Agronegócios: momento e perspectivas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agronegócios: momento e perspectivas."

Transcrição

1 Agronegócios: momento e perspectivas.

2 Perfil das propriedades rurais brasileiras. Familiares Patronais Região Estabelecimentos Familiares (a) Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul BRASIL Região Estabelecimentos (a) Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul BRASIL Operações no BB: Operações no BB: Norte: extrativismo, pesca. Nordeste: caprinocultura, castanha, mamona, feijão. Centro-Oeste: bovinocultura de corte, soja, milho. Sudeste: café, feijão, milho, bovinocultura de leite, cooperativismo. Sul: feijão, milho, soja, bovinocultura de leite, fumo, avicultura, suinocultura, integração, cooperativismo. Norte: soja, café, bovinocultura de corte, florestas. Nordeste: bovinocultura de corte, frutas, carcinocultura, soja. Centro-Oeste: bovinocultura de corte, soja, milho, cana, florestas, avicultura, suinocultura. Sudeste: café, bovinocultura de leite, cana, laranja, cooperativismo, contratos. Sul: milho, soja, arroz, cana, bovinocultura, avicultura, suinocultura, integração, cooperativismo.

3 Perfil das propriedades rurais brasileiras. Gestão do processo produtivo. Capacidade de absorção de tecnologia. Embrapa. Relevo. Luz e temperatura. Água. Pontos Fortes Capacidade de aumento da produção. Regularização de terra e aspectos ambientais. Endividamento dos produtores. Dependência externa de fertilizantes. Escala dos produtores. Gerenciamento financeiro e de risco dos produtores. Matriz de financiamento. Logística. Pontos Fracos

4 Importância do Agronegócio no Brasil. PIB Brasil US$ 1.262,3 bi Agricultura PIB Agronegócios US$ 210,7 bi 76,5% 23,5% US$ 296,4 bi (71,1%) Agronegócio Demais Setores Pecuária US$ 85,7 bi (28,9%) Emprego Agronegócio 37% Fonte: CEPEA-USP, SUT/CNA, MAPA e IPEA Dados de emprego são para 2004

5 Importância do Agronegócio no Brasil. Participação de mais de 35% nas exportações do país. 197,9 US$ bilhões 40,9% 41,1% 41,9% 40,4% 137,5 160,6 118,3 37,4% 55,1 58,2 60,4 20,6 23,8 24,8 73,1 30,6 96,5 39,0 36,9% 43,6 35,9% 49,4 36,4% 58,4 36,3% 71, TOTAL AGRONEGÓCIO % Fonte: MAPA

6 Importância do Agronegócio no Brasil. Contribuição fundamental para o resultado da balança comercial. Variação US$ bilhões - 0,4% 60,0 132,6% 33,7 34,1 44,8 38,4 46,1 42,7 40,0 49,7 24,8 25,8 24, Brasil Agronegócio Fonte: MAPA

7 Evolução da produção de grãos. 68,4 105% Mil ton Produção 68,3 76,0 73,6 81,1 78,4 76,6 82,4 83,0 100,3 96,7 38,5 35,6 39,1 38,5 37,0 36,6 35,0 36,9 37,8 37,8 40,2 123,2 43,9 143,8 119,1 122,5 131,8 140,3 113,5 47,4 48,8 47,9 46,2 47,4 47,5 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09* * Estimativa 4º levantamento da safra 2008/09 Fonte: CONAB/MAPA 23% Mil Hectare área

8 Evolução da produção de carnes. Produção mil de ton Frango: 71,4% Bovina: 38,3% Suína: 53,8% * * estimativa Fontes: CNA, UBA, ABIPECS e ABCS

9 Participação do Brasil no agronegócio mundial. PRODUTOS PRODUÇÃO EXPORTAÇÃO % COMÉRCIO MUNDIAL Café 1º 1º 27% Suco de Laranja 1º 1º 86% Carne Bovina 1º 1º 25% Cana de Açúcar 1º 1º 39% Complexo Soja 2º 2º 32% Carne de Frango 2º 1º 41% Milho 2º 2º 8% Carne Suína 3º 3º 11% Algodão 4º 4º 6% Fonte: USDA PSD Online (2008)

10 ANTES DA CRISE MUNDIAL. Expansão do consumo de alimentos, face ao crescimento do PIB dos países emergentes. Agroenergia. Somente o agronegócio brasileiro com condições de atender à demanda mundial. CRÉDITO INVESTIMENTO

11 ANTES DA CRISE MUNDIAL. Geração Líquida L de Caixa = Receitas Custos de Produção (Não inclusos custos de depreciação, de oportunidade terra e do capital) Projeção Brasil - Soja, Milho, Arroz, Trigo e Algodão 22,3 R$ bilhões 18,3 15,8 17,7 12,0 Consideradas todas as lavouras da PAM/IBGE 2005 Fonte: Agroconsult abril/

12 ANTES DA CRISE MUNDIAL. SC PR SP MS OUTROS Dívidas Acumuladas x Geração Líquida L de Caixa Acumulada Soja, Milho, Arroz, Trigo e Algodão BA MA-PI-TO MG RS BRASIL GO MT Fonte: Agroconsult abril/08

13 NA CRISE MUNDIAL. GRÃOS. 2º Semestre/2008: o custo de produção da safra já estava definido. redução de crédito comercial (tradings e fornecedores). Crédito rural, recursos próprios e redução de fertilizantes compensaram. 1º Semestre/2009: estiagem no Sul e na Argentina propiciarão aumento de preços. a comercialização será feita na hora da colheita. a volatilidade de preços até a colheita pouco afeta ao produtor. Quem participa da alta é o comprador. insumos começam a recuar de preço. redução da capacidade de investimento. Melhora da margem no Centro-Oeste.

14 NA CRISE MUNDIAL. CARNES. FUMO. ÁLCOOL. 2º Semestre/2008: redução do crédito bancário (giro). redução do crédito de comércio exterior e de bancos internacionais. redução do volume de vendas. 1º Semestre/2009: redução dos estoques nos países importadores. redução do alojamento. Início da entressafra do álcool. recuperação dos financiamentos para comércio exterior.

15 ALÉM DA CRISE MUNDIAL. Importância do mercado interno. Temos, no entanto, a sorte de ter commodities da economia agrícola. Mesmo que a economia mundial se desacelere, os chineses que começaram a comer vão continuar comendo. Isso é bom para o Brasil. José Alexandre Scheinkman, economista. Veja, ed A FAO estima que, até 2025, a população global passará de 6,2 bilhões de pessoas para 8,3 bilhões. A demanda por alimentos se expandirá de 2,45 bilhões de toneladas de alimentos, para 3,97 bilhões. Será necessário dobrar a produção agrícola mundial em 18 anos. População Mundial (bilhões) Demanda por alimento (bilhões de ton) ,20 6,20 8,30 1,97 2,45 3,97 Novo Governo EUA e agroenergia?

16 ALÉM DA CRISE MUNDIAL. Produtos Participação Brasileira no Mercado Internacional Hoje 2017/18 Exportações Brasileiras Participação Brasileira no Mercado Internacional Exportações Brasileiras FRANGO 58,5% 2,7 milhões toneladas 65,8% 4,5 milhões toneladas ETANOL 52,0% 2,6 bilhões litros 66,7% 11,3 bilhões litros AÇUCAR 41,0% 19,5 milhões toneladas 55,5% 31,3 milhões toneladas SOJA 25,6% 25,2 milhões toneladas 50,5% 35,2 milhões toneladas CAFÉ 28,1% 26,5 milhões de saca 30,0% 29,1 milhões de saca SUÍNOS 12,5% toneladas 50,0% toneladas MILHO 6,2% 7,5 milhões toneladas 9,9% 12,0 milhões toneladas ALGODÃO 4,8% toneladas 9,3% toneladas Fonte: MAPA

17 DESAFIOS. Capital de giro para as empresas do agronegócio. Estiagem. Comercialização. Crédito para a safra 2009/2010. Modelo de contratos e crédito para o setor. Seguros e hedge. Estrutura jurídica dos produtores rurais e das cooperativas. Logística. Rastreabilidade e defesa sanitária. Aspectos ambientais.

18 CARTEIRA DE AGRONEGÓCIOS DO BB. R$ 60,5 bilhões R$ bilhões 59,9% do SNCR 58,7 58,3 62,6 59,9 29,9% da carteira de crédito do BB 34,7% ,7% 32,4% ,3 53,6 32,3% ,9% dez/04 dez/05 dez/06 dez/07 jun/08 nov/08 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 SNCR BB % BB Agronegócios % partic. 3% 6% 23% 34% 34% 3,7% 29,2% 67,0% Mini/Pequeno Demais Cooperativas

19 O BB e a Safra 2008/2009. desembolsos 37,5% maiores do que o mesmo período da safra anterior. Posição: dez/2008 Produção Safra 2007/2008 Julho/2007 a Dezembro/2007 Safra 2008/2009 Julho/2008 a Dezembro/2008 % Familiar , ,99 23,1% Custeio , ,52 18,6% Investimento , ,47 38,2% Empresarial , ,97 42,6% Custeio , ,64 45,4% Investimento , ,25 8,4% Comercialização , ,08 71,2% TOTAL , ,96 37,5% Fonte: Sistema de Apoio e Planejamento Orçamentário (SAPO)

20 O BB e a Safra 2008/2009. R$ 18,3 bilhões as contratações têm mais de 70% do Custeio Agrícola coberto por seguro agrícola ou Proagro. 11,7% Contratações Safra 08/09 7,5% 9,2% 1,2% Custeio Agrícola Custeio Pecuário Investimento 70,4% Crédito Agroindustrial Comercialização Fonte: BB/Análise Desempenho 3T08 74,2% Safra 08/09 Safra 07/08 50,0% 25,8% 50,0% Custeio com seguro agrícola Custeio sem seguro agrícola Distribuição do Resseguro na Safra 2008/09 EMPRESA % IRB 25 SCOR 15 SWISS RE 15 PARTNER RE 15 MUNICH RE 10 CATLIN 4 MAPFRE RE 3 HANNOVER 3 TOTAL 90

21 Custeio Perfil das Contratações SOJA MILHO ARROZ ALGODÃO 28,19% 21,53% 7,03% 1,16% PR 36,90% PR 28,35% RS 79,93% MT 22,90% RS 18,72% RS 24,87% SC 13,34% SP 20,06% GO 14,48% SC 20,14% MS 1,96% BA 19,65% MS 12,20% MG 11,74% PR 1,59% GO 10,13%

22 Câmbio - Out/2008 3,00 2,95-14,9% 2,50 2,51 2,51 2,33-7,9% 2,16-7,5% +28,6% 2,00 1,50 2,16 2,16 2,01 2,01 1,94-15,5% 1,68 1,68 +7,0% 1,71 1,83 1,83 1,68 1,71 1,83 2,20 2,20 1,00 safra 04/05 safra 05/06 safra 06/07 safra 07/08 safra 08/09 safra 08/09* Dolar Plantio (média ago/set) Dolar Colheita (média abr/mai) Colheita 08/09 com Dólar a R$ 1,83 Direo Cenário base Colheita 08/09* com Dólar a R$ 2,20 Direo Cenário pessimista

23 Margens Soja (out/2008) Safra 07/08 Norte/Nordeste 94% * 08/09 13% 40% ** Safra 07/08 Centro-Oeste 125% * 08/09 20% 50% ** Safra 07/08 Sul 168% * 08/09 48% 79% ** * US$ cenário base Direo (R$ 1,83) ** US$ cenário pessimista Direo (R$ 2,20) Fontes: custos RTA cotações BM&F Maio/09

24 Margens Milho (out/2008) Safra Nordeste 07/08 89% 08/09 4% Safra Centro-Oeste 07/08 79% 08/09 3% Safra Sudeste 07/08 139% 08/09 39% Safra Sul 07/08 139% 08/09 27% Fontes: custos RTA cotações BM&F Março/09

25 Margens Arroz (out/2008) Safra Centro-Oeste 07/08 103% 08/09 32% Safra Sul 07/08 118% 08/09 77% Fonte: RTA

26 Margens Algodão (out/2008) Safra 07/08 Norte/Nordeste 9% 08/09-15% * 2% ** Safra 07/08 Centro-Oeste 10% * 08/09-12% 7% ** * US$ cenário base Direo (R$ 1,83) ** US$ cenário pessimista Direo (2,20) Fontes: custos RTA cotações ICE/Nybot Julho/09

27 Projeção e simulações Safra 08/09 Soja PR (out/2008) 30,00 25,00 3 zona Zona de lucro Preço (US$/Saca) 20,00 15, ,00 zona Zona de prejuízo 5,00-1,00 1,10 1,20 1,30 1,40 1,50 1,60 1,70 1,80 1,90 2,00 2,10 2,20 2,30 2,40 2,50 2,60 2,70 2,80 2,90 3,00 Dólar (R$) 1 Cotação BM&F maio/09 (US$ 20,79/sc menos diferencial de base e dólar a R$ 1,80) 3 Preço projetado RTA (R$ 41,93/sc convertido para dólar a R$ 1,80) 2 Cotação BM&F maio/09 (US$ 20,79/sc menos diferencial de base e dólar a R$ 2,20) 4 Preço projetado RTA (R$ 41,93/sc convertido para dólar a R$ 2,20) Fontes: RTA, BM&F e Direo

28 30,00 Projeção e simulações Safra 08/09 Soja RS (out/2008) 25,00 20, zona Zona de lucro Preço (US$/Saca) 15,00 10,00 4 zona Zona de prejuízo 5,00-1,00 1,10 1,20 1,30 1,40 1,50 1,60 1,70 1,80 1,90 2,00 2,10 2,20 2,30 2,40 2,50 2,60 2,70 2,80 2,90 3,00 Dólar (R$) 1 Cotação BM&F maio/09 (US$ 20,79/sc menos diferencial de base e dólar a R$ 1,80) 3 Preço projetado RTA (R$ 39,58/sc convertido para dólar a R$ 1,80) 2 Cotação BM&F maio/09 (US$ 20,79/sc menos diferencial de base e dólar a R$ 2,20) 4 Preço projetado RTA (R$ 39,58/sc convertido para dólar a R$ 2,20) Fontes: RTA, BM&F e Direo

29 Projeção e simulações Safra 08/09 Soja GO (out/2008) 30,00 zona Zona de lucro 25,00 3 Preço (US$/Saca) 20,00 15,00 10,00 zona Zona de prejuízo ,00-1,00 1,10 1,20 1,30 1,40 1,50 1,60 1,70 1,80 1,90 2,00 2,10 2,20 2,30 2,40 2,50 2,60 2,70 2,80 2,90 3,00 Dólar (R$) 1 Cotação BM&F maio/09 (US$ 20,79/sc menos diferencial de base e dólar a R$ 1,80) 3 Preço projetado RTA (R$ 42,97/sc convertido para dólar a R$ 1,80) 2 Cotação BM&F maio/09 (US$ 20,79/sc menos diferencial de base e dólar a R$ 2,20) 4 Preço projetado RTA (R$ 42,97/sc convertido para dólar a R$ 2,20) Fontes: RTA, BM&F e Direo

30 Projeção e simulações Safra 08/09 Soja MT (out/2008) 40,00 35,00 zona Zona de lucro 30,00 Preço (US$Saca) 25,00 20,00 15, ,00 zona Zona de prejuízo 5,00-1,00 1,10 1,20 1,30 1,40 1,50 1,60 1,70 1,80 1,90 2,00 2,10 2,20 2,30 2,40 2,50 2,60 2,70 2,80 2,90 3,00 Dólar (R$) 1 Cotação BM&F maio/09 (US$ 20,79/sc menos 3 Preço projetado RTA (R$ 34,39/sc convertido diferencial de base e dólar a R$ 1,80) para dólar a R$ 1,80) 2 Cotação BM&F maio/09 (US$ 20,79/sc menos diferencial de base e dólar a R$ 2,20) 4 Preço projetado RTA (R$ 34,39/sc convertido para dólar a R$ 2,20) Fontes: RTA, BM&F e Direo

31 40,00 Projeção e simulações Safra 08/09 Soja BA (out/2008) 35,00 30,00 zona Zona de lucro 25,00 3 Preço(US$/Saca) 20, ,00 10,00 zona Zona de prejuízo 5,00-1,00 1,10 1,20 1,30 1,40 1,50 1,60 1,70 1,80 1,90 2,00 2,10 2,20 2,30 2,40 2,50 2,60 2,70 2,80 2,90 3,00 Dólar (R$) 1 Cotação BM&F maio/09 (US$ 20,79/sc menos diferencial de base e dólar a R$ 1,80) 3 Preço projetado RTA (R$ 42,40/sc convertido para dólar a R$ 1,80) 2 Cotação BM&F maio/09 (US$ 20,79/sc menos diferencial de base e dólar a R$ 2,20) 4 Preço projetado RTA (R$ 42,40/sc convertido para dólar a R$ 2,20) Fontes: RTA, BM&F e Direo

