Fwd: Principais Medidas da Proposta para o OE 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fwd: Principais Medidas da Proposta para o OE 2011"

Transcrição

1 1 de :02 Caso não consiga visualizar este correctamente, por favor clique aqui Nota semanal dos diplomas legais e outros documentos publicados com implicações na área da fiscalidade aplicada às empresas e autarquias locais. Distribuição gratuita aos clientes e seus colaboradores, via correio electrónico. Direcção: Abílio Marques - Data de Emissão: 15/10/2010 Principais medidas anunciadas na proposta para o OE 2011 visam o aumento da receita fiscal e a redução da despesa fiscal IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (IVA) Aumento da taxa do IVA para 23% e a revisão das listas de bens e serviços anexas ao código do IVA, às quais se aplicam a taxa reduzida (6%) e taxa intermédia (13%). Exemplos de Produtos que passam da taxa de 6% para a taxa de 23%: Leites chocolatados, aromatizados, vitaminados ou enriquecidos; Bebidas e sobremesas lácteas e de soja; Refrigerantes, sumos e néctares de frutos ou de produtos hortícolas, incluindo os xaropes de sumos, as bebidas concentradas de sumos e os produtos concentrados de sumos; Utensílios e outros equipamentos exclusiva ou principalmente destinados ao combate e detecção de incêndios; Ginásio e demais despesas com a prática de actividades físicas e desportivas; Publicações desportivas e Revistas recreativas; Livros, folhetos ou outras publicações (a confirmar se sobe para 13% ou para 23%). Exemplos de Produtos que passam de taxa de 13% para a taxa de 23%: Conservas de moluscos; Conservas de frutas ou frutos, designadamente em molhos, salmoura ou calda e suas compotas, geleias, marmeladas ou pastas; Conservas de produtos hortícolas, designadamente em molhos, vinagre ou salmoura e suas compotas; Óleos directamente comestíveis e suas misturas (óleos alimentares), margarinas de origem animal e vegetal; Aperitivos à base de produtos hortícolas e sementes; Aperitivos ou snacks à base de estrudidos de milho e trigo, à base de milho moído e frito ou de fécula de batata, em embalagens individuais; Flores de corte, folhagem para ornamentação e composições florais decorativas. Exceptuam-se as flores e folhagens secas e as secas tingidas; Plantas ornamentais; Peixe e fruta não transformados (a aguardar confirmação). Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Dividendos pagos a entidades residentes em Estado Membro da UE, EEE e seus estabelecimentos estáveis A isenção de IRC relativa a dividendos pagos por sociedades residentes em território português a entidades residentes noutro Estado-Membro da UE, EEE deixa de ser aplicável às participações sociais inferiores a 10% (actualmente, podem beneficiar desta isenção os dividendos resultantes de participações sociais inferiores a 10% cujo valor de aquisição seja igual ou superior a ). Certamente por lapso foi omitida a referência à aplicação da isenção aos dividendos pagos a estabelecimentos estáveis de entidades residentes noutro Estado-membro da UE situados no EEE.

2 2 de :02 Perdas por imparidade fiscalmente dedutíveis Passam a ser dedutíveis as perdas por imparidade relativas a créditos que tenham sido reclamados em tribunal arbitral. Créditos incobráveis Passam a ser dedutíveis as perdas relativas a créditos considerados incobráveis resultantes da prestação de serviços públicos essenciais desde que reconhecidos em resultado de decisões de tribunal arbitral ou, caso se encontrem prescritos, o valor não ultrapasse o montante de 750. A dedutibilidade das perdas relativas a créditos considerados incobráveis passa a ficar dependente da existência de prova de comunicação ao devedor da anulação da dívida. Menos-valias relativas a partes de capital Passam a não ser dedutíveis as menos-valias e outras perdas relativas a partes de capital na parcela que corresponda aos lucros distribuídos que tenham beneficiado da aplicação do mecanismo da dupla tributação económica nos últimos quatro anos. Regime do reinvestimento dos valores de realização Passam a não poder beneficiar do regime do reinvestimento dos valores de realização as mais-valias apuradas na alienação de participações sociais inferiores a 10% (actualmente, podem beneficiar deste regime as mais-valias relativas a participações sociais inferiores a 10% cujo valor de aquisição seja igual ou superior a ). Eliminação da dupla tributação económica Passam a não poder beneficiar de isenção de IRC os dividendos resultantes de participações sociais inferiores a 10% (actualmente, beneficiam desta isenção os dividendos provenientes de participações sociais inferiores a 10% cujo valor de aquisição seja igual ou superior a ). A aplicação da isenção de IRC aos dividendos pagos a SGPS passa a estar igualmente sujeita ao requisito de tributação efectiva dos lucros nos quais tenham origem. Deixam de estar isentos de IRC os dividendos distribuídos a SGPS, a SCR e a ICR que respeitem a participações sociais inferiores a 10% (actualmente, esta isenção é aplicável a estas entidades independentemente da percentagem de participação). É afastada a aplicação do mecanismo da eliminação da dupla tributação económica que permite a dedução de 50% dos dividendos distribuídos por sociedades residentes em Portugal ou noutro Estado-membro da UE ou do EEE, que não cumprem os requisitos para beneficiar da dedução de 100%. Dedução de prejuízos fiscais O reporte de prejuízos fiscais passa a estar sujeito a certificação legal das contas por parte de um Revisor Oficial de Contas, ao abrigo a definir por portaria do Ministro das Finanças. O requerimento a solicitar a manutenção do direito à dedução de prejuízos fiscais nas situações de alteração da titularidade de, pelo menos, 50% do capital social em resultado de operações de fusão, cisão ou entrada de activos realizadas no âmbito do regime da neutralidade fiscal passa a poder ser apresentado até ao final do mês seguinte ao do pedido de registo da operação na conservatória do registo comercial. Sempre que estejam em causa prejuízos fiscais relativos ao período de tributação anterior ao da ocorrência dos factos que determinam a perda do direito à sua dedução e estes ocorram antes do termo do prazo de entrega da respectiva declaração de rendimentos, o requerimento pode ser apresentado até quinze dias após o prazo para a entrega da declaração (ou a data da respectiva entrega, se anterior). Refira-se que esta alteração tem natureza interpretativa. Pessoas colectivas e outras entidades residentes que não exerçam, a título principal, uma actividade comercial, industrial ou agrícola É reduzido de seis para quatro anos o período de reporte dos prejuízos fiscais e menos-valias apurados por pessoas colectivas e outras entidades residentes que não exerçam, a título principal, uma actividade comercial, industrial ou agrícola. Taxas É incrementada de 20% para 21,5% a taxa de retenção na fonte aplicável aos rendimentos de títulos de dívida e outros rendimentos de capitais não expressamente tributados a taxa diferente, auferidos por entidades que não tenham sede nem direcção efectiva em território português e aí não possuam estabelecimento estável ao qual os mesmos sejam imputáveis. Passam a ser sujeitos a tributação à taxa de 46,5% os rendimentos de capitais auferidos por entidades que não tenham sede nem direcção efectiva em território português e aí não possuam estabelecimento estável ao qual os mesmos sejam imputáveis, que sejam pagos ou colocados à disposição em contas abertas em nome de um ou mais titulares mas por conta de terceiros não identificados. É incrementada de 20% para 21,5% a taxa aplicável ao rendimento global de entidades com sede ou direcção efectiva em território português que não exerçam, a título principal, actividades de natureza comercial, industrial ou agrícola. É incrementada de 20% para 21,5% a taxa de retenção na fonte relativa a remunerações auferidas na qualidade de membro de órgãos estatutários de pessoas colectivas e outras entidades. Taxas de tributação autónoma Os encargos com viaturas ligeiras de passageiros ou mistas passam a ser sujeitos a tributação autónoma independentemente de serem ou não dedutíveis. Os encargos com viaturas ligeiras de passageiros ou mistas cujo custo de aquisição seja superior ao montante definido por Portaria do Ministro das Finanças passam a ser sujeitos a tributação autónoma à taxa de 20% (actualmente, esta taxa é apenas aplicável a sujeitos passivos que apresentem prejuízos fiscais nos dois períodos de tributação anteriores àquele a que os encargos respeitem). É incrementada de 5% para 10% a taxa de tributação autónoma dos encargos respeitantes a viaturas ligeiras de passageiros ou mistas cujos níveis homologados de emissão de CO2sejam inferiores a 120g/Km, no caso de serem movidos a gasolina, e inferiores a 90 g/km, no caso de serem movidos a gasóleo. Todas as taxas de tributação autónoma passam a ser elevadas em 10% quando o sujeito passivo apresente prejuízo fiscal no período de tributação em que ocorram os factos que dão origem à tributação autónoma.

3 3 de :02 Resultado da liquidação A dedução de benefícios fiscais passa a não poder resultar num montante de IRC liquidado inferior a 90% (anteriormente 75%) daquele que seria apurado na ausência daqueles benefícios. Passam a estar excluídos deste regime apenas os benefícios fiscais: (i) às Zonas Francas; (ii) que operem por redução de taxa; (iii) à criação de emprego; (iv) decorrentes do regime aplicável às SGPS, SCR e ICR e (v) decorrentes da aplicação do mecanismo de eliminação da dupla tributação económica dos lucros distribuídos por sociedades residentes nos países africanos de língua oficial portuguesa e na República Democrática de Timor-Leste. Retenção na fonte Direito comunitário Passa a poder ser solicitado à Direcção-Geral dos Impostos, pelas entidades residentes noutro Estado membro da UE ou do EEE (desde que exista a obrigação de cooperação administrativa em matéria fiscal equivalente à estabelecida na UE), o reembolso do imposto que seja retido na fonte em Portugal sobre lucros pagos ou colocados à disposição destas entidades, na parte que exceda o que resultaria da aplicação das taxas de IRC e derrama estadual à totalidade dos seus rendimentos, incluindo os obtidos em território português. Este pedido deve ser apresentado no prazo de dois anos contados do final do ano civil seguinte àquele em que se verificou o facto tributário. Pagamento especial por conta Para efeitos da determinação do pagamento especial por conta, o volume de negócios dos bancos, empresas de seguros e outras entidades do sector financeiro para as quais esteja previsto a aplicação de planos de contabilidade específicos, passa a incluir também as comissões de contratos de seguro e operações consideradas como contratos de investimento ou contratos de prestação de serviços. Obrigações contabilísticas das empresas Os suportes digitalizados deixam de constituir uma forma válida de substituição dos livros, registos contabilísticos e respectivos documentos de suporte das empresas. Passa a ser permitido o arquivamento em suporte electrónico das facturas ou documentos equivalentes, dos talões de venda ou de quaisquer outros documentos com relevância fiscal, emitidos pelo sujeito passivo, desde que processados por computador, nos termos previstos no Código do IVA. Despesas com equipamentos e software de facturação São consideradas perdas por imparidade aceites para efeitos fiscais, sem a obrigatoriedade de obter a aceitação por parte da Direcção-Geral dos Impostos, as desvalorizações excepcionais decorrentes do abate, nos exercícios de 2010 ou 2011, de programas e equipamentos informáticos de facturação que sejam substituídos em consequência da exigência de certificação do software. São consideradas como gasto fiscal, no período de tributação em que sejam suportadas, as despesas com a aquisição, nos anos de 2010 ou 2011, de programas e equipamentos informáticos de facturação certificados. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) Rendimentos do Trabalho Dependente (categoria A) É alargado o âmbito de tributação do subsídio de residência ou de utilização de habitação, passando este rendimento a ser igualmente tributado na esfera dos titulares de órgãos de soberania e na esfera dos trabalhadores a exercer funções públicas. Delimitação negativa de incidência É imposto um limite de 4.192,20 (10 vezes o IAS) à isenção de tributação nos prémios literários, artísticos ou científicos que reúnam as condições para estar isentos de IRS. É estabelecido um limite de 4.192,20 (10 vezes o IAS) à isenção de tributação nas bolsas atribuídas aos desportistas de alto rendimento e aos prémios atribuídos por classificações desportivas relevantes que reúnam as condições de isenção nos termos do Código do IRS. Incidência pessoal Deixam de ser considerados como fazendo parte do conceito de dependentes para efeitos de IRS os filhos, enteados e adoptados que tenham cumprido serviço militar ou serviço cívico. Valor de aquisição a título oneroso de bens imóveis Explicita-se que o valor de aquisição de um imóvel no âmbito de um contrato de locação financeira, corresponde ao somatório do capital incluído nas rendas pagas e do valor pago no exercício do direito de opção, excluído de quaisquer encargos. Pensões (categoria H) O valor da dedução especifica para as pensões de valor anual superior a passa a ser de 6.000, deduzida, até à sua concorrência, de 20% da parte que exceder aquele valor anual (actualmente, esta dedução é de 13% e só é aplicável relativamente a pensões de valor superior a ). Dedução de perdas O reporte das perdas nas categorias B e F e do saldo negativo nas mais e menos-valias é reduzido de 5 para 4 anos. Taxas liberatórias É criada uma taxa liberatória de 46,5%, a aplicar através de retenção na fonte a titulo definitivo, sobre todos os rendimentos que sejam pagos ou colocados à disposição em contas abertas em nome de um ou mais titulares por conta de terceiros não identificados.

4 4 de :02 Taxas especiais É incrementada para 21,5% a taxa especial a aplicar aos rendimentos de capitais devidos por entidades não residentes, quando os mesmos não sejam sujeitos a retenção na fonte. Taxas Gerais São actualizados os escalões em 2,2%, dos quais resulta o seguinte: Os escalões estão actualizados com a Proposta de Orçamento de Estado de 2011 em 14 de Outubro de Deduções à colecta As deduções à colecta a título de encargos com energias renováveis e de encargos com seguros de saúde deixam de estar contempladas no Código do IRS, passando as mesmas a estar contempladas no Estatuto dos Benefícios Fiscais ( EBF ), nos termos e montantes em vigor para O somatório das deduções à colecta passa a ter um limite máximo de dedução em função do escalão de rendimento colectável. A dedução à colecta referente a encargos com pensões de alimentos passa a ter um limite máximo mensal de 2,5 vezes o valor do IAS (1.048,05 ), por beneficiário. As deduções à colecta que constam do EBF e de legislação avulsa passam, igualmente, a ter um limite máximo de dedução em função do escalão de rendimento tributável. Regime transitório O valor das deduções e de limites indexados ao IAS mantêm-se indexados ao salário mínimo nacional até o valor do IAS atingir o montante de 475. Os rendimentos brutos das categorias A, B e H auferidos por sujeitos passivos deficientes são considerados para efeitos de IRS apenas em 90% em 2011, com o limite máximo de exclusão por categoria de rendimento de Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT) Nas dações em cumprimento efectuadas por pessoas singulares que careçam de reconhecimento prévio, passa a ser possível requerer a suspensão da liquidação do IMT até à obtenção de decisão do requerimento submetido para o efeito. Deixam de beneficiar de isenção ou redução de taxa de IMT, os imóveis que, sendo adquiridos para habitação própria e permanente, não sejam afectos a tal fim no prazo de 6 meses. A taxa do IMT na aquisição por comproprietário passa a ser determinada unicamente com referência à parcela a adquirir. Clarifica-se que a isenção do IMT prevista para a aquisição decorrente de contrato de locação financeira se aplica no exercício do direito de opção de compra previsto no respectivo regime jurídico. Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) Passam a estar sujeitos a IMI à taxa de 5% os prédios que sejam propriedade de entidades que tenham domicílio fiscal em território sujeito a regime fiscal claramente mais favorável. Imposto do Selo Outras isenções Passam a encontrar-se isentas deste imposto as aquisições onerosas ou a título gratuito de imóveis por entidades públicas empresariais responsáveis pela rede pública de escolas, destinadas directa ou indirectamente à realização dos seus fins estatutários. Restituição de imposto É revogada a norma relativa à restituição do imposto prevista no Código do Imposto do Selo. Benefícios Fiscais Criação de emprego Este benefício passa a poder ser concedido mais do que uma vez por trabalhador desde que admitido por entidades não

5 5 de :02 relacionadas, nos termos do regime dos preços de transferência estabelecido no Código do IRC. Fundos de investimento Passam a beneficiar da isenção do IMI e do IMT os prédios integrados em fundos imobiliários fechados de subscrição pública. Mais valias realizadas por não residentes É alargada a não aplicação do regime de isenção de tributação das mais valias realizadas por entidades não residentes, às entidades que sejam domiciliadas em país, território ou região com o qual não esteja em vigor uma convenção destinada a evitar a dupla tributação internacional ou um acordo sobre troca de informações em matéria fiscal. Sistema de Incentivos Fiscais em Investigação e Desenvolvimento Empresarial (SIFIDE) É criado o SIFIDE II, que vigorará nos períodos de tributação de 2011 a 2015, em condições semelhantes às actualmente em vigor no âmbito do SIFIDE. Contudo, passam a ser elegíveis as despesas com a execução de projectos de I&D necessários ao cumprimento de obrigações contratuais públicas. Passa a estar prevista a necessidade de requerer autorização ao Ministro das Finanças para a transmissão do crédito fiscal obtido no âmbito do SIFIDE II em resultado de uma operação de reorganização realizada ao abrigo do regime da neutralidade fiscal previsto no Código do IRC. Regime Fiscal de Apoio ao Investimento (RFAI) É estendido até 31 de Dezembro de 2011 o prazo de vigência do RFAI. Medidas excepcionais de apoio ao financiamento da economia Estão previstas medidas excepcionais de apoio ao financiamento da economia no que respeita à tributação de rendimentos decorrentes de empréstimos com intervenção do Estado Português. Procedimento e processo tributário Juros indemnizatórios É alterada a regulamentação aplicável aos juros indemnizatórios devidos pela Administração Tributária no que se refere às entidades e órgãos competentes para o reconhecimento do respectivo direito e em matéria de prazos para a reclamação dos sujeitos passivos, em caso de não pagamento tempestivo. Venda dos bens penhorados São propostas novas regras para a venda de bens penhorados, estabelecendo-se que a venda seja realizada, preferencialmente, por meio de leilão electrónico ou, na sua impossibilidade, de propostas em carta fechada, salvo quando a lei disponha de forma diversa. Procedimento de reclamação graciosa -entidade competente para a decisão da reclamação É atribuída ao director de serviços da área operativa dos serviços centrais de inspecção tributária competência para a decisão sobre a reclamação de actos praticados em consequência de procedimentos inspectivos realizados pelos respectivos serviços. Não obstante, a referida competência pode ser delegada em funcionários qualificados ou nos chefes dos serviços de finanças, cabendo neste último caso ao imediato inferior hierárquico destes a proposta de decisão. Competência territorial para a execução fiscal Prevê-se que, quando tal se justifique, o dirigente máximo do serviço possa, mediante despacho, atribuir ao órgão periférico regional da área do domicílio ou sede do devedor a competência para a execução fiscal. Reclamação da verificação e graduação de créditos no processo de execução fiscal São introduzidas diversas alterações no regime aplicável ao processo de reclamação e verificação de créditos. Neste âmbito, estabelece-se que, ocorrendo reclamação de créditos, a verificação e graduação dos mesmos, que actualmente é da competência dos tribunais tributários, fique a cargo do órgão de execução fiscal. Simultaneamente, confere-se aos credores a possibilidade de reclamarem da verificação e graduação de créditos realizada pelo Serviço de Finanças para o Tribunal Tributário de 1.ª instância. Regime das Infracções Tributárias Concurso de contra-ordenações É retomado o regime de cúmulo material relativamente às sanções aplicadas em concurso de contra-ordenações tributárias. Resumo das Principais Medidas de Consolidação Orçamental - OE 2011

6 6 de :02 A reunião do Conselho de Ministros de 14 de Outubro aprovou a proposta de Orçamento do Estado para 2011, que será, agora, entregue à Assembleia da República. Esta informação foi elaborada com base na proposta de Lei do OE para 2011, sendo de natureza geral e meramente informativa, não se destinando a qualquer entidade ou situação particular, e não não substituiu aconselhamento profissional adequado ao caso concreto. PARA CONSULTAR A DOCUMENTAÇÃO POR FAVOR DIRIJA-SE A ABÍLIO F. MARQUES, CONSULTORIA FISCAL, LDA. Rua João das Regras, 284, 1º, sala 109. Tel.: Fax: PORTO. Endereço electrónico: Se pretende cancelar a sua subscrição da newsletter AFM, por favor envie um para

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2011

ORÇAMENTO DO ESTADO 2011 1 13 Jan 2011 ORÇAMENTO DO ESTADO 2011 NELSON BASTOS REVISOR OFICIAL DE CONTAS 2010-2011: Informação Crítica para a Transição Fiscal Parceiros Institucionais Media Partner 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2011 AGENDA:

Leia mais

Orçamento de Estado 2012

Orçamento de Estado 2012 Orçamento de Estado 2012 Carlos Cunha Prof. Mestrado U. Minho E-mail: carloscunha.roc@sapo.pt 28-12-2011 Carlos A. Silva Cunha AGENDA 1. Como chegamos aqui? 2. OE 2012: Despesas correntes Receitas correntes

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Advocacia e Cidadania

Advocacia e Cidadania REGRA GERAL: SUJEIÇÃO TRIBUTÁRIA (Art. 3.º e 48.º CIRC) IPSS não exercem a título principal uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola Tributadas pelo rendimento global, o qual corresponde

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei Sociedades Desportivas Análise do regime jurídico e fiscal B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal específico das sociedades desportivas

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O I N T R O D U Ç Ã O O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013 Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas A presente informação técnica substitui a informação 27/2008,

Leia mais

Edição Especial OE 2012

Edição Especial OE 2012 06 01 2012 * 1 Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (CIRS) - Art.º 2.º, n.º 3, al. b), 2). Subsídio de refeição Sujeito a tributação em IRS, quando atribuído: (i) em dinheiro, na

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO O Japão e a República Portuguesa, Desejando celebrar

Leia mais

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 O Bloco de Esquerda apresentou um conjunto de propostas sobre a política fiscal, que permitiriam gerar 960 milhões de euros

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL LOE Janeiro 2014. Lei do Orçamento de Estado para 2014

NEWSLETTER FISCAL LOE Janeiro 2014. Lei do Orçamento de Estado para 2014 NEWSLETTER FISCAL LOE Janeiro 2014 Lei do Orçamento de Estado para 2014 1. Introdução No dia 31 de Dezembro de 2013, foi publicada a Lei nº 83-C/2013, que aprova o Orçamento de Estado para 2014. Neste

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B ORÇAMENTO DO ESTADO OE2016 O QUE MUDA? parlamento Proposta de Orçamento do Estado para 2016 - Proposta de Lei no. 12/XIII. Apresentamos aqui as principais medidas de natureza fiscal propostas neste diploma.

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash 16 Janeiro 2014 Reforma do IRC Especial Tax News Flash 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) - Lei da Reforma do IRC Foi publicada a Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro, que aprova a Reforma

Leia mais

ÍNDICE. IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares... 6

ÍNDICE. IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares... 6 Principais Medidas Fiscais Com Incidência na Actividade Empresarial Lei nº 32-B/32, de 30 de Dezembro de 2002 ÍNDICE IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013 Proposta de Orçamento do Estado 2014 e Proposta de Reforma em sede de IRC Novembro de 2013 ORÇAMENTO ESTADO 2013 Proposta de Lei ÍNDICE Imposto sobre o Rendimentos das Pessoas Singulares IRS 4 Segurança

Leia mais

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença 30 Novembro 2012 Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) 4 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 5 Imposto do selo

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 4

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 4 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 4 IV Jurisprudência Nacional 5 V Outras informações 6 NEWSLETTER

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal Direito Fiscal A Reforma do IRC Principais Alterações e Implicações para as Empresas Direito Fiscal 0 Direito Fiscal A Macedo Vitorino & Associados foi constituída em 1996, concentrando a sua actividade

Leia mais

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares.

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. Estamos à sua disposição para o aconselhar em questões

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS A declaração modelo 10 destina-se a declarar os rendimentos sujeitos a imposto,

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC.

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC. O presente resumo não dispensa a consulta dos respectivos diplomas legais, referentes a cada um dos programas. A sua leitura e análise é essencial para o devido enquadramento de cada caso específico. RFAI

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 Última atualização: janeiro 2016 IRS ATÉ AO DIA 11 Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos

Leia mais

OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1

OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1 OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1 OE20111- Um orçamento que vai destruir ainda mais a economia e agravar as desigualdades e as dificuldades

Leia mais

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO Define os elementos que integram o dossier fiscal, aprova novos mapas de modelo oficial e revoga a Portaria n.º 359/2000, de 20 de Junho A Nos termos do artigo 129.º do Código do Imposto sobre o Rendimento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 1436 Diário da República, 1.ª série N.º 48 7 de Março de 2008 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 38/2008 de 7 de Março A aprovação da Lei das Finanças Locais, Lei n.º 2/2007, de 15 de

Leia mais

Orçamento do Estado para 2013

Orçamento do Estado para 2013 Orçamento do Estado para 2013 (versão aprovada na AR) Orçamento do Estado para 2013 O Orçamento do Estado para 2013 já aprovado na Assembleia da República integra um conjunto de medidas fiscais que a seguir

Leia mais

Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009

Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009 PRÁTICA FISCAL II Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009 IMI 1. Os prédios urbanos em ruínas passam a ser equiparados a terrenos de construção para efeitos de avaliação. 2. As

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (OE 2015) CIRC Artigo 87.º - Taxas n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Artigo 6.º - Sociedades de Profissionais n.º 4, alínea

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

Afacturação electrónica mais não é do que

Afacturação electrónica mais não é do que Facturação electrónica É possível a disponibilização da referência ou da legislação relativa à aprovação legal do envio de facturas por correio electrónico em formato PDF ou idêntico? Afacturação electrónica

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

31 Dezembro 2013. OE 2014 Especial Tax News Flash

31 Dezembro 2013. OE 2014 Especial Tax News Flash 31 Dezembro 2013 OE 2014 Especial Tax News Flash Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) 4 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 7 Imposto do Selo 9 Impostos Especiais de Consumo

Leia mais

Lei do Orçamento do Estado para 2014 Principais medidas fiscais. estabelecimento estável neste território, entre outros.

Lei do Orçamento do Estado para 2014 Principais medidas fiscais. estabelecimento estável neste território, entre outros. N.º 02 8 de Janeiro 2014 Lei do Orçamento do Estado para 2014 Principais medidas fiscais Na sequência da divulgação, no passado mês de Outubro, da Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2014, foi

Leia mais

O.E. 2012: PROPOSTAS FISCAIS

O.E. 2012: PROPOSTAS FISCAIS PLMJ Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Outubro 2011 O.E. 2012: PROPOSTAS FISCAIS INDICE I. INTRODUÇÃO 1 II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES 1 III. SEGURANÇA SOCIAL 6 IV.

Leia mais

NOVIDADES E LEMBRANÇAS

NOVIDADES E LEMBRANÇAS NOVIDADES E LEMBRANÇAS Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na semana de 24 a 30 de Janeiro de 2011 1 2 1 - Acesso à informação predial simplificada: - Portaria n.º 54/2011, de

Leia mais

Estatuto dos Benefícios Fiscais. Ver tabela de correspondência dos artigos anteriores à redacção do Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho

Estatuto dos Benefícios Fiscais. Ver tabela de correspondência dos artigos anteriores à redacção do Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho Estatuto dos Benefícios Fiscais Ver tabela de correspondência dos artigos anteriores à redacção do Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho Decreto-Lei n.º 215/89 Artigo 1.º - Aprovação e entrada em vigor

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Caso desejem contactar os profissionais da Ernst & Young em Portugal podem-no fazer dirigindo-se a

Caso desejem contactar os profissionais da Ernst & Young em Portugal podem-no fazer dirigindo-se a Guia Fiscal 2006 GUIA FISCAL 2006 O GUIA FISCAL PORTUGAL 2006 DA ERNST & YOUNG resume as principais normas do regime fiscal Português tal como está em vigor desde 1 de Janeiro de 2006. O conteúdo baseia-se

Leia mais

Lei do Orçamento do Estado para 2015 Principais medidas fiscais

Lei do Orçamento do Estado para 2015 Principais medidas fiscais N.º 01 07 de Janeiro 2015 Lei do Orçamento do Estado para 2015 Principais medidas fiscais Na sequência da publicação da Lei do Orçamento do Estado para 2015 (OE 2015), preparámos um resumo das principais

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS PARTE I - Princípios gerais Artigo 1 - Âmbito de aplicação As disposições da parte I do presente Estatuto aplicam-se aos benefícios fiscais nele previstos, sendo extensivas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 219 12 de novembro de 2014 5759 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 101/2014 de 12 de novembro O Presidente da República decreta, nos termos

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

OE 2009 Alterações Fiscais

OE 2009 Alterações Fiscais OE 2009 Alterações Fiscais A presente Informação Fiscal destina-se a ser distribuída entre Clientes e Colegas e a informação nela contida é prestada de forma geral e abstracta, não devendo servir de base

Leia mais

Orçamento do Estado 2014. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2014.

Orçamento do Estado 2014. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2014. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2014. Audit Tax Advisory Consulting www.crowehorwath.pt Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

http://xiripitu.com.sapo.pt/legis/benef_fiscais/decreto-lei_215-89.htm

http://xiripitu.com.sapo.pt/legis/benef_fiscais/decreto-lei_215-89.htm Page 1 of 18 DATA : Sábado, 1 de Julho de 1989 NÚMERO : 149/89 SÉRIE I EMISSOR : Ministério das Finanças DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 215/89 SUMÁRIO : Aprova o Estatuto dos Benefícios Fiscais PÁGINAS

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE PRISCOS Página 1 de 8 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE PRISCOS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

Artigo 1.º Pessoas visadas

Artigo 1.º Pessoas visadas Resolução da Assembleia da República n.º 39/95 Convenção e o Protocolo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América para Evitar a Dupla Tributação e Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de

Leia mais

OE 2009: Alterações Fiscais State Budget 2009: Tax Amendments Budget de L Etat 2009: Modifications Fiscales Nuno Maya (detalhe), Colecção Fundação PLMJ PLMJ, Advogamos com Valor ÁREA DE DIREITO FISCAL.

Leia mais

Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016 PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2016 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016 A Proposta de Lei do OE para 2016 apresentada pelo Governo à AR integra um conjunto de alterações

Leia mais

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n. o 84/2000 Aprova, para ratificação, a Convenção entre a República Portuguesa

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS (Actualizado em Janeiro de 2008) Aprovado pelo Decreto-Lei nº 215/89, de 1 de Julho Última alteração Decreto-Lei nº 13/2008, de 18 de Janeiro DECRETO-LEI Nº 215/89, DE 1

Leia mais

IVA e IEC na Proposta do OE 2005 PricewaterhouseCoopers Susana Caetano

IVA e IEC na Proposta do OE 2005 PricewaterhouseCoopers Susana Caetano IVA e IEC na Proposta do OE 2005 PricewaterhouseCoopers Susana Caetano Na proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2005 propõe-se a introdução de algumas alterações relevantes e de autorizações legislativas

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

CAPÍTULO I Incidência Artigo 1.º Artigo 1.º Pressuposto do imposto Pressuposto do imposto Artigo 2.º Artigo 2.º Sujeitos passivos Sujeitos passivos

CAPÍTULO I Incidência Artigo 1.º Artigo 1.º Pressuposto do imposto Pressuposto do imposto Artigo 2.º Artigo 2.º Sujeitos passivos Sujeitos passivos Anterior Código IRC Artigo 1.º Pressuposto do imposto O imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas (IRC) incide sobre os rendimentos obtidos, mesmo quando provenientes de atos ilícitos, no período

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - ÉPOCA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2013 FISCALIDADE CABO-VERDIANA GRUPO I

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - ÉPOCA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2013 FISCALIDADE CABO-VERDIANA GRUPO I GRUPO I Admita que a empresa Locagem, que se dedica Locação de imóveis e venda de motos, determinou no ano anterior um pro rata de 60%, e que durante o mês de Dezembro de 2013 efectuou as seguintes operações:

Leia mais

Estatuto dos Benefícios Fiscais

Estatuto dos Benefícios Fiscais Ver tabela de correspondência dos artigos anteriores à redacção do Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho Decreto-Lei n.º 215/89 Artigo 1.º - Aprovação e entrada em vigor Artigo 2.º - Regime transitório

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 A Lei n.º 64-B/2011, publicada na Série I - 1º Suplemento do DR de 30.11.2011, aprovou o Orçamento do Estado para 2012 e entrou em vigor no dia 1 de Janeiro. O diploma ostenta

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA Í N D I C E Preâmbulo Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Taxas Capítulo III Liquidação Capítulo IV - Disposições Gerais Anexo

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de janeiro Estado: vigente. Resumo:

Leia mais

Flash fiscal Memorando de Entendimento Principais medidas fiscais 13 Maio de 2011

Flash fiscal Memorando de Entendimento Principais medidas fiscais 13 Maio de 2011 www.pwc.com/ptpt Flash fiscal Memorando de Entendimento Principais medidas fiscais 13 Maio de 2011 Foi divulgado o Memorando de Entendimento entre o Português, a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 Lei do Orçamento de Estado para 2015, Reforma da Tributação das Pessoas Singulares, Reforma da Fiscalidade Verde e Outras Alterações Legislativas Relevantes 1. Introdução

Leia mais

O Planeamento das Grandes Empresas

O Planeamento das Grandes Empresas O Planeamento das Grandes Empresas A REFORMA DO IRC: PERSPECTIVAS E CONTRADIÇÕES Universidade Católica Portuguesa Ricardo da Palma Borges Lisboa, 29 de Outubro de 2013 1 Introdução e generalidades Entre

Leia mais

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Dezembro de 2015 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE GALEGOS Em conformidade com o disposto na alínea d) do n.º 1 do artigo 9.º, conjugada

Leia mais

Decreto-Lei n.º 287/2003, de 12 de Novembro. Artigo 28.º Remissões

Decreto-Lei n.º 287/2003, de 12 de Novembro. Artigo 28.º Remissões CÓDIGO DO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (CIMI) (Substitui o Código da Contribuição Autárquica) (Aprovado pelo Decreto-Lei n.º 287/2003, de 12 de Novembro) Nota: A contribuição autárquica considera-se

Leia mais

FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS

FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS Ao abrigo do disposto no artigo 241º da Constituição da Republica Portuguesas, e dos artigos 114º a 119º do Código do Procedimento

Leia mais

Delimitação negativa da incidência

Delimitação negativa da incidência INFORMAÇÃO FISCAL Nº 27 1. No passado dia 11 de Outubro de 2007 foi aprovada, em Conselho de Ministros, a Proposta de Lei do Orçamento de Estado para o ano de 2008 (Proposta de Lei n.º 656/2007, de 11

Leia mais

IVA - Renúncia à isenção

IVA - Renúncia à isenção IVA - Renúncia à isenção Determinada empresa tem como objecto social, conforme consta na sua declaração de início de actividade, o CAE 70 120 - Compra, construção e arrendamento, administração e gestão

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das Taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que conter, sob pena de nulidade, os seguintes

Leia mais

Fiscalidade em Tempo de Crise. Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Lisboa, 6 de Março de 2012

Fiscalidade em Tempo de Crise. Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Lisboa, 6 de Março de 2012 Fiscalidade em Tempo de Crise Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Lisboa, 6 de Março de 2012 Síntese das alterações fiscais contidas na Lei do Orçamento do Estado para 2012 Fiscalidade em

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE MARÇO 2015 Dia 2: IUC: Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação - IUC, relativo aos veículos cujo aniversário

Leia mais

Lei 83-C/2013 ( OE 2014 )

Lei 83-C/2013 ( OE 2014 ) Associação Portuguesa dos Comerciantes de Materiais de Construção Lei 83-C/2013 ( OE 2014 ) Notas sobre alterações ocorridas ao nível do: Imposto SELO IUC, IMI e IMT LGT, CPPT e RGIT Porto 25 março 2014

Leia mais

Assembleia de Freguesia de Rebordões Souto Regulamento e Tabela Geral de Taxas

Assembleia de Freguesia de Rebordões Souto Regulamento e Tabela Geral de Taxas PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais, estabelecendo no Artigo 17.º: «As taxas para as autarquias locais actualmente existentes são revogadas

Leia mais

PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DO ESTADO 2012 ESTATUTO FISCAL COOPERATIVO REVOGAÇÃO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS - ARTIGO 66º-A

PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DO ESTADO 2012 ESTATUTO FISCAL COOPERATIVO REVOGAÇÃO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS - ARTIGO 66º-A PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DO ESTADO 2012 ESTATUTO FISCAL COOPERATIVO REVOGAÇÃO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS - ARTIGO 66º-A A CONFAGRI CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS AGRÍCOLAS E DO CRÉDITO

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

União das Freguesias de Gouveia (S. Pedro e S. Julião)

União das Freguesias de Gouveia (S. Pedro e S. Julião) REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE GOUVEIA (S. PEDRO E S. JULIÃO) PREÂMBULO A Lei nº 73/2013, de 3 de Setembro, veio estabelecer o regime financeiro das Autarquias Locais e das

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Cisão. (Resposta redigida em Abril de 2006) Deste modo, do ponto de vista estritamente contabilístico, atendendo a que todo o projecto foi

Cisão. (Resposta redigida em Abril de 2006) Deste modo, do ponto de vista estritamente contabilístico, atendendo a que todo o projecto foi 60 Consultório Técnico Cisão Uma sociedade anónima concretizou em 31 de Outubro de 2005 uma cisão simples, daí resultando uma outra sociedade por quotas. Sucede que a sociedade cindida tinha na sua contabilidade

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS O que é A que tipo de prédios se aplica Quem tem de pagar IMI Prédios isentos Reconhecimento Tipo de isenção Prédios classificados como monumentos nacionais ou património

Leia mais