTÍVEIS POR CONVERSÃO TERMOQUÍMICA DE RESÍDUOS LIGNOCELULÓSICOS E POLIMÉRICOS PRODUÇÃO DE ECO-COMBUSTÍVEIS POR CONVERSÃO TERMOQUÍMICA DE RESÍDUOS LIGNOCELULÓSICOS E POLIMÉRICOS Andrei Longo 1*, Margarida Gonçalves 1, Paulo Brito 2. 1 Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade

Leia mais

Relatório Técnico Subgrupo Defesa do Etanol Ambientalmente e Socialmente Sustentável

Relatório Técnico Subgrupo Defesa do Etanol Ambientalmente e Socialmente Sustentável SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SECRETARIA DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Data 29/10/2008 Relatório Técnico Subgrupo Defesa do Etanol

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

O MUNDO ONDE VIVEMOS!

O MUNDO ONDE VIVEMOS! O MUNDO ONDE VIVEMOS! PLANETA TERRA BIOSFERA (SERES VIVOS) ATMOSFERA (AR) HIDROSFERA (ÁGUA) LITOSFERA (TERRA) AMBIENTE NO SÉC. S XX A TEMPERATURA DA TERRA AUMENTOU MAIS OU MENOS DE 0,6ºC C A 2ºC. 2 AS

Leia mais

Bioenergia para produção de eletricidade

Bioenergia para produção de eletricidade 48 Capítulo VI Bioenergia para produção de eletricidade Por Maria Beatriz Monteiro, Beatriz Acquaro Lora e Suani Teixeira Coelho* Os combustíveis fósseis constituem-se como a principal fonte de emissões

Leia mais

Desenvolvimento de um queimador em leito fluidizado borbulhante para queima de biomassa. Adaptação a caldeira pré-existente.

Desenvolvimento de um queimador em leito fluidizado borbulhante para queima de biomassa. Adaptação a caldeira pré-existente. Desenvolvimento de um queimador em leito fluidizado borbulhante para queima de biomassa Adaptação a caldeira pré-existente Paulo Gustavo Cardoso dos Santos Relatório do Projecto Final / Dissertação do

Leia mais

Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre

Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre Atmosfera Atmosfera é a camada gasosa ao redor da Terra. Hidrosfera é a parte líquida da Terra que corresponde a cerca de 80% da superfície. A água dos

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Ana Cristina Oliveira Investigadora Auxiliar, Unidade de Bioenergia

Ana Cristina Oliveira Investigadora Auxiliar, Unidade de Bioenergia Biocombustíveis & Sustentabilidade Ana Cristina Oliveira Investigadora Auxiliar, Unidade de Bioenergia Impacto do Sector dos Transportes UE Dependência do petróleo: Cerca de metade do petróleo consumido

Leia mais

Projeto e Construção de Usina Didática para Produção de Biodiesel

Projeto e Construção de Usina Didática para Produção de Biodiesel Projeto e Construção de Usina Didática para Produção de Biodiesel Brasil, Alex Nogueira a, Loregian, Henrique Bernardes a, Nunes, Diego Luiz b a ENERBIO, Grupo de Pesquisa em Energias Renováveis, Universidade

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Os fenômenos climáticos e a interferência humana

Os fenômenos climáticos e a interferência humana Os fenômenos climáticos e a interferência humana Desde sua origem a Terra sempre sofreu mudanças climáticas. Basta lembrar que o planeta era uma esfera incandescente que foi se resfriando lentamente, e

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

Análise Comparativa de Investimentos em Olival. Carlos Pedro Trindade

Análise Comparativa de Investimentos em Olival. Carlos Pedro Trindade Análise Comparativa de Investimentos em Olival Carlos Pedro Trindade Parte 1 Conceitos Definição das tecnologias SUMÁRIO Análise da Rentabilidade das alternativas em análise Parte 2 Análise da rentabilidade

Leia mais

Canola. Brasília, Setembro de 2010.

Canola. Brasília, Setembro de 2010. Canola Brasília, Setembro de 2010. Canola: A canola ocupa o terceiro lugar entre as oleogionosas cultivadas no mundo. A internação no Brasil ocorreu em 1974 procedente do México, país criador da canola.

Leia mais

QUÍMICA. 32. A neutralização equimolar do HClO com NaOH gera hipoclorito de sódio e água. Questão 21

QUÍMICA. 32. A neutralização equimolar do HClO com NaOH gera hipoclorito de sódio e água. Questão 21 Questão 21 QUÍMICA A irradiação é uma técnica utilizada na conservação de alimentos para inibir a germinação, retardar o amadurecimento e destruir bactérias patogênicas. Os isótopos césio 137 e cobalto

Leia mais

Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Biocombustíveis

Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Biocombustíveis SENADO FEDERAL Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Bioetanol Biodiesel Biocombustíveis Brasília, 28 de novembro de 2012 Foco e Prioridades

Leia mais

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS)

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) * Rubens C. Garlipp São Paulo - SP 07 de junho de 2001 Mudanças Climáticas: Uma Abordagem Estrutural 3ª Semana FIESP / CIESP de Meio Ambiente

Leia mais