Meios Físicos de Comunicação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Meios Físicos de Comunicação"

Transcrição

1 Meios Físicos de Comunicação Aula 2 Padrões de Cabeamento Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 1

2 Conteúdo Padrões de Crimpagem Montagem e Organização Teste Tomadas e Emendas Recomendações de Instalação Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 2

3 Introdução Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 3

4 Meios Físicos de Comunicação Padrões de Cabeamento Padrões de Crimpagem Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 4

5 Padrões de Crimpagem Crimpagem Ato de juntar dois pedaços de metal ou outro material, como por exemplo plástico, através da deformação de um ou ambos para segurar o outro. (Dicionário Informal) Padrões de crimpagem mais utilizados: 568A 568B Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 5

6 Padrões de Crimpagem 568A Tráfego de dados Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 6

7 Padrões de Crimpagem 568A Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 7

8 Padrões de Crimpagem 568B Tráfego de dados e voz Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 8

9 Padrões de Crimpagem 568B Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 9

10 Padrões de Crimpagem Cabo Cross-over 10/100 Ligação de micros de forma direta Dispensa o uso do hub/switch Padrões 568A e 568B Um padrão em cada ponta do cabo Cabo straight(reto) Mesmo padrão em ambas as pontas do cabo Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 10

11 Padrões de Crimpagem Cabo Cross-over 10/100 Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 11

12 Padrões de Crimpagem Cabo Cross-over 10/100 Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 12

13 Padrões de Crimpagem Cabo Cross-over Gigabit Ethernet Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 13

14 Padrões de Crimpagem Cabo Cross-over Gigabit Ethernet Equipamentos antigos Auto-MDI/MDI-X Ligação por cabo straight Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 14

15 Padrões de Crimpagem Revisão Cabo straight (10/100/1000) 568B 1. Branco com laranja 1. Branco com laranja 2. Laranja 2. Laranja 3. Branco com verde 3. Branco com verde 4. Azul 4. Azul 5. Brancocom azul 5. Brancocom azul 6. Verde 6. Verde 7. Branco com marrom 7. Branco com marrom 8. Marrom 8. Marrom Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 15

16 Padrões de Crimpagem Revisão Cabo straight (10/100/1000) 568A 1. Branco com verde 1. Branco com verde 2. Verde 2. Verde 3. Branco com laranja 3. Branco com laranja 4. Azul 4. Azul 5. Brancocom azul 5. Brancocom azul 6. Laranja 6. Laranja 7. Branco com marrom 7. Branco com marrom 8. Marrom 8. Marrom Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 16

17 Padrões de Crimpagem Revisão Cabo cross-over (10/100) 568B/568A 1. Branco com laranja 1. Branco com verde 2. Laranja 2. Verde 3. Branco com verde 3. Branco com laranja 4. Azul 4. Azul 5. Brancocom azul 5. Brancocom azul 6. Verde 6. Laranja 7. Branco com marrom 7. Branco com marrom 8. Marrom 8. Marrom Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 17

18 Padrões de Crimpagem Revisão Cabo cross-over (Gigabit Ethernet) 568B 1. Branco com laranja 1. Branco com verde 2. Laranja 2. Verde 3. Branco com verde 3. Branco com laranja 4. Azul 4. Branco com marrom 5. Branco com azul 5. Marrom 6. Verde 6. Laranja 7. Branco com marrom 7. Azul 8. Marrom 8. Branco com azul Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 18

19 Padrões de Crimpagem Revisão Cabo cross-over (Gigabit Ethernet) 568A 1. Branco com verde 1. Branco com laranja 2. Verde 2. Laranja 3. Branco com laranja 3. Branco com verde 4. Azul 4. Branco com marrom 5. Branco com azul 5. Marrom 6. Laranja 6. Verde 7. Branco com marrom 7. Azul 8. Marrom 8. Branco com azul Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 19

20 Meios Físicos de Comunicação Padrões de Cabeamento Montagem e Organização Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 20

21 Montagem e Organização Ferramentas Alicate crimpador Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 21

22 Montagem e Organização Ferramentas Alicate decapador Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 22

23 Montagem e Organização Ferramentas Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 23

24 Montagem e Organização Montagem Ao crimpar os cabos, o primeiro passo é descascá-los, tomando cuidado para não ferir os fios internos, que são bastante finos. O segundo passo é destrançar os cabos. Para facilitar o trabalho, descasque um pedaço grande do cabo, uns 5 ou 6 centímetros, para poder organizar os cabos com mais facilidade e depois corte o excesso, deixando apenas os 2 centímetros que entrarão dentro do conector. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 24

25 Montagem e Organização Montagem Vale lembrar que o que protege os cabos contra as interferências internas são justamente as tranças. A parte destrançada que entra no conector RJ-45 é o ponto fraco do cabo, onde ele é mais vulnerável a todo tipo de interferência. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 25

26 Montagem e Organização Montagem É recomendável deixar o menor espaço possível sem as tranças. Para crimpar dentro do padrão, você precisa deixar menos de meia polegada de cabo (1,27 cm) destrançado. É preciso um pouco de atenção ao cortar e encaixar os fios dentro do conector, pois eles precisam ficar perfeitamente retos. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 26

27 Montagem e Organização Montagem Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 27

28 Montagem e Organização Montagem Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 28

29 Montagem e Organização Montagem Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 29

30 Montagem e Organização Montagem Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 30

31 Montagem e Organização Montagem Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 31

32 Montagem e Organização Montagem Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 32

33 Montagem e Organização Montagem Boot Capas plásticas que são usadas nas pontas dos cabos para melhorar o aspecto visual. Possuem aspecto puramente decorativo. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 33

34 Montagem e Organização Montagem Boot Estão disponíveis em várias cores, podendo ser usadas para identificar os cabos. Para usá-las, basta colocar a capa antes do conector. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 34

35 Montagem e Organização Montagem Insert Suporte plástico que vai dentro do conector. Depois de destrançar, organizar e cortar o excesso de cabo, você passa os 8 fios dentro do insert e eles os mantêm na posição, facilitando o encaixe no conector. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 35

36 Montagem e Organização Montagem Insert Os conectores RJ-45 projetados para uso em conjunto com o insert possuem um espaço interno maior para acomodá-lo. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 36

37 Meios Físicos de Comunicação Padrões de Cabeamento Teste Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 37

38 Teste O primeiro teste para ver se os cabos foram crimpados corretamente é conectar um dos micros (ligado) ao switch e ver se os LEDsdas placas de rede e do switch acendem. Se os LEDsnão acenderem, corte os conectores e tente de novo. Os conectores são descartáveis, depois de crimpar errado uma vez, você precisa usar outro novo, aproveitando apenas o cabo. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 38

39 Teste Testador de Cabo Existem também aparelhos testadores de cabos, que oferecem um diagnóstico muito mais sofisticado. Dizem, por exemplo, se os cabos são adequados para transmissões a 100 ou a 1000 megabits. Avisam também se algum dos 8 fios estão rompidos. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 39

40 Teste Testador de Cabo Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 40

41 Teste Testador de Cabo O testador de cabo possui um conjunto de 8 LEDsque mostram o status de cada um dos 8 fios. Se algum fica apagado durante o teste, você sabe que o fio correspondente está partido. A limitação é que eles não são capazes de calcular em que ponto o cabo está partido, de forma que a sua única opção acaba sendo trocar e descartar o cabo inteiro. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 41

42 Meios Físicos de Comunicação Padrões de Cabeamento Tomadas e Emendas Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 42

43 Tomadas e Emendas Uma boa opção ao cabear é usar tomadas para cabos de rede, ao invés de simplesmente deixar os cabos soltos. Elas dão um acabamento mais profissional e tornam o cabeamento mais flexível, já que você pode ligar cabos de diferentes tamanhos às tomadas e substituilos conforme necessário. Existem vários tipos de tomadas de parede, tanto de instalação interna quanto externa. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 43

44 Tomadas e Emendas Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 44

45 Tomadas e Emendas O cabo de rede é instalado diretamente dentro da tomada em um conector próprio (o tipo mais comum é o conector 110) que contem lâminas de contato. A instalação é feita usando uma chave especial, chamada punch down. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 45

46 Tomadas e Emendas O punchdownpressiona o cabo contra as lâminas, de forma a criar o contato, e ao mesmo tempo corta o excesso de cabo. Alguns conectores utilizam uma tampa que, quando fechada, empurra os cabos, tornando desnecessário o uso da ferramenta (tool-less ou auto-crimp). Eles são raros, justamente por serem mais caros. O próprio conector inclui o esquema de cores dos cabos, junto com um decalque ou etiqueta que indica se o padrão usado corresponde ao 568A ou 568B. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 46

47 Tomadas e Emendas Outro conector usado é o keystone jack, uma versão fêmea do conector RJ-45, que é usado em patch panelse pode ser usado também em conectores de parede, em conjunto com a moldura adequada. Os cabos são instalados da mesma forma que nos conectores de parede com o conector 110, usando o punch down. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 47

48 Tomadas e Emendas Existem também emendas (couples) para cabos de rede, que consistem em dois conectores RJ-45 fêmea, que permitem ligar diretamente dois cabos, criando um único cabo mais longo. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 48

49 Tomadas e Emendas Quase sempre as emendas vêm rotuladas com o padrão específico. Na falta da rotulação, o ideal é substituir os dois cabos por um cabo maior, ou então fazer uma extensão usando o keystone jack. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 49

50 Meios Físicos de Comunicação Padrões de Cabeamento Recomendações de Instalação Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 50

51 Recomendações de Instalação Evite lançar cabos UTP no interior de dutos que contenham umidade excessiva. Os cabos UTP não devem ser lançados em infraestruturas que apresentem arestas vivas ou rebarbas que possam provocar danos. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 51

52 Recomendações de Instalação A temperatura máxima de operação permissível ao cabo é de 60ºC. Os cabos UTP devem ser decapados somente nos pontos de conectorização. Jamais poderão ser feitas emendas, pois há o risco de provocar um ponto de oxidação e consequentes falhas na comunicação. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 52

53 Recomendações de Instalação Após o lançamento, os cabos UTP devem ser acomodados adequadamente de forma que os mesmos possam receber acabamentos, isto é, amarrações e conectorizações. Os cabos UTP devem ser agrupados em forma de "chicotes", evitando-se trancamentos, estrangulamentos e nós. Posteriormente devem ser amarrados com velcros para que possam permanecer fixos sem, contudo, apertar. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 53

54 Recomendações de Instalação Devem ser deixadas folgas nas tomadas (se possível, 30 cm). Devem ser deixadas folgas nas Salas de Telecomunicações (pelo menos 3 metros). Nas terminações, isto é, nos racks e brackets, procurar deixar o cabo exposto o mínimo possível, minimizando os riscos de o mesmo ser danificado acidentalmente. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 54

55 Recomendações de Instalação Definir o padrão de conectorização. Os cabos UTP devem ser lançados obedecendo-se o raio de curvatura mínimo do cabo, que é de 4 vezes o diâmetro do cabo. Os cabos UTP devem ser lançados ao mesmo tempo em que são retirados das caixas ou bobinas e preferencialmente de uma só vez. Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 55

56 Meios Físicos de Comunicação Padrões de Cabeamento Exercícios de Fixação Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 56

57 Exercícios de Fixação 1) Quais são os dois principais padrões de crimpagem? Indique a sequências dos fios e a diferença entre eles em relação ao tráfego de informações? 2) Qual a finalidade do cabo cross-over? Como se dá a sua montagem? 3) Para que serve o boot e o insert na montagem de um cabo par trançado? Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 57

58 Meios Físicos de Comunicação Padrões de Cabeamento Referências Bibliográficas Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 58

59 Referências Bibliográficas MORIMOTO, C. E. Redes Guia Prático. 2 ed. Sul Editores: Porto Alegre, Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 59

Centro de Treinamento Tecnológico Maxwell - CRIMPANDO CABOS UTP. Crimpando cabos UTP

Centro de Treinamento Tecnológico Maxwell - CRIMPANDO CABOS UTP. Crimpando cabos UTP 1 Crimpando cabos UTP A ferramenta básica para crimpar os cabos é o alicate de crimpagem. Ele "esmaga" os contatos do conector, fazendo com que as facas-contato perfurem a cobertura plástica e façam contato

Leia mais

Montando a rede. Cabeamento estruturado: cabo par trançado. Prof. Eduardo

Montando a rede. Cabeamento estruturado: cabo par trançado. Prof. Eduardo Montando a rede Cabeamento estruturado: cabo par trançado Prof. Eduardo Par trançado Podem ser crimpados rapidamente (no local, ferramentas simples etc). Em redes maiores crimpar o próprio cabo é necessário

Leia mais

Cabo de par Trançado Micro - HUB

Cabo de par Trançado Micro - HUB Cabo de par Trançado Micro - HUB Além dos cabos sem blindagem conhecidos como UTP (Unshielded Twisted Pair), existem os cabos blindados conhecidos como STP (Shielded Twisted Pair). A única diferença entre

Leia mais

Montagem de cabos rede

Montagem de cabos rede Montagem de cabos rede Conteúdo MONTAGEM DE CABOS DE REDE....3 PARTE 1 - FERRAMENTAS...3 CABO PADRÃO CAT 5:...3 CONECTORES RJ-45:...3 ALICATE DE CRIMPAGEM:...3 ALICATE DE CORTE:...4 TESTADOR DE CABO:...

Leia mais

Faculdades NDA Cursos de BSI e Telecomunicações Redes de Computadores - Turma D4, E4, H3 E J3. Como conectorizar um cabo UTP com RJ-45

Faculdades NDA Cursos de BSI e Telecomunicações Redes de Computadores - Turma D4, E4, H3 E J3. Como conectorizar um cabo UTP com RJ-45 Faculdades NDA Cursos de BSI e Telecomunicações Redes de Computadores - Turma D4, E4, H3 E J3 Como conectorizar um cabo UTP com RJ-45 O procedimento de conectorizar o UTP categoria 5 com o conector RJ-45,

Leia mais

Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática. Profª Ahyalla Riceli

Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática. Profª Ahyalla Riceli Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática Profª Ahyalla Riceli FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA CABEAMENTO ESTRUTURADO AULA 02 Objetivo Compreender e entender como crimpar

Leia mais

Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática. Prof. George Silva

Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática. Prof. George Silva Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática Prof. George Silva FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA CABEAMENTO ESTRUTURADO AULA 02 Objetivo Compreender e entender como crimpar um

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 07. Introdução às práticas de instalação do Prof. Ronaldo Introdução

Leia mais

Tutorial: Como criar "cabo crossover" e "cabo direto"

Tutorial: Como criar cabo crossover e cabo direto Tutorial: Como criar "cabo crossover" e "cabo direto" Introdução Se você tem dois ou três computadores em casa ou em seu escritório, certamente tem interesse em conectá-los em rede para compartilhar impressoras,

Leia mais

Componentes Físicos. Jun.08. Luis Garcia

Componentes Físicos. Jun.08. Luis Garcia Componentes Físicos Jun.08 Luis Garcia 1 INTRODUÇÃO 1(2) Para montar uma rede informática são necessários vários dispositivos, que ligados entre si permitem tirar partido de todas as potencialidades das

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6 Índice 1. MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO (PAR TRANÇADO)...3 1.1 Cabo coaxial... 3 2 1. MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO (PAR TRANÇADO) Em um projeto de redes,

Leia mais

Patch Panel & Keystone Jack (Cat5e)

Patch Panel & Keystone Jack (Cat5e) Este manual descreve como instalar os Patch Panels (modelos: 51.024) e Keystone Jacks (modelos: 31.090-WH, 31.090-BK e 31.090-IV) Categoria 5e da Gts Telecom. Apresenta como realizar a crimpagem, testes

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET CRIMPAGEM

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET CRIMPAGEM SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET CRIMPAGEM Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com TECNOLOGIA ETHERNET Crimpagem diz respeito

Leia mais

EIA/TIA 606 Administração do Cabeamento Estruturado

EIA/TIA 606 Administração do Cabeamento Estruturado EIA/TIA 606 Administração Estruturado Administração Estruturado As áreas da infra-estrutura a serem administradas compreendem: Terminações para meios de telecomunicações localizados nas Work Areas; Telecommunication

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULAS 4 E 5 CONFECÇÃO DE CABOS PARTE 1 E 2:... 2

SUMÁRIO 1. AULAS 4 E 5 CONFECÇÃO DE CABOS PARTE 1 E 2:... 2 SUMÁRIO 1. AULAS 4 E 5 CONFECÇÃO DE CABOS PARTE 1 E 2:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Norma EIA/TIA 568... 2 1.2.1 568A... 2 1.2.2 568B... 3 1.3 Teste dos cabos... 4 1.4 Categoria de Cabos... 5 1.5 Conectores...

Leia mais

Confeccionando cabos de rede

Confeccionando cabos de rede Confeccionando cabos de rede FAZENDO SEUS CABOS DE REDE - PARTE 1 Parte 1 - Ferramentas Não importa se você está instalando uma rede local doméstica ou empresarial, em ambas você irá precisar de montar

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE 1 1. CABEAMENTO ESTRUTURADO Cabeamento estruturado é a disciplina que estuda a disposição organizada e padronizada de conectores e meios

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 2 INTERFACE E CABEAMENTO DE REDES - Parte física da rede - Cabeamento - Placas de rede (interfaces)

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Professor Rafael Henrique Dalegrave Zottesso E-mail rafaelzottesso@utfpr.edu.br Site http://www.zottesso.com.br/disciplinas/rc24b0/ Disciplina

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento de Rede Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento Cabo Coaxial; Cabo Par Trançado; Cabo de Fibra Óptica. Cabo Coaxial Um dos primeiros cabos utilizados em

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Prof.: Roberto Franciscatto CRIMPANDO CABOS DE REDE Crimpagem de cabos de rede Valor aproximado R$ 50,00 CRIMPANDO CABOS

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 1 Evolução do Cabeamento Meios Físicos de Comunicação - Evolução do Cabeamento 1 Conteúdo Cabo Coaxial Cabo de Par Trançado Fibra Óptica Meios Físicos de Comunicação -

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Fabricio Breve Um dos primeiros tipos de cabos utilizados em rede Possui dois fios, sendo um uma malha que envolve o cabo em toda a sua extensão Essa malha funciona como

Leia mais

Cabo de par trançado O cabeamento por par trançado (Twisted pair) é um tipo de cabo que possui pares de fios entrelaçados um ao redor do outro para

Cabo de par trançado O cabeamento por par trançado (Twisted pair) é um tipo de cabo que possui pares de fios entrelaçados um ao redor do outro para Cabo de par trançado O cabeamento por par trançado (Twisted pair) é um tipo de cabo que possui pares de fios entrelaçados um ao redor do outro para cancelar as interferências eletromagnéticas (EMI). Foi

Leia mais

Placas e Ferramentas de Rede. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Placas e Ferramentas de Rede. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Placas e Ferramentas de Rede Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Dada a necessidade de comunicação entre os computadores em uma mesma rede para troca de arquivos, ou ainda para facilitar em processos

Leia mais

Introdução. Placas e Ferramentas de Rede. Exemplos. Surgimento. Estrutura Física - Placas

Introdução. Placas e Ferramentas de Rede. Exemplos. Surgimento. Estrutura Física - Placas Introdução Placas e Ferramentas de Rede Prof. Alexandre Beletti Ferreira Dada a necessidade de comunicação entre os computadores em uma mesma rede para troca de arquivos, ou ainda para facilitar em processos

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 3 Equipamentos de Conectividade e Organização Meios Físicos de Comunicação - Equipamentos de Conectividade e Organização 1 Conteúdo Elementos de Infraestrutura Estrutura

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações

Redes de Dados e Comunicações Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Cabo Par Trançado Conector-RJ 45 A norma EIA/TIA padronizou o conector RJ-45 para a conectorização de cabos UTP. Para a conectorização do cabo UTP,

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Tipos de Cabos Cabos eléctricos São cabos, normalmente fabricados em cobre (ou de outro material condutor), que transmitem os

Leia mais

Testador de cabos de rede

Testador de cabos de rede Testador de cabos de rede Elias Bernabé Turchiello Técnico responsável Este manual se destina unicamente a orientar o montador interessado neste projeto, portanto não se encontram neste manual: detalhes

Leia mais

AULA 04: PRÁTICA DE REDE 1. CABEAMENTO

AULA 04: PRÁTICA DE REDE 1. CABEAMENTO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RN DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES PROFESSORA: SORAYA CHRISTIANE SILVA DE SOUSA TÉCNICO NÍVEL MÉDIO EM INFORMÁTCA 1. CABEAMENTO AULA 04: PRÁTICA

Leia mais

Componentes para utilização em cabeamento estruturado

Componentes para utilização em cabeamento estruturado Componentes para utilização em cabeamento estruturado José Maurício dos Santos Pinheiro MetroRED Telecomunicações LTDA. Agosto 2002 ÍNDICE 1 - Definindo Cabeamento Estruturado... 2 2 - Concepção do Projeto

Leia mais

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos.

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. REDES DE COMPUTADORES CABO COAXIAL É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. Topologias de rede A topologia de uma rede é um diagrama que descreve como

Leia mais

FRC - Redes de Computadores. Agenda. Cabo Crossover Cabo Normal. Preparando o Cabo. Canais de Comunicação Padronização de Projeto

FRC - Redes de Computadores. Agenda. Cabo Crossover Cabo Normal. Preparando o Cabo. Canais de Comunicação Padronização de Projeto Cabo Crossover Cabo Normal Preparando o Cabo Agenda Canais de Comunicação Padronização de Projeto Invertido ou Cross-over: Este tipo de cabo é utilizado em 2 situações básicas: Conectar 2 PCs através da

Leia mais

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações Laboratório de Redes. Cabeamento Estruturado Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações de edifícios

Leia mais

(Alimentação) DESLIGADO Sem energia. LIGADO Uma conexão válida foi estabelecida. Pacotes de Dados DESLIGADO Nenhuma conexão estabelecida

(Alimentação) DESLIGADO Sem energia. LIGADO Uma conexão válida foi estabelecida. Pacotes de Dados DESLIGADO Nenhuma conexão estabelecida Parabéns pela aquisição do SWITCH MYMAX 8 PORTAS. Este comutador integra as capacidades do Comutador Rápido de 100Mbps e da Rede Ethernet de 10Mbps em uma mini-embalagem altamente flexível. 1. Conteúdo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

REDE CABEADA UTP MINI MANUAL DO USUÁRIO

REDE CABEADA UTP MINI MANUAL DO USUÁRIO REDE CABEADA UTP MINI MANUAL DO USUÁRIO Quadro de Distribuição Completo 1 DISJUNTOR 2 FONTE PRIMÁRIA VT200 3 BATERIAS (4) 4 PD 02 MINI 5 PD 03 MINI QUADRO COMPLETO: Equipado por, uma Fonte Primária nobreak

Leia mais

Cabeamento Estruturado Módulo de Transmissão e Ativos de Rede. Profª Ahyalla Riceli

Cabeamento Estruturado Módulo de Transmissão e Ativos de Rede. Profª Ahyalla Riceli Cabeamento Estruturado Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Profª Ahyalla Riceli Objetivo Saber distinguir os componentes envolvidos na montagem de uma rede de computadores; Conseguir ter uma fundamentação

Leia mais

Cabling. Cabling. Cabling. Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84

Cabling. Cabling. Cabling. Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84 Cabos HDCS 54 Keystone 62 Patch Cord 66 Patch Panel 72 Faceplate HDCS 80 Ferramentas e acessórios 84 Cabeamento Estruturado Cabos Montados Conectores DIO Racks FTTx Acessórios Conteúdo Geral A família

Leia mais

REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO

REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO Sumário Página 4: Quadro completo Disjuntores Transformador isolador Protetor elétrico Fonte primária VT CFTV Funcionalidades Baterias Página 6: Ponto de distribuição

Leia mais

Prof. Airton Ribeiro. Meios Físicos para Redes Fundamentos de Cabeamento

Prof. Airton Ribeiro. Meios Físicos para Redes Fundamentos de Cabeamento Prof. Airton Ribeiro Meios Físicos para Redes Fundamentos de Cabeamento Visão Geral Cabos de cobre são usados em quase todas as redes locais. Estão disponíveis diferentes tipos de cabos de cobre, cada

Leia mais

Tipos de cabos utilizados para Interligar uma rede. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Tipos de cabos utilizados para Interligar uma rede. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Tipos de cabos utilizados para Interligar uma rede Prof. Marciano dos Santos Dionizio Visão Geral Cabos de cobre são usados em quase todas as redes locais. Estão disponíveis em diferentes tipos de cabos

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

Verifique se todos os itens descritos no