SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC. Seminário Crowe Horwath Fevereiro Crowe Horwath International

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC. Seminário Crowe Horwath Fevereiro 2011. 2011 Crowe Horwath International"

Transcrição

1 SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC 1 1

2 APRESENTAÇÃO A revogação do POC e o novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Aspectos fiscais mais relevantes decorrentes da adopção do SNC Adopção pela primeira vez das NCRF Regime Transitório Dossier Fiscal Conclusões 2

3 A REVOGAÇÃO DO POC E O NOVO SISTEMA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) DE 3

4 Regulamento (CE) nº 1606/2002 Estabelece a adopção na UE das normas internacionais de contabilidade (IAS, IFRS e interpretações conexas) Decreto-Lei nº 158/2009, de Aprova o Sistema de Normalização Contabilística (S.N.C.) e revoga o Plano Oficial de Contabilidade (P.O.C.) Decreto-Lei nº 159/2009, de e Decreto-Regulamentar nº 25/2009, de Adaptação das normas fiscais às novas regras contabilísticas 4

5 ASPECTOS FISCAIS MAIS RELEVANTES DECORRENTES DA ADOPÇÃO DO SNC (conforme Preâmbulo do D.L. nº 159/2009) 5

6 1. CONTINUIDADE DO MODELO DE DEPENDÊNCIA PARCIAL 2. CONVERGÊNCIA ENTRE CONTABILIDADE E FISCALIDADE 3. CONTINUIDADE DA SEPARAÇÃO (DA DIVERGÊNCIA ) ENTRE CONTABILIDADE E FISCALIDADE 4. ELIMINAÇÃO DOS CONSTRANGIMENTOS DA FISCALIDADE SOBRE A CONTABILIDADE 6

7 1. Continuidade do modelo de dependência parcial Considerando que a estrutura do CIRC se mostra, em geral, adequada ao acolhimento do novo referencial contabilístico, mantém-se o modelo de dependência parcial para efeitos de apuramento do lucro tributável. 7

8 1. Continuidade do modelo de dependência parcial ADOPÇÃO DO MODELO DE DEPENDÊNCIA PARCIAL DO CIRC O Código do IRC (CIRC) que entrou em vigor em 1 Janeiro de 1989 já estava estruturado, desde a sua origem, segundo o modelo de dependência parcial 8

9 1. Continuidade do modelo de dependência parcial nº 10 do Preâmbulo do CIRC: Dado que a tributação incide sobre o lucro, é natural que a contabilidade, como instrumento de medida, desempenhe um papel essencial como suporte de determinação do lucro tributável. Afastadas uma separação absoluta (dupla contabilidade) ou uma identificação total (lucro contabilístico = lucro tributável), continua a privilegiar-se uma solução que, consiste em fazer reportar, na origem, o lucro tributável ao resultado contabilístico ao qual se introduzem, extracontabilisticamente, as correcções fiscais. 9

10 1. Continuidade do modelo de dependência parcial Determinação do Lucro Tributável (art. 17º, nº 1) RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO + Variações patrimoniais positivas - Variações patrimoniais negativas Valores extraídos da contabilidade + Correcções fiscais aumentativas - Correcções fiscais diminutivas Correcções conforme CIRC = LUCRO TRIBUTÁVEL 10

11 1. Continuidade do modelo de dependência parcial Considerando que a estrutura do CIRC se mostra, em geral, adequada ao acolhimento do novo referencial contabilístico, mantém-se o modelo de dependência parcial para efeitos de apuramento do lucro tributável. Assim, na adaptação do CIRC ao SNC, optou-se por: Manter a ligação estreita entre a contabilidade e a fiscalidade, procedendo-se apenas à adaptação das normas do CIRC às novas normas contabilísticas; Corolário do modelo: Na ausência de norma específica no CIRC, aceita-se para efeitos fiscais a contabilização segundo o SNC 11

12 1. Continuidade do modelo de dependência parcial Determinação do Lucro Tributável (art. 17º, nº 1) RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO + Variações patrimoniais positivas - Variações patrimoniais negativas + Correcções fiscais aumentativas - Correcções fiscais diminutivas Valores extraídos da contabilidade (POC) (SNC) Correcções conforme CIRC adaptado = LUCRO TRIBUTÁVEL (em ambiente SNC) D.L. 159/2009 D. Reg. 25/

13 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade No domínio da aproximação entre contabilidade e fiscalidade, é aceite a aplicação do modelo do justo valor em instrumentos financeiros (NCRF 27) cuja contrapartida seja reconhecida através de resultados, e na valorização dos activos biológicos consumíveis (NCRF 17); 13

14 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade ACEITAÇÃO DO MODELO DO JUSTO VALOR (JV) vs. REVALORIZAÇÃO (R) NCRF # DESIGNAÇÃO SNC CIRC NCRF 6 Activos Intangíveis (R) SIM (OPCIONAL) NÃO NCRF 7 Act. Fixos Tangíveis (R) SIM (OPCIONAL) NÃO NCRF 8 Act. não Corr. Detidos para Venda (JV) SIM (OBRIGATÓRIO) (se JV<V.L.Contab.) NÃO NCRF 11 Propriedades Investimento (JV) SIM (OPCIONAL) NÃO NCRF 14 Concentração Activid. Empresariais (JV) SIM (OBRIGATÓRIO) NÃO (se neutralidade fiscal) (Método Comunhão Interesses) NCRF 17 Agricultura (JV) SIM (OBRIGATÓRIO) SIM (Act.Biológ. Consum.) NÃO (Act. Biológ. Produç.) NCRF 27 Instrumentos Financ. (Act. fin. a JV p/result.) SIM (OBRIGATÓRIO) SIM (com excepção se ICP > 5% capital) 14

15 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade ACEITAÇÃO DO MODELO DO JUSTO VALOR (JV) vs. REVALORIZAÇÃO (R) Conclusão Das 8 NCRF que apelam ao conceito de Justo Valor (JV) vs. Revalorização (R), o CIRC aceita esta mensuração apenas para 2 das normas (NCRF 17 e 27), e, mesmo assim, com limitações. 15

