Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar"

Transcrição

1 Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar

2 ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas 04 TRIBUTAÇÃO DO CONSUMO Principais regras e taxas

3 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global.

4 IMPOSTOS PORTUGUESES. Tributação do Rendimento Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) Tributação do Património Imposto Municipal sobre os Imóveis (IMI) Imposto Municipal sobre as transmissões onerosas de Imóveis (IMT) Imposto do Selo (IS) Imposto sobre Veículos (ISV) e Imposto Único de Circulação (IUC) Tributação do Consumo Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Impostos Especiais sobre o Consumo (IECs)

5 IMPOSTOS PORTUGUESES. Portugal celebrou mais de 71 Convenções Bilaterais para Evitar a Dupla Tributação (CDTs), das quais 64 estão em vigor e 7 estão assinadas e aguardam entrada em vigor. 64 CDTs em vigor. As CDTs são acordos internacionais através dos quais os dois Estados contratantes acordam a mitigar ou anular a dupla tributação internacional em relação aos impostos sobre o rendimento. Entre outros, Portugal celebrou CDTs com os seguintes Estados: Brasil (Em vigor desde ) Cabo Verde (Em vigor desde ) Chile (Em vigor desde ) Colômbia (Em vigor desde ) Cuba (Em vigor desde ) Guiné-Bissau (Em vigor desde ) Moçambique (Em vigor desde ) Timor-Leste (ainda não entrou em vigor) Venezuela (Em vigor desde )

6 IMPOSTOS PORTUGUESES. Tributação na UE e EFTA Fonte: Paying Taxes 2015 WBG & PWC

7 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas.

8 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO. Principais regras. Residente vs não residente. IRC e IRS incidem sobre: a) Rendimento auferido a nível mundial (world wide income) das pessoas singulares ou colectivas residentes ou com sede em Portugal e estabelecimentos estáveis e localizados em território nacional; b) Rendimento de fonte Portuguesa auferido por pessoas singulares ou colectivas não residentes.

9 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO. Imposto sobre o rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) principais regras e taxas para entidades residentes Consideram-se fiscalmente residentes em território nacional as sociedades com sede ou direcção efectiva em território Português ou estabelecimentos estáveis localizados no mesmo território. IRC Residentes IRC incide sobre a soma do resultado liquido contabilístico do período acrescido das variações patrimoniais positivas e negativas não reflectidas no resultado, corrigidas, quando necessário, pelas regras do Código do IRC. Taxa: A taxa normal de IRC em 2015 é de 21%. Antecipa-se que esta taxa possa ser reduzida para 19% ou 17% em Taxa reduzida: As PME beneficiam de um taxa especial de tributação de 17% aplicável aos primeiros EUR de matéria tributável. O valor que exceder será tributado à taxa normal de 21%. Derramas: Municipal - sobre o lucro tributável incide derrama municipal esta taxa é fixada por cada município, mas não pode exceder 1,5%. Estadual sobre a parte do lucro tributável que exceder EUR , aplicam-se as taxas adicionais que variam entre 3% a 7% (aplicável ao lucro tributável que exceda EUR ).

10 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO. Imposto sobre o rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) principais regras e taxas para entidades residentes (Cont. 1) IRC Residentes Mais-valias: Os ganhos obtidos com a transmissão onerosa de activos não adquiridos para venda, como por exemplo activos fixos tangíveis e propriedades de investimento (conceito não inclui existências), são determinados de acordo com o regime das mais-valias: Considera-se que a operação gera uma mais-valia caso o valor de venda do imóvel, líquido dos encargos que lhe sejam inerentes exceda o valor de aquisição (devidamente actualizado), deduzido das depreciações e amortizações aceites fiscalmente, das perdas por imparidade e outras correcções de valor previstas no Código do IRC; As mais-valias ou menos-valias, quando realizadas, concorrem para a formação do lucro tributável; Reinvestimento: A diferença positiva entre as mais-valias e as menos-valias é considerada em metade do seu valor (50%) no caso de reinvestimento integral do valor de venda na aquisição de determinados activos. Caso o reinvestimento seja parcial, o beneficio será aplicado à parte proporcional. Participation Exemption: Dividendos e mais-valias relacionados com participações sociais detidas pelas sociedades não concorrem para a formação do lucro tributável, desde que cumpridos determinados requisitos. Destacam-se dois dos requisitos: (i) as participações serem detidas por um período não inferior a 24 meses e (ii) representarem mais de 5% do capital social da sociedade detida. Por regra este regime não se aplica no caso das sociedades alienadas deterem no seu activo imóveis, numa percentagem superior a 50%.

