DESTAQUES. Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço. Normas e Procedimentos Safra 2010/2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESTAQUES. Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço. Normas e Procedimentos Safra 2010/2011"

Transcrição

1 Nº I Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Julho, DESTAQUES Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço Normas e Procedimentos Safra 2010/ Limites para custeio e EGF por produtor - PGPM - Preços mínimos - Política de Crédito da Castrolanda - Condições de financiamento através da Cooperativa - Condições de financimento de feijão da Cooperativa - Normas da Cooperativa para safra 2010/ Encargos financeiros do custeio com crédito rural - Taxa de risco - Custo de produção (finaciável) - Limites - Abertura de limites Clube de Bezerras

2 CORPORATIVO ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA E PRÉ-ASSEMBLÉIA SEMESTRAL DE BALANÇO Associado, participe da ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA E PRÉ-ASSEMBLÉIA SEMESTRAL DE BALANÇO que serão realizadas no dia 28 de julho, às 14 horas, no Memorial da Imigração Holandesa. ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA AGENDA: 1) Abertura pelo Diretor Presidente 2) Leitura do Edital de Convocação; 3) Aprovação de alterações ao Estatuto Social: A)para alterar o nome empresarial da Cooperativa, a fim de atualizar seu objeto social e gênero de seus serviços, operações e atividades, dando nova redação ao Art. 1.º, do Estatuto Social; B) em revisão das normas de fidelidade e eleitorais: b.1) para adequar o Estatuto Social às normas de fidelidade e eleitorais, quanto aos direitos de votar e ser votado, na eleição de membros do Conselho de Administração, do Conselho Fiscal, dos Comitês, dando nova redação ao Art. 12, 1.º, c e d, e ao Art. 75; e b.2) para estender a vedação de conflitos de interesse a companheiros e empresas em que o cooperado seja sócio ou tenha participação direta ou indireta, dando nova redação ao Art. 93, 6.º, f ; 4) Assuntos de interesse geral; PRÉ-ASSEMBLÉIA SEMESTRAL DE BALANÇO AGENDA: 1) Apresentação do Balanço e Resultados em 30 /06/2010 e Perspectivas dos Resultados para 31/12/2010 2) Apresentação do Plano Safra 2010/2011 3) Investimentos Setoriais 4) Evolução da Pecuária de Leite, Suinocultura, Agricultura, Bataticultura e UBL 5) Assuntos Gerais 6) Encerramento NORMAS E PROCEDIMENTOS SAFRA 2010/2011 Conforme o Plano Safra do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), a Cooperativa informa as normas e procedimentos para safra 2010/2011. Acompanhe: 1) LIMITES PARA CUSTEIO E EGF POR PRODUTOR - (MAPA) 2 EXPEDIENTE: Cooperativa Agropecuária Castrolanda I Praça dos Imigrantes, 03 I Caixa Postal 131 I I Colônia Castrolanda - Castro, PR IMPRESSÃO: Kugler Artes Gráficas I JORNALISTA RESPONSÁVEL: Leila Gomes - MTB 6584 TIRAGEM: 700 exemplares I Periodicidade: Semanal I I

3 2) PGPM - PREÇOS MÍNIMOS - (MAPA) 3) POLÍTICA DE CRÉDITO DA CASTROLANDA Objetivos: A) Assegurar o equilíbrio entre o repasse de recursos diretamente aos associados por instituições financeiras e o repasse através da Cooperativa; B) Estimular o desenvolvimento sustentável dos Produtores; C) Incentivar a capitalização dos Produtores; D) Reduzir o apoio de capital de giro; E) Incentivar a integração pecuária. 4) DAS CONDIÇÕES PARA FINANCIAMENTO ATRAVÉS DA COOPERATIVA A) o cadastro atualizado é condição essencial para abertura de limites e liberação de financiamentos; B) aqueles associados que desejarem financiar os custeios por intermédio da Cooperativa deverão informar as suas necessidades de recursos até o dia 16/08/2010, mediante registro em formulário próprio a ser disponibilizado pela Secretaria Geral; C) não serão liberados financiamentos para os associados que tiverem pendências da safra anterior não lastreadas pela produção; D) os financiamentos da Cooperativa somente serão liberados mediante adesão ao Grupo Mútuo de Granizo e Fundo Mútuo Agrícola ou seguro oficial; E) além dos limites anteriormente fixados, o Comitê de Crédito avaliará ainda, os pedidos de financiamento de custeio considerando o endividamento por hectare e produtividade média obtida nos últimos 3 anos, sendo no mínimo para a SOJA de kg/ha, e MILHO de kg/ha; 3

4 F) todos os associados que fizerem custeios diretamente com a Cooperativa e tiverem renegociações em aberto, terão que registrar o penhor; G) para o financiamento de soja da safra 2010/2011, através da Cooperativa, daqueles associados que possuem financiamentos de capital de giro com endividamento superior a R$ 6/ha, será exigida a venda antecipada de 30 sacas de soja/ha. H) na avaliação da colheita da safra 2010/2011, se houverem casos constatados de financiamentos na Cooperativa e instituições financeiras para a mesma finalidade, ou seja, financiamentos duplos, serão tomadas medidas de exclusão do acesso ao crédito na Cooperativa daqueles associados; 5) DAS CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA FINANCIAMENTO DE FEIJÃO NA COOPERATIVA A) o financiamento para a cultura de feijão por repasse é limitado a 20% da área total das culturas da safra de verão conforme programação do associado; B) a liberação de recursos para o plantio de feijão poderá ser inferior ao limite descrito acima por critérios e definições do comitê de crédito; C) no momento da contratação do financiamento o associado assume compromisso junto a Cooperativa de que tão logo seja comercializada a produção efetue a quitação das suas obrigações da cultura de feijão, sob pena de não o fazendo perder seu direito de financiamento da próxima safra; 6) NORMAS DA COOPERATIVA PARA SAFRA 2010/2011 O crédito rural pode ser concedido com recursos: CONTROLADOS a.1 Soja R$ a.2 Milho R$ a.3 Feijão R$ NÃO CONTROLADOS b.1 Complementar (Cooperativa) b.2 Com repasse via ACC e Res (dólar) 7) ENCARGOS FINANCEIROS DO CUSTEIO COM CRÉDITO RURAL RECURSOS CONTROLADOS Taxa de juros 6,75% a.a. IOF (na liber.) 0,38% Taxa de administração (na liber.) 1,00% Seguro Ac.Pessoais (na liber.) 0,2% TOTAL 8,33% a.a. 2

5 + Fundo auto-capitalização 3% + Fundo mútuo agrícola (seguro) 2,5% soja e 3% milho + Fundo de risco (vide Norma) RECURSOS COMPLEMENTAR Taxa de juros 0,80% a.m. Taxa de administração 0,15% a.m. Seguro Ac.Pessoais (na liber.) 0,2% TOTAL 0,97% a.m. + Fundo auto-capitalização 3% + Fundo mútuo agrícola (seguro) 2,5% soja e 3% milho + Fundo de risco (vide Norma) RECURSOS via ACC/Res Variação Cambial + Taxa de juros (estimada entre 5% a 7% a.a.) IOF (na liber.) 0,38% Taxa de administração 0,2% a.m. Seguro Ac.Pessoais (na liber.) 0,2% + Fundo auto-capitalização 3% + Fundo mútuo agrícola (seguro) 2,5% soja e 3% milho + Fundo de risco (vide Norma) 8) TAXA DE RISCO CRITÉRIOS TEMPO DE SÓCIO < 2 ANOS COBRANÇA 1,00% 2 A 5 ANOS 0,50% > 5 ANOS S/ RENEGOCIAÇÃO 0,00% > 5 ANOS C/ RENEGOCIAÇÃO 0,50% OBSERVAÇÃO: A partir de 5 anos contados de sócio, a taxa de risco para financiamento de custeios reduz-se a 0%, desde que o associado não tenha tomado créditos não atrelados à produção, tais como: Notas Promissórias, Capital de Giro, Codefat e Renegociação de Dívidas, exceto no caso de outras renegociações de interesse de ambas as partes. 3

6 9) CUSTO DE PRODUÇÃO (FINANCIÁVEL) SAFRA 2010/ ) LIMITES LIMITES NAS CONTAS DE PRODUÇÃO Serão abertos limites automáticos de 60% do valor dos insumos nas respectivas contas de produção para os associados que não possuem financiamentos de Capital de Giro (NP s, Codefat, Recoop e Giro da Cooperativa). Para tanto, o associado que possui financiamentos de Capital de Giro deverá providenciar o financiamento de custeio, transferência dos recursos bancários ou confirmar a disponibilização de recursos junto a área financeira, antes das retiradas de insumos. INSUMOS, de acordo com os pedidos de insumos agrícolas, limitados ao teto da tabela de custos; SOJA R$ 665,00 MILHO R$ 1.195,00 FEIJÃO R$ 1.405,00 ÓLEO DIESEL, de acordo com o volume estimado por hectare cultivado, proporcional nas fases de plantio e colheita; PLANTIO COLHEITA SOJA R$ 65,00 (Imed.) R$ 65,00 (lib. Fevereiro) MILHO R$ 80,00 (Imed.) R$ 80,00 (lib. Fevereiro) FEIJÃO ÁGUAS R$ 65,00 (Imed.) R$ 65,00 (lib. Dezembro) FEIJÃO SECAS R$ 65,00 (Imed.) R$ 65,00 (lib. Fevereiro) 2

7 TRATOS CULTURAIS (milho e soja), Valor de R$ 150,00 p/ha, a ser liberado em 5 parcelas mensais, de set/10 a jan/11, destinado aos demais itens de custeio, tais como mão de obra, manutenção de máquinas, gastos pessoais, etc.; 11) ABERTURA DE LIMITES A) os valores para cobertura dos insumos serão liberados diretamente nas contas de produção das respectivas culturas. No caso de óleo diesel na sua respectiva conta e os valores de tratos culturais serão liberados na conta movimento; B) forma de correção dos saldos credores: 0,6 % a.m., a título de desconto de antecipação, de agosto a novembro; C) os preços de insumos serão faturados para 30/11/2010. Há casos que por definição do Comitê de Crédito e Diretoria não serão financiados. Da mesma forma há casos de associados que não serão financiados na cultura de feijão. Finalmente há casos, conforme vedação da norma de fidelidade que também não serão financiados. *A Cooperativa estará informando via carta as condições anteriormente estabelecidas para os respectivos associados. LEITE CLUBE DE BEZERRAS Participe do julgamento do clube de bezerras dos alunos da Castrolanda que será realizado no dia 31 de julho, às 9h30min, no campo em frente ao Banco do Brasil, na Castrolanda. 3

8 MERCADO AGROPECUÁRIO Preço de Suíno Sindicarne - PR R$ 1,8400 Sindicarne - SC R$ 00 Leitão vacinado padrão R$ 106,7706 Leitão 22 kg sem vacina R$ 00 Variação R$ 1,4820 Obs: Leitão Vacinado Padrão: Mycoplasma, Rinite e Circovirose Cotações Futuras BM&F SOJA PARANAGUÁ US$ MILHO CAMPINAS R$ R$ / FOB / CASTRO DÓLAR COMERCIAL JULHO AGOSTO SETEMBRO 23,80 23,70 19,95 16,00 1,7620 1,7640 1,7760 MERCADO AGRÍCOLA DESCRIÇÃO MERCADO PREÇO MÍNIMO SAFRA 2009/ AVEIA SOJA MILHO FEIJÃO TRIGO TRITICALE Branca Consumo Preta Consumo Disponível Ponta Grossa Disponível Castrolanda Disponível Paranaguá Disponível Santos Futuro Ponta Grossa Castro Campinas Preto Especial - São Paulo Carioca Comercial (8) Pão Brando Outros PLANTÃO VETERINÁRIO Pioneiros Castrovet Plantão Permanente R$ 4 / ton R$ 6 R$ 41,00 R$ 40,00 R$ 42,60 R$ 43,00 R$ 38,50 R$ 16,00 R$ 19,00 R$ 85,00 R$ 115,00 R$ 4 R$ 370,00 R$ 250,00 R$ 2 R$ 340,00 / ton R$ 21,00 R$ 17,46 / sc R$ 80,00 / sc R$ 80,00 R$ 480,00 / ton R$ 417,80 / ton R$ 355,50 / ton R$ 258,20 / ton Univet Luiz Carlos Nisgoski

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO NORMAS E PROCEDIMENTOS 1. Política de Crédito; 2. Limites em contas produção; 3. Seguro de Produção; 4. Comentários gerais. 1. POLÍTICA DE CRÉDITO 1.1 Comentários

Leia mais

Nº13. www.castrolanda.coop.br/circular. Nº 13 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Março, 29-2012. Políticas de Crédito Cotações

Nº13. www.castrolanda.coop.br/circular. Nº 13 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Março, 29-2012. Políticas de Crédito Cotações www.castrolanda.coop.br/circular Nº13 Nº 13 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Março, 29-2012 Previdência Privada Novilhas UPN Grupo de Estudos - suinocultores Políticas de Crédito Cotações

Leia mais

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA 1 Finalidade O setor Agropecuário é, e sempre foi, fundamental para a economia Brasileira, porém está sujeito aos riscos de produção por intempéries da Natureza

Leia mais

Nº28. Nº 28 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Julho,

Nº28.  Nº 28 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Julho, www.castrolanda.coop.br/circular Nº28 Nº 28 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Julho, 12-2012 Agroleite Agenda de Fóruns e Dinâmicas Inscrições dos Animais Cursos Encartes Plano Safra Cotações

Leia mais

Cédula de Produto Rural -

Cédula de Produto Rural - Renda Fixa Cédula de Produto Rural - CPR Cédula do Produto Rural Comercialização de produtos do agronegócio com recebimento antecipado O produto A Cédula do Produtor Rural é um título de crédito lastreado

Leia mais

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados:

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados: RESOLUCAO 3.856 Dispõe sobre linhas de crédito destinadas aos financiamentos de custeio, colheita, estocagem de café e para Financiamento para Aquisição de Café (FAC), ao amparo de recursos do Fundo de

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010

RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010 Dispõe sobre programas de investimento agropecuário amparados em recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

Instrumentos de Apoio à Produção. e Comercialização Agrícola

Instrumentos de Apoio à Produção. e Comercialização Agrícola Companhia Nacional de Abastecimento Encontro Técnico de Política Agrícola 09 a 10/02/2006 Instrumentos de Apoio à Produção e Comercialização Agrícola Brasília-DF, 10 de fevereiro de 2006 Sazonalidade da

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 RELATÓRIO TÈCNICO Técnico: João Adolfo Kasper Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 Objetivo: Realizar o 5º Levantamento da Safra 2004/2005 sendo a 3ª avaliação para as culturas, Arroz Sequeiro, Milho

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF O QUE É O PGPAF? Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

Crédito do Pronaf em R$ bilhões

Crédito do Pronaf em R$ bilhões Crédito do Pronaf em R$ bilhões 23,9 (parcial até 30/06) Crédito na safra 2015/2016 - R$ 28,9 bilhões Recursos por fonte - safra 2015/2016 Fonte Projeção (em reais) % sobre o total Poupança rural Banco

Leia mais

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Ações de apoio à Produção Agrícola Safra 2008/2009 Lançamento do Plano de Safra da Agricultura Empresarial com

Leia mais

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015 Produtos, Serviços e Soluções Novembro de 2015 PRONAF AGROINDÚSTRIA Financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção, da armazenagem e conservação de produtos

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA.

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. Informe Número: 435 Data: 07/02/2014 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os valores de custos

Leia mais

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS 23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS Carteira de Crédito Sicredi Fevereiro/2013 Saldo da Carteira de Crédito do Sicredi Carteira de Crédito Sicredi R$ 10.310,12 56,13% R$ 4.563,96

Leia mais

Cooperativismo Agropecuário

Cooperativismo Agropecuário Cooperativismo Agropecuário rio Camara Temática de Insumos Agropecuários Paulo Cesar Dias Junior Brasília, 25 de novembro de 2013 Sistema OCB. Você participa. Todos crescem. OCB: Atuação Representação

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Departamento do Café. Secretaria de Produção e Agroenergia. O café no Brasil

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Departamento do Café. Secretaria de Produção e Agroenergia. O café no Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento do Café Secretaria de Produção e Agroenergia O café no Brasil Maior produtor e exportador de café do mundo Segundo maior consumidor mundial

Leia mais

Superintendência Estadual de Mato Grosso

Superintendência Estadual de Mato Grosso Superintendência Estadual de Mato Grosso Programa ABC Conceito Crédito Fixo orientado com o objetivo de: - reduzir das emissões de Gases de Efeito Estufa; - reduzir o desmatamento; - aumentar a produção

Leia mais

AQUISIÇÃO GOVERNO FEDERAL AGF 2011 - TRIGO

AQUISIÇÃO GOVERNO FEDERAL AGF 2011 - TRIGO O QUE É A AGF? É a aquisição direta de produto constante da pauta da Política de Garantia de Preço Mínimo pelo Governo Federal. QUANDO É REALIZADA? Quando o preço de mercado estiver abaixo do Preço Mínimo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas de de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2014. O Banco Central

Leia mais

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE QUAIS SÃO AS PRIORIDADES DO FCO? O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF)

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF) 23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ Restinga Seca - RS 21-02-2013 Protagonista do Agronegócio Mundial Brasil Protagonista do Agronegócio Mundial População crescerá 2,15 bilhões de habitantes até 2050, elevando

Leia mais

Agronegócios: momento e perspectivas.

Agronegócios: momento e perspectivas. Agronegócios: momento e perspectivas. Perfil das propriedades rurais brasileiras. Familiares Patronais Região Estabelecimentos Familiares (a) Norte 380.895 Nordeste 2.055.157 Centro-Oeste 162.062 Sudeste

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TEMAS VOLUME DE RECURSOS Do aporte nacional, garantir para o RS no mínimo 20% (vinte por cento) dos recursos para financiamento agropecuário de forma oportuna, tempestiva e suficiente. Aumentar os limites

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

Financiamentos para o Agronegócio

Financiamentos para o Agronegócio Financiamentos para o Agronegócio Banco do Brasil Maior Parceiro do Agronegócio Carteira em Dez/2012 R$ 100 bilhões Banco do Brasil Sustentabilidade e Meio Ambiente Programa ABC Em Dezembro de 2012 R$

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

Nº49. www.castrolanda.coop.br/circular. Nº 49 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda Dezembro, 5-2013

Nº49. www.castrolanda.coop.br/circular. Nº 49 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda Dezembro, 5-2013 www.castrolanda.coop.br/circular Nº49 Nº 49 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda Dezembro, 5 2013 Informe AMC Pesquisa de satisfação Coleta de resíduos Edital de Convocação ASSOCIAÇÃO DE MORADORES

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3235. I - os prazos estabelecidos nos quadros previstos no MCR 4-1- 28 e 29 são máximos, admitidos prazos inferiores;

RESOLUÇÃO Nº 3235. I - os prazos estabelecidos nos quadros previstos no MCR 4-1- 28 e 29 são máximos, admitidos prazos inferiores; RESOLUÇÃO Nº 3235 Promove ajustes complementares na regulamentação sobre Empréstimos do Governo Federal (EGF) para atender a financiamentos da safra 2004/2005. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art.

Leia mais

Nº 49 * PUBLICAÇÃO SEMANAL DA COOPERATIVA CASTROLANDA * 11.12.2014

Nº 49 * PUBLICAÇÃO SEMANAL DA COOPERATIVA CASTROLANDA * 11.12.2014 Nº 49 * PUBLICAÇÃO SEMANAL DA COOPERATIVA CASTROLANDA * 11.12.2014 DESTAQUE: A Unidade de Negócios Agrícola informa que a Portaria do Parque Operacional será controlada por sistema do tipo via fácil, onde

Leia mais

O BANCO QUE ACREDITA NAS PESSOAS SR CAMPINAS 2009

O BANCO QUE ACREDITA NAS PESSOAS SR CAMPINAS 2009 O BANCO QUE ACREDITA NAS PESSOAS SR CAMPINAS 2009 Brasil Agências: 2.064 PAB: 464 Total Rede Própria: 2.528 Rede Lotérica: 8.838 Corresp. Bancários: 9.489 Total Rede Parceira: 18.327 Total Geral: 20.855

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 3 O 11º Levantamento de Grãos da Conab, divulgado em 11 de agosto de 2015, manteve suas estimativas para a safra 2014/15, de algodão em pluma

Leia mais

COMUNICADO DIRAB/SUOPE/GEOPE N.º 234, DE 23/7/09. A : TODAS AS SUREGs, SUFIN E BOLSAS DE MERCADORIAS, SPA, CNB E ANBM.

COMUNICADO DIRAB/SUOPE/GEOPE N.º 234, DE 23/7/09. A : TODAS AS SUREGs, SUFIN E BOLSAS DE MERCADORIAS, SPA, CNB E ANBM. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

Setembro 2007. Representação e Contribuição Sindical Rural

Setembro 2007. Representação e Contribuição Sindical Rural Setembro 2007 Representação e Contribuição Sindical Rural Arrecadação CNA Cobrança Normal Distribuição/Entidade % Ministério do Trabalho e Emprego 20 Sindicato Rural 60 Federação de Agricultura do Estado

Leia mais

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 MILHO (Zea mays) Sustento da Vida Maior cultura agrícola do mundo;

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica COMENTÁRIOS SOBRE A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 447/2008 ALTERAÇÃO DOS PRAZOS DE PAGAMENTOS DE IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

Propostas IPA/FPA para o Plano-Safra 2015/2016

Propostas IPA/FPA para o Plano-Safra 2015/2016 Propostas IPA/FPA para o Plano-Safra 2015/2016 1. Crédito a Juros Controlados Elevar o volume de crédito rural (custeio, comercialização e investimento) para R$ 220 milhões, sendo R$ 190 milhões para a

Leia mais

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Quais alternativas um produtor rural tem para diminuir os riscos de preços na hora de vender sua safra? Modelo tradicional: contato direto com o

Leia mais

Nº 02. Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013

Nº 02. Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013 Nº 02 Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013 SAFRA INVERNO Mais informações no Controle de Qualidade (42) 3234-8037 com Fernando Barreto, (42) 8816-3452 / Marcelo

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Diógenes (42) 8816-3452 ou Fernando Barreto (DDR 3234-8135) Nº01

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Diógenes (42) 8816-3452 ou Fernando Barreto (DDR 3234-8135) Nº01 www.castrolanda.coop.br/circular Nº01 Nº 01 I Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda I Fevereiro, 4-2011 SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Diógenes

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

Nº06. www.castrolanda.coop.br/circular. Nº 06 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda Fevereiro, 07-2013. Edital de Convocação

Nº06. www.castrolanda.coop.br/circular. Nº 06 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda Fevereiro, 07-2013. Edital de Convocação www.castrolanda.coop.br/circular Nº06 Nº 06 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda Fevereiro, 07 2013 Edital de Convocação Balanço Patrimonial Royalties Monsanto 2ª Expojovem 13º Leilão de Gado

Leia mais

BANCO DO BRASIL. Seminário Investimentos em Biodiesel. Diretoria de Agronegócios. Rio de Janeiro, 16 de março de 2006

BANCO DO BRASIL. Seminário Investimentos em Biodiesel. Diretoria de Agronegócios. Rio de Janeiro, 16 de março de 2006 Seminário Investimentos em Biodiesel Rio de Janeiro, 16 de março de 2006 BANCO DO BRASIL Painel: Linhas de Investimento e Custeio BB Biodiesel BB Biodiesel Finalidade Financiamento: acusteio; ainvestimento;

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

Esta Carta-Circular entra em vigor nesta data, podendo ser atendidos os financiamentos contratados até 30 de junho de 2003.

Esta Carta-Circular entra em vigor nesta data, podendo ser atendidos os financiamentos contratados até 30 de junho de 2003. - 6-16. VIGÊNCIA Esta Carta-Circular entra em vigor nesta data, podendo ser atendidos os financiamentos contratados até 30 de junho de 2003. Para fins de controle de comprometimento dos recursos, o BNDES

Leia mais

AQUISIÇÃO GOVERNO FEDERAL AGF 2011 - ARROZ

AQUISIÇÃO GOVERNO FEDERAL AGF 2011 - ARROZ O QUE É A AGF? É a aquisição direta de produto constante da pauta da Política de Garantia de Preço Mínimo pelo Governo Federal. QUANDO É REALIZADA? Quando o preço de mercado estiver abaixo do Preço Mínimo

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências.

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. DECRETO N o 3.474, DE 19 DE MAIO DE 2000. Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono

Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono Suinocultura Leandro Capuzzo Gerente Regional de Assessoramento Técnico Engenheiro Agrônomo Pré-requisitos para o crédito Cadastro atualizado Documentos

Leia mais

Matemática Financeira. Flávio Rodrrigues

Matemática Financeira. Flávio Rodrrigues Matemática Financeira Flávio Rodrrigues Desconto de Títulos de Crédito Conceito: O Desconto é a diferença entre o valor futuro de um título (duplicata, nota promissória, letra de câmbio, cheque pré- datado

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Nº03. www.castrolanda.coop.br/circular. Ouvidoria. Classificados Balanço Geral e AGO. Mercado Agropecuário. Atendimento no Caixa

Nº03. www.castrolanda.coop.br/circular. Ouvidoria. Classificados Balanço Geral e AGO. Mercado Agropecuário. Atendimento no Caixa www.castrolanda.coop.br/circular Nº03 Nº 03 I Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Janeiro, 20-2011 Classificados Balanço Geral e AGO Atendimento no Caixa Ouvidoria Mercado Agropecuário Encarte:

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES PROEX

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES PROEX REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio do escritório Stuber Advogados Associados e especialista em Direito Bancário, Mercado de Capitais e Negociações

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015 1. Introdução O Crédito Rural abrange recursos destinados a custeio, investimento ou comercialização. As suas regras, finalidades e condições estão estabelecidas no Manual de Crédito Rural (MCR), elaborado

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais;

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais; RESOLUÇÃO Nº 4.226, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre ajustes nas normas de financiamento de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2013.

Leia mais

BNB - CADERNO DE PROVA TIPO A

BNB - CADERNO DE PROVA TIPO A BNB - CADERNO DE PROVA TIPO Questão 51 PROF. RICARDO - Dentre as instituições que compõem o Sistema Financeiro Nacional tem como finalidade... Resposta: (A) propiciar o aperfeiçoamento das instituições

Leia mais

PIC Condições Gerais. Cia Itaú de Capitalização I - OBJETIVO GLOSSÁRIO

PIC Condições Gerais. Cia Itaú de Capitalização I - OBJETIVO GLOSSÁRIO PIC Condições Gerais Cia Itaú de Capitalização GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas

Leia mais

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL PARA FINANCIAMENTOS DO CENTRO-OESTE

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL PARA FINANCIAMENTOS DO CENTRO-OESTE FCO FUNDO CONSTITUCIONAL PARA FINANCIAMENTOS DO CENTRO-OESTE Superintendência Estadual Outubro 2011 FCO Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: II - garantir o desenvolvimento

Leia mais

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores, Participantes e Patrocinadores Bungeprev Fundo

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade II CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade II CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Tópicos Unidade II Revisão Movimentos Unidade I Empréstimos Operações pré-fixadas Operações pós-fixadas Índices deflatores (diferenças) Aplicações

Leia mais

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento O BB em Mato Grosso Agências 571 Posição em Agosto/2011 Terminais de Autoatendimento Municípios com Presença do BB 267 Correspondentes 202 Número de Municípios com Presença do BB 897 126 102 PABs + PAEs

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Nome do Participante/Assistido: Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Valor do Empréstimo: Quantidade de Prestações: Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: Valor liquido

Leia mais

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 91 Agosto/2015 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.775, DE 17 DE SETEMBRO DE 2008. Mensagem de veto Conversão da MPv nº 432, de 2008 Institui medidas de estímulo à liquidação

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009 MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009 1 - PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA ESTOCAGEM DE ÁLCOOL ETÍLICO COMBUSTÍVEL

Leia mais

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui.

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. TÍTULO: CRÉDITO RURAL CAPÍTULO: Operações - 3 SEÇÃO: Créditos de Custeio - 2 1 - O custeio rural classifica-se como: (Res a) agrícola; b) pecuário; c) de beneficiamento

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ

CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ Temas a serem tratados: Custos de Produção 2015 e Orçamentação para 2016 Proposta de Projeto de Lei com estabelecimentos de critérios em Lei; Mecanismos de Comercialização

Leia mais

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PROJETO DE RESOLUÇÃO 03-00023/2011 da Mesa Diretora Institui no âmbito da Câmara Municipal de São Paulo Sistema de Consignação Facultativa em Folha de Pagamento na modalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre assistência financeira a cooperativas de produção agropecuária e de crédito e altera o Capítulo 5 do Manual de Crédito Rural (MCR). O Banco Central

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO FUNDO MÚTUO AGRÍCOLA E GRUPO MÚTUO DE GRANIZO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO FUNDO MÚTUO AGRÍCOLA E GRUPO MÚTUO DE GRANIZO 1 COMITÊ GESTOR: 1.1 DA COMPOSIÇÃO: o Comitê Gestor do Fundo Mútuo Agrícola será composto pelos seguintes membros: - 01 (um) Representante do Conselho de Administração; - 01 (um) Representante do Conselho

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEAF EVOLUÇÃO NO BRASIL E EM PERNAMBUCO SEAF Segurados 2008/2009 Segurados/ km2 585.427 Distribuição Espacial de Agricultores Segurados no SEAF GARANTIA SAFRA Segurados 2008/2009 Segurados/ km2 553.387

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010

Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010 ISSN 2176-2864, Versão Eletrônica Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010 75 As estimativas dos custos e lucros de produção de uma determinada atividade agropecuária

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira 1. Uma alternativa de investimento possui um fluxo de caixa com um desembolso de R$ 10.000,00, no início do primeiro mês, Outro desembolso, de R$ 5.000,00, ao final do primeiro mês, e duas entradas líquidas

Leia mais

Sistema Integrado de Orçamento. Para EFPC SIOEFPC. (Entidades Fechadas de Previdência Complementar) edson@fgv.br

Sistema Integrado de Orçamento. Para EFPC SIOEFPC. (Entidades Fechadas de Previdência Complementar) edson@fgv.br Sistema Integrado de Orçamento Para EFPC (Entidades Fechadas de Previdência Complementar) SIOEFPC edson@fgv.br Índice Página 1 - Exemplo Numérico... 2 2 - Relatório do 1º Plano... 3 3 - Programa Previdencial...

Leia mais

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização 0299 - Equalização de Preços nas Aquisições do Governo Federal e na Formação de Estoques Reguladores e Estratégicos AGF 1. Descrição: O AGF (Aquisições do Governo Federal) é o instrumento tradicional da

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 A Diretoria do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul BRDE, em cumprimento às determinações legais e regimentais, apresenta as Demonstrações Financeiras relativas

Leia mais

FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA Especial Lei. 11775 Renegociação das Dívidas Rurais

FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA Especial Lei. 11775 Renegociação das Dívidas Rurais LEI Nº 11.775, DE 17 DE SETEMBRO DE 2008. Institui medidas de estímulo à liquidação ou regularização de dívidas originárias de operações de crédito rural e de crédito fundiário; altera as Leis n os 11.322,

Leia mais

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados.

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. 02 São todas as receitas provenientes da atividade operacional da empresa, incluindo as vendas

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011.

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Instituição Comunitária de Crédito de Londrina Casa do Empreendedor, em operação desde 18/11/1997, é uma

Leia mais

Reunião Pública Dezembro de 2015

Reunião Pública Dezembro de 2015 Reunião Pública Dezembro de 2015 Cenário Macroeconômico Arlindo de Azevedo Moura CEO 2 Cenário Macroeconômico 3 COMMODITIES Pressão de queda nos preços Menor preço dos últimos 16 anos TAXA DE CÂMBIO RESTRIÇÃO

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17

Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17 Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17 Crédito para Implantação de uma suinocultura de Baixa Emissão decarbono Esta edição do boletim informativo da Suinocultura de Baixa Emissão de Carbono visa sanar

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais