EXPERIÊNCIA METODOLÓGICA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXPERIÊNCIA METODOLÓGICA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIDÁTICA E METODOLOGIA DO ENSINO SUPERIOR ILKA RAMIRES DA ROSA EXPERIÊNCIA METODOLÓGICA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA CRICIÚMA, SETEMBRO DE 2006

2 ILKA RAMIRES DA ROSA EXPERIÊNCIA METODOLÓGICA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA Monografia apresentada à Diretoria de Pós- Graduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC, para obtenção do título de especialista em Didática e Metodologia do Ensino Superior. Sob orientação da Profª. Drª Fábia Liliã Luciano. CRICIÚMA, SETEMBRO DE 2006

3 Esta Monografia é dedicada aos meus pais, Airson Soares da Rosa e Maria Luiza Ramires da Rosa que estiveram ao meu lado incentivando-me. Especialmente as filhas Natália e Manuela e ao meu companheiro César Augusto que souberam entender minha ausência e de alguma forma foram um motivo a mais para seguir a caminhada.

4 AGRADECIMENTOS Esta monografia, foi elaborada graças à sabedoria e a ajuda de muitas pessoas e autores, sou extremamente grata a todos. Agradeço a Deus, sem ele não teria sido possível a realização da mesma. Sou agradecida aos professores da Universidade, aos meus colegas do curso de pós-graduação particularmente a minha orientadora Fábia Liliã Luciano, Drª que sempre soube me incentivar e me motivar. A toda minha família especialmente ao meu pai Airson Soares da Rosa que foi meu grande incentivador. Sou muito grata a todos os meus alunos durante a minha jornada de vinte anos no Magistério porque sem eles não poderia estar relatando essa experiência. Agradeço ao Instituto de Idiomas Yázigi, por ter sido nesta instituição toda a minha formação e prática da docência. O Colégio São Bento e a Empresa Cecrisa por depositar em mim a confiança nas minhas aulas. Em especial agradeço a grande colega Maria Isabel Ghedin por sua sabedoria e apoio em todos os momentos difíceis de minha vida e trabalho.

5 A vida física é uma escola abençoada, mas se você não se aproveitar dela a fim de aprender suficientemente as lições que se destinam ao seu engrandecimento espiritual, em nada lhe valerá o ingresso no aprendizado humano. (ANDRÉ LUIZ, 1948, p.153)

6 RESUMO A presente monografia volta seu foco de interesse no Ensino da Língua Inglesa, procurando por meio da mesma, apresentar subsídios que ajudem o professor e o aluno no desenvolvimento de procedimentos e técnicas facilitadoras e motivadoras para aquisição da Língua Inglesa. Neste sentido buscou-se trazer a história do aprendizado do ensino de línguas no cenário mundial e nacional por meio de referências bibliográficas. Delimitou-se a problemática para os métodos utilizados em salas de aula e relatos das experiências de práticas pedagógicas mediadoras. Sendo uma pesquisa aplicada apresentar-se-á as atividades realizadas com um grupo de alunos adultos que freqüentam há quatro anos aulas particulares e com alunos do Ensino Médio de uma Escola Particular. Os resultados demonstram que a motivação a criatividade no planejamento das aulas e a utilização do critério de avaliação diagnóstico são ferramentas essenciais para aquisição da Língua Inglesa. Palavras chave: Professor-Aluno; Práticas Pedagógicas; Mediador-Facilitador.

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PRESSUPOSTOS HISTÓRICOS DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Cenário Mundial Cenário Nacional Os métodos de Ensino da Língua Inglesa ao longo dos Séculos APRESENTAÇÃO DOS DADOS COLETADOS Descrição do Local da Pesquisa Análise dos Dados Coletados A Visão do Professor Pesquisador SUGESTÕES METODOLÓGICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA CONSTRUTIVISTA Importância das Teorias de Aprendizagem para a Formação de Professores Sugestões de Atividades no Desenvolvimento das Habilidades Atividade 1: auto apresentação cartão amarelo Atividade 2: envio de convite Atividade 3: pesquisar site na internet Atividade 4: apresentação de uma música Atividade 5: trabalho de gramática Atividade 6: o filme Terminal Atividade 7: minha própria lista de verbos Modelo de questionário pesquisa O Uso de Materiais Alternativos Critérios de Avaliação CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES... 43

8 7 1INTRODUÇÃO A presente monografia volta seu foco ao Ensino da Língua Inglesa como elemento facilitador na aprendizagem construtivista do indivíduo desencadeando um processo produtivo no desenvolvimento das habilidades de escrita, fala, compreensão e audição neste sentido se constitui problema dessa pesquisa aplicada, sugestões de práticas pedagógicas efetivamente realizadoras em busca de fato atender os anseios do aprendiz elevando assim sua auto estima. Portanto, para estudar esta temática foi necessário levantar as seguintes questões: A formação do professor lhe permite estar consciente da realidade e necessidade de seus alunos? Como o professor planeja e avalia as atividades a serem desenvolvidas? Como os métodos de ensino da Língua Inglesa proporcionam práticas pedagógicas dinâmicas? Os materiais alternativos podem substituir os livros didáticos a fim de proporcionar reais possibilidades de aprendizagem? Sendo uma pesquisa aplicada, escolheu-se como amostra três diferentes grupos de alunos, respeitando suas faixas etárias e seus interesses. Na tentativa de relatar a experiência no ensino da Língua Inglesa o objetivo desse estudo preocupou-se com a necessidade, anseio e satisfação dos alunos. Desmistificar a herança do medo, a frustração dos erros e o sentimento de ser incapaz foi tarefa fundamental em todo o processo do professor pesquisador.

9 8 O trabalho apresentado aborda quatro capítulos, o capítulo 1 apresenta a introdução do estudo, acompanhada do capítulo 2 que descreve os pressupostos históricos do Ensino da Língua Inglesa, tendo como foco o cenário mundial, nacional, procurando relatar o seu início e principais autores dentro de cada cenário. No capítulo 3, a pesquisadora analisa os dados coletados, apresentando o local da investigação, a descrição e interpreta os resultados. O capítulo 4 aponta sugestões metodológicas para o desenvolvimento de uma prática pedagógica que ambos professor e alunos construíssem seus processos de ensino e aprendizagem em uma abordagem comunicativa, visando a dinâmica e a eficiência. Por fim seguem-se as referências e os anexos.

10 9 2 PRESSUPOSTOS HISTÓRICOS DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Neste capítulo apresentar-se-á os pressupostos históricos do Ensino da Língua Estrangeira em particular a Língua Inglesa nos cenários Mundial e Nacional. Serão abordados a histórias, a metodologia e os mitos no Ensino e Aprendizado da Língua Inglesa até os dias atuais. Tendo como base teórica alguns de seus principais autores e obras. 2.1 Cenário Mundial A necessidade de entrar em contato com falantes de outro idioma é antiga supõe-se que as primeiras aprendizagens de uma língua estrangeira aconteceram pelo contato direto com o estrangeiro. Paralelamente a estas aquisições em meio natural e sejam quais foram as razões econômicas, diplomáticas, sociais, comerciais ou militares, determinados povos se preocupavam em aprender e ensinar, de forma sistemática, certas línguas estrangeiras. Do ano 3000, aproximadamente, até por volta do ano 2350 surgem as primeiras provas da existência do ensino de uma segunda língua pela conquista dos sumérios pelos acardianos. O conhecimento do povo sumério constituía um instrumento de promoção social, dando acesso à religião e a cultura da época. Desde o terceiro século antes de nossa era, os romanos procuravam aprender a língua falada pelos povos por eles conquistados. Por causa do prestígio

11 10 da civilização grega e ignorando as línguas bárbaras tais como o celta, o germânico, os romanos aprendem o grego como segunda língua. A aparição dos primeiros manuais de aprendizagem de uma língua estrangeira surgiu na data do terceiro século da nossa era. Tratava-se de manuais bilíngües, enfatizando a prática do vocabulário e da conversação, e eram sobretudo utilizados pelos falantes do latim que aprendiam o grego. Parafraseando Germain (1993) na Gália (França) por volta do século IX, o latim ensinado nas escolas tem o status de uma língua estrangeira língua culta em relação à língua francesa língua popular. Na Europa, durante a Idade Média, o latim possuía intenso prestígio, sendo considerado a língua da igreja, dos negócios, das relações internacionais, das publicações filosóficas, literárias e científicas (PUREN, 1988). O Século XVI, no entanto, assistiu a uma expressiva revolução lingüística. Exigia-se dos educadores o bilingüismo, o latim como língua culta e vernácula como língua popular (SAVIANI, 1996). No final da Idade Média e começo da Renascença, as línguas vernáculas francês, o italiano, o inglês, o espanhol, o alemão e o holandês se tornaram cada vez mais importantes e o latim cada vez menos usado na oralidade. O Inglês representa um grande papel em função do poder e da influência da economia norte Americana. Essa influência cresceu ao longo deste século, principalmente a partir da Segunda Guerra Mundial, e atingiu seu apogeu na chamada Sociedade Globalizada e de alto nível tecnológico, em que alguns indivíduos vivem neste final de século. O Inglês, hoje, é a língua mais usada no mundo dos negócios, e em alguns países como Holanda, Suíça e Finlândia, seu domínio é praticamente universal nas Universidades (BRASIL, MEC, 1998, p.23).

12 Cenário Nacional O marco inicial da história do ensino de línguas estrangeiras no Brasil, século XIX foi o Decreto de 22 de Junho de 1809, assinado pelo Príncipe Regente de Portugal D. João VI, recém chegado ao Brasil, que mandava criar uma cadeira de língua francesa e outra de língua inglesa. Entretanto, a carta régia de Janeiro de 1811, criava o lugar de intérprete de línguas na Secretaria do Governo de Bahia. A década de 1930 representou um impulso no ensino de inglês no Brasil devido às tensões políticas mundiais que vieram a culminar na Segunda Guerra Mundial. A difusão da língua inglesa no Brasil passou a ser vista como necessidade estratégica para contrabalançar o prestígio internacional da Alemanha que encontrava no Brasil particularmente e devido à imigração ocorrida no século anterior. Em 1935, surgiu o primeiro acordo de cooperação entre a Escola Paulista de Letras Inglesas e o Consulado Britânico, dando origem à Sociedade Brasileira de Cultura Inglesa, precursora da atual Cultura Inglesa. Em 1938 surgiu, em São Paulo, o primeiro instituto binacional com o apoio do Consulado norte-americano: o Instituto Universitário Brasil Estados Unidos que mais tarde foi renomeado para União Cultural Brasil Estados Unidos. Foi somente a partir da década de 1960 que iniciou a proliferação dos cursos comerciais operando em redes de franquia. A Língua Inglesa para o Brasil na atualidade representa a sobrevivência, o futuro e o progresso, apesar de inúmeros autores discordarem de como o Ensino da Língua Inglesa é tratado em Escolas públicas e particulares. Segundo o autor Ricardo (1988, p.26) em seu livro Como ensinar e aprender inglês e outras línguas estrangeiras.

13 [...] o inglês como é geralmente ensinado nas escolas públicas brasileiras (tardiamente e apenas duas vezes por semana) é pura perda de tempo para os alunos e total desperdício para o Estado. Ou o Inglês é necessário ou é desnecessário e se elimina do currículo. O Inglês não é uma língua estrangeira a mais, não se trata do idioma dos Estados Unidos ou do Reino Unido trata-se de uma língua universal. As exportações, o turismo, a tecnologia e a captação de investimentos externos são a sobrevivência social e política e o futuro econômico do Brasil, e esses setores têm o Inglês como língua universalmente aceita Os métodos de Ensino da Língua Inglesa ao Longo dos Séculos À medida que as diversas línguas nacionais suplantaram o latim como língua de comunicação, elas se tornaram objeto de aprendizagem escolar. No plano metodológico, salienta-se que o modo de ensino do latim prevalece durante a Idade Média e que o ensino das línguas vivas ou modernas vai se basear no modelo de ensino do Latim. Diante do fracasso deste modelo de ensino de línguas estrangeiras, o tcheco Jan Amos Komersky, Comenius em latim, elaborou seu próprio método de ensino. Em 1638, publica sua obra Didática Magna onde trata de princípios de didática das línguas; como o princípio da ordem natural, o sensualista e do prazer em se aprender por meio de jogos e sem castigos corporais, eminentemente comuns na época. Comenius é considerado por vários autores como fundador da didática das línguas enquanto disciplina científica autônoma (GERMAIN, 1993).