32 Evolução da carteira. Carteira de Agronegócios BB - R$ 61,6 bilhões Junho/08* 26,4% Custeio 54,5% Investimento 33,4% Refinanciamento 12,1% Prorrogações: R$ 15,2 bilhões Risco Médio: 17,3% (entre D-E) 73,6% Custeio 62,2% Investimento 32,0% Comercialização 5,8% S/ Prorrogação: R$ 42,3 bilhões Risco Médio: 4,8% (entre C-D) Carteira com Prorrogação Carteira sem Prorrogação * Excluídas operações com risco de terceiros Fonte: Análise do Resultado BB - 2T08

33 Evolução da carteira. Carteira de Agronegócios BB - R$ 60,5 bilhões Setembro/08* 22,7% 77,3% Carteira com Prorrogação Carteira sem Prorrogação * Excluídas operações com risco de terceiros Custeio 52,3% Investimento 33,8% Refinanciamento 13,8% Custeio 58,0% Investimento 23,3% Comercialização 5,9% Prorrogações: R$ 12,8 bilhões (R$ 15,2 bilhões) (-R$ 2,4 bilhões) Risco Médio: 17,2% (entre D-E) S/ Prorrogação: R$ 43,5 bilhões (R$ 42,3 bilhões) (+ R$1,2 bilhão) Risco Médio: 4,8% (entre C-D) Fonte: Análise do Resultado BB - 3T08

34 Muito Obrigado! Unidade de Relação com Investidores Diretoria de Agronegócios Marco Geovanne Tobias Gerente Geral Tel.: (61) Fax: (61) José Carlos Vaz Diretor Tel.: (61) Fax: (61)

35 Quadro de oferta e demanda SOJA Em milhões t MUNDO BRASIL SAFRA 2007/ /09 Var.% 2007/ /09 Var.% ESTOQUE INICIAL 62,65 52,68-16% 3,68 2,99-19% PRODUÇÃO 220,69 239,43 8% 60,02 60,69 1% IMPORTAÇÃO 77,60 77,15-1% 0,10 0,10 0% SUPRIMENTO 360,94 369,27 2% 63,79 63,78 0% CONSUMO 229,12 235,19 3% 35,05 36,75 5% EXPORTAÇÃO 79,14 78,84 0% 25,75 25,80 0% ESTOQUE FINAL 52,68 55,24 5% 2,99 1,23-59% F onte: Mundo - FAS/USDA; Brasil - CONAB

36 Quadro de oferta e demanda ALGODÃO Em milhões t MUNDO BRASIL SAFRA 2007/ /09 Var.% 2007/ /09 Var.% ESTOQUE INICIAL 13,68 13,39-2% 0,38 0,46 20% PRO DUÇÃO 26,25 24,77-6% 1,60 1,48-8% IMPO RTAÇÃO 8,28 7,88-5% 0,05 0,05 0% SUPRIMENTO 48,21 46,04-5% 2,03 1,98-2% CONSUMO 26,44 26,09-1% 1,05 1,08 3% EXPO RTAÇÃO 8,38 7,87-6% 0,52 0,45-13% ESTOQUE FINAL 13,39 12,07-10% 0,46 0,45-2% F onte: Mundo - FAS/USD A; Brasil - CON AB

37 Quadro de oferta e demanda MILHO Em milhões t MUNDO BRASIL SAFRA 2007/ /09 Var.% 2007/ /09 Var.% ESTOQUE INICIAL 108,69 122,88 13% 6,60 13,71 108% PRODUÇÃO 790,99 785,25-1% 58,61 55,50-5% IMPORTAÇÃO 95,87 81,33-15% 0,50 0,30-40% SUPRIMENTO 995,55 989,45-1% 65,71 69,51 6% CONSUMO 776,90 797,83 3% 44,50 46,73 5% EXPORTAÇÃO 95,77 83,87-12% 7,50 10,00 33% ESTOQUE FINAL 122,88 107,76-12% 13,71 12,79-7% Fonte: Mundo - FAS/USDA; Brasil - CONAB

38 Projeção e simulações Safra 08/09 Milho CUSTO (a) Pr.1 - BM&F (b) * Pr.2 - RTA (c) Marg. 1 - (b/a) Marg. 2 - (c/a) UF R$/sc 60 kg R$/sc 60 kg R$/sc 60 kg % % RS 16,32 20,81 23,6 28% 45% PR 15,02 18,91 20,3 26% 35% SP 15,41 21,37 23,66 39% 54% GO 15,50 17,15 21,05 11% 36%