11 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO. Imposto sobre o rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) principais regras e taxas para entidades residentes (Cont. 2) Prejuízos Fiscais: Prejuízos fiscais realizados após 2014 podem ser reportados nos 12 períodos de tributação seguintes. A utilização dos prejuízos fiscais em cada período de tributação não pode exceder 70% do lucro tributável. IRC Residentes Organismos de Investimento Colectivo (OIC): Fundos de Investimento Mobiliário, Fundos de Investimento Imobiliário, Sociedades de Investimento Mobiliário e Sociedades de Investimento Imobiliário estão sujeitos a IRC, sendo o lucro tributário aquele que corresponder ao resultado líquido do exercício apurado de acordo com as regras contabilísticas aplicáveis. Os fundos estão isentos das derramas municipais e estaduais. Contudo, no lucro tributável não devem ser considerados os seguintes rendimentos: Rendimentos de capitais; Rendimentos prediais; Mais-valias. Rendimentos de OIC: Rendimentos de OIC pagos a sociedades residentes estão sujeitos a retenção na fonte à taxa de 25%. Esta retenção tem o carácter de imposto por conta.

12 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO. Imposto sobre o rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) principais regras e taxas para entidades não-residentes Retenção na fonte: Por regra, a tributação de entidades não-residentes, sem estabelecimento estável em Portugal, faz-se através do mecanismo de retenção na fonte, a taxas fixas liberatórias. Assim, não existem quaisquer obrigações declarativas. IRC Não-residentes Convenções para Evitar a Dupla Tributação (CDT): Por regra, as CDTs prevêem limites máximos às taxa de retenção na fonte que são mais baixos do que as taxas fixadas no Código do IRC. Sem prejuízo, as últimas alterações ao Código do IRC passaram a prever situações em que isenta de tributação determinados rendimentos, tornando desnecessária a aplicação das CDTs. Dividendos: Dividendos pagos a entidades não-residentes estão sujeitos a retenção na fonte, à taxa liberatória de 25%. Reunidos determinados requisitos, esta taxa poderá ser reduzida até 0%. Dividendos pagos a sociedade Brasileira: Nos termos da CDT celebrado por Portugal e Brasil, a taxa a aplicar por Portugal não pode exceder 10% caso a sociedade beneficiária detenha mais de 25% do capital social da sociedade que paga os dividendos durante um período ininterrupto de dois anos antes da distribuição dos dividendos, ou uma taxa de 15% nos restantes casos. Sem prejuízo, cumpridos determinados requisitos na lei Portuguesa, os dividendos pagos à sociedade brasileira poderão beneficiar de isenção total de tributação.

13 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO. Imposto sobre o rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) principais regras e taxas para entidades não-residentes (Cont. 1) IRC Não-residentes Juros e Royalties: Juros e royalties pagos a sociedades não-residentes estão sujeitos a retenção na fonte, à taxa liberatória de 25%. Juros e Royalties pagos a entidades sedeadas na UE poderão beneficiar de isenção. Juros e Royalties pagos a sociedade Brasileira: Nos termos da CDT celebrado por Portugal e Brasil, a taxa a aplicar por Portugal não pode exceder 15%. Prestação de Serviços: Pagamentos relacionados com prestações de serviços a sociedades nãoresidentes estão sujeitos a retenção na fonte, à taxa liberatória de 25%. Pagamento por prestação de serviços a sociedade Brasileira: Nos termos da CDT celebrado por Portugal e Brasil, Portugal não tem competência para tributação (taxa 0%), salvo se os serviços tiverem sido prestados por Estabelecimento Estável aí situado. Rendimentos Prediais: Pagamento de rendimentos prediais a sociedades não-residentes estão sujeitos a retenção na fonte à taxa de 25%. Esta retenção tem a natureza de imposto por conta e não dispensa a submissão de declaração periódica de rendimentos / modelo 22 de IRC, no qual será possível deduzir despesas relacionadas com o imóvel locado. O rendimento final será tributado à taxa de 25%. O imposto retido a mais será reembolsado. Pagamento de rendimentos prediais a sociedade Brasileira: Nos termos da CDT celebrado por Portugal e Brasil, Portugal pode aplicar as taxas definidas pela legislação nacional.

14 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO. Imposto sobre o rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) principais regras e taxas para entidades não-residentes (Cont. 2) IRC Não-residentes Mais-valias mobiliárias: Mais-valias de valores mobiliários (p. exemplo, participações sociais) realizadas por entidades não-residentes estão excluídas de tributação. Este regime não se aplica no caso das sociedades alienadas deterem no seu activo imóveis em território nacional, numa percentagem superior a 50%. Mais-valias mobiliárias realizadas por Sociedades Brasileiras em território nacional: Nos termos da CDT celebrado por Portugal e Brasil, Portugal pode aplicar as taxas definidas pela legislação nacional. Mais-valias imobiliárias e mobiliárias não isentas: O saldo positivo das mais-valias e menos-valias imobiliárias e mobiliárias não isentas estão sujeitas a tributação, à taxa de 25%. Não existe retenção na fonte. Estes rendimentos obrigam a sociedade não-residentes a submeter declaração periódica de rendimentos / modelo 22 de IRC. O rendimento final será tributado à taxa de 25%. Mais-valias imobiliárias e mobiliárias não isentas realizadas por Sociedades Brasileiras em território nacional: Nos termos da CDT celebrado por Portugal e Brasil, Portugal pode aplicar as taxas definidas pela legislação nacional. Rendimentos pagos / Resgates de UP relacionadas com OIC Imobiliárias: Aplica-se taxa de 10%. Rendimentos pagos / Resgates de UP relacionadas com OIC Mobiliárias: Isento.

15 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO. Imposto sobre o rendimento das Pessoas Singulares (IRS) principais regras e taxas para residentes Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS): IRS Residentes Consideram-se fiscalmente residentes em território nacional as pessoas que, no ano a que respeitam os rendimentos: Tenham permanecido mais de 183 dias, em qualquer período de 12 meses com início ou fim no ano em causa; Tendo permanecido menos tempo, disponham de habitação em condições que façam supor intenção actual de a manter e ocupar como residência habitual. Rendimentos prediais (rendas) e rendimentos de capitais (juros, dividendos, rendimentos pagos por OIC e resgate de UP OIC, etc.) são sujeitos, por regra, a taxa de tributação fixa de 28%; Saldo anual positivo das mais-valias e menos-valias mobiliárias (acções, etc.) é sujeito a taxa de tributação fixa de 28%; Rendimento de trabalho / empresários / pensões (rendimentos englobáveis) são sujeitos a taxas progressivas por escalões que variam entre 0% e 53% (aplicável a rendimentos que excedam EUR ,00); Saldo anual positivo das mais-valias e menos-valias imobiliária só é considerado em 50% mas é somado aos rendimentos englobáveis e sujeito às taxas progressivas por escalões; Sobretaxa extraordinária de 3,5% que acresce sobre a maior parte das taxas acima referidas.

16 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO. Imposto sobre o rendimento das Pessoas Singulares (IRS) principais regras e taxas para nãoresidentes Retenção na fonte: Por regra, a tributação de entidades não-residentes, sem estabelecimento estável em Portugal, faz-se através do mecanismo de retenção na fonte, a taxas fixas liberatórias. Assim, não existem quaisquer obrigações declarativas. IRS Não-residentes Convenções para Evitar a Dupla Tributação (CDT): Por regra, as CDTs prevêem limites máximos às taxa de retenção na fonte que são mais baixos do que as taxas fixadas no Código do IRS. Dividendos: Dividendos pagos a pessoas singulares não-residentes estão sujeitos a retenção na fonte, à taxa liberatória de 28%. Dividendos pagos a pessoa singular Brasileira: Nos termos da CDT celebrado por Portugal e Brasil, a taxa a aplicar por Portugal não pode exceder 15%. Juros: Juros pagos a pessoas singulares não-residentes estão sujeitos a retenção na fonte, à taxa liberatória de 28%. Juros pagos a pessoa singular Brasileira: Nos termos da CDT celebrado por Portugal e Brasil, a taxa a aplicar por Portugal não pode exceder 15%.

17 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO. Imposto sobre o rendimento das Pessoas Singulares (IRS) principais regras e taxas para nãoresidentes (Cont. 1) IRS Não-residentes Royalties: Royalties pagos a pessoas singulares não-residentes estão sujeitos a retenção na fonte, à taxa liberatória de 25%. Royalties pagos a pessoa sigular Brasileira: Nos termos da CDT celebrado por Portugal e Brasil, a taxa a aplicar por Portugal não pode exceder 15%. Prestação de Serviços: Pagamentos relacionados com prestações de serviços a pessoas singulares não-residentes estão sujeitos a retenção na fonte, à taxa liberatória de 25%. Pagamento por prestação de serviços a pessoa singular Brasileira: Nos termos da CDT celebrado por Portugal e Brasil, Portugal não tem competência para tributação (taxa 0%), salvo se os serviços tiverem sido prestados por Estabelecimento Estável aí situado. Rendimentos Prediais: Pagamento de rendimentos prediais a pessoas singulares não-residentes estão sujeitos a retenção na fonte à taxa de 25%. Esta retenção tem a natureza de imposto por conta e não dispensa a submissão de declaração periódica de rendimentos / modelo 3de IRS, no qual será possível deduzir despesas relacionadas com o imóvel locado. O rendimento final será tributado à taxa de 25%. O imposto retido a mais será reembolsado. Pagamento de rendimentos prediais a pessoa singular Brasileira: Nos termos da CDT celebrado por Portugal e Brasil, Portugal pode aplicar as taxas definidas pela legislação nacional.

18 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO. Imposto sobre o rendimento das Pessoas Singulares (IRS) principais regras e taxas para nãoresidentes (Cont. 2) IRS Não-residentes Mais-valias mobiliárias: Mais-valias de valores mobiliários (p. exemplo, participações sociais) realizadas por pessoas singulares não-residentes estão excluídas de tributação. Este regime não se aplica no caso das sociedades alienadas deterem no seu activo imóveis em território nacional, numa percentagem superior a 50%. Mais-valias mobiliárias realizadas por Sociedades Brasileiras em território nacional: Nos termos da CDT celebrado por Portugal e Brasil, Portugal pode aplicar as taxas definidas pela legislação nacional. Mais-valias imobiliárias e mobiliárias não isentas: O saldo positivo das mais-valias e menos-valias imobiliárias e mobiliárias não isentas estão sujeitas a tributação, à taxa de 28%. Não existe retenção na fonte. Estes rendimentos obrigam os não-residentes a submeter declaração periódica de rendimentos / modelo 3de IRS. O rendimento final será tributado à taxa de 28%. Mais-valias imobiliárias e mobiliárias não isentas realizadas por pessoas singulares Brasileiras em território nacional: Nos termos da CDT celebrado por Portugal e Brasil, Portugal pode aplicar as taxas definidas pela legislação nacional. Rendimentos pagos / Resgates de UP relacionadas com OIC Imobiliárias: Aplica-se taxa de 10%. Rendimentos pagos / Resgates de UP relacionadas com OIC Mobiliárias: Isento.

19 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas.

20 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO. Principais regras IMT, IMI & IS. A transmissão onerosa de imóveis é tributada em IMT e IS. A detenção de imóveis é tributada anualmente em IMI e, por vezes, IS.

21 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO. Transmissão de Imóveis principais regras e taxas: Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT) e Imposto do Selo (IS) IMT IMT - que é: O IMT é um imposto que incide sobre a transmissão onerosa de imóveis situados em território Português e cuja receita reverte a favor dos Munícios. Transmissões IMT. Sujeito passivo e pagamento: O IMT é devido pelo adquirente do imóvel e deve ser pago antes da escritura. Taxas: As taxas podem variar entre: 0% e 6% (taxa máxima aplicável a imóveis que excedam, aproximadamente, EUR ) caso o imóvel se destine, exclusivamente a habitação; 5% no caso de prédios rústicos; 6,5% para outros prédios urbanos e outras aquisições onerosas. VPT: Este valor também serve como valor mínimo de liquidação de IMT, caso o valor da escritura seja inferior ao VPT. Outros factos sujeitos a IMT: Em determinadas circunstâncias, contratos-promessa estão sujeitos a IMT, assim como a venda de participações sociais de sociedades por quotas que detenham imóveis.

22 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO. Transmissão de Imóveis principais regras e taxas: Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT) e Imposto do Selo (IS) Transmissões IS. IS IS - que é: O IS é um imposto que incide Factos, actos ou contratos e cuja receita reverte a favor do Estado. Sujeito passivo e pagamento: O IS é devido pelo adquirente do imóvel e deve ser pago antes da escritura. Taxa: Sobre a transmissão onerosa de imóveis incide IS, à taxa fixa de 0,8%.

23 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO. Detenção de Imóveis principais regras e taxas: Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e Imposto do Selo (IS) Detenção IMI IMI IMI - o que é: O IMI é um imposto que incide anual sobre o valor patrimonial tributável (VPT) dos prédios situados em território Português e cuja receita reverte a favor dos Munícios. Sujeito passivo: O IMI é devido pela pessoa que for proprietária do imóvel a 31 de Dezembro do respectivo ano. Taxas: As taxas de IMI são fixadas anualmente pelos Municípios, a taxas que podem variar entre 0,3% e 0,5% no caso de prédios urbanos (inclui terrenos para construção) ou 0,8% no caso de prédios rústicos. VPT: O valor patrimonial tributário (VPT), é valor dos imóveis fixado pela Autoridade Tributária e Aduaneira Portuguesa. É sobre este valor que é liquidado do IMI. Este valor também serve como valor mínimo, para efeitos de cálculo de mais-valias, em sede de IRC ou IRS, e para liquidação de IMT e IS. Pagamento: O imposto é liquidado no ano seguinte àquele a que diz respeito, e deve ser pago até três prestações, em função do valor do IMI a pagar.

24 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO. Detenção de Imóveis principais regras e taxas: Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e Imposto do Selo (IS) Detenção IS. IS Imóveis de luxo: Imóveis com afectação habitacional e com VPT superior a EUR estão sujeitos, anualmente, a IS à taxa de 1%. Este imposto é liquidado de forma semelhante ao IMI. OIC Imobiliários: Sobre o valor líquido global incide, por cada trimestre, IS à taxa de 0,0125%.

25 TRIBUTAÇÃO DO CONSUMO Principais regras e taxas.

26 TRIBUTAÇÃO DO CONSUMO. Imposto Sobre O Valor Acrescentado (IVA) principais regras e taxas. IVA. O IVA incide sobre transmissões onerosas de bens, prestações de serviços e importações. Taxas: As taxas de IVA são de 6%, 13% e 23%. Dedução: O IVA destina-se a tributar o consumo final. Consequentemente, o IVA suportado por sociedades/empresários pode, por regra, ser deduzido. Isenções de IVA: Arrendamento de imóveis e venda de imóveis está, por regra, isento de tributação.

27 OBRIGADO.

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

Boletim Informativo AMI 10467

Boletim Informativo AMI 10467 , 28 de Janeiro de 2013. Informação Fiscal Residentes Fiscais não habituais Portugal. Em resultado do reconhecimento pelas autoridades fiscais portuguesas do estatuto de residente fiscal não habitual,

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O I N T R O D U Ç Ã O O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2013 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 MEMORANDO INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. 2. 3. 4. 5. Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal como plataforma de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo:

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo: Considere os seguintes limites fixados para os funcionários públicos (P 30-A/2008): Subsídio de Refeição (4,11 ); Transporte em automóvel próprio ( 0,39 por quilómetro). O SP A está sujeito à seguinte

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO Antas da Cunha LAW FIRM TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO I) MAIS-VALIAS A mais-valia consiste na diferença entre o valor de aquisição (que pode ser gratuita ou onerosa) e o valor de realização

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL

FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL compilações doutrinais VERBOJURIDICO FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL DR. MIGUEL PRIMAZ DR. JOÃO BERNARDO GUEDES ADVOGADOS verbojuridico DEZEMBRO 2008 2 : FUNDOS DE INVESTIMENTO

Leia mais

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo.

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. Impostos A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. IMT (Imposto sobre Transmissões Onerosas de Imóveis) Imposto sobre as transmissões onerosas do direito de propriedade

Leia mais

Advocacia e Cidadania

Advocacia e Cidadania REGRA GERAL: SUJEIÇÃO TRIBUTÁRIA (Art. 3.º e 48.º CIRC) IPSS não exercem a título principal uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola Tributadas pelo rendimento global, o qual corresponde

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro REGRAS GERAIS DE IMPOSTO INDUSTRIAL Incidência subjectiva Empresas com sede ou direcção efectiva em Angola e empresas com sede e

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2%

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2% IRS Escalões de IRS Actualizados os escalões de IRS em 2.5%. Em regra, contribuintes de todos os escalões sofrerão reduções pouco significativas do IRS a pagar sobre os seus rendimentos. Excepção para

Leia mais

Fiscalidade no Sector da Construção

Fiscalidade no Sector da Construção Fiscalidade no Sector da Construção Conferência AICCOPN Os Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional Lisboa, 26 de Março de 2009 Paulo Alexandre de Sousa Director de Financiamento

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B ORÇAMENTO DO ESTADO OE2016 O QUE MUDA? parlamento Proposta de Orçamento do Estado para 2016 - Proposta de Lei no. 12/XIII. Apresentamos aqui as principais medidas de natureza fiscal propostas neste diploma.

Leia mais

TAXAS DO IRS PARA 2013 (a) ATÉ 7.000 14,50% - + 7.000 A 20.000 28,50% 980 + 20.000 A 40.000 37,00% 2,680 + 40.000 A 80.

TAXAS DO IRS PARA 2013 (a) ATÉ 7.000 14,50% - + 7.000 A 20.000 28,50% 980 + 20.000 A 40.000 37,00% 2,680 + 40.000 A 80. GUIA FISCAL 2013 1 - IRS O IRS incide sobre os rendimentos auferidos a nível mundial por pessoas singulares residentes fiscais em Portugal. Tratando-se de não residentes, o IRS incide unicamente sobre

Leia mais

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO 1 OS IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO - IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI) - O IMI é um imposto que incide sobre o valor patrimonial tributário dos

Leia mais

Investimento Imobiliário: Principais Aspectos Fiscais

Investimento Imobiliário: Principais Aspectos Fiscais Investimento Imobiliário: Principais Aspectos Fiscais 1 All the lawyers know what s happening on the case and work really well as a team. It sets them apart from others in the market. Client reference

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015 CALENDÁRIO FISCAL DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 12 Envio da Declaração Periódica, por transmissão eletrónica de dados, acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos sujeitos

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

Fiscalidade para empresas Portuguesas que pretendem investir na China

Fiscalidade para empresas Portuguesas que pretendem investir na China Paulo Núncio Sócio da Garrigues Lisboa Fiscalidade para empresas Portuguesas que pretendem investir na China Ordem dos Economistas Lisboa, 23 de Março de 2011 Investir na China internacionalização Internacionalização

Leia mais

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O sistema tributário moçambicano integra impostos directos e impostos indirectos, actuando a diversos níveis, designadamente: a) Tributação directa dos rendimentos e da riqueza;

Leia mais

Fiscalidade. As Mais valias e Menos Valias de Partes Sociais em sede de IRS

Fiscalidade. As Mais valias e Menos Valias de Partes Sociais em sede de IRS As Mais valias e Menos Valias de Partes Sociais em sede de IRS 1.1 Enquadramento Geral De acordo com o n.º 1 do artigo 10º do Código do IRS (CIRS) constituem mais-valias os ganhos obtidos que, não sendo

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

A R E F O R M A N A T R I B U T A Ç Ã O D O S O R G A N I S M O S D E I N V E S T I M E N T O C O L E C T I V O

A R E F O R M A N A T R I B U T A Ç Ã O D O S O R G A N I S M O S D E I N V E S T I M E N T O C O L E C T I V O i N º 6 / 1 5 A R E F O R M A N A T R I B U T A Ç Ã O D O S O R G A N I S M O S D E I N V E S T I M E N T O C O L E C T I V O INTRODUÇÃO O Decreto-Lei n.º 7/2015, ontem publicado, procedeu à reforma do

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013 Raquel Franco 08.03.2013 Benefícios à reabilitação urbana Artigo 45.º EBF prédios urbanos objeto de reabilitação Artigo 46.º EBF - prédios urbanos construídos, ampliados, melhorados ou adquiridos a título

Leia mais

Guia Fiscal 2014 ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO FISCAL DE PLMJ

Guia Fiscal 2014 ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO FISCAL DE PLMJ Guia Fiscal 2014 ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO FISCAL DE PLMJ Guia Fiscal 2014 1 - IRS O IRS incide sobre os rendimentos auferidos a nível mundial por pessoas singulares residentes fiscais em Portugal. Tratando-se

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

apresentam Sistema Tributário Espanhol

apresentam Sistema Tributário Espanhol apresentam Sistema Tributário Espanhol Tipos de Impostos TIPOS DE IMPOSTOS IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO IMPUESTO SOBRE SOCIEDADES (equivalente ao IRC) IMPUESTO SOBRE LA RENTA DE LAS PERSONAS FÍSICAS (equivalente

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015 Nº 58 Novembro 2015 IRC Informação Vinculativa Despacho de 17 de abril 1 Processo 750/2015 Tributação autónoma dos encargos com viaturas ligeiras de mercadorias referidas na alínea b) do n.º 1 do artigo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE OUTUBRO 2015 Dia 12: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de agosto 2015 e anexos. IVA: Pagamento do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), a

Leia mais

Cada vez mais a abolição das

Cada vez mais a abolição das Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes P o r M a r i a M a n u e l a V i e i r a R e i n o l d s d e M e l o As retenções na fonte de rendimentos obtidos por não residentes obedecem

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015 DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 02 IUC Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC), relativo aos veículos cujo aniversário da

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/09

Contabilidade Financeira II 2008/09 Contabilidade Financeira II 2008/09 Impostos Estado e Outros Entes Públicos Impostos: IRC - Imposto sobre o rendimento IRS - Retenção de impostos sobre rendimentos (já vimos) IVA - Imposto sobre o valor

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 297/2015, de 21 de setembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Doing Business em São Tomé e Príncipe

Doing Business em São Tomé e Príncipe Doing Business em Raul da Mota Cerveira Índice INVESTIMENTO PRIVADO PRESENÇA EM STP IMPOSTOS IMPOSTOS - IRC IMPOSTOS - IRC - LUCROS IMPOSTOS - IRS OUTROS IMPOSTOS CAMBIAL DIREITOS FUNDIÁRIOS CONTRATAÇÃO

Leia mais

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário 12.outubro.2012 Tributação em Sede de Imposto Municipal sobre Imóveis Proposta de Lei n.º 96/XII/2.ª cria uma nova taxa em sede de Imposto do Selo incidente

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash 16 Janeiro 2014 Reforma do IRC Especial Tax News Flash 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) - Lei da Reforma do IRC Foi publicada a Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro, que aprova a Reforma

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

Afonso Barroso. Afonso.Barroso@amsa.pt. Abreu & Marques 2014 1

Afonso Barroso. Afonso.Barroso@amsa.pt. Abreu & Marques 2014 1 Afonso Barroso Afonso.Barroso@amsa.pt Abreu & Marques 2014 1 O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais (RNH) Abreu & Marques 2014 2 O RNH foi introduzido no Código do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas

Leia mais

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO Define os elementos que integram o dossier fiscal, aprova novos mapas de modelo oficial e revoga a Portaria n.º 359/2000, de 20 de Junho A Nos termos do artigo 129.º do Código do Imposto sobre o Rendimento

Leia mais

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES Perspectiva Contabilística e Fiscal Fases DISSOLUÇÃO LIQUIDAÇÃO PARTILHA Formalidades da Dissolução A dissolução deve obedecer a uma das seguintes formas: Por escritura

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho)

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) Artigo 2.º Conceito de benefício fiscal e de despesa fiscal e respectivo controlo

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS Lei (alterada) do Imposto sobre os Rendimentos de 2005 Lei (alterada) da Contribuição Especial para a Defesa de 2004 Lei (alterada)

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de janeiro Estado: vigente. Resumo:

Leia mais

Conheça quais as alterações em matéria fiscal propostas pelo Orçamento de Estado, tanto para particulares, como para empresas e ENIs.

Conheça quais as alterações em matéria fiscal propostas pelo Orçamento de Estado, tanto para particulares, como para empresas e ENIs. Gerente MEDIDAS FISCAIS DA PROPOSTA DE OE2011 Conheça quais as alterações em matéria fiscal propostas pelo Orçamento de Estado, tanto para particulares, como para empresas e ENIs. A Proposta de Orçamento

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 6546-(314) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 82-C/2014 de 31 de dezembro Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas,

Leia mais

Financiamento e Tributação da Reabilitação Urbana. Guilherme W. d Oliveira Mar=ns 18 de Maio de 2012

Financiamento e Tributação da Reabilitação Urbana. Guilherme W. d Oliveira Mar=ns 18 de Maio de 2012 Financiamento e Tributação da Reabilitação Urbana Guilherme W. d Oliveira Mar=ns 18 de Maio de 2012 Financiamento da Reabilitação Urbana Incen=vos fiscais Incen=vos financeiros - JESSICA Inicia=va privada

Leia mais

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro)

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) Calendário Fiscal Fevereiro de 2014 DIA 10 Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) A entrega da declaração de remunerações referente ao mês de Janeiro de 2014 tem que ser feita obrigatoriamente

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA SISTEMA FISCAL 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA Auditório SIBS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE ÍNDICE Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas ( IRPC ) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas

Leia mais

Portugal - Sistema Fiscal. Junho 2012

Portugal - Sistema Fiscal. Junho 2012 Portugal - Sistema Fiscal Junho 2012 Índice 1. Introdução 5 2. Principais alterações no sistema fiscal português em 2012 6 3. Impostos sobre o rendimento 8 3.1. Imposto sobre o rendimento das pessoas colectivas

Leia mais

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa Novas medidas e benefícios fiscais para 2014 Abílio Sousa Programa Vetores essenciais das medidas de natureza fiscal constantes da lei do OE 2014 DLRR um novo benefício fiscal para PME A reforma do IRC

Leia mais

Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses?

Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses? Mais-valias Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses? Nesse caso, o saldo anual positivo entre as mais e menos-valias apuradas vai ser sujeito a uma taxa especial de imposto

Leia mais

CONSULTÓRIO DE IRS I Em parceria com o Jornal de Negócios

CONSULTÓRIO DE IRS I Em parceria com o Jornal de Negócios CONSULTÓRIO DE IRS I Em parceria com o Jornal de Negócios No contexto de uma parceria do Departamento Fiscal da SRS Advogados com o Jornal de Negócios, temos vindo a publicar naquele jornal o Consultório

Leia mais

22-03-2013. Porto Vivo, SRU (2013)

22-03-2013. Porto Vivo, SRU (2013) Reabilitação Urbana na Cidade do Porto: Incentivos e Oportunidades 21 de março de 2013 Porto Vivo, SRU (2013) Rui Ferreira de Espinheira Quelhas 2 1 1900-13% 1950-40% 2000-46,6% 2010-50,6% 2050-69,6% População

Leia mais

g ~ autoridade tributária e aduaneira A Portaria n 421/2012, de 21 de dezembro, aprovou os novos modelos de impressos da

g ~ autoridade tributária e aduaneira A Portaria n 421/2012, de 21 de dezembro, aprovou os novos modelos de impressos da Classificação: 000.05.02 Seg.: Pública Proc.: 20 12/9664 Of.Circulado N.' : 20 163 2013-01-30 Entrada Geral: N.' ldentificação Fiscal (NIF): Sua Ref.-: Técnico: MGN Exmos. Senhores Subdiretores-Gerais

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 JANEIRO / 2009 Até ao dia 12 Entrega da Declaração Modelo 11, por transmissão electrónica de dados, pelos Notários, Até ao dia 20 - Entrega, pelas Instituições de Crédito

Leia mais

NEWSLETTER Janeiro 2014 ORÇAMENTO DE ESTADO 2014

NEWSLETTER Janeiro 2014 ORÇAMENTO DE ESTADO 2014 NEWSLETTER Janeiro 2014 ORÇAMENTO DE ESTADO 2014 ORÇAMENTO DE ESTADO 2014 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. IRC 4 3. IRS 8 4. SEGURANÇA SOCIAL 10 5. IVA 11 6. BENEFÍCIOS FISCAIS 13 7. OUTROS 14 3 1. Introdução

Leia mais

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013 Proposta de Orçamento do Estado 2014 e Proposta de Reforma em sede de IRC Novembro de 2013 ORÇAMENTO ESTADO 2013 Proposta de Lei ÍNDICE Imposto sobre o Rendimentos das Pessoas Singulares IRS 4 Segurança

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Nova derrama da Lei das Finanças Locais

Nova derrama da Lei das Finanças Locais Nova derrama da Lei das Finanças Locais José Silva Jorge 'Partner' da Ernst & Young in Diário de Notícias!"# $%&'(# ) * +!(# ),$%& + * - ) * + *., 01#2 3"#4 2 5, ) ) *, * $%& 2 ) $ * ) + ). ) ("6,. ),

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

O Orçamento de Estado para 2014 e as alterações fiscais em sede de tributação estática do património imobiliário

O Orçamento de Estado para 2014 e as alterações fiscais em sede de tributação estática do património imobiliário O Orçamento de Estado para 2014 e as alterações fiscais em sede de tributação estática do património imobiliário Orador: Victor Duarte 1.ª Conferência O Informador Fiscal/Lexit A Fiscalidade e o Orçamento

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª INTRODUZ UM MECANISMO DE SALVAGUARDA DA EQUIDADE FISCAL PARA TODOS OS CONTRIBUINTES E ELIMINA AS ISENÇÕES DE TRIBUTAÇÃO SOBRE MAIS-VALIAS OBTIDAS POR SGPS

Leia mais

JANEIRO DE 2013 FISCAL ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2013

JANEIRO DE 2013 FISCAL ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2013 FISCAL N.º 01 / 2013 JANEIRO DE 2013 ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2013 Contato: José Pedroso de Melo jpm@cca-advogados.com (ii) a criação de um novo escalão de 5% da taxa adicional de solidariedade para os

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL Refere o Decreto-Lei nº 307/2009 de 23 de Outubro No artigo 2º Definições i) «Reabilitação de edifícios» a forma de intervenção destinada

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013 Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas A presente informação técnica substitui a informação 27/2008,

Leia mais

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro Generalidades Aplicação a investimentos realizados a partir de 1 Janeiro de 2014 (excepto para efeito de apuramento dos limites máximos dos

Leia mais

The tax regime for temporary expatriates in Portugal: practical aspects of implementation

The tax regime for temporary expatriates in Portugal: practical aspects of implementation The tax regime for temporary expatriates in Portugal: practical aspects of implementation Bilateral Meeting between the Portuguese and Spanish Branches of IFA Ricardo da Palma Borges 27 April 2012 1 Âmbito.

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL 2015

CALENDÁRIO FISCAL 2015 CALENDÁRIO FISCAL 2015 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Obrigações mensais Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i

Leia mais

Reforma em sede de IRC

Reforma em sede de IRC Reforma em sede de IRC Janeiro de 2014 Reforma Tributação Sociedades IRC REFORMA IRC IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS - Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro Transparência Fiscal O regime da

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais

CIRCULAR. Gabinete Jurídico-Fiscal

CIRCULAR. Gabinete Jurídico-Fiscal CIRCULAR Gabinete Jurídico-Fiscal N/REFª: 41/2014 DATA: 02 de Junho de 2014 Assunto: O IRC e a Reorganização das Estruturas Empresariais Exmos. Senhores, Para conhecimento, junto enviamos a Circular nº

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS FUNDOS ESPECIAIS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS PARTE I - Princípios gerais Artigo 1 - Âmbito de aplicação As disposições da parte I do presente Estatuto aplicam-se aos benefícios fiscais nele previstos, sendo extensivas

Leia mais