14 13 A partir do século XVIII, os textos em língua estrangeira tornam-se objeto de estudos; os exercícios de versão/gramática passam a substituir a forma anterior de ensino do latim que partia de frases isoladas tiradas da língua materna. Convém mencionar que nos materiais pesquisados para a presente exposição nos deparamos com os termos: método, metodologia e abordagem. É importante esclarecer os mesmos dentre tantas definições para prosseguirmos com o relato. Puren (1988) chama de método o próprio material de ensino, a metodologia estaria em um nível superior, englobando os objetivos gerais, os conteúdos lingüísticos, as teorias de referência, as situações de ensino e subtendem a elaboração de um método. Porém o termo abordagem (approach do inglês) é definido por Leffa apud Bohn e Vandersen (1988) como os pressupostos teóricos acerca da língua e de aprendizagem. Desde então o século XVIII até meados deste século (e inclusive atualmente na maioria das escolas de ensino médio) a metodologia consagrada e predominante foi sempre tradução e gramática, historicamente, a primeira e mais antiga metodologia que servia para ensinar as línguas clássicas como grego e latim. É a concepção de ensino do latim, língua morta, considerado como disciplina mental, necessária à formação do espírito que vai servir de modelo ao ensino das línguas vivas (GERMAIN, 1993). Os objetivos da metodologia tradicional que vigoram exclusiva até o início do Século XX, era o de transmitir um conhecimento sobre a língua, permitindo o acesso a textos literários e a um domínio da gramática normativa. Propunha-se a tradução e a versão como base de compreensão da língua em estudo. O dicionário e o livro de gramática eram, portanto, instrumentos úteis de trabalho.

15 14 O primeiro marcante movimento em oposição ao método tradicional de gramática e tradução ocorreu por volta dos anos 50, quando o behaviorismo de Skinner na área da psicologia e o estruturalismo de Saussure na área lingüística estavam na moda. Os lingüísticos de então passaram a valorizar a língua na sua forma oral. Sustentavam que o aprendizado de línguas estaria relacionado a reflexos condicionados, e que a mecânica de imitar, repetir, memorizar e exercitar palavras e frases seria instrumental para se alcançar habilidade comunicativa. Esta visão originou aos métodos áudio-orais e audiovisuais, baseados em automatismo e atrelados a planos didáticos. Com a entrada dos americanos na guerra, o exército sentiu a necessidade de produzir rapidamente, falantes fluentes em várias línguas, faladas nos futuros palcos de operação. A fim de atingir tal objetivo foi lançado em 1943 um programa didático que deu origem ao método do exército no que na atualidade é conhecido como metodologia áudio-oral. Os princípios básicos desta abordagem eram: a língua é falada e não escrita (com isso restabelecia-se a ênfase na língua oral) e, a língua é um conjunto de hábitos condicionados que se adquiria por intermédio de um processo mecânico de estímulo e resposta. Após a Segunda Guerra Mundial, a língua Inglesa se torna, cada vez mais, a língua das comunicações internacionais. Enquanto nos Estados Unidos não obstante se dava ênfase ao código de língua, ao nível da frase, Bloomfield, lingüística estruturalista, e Chomsky, gramática gerativo-transformacional, na Europa os lingüísticos enfatizavam o estudo do discurso. Esse estudo propunha não apenas a análise do texto oral e escrito, bem como as circunstâncias em que o texto era produzido e interpretado.

16 15 A língua é, então, analisada como um conjunto de eventos comunicativos (LEFFA apud BOHN e VANDERSEN, 1988). A abordagem comunicativa centraliza o ensino da língua estrangeira na comunicação. Noam Chomsky (1971), por sua vez, revoluciona a lingüística nos anos 60 afirmando que a língua é uma habilidade criativa e não memorizada, e que não são as regras da gramática que determinam o que é certo e errado, mas sim o desempenho de um representante nativo da língua e da cultura que determine o que é aceitável ou inaceitável. Mais recentemente as idéias de Chomsky passaram a inspirar a metodologia de ensino de línguas na direção de uma abordagem humanística. A partir dos anos 70 e 80, surgem novas teorias nas áreas da lingüística e da psicologia educacional. Em 1985 o norte-americano Stephen Krashen (1987) traz ao ensino de línguas as teorias de Piaget e Vygotsky, pais da psicologia cognitiva contemporânea que inclusive haviam proposto que conhecimento é construído em ambientes naturais de interação social, estruturados culturalmente, e estabelece uma nítida distinção entre estudo formal e assimilação natural de idiomas, entre informações acumuladas e habilidades desenvolvidas, redefinindo os rumos do ensino de línguas. Em seu livro Principles na Practice in Second Language Acquisition Krashen (1987) conclui de que o ensino de línguas eficaz não é aquele que depende de receitas didáticas em pacote, de prática oral repetitiva ou que busca apoio de equipamentos eletrônicos e tecnologia, mas sim aquele que explora a habilidade do instrutor em criar situações de comunicação autêntica naturalmente voltadas aos interesses de cada grupo e cada aluno, que funciona dentro de uma sala de aula, que enfatiza o intercâmbio entre pessoas de diferentes culturas, e que dissocia as

17 16 atividades de ensino e aprendizado do plano técnico-didático, colocando-a em um plano pessoal-psicológico. Contrapondo-se a esta visão o ensino da Língua Inglesa no Brasil, em rede de escolas de ensino médio, de forma geral, ficou estacionado no método de tradução e gramática do início do século, enquanto que os cursinhos particulares, na sua maioria, ficaram limitados no método áudio-lingüístico dos anos 60. Tal fato é decorrência da abordagem natural-comunicativa, predominante aceita, depender fundamentalmente do elemento humano qualificado e vai de encontro à dificuldade de se obtê-lo no Brasil, evidenciando uma flagrante deficiência de nossos cursos superiores na área de línguas. Ao se analisar as metodologias de ensino supra citadas, verifica-se que as mesmas privilegiam o estudo da língua. Ora vista como um conjunto de palavras de vocabulário, ora de estruturas gramaticais de noções ou funções. Algumas metodologias, além do estudo da língua, levam em conta a psicologia da aprendizagem: o processo e/ou as condições de aprendizagem. O professor representa a autoridade e o modelo a ser seguido, exceção feita à metodologia comunicativa em que o professor tem múltiplos papéis, mas não é visto como autoridade. No que diz respeito ao aluno, verifica-se que nas metodologias analisadas ele passa de um papel passivo a outro oposto o ativo, com tendência a desenvolver uma independência e uma certa autonomia face à aprendizagem. Diversos elementos se conjugam a fim de dar conta da aprendizagem de uma língua estrangeira, mas considera-se que o estar motivado para aprender, constitua a melhor forma de aprendizado, independentemente da metodologia a ser utilizada. Acredita-se que para manter a motivação pela língua estrangeira em

18 17 estudo, o aluno precisa se engajar no processo, tem de aprender a aprender e ser capaz de assumir uma parte da responsabilidade por sua aprendizagem. Por outro lado um professor que apenas dá aula, não sabe nada. Atrapalha o aluno. Como vítima de uma didática passiva, geralmente imposta na (de) formação das Escolas Normais ou das Licenciaturas, reproduz o que lhe foi literalmente ensinado. Literalmente, ensina, não sabe educar. Um professor bem intencionado e persistente descobrirá no alunado entusiasmado, criatividade, dedicação e companheirismo (RICARDO, 1988). O mundo é um hipertexto a ser explorado. Quem aprende se apropria do conhecimento e o toma parte de seu viver. Somente se vive enquanto se aprende. A vida nos cobra um aprender constante. Viver implica em saber aprender. Aprender é essencialmente estar vivo. Aprender é um ato agregado ao corpo todo. Para Gates (1995, p.42), o ato de aprender não tem velocidade. Ultimamente os professores de língua têm dado mais atenção ao papel do aprendiz no processo de aprendizagem da Segunda língua. Os métodos [as estratégias] que o aprendiz emprega para internalizar e expressar-se na língua é tão ou mais importante que os métodos do professor (BROWN, 1994, p. 20). Descobrir e investir nas estratégias que os alunos utilizam para aprender é tão importante quanto qualquer método de ensino. Neste sentido esta situação, vem sendo modernamente discutida e estudada sob o título de estilos diferentes de aprendizagem. Os alunos não aprendem homogeneamente e o professor deve estar atento a essas diferenças, sendo imprescindível incentivar as estratégias individuais. Quem ensina aprende a ensinar e quem aprende ensina a aprender (FREIRE, 1997, p.26).

19 18 3 APRESENTAÇÃO DOS DADOS COLETADOS Tratando-se de uma pesquisa aplicada relatamos os dados coletados, por meio de questionário e atividades feitas pelos próprios alunos. 3.1 Descrição do Local da Pesquisa Começamos nossa pesquisa em uma Empresa Cerâmica de Criciúma, onde os funcionários da mesma utilizavam seus horários de almoço para assistirem aulas de Inglês. Importante ressaltar que a Empresa costumava custear aulas de Inglês aos seus funcionários em cursos particulares na cidade. Devido a grande ausência dos mesmos nas aulas, por motivos de viagem e outros se decidiu não custear mais os cursos. Tratando-se de uma Empresa exportadora, os próprios funcionários tomaram a iniciativa de pagar por suas aulas. Aproveitando esse mercado de ir até o cliente decidimos ministrar aulas na própria Empresa uma vez por semana em horários de almoço, levando uma proposta ágil e dinâmica, obtendo cem (100%) por cento de adesão. O outro local da pesquisa é uma escola particular que está a sessenta anos no mercado. Por fim relataremos a pesquisa realizada na própria residência da professora envolvida.

20 Análise dos Dados Coletados Os sujeitos envolvidos na pesquisa compõem três grupos diferentes de alunos, sendo o primeiro grupo, funcionários de uma Empresa Cerâmica, o segundo grupo, alunos do Ensino Médio de um colégio particular e o terceiro grupo, três médicos que estão terminando o mestrado e são docentes da Universidade. Em relação aos dados levantados com auxílio do questionário e atividades exploradas com esses alunos constatou-se o seguinte: Todos os alunos têm a idéia de que estudar Inglês é uma tarefa difícil e às vezes nada motivadora. Os alunos têm consciência da importância da Língua Inglesa como língua universal e fundamental nos dias atuais. Todos possuem a necessidade do conhecimento da Língua Inglesa para seus objetivos alcançarem, como por exemplo defender um mestrado, atender bem as funções dentro de seu cargo na Empresa e até passar no vestibular. A maior dificuldade apresentada pelos pesquisados é habilidade da fala, conseqüentemente a auto estima dos alunos é muito baixa por conta do medo de erar, da vergonha de se expressar. 3.3 A Visão do Professor Pesquisador O desafio de ministrar aulas de Língua Inglesa fora de sala de aula foi uma experiência intensamente animadora.

21 O planejamento das aulas partindo do princípio das necessidades dos 20 alunos. O que eles necessitavam, ao procurar o estudo do Inglês. Atendendo eficazmente os alunos dando-lhes motivação, elevando sua auto-estima, satisfazendo seus anseios, de que eles poderiam e podem aprender, foi o objetivo maior de nossas aulas. Respeitando cada grupo pesquisado buscou-se assunto ligado às suas realidades, conseguindo-se assim suas atenções. Outro aspecto que consideramos fundamental é a negociação e a transparência das regras a se estabelecer. Em uma relação bilateral Professor Aluno as aulas tornaram-se dinâmicas, envolvendo sem cessar o assunto dado no desenvolvimento das quatro habilidades: fala, escrita, audição e leitura. Entendemos que a relação do Professor e Aluno caracteriza-se de elevada importância tendo como parâmetro qualquer livro didático, qualquer ambiente físico, qualquer método pré-estabelecido. Ensinamos o aluno a aprender sozinho, e passamos simples técnicas de auto ajuda para o seu dia a dia, tornando seu aprendizado constante e realizador. O ambiente favorável à aprendizagem é o interdisciplinar, ao mesmo tempo teórico e prático, socialmente motivador, pluralista e crítico, implicando qualidade formal e política, não existe aprendizagem apenas teórica ou apenas prática, posto que o confronto adequado com a realidade supõe dar conta dela como um todo; ao mesmo tempo, é próprio do conhecimento moderno não distinguir concretamente teoria e prática, visto que seu signo fundamental é intervir para mudar (MORIN, 1996).

22 21 A conexão linguagem-cultura: língua e cultura estão inegavelmente associados. Aprender uma língua significa aprender um pouco de cultura do outro povo. Esse aspecto foi considerado importante na relação do professor pesquisador com seus alunos, uma vez que o mesmo possui experiência de vivência nos Estados Unidos. Sempre que [se] ensina uma língua também [se] ensina um sistema complexo de costumes, valores e modos de pessoas, sentir e agir [pertencentes à cultura da língua] (BROWN, 1994, p.25). A auto-confiança determinante em qualquer realização do ser humano, qualquer situação de aprendizagem, também é essencial na aquisição de um novo idioma. O sucesso que o aluno obtém na realização de alguma atividade resulta, pelos menos em parte, no fato de ele acreditar que é realmente capaz de realizar essa tarefa (BROWN, 1994, p.23). Não precisamos fazer nossos alunos, falarem como nativos, mas devemos instigá-los a desenvolver o sentimento de poder fazê-lo. A aprendizagem depende, em significativa parte, dos próprios alunos. O que nós professores, podemos fazer é dirigir, orientar, facilitar e mediar essa aprendizagem por meio de planejamentos objetivos exeqüíveis, criando situações, por meio das quais, os alunos possam socializar, comparar e transferir para suas realidades. Baseado nas exposições, relata-se como resultados os seguintes fatos: Alunos com auto-estima elevada. A internacionalização de regras gramaticais totalmente absorvidas pela comunicação informal.

23 22 O Intercâmbio professor x aluno em atividades dinâmicas tais como: comunicação escrita na Língua Inglesa por intermédio de s. O desenvolvimento de pesquisa via Internet. Nos alunos do Ensino Médio, onde o material é tecnicista, conseguimos incentivar a discussão e o entendimento dos textos de uma forma construtivista e eficiente, relacionando-os com suas realidades. A satisfação do aluno em poder comunicar sem medo de errar, atendendo seus anseios e propósitos. A informalidade das aulas foi uma das maiores vantagens para os alunos médicos do grupo três em estudo. Com noções de nível intermediário na Língua Inglesa, tiveram oportunidade de relembrar com auxílio de música, jogos, filmes e discussões, o Inglês adormecido, promovendo expressivo sucesso. Sem qualquer pretensão o professor pesquisador envolvido no processo das aulas, certifica-se que tendo como foco principal os anseios de seus alunos e atividades dinâmicas e motivadores o êxito dos mesmos na aquisição ou manutenção da aprendizagem da Língua Inglesa será garantido ou no mínimo mais realizador e menos traumático. Respeitar as individualidades e garantir o desenvolvimento igual das quatro habilidades: escrita, audição, fala e leitura durante as aulas foi essencial. Ensinar e aprender, a se construir ou a se Reconstruir: Eis o papel do Educador (JAPIASSU, 1999, p.66).

24 4 SUGESTÕES METODOLÓGICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA CONSTRUTIVISTA 23 Construtivismo não pode dizer aos professores novas coisas para fazer, mas pode sugerir certas atitudes e procedimentos que são produtivos e devem reforçar oportunidades para os professores usarem suas próprias imaginações (VON GLASERSFELD S, 1995, p.17). Piaget apud Fontana e Cruz (1997, p.45), em sua concepção, afirma que conhecer e organizar, estruturar e explicar a realidade a partir daquilo que se vivencia nas experiências com os objetos do conhecimento. Por que não discutir com os alunos a realidade concreta a que se deva associar a disciplina cujo conteúdo se ensina, a realidade agressiva em que a violência é a constante e a convivência das pessoas com a morte é muito mais do que com a vida? (FREIRE, 1997, p.33). Por que não estabelecer uma necessária intimidade entre os saberes curriculares fundamentais aos alunos e a experiência social que eles tem como indivíduos? (FREIRE, 1997, p.34). 4.1 Importância das Teorias de Aprendizagem para a Formação de Professores Diferentes teorias podem certamente trazer contribuições relevantes à compreensão do fenômeno educativo. Não podemos negar a genética, fatores biológicos e/a hereditariedade (Teoria Inatista/ Maturacionista), mas respeitamos as ações e habilidades dos indivíduos que são determinadas por suas relações com o meio (Teoria Comportamentalista) que transformam o comportamento.

25 24 Seguindo para a (Teoria Construtivista) Piaget onde o processo de aprendizagem é constituído, tomando como ponto de partida o nível de desenvolvimento Real do indivíduo, consideramos o russo Vygotsky, um progressista para sua década. Para ele o homem um ser biológico passa a ser um ser social por meio de um processo de internalização de atividades e comportamentos e signos culturalmente desenvolvidos. O indivíduo é um ser humano essencialmente histórico, sujeito às especificidades de seu contexto cultural (Teoria Histórico-cultural). As diversas teorias são de extrema importância para a formação do educador, bem como os estudiosos, pesquisadores e teóricos que nos deixaram seus importantes conhecimentos, visões e concepções. Cabe salientar que a Escola deve ser e achamos fundamental um palco constante de negociações. Os Educadores não devem seguir apenas uma teoria, devem analisá-las e buscar mesclar dentro de seus conceitos e práticas pedagógicas. Acreditamos que ser Educador é buscar constantemente talento e sabedoria, para diagnosticar em meio aos seus alunos, sujeitos ATIVOS, suas necessidades, suas realidades, desempenhando sua função de mediador, facilitador e interventor no processo de aprendizagem. 4.2 Sugestões de Atividades no Desenvolvimento das Habilidades Não é intenção apresentar neste estudo soluções prontas de atividades ou atividades milagrosas de aprendizagem sem qualquer pretensão, apresentaremos algumas sugestões de atividades que julgamos interessantes e que

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias Componente Curricular: Inglês Série:

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA ROSEMARY BARBEITO PAIS rosebarbeito@hotmail.com ORIENTADORA PEDAGÓGICA - CP2 DOUTORANDA EM

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência.

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência. DEDICATÓRIA Às mulheres da minha vida Neiliane e Wany pelo apoio incondicional em todos os momentos, principalmente nos de incerteza, muito comuns para quem tenta trilhar novos caminhos. Sem vocês nenhuma

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE A BUSCA DO INTERESSE NA SALA DE AULA LUCILEIA NAVARRO GARCIA Profª. FABIANE

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO SILVA, Wellington Jhonner D. B da¹ Universidade Estadual de Goiás - Unidade

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Sociologia da Educação Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º 1 - Ementa (sumário, resumo) Contribuições e interpretações

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Inglês Instrumental Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Módulo:

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO 0 1 A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA

Leia mais

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE.

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. Mônica Cintrão França Ribeiro Universidade Paulista (UNIP) Comunicação Científica RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Em ação! PARTE 1: (5 minutos) Procure alguém que você não conhece ou que conhece

Leia mais

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação básica, onde a prática pedagógica deve favorecer a construção do conhecimento das crianças de 0 a 6 anos

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceitos básicos: filosofia,

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

E INTERVENÇÃO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR: INVESTIGAÇÃO

E INTERVENÇÃO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR: INVESTIGAÇÃO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR: INVESTIGAÇÃO E INTERVENÇÃO Ponto de vista. Avaliar a aprendizagem é um ato de cuidar do estudante, tendo em vista a obtenção dos melhores resultados em termos de seu

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht Page 1 of 5 e seu sentido de melhoria do processo de ensino-aprendizagem Para que Avaliar? Para conhecer melhor o aluno/a Para julgar a aprendizagem durante o processo de ensino Para julgar globalmente

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv

PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv Viçosa Agosto 2015 APRESENTAÇÃO A Wizard Idiomas é a maior rede de franquias no segmento de ensino de idiomas do Brasil. Os dados são da Associação Brasileira de Franchising

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Filosofia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Introdução à Filosofia, o estudo da filosofia;

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO 112 A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO FAILI, Valmir Rogério 1 Aula de Português Carlos Drummond de Andrade A linguagem na ponta da língua, tão fácil de

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD)

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) PADILHA, Emanuele Coimbra; SELVERO, Caroline Mitidieri Graduada em Letras-Espanhol pela Universidade Federal de Santa Maria UFSM. E-mail: emanuelecp@hotmail.com

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio EtecPaulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Área do conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias Componente curricular: Inglês Série:

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Ludo Químico: Uma Maneira Divertida de Aprender Química

Ludo Químico: Uma Maneira Divertida de Aprender Química Ludo Químico: Uma Maneira Divertida de Aprender Química Givanilda. S. de Freitas, Ellen Danielly de F. Lima 1, Myrelly Morais Tôrres¹, Suzana Pereira. Rêgo¹ e Wellima Fabíola B. Jales¹, Paulo Roberto N.

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi 8.00.00.00-2 LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES 8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi Curso de Letras Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Arte

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais