Legislação ambiental aplicada à cultura do eucalipto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Legislação ambiental aplicada à cultura do eucalipto"

Transcrição

1 Legislação ambiental aplicada à cultura do eucalipto Palestrante: M.Sc. Leandro de Almeida Salles Analista de Atividades do Meio Ambiente Especialidade: Engenharia Florestal

2

3 Constituição Federal Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: VI - florestas, caça, pesca, fauna, conservação da natureza, defesa do solo e dos recursos naturais, proteção do meio ambiente e controle da poluição;

4 Constituição Federal Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: 1º - No âmbito da legislação concorrente, a competência da União limitar-se-á a estabelecer normas gerais.

5 Constituição Federal Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: 2º - A competência da União para legislar sobre normas gerais não exclui a competência suplementar dos Estados.

6 Constituição Federal Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: 3º - Inexistindo lei federal sobre normas gerais, os Estados exercerão a competência legislativa plena, para atender a suas peculiaridades.

7 Constituição Federal Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: 4º - A superveniência de lei federal sobre normas gerais suspende a eficácia da lei estadual, no que lhe for contrário.

8 Novo Código Florestal: Lei Federal nº12.651/2012 Código Florestal do DF: Lei nº3.031/2002

9 Lei Federal nº12.651/2012 Art. 32. São isentos de PMFS: II - o manejo e a exploração de florestas plantadas localizadas fora das Áreas de Preservação Permanente e de Reserva Legal;

10 Lei Federal nº12.651/2012 Art o O plantio ou reflorestamento com espécies florestais nativas ou exóticas independem de autorização prévia, desde que observadas as limitações e condições previstas nesta Lei, devendo ser informados ao órgão competente, no prazo de até 1 (um) ano, para fins de controle de origem.

11 Lei Federal nº12.651/2012 Art o É livre a extração de lenha e demais produtos de florestas plantadas nas áreas não consideradas Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal.

12 Lei Distrital nº3.031/2002 Art. 11. Será autorizada a exploração e o transporte de produtos provenientes de espécies florestais exóticas, plantadas nas áreas não consideradas de preservação permanente e de uso limitado, para consumo e beneficiamento.

13 Lei Distrital nº3.031/2002 Art. 12. Nas florestas plantadas, o corte será promovido de acordo com o Plano de Manejo Florestal Sustentável, aprovado pela Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, sendo o transporte dos produtos acompanhado por declaração de origem emitida pelo órgão competente.

14 Lei Distrital nº3.031/2002 Art. 12. Nas florestas plantadas, o corte será promovido de acordo com o Plano de Manejo Florestal Sustentável, aprovado pela Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, sendo o transporte dos produtos acompanhado por declaração de origem emitida pelo órgão competente.

15 Lei Distrital nº3.031/2002 Art. 13. O disposto nos arts. 11 e 12 não dispensa a documentação fiscal relativa à comercialização.

16 (Florestas exóticas) Fase do plantio Novo Código Florestal (Lei /2012) Código Florestal do DF (Lei Distrital nº3.031/2002) Plantio Considera o plantio livre. Porém, o produtor deverá cadastrá-lo em 1 ano para controle de origem. Não trata do assunto. Colheita/Extração O manejo e a exploração de florestas plantadas localizadas fora das Áreas de Preservação Permanente e de Reserva Legal são isentos de PMFS. É livre a extração de lenha e demais produtos de florestas plantadas O corte será promovido de acordo com o Plano de Manejo Florestal Sustentável aprovado pelo órgão ambiental. Não deve ser exigido o PMFS, segundo princípio constitucional Transporte Não trata do assunto. Necessita de documento de declaração de origem emitida pelo órgão ambiental. Também é obrigatório transitar com a documentação fiscal

17 (Florestas exóticas) Fases do processo produtivo de um reflorestamento e a legislação ambiental: Plantio Cadastro em até 1 ano.

18 (Florestas exóticas) Fases do processo produtivo de um reflorestamento e a legislação ambiental: Plantio Cadastro em até 1 ano. Colheita/extração Isenção do plano de manejo fora da APP e da Reserva Legal.

19 (Florestas exóticas) Fases do processo produtivo de um reflorestamento e a legislação ambiental: Plantio Cadastro em até 1 ano. Colheita/extração Isenção do plano de manejo fora da APP e da Reserva Legal. Transporte Documento de origem emitido pelo órgão ambiental e nota fiscal.

20 Instrução nº173/ IBRAM Dispõe sobre o plantio e exploração de florestas plantadas com espécies exóticas no Distrito Federal.

21 Instrução nº173/ IBRAM Dispõe sobre o plantio e exploração de florestas plantadas com espécies exóticas no Distrito Federal. Busca instruir os casos de reflorestamentos em APP e na Reserva Legal.

22 Instrução nº173/ IBRAM Art. 1º - Os plantios florestais de espécies exóticas, com a finalidade de produção e corte, localizados fora das áreas de preservação permanente (APP) e de reserva legal (RL), são isentas de apresentação de projetos, vistoria técnica e licenciamento ambiental para sua implantação.

23 Instrução nº173/ IBRAM Art. 2º - Fica dispensado o procedimento administrativo de licenciamento ambiental, autorização, bem como o Documento de Origem Florestal - DOF, para fins de plantio, corte, transporte, movimentação, comercialização ou armazenamento de produtos e subprodutos florestais exóticos, desde que seja protocolado no IBRAM o Formulário de Comunicação, emitida a nota fiscal e, no caso de propriedade rural, o proprietário possua inscrição no Cadastro Ambiental Rural.

24 Instrução nº173/ IBRAM Art. 2º 1º Para o desempenho de qualquer das atividades descritas no caput deste artigo, o interessado deverá comunicar ao órgão ambiental competente por meio do preenchimento e apresentação do Formulário contido no Anexo.

25 Instrução nº173/ IBRAM Art. 2º 2º O plantio florestal com espécies exóticas deve ser informado no prazo de até 1(um) ano, a partir de sua implantação, por meio do preenchimento e apresentação dos Formulário contido no Anexo.

26 Instrução nº173/ IBRAM Art. 2º 3º. O documento necessário para transporte, movimentação, armazenamento e a comercialização de produtos e subprodutos florestais oriundos de plantio de exóticas, será a Nota Fiscal com a discriminação das espécies exóticas e o Formulário de Comunicação conforme 1º, do art. 2º.

27

28 Instrução nº173/ IBRAM Art. 4º. A exploração de maciço florestal com espécies exóticas existentes em áreas de reserva legal e áreas de preservação permanente poderão ser suprimidas e substituídas por espécies nativas, mediante autorização prévia do IBRAM, em processo administrativo próprio.

29 Instrução nº173/ IBRAM Art. 4º. A exploração de maciço florestal com espécies exóticas existentes em áreas de reserva legal e áreas de preservação permanente poderão ser suprimidas e substituídas por espécies nativas, mediante autorização prévia do IBRAM, em processo administrativo próprio. Deverá conter, entre outros documentos, Projeto técnico indicando como será feita a exploração do reflorestamento por vegetação nativa.

30 Instrução nº93/2014 IBRAM Institui Grupo de Trabalho para revisar a Instrução nº173/2013.

31 Instrução nº93/2014 IBRAM Institui Grupo de Trabalho para revisar a Instrução nº173/2013. Outras providências relacionadas à reflorestamentos com espécies nativas e exóticas.

32 Muito obrigado!!

33 Telefone GEFLO:

LEI Nº , DE VELHAS NOVIDADES E NOVOS PROBLEMAS. Ricardo Carneiro

LEI Nº , DE VELHAS NOVIDADES E NOVOS PROBLEMAS. Ricardo Carneiro LEI Nº 20.922, DE 16.10.2013 VELHAS NOVIDADES E NOVOS PROBLEMAS Ricardo Carneiro youtu.be/_zmuohub3wo.webloc HISTÓRICO E ESTRUTURA DA LEGISLAÇÃO FLORESTAL BRASILEIRA QUATRO GRANDES NORMATIVAS FLORESTAIS

Leia mais

Eliane Moreira Promotora de Justiça do MPE/PA Professora da UFPA Pós-doutorado na UFSC

Eliane Moreira Promotora de Justiça do MPE/PA Professora da UFPA Pós-doutorado na UFSC Eliane Moreira Promotora de Justiça do MPE/PA Professora da UFPA Pós-doutorado na UFSC Art. 29. É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

Diretoria de Meio Ambiente Atividades e ações desenvolvidas pela estrutura municipal

Diretoria de Meio Ambiente Atividades e ações desenvolvidas pela estrutura municipal Diretoria de Meio Ambiente Atividades e ações desenvolvidas pela estrutura municipal Luiz Carlos Seidenfus Gerente de Licenciamento Ambiental LEI COMPLEMENTAR N 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Fixa normas

Leia mais

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA Meio ambiente na CF/88 A Constituição Federal reconhece e declara: O meio ambiente ecologicamente equilibrado é essencial à sadia qualidade de

Leia mais

Novo Código Florestal: produção agropecuária e a sustentabilidade. Moisés Savian

Novo Código Florestal: produção agropecuária e a sustentabilidade. Moisés Savian Novo Código Florestal: produção agropecuária e a sustentabilidade Moisés Savian Esteio, 31 de agosto de 2012 Código Florestal Política Agroambiental Normativa Estabelece normas gerais com o fundamento

Leia mais

Política Nacional de Florestas Plantadas

Política Nacional de Florestas Plantadas Política Nacional de Florestas Plantadas TOCANTIS FLORESTAL Novembro 2013 PORQUE DE UMA POLÍTICA: Existe política, ainda desarticulada Necessidade de se complementar a família de políticas florestais UNIDADES

Leia mais

GUIA DE CONTROLE AMBIENTAL ELETRÔNICA GCA-E. Belo Horizonte, 26 de fevereiro de 2016

GUIA DE CONTROLE AMBIENTAL ELETRÔNICA GCA-E. Belo Horizonte, 26 de fevereiro de 2016 GUIA DE CONTROLE AMBIENTAL ELETRÔNICA GCA-E Belo Horizonte, 26 de fevereiro de 2016 Núcleo Regional de Cadastro e Registro - NUCAR Com a publicação da Lei Delegada n 180 de 20 de janeiro de 2011 e seu

Leia mais

Limites e potencialidades da legislação florestal Leonardo Papp

Limites e potencialidades da legislação florestal Leonardo Papp Limites e potencialidades da legislação florestal Leonardo Papp Doutorando em Direito Socioambiental (PUCPR) Mestre em Direito Ambiental (UFSC) Especialista em Direito Imobiliário (PUCPR) Professor de

Leia mais

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Apresentando a Ibá... PAPEL PISO LAMINADO PAINÉIS DE MADEIRA CELULOSE PRODUTORES INDEPENDENTES BIOMASSA PARA ENERGIA Uma associação com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais

IMPACTOS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

IMPACTOS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL IMPACTOS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL Propostas e Processo Legislativo Proposta de alterações do Código Florestal Caso de SC concorrência de competências entre Federação e Estados Entraves no Poder Executivo:

Leia mais

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Miguel Sampol Pou Diretor Geral, Klabin S.A. Curitiba, PR Agosto

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR

CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR BASE LEGAL

Leia mais

Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal. José Totti Diretor Florestal

Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal. José Totti Diretor Florestal Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal José Totti Diretor Florestal 111 anos de tradição Maior produtora e exportadora e recicladora de papéis do País Líder na produção de papéis

Leia mais

PLANTIO E MANEJO DA ERVA MATE E PINHEIRO BRASILEIRO NAS ÁREAS DE APP E RL

PLANTIO E MANEJO DA ERVA MATE E PINHEIRO BRASILEIRO NAS ÁREAS DE APP E RL PLANTIO E MANEJO DA ERVA MATE E PINHEIRO BRASILEIRO NAS ÁREAS DE APP E RL II SEMINARIO DE MELHORAMENTO E PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE PLANTAS UFSM Maio 2013 Palestrante: Nome: ROBERTO MAGNOS FERRON Profissão:

Leia mais

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS 2011 PROGRAME-SE PARA CUMPRIR AS OBRIGAÇÕES LEGAIS DE NATUREZA AMBIENTAL EM 2011 Alguns dos principais prazos para cadastros, registros, pagamentos de taxas e outras obrigações

Leia mais

Restauração Florestal de Áreas Degradadas

Restauração Florestal de Áreas Degradadas Restauração Florestal de Áreas Degradadas Seminário Paisagem, conservação e sustentabilidade financeira: a contribuição das RPPNs para a biodiversidade paulista 11/11/ 2016 Espírito Santo do Pinhal (SP)

Leia mais

DOF Documento de Origem Florestal

DOF Documento de Origem Florestal DOF Documento de Origem Florestal Oficina de Treinamento e Avaliaçã ção DECLARAÇÃ ÇÃO INICIAL 1º) ) Consultar a regularidade da empresa perante o IBAMA Se a empresa estiver irregular apareçerá a mensagem

Leia mais

Reunião do CCT e COPILs dos projetos PCFPO e PETRA. Levantamento Técnico-Econômico do setor florestal no Mato Grosso e região Noroeste

Reunião do CCT e COPILs dos projetos PCFPO e PETRA. Levantamento Técnico-Econômico do setor florestal no Mato Grosso e região Noroeste Levantamento Técnico-Econômico do setor florestal no Mato Grosso e região Noroeste O IPAM Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) Organização científica, sem fins lucrativos; Fundada em 1995;

Leia mais

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF Programa Plante Árvore Instituto Brasileiro de Florestas - IBF O que é? O Programa Plante Árvore é uma ação voluntária do Instituto Brasileiro de Florestas IBF que consiste no cadastro de proprietários

Leia mais

GUIA DE CONTROLE AMBIENTAL. Controle de produtos e subprodutos florestais

GUIA DE CONTROLE AMBIENTAL. Controle de produtos e subprodutos florestais GUIA DE CONTROLE AMBIENTAL Controle de produtos e subprodutos florestais A Guia de Controle Ambiental Eletrônica - GCA-e é o documento obrigatório para o controle do transporte, armazenamento, consumo

Leia mais

Análise da estatística de acidentes do trabalho de 2007 a 2012 em florestas plantadas no Brasil

Análise da estatística de acidentes do trabalho de 2007 a 2012 em florestas plantadas no Brasil http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.244-608-1 Análise da estatística de acidentes do trabalho de 2007 a 2012 em florestas plantadas no Brasil Wanderson L. Bermudes 1, Nilton C. Fiedler

Leia mais

Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF

Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF DECRETO Nº 36.992, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015 Estabelece a nova tabela de preços cobrados pelos serviços solicitados ao Instituto do Meio

Leia mais

CIRCULAR Nº 013/2013. Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de Prezado Associado: Ref: Calendário de Obrigações Ambientais 2013

CIRCULAR Nº 013/2013. Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de Prezado Associado: Ref: Calendário de Obrigações Ambientais 2013 Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Prezado Associado: Ref: Calendário de Obrigações Ambientais 2013 Para estar em dia com as obrigações legais ambientais, o empreendedor deve realizar suas atividades

Leia mais

Gestão das informações públicas sobre ocupação territorial Integração de cadastros públicos. Brasília/DF 09 de maio de 2017

Gestão das informações públicas sobre ocupação territorial Integração de cadastros públicos. Brasília/DF 09 de maio de 2017 Gestão das informações públicas sobre ocupação territorial Integração de cadastros públicos Brasília/DF 09 de maio de 2017 Boletins informativos do CAR Informações sobre a evolução das inscrições no CAR

Leia mais

IBAMA SINAFLOR. Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais

IBAMA SINAFLOR. Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais IBAMA SINAFLOR Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais Lei de Proteção da Vegetação Nativa (Lei 12.651/2012) Art. 35. O controle da origem da madeira, do carvão e de outros produtos

Leia mais

Responsabilidade ambiental na produção agropecuária

Responsabilidade ambiental na produção agropecuária Responsabilidade ambiental na produção agropecuária Sumário Análise de conjuntura; Impactos das atividades agropecuárias sobre o meio ambiente; Responsabilidade ambiental; Boas práticas produtivas. Organograma

Leia mais

ANEXO I. Categorias. Varas, esteios, cabos de madeira, estacas, casca de madeira e similares

ANEXO I. Categorias. Varas, esteios, cabos de madeira, estacas, casca de madeira e similares ANEXO I Tabela de valores em reais (R$) para cadastro, registro e renovação anual de pessoas físicas e jurídicas que explorem, beneficiem, transformem, industrializem, utilizam, consumam, comercializem

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis Competências a serem trabalhadas nesta aula Conhecer o segmento econômico da Agroindústria

Leia mais

Síntese sobre os Sistemas de Informações Ambientais e DOFs Estaduais de quatro Estados (SC, BA, MT e PA)

Síntese sobre os Sistemas de Informações Ambientais e DOFs Estaduais de quatro Estados (SC, BA, MT e PA) Síntese sobre os Sistemas de Informações Ambientais e DOFs Estaduais de quatro Estados (SC, BA, MT e PA) Marcus Biazatti Maurício Assad Agosto de 2007 OEMAS Visitadas Fundação do Meio Ambiente FATMA (SC)

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Dos Srs. Assis do Couto e Anselmo de Jesus)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Dos Srs. Assis do Couto e Anselmo de Jesus) PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Dos Srs. Assis do Couto e Anselmo de Jesus) Acrescenta e altera dispositivos da Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965, altera dispositivo da Lei nº 11.428, de 22 de dezembro

Leia mais

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294 Código Ambiental Atualizado Santa Catarina Santa Catarina é o primeiro estado brasileiro em aprovar e fazer virar lei um código ambiental independente da legislação federal (é importante salientar que

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DO MERCADO CAPIXABA DE PRODUTOS DE MADEIRA DE ORIGEM NATIVA

DIMENSIONAMENTO DO MERCADO CAPIXABA DE PRODUTOS DE MADEIRA DE ORIGEM NATIVA DIMENSIONAMENTO DO MERCADO CAPIXABA DE PRODUTOS DE MADEIRA DE ORIGEM NATIVA Documento Síntese Coordenação Apoio Vitória ES 2015 1 DIMENSIONAMENTO DO MERCADO CAPIXABA DE PRODUTOS DE MADEIRA DE ORIGEM NATIVA

Leia mais

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo CITRÓLEO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ÓLEOS ESSECIAIS LTDA FAZENDA CITRÓLEO BAIRRO TRES PINHEIROS CEP 37.443-000 BAEPENDI / MG CNPJ 51.527.190/0002-11

Leia mais

Implicações do PL 1876/99 nas áreas de Reserva Legal

Implicações do PL 1876/99 nas áreas de Reserva Legal CÓDIGO FLORESTAL Implicações do PL 1876/99 nas áreas de Reserva Legal Pelo PL 1876/99 o que mudaria? Reserva Legal (RL) - Novos Recortes OqueéumMóduloFiscal? MF 1.Exploração 2.Renda obtida com a exploração

Leia mais

SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL

SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL James Stahl Klabin: Uma empresa líder 110 anos de tradição, inovação, liderança e sustentabilidade 17 unidades fabris em nove

Leia mais

Código Florestal. Experiências em Recuperação Ambiental

Código Florestal. Experiências em Recuperação Ambiental Experiências em Recuperação Ambiental Código Florestal Restauração ecológica de mata ciliar e nascente por meio da regeneração natural e plantio de mudas Restauração ecológica de mata ciliar e nascente

Leia mais

Normas ambientais aplicadas ao envio de material biológico ao exterior

Normas ambientais aplicadas ao envio de material biológico ao exterior Normas ambientais aplicadas ao envio de material biológico ao exterior Isaque Medeiros Siqueira Responsável pelo Núcleo de Fiscalização do Patrimônio Genético e do Conhecimento Tradicional Associado COFIS/CGFIS/DIPRO/IBAMA

Leia mais

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO A parceria do UFF inclui ONGs, institutos de setores de salvaguarda ambiental e social, peritos do sector financeiro e consultores

Leia mais

Proposta Agricultura MAPA/ruralistas

Proposta Agricultura MAPA/ruralistas Quadro Resumo das propostas e recomendações para adaptação e cumprimento do código florestal Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura MAPA/ruralistas Familiar/MMA Recuperação de

Leia mais

HORÁRIO DE AULA - Eng. Florestal

HORÁRIO DE AULA - Eng. Florestal HORÁRIO DE AULA - Eng. Florestal 1º PERÍODO DIA ENTRADA E SAÍDA DISCIPLINA Professores DIAS RODIZIO Biologia Geral Drª. Carolina Pirajá HORÁRIO FIXO Segunda Feira Biologia Geral Drª. Carolina Pirajá HORÁRIO

Leia mais

FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas. São Paulo/SP Setembro 2000

FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas. São Paulo/SP Setembro 2000 FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas São Paulo/SP Setembro 2000 FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS

Leia mais

Resolução CONSEPA nº 7 DE 17/11/2015 Norma Estadual - Rondônia Publicado no DOE em 24 nov 2015

Resolução CONSEPA nº 7 DE 17/11/2015 Norma Estadual - Rondônia Publicado no DOE em 24 nov 2015 Resolução CONSEPA nº 7 DE 17/11/2015 Norma Estadual - Rondônia Publicado no DOE em 24 nov 2015 Define a tipologia das atividades que causam ou possam causar impacto ambiental de âmbito local, nos termos

Leia mais

Silvicultura de nativas aplicada a restauração de APP e RL

Silvicultura de nativas aplicada a restauração de APP e RL Silvicultura de nativas aplicada a restauração de APP e RL Ana Paula Corrêa do Carmo 28/10/09 Reunião Técnica IPEF Silvicultura de Nativas aplicada à restauração: Conceitos e ações prioritárias Restauração

Leia mais

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio Junho de GILMAN VIANA RODRIGUES SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL EVOLUÇÃO DO USO DE FONTES

Leia mais

CRIAÇÃO DE ANIMAIS SILVESTRES

CRIAÇÃO DE ANIMAIS SILVESTRES 21/08/2015 M.V. CHRISTIANO PAVAN MATEUS DISCIPLINA CRIAÇÃO COMERCIAL DE JACARÉS CRIAÇÃO COMERCIAL DE RATITAS CRIAÇÃO COMERCIAL DE CAPIVARAS AVESTRUZ EMA CRIAÇÃO COMERCIAL DE CATETO E QUEIXADA CRIAÇÃO COMERCIAL

Leia mais

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos Direito Ambiental Constitucional Inclui Princípios constitucionais correlatos Constituição de 1988 Conceito jurídico de meio ambienteconstituição Art. 3º. Para os fins previstos nesta Lei, entende-se por:

Leia mais

EUCALIPTO I - INTRODUÇÃO

EUCALIPTO I - INTRODUÇÃO EUCALIPTO I - INTRODUÇÃO Você sabia que o eucalipto é uma planta de origem Australiana e existem mais de 600 espécies para variadas finalidades. No Brasil o eucalipto é tido como uma planta exótica, ou

Leia mais

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS IvarWendling Engenheiro Florestal Pesquisador da Embrapa Florestas Chefede P&D Santa Maria, 27/05/2011 SUMÁRIO -A Embrapa

Leia mais

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradadas. Aula 6. Contextualização. Adequação Ambiental. Prof. Francisco W.

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradadas. Aula 6. Contextualização. Adequação Ambiental. Prof. Francisco W. Recuperação de Áreas Degradadas Aula 6 Prof. Francisco W. von Hartenthal Organização da Aula Adequação Ambiental e Biologia da Conservação 1. Adequação Ambiental de Atividades Produtivas 2. Preservação,

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO. Vetos publicados em 18/10/12 no D.O.U

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO. Vetos publicados em 18/10/12 no D.O.U CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO Lei Nº 4.771/65 Lei nº 12.651/12 MP nº 571/12 PLV* 21/2012 Vetos publicados em 18/10/12 no D.O.U * Projeto de Lei de Conversão (PLV): Quando a medida provisória (MP) é alterada

Leia mais

Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo

Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo Sidney Medeiros Engenheiro Agrônomo Outubro/2014 R&S FLORESTAL Viveiro especializado na produção de mudas de eucalipto (clone e semente) PlanalGna/DF (220km

Leia mais

Desafios para Programas de Sustentabilidade nas Cadeias de Soja e Pecuária de Corte

Desafios para Programas de Sustentabilidade nas Cadeias de Soja e Pecuária de Corte Desafios para Programas de Sustentabilidade nas Cadeias de Soja e Pecuária de Corte Campo Grande - 2013 Fabiano Luiz da Silva Gestor de Cooperativas Doutor em Ciências Florestais http://www.smcnucleus.com.br/

Leia mais

Cadeia Produtiva da Silvicultura

Cadeia Produtiva da Silvicultura Cadeia Produtiva da Silvicultura Silvicultura É a atividade que se ocupa do estabelecimento, do desenvolvimento e da reprodução de florestas, visando a múltiplas aplicações, tais como: a produção de madeira,

Leia mais

Restauração Ecológica

Restauração Ecológica Restauração Ecológica A importância das florestas Seres humanos e sociedade: uso de recursos direta e indiretamente Diretamente: madeira para móveis, lenha, carvão, frutos, sementes e castanhas, óleos,

Leia mais

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio 61,6% do Crédito Rural/Agroindustrial no País (SNCR 31.09.2011); 77% dos valores aplicados no Pronaf (SNCR); 1,4 milhões de

Leia mais

Lei Complementar n 140/11. Competências: Licenciamento e Fiscalização

Lei Complementar n 140/11. Competências: Licenciamento e Fiscalização Lei Complementar n 140/11 Competências: Licenciamento e Fiscalização Características Iniciais Fixou normas, nos termos dos incisos III, VI e VI do caput e do parágrafo único do artigo 23 da CF. Cooperação

Leia mais

S UMÁRIO. Capítulo 1 Meio Ambiente Doutrina e Legislação...1. Questões...6 Gabaritos comentados...8

S UMÁRIO. Capítulo 1 Meio Ambiente Doutrina e Legislação...1. Questões...6 Gabaritos comentados...8 S UMÁRIO Capítulo 1 Meio Ambiente...1 1. Doutrina e Legislação...1 1.1. Conceito de meio ambiente... 1 1.2. Classi icação didática do meio ambiente... 3 1.3. O meio ambiente no art. 225 da CF/88... 4 Questões...6

Leia mais

Mapa das Florestas Intactas no Mundo

Mapa das Florestas Intactas no Mundo Mapa das Florestas Intactas no Mundo AMAZÔNIA Maior Floresta Tropical do Planeta Concentra Maior Biodiversidade do Mundo 17% da água doce disponível 15.000 rios 60% do Território Brasileiro 20 Milhões

Leia mais

Imagem: Rede Agroecologia

Imagem: Rede Agroecologia Imagem: Rede Agroecologia CONTEÚDO: 1. Introdução à adequação ambiental de propriedades rurais... 03 2. Legislação para restauração de RLs... 05 3. Princípios da Restauração Florestal e dos SAFs... 06

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR. Eng.ª Karine Rosilene Holler - AMVALI

Cadastro Ambiental Rural CAR. Eng.ª Karine Rosilene Holler - AMVALI Cadastro Ambiental Rural CAR Eng.ª Karine Rosilene Holler - AMVALI Legislação Lei Federal n 12.651/2012 - Código Florestal; Decreto Federal n 7.830/2012 - Dispõe sobre o Sistema de Cadastro Ambiental Rural;

Leia mais

FAMURS Porto Alegre, 10 de maio de 2013

FAMURS Porto Alegre, 10 de maio de 2013 FAMURS Porto Alegre, 10 de maio de 2013 Marco legal CAR Instituído pela Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 Art. 29. É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação

Leia mais

Relatório de Atividades.

Relatório de Atividades. Relatório de Atividades 2016 www.apremavi.org.br Programa Matas Legais Objetivo: Desenvolver um programa de Conservação, Educação Ambiental e Fomento Florestal que ajude a preservar e recuperar os remanescentes

Leia mais

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos...

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos... Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos......para facilitar a comunicação sobre o Código Florestal Brasileiro!!! por Renata Evangelista de Oliveira FCA-UNESP- Doutorado em Ciência Florestal

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

HISTÓRICO DE ATUAÇÃO E DEMANDAS TECNOLÓGICAS DO SETOR AGROPECUÁRIO DO DF

HISTÓRICO DE ATUAÇÃO E DEMANDAS TECNOLÓGICAS DO SETOR AGROPECUÁRIO DO DF HISTÓRICO DE ATUAÇÃO E DEMANDAS TECNOLÓGICAS DO SETOR AGROPECUÁRIO DO DF Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal SETEMBRO 2016 O QUE É A EMATER-DF? Empresa Pública, criada em

Leia mais

Desmatamento no Brasil

Desmatamento no Brasil Desmatamento no Brasil Novembro 2016 O The Forest Trust - TFT é uma organização global sem fins lucrativos que ajuda as empresas a compreender e transformar a história dos seus produtos a partir de suas

Leia mais

Proposta de Parceria Cursos IBF. ibflorestas.org.br (43)

Proposta de Parceria Cursos IBF. ibflorestas.org.br (43) Proposta de Parceria Cursos IBF ibflorestas.org.br jessica.silva@ibflorestas.org.br (43) 3324-7551 Investimento Quem Somos O IBF atua no desenvolvimento do setor ambiental brasileiro, ajudando empresas

Leia mais

OS DESAFIOS DA SILVICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL

OS DESAFIOS DA SILVICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL OS DESAFIOS DA SILVICULTURA NO RIO GRANDE DO SUL ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DE EMPRESAS FLORESTAIS Leonel F. Menezes - Presidente BARRA DO RIBEIRO, 7 de ABRIL DE 2011 AGEFLOR QUEM SOMOS: uma sociedade civil de

Leia mais

CAB CÓDIGO AMBIENTAL BRASILEIRO PL 5.367/2009

CAB CÓDIGO AMBIENTAL BRASILEIRO PL 5.367/2009 CAB CÓDIGO AMBIENTAL BRASILEIRO PL 5.367/2009 Problemas atuais Inexistência de Política Ambiental no País INCRA FUNAI MAPA MMA Insegurança Jurídica Ocupação do Território Terras indígenas (TI) com 108,7

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Rossini Ferreira Matos Sena Especialista em Recursos Hídricos Superintendência de Implementação de Programas e Projetos Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável

Leia mais

Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas

Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas LEI DA MATA ATLÂNTICA Lei nº 11.428/2006 Estudo Dirigido Prof. MSc. Guilhardes Júnior 1. Que formações florestais fazem parte do Bioma Mata Atlântica? Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 01/ASIBAMA-DF, DE 01 DE ABRIL DE 2016

EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 01/ASIBAMA-DF, DE 01 DE ABRIL DE 2016 EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 01/ASIBAMA-DF, DE 01 DE ABRIL DE 2016 NORMAS E CONVOCAÇÃO DAS ELEIÇÕES PARA A DIRETORIA EXECUTIVA E O CONSELHO FISCAL DA ASIBAMA-DF A Mesa Eleitoral, composta por Ana Maria Evaristo

Leia mais

Portaria nº 156, de 20 de dezembro de 2002.

Portaria nº 156, de 20 de dezembro de 2002. Portaria nº 156, de 20 de dezembro de 2002. Dispõe sobre apresentação do Plano de Auto-Suprimento PAS e da Comprovação Anual de Suprimento CAS, e a comprovação das fontes de suprimento. O Diretor Geral

Leia mais

SOS OAB Direito Ambiental X Exame Aloisio Pereira Neto

SOS OAB Direito Ambiental X Exame Aloisio Pereira Neto SOS OAB Direito Ambiental X Exame Aloisio Pereira Neto VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO (Questão 35 caderno tipo branco) Sobre a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), assinale a afirmativa correta.

Leia mais

Informativo CEPEA Setor Florestal Exportações de Celulose e Papel crescem 10% em julho

Informativo CEPEA Setor Florestal Exportações de Celulose e Papel crescem 10% em julho Informativo CEPEA Setor Florestal Exportações de Celulose e Papel crescem 10% em julho Número 163 Julho de 2015 Realização: Apoio: Elaboração Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA- ESALQ/USP)

Leia mais

Adequação Ambiental Rural

Adequação Ambiental Rural 12 Adequação Ambiental Rural Cristina Aparecida Gonçalves Rodrigues André Luiz dos Santos Furtado Sérgio Gomes Tôsto 392 Como as geotecnologias podem apoiar a adequação ambiental rural? As geotecnologias

Leia mais

II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz

II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz Não é possível exibir esta imagem no momento. II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz 1 Longo e grave histórico de conflitos( ES e BA ) Relacionamento com comunidades

Leia mais

FOLHA DE PROVA. b) Como poderá ser feito o processo de anamnese para plantas?

FOLHA DE PROVA. b) Como poderá ser feito o processo de anamnese para plantas? Tema 01: USO DA HOMEOPATIA NO MANEJO DE DOENÇAS DE PLANTAS a) Diante do histórico da Homeopatia, explique, detalhadamente, baseando-se, ainda, nos princípios de Hahnemam, como podem ser desenvolvidos preparados

Leia mais

Campo Nativo não é Área Rural Consolidada

Campo Nativo não é Área Rural Consolidada Campo Nativo não é Área Rural Consolidada Riscos para a implantação da lei de Proteção da Vegetação Nativa (12.651/2012) e equívocos no tratamento dos Campos Sulinos Contribuição técnica da Rede Campos

Leia mais

Plantios florestais com fins econômicos e ambientais: Desafios e oportunidades

Plantios florestais com fins econômicos e ambientais: Desafios e oportunidades Plantios florestais com fins econômicos e ambientais: Desafios e oportunidades Maria Jose Brito Zakia Mariana Carvalhaes Silvana Nobre Helena Carrascosa... O que nós já sabemos e podemos recomendar? Linha

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO nº 002/CTAF/BPMA (Transporte de Carvão Vegetal Nativo)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO nº 002/CTAF/BPMA (Transporte de Carvão Vegetal Nativo) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR AMBIENTAL Dr Fritz Müller CÂMARA TÉCNICA DE ASSUNTOS AGRO-FLORESTAIS CTAF

Leia mais

Pesquisador da Embrapa Florestas

Pesquisador da Embrapa Florestas -A CADEIA PRODUTIVA DAS FLORESTAS Edson Tadeu Id Iede- Pesquisador da Embrapa Florestas - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária- EMBRAPA Criada em 26/04/1973 Tecnologias para a agricultura brasileira:

Leia mais

A CONTRATAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS NA PETROBRAS

A CONTRATAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS NA PETROBRAS A CONTRATAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS NA PETROBRAS 1 Natureza Jurídica da PETROBRAS Constituição da República Art. 173. Ressalvados os casos previstos nesta Constituição, a exploração direta de atividade econômica

Leia mais

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Curso reconhecido através da Portaria n 1.098, de 24 de dezembro de 2015 Currículo

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Curso reconhecido através da Portaria n 1.098, de 24 de dezembro de 2015 Currículo 1 de 8 Colegiado: Nível:Graduação Início: 20051 01 - - CCA024 - BIOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA029 - ZOOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA235 - FUNDAMENTOS DE FILOSOFIA - Ativa desde: CCA281 - FUNDAMENTOS

Leia mais

POTENCIALIDADES DA VEGETAÇÃO NATIVA DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: PLANOS DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTADO

POTENCIALIDADES DA VEGETAÇÃO NATIVA DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: PLANOS DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTADO POTENCIALIDADES DA VEGETAÇÃO NATIVA DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: PLANOS DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTADO Simpósio Recife, 14.08.2014 Frans Pareyn - APNE Manejo de florestas nativas Bases para manejo florestal

Leia mais

Art. 1º A exploração florestal em qualquer modalidade, no Estado de Santa Catarina,

Art. 1º A exploração florestal em qualquer modalidade, no Estado de Santa Catarina, PORTARIA INTERSETORIAL N 01/96 PORTARIA INTERSETORIAL N 01/96. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO E MEIO AMBIENTE, e o DIRETOR GERAL DA FUNDAÇÃO DO MEIO AMBIENTE FATMA, com fundamento nas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 71, DE 04 DE AGOSTO DE 2005. O Presidente do Instituto

Leia mais

Calendário Ambiental da Construção Pesada ASSESSORIA AMBIENTAL DO SICEPOT-MG

Calendário Ambiental da Construção Pesada ASSESSORIA AMBIENTAL DO SICEPOT-MG Calendário Ambiental da Construção Pesada - 2012 Para estar em dia com as obrigações legais ambientais, o empreendedor deve realizar suas atividades nos termos em que sua Lic ença Ambiental ou Autorização

Leia mais

ORGANOGRAMA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO VERDE E MEIO AMBIENTE

ORGANOGRAMA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO VERDE E MEIO AMBIENTE ORGANOGRAMA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO VERDE E MEIO AMBIENTE GABINETE DO SECRETARIO ASSESSORIA JURÍDICA TCA CCA DEPAVE DECONT ASSESSORIA JURÍDICA PROTOCOLO DEPAVE-1-5 DPAA ADMINISTRATIVO ISOLADAS MANEJO

Leia mais

Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas. José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal

Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas. José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal Roteiro A Fibria O setor de florestas plantadas Área de expansão Prejuízos

Leia mais

170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica.

170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica. 170 mil motivos para comemorar 27 de maio dia da Mata Atlântica. 170.000 mudas plantadas conheça a história Sumário Anterior Próximo No dia da Mata Atlântica, 170 mil motivos para comemorar No dia 27 de

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Silvicultura

Balanço 2016 Perspectivas Silvicultura Silvicultura 105 106 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 CRESCIMENTO DO SETOR DE FLORESTAS PLANTADAS E REDUÇÃO DA INSEGURANÇA JURÍDICA SÃO PRINCIPAIS APOSTAS A redução dos investimentos em

Leia mais

Av. Manoel Diniz, nº145, Bloco III SISEMA, Varginha- MG, CEP: Telefax: (35)

Av. Manoel Diniz, nº145, Bloco III SISEMA, Varginha- MG, CEP: Telefax: (35) Pág. 1 de 11 Parecer Único nº adendo ao Parecer Único n 0996990/2015 INDEXADO AO PROCESSO: Licenciamento Ambiental PA COPAM: 00440/2005/002/2015 FASE DO LICENCIAMENTO: Revalidação da Licença de Operação

Leia mais

Café da Manhã da Frente Parlamentar Ambientalista 04/05/2016

Café da Manhã da Frente Parlamentar Ambientalista 04/05/2016 Café da Manhã da Frente Parlamentar Ambientalista 04/05/2016 Extrato Geral do CAR Março 2016 ÁREA PASSÍVEL DE CADASTRO (em hectares) 1 ÁREA TOTAL CADASTRADA (em hectares) 2 ÁREA CADASTRADA (em %) 3 397.836.864

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Administração Regional do Itapoã CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Gerência de Aprovação e Licenciamento 1 GERÊNCIA DE APROVAÇÃO E LICENCIAMENTO Departamento é responsável por dar encaminhamento ao cidadão

Leia mais

Contribuição do Jornalismo Online para o Pacqto Programa de Ação e Combate às Queimadas do Tocantins

Contribuição do Jornalismo Online para o Pacqto Programa de Ação e Combate às Queimadas do Tocantins Contribuição do Jornalismo Online para o Pacqto Programa de Ação e Combate às Queimadas do Tocantins Valmir Araújo Liana Vidigal Universidade Federal do Tocantins Apresentação O trabalho consiste numa

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 11029 1000 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual

Leia mais

COMPETÊNCIAS DA UNIÃO FEDERAL

COMPETÊNCIAS DA UNIÃO FEDERAL COMPETÊNCIAS DA UNIÃO FEDERAL A competência não legislativa, como o próprio nome ajuda a compreender, determina um campo de atuação político administrativa, tanto é que são também denominadas competências

Leia mais

Panorama do Setor Florestal O que tem sido feito na esfera do Governo Federal

Panorama do Setor Florestal O que tem sido feito na esfera do Governo Federal Panorama do Setor Florestal O que tem sido feito na esfera do Governo Federal Carlos Fabiano Rozindo Cardoso Coordenador de Monitoramento e Controle Florestal José Humberto Chaves Coordenador Geral de

Leia mais

Visão de longo prazo e adequação ambiental para o setor agropecuário

Visão de longo prazo e adequação ambiental para o setor agropecuário Grãos, Proteína Animal, Floresta Plantada e Palma Visão de longo prazo e adequação ambiental para o setor agropecuário São Paulo 3/08/2015 Rodrigo C. A. Lima Leila Harfuch Luciane Chiodi Wilson Zambianco

Leia mais