39 Quadro de oferta e demanda ARROZ Em milhões t BRASIL SAFRA 2007/ /09 Var.% EST OQUE INICIAL 2,02 0,93-54% PRO DUÇÃO 12,06 12,15 1% IMPO RTAÇÃO 0,45 0,90 100% SUPRIMENTO 14,53 13,98-4% CONSUMO 12,90 12,85 0% EXPO RT AÇÃO 0,70 0,40-43% EST OQUE F INAL 0,93 0,73-22% F onte: C ON AB

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios José Ricardo Severo Superintendência Técnica CNA Março 2010 1 Objetivos: 1. Importância do Agronegócio; 2. Alavanca exportadora como fator de crescimento;

Leia mais

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015 AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016 Carlos Cogo Outubro/2015 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 115 110 105 100 95 90 85 80 75 70 65 60 55 CARNES: EVOLUÇÃO

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

A contribuição dos Engenheiros para o Moderno Agronegócio Brasileiro

A contribuição dos Engenheiros para o Moderno Agronegócio Brasileiro A contribuição dos Engenheiros para o Moderno Agronegócio Brasileiro Robson Mafioletti Eng. Agr., MSc. Economia Aplicada - Diretor da AEAPR-Curitiba, Conselheiro Titular do CREA/PR Atua na Getec/Ocepar

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio Diretoria de Agronegócios BB e o Agronegócio Importância do Agronegócio no Brasil + 35% nas exportações do país 197,9 40,9% 41,1% 37,4% 55,1 58,2 60,4 20,6 23,8 24,8 41,9% 73,1 30,6 160,6 40,4% 137,5 118,3

Leia mais

Reunião Pública Dezembro de 2015

Reunião Pública Dezembro de 2015 Reunião Pública Dezembro de 2015 Cenário Macroeconômico Arlindo de Azevedo Moura CEO 2 Cenário Macroeconômico 3 COMMODITIES Pressão de queda nos preços Menor preço dos últimos 16 anos TAXA DE CÂMBIO RESTRIÇÃO

Leia mais

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Marcelo Alves Pereira, Bunge Fertilizantes Novembro - 2009 Estimativas da ONU indicam que a população mundial em 2050 será de

Leia mais

Panorama Atual da Agricultura Brasileira e Desenvolvimento Sustentável: tá os Riscos do Risco

Panorama Atual da Agricultura Brasileira e Desenvolvimento Sustentável: tá os Riscos do Risco Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Panorama Atual da Agricultura Brasileira e Desenvolvimento Sustentável: tá os Riscos do Risco Luís Carlos Guedes Pinto Vice-Presidente de Agronegócios do Banco

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 2007

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 2007 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO MUNDO E BRASIL 26/7 a 217/18 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 27 1 SISTEMA AGROINDUSTRIAL AMBIENTE INSTITUCIONAL

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Evandro Gonçalves Brito Diretoria de Agronegócios / Banco do Brasil Uberlândia (MG), 18 de novembro de 2010. Desafios Globais Os dez maiores

Leia mais

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA Holambra, 25 de Outubro de 2007 Fertilizantes: Análise Mercadológica Produto: Insumo Bem homogêneo Bem

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO OBSTÁCULOS LOGÍSTICOS COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA COMISSÃO DE SERVIÇOS E INFRAESTRUTURA SENADO FEDERAL JULHO DE 2010 EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO IMPORTAÇÕES DE FERTILIZANTES

Leia mais

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015 Produtos, Serviços e Soluções Novembro de 2015 PRONAF AGROINDÚSTRIA Financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção, da armazenagem e conservação de produtos

Leia mais

Agronegócio Sul-mato-grossense

Agronegócio Sul-mato-grossense Agronegócio Sul-mato-grossense (cenário atual, perspectivas e desafios) Eduardo Riedel Presidente do Sistema Famasul Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso do Sul Sistema Sindical

Leia mais

3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global. Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo.

