ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6"

Transcrição

1 Relatório Síntese: Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Introdução ÍNDICE Qual a proporção de trabalhadores-estudantes no IST nos últimos 5 anos lectivos? 2 Qual a População-alvo deste inquérito? 2 A amostra é representativa? 3 Índice de Figuras Como se caracterizam social e demograficamente os trabalhadores-estudantes? 4 Qual o percurso escolar antes do ingresso? 5 Quais as imagens, motivações e percepções destes alunos? 5 Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6 Quais as preferências sobre o modelo pedagógico? 8 Como se caracteriza a actividade profissional destes alunos? 9 Quais os motivos que levaram à opção de acumular trabalho e estudos? 11 Quais as diferenças entre quem trabalha em part-time e em full-time? 11 Introdução Até há cerca de uma década atrás, o IST ministrou cursos em horário exclusivamente pós-laboral em 4 licenciaturas Engenharia Civil, Engenharia Electrotécnica e de Computadores, Engenharia Mecânica e Engenharia Química, tendo sido extintos após constatar-se a diminuição progressiva do número de estudantes ingressados neste regime, assim como a fraca assiduidade dos mesmos, face ao volume de despesa necessário para manutenção do pessoal docente em horário nocturno. Contudo, e face à evolução do papel do estudante no Ensino Superior, sujeito a maiores encargos pela respectiva frequência, passou a ser prática comum a acumulação do exercício profissional com a realização de uma licenciatura. Neste sentido, e dada a preocupação manifestada pelos alunos que se inserem neste regime, o Conselho Pedagógico solicitou ao Gabinete de Estudos e Planeamento do IST um estudo sobre o aluno trabalhador-estudante, e que visa avaliar a viabilidade da inclusão de cursos em horário pós-laboral no IST ou a possibilidade da inclusão de eventuais alterações nos processos de avaliação e de ensino que permitam responder mais eficazmente às necessidades desta subpopulação. GEP Gabinente de Estudos e Planeamento Produção do relatório (editorial e gráfica) : Rui Mendes Coordenação: Marta Pile

2 Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Página 2 Proporção de Trabalhadores Estudantes nos últimos 5 anos Pedidos deferidos por semestre face ao total de alunos inscritos inscritos 1º semestre /01 1º semestre 3,7% 6,6% 6,4% 6,1% 7,1% 2000/01 2º semestre / /03 2º semestre 4,5% 5,9% 5,8% 6,1% 5,7% 2001/ /03 2 semestres (em simultâneo) / /05 2 semestres (em simultâneo) 3,8% 4,1% 3,9% 3,8% 2003/ / ,2% Definição da População-Alvo Segundo o nº de semestres e com estatuto de trabalhador-estudante Nº de Semestres N.º de Trabalhadores Estudantes % face aos alunos inscritos em 2004/05 1 Semestre 234 2,9% 2 Semestres 142 1,7% 3 Semestres 140 1,7% 4 Semestres 103 1,3% 5 Semestres 74 0,9% 6 Semestres 54 0,7% 7 Semestres 38 0,5% 8 Semestres 34 0,4% 9 Semestres 28 0,3% 10 Semestres 12 0,1% População-Alvo ,7% 0 Semestres ,3% Total de inscritos em 2003/ ,0%

3 Página 3 Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Representatividade da Amostra Ano curricular, sexo e área de residência 39,5% 38,2% 34,2% 19,7% 19,9% 20,8% 13,9% 5,9% 6,6% 1,3% 1º Ano 2º Ano 3º Ano 4º Ano 5º Ano Pop. Alvo Amostra 81,7% 85,5% Principais resultados: Taxa de Resposta: 18,1% (157 em 869) 76 dos 157 alunos que responderam ao inquérito indicaram o nº mecanográfico cerca de 52% omitiu-o 18,3% 14,5% Representatividade da amostra parcialmente alcançada, nomeadamente nas variáveis sexo e área de residência Masculino Pop. Alvo Feminino Amostra 89,5% 83,8% 10,0% 7,9% 0,3% 0,0% 0,6% 1,3% 0,8% 0,0% 0,8% 0,0% 3,7% 1,3% Algarve Norte Açores Madeira Alentejo Centro Lisboa Pop.Alvo Amostra

4 Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Página 4 Caracterização Sócio-Demográfica Perfil Sócio-Demográfico do Trabalhador-Estudante Perfil Sócio-Demográfico dos Trabalhador-Estudante Percentagem Solteiros 73,9% Nacionalidade Portuguesa 92,4% Residente em agregados de pequena e média dimensão Respectivamente, 39% e 46% Cerca de 1/7 têm filhos e cerca de 1/14 reside sozinho Respectivamente, 15,3% e 7,0% Utilização preferencial de veículo particular no percurso IST-emprego 47,4% Nível de escolaridade dos pais mais baixo que na população total do IST IST cerca de 50% com escolaridade superior; Trab.alhadores Estudantes cerca de 35% com escolaridade superior Cerca de 1/3 dos Trabalhadores-Estudantes contribuem totalmente ou com 3/4 do rendimento médio mensal do agregado familiar 31,2% Cerca de 1/4 contribuem para o rendimento do pai ou da mãe Respectivamente, 23,8% e 25,8% Caracterização Social e Demográfica Suporte Custos Ensino, segundo Rendimento Mensal Agregado Até 1000 De 1001 a 2000 De 2001 a 3000 Mais de 3001 Cônjuge (n=1) 100,0% Empréstimo bancário (n=3) 66,7% 33,3% Próprio (n=114) 30,9% 33,6% 21,8% 13,6% Bolsa de Estudo (n=10) 60,0% 40,0% Pais/Familiares (n=69) 16,4% 32,8% 29,9% 20,9% Leitura a reter: As bolsas de estudo são requeridas, maioritariamente por trabalhadores-estudantes de agregados com menores rendimentos O financiamento próprio dos custos de ensino parece ser mais evidente nos agregados com rendimentos até 2000 euros mensais (30,9% + 33,6%)

5 Página 5 Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Percurso Escolar Pré-Universitário Regime da Escola Secundária de Origem / Reprovações Pública - regime diurno e Privada - regime diurno 1% Pública - regime diurno e Privada - Regime Póslaboral 1% Pública - Regime Pós- Laboral 7% Pública - Regime póslaboral e diurno 1% Privada - Regime diurno 13% Pública - Regime diurno 77% 17,6% Principais resultados: 0,7% 1,4% 7% dos alunos efectuaram estudos com regime integralmente nocturno; Reprovação - Ensino Primário Reprovação Reprovação - Ensino - Ensino Preparatório Secundário 18% reprovaram no Secundário; 25% dos alunos, após a conclusão do Secundário não ingressaram logo no IST Imagens/Percepções Percepção de Ingresso no IST, segundo a escolaridade dos Pais Escolaridade Baixa Escolaridade Média Escolaridade Alta Total 51,2% 26,8% 22,0% Seguimento da Actividade Profissional 46,7% 40,0% 13,3% Fim do Secundário 58,8% 23,5% 17,6% Durante o Secundário 44,8% 27,6% 27,6% Sempre foi claro 33,3% 26,7% 40,0% Principais resultados: No grupo de estudantes cujos pais possuem escolaridade mais baixa, o peso dos alunos em que sempre foi claro o ingresso no Ensino Superior, é mais reduzido (33,3%) Maior peso na decisão de Ingresso: Pais (28,4%), Guias de Licenciatura (25,8%) e Amigos (25,8%)

6 Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Página 6 Motivações Ingresso no Ensino Superior / Razões de Opção pelo curso Realização pessoal 29,7% Prestígio do IST 40,1% Obter qualificações para a profissão Aceder a um nível sócio-económico superior 13,9% 22,0% Valor do curso no mercado de trabalho Localização do IST 7,5% 29,9% Completar formação Complementar a actividade e conhecimento Ter um diploma/licenciatura Especialização numa área Boas notas no secundário 9,1% 6,8% 6,4% 4,7% 4,1% Qualidade dos professores Vocação Articulação com actividade profissional Ter amigos/colegas no IST/Curso 5,1% 4,1% 4,1% 2,0% Possibilidade de conciliar o curso com o Outra 2,0% 1,0% Outra Programas interessantes 1,4% 1,4% Habilitações iguais às dos pais 0,3% Instalação e meios 0,7% Expectativas Académicas Níveis de resultados esperados / Nº de anos previstos para conclusão do curso Passar a todas, independentemente da média 38,4% Outros dados de relevo: Passar a algumas com boa média 27,0% Maior importância dada ao interesse pelo curso e às aulas práticas (respectivamente, 4,5 e 4,4 (em média)) Passar a algumas independentemente da média 18,9% Preferência de formação futura de curta duração (55,6%) Passar a todas com boa média 15,7% Quase de certeza mais anos que os previstos 74,7% Talvez mais anos do que os previstos 18,4% Os anos previstos no currículo do curso 7,0%

7 Página 7 Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Factos/Tempos de Estudo Regularidade de estudo ao longo do ano Estudo ao longo do ano 11,7% 42,2% 39,6% 2,6% 3,9% Estudo antes dos exames 5,4% 26,5% 23,8% 44,2% Estudo antes dos testes 1,4% 13,0% 42,5% 19,2% 24,0% Nunca Pouca regularidade Regularidade Muita regularidade Sempre Factos/Tempos de Estudo Ocupação típica de tempo enquanto trabalhador-estudante 8:24 7:12 7:08 6:00 Horas 4:48 3:36 2:24 1:12 0:00 0:38 Tempo dispendido do trabalho para a universidade 0:47 0:50 Tempo dispendido da universidade para a residência Tempo dispendido da residência para o trabalho 1:05 Tempo dispendido para actividades extracurriculares 1:46 Tempo disponível para actividades de estudo (extraaulas) Tempo para o exercício da actividade profissional

8 Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Página 8 Preferências Modelo Pedagógico Grau de Preferência Flexibilidade curricular ESCALA DE 1 A 5 (PONTO MÉDIO, 3,0) HORÁRIO TOTALMENTE PÓS-LABORAL 4,1 INTRODUÇÃO DE SEMESTRE DE VERÃO A DISCIPLINAS COM INSUCESSO ELEVADO 4,1 HORÁRIO PÓS-LABORAL COM CARGA HORÁRIA + REDUZIDA, + AULAS AO SÁBADO 3,8 EXAMES/TESTES EM HORÁRIO EXCLUSIVAMENTE PÓS-LABORAL 3,7 CURSO PARCIALMENTE MINISTRADO POR E-LEARNING 3,5 REDUÇÃO DA CARGA HORÁRIA DIURNA E REALIZAÇÃO DE + TRABALHOS/PROJECTOS 3,4 DISCIPLINAS NUCLEARES DURANTE A SEMANA (À NOITE) E AO SÁBADO 3,2 CURSO TOTALMENTE MINISTRADO POR E-LEARNING 2,9 Outras propostas INEXISTÊNCIA DE RESTRIÇÕES NO NÚMERO DE DISCIPLINAS INSCRITAS EM ÉPOCA ESPECIAL MAIOR FLEXIBILIDADE NA ESCOLHA DAS CADEIRAS E NOS HORÁRIOS DAS DISCIPLINAS AULAS DE DÚVIDAS E ATENDIMENTO AO ALUNO EM HORÁRIO PÓS-LABORAL ARTICULAR ÉPOCA ESPECIAL DE SETEMBRO COM O SEMESTRE DE VERÃO AULAS DE LABORATÓRIO EM HORÁRIO PÓS-LABORAL AVALIAÇÃO BASEADA EM TRABALHOS PRÁTICOS UTILIZAÇÃO DE BLENDED-LEARNING TUTORIA PARA CASOS DE INSUCESSO AULAS A PARTIR DAS 15 HORAS AVALIAÇÃO AO SÁBADO Outros dados de relevo: Maior importância dada aos testes e exames escritos (respectivamente 4,1 e 3,9) que aos restantes elementos de avaliação; Pouca importância dada aos exames orais (2,8, numa escala em que o ponto médio de satisfação é 3,0)

9 Página 9 Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Actividade Profissional Instituições empregadoras / Funções Desempenhadas CONTACT 5 CASOS CARGOS / FUNÇÕES PROFISSIONAIS 4 CASOS Técnico (não discriminado) 14 casos 4 CASOS Operador de Caixa 10 casos 3 CASOS Programador 9 casos 3 CASOS Operador de Call Center 9 casos 3 CASOS Assistente Administrativo 7 casos 3 CASOS Vendedor 6casos ( ) (..) Consultor 6 casos TOTAL 257 CASOS Actividade Profissional Principais áreas de actividade da instituição empregadora Comércio - Venda de Produtos/Serviços (n=69) Consultoria/Auditoria/Projectos (n=54) Transportes, Media e Comunicações (n=52) Educação, Investigação e Formação (n=27) Ind. Construção (n=25) Actividades Financeiras/Seguros (n=14) Comércio - Restauração (n=9) Sector Privado Sector Público (Adm.Central) Sector Público (Empresa Pública)

10 Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Página 10 Actividade Profissional Principais características da empregabilidade Características do Emprego Percentagem Principal forma de colocação no mercado: contactos pessoais 39,7% Maioria empregada por conta de outrém no sector privado 72,6% Contratados de forma efectiva ou com vínculos a prazo Respectivamente, 35,5% e 34,4% De forma maioritária, com remunerações do escalão até ,3% Principais áreas de actividade do aluno: comercial e informática Respectivamente, 21,8% e 20,2% Actividade Profissional Satisfação com emprego actual / Intenções face ao futuro 4,0 2,5 3,0 2,3 Adequação entre as tarefas profissionais e formação obtida no IST é reduzida 1,0 Satisfação com o Relação Tarefas emprego actual profissionais/formação no IST Sim Não 61,0% Mais de metade dos TE pretende continuar a exercer a mesma profissão, embora um núcleo mais alargado queira mudar de emprego 52,6% 47,4% 39,0% Exercer a mesma profissão Mudar de emprego

11 Página 11 Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Diferenças entre trabalho em part-time e em full time Uma questão de conceitos.. Trabalhador-Estudante (Full-Time): ao estudante que durante a licenciatura exercia uma actividade profissional a tempo inteiro 60,7% Estudante-Trabalhador (Part-Time): ao estudante que durante a licenciatura exercia uma actividade profissional a tempo parcial 39,3% DIFICULDADE FINANCEIRA 4,1 Motivos para acumulação entre estudos e emprego OBTENÇÃO DE RENDIMENTO 4,1 OPORTUNIDADE DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL 3,8 TRABALHAR PARA PAGAR PARTE DOS ESTUDOS 3,7 TRABALHAR PARA PAGAR TOTALIDADE DOS ESTUDOS 3,5 PROGRESSÃO NA PROFISSÃO 3,4 OUTRAS SITUAÇÕES 3,2 Full-Time Part-Time Agregados familiares mais reduzidos; 69,1% trabalha para suportar custos de ensino; Cerca de 20,2% dos alunos ingressaram no IST no seguimento de actividade profissional que já desempenhavam; Preferem a introdução de um semestre de verão ou de um horário integralmente pós-laboral; Na sua maioria (68,9%), estão na profissão que desejam, estando satisfeitos com o emprego actual (3,2) e referem alguma adequação entre as tarefas e a formação (2,6). Pais suportam mais os custos de ensino (50,0%); Preferem a introdução de um semestre de verão; Empregos pouco qualificados: operadores de caixa, operadores de call-center, recepcionistas, empregados de balcão; Menor nº de empregados efectivos (apenas 20,0%) e um rendimento mensal mais reduzido (91,2% no escalão mais baixo até 750 ); A maioria não pretende continuar a exercer a mesma profissão (69,5%), sendo a relação entre formação e tarefas profissionais reduzida (1,7).

MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico (IST)

MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico (IST) PERFIL DO ALUNO UNIVERSITÁRIO DO MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico () 1. Introdução Esta comunicação faz uma caracterização do

Leia mais

RELATÓRIO GLOBAL DE ESCOLA DO QUESTIONÁRIO ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO 2012/13 I - CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO

RELATÓRIO GLOBAL DE ESCOLA DO QUESTIONÁRIO ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO 2012/13 I - CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO Estudantes à Saída do Secundário 12/13 RELATÓRIO GLOBAL DE ESCOLA DO QUESTIONÁRIO ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO 12/13 Código da Escola OTES1213 N.º de respostas 41658 I - CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES

Leia mais

Relatório de Monitorização Pedagógica

Relatório de Monitorização Pedagógica Relatório de Monitorização Pedagógica Inquérito aos Alunos do 1º Ciclo 2011/2012 1º Semestre Janeiro 2012 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento

Leia mais

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior RELATÓRIO A procura de emprego dos Diplomados com habilitação superior Dezembro 2007 Fevereiro, 2008 Ficha Técnica Título A procura de emprego dos diplomados com habilitação superior Autor Gabinete de

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

A Filosofia à distância de um clique

A Filosofia à distância de um clique A Filosofia à distância de um clique 1ª Licenciatura em Filosofia em Regime B-Learning em Portugal Futurália, Março de 2011 A Filosofia na UCP Lisboa Tradição Tradição e Inovação - Uma das disciplinas

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares Título: Educação em Números - Portugal 2008 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério

Leia mais

Apresentada a reclamação importa analisar face às competências que me são estatutariamente conferidas se assiste razão ao estudante.

Apresentada a reclamação importa analisar face às competências que me são estatutariamente conferidas se assiste razão ao estudante. Recomendação n.º 9/2010-PE Processo n.º: 39.2010-PE Assunto: Marcação de avaliações práticas no curso de Eng. Informática pós-laboral Data: 07-02-2011 Exmo. Senhor Doutor Luís Távora Director da Escola

Leia mais

Estatuto do Trabalhador-Estudante

Estatuto do Trabalhador-Estudante Lei n.º 116/97, de 4 de Novembro Estatuto do Trabalhador-Estudante Com as alterações introduzidas pela Lei n.º 118/99, de 11 de Agosto A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA Preâmbulo É cada vez mais consensual a importância estratégica que as pessoas (vulgarmente chamadas de recursos humanos) desempenharão

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

e ISEL População média desempregada e Taxa de desemprego (%), por Grupo etário e Nível de escolaridade mais elevado completo, Junho de 2011 e

e ISEL População média desempregada e Taxa de desemprego (%), por Grupo etário e Nível de escolaridade mais elevado completo, Junho de 2011 e Índice Índice Folha Conteúdo Todos cursos empregabilidade por curso, por semestre, nos cursos de Bolonha Diurno empregabilidade por curso diurno, por semestre, nos cursos de Bolonha Jun-11 Desempregados

Leia mais

Concurso Anual Universitário RENAULT Building the Wheels of the Future

Concurso Anual Universitário RENAULT Building the Wheels of the Future Concurso Anual Universitário RENAULT Building the Wheels of the Future 1 Introdução 2 Introdução A RENAULT Portugal (www.renault.pt) apresenta o Concurso Anual Universitário RENAULT 2010/2011 e convidam-vos

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Social Parte 3.7 protecção social E Acção social O artigo 63º da Constituição da República Portuguesa estabelece que ( ) incumbe

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Dezembro, 2010 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Escola Superior de Tecnologia do Barreiro / Instituto Politécnico

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Criança ou jovem O que é e quais as condições para ter direito O que é Prestação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL Dezembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatórios dos Docentes Desempenho do Curso Ano Lectivo 2012/2013 Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatório de Desempenho do Curso Ano Lectivo

Leia mais

Rui Mendes João Patrício Ana Lucas

Rui Mendes João Patrício Ana Lucas III PE RCU RSO SÓCIO-PROFISSION AL DOS DIPLOM ADOS DO IST NOVEM BRO 2006 GEP Gabinete de Estudos e Planeamento Coord. Marta Pile Rui Mendes João Patrício Ana Lucas ÍNDICE GERAL CONSIDERAÇÕES INICIAIS...

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

Projectos e Trajectos

Projectos e Trajectos PROCESSOS DE RECOMPOSIÇÃO SOCIAL E RECONFIGURAÇÃO CULTURAL Projectos e Trajectos Jovens descendentes de imigrantes Jovens com baixa qualificação e experiência profissional Imigrantes profissionais JOVENS

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

Título - Os CET no Instituto Politécnico de Santarém. Autores:

Título - Os CET no Instituto Politécnico de Santarém. Autores: Título - Os CET no Instituto Politécnico de Santarém Autores: Natália Gaspar Doutora, Serviços Centrais do Instituto Politécnico de Santarém, Directora da Unidade de Formação Pós-Secundária e Formação

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação (DSEE) Divisão

Leia mais

BOLSA DE APOIO AO ESTUDANTE - 2000. Período de seleção (análise dos questionários e documentos e entrevista): INFORMAÇÕES GERAIS - PROCESSO DE SELEÇÃO

BOLSA DE APOIO AO ESTUDANTE - 2000. Período de seleção (análise dos questionários e documentos e entrevista): INFORMAÇÕES GERAIS - PROCESSO DE SELEÇÃO BOLSA DE APOIO AO ESTUDANTE - 2000 Período de inscrição: Período de seleção (análise dos questionários e documentos e entrevista): Divulgação dos selecionados: Início da Bolsa: INFORMAÇÕES GERAIS - PROCESSO

Leia mais

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco)

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco) (Página intencionalmente deixada em branco) 2 Conteúdo A Saúde Quem Somos... O programa Enfermeiros de Família... O Enfermeiro de Família Saúde... O desafio de carreira... Principais competências e responsabilidades...

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

da Uniiversiidade de Évora

da Uniiversiidade de Évora Universidade de Évora Rellatóriio sobre o Inquériito aos Liicenciiados da Uniiversiidade de Évora Pró-Reitoria para a Avaliação e Política da Qualidade Jacinto Vidigal da Silva Luís Raposo Julho de 2010

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego Montante Único

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão Financeira (LGF) Maputo, Julho de 2015 UDM 1 A

Leia mais

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa PREÂMBULO O actual Regulamento Geral de Avaliação (RGA) foi formulado, no essencial, em 2009 e reformulado em 2010. Teve

Leia mais

MODELOS Y DINÁMICA DE LA DOCENCIA

MODELOS Y DINÁMICA DE LA DOCENCIA MODELOS Y DINÁMICA DE LA DOCENCIA CRIAÇÃO DO GAEL (GABINETE DE APOIO À PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS E E-LEARNING) ESTUDO DE CASO: PROJECTO CAL2000 DR.ª CARLA PATROCÍNIO, DR. RUI MENDES GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DA GUARDA. Regulamento Geral de Avaliação

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DA GUARDA. Regulamento Geral de Avaliação ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DA GUARDA Artigo 1º (Princípios Gerais) 1- Nos cursos ministrados pela Escola Superior de Educação da Guarda o regime de avaliação orienta-se pelos seguintes princípios gerais:

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

Relatório Balanço Social

Relatório Balanço Social Relatório Balanço Social 12 de Abril, 2012 Índice Introdução... 2 Identificação do Organismo... 3 Indicadores de gestão... 4 Perfil tipo do trabalhador... 5 1. Caracterização do efetivo global... 6 1.1

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTATUTO DO ESTUDANTE MILITAR

REGULAMENTO DO ESTATUTO DO ESTUDANTE MILITAR REGULAMENTO DO ESTATUTO DO ESTUDANTE MILITAR 1 PREÂMBULO A legislação definidora dos regimes especiais de inscrição e frequência para os alunos do ensino superior a prestar serviço militar (o Decreto-Lei

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa

Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa Direcção Municipal de Recursos Humanos Responsabilidade Social na Semana da Responsabilidade Social, Lisboa 03 a 07 Maio 2010 Sumário da Apresentação Quem Somos Programas de Apoio à Comunidade Iniciativa

Leia mais

SMS: uma forma diferente de comunicação no Natal

SMS: uma forma diferente de comunicação no Natal SMS: uma forma diferente de comunicação no Natal Dezembro 2006 1 SMS: uma forma diferente de comunicação no Natal Maria do Carmo Gomes OberCom 2006 1. Textos, imagens e Boas Festas Aproxima-se a época

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares

Regulamento de Transportes Escolares Regulamento de Transportes Escolares PREÂMBULO Considerando que, A descentralização de competências da Administração Central do Estado, através da atribuição de mais competências às autarquias locais,

Leia mais

Sistema Interno de Garantia da Qualidade

Sistema Interno de Garantia da Qualidade ISEL Sistema Interno de Garantia da Qualidade RELATÓRIO Inquérito Novos Alunos Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Gabinete de Avaliação e Qualidade Janeiro 2014 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 4 1.1

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE MESTRADO EM CONTABILIDADE

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE MESTRADO EM CONTABILIDADE FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE MESTRADO EM CONTABILIDADE EDIÇÃO 2011 / 2013 ÍNDICE 1. Apresentação.. 3 2. Objectivos...... 3 3. Condições de Acesso. 3 4. Organização do Curso e Plano de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE - Ufac PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - Proaes DIRETORIA DE APOIO ESTUDANTIL - DAE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE - Ufac PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - Proaes DIRETORIA DE APOIO ESTUDANTIL - DAE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE - Ufac PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - Proaes DIRETORIA DE APOIO ESTUDANTIL - DAE EDITAL Nº 22/2016 Proaes DAE PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL BOLSA Pró-Inclusão 2016

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES I Regime de Ingresso 1. Podem concorrer à primeira matrícula nos CURSOS SUPERIORES DO ISTEC os indivíduos habilitados com: 1.1 Curso do ensino secundário, ou legalmente equivalente, com prova de ingresso

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho Os hospitais são organizações de grande complexidade organizativa que exigem dos profissionais ligados à gestão especial competência

Leia mais

Ensino Superior. Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt

Ensino Superior. Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Ensino Superior Regulamento n.º 319/2013 Regulamento do Programa de Apoio Social a Estudantes através de atividades de tempo Parcial (PASEP) da Universidade

Leia mais

Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso)

Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso) Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso) Lucília Maria P. T. Santos Universidade de Aveiro Resumo O uso e a aplicação de tecnologias da comunicação e informação, TIC, integram

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Relatório Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Direcção Municipal da Presidência Gabinete do Munícipe Divisão Municipal de Gestão da Qualidade Porto, 29 de Junho de 2011

Leia mais

Barómetro das Crises

Barómetro das Crises Barómetro das Crises 27-01-2015 Nº 12 O salário mínimo: a decência não é um custo A tendência dos últimos anos é de diminuição do peso dos ordenados e salários no Produto Interno Bruto (PIB). Por isso,

Leia mais

2012-Cursos do Departamento de Formação Profissional

2012-Cursos do Departamento de Formação Profissional 2012-Cursos do Departamento de Profissional 11 Breve Apresentação do Departamento de Profissional O Departamento de Profissional, uma subunidade da Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais, tem

Leia mais

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Adminisiração. n. 1. vol. I. 1988-1., 13-19 REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Alexandre Rosa * 1. INTRODUÇÃO A realidade da educação em Macau no final dos anos oitenta é o resultado de um processo

Leia mais

PERFIL DO ALUNO 2008/2009

PERFIL DO ALUNO 2008/2009 PERFIL DO ALUNO 2008/2009 FICHA TÉCNICA Título Perfil do Aluno 2008/2009 Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística

Leia mais

Regulamento Financeiro dos Cursos de Graduação 2013

Regulamento Financeiro dos Cursos de Graduação 2013 Regulamento Financeiro dos Cursos de Graduação 2013 Universidade Jean Piaget de Moçambique Beira, Moçambique 15 de Novembro de 2012 Resumo Este documento identifica e regula todas as implicações financeiras

Leia mais

JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011

JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011 JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011 Ficha Técnica Título Jovens no Pós 2011 Autoria Centro de Investigação e Estudos em Sociologia Instituto Universitário de Lisboa Fernando Luís Machado (coord.); David Nóvoas;

Leia mais

A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS CAD 8 27/9/7 14:28 Page 6 A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS LUÍS PISCO COORDENADOR DA MISSÃO PARA OS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS. O Programa do XVII Governo Constitucional (1), na área da saúde,

Leia mais

1. (PT) - Diário de Coimbra, 21/07/2011, ESEC e Escola de Hotelaria lançam nova pós-graduação 1

1. (PT) - Diário de Coimbra, 21/07/2011, ESEC e Escola de Hotelaria lançam nova pós-graduação 1 Revista de Imprensa 22-07-2011 1. (PT) - Diário de Coimbra, 21/07/2011, ESEC e Escola de Hotelaria lançam nova pós-graduação 1 2. (PT) - Diário As Beiras, 20/07/2011, Pós-graduação pioneira na Escola de

Leia mais

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes Algumas considerações estratégicas António Jorge Monteiro Abril de 1992 2 I. A História II. O Mercado III. Os Cursos IV. Os Professores V. Os Alunos

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O que é o Erasmus+? O Erasmus+ teve início no dia 1 de Janeiro de 2014. PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O Erasmus+ é o novo programa da UE para a educação, formação, juventude e desporto que se

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento

Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentário da APRITEL 17 de Março de 2009 APRITEL comentarios DL23-2009

Leia mais

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012 11 de Janeiro 2012 REGIME JURÍDICO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUA NO CÓDIGO DE TRABALHO (Lei 7/2009 de 12 de Fevereiro) DEVERES DO ESTADO EM MATÉRIA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: 1. Formação /qualificação

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS NOVOS ALUNOS

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS NOVOS ALUNOS 1. Taxas de resposta RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS NOVOS ALUNOS 21% 29% 79% 71% Responderam Não responderam Responderam Não responderam Gráfico nº 1 - Frequência percentual de respostas dos novos alunos

Leia mais

NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

PROPOSTA DE OBJETIVOS 2015-2016 : SIADAP 3

PROPOSTA DE OBJETIVOS 2015-2016 : SIADAP 3 PROPOSTA DE OBJETIVOS 2015-2016 : SIADAP 3 OBJETIVOS COMUNS A TODOS OS GRUPOS PROFISSIONAIS: Obj. 1 Assegurar o cumprimento das regras estabelecidas relativamente aos horários de trabalho, em conformidade

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia

Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Curso de Marketing Trabalho Prático Módulo III (Ferramentas do Office) Ano Lectivo 2006 / 2007 2.º Semestre Docentes: Artur Jorge Afonso

Leia mais

Análise da proposta de deliberação das alterações do Preçário da Universidade Aberta

Análise da proposta de deliberação das alterações do Preçário da Universidade Aberta Análise da proposta de deliberação das alterações do Preçário da Universidade Aberta A Associação Académica da Universidade Aberta analisou com atenção a proposta de deliberação da alteração ao Preçário

Leia mais

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002 44 7. Segurança Social 7.1 Invalidez, velhice e sobrevivência No concelho de Vidigueira, em 2002, os beneficiários de todos os regimes de pensão correspondiam a cerca de 39,3% da população residente, em

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2015-2º. semestre

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2015-2º. semestre MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO 2015-2º. semestre Caro Candidato, Este é o manual do processo seletivo para o 2º. semestre de 2015 para os cursos de Licenciatura em Pedagogia e Letras-Língua Portuguesa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

Guião Prático do Fundo Especial da ex-caixa de Previdência do Pessoal dos Telefones de Lisboa e Porto

Guião Prático do Fundo Especial da ex-caixa de Previdência do Pessoal dos Telefones de Lisboa e Porto Guião Prático do Fundo Especial da ex-caixa de Previdência do Pessoal dos Telefones de Lisboa e Porto GUIA PRÁTICO FUNDO ESPECIAL DA EX CAIXA DE PREVIDÊNCIA DO PESSOAL DOS TELEFONES DE LISBOA E PORTO INSTITUTO

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

Estudo sobre situação profissional dos. jovens enfermeiros em Portugal

Estudo sobre situação profissional dos. jovens enfermeiros em Portugal Ordem dos Enfermeiros Rede de Jovens Enfermeiros Estudo sobre situação profissional dos jovens enfermeiros em Portugal Autores: Raul Fernandes (Coordenador) Beto Martins, Bruno Maurício, Daniela Matos,

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA Preâmbulo Com a publicação da Lei 53-E/2006, de 29 de Dezembro, alterada pela Lei 64-A/2008 de 31 de Dezembro, tornou-se necessário a adaptação da Tabela

Leia mais

Licenciatura em Administração Pública (LAP)

Licenciatura em Administração Pública (LAP) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Administração Pública (LAP) Maputo, Julho de 2015 UDM

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. UTL em Números 2011 ISSN: 1645-3670. www.utl.pt

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. UTL em Números 2011 ISSN: 1645-3670. www.utl.pt UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA UTL em Números 2011 ISSN: 1645-3670 www.utl.pt Ficha Técnica Coordenador: Prof. Doutor António Palma dos Reis Edição Reitoria/DPD - Departamento de Planeamento e Documentação

Leia mais

Manual do facilitador

Manual do facilitador Manual do facilitador Introdução Este manual faz parte do esforço para institucionalizar o sistema de informação de uma maneira coordenada a fim de que as informações possam ser de acesso de todos que

Leia mais

Fiapal Informa. Candidaturas QREN

Fiapal Informa. Candidaturas QREN Foram publicados no passado mês de Dezembro 5 Avisos para Apresentação de Candidaturas ao QREN. Destes, três integram a região de Lisboa. Fiapal Informa Aviso de Abertura de Concurso - AAC 17/SI/2011 Sistema

Leia mais

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC 30 Dossier Tic Tac Tic Tac MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC Texto de Elsa de Barros Ilustração de Luís Lázaro Contribuir para o aumento do sucesso escolar dos alunos, equipando as escolas

Leia mais

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar Normas regulamentares Preâmbulo O regulamento do Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança

Leia mais

1ª vez Renovação Ano Lectivo 20 /20. Data de Emissão. Contribuinte Fiscal Nº de Eleitor Residente no Concelho desde

1ª vez Renovação Ano Lectivo 20 /20. Data de Emissão. Contribuinte Fiscal Nº de Eleitor Residente no Concelho desde CÂMARA MUNICIPAL CENTRO DE INTERVENÇÃO SOCIAL gabinete de educação BOLSA DE ESTUDO AO ENSINO SUPERIOR: CANDIDATURA 1ª vez Renovação Ano Lectivo 20 /20 IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Morada Código Postal Natural

Leia mais

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa INOVAÇÃO e I&DT Lisboa Prioridades, Impactos, Próximo Quadro MIGUEL CRUZ Aumentar a capacidade competitiva no mercado internacional Reforçar as competências estratégicas Apoiar as PME no reforço das suas

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK)

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) Maputo, Julho de 2015 UDM 1

Leia mais