Obtenção e Uso do Carvão Vegetal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Obtenção e Uso do Carvão Vegetal"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA DISCIPLINA: SEMINÁRIO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA Obtenção e Uso do Carvão Vegetal Doutoranda: Teresa Raquel Lima Farias Orientador: José Carlos de Araújo

2 Generalidades O uso energético da biomassa (fonte renovável) vem sendo valorizado como forma alternativa ao uso de combustíveis fósseis. Carvão vegetal - proveniente da queima parcial da madeira ou de outra biomassa vegetal. A carbonização consiste em aquecer ao abrigo do ar a matéria-prima (madeira), até sua decomposição parcial. Rendimento em carvão vegetal de 25 a 35% com base na massa seca de madeira.

3 Tipos e Usos do Carvão Vegetal Carvão para uso doméstico Carvão metalúrgico Carvão ativo Carvão para a indústria química Outros usos: indústria de cimento

4 Uso do Carvão Vegetal na Siderurgia O Brasil produz aproximadamente 1/3 da produção mundial de carvão vegetal. Destinado (quase totalmente) à produção brasileira de ferro-gusa, ferro ligas e silício metálico. Certos fundidos de ferro necessitam de matéria-prima (ferro-gusa) isenta de enxofre (elemento químico presente no carvão mineral) consumo de carvão vegetal na siderurgia (7,8 milhões de toneladas) 86,7% do consumo nacional (Brito, 1990). -¼ na produção de ferro gusa -½ na produção de ferro liga

5 Características da produção Carvoeira no Brasil Devastação de florestas nativas; Uso de trabalho análogo à condição de escravo; Poluição do ar gerada pelos fornos de alvenaria, os quais emitem grandes quantidades de fumos; Significativa fonte de poluição ambiental

6 Características da produção Carvoeira no Brasil Quase 75% do carvão é produzido artesanalmente, utilizando-se principalmente a lenha de mata nativa (Santos e Hatakeyamab, 2012). Desmatamentos nãos autorizados fornecem 57,5% da madeira que alimenta os fornos das carvoarias.

7 Produção Artesanal Carvoarias feitas em meio à mata - fileiras de fornos semelhantes a iglus, onde pilhas de madeira esperam a vez de ir para o forno. Carvoarias com até 120 fornos, junto às florestas nativas ou cultivadas. Função do custo de construção e da facilidade de operação.

8 Produção Artesanal Ciclo de 6 ou 7 dias - pode chegar a 10 dias - umidade da lenha elevada. 1ª Etapa - acendimento do forno e o controle da entrada de ar, quando ocorre efetivamente a carbonização (3 dias). 2ª Etapa - o forno é vedado com argila e deixado em resfriamento até atingir temperaturas internas de 40 a 50 C. Descarga sem risco de ignição do carvão ao entrar em contato com o ar. Forno do tipo rabo quente (PIMENTA; HATAKEYAMA, 2006).

9 Produção Industrial Na década de 40, iniciaram-se, em Minas Gerais, as práticas de plantio de eucalipto destinadas ao suprimento de carvão das usinas siderúrgicas do Estado. Os reflorestamentos de eucalipto, planejados e manejados adequadamente, produzem árvores de troncos retos, uniformes e madeira com massa específica adequada para a obtenção de carvão de boa qualidade (PINHEIRO et al., 2006).

10 Produção Industrial Carregamento dos cilindro metálico com lenha; Grelha na extremidade inferior - permite a circulação do ar e dos fumos decorrentes da carbonização da lenha. Na posição vertical inicia-se a carbonização, a partir da ignição da lenha. A fumaça oriunda da carbonização é canalizada para o queimador. Parte do ar quente, proveniente dessa queima, é transferida para a unidade de secagem da lenha. Unidade de produção de carvão vegetal (UPC)

11 Produção Industrial x Produção Artesanal Pesquisa Comparativa (Santos e Hatakeyamab, 2012). Unidades carvoeiras localizadas no Paraná. Processo industrial Ganho potencial de cerca de 25% de lenha; Redução da emissão de poluentes; Atendimento à legislação trabalhista vigente e aos anseios da sociedade, ao proporcionar aos trabalhadores condições dignas de trabalho e inserção social.

12 Carvão de Babaçu Mata de Cocais Faixa de transição para a floresta Amazônica. Estados : Maranhão, Pará, Piauí e Tocantins. Cerca de 18,5 milhões de ha (algo equivalente a 75% do estado de São Paulo). 300 mil e 400 mil extrativistas sobrevivam dessa atividade.

13 Carvão de Babaçu O Babaçu tem cerca de 50 utilidades diferentes Casca do coco produz-se carvão; Conflitos de acesso ao Babaçu; Reivindicação das quebradeiras de coco: o direito de livre acesso aos babaçuais Lei do Babaçu Livre

14 Carvão de Babaçu na Siderurgia Serra de Carajás (sul do Pará) - maior reserva de minério de ferro do mundo Instalação de Siderúrgicas na região Uso do côco para a produção de carvão vegetal acirrou conflito de acesso ao babaçu. Organizações extrativistas não são contrárias ao uso do coco pelas siderúrgicas (carvão somente da casca) Produção de carvão com o coco inteiro prática que impede as quebradeiras de obterem a amêndoa, principal subproduto da economia familiar do babaçu.

15 Carvão Ilegal na Siderurgia relatório do IBAMA mostrou que o crescimento da siderurgia tem sido sustentado pelo uso de carvão vegetal proveniente de desmatamentos ilegais. IBAMA identificou, entre 2000 e 2004, consumo de: - 8 milhões de m 3 de carvão ilegal - 15 milhões de m 3 de toras de madeira exploradas sem autorização.

16 Considerações Finais Do ponto de vista do conceito, todo e qualquer empreendimento humano para ser sustentável necessariamente precisa ser: - Economicamente viável; - Ecologicamente correto; - Socialmente justo; - Culturalmente aceito.

17 Ninguém ignora tudo. Ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa. Todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre. Paulo Freire Obrigada!

Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos. 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008

Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos. 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008 Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008 APRESENTAÇÃO Apresentação preparada por: Ronaldo Sampaio PhD. - Diretor da RSConsultants Paulo César

Leia mais

Limitações para a utilização de florestas energéticas voltadas, exclusivamente, ao atendimento de produtores independentes de ferro-gusa

Limitações para a utilização de florestas energéticas voltadas, exclusivamente, ao atendimento de produtores independentes de ferro-gusa Limitações para a utilização de florestas energéticas voltadas, exclusivamente, ao atendimento de produtores independentes de ferro-gusa Maurílio de Abreu Monteiro Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

Relatório Carvoaria Amazônia

Relatório Carvoaria Amazônia Relatório Carvoaria Amazônia Mapeamento de Parte Cadeia Produtiva Ferro Gusa nos Estados Maranhão e Pará Lançado em 14 Maio 2012 2006 - Revista Bloomberg Markets - EUA - Matéria de capa - Atividades ilícitas

Leia mais

PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA

PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SILVICULTURA E EXTRAÇÃO VEGETAL PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CONCEITOS

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima CONTRIBUIÇÃO DO PROJETO DE MITIGAÇÃO DE EMISSÕES DE METANO NA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL DA PLANTAR Fevereiro 2007 1

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL APRESENTAÇÃO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL AGROICONE JULHO 2015 TEMA CÓDIGO FLORESTAL PROJETO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE BIOENERGIA

Leia mais

Produção de carvão vegetal em fornos cilíndricos verticais: um modelo sustentável

Produção de carvão vegetal em fornos cilíndricos verticais: um modelo sustentável Produção de carvão vegetal em fornos cilíndricos verticais: um modelo sustentável Sueli de Fátima de Oliveira Colombo (PPGEP-UTFPR) suelifom@hotmail.com Dr. Alexandre Santos Pimenta (BRICARBRAS) alexandrepimenta@bricarbras.com.br

Leia mais

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS)

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) * Rubens C. Garlipp São Paulo - SP 07 de junho de 2001 Mudanças Climáticas: Uma Abordagem Estrutural 3ª Semana FIESP / CIESP de Meio Ambiente

Leia mais

2. Para aplicação deste anexo deverão ser consideradas as seguintes definições dos termos:

2. Para aplicação deste anexo deverão ser consideradas as seguintes definições dos termos: MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 9ª reunião do Grupo de Trabalho de Fontes Fixas Data: 29 e 30 de novembro de 2010 Processo n 02000.002780/2007-32 LIMITES

Leia mais

O H.D.B. NÃO é briquete. O H.D.B. é MADEIRA DENSIFICADA.