3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global. Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo. 3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo Ivan Wedekin Você é competitivo quando tem um desempenho a longo prazo acima da

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola Primeiro e Pecuário Relatório de Avaliação Nacional PAP 2013/2014 sobre Mudanças Climáticas ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Nelson

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

ZONCACAU: COMO SUGESTÃO PARA A CAMARA SETORIAL DO CACAU. Alfredo Homma - Embrapa Amazônia Oriental. Brasília, 12 novembro de 2013

ZONCACAU: COMO SUGESTÃO PARA A CAMARA SETORIAL DO CACAU. Alfredo Homma - Embrapa Amazônia Oriental. Brasília, 12 novembro de 2013 ZONCACAU: COMO SUGESTÃO PARA A CAMARA SETORIAL DO CACAU Alfredo Homma - Embrapa Amazônia Oriental. Brasília, 12 novembro de 2013 Disciplinar a expansão da produção de cacau no Brasil e ofertar instrumentos

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS ENESUL -2013 FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 Metodologia de Trabalho Identificação de Mercados Aptidão e Competitividade da Produção Competitividade

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS CORREDORES DO ARCO NORTE AVALIAÇÕES TÉCNICAS MAIO DE 2014 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sexta-feira, 13 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,70 0,00 0,00-0,55 SET13 116,25 116,10 115,75-0,20

Leia mais

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 MILHO (Zea mays) Sustento da Vida Maior cultura agrícola do mundo;

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR A SOJA NO BRASIL Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR O que vamos abordar nesta apresentação 1. Desenvolvimento da soja no Brasil. 2. Razões do deu rápido desenvolvimento. 3. Importância

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Fertilizantes no Brasil Para um Mundo mais bem nutrido Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Alimentando os 10Bi O crescimento da população irá aumentar a demanda mundial por alimentos. Até 2050

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail. Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.com Algumas Questões Estamos no caminho correto do desenvolvimento

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AVALIAÇÕES TÉCNICAS JUNHO 2013 EVOLUÇÃO DO BRASIL HÁ 50 ANOS = IMPORTADOR HÁ 20 ANOS = VENDEDOR HOJE = FORNECEDOR DISPUTADO

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF O QUE É O PGPAF? Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas Seminário de Avaliação de Impacto sobre as Adaptações da Agricultura Dakar, 26 a 29 de abril de 2011 Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas KLEBER SANTOS Brasília, 27 de abril de 2011

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sábado, 14 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,00 0,00 0,00-0,70 SET13 115,55 115,70 115,70-0,70

Leia mais

Destaques do Período. Resultados Financeiros

Destaques do Período. Resultados Financeiros Resultados 2T09 14 de Agosto de 2009 1 Agenda Foto: Unidade de Paulínia -SP Destaques do Período 2T09 1S09 Mercado Brasileiro de Fertilizantes Vendas e Distribuição por Cultura da Heringer LUCRO LÍQUIDO

Leia mais

Simpósio de Mercado de Carbono pós COP 15 e Código Florestal para o

Simpósio de Mercado de Carbono pós COP 15 e Código Florestal para o Simpósio de Mercado de Carbono pós COP 15 e Código Florestal para o Sistema Cooperativista Elvison Nunes Ramos Fiscal Federal Agropecuário/Engenheiro Agrônomo Coordenador de Manejo Sustentável do Sistemas

Leia mais

América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite

América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite Workshop Regional sobre Cooperativismo Lácteo América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite Vicente Nogueira Netto Fepale OCB/CBCL Cotrial Curitiba, 08 de julho de 2008 Agenda Mudanças recentes no

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 05/07/2013 a 11/07/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita Segundo estimativas da ONU, A população mundial atingirá 9,3 bilhões de habitantes em 2050; O maior crescimento populacional ocorrerá nos países em desenvolvimento, onde é esperado incremento do consumo

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr.

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Amazônia legal 350 Milhões ha 41% Área útil 350 Milhões hectares

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA MEDIDA PROVISÓRIA 595 MARÇO 2013 Enfrentamento dos gargálos logísticos Programa rodoviário Programa

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 21/06/2013 a 27/06/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea),

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

ÁLCOOL, AÇÚCAR E ENERGIA PERSPECTIVAS PARA O BRASIL E O MUNDO LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG FÓRUM NACIONAL DE AGRONEGÓCIOS CBN, MARINGÁ,PR,

ÁLCOOL, AÇÚCAR E ENERGIA PERSPECTIVAS PARA O BRASIL E O MUNDO LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG FÓRUM NACIONAL DE AGRONEGÓCIOS CBN, MARINGÁ,PR, ÁLCOOL, AÇÚCAR E ENERGIA PERSPECTIVAS PARA O BRASIL E O MUNDO LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG FÓRUM NACIONAL DE AGRONEGÓCIOS CBN, MARINGÁ,PR, 30/09/13 UM NOVO E COMPLEXO MUNDO PROCESSO GLOBAL COM INTENSA

Leia mais

Agropecuária: sempre uma safra de boas notícias

Agropecuária: sempre uma safra de boas notícias Agropecuária: sempre uma safra de boas notícias Osetor agropecuário vem sendo responsável, nos últimos anos, por consecutivas safras de boas notícias para a economia do país. Aqui vão três entre as mais

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

Cooperativismo Agropecuário

Cooperativismo Agropecuário Cooperativismo Agropecuário rio Camara Temática de Insumos Agropecuários Paulo Cesar Dias Junior Brasília, 25 de novembro de 2013 Sistema OCB. Você participa. Todos crescem. OCB: Atuação Representação

Leia mais

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro O agronegócio brasileiro Setor estratégico para a economia brasileira, grande motor do seu desempenho Representa 23% do PIB brasileiro Responde por 40%

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL PERSPECTIVAS PARA A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA NOS PRÓXIMOS 5 ANOS FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas ANDA 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE FERTILIZANTES

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

O COOPERATIVISMO E O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

O COOPERATIVISMO E O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO O COOPERATIVISMO E O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO BRASIL Grandeza 5ª Maior População do planeta Maior reserva de água doce do mundo 7ª Economia do mundo Maior área agricultável do planeta Fonte: Banco mundial

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF)

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF) 23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ Restinga Seca - RS 21-02-2013 Protagonista do Agronegócio Mundial Brasil Protagonista do Agronegócio Mundial População crescerá 2,15 bilhões de habitantes até 2050, elevando

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Grãos: um mercado em transformação. Steve Cachia

Grãos: um mercado em transformação. Steve Cachia Grãos: um mercado em transformação. Steve Cachia Diretor - Business Development Consultor / Analista de Commodities 3º Forum de Agricultura da América do Sul. 12 de novembro, 2015 Curitiba, PR Brasil.

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

DESTAQUES. Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço. Normas e Procedimentos Safra 2010/2011

DESTAQUES. Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço. Normas e Procedimentos Safra 2010/2011 Nº I Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Julho, 23-2010 DESTAQUES Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço Normas e Procedimentos Safra 2010/2011 - Limites para custeio

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

L A T I N A M E R I C A

L A T I N A M E R I C A SAFRA 2008 2009: TENDÊNCIAS E DESAFIOS DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Engº Agrº José Otavio Menten Diretor Executivo ANDEF Associação Nacional de Defesa Vegetal 01/10/2008 ABMR / SP SAFRA 2008 2009 TENDÊNCIAS E

Leia mais

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel 35º. Fórum ANAVE Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel Simone Nagai 9 de novembro, 2010 Temas: O Setor Base Florestal Contribuição Social e Ambiental Investimentos e Perspectivas 2 Desempenho

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

Aquicultura Desenvolvimento Sustentável

Aquicultura Desenvolvimento Sustentável Aquicultura Desenvolvimento Sustentável Cenário Brasileiro Adalmyr Morais Borges Ministério da Pesca e Aquicultura Potencial Mundial Produção Mundial de Proteína Animal (em milhão t) 120 Suínos 100 Pesca

Leia mais

Diretoria de Agronegócios

Diretoria de Agronegócios Proteção de Preços no Mercado Agropecuário Renato Barreto Riscos da atividade agropecuária Climáticos e/ou intempéries Preço Crédito... Mitigadores de Risco de Preço Risco: Oscilação nos preços das mercadorias

Leia mais

Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013

Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013 Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013 www.consufor.com A EMPRESA A Consufor é uma empresa de consultoria em NEGÓCIOS e ESTRATÉGIAS, especializada

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Secretaria de Política Agrícola - SPA. safra 2012/2013 de laranja

Secretaria de Política Agrícola - SPA. safra 2012/2013 de laranja Secretaria de Política Agrícola - SPA Apoio àcomercialização da safra 2012/2013 de laranja Resumo conjuntural -Excedente de produção (SP e MG): de 40 a 80 Mi cx; -Estoque elevado de suco: 535 mil toneladas

Leia mais

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Dr. Guilherme Cunha Malafaia Embrapa Gado de Corte Estruturação do Debate A Cadeia Produtiva da Pecuária de Corte e seus Agentes;

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 91 Agosto/2015 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais