NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº , DE

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº 42.159, DE 2.12.2009."

Transcrição

1 NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº , DE

2 INSTRUMENTOS LEGAIS AUTORIZAÇÕES AMBIENTAIS CERTIDÕES AMBIENTAIS LICENÇAS AMBIENTAIS

3 AUTORIZAÇÕES AMBIENTAIS 1 AUTORIZAÇÃO PARA SUPRESSÃO DE VEGETAÇÃO PERMITE A SUPRESSÃO DE VEGETAÇÃO NOS CASOS PREVISTOS EM LEI, ESTABELECENDO CONDICIONANTES E MEDIDAS MITIGADORAS E/OU COMPENSATÓRIAS.

4 AUTORIZAÇÕES AMBIENTAIS 2 AUTORIZAÇÃO PARA INTERVENÇÃO EM APP PERMITE A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES OU EMPREENDIMENTOS QUE INTERFIRAM,DE ALGUMA FORMA, EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP), SOMENTE QUANDO ENQUADRADOS NOS CASOS EXCEPCIONAIS PREVISTOS NA LEGISLAÇÃO.

5 AUTORIZAÇÕES AMBIENTAIS 3 AUTORIZAÇÃO PARA MOVIMENTAÇÃO DE RESÍDUOS AUTORIZAÇÃO EMITIDA AO INTERESSADO QUE PRETENDE MOVIMENTAR RESÍDUOS DE OUTROS ESTADOS DA FEDERAÇÃO, PARA SEREM DESTINADOS NOS SISTEMAS LICENCIADOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

6 AUTORIZAÇÕES AMBIENTAIS 4 AUTORIZAÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAL PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL AUTORIZAÇÃO PARA O LICENCIAMENTO DE EMPREENDIMENTO OU ATIVIDADE DE SIGNIFICATIVO IMPACTO AMBIENTAL QUE AFETE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO ESTADUAL OU SUA ZONA DE AMORTECIMENTO.

7 AUTORIZAÇÕES AMBIENTAIS 5 AUTORIZAÇÃO PARA TAMPONAMENTO DE POÇOS TUBULARES EM AQUÍFEROS 6 7 AUTORIZAÇÃO PARA PERFURAÇÃO DE POÇOS TUBULARES EM AQUÍFEROS AUTORIZAÇÃO PARA EXECUÇÃO DE OBRAS EMERGENCIAIS DE CARÁTER PRIVADO

8 AUTORIZAÇÕES AMBIENTAIS PRAZO DAS AUTORIZAÇÕES AMBIENTAIS LIMITE MÁXIMO DE 2 ANOS.

9 CERTIDÃO AMBIENTAL 1 ANUÊNCIA À OUTROS ÓRGÃOS PÚBLICOS EM RELAÇÃO A CONFORMIDADE DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2 APROVAÇÃO DE ÁREA DE RESERVA LEGAL, LOCALIZADA EM PROPRIEDADE OU POSSE RURAL

10 CERTIDÃO AMBIENTAL 3 ANUÊNCIA PARA CORTE DE VEGETAÇÃO EXÓTICA 4 BAIXA DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA PELA GESTÃO AMBIENTAL PERANTE AO INEA 5 USO INSIGNIFICANTE DO RECURSO HÍDRICO

11 CERTIDÃO AMBIENTAL 6 CUMPRIMENTO DE CONDICIONANTES DE LICENÇAS OU AUTORIZAÇÕES AMBIENTAIS SOLICITADA, PRINCIPALMENTE, POR ATIVIDADES QUE NECESSITAM COMPROVAR JUNTO ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SUA SITUAÇÃO DE ADEQUAÇÃO PERANTE O ÓRGÃO AMBIENTAL.

12 CERTIDÃO AMBIENTAL 7 REGULARIDADE AMBIENTAL PARA QUEM SE INSTALOU SEM LICENÇA AMBIENTAL PARA QUEM INSTOU-SE SEM LICENÇA AMBIENTAL, EM DATA ANTERIOR À ENTRADA EM VIGOR DO PRESENTE DECRETO. ESTA CERTIDÃO SÓ SERÁ EMITIDA APÓS O CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES ORIUNDAS DE SANÇÃO ADMINISTRATIVA APLICADA OU DAQUELAS FIXADAS EM TAC.

13 CERTIDÃO AMBIENTAL 8 INEXIGIBILIDADE DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL EMITIDA PARA AS ATIVIDADES E EMPREENDIMENTOS QUE NÃO ESTEJAM CONTEMPLADOS NO ANEXO 1 DO DECRETO, NEM EM NORMA DO CONEMA OU INEA, E TAMBÉM PARA AQUELES ENQUADRADOS NA CLASSE 1 DA TABELA 1.

14 CERTIDÃO AMBIENTAL CASOS COMUNS DE INEXIGIBILIDADE EMPRESAS DE CONSULTORIA; GERENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA; REFORMAS DE RESIDÊNCIAS, ESCOLAS E OUTRAS CONSTRUÇÕES EM ÁREA URBANA; TRANSPORTE DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS; PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA EM ÁREAS URBANAS, ENTRE OUTROS.

15 CERTIDÃO AMBIENTAL 9 INEXISTÊNCIA, NOS ÚLTIMOS 5 ANOS, DE DÍVIDAS FINANCEIRAS REFERENTES ÀS INFRAÇÕES AMBIENTAIS, RESSALVADOS OS PROCESSOS ADMINISTRATIVOS EM CURSO

16 CERTIDÃO AMBIENTAL 10 RESERVA HÍDRICA, CONDICIONADO O DIREITO AO SEU USO À OBTENÇÃO DA RESPECTIVA OUTORGA CERTIFICADO DE CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIO (CCL) CERTIFICADO DE REGISTRO PARA MEDIÇÃO DE EMISSÃO VEICULAR (CREV)

17 LICENÇA AMBIENTAL 1 LICENÇA PRÉVIA (LP) 2 LICENÇA DE INSTALAÇÃO (LI) 3 LICENÇA DE OPERAÇÃO (LO)

18 LICENÇA AMBIENTAL PRORROGAÇÃO DOS PRAZOS DAS LICENÇAS LICENÇAS MÍNIMO MÁXIMO LP = CRONOGRAMA 5 ANOS LI = CRONOGRAMA 6 ANOS LO 4 ANOS 10 ANOS

19 LICENÇA AMBIENTAL PRAZOS DAS LICENÇAS AMBIENTAIS: LICENÇA DE INSTALAÇÃO: PODERÁ SER AMPLIADO ATÉ O LIMITE MÁXIMO DE 6 (SEIS) ANOS, DESDE QUE COMPROVADA A MANUTENÇÃO DO PROJETO ORIGINAL E DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS EXISTENTES QUANDO DE SUA CONCESSÃO.

20 LICENÇA AMBIENTAL PRAZOS DAS LICENÇAS AMBIENTAIS: LICENÇA DE OPERAÇÃO: PODERÁ TER SEU PRAZO DE VALIDADE AMPLIADO ATÉ O LIMITE DE 10 (DEZ) ANOS, QUANDO CONSTATADAS, CUMULATIVAMENTE:

21 LICENÇA AMBIENTAL MANUTENÇÃO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS EXISTENTES QUANDO DE SUA CONCESSÃO; IMPLEMENTAÇÃO VOLUNTÁRIA DE PROGRAMA EFICIENTE DE GESTÃO AMBIENTAL; INEXISTÊNCIA DE DENÚNCIAS E AUTOS DE CONSTATAÇÃO E DE INFRAÇÃO; CORREÇÃO DAS NÃO CONFORMIDADES DECORRENTES DA ÚLTIMA AUDITORIA AMBIENTAL REALIZADA.

22 LICENÇA AMBIENTAL CONCESSÃO DE PRAZO LIMITE PARA LO QUANDO COMPROVADA A IMPLEMENTAÇÃO VOLUNTÁRIA DE PROGRAMA EFICIENTE DE GESTÃO AMBIENTAL.

23 LICENÇA AMBIENTAL 4 LICENÇA AMBIENTAL DE RECUPERAÇÃO (LAR) 5 LICENÇA DE OPERAÇÃO E RECUPERAÇÃO (LOR) 6 LICENÇA PRÉVIA E DE INSTALAÇÃO (LPI) 7 LICENÇA DE INSTALAÇÃO E DE OPERAÇÃO (LIO) 8 LICENÇA AMBIENTAL SIMPLIFICADA (LAS)

24 LICENÇA AMBIENTAL 4 LICENÇA AMBIENTAL DE RECUPERAÇÃO (LAR) AUTORIZA A REMEDIAÇÃO, RECUPERAÇÃO, DESCONTAMINAÇÃO OU ELIMINAÇÃO DE PASSIVO AMBIENTAL EXISTENTE, NA MEDIDA DO POSSÍVEL E DE ACORDO COM OS PADRÕES TÉCNICOS EXIGÍVEIS, EM ESPECIAL AQUELES EM EMPREENDIMENTOS OU ATIVIDADES FECHADOS, DESATIVADOS OU ABANDONADOS.

25 LICENÇA AMBIENTAL 5 LICENÇA DE OPERAÇÃO E RECUPERAÇÃO (LOR) APLICADA PARA QUEM ESTÁ OPERANDO, CONCOMITANTE COM A RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE PASSIVO EXISTENTE NA ÁREA. A LOR TEM SIDO MUITO DEMANDADA PELOS POSTOS DE SERVIÇOS E PELAS AS ATIVIDADES INDUSTRIAIS, COM LICENÇA DE OPERAÇÃO, QUE JÁ INICIARAM A OPERAÇÃO DOS SISTEMAS DE DESCONTAMINAÇÃO.

26 LICENÇA AMBIENTAL 6 LICENÇA PRÉVIA E DE INSTALAÇÃO (LPI) PREVISTA QUANDO NÃO DEPENDER DE EIA OU RAS, PODENDO OCORRER CONCOMITANTEMENTE COM A AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS E ATIVIDADES. ESTE TIPO DE LICENÇA É MUITO APLICADA PARA AS ATIVIDADES, CUJOS IMPACTOS SÃO CLASSIFICADOS COMO BAIXO E MÉDIO. EM GERAL SÃO ATIVIDADES LOCALIZADAS EM ÁREA URBANA CONSOLIDADA E SEM VEGETAÇÃO PROTEGIDA POR LEI.

27 LICENÇA AMBIENTAL 7 LICENÇA DE INSTALAÇÃO E DE OPERAÇÃO (LIO) PERMITE A INSTALAÇÃO E A OPERAÇÃO CONCOMITANTE, SENDO CONCEDIDA ANTES DE INICIAR SUA IMPLANTAÇÃO. ESTE TIPO DE LICENÇA SÓ É EMITIDA QUANDO A OPERAÇÃO REPRESENTAR IMPACTO INSIGNIFICANTE OU, AINDA, PARA AMPLIAÇÕES OU AJUSTES DE ATIVIDADES JÁ IMPLANTADAS E LICENCIADAS. AS LINHAS DE TRANSMISSÃO, AS CONSTRUÇÕES (UNIFAMILIARES OU MULTIFAMILIARES) DOTADAS DE TRATAMENTO PRIMÁRIO DE ESGOTOS, SÃO GRANDES CANDIDATAS À OBTENÇÃO DA LIO.

28 LICENÇA AMBIENTAL 8 LICENÇA AMBIENTAL SIMPLIFICADA (LAS) ATESTA A VIABILIDADE AMBIENTAL, APROVANDO SUA LOCALIZAÇÃO E AUTORIZA A IMPLANTAÇÃO E/OU A OPERAÇÃO, EM UMA ÚNICA FASE. A LAS SÓ É CONCEDIDA PARA EMPREENDIMENTOS OU ATIVIDADES ENQUADRADAS NA CLASSE 2. EM GERAL A LAS É CONCEDIDA PARA AS ATIVIDADES DE VETORES, HIGIENIZAÇÃO DE CAIXAS D ÁGUA, PARA POSTOS DE SERVIÇOS A SEREM IMPLANTADOS EM ÁREA VIRGEM, PARA INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, OFICINAS MECÂNICAS, SEM PINTURA, MARMORARIA, CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS, LOTEAMENTOS, ENTRE OUTROS.

29 OUTORGA DE DIREITO DE USO DE RECURSOS HÍDRICOS (OUT) AUTORIZA O USO DE RECURSOS HÍDRICOS, SUPERFICIAIS OU SUBTERRÂNEOS, POR PRAZO DETERMINADO, NOS TERMOS E CONDIÇÕES QUE ESPECIFICA.

30 TERMO DE ENCERRAMENTO (TE) ATESTA A INEXISTÊNCIA DE PASSIVO AMBIENTAL QUE REPRESENTE RISCO AO AMBIENTE OU À SAÚDE DA POPULAÇÃO, QUANDO DO ENCERRAMENTO DE DETERMINADA ATIVIDADE OU APÓS A CONCLUSÃO DO PROCEDIMENTO DE RECUPERAÇÃO MEDIANTE LAR, ESTABELECENDO AS RESTRIÇÕES DE USO DA ÁREA.

31 TERMO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA PELA GESTÃO AMBIENTAL (TRGA) DECLARAÇÃO APRESENTADA AO ÓRGÃO AMBIENTAL, PELO PROFISSIONAL QUE ASSUMIRÁ A RESPONSABILIDADE PELA GESTÃO AMBIENTAL DA ATIVIDADE OU DO EMPREENDIMENTO DE MÉDIO OU GRANDE PORTE.

32 TERMO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA PELA GESTÃO AMBIENTAL (TRGA) O RESPONSÁVEL PELA GESTÃO AMBIENTAL DECLARA ESTAR CIENTE DAS LEIS E NORMAS APLICÁVEIS AO LICENCIAMENTO, ASSIM COMO DAS CONDICIONANTES DISCRIMINADAS NA LICENÇA AMBIENTAL, SABEDOR DE QUE O NÃO CUMPRIMENTO DE QUALQUER UMA DESTAS LEVARÁ NÃO SÓ À APLICAÇÃO DAS SANÇÕES CABÍVEIS AO REQUERENTE DA LICENÇA, MAS TAMBÉM À COMUNICAÇÃO AO CONSELHO PERTINENTE SOBRE A CONDUTA DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL.

33 TERMO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA PELA GESTÃO AMBIENTAL (TRGA) O RESPONSÁVEL TÉCNICO DEVERÁ APRESENTAR RELATÓRIOS DE CUMPRIMENTO DAS CONDICIONANTES DA LICENÇA A CADA 3 MESES, BEM COMO COMUNICAR IMEDIATAMENTE AO INEA QUALQUER ANORMALIDADE DE CARÁTER AMBIENTAL, ASSIM COMO REQUERER CERTIDÃO DE BAIXA DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA, CASO NÃO MAIS REPRESENTE O GESTOR AMBIENTAL DA ATIVIDADE/EMPREENDIMENTO.

34 LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1 EMPREENDIMENTOS OU ATIVIDADES SUJEITOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL - AQUELES PREVISTOS NO ANEXO 1 DO DECRETO. 2 EMPREENDIMENTOS OU ATIVIDADES NÃO SUJEITOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL - AQUELES DA CLASSE 1, DE ACORDO COM A TABELA 1.

35 ENQUADRAMENTO DOS EMPREENDIMENTOS E ATIVIDADES A CLASSIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO É FEITA COM BASE NO MANUAL MN 050 CLASSIFICAÇÃO DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORES, APROVADO PELA RESOLUÇÃO DO CONEMA

36 ENQUADRAMENTO DOS EMPREENDIMENTOS E ATIVIDADES O MANUAL APRESENTA OS GRUPOS, SUBGRUPOS E SUBDIVISÕES DAS ATIVIDADES SUJEITAS AO LICENCIAMENTO E INFORMA O POTENCIAL POLUIDOR DE CADA SUBDIVISÃO.

37 ENQUADRAMENTO DOS EMPREENDIMENTOS E ATIVIDADES O MESMO MANUAL DEFINE O PORTE E PARA ALGUMAS ATIVIDADES, COMO SANEAMENTO, TRASNPORTE, RESÍDUOS, ENERGIA, CRIAÇÃO DE ANIMAIS, POSTOS DE SERVIÇOS, EXTRAÇÃO MINERAL E DESENVOLVIMENTO URBANO, TÊM CRITÉRIOS E CÁLCULOS ESPECÍFICOS.

