O Planeamento das Grandes Empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Planeamento das Grandes Empresas"

Transcrição

1 O Planeamento das Grandes Empresas A REFORMA DO IRC: PERSPECTIVAS E CONTRADIÇÕES Universidade Católica Portuguesa Ricardo da Palma Borges Lisboa, 29 de Outubro de

2 Introdução e generalidades Entre amigos (mas inimigos da Reforma?: Privilégio, Distorção, Risco Planeamento). O silêncio e a necessidade de estudo. Amicus Platus sed magis amica veritas. As duas grandes críticas à : (i) privilegia o IRC face aos outros impostos e naquele reduz a taxa e (ii) favorece o planeamento fiscal = benefícios para as grandes, em detrimento das pequenas. A Reforma como (i) a descida da taxa nominal do IRC e da taxa efectiva (com abolição a prazo das derramas municipal e estadual) ou (ii) como conjunto de alterações com um propósito estratégico, nomeadamente o de reequilibrar a relação Fisco-contribuinte. O exemplo da empresa de brinquedos e do seu ano fiscal. 2

3 Privilegiar o IRC e reduzir a taxa: mitos e truísmos Qual é a reforma fiscal que não tem por máxima alargar a base e reduzir a taxa (ainda que com redução de benefícios fiscais José Luís Saldanha Sanches, Justiça Fiscal, Fundação Francisco Manuel dos Santos, Lisboa, 2010, p. 51)? Ou será que deveríamos reduzir a base do IRC a um grupo ainda menor de grandes contribuintes e aumentar-lhes ainda mais as taxas? Reduzindo a taxa, como é que os contribuintes pagantes não sairiam beneficiados? Certamente que não são os pequenos contribuintes que sempre evadiram o imposto ou certos grandes grupos económicos, hoje carregados de prejuízos, que ganham com a descida da taxa, porque esta não os afecta. As pessoas colectivas são apenas uma alvo intermédio e prático da tributação, que em termos finais se repercutirá ou sobre os detentores de capital ou sobre os trabalhadores, em função do respectivo poder de mercado e elasticidade da oferta dos respectivos factores. 3

4 A descida da taxa e a des(ilusão) Aliás, é pela mesma ilusão de favorecimento do eleitor mediano que se lança mão da tributação do rendimento das pessoas colectivas, uma outra forma de tributação profundamente ineficiente ( ). O votante mediano convence-se ( ) de que tributar as não é no fundo tributar ninguém (.) e no entanto a tributação do rendimento das é a tributação dos rendimentos do capital, e como a oferta de fundos de capital é muito elástica, impedindo que a tributação seja repercutida na baixa dos juros pagos, quem suporta o imposto são as próprias, as quais, vendo os seus custos aumentarem a menos que descapitalizem perderão em produtividade, o que acabará por ser suportado pela queda das remunerações auferidas pelos trabalhadores, entre os quais o votante mediano. A carga do imposto acaba por se repercutir sobre os rendimentos laborais do votante mediano, por mais que ele, por não ter recebido senão os vencimentos mais baixos resultantes da repercussão do imposto, e jamais ter experimentado os ganhos salariais que adviriam da não-tributação das, seja incapaz de se aperceber de que foi vítima da ilusão de que a tributação das lhe aliviaria o peso dos impostos sobre o seu rendimento individual (destaques nossos), Fernando (Borges) Araújo, Introdução à Economia, 3.ª edição, Almedina, Coimbra, 2005, p. 531 não confundir com o fiscalista, de grandes, Fernando (Carreira) Araújo. 4

5 Os trabalhadores e o IRC Em Portugal, devido ainda a alguma rigidez salarial (nas e contratos de trabalho antigos), a repercussão sobre os salários poderá não ser tão acentuada, o que redundará em falências e/ou despedimentos colectivos. Ironicamente, os trabalhadores contam-se entre aqueles que podem vir a beneficiar da descida da taxa do IRC 5

6 para as grandes disponíveis antes e depois da Dedutibilidade de gastos e perdas deixa de estar condicionada à indispensabilidade, exigindo- -se que sejam incorridos ou suportados para obter ou garantir os rendimentos sujeitos a IRC Sujeitos, ainda que isentos? - aparentemente sim (dado o teor do novo artigo 23.º-A Encargos não dedutíveis para efeitos fiscais ), mas a dúvida, que vem do regime anterior, permanece = 6

7 para as grandes disponíveis antes e depois da Perdas na dissolução de sociedades apenas dedutíveis ao final de 4 anos Anteriormente o prazo era de 3 anos - 7

8 para as grandes disponíveis antes e depois da Propriedade industrial adquirida a título oneroso e sem vigência temporal limitada e goodwill adquirido numa concentração (excepto (i) quando aplicável o regime de neutralidade fiscal; ou (ii) activos adquiridos a entidades sujeitas a um regime fiscal claramente mais favorável; ou (iii) goodwill respeitante a participações sociais), poderão ser depreciáveis fiscalmente em 20 anos. Aplica-se aos activos adquiridos em ou após de 1 de Janeiro de 2014 Diminui a carga fiscal desta propriedade industrial + 8

9 para as grandes disponíveis antes e depois da Propriedades de investimento e activos biológicos não consumíveis mensurados ao justo valor depreciáveis durante o período máximo de vida útil do activo. Aplica-se apenas ao activos adquiridos em ou após de 1 de Janeiro de 2014 Diminui a carga fiscal destes activos + 9

10 para as grandes disponíveis antes e depois da Critério de valorimetria das partes de capital passa a ser o FIFO, sendo que o sujeito passivo pode optar pelo custo médio, mantendo a opção por um período mínimo de 3 anos e não sendo aplicáveis nesse caso os coeficientes de actualização Reduz a margem de liberdade de gestão fiscal (anteriormente não existia critério de valorimetria fiscal, pelo que também o LIFO ou uma base específica poderiam ser utilizados) - 10

11 para as grandes disponíveis antes e depois da Regime de reinvestimento alargado aos activos intangíveis, mas deixa de ser aplicável às propriedades de investimento e às partes de capital. Quando não seja aplicável o regime de neutralidade fiscal nas reestruturações, ao rendimento da sociedade transmitente, ainda que classificado como mais-valia sobre activos tangíveis, não é aplicável o regime do reinvestimento Alarga num caso e reduz em vários outros o regime de reinvestimento - 11

12 para as grandes disponíveis antes e depois da Reservas e dividendos distribuídos passam a estar isentos em participações iguais ou superiores a 5% (actualmente 10%), se detidas por 12 meses, incluindo a favor de entidade residente em Estado com convenção destinada a evitar a dupla tributação (e que preveja cooperação administrativa no domínio da fiscalidade equivalente à estabelecida no âmbito da UE), desde que a beneficiária esteja sujeita no Estado da residência a uma taxa nominal não inferior a 60% da taxa de IRC Alargamento quantitativo do participation exemption doméstico Alargamento quantitativo do participation exemption internacional Alargamento qualitativo do participation exemption a reservas que não sejam lucros distribuídos, mas tenham outras origens + 12

13 para as grandes disponíveis antes e depois da Participation exemption para dividendos, reservas, mais-valias e menos-valias auferidas em participações iguais ou superiores a 5%, detidas por 12 meses, por entidade sujeita a IRC ou equivalente (i) com taxa não inferior a 60% da taxa nominal de IRC, (ii) requisito dispensado quando: (a) os lucros provenham em, pelo menos, 75% do exercício de uma actividade agrícola ou industrial ou de uma actividade comercial, ou de prestação de serviços, que não esteja dirigida predominantemente ao mercado português; (b) a actividade principal da entidade não residente não seja passiva; (c) a entidade participada não seja residente em paraíso fiscal Alargamento quantitativo do participation exemption doméstico e internacional Alargamento qualitativo do participation exemption internacional Simetria entre mais e menos-valias (ao contrário do regime actual das não-sgps, com menos-valias muitas vezes indedutíveis ou dedutíveis a 50% e tributação das mais-valias a 100%, ainda que com possibilidade de reinvestimento), mas com tributação das mais- -valias em participações inferiores a 5% (hoje potencialmente não tributáveis para SGPS). Eliminação da dedutibilidade das menos-valias para o sócio apuradas na cisão de sociedades fora do regime da neutralidade fiscal Regime aplicável às mais-valias suspensas realizadas antes de 1 de Janeiro de 2001 (efeito de borla) + 13

14 para as grandes disponíveis antes e depois da Regime opcional de não concorrência para a determinação do lucro tributável de lucros e prejuízos de estabelecimento estável situado fora do território português, que se aplica obrigatoriamente apenas por jurisdição (e não pela totalidade dos estabelecimentos estáveis) Aumenta a margem de liberdade de gestão fiscal, introduzindo elementos de territorialidade e de neutralidade na tributação face aos concorrentes estrangeiros dos estabelecimentos estáveis de sociedades nacionais + 14

15 para as grandes disponíveis antes e depois da Alargamento do prazo de reporte de prejuízos de 5 para 12 exercícios (para os gerados a partir de 1 de Janeiro de 2014). Deduzido até à concorrência de 70% do lucro tributável, ao invés dos actuais 75%. Critério FIFO. A modificação do objecto social e a alteração substancial da actividade deixam de implicar a caducidade. Desconsideradas para efeito da alteração de, pelo menos, 50% do capital social ou da maioria dos direitos de voto: (i) operações efectuadas ao abrigo do regime de neutralidade fiscal; ou (ii) quando o adquirente detém ininterruptamente, directa ou indirectamente, mais de 20% do capital social ou da maioria dos direitos de voto da sociedade; ou (iii) quando o adquirente seja trabalhador ou membro dos órgãos sociais da sociedade, pelo menos, nestes dois casos desde o início do período de tributação a que respeitam os prejuízos. Os prejuízos fiscais das sociedades fundidas ao abrigo do regime da neutralidade podem ser transmitidos para a sociedade beneficiária. Benefícios fiscais e saldos apurados no âmbito da limitação da dedutibilidade dos gastos de financiamento líquidos, são transmissíveis da sociedade fundida para a sociedade beneficiária. Extensível à cisão e à entrada de activos, mediante autorização Segue a melhor doutrina quanto aos condicionamentos razoáveis à comunicabilidade e portabilidade dos prejuízos fiscais: Manuel Anselmo Torres, A portabilidade dos prejuízos fiscais in AAVV, Reestruturação e Empresas e Limites do Planeamento Fiscal, Coimbra, Coimbra Editora, 2009 O alargamento do prazo e do regime de comunicabilidade tem como reverso a menor percentagem de dedução e a adopção obrigatória do critério FIFO + 15

16 para as grandes disponíveis antes e depois da Critério para a aplicação das regras CFC passa do imposto efectivamente pago igual ou menor que 60% do IRC que seria devido se a entidade fosse residente em território português, para comparação com a taxa nominal de imposto, a qual terá que ser inferior a 60% da taxa geral de IRC legalmente prevista Aumenta a margem de liberdade de gestão fiscal, introduzindo elementos de territorialidade e de neutralidade na tributação face aos concorrentes estrangeiros das subsidiárias internacionais de grupos nacionais + Deixam de ser CFC as entidades: (i) cujos lucros provenham em, pelo menos, 75% do exercício de uma actividade agrícola ou industrial ou de uma actividade comercial, ou de prestação de serviços, que não esteja dirigida predominantemente ao mercado português; (ii) as entidades cuja actividade principal consista na realização de operações relativas a partes sociais representativas de mais de 5% do capital social ou direitos de voto 16

17 para as grandes disponíveis antes e depois da Prevê-se um crédito por dupla tributação económica internacional, aplicável por opção do sujeito passivo que receba lucros ou reservas aos quais não seja aplicável o regime da participation exemption, desde que aquele detenha, ou venha a deter, por um período de 12 meses, uma participação não inferior a 5% Eliminação mais perfeita (ainda que complexa e de duvidosas virtudes) da dupla tributação internacional + O prazo de utilização do crédito de imposto por dupla tributação jurídica internacional é reposto, para cinco exercícios e passa a ser determinado por país, considerando a totalidade dos rendimentos, excepto no caso de rendimentos imputáveis a estabelecimento estável, cuja dedução é calculada isoladamente 17

18 para as grandes disponíveis antes e depois da Aumento da tributação autónoma com os encargos com viaturas ligeiras de passageiros, motos ou motociclos, excluindo veículos eléctricos, às taxas de: (i) 15%, se o custo de aquisição for inferior a ; (ii) 27,5%, se o custo de aquisição for igual ou superior a mas inferior a ; (iii) 35%, se o custo de aquisição for igual ou superior a Estas taxas são elevados em 10 p.p. em caso de prejuízos fiscais Aumenta a carga fiscal destas remunerações acessórias - A tributação autónoma deixa de ser aplicável a despesas incorridas por estabelecimentos estáveis situados fora de Portugal, relativas à actividade exercida por seu intermédio 18

19 para as grandes disponíveis antes e depois da Rendimentos decorrentes da cessão ou utilização temporária de patentes e desenhos ou modelos industriais, concorrem para a determinação do lucro tributável em apenas 50% do seu valor, se registados em ou após 1 de Janeiro de 2014 Diminui a carga fiscal desta propriedade industrial + 19

20 para as grandes disponíveis antes e depois da Diminuição do valor absoluto para efeito de limitação dos gastos de financiamento líquidos de 3 milhões para 1 milhão, sendo que o reporte dos gastos de financiamento deixa de ser utilizado conjuntamente com os gastos desse período, passando a ser deduzido após a consideração dos gastos líquidos desse mesmo período, introduzindo-se critério FIFO para identificação dos gastos de financiamento líquidos não dedutíveis e da parte não utilizada do limite que deva acrescer ao montante máximo dedutível nos períodos subsequentes. O reporte dos gastos líquidos de financiamento bem como o reporte da parte não utilizada que acresce ao montante máximo dedutível nos períodos subsequentes, deixa de poder ser utilizado se se verificar a alteração da titularidade de mais de 50% do capital social ou da maioria dos direitos de voto do sujeito passivo Restringe e muito um relevante custo das - 20

21 para as grandes disponíveis antes e depois da Diminuição de detenção a 90% para 75% para a integração de uma sociedade no perímetro de um grupo fiscal Aumenta os perímetros potenciais dos grupos, mas condiciona a venda dos próprios grupos fiscais com prejuízos = Quando se verifique a alteração da sociedade dominante de um grupo, a utilização do reporte dos prejuízos fiscais apurados pelo grupo em períodos anteriores fica condicionada à obtenção de autorização 21

22 para as grandes disponíveis antes e depois da (resumo e conclusões) 16 medidas: 9 +, 2 =, 5 - ; o problema dos paradigmas. Em particular, o regime dos prejuízos fiscais: se aceitamos por normal, p.e., que (i) o prazo de reporte de prejuízos fiscais seja de 5 anos, (ii) estes só podem ser deduzidos até à concorrência de 70% do lucro tributável, (iii) que as derramas municipal e estadual os desconsiderem, sendo o Estado um sócio com direitos especiais, que começa a quinhoar nos lucros quando ainda só há perdas, não é de esperar que venhamos a ter como a Amazon, constituída em 1994 e cujo primeiro trimestre lucrativo foi em Em particular, o regime de participation exemption com exclusão de tributação de dividendos e mais-valias, em particular os extra-comunitários: (i) o acordão recente do CAAD sobre as reservas de sociedade tunisina; (ii) a vaga de internacionalização das PME. A (i) reintrodução do duplo escalão de IRC (11,5% / 23%) e a (ii) introdução na Proposta de Lei do OE para 2014 de um regime de dedução por lucros reinvestidos, favorecem igualmente ou sobretudo as PME (mas também as beneficiam os regimes de participation exemption, estabelecimento estável, e prejuízos fiscais). 22

23 Uma palavra final de desagravo e um desejo para os autores da Porque trabalharam de graça tornaram-se suspeitos de o fazerem por representação de interesses (mas o mesmo se poderá dizer dos oradores desta conferência) Honi soit qui mal y pense! Que não tenham ainda a infelicidade de se tornarem sujeitos passivos de Imposto do Selo sobre as transmissões gratuitas, porque manifestaram capacidade contributiva ao doarem em espécie à comunidade o seu labor 23

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal Direito Fiscal A Reforma do IRC Principais Alterações e Implicações para as Empresas Direito Fiscal 0 Direito Fiscal A Macedo Vitorino & Associados foi constituída em 1996, concentrando a sua actividade

Leia mais

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash 16 Janeiro 2014 Reforma do IRC Especial Tax News Flash 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) - Lei da Reforma do IRC Foi publicada a Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro, que aprova a Reforma

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013 Proposta de Orçamento do Estado 2014 e Proposta de Reforma em sede de IRC Novembro de 2013 ORÇAMENTO ESTADO 2013 Proposta de Lei ÍNDICE Imposto sobre o Rendimentos das Pessoas Singulares IRS 4 Segurança

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O I N T R O D U Ç Ã O O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património

Leia mais

CIRCULAR. Gabinete Jurídico-Fiscal

CIRCULAR. Gabinete Jurídico-Fiscal CIRCULAR Gabinete Jurídico-Fiscal N/REFª: 41/2014 DATA: 02 de Junho de 2014 Assunto: O IRC e a Reorganização das Estruturas Empresariais Exmos. Senhores, Para conhecimento, junto enviamos a Circular nº

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO (5.ª Edição) Actualização N.º 5 Códigos Tributários Edição de Bolso 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização N.º 5 BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS PARTE I - Princípios gerais Artigo 1 - Âmbito de aplicação As disposições da parte I do presente Estatuto aplicam-se aos benefícios fiscais nele previstos, sendo extensivas

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO Define os elementos que integram o dossier fiscal, aprova novos mapas de modelo oficial e revoga a Portaria n.º 359/2000, de 20 de Junho A Nos termos do artigo 129.º do Código do Imposto sobre o Rendimento

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n. o 84/2000 Aprova, para ratificação, a Convenção entre a República Portuguesa

Leia mais

Fwd: Principais Medidas da Proposta para o OE 2011

Fwd: Principais Medidas da Proposta para o OE 2011 1 de 6 30-11-2010 12:02 Caso não consiga visualizar este email correctamente, por favor clique aqui Nota semanal dos diplomas legais e outros documentos publicados com implicações na área da fiscalidade

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2011

ORÇAMENTO DO ESTADO 2011 1 13 Jan 2011 ORÇAMENTO DO ESTADO 2011 NELSON BASTOS REVISOR OFICIAL DE CONTAS 2010-2011: Informação Crítica para a Transição Fiscal Parceiros Institucionais Media Partner 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2011 AGENDA:

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Advocacia e Cidadania

Advocacia e Cidadania REGRA GERAL: SUJEIÇÃO TRIBUTÁRIA (Art. 3.º e 48.º CIRC) IPSS não exercem a título principal uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola Tributadas pelo rendimento global, o qual corresponde

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC. Seminário Crowe Horwath Fevereiro 2011. 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC. Seminário Crowe Horwath Fevereiro 2011. 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC 1 1 APRESENTAÇÃO A revogação do POC e o novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Aspectos fiscais mais relevantes decorrentes da adopção do

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016 PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2016 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016 A Proposta de Lei do OE para 2016 apresentada pelo Governo à AR integra um conjunto de alterações

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO O Japão e a República Portuguesa, Desejando celebrar

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Relatório de Gestão AS ALTA VISTA - Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundo de Investimento Imobiliário Fechado ES ALTA VISTA (CMVM nº 912) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de janeiro Estado: vigente. Resumo:

Leia mais

Reforma em sede de IRC

Reforma em sede de IRC Reforma em sede de IRC Janeiro de 2014 Reforma Tributação Sociedades IRC REFORMA IRC IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS - Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro Transparência Fiscal O regime da

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B ORÇAMENTO DO ESTADO OE2016 O QUE MUDA? parlamento Proposta de Orçamento do Estado para 2016 - Proposta de Lei no. 12/XIII. Apresentamos aqui as principais medidas de natureza fiscal propostas neste diploma.

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

Aplicação das IFRS/IAS à Determinação do Lucro no IRC

Aplicação das IFRS/IAS à Determinação do Lucro no IRC Aplicação das IFRS/IAS à Determinação do Lucro no IRC Fernando Carreira Araújo Universidade Católica de Lisboa 20 de Abril de 2009 1 A tributação pelo lucro real O regime de dependência parcial do LF face

Leia mais

REFORMA DO IRC. Janeiro de 2014

REFORMA DO IRC. Janeiro de 2014 Janeiro de 2014 REFORMA DO IRC Foi hoje publicada em Diário da República a Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro, que introduz profundas alterações ao Código do IRC, com o intuito de simplificar e modernizar

Leia mais

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal como plataforma de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM

Leia mais

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 O Bloco de Esquerda apresentou um conjunto de propostas sobre a política fiscal, que permitiriam gerar 960 milhões de euros

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 219 12 de novembro de 2014 5759 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 101/2014 de 12 de novembro O Presidente da República decreta, nos termos

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares IRS

Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares IRS Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares IRS Regulamentação e Tabelas de retenção na fonte do IRS Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas IRC Estatuto dos Benefícios

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 175/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 175/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 175/XII Exposição de Motivos A reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC) é uma prioridade do Governo desde o início da legislatura. Esta reforma consta, desde

Leia mais

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC.

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC. O presente resumo não dispensa a consulta dos respectivos diplomas legais, referentes a cada um dos programas. A sua leitura e análise é essencial para o devido enquadramento de cada caso específico. RFAI

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 Lei do Orçamento de Estado para 2015, Reforma da Tributação das Pessoas Singulares, Reforma da Fiscalidade Verde e Outras Alterações Legislativas Relevantes 1. Introdução

Leia mais

Fiscalidade para empresas Portuguesas que pretendem investir na China

Fiscalidade para empresas Portuguesas que pretendem investir na China Paulo Núncio Sócio da Garrigues Lisboa Fiscalidade para empresas Portuguesas que pretendem investir na China Ordem dos Economistas Lisboa, 23 de Março de 2011 Investir na China internacionalização Internacionalização

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013 Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas A presente informação técnica substitui a informação 27/2008,

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Diário da República, 1.ª série N.º 73 12 de abril de 2012 1813

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Diário da República, 1.ª série N.º 73 12 de abril de 2012 1813 Diário da República, 1.ª série N.º 73 12 de abril de 2012 1813 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 74/2012 de 12 de abril O Presidente da República decreta, nos termos do artigo

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montante expressos em euros) As notas que se seguem foram preparadas de acordo com as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - ÉPOCA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2013 FISCALIDADE CABO-VERDIANA GRUPO I

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - ÉPOCA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2013 FISCALIDADE CABO-VERDIANA GRUPO I GRUPO I Admita que a empresa Locagem, que se dedica Locação de imóveis e venda de motos, determinou no ano anterior um pro rata de 60%, e que durante o mês de Dezembro de 2013 efectuou as seguintes operações:

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC)

Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Proposta de Lei da Reforma do IRC (versão apresentada na AR) Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) No passado dia 15 de Outubro, foi entregue na AR a Proposta de Lei n.º 175/XII,

Leia mais

Regime de Reavaliações

Regime de Reavaliações Regime de Reavaliações DL 31/98 REAVALIAÇÃO DE BENS - LEGISLAÇÃO Permite aos sujeitos passivos do IRS e do IRC reavaliar os elementos do seu activo imobilizado tangível, afectos ao exercício de uma actividade

Leia mais

Artigo 1.º Pessoas visadas

Artigo 1.º Pessoas visadas Resolução da Assembleia da República n.º 39/95 Convenção e o Protocolo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América para Evitar a Dupla Tributação e Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de

Leia mais

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que:

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que: DESTAQUE Novembro de 2010 FISCAL Proposta de alterações aos mecanismos para evitar a dupla tributação económica de dividendos A Proposta de Lei do Orçamento de Estado para 2011 ( Proposta de OE 2011 )

Leia mais

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei Sociedades Desportivas Análise do regime jurídico e fiscal B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal específico das sociedades desportivas

Leia mais

ÍNDICE. IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares... 6

ÍNDICE. IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares... 6 Principais Medidas Fiscais Com Incidência na Actividade Empresarial Lei nº 32-B/32, de 30 de Dezembro de 2002 ÍNDICE IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Conta Especial Emigrante Clientes Particulares, com idade superior a 18 anos, que sejam emigrantes portugueses, de acordo com legislação em vigor. A conta só pode ser co-titulada

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

- Prospecto Informativo -

- Prospecto Informativo - - Prospecto Informativo - Designação Classificação Depósito Valor Crescimento Global USD (doravante referido por o Depósito ). Depósito Indexado Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de

Leia mais

Smile. it`s a tax guide. Guia do IRS 2013. Fevereiro de 2014

Smile. it`s a tax guide. Guia do IRS 2013. Fevereiro de 2014 Smile it`s a tax guide Guia do IRS 2013 Fevereiro de 2014 Índice Guia do IRS 2013 Smile it s a tax guide 3 Principais alterações em 2013 Residentes Não Habituais O ano de 2013 foi marcado pelo maior aumento

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Mutuante Banco BPI, S.A. Sede: Rua Tenente Valadim, 284 4100-476 PORTO Sociedade Aberta, Capital Social 1.293.063.324,98, matriculada na CRCP sob o número

Leia mais

Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium Instrumento de Captação de Aforro Estruturado

Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium Instrumento de Captação de Aforro Estruturado - Prospecto Informativo - I INFORMAÇÃO DE SÍNTESE INSTRUMENTO As Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium constituem um

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (OE 2015) CIRC Artigo 87.º - Taxas n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Artigo 6.º - Sociedades de Profissionais n.º 4, alínea

Leia mais

IVA transmissão de estabelecimento

IVA transmissão de estabelecimento IVA transmissão de estabelecimento É possível, ao abrigo do artigo 3.º, n.º 4 do CIVA transmitir um estabelecimento (isto é, todo o seu activo) de uma sociedade para um empresário em nome individual no

Leia mais

PPR EMPRESAS Informações Pré-Contratuais

PPR EMPRESAS Informações Pré-Contratuais TIPO DE CLIENTE Empresas SEGMENTO-ALVO Este produto destina-se a empresas que pretendam oferecer aos seus colaboradores uma remuneração anual extra, com vantagens fiscais, reflectido num complemento de

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las Notes db Recovery Axa, Facebook & Royal Dutch Shell ISIN: XS0475189113 Emitente:

Leia mais

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 MEMORANDO INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

Orçamento do Estado para 2013

Orçamento do Estado para 2013 Orçamento do Estado para 2013 (versão aprovada na AR) Orçamento do Estado para 2013 O Orçamento do Estado para 2013 já aprovado na Assembleia da República integra um conjunto de medidas fiscais que a seguir

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS A declaração modelo 10 destina-se a declarar os rendimentos sujeitos a imposto,

Leia mais

Reforma do IRC e OE 2014

Reforma do IRC e OE 2014 Fevereiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Payroll IRS e Segurança Social Ameaças Conceito de regularidade

Leia mais

IVA - Renúncia à isenção

IVA - Renúncia à isenção IVA - Renúncia à isenção Determinada empresa tem como objecto social, conforme consta na sua declaração de início de actividade, o CAE 70 120 - Compra, construção e arrendamento, administração e gestão

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª INTRODUZ UM MECANISMO DE SALVAGUARDA DA EQUIDADE FISCAL PARA TODOS OS CONTRIBUINTES E ELIMINA AS ISENÇÕES DE TRIBUTAÇÃO SOBRE MAIS-VALIAS OBTIDAS POR SGPS

Leia mais

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. 2. 3. 4. 5. Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

Guia Fiscal 2014 ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO FISCAL DE PLMJ

Guia Fiscal 2014 ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO FISCAL DE PLMJ Guia Fiscal 2014 ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO FISCAL DE PLMJ Guia Fiscal 2014 1 - IRS O IRS incide sobre os rendimentos auferidos a nível mundial por pessoas singulares residentes fiscais em Portugal. Tratando-se

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO BiG Alocação Fundo Autónomo: BiG Alocação Dinâmica Todos os Investimentos têm risco Entidade gestora: Real Vida Seguros, S.A. Avenida de França, 316 2º, Edifício Capitólio 4050-276 Porto Portugal Advertências

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

QUADRO 07 APURAMENTO DO LUCRO TRIBUTÁVEL

QUADRO 07 APURAMENTO DO LUCRO TRIBUTÁVEL 89 QUADRO 07 APURAMENTO DO LUCRO TRIBUTÁVEL Este Quadro, A PREENCHER SOMENTE pelas entidades que exerçam, a título principal, uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola, QUANDO SUJEITAS

Leia mais

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2014 03 1 DESIGNAÇÃO R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS 01 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 1 2 De / / a / / 02 ÁREA

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO RENDA PREDIAL. (17 de Junho de 2011)

REGULAMENTO DE GESTÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO RENDA PREDIAL. (17 de Junho de 2011) REGULAMENTO DE GESTÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO RENDA PREDIAL (17 de Junho de 2011) A autorização do fundo significa que a CMVM considera a sua constituição conforme com a legislação aplicável,

Leia mais

[Month Direito Year] Fiscal [Subtitle First Page]

[Month Direito Year] Fiscal [Subtitle First Page] [Title 2007 First Page] Um Ano em Revista [Month Direito Year] Fiscal [Subtitle First Page] Grupo de Direito Fiscal A Macedo Vitorino & Associados presta assessoria a clientes nacionais e estrangeiros

Leia mais

Cisão. (Resposta redigida em Abril de 2006) Deste modo, do ponto de vista estritamente contabilístico, atendendo a que todo o projecto foi

Cisão. (Resposta redigida em Abril de 2006) Deste modo, do ponto de vista estritamente contabilístico, atendendo a que todo o projecto foi 60 Consultório Técnico Cisão Uma sociedade anónima concretizou em 31 de Outubro de 2005 uma cisão simples, daí resultando uma outra sociedade por quotas. Sucede que a sociedade cindida tinha na sua contabilidade

Leia mais

Fiscalidade da Empresa Tributação dos Grupos de Empresas

Fiscalidade da Empresa Tributação dos Grupos de Empresas Fiscalidade da Empresa Tributação dos Grupos de Empresas II Congresso de Direito Fiscal Carlos Loureiro 11 de Outubro de 2011 Índice 1. Introdução 2. Desafios e limitações no âmbito da tributação dos Grupos

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC)

Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Reforma do IRC Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Índice Incidência 2 Isenções 2 No passado dia 16 de Janeiro, foi publicada em Diário da República a Lei n.º 2/2014, a qual

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal

III Congresso de Direito Fiscal III Congresso de Direito Fiscal A REFORMA DO SISTEMA FISCAL ANGOLANO Rui Dinis Nascimento Advogado / Consultor Fiscal 25 e 26 de Outubro de 2012 A origem da Reforma Fiscal em Angola resulta de vários factores

Leia mais

Depósito Indexado Depósito EUA TOP 5 Produto Financeiro Complexo

Depósito Indexado Depósito EUA TOP 5 Produto Financeiro Complexo - Prospecto Informativo - Designação Classificação Caracterização do Produto Depósito EUA TOP 5 (doravante referido por o Depósito ). Depósito Indexado Depósito Indexado (o Depósito ), não mobilizável

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO REGRAS E PROCEDIMENTOS TÉCNICOS PARA O CÁLCULO DE BOLSAS DE ESTUDO I. Atento o nº 1 do artigo 10º, o Rendimento anual do agregado

Leia mais