16 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade No domínio da aproximação entre contabilidade e fiscalidade, é aceite a aplicação do modelo do justo valor em instrumentos financeiros (NCRF 27) cuja contrapartida seja reconhecida através de resultados, e na valorização dos activos biológicos consumíveis (NCRF 17); A convergência entre contabilidade e fiscalidade é ainda evidente no acolhimento: Do modelo do custo amortizado (Instrumentos Financeiros); 16

17 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade MODELO DE MENSURAÇÃO CUSTO AMORTIZADO (INSTRUMENTOS FINANCEIROS) Activos financeiros pelo justo valor por via de resultados M: justo valor. Exemplo: títulos detidos para negociação Classificação dos activos financeiros (IAS 39) vs. Modelo de Mensuração (M) Investimentos detidos até à maturidade M: custo ou custo amortizado, menos perdas por imparidade. Exemplo: obrigações não convertíveis Empréstimos concedidos / contas a receber M: custo ou custo amortizado, menos perdas por imparidade. Exemplo: créditos sobre clientes Activos financeiros disponíveis para venda M: justo valor por via de capitais próprios. Exemplo: instrumentos de capital próprio não cotados e cujo justo valor seja de difícil determinação 17

18 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade MODELO DE MENSURAÇÃO CUSTO AMORTIZADO (INSTRUMENTOS FINANCEIROS) SNC CIRC Sim (opcional) Sim (opcional) Convergência SNC/CIRC 18

19 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade No domínio da aproximação entre contabilidade e fiscalidade, é aceite a aplicação do modelo do justo valor em instrumentos financeiros (NCRF 27) cuja contrapartida seja reconhecida através de resultados, e na valorização dos activos biológicos consumíveis (NCRF 17); A convergência entre contabilidade e fiscalidade é ainda evidente no acolhimento: Do modelo do custo amortizado (Instrumentos Financeiros); Do valor realizável líquido (Ajustamentos em Inventários); 19

20 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade VALOR REALIZÁVEL LÍQUIDO (AJUSTAMENTOS EM INVENTÁRIOS) SNC Sim ( 28-33, NCRF18) CIRC Sim (art. 28º, nº2) Definição própria de VRL Convergência SNC/CIRC quanto à aceitação do VRL. Contudo, definição própria no CIRC. De notar que, no caso de materiais e outros consumíveis (Matérias Primas): - NCRF18, 32 VRL = aceita o Custo de Reposição - CIRC VRL = sempre relacionado com o Preço de Venda Logo, poderá (?) não ser fiscalmente aceite o ajustamento em inventários de M.P. 20

21 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade No domínio da aproximação entre contabilidade e fiscalidade, é aceite a aplicação do modelo do justo valor em instrumentos financeiros (NCRF 27) cuja contrapartida seja reconhecida através de resultados, e na valorização dos activos biológicos consumíveis (NCRF 17); A convergência entre contabilidade e fiscalidade é ainda evidente no acolhimento: Do modelo do custo amortizado (Instrumentos Financeiros); Do valor realizável líquido (Ajustamentos em Inventários); Do método da percentagem de acabamento (Contratos de Construção); 21

22 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade MÉTODO DA % DE ACABAMENTO (CONTRATOS DE CONSTRUÇÃO) FASE DE ACABAMENTO SNC CIRC OPÇÕES % DE ACABAMENTO MÉTODO BASEADO NOS CUSTOS TRABALHO EXECUTADO MÉTODO BASEADO NA MEDIÇÃO FÍSICA Sim (opcional) Sim (opcional) Sim (obrigatório) Não Convergência parcial SNC/CIRC PERDAS ESPERADAS RECONHECIDAS IMEDIATAMENTE COMO GASTOS Sim (obrigatório) Não Divergência SNC/CIRC (tal como já acontecia com a D.C.3/CIRC) 22

23 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade No domínio da aproximação entre contabilidade e fiscalidade, é aceite a aplicação do modelo do justo valor em instrumentos financeiros (NCRF 27) cuja contrapartida seja reconhecida através de resultados, e na valorização dos activos biológicos consumíveis (NCRF 17); A convergência entre contabilidade e fiscalidade é ainda evidente no acolhimento: Do modelo do custo amortizado (Instrumentos Financeiros); Do valor realizável líquido (Ajustamentos em Inventários); Do método da percentagem de acabamento (Contratos de Construção); Das provisões para garantias a clientes; 23

24 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade PROVISÕES PARA GARANTIAS A CLIENTES Provisão anual máxima (gasto fiscal no período n ) = V/PS (G) n x % Provisão n O gasto do período n, para efeitos fiscais, não pode exceder : (1) o montante das Vendas e/ou Prestações de Serviços realizadas no período n sujeitas a garantia (G) (2) multiplicada por uma % calculada nos termos seguintes: % Provisão n = EG n-3 + EG n-2 + EG n-1 V/PS (G) n-3 + V/PS (G) n-2 + V/PS (G) n-1 Legenda: V/PS (G) = Vendas e/ou Prestações de Serviços sujeitas a Garantia EG = Encargos efectivos suportados com Garantias 24

25 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade PROVISÕES PARA GARANTIAS A CLIENTES SNC Sim CIRC Sim (com os limites previstos no CIRC) Convergência parcial SNC/CIRC 25

26 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade No domínio da aproximação entre contabilidade e fiscalidade, é aceite a aplicação do modelo do justo valor em instrumentos financeiros (NCRF 27) cuja contrapartida seja reconhecida através de resultados, e na valorização dos activos biológicos consumíveis (NCRF 17); A convergência entre contabilidade e fiscalidade é ainda evidente no acolhimento: Do modelo do custo amortizado (Instrumentos Financeiros); Do valor realizável líquido (Ajustamentos em Inventários); Do método da percentagem de acabamento (Contratos de Construção); Das provisões para garantias a clientes; Da adopção da nova terminologia contabilística; 26

27 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade ADOPÇÃO DA NOVA TERMINOLOGIA CONTABILÍSTICA Até A partir de Existências Proveitos e ganhos Custos e perdas Provisões (bens do activo) Reposição de provisões (bens do activo) Reintegrações e amortizações Imobilizado corpóreo Imobilizado incorpóreo Investimentos em imóveis Reavaliação Resultado Líquido do Exercício Princípio da especialização dos exercícios Inventários / Activos biológicos Réditos / Rendimentos Gastos Ajustamentos / Perdas por imparidade Reversão de ajustamentos / de perdas por imparidade Depreciações e amortizações Activo fixo tangível Activo intangível Propriedades de Investimento Revalorização Resultado Líquido do Período Regime de periodização económica 27

28 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade ADOPÇÃO DA NOVA TERMINOLOGIA CONTABILÍSTICA SNC Sim CIRC Sim, em geral, com pequenas divergências. (p.e., métodos de depreciação e amortização) Convergência quase total SNC/CIRC 28

29 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade No domínio da aproximação entre contabilidade e fiscalidade, é aceite a aplicação do modelo do justo valor em instrumentos financeiros (NCRF 27) cuja contrapartida seja reconhecida através de resultados, e na valorização dos activos biológicos consumíveis (NCRF 17); A convergência entre contabilidade e fiscalidade é ainda evidente no acolhimento: Do modelo do custo amortizado (Instrumentos Financeiros); Do valor realizável líquido (Ajustamentos em Inventários); Do método da percentagem de acabamento (Contratos de Construção); Das provisões para garantias a clientes; Da adopção da nova terminologia contabilística; E ainda, na eliminação de normais fiscais que se tornaram desnecessárias face ao novo normativo contabilístico (p.e., as despesas de investigação/pesquisa consideradas integralmente como gasto fiscal do período); 29

30 2. Convergência entre contabilidade e fiscalidade ELIMINAÇÃO DE NORMAIS FISCAIS DESNECESSÁRIAS FACE À ADOPÇÃO DO SNC POC (até ) CIRC (até ) SNC (desde ) DESPESAS DE INVESTIGAÇÃO VS. PESQUISA Activo amortizável Possível opção por Gasto Gasto GRATIFICAÇÕES DE BALANÇO Diminuição do Resultado retido (no período seguinte ao do Resultado Assembleia Geral) Variação Patrimonial Negativa (do período a que respeita o Resultado) Gasto (do período a que respeita o Resultado) 30

31 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade Existem, no entanto, áreas em que é necessário preservar os interesses e as perspectivas próprias da fiscalidade, mantendo-se diferentes graus de separação relativamente à contabilidade, tais como: Manutenção das características essenciais do regime fiscal das depreciações e amortizações (com as divergências que, em geral, já existiam); 31

32 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade MANUTENÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS DO REGIME FISCAL DAS DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES (COM AS DIVERGÊNCIAS QUE, EM GERAL, JÁ EXISTIAM) MÉTODOS SNC CIRC BASEADOS NO TEMPO - LINHA RECTA - SALDO DECRESCENTE - QUOTAS CONSTANTES - QUOTAS DECRESCENTES BASEADOS NAS UNIDADES FÍSICAS - UNIDADES DE PRODUÇÃO -OUTROS MÉTODOS (mediante reconhecimento prévio da DGI, mantendo-se os períodos máximo e mínimo de vida útil fiscal) Dispensado o reconhecimento, se daí não resultar um valor de depreciação > quota máxima fiscal 32

33 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade MANUTENÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS DO REGIME FISCAL DAS DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES (COM AS DIVERGÊNCIAS QUE, EM GERAL, JÁ EXISTIAM) Até Após (D. Reg. 25/2009) GASTOS COM DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES Só aceites fiscalmente se contabilizados como gastos do período Aceites fiscalmente se contabilizados como gastos do período ou de períodos anteriores (sem exigência de regularização contabilística) 33

34 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade MANUTENÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS DO REGIME FISCAL DAS DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES (COM AS DIVERGÊNCIAS QUE, EM GERAL, JÁ EXISTIAM) Exemplo Máquina com custo de aquisição = ; taxa fiscal máxima = 25% 1 Deixa de ser necessário efectuar a regularização contabilística para considerar o gasto fiscal em

35 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade MANUTENÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS DO REGIME FISCAL DAS DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES (COM AS DIVERGÊNCIAS QUE, EM GERAL, JÁ EXISTIAM) Até Após (D. Reg. 25/2009) QUOTAS PERDIDAS Não aceites fiscalmente Aceites, mediante autorização prévia da DGI 35

36 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade MANUTENÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS DO REGIME FISCAL DAS DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES (COM AS DIVERGÊNCIAS QUE, EM GERAL, JÁ EXISTIAM) Exemplo Máquina com custo de aquisição = ; taxa fiscal máxima = 25% SEM AUTORIZAÇÃO DGI COM AUTORIZAÇÃO DGI 36

37 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade Existem, no entanto, áreas em que é necessário preservar os interesses e as perspectivas próprias da fiscalidade, mantendo-se diferentes graus de separação relativamente à contabilidade, tais como: Manutenção das características essenciais do regime fiscal das depreciações e amortizações (com as divergências que, em geral, já existiam); Manutenção das características essenciais do regime fiscal das ex-provisões e desvalorizações excepcionais (agora perdas por imparidade ) (com as divergências que, em geral, já existiam); 37

38 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade PERDAS POR IMPARIDADE MANUTENÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS EX-PROVISÕES (créditos de cobrança duvidosa) DESVALORIZAÇÕES EXCEPCIONAIS (AFT, AI, ABiol.Prod., Prop. Inv.) AGORA PERDAS POR IMPARIDADE MANUTENÇÃO DO REGIME FISCAL Apenas reenquadramento terminológico (em sintonia com o SNC) LOGO, MANUTENÇÃO DAS DIVERGÊNCIAS QUE, EM GERAL, JÁ EXISTIAM 38

39 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade PERDAS POR IMPARIDADE As Perdas por Imparidade de activos Depreciáveis ou Amortizáveis Não aceites fiscalmente sob o regime das desvalorizações excepcionais São consideradas como gastos, em partes iguais, durante o período de vida útil remanescente do activo Para compensar a menor depreciação/amortização pela relevação contabilística da Perda por Imparidade 39

40 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade PERDAS POR IMPARIDADE Exemplo Máquina com custo de aquisição = ; taxa fiscal máxima = 20% 40

41 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade Existem, no entanto, áreas em que é necessário preservar os interesses e as perspectivas próprias da fiscalidade, mantendo-se diferentes graus de separação relativamente à contabilidade, tais como: Manutenção das características essenciais do regime fiscal das depreciações e amortizações (com as divergências que, em geral, já existiam); Manutenção das características essenciais do regime fiscal das ex-provisões e desvalorizações excepcionais (agora perdas por imparidade ) (com as divergências que, em geral, já existiam); Manutenção das características essenciais do regime das mais-valias e menos-valias fiscais (com as divergências que, em geral, já existiam), alargando-se no entanto o regime do reinvestimento às Propriedades de Investimento ; 41

42 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade MAIS-VALIAS E MENOS-VALIAS FISCAIS (MV/mv) MANUTENÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS DAS MV/mv aplicável a: ACTIVOS FIXOS TANGÍVEIS ACTIVOS INTANGÍVEIS ACTIVOS BIOLÓGICOS DE PRODUÇÃO PROPRIEDADES DE INVESTIMENTO INSTRUMENTOS FINANCEIROS (excepto, se ao Justo Valor p/res. ) Continuidade do Regime de Separação MV/mv CONTABILÍSTICA MV/mv FISCAL LOGO, MANUTENÇÃO DAS DIVERGÊNCIAS QUE, EM GERAL, JÁ EXISTIAM 42

43 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade MAIS-VALIAS E MENOS-VALIAS FISCAIS (MV/mv) MV/mv fiscal = (VR - E) - (VA - Af - PI - OC) x c.d.m. Alteração Legenda: VR = Valor de realização; E = Encargos de venda; VA = Valor de aquisição ou, no caso dos imóveis, o VPT (se superior); Af = Amortizações fiscais; PI = Perdas por imparidade fiscalmente aceites ( desvalorizações excepcionais aceites pela DGI); OC = Outras correcções de valor previstas no artigo 35º do CIRC (Perdas por imparidade / desvalorizações excepcionais não fiscalmente aceites); c.d.m. = coeficiente de desvalorização monetária 43

44 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade MAIS-VALIAS E MENOS-VALIAS FISCAIS (MV/mv) Criada nova tipologia de MV/mv Fiscal em Instrumentos Financeiros (IF) (art. 46º, nº5, alínea b) Assimila-se a transmissão onerosa (logo, a MV/mv fiscal) Por motivo de reclassificação contabilística (p.e., mudança JV p/res. vs. MEP ) MUDANÇA NO MODELO DE VALORIZAÇÃO EM IF (PARA EFEITOS FISCAIS) Instrumentos de Capital Próprio (ICP), cotados em bolsa, mensurados a JV p/res., caso: (1) se passe a deter mais (ou menos) de 5% do capital social; ou, (2) se os ICP deixarem de estar cotados. 44

45 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade MAIS-VALIAS E MENOS-VALIAS FISCAIS (MV/mv) % CAPITAL SOCIAL DA EMPRESA X CARTEIRA DE ACÇÕES DETIDAS DA EMPRESA X SEGUE REGIME CIRC (SEPARAÇÃO TOTAL) MV/mv 5 % SEGUE REGIME SNC (IDENTIDADE) JV P/RESULT. MUDANÇA DE REGIME FISCAL Nº ACÇÕES DA EMPRESA X (COTADAS EM BOLSA) FICCIONA-SE UMA MV/mv FISCAL CONTUDO MV fiscal tributável mv fiscal não dedutível (!?) 45

46 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade MAIS-VALIAS E MENOS-VALIAS FISCAIS (MV/mv) Exemplo (mudança no modelo de valorização para efeitos fiscais) Em a empresa SNC adquiriu acções da empresa Cotada (as quais representavam 4% do seu capital social) pelo valor de , a título de aplicação financeira visando a obtenção de mais-valias bolsistas. A cotação das acções em era de 20/acção. Posteriormente, em , a empresa SNC procede à aquisição de mais acções da mesma empresa, pelo valor de , o que lhe permite passar a deter 6% do capital da empresa Cotada. Pretende-se: Conhecer o tratamento contabilístico e fiscal destas operações na empresa SNC 46

47 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade MAIS-VALIAS E MENOS-VALIAS FISCAIS (MV/mv) Exemplo Proposta de tratamento contabilístico 47

48 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade Exemplo Proposta de tratamento fiscal MAIS-VALIAS E MENOS-VALIAS FISCAIS (MV/mv) O ganho registado na conta 771 Ganhos por aumento do justo valor ( ) releva para efeitos fiscais, atendendo a que em a empresa SNC detém uma participação não superior a 5% no capital da empresa Cotada e estas acções estão cotadas; Em 2011, face à alteração dos pressupostos previstos no artº 18º, nº 9, al. a) do CIRC (isto é, a empresa SNC passou a deter mais de 5% do capital da empresa Cotada ), dever-se-á proceder ao cálculo da mais valia fiscal assimilada, a qual deverá ser acrescida ao lucro tributável. 48

49 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade Exemplo Proposta de tratamento fiscal MAIS-VALIAS E MENOS-VALIAS FISCAIS (MV/mv) MV/mv fiscal (assim.) = V. Realização V. Aquisição = = Em que, o valor de realização (ficcionado) equivale ao valor de cotação das acções àquela data, portanto ( x 25), e o valor de aquisição será o correspondente ao último valor escriturado com relevância fiscal (neste caso , escriturado pelo justo valor em ). O valor fiscal unitário das acções detidas ascende a

50 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade Existem, no entanto, áreas em que é necessário preservar os interesses e as perspectivas próprias da fiscalidade, mantendo-se diferentes graus de separação relativamente à contabilidade, tais como: Manutenção das características essenciais do regime fiscal das depreciações e amortizações (com as divergências que, em geral, já existiam); Manutenção das características essenciais do regime fiscal das ex-provisões e desvalorizações excepcionais (agora perdas por imparidade ) (com as divergências que, em geral, já existiam); Manutenção das características essenciais do regime das mais-valias e menos-valias fiscais (com as divergências que, em geral, já existiam), alargando-se no entanto o regime do reinvestimento às Propriedades de Investimento ; O rédito de vendas e prestações de serviços a incluir no lucro tributável é sempre o valor nominal da contraprestação recebida. 50

51 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade RÉDITO DE VENDAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS NCRF 20 Valor nominal do rédito resultante de vendas ou prestações de serviços Quando a respectiva retribuição (em dinheiro) for diferida no tempo, o justo valor poderá ser inferior ao valor nominal, devendo então equivaler ao valor presente (ou descontado) dos fluxos financeiros a receber: Justo Valor das vendas / prest. serviços + Rédito de juros Diferença entre o V.N. e JV Tratamento fiscal (Art. 18º, nº 5 do CIRC): Sempre considerado pelo seu valor nominal 51

52 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade Exemplo RÉDITO DE VENDAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS Em Janeiro de 2010 a empresa SNC, produtora de equipamentos industriais, procedeu à venda de uma máquina pelo valor de Foram estabelecidas com o cliente as seguintes condições de pagamento: 40% no momento da emissão da factura ( ); 30% um ano após a emissão da factura ( ); Restantes 30% dois anos após a emissão da factura ( ). Pretende-se: Determinar o tratamento contabilístico e fiscal do rédito da presente operação, considerando, para o efeito, o período de diferimento temporal do respectivo pagamento e uma taxa anual nominal de desconto de 3%. 52

53 3. Continuidade da separação (da divergência ) entre contabilidade e fiscalidade Exemplo RÉDITO DE VENDAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS 53

54 4. Eliminação dos constrangimentos da fiscalidade sobre a contabilidade Houve a preocupação de eliminar os constrangimentos sobre a contabilidade decorrentes da legislação fiscal, nomeadamente: Em sede do regime de neutralidade fiscal em operações de reestruturação societária (fusões, cisões e entradas de activos); 54

55 4. Eliminação dos constrangimentos da fiscalidade sobre a contabilidade NEUTRALIDADE FISCAL (FUSÕES, CISÕES E ENTRADAS DE ACTIVOS) Transmissão dos elementos patrimoniais SNC (contabilidade) MÉTODO DA COMPRA a valor de mercado CIRC (Dossier fiscal) MÉTODO DA COMUNHÃO DE INTERESSES a valor contabilístico Apuramento do resultado na transmitente? Sim Não (Resultado = 0) (tributação diferida) Apuramento de MV/mv para os sócios da transmitente? Reconhecimento do goodwill na compradora? Sim Sim Não (tributação diferida) Não (não existe goodwill) Goodwill = Custo (Preço) da Concentração - J.V. dos activos, passivos e passivos contingentes adquiridos 55

56 4. Eliminação dos constrangimentos da fiscalidade sobre a contabilidade Houve a preocupação de eliminar os constrangimentos sobre a contabilidade decorrentes da legislação fiscal, nomeadamente: Em sede do regime de neutralidade fiscal em operações de reestruturação societária (fusões, cisões e entradas de activos); No âmbito da aquisição de direitos reais sobre bens imóveis - artigo 64º (ex-58º-a) 56

57 4. Eliminação dos constrangimentos da fiscalidade sobre a contabilidade AQUISIÇÃO DE DIREITOS REAIS SOBRE BENS IMÓVEIS Valorização, para efeitos fiscais, do custo de aquisição de bens imóveis O VPT definitivo se > custo histórico ou de aquisição Artigo 64º (ex-58º-a) Até Só relevava para efeitos fiscais no adquirente se o imóvel fosse registado na contabilidade pelo VPT A partir de Releva sempre para efeitos fiscais no adquirente, ainda que mensurado pelo seu custo de aquisição DOSSIER FISCAL 57

58 ADOPÇÃO PELA PRIMEIRA VEZ DAS NCRF REGIME TRANSITÓRIO 58

59 ADOPÇÃO PELA PRIMEIRA VEZ DAS NCRF REGIME TRANSITÓRIO NCRF 3, 8 Os ajustamentos resultantes da adopção, pela 1ª vez, das NCRF, derivam de acontecimentos e transacções anteriores à data de transição para as NCRF, pelo que tais ajustamentos deverão ser reconhecidos directamente nos capitais próprios. Impacto fiscal (Artigo 5º do DL 159/2009) Os referidos ajustamentos, se forem fiscalmente relevantes, concorrem, em partes iguais, para a formação do lucro tributável do 1º período de tributação em que se apliquem aquelas normas e dos 4 períodos seguintes. DOSSIER FISCAL 59

60 ADOPÇÃO PELA PRIMEIRA VEZ DAS NCRF REGIME TRANSITÓRIO Exemplo (tratamento contabilístico em ) 60

61 ADOPÇÃO PELA PRIMEIRA VEZ DAS NCRF REGIME TRANSITÓRIO Exemplo (tratamento fiscal Art. 5º, nº 1 do DL 159/2009) 61

62 ADOPÇÃO PELA PRIMEIRA VEZ DAS NCRF REGIME TRANSITÓRIO Exemplo (tratamento fiscal Art. 5º, nº 1 do DL 159/2009) 62

63 DOSSIER FISCAL 63

64 Novas obrigações legais de documentação no Dossier Fiscal: Art. 78º, nº4 Regime de neutralidade fiscal (irá agir como dupla contabilidade ) Art. 64º, nº5 DOSSIER FISCAL (Dossier Fiscal conterá a relação dos elementos patrimoniais transferidos, incorporados na contabilidade da beneficiária por valores diferentes dos aceites para efeitos fiscais, evidenciando ambos os valores, e fazendo o acompanhamento desses elementos enquanto não forem alienados, transferidos ou extintos pela beneficiária) Correcção ao valor de transmissão de direitos reais sobre imóveis D.L. 159/2009, Art. 5º, nº3 Ajustamentos decorrentes do Regime Transitório para o SNC 64

65 DOSSIER FISCAL Outras situações necessárias de controlar e demonstrar em virtude das diferenças/divergências de tratamento SNC/CIRC JV/Revalorização vs. Custo diferentes critérios de mensuração VRL ajustamentos em Inventários % acabamento vs. medição física Contratos de Construção Provisão económica vs. Fiscal nova provisão para Garantias a Clientes Depreciações/Amortizações contabilísticas vs. Fiscais: Ajustamentos decorrentes da adopção do modelo de revalorização Ajustamentos decorrentes do método de unidades de produção ou da definição económica de uma vida útil não aceite fiscalmente Ajustamentos decorrentes do reconhecimento de perdas de imparidade vs. desvalorizações excepcionais não aceites MV/mv manutenção do modelo de separação total contabilidade/fiscalidade, com criação de uma nova tipologia de MV/mv em I.F. ao JV p/ Resultados Rédito valor actual ou descontado vs. valor nominal 65

66 CONCLUSÕES 66

67 Conclusões - Relação Contabilidade/Fiscalidade na adopção do SNC CONVERGÊNCIA DIVERGÊNCIA CUSTO AMORTIZADO NOVA TERMINOLOGIA SNC DESPESAS DE PESQUISA GRATIFICAÇÕES BALANÇO VALOR REALIZÁVEL LÍQUIDO % ACABAMENTO NOVA MV/mv FICCIONADA RÉDITO (Vendas/P. Serv.) CONCENTRAÇÕES EMPRESARIAIS (NEUTRALIDADE FISCAL) DIREITOS REAIS SOBRE IMÓVEIS ADOPÇÃO PELA 1ª VEZ (REGIME TRANSITÓRIO) JUSTO VALOR/REVALORIZAÇÃO PROV. PARA GARANTIAS CLIENTES?? DEPRECIAÇÕES/AMORTIZAÇÕES (ECONÓMICAS VS FISCAIS) CONTABILIZAÇÃO ANOS ANTERIORES OUTROS MÉTODOS ACEITES SEM AUTORIZAÇÃO DA DGI SE NÃO EXCEDEREM QUOTA MÁXIMA QUOTAS PERDIDAS POSSÍVEL AUTORIZAÇÃO DA DGI? 67

68 Ajustamentos Fiscais por diferenças SNC/CIRC Na sua maioria de carácter temporário, por serem reconhecidos em períodos distintos para efeitos contabilísticos vs. fiscais; logo, Impostos Diferidos Conclusões Podemos assim concluir que o modelo adoptado SNC/CIRC terá, entre outras, como principais consequências fiscais: Número de Normas Fiscais Procurando compatibilizar a enorme divergência entre os objectivos do IRC (cobrança de receitas) e os pressupostos do SNC (informação ao mercado); logo, 68

69 Conclusões Podemos assim concluir que o modelo adoptado SNC/CIRC terá, entre outras, como principais consequências fiscais: Da diferença entre Resultado Contabilístico / Lucro Tributável Do número de linhas do Quadro 07 da Declaração Mod.22 do IRC (de 49 para 82 linhas, conforme o novo Modelo 22) Dossier Fiscal ( documentação de ajustamentos e volume) Complexidade técnica das Auditorias Fiscais e Inspecções Fiscais Litigiosidade entre as Empresas e a Administração Fiscal Custos Compliance Fiscal para as empresas 69

70 MUITO OBRIGADO PELA VOSSA PRESENÇA! 70

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

ALTERAÇÕES AO IRC BRAGA, 13 DE NOVEMBRO DE 2009

ALTERAÇÕES AO IRC BRAGA, 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Mário Guimarães1 ALTERAÇÕES AO IRC BRAGA, 13 DE NOVEMBRO DE 2009 1. Introdução MÁRIO DA CUNHA GUIMARÃES (ROC, TOC, Docente do IPCA, Consultor Fiscal) uimaraes@jmmsroc.pt www.jmmsroc.pt ÍNDICE Mário Guimarães2

Leia mais

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO (5.ª Edição) Actualização N.º 5 Códigos Tributários Edição de Bolso 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização N.º 5 BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO Define os elementos que integram o dossier fiscal, aprova novos mapas de modelo oficial e revoga a Portaria n.º 359/2000, de 20 de Junho A Nos termos do artigo 129.º do Código do Imposto sobre o Rendimento

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montante expressos em euros) As notas que se seguem foram preparadas de acordo com as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei Sociedades Desportivas Análise do regime jurídico e fiscal B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal específico das sociedades desportivas

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Adaptação do Código do IRC. aos. novos normativos contabilísticos

Adaptação do Código do IRC. aos. novos normativos contabilísticos Adaptação do Código do IRC aos novos normativos contabilísticos 2009-04-23 1 Lei n.º 64-A/2008, de 31/12 (OE para 2009) Art.º 74.º Autoriza o Governo a alterar o Código do IRC e legislação complementar

Leia mais

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 13.1 - Aspectos preliminares As demonstrações financeiras consolidadas constituem um complemento e não um substituto das demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

EXERCÍCIO Nº 1 RESOLUÇÃO

EXERCÍCIO Nº 1 RESOLUÇÃO EXERCÍCIO Nº 1 RESOLUÇÃO 1. Ajustamento de Transição Custo de Aquisição = 70.000 Quantia do Capital Próprio em 31/12/N-1 = 140.000 * 40% = 56.000 (demonstrações financeiras mais recentes) Ajustamento de

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O SNC

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O SNC PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O SNC NOTA IMPORTANTE: Com vista a contribuir para a melhor aplicação do Sistema de Normalização Contabilística, a CNC entendeu divulgar um conjunto que questões que lhe têm

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJECTO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA COMISSÃO DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA

APRESENTAÇÃO DO PROJECTO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA COMISSÃO DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA APRESENTAÇÃO DO PROJECTO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA COMISSÃO DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA motivos insuficiência do POC, face a maiores exigências de relato necessidade de revisão técnica

Leia mais

PARTE II - Duração: 2 horas. Leia com atenção as seguintes instruções:

PARTE II - Duração: 2 horas. Leia com atenção as seguintes instruções: PARTE II - Duração: 2 horas Leia com atenção as seguintes instruções: Na folha de respostas escreva o seu nome, o número de membro estagiário e a versão da prova. A não indicação de qualquer um destes

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL "AS COSTUREIRINHAS" CAVERNÃES

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL AS COSTUREIRINHAS CAVERNÃES ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL "AS COSTUREIRINHAS" CAVERNÃES ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/12/2014 Nota - 1 Identificação da entidade 1,1 Associação de Solidariedade Social "As Costureirinhas"

Leia mais

C N INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 2. Assunto: RESERVA FISCAL PARA INVESTIMENTO Cumprimento das obrigações contabilísticas I. QUESTÃO

C N INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 2. Assunto: RESERVA FISCAL PARA INVESTIMENTO Cumprimento das obrigações contabilísticas I. QUESTÃO C N C C o m i s s ã o d e N o r m a l i z a ç ã o C o n t a b i l í s t i c a INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 2 Assunto: RESERVA FISCAL PARA INVESTIMENTO Cumprimento das obrigações contabilísticas I. QUESTÃO

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade PATRIMÓNIO DOS POBRES DA FREGUESIA DE ÍLHAVO 1.2 Sede Av. Manuel da Maia 3830 050 Ílhavo 1.3 NIPC 500876789 1.4 Natureza

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística proposto pela CNC enquanto referencial normativo em Cabo Verde

Sistema de Normalização Contabilística proposto pela CNC enquanto referencial normativo em Cabo Verde Sistema de Normalização Contabilística proposto pela CNC enquanto referencial normativo em Cabo Verde P o r C r i s t i n a G o n ç a l v e s e J o a q u i m S a n t a n a F e r n a n d e s Cabo Verde

Leia mais

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento NCRF 25 Impostos sobre o rendimento Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 12 - Impostos sobre o Rendimento, adoptada pelo texto original

Leia mais

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social ANEXO para as Contas do Ano 2014 1/ IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 / Designação da entidade: OASIS Organização de Apoio e Solidariedade para

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

Regime de Reavaliações

Regime de Reavaliações Regime de Reavaliações DL 31/98 REAVALIAÇÃO DE BENS - LEGISLAÇÃO Permite aos sujeitos passivos do IRS e do IRC reavaliar os elementos do seu activo imobilizado tangível, afectos ao exercício de uma actividade

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

Relatório e Contas 2012

Relatório e Contas 2012 Relatório e Contas 2012 Índice Temático Relatório de Gestão - Balanço e Contas (Balanço, Demonstração de Resultados, Demonstração de Fluxos de Caixa e Mapa de Demonstração das alterações do Capital Próprio)

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4984 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 220/2015 de 24 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

Contabilidade II (LEC110)

Contabilidade II (LEC110) Contabilidade II (LEC110) IV. Consolidação de contas III. Consolidação de Contas 1. Perímetro de consolidação 1º ANO ANO LECTIVO 7/8 1. Perímetro de Consolidação A definição do perímetro de consolidação

Leia mais

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (OE 2015) CIRC Artigo 87.º - Taxas n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Artigo 6.º - Sociedades de Profissionais n.º 4, alínea

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

Aplicação das IFRS/IAS à Determinação do Lucro no IRC

Aplicação das IFRS/IAS à Determinação do Lucro no IRC Aplicação das IFRS/IAS à Determinação do Lucro no IRC Fernando Carreira Araújo Universidade Católica de Lisboa 20 de Abril de 2009 1 A tributação pelo lucro real O regime de dependência parcial do LF face

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA EXPLICADO 3.ª EDIÇÃO

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA EXPLICADO 3.ª EDIÇÃO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA EXLICADO 3.ª EDIÇÃO ATUALIZAÇÃO III Decreto-Lei n.º 64/2013, de 13 de maio O Decreto-Lei n.º 64/2013, de 13 de maio procede à segunda alteração ao Decreto-Lei n.º

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Relatório de Gestão AS ALTA VISTA - Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundo de Investimento Imobiliário Fechado ES ALTA VISTA (CMVM nº 912) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Agenda Evolução de mapas legais Obrigado AGENDA Evolução do Normativo Contabilístico Nacional SNC Demonstrações Financeiras A nova terminologia Dificuldades de transição Siglas SNC: Sistema de Normalização

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO VÍTOR GONÇALVES PROJECTO-EMPREENDEDORISMO ESCS_AULA_4 SLIDE 1

EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO VÍTOR GONÇALVES PROJECTO-EMPREENDEDORISMO ESCS_AULA_4 SLIDE 1 EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO SLIDE 1 Sistemas de Informação na Gestão CONTABILIDADE FINANCEIRA Os sistemas de informação fornecem um conjunto de dados sobre a empresa, que se destina essencialmente

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

IVA transmissão de estabelecimento

IVA transmissão de estabelecimento IVA transmissão de estabelecimento É possível, ao abrigo do artigo 3.º, n.º 4 do CIVA transmitir um estabelecimento (isto é, todo o seu activo) de uma sociedade para um empresário em nome individual no

Leia mais

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash 16 Janeiro 2014 Reforma do IRC Especial Tax News Flash 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) - Lei da Reforma do IRC Foi publicada a Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro, que aprova a Reforma

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO Anexo 10 de Março de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 4 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais Políticas Contabilísticas...

Leia mais

NCRF 8 Activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas

NCRF 8 Activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas NCRF 8 Activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 5 -

Leia mais

ANEXO I DESRECONHECIMENTO

ANEXO I DESRECONHECIMENTO ANEXO I DESRECONHECIMENTO Parte 1 - Enquadramento 1. As instituições devem considerar na avaliação de desreconhecimento dos títulos os requisitos abaixo indicados. 2. Para efeitos do número anterior, as

Leia mais

BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO

BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO Demonstrações Financeiras em 31 de Dezembro de 2010 acompanhadas do Relatório de Auditoria BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 Activo Mais-

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal Direito Fiscal A Reforma do IRC Principais Alterações e Implicações para as Empresas Direito Fiscal 0 Direito Fiscal A Macedo Vitorino & Associados foi constituída em 1996, concentrando a sua actividade

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados 8.2 O Balanço e a Demonstração de Resultados encontram-se elaborados de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL) e demais legislação

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

EMPRESAS. Contrato de Sociedade n.º 588/2005 de 15 de Abril de 2005 SALDO ACTIVO CONSULTORIA PARA OS NEGÓCIOS E GESTÃO DOS AÇORES, LDA.

EMPRESAS. Contrato de Sociedade n.º 588/2005 de 15 de Abril de 2005 SALDO ACTIVO CONSULTORIA PARA OS NEGÓCIOS E GESTÃO DOS AÇORES, LDA. EMPRESAS Contrato de Sociedade n.º 588/2005 de 15 de Abril de 2005 SALDO ACTIVO CONSULTORIA PARA OS NEGÓCIOS E GESTÃO DOS AÇORES, LDA. Conservatória do Registo Comercial de Ponta Delgada. Matrícula n.º

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 NATUREZA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS As Demonstrações Financeiras Consolidadas foram preparadas

Leia mais

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.)

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.) Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes CNPJ 11.664.201/0001-00 Deloitte

Leia mais

II Congresso de Direito Fiscal

II Congresso de Direito Fiscal II Congresso de Direito Fiscal João de Sousa Lisboa, 11 de Outubro de 2011 Tópicos Definições de PME s; Factores fiscais discriminatórios para as PME s; Factores fiscais favoráveis às PME s; Comentários

Leia mais

O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias

O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias Enquadramento em SNC Influência e Controlo Controlo exclusivo a sociedade dominante tem mais de 50% dos direitos de voto da filial; Controlo conjunto

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

Aequivalência patrimonial é um método

Aequivalência patrimonial é um método 32 Fiscalidade A equivalência patrimonial eosimpostos diferidos A equivalência patrimonial e o método do custo têm particularidades que é conveniente ter em conta. Na aplicação dos métodos de contabilização

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA EXPLICADO 3.ª EDIÇÃO

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA EXPLICADO 3.ª EDIÇÃO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA EXLICADO 3.ª EDIÇÃO ERRATA or lapso, que desde já lamentamos, neste livro, fruto de atualizações constantes, existem incorreções pontuais. Deste modo, disponibilizamos

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS CONTACTOS DAS ENTIDADES QUE INTEGRAM O Direcção-Geral das Autarquias Locais Morada: Rua José Estêvão,137, 4.º a 7.º 1169-058 LISBOA Fax: 213 528 177; Telefone: 213 133 000 E-mail: helenacurto@dgaa.pt Centro

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI)

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI) SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI) ÍNDICE 1.A RELAÇÃO ENTRE A CONTABILIDADE E A FISCALIDADE 2. IMPLICAÇÕES FISCAIS DO SNC 2.1 - Determinação do lucro tributável

Leia mais

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade.

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade. 01 -IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE A ASSOCIACAO ENTRE FAMILIA - BRAGANÇA é uma sociedade Anónima, constituída a 13-08-2009, com sede em RUA EMIDIO NAVARRO TRAS IGREJA, BRAGANCA, 5300-210, BRAGANCA, e tem como

Leia mais

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Impostos Diferidos Ano Lectivo 2010/2011

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Impostos Diferidos Ano Lectivo 2010/2011 CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Impostos Diferidos Ano Lectivo 2010/2011 Fevereiro 2011 EXERCÍCIO Nº 1 Ajustamento para Cobr. Duvidosas 1. A entidade Metálica, S.A. procede a ajustamentos por imparidade

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar n.º 05/2005-R. Data: 18/03/2005

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar n.º 05/2005-R. Data: 18/03/2005 Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar n.º 05/2005-R Data: 18/03/2005 Assunto: APLICAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE EMPRESAS DE SEGUROS, SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 1 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 00. Introdução a) A firma Custódio A. Rodrigues, Lda., designada também por CORPOS Corretagem Portuguesa de Seguros, pessoa colectiva

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

newsletter Nº 84 JANEIRO / 2014

newsletter Nº 84 JANEIRO / 2014 newsletter Nº 84 JANEIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Dezembro de 2013 2 O Porquê do Retrocesso na Nova Diretiva de Contabilidade 4 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Ministérios

Leia mais

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS)

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) Por Carlos António Rosa Lopes O IASB aprovou em 2008 alterações à IFRS 3 sobre concentração

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Demonstração dos Resultados

Demonstração dos Resultados Sistemas de Informação bilística e Financeira As demonstrações financeiras CET em Técnicas e Gestão em Turismo 2012/2013 ATIVO Investimentos Inventários e ativos biológicos s a receber Meios financeiros

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 165/86 de 26 de Junho

DECRETO-LEI N.º 165/86 de 26 de Junho DECRETO-LEI N.º 165/86 de 26 de Junho A especial situação geográfica da Madeira e as características bem específicas da sua economia levaram o Governo a autorizar, nos termos do Decreto-Lei n.º 500/80,

Leia mais

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas Índice 01 02 Demonstrações financeiras consolidadas 6 Demonstração

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 1 2 Plano da Apresentação 1. As IAS/IFRS no ordenamento contabilístico Comunitário

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E 469/08. Dispõe sobre a avaliação de investimentos em sociedades coligadas e controladas e sobre os procedimentos

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais