A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC"

Transcrição

1 REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o suplemento do Diário da República, datado de , onde é publicada a revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais, o novo Código do Imposto do Selo e a revisão ao Regulamento do Imposto de Consumo. Estes três diplomas entraram em vigor em 1 de Janeiro de I. CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS A revisão a este Imposto sobre a Aplicação de Capitais (IAC) foi aprovada pelo Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11, de 30 de Dezembro. As principais alterações ao IAC respeitam, essencialmente, ao alargamento das operações sujeitas a tributação na Secção B, com a alteração das obrigações declarativas e com a actualização do valor das penalidades. Todas as alterações ao IAC são aplicáveis a pagamentos de rendimentos efectuados após , excepto quanto a juros dos bilhetes e obrigações do tesouro e dos títulos do BNA, em que as alterações só se aplicam aos títulos adquiridos após a data de entrada em vigor do novo diploma. (i) Incidência e taxas Secção A Estão compreendidos nesta secção os juros de mútuos, juros provenientes de contratos de aberturas de créditos e os juros de mora (ainda que auferidos a título de indemnização ou cláusula penal). Salvo prova em contrário, presume-se que os mútuos e aberturas de créditos vencem juros a uma taxa anual mínima de 6%. A taxa aplicável aos rendimentos compreendidos na secção A é de 1. Secção B Passam a ser tributados em sede de IAC os juros de depósitos, títulos do BNA, títulos do tesouro e obrigações do tesouro, assim como mais-valias mobiliárias. Os factos tributários sujeitos a IAC e a respectiva taxa de tributação são os seguintes:

2 Lucros distribuídos Juros de depósitos à ordem ou a prazo Juros de Obrigações Títulos do BNA, Títulos e Obrigações do Tesouro Títulos referidos no ponto anterior, com maturidade igual ou superior a 3 anos Juros de Suprimentos Juros de créditos em conta corrente Emissão de acções com reserva de preferência na subscrição Mais-valias na alienação de acções ou outros títulos desde que obtidos fora de actividade comercial e por tal não sujeitos a Imposto Industrial ou Impostos dos Rendimentos de Trabalho Royalties, incluindo aluguer de equipamento industrial, comercial ou científico Indemnizações para suspensão da actividade Prémios de jogo Outros rendimentos de aplicação de capitais (ii) Liquidação, pagamento e obrigações declarativas Secção A O imposto é liquidado pelo titular do rendimento ou pelo devedor, caso o titular não esteja localizado em Angola. Secção B Os rendimentos identificados nesta secção estão sujeitos a retenção na fonte, a efectuar pela entidade a quem incumba o pagamento dos rendimentos, devendo ser entregue até ao mês seguinte. Excepcionam desta regra os rendimentos de mais-valia, os decorrentes da emissão de acções com reserva de preferência na subscrição e os rendimentos tributados pela alínea residual (outros rendimentos de aplicação de capitais), cuja liquidação incumbe ao titular do rendimento.

3 Independentemente da forma de liquidação e da secção pela qual é devido o imposto, o seu pagamento ou entrega é devido até ao último dia do mês seguinte àquele a que respeita. Os sujeitos passivos devem apresentar uma declaração dos rendimentos recebidos, pagos ou postos à disposição, em regra, até ao final do mês de Janeiro do ano seguinte. (iii) Territorialidade Este imposto incide sobre os rendimentos pagos por entidades residentes em Angola (incluindo estabelecimentos estáveis) e sobre os rendimentos atribuídos a entidades localizadas no país (incluindo estabelecimentos estáveis). Relativamente aos rendimentos previstos na secção A, presumem-se gerados e pagos em território nacional os rendimentos garantidos por bens localizados em Angola. (iv) Isenções Secção A Estão isentos de IAC os rendimentos auferidos por instituições financeiras e cooperativas quando sujeitos a Imposto Industrial (mesmo que igualmente isentos), os juros das vendas a crédito dos comerciantes e os juros dos empréstimos sobre apólices de seguros de vida feitos por sociedades de seguros. Secção B Estão isentos de IAC os lucros distribuídos por uma entidade residente em Angola a um sócio residente sujeito a Imposto Industrial (ainda que esteja isento), desde que este detenha uma participação não inferior a 2 do capital social da entidade distribuidora dos lucros, por um período superior a 1 ano anterior à distribuição dos lucros. Estão ainda isentos os juros de instrumentos de poupança aprovados pelo Ministro das Finanças (até capital de 500 mil Akz por pessoa) e os juros de contas poupança-habitação.

4 II. CÓDIGO DO IMPOSTO DO SELO O Decreto Legislativo Presidencial n.º 6/11, de 30 de Dezembro, aprovou o Novo Código do Imposto do Selo (CIS) e respectiva Tabela. (i) Incidência e taxas Destacamos abaixo as principais realidades sujeitas a Imposto do Selo, de acordo com a mais recente Tabela Geral do Imposto do Selo. Aquisição onerosa ou gratuita de bens imóveis, bem como pela resolução, invalidade ou extinção dos contratos respectivos ,003% Arrendamento e Subarrendamento ,004% Entradas de capital ,1% Escritos de contratos AKZ Garantias das obrigações: de prazo inferior a 1 ano ,3% de prazo igual ou superior a 1 ano ,2% sem prazo ou de prazo igual ou superior a 5 anos ,1% Operações aduaneiras % Operações financeiras: crédito de prazo igual ou inferior a 1 ano, por cada mês ou fracção , crédito de prazo igual ou superior a 1 ano ,4% crédito de prazo igual ou superior a 5 anos ,3% Operações de locação: bens imóveis ,3% bens móveis corpóreos ,4%

5 (ii) Territorialidade É introduzida uma nova regra de territorialidade, que sujeita a tributação todos os factos e operações ocorridos em território angolano. O IS incide ainda sobre: (i) Documentos, actos ou contratos celebrados fora do território nacional, mas apresentados em Angola para quaisquer efeitos legais; (ii) Operações de crédito realizadas e garantias prestadas no estrangeiro a quaisquer entidades domiciliadas em Angola; (iii) Juros, comissões e outras contraprestações cobradas no estrangeiro por instituições de crédito ou sociedades financeiras aí sedeadas ou filiais ou sucursais no estrangeiro de instituições de crédito ou sociedades financeiras angolanas, a quaisquer entidades domiciliadas em Angola; (iv) Seguros efectuados no estrangeiro cujo risco esteja localizado em Angola. (iii) Liquidação, pagamento e obrigações declarativas O imposto é liquidado por meio de verba e o pagamento é feito por meio de guia até ao final do mês seguinte. Deverá ainda ser apresentada uma declaração anual relativamente ao imposto liquidado e o registo discriminado na contabilidade. Esta declaração é devida até ao último dia útil do mês de Março do ano subsequente. III. REGULAMENTO DO IMPOSTO DE CONSUMO O Decreto Presidencial 7/11, de 30 de Dezembro, procedeu à revisão do Regulamento do Imposto de Consumo (IC) e do seu Anexo III. É significativamente alargada a base de incidência do IC relativamente a várias prestações de serviços. (i) Incidência e taxas A incidência e as taxas do IC incluídas no Anexo III passam a ser as seguintes:

6 Serviços de Hotelaria e Similares Serviços de Telecomunicações Consumo de Água Consumo de Energia Locação de áreas especialmente preparadas para recolha ou estacionamento colectivo de veículos Locação de máquinas ou outros equipamentos, bem como os trabalhos efectuados sobre bens móveis corpóreos Locação de áreas preparadas para conferências, colóquios, exposições, publicidade ou outros eventos Serviços de consultoria (consultoria jurídica, fiscal, financeira, contabilística, informática, de engenharia, arquitectura, economia, imobiliária, serviços de auditoria, revisão de contas e advocacia) Serviços fotográficos, de revelação de filmes e tratamento de imagens, serviços de informática e construção de páginas de internet Serviços portuários e aeroportuários e serviços de despachantes Serviços de segurança privada Serviços de turismo e viagens promovidos por agências de viagens ou operadores turísticos equiparados Serviços de gestão de cantinas, refeitórios, dormitórios, imóveis e condomínios Acesso a espectáculos ou eventos culturais, artísticos ou desportivos Transportes rodoviário, marítimo, ferroviário e aéreo de cargas e contentores, inclusive armazenagem relacionada com estes transportes e transportes de passageiros, desde que realizados exclusivamente em território nacional

7 (ii) Liquidação e repercussão do imposto Cabe ao sujeito passivo o pagamento do imposto respectivo no acto de processamento da factura ou documento equivalente, momento em que o imposto se torna devido e exigível. Passa a prever-se expressamente a faculdade de ser repercutido o imposto aos adquirentes dos bens e serviços sujeitos a tributação. No caso de serviços prestados por entidades não-residentes, a liquidação deverá ser realizada pelas entidades adquirentes dos serviços que residam em Angola e que se encontrem sujeitas a Imposto Industrial.

Reforma Fiscal Angolana

Reforma Fiscal Angolana Reforma Fiscal Angolana Impostos sobre aplicação de capitais Imposto de selo Imposto de consumo improve knowledge Luanda 2012 Imposto de Aplicação de Capitais Por diploma publicado com data de 30 de Dezembro

Leia mais

Resumidamente os citados Decretos Legislativos Presidenciais têm o seguinte enquadramento:

Resumidamente os citados Decretos Legislativos Presidenciais têm o seguinte enquadramento: 2012 Reforma Fiscal Estimado Cliente, O presente documento tem por finalidade dar a conhecer a publicação no Suplemento do Diário da República, I Série Nº 252 de 30 de Dezembro de 2011, onde foram divulgados,

Leia mais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais 1 /5 Reforma Fiscal Angolana Foram publicados no início de Março, como suplemento ao Diário da República datado de dia 30 de Dezembro de 2011, os Decretos Legislativos Presidenciais n.º 5/11, n.º 6/11

Leia mais

www.pwcinforfisco.pt Reforma fiscal angolana Imposto sobre aplicação de capitais Imposto do selo Imposto de consumo

www.pwcinforfisco.pt Reforma fiscal angolana Imposto sobre aplicação de capitais Imposto do selo Imposto de consumo www.pwcinforfisco.pt Reforma fiscal angolana Imposto sobre aplicação de capitais Imposto do selo Imposto de consumo Março de 2012 Índice Imposto sobre a Aplicação de Capitais 3 Imposto do Selo 6 Imposto

Leia mais

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA 3 a 5 de Julho de 2012 Hotel EPIC Sana Luanda Angola MÓDULO I - ENQUADRAMENTO LEGAL, ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS E TENDÊNCIAS FUTURAS: REFORMA FISCAL Índice 1.

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Tax Services. Reforma Fiscal O que já chegou? E o que aí vem?

Tax Services. Reforma Fiscal O que já chegou? E o que aí vem? Tax Services Reforma Fiscal O que já chegou? E o que aí vem? Reforma Fiscal - Indice O que já chegou em 2012 - Imposto sobre a Aplicação de Capitais (IAC) - Imposto do Selo (IS) - Imposto do Consumo (IC)

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS Distribuição de dividendos está sujeita a Imposto sobre a Aplicação de Capitais

Leia mais

Angola Tax Alert 2-2012

Angola Tax Alert 2-2012 29 de Fevereiro de 2012 Tax Alert Angola Tax Alert 2-2012 Reforma Fiscal Imposto sobre a Aplicação de Capitais, Imposto do Selo e Imposto de Consumo Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Aprova a revisão

Leia mais

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo.

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo. Imposto do Selo O imposto do selo incide sobre determinados atos e contratos, sendo cobrado um valor fixo ou aplicada uma taxa ao valor do ato ou contrato. O campo de aplicação deste imposto tem vindo

Leia mais

QUE OPERAÇÕES PAGAM IMPOSTO DO SELO ISENÇÕES. Quem está isento? Que operações estão isentas?

QUE OPERAÇÕES PAGAM IMPOSTO DO SELO ISENÇÕES. Quem está isento? Que operações estão isentas? QUE OPERAÇÕES PAGAM IMPOSTO DO SELO ISENÇÕES Quem está isento? Que operações estão isentas? QUEM TEM QUE PAGAR O IMPOSTO DO SELO VALOR TRIBUTÁVEL DOS IMÓVEIS QUANDO É DEVIDO O PAGAMENTO? TAXAS Verba da

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

Conheça a Reforma Tributária por dentro e por fora Principais alterações

Conheça a Reforma Tributária por dentro e por fora Principais alterações Conheça a Reforma Tributária por dentro e por fora Principais alterações Nota introdutória A aprovação de um pacote legislativo que altera os principais códigos fiscais angolanos é o corolário da primeira

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Reforma Tributária Angola

Reforma Tributária Angola Reforma Tributária em Angola Reforma Tributária Angola Foi aprovado pela Assembleia Nacional no passado dia 30 de Dezembro um importante conjunto de diplomas no âmbito do projecto de reforma do sistema

Leia mais

REFORMA FISCAL EM ANGOLA 2012

REFORMA FISCAL EM ANGOLA 2012 REFORMA FISCAL EM ANGOLA 2012 REFORMA FISCAL EM ANGOLA A reforma fiscal que está em curso assenta em cinco pilares: (i) reforma do sistema tributário, (ii) reforma da administração tributária e da (iii)

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO

VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO Anexo à Instrução nº 1/96 VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO A Abatimentos e devoluções - Mercadorias Acções, compra/venda de (ver em Investimento) Aceitação/entrega de notas com movimentação

Leia mais

VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS. Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas

VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS. Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas Anexo à Instrução nº 1/96 VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS 0. CÓDIGOS ESPECIAIS CÓDIGOS Operação desconhecida abaixo do limiar Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas

Leia mais

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS ANGOLANOS. Imposto Base de incidência Taxa

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS ANGOLANOS. Imposto Base de incidência Taxa SISTEMA TRIBUTÁRIO QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS ANGOLANOS Imposto Base de incidência Taxa Imposto sobre os rendimentos do trabalho Todos os rendimentos auferidos, se residentes pelos auferidos

Leia mais

NEWSLETTER VERSÃO COMPLETA

NEWSLETTER VERSÃO COMPLETA CABINDA LISBOA LUANDA MAPUTO PORTO RIO DE JANEIRO NEWSLETTER VERSÃO COMPLETA MARÇO'12 DESTAQUE REFORMA FISCAL ANGOLANA No âmbito da reforma tributária em curso em Angola, entrou em vigor no dia 1 de Janeiro

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

A reforma fiscal em Angola

A reforma fiscal em Angola www.pwc.com/pt A reforma fiscal em Angola O projecto executivo para a reforma tributária Abril de 2012 Agenda 14h30 - Check in 15h00 - Enquadramento da reforma - Jaime Esteves 15h20 - Investimento privado

Leia mais

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro Construir o Futuro 18 de Fevereiro de 2015 Agenda A Administração Geral Tributária Procedimento de inspecção fiscal e contencioso O Grande Contribuinte Imposto Industrial Imposto sobre os Rendimentos do

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 33/VII/2008. de 8 de Dezembro

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 33/VII/2008. de 8 de Dezembro ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 33/VII/2008 de 8 de Dezembro Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 174º da Constituição, o seguinte: Artigo 1º Aprovação É aprovado

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

Orçamento do Estado para 2004

Orçamento do Estado para 2004 Orçamento do Estado para 2004 (Lei nº107-b/2003, de 31 de Dezembro de 2003) Principais Medidas Fiscais com Incidência na Actividade Empresarial 1 IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Leia mais

Construir o futuro Guia Fiscal

Construir o futuro Guia Fiscal Construir o futuro Guia Fiscal 2015 Editorial O sector financeiro e segurador tem vindo a crescer de forma consolidada nos últimos anos, assumindo-se como um dos motores do crescimento económico do País.

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

A T R I B U T A Ç Ã O A N G O L A N A ( I X ) : O N O V O R E G U L A M E N T O D O I M P O S T O S O B R E O C O N S U M O

A T R I B U T A Ç Ã O A N G O L A N A ( I X ) : O N O V O R E G U L A M E N T O D O I M P O S T O S O B R E O C O N S U M O i N º 5 / 1 5 A T R I B U T A Ç Ã O A N G O L A N A ( I X ) : O N O V O R E G U L A M E N T O D O I M P O S T O S O B R E O C O N S U M O INTRODUÇÃO No âmbito do projecto da Reforma Tributária angolana,

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício Anexo à Instrução nº 5/96 IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS 703 - Juros de recursos

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O sistema tributário moçambicano integra impostos directos e impostos indirectos, actuando a diversos níveis, designadamente: a) Tributação directa dos rendimentos e da riqueza;

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

Construir o futuro Fórum Reforma Tributária

Construir o futuro Fórum Reforma Tributária Construir o futuro Fórum Reforma Tributária Guia Fiscal 2015 Editorial A Reforma Tributária tem vindo a ser debatida, construída e ajustada ao longo dos últimos meses. Esta reflexão resultou num novo

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto * Na sequência do Decreto-Lei n.º 183/2003, de 19 de Agosto, que alterou o Estatuto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Esta revista faz parte integrante do Diário Económico n.º 6095 de 22 de Janeiro de 2015. Não pode ser vendida separadamente. Guia Fiscal Angola 2015

Esta revista faz parte integrante do Diário Económico n.º 6095 de 22 de Janeiro de 2015. Não pode ser vendida separadamente. Guia Fiscal Angola 2015 Esta revista faz parte integrante do Diário Económico n.º 6095 de 22 de Janeiro de 2015. Não pode ser vendida separadamente Guia Fiscal Angola 2015 1 2 Informação fiscal Esta publicação não pretende ser

Leia mais

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local A Autoridade Tributária e Aduaneira divulgou no passado dia 19, o ofíciocirculado n.º 20.180, contendo instruções sobre o enquadramento jurídicotributário

Leia mais

Tax News Flash nº 6/2014 Os impostos peça a peça

Tax News Flash nº 6/2014 Os impostos peça a peça 24 de Outubro de 2014 Tax News Flash nº 6/2014 Os impostos peça a peça Decreto Legislativo Presidencial n.º 3/14, de 21 de Outubro Alterações ao Código do Imposto do Selo Foi publicado, no Diário da República

Leia mais

Boletim Informativo AMI 10467

Boletim Informativo AMI 10467 , 28 de Janeiro de 2013. Informação Fiscal Residentes Fiscais não habituais Portugal. Em resultado do reconhecimento pelas autoridades fiscais portuguesas do estatuto de residente fiscal não habitual,

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro)

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) Calendário Fiscal Fevereiro de 2014 DIA 10 Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) A entrega da declaração de remunerações referente ao mês de Janeiro de 2014 tem que ser feita obrigatoriamente

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n 5/97 de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna se indispensável actualizar princípios e normas

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 V Outras informações 7 NEWSLETTER

Leia mais

EDITORIAL 3 IMPOSTO SOBRE OS RENDIMENTOS DO TRABALHO 5 IMPOSTO INDUSTRIAL 9 IMPOSTO PREDIAL URBANO 14 IMPOSTO DE CONSUMO IMPOSTO DE SELO 18

EDITORIAL 3 IMPOSTO SOBRE OS RENDIMENTOS DO TRABALHO 5 IMPOSTO INDUSTRIAL 9 IMPOSTO PREDIAL URBANO 14 IMPOSTO DE CONSUMO IMPOSTO DE SELO 18 ÍNDICE EDITORIAL 3 GLOSSÁRIO 4 IMPOSTO SOBRE OS RENDIMENTOS DO TRABALHO 5 IMPOSTO INDUSTRIAL 9 IMPOSTO PREDIAL URBANO 14 IMPOSTO DE CONSUMO 16 IMPOSTO DE SELO 18 IMPOSTO SOBRE APLICAÇÕES DE CAPITAIS 21

Leia mais

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro Havendo necessidade de se regulamentar o funcionamento das sociedades de cessão financeira (factoring), com vista a desenvolver a matéria estabelecida no Decreto Presidencial

Leia mais

ANEXO 1 À CIRCULAR Nº 06 /EES/2011

ANEXO 1 À CIRCULAR Nº 06 /EES/2011 ANEXO 1 À CIRCULAR Nº 06 /EES/2011 CÓDIGO 1 BENS 11 Mercadorias Gerais 111 Exportações / Importações de Mercadorias 11101 Açúcar de Cana ou de Beterraba no Estado Sólido 11102 Água Mineral Natural ou Artificial

Leia mais

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MAIO 2012 1. REGULAMENTO DAS MICRO,, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS A Lei n.º 30/11, publicada em Setembro, definiu o novo regime das Micro, Pequenas e Médias

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJECTO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 A SESSÃO DE HOJE DEVERÁ DAR RESPOSTA A CINCO QUESTÕES-CHAVE SOBRE O NOVO REGIME 1 2 3 4 5 O que é o RJFDE? Quais

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Código do Imposto do Selo Verba 17.2 da TGIS

FICHA DOUTRINÁRIA. Código do Imposto do Selo Verba 17.2 da TGIS Diploma: Artigo: Assunto: Código do Imposto do Selo Verba 17.2 da TGIS FICHA DOUTRINÁRIA Isenção do imposto do selo prevista na parte final do n.º 1 do artigo 8.º do Estatuto Fiscal Cooperativo Processo:

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

Definição do conceito fiscal de prédio devoluto

Definição do conceito fiscal de prédio devoluto Definição do conceito fiscal de prédio devoluto A dinamização do mercado do arrendamento urbano e a reabilitação e renovação urbanas almejadas no Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), aprovado pela

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de Imposto de Renda sobre juros e multas geradas por atraso no pagamento de aluguel e

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de Imposto de Renda sobre juros e multas geradas por atraso no pagamento de aluguel e Incidência de Imposto de Renda sobre juros e multas geradas por atraso no pagamento de e descontos concedidos no recebimento antecipado. 22/06/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série nº 79, de 28 de Abril. Decreto Presidencial N.º 95/11 de 28 de Abril

Publicado no Diário da República, I série nº 79, de 28 de Abril. Decreto Presidencial N.º 95/11 de 28 de Abril Publicado no Diário da República, I série nº 79, de 28 de Abril Decreto Presidencial N.º 95/11 de 28 de Abril O quadro jurídico-legal Geral das Instituições Financeiras, aprovado pela Lei n.º 13/05, de

Leia mais

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO Antas da Cunha LAW FIRM TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO I) MAIS-VALIAS A mais-valia consiste na diferença entre o valor de aquisição (que pode ser gratuita ou onerosa) e o valor de realização

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS

QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS ANGOLA: QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS Porto, 06 de Março de 2012 ÍNDICE Parte I Parte II FORMAS DE REPRESENTAÇÃO SOCIEDADES SUCURSAIS E ESCRITÓRIOS DE REPRESENTAÇÃO Parte III ASPECTOS ESSENCIAIS DO REGIME FISCAL

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior IRRF de 23/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Incidência do Imposto de Renda Sobre Locação de Imóveis... 5 3.2

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 JANEIRO / 2009 Até ao dia 12 Entrega da Declaração Modelo 11, por transmissão electrónica de dados, pelos Notários, Até ao dia 20 - Entrega, pelas Instituições de Crédito

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL 2015

CALENDÁRIO FISCAL 2015 CALENDÁRIO FISCAL 2015 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Obrigações mensais Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS FUNDOS ESPECIAIS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Leia mais

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

IVA Direito à Dedução

IVA Direito à Dedução IVA Direito à Dedução Direito à dedução Dedução do Imposto O direito à dedução trata-se de um direito de crédito cujo nascimento ocorre no momento em que o imposto dedutível por um sujeito passivo é exigível

Leia mais

Cada vez mais a abolição das

Cada vez mais a abolição das Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes P o r M a r i a M a n u e l a V i e i r a R e i n o l d s d e M e l o As retenções na fonte de rendimentos obtidos por não residentes obedecem

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2013 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 34/2005 17/02 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/49/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa a um regime fiscal comum

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

Lei 71/93 de 26 de ovembro Lei n.º 71/93 Orçamento ao Orçamento do Estado para 1993

Lei 71/93 de 26 de ovembro Lei n.º 71/93 Orçamento ao Orçamento do Estado para 1993 Lei 71/93 de 26 de ovembro Lei n.º 71/93 Orçamento ao Orçamento do Estado para 1993 A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea h), e 169.º, n.º 3, da Constituição, o seguinte:

Leia mais

Novos Códigos Tributários Principais alterações

Novos Códigos Tributários Principais alterações REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA NOVOS CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS Novos Códigos Tributários Principais alterações NOVEMBRO DE 2014 No âmbito do processo da reforma tributária em curso, foi recentemente publicado

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta.

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta. ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS FISCALIDADE CABO-VERDIANA EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO 04/07/2013 NOME: B.I. / PASS: PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO 1 -

Leia mais

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos sobre o

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos 0 Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto, introduz alterações às regras de faturação em matéria

Leia mais