Central de Biomassa de Portalegre

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Central de Biomassa de Portalegre"

Transcrição

1 Central de Biomassa de Portalegre Paulo Preto dos Santos, Sobioen Soluções de Bioenergia, SA (Março 2008)

2 Biomassa e Energia O aproveitamento energético da biomassa é cada vez mais relevante Aproxima-se o fim da Era Petróleo Políticas Comunitárias Livro Branco Livro Verde Plano centrais de biomassa Biomassa =Energia Directivas (Emissões; Energias Renováveis) Alterações climáticas PAC Políticas/Contextos Mundial Europeu Nacional

3 Biomassa Florestal Distribuição da biomassa numa árvore Biomassa Residual Ramos e bicadas: 25 a 30% Tradicionalmente sem valor comercial Raízes: 10% Sem valor comercial custo para o proprietário na sua eliminação Mercado da madeira Tronco: 60 a 65% Circuito comercial tradicional Biomassa Residual Florestal Elegível para a tarifa

4 Um novo negócio que já começámos A cadeia de valor Actividade florestal tradicional Operações a montante Sub Produto actividade Florestal Trituração Transporte Prod. Energia kwh + CO2 Negócio da madeira Operações de recolha na floresta Trituração e transporte Produção de energia

5 Um novo negócio que já fazemos Recolha / Rechega exemplo: transporte da rama até parque ou estrada Monte pronto para trituração Operação comercial desde 2005

6 Um novo negócio que já dominamos Operação de trituração Operação comercial desde 2005

7 Um novo negócio que já optimizámos Operações de carrego e transporte Opção escolhida Operação comercial desde 2005

8 Um novo negócio onde queremos continuar a inovar

9 As Culturas Energéticas que já instalámos Fevereiro 2006 Abril ha plantados em Beja e Sesimbra Maio 2006 Julho ha previstos para final de 2008 Terrenos dos municípios do norte alentejano com boas características

10 As Culturas Energéticas onde inovamos O cultivo de Cardo Biomassa localizada Cultura pouco exigente em água Produção de biomassa em volume interessante (15 a 20 ton/ha) Baixos custos de manutenção Durabilidade no solo elevada (15 anos) Outros aproveitamentos para além da biomassa

11 Um grande desafio - Concurso actual para a construção de centrais de biomassa Privilegiar zonas com elevada fitomassa, elevado risco estrutural de incêndio e potência disponível evitando sobreposição com grandes consumidores de biomassa 15 centrais; 100MVA Fonte: DGGE e DGRF

12 O consórcio para as centrais de biomassa O Consórcio Hidurbe Gestão de Resíduos, SA Fomentinvest, SGPS, SA Sobioen Soluções de Bioenergia, SA Espírito Santo Capital, SA Os concursos Viana do Castelo* - 10 MVA Viseu/Guarda (Gouveia) - 10MVA Viseu (Nelas) 5MVA Castelo Branco (Covilhã) - 10MVA Castelo Branco (Sertã) - 10MVA Portalegre - 10MVA Ainda em processo de avaliação pelo Júri Centrais já atribuídas ao consórcio * Em parceria com o Grupo Painhas, SA (Hidurbe não participa)

13 A Sobioen Mapa-Floresta e Energia, SGPS Proprietários Florestais Accionistas 51% 48% 1% 51% Enerwood Portalegre Enerwood Covilhã Enerwood Sertã Participadas

14 Cadeia de Valor de uma Central Eléctrica de Biomassa Modelo adoptado actualmente Processamento da floresta Resíduos Florestais Biomassas vegetais das ITM Outras origens (ex: agricultura) Operações Florestais Recolha ou rechega dos sobrante das actividades florestais convencionais Empresas transformadoras da madeira e empresas agrícolas Actividade de processamento na floresta Transporte de matérias primas para a queima Central termoeléctrica a Biomassa Fornecimento de energia Eléctrica (REN) Fornecimento de calor às Indústrias Combustível fóssil Fornecedor / Distribuidor

15 Cadeia de Valor de uma Central Eléctrica de Biomassa Modelo alternativo/complementar possível Unidade(s) de processamento intermédia(s) Resíduos Florestais Biomassas vegetais das ITM Outras origens (ex: agricultura) Combustível fóssil Operações Florestais Recolha ou rechega dos sobrante das actividades florestais Transporte intermédio Empresas transformadoras da madeira e empresas agrícolas Fornecedor / Distribuidor Unidade(s) de processamento e tratamento de matéria prima Transporte de matérias primas para a queima Central termoeléctrica a Biomassa Fornecimento de energia Eléctrica (REN) Fornecimento de calor às Indústrias