38 DEFINIÇÃO DO PORTE PARA A MAIORIA DAS ATIVIDADES ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA E NÚMERO DE EMPREGADOS. PARA CADA PARÂMETRO ATRIBUIR UM PESO DE 0,4 A MÉDIA ARITIMÉTICA DOS DOIS PESOS DEFINE O PORTE DA ATIVIDADE.

39 ENQUADRAMENTO DOS EMPREENDIMENTOS E ATIVIDADES PESO ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA M 2 NºDE EMPREGADOS 0,5 ATÉ 500 ATÉ 10 1 DE 500 ATÉ2.000 DE 10 ATÉ100 2 DE ATÉ DE 100 ATÉ500 3 DE ATÉ DE 500 ATÉ ACIMA DE ACIMA DE 2.000

40 ENQUADRAMENTO DOS EMPREENDIMENTOS E ATIVIDADES MÉDIA DOS PESOS (PESO DA ÁREA + PESO DO Nº DE EMPREGADOS/2) MENOR OU IGUAL A 0,4 MAIOR QUE 0,4 E MENOR OU IGUAL A 1 MAIOR QUE 1 E MENOR OU IGUAL A 2 MAIOR QUE 2 E MENOR OU IGUAL A 3 MAIOR QUE 3 PORTE MÍNIMO PEQUENO MÉDIO GRANDE EXCEPCIONAL

41 POTENCIALPOLUIDOR PORTE Insignificante Baixo Médio Alto Mínimo Classe 1 Classe 2 Classe 2 Classe 3 Pequeno Classe 1 Classe 2 Classe 3 Classe 4 Médio Classe 2 Classe 2 Classe 4 Classe 5 Grande Classe 2 Classe 3 Classe 5 Classe 6 Excepcional Classe 3 Classe 4 Classe 6 Classe 6

42 A atividade estádefinida na Classe 1? Não sim Não necessita de licenciamento Certidão de Inexigibilidade de licenciamento, se necessário A atividade estádefinida na Classe 2? sim Licença Ambiental Simplificada LAS Não A atividade estáem fase de planejamento? sim Necessita de EIA ou sim Licença Prévia LP Não Estáem fase de início de implantação? Não sim RAS? Não Licença Prévia e Instalação- LPI O impacto da operação é insignificante? sim Licença de Instalação e Operação LIO Estáem fase de início de operação? Ou em operação? sim Não Licença de Instalação LI Possui passivo ambiental? Não sim Licença de Operação e Recuperação LOR Licença de Operação LO

43 Trata-se de recuperação ambiental de área pública ou de passivo ambiental de atividades fechadas/desativadas? sim Não Estáem operação regular e necessita licença para ampliar? sim Licença Ambiental de Recuperação LAR O impacto da operação é insignificante? sim Licença de Instalação e Operação LIO Não Licença de Instalação LI e posterior averbação da LO

44 OBRIGADA Tel. :

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 51, DE 31 DEOUTUBRO2013 APROVA A REVISÃO 01 DANOP-INEA-02 INDENIZAÇÃO DOS CUSTOS

Leia mais

NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº 42.159, DE 2.12.2009.

NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº 42.159, DE 2.12.2009. NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº 42.159, DE 2.12.2009. PORTAL INEA FINALIDADES DO PORTAL CARACTERÍSTICAS DO PORTAL LEGISLAÇÃO PERTINENTE FINALIDADES DO PORTAL

Leia mais

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. CIESP - Centro das Indústrias do Estado de São Paulo SOROCABA-SP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. CIESP - Centro das Indústrias do Estado de São Paulo SOROCABA-SP LICENCIAMENTO AMBIENTAL CIESP - Centro das Indústrias do Estado de São Paulo SOROCABA-SP 19/06/2012 Estrutura organizacional da CETESB depois da unificação do licenciamento Presidência Vice Presidência

Leia mais

JOSÉ EUSTÁQUIO DE TOLEDO

JOSÉ EUSTÁQUIO DE TOLEDO JOSÉ EUSTÁQUIO DE TOLEDO 1 Legislação Pertinente Lei Federal n 6.938/81 Estabelece o licenciamento ambiental como um instrumento da PNMA Resolução CONAMA Nº 01/86 Lista os empreendimentos que dependerão

Leia mais

LEI Nº 4.657 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015

LEI Nº 4.657 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015 LEI Nº 4.657 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015 DISPÕE sobre o sistema/procedimento de Licenciamento Ambiental no Município de Não- Me-Toque e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LUTKEMEYER, PREFEITA

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS 5 dicas essenciais sobre o licenciamento ambiental de indústrias Copyright Ecovalor Consultoria e Assessoria em Sustentabilidade Ltda, 2014. Todos os direitos reservados.

Leia mais

DECRETO Nº 47.400, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 47.400, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, e ALTERADA PELO DECRETO SP N 48.919/2004 DECRETO Nº 47.400, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) Regulamenta dispositivos da Lei Estadual nº 9.509, de 20 de março de 1997, referentes ao licenciamento ambiental,

Leia mais

Lei n. 3.245, de 17 de junho de 2014.

Lei n. 3.245, de 17 de junho de 2014. Dispõe sobre o Licenciamento Ambiental no Município de Serafina Corrêa e sobre a regulamentação das Taxas de Licenciamento Ambiental e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE SERAFINA CORREA, seguinte

Leia mais

Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira

Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira Política Nacional do Meio Ambiente Lei 6938/81 Principais instrumentos de gestão

Leia mais

O Licenciamento Ambiental Municipal

O Licenciamento Ambiental Municipal O licenciamento ambiental é um dos instrumentos da política nacional do meio ambiente, sendo definido como o procedimento administrativo utilizado pelo órgão ambiental competente para licenciar a localização,

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL Página 1 / 7 O que é LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O LICENCIAMENTO AMBIENTAL é o procedimento administrativo realizado pelo órgão ambiental competente, que pode ser federal, estadual

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Departamento de Controle FEPAM LEI FEDERAL 6938/81 DECRETO FEDERAL 99274/90 BASE PARA GESTÃO AMBIENTAL obrigatoriedade

Leia mais

1º Encontro sobre Licenciamento Ambiental Municipal para Oficinas e Coligados. Fortaleza, 18 de Dezembro de 2015

1º Encontro sobre Licenciamento Ambiental Municipal para Oficinas e Coligados. Fortaleza, 18 de Dezembro de 2015 1º Encontro sobre Licenciamento Ambiental Municipal para Oficinas e Coligados Fortaleza, 18 de Dezembro de 2015 BioSfor PROFIAUTOS Objetivo do Evento: Promover a disseminação das diretrizes do processo

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL MINEIROS - GO

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL MINEIROS - GO LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL MINEIROS - GO 1. Qual a importância do Licenciamento Ambiental? É o instrumento básico da Política Municipal de Gestão e Saneamento Ambiental e tem por objetivo a prévia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 279, DE 27 DE JUNHO DE 2001

RESOLUÇÃO Nº 279, DE 27 DE JUNHO DE 2001 RESOLUÇÃO Nº 279, DE 27 DE JUNHO DE 2001 O Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei n 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento Ambiental é um procedimento

Leia mais

O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo

O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo Seminário: Compostagem na Cidade de São Paulo 10 de agosto de 2012 O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo Eng. Cristiano Kenji Iwai Divisão de Apoio ao Controle de

Leia mais

Palestrante: Alexandre Vaz Castro

Palestrante: Alexandre Vaz Castro Palestrante: Alexandre Vaz Castro PERGUNTAS FREQUENTES Qual o papel do profissional da química na área de Meio Ambiente? Quaisasáreasdeatuação? Qualaformadeatuação? Quais as responsabilidades? Quais os

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO - ETE

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO - ETE III CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA OPERADORES DE ETE PROGRAMA SANEAMENTO BÁSICO: MAIS SAÚDE PARA TODOS LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO - ETE Divisão de Saneamento Rural DTN / SPAT

Leia mais

DECRETO N 40.156, DE 17 DE OUTUBRO DE 2006

DECRETO N 40.156, DE 17 DE OUTUBRO DE 2006 DECRETO N 40.156, DE 17 DE OUTUBRO DE 2006 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA A REGULARIZAÇÃO DOS USOS DE ÁGUA SUPERFICIAL E SUBTERRÂNEA, BEM COMO, PARA AÇÃO INTEGRADA DE FISCALIZAÇÃO

Leia mais

RESUMO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

RESUMO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS RESUMO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 006, DE 16 DE SETEMBRO DE 1987

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 006, DE 16 DE SETEMBRO DE 1987 RESOLUÇÃO CONAMA Nº 006, DE 16 DE SETEMBRO DE 1987 Estabelece regras gerais para Licenciamento Ambiental de Obras de Grande Porte, notadamente de instalações de geração de energia elétrica. O CONSELHO

Leia mais

Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental.

Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA N 004 DE 18 DE MARÇO DE 2013 Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental.

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) LICENÇA DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO (LIO) LICENÇA DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO (LIO) Autoriza a instalação e operação do empreendimento/atividade, conforme Art. 5, Inciso IV da

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE LOTES DE TERRENO PARA A FIXAÇÃO DE UNIDADES INDUSTRIAIS, COMERCIAIS E/OU DE SERVIÇOS NA ÁREA DO MUNICÍPIO DE VIEIRA DO MINHO Nos últimos anos a Câmara Municipal de Vieira do

Leia mais

LEI N 904, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009.

LEI N 904, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. 1 LEI N 904, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE IMPACTO LOCAL NO MUNICÍPIO DE PORTO MAUÁ E DÁ OUTRAS PRVIDÊNCIAS. GUERINO PEDRO PISONI, Prefeito Municipal de Porto Mauá,

Leia mais

Direito Ambiental para Não Advogados VIEX Americas Bastidores do Licenciamento Ambiental Simone Paschoal Nogueira

Direito Ambiental para Não Advogados VIEX Americas Bastidores do Licenciamento Ambiental Simone Paschoal Nogueira Direito Ambiental para Não Advogados VIEX Americas Bastidores do Licenciamento Ambiental Simone Paschoal Nogueira São Paulo, 25 de fevereiro de 2016 Conceitos Principais Licenciamento ambiental Procedimento

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PORTOS VERA REGINA PEREIRA LIMA

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PORTOS VERA REGINA PEREIRA LIMA VERA REGINA PEREIRA LIMA Arquiteta e Gestora Ambiental. Auditora Lider ISO14001 O QUE É LICENCIAMENTO AMBIENTAL? Ato administrativo definido pela Legislação Ambiental nas esferas federal e estadual relativo

Leia mais

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS DIMENSÃO DO PROJETO BÁSICO NA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS PRECEDIDOS DA EXECUÇÃO DE OBRA PÚBLICA Cezar Augusto Pinto Motta TCE-RS / Ibraop Pedro

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) SISTEMA DE COMUNICAÇÃO

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) SISTEMA DE COMUNICAÇÃO ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) SISTEMA DE COMUNICAÇÃO CÓDIGO 30.00 GRUPO/ATIVIDADES SISTEMA DE COMUNICAÇÃO PPD 30.01 Estação de Rádio Base para Telefonia Móvel M 30.02 Estação Repetidora Sistema de Telecomunicações

Leia mais

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos do Curso

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAMA

MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAMA MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAMA Dispõe sobre o licenciamento ambiental de empreendimentos de geração de energia eólica em superfície terrestre e dá outras providências. Art. 1º Esta Resolução estabelece critérios

Leia mais

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP)

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP) DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP) 1 - IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR Nome ou Razão Social: CNPJ: CPF: CGC/TE: Endereço (Rua/Av.) : nº: Bairro:

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade do estabelecimento de procedimentos e critérios específicos para o licenciamento das obras de saneamento básico;

CONSIDERANDO a necessidade do estabelecimento de procedimentos e critérios específicos para o licenciamento das obras de saneamento básico; INSTRUÇÃO NORMATIVA 0001/2013-GAB Dispõe sobre o licenciamento dos sistemas públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, delineados para municípios com até 50.000 habitantes. O Secretário

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria Disciplina o processo de licenciamento ambiental de condomínios residenciais

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

Projecto de Decreto-lei

Projecto de Decreto-lei Projecto de Decreto-lei O Decreto Lei nº273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) LICENÇA SIMPLIFICADA LS Autoriza a localização, instalação e operação conforme Art. 5º, incisos V e VI da Resolução COEMA nº 04 de 12 de abril

Leia mais

INDENIZAÇÃO DOS CUSTOS DE ANÁLISE E PROCESSAMENTO DOS REQUERIMENTOS DAS LICENÇAS, CERTIFICADOS, AUTORIZAÇÕES E CERTIDÕES AMBIENTAIS.

INDENIZAÇÃO DOS CUSTOS DE ANÁLISE E PROCESSAMENTO DOS REQUERIMENTOS DAS LICENÇAS, CERTIFICADOS, AUTORIZAÇÕES E CERTIDÕES AMBIENTAIS. OBJETIVO Estabelecer os valores e os critérios de indenização ao Instituto Estadual do Ambiente - INEA dos custos de análise e processamento dos requerimentos de licenças, certificados, autorizações e

Leia mais

LEI Nº 4.753 CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

LEI Nº 4.753 CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 4.753 Dispõe sobre a regularização de obras e atividades que tenham sido concluídas ou iniciadas até 31 de dezembro de 2000. Cria o Fundo para a Sustentabilidade do Espaço Municipal - FUSEM. CAPÍTULO

Leia mais

Art. 1º - Os dispositivos adiante discriminados do Decreto nº 47.400, de 04 de dezembro de 2002, passam a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - Os dispositivos adiante discriminados do Decreto nº 47.400, de 04 de dezembro de 2002, passam a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 55.149, de 10/12/2009 Dá nova redação a dispositivos do Decreto nº 47.400, de 04 de dezembro de 2002, que regulamenta disposições da Lei nº 9.509, de 20 de março de 1997, referentes ao licenciamento

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Regulamento de Estágios Estágios Não Obrigatórios Remunerados (ENOR) e Estágios Curriculares Obrigatórios (ECO) de alunos dos cursos superiores da Universidade Positivo. Aprovado pela Resolução n o 53

Leia mais

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º /

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º / Decreto-Lei n.º / O Decreto Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza.

Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. DECRETO Nº 5.746, DE 5 DE ABRIL DE 2006 Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Licenciam e nto Am b ientalde Sistem a de Disposição Final de R e síduos Sólidos Urbanos e da Construção Civilno Estado do Rio Grande do Norte

Licenciam e nto Am b ientalde Sistem a de Disposição Final de R e síduos Sólidos Urbanos e da Construção Civilno Estado do Rio Grande do Norte Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte Licenciam e nto Am b ientalde Sistem a de Disposição Final de R e síduos Sólidos Urbanos e da Construção Civilno Estado do

Leia mais

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal.

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. Em resumo, o programa fornece, mediante convênio de cooperação

Leia mais

Orientações às Empresas para obtenção do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB)

Orientações às Empresas para obtenção do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) Orientações às Empresas para obtenção do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) BOMBEIRO MILITAR M I N A S G E R A I S ORIENTAÇÕES ÀS EMPRESAS PARA OBTENÇÃO DO AUTO DE VISTORIA DO CORPO DE BOMBEIROS

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO III PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS (RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL)

EIXO PRIORITÁRIO III PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS (RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO III PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS (RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL) OOOOOOOOO 17 de Março de 2008 AVISO PARA

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 003/2015. Desenvolvimento, produção e realização da 20ª Festa do Imigrante.

CARTA CONVITE Nº 003/2015. Desenvolvimento, produção e realização da 20ª Festa do Imigrante. São Paulo, 24 de fevereiro de 2015. CARTA CONVITE Nº 003/2015 Desenvolvimento, produção e realização da 20ª Festa do Imigrante. O (INCI), Organização Social gestora do Museu da Imigração, de acordo com

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE CÓDIGO 11.00 GRUPO/ATIVIDADES GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE PPD 11.01 Linhas de Distribuição B 11.02 Linhas de Transmissão

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Eng. Cristiano Kenji Iwai Eng.ª Solange Takahashi Diretoria de Controle

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 89 DE 03 DE JUNHO DE 2014 DISPÕE SOBRE AS PROPORÇÕES MÍNIMAS APLICÁVEIS PARA REPOSIÇÃO

Leia mais

Formulário para Licenciamento Ambiental de Extração Mineral. Responsável pela leitura no GPS Nome: Profissão: Telefone: ( )

Formulário para Licenciamento Ambiental de Extração Mineral. Responsável pela leitura no GPS Nome: Profissão: Telefone: ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL CPF/ CNPJ End. n Bairro CEP Município Telefone ( ) 2. IDENTIFICAÇÃO DA ATIVIDADE/ EMPREENDIMENTO Atividade Endereço Logradouro (Rua, Av,Linha, Picada,

Leia mais

Considerando a necessidade de conferir maior agilidade na implantação das obras de saneamento básico, visando a melhoria da qualidade de vida;

Considerando a necessidade de conferir maior agilidade na implantação das obras de saneamento básico, visando a melhoria da qualidade de vida; 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010 Dispõe sobre licenciamento de sistemas de abastecimento de água e sistemas esgotamento sanitário, no Estado de Goiás. O Secretário da Secretaria do Meio Ambiente e dos

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS DOMÍNIO - RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL

PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS DOMÍNIO - RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO III PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS DOMÍNIO - RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL CÓDIGO DO AVISO: POVT-34-2010-39

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO Nº 087/2015.

DECRETO EXECUTIVO Nº 087/2015. DECRETO EXECUTIVO Nº 087/2015. Regulamenta Política de Saneamento e estabelece as diretrizes técnicas para implantação de sistemas individuais e coletivos de tratamento de efluente sanitário no município

Leia mais

Resumo da palestra Pec Nordeste 2015. Patrícia de Menezes Gondim. Gestora Ambiental da SEMACE/Doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais da UFC

Resumo da palestra Pec Nordeste 2015. Patrícia de Menezes Gondim. Gestora Ambiental da SEMACE/Doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais da UFC Resumo da palestra Pec Nordeste 2015 Patrícia de Menezes Gondim Gestora Ambiental da SEMACE/Doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais da UFC Regularização Ambiental na Suinocultura A suinocultura é uma

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

Resolução nº 106, de 11 de dezembro de 1968 1

Resolução nº 106, de 11 de dezembro de 1968 1 RESOLUÇÃO Nº 106 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma da deliberação do Conselho Monetário Nacional, em sessão de 10.12.1968, e de acordo com o disposto nos arts. 59, da Lei nº 4.728, de 14 de julho de

Leia mais

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL NOS NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL NOS NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE AMBIENTAL NOS NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS O que é meio ambiente? MEIO AMBIENTE é o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUS SÓLIDOS URBANOS

COMPOSTAGEM DE RESÍDUS SÓLIDOS URBANOS COMPOSTAGEM DE RESÍDUS SÓLIDOS URBANOS LICENCIAMENTO AMBIENTAL Procedimento 1 Licença Prévia 2 Licença de Instalação 3 Licença de Operação LICENCIAMENTO AMBIENTAL Legislação Resolução SEMA n 031/1998 Art.

Leia mais

Sistema de Licenciamento Ambiental da Bahia

Sistema de Licenciamento Ambiental da Bahia IFBA / Depart V Ciências do Ambiente Tecnologias Ambientais da Indústria Prof Armando Tanimoto 2010-1 Baseado em Cardoso, 2004 LICENCIAMENTO AMBIENTAL é o procedimento administrativo pelo qual a administração

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EDITAL DE ABERTURA PROGRAD Nº 19 DE 26 DE ABRIL DE 2013 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA VAGA DE SUPORTE TÉCNICO AVA NA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UFGD A PRÓ-REITORA DE ENSINO

Leia mais

ISO/IEC 17050-2. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio

ISO/IEC 17050-2. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio QSP Informe Reservado Nº 43 Fevereiro/2005 ISO/IEC 17050-2 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio Tradução livre especialmente preparada para

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1. Contexto Geral Brasil e Mato Grosso Conservação Desenvolvimento Crescimento 2. Marco Legal Lei nº. 6.938/1981 Política Nacional do Meio Ambiente e Decreto nº. 99274/1990. Resolução

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO COESÃO)

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO COESÃO) CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS www.povt.qren.pt EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO COESÃO) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO RECUPERAÇÃO DE

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS Autor: Poder Executivo LEI COMPLEMENTAR Nº 343, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2008 - D.O. 24.12.08. Cria o Programa Mato-grossense de Regularização Ambiental Rural MT LEGAL, disciplina as etapas do Processo de

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Outorga e Cobrança de Recursos Hídricos Cátia Siqueira - INEA Encontro Gestão Eficiente de

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo.

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo. Recomendações Jurídico-Trabalhistas Interessados: Federação das Associações de Arrozeiros do Estado Rio Grande do Sul Federarroz e Outros Assunto: Resumo Referente Às Obrigações Patronais Trabalhistas

Leia mais

Licenciamento Ambiental e Municipal

Licenciamento Ambiental e Municipal Curso de Treinamento - ABLP Licenciamento Ambiental e Municipal Simone Paschoal Nogueira 14 de outubro de 2008 Sede da ABLP Procedimento pelo qual o órgão ambiental competente permite a localização, instalação,

Leia mais

PARECER ÚNICO SUPRAM CM Nº. 221/2011 PROTOCOLO Nº. 0325288/2011 Indexado ao(s) Processo(s)

PARECER ÚNICO SUPRAM CM Nº. 221/2011 PROTOCOLO Nº. 0325288/2011 Indexado ao(s) Processo(s) PARECER ÚNICO Nº. 221/2011 PROTOCOLO Nº. 0325288/2011 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº. 23811/2010/001/2011 Licença de DEFERIMENTO Outorga Nº. (Não Aplicável) - - AIA Nº. (Não Aplicável)

Leia mais

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados,

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados, Circular nº 24/2015 17 de Junho 2015 Assunto: Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. Caros Associados, 1. Foi publicado no Diário da República, 1ª. Série, nº. 107, de 3 de Junho de 2015, a Lei nº. 41/2015, de

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE LICENÇA OPERAÇÃO/REGULARIZAÇÃO LO - Nº 14/2015 DEMA A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR EDITAL N º 3, DE 21 DE MARÇO DE 2014* RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 1/2014 COM A REDAÇÃO RETIFICADA PELO EDITAL Nº 2/2014 CONCURSO

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Realização PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE AÇÕES E RECURSOS AMBIENTAIS Bauru, maio 2007. SUMÁRIO 01 - OBJETIVO 02 O QUE É O

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Fábio Ricardo Silva Góis Diretor Técnico e Administrativo

Fábio Ricardo Silva Góis Diretor Técnico e Administrativo PROCEDIMENTOS E ASPECTOS LEGAIS DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DAS ATIVIDADES DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO (E&P) NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Fábio Ricardo Silva Góis Diretor Técnico e Administrativo ANTECEDENTES

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ PORTARIA IAP Nº 019, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2006 Aprova e determina o cumprimento da Instrução Normativa

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA RESOLUÇÃO Nº 020/GAB/SEFAZ Porto Velho, 05 de dezembo de 1995. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA OS PROCEDIMENTOS RELATIVOS AO IPVA SÃO DISCIPLINADOS PELO RIPVA APROVADO PELO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1025/09 CONFEA. Dispõe sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica e o Acervo Técnico Profissional.

RESOLUÇÃO Nº 1025/09 CONFEA. Dispõe sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica e o Acervo Técnico Profissional. RESOLUÇÃO Nº 1025/09 CONFEA Dispõe sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica e o Acervo Técnico Profissional. PROCEDIMENTOS Registro Baixa Cancelamento Anulação da ART Registro do Atestado Emissão da

Leia mais

LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO

LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO COORDENADOR DE PROJECTO, DIRECTOR DE OBRA E DIRECTOR DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA, ELABORAÇÃO DE PROJECTOS DE ENGENHARIA ESPECIFÍCOS, E

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais

Chamada de Projetos nº 03/2008

Chamada de Projetos nº 03/2008 Ministério do Turismo Chamada de Projetos nº 03/2008 O Ministério do Turismo, por intermédio da Comissão Avaliadora de Eventos, torna pública a realização de processo seletivo de projetos para apoio à

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA COMPLEXO ECOTURÍSTICO RESERVA GARAÚ CONDE / PB INTERESSADO: LORD NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS LTDA. ELABORAÇÃO: GEOCONSULT CONSULTORIA, GEOLOGIA & MEIO AMBIENTE LTDA. CNPJ. n.º

Leia mais

CAPÍTULO 6 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICADA. Na página 82, 1º parágrafo, onde se lê:

CAPÍTULO 6 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICADA. Na página 82, 1º parágrafo, onde se lê: CAPÍTULO 6 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICADA Na página 82, 1º parágrafo, onde se lê: Neste capítulo serão abordados e analisados os aspectos legais pertinentes que têm interface com a implantação e a operação

Leia mais

Elaboração e controle de Declarações para Importação de Pequenas Quantidades

Elaboração e controle de Declarações para Importação de Pequenas Quantidades 1/8 Palavras-chave: Atmosferas, explosivas, declaração, importação. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Referências Anexo A Modelo de Declaração

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCEDIMENTOS PARA OBTER O LICENCIAMENTO AMBIENTAL VISANDO A INSTALAÇÃO DE INDÚSTRIAS EM SANTA CATARINA E ANDALUZIA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCEDIMENTOS PARA OBTER O LICENCIAMENTO AMBIENTAL VISANDO A INSTALAÇÃO DE INDÚSTRIAS EM SANTA CATARINA E ANDALUZIA ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCEDIMENTOS PARA OBTER O LICENCIAMENTO AMBIENTAL VISANDO A INSTALAÇÃO DE INDÚSTRIAS EM SANTA CATARINA E ANDALUZIA Manuel Tejera Martos (*), Valdésio Benevenutti, Evandro Bittencourt

Leia mais

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre a regularização de parcelamentos do solo e de edificações no Município de Belo Horizonte e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

EDITAL PARA CREDENCIAMENTO DE FUNDO DE INVESTIMENTOS E SEUS RESPECTIVOS GESTORES/ADMINISTRADORES

EDITAL PARA CREDENCIAMENTO DE FUNDO DE INVESTIMENTOS E SEUS RESPECTIVOS GESTORES/ADMINISTRADORES EDITAL PARA CREDENCIAMENTO DE FUNDO DE INVESTIMENTOS E SEUS RESPECTIVOS GESTORES/ADMINISTRADORES GOIÁS- EDITAL N.º 003/2014 O GOIÁS, por meio de seu Gestor (a) Grasiene Teobalda De Oliveira, torna público

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 85, DE 2015 (Nº 1.759/2007, NA CASA DE ORIGEM) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 85, DE 2015 (Nº 1.759/2007, NA CASA DE ORIGEM) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 85, DE 2015 (Nº 1.759/2007, NA CASA DE ORIGEM) Dispõe sobre as empresas de sistemas eletrônicos de segurança e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS EDITAL Nº 001/14 PROEN/DE, de 17 de fevereiro de 2014. PROGRAMA

Leia mais

EDITAL Nº 100, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015

EDITAL Nº 100, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015 EDITAL Nº 100, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015 O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA, no uso de suas atribuições e considerando a necessidade de qualificação dos Servidores

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO Índice PREÂMBULO...3

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais