RESUMO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS RESUMO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

2 LEGISLAÇÃO NACIONAL Resolução CONAMA nº 357 A legislação ambiental vigente em âmbito federal baseia-se na Resolução CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) nº 357 de 17/03/05 que estabelece normas e padrões para a qualidade das águas e o lançamento de efluentes nos corpos de água. LEGISLAÇÃO ESTADUAL - MG Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH Nº 1 05/2008 Cada estado brasileiro possui uma legislação ambiental específica. Para o Estado de Minas Gerais a Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH Nº 1 de 05 de Maio de 2008 estabelece os padrões de lançamento de efluentes de acordo com a classificação do corpo receptor. A classificação das águas e o uso preponderante de cada uma estão apresentados no Quadro 1. Outra legislação importante do Estado de Minas Gerais é a Deliberação Normativa Nº 74/2004 que define a classificação das fontes de poluição considerando a capacidade de processamento e potencial poluidor dos empreendimentos. 1

3 Quadro 1 Classificação das águas, usos preponderantes e algumas características (DN Conjunta COPAM/CERH Nº 1 05/2008) Classe Usos Características: parâmetros e limites - Abastecimento doméstico, sem prévia ou com Especial simples desinfecção. - Devem ser mantidas as condições naturais dos -Preservação do equilíbrio natural das corpos de água. comunidades aquáticas. -Abastecimento doméstico, após tratamento simplificado. Classe1 -Proteção das comunidades aquáticas. -Recreação de contato primário (natação, esqui aquático e mergulho). -Irrigação de hortaliças que são consumidas cruas e de frutas que se desenvolvem rentes ao solo e que sejam ingeridas cruas sem remoção de película; -Criação natural e/ou intensiva (aqüicultura) de - DBO 5 dias a 20ºC até 3 mg/l O 2 ; - OD, em qualquer amostra, não inferior a 6 mg/l O 2 ; - Turbidez: até 40 unidades nefelométricas de turbidez (UNT); - Cor: nível de cor natural do corpo de água em até 30 mg/pt/l; - ph: 6,0 a 9,0. - Sólidos em supensão totais até 50 mg/l espécies destinadas à alimentação humana. -Abastecimento doméstico, após tratamento - DBO 5 dias a 20ºC até 5 mg/l O 2 ; convencional. - OD, em qualquer amostra, não inferior a 5 mg/l. -Proteção das comunidades aquáticas. - Turbidez: até 100 UNT; -Recreação de contato primário (esqui Classe 2 - Cor: até 75 mg Pt/L; aquático, natação e mergulho). - ph: 6,0 a 9,0. -Irrigação de hortaliças e plantas frutíferas. - Sólidos em supensão totais até 100 mg/l -Criação natural e/ou intensiva (aqüicultura) de espécies destinadas a alimentação humana. Classe 3 - DBO 5 dias a 20ºC até 10 mg/l O 2 ; -Abastecimento doméstico, após tratamento - OD, em qualquer amostra, não inferior a 4 mg/l O 2 ; convencional. - Turbidez: até 100 UNT; -Irrigação de culturas arbóreas, cerealíferas e - Cor: até 75 mg Pt/L; forrageiras. - ph: 6,0 a 9,0. -Dessedentação de animais. - Sólidos em supensão totais até 100 mg/l Classe 4 -Navegação. -Harmonia paisagística. -Usos menos exigentes. - Índice de fenóis até 0,5 mg/l C 6 H 5 OH; - OD não inferior a 2,0 mg/lo 2, em qualquer amostra; - ph: 6,0 a 9,0. 2

4 Padrões de lançamento de efluentes Nas águas de Classe Especial não serão tolerados lançamentos de águas residuárias, domésticas e industriais, lixo e outros resíduos sólidos, substâncias potencialmente tóxicas, defensivos agrícolas, fertilizantes químicos e outros poluentes, mesmo tratados. Para as águas das classes 1 a 4 as condições de lançamento de efluentes de qualquer fonte poluidora, estão resumidas na Tabela 1. Tabela 1 Parâmetros e respectivos limites para lançamento de efluentes em corpo receptor Parâmetro Limite e/ou condição (DN Conjunta COPAM/CERH Nº 1) ph Entre 6,0 a 9,0 Temperatura Inferior 40 ºC Sólidos sedimentáveis Até 1 ml/l ou ausência para lagos e lagoas Óleos minerais até 20 mg/l Óleos e graxas Óleos vegetais e gorduras animais até 50 mg/l DBO 5 60 mg/l ou redução de, no mínimo, 85 % DQO 180 mg/l ou redução de, no mínimo, 75 % Concentração máxima diária: 100 mg/l Sólidos em suspensão Concentração média aritmética mensal: 60 mg/l Detergente 2,0 mg/l Materiais flutuantes Ausência Fonte: MINAS GERAIS (2008) OBS: Para as águas das Classes 1 a 4 serão tolerados os limites descritos acima, desde que os limites estabelecidos para as respectivas classes de água não sejam ultrapassados, ou seja, não ocorra alteração da classificação dessas águas. Destaca-se também que para o lançamento, não é permitida a diluição de efluentes industriais com águas não poluídas, como águas de abastecimento e as águas de refrigeração. 3

5 Licenciamento Ambiental A Deliberação Normativa COPAM nº74/04 classifica os estabelecimentos e define os parâmetros para obtenção da Licença Ambiental para o Estado de Minas Gerais. A Licença Ambiental é concedida pelo COPAM e deve ser requerida para os empreendimentos classes 3, 4, 5 e 6. Há três tipos de licença: Licença Prévia (LP); Licença de Instalação (LI) e Licença de Operação (LO), as quais poderão ser expedidas isoladas ou juntas, de acordo com a natureza, características e fase do empreendimento ou atividade. Licença Prévia (LP): é requerida na fase preliminar de planejamento do empreendimento ou atividade. Nessa primeira fase do licenciamento, a FEAM avalia a localização e a concepção do empreendimento, atestando a sua viabilidade ambiental e estabelecendo os requisitos básicos a serem atendidos nas próximas fases. Nessa etapa são analisados o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) ou, conforme o caso, o Relatório de Controle Ambiental (RCA). A Licença Prévia não concede qualquer direito de intervenção no meio ambiente, correspondendo à etapa de estudo e planejamento do futuro empreendimento. Licença de Instalação (LI): Corresponde a segunda fase do licenciamento ambiental. Nessa etapa é analisado o Plano de Controle Ambiental (PCA), que contém projetos dos sistemas de tratamento e/ou disposição de efluentes líquidos, atmosféricos e de resíduos sólidos etc. A Licença de Instalação concedida especifica as obrigações do empreendedor no que se refere às medidas mitigadoras dos impactos ambientais. Licença de Operação (LO): autoriza a operação do empreendimento, após a verificação do efetivo cumprimento do que consta das licenças anteriores, com as medidas de controle ambiental e condicionantes determinadas para a operação. Assim, a concessão da LO vai depender do cumprimento daquilo que foi examinado e deferido nas fases de LP e LI. A LO deve ser requerida quando o novo empreendimento, ou sua ampliação está instalada e prestes a entrar em operação (licenciamento preventivo) ou já está operando (licenciamento corretivo). 4

6 Classificação dos estabelecimentos A Deliberação Normativa nº74/04 COPAM (Conselho Estadual de Política Ambiental) classifica os estabelecimentos em classes de 1 a 6, segundo o porte e o potencial poluidor. As indústrias que se enquadram nas classes 1 e 2 são consideradas de impacto ambiental não significativo e ficam dispensadas do processo de licenciamento ambiental no nível estadual, mas estão sujeitas obrigatoriamente à Autorização Ambiental de Funcionamento-AAF pelo órgão ambiental estadual competente, mediante cadastro iniciado através de Formulário Integrado de Caracterização do Empreendimento ( FCEI ). No caso específico da indústria de laticínios se enquadram nas classes 1 e 2 as empresas destinadas ao resfriamento do leite e processamento de derivados com capacidade instalada menor que L de leite/dia e aquelas destinadas apenas ao resfriamento e distribuição com capacidade inferior a L de leite/dia. A Autorização Ambiental de Funcionamento é uma forma simplificada para regularizar os empreendimentos considerados de impacto ambiental não significativo (classes 1 e 2), e terá validade de quatro anos. Procedimento para obtenção da autorização ambiental de funcionamento Essa autorização deve ser requerida no início de operação do empreendimento ou para regularização da empresa já em atividade. Para sua obtenção, o primeiro passo é o preenchimento do Formulário Integrado de Caracterização do Empreendimento (FCEI). Na seqüência, o empreendedor receberá o Formulário de Orientação Básica Integrado (FOBI), onde estão detalhados documentos e estudos que deverão ser apresentados, como: - Requerimento da Autorização Ambiental de Funcionamento, conforme modelo padrão. - Termo de Responsabilidade, assinado pelo titular do empreendimento. - Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) ou equivalente do profissional responsável pelo gerenciamento ambiental da atividade. 5

7 - Declaração da Prefeitura Municipal de que o empreendimento está de acordo com as normas e regulamentos do município. - Comprovante de pagamento dos custos administrativos para requerimento da Autorização Ambiental de Funcionamento. - Documento comprobatório da condição de responsável legal pelo empreendimento, como o Contrato Social. Quando necessário, serão ainda exigidos pelo órgão ambiental competente: - Outorga de Direito de Uso de Recursos Hídricos ou Certidão de Registro de Uso da Água, emitidas pelo órgão ambiental competente. - Autorização para Exploração Florestal (APEF) e/ou Autorização para Intervenção em Área de Preservação Permanente (APP), emitidos pelo órgão ambiental competente - Título Autorizativo, emitido pelo Departamento Nacional de Produção Mineração (DNPM) Lei nº Utilização dos Recursos Hídricos A utilização dos recursos hídricos é regulamentada pela Política Nacional de Recursos Hídricos por meio da Lei nº 9.433, de 8 de Janeiro de Em muitos casos o uso dos recursos hídricos só poderá ser feito mediante a autorização conferida pela outorga. Outorga de Direitos de Uso de Recursos Hídricos O regime de outorga de direitos de uso de recursos hídricos tem como objetivos assegurar o controle quantitativo e qualitativo dos usos da água e o efetivo exercício dos direitos de acesso à água. Estão sujeitos a outorga pelo Poder Público os direitos dos seguintes usos de recursos hídricos: I - derivação ou captação de parcela da água existente em um corpo de água para consumo final, inclusive abastecimento público, ou insumo de processo produtivo; II - extração de água de aqüífero subterrâneo para consumo final ou insumo de processo produtivo; 6

8 III - lançamento em corpo de água de esgotos e demais resíduos líquidos ou gasosos, tratados ou não, com o fim de sua diluição, transporte ou disposição final; IV - aproveitamento dos potenciais hidrelétricos; V - outros usos que alterem o regime, a quantidade ou a qualidade da água existente em um corpo de água. Independem de outorga pelo Poder Público, conforme definido em regulamento: I - o uso de recursos hídricos para a satisfação das necessidades de pequenos núcleos populacionais, distribuídos no meio rural; II - as derivações, captações e lançamentos considerados insignificantes; III - as acumulações de volumes de água consideradas insignificantes. Infrações e Penalidades Constitui infração das normas de utilização de recursos hídricos superficiais ou subterrâneos: I - derivar ou utilizar recursos hídricos para qualquer finalidade, sem a respectiva outorga de direito de uso; II - iniciar a implantação ou implantar empreendimento relacionado com a derivação ou a utilização de recursos hídricos, superficiais ou subterrâneos, que implique alterações no regime, quantidade ou qualidade dos mesmos, sem autorização dos órgãos ou entidades competentes; IV - utilizar-se dos recursos hídricos ou executar obras ou serviços relacionados com os mesmos em desacordo com as condições estabelecidas na outorga; V - perfurar poços para extração de água subterrânea ou operá-los sem a devida autorização; VI - fraudar as medições dos volumes de água utilizados ou declarar valores diferentes dos medidos; Penalidades que os infratores dessa lei estão sujeitos: I - advertência por escrito, na qual serão estabelecidos prazos para correção das rregularidades; II - multa, simples ou diária, proporcional à gravidade da infração, de R$ 100,00 (cem reais) a R$ ,00 (dez mil reais); 7

9 III - embargo provisório, por prazo determinado, para execução de serviços e obras necessárias ao efetivo cumprimento das condições de outorga ou para o cumprimento de normas eferentes ao uso, controle, conservação e proteção dos recursos hídricos; IV - embargo definitivo, com revogação da outorga, se for o caso, para repor incontinenti, no seu antigo estado, os recursos hídricos, leitos e margens ou tamponar os poços de extração de água subterrânea. V - Sempre que da infração cometida resultar prejuízo a serviço público de abastecimento de água, riscos à saúde ou à vida, perecimento de bens ou animais, ou prejuízos de qualquer natureza a terceiros, a multa a ser aplicada nunca será inferior à metade do valor máximo cominado em abstrato. VI - No caso dos incisos III e IV, independentemente da pena de multa, serão cobradas do infrator as despesas em que incorrer a Administração para tomar efetivas as medidas previstas nos citados incisos, sem prejuízo de responder pela indenização dos danos a que der causa. VII - Da aplicação das sanções previstas neste título caberá recurso à autoridade administrativa competente, nos termos do regulamento. VIII - Em caso de reincidência, a multa será aplicada em dobro. 8

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, tendo em vista as competências que lhe foram conferidas pela Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria Disciplina o processo de licenciamento ambiental de condomínios residenciais

Leia mais

Parágrafo único - As fontes estacionárias sujeitas ao monitoramento, semestral, serão aquelas integrantes dos:

Parágrafo único - As fontes estacionárias sujeitas ao monitoramento, semestral, serão aquelas integrantes dos: PORTARIA Nº 111 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2008 O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do art. 69 da Constituição Estadual da Constituição

Leia mais

Novo Hamburgo, Abril de 2011. Geóloga Luciana Schneider CREA/RS 148952

Novo Hamburgo, Abril de 2011. Geóloga Luciana Schneider CREA/RS 148952 Novo Hamburgo, Abril de 2011 Geóloga Luciana Schneider CREA/RS 148952 OBJETIVOS Conhecimento na área de perfuração de poços tubulares e licenças necessárias para a execução dos trabalhos na área; Apresentação

Leia mais

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a conservação e a proteção das águas subterrâneas no Estado de Pernambuco e dá outras providências Capítulo I - Da conservação e proteção das águas subterrâneas

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. CADASTRO TÉCNICO FEDERAL Atos Autorizativos/Regularização Ambiental SISEMA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

LEI N 904, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009.

LEI N 904, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. 1 LEI N 904, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE IMPACTO LOCAL NO MUNICÍPIO DE PORTO MAUÁ E DÁ OUTRAS PRVIDÊNCIAS. GUERINO PEDRO PISONI, Prefeito Municipal de Porto Mauá,

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. CIESP - Centro das Indústrias do Estado de São Paulo SOROCABA-SP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. CIESP - Centro das Indústrias do Estado de São Paulo SOROCABA-SP LICENCIAMENTO AMBIENTAL CIESP - Centro das Indústrias do Estado de São Paulo SOROCABA-SP 19/06/2012 Estrutura organizacional da CETESB depois da unificação do licenciamento Presidência Vice Presidência

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Departamento de Controle FEPAM LEI FEDERAL 6938/81 DECRETO FEDERAL 99274/90 BASE PARA GESTÃO AMBIENTAL obrigatoriedade

Leia mais

Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira

Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira Política Nacional do Meio Ambiente Lei 6938/81 Principais instrumentos de gestão

Leia mais

JOSÉ EUSTÁQUIO DE TOLEDO

JOSÉ EUSTÁQUIO DE TOLEDO JOSÉ EUSTÁQUIO DE TOLEDO 1 Legislação Pertinente Lei Federal n 6.938/81 Estabelece o licenciamento ambiental como um instrumento da PNMA Resolução CONAMA Nº 01/86 Lista os empreendimentos que dependerão

Leia mais

DECRETO Nº 47.400, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 47.400, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, e ALTERADA PELO DECRETO SP N 48.919/2004 DECRETO Nº 47.400, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) Regulamenta dispositivos da Lei Estadual nº 9.509, de 20 de março de 1997, referentes ao licenciamento ambiental,

Leia mais

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos do Curso

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Realização PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE AÇÕES E RECURSOS AMBIENTAIS Bauru, maio 2007. SUMÁRIO 01 - OBJETIVO 02 O QUE É O

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO O Licenciamento Ambiental é o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental (IBAMA, IAP, Secretarias Municipais de Meio Ambiente), verificando o atendimento

Leia mais

NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº 42.159, DE 2.12.2009.

NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº 42.159, DE 2.12.2009. NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº 42.159, DE 2.12.2009. INSTRUMENTOS LEGAIS AUTORIZAÇÕES AMBIENTAIS CERTIDÕES AMBIENTAIS LICENÇAS AMBIENTAIS AUTORIZAÇÕES AMBIENTAIS

Leia mais

Lei n. 3.245, de 17 de junho de 2014.

Lei n. 3.245, de 17 de junho de 2014. Dispõe sobre o Licenciamento Ambiental no Município de Serafina Corrêa e sobre a regulamentação das Taxas de Licenciamento Ambiental e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE SERAFINA CORREA, seguinte

Leia mais

Direito Ambiental para Não Advogados VIEX Americas Bastidores do Licenciamento Ambiental Simone Paschoal Nogueira

Direito Ambiental para Não Advogados VIEX Americas Bastidores do Licenciamento Ambiental Simone Paschoal Nogueira Direito Ambiental para Não Advogados VIEX Americas Bastidores do Licenciamento Ambiental Simone Paschoal Nogueira São Paulo, 25 de fevereiro de 2016 Conceitos Principais Licenciamento ambiental Procedimento

Leia mais

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 DISPÕE SOBRE A COBRANÇA PELA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DE DOMÍNIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Outorga e Cobrança de Recursos Hídricos Cátia Siqueira - INEA Encontro Gestão Eficiente de

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0003/2015 A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

2,5. A Resolução n 009 do CONAMA e o licenciamento ambiental na Extração de Minerais das classes I, III, IV, V, VI, VII, VIII e IX

2,5. A Resolução n 009 do CONAMA e o licenciamento ambiental na Extração de Minerais das classes I, III, IV, V, VI, VII, VIII e IX 2,5 A Resolução n 009 do CONAMA e o licenciamento ambiental na Extração de Minerais das classes I, III, IV, V, VI, VII, VIII e IX Ainer da Silva Souza, Emanuel de Oliveira Lima, Ney José Trindade Leite,

Leia mais

ANEXO VIII DIRETRIZES PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL

ANEXO VIII DIRETRIZES PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL ANEXO VIII DIRETRIZES PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL PÁGINA 1 DE 6 I INTRODUÇÃO Os trabalhos e análises destinados à preparação dos documentos antecedentes e indispensáveis à abertura do processo licitatório

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1. Contexto Geral Brasil e Mato Grosso Conservação Desenvolvimento Crescimento 2. Marco Legal Lei nº. 6.938/1981 Política Nacional do Meio Ambiente e Decreto nº. 99274/1990. Resolução

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS 5 dicas essenciais sobre o licenciamento ambiental de indústrias Copyright Ecovalor Consultoria e Assessoria em Sustentabilidade Ltda, 2014. Todos os direitos reservados.

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL MINEIROS - GO

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL MINEIROS - GO LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL MINEIROS - GO 1. Qual a importância do Licenciamento Ambiental? É o instrumento básico da Política Municipal de Gestão e Saneamento Ambiental e tem por objetivo a prévia

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80

RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80 RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80 Dispõe sobre os procedimentos de licenciamento ambiental de estabelecimentos destinados

Leia mais

23/02/2011. Prof. Daniel Bertoli Gonçalves

23/02/2011. Prof. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Daniel Bertoli Gonçalves Para o desenvolvimento do processo de licenciamento ambiental, é necessário a elaboração de diversos documentos técnicos, definidos pelo órgão ambiental competente, com a

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) LICENÇA SIMPLIFICADA LS Autoriza a localização, instalação e operação conforme Art. 5º, incisos V e VI da Resolução COEMA nº 04 de 12 de abril

Leia mais

Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental.

Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA N 004 DE 18 DE MARÇO DE 2013 Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental.

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade do estabelecimento de procedimentos e critérios específicos para o licenciamento das obras de saneamento básico;

CONSIDERANDO a necessidade do estabelecimento de procedimentos e critérios específicos para o licenciamento das obras de saneamento básico; INSTRUÇÃO NORMATIVA 0001/2013-GAB Dispõe sobre o licenciamento dos sistemas públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, delineados para municípios com até 50.000 habitantes. O Secretário

Leia mais

Parecer sobre vistas do Processo no 02000.004766/2006-92 SERGIO ANNIBAL -FBCN Complemento Final de Parecer

Parecer sobre vistas do Processo no 02000.004766/2006-92 SERGIO ANNIBAL -FBCN Complemento Final de Parecer 1 Rio de Janeiro, 18 de julho de 2007. De acordo com pedido de vista apresentado por nós 50ª Reunião Extraordinária do CONAMA, encaminhamos a seguir nossa análise e complemento de parecer sobre a proposta

Leia mais

Licenciamento Ambiental e Municipal

Licenciamento Ambiental e Municipal Curso de Treinamento - ABLP Licenciamento Ambiental e Municipal Simone Paschoal Nogueira 14 de outubro de 2008 Sede da ABLP Procedimento pelo qual o órgão ambiental competente permite a localização, instalação,

Leia mais

Da Legislação Ambiental. Da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Harmonização da PNRS. Constituição Federal da República Federativa do Brasil

Da Legislação Ambiental. Da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Harmonização da PNRS. Constituição Federal da República Federativa do Brasil Da Legislação Ambiental Constituição Federal da República Federativa do Brasil Capitulo VI Do Art. 225 Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo

O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo Seminário: Compostagem na Cidade de São Paulo 10 de agosto de 2012 O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo Eng. Cristiano Kenji Iwai Divisão de Apoio ao Controle de

Leia mais

PARECER ÚNICO SUPRAM CM Nº 265/2009 PROTOCOLO Nº 478389 /2009

PARECER ÚNICO SUPRAM CM Nº 265/2009 PROTOCOLO Nº 478389 /2009 PARECER ÚNICO CM Nº 265/2009 PROTOCOLO Nº 478389 /2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 9223/2007/002/2009 LO DEFERIMENTO Outorga Nº: (Não Aplicável) APEF Nº: (Não Aplicável) Reserva

Leia mais

Sistema de Licenciamento Ambiental da Bahia

Sistema de Licenciamento Ambiental da Bahia IFBA / Depart V Ciências do Ambiente Tecnologias Ambientais da Indústria Prof Armando Tanimoto 2010-1 Baseado em Cardoso, 2004 LICENCIAMENTO AMBIENTAL é o procedimento administrativo pelo qual a administração

Leia mais

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre o licenciamento para o exercício de atividades econômicas e sem fins lucrativos no âmbito do

Leia mais

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº 013 24 DE MARÇO DE 2015. GABINETE DO PREFEITO

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº 013 24 DE MARÇO DE 2015. GABINETE DO PREFEITO 1 PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº 013 24 DE MARÇO DE 2015. GABINETE DO PREFEITO Altera a Lei nº 1456/2013, que dispõe sobre as taxas de serviços ambientais, institui seus valores, dispõem sobre sanções pelas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS 1. INTRODUÇÃO: Este Termo de Referência visa orientar a elaboração de Projeto Ambiental - PA a ser apresentado pelos empreendedores

Leia mais

PARECER ÚNICO SUPRAM CM Nº. 221/2011 PROTOCOLO Nº. 0325288/2011 Indexado ao(s) Processo(s)

PARECER ÚNICO SUPRAM CM Nº. 221/2011 PROTOCOLO Nº. 0325288/2011 Indexado ao(s) Processo(s) PARECER ÚNICO Nº. 221/2011 PROTOCOLO Nº. 0325288/2011 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº. 23811/2010/001/2011 Licença de DEFERIMENTO Outorga Nº. (Não Aplicável) - - AIA Nº. (Não Aplicável)

Leia mais

Eng Mecânico Pedro Teixeira de Carvalho CREA/MG 26976/D

Eng Mecânico Pedro Teixeira de Carvalho CREA/MG 26976/D Pág. 1 de 7 PARECER ÚNICO Nº INDEXADO AO PROCESSO: PA COPAM: SITUAÇÃO: Licenciamento Ambiental 25171/2011/004/2014 Sugestão pelo Deferimento FASE DO LICENCIAMENTO: LP + LI (Ampliação) VALIDADE DA LICENÇA:

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) SISTEMA DE COMUNICAÇÃO

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) SISTEMA DE COMUNICAÇÃO ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) SISTEMA DE COMUNICAÇÃO CÓDIGO 30.00 GRUPO/ATIVIDADES SISTEMA DE COMUNICAÇÃO PPD 30.01 Estação de Rádio Base para Telefonia Móvel M 30.02 Estação Repetidora Sistema de Telecomunicações

Leia mais

Licenciam e nto Am b ientalde Sistem a de Disposição Final de R e síduos Sólidos Urbanos e da Construção Civilno Estado do Rio Grande do Norte

Licenciam e nto Am b ientalde Sistem a de Disposição Final de R e síduos Sólidos Urbanos e da Construção Civilno Estado do Rio Grande do Norte Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte Licenciam e nto Am b ientalde Sistem a de Disposição Final de R e síduos Sólidos Urbanos e da Construção Civilno Estado do

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Parecer Técnico GEDAM 054/2007 Processo COPAM: 0099/85/40/2007 Processos DNPM: 830.241/80 Fase DNPM: Título de Lavra PARECER TÉCNICO Empreendedor: RIO PARACATU MINERAÇÃO

Leia mais

Unidade de Conservação: Refúgio Estadual de Vida Silvestre da Serra de São José

Unidade de Conservação: Refúgio Estadual de Vida Silvestre da Serra de São José PARECER ÚNICO SUPRAM-SM PROTOCOLO Nº 493240/2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 03279/2008/001/2009 LOC DEFERIMENTO Processo de Cadastro 010843/2009 APEF Nº - Não se aplica Reserva

Leia mais

LEI Nº 4.657 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015

LEI Nº 4.657 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015 LEI Nº 4.657 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015 DISPÕE sobre o sistema/procedimento de Licenciamento Ambiental no Município de Não- Me-Toque e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LUTKEMEYER, PREFEITA

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Ambiental Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Avaliação de Impactos Ambientais CONAMA 01/1986 estabeleceu

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Eng. Cristiano Kenji Iwai Eng.ª Solange Takahashi Diretoria de Controle

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO Nº 087/2015.

DECRETO EXECUTIVO Nº 087/2015. DECRETO EXECUTIVO Nº 087/2015. Regulamenta Política de Saneamento e estabelece as diretrizes técnicas para implantação de sistemas individuais e coletivos de tratamento de efluente sanitário no município

Leia mais

Política de Recursos Hídricos do Brasil

Política de Recursos Hídricos do Brasil Política de Recursos Hídricos do Brasil Código de Águas (Decreto n.º 24.643, de 1934 ) Constituição Federal de 1988 Art. 21, XIX - SNGRH e Critérios de Outorga Art. 20, III (bens da União) e Art. 26, I

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO - ETE

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO - ETE III CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA OPERADORES DE ETE PROGRAMA SANEAMENTO BÁSICO: MAIS SAÚDE PARA TODOS LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO - ETE Divisão de Saneamento Rural DTN / SPAT

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 09.00 GRUPO/ATIVIDADES 09.07 Postos de Revenda de Combustíveis e Derivados de Petróleo com ou sem lavagem e ou lubrificação de veículos PPD M AGRUPAMENTO NORMATIVO

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAMA

MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAMA MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAMA Dispõe sobre o licenciamento ambiental de empreendimentos de geração de energia eólica em superfície terrestre e dá outras providências. Art. 1º Esta Resolução estabelece critérios

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL DE PROJETOS DE PISCICULTURA EM ÁGUAS DE DOMÍNIO DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA

LICENÇA AMBIENTAL DE PROJETOS DE PISCICULTURA EM ÁGUAS DE DOMÍNIO DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA Elaboração: Maria Silvinez Marques Dell Orto Maria Silvania Marques Rodrigues LICENÇA AMBIENTAL DE PROJETOS DE PISCICULTURA EM ÁGUAS DE DOMÍNIO DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA 2 a Edição, Salvador-Ba - 2012

Leia mais

DECRETO Nº 58.791, DE 21 DE DEZEMBRO DE

DECRETO Nº 58.791, DE 21 DE DEZEMBRO DE DECRETO Nº 58.791, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012 Aprova e fixa os valores a serem cobrados pelo uso dos recursos hídricos de domínio de Estado de São Paulo na Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos

Leia mais

Resumo da palestra Pec Nordeste 2015. Patrícia de Menezes Gondim. Gestora Ambiental da SEMACE/Doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais da UFC

Resumo da palestra Pec Nordeste 2015. Patrícia de Menezes Gondim. Gestora Ambiental da SEMACE/Doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais da UFC Resumo da palestra Pec Nordeste 2015 Patrícia de Menezes Gondim Gestora Ambiental da SEMACE/Doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais da UFC Regularização Ambiental na Suinocultura A suinocultura é uma

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS)

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) 1. DEFINIÇÃO 1.1. Licença Simplificada (LS) - concedida para a localização, instalação, implantação e operação

Leia mais

Entraves do Licenciamento Ambiental e Atualização de Legislação

Entraves do Licenciamento Ambiental e Atualização de Legislação Entraves do Licenciamento Ambiental e Atualização de Legislação Simone Paschoal Nogueira Sócia Setor Ambiental São Paulo Legislação Ambiental para o Setor Elétrico São Paulo/SP 29 de agosto de 2011 Licenciamento

Leia mais

O Engenheiro Ambiental: atribuições e atuação no mercado de trabalho

O Engenheiro Ambiental: atribuições e atuação no mercado de trabalho O Engenheiro Ambiental: atribuições e atuação no mercado de trabalho Eng. Química Elisabeth Ibi Frimm Krieger Pelotas, 24 de Novembro de 2009 Resolução Nº 218, de 29.06.1973 CONFEA Discrimina atividades

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA.

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA. Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA Brasília 2005 O Licenciamento Ambiental nasceu de uma exigência social, fruto de uma

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 006, DE 16 DE SETEMBRO DE 1987

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 006, DE 16 DE SETEMBRO DE 1987 RESOLUÇÃO CONAMA Nº 006, DE 16 DE SETEMBRO DE 1987 Estabelece regras gerais para Licenciamento Ambiental de Obras de Grande Porte, notadamente de instalações de geração de energia elétrica. O CONSELHO

Leia mais

Referência: Licença de Operação (Transporte de Resíduos Perigosos)

Referência: Licença de Operação (Transporte de Resíduos Perigosos) PARECER ÚNICO CM nº 313/2009 PROTOCOLO SIAM Nº 597630/2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 11530/2006/001/2007 LO DEFERIMENTO Outorga Nº: (Não Aplicável) XXX XXX APEF Nº: (Não Aplicável)

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ Pietra Quelissa ROBE, Estudante de Controle Ambiental do IFC- Campus Camboriú Yasmin Nunes DA SILVA, Estudante

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente PROCESSO DE LICENCIAMENTO DOCUMENTOS MÍNIMOS NECESSARIOS PARA AQUICULTURA CARCINICULTURA LICENÇA PRÉVIA (LP) 1 Requerimento de LP; 2 Cadastro técnico; 3 Guia de recolhimento devidamente quitada; 4 Comprovação

Leia mais

Formulário para Licenciamento Ambiental de Extração Mineral. Responsável pela leitura no GPS Nome: Profissão: Telefone: ( )

Formulário para Licenciamento Ambiental de Extração Mineral. Responsável pela leitura no GPS Nome: Profissão: Telefone: ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL CPF/ CNPJ End. n Bairro CEP Município Telefone ( ) 2. IDENTIFICAÇÃO DA ATIVIDADE/ EMPREENDIMENTO Atividade Endereço Logradouro (Rua, Av,Linha, Picada,

Leia mais

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo permitida qualquer inclusão, exclusão ou alteração de campos, sob pena de não

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) LICENÇA DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO (LIO) LICENÇA DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO (LIO) Autoriza a instalação e operação do empreendimento/atividade, conforme Art. 5, Inciso IV da

Leia mais

Sistema SOMA / SEMACE

Sistema SOMA / SEMACE Sistema SOMA / SEMACE SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO BRASÍLIA/DF MAGDA KOKAY FARIAS ANTONIO FERREIRA FIGUEIREDO SEMACE SUA CRIAÇÃO ANTECEDENTES SUDEC

Leia mais

CFEM FÁCIL Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais

CFEM FÁCIL Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Fundação Estadual do Meio Ambiente FÁCIL Fundação Estadual do Meio Ambiente Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos - Sisema Secretaria

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBH-TG Nº.203 /2012 DE 04/12/2012

DELIBERAÇÃO CBH-TG Nº.203 /2012 DE 04/12/2012 DELIBERAÇÃO CBH-TG Nº.203 /2012 DE 04/12/2012 Aprova a proposta dos mecanismos e valores para cobrança pelos usos urbano e industrial dos recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo, no âmbito

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Procedimento COPAM nº 01786/2003/009/2014 (nºantigo) nº 32370/2014/005/2015 (nºnovo) Licença de Operação Construção do Terminal de Passageiros 3- TPS 3 do Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Aeroporto

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº XXX, de XX de XXXXXXX de 2015

RESOLUÇÃO CONAMA nº XXX, de XX de XXXXXXX de 2015 Procedência: 10ª Reunião Ordinária da CTCA Data: 04 e 05 de abril de 2016 Processo n 02000.001845/2015-32 Assunto: Minuta de Resolução Conama que dispõe sobre critérios e diretrizes gerais para o licenciamento

Leia mais

CAPÍTULO II DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS NATURAIS E DO SANEAMENTO SEÇÃO I DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO II DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS NATURAIS E DO SANEAMENTO SEÇÃO I DO MEIO AMBIENTE CAPÍTULO II DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS NATURAIS E DO SANEAMENTO SEÇÃO I DO MEIO AMBIENTE ARTIGO 242 Todos tem direito ao meio ambiente saudável e ecologicamente equilibrado, impondo-se a todos, e em

Leia mais

RENOVAÇÃO DA LICENÇA DE OPERAÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento;

RENOVAÇÃO DA LICENÇA DE OPERAÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento; RENOVAÇÃO DA LICENÇA DE OPERAÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento; Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; Cadastro Descritivo da Atividade ; Cópia da Outorga de Lavra do DNPM,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 51, DE 31 DEOUTUBRO2013 APROVA A REVISÃO 01 DANOP-INEA-02 INDENIZAÇÃO DOS CUSTOS

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL Jorge Luiz Britto Cunha Reis PROCEDIMENTOS DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1. INTRODUÇÃO As crescentes pressões da sociedade e o avanço da consciência ambientalista que floresceram em

Leia mais

O Licenciamento Ambiental Municipal

O Licenciamento Ambiental Municipal O licenciamento ambiental é um dos instrumentos da política nacional do meio ambiente, sendo definido como o procedimento administrativo utilizado pelo órgão ambiental competente para licenciar a localização,

Leia mais

Licença de Operação Corretiva. INTEGRAL ZONA DE AMORTECIMENTO USO SUSTENTÁVEL X NÃO BACIA FEDERAL: Rio Paraná BACIA ESTADUAL: Rio Grande UPGRH: GD4

Licença de Operação Corretiva. INTEGRAL ZONA DE AMORTECIMENTO USO SUSTENTÁVEL X NÃO BACIA FEDERAL: Rio Paraná BACIA ESTADUAL: Rio Grande UPGRH: GD4 Pág. 1 de 8 ANEXO DE INCLUSÃO DE CONDICIONANTES NO PARECER ÚNICO Nº 1771652/2013 (SIAM), APROVADO NA 104ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA URC DO COPAM SUL DE MINAS, REALIZADA EM 30 DE SETEMBRO DE 2013 INDEXADO AO

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL ORIENTAÇÕES AO EMPREENDEDOR

LICENCIAMENTO AMBIENTAL ORIENTAÇÕES AO EMPREENDEDOR LICENCIAMENTO AMBIENTAL ORIENTAÇÕES AO EMPREENDEDOR índice o que é Licenciamento Ambiental? 4 Quais são os tipos de licença ambiental? 6 consulte a localização da regional do conselho de Política Ambiental

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FCEI IGAM Agenda Azul

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FCEI IGAM Agenda Azul INTRODUÇÃO 1/5 O FCEI, Formulário de Caracterização do Empreendimento Integrado, é o documento que o empreendedor utiliza para apresentar ao órgão ambiental as informações do empreendimento para regularização

Leia mais

Alunos: Gabriel Ruivo Guilherme Vilares Ricardo Franzan Willian Koh. Tratamento de Efluentes

Alunos: Gabriel Ruivo Guilherme Vilares Ricardo Franzan Willian Koh. Tratamento de Efluentes Alunos: Gabriel Ruivo Guilherme Vilares Ricardo Franzan Willian Koh Tratamento de Efluentes Usos da Água e Geração de Efluentes: Abastecimento Doméstico Água potável + Impurezas devido ao uso = Efluentes

Leia mais

Referência: Licença de Operação (Transporte de Resíduos) Atividade objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe

Referência: Licença de Operação (Transporte de Resíduos) Atividade objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe PARECER ÚNICO nº 149/2008 PROTOCOLO Nº 503221 / 2008 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 09368/2007/001/2007 LO DEFERIMENTO Outorga Nº: (Não Aplicável) xxx xxx APEF Nº: (Não Aplicável)

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ PORTARIA IAP Nº 019, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2006 Aprova e determina o cumprimento da Instrução Normativa

Leia mais

Considerando a necessidade de conferir maior agilidade na implantação das obras de saneamento básico, visando a melhoria da qualidade de vida;

Considerando a necessidade de conferir maior agilidade na implantação das obras de saneamento básico, visando a melhoria da qualidade de vida; 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010 Dispõe sobre licenciamento de sistemas de abastecimento de água e sistemas esgotamento sanitário, no Estado de Goiás. O Secretário da Secretaria do Meio Ambiente e dos

Leia mais

REGULAMENTO PARA LANÇAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM REDE DE ESGOTO FORNECIDA PELA COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS GOIASINDUSTRIAL.

REGULAMENTO PARA LANÇAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM REDE DE ESGOTO FORNECIDA PELA COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS GOIASINDUSTRIAL. REGULAMENTO PARA LANÇAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM REDE DE ESGOTO FORNECIDA PELA COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS GOIASINDUSTRIAL. Art. 1º - O Presidente da Companhia de Distritos Industriais

Leia mais

AMBIENTAL LL, LP, LI e LO (TORRES). ( ) Este documento (Devidamente Preenchido)

AMBIENTAL LL, LP, LI e LO (TORRES). ( ) Este documento (Devidamente Preenchido) I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL LL, LP, LI e LO (TORRES). ( ) Este documento (Devidamente Preenchido) ( ) Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal;

Leia mais

CONDICIONANTES NÃO VINCULADAS À VIABILIDADE AMBIENTAL. Ricardo Carneiro

CONDICIONANTES NÃO VINCULADAS À VIABILIDADE AMBIENTAL. Ricardo Carneiro CONDICIONANTES NÃO VINCULADAS À VIABILIDADE AMBIENTAL Ricardo Carneiro PROEMINÊNCIA E HIPERTROFIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE CONTROLE DE ATIVIDADES MODIFICADORAS DO MEIO AMBIENTE CONDICIONANTES

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUS SÓLIDOS URBANOS

COMPOSTAGEM DE RESÍDUS SÓLIDOS URBANOS COMPOSTAGEM DE RESÍDUS SÓLIDOS URBANOS LICENCIAMENTO AMBIENTAL Procedimento 1 Licença Prévia 2 Licença de Instalação 3 Licença de Operação LICENCIAMENTO AMBIENTAL Legislação Resolução SEMA n 031/1998 Art.

Leia mais

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento Ambiental é um procedimento

Leia mais

7. CADASTRO DE USUÁRIOS E OUTORGA. 7.1 Outorgas na Bacia do Rio Paraíba do Sul. 7.2 Cadastro Unificado - Antecedentes

7. CADASTRO DE USUÁRIOS E OUTORGA. 7.1 Outorgas na Bacia do Rio Paraíba do Sul. 7.2 Cadastro Unificado - Antecedentes 7. CADASTRO DE USUÁRIOS E OUTORGA 7.1 Outorgas na Bacia do Rio Paraíba do Sul O panorama das outorgas na bacia nas quatro esferas outorgantes é bastante variado. A atividade em São Paulo é muito intensa,

Leia mais