BOAS PRÁTICAS DE INSTALAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BOAS PRÁTICAS DE INSTALAÇÃO"

Transcrição

1 BOAS PRÁTICAS DE INSTALAÇÃO STI RV

2 Início Empresa Mercado Logística Desenvolvimento Qualidade Clientes Soluções responsabilidade socioambiental treinamento pioneirismo presença mundial Há mais de um século conduzindo o progresso e a inovação em infraestrutura de redes. Com mais de 129 anos de história, o Grupo Furukawa - liderado pela japonesa Furukawa Electric Co. Ltd. - aplica o conhecimento e qualidade adquiridos ao longo dos anos nos mais diversos setores, definindo um novo patamar de uso inteligente e seguro da tecnologia. Presente no Brasil desde Funcionários 91 Engenheiros Em 2001, a OFS (Optical Fiber Solution - empresa proveniente do grupo Lucent Technologies) foi adquirida pelo Grupo Furukawa, tornando-se a OFS - A Furukawa Company. Esta união resultou em uma das maiores fabricantes mundiais de fibra óptica, detendo a maioria das patentes das fibras ópticas especiais. Área Total: m 2 Área Construída: m 2 Foto aérea da unidade industrial e matriz em Curitiba Brazil.

3 Início Empresa Mercado Logística Desenvolvimento Qualidade Clientes Soluções Pesquisa e Desenvolvimento. Tecnologia em constante evolução. Laboratório Component Level Único no Brasil, este laboratório permite a realização de testes e análises dos produtos de acordo com os padrões internacionais. Mais agilidade no desenvolvimento Melhoria de processos Ajustes eficientes em projetos de produtos Garantia para certificação dos produtos por órgãos internacionais independentes Campo de Testes Neste ambiente são reproduzidas as reais condições de instalação de cabos e acessórios antes e depois do lançamento dos produtos. Com isso, informações relevantes são levantadas: Aplicabilidade do produto Comportamento em uma situação real de instalação Antecipação e correção de possíveis restrições das tecnologias

4 Início Empresa Mercado Logística Desenvolvimento Qualidade Clientes Soluções responsabilidade socioambiental treinamento pioneirismo presença mundial Treinamento. Experiência a serviço da qualificação. A dinâmica do mercado de TI exige mão-de-obra especializada e os treinamentos FCP - Furukawa Certified Professional são modelos para o mercado. A Furukawa desenvolve programas e cursos especiais, aplicando toda sua experiência em soluções tecnológicas de TI e Telecom para qualificar profissionais, através de Centros de Treinamento distribuídos por todo o país. FCP Programa Fundamental Noções básicas e normas para cabeamento estruturado. FCP Master Qualificação para projeto e instalação correta de uma rede, de acordo com todas as normas. Fibra Óptica e suas aplicações Data Cabling e Projetos Disponível para o mercado internacional apresenta desde os conceitos básicos até a competência técnica para instalação de sistemas de cabeamento estruturado.

5 BOAS PRÁTICAS DE INSTALAÇÃO Introdução: Este treinamento faz parte do documento de Certificação de Obras FCS, programa de Garantia Estendida dos produtos Furukawa. Não tem a finalidade de credenciar os participantes como certificado Furukawa. Objetivo é transferir informações/conhecimentos dos produtos e suas aplicações, aos Instaladores e Técnicos das Empresas Certificadas Furukawa, ou corpo Técnico de Clientes, para facilitar a aplicação dos produtos e obter resultados superiores em suas instalações. Empresas Certificadas Furukawa. A necessidade deste treinamento é para aprimorar a aplicação adequada dos produtos de Cabling Furuakwa, para garantir resultado de performance e qualidade desejada, para fins de certificar a rede com GARANTIA ESTENDIDA dos produtos.

6 TIA/EIA 568-C.0 Generic Telecommunications Cabling for Customer premises TIA/EIA 568-C.1.- Commercial Building Telecommunications Cabling Standard TIA/EIA 568-C.2 Balanced Twisted-Pair PRINCIPAIS NORMAS TIA/EIA 568-C.3 Optical Fiber Cabling Components Standard TIA/EIA 569-B Commercial Building. Standard for Telecomm Pathways and Spaces TIA/EIA 570 B - Residential Telecommunications Infrastructure Standard TIA/EIA 606-A Administration Standard for Commercial Telecommunications Infrastructure TIA/EIA 607-B - Commercial Building Grounding for Telecommunications TIA/EIA Telecommunications Infrastructure Standard for Industrial Premises TIA Telecommunications Infrastructure Standart for Data Center TIA Telecommunications Industry Association IEEE Institute de Eletrical, Eletronics e Engineers EIA Electronics Industry Association ABNT NBR Cabeamento de telecomunicações para edifícios comerciais

7 CABOS METÁLICOS - SÓLIDO U/UTP F/UTP CAT.5e CAT.6 CAT.6A Avaliar o projeto quanto a ambiente de instalação para melhor escolha do produto: Ex: ambiente agressivo ou não agressivo, indoor ou outdoor, área industrial, backbone vertical etc... - Observar a especificação técnica de cada produto

8 CABOS METÁLICOS - NOMENCLATURA Nomenclatura e categoria de cabos padronizados, facilita a identificação da rede. X / XTP Blindagem Global Blindagem dos Pares U/UTP F/UTP S/UTP U/FTP S/FTP SF/UTP

9 CABOS METÁLICOS - SÓLIDO MultiLan Categoria 5e Até 100 Mbps (Fast-ethernet) até 100 MHz. Temperatura de operação -10º a 60º NVP 68%. GigaLan Categoria 6 1Gbps 100 metros (250 MHz). Temperatura de operação -10º a 60º NVP 68%. GigaLan Augmented Categoria 6A 10Gbps até 100 metros (500 MHz). Temperatura de operação -10º a 60º NVP 68%. Cabeamento Horizonta e Backbone em Empresas e em Data Centers.

10 (NEXT / FEXT) CABOS METÁLICOS - SÓLIDO NEXT Interferência entre os pares do mesmo cabo Interferência corrigida na construção do cabo com a binagem e passos dos pares. (AlLIEN) ALIEN Ruído Alien é Interferência causado por pares de outros cabos adjacentes agrupados. Aplicado em cabos CAT.6A. Ruído Alien corrigido na construção do cabo, com o aumento da espessura da capa do cabo para U/UTP e proteção (blindagem) com fita de poliéster metalizado para cabo F/UTP

11 CABOS METÁLICOS - SÓLIDO CAT.5e CAT.6 CAT.6A O diâmetro do condutor de cobre é especificado em AWG (American Wire Gauge), e representa quantas vezes o fio deve ser processado para atingir a sua bitola. A Categoria do cabo é definido por número de torções (binagem) por centímetro de cada par. Atenção: Após conectorizado a abertura dos pares não deve ultrapassar a 13,0mm. (manter a binagem dos pares mais próximo possível da característica original).

12 CABOS METÁLICOS - SÓLIDO Espaçador Par Binado Capa Externa - Raio de curvatura máxima é de 4 vezes o diâmetro do cabo. - Tração máxima é de 11,3 kgf (ver especificação dos cabos). Características construtivas do cabo eletrônico metálico: -Espaçador tem objetivo de manter a distância homogênea de cada par adjacente. -Binagem dos pares é para manter a performance, equilíbrio elétrico e correção dos níveis de ruídos entre os pares do cabo, o trançamento e passos dos pares é distinto para cada categoria. -Capa externa do cabos com baixa resistência mecânica, sua tensão de deformação é 11,3kgf.

13 CABOS ELETRÔNICOS SÓLIDO OU FLEXÍVEL CARACTERÍSTICAS DE FLAMABILIDADE Os cabos metálicos podem ser classificados quanto a sua retardância a chama, como segue: CMX = Aplicação Limitada - Instalações residenciais com pouca concentração de cabos e sem fluxo de ar forçado. A área descoberta não deve ser superior a 3m. CM = Aplicação Geral - Instalações horizontais com alta taxa de ocupação. CMR (riser) = Aplicação Vertical - Instalações verticais em shafts prediais ou instalações que ultrapassem mais de um andar, em locais sem fluxo de ar forçado. CMP (plenum) = Aplicação em locais fechados, confinados, operar em ambiente com fluxo de ar forçado, espalhamento de chama máximo de 1,5m. (mais comum nos Estados Unidos).

14 CABOS ELETRÔNICOS SÓLIDO OU FLEXÍVEL CABOS LSZH E LEAD FREE CABOS LSZH = (Low smoke zero halogen): Aplicação: espaços horizontais e verticais, ambiente de concentração e circulação de pessoas como, estação de trem, metrô, hospitais, edifícios comerciais etc... Apresentam baixa emissão de fumaça não tóxica, (sem halogênios ex.cloro, bromo). Atende a norma Europeia RoHS (Restriction of the use of certain hazardous substances). Esta política\norma restringe o uso de materiais tóxicos como: Chumbo; Cádmio; Cromo hexavalente; Mercúrio; PBB (Polibrominados bifenilos) e PBDE (Éteres difenílicos polibromados). Norma Europeia (RoHS). PRODUTOS RoHS: Cabos, Patch Cables, Patch Panels, Racks, etc.

15 CABOS METÁLICOS E ACESSÓRIOS Linha Industrial 100Mbps e 1Gbps IP67 Canal Industrial Patch panel Cabo industrial Terminação industrial Tomada industrial Patch cord industrial Índice de Proteção IP67 6 Proteção contra ingresso de poeira 7 Imersão temporária

16 Acessórios - Patch Cord Flexível Multilan Categoria 5e / GigaLan Categoria 6 Temperatura de operação -10º a 60º - NVP 66% GigaLan Categoria 6A F/UTP Temperatura de operação -10º a 60º - NVP 68% Patch cord Flexível homologado até 22,0m. Patch cord Superior a 5,0m sua aplicação é para projeto específico (ex.: ponto de consolidação ou MUTOA. Patch cord Para aplicação em link convencional de cabeamento estruturado o comprimento máximo é de 5,0m, seguir a regra de permanent link 90,0m e channel 100,0m. Não é recomendado e nem permitido a montagem de patch cord com cabo sólido em campo, por não atender os requisitos de flexbilidade e os parâmetros elétricos não serem garantidos, podendo afetar a performance das aplicações do cliente final. Ferramental inadequado de campo pode danificar as portas de Ativos de Rede como Switches ou Servidores. Patch Cords montados em campo impedem o fornecimento de Garantia Estendida 15 ou 25 anos.

17 Acessórios - Extensão Sólida RJ 45 MultiLan Categoria 5e / GigaLan Categoria 6 GigaLan Categoria 6A F/UTP Extensão Metálica sólido RJ-45 (macho) um lado do cabo é conectorizado e outro não é conectorizado. Aplicação: aplicação em soluções cross-connect (Espelhamento das portas do Switch). - Segurança da conexão no Patch Panel ou Keystone (cabo sólido) - Componente faz parte do link permanente - Manter a performance de atenuação do link permanente Não é recomendado e nem permitido a montagem (crimpagem) da com cabo sólido em campo, por não atender os requisitos de flexbilidade e os parâmetros elétricos não serem garantidos, podendo afetar a performance das aplicações do cliente final. Ferramental inadequado de campo pode danificar as portas de Ativos de Rede como Switches ou Servidores. Patch Cords montados em campo impedem o fornecimento de Garantia Estendida 15 ou 25 anos.

18 Acessórios - Patch Panel Carregado e Descarregado CARREGADO ANGULAR DESCARREGADO BLINDADO DESCARREGADO ANGULAR DESCARREGADO BLINDADO 1/2 U P. Panel Reto O guia traseiro é utilizado para evitar movimento no ponto de conexão, e organização dos cabos. P. Panel Angular Ganho no espaço vertical por não utilizar guias/organizador de cabos, porém exige-se guias verticais adequados para quantidade de cabos e apoio lateral. P. Panel Blindada A solução Blindada exige-se que todos os patch panels sejam vinculados entre si e o aterramento no mesmo ponto do rack. Rack, P.Panel e Eletro-calhas devem ser aterrados no mesmo ponto.

19 Acessórios - Conectores F/UTP 90º - 180º F/UTP Mini Toolless U/UTP GigaLan 1 Conector Blindado CAT.6 A F/UTP - Conexão 90º e 180º, melhor a aplicação para Área de Trabalho conexão com alicate premium de 8 vias simultâneo. 3 Conector Gigalan Conexão com alicate Gigalan de 8 vias simultâneo. U/UTP GigaLan Premium 2 Conector Mini Toolless CAT.6 A F/UTP Melhor a aplicação em patch panels descarregado blindado, conexão sem ferramenta específica, somente alicate de corte reto, conexão 8 vias simultâneo. 4 Conector Gigalan Premium - Conexão com alicate Gigalan Premium de 8 vias simultâneo.

20 Acessórios - Ferramentas de Crimpagem GigaLan GigaLan Premium Mais Facilidade na Conectorização Crimpagem das 8 vias simultaneamente. Os conectores possuem um desenho especial que permite seu encaixe perfeito na ferramenta. Montagem do conector até 85% mais rápida. Crimpagem uniforme que permite uma melhor performance. Redução em 70% da força necessária aplicada na ferramenta.

21 PADRÃO DE CONECTORIZAÇÃO Padrão Universal (568 A/B) Código de cores Par 1 Par 2 Par 3 Par 4

22 A EVOLUÇÃO DOS PROTOCOLOS DE TRANSMISSÃO IEEE IEEE 802.3i IEEE 802.3u IEEE 802.3y IEEE 802.3ab IEEE 802.3an 10BASE-2 10BASE-T 100BASE-TX 100BASE-T4 100BASE-T2 1000BASE-T 1000BASE-TX 10GBASE-T Coax CAT.3 CAT.5 CAT.5e CAT.6 CAT.6A Para velocidades de 40Gbps e 100Gbps deve-se usar Redes Ópticas com Fibra MMF OM3 e OM4.

23 MHz x Mbps

24 COMPONENTES DE UMA REDE Armário de Telecomunicações Cabeamento Horizontal Backbone Óptico ou Metálico Metálico Classe de Flamabilidade CM (cabos em um mesmo ambiente), ou CMR (quando ultrapassam mais de um andar). Óptico COG (cabos em um mesmo ambiente), ou COR (quando ultrapassam mais de um andar). Área de Trabalho Entrada de Serviços Sala de Equipamentos

25 INTERCONEXÃO INTERCONEXÃO Patch Panel E CROSS-CONNECT CROSS-CONNECT Patch Panel Espelhamento Patch cord Cabeamento horizontal 1 Patch cord Tomada outlet Cabeamento horizontal 1 Aplicação correta Extensão RJ 45 (cabo sólido) feito em fábrica Não deve aplicar patch cord flexível porque: -Patch cord é cabo flexível, pode não ser compatível com conexão RJ 45 fêmea (salvo exceções registradas na especificação técnica dos Patch Panels ou nos Keystones Jacks). Tomada outlet

26 Switch PONTO DE CONSOLIDAÇÃO C Ponto Consolidação Tomadas na área de serviço C Patch Panel A B C A (mínimo 15 metros)+ B = máximo 90 metros cabo sólido = Permanente Link. C = 5 metros patch cord cabo flexível. A + B + C, máximo 100 metros = Canal ou enlace.

27 Switch MUTOA C Horizontal W Cabo Horizontal Patch Cord de 24 AWG UTP / ScTP Patch Cord de 26 AWG ScTP W (m) C (m) W (m) C (m) W= Patch cord Comprimento variável Patch cord é cabo flexível atenua 20% a mais que o cabo sólido

28 DIMENSIONAMENTO DE ELETROCALHAS Categoria CAT.6A CAT.6 Tipo do Cabo Diâmetro mm Eletrocalhas - Ocupação 50% ( altura x largura mm) 50 x x x x x x 250 F/UTP 8, U/UTP 8, F/UTP F/UTP Indoor / Outdoor 7, U/UTP U/UTP Indoor / Outdoor 6, F/UTP 6, CAT.5e F/UTP Indoor / Outdoor 5, U/UTP 4, U/UTP Indoor / Outdoor 6, Cabo Diâmetro do Cabo Área do Cabo (π.r²) 6 mm 28,27 mm² Eletrocalha - altura Eletrocalha - Largura Área da Eletrocalha Área útil aplicar 50% 250 mm 75 mm mm² 9375 mm² Quantidade de Cabos 332

29 DIMENSIONAMENTO DE ELETRODUTOS Diâmetro externo do Eletroduto Diâmetro do Cabo (mm) 3,3 4,6 5,6 6,1 7,4 7,9 9,4 13,5 16 mm 1/2" mm 3/4" mm 1" mm 1 1/4" mm 1 1/2" mm 2" mm 2 1/2" mm 3" mm 3 1/2" # # # # # # mm 4" # # # # # # # Não lançar cabos. A relação de diâmetro entre cabo e duto pode propiciar o dobramento do cabo no interior do duto.

30 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABLING Recomendação para início das atividades de instalação cabling: Projeto executivo disponível na obra. Entender o projeto que será executado, quanto a solução que será aplicada. Fazer check-list dos materiais se está de acordo com especificado no projeto. Fazer uma vistoria na obra: Sala Telecom verificar se não há produtos químicos, ou guarda de materiais que não seja da atividade fim. Infraestrutura se está conforme projeto, com acabamento, vinculação de aterramento. Distância dos pontos se não ultrapassa a 90,0m. A existência de pontos em ambientes externos. A existência de ambientes agressivos, ou com umidade. Identificar os pontos críticos e tomar ação preventiva informando o projetista ou responsável pela obra, para aplicar a solução adequada para evento.

31 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABLING Resumo dos principais pontos abordados durante a instalação A guarda dos materiais deve estar em ambientes controlado, e o empilhamento dos materiais conforme especificado na embalagem dos produtos. Observar a capacidade máxima de cabos na infraestrutura, dutos, canaletas e eletrocalhas etc... Os cabos devem ser lançados, retirando das caixas ou bobinas e instalados diretamente na infraestrutura, eletrocalha ou dutos etc... Observar os esforços de tração no puxamento do cabo, limite 11,3 kgf. Não torcer, estrangular ou comprimir o cabo. Não curvar o cabo com raio inferior a 4 vezes seu diâmetro. Não destrançar os pares nos pontos de conexão maior que 13mm. Utilizar guias traseiros dos Patch Panels para proteger a conexão. Tomadas RJ 45 fêmea devem estar fixada na área de trabalho. Identificar os cabos, Patch Panels, racks e tomadas. Não montar patch cords com cabo sólido.

32 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABLING Os cabos devem ser lançado obedecendo-se o ráio de curvatura máximo de 4 vezes o diâmetro do cabo. Os cabos devem ser lançado retirando das caixas ou bobinas e instalados diretamente na infraestrutura. Os cabos devem ser lançados respeitando à carga máxima de tracionamento, (11,3 kgf), ver especificação técnica do cabo aplicado.

33 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABLING Se instalar os cabos UTP na mesma infraestrutura com cabos de energia e/ou aterramento, deve haver uma separação física de proteção. Devem ser considerados circuitos com 20A/127 V ou 13A/220V Vincular ao aterramento: 1 - Patch Panel blindado. 2 A eletrocalha ou aramado. 3 A estrutura do piso elevado. 4 A estrutura do rack.

34 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABLING Recomenda-se deixar sobra de cabos para manutenção nos racks, brackets e tomadas: - Racks: pelo menos 3,0m para movimentação do rack e manutenção. - Tomadas: se possível 30,0cm desde que não comprometa o raio de curvatura. - Na sala Telecom os cabos devem estar protegidos.

35 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABLING Após o lançamento, os cabos devem ser acomodados, agrupados em forma de chicotes, evitando-se trançamentos, estrangulamentos e nós. Sob o piso elevado os cabos devem ser presos com velcros para que possam permanecer fixo. A área interna deve permitir ocupação de 40 a 50%, dependendo do raio de curvatura dos cabos instalados. Verificar o raio de curvatura dos cabos, quando existirem curvas no trajeto da infraestrutura.

36 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABLING PATCH PANEL UTILIZAÇÃO DO GUIA TRASEIRO A fixação dos cabos no guia traseiro do Patch Panel é importante porque: 1 Preserva o contato elétrico, reduz o movimento do cabo na região de conexão. 2 Facilita a organização mantendo os cabos na posição desejada. 3 Fixar os cabos um a um facilita a visualização da identificação e contribui na manutenção, evitando que outros cabos sejam movimentados sem necessidade.

37 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO PATCH PANEL ANGULAR A montagem dos Patch Panels angulares exige que o rack ofereça a infraestrutura de guias verticais, principalmente na parte de traseira, onde os cabos são alinhados e encaminhados para os Patch Panels.

38 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABLING Instalação bem executada Organizada

39 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABLING Solução Organizada dos cabos para Rack fechado

40 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABLING 13mm Atenção: Evitar destorcer os pares com comprimento maior que 13 mm. Utilizar sempre a tampa de proteção das conexões.

41 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABLING PERDA DO TRANÇAMENTO (PASSO) DOS CONDUTORES Atenção: Evitar destorcer os pares com comprimento maior que 13 mm. Utilizar sempre a tampa de proteção das conexões.

42 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABLING A IDENTIFICAÇÃO É OBRIGATÓRIA PERMANANTE LINK IDENTIFICADOS NO CABO PARTE TRASEIRA DO CABO (PATCH PANEL) IDENTIFICAÇÃO NAS PORTAS DO PATCH PANEL PERMANANTE LINK IDENTIFICADOS NO CABO (ÁREA DE TRABALHO) IDENTIFICAÇÃO DA TOMADA (ÁREA DE TRABALHO)

43 NÃO RECOMENDADO PARA INSTALAÇÃO - CABLING Os cabos não devem ser estrangulados, torcidos ou prensados, altera nas características originais. Identificar os cabos com materiais resistentes ao lançamento, para serem reconhecidos e instalados em seus respectivos pontos. Após a instalação a identificação provisória deve ser removida e aplicada a identificação definitiva. Não utilize produtos químicos, como vaselina, sabão, detergentes, etc.. para facilitar o lançamento dos cabos no interior de dutos. Estes produtos podem corroer o material do cabo, alterar suas características elétricas e bloquear o interior dos dutos.

44 NÃO RECOMENDADO PARA INSTALAÇÃO - CABLING Os cabos UTP não deve ser lançado em infraestrutura que apresentem arestas vivas que possam provocar danos. A superfície arredondada dos parafusos deve estar voltada para o interior da eletrocalha. Os cabos devem ser lançados agrupados em chicotes.

45 NÃO RECOMENDADO PARA INSTALAÇÃO - CABLING Observar o volume (peso do cabo) suportado pelo guia traseiro do Patch Panel. Força de tração é transferida para a conexão elétrica, (não fazer).

46 CERTIFICAÇÃO DA REDE A certificação bem sucedida de uma rede de cabeamento estruturado só é possível com o atendimento de requisitos que se complementam, assegurando a integração no desempenho do sistema, uma vez que: A qualidade dos produtos instalados. O projeto elaborado. Mão de Obra qualificada. Instalação e identificação da rede bem feita. A integração entre: produto, projeto e serviço, foi atingida garantindo o desempenho esperado para o Sistema.

47 Scanners CERTIFICAÇÃO CABLING - CONFIGURAÇÃO DO EQUIPAMENTO Modo de certificação Canal ou permanente link Categoria da rede Tipo do cabo U/UTP ou F/UTP Configurar NVP do cabo (Furukawa NVP 68) (*) Realizar auto calibração do Scaner (*) Ver Especificação Técnica do Cabo. -Caracteristicas elétricas verificadas na Certificação: Impedância Atenuação Paradiafonia (NEXT) ACR ( Atenuation to Crosstalk Ratio) Powersun NEXT Return Loss (RL) FEXT / OS-FEX/EL-FEXT Tempo de Propagação (NVP) Alien Crosstalk ( CAT.6 A)

48 CERTIFICAÇÃO CABLING TESTES CANAL OU PERMANENT LINK Canal ou Enlace (Parte Fixa + Patch Cords) Mede-se todos os componentes da rede Teste mais completo +Recomendado (desde que usando os patch cords definitivos de cada ponto) Permanent Link (Parte Fixa) Mede-se somente a parte fixa

49 NEXT: É importante teste para qualificar a performance do cabeamento da rede. O Crosstalk, ou diafonia, ocorre quando os sinais de um par de fios se irradiam e interferem num par adjacente. O crosstalk aumenta com a freqüência. Manter os pares trançados e equilibrados minimiza o crosstalk. CAUSAS: Excesso de conexões no link verifique se as conexões estão de acordo, verifique estado das ferramentas de conexão. Perda do trançamento dos pares nos pontos de conexão. Combinações plugue/jack mal encaixados. Pares trocados. CERTIFICAÇÃO CABLING Verificar a qualidade e o tipo dos acessórios empregados (Patch Panel, conectores fêmeas e machos). Eles não podem ser de categorias diferentes.

50 CERTIFICAÇÃO CABLING NEXT: Causas Cordões de manobra devem ser construídos de fios flexíveis. Verifique o destrançamento dos pares máximo (13mm). Compressão excessiva causada por abraçadeiras plásticas. Realize a autocalibração do scanner. Cuidado com fontes de ruído externos (no-breaks, lâmpadas fluorescentes, máquinas copiadoras, elevadores e ambientes eletricamente ruidosos, como a av. Paulista, por exemplo).

51 ATENUAÇÃO: CERTIFICAÇÃO CABLING Atenuação é definida como a perda de energia causada pela passagem de sinais ao longo do cabo. A atenuação varia com a freqüência, com o tipo de material utilizado como isolante e com as dimensões do condutor. Transmissor Do sinal Receptor Do sinal Causas: Categoria inadequada do cabo e acessórios e acerto do NVP. Comprimento excessivo e conexões mal feitas no Patch Panel, machos ou fêmeas (conectorize novamente ). Verifique se os patch cords são de cabos flexíveis. Impedância característica do cabo. Diâmetro do condutor. Qualidade da matéria prima do cobre (composição química).

52 CERTIFICAÇÃO CABLING RETURN LOSS Perda de Retorno pode ser entendido como uma medida de reflexão ocorrida no condutor, devido a : Irregularidade de construção de cabo. Não homogeneidade do material dielétrico. Excesso de pressão da blindagem sobre o dielétrico. Fator de concentricidade, condutor interno/dielétrico. Falta de trançamento ou esmagamento no cabo. Falha de Instalação (compressão, torção, tração demasiada, etc). Observação: Medições de lances inferiores a 15m (o scanner mostra a mensagem ovr ou * ). Verificar metragem máxima do lance, checar NVP.

53 Fibras Ópticas

54 Cabos Ópticos Aplicação LAN Cabos Ópticos cada vez mais comum a sua aplicação em cabeamento estruturado, em redes corporativas para diversas aplicações. As vantagens da aplicação óptica: Eficiência na transmissão de dados. Facilidade na aplicação. Maior distância de atendimento na transmissão de dados. Imunidade a interferência eletromagnética. Os cabos ópticos são específicas para cada ambiente de aplicação, Cabos Indoor / Outdoor, proteção de roedores, aéreo ou em dutos subterrâneos com as classes de flamabilidade e as proteções para cada ambiente. As Fibras com as especificações para cada tipo de aplicação, quanto a distância, e transmissão de acordo com a aplicação. Recomenda-se consultar as especificações técnicas dos cabos, quanto a o ambiente de aplicação e características da fibra a ser utilizado.

55 Cabos Ópticos - Aplicação LAN Cabos para Redes de uso Interno / externo Na rede externa aérea, podem ser utilizado cabos espinados ou auto-sustentados (AS). Os cabos auto-sustentados (AS) recebem a capa externa para proteção contra a umidade, raio UV e possuem o elemento de sustentação que dispensa a guia de aço (espinamento). Ao aplicar os cabos auto-sustentados, deve-se observar o vão entre postes indicado pelo fabricante. Nomenclatura Identificação do Cabo

56 Cabos Ópticos Aplicação LAN - Linha FCS Fiber-Lan Indoor / Outdoor: Cabo dielétrico Temperatura: Na Instalação: 0º a 40º C e de Operação: -20º a 65º C. Raio de curvatura: Na Instalação 15 vezes e após instalado 10 vezes diâmetro do cabo. Carga Máxima de Instalação: 185 kgf. Classe de Flamabilidade: COG (geral), também disponível COR (riser). Capa externa Não propagante a chama, Resistente a raio UV, susceptíveis a alagamento parcial e temporário. Aplicação: Backbone Vertical / Horizontal (Campus Universitário) em Ambiente Interno ou Externo, instalações em Eletro dutos / Eletro calhas e dutos subterrâneos. Não suporta tração pela capa do cabo, deverá ser tracionado pelo elemento de tração (aramida), Não deve ser Espinado. AR Fiber-Lan Indoor / Outdoor AR: Proteção contra Roedores, com fita de aço corrugado, não dielétrico necessário aterramento.

57 Cabos Ópticos Aplicação LAN - Linha FCS CLASSIFICAÇÃO ISO DIÂMETRO NÚCLEO (mícron) Tabela de Fibra Óptica - Aplicação NOME COMERCIAL COMP. ONDA λ ( nm ) LARGURA DE BANDA MINIMA (MHz/KM) DISTÂNCIA MÁXIMA (m) CANAL ETHERNET OFL EMB 1 Gb/s 10 Gb/s 1 Gb/s 10 Gb/s OM1 62,5 MM 62,5/125 Standard OM2 50 mm 50/125 Standard OM Laser Optimized 50 XL OM3 50 LaserWave n.e BASE-SX 10GBASE-SR n.e BASE-LX 10GBASE-LX n.e BASE-SX 10GBASE-SR n.e BASE-LX 10GBASE-LX n.e BASE-SX 10GBASE-SR n.e BASE-LX 10GBASE-LX BASE-SX 10GBASE-SR BASE-LX 10GBASE-LX4 OM4 50 LaserWave 550 OS1 8-9 SM Standard G.652-B SM All wave G-652-D SM All wave Flex G.657-A BASE-SX 10GBASE-SR BASE-LX 10GBASE-LX Km 10 Km 1000BASE-LX 10GBASE-LR >> 20 GHz Km 40 Km 1000BASE-LH70 10GBASE-ER Largura de Banda Mínima OFL = Overfilled Launch ( LED), EMB= Effective Modal Bandwidth (LASER)

58 Cabos Ópticos Aplicação LAN - Linha FCS ESTRUTUTA DA FIBRA ÓPTICA Núcleo (core) Conduz os sinais de luz Composição: sílica pura Casca (cladding) Mantém a luz confinada no núcleo Composição: sílica e dopante Revestimento (coating) Protege o vidro Composição: acrilato

59 Cabos Ópticos Aplicação LAN - Linha FCS ESTRUTURA DA FIBRA ÓPTICA Tipos de fibras ópticas Modo de Propagação Multimodo - Diâmetro do núcleo 50 ou 62,5μm Monomodo - Diâmetro do núcleo 8 μm Luz: LED (10/100Mbps) VCSEL (100Mbps/1/10Gbps) Luz: LASER

60 Cabos Ópticos Aplicação LAN - Linha FCS ESTRUTURA DA FIBRA ÓPTICA Fibras ópticas - princípios casca Revestimento primário núcleo A luz com ângulo inferior ao crítico é absorvido pela casca Ângulo de incidência A luz é propagada pela reflexão interna total Ângulo de Reflexão

61 Cabos Ópticos Aplicação LAN - Linha FCS PADRÃO CONSTRUTIVO DE CABOS ÓPTICOS ESTRUTURA DO CABO ÓPTICO TIGHT Aplicação Indoor/Outdoor Cabeamento Estruturado CAPA ELEMENTO DE TRAÇÃO RIP-CORD FIBRAS ÓPTICAS Capa Externa Rip-cord Elemento de Tração Waterblocking CABOS ÓPTICOS TIPO LOOSE Aplicação em rede externa Elemento Bloqueador de Água Fio de Amarração Tubo loose Elementos bloqueadores de água Elemento central

62 Acessórios Ópticos - Aplicação LAN - Linha FCS Cabos tipo Service Cable (Pré-conectorizados Ópticos) Cordão Fanout HDMPO Service Cable LC-LC Cordão Óptico HDMPO Cordões Ópticos Simplex / Duplex

63 Acessórios Ópticos Linha FCS CONECTORES / ADAPTADORES (SC) ANSI/TIA 568 C.3 SC-APC (SM) SC-PC (SM) SC-PC (MM)

64 RECOMENDAÇÃO DE INSTALAÇÃO - CABOS DE FIBRA ÓPTICA Conectores Ópticos Tipos de Polimento Polimento plano (flat polishing) Atualmente em desuso PC (physical contact) Polimento convexo permite contato físico no acoplamento Perda de retorno até - 40dB Aplicação em sistemas digitais com taxas < 1 Gbps SPC (super physical contact) Ciclo de polimento adicional em relação ao modelo PC Perda de retorno até - 45dB Aplicação em sistemas digitais com taxas < 2,5 Gbps UPC (ultra physical contact) Ciclo de polimento adicional em relação ao modelo SPC Perda de retorno até - 50dB Aplicação em sistemas digitais com taxas > 2,5 Gbps APC (angled physical contact) Polimento em ângulo de 8º proporciona menor perda de retorno Perda de retorno até - 70dB Aplicação em sistemas de transmissão de vídeo analógico (CATV) Não compatíveis com os conectores PC, SPC e UPC SUPERFÍCIE POLIDA FERROLHO FIBRA ÓPTICA POLIMENTO CONVEXO (PC) SUPERFÍCIE POLIDA 8 o FERROLHO FIBRA ÓPTICA POLIMENTO EM ÂNGULO (APC) LC LC SC

65 ACESSÓRIOS - TERMINAÇÕES ÓPTICAS LINHA FCS DIO B48 Recomendado para Cabo TIGHT BUFFER por fusão. Terminações: 48 Fibras para LC-Duplex ou MT-RJ, 36 Fibras para SC, e 24 Fibras para demais conectores (Limite de emendas 48 fusões). DIO A270 Recomendado para Cabo LOOSE TUBE por fusão. Terminação: 48 Fibras para LC-Duplex ou MT-RJ, e 24 Fibras para demais conectores (Limite de emendas 48 fusões). DIN DIO 6P Terminação Óptica em Tilho DIN, recomendado para Novo Automação. Bandeja de emenda permite acomodar até 06 emendas por fusão.

66 Recomendação de Instalação Cabos Ópticos Linha FCS Recebimento dos cabos: -Fazer teste com OTDR, certificar integridade das fibras. -Armazenamento correto das bobinas. -Verificar no projeto a distância correta do link a ser instalado. -Verificar o ambiente de instalação (agressivo ou não agressivo). -Observar a especificação técnica do produto. Instalação: -O raio de curvatura do cabo durante a instalação, deve ser superior a 20 vezes o diâmetro do cabo, após a instalação o raio de curvatura para acomodar as sobras de emenda e reserva técnica é de 10 vezes o diâmetro do cabo. Cabos tipo TIGHT utilizar velcro para fixação do cabo à infra-estrutura. Respeitar a especificação técnica dos produtos Furukawa. Especificação Técnica - disponível no Site

67 Recomendação de Instalação Cabos Ópticos Linha FCS ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE CABOS Quando as bobinas são armazenadas ou transportadas deitadas espiras soltas podem se movimentar sobre o tambor provocando enrosco e trancos danosos à fibra na hora de desbobinar o cabo. As bobinas devem ser armazenadas e transportadas apoiadas em suas flanges.

68 Recomendação de Instalação Cabos Ópticos Linha FCS Cabo Fiber-Lan Indoor / Outdoor Instalação ELEMENTO DE TRAÇÃO Fig. 01 Fig. 02 CABO GUIA CAPA RIP-CORD FIBRAS ÓPTICAS CAPA ELEMENTO DE TRAÇÃO Não suporta ser Espinado! Não Puxar o cabo pela capa externa! Instalação Correta: -Abrir a capa do cabo na extremidade, eliminar as fibras e utilizar o elemento de tração (aramida) para amarrar o guia de puxamento (fig. 01). -No meio do lance nas caixas de passagens, utilizar material cilíndrico de diâmetro (Φ = 100mm) enrolar o cabo 6 voltas ou mais e fazer o puxamento das sobras (fig. 02). -As sobras retirado dos dutos devem ser em formato de figura 8, com raio de curvatura igual ou superior a 20 vezes o diâmetro do cabo. -Acomodar as sobras de emendas e reserva técnica, com raio de curvatura igual ou superior a 10 vezes o diâmetro do cabo.

69 Recomendação de Instalação Cabos Ópticos Linha FCS Resultado da Instalação Correto e Errada Instalação Correta: Puxamento pelo Elemento de Tração (Aramida). Instalação Errada: Puxamento pela capa do cabo. Reprovado no Teste (Atenuado).

70 Recomendação de Instalação Cabos Ópticos Linha FCS - Velcro é o material indicado para agrupar cabos Ópticos Fiber-Lan. - Os cabos devem ser fixadas e identificados com etiqueta apropriada. - A organização frontal as fibras devem ser identificados.

71 Recomendação de Instalação Cabos Ópticos Linha FCS Acomodação de Cabos de forma correta: -As sobra deve ser acondicionada na eletrocalha em feixes agrupados com velcro, respeitando o raio de curvatura. - Os cabos devem ser agrupados com velcro e identificados. Instalação dos cabos: - O material indicado para agrupar os cabos ou para fixá-los a uma infraestrutura é a fita de VELCRO. - Nota: NÃO devem ser utilizadas braçadeiras plásticas diretamente sobre os cabos tipo tight porque frequentemente elas acabam transferindo esforços de compressão excessivos sobre as fibras ópticas causando atenuação do sinal óptico.

72 Recomendação de Instalação Cabos Ópticos Linha FCS A tampa que envolve a ponta cerâmica dos cordões ópticos (ferrolho) e dos adaptadores tem por finalidade a proteção mecânica da fibra e só deve ser removida na hora da certificação e/ou ativação. Ela impede a contaminação da fibra com a poeira do ambiente e protege da gordura natural que existe em nossas mãos. Na instalação dos DIO s deve-se ter especial atenção à fixação do cabo óptico, na organização das fibras na bandeja de fusão, ao encaminhamento dos pigtail aos adaptadores ópticos e na acomodação dos cordões nos guias e storage. Curvaturas acentuadas nos pigtails, nos cordões e na fibra nua causam perda de potência óptica. O raio mínimo de curvatura da fibra vai variar em função do tipo de fibra. Como um valor de segurança para estes itens em geral podemos adotar um raio mínimo de 20 mm.

73 Recomendação de Instalação Cabos Ópticos Linha FCS Se o resultado da certificação acusar falha, uma possível causa é a contaminação do conector por sujeira. Para limpar um conector contaminado o procedimento mais simples é umedecer um lenço de papel em álcool isopropílico e deslizar a superfície do conector sobre o lenço umedecido.

74 Inspeção e Limpeza de Conectores Ópticos O que torna uma BOA conexão de fibras? Os 3 princípios básicos que são críticos para atingir uma eficiente conexão óptica são: Perfeito alinhamento do núcleo. Contato físico. Conectores livre de sujeiras.

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 1

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 1 Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 1 Conteúdo CABOS METÁLICOS SÓLIDO COMPONENTES DE UMA REDE CABOS ELETRÔNICOS INTERCONEXÃO E CROSS-CONNECT CABOS METÁLICOS E ACESSÓRIOS PONTO DE CONSOLIDAÇÃO

Leia mais

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 3

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 3 Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 3 Conteúdo Cabos Ópticos Aplicação LAN Cabos Ópticos Aplicação Lan - Linha FCS Acessórios Ópticos - Aplicação Lan - Linha FCS Recomendação De Instalação

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS 04 05 0 07 08 09 02 FIBRA ÓTICA TECNOLOGIA ÓTICA Com

Leia mais

Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout

Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout Tipo do Produto Cabo Óptico Pré-Conectorizado Descrição Cabo Óptico de construção tipo " tight buffer" (indoor ou indoor/outdoor) ou cordão multifibra (somente indoor)

Leia mais

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto TeraLan Descrição Cordão Óptico é o cabo óptico monofibra ou duplex com conector óptico nas duas extremidades Aplicação

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Roteiro Fibras ópticas Cuidados com cabos ópticos Elementos do Cabeamento Estruturado Fibras Ópticas Desde seu desenvolvimento, as fibras ópticas representaram um

Leia mais

Infraestrutura de Redes

Infraestrutura de Redes Infraestrutura de Redes Apresentação 01: Conceitos de Cabeamento Estruturado Prof. João Paulo Just - http://just.pro.br 1 Conceitos de Cabeamento Porque? Anteriormente: serviços como sistemas de alarmes,

Leia mais

Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC

Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC Tipo do Produto Descrição Cabo Óptico Pré-Conectorizado Cabo óptico de construção tipo tight buffer (indoor ou indoor/outdoor) pré-conectorizado em fábrica com conectores

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR Tipo do Produto Cabos Ópticos Construção Dielétrico Tight Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico tipo "tight", constituído por fibras ópticas do tipo multimodo ou monomodo.

Leia mais

TELLNET - (11) 4133-3333 Fabio Leite (11) 9 8257-3355 Emilio Scalise Filho

TELLNET - (11) 4133-3333 Fabio Leite (11) 9 8257-3355 Emilio Scalise Filho TELLNET - (11) 4133-3333 Fabio Leite (11) 9 8257-3355 Emilio Scalise Filho Controle de Versão Versão Data Mudanças 1.oo 2011 Criação 4.00 2012 Inclusão do FTTx 5.00 2013 Unificação de desenhos de problemas

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

CABO ÓPTICO FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR

CABO ÓPTICO FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR CABO ÓPTICO FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR Tipo do Produto Cabos Ópticos Família do Produto Construção TeraLan Dielétrico Tight Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico tipo "tight", constituído por fibras

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado 01 - Visão geral das Redes Ethernet 02 - Conceitos de cabeamento estruturado 03 - O cabling e as normas EIA/TIA 04 - Infraestrutura para o cabeamento 05 -

Leia mais

EIA/TIA 606 Administração do Cabeamento Estruturado

EIA/TIA 606 Administração do Cabeamento Estruturado EIA/TIA 606 Administração Estruturado Administração Estruturado As áreas da infra-estrutura a serem administradas compreendem: Terminações para meios de telecomunicações localizados nas Work Areas; Telecommunication

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS

DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS Conectividade 6A Linha de Bandejas Ópticas HDX Linha de Racks ITMAX Linha de Racks Fechados Acessórios de Organização Produtos de alta densidade FTP UTP Descarregado Azul/Branco/Bege

Leia mais

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR Tipo do Produto Construção Cabos Ópticos Dielétrico Tight Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico tipo "tight", constituído por fibras ópticas do tipo multimodo ou monomodo.

Leia mais

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 Fibra Óptica fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 24 FIBRA ÓPTICA Fibra Óptica é um pedaço de vidro com capacidade de transmitir luz. Tal filamento

Leia mais

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA Tipo do Produto Extensão Óptica Família do Produto Descrição TeraLan A Extensão Óptica Conectorizada é composta, (1) normalmente, por dois itens principais : Extensão Óptica:

Leia mais

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Projeto e Instalação Prof. Deivson de Freitas Introdução Nenhuma área de tecnologia cresceu tanto como a de redes locais (LANs) A velocidade passou de alguns

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 4 5. Medições

Leia mais

RapidNet. Categoria 6 CM/UTP RapidNet 6 Vias 46

RapidNet. Categoria 6 CM/UTP RapidNet 6 Vias 46 RapidNet Página Soluções de Cabos de Cobre e Fibra RapidNet a melhor solução para Data Centers 44 Aplicação 44 Benefícios 44 Disponibilidade do Produto em Cobre 45 Disponibilidade do Produto em FO 45 Categoria

Leia mais

Quando vamos precisar mais que 10 Gbps? Como será solução de cabling para 40/100 Gbps?

Quando vamos precisar mais que 10 Gbps? Como será solução de cabling para 40/100 Gbps? Organização em Datacenters Quando vamos precisar mais que 10 Gbps? O que diz a norma IEEE 802.3ba? Como será solução de cabling para 40/100 Gbps? Principais problemas em DATA CENTERS GRUPO SERVERS 1 GRUPO

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO III PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO PARA REDE LOCAL DE MICROCOMPUTADORES 1.Objetivo Este projeto tem por objetivo descrever a instalação de cabeamento de rede lógica no edifício-sede da

Leia mais

CABOS TIPO: Tight-Buffer.

CABOS TIPO: Tight-Buffer. CABOS TIPO: Tight-Buffer. Manual de Instalação CABOS TIPO: Tight-Buffer APRESENTAÇÃO FURUKAWA INDUSTRIAL S.A. Empresa especializada em soluções completas de alta performance para comunicação de dados e

Leia mais

CABO GIGALAN AUGMENTED CAT. 6A F/UTP 23AWGX4P

CABO GIGALAN AUGMENTED CAT. 6A F/UTP 23AWGX4P CABO GIGALAN AUGMENTED CAT. 6A F/UTP 23AWGX4P Tipo do Produto Cabos LAN Família do Produto Construção GigaLan Augmented RoHS Compliant Categoria 6A F/UTP (blindado) PVC - CM, CMR Características Gerais

Leia mais

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA FIBRA OTICA 4 4 CABOS DE FIBRA ÓTICA Fibra Ótica com diferentes tipos de cabos: Tight Buffer - Estrutura Fechada Fibra ótica com revestimento em PVC. Usado para ligações dentro de edifícios (cabos, cordões

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO AMBIENTES CRÍTICOS INDUSTRIAIS Abril/2010. Cabeamento Estruturado para Ambientes Industriais. Ambientes Aplicáveis

GUIA DE APLICAÇÃO AMBIENTES CRÍTICOS INDUSTRIAIS Abril/2010. Cabeamento Estruturado para Ambientes Industriais. Ambientes Aplicáveis Cabeamento Estruturado para Ambientes Industriais Terminais portuários A Solução Ethernet para uso Industrial está relacionada a produtos de cabeamento estruturado que podem ser utilizados em qualquer

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário: 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 3 5. Medições

Leia mais

Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO

Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO AGENDA CONCEITOS CARACTERÍSTICAS DE UMA REDE BLINDADA CABOS BLINDADOS FURUKAWA PARÂMETROS ELÉTRICOS ESPECIAIS NOVA GERAÇÃO DE CABOS CONCEITOS A EMI é um problema

Leia mais

TESTES E CERTIFICAÇÃO

TESTES E CERTIFICAÇÃO PROFESSOR NORBERTO - CABEAMENTO ESTRUTURADO TESTES E CERTIFICAÇÃO Para garantir a qualidade das instalações e a performance desejada é necessário que tenha-se certeza que a obra foi realizada dentro das

Leia mais

CABO GIGALAN AUGMENTED 23AWG x 4 P CAT. 6 F/UTP

CABO GIGALAN AUGMENTED 23AWG x 4 P CAT. 6 F/UTP CABO GIGALAN AUGMENTED 23AWG x 4 P CAT. 6 F/UTP Tipo do Produto Cabos LAN Família do Produto Construção GigaLan Augmented RoHS Compliant Categoria 6A F/UTP (blindado) PVC - CM, CMR Características Gerais

Leia mais

Cabeamento estruturado para ambientes industriais

Cabeamento estruturado para ambientes industriais Cabeamento estruturado para ambientes industriais Linha de produtos MultiLan / GigaLan Conhecendo os produtos... Conhecendo os ambientes... Ferrovias Armazéns... Frigoríficos Mineradoras... Terminais portuários

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 07. Introdução às práticas de instalação do Prof. Ronaldo Introdução

Leia mais

KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS

KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto Padrão TeraLan RoHS Compliant Descrição Os kits de adaptadores ópticos são compostos por adaptadores ópticos, monofibra ou duplex,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

Roteiro. Roteiro. Fibras Ópticas. Características, Emendas e Testes de Desempenho

Roteiro. Roteiro. Fibras Ópticas. Características, Emendas e Testes de Desempenho s Ópticas (TIA/EIA-) Características, Emendas e Testes de Desempenho Edson dos Santos Moreira Professor do Dep. de Sistemas de Computação Dagoberto Carvalio Junior Seção Técnica de Informática ICMC CCNA-CCAI-CCNP-FCP

Leia mais

CFOT-MF/UB. Interno / Externo

CFOT-MF/UB. Interno / Externo CFOT-MF/UB Tipo do Produto Cabos Ópticos Construção Dielétrico Núcleo Seco Tubo Loose (UB) ou Cordão Monofibra (MF) SM ou MM Descrição Conjunto constituído por cordões ópticos ("tight buffer") ou tubos

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO E DE TELEFONIA DA SALA TÉCNICA (D) E NOVA SALA DO CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIA

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 1 REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES Introdução O sistema de Telecomunicações constará alimentação dos pontos de comunicação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Compras e Licitações - DCL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88.040-900 CNPJ/MF n 83.899.526/0001-82 Telefone

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

email: cookvendas@cookenergia.com Acesse nosso site: www.cookenergia.com Telefones: (55) 21 2609-4196 - (55) 21 9387-1021

email: cookvendas@cookenergia.com Acesse nosso site: www.cookenergia.com Telefones: (55) 21 2609-4196 - (55) 21 9387-1021 Cordões Ópticos Montados em Conectores, Especificação: SUMÁRIO: 1 Objetivo. 2 Referências Normativas. 3 Definições. 4 Condições Gerais. 5 Condições Específicas. 6 Inspeção. 7 Aceitação e Rejeição. 8 Procedimento

Leia mais

SOLUÇÕES DE ALTA PERFORMANCE PARA INFRA-ESTRUTURA DE REDE

SOLUÇÕES DE ALTA PERFORMANCE PARA INFRA-ESTRUTURA DE REDE SOLUÇÕES DE ALTA PERFORMANCE PARA INFRA-ESTRUTURA DE REDE Pioneirismo e Liderança no Mercado Brasileiro A Furukawa faz parte de um sólido grupo empresarial japonês formado pela Furukawa Electric Co. e

Leia mais

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira Infraestrutura de Redes Locais Edmilson Carneiro Moreira Sumário Introdução Histórico Cabeamento Estruturado Conceitos Categorias e Classes de desempenho ANSI/TIA-568-C Referências [1] Paulo Sérgio Cabeamento

Leia mais

DECA 10. Página Visão HellermannTyton sobre 10G Deca10 Categoria 6A 14

DECA 10. Página Visão HellermannTyton sobre 10G Deca10 Categoria 6A 14 Página Visão HellermannTyton sobre 10G Deca10 Categoria 6A 14 Ferramenta de Inserção sem Impacto 15 Conector Categoria 6A 16 Patch Panel Descarregado 24 portas Deca10 17 Cabo 4 pares trançados F/FTP 17

Leia mais

Top-Down Network Design

Top-Down Network Design Top-Down Network Design Chapter Ten Selecting Technologies and Devices for Campus Networks Copyright 2010 Cisco Press & Priscilla Oppenheimer Selecionando Tecnologias e Dispositivos Neste ponto do projeto

Leia mais

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS CABLING CABOS 04 CONECTORES 05 PATCH PANEL 19 06 ACESSÓRIOS 07 02 CABLING CABLAGENS DE COBRE O EIA/TIA 568, de 1991, foi o primeiro padrão americano para os sistemas de cableamento estruturado. Em 1995,

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais Especificação Técnica ETD -00.063 Materiais de telecomunicação ópticos Versão:

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 2 Padrões de Cabeamento Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 1 Conteúdo Padrões de Crimpagem Montagem e Organização Teste Tomadas e Emendas Recomendações

Leia mais

REDE DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE FIBRA ÓPTICA REDE DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Emendas ópticas... 3 3. Interfaces ópticas... 4 4. Distribuidor geral óptico... 5 5. Cordões Ópticos... 5 6. Práticas

Leia mais

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng. Categoria 6 Aumentada: Standards Update Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1 Resumo A nova norma, em desenvolvimento, ANSI/TIA/EIA-568-B.2-10

Leia mais

Data Center Novas Tendências. Florianópolis 10 de outubro de 2013

Data Center Novas Tendências. Florianópolis 10 de outubro de 2013 Data Center Novas Tendências Florianópolis 10 de outubro de 2013 Está tudo crescendo tão rápido que tenho dúvidas se a infraestrutura de cabeamento do meu DC é capaz de suportar as novas velocidades de

Leia mais

ANSI/TIA/EIA 568 B...

ANSI/TIA/EIA 568 B... Memorial Descritivo Projeto elétrico e Cabeamento Estruturado CAT 5e TRE TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL Campo Grande Mato Grosso do Sul 1 ÍNDICE 1 Objetivo... 3 2 Dados Gerais... 3 3 Infra-estrutura... 4

Leia mais

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos ESPECIFICAÇÔES TÉCNICAS 1 CABEAMENTO HORIZONTAL Instalação da rede para padrão T568B constituída de 466 (quatrocentos e sessenta e seis) pontos, devidamente identificados, conforme localização definida

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

ITMAX SOLUÇÃO DATA CENTER

ITMAX SOLUÇÃO DATA CENTER ITMAX SOLUÇÃO DATA CENTER DATA CENTER A Furukawa apresenta a solução ITMAX para Data Center, com produtos especialmente desenvolvidos para atender este mercado que requer componentes de alta performance.

Leia mais

158516.182014.137447.4474.277995780.540

158516.182014.137447.4474.277995780.540 158516.182014.137447.4474.277995780.540 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Santa Catarina Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Ata de Realização do Pregão Eletrônico

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Cabo coaxial Cabo par trançado Fibra óptica IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Foi um dos primeiros tipos de cabo utilizados nas redes de computadores Malha de cobre

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

Cabling. Cabling. Cabling. Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84

Cabling. Cabling. Cabling. Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84 Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84 Cabeamento Estruturado Cabos Montados Conectores DIO Racks FTTx Acessórios Conteúdo Geral A família

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

PTTMETRO. 5º PTTForum

PTTMETRO. 5º PTTForum PTTMETRO AVALIAÇÃO DE REDES ÓPTICAS METROPOLITANAS 5º PTTForum 29 de Novembro de 2011 Salvador Rodrigues Equipe de Engenharia PTT.br AGENDA: - COMPONENTES DE REDE ÓPTICA

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE

PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE São Paulo, 29 de julho de 2010 PROJETO DE REDE LOCAL E BACKBONE 1. Informações e recomendações importantes O projeto foi solicitado pela Unidade para a implantação de rede local para o prédio GETS, sendo

Leia mais

FAST-LAN ETHERNET INDUSTRIAL CAT.6 F/UTP 23AWGx4P

FAST-LAN ETHERNET INDUSTRIAL CAT.6 F/UTP 23AWGx4P FAST-LAN ETHERNET INDUSTRIAL CAT.6 F/UTP 23AWGx4P Tipo do Produto Cabos LAN Família do Produto FASTLAN Construção Categoria 6 F/UTP (blindado) PVC/TPU - CM/CMX Características Gerais Descritivo Ambiente

Leia mais

FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e

FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, em conformidade com os requisitos estabelecidos na Norma ANSI/TIA/EIA-568B.2

Leia mais

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site :

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site : Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Cidade: CEP: Telefone : FAX: E-mail : Site : Assinatura Local e Data IMPORTANTE: Preencher os dados completos e em letra legível pois, em caso de aprovação, as informações

Leia mais

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Especificações e Tabelas

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa especializada para realizar a atualização tecnológica do backbone óptico da rede lógica para o padrão 10 Gigabit Ethernet, integrante do SISTEMA ELETRÔNICO/TELEMÁTICA

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais

O Data Center Óptico. Considerações sobre a Opticalização hoje e no futuro. Flávio R. Marques. Suporte Técnico e Implantação fmarques@furukawa.com.

O Data Center Óptico. Considerações sobre a Opticalização hoje e no futuro. Flávio R. Marques. Suporte Técnico e Implantação fmarques@furukawa.com. O Data Center Óptico Considerações sobre a Opticalização hoje e no futuro Flávio R. Marques Suporte Técnico e Implantação fmarques@furukawa.com.br Sobre o que conversamos em 2013 O Data Center é uma matriz

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento de Rede Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento Cabo Coaxial; Cabo Par Trançado; Cabo de Fibra Óptica. Cabo Coaxial Um dos primeiros cabos utilizados em

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabos Metálicos de Cobre (Norma ANSI/TIA-568-C.2) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace)

Leia mais

Cabos Ópticos Totalmente Secos Soluções Ópticas para Infraestrutura de Redes Ópticas

Cabos Ópticos Totalmente Secos Soluções Ópticas para Infraestrutura de Redes Ópticas Cabos Ópticos Totalmente Secos Soluções Ópticas para Infraestrutura de Redes Ópticas Christiane Suemy EXCELÊNCIA EM INFRAESTRUTURA DE REDE DE ACESSO PARA PROVEDORES DE INTERNET SPLITTER DE 1 er NÍVEL SPLITTER

Leia mais

TEKA ELECTRONICS 81 UTP

TEKA ELECTRONICS 81 UTP 81 UTP CABO U/UTP CAT 5e Cabo com performances até os 100MHz (ANSI/TIA/EIA-568-C2), frequentemente utilizado para redes de voz e dados (100Mbit/s e Gigabit Ethernet). Pares em CCA sólido: 0,51mm (24AWG)

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD 2 Manual de Instalação DIO HDMOD Manual de Instalação DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD APRESENTAÇÃO FURUKAWA INDUSTRIAL S.A. Produtos Elétricos Empresa especializada

Leia mais

FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012. Projetos de Redes II. Tecnologia em Redes de Computadores

FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012. Projetos de Redes II. Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012 Projetos de Redes II Tecnologia em Redes de Computadores Dias e horários Segundas-feiras 19:00 às 22:30 horas Valor das Avaliações PO1 Prova Oficial 1 PO1 (matéria somente

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 PROCESSO Nº 04300.003546/2014-01

Leia mais

Cabeamento Estruturado para Data Centers: Conceitos, Técnicas e Tendências

Cabeamento Estruturado para Data Centers: Conceitos, Técnicas e Tendências Cabeamento Estruturado para Data Centers: Conceitos, Técnicas e Tendências Dr. Paulo Sérgio Marin, EE/BSc, MSc. Engenheiro Eletricista Infraestrutura de TI, Telecom & Missão Crítica São Paulo, 20 de agosto

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Line Cords e Patch Cables.

Leia mais

produtos industriais Linha de

produtos industriais Linha de Linha de produtos industriais Produtos que proporcionam alta proteção à conexão existente entre o cabeamento horizontal e o equipamento ethernet no chão da fábrica. Desenvolvida para permitir a instalação

Leia mais

CABOS DE FIBRA ÓTICA soluções para ambientes agressivos

CABOS DE FIBRA ÓTICA soluções para ambientes agressivos Universidade Católica do Salvador Data: 23 de Setembro de 1999 Disciplina Telecomunicações e Redes Aluno: CABOS DE FIBRA ÓTICA soluções para ambientes agressivos Principais Fontes de Consulta: Optical

Leia mais

GUIA DE RECOMENDAÇÃO PARA DATACENTER. Soluções Furukawa para Data Center. Data Center. Estrutura e Topologia

GUIA DE RECOMENDAÇÃO PARA DATACENTER. Soluções Furukawa para Data Center. Data Center. Estrutura e Topologia Soluções Furukawa para Data Center Seja qual for a aplicação utilizada em seu Data Center, a Furukawa oferece soluções metálicas e ópticas e de infraestrutura para que você se preocupe somente com o seu

Leia mais

CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps. Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos

CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps. Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos Agenda Redes atuais para 40 Gbit/s Ethernet Next Generation Cabling: 40GBASE-T Category 8 - Cabos e Conectores

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS 2015 Apresentação A PONTO DA REDE iniciou suas atividades em setembro de 1997, com sede em Salvador-Bahia, onde dispomos de um grande estoque para pronta entrega. Atuamos nos mercados

Leia mais