O H.D.B. NÃO é briquete. O H.D.B. é MADEIRA DENSIFICADA. É É uma madeira densificada, 100% natural, com altíssima concentração energética. É, portanto, um combustível ecologicamente correto. Energia limpa e renovável. O H.D.B. NÃO é briquete. O H.D.B. é MADEIRA

Leia mais

&DUYRHMDPHQWR. Aumentando o Rendimento dos Fornos Possibilidades a Curto e Longo Prazos

&DUYRHMDPHQWR. Aumentando o Rendimento dos Fornos Possibilidades a Curto e Longo Prazos &DUYRHMDPHQWR Aumentando o Rendimento dos Fornos Possibilidades a Curto e Longo Prazos :25.6+230$'(,5$(1(5*e7,&$ %1'(60DLR $35(6(17$d 2 Apresentação preparada por: Ronaldo Sampaio PhD. - Diretor da RSConsultants

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

Medidas para superação de obstáculos para redução de emissões

Medidas para superação de obstáculos para redução de emissões MODERNIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL Medidas para superação de obstáculos para redução de emissões Túlio Jardim Raad e Vamberto de Melo Seminário CGEE & DECOI da SDP/MDIC - Brasília, 20.05.2014 OBJETIVO

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Feam. e) alto forno a carvão vegetal: alto forno que utiliza o carvão vegetal como combustível e redutor no processo de produção do ferro gusa;

Feam. e) alto forno a carvão vegetal: alto forno que utiliza o carvão vegetal como combustível e redutor no processo de produção do ferro gusa; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Alessandro Albino Fontes 1. INTRODUÇÃO Definição O carvão vegetal é um subproduto

Leia mais

WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ

WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ A solução para a questão vai incluir uma mudança substancial em relação ao modelo de produção, consumo e desenvolvimento. Para isso, será necessário

Leia mais

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica!

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ELOBiomass.com Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ÍNDICE Introdução... I Biomassa Lignocelulósica Energética... 1 Energia de Fonte Renovável... 2 Nova Matriz Energética Mundial... 3 Geração

Leia mais

CEPF RELATÓRIO FINAL DO PROJETO PEQUENO

CEPF RELATÓRIO FINAL DO PROJETO PEQUENO CEPF RELATÓRIO FINAL DO PROJETO PEQUENO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Associação Mico-Leão-Dourado Título do projeto: Management Plan for Eucalyptus Trees in the União Biológical Reserve Parceiros

Leia mais

CONHECIMENTO E GESTÃO COMO FATORES TRANSFORMADORES DA INDUSTRIA DE CARVÃO VEGETAL

CONHECIMENTO E GESTÃO COMO FATORES TRANSFORMADORES DA INDUSTRIA DE CARVÃO VEGETAL CONHECIMENTO E GESTÃO COMO FATORES TRANSFORMADORES DA INDUSTRIA DE CARVÃO VEGETAL CONTATO: biocarbo@biocarbo.com emilia@charconsulting.com 31 9129 8722 EQUIPE BIOCARBO EQUIPE ENERGIA VERDE EQUIPE CHARCONSULTING

Leia mais

MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS. Seminário PDFS/MT 2015

MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS. Seminário PDFS/MT 2015 MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS Seminário PDFS/MT 2015 É referência em questões e atividades que interferem na cadeia de florestas plantadas, sugerindo e opinando em políticas públicas de pesquisa,

Leia mais

1) Mudanças climáticas, desenvolvimento sustentável e o mercado de carbono

1) Mudanças climáticas, desenvolvimento sustentável e o mercado de carbono Experiências do Setor Privado no Reflorestamento Ambiental e na Obtenção de Crédito de Carbono O caso PLANTAR PLANTAR CARBON Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Guarapari, 16 de setembro

Leia mais

Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas

Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas IV Semana de Engenharia Florestal e I Mostra de Pós-Graduação em Ciências Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas Wellington Blunck Rezende 03.03.2016 Graduação em Ciências

Leia mais

Legislação ambiental aplicada à cultura do eucalipto

Legislação ambiental aplicada à cultura do eucalipto Legislação ambiental aplicada à cultura do eucalipto Palestrante: M.Sc. Leandro de Almeida Salles Analista de Atividades do Meio Ambiente Especialidade: Engenharia Florestal Constituição Federal Art.

Leia mais

A INDUSTRIALIZAÇÃO DOS RESÍDUOS NA REGIÃO DE JAGUARIAÍVA/PR THE INDUSTRY WASTE IN THE REGION OF JAGUARIAÍVA / PR. Daniella Cristina Magossi 1

A INDUSTRIALIZAÇÃO DOS RESÍDUOS NA REGIÃO DE JAGUARIAÍVA/PR THE INDUSTRY WASTE IN THE REGION OF JAGUARIAÍVA / PR. Daniella Cristina Magossi 1 A INDUSTRIALIZAÇÃO DOS RESÍDUOS NA REGIÃO DE JAGUARIAÍVA/PR THE INDUSTRY WASTE IN THE REGION OF JAGUARIAÍVA / PR Daniella Cristina Magossi 1 MAGOSSI, Daniella Cristina. A industrialização dos resíduos

Leia mais

DESINFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL

DESINFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DESINFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL Antonio José Migliorini * 1. INTRODUÇÃO Todas as industrias que utilizam a madeira como matéria-prima, têm ao final do processamento uma grande quantidade de resíduos,

Leia mais

Grande Carajás, projetos de desenvolvimento e conflitos no Maranhão

Grande Carajás, projetos de desenvolvimento e conflitos no Maranhão Grande Carajás, projetos de desenvolvimento e conflitos no Maranhão Horácio Antunes de Sant Ana Júnior e Bartolomeu Rodrigues Mendonça 1 A primeira década do século XXI, no Brasil, pode ser caracterizada

Leia mais

Fornalhas em secadores cascata 1. Por: Luís César da Silva

Fornalhas em secadores cascata 1. Por: Luís César da Silva 1 Fornalhas em secadores cascata 1 Por: Luís César da Silva Para a realização do processo de secagem artificial quase sempre é necessário aumentar o potencial de secagem do ar. Nesse caso, faz-se necessário

Leia mais

INDÚSTRIA DE MADEIRA QUE SE ABASTEÇA DE FLORESTA PLANTADA

INDÚSTRIA DE MADEIRA QUE SE ABASTEÇA DE FLORESTA PLANTADA Perguntas e Respostas 1 - O que é a Reposição Florestal? A Reposição Florestal caracteriza-se pelo plantio obrigatório de árvores de espécies adequadas ou compatíveis, exigido de pessoas físicas ou jurídicas

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Reserva Legal: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos do art. 12, com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3 CONTEÚDO. YPIRA: Integração dos setores de energia e florestal. A Planta Piloto da Bio-refinaria Jirau

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3 CONTEÚDO. YPIRA: Integração dos setores de energia e florestal. A Planta Piloto da Bio-refinaria Jirau Proposta de investimento em Inovação e Sustentabilidade: Planta Piloto de Bio-refinaria Jirau Soluções para uso de madeira de SVA 8 de junho de 2016 CONTEÚDO Capítulo 1 YPIRA: Integração dos setores de

Leia mais

O fogão a lenha no semiárido do Piauí: métodos tradicionais e alternativas tecnológicas eficientes

O fogão a lenha no semiárido do Piauí: métodos tradicionais e alternativas tecnológicas eficientes O fogão a lenha no semiárido do Piauí: métodos tradicionais e alternativas tecnológicas eficientes Albemerc Moura de Moraes (Doutorando em Energia UFABC Santo André/SP - albemerc@gmail.com) O uso da lenha

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I ÁCIDO SULFÚRICO

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I ÁCIDO SULFÚRICO PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I ÁCIDO SULFÚRICO ENXOFRE É uma das matérias-primas básicas mais importantes da indústria química. Existe na natureza em forma livre e combinado em minérios, como a pirita

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

TIJOLOS DO TIPO SOLO-CIMENTO INCORPORADOS COM RESIDUOS DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DO POLO MOVELEIRO DE UBA

TIJOLOS DO TIPO SOLO-CIMENTO INCORPORADOS COM RESIDUOS DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DO POLO MOVELEIRO DE UBA TIJOLOS DO TIPO SOLO-CIMENTO INCORPORADOS COM RESIDUOS DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DO POLO MOVELEIRO DE UBA Sergio Celio Da Silva Lima (FIC/UNIS) serginhoblack1@hotmail.com Daniel Perez Bondi (FIC/UNIS)

Leia mais

Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal. Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV

Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal. Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV ESTRATÉGIA AMBIENTAL CAIXA Portifólio de Produtos Socioambientais Risco

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CENSO AGROPECUÁRIO, FLORESTAL E/OU AQÜÍCOLA

1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CENSO AGROPECUÁRIO, FLORESTAL E/OU AQÜÍCOLA 1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CENSO AGROPECUÁRIO, FLORESTAL E/OU AQÜÍCOLA 1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA OBJETIVO

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE LIMITES MÁXIMOS DE EMISSÃO DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS DE FONTES FIXAS PARA A INDÚSTRIA SIDERÚRGICA EM NÍVEL NACIONAL

PROPOSIÇÃO DE LIMITES MÁXIMOS DE EMISSÃO DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS DE FONTES FIXAS PARA A INDÚSTRIA SIDERÚRGICA EM NÍVEL NACIONAL Proposta para discussão Sub-grupo de Minas Gerais 1 PROPOSIÇÃO DE LIMITES MÁXIMOS DE EMISSÃO DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS DE FONTES FIXAS PARA A INDÚSTRIA SIDERÚRGICA EM NÍVEL NACIONAL 1. JUSTIFICATIVAS 1.1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL Porto Alegre, 21 de março de 2003. 1 - INTRODUÇÃO O carvão

Leia mais

Desmatamento. Manter as florestas de pé é vital para o planeta.

Desmatamento. Manter as florestas de pé é vital para o planeta. Desmatamento de pé é vital para o planeta. 7 Nosso desafio é fazer as florestas valerem mais de pé do que derrubadas. O desmatamento é uma das grandes ameaças à sustentabilidade do planeta. Mais que o

Leia mais

As Caldeiras de biomassa

As Caldeiras de biomassa As Caldeiras de biomassa As Caldeiras a pellets e a lenha, são simples de utilizar, são robustas, áveis, e a um preço acessível. O conforto e a funcionalidade dos sistemas RED, simpli cam a gestão energética

Leia mais

VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL

VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL A EMPRESA Fundada em 1969, o objetivo principal da Vallourec unidade Florestal é o plantio de florestas de eucalipto para, a partir delas, produzir o carvão vegetal, um dos

Leia mais

Paulo Affonso Leme Machado

Paulo Affonso Leme Machado APP E PEQUENA PROPRIEDADE RURAL 2007 Paulo Affonso Leme Machado Professor de Direito Ambiental na Universidade Metodista de Piracicaba. Doutor em Direito (PUC/SP); Doutor Honoris Causa (UNESP), Mestre

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica ESTUDO POTENCIAL ENERGÉTICO DE COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DA BIOMASSA: CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOPERIBÓLICO

17º Congresso de Iniciação Científica ESTUDO POTENCIAL ENERGÉTICO DE COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DA BIOMASSA: CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOPERIBÓLICO 17º Congresso de Iniciação Científica ESTUDO POTENCIAL ENERGÉTICO DE COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DA BIOMASSA: CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOPERIBÓLICO Autor(es) ANDRESSA AMBROSIO DE CAMPOS Orientador(es)

Leia mais

PROJEÇÕES DA PRODUÇÃO DE EUCALIPTO NA REGIÃO DO VALE DO PARAÍBA SP - BRASIL E SUA CORRELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE CRÉDITOS DE CARBONO

PROJEÇÕES DA PRODUÇÃO DE EUCALIPTO NA REGIÃO DO VALE DO PARAÍBA SP - BRASIL E SUA CORRELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE CRÉDITOS DE CARBONO PROJEÇÕES DA PRODUÇÃO DE EUCALIPTO NA REGIÃO DO VALE DO PARAÍBA SP - BRASIL E SUA CORRELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE CRÉDITOS DE CARBONO ALMEIDA, Ana Jéssica Rodrigues 1 BARBOSA, José Carlos 2 CASSIN, Elisangela

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente Divisão de Florestas - DIFLO

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente Divisão de Florestas - DIFLO RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSARIOS AO CADASTRAMENTO DE PESSOAS JURIDICAS CONSUMIDORAS DE PRODUTOS E SUBPRODUTOS FLORESTAIS 1. Requerimento Atividade Florestal RAF ( anexo); 2. Formulário de cadastro pessoa

Leia mais

Projeto Container de Carbonização Rima Industrial S/A www.rima.com.br

Projeto Container de Carbonização Rima Industrial S/A www.rima.com.br Projeto Container de Carbonização Rima Industrial S/A www.rima.com.br Ricardo Antônio Vicintin José Urbano Alves Adriana de Oliveira Vilela Flávio Lúcio Eulálio de Souza Belo Horizonte, Outubro 2008 Rima

Leia mais

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA Workshop - Madeira Energética: Principais questões envolvidas na organização e no aperfeiçoamento do uso energético da lenha - 29/05/2007 DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA - O que é briquete e pelete

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 10 Reciclagem de Papel. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Maio de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 10 Reciclagem de Papel. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 10 Reciclagem de Papel Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Maio

Leia mais

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001.

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. Cria a Área de Proteção Ambiental (APA) da Pedra Gaforina e define o seu Zoneamento Ambiental (Ecológico-Econômico), no Município de GUANHÃES-MG. Faço saber que a Câmara

Leia mais

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 A crosta, o manto e o núcleo da Terra A estrutura do planeta A Terra é esférica e ligeiramente achatada nos polos, compacta e com um raio aproximado de 6.370 km. Os

Leia mais

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet A Ação Madeira Legal está vigorando, desde 02 de Janeiro de 2009. O procedimento implantado pela CAIXA é simples e consiste na apresentação do

Leia mais

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases:

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Poluição do ar Composição da atmosfera terrestre Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Nitrogênio 78% Oxigênio 21% Argônio 0,9% Gás Carbônico 0,03%

Leia mais

O MATERIAL. O Material. O Uso. Propriedades. Fabricação. Transporte. Produto Final. Distribuição. Reciclagem. Distribuidores

O MATERIAL. O Material. O Uso. Propriedades. Fabricação. Transporte. Produto Final. Distribuição. Reciclagem. Distribuidores CICLO DE VIDA MDF O MATERIAL O MDF (Medium-density fiberboard) é um material fabricado pela aglutinação de fibras de madeira (eucalipto ou pinus) com resinas sintéticas e outros aditivos. Possui como características

Leia mais

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade:

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade: Introdução Você já parou para imaginar um mundo sem coisas simples como facas, agulhas de costura, chaves, fechaduras, alfinetes lâminas de barbear? Pois é, não faz muito tempo, na verdade cerca de 500

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VI DO MEIO AMBIENTE Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do

Leia mais

ATIVIDADES OU EMPREENDIMENTOS SUJEITAS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL

ATIVIDADES OU EMPREENDIMENTOS SUJEITAS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL Licenciamento Ambiental e suas exigências legais Julio César Bachega Sec. Adjunto de Mudanças Climática - SEMA Licenciamento Ambiental e suas exigências Legais Código Florestal Lei Federal 4771/1965; Código

Leia mais

A FORNALHA CELULAR COMO FONTE DE CONTROLE DA POLUIÇÃO E GERAÇÃO DE ENERGIA NO PROCESSO DE CARBONIZAÇÃO UTILIZANDO FORNO CONTAINER 1

A FORNALHA CELULAR COMO FONTE DE CONTROLE DA POLUIÇÃO E GERAÇÃO DE ENERGIA NO PROCESSO DE CARBONIZAÇÃO UTILIZANDO FORNO CONTAINER 1 A fornalha celular como fonte de controle da... 335 A FORNALHA CELULAR COMO FONTE DE CONTROLE DA POLUIÇÃO E GERAÇÃO DE ENERGIA NO PROCESSO DE CARBONIZAÇÃO UTILIZANDO FORNO CONTAINER 1 Cellular Furnace

Leia mais

CARTA ABERTA DO SEMINÁRIO ESTADO E CAMPESINATO NA AMAZÔNIA: O DEBATE SOBRE O DISTRITO FLORESTAL DE CARAJÁS À SOCIEDADE BRASILEIRA

CARTA ABERTA DO SEMINÁRIO ESTADO E CAMPESINATO NA AMAZÔNIA: O DEBATE SOBRE O DISTRITO FLORESTAL DE CARAJÁS À SOCIEDADE BRASILEIRA CARTA ABERTA DO SEMINÁRIO ESTADO E CAMPESINATO NA AMAZÔNIA: O DEBATE SOBRE O DISTRITO FLORESTAL DE CARAJÁS À SOCIEDADE BRASILEIRA Nós, de diversos movimentos sociais e instituições da região do Bico do

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS Júlia Chaves BORGES (1); Raquel Jucá de Moraes SALES (2); Maria Elane Dias de OLIVEIRA (3); Antonio

Leia mais

Cooperativas do Agronegócio

Cooperativas do Agronegócio Cooperativas do Agronegócio Brasília (DF), Novembro de 2009 Diretoria de Agronegócios Posicionamento Estratégico BB Atuar em cadeias de valor, apoiar o cooperativismo e o associativismo Diversificar a

Leia mais

ENERGIA TÉRMICA COM BIOMASSA, UM NEGÓCIO A TODO VAPOR

ENERGIA TÉRMICA COM BIOMASSA, UM NEGÓCIO A TODO VAPOR ESPAÇO DE PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE ENERGIA TÉRMICA COM BIOMASSA, UM NEGÓCIO A TODO VAPOR santander.com.br/sustentabilidade Como parte do esforço para conter as mudanças climáticas, as companhias deverão

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais

Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais Paulo Sérgio dos Santos Leles Prof. Instituto de Florestas / UFRRJ 02 a 04 de setembro de 2015, Vitória - ES O que é uso múltiplo / multiproduto do eucalipto?

Leia mais

Alexandre Uhlig 1 José Goldemberg 1 Suani Teixeira Coelho 1

Alexandre Uhlig 1 José Goldemberg 1 Suani Teixeira Coelho 1 Revista Brasileira de Energia, Vol. 14, N o. 2, 2 o Sem. 2008, pp. 67-85 67 O USO DE CARVÃO VEGETAL NA INDÚSTRIA SIDERÚRGICA BRASILEIRA E O IMPACTO SOBRE AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Alexandre Uhlig 1 José Goldemberg

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

Cedro Australiano (Toona ciliata)

Cedro Australiano (Toona ciliata) TECNOLOGIA E VIDA Cedro Australiano (Toona ciliata) Características gerais e botânicas: Planta da família Meliaceae; Altura varia entre 20 a 35 m; Tronco ereto e cilíndrico; Folhas compostas paripinadas

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Demandas legais: manter ou recuperar a vegetação nativa em determinadas porções da propriedade rural (Lei Florestal) áreas pré-determinadas espacialmente (onde recuperar?). Demandas

Leia mais

Eixo Temático ET-05-019 - Meio Ambiente e Recursos Naturais A QUEIMA DA MADEIRA EM FORNOS DE OLARIA E AS POSSÍVEIS CONSEQUÊNCIAS PARA O MEIO AMBIENTE

Eixo Temático ET-05-019 - Meio Ambiente e Recursos Naturais A QUEIMA DA MADEIRA EM FORNOS DE OLARIA E AS POSSÍVEIS CONSEQUÊNCIAS PARA O MEIO AMBIENTE 336 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 Eixo Temático ET-05-019 - Meio Ambiente e Recursos Naturais A QUEIMA DA MADEIRA EM FORNOS DE OLARIA E AS

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

O uso energético da madeira

O uso energético da madeira O uso energético da madeira José Otávio Brito Introdução Aevolução do consumo mundial de energia, baseada em combustíveis fósseis, conduziu a humanidade para uma matriz energética insegura, cara e, sobretudo,

Leia mais

Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento

Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento Dr. Sergius Gandolfi Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento econômico Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

AMAZÔNIA: TRABALHO ESCRAVO + DINÂMICAS CORRELATAS

AMAZÔNIA: TRABALHO ESCRAVO + DINÂMICAS CORRELATAS AMAZÔNIA: TRABALHO ESCRAVO + DINÂMICAS CORRELATAS São geralmente os peões gente nova. Porém com frequência, pais de família com vários filhos. Iludidos quase sempre a respeito do pagamento, do lugar, das

Leia mais

ASPECTOS DO PERFIL DE EMPRESAS PRODUTORAS DE CERÂMICA VERMELHA NO MUNICÍPIO DE SÃO MIGUEL DO GUAMÁ

ASPECTOS DO PERFIL DE EMPRESAS PRODUTORAS DE CERÂMICA VERMELHA NO MUNICÍPIO DE SÃO MIGUEL DO GUAMÁ ASPECTOS DO PERFIL DE EMPRESAS PRODUTORAS DE CERÂMICA VERMELHA NO MUNICÍPIO DE SÃO MIGUEL DO GUAMÁ Alexandre Lobo Rocha (1); Adailson Oliveira Bartolomeu (2); João Bosco Lissandro Reis Botelho (3) (1)

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

Pensamento estratégico Percepções/Visão

Pensamento estratégico Percepções/Visão UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL - LAPEM 36.570-000 VIÇOSA MG - BRASIL (Texto oferecido ao CGEE em 20/5/2014 pela profa. Angélica de Cássia

Leia mais

Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria

Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria Marisa Almeida / Pedro Frade Unidade de Ambiente e Sustentabilidade 29-11-2011 Seminário Qualidade do Ar Coimbra 29.Novembro.2011 1 Conteúdo Documentos

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 COMBUSTÃO MULTICOMBUSTÍVEL EM LEITO FLUIDIZADO PARA APLICAÇÃO EM PCTS L.D. Zen*, M.J. Soaresº, G. F. Gomesºº *CIENTEC,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N o 411, DE 06 DE MAIO DE 2009 Dispõe sobre procedimentos para inspeção de

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N o 411, DE 06 DE MAIO DE 2009 Dispõe sobre procedimentos para inspeção de MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N o 411, DE 06 DE MAIO DE 2009 Dispõe sobre procedimentos para inspeção de indústrias consumidoras ou transformadoras de produtos

Leia mais

MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO FORMULÁRIO DO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DO PROJETO (CDM-PDD) Versão 3 - em vigor desde: 28 de julho de 2006 SUMÁRIO

MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO FORMULÁRIO DO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DO PROJETO (CDM-PDD) Versão 3 - em vigor desde: 28 de julho de 2006 SUMÁRIO MDL Conselho Executivo FORMULÁRIO DO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DO PROJETO (CDM PDD) - Versão 3 página 1 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO FORMULÁRIO DO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DO PROJETO (CDM-PDD) Versão

Leia mais

A Centre Collaborating with UNEP COMO IDENTIFICAR CRIMES AMBIENTAIS AMÉRICA LATINA

A Centre Collaborating with UNEP COMO IDENTIFICAR CRIMES AMBIENTAIS AMÉRICA LATINA A Centre Collaborating with UNEP COMO IDENTIFICAR CRIMES AMBIENTAIS AMÉRICA LATINA 1 2 COMO IDENTIFICAR CRIMES AMBIENTAIS AMÉRICA LATINA A Centre Collaborating with UNEP 3 DAS FLORESTAS ÀS LOJAS É muito

Leia mais

ArcelorMittal Timóteo / Jequitinhonha Projetos de Mecanismos de Desenvolvimento Limpo. 19 de outubro de 2007

ArcelorMittal Timóteo / Jequitinhonha Projetos de Mecanismos de Desenvolvimento Limpo. 19 de outubro de 2007 ArcelorMittal Timóteo / Jequitinhonha Projetos de Mecanismos de Desenvolvimento Limpo 19 de outubro de 2007 Tópicos 1. Introdução 2. ArcelorMittal Timóteo - Aços Inoxidáveis e Elétricos Brasil 3. ArcelorMittal

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME Esferas de Armazenamento de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) na Refinaria Landulfo Alves RLAM São Francisco do Conde BA PETROBRAS

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

COORDENAÇÃO DO MIQCB. Comissão Temática. Coordenação Executiva. Infra-estrutura Maria Martins de Sousa (Regional Pará)

COORDENAÇÃO DO MIQCB. Comissão Temática. Coordenação Executiva. Infra-estrutura Maria Martins de Sousa (Regional Pará) COORDENAÇÃO DO MIQCB Coordenação Executiva Coordenadora Geral Maria Adelina de Sousa Chagas (Regional Mearim) Vice-Coordenadora Maria Querubina da Silva Neta (Regional Imperatriz) Coordenadora Financeira

Leia mais

DESDOBRAMENTOS DA IMPLANTAÇÃO SIDERÚRGICA NA AMAZÔNIA ORIENTAL

DESDOBRAMENTOS DA IMPLANTAÇÃO SIDERÚRGICA NA AMAZÔNIA ORIENTAL DESDOBRAMENTOS DA IMPLANTAÇÃO SIDERÚRGICA NA AMAZÔNIA ORIENTAL Karla Suzy Andrade Pitombeira 1 Resumo: O debate sobre os impactos da siderurgia na Amazônia Oriental tem ampliado a crítica sócio-ambiental

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR C ( p f d o m r s a b c d e omo pode cair no enem ENEM) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o

Leia mais

#$%&'()%*!+,!-!./$)(*!01"2

#$%&'()%*!+,!-!./$)(*!012 ! Sugestões de medidas para superação dos obstáculos econômicos, técnicos e regulatórios à meta de redução de emissões, com avaliação dos benefícios sócio-ambientais. #$%&'()%*!+,!-!./$)(*!01"2 Nota Técnica

Leia mais

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações 4º Congresso Internacional de Bioenergia Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações Curitiba, 20 de agosto de 2009 Alexandre Uhlig, PhD. uhlig@uol.com.br Roteiro 2 Introdução

Leia mais