AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução"

Transcrição

1 PROJECTO AGRO 728 & PEDIZA II Instituições Intervenientes UE - Universidade de Évora - Dep. de Eng.Rural. COTR - Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio ESAB - Escola Superior Agrária de Beja. ATOM - Associação Técnica de Olivicultores de Moura. DRAAL -Direcção Regional de Agricultura do Alentejo. INIA-ENMP -Instituto Nacional de Investigação Agrária e das Pescas -Estação Nacional de Melhoramento de Plantas. ICAM - Instituto de Ciências Agrárias Mediterrânicas AGRO Influência da rega e do controlo fitossanitário na produtividade e qualidade do azeite de olivais tradicionais da margem esquerda do Guadiana PEDIZA II - Estudo da influência da densidade e da rega na precocidade das variedades principais de oliveira da margem esquerda do Guadiana Folha Informativa nº 5 Introdução A implementação entre os agricultores do sector olivícola de sistemas de rega gota-a-gota em olivais tradicionais no Alentejo, outrora em regime de sequeiro, com o objectivo de melhorar a sua produtividade, tem tido um interesse crescente nos últimos anos. A rega nesses olivais permite, de certa forma, reduzir a dependência da cultura em relação aos factores climáticos, principalmente a falta de água no verão, podendo daí melhorar substancialmente a produtividade e, eventualmente, diminuir o ciclo crónico de safra e contra-safra por que passam os olivais não regados. Como na rega de qualquer tipo de cultura, para que haja uma melhor eficiência no uso da água essa rega deverá ser gerida e bem controlada, tendo-se em conta as necessidades hídricas do olival ao longo do seu ciclo produtivo, bem como a quantidade de água a aplicar e o seu escalonamento no tempo. Assim chega-se ao desejado equilíbrio entre a melhor produção e uma óptima aplicação de água, de acordo com as necessidades da cultura e a produtividade por unidade de água aplicada. Como é bem do conhecimento dos agricultores, tal objectivo só se consegue com árvores sãs e bem fertilizadas. Para além da água, o que muito influência negativamente a produção de azeitona e a qualidade do azeite são as pragas a que os olivais estão sujeitos todos os anos, e que devem ser controladas. O aparecimento de pragas está dependente das condições climáticas, e os factores que mais interferem no seu desenvolvimento são a humidade e a temperatura. Daí o objectivo de um dos projectos em curso (AGRO 728) ser a observação e o estudo da influência da rega e do controlo fitossanitário na produtividade e qualidade do azeite de olivais tradicionais da margem esquerda do Guadiana.

2 Objectivos dos ensaios de rega nos olivais tradicionais convertidos ao regadio A quantidade de água a aplicar, a frequência como deve ser aplicada e a forma como é aplicada são as questões que mais preocupam os agricultores. Para dar respostas a estas questões, instalou-se, num olival tradicional recentemente convertido ao regadio, três modalidades de rega e diferentes tratamentos fitossanitários, com o objectivo específico de relacionar as dotações de rega e os tratamentos fitossanitários com a produção do olival, e assim obter informação útil sobre as necessidades hídricas do olival e sobre a optimização das regas e o impacto das diferentes estratégias de aplicação de água e Localização do ensaio Os trabalhos experimentais são conduzidos na Herdade dos Lameirões, em Safara, concelho de Moura e pertencente à Direcção Regional da Agricultura do Alentejo (DRAAL), com as modalidades de demonstração e experimentação instaladas num olival tradicional com mais de 80 anos, da variedade Cordovil e acompanhados pelas instituições intervenientes, incluindo o Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) e a Escola Superior Agrária de Beja. Descrição das actividades O ensaio foi instalado num olival tradicional de baixa densidade, com o compasso de 12 x 12 m, recentemente convertido a regadio (2005). Em 2005 e 2006 o olival foi submetido a três modalidades de rega, assim diferenciadas: Modalidade A rega não deficitária e contínua, aplicando-se água julgada suficiente para suprir as necessidades evapotranspirativas das árvores ao longo do ciclo produtivo (100% ET); Modalidade B rega controlada e contínua, aplicando-se às árvores 60 % da água aplicada no tratamento A (60% da evapotranpiração das árvores) e Modalidade C rega deficitária controlada e não contínua, em que se aplica água às árvores em três períodos críticos do ciclo vegetativo (antes da floração, no endurecimento do caroço e no período de enchimento do fruto, antes da colheita). Os resultados dos ensaios de rega são comparados com os dos talhões não regados e mantidos em regime de sequeiro. Quanto ao tratamento fitossanitário contra as pragas da oliveira, cada modalidade de rega (A, B e C), bem como o sequeiro, foi dividida em duas parcelas, constituindo-se uma parcela com rega e tratamento fitossanitário e uma outra com rega e sem tratamento fitossanitário.

3 Para estabelecer a oportunidade das aplicações fitossanitárias procedeu-se à monitorização das principais pragas da cultura, recorrendo à utilização de armadilhas sexuais em árvores seleccionadas para o efeito, e à observação visual dos orgãos da planta. A observação das armadilhas foi feita todas as semanas, e os tratamentos fitossanitários foram realizados apenas quando a infestação atingia os níveis económicos de ataque. Privilegiou-se a utilização de um meio de luta microbiológico para combater a geração antófaga da traça da oliveira (s.a Bacillus thurigiensis). Figura 1 - Armadilhas sexuais usadas na monitorização das pragas do olival Os talhões e parcelas onde foram implementados o sequeiro e as três dotações de rega, com e sem tratamento fitossanitário, são apresentados na Figura 2. Figura 2 - Esquema do ensaio com talhões testemunha, de sequeiro, e três dotações de rega com sistema gotaa-gota e as parcelas com tratamentos fitossanitários. O ano agrícola de 2005, coincidente com o primeiro ano do ensaio, foi extremamente seco, tal como se depreende da Figura 3, com apenas 267 mm de precipitação durante o ano. Tendo sido o ano transacto de 2004, também extremamente seco, as reservas hídricas disponíveis para a rega em 2005 foram muito limitadas, tendo-se praticado regas restritivas a partir dos meses de Julho e Agosto, afastando o ensaio dos objectivos propostos. O ano de 2006, considerado normal, apresenta 512 mm de precipitação, com boa distribuição durante o ano e elevados valores no período de Outubro e Novembro, na altura do enchimento das azeitonas, facto que se tornou importante nas modalidades C e Sequeiro.

4 Figura 3 Precipitação na Herdade dos Lameirões nos anos de 2004 (ano sem rega), 2005 e 2006 A Figura 4 apresenta as regas praticadas durante a campanha de 2005 e Comparando as Figuras 3 e 4 observa-se, em relação ao mesmo período em 2006, uma relativa diminuição da rega aplicada a partir do mês de Julho de 2005, consequência da escassez hídrica e da necessidade de programar as regas para suprir minimamente as necessidades da cultura até ao final do ciclo, em Setembro/Outubro. Figura 4 - Água de rega aplicada nos diferentes tratamentos do ensaio (A, B e C) nos períodos de Março a Setembro/Outubro de 2005 e 2006, em litros por árvore.

5 Em complemento à Figura 4, o Quadro 1 apresenta os valores das regas praticadas em 2005 e 2006, bem como os correspondentes valores da precipitação e da evapotranspiração potencial (ET0). De realçar que, e em comparação, a evapotranspiração potencial de 2002 a 2004 foi de 828, 850 e 838 mm, respectivamente, observandose no Quadro 1 que o ano de 2005 foi anormal, com um valor muito mais elevado de evapotranspiração, da ordem de 938 mm. De notar igualmente que as temperaturas do ar durante o período compreendido entre Junho e o início de Setembro tiveram valores muito altos. Em 2005, e durante treze dias, a temperatura ultrapassou os 39º C, atingindo o máximo de 43,1º C. Em 2006, e nesse mesmo período, a temperatura ultrapassou os 39º C durante 23 dias, atingindo o máximo de 42,9º C. Quadro 1 Valores das regas, precipitação (Preci.) e evapotranspiração (ET0), em mm O ano de 2006, com 512 mm de chuva e recursos hídricos adequados para a rega, permitiu uma campanha de rega em que se aplicaram as dotações desejadas, e com benefícios da precipitação nos períodos de Junho, Outubro e Novembro, contributos importantes no enchimento do caroço da azeitona, o que se veio a reflectir nas produções, algo elevadas, dos talhões testemunha, de sequeiro, e do tratamento C que, como se observa na Figura 4, pouca água de rega foi preciso aplicar.

6 Resultados de produção obtidos com os diferentes tratamentos de rega Da análise dos dados da produção de azeitona apresentada no Quadro 2 constata-se que, em média, a produção do olival, ainda em sequeiro em 2004, é de 29 kg/árvore nos talhões sujeitos a tratamento fitossanitário e um pouco inferior, da ordem de 23 kg/árvore, nos talhões não sujeitos a tratamento. Da análise da Figura 3 constata-se que a precipitação do ano é muito baixa, na ordem dos 300 mm, secura que se prolongou acentuadamente para o ano de 2005, com muito baixas precipitações nos meses de Janeiro a Maio, meses em que a contribuição das chuvas é de grande importância no desenvolvimento vegetativo da cultura. O ano de 2005 termina com precipitações ainda inferiores a 2004, menos de 270 mm. O longo período de seca de 2004 não terá, seguramente, contribuído para o adequado desenvolvimento vegetativo das árvores, já que os ramos do ano, portadores de potencial produtivo para o ano de 2005 e que se deveriam ter desenvolvido em 2004, poderão não ter tido essa oportunidade na plenitude. Tal poderá ter sido o caso, aliado à substancial falta de recursos hídricos em 2005 para regas plenas, e a razão das baixas produções observadas em 2005, de acordo com os resultados do Quadro 2. Quadro 2 Produção de azeitona correspondente ao ano de 2004 (em regime de sequeiro) e de 2005 e 2006 (em regime de regadio). De realçar que o ano de 2005 correspondeu a um ano hidrológico considerado de seca, com elevadas temperaturas e escassos recursos hídricos (consultar Quadro 1 para os valores de rega praticados e de evapotranspiração potencial durante os meses de rega).

7 Nota: no ano de 2004 nenhuma rega foi praticada e todas as produções correspondem ao regime de sequeiro, localizadas contudo na área que veio a ser destinada a sequeiro (seq.) e também na área que veio a ser destinada às modalidades de rega em 2005 e 2006 (Mod. A; Mod. B e Mod. C). Seq. Modalidade testemunha, sem nenhuma aplicação de água e apenas sob a influência da precipitação; Mod. A aplicação de água de rega para suprir a evapotranspiração da cultura; Mod. B aplicação de água de rega para suprir 60% da evapotranspiração da cultura; Mod. C aplicação de água de rega apenas em três períodos críticos da cultura. Mesmo assim em 2005, quando já se praticou alguma rega, verifica-se que em geral todos os tratamentos regados tiveram melhores produções que o regime de sequeiro. As produções são contudo baixas, mesmo em regadio, mas mesmo assim com diferenças significativas entre a produção total dos tratamentos A e B em relação ao sequeiro. Não se constataram diferenças significativas entre as modalidades com tratamento e sem tratamento fitossanitário, de acordo com os resultados apresentados no Quadro 3. Quadro 3 Análise estatística (Anova com grau de significância á = 0,05), dos resultados da produção de azeitona nos talhões de sequeiro (testemunha) e nos talhões com tratamentos A, B, C, nos anos de 2005 e 2006, com e sem tratamento fitossanitário.

8 Já no ano 2006, e em todos as modalidades de rega, há melhores produções que no sequeiro. Constata-se que em cada uma das modalidades de rega, a parcela com tratamento fitossanitário é a que melhor produção apresenta, inclusive no sequeiro. É plausível de que a rega do ano de 2005, ainda que com precipitação e a produção de azeitona baixas, tenha tido contudo um papel importante no crescimento vegetativo e desenvolvimento de ramos do ano, e tenha potenciado as boas produções observadas em Mais observações serão necessárias nos anos vindouros para confirmar esse papel benéfico das regas no desenvolvimento de ramos do ano produtores de azeitona na safra do ano seguinte. Ainda quanto à produção em 2006, verifica-se que, somente entre as modalidades de rega A e C sem tratamento fitossanitário, as diferenças de produção são significativas. Nas restantes modalidades de rega não se observam diferenças significativas. As diferenças significativas em maior número verificam-se quando se comparam as modalidades com rega e as modalidades sem rega (sequeiro), mas não em todos os casos. Ambos os resultados de produção da modalidade A, com e sem tratamento fitossanitário são significativos em relação à modalidade sequeiro, nas mesmas condições. Quanto à modalidade B, apenas a que levou tratamento fitossanitário se diferencia do Sequeiro com igual tratamento, o mesmo acontecendo à modalidade C. Já tanto a modalidade B como a C, sem tratamento fitossanitário, não se diferenciam da modalidade Sequeiro, também sem tratamento fitossanitário. Comparando as produções na perspectiva do impacto do tratamento fitossanitário no interior de uma mesma modalidade de rega, observa-se que somente há diferenças significativas na modalidade C. Quando se analisam os resultados de 2006 em relação à quantidade de água de rega aplicada, nas modalidades A, B e C, verifica-se que, com a existência de tratamento fitossanitário e controlo de pragas, a rega pode ser diminuída substancialmente, para valores correspondentes à modalidade C. Contudo, com os dados escassos ainda existentes o preferível será ainda nesta fase de investigação usar com mais segurança os valores correspondentes à modalidade B. Quando o tratamento fitossanitário não é praticado, apenas a produção equivalente à quantidade de água aplicada na modalidade A se diferencia do tratamento Sequeiro. Assim, com tratamento contra as

9 pragas, a rega poderá ser feita com recurso a menores quantidades de água do que quando não é feito o tratamento fitossanitário. A Figura 5 apresenta, em síntese, a produção de azeitona nos talhões testemunha (Sequeiro) e nos talhões com as três diferentes aplicações de água e controlo fitossanitário. De notar que no ano de 2004 os talhões não foram regados, estando em regime de sequeiro, mas as produções foram obtidas nos talhões já pré-destinados à rega em 2005 e Kg/árvore Produção 2004 Modlidade B Sequeiro Modalidade C Modalidade A Modalidade Kg/árvore C Sequeiro Modalidade B Modalidade A Produção 2005 Rega A Rega B Rega B Rega C Kg/árvore Rega A Rega C Sequeiro Sequeiro Rega B Rega C Rega A Rega A Rega B Rega C Sequeiro Sequeiro Produção 2006 Figura 5 Produção, por ordem decrescente, de azeitona nos talhões testemunha, de sequeiro, e no sistema de rega gota-a-gota com três dotações e tratamentos fitossanitários.

10

11 Conclusões Relativamente ao olival tradicional convertido ao regadio, tanto a rega como os tratamentos fitossanitários para combate de pragas são importantes no aumento da sua produtividade e no melhor rendimento global do olival. Assim, quando o olival é de sequeiro, ou em anos de fraca pluviosidade ou de seca reconhecida, a aplicação de tratamentos fitossanitários contra pragas é crucial para a obtenção de melhores produções. Já quando é reconvertido ao regadio, o olival que melhor produção apresentará será o que beneficiar de tratamentos fitossanitários, ainda que os resultados também sejam significativos para os olivais com rega, mas não tratados contra pragas. A vantagem do tratamento fitossanitário é que, em parte, substitui a água. Isto é, com o tratamento contra pragas obtêm-se produções elevadas com menores aplicações de água. Caso não se faça o tratamento fitossanitário, para se manter uma boa produção, a quantidade de água a aplicar durante o ciclo produtivo da oliveira terá que ser em maior quantidade. Deste modo, parece que a rega e os tratamentos fitossanitários são complementares.

12 Para mais informações contactar: Francisco Lúcio Santos 1 ; J.L.Reis 1 ; Isabel Patanita 2 ; PedroValverde 1 ; Alice Ramos 2 ; N.L.Castanheira 1. 1) Universidade de Évora, Departamento de Engenharia Rural, Apartado 94, , Évora, Portugal; Tel , Fax: , 2) Escola Superior Agrária de Beja, Apartado 6158, , Beja, Portugal; Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio Quinta da Saúde, Apartado 354, Beja Tel: Fax: Programa AGRO Medida 8 - Desenvolvimento Tecnológico e Experimentação Acção Desenvolvimento Experimental e Demonstração PEDIZA II - Desenvolvimento Integrado da Zona de Alqueva

Um laboratório com 35 hectares!

Um laboratório com 35 hectares! Um laboratório com 35 hectares! Prof. José Oliveira Peça; Prof. Anacleto Cipriano Pinheiro; Prof. António Bento Dias Universidade de Évora, Departamento de Engenharia Rural - ICAM Apartado 94, 7002 554

Leia mais

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes.

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Deolinda Alberto 1, José Pedro Fragoso Almeida 2 1 Professor Adjunto, Escola Superior Agrária de Castelo Branco,

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Projecto AGRO nº 5 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Boletim Informativo nº1 Beja, Agosto de 2002 Nesta Edição 1- Introdução 1- INTRODUÇÃO 2- Objectivos 3-

Leia mais

Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional

Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional 11 de Maio de 2012 Carlos Trindade (Agro.Ges (Agro Ges / E.S.A.Santarém) E S A Santarém) João Ribeiro (Coop. Moura e Barrancos) Mª Dolores Humanes (Cotecnisur)

Leia mais

GESTÃO DO SOLO NA VINHA

GESTÃO DO SOLO NA VINHA GESTÃO DO SOLO NA VINHA António José Jordão 2007 Texto elaborado no âmbito do Plano de Acção para a Vitivinicultura da Alta Estremadura INTRODUÇÃO A Agricultura de Conservação em culturas permanentes,

Leia mais

C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o. Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega

C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o. Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega C e n t r o O p e r a t i v o e d e T e c n o l o g i a d e R e g a d i o 1 Introdução

Leia mais

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL ANÁLISE DO IMPACTO POTENCIAL DAS CANDIDATURAS CONTRATADAS SOBRE O SECTOR AGRÍCOLA E AGRO-INDUSTRIAL NOVEMBRO DE 2011 1 ÍNDICE 0. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Análise Comparativa de Investimentos em Olival. Carlos Pedro Trindade

Análise Comparativa de Investimentos em Olival. Carlos Pedro Trindade Análise Comparativa de Investimentos em Olival Carlos Pedro Trindade Parte 1 Conceitos Definição das tecnologias SUMÁRIO Análise da Rentabilidade das alternativas em análise Parte 2 Análise da rentabilidade

Leia mais

Substituir este slide pelo slide de título escolhido

Substituir este slide pelo slide de título escolhido Substituir este slide pelo slide de título escolhido AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A AGRICULTURA PORTUGUESA Ana Paiva Brandão Coimbra, 7 de Abril de 2011 1 ÍNDICE 1. Alterações climáticas 2. Alterações climáticas

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 M7. AGRICULTURA E RECURSOS NATURAIS A7.5 USO EFICIENTE DA ÁGUA NA AGRICULTURA NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

Culturas alternativas e plantas para fins energéticos. Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja

Culturas alternativas e plantas para fins energéticos. Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja Culturas alternativas e plantas para fins energéticos Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja SUMÁRIO Energias renováveis Energia da biomassa Culturas energéticas Bioetanol

Leia mais

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P.

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P. Instituto Nacional de Investigação Agrária Instituto Nacional de Recursos Biológicos, I.P. SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA Benvindo Maçãs INRB,

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

informa Ano III - Nº 6 Janeiro 2005

informa Ano III - Nº 6 Janeiro 2005 Boletim informativo do Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio COTR informa Ano III - Nº 6 Janeiro 2005 Nesta Edição Nota Editorial SAGRA Climatologia Agricola - Ano 2004 Área da Assistencia Técnica

Leia mais

Edição n.º 5 Data: 2-11-2004. Sugestão do Mês

Edição n.º 5 Data: 2-11-2004. Sugestão do Mês Edição n.º 5 Data: 2-11-2004 Links ao site Irricampo Parceiros www.valmont.com www.netafim.com www.adcon.at Sugestão do Mês Efectue a revisão de final de campanha ao seu sistema de rega A Irribeja instala

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO MEMORANDO DE ENTENDIMENTO RELATIVO À CONTRIBUIÇÃO DA FINAGRA PARA O OBJECTIVO EUROPEU DE PARAR A PERDA DE BIODIVERSIDADE ATÉ 2010 Declaração de Compromisso A Herdade do Esporão (Reguengos de Monsaraz)

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO PROGRAMA NACIONAL de PROMOÇÃO da SAÚDE ORAL RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2007 Grupo Regional da Saúde Oral Lisboa Julho 2008 Grupo Regional da Saúde

Leia mais

Problemas na Utilização da Água (poluição )

Problemas na Utilização da Água (poluição ) Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Problemas na Utilização da Água (poluição ) Disciplina: Geografia (módulo 3) Docente: Sandra Mendes Discente: Mariana Alfaiate 2007 2008 Índice Introdução

Leia mais

II.3.1.1.1. Medidas adoptadas por motivos ambientais e de escassez

II.3.1.1.1. Medidas adoptadas por motivos ambientais e de escassez 66/12 II.3. CARACTERIZAÇÃO ECONÓMICO-FINANCEIRA II.3.1. ABASTECIMENTO DE ÁGUA II.3.1.1. Problemas Ambientais e de Escassez II.3.1.1.1. Medidas adoptadas por motivos ambientais e de escassez A captação

Leia mais

Out. 2011 Um Edifício Energeticamente Eficiente CONCEITO É um Laboratório de Formação e de Investigação e Desenvolvimento (ID&I) na área da energia. Demonstração Experimentação Investigação Transferência

Leia mais

Da produção ao consumidor

Da produção ao consumidor Da produção ao consumidor 1 Da produção ao consumidor O Esporão concluiu que o seu modo de produção não estava adequado à visão da empresa: fazer os melhores produtos que a terra proporciona, de forma

Leia mais

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL Resumo do relatório Water Footprint in Portugal WWF Mediterrâneo, 2010 O Problema: uma pegada demasiado elevada O Relatório Planeta Vivo 2008 da WWF demonstra que o uso insustentável da água é um problema

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE Relatório de Apreciação Ref.ª IT 08/82/2007 1. Introdução No Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) a qualidade é encarada como

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 RELATÓRIO FINAL 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO A publicação das normas ISO 24500 (ISO 24510, ISO 24511 e ISO 24512), que constituem o primeiro conjunto de normas

Leia mais

ACÇÃO DO ENVIDOR (spirodiclofena) NO CONTROLO DE ARANHIÇO AMARELO EM VINHA, NO ALENTEJO

ACÇÃO DO ENVIDOR (spirodiclofena) NO CONTROLO DE ARANHIÇO AMARELO EM VINHA, NO ALENTEJO ACÇÃO DO ENVIDOR (spirodiclofena) NO CONTROLO DE ARANHIÇO AMARELO EM VINHA, NO ALENTEJO MATA, F.; ALMEIDA, J.M.; PARDAL, H.; RAMALHO, N.; FINO, C. e ROSA, A. ATEVA Associação Técnica dos Viticultores do

Leia mais

TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA

TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Informação à Comunicação Social 3 de Fevereiro de 2000 TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Introdução Este estudo procura caracterizar as estruturas territoriais na Área Metropolitana

Leia mais

Relatório Anual de Actividades 2008

Relatório Anual de Actividades 2008 Relatório Anual de Actividades 2008 DIVISÃO DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA 07-03-2009 DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO NORTE AFONSO SILVA Índice... 3 Resumo... 3 Alinhamento estratégico dos objectivos...

Leia mais

METODOLOGIAS PARA UM MELHOR PLANEAMENTO E GESTÃO DO USO DO SOLO AGRÍCOLA ATENDENDO À VULNERABILIDADE DOS AQUÍFEROS À POLUIÇÃO DIFUSA

METODOLOGIAS PARA UM MELHOR PLANEAMENTO E GESTÃO DO USO DO SOLO AGRÍCOLA ATENDENDO À VULNERABILIDADE DOS AQUÍFEROS À POLUIÇÃO DIFUSA METODOLOGIAS PARA UM MELHOR PLANEAMENTO E GESTÃO DO USO DO SOLO AGRÍCOLA ATENDENDO À VULNERABILIDADE DOS AQUÍFEROS À POLUIÇÃO DIFUSA Teresa E. LEITÃO Investigadora Principal do Laboratório Nacional de

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2007 - COTR - CRIAR CONHECIMENTOS E CAPACIDADES

PLANO DE FORMAÇÃO 2007 - COTR - CRIAR CONHECIMENTOS E CAPACIDADES PLANO DE FORMAÇÃO 2007 - COTR - CRIAR CONHECIMENTOS E CAPACIDADES O que é COTR? O Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio COTR - é uma Associação de direito privado sem fins lucrativos, criada no dia

Leia mais

Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação. Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010

Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação. Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010 Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010 Percentagens a determinar para cada ponto de luz Visualizar filme em: www.smartli.net Introdução O sistema

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho Agenda 21 Local do Concelho de Redondo Síntese do Diagnostico do Concelho Redondo 2004 INTRODUÇÃO O presente documento constituí uma Síntese do Diagnóstico do concelho, elaborado no âmbito da Agenda 21Local

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

MIC REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DIRECÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO

MIC REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DIRECÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO INFOCOM MIC REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DIRECÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO Boletim Especial/Setembro de 7 DNC/MIC BOLETIM ESPECIAL DO BALANÇO ALIMENTAR ABRIL DE 7 A MARÇO DE 8

Leia mais

Ecologia para Aldeias de Pesquisa para a Paz

Ecologia para Aldeias de Pesquisa para a Paz Ecologia para Aldeias de Pesquisa para a Paz O Centro de Pesquisa para a Paz Tamera está a desenvolver um modelo de grande escala para renaturalização da paisagem e produção de alimentos em cooperação

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE PROJECTO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS PARA REGA. Aplicação à estação elevatória do Alfundão.

CRITÉRIOS GERAIS DE PROJECTO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS PARA REGA. Aplicação à estação elevatória do Alfundão. CRITÉRIOS GERAIS DE PROJECTO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS PARA REGA. Aplicação à estação elevatória do Alfundão. Sofia AZEVEDO; Vitor PAULO Sofia AZEVEDO Ph.D., Agricultural Engineering & Water Resources, Campo

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

INDÚSTRIA FITOFARMACÊUTICA LIDERA CERTIFICAÇÃO DE FATOS DE PROTECÇÃO PARA A APLICAÇÃO DOS SEUS PRODUTOS

INDÚSTRIA FITOFARMACÊUTICA LIDERA CERTIFICAÇÃO DE FATOS DE PROTECÇÃO PARA A APLICAÇÃO DOS SEUS PRODUTOS INDÚSTRIA FITOFARMACÊUTICA LIDERA CERTIFICAÇÃO DE FATOS DE PROTECÇÃO PARA A APLICAÇÃO DOS SEUS PRODUTOS A protecção do aplicador na utilização de produtos fitofarmacêuticos está agora assegurada por um

Leia mais

CAPÍTULO 8 - DECISÃO: ELABORANDO A GESTÃO DE UM RECURSO NATURAL 68. Exercício: UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL

CAPÍTULO 8 - DECISÃO: ELABORANDO A GESTÃO DE UM RECURSO NATURAL 68. Exercício: UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL CAPÍTULO 8 - DECISÃO: ELABORANDO A GESTÃO DE UM RECURSO NATURAL 68 Exercício: UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL O seu objectivo neste exercício é implementar uma estratégia de colheita para uma população de palmeiras

Leia mais

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Netsonda Network Research Travessa do Jasmim 10 1º Andar 1200-230 Lisboa Tel. 21.3429318 Fax 21.3429868 Estudo Número N de

Leia mais

Projeto de lei n.º 111/XIII/1ª. Inclusão de opção vegetariana em todas as cantinas públicas. Exposição de motivos

Projeto de lei n.º 111/XIII/1ª. Inclusão de opção vegetariana em todas as cantinas públicas. Exposição de motivos Projeto de lei n.º 111/XIII/1ª Inclusão de opção vegetariana em todas as cantinas públicas Exposição de motivos Em 2007 existiam em Portugal cerca de 30.000 vegetarianos, segundo a Associação Vegetariana

Leia mais

Resumo. Introdução. na UNIPIAGET, orientado pelo segundo autor. 2 Aluna de Economia e Gestão na Universidade Jean Piaget de Cabo Verde.

Resumo. Introdução. na UNIPIAGET, orientado pelo segundo autor. 2 Aluna de Economia e Gestão na Universidade Jean Piaget de Cabo Verde. Determinantes da Diferença na Produtividade Agrícola de Países e 1 Anilda Inês Jorge Ribeiro 2, António José Medina dos Santos Baptista Introdução Resumo Neste trabalho partiu-se do pressuposto de que

Leia mais

O perfil do consumidor do futuro será no sentido de exigir um produto seguro

O perfil do consumidor do futuro será no sentido de exigir um produto seguro A Importância dos produtos certificados A par do desejável aumento substancial de produção aquícola nacional e da diversificação de espécies, a qualidade dos produtos surge como um dos principais objectivos

Leia mais

REUNIÃO COPA, Bruxelas Relatório de reunião de 19/6/2008

REUNIÃO COPA, Bruxelas Relatório de reunião de 19/6/2008 Presidente: Paul Temple (Inglaterra) Representante indicado pela CAP: Bernardo Albino Resumo reunião: 1- Aprovação ordem do dia ok 2- Aprovação de acta de última reunião ok 3- Trabalhos preparatórios de

Leia mais

Fall Newsletter ANSEME

Fall Newsletter ANSEME Newsletter ANSEME PAC 2014-2020 - Encontro com Organizações do sector agroalimentar Auditório do INIAV Oeiras, 9 de A ANSEME esteve presente no encontro de parceiros do Sector Agroalimentar, promovido

Leia mais

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento Normas Orientadoras BAIRRO Co-financiamento Índice Capítulo I - Âmbito...1 Artigo 1.º - Objecto...1 Artigo 2.º - Definições...1 Artigo 3º - Apelos Bairro 21...1 Artigo 4.º - Objectivos dos Apelos Bairro

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE REGULAMENTO DO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS SECÇÃO I DEFINIÇÕES. ART.1º Objectivo. ART.

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE REGULAMENTO DO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS SECÇÃO I DEFINIÇÕES. ART.1º Objectivo. ART. REGULAMENTO DO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS SECÇÃO I DEFINIÇÕES ART.1º Objectivo O Banco de Ajudas Técnicas da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere é um serviço que tem por objectivo o empréstimo

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM TECNOLOGIAS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE ENERGIAS

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM TECNOLOGIAS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE ENERGIAS UNIVERSIDADE PEDAGÓGICA CENTRO PARA TECNOLOGIA EDUCACIONAL NÚCLEO DE ELECTRÓNICA PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM TECNOLOGIAS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE ENERGIAS = NÍVEL I = Autores:

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 267XI/1.ª LINHA DE CRÉDITO BONIFICADO DE APOIO À ACTIVIDADE AGRÍCOLA

PROJECTO DE LEI N.º 267XI/1.ª LINHA DE CRÉDITO BONIFICADO DE APOIO À ACTIVIDADE AGRÍCOLA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 267XI/1.ª LINHA DE CRÉDITO BONIFICADO DE APOIO À ACTIVIDADE AGRÍCOLA Exposição de motivos São conhecidas as dificuldades económicas que parte das empresas agrícolas

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

Critérios de Atribuição

Critérios de Atribuição PRÉMIO MUNICIPAL JOVENS EMPRESÁRIOS DO CONCELHO DE MOURA Critérios de Atribuição Preâmbulo Os Jovens Empresários têm um papel muito importante no Concelho de Moura, pois são o futuro deste Concelho e desempenham

Leia mais

CFLinfo 180 Janeiro de 2010. Organizações de Produtores de F&H na UE Situação actual e perspectivas

CFLinfo 180 Janeiro de 2010. Organizações de Produtores de F&H na UE Situação actual e perspectivas CFL info Informação do Sector de Frutos e Produtos Hortícolas www.cap.pt Nº180 - Janeiro de 2010 Organizações de Produtores de F&H na UE Situação actual e perspectivas O secretariado do COPA-COGECA elaborou

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Gabinete do Ministro dos Assuntos Parlamentares

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Gabinete do Ministro dos Assuntos Parlamentares PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Gabinete do Ministro dos Assuntos Parlamentares Ofº nº 5514/MAP 23 Julho 09 Exma. Senhora Secretária-Geral da Assembleia da República Conselheira Adelina Sá Carvalho

Leia mais

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO PROJECTO RURAL VALUE Desenvolvimento sustentável de sistemas agrícolas extensivos ameaçados Programa Castro Verde Sustentável Centro de Educação Ambiental do Vale

Leia mais

U N I V E R S I D A D E D O S A Ç O R E S D E P A R T A M E N T O D E C I Ê N C I A S A G R Á R I A S

U N I V E R S I D A D E D O S A Ç O R E S D E P A R T A M E N T O D E C I Ê N C I A S A G R Á R I A S U N I V E R S I D A D E D O S A Ç O R E S D E P A R T A M E N T O D E C I Ê N C I A S A G R Á R I A S A t é r m i t a d e m a d e i r a s e c a n o A r q u i p é l a g o d o s A ç o r e s : D e t e r m

Leia mais

A S. Ex.ª o Embaixador da República Federal da Alemanha em Portugal.

A S. Ex.ª o Embaixador da República Federal da Alemanha em Portugal. Decreto n.º 11/91 de 14 de Fevereiro Acordo Especial, por troca de notas, entre a República Portuguesa e a República Federal da Alemanha relativo ao projecto Apoio à Direcção Regional de Agricultura da

Leia mais

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME)

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) COMISSÃO EUROPEIA Bruselas, 16.11.2011 C(2011)8317 final Assunto: Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) Excelência, Procedimento

Leia mais

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Relatório Resumo Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Fevereiro de 2009 Departamento de Qualidade e Comunicação sofia.viegas@apemeta.pt Índice: 2 1. Enquadramento 3 2. Avaliação da

Leia mais

EFICIÊNCIA HÍDRICA. Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique. Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010

EFICIÊNCIA HÍDRICA. Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique. Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010 EFICIÊNCIA HÍDRICA Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010 Novembro de 2010 1. Introdução A água é um bem essencial à vida e indispensável

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS ANEXO 3 FACTOS E NÚMEROS A floresta portuguesa 1. Os espaços florestais ocupam 5,4 milhões de hectares e representam cerca de dois terços da superfície de Portugal Continental. Destes, 3,4 milhões de hectares

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

Eficiência e qualidade: mitos e contradições

Eficiência e qualidade: mitos e contradições 1 Eficiência e qualidade: mitos e contradições Colóquio-debate Eficiência e Justiça em Cuidados de Saúde Academia das Ciências, Lisboa, 25 de Maio de 1999 Pedro Pita Barros * 1. Introdução O tema de discussão

Leia mais

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO Fredy Moreinos Netafim Brasil Sist. Equips. Irrigação Ltda Rua Salvador Scaglione, 135 14066-446 Ribeirão Preto SP 55 16 2111.8000 netafim@netafim.com.br O Brasil

Leia mais

IRRICAMPO solidez organização interna saúde económico-financeira segurança estabilidade IRRICAMPO

IRRICAMPO solidez organização interna saúde económico-financeira segurança estabilidade IRRICAMPO A IRRICAMPO tem participado activamente no espectacular crescimento do mercado nacional da rega automatizada e desde sempre que as prioridades são a solidez, a organização interna e a saúde económico-financeira,

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete do Ministro Parecer do Governo Português relativo ao Livro Verde Modernizar o direito do trabalho para enfrentar os desafios do sec. XXI Introdução O presente documento consubstancia o parecer do Governo Português

Leia mais

Tecnologia e Conhecimento em Regadio

Tecnologia e Conhecimento em Regadio O Futuro dos Cereais Praganosos na Área de Influencia de Alqueva Elvas, 22.04.2010 1 FIM SOCIAL DE POTENCIAR O DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO Promoção das actividades necessárias à criação e difusão do conhecimento

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL SAÚDE E DEFESA DO CONSUMIDOR

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL SAÚDE E DEFESA DO CONSUMIDOR COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL SAÚDE E DEFESA DO CONSUMIDOR Direcção F - Serviço Alimentar e Veterinário DG(SANCO)/9142/2003-RM Final RELATÓRIO FINAL DE UMA MISSÃO REALIZADA EM PORTUGAL DE 2 A 4 DE ABRIL

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação com os dos restantes

Leia mais

Janeiro de 2013 Volume 01

Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento - Conab Dipai - Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

Indústria fitofarmacêutica lidera certificação de fatos de protecção para a aplicação dos seus produtos

Indústria fitofarmacêutica lidera certificação de fatos de protecção para a aplicação dos seus produtos - AGENDA - 44ª Feira Nacional de Agricultura / 54ª Feira do Ribatejo 2 a 10 de Junho, CNEMA em Santarém Seminários "Programa LEADER em Portugal: Balanço e Perspectivas Futuras" 4 de Junho "Biocombustíveis

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

P R E V I S A F E T Y. Prevenção e Segurança no Trabalho,Lda PREVISAFETY. Empresa Autorizada

P R E V I S A F E T Y. Prevenção e Segurança no Trabalho,Lda PREVISAFETY. Empresa Autorizada PREVISAFETY PREVISAFETY é uma empresa especializada em Serviços de Higiene e Segurança no Trabalho (SHST), que trabalha na área da prevenção e controlo de riscos Autorizada pelas Entidades Competentes:

Leia mais

Actividades Estação Biológica do Garducho. Maio Junho de 2009

Actividades Estação Biológica do Garducho. Maio Junho de 2009 Actividades Estação Biológica do Garducho Maio Junho de 2009 Inserir texto / índice Indíce Quem Somos Onde estamos Objectivos Principais projectos Actividades na Estação Biológica do Garducho Calendarização