16 Aspectos fundamentais a considerar no investimento Investimentos 1.Centro(s) de armazenamento 2.Centro(s) de processamento e tratamento de matéria prima. 3.Central termoeléctrica a Biomassa; terreno 4.Ligação à Rede Eléctrica 5.Condutas de abastecimento de calor à(s) indústria(s) ou outros consumidores 6.Engenharia e Fiscalização Matéria Prima (MP) 1.Classificação da matéria prima por famílias (ex: resíduos florestais, indústria, etc) e sub-famílias (ex: húmida, seca, etc) 2.Identificação da sazonalidade da matéria prima de acordo com a sua classificação 3.Identificação do preço por Ton de acordo com a sua classificação e sazonalidade da matéria prima 4.Garantias de fornecimento 5.Garantias de preço Logística 1.Custo de transporte de acordo com o volume/peso por km 2. Identificação da distância por origem da biomassa 3.Identificação do custo de armazenamento Processamento da Biomassa 1.Identificação da biomassa consumida em toneladas por classificação 2.Identificação dos custos de operação e manutenção 3.Identificação do Poder Calórico Inferior (PCI) do produto final de acordo com a classificação da matéria prima consumida 4.Identificação do Poder Calórico Inferior (PCI) médio à entrada da central Central Eléctrica 1.Identificação do processo e das entidades oficiais para o licenciamento (legislação) 2. Identificação da tecnologia da central, conforme custo, eficiência energética e adaptação aos tipos de biomassa 3.Identificação dos custos de operação e manutenção da central 4.Estabelecer relação consumo de biomassa com a energia eléctrica e calor produzido Receitas 1.Tarifa de venda da energia eléctrica (garantida por legislação) 2.Período de garantia da tarifa (legislação) 3.Obrigação de compra da energia pelo operador local/nacional (legislação) 4.Preço de venda de calor e identificação de consumos e sazonalidades

17 Transformação da biomassa produção de energia eléctrica combustão/ vapor/turbina gaseificação /gás/motor Fermentação

18 Combustão com produção de vapor para turbina de vapor 1º - Biomassa 2º - Vapor 3º - Electricidade Gaseificação com produção de gás de síntese para motor(es) Otto Geradores 1º - Biomassa 2º- Gás Gás limpo motores 3º - Electricidade

19 Combustão com produção de vapor para turbina de vapor Potencias eléctricas de 2 a 50 MW Rendimentos entre 23 e 30% Tecnologia provada 1º - Biomassa 2º - Vapor 3º - Electricidade Gaseificação com produção de gás de síntese para motor(es) Otto 1º - Biomassa 2º- Gás Gás limpo Potencias eléctricas de 0,3 a 5 MW Rendimentos entre 28 e 30% Tecnologias em demonstração motores 3º - Electricidade

20 Combustão com produção de vapor para turbina de vapor 1º - Biomassa 2º - Vapor 3º - Electricidade Gaseificação com produção de gás de síntese para motor(es) Otto Extracção vapor Condensação vapor 1º - Biomassa 2º- Gás Gás limpo COGERAÇÃO Agua de arrefecimento (Contrato com Serraleite no caso da central de Portalegre) motores 3º - Electricidade

21 Centrais Termoeléctricas a Biomassa Florestal

22 Central de Portalegre - Localização Sub-estação da REN Linha eléctrica Portalegre Central de biomassa

23 Central de Portalegre Área de influência

24 Central de Portalegre Diminuir risco de Incêndio

25 Central de Portalegre - Dimensões

26 Esquema da futura central de biomassa de Portalegre MUITO IMPORTANTE - O sistema de manuseamento e de alimentação de biomassa será determinante relativamente às condições de granulometria exigidas; consequentemente deverá ser desenhado de acordo com o tipo e forma de biomassa existente Caldeira de grelha Potencia eléctrica de exportação 10 MVA Eficiência superior a 26% Tecnologia clássica e provada Pode funcionar 8000 horas por ano

27 A venda de energia O negócio regulado da produção de energia com biomassa florestal (regulado pelo Dec-Lei 225/2007) Tarifa garantida por um período de 25 anos Remuneração da energia de 105 a 110 por MWh (1ºano) Tarifa de remuneração actualizada com IPC Possibilidade de renovação da licença por mais 10 anos Esta legislação, que rege a remuneração da produção de electricidade c/ FER, é realmente incentivo ao desenvolvimento do mercado, tendo sido recentemente actualizada, mas sem as alterações que se revelam necessárias à nova situação desfavorável face às tarifas espanholas

28 Mas existem ameaças; comparando com outros mercados A tarifa em Portugal não permite pagar mais pela biomassa Tarifas de remuneração da energia eléctrica /MWh Portugal Alemanha Belgica Itália Reino Unido Austria Holanda Espanha (florestal Tarifa Minima Tarifa Máxima residual) Espanha (plant. energéticas) -- Em Portugal vigora o esquema de tarifa que inclui a compensação pelas missões (Dec-Lei 225/2007) média de 107 /MWh para a biomassa residual florestal -- Na Itália o esquema é o da retribuição da energia acrescida do valor dos certificados verdes -- Na Alemanha p/ P<5MW e BF ou culturas energéticas aplica-se a tarifa máxima e há diferentes tarifas p/ diferentes tipos de biomassa -- Reino Unido - preço médio 1T2006 da pool acrescido do valor médio de mercado ROC -- A Áustria paga tarifa máxima de 160 /MWh p/ P<2MW; 150 /MWh p/ P<3MW; 130 /MWh p/ P<5MW e 103 /MWh p/ P>10MW -- Na Holanda tarifa máxima para P<50MW -- Em Espanha, segundo recente diploma RD661/2007, passou a ser entre 118 e 126 /MWh para BF até 159 /MWh para espécies agrícolas ou silvícolas dedicadas

29 Essas ameaças não são virtuais, são reais Comparando as tarifas em Portugal e Espanha temos... A terceira coluna do quadro anterior mostra o valor adicional que um produtor de energia com biomassa em Espanha vai poder pagar, relativamente a um produtor nacional, considerando-se uma mesma TIR para um projecto de 10MW

30 Como consequência desta enorme desvantagem, Portugal e Espanha já estão a exportar biomassa para outros mercados A receita obtida na exportação chega a ser superior em 35% da que é obtida na venda ao mercado interno consumidor de energia Preço médio 2007 no mercado consumidor interno 28 /ton +35% Preços verificados actualmente em portos nacionais para embarque e exportação 35 /ton 42 /ton - Valores p/ biomassa c/ PCI entre 2500 e 3200 kcal/kg - Frete marítimo p/itália entre 25 e 27 /ton. - Handling portos nacionais entre 5 e 8 /ton 55 /ton Reino Unido Áustria (3) Bélgica 55 /ton (1) no cliente consumidor (2) CIF porto italiano (3) CIF porto do cliente Itália (2) 75 /ton Itália (1) 90 /ton Exportações de Portugal Exportações de Espanha

31 A possível pressão da procura na área do Norte Alentejano Santarém Sertã+Pego +Ródão? Secil+ Portucel? Portalegre Edp-Sines??? Eventual pressão no sentido da exportação? Cimpor

32 NECESSIDADES URGENTES PARA FILEIRA DA BIOMASSA EM PORTUGAL 1- Legislação do transporte rodoviário aplicável ao transporte de matéria lenhosa -proposta de rectificação de legislação recente sobre o tema para o aumento do comprimento total dos veículos para 24 metros (actualmente é de ~18 metros) 2 - Incentivos financeiros (via PAC) à remoção dos sobrantes das explorações florestais tradicionais (solução que não pressiona preço da madeira mas não combate a exportação) 3 Melhor tratamento fiscal para a biomassa em seio de IVA, com proposta de harmonização da taxa de IVA com outros combustíveis fosseis que beneficiam de taxa reduzida de 5% (actualmente a taxa aplicável é 21% o que confere uma irracionalidade no contexto da promoção das energias renováveis face às fosseis)

33 NECESSIDADES URGENTES PARA FILEIRA DA BIOMASSA EM PORTUGAL (cont.) E por último e a mais importante: 4 - Revisão da legislação sobre a remuneração da produção de electricidade com energias renováveis, de modo a harmonizar a politica de remuneração da produção de energia eléctrica com fontes renováveis com as politicas idênticas actualmente em vigor em países da comunidade de modo a evitar a exportação para países onde a remuneração é maior; Alterando-se o factor Z previsto na redacção da alínea e) do nº 18 do artº 2º do AnexoII do Dec. Lei 189/88, que passaria então a ter a seguinte redacção: e) Para as centrais de biomassa cujo combustível, até ao limite de uma potência instalada, a nível nacional, de 250 MW, seja: i) Biomassa florestal residual em centrais com potencia instalada até 3MW 10,7; ii) Biomassa florestal residual em centrais com potencia instalada de valor superior a 3MW e inferior a 11MW 9,8; iii) Biomassa florestal residual em centrais com potencia instalada superior a 11MW 8,2; iv) Biomassa animal 7,5;

34 NECESSIDADES URGENTES PARA FILEIRA DA BIOMASSA EM PORUGAL (cont.) De modo a obterem-se os seguintes valores remuneratórios:

35 Obrigado pela atenção

Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal

Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal A Biomassa Florestal, energia e desenvolvimento rural Universidade Católica do Porto Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal Centro de Biomassa para a Energia 1 O QUE É A BIOMASSA? De acordo

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

Um Caso de Estudo: Central de Biomassa de Belmonte

Um Caso de Estudo: Central de Biomassa de Belmonte A Multifuncionalidade da Floresta: Silvopastoricia e Biomassa Floresta Biomassa florestal Residual Um Caso de Estudo: Central de Biomassa de Belmonte COTF - 10 de Abril de 2008 Lousã - Centro de Operações

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL

A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL Ciclo de Mesas Redondas A APREN e as Universidades Comemoração do Dia Internacional das Florestas Cláudia Sousa, CBE Aveiro, 20 março de 2014

Leia mais

I - Agência Regional de Energia do Centro e Baixo Alentejo - Enquadramento. III Estratégia Nacional para a Energia 2020 Energia Solar

I - Agência Regional de Energia do Centro e Baixo Alentejo - Enquadramento. III Estratégia Nacional para a Energia 2020 Energia Solar Índice I - Agência Regional de Energia do Centro e Baixo Alentejo - Enquadramento II Estratégia Nacional para a Energia 2020 III Estratégia Nacional para a Energia 2020 Energia Solar IV - Potencialidades

Leia mais

A Acção do Sistema Fiscal sobre a Energia e a Mobilidade

A Acção do Sistema Fiscal sobre a Energia e a Mobilidade A Política no Sistema Português A Acção do Sistema sobre a Energia e a Mobilidade A Política no Sistema Português Peso da Importação de Energia no PIBpm e Preço do Petróleo 12 10 Revolução Iraniana 78/79

Leia mais

Dia Internacional das Florestas CONFERÊNCIA FLORESTA E TERRITÓRIO: RISCO, ECONOMIA E POLÍTICAS

Dia Internacional das Florestas CONFERÊNCIA FLORESTA E TERRITÓRIO: RISCO, ECONOMIA E POLÍTICAS Dia Internacional das Florestas CONFERÊNCIA FLORESTA E TERRITÓRIO: RISCO, ECONOMIA E POLÍTICAS A contribuição do CBE para a valorização da Biomassa Proença-a-Nova Sábado, 21 de Março de 2015 Piedade Roberto,

Leia mais

Centro Cultural de Belém

Centro Cultural de Belém Audição Pública sobre a proposta de regulamentação do Gás Natural Centro Cultural de Belém Perspectiva dos consumidores A opinião da COGEN Portugal A. Brandão Pinto Presidente da Comissão Executiva ÍNDICE

Leia mais

Exportar, Exportar, Exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Exportar, Exportar, Exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Lanheses Exportar, Exportar, Exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Especializações Inteligentes e Clusters Regionais: como exportar, com que apoios e para que mercados? Viana do Castelo

Leia mais

Programa Nacional para as Alterações Climáticas

Programa Nacional para as Alterações Climáticas Programa Nacional para as Alterações Climáticas António Gonçalves Henriques» CONVENÇÃO-QUADRO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Rio de Janeiro, 1992 189 Estados ratificaram ou acederam à Convenção.

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

III Conferência Anual da RELOP

III Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade III Conferência Anual da RELOP Rio de Janeiro 4 Novembro 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação

Leia mais

A Importância do Aproveitamento Energético da Biomassa em Portugal

A Importância do Aproveitamento Energético da Biomassa em Portugal A Importância do Aproveitamento Energético da Biomassa em Portugal Conferência Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Lisboa, 7 de Julho de 2010 Clemente Pedro Nunes: Professor Catedrático

Leia mais

Estratégia e Política Energética do Governo de Cabo Verde

Estratégia e Política Energética do Governo de Cabo Verde Estratégia e Política Energética do Governo de Cabo Verde Caracterização do Sector Energético de Cabo Verde Sistema Eléctrico de Cabo Verde O sector eléctrico é dividido em sistemas de produção e distribuição.

Leia mais

Bioenergia Portugal 2015 Portalegre, 28/05/2015. Biomassa para a Energia. importância da qualidade na cadeia de valor

Bioenergia Portugal 2015 Portalegre, 28/05/2015. Biomassa para a Energia. importância da qualidade na cadeia de valor Biomassa para a Energia importância da qualidade na cadeia de valor Teresa Almeida Cláudia Mendes BIOENERGIA PORTUGAL 2015 Portalegre, 28 de Maio de 2015 O CBE Associação científica e técnica de direito

Leia mais

Administrador da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. Uma parceria EDP / ALTRI

Administrador da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. Uma parceria EDP / ALTRI Avaliação de Impactes e Energia Geração de Energia Eléctrica a partir de Biomassa A experiência pioneira da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. na Central Termoeléctrica a Biomassa Florestal Residual de Mortágua

Leia mais

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade XIV Reunión Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energía Salvador - Bahía 28 a 30 de Abril de 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia

Leia mais

MICROGERAÇÃO. DL 363/2007 de 2 de Novembro PRODUZA E VENDA ENERGIA ELÉCTRICA À REDE ALTA RENTABILIDADE ALTA RENTABILIDADE DO INVESTIMENTO.

MICROGERAÇÃO. DL 363/2007 de 2 de Novembro PRODUZA E VENDA ENERGIA ELÉCTRICA À REDE ALTA RENTABILIDADE ALTA RENTABILIDADE DO INVESTIMENTO. MICROGERAÇÃO DL 363/2007 de 2 de Novembro PRODUZA E VENDA ENERGIA ELÉCTRICA À REDE ALTA RENTABILIDADE ALTA RENTABILIDADE DO INVESTIMENTO. As energias renováveis constituem uma fonte de energia inesgotável

Leia mais

Damos valor à sua energia

Damos valor à sua energia Damos valor à sua energia Invista em energias renováveis e eficiência energética e comece a poupar naturalmente. Energia O futuro do planeta está cada vez mais nas nossas mãos e a forma como obtemos e

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt)

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) Digestão anaeróbia Santino Di Berardino em Porto santo Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) 1 1 Introdução O desenvolvimento

Leia mais

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira Página Web 1 de 1 Ana Oliveira De: GEOTA [geota@mail.telepac.pt] Enviado: quarta-feira, 11 de Abril de 2001 20:53 Para: erse@erse.pt Assunto: Comentários do GEOTA à proposta de Revisão dos Regulamentos

Leia mais

Sobre a Contratação dos Parques Fotovoltaicos

Sobre a Contratação dos Parques Fotovoltaicos Sobre a Contratação dos Parques Fotovoltaicos As acusações veiculadas pela oposição no Parlamento relativas à contratação de duas centrais fotovoltaicas, para além da evidente má-fé que lhes está subjacente,

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

MICROPRODUÇÃO Proposta Condomínio Pedras Altas Nossa ref. MP11 42053

MICROPRODUÇÃO Proposta Condomínio Pedras Altas Nossa ref. MP11 42053 MICROPRODUÇÃO Proposta Condomínio Pedras Altas Nossa ref. MP11 42053 08 de Agosto de 2011 Exmo/a. Sr(a).Administrador do Condomínio Pedras Altas, Queremos, desde já, agradecer o interesse e a confiança

Leia mais

Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore

Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore Alex Raventos Wave Energy Centre (WavEC) alex@wavec.org 8 de Fevereiro 2011 Auditório ISCSP, Lisboa Formação sobre as energias renováveis

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011 Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções Promover a eficiência energética É tornar o mundo melhor e mais assustentável tá e ADENE Agência para a Energia Paulo Nogueira Auditório

Leia mais

Investigação para impulsionar a Bioenergia em Portugal

Investigação para impulsionar a Bioenergia em Portugal Investigação para impulsionar a Bioenergia em Portugal Luís Arroja M. Lopes, S.Rafael, L. Tarelho, A. Dias, C. Silveira, A.I. Miranda. 29 Maio Portalegre A UA e a BIOENERGIA A atual política climática/energética

Leia mais

Energias Renováveis e Eficiência Energética

Energias Renováveis e Eficiência Energética Energias Renováveis e Eficiência Energética Unidades de Negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Fábricas e Filiais Do primeiro prédio ao parque instalado total Argentina Chile

Leia mais

MicroGeração. Energia Solar

MicroGeração. Energia Solar MicroGeração Energia Solar PRODUÇÃO E VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA - Subdivisão em dois períodos, o primeiro com a duração de 8 anos a uma tarifa de 0.40 e o segundo com a duração dos subsequentes 7 anos

Leia mais

Amb3e: Parceiro de Excelência para a Gestão de REEE de Lâmpadas em Fim de Vida Soluções para Distribuidores, Retalhistas e Instaladores

Amb3e: Parceiro de Excelência para a Gestão de REEE de Lâmpadas em Fim de Vida Soluções para Distribuidores, Retalhistas e Instaladores Amb3e: Parceiro de Excelência para a Gestão de REEE de Lâmpadas em Fim de Vida Soluções para Distribuidores, Retalhistas e Instaladores António Afonso de Abreu Ferreira 24 de Agosto de 2008 0 Porque é

Leia mais

A Incineração de Resíduos em Portugal. Susana Xará. 28 de Outubro de 2009. Conteúdo. Incineração de resíduos sólidos em Portugal

A Incineração de Resíduos em Portugal. Susana Xará. 28 de Outubro de 2009. Conteúdo. Incineração de resíduos sólidos em Portugal A Incineração de Resíduos em Portugal Susana Xará 28 de Outubro de 2009 Conteúdo Incineração de resíduos sólidos em Portugal Urbanos Industriais Hospitalares Resíduos Florestais - Biomassa Para cada tipo

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

Biomassa. A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido

Biomassa. A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido Biomassa A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido Paulo Preto dos Santos Secretário-Geral da Associação de Produtores de Energia e Biomassa 28/11/2013

Leia mais

IMPACTE AMBIENTAL SOBRE OS RIOS TEJO E DOURO ASSOCIADO ÀS CENTRAIS TERMOELÉCTRICAS

IMPACTE AMBIENTAL SOBRE OS RIOS TEJO E DOURO ASSOCIADO ÀS CENTRAIS TERMOELÉCTRICAS IMPACTE AMBIENTAL SOBRE OS RIOS TEJO E DOURO ASSOCIADO ÀS CENTRAIS TERMOELÉCTRICAS Mário N. NINA Professor Associado, Faculdade de Engenharia, Universidade Católica Portuguesa, 2635-631 Rio de Mouro, marionina@fe.ucp.pt

Leia mais

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica!

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ELOBiomass.com Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ÍNDICE Introdução... I Biomassa Lignocelulósica Energética... 1 Energia de Fonte Renovável... 2 Nova Matriz Energética Mundial... 3 Geração

Leia mais

LIPOR VALOR AMBIENTE VALORSUL, S.A. Sistema Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto

LIPOR VALOR AMBIENTE VALORSUL, S.A. Sistema Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto Conteúdo Incineração de resíduos sólidos em Portugal Urbanos Industriais Hospitalares A Incineração de Resíduos em Portugal Resíduos Florestais Biomassa Susana Xará 28 de Outubro de 2009 Para cada tipo

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IVA. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IVA. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010 ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IVA São João da Madeira, 30 de Março de 2010 1 1 MERCADO DO CARBONO 2 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS - REGULARIZAÇÕES 3 ISENÇÕES NAS VENDAS A EXPORTADORES NACIONAIS 4 AUTORIZAÇÕES

Leia mais

Salvador Malheiro. II Painel AS CENTRAIS DE BIOMASSA: ENGENHARIA, FINANCIAMENTO E TECNOLOGIA

Salvador Malheiro. II Painel AS CENTRAIS DE BIOMASSA: ENGENHARIA, FINANCIAMENTO E TECNOLOGIA Salvador Malheiro II Painel AS CENTRAIS DE BIOMASSA: ENGENHARIA, FINANCIAMENTO E TECNOLOGIA sponibilidades actuais de biomassa florestal em Portugal omassa florestal / ano ergia neladas equivalentes de

Leia mais

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 1 de 9 Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 NOTÍCIAS A substituição de janelas antigas por janelas eficientes pode gerar na indústria, um potencial de negócio

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. ADENE Agência para a Energia Maio de 2010

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. ADENE Agência para a Energia Maio de 2010 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ADENE Agência para a Energia Maio de 2010 0 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 1 Programas do Portugal Eficiência 2015 Transportes Residencial e Serviços

Leia mais

Empresa Geral do Fomento e Dourogás, ACE

Empresa Geral do Fomento e Dourogás, ACE Empresa Geral do Fomento e COMENTÁRIOS DA EMPRESA GERAL DO FOMENTO E DOUROGÁS, ACE À PROPOSTA DE REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO APRESENTADA PELA ERSE EM NOVEMBRO DE 2009 Novembro 2009 No seguimento da proposta

Leia mais

Revisão Regulamentar 2011

Revisão Regulamentar 2011 Revisão Regulamentar 2011 21 Junho 2011 Comentário Síntese Na generalidade: A quase totalidade t d das preocupações e sugestões apresentadas pela EDA nos últimos anos foram contempladas. No entanto, algumas

Leia mais

ISEL. Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo. Relatório de Visita de Estudo. 30 Novembro 2004. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo. Relatório de Visita de Estudo. 30 Novembro 2004. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo Relatório de Visita de Estudo 30 Novembro 2004

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro Tecnologias, Seminário Internacional Oportunidades de Energias e Estudos Renováveis veis, para Limpas o Incremento e Cogerada e Cogeração ITM Expo Feiras e Convenções São Paulo (SP) 27 a 29/11/2007 Palestra

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EDIFÍCIOS DE BAIXO CONSUMO COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 20 de Maio de 2010 COMPONENTE PASSIVA DO EDIFÍCIO OPTIMIZADA COMPONENTE DOS SISTEMAS ACTIVOS OPTIMIZADA 1 COMPONENTE PASSIVA

Leia mais

Cogeração na Indústria

Cogeração na Indústria Cogeração na Indústria A cogeração como medida de eficiência energética na indústria: vantagens, enquadramento regulatório e situação em Portugal Rui Quintans dos Santos Comissão Executiva da COGEN Portugal

Leia mais

AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH

AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH ANTÓNIO NIO GONÇALVES HENRIQUES APROVEITAMENTOS HIDRO-ELÉCTRICOS EM PORTUGAL 35 médios m e grandes aproveitamentos hidroeléctricos

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO

MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO NotíciasdoDireito Janeiro a Março de 2012 SECTOR BANCÁRIO E FINANCEIRO MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO A Lei n.º 4/2012, de 11 de Janeiro, altera a Lei n.º 63-A/2008,

Leia mais

Regulamentos da UE sobre Comércio Madeira Implementação em Portugal: ponto de situação

Regulamentos da UE sobre Comércio Madeira Implementação em Portugal: ponto de situação Regulamentos da UE sobre Comércio Madeira Implementação em Portugal: ponto de situação Lisboa, 20 Setembro 2012 Regulamentos UE sobre Comércio Madeira 1. Introdução e Enquadramento 2. Ponto de situação

Leia mais

04 Financiar o Desenvolvimento Sustentável

04 Financiar o Desenvolvimento Sustentável PAULO CATRICA 1965, Lisboa, Portugal Rio Murtiga, Alentejo, Agosto, 2005 Prova cromogénea de ampliação digital (Processo LightJet Lambda) 155 x 125 cm Edição 1/5 Fotografia de Paulo Catrica, Cortesia Galeria

Leia mais

79.3 75.9. Irlanda. Luxemburgo. Dinamarca. Irlanda. Portugal

79.3 75.9. Irlanda. Luxemburgo. Dinamarca. Irlanda. Portugal 1 159.6 87.3 75.6 66.7 75.9 79.3 89.9 102.7 49.6 47.4 39.0 33.3 28.5 24.5 20.9 Média UE-15 = 44.9 14.9 13.2 10.9 1.5 Dinamarca R.U. Holanda Suécia França Finlândia Alemanha Grécia Áustria Bélgica Espanha

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa Florestal para Fins Energéticos (o início de um novo ciclo para a floresta portuguesa) Potencial das Culturas Energéticas

Aproveitamento da Biomassa Florestal para Fins Energéticos (o início de um novo ciclo para a floresta portuguesa) Potencial das Culturas Energéticas Aproveitamento da Biomassa Florestal para Fins Energéticos (o início de um novo ciclo para a floresta portuguesa) Potencial das Culturas Energéticas Feira Nacional de Agricultura, Auditório CNEMA Santarém

Leia mais

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES)

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Esquema da apresentação: Objectivos da PAC pós-2013 Orientações propostas

Leia mais

V Conferência Anual da RELOP

V Conferência Anual da RELOP V Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis em Portugal António Sá da Costa 1 Junho 2012 Distribuição do Consumo e da Produção de Electricidade entre as várias fontes existentes Valores para Portugal

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

Aproveitamento da biomassa florestal para fins energéticos

Aproveitamento da biomassa florestal para fins energéticos Jornada Técnica Eficiência Energética e ambiental em Edifícios Aproveitamento da biomassa florestal para fins energéticos Ponte de Lima, 06 de Fevereiro de 2014 2000 2003 Comissão de Acompanhamento Central

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

Energia Eólica Setembro de 2015

Energia Eólica Setembro de 2015 Energia Eólica Setembro de 2015 Quem somos? Fundada em 2002, a ABEEólica é uma instituição sem fins lucrativos que congrega e representa o setor de energia eólica no País. A ABEEólica contribui, desde

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal

Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal Lisboa, 9 de julho de 2015. Joaquim Delgado Jdelgado@estv.ipv.pt Sumário 2/16 1ª Parte Breve caraterização

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.11.2007 COM(2007) 757 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO (nos termos da Decisão n.º 280/2004/CE do Parlamento

Leia mais

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Seminário de Boa Governação das Energias Renováveis Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Madival Alva das Neves Meteorologista (Direção Geral do Ambiente) São Tomé, 30 de junho,

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Dominicana Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Dominicana Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Dominicana Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2010 Aicep Portugal Global Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.041.02 II Nos termos do DecretoLei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos DecretosLei n.º 243A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA VIABILIDADE

Leia mais

Energia em busca de alternativas renováveis 1

Energia em busca de alternativas renováveis 1 Energia em busca de alternativas renováveis 1 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Guilherme de A. Dantas Pergunta: É possível haver equilíbrio em um quadro de alta do petróleo, custos pouco atrativos

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR)

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Em consulta pública O Projecto de Plano Nacional de Gestão de Resíduos (PNGR 2011-2020), bem como o Relatório Ambiental e o Resumo Não Técnico da Avaliação

Leia mais

A MOBILIDADE ELÉCTRICA

A MOBILIDADE ELÉCTRICA A MOBILIDADE ELÉCTRICA Contextualização As significativas alterações climáticas e o aumento do preço dos combustíveis sustentam um dos maiores desafios do século XXI - fiabilidade, segurança e sustentabilidade

Leia mais

Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas

Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas Fernando Caetano Universidade Aberta fcaetano@univ-ab.pt As necessidades actuais 85% da energia consumida mundialmente, provém

Leia mais

Eco-Escolas Formação Escola da Energia 2011, 2 de Abril de 2011. Energias Renováveis. João Paulo Costa

Eco-Escolas Formação Escola da Energia 2011, 2 de Abril de 2011. Energias Renováveis. João Paulo Costa Energias Renováveis João Paulo Costa LNEG Laboratório Nacional de Energia e Geologia Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL joao.costa@lneg.pt 1 Conteúdo: Resumo de consumo energético no

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

EXPOREXEL - 21/05/2015

EXPOREXEL - 21/05/2015 EXPOREXEL - 21/05/2015 Eficiência Energética Autoconsumo Rexel / SMA Rexel Nuno Romão SMA Alexandre Cruz Eficiência Energética - Autoconsumo 1. O que é o Autoconsumo? 2. Enquadramento Legislativo 3. Diagrama

Leia mais

A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de

A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de Setembro de 2011 Rui Pestana REN Redes Energéticas Nacionais,

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

Flash fiscal Memorando de Entendimento Principais medidas fiscais 13 Maio de 2011

Flash fiscal Memorando de Entendimento Principais medidas fiscais 13 Maio de 2011 www.pwc.com/ptpt Flash fiscal Memorando de Entendimento Principais medidas fiscais 13 Maio de 2011 Foi divulgado o Memorando de Entendimento entre o Português, a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu

Leia mais

REUNIÃO COPA, Bruxelas Relatório de reunião de 19/6/2008

REUNIÃO COPA, Bruxelas Relatório de reunião de 19/6/2008 Presidente: Paul Temple (Inglaterra) Representante indicado pela CAP: Bernardo Albino Resumo reunião: 1- Aprovação ordem do dia ok 2- Aprovação de acta de última reunião ok 3- Trabalhos preparatórios de

Leia mais

COMENTÁRIOS DA COGEN PORTUGAL AO ANUNCIO DE PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

COMENTÁRIOS DA COGEN PORTUGAL AO ANUNCIO DE PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DO GÁS NATURAL COMENTÁRIOS DA COGEN PORTUGAL AO ANUNCIO DE PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Página 1 de 23 INTRODUÇÃO A actividade da produção combinada de calor e de electricidade cogeração tem tido,

Leia mais

FORNECEMOS EQUIPAMENTOS E LINHAS COMPLETAS PARA FABRICAÇÃO DE PELLET S PELLETS DE MADEIRA O COMBUSTIVEL DE AMANHÃ

FORNECEMOS EQUIPAMENTOS E LINHAS COMPLETAS PARA FABRICAÇÃO DE PELLET S PELLETS DE MADEIRA O COMBUSTIVEL DE AMANHÃ FORNECEMOS EQUIPAMENTOS E LINHAS COMPLETAS PARA FABRICAÇÃO DE PELLET S PELLETS DE MADEIRA O COMBUSTIVEL DE AMANHÃ Os Pellets são um combustível ideal, limpo e de CO2 neutro. Podem ser produzidos através

Leia mais

Actualização de dados da Declaração Ambiental

Actualização de dados da Declaração Ambiental Actualização de dados da Declaração Ambiental 2 0 0 5 G U I M A R Ã E S REG. Nº P-000014 Actualização de dados da Declaração Ambiental 2005 Índice 1. Política de Qualidade e Ambiente 4 2. Aspectos Gerais

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

Quadro 1 Dimensão do controlo da EDP e da GALP por capital estrangeiro

Quadro 1 Dimensão do controlo da EDP e da GALP por capital estrangeiro RESUMO DESTE ESTUDO O sector da energia é estratégico em qualquer país, em termos de desenvolvimento e de independência nacional. Os governos, desde que tenham um mínimo de dignidade nacional e se preocupem

Leia mais

Bombas de Calor Geotérmicas

Bombas de Calor Geotérmicas Bombas de Calor Geotérmicas Futuro A crescente subida dos preços dos combustíveis fósseis (gás e gasóleo) levou a CHAMA a procurar alternativas aos sistemas tradicionais de aquecimento. Alternativas que

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA COM TURBINAS A VAPOR

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA COM TURBINAS A VAPOR IV CONGRESSO INTERNATIONAL DE PRODUTOS DE MADEIRA SÓLIDA DE FLORESTAS PLANTADAS Curitiba, 19-21 de Novembro de 2008 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA COM TURBINAS A VAPOR Palestrante: Engº Guilherme Rino CONTEÚDO

Leia mais

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro Sylvio Nóbrega Coutinho Sustentabilidade no Setor Sylvio Nóbrega Coutinho Energia Elemento propulsor de desenvolvimento da sociedade A humanidade depende cada vez mais de um elevado consumo energético

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal WAVE ENERGY CENTRE Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal Versão 0.1 1 INDICE 11.. OO RREECCUURRSSOO EENNEERRGGÉÉTTIICCOO... 3 22.. AACCTTUUAAIISS PPRROOTTÓÓTTIIPPOOSS

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia Membro nacional da Implicações para a Produção Descentralizada de Energia 31 de Março de 2006 Álvaro Brandão Pinto Vice-Presidente do Conselho Director da COGEN Portugal Índice 1. O Conceito 2. O Comércio

Leia mais