Leia mais

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Florin Zamfir 1, Fernando Delgado 2 e Óscar Mealha 1 1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

Desertificação um Problema Ambiental Global: Soluções Locais Caso da Região Centro. Maria José Roxo maria.roxo@gmail.com. Paula Gonçalves -2008

Desertificação um Problema Ambiental Global: Soluções Locais Caso da Região Centro. Maria José Roxo maria.roxo@gmail.com. Paula Gonçalves -2008 Desertificação um Problema Ambiental Global: Soluções Locais Caso da Região Centro Idanha-a-Nova / PNT / Arraial do Zambujo Paula Gonçalves -2008 Maria José Roxo maria.roxo@gmail.com Conceito - CNUCD UNCCD

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL

A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL Ciclo de Mesas Redondas A APREN e as Universidades Comemoração do Dia Internacional das Florestas Cláudia Sousa, CBE Aveiro, 20 março de 2014

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

Sistema de irrigação inteligente e controlo de água no CascaiShopping

Sistema de irrigação inteligente e controlo de água no CascaiShopping Sistema de irrigação inteligente e controlo de água no CascaiShopping 1 Sistema de irrigação inteligente e controlo de água no CascaiShopping O sistema de irrigação inteligente e controlo de água foi implementado

Leia mais

Fiapal Informa. Candidaturas QREN

Fiapal Informa. Candidaturas QREN Foram publicados no passado mês de Dezembro 5 Avisos para Apresentação de Candidaturas ao QREN. Destes, três integram a região de Lisboa. Fiapal Informa Aviso de Abertura de Concurso - AAC 17/SI/2011 Sistema

Leia mais

Press Release. Worx divulga WMarket Report 1ºS 2008

Press Release. Worx divulga WMarket Report 1ºS 2008 Press Release No: 77 / DZ Data: 15 de Setembro de 2008 Edifício Taurus, Campo Edifício Pequeno, Taurus, 48 4º 1000-081 Campo Pequeno, Lisboa 48 4º 1000-081 Lisboa + 351 217 999 960 tel. + 351 217 999 965

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Boletim meteorológico para a agricultura Nº 49, janeiro 2015 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 12 Previsão 12 Situação agrícola

Leia mais

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva C. M. Porto Mós M s 24/02/2010 25022010 1 centro tecnológico

Leia mais

Relatório PAECPE 2011 Relatório PAECPE 2011

Relatório PAECPE 2011 Relatório PAECPE 2011 Relatório PAECPE 2011 Divisão de Apoio Empresarial, Emprego e Projectos Co-Financiados 1 INDICE I. Introdução... 3 II. Análise Estatística... 7 Distribuição dos Projectos por Localidades... 7 Distribuição

Leia mais

D456789: N;74:<;= >:? S65A48:? AB5;54:? MINAG D6G;5H;I6<H: >6 CJ=HJ5;? 6 AA4?: P5KA4: Boas Perspecvas de produção para a Campanha Agrícola 2014-15.

D456789: N;74:<;= >:? S65A48:? AB5;54:? MINAG D6G;5H;I6<H: >6 CJ=HJ5;? 6 AA4?: P5KA4: Boas Perspecvas de produção para a Campanha Agrícola 2014-15. D456789: N;74::? S65A48:? AB5;54:? MINAG D6G;5H;I66 CJ=HJ5;? 6 AA4?: P5KA4: Edição Nº 01 Campanha Agrícola 2014/15 Publicado em: 02/10/2014 B A Em Foco Boas Perspecvas de produção para a Campanha

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

À boleia: o dispositivo para peixes transporta também enguias, que crescem e se alimentam em água doce e migram para o mar para se reproduzirem.

À boleia: o dispositivo para peixes transporta também enguias, que crescem e se alimentam em água doce e migram para o mar para se reproduzirem. Peixe pode passar 1 Peixe pode passar A barragem de Pedrógão, construída no rio Guadiana, no concelho de Vidigueira, Beja, integra o Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva geridos pela EDIA - Empresa

Leia mais

Congresso Nacional do Azeite Feira Nacional da Agricultura, CNEMA Santarém 8 JUNHO 2015. Ana Rosado

Congresso Nacional do Azeite Feira Nacional da Agricultura, CNEMA Santarém 8 JUNHO 2015. Ana Rosado Congresso Nacional do Azeite Feira Nacional da Agricultura, CNEMA Santarém 8 JUNHO 2015 Ana Rosado A Fundação Eugénio de Almeida é uma Instituição portuguesa de direito privado e utilidade pública, sediada

Leia mais

O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos

O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos RECENSEAMENTO AGRÍCOLA DADOS PRELIMINARES 15 Dezembro 2010 15 de Dezembro de 2010 O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos O INE divulga os primeiros resultados do Recenseamento Agrícola

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO Marcio Melquiades Silva dos Anjos (1); Anderson Santos da Silva (1); Patrício Gomes Leite (2); Ronaldo do Nascimento

Leia mais

Relatório. Paquistão: Cheias 2010. Resumo. Apelo Nº. MDRPK006 Título do Apelo: Paquistão, Cheias Monçónicas Pledge Nº. M1009038

Relatório. Paquistão: Cheias 2010. Resumo. Apelo Nº. MDRPK006 Título do Apelo: Paquistão, Cheias Monçónicas Pledge Nº. M1009038 Relatório Actualização sobre os primeiros 12 meses de operações. Paquistão: Cheias 2010 Apelo Nº. MDRPK006 Título do Apelo: Paquistão, Cheias Monçónicas Pledge Nº. M1009038 Este relatório cobre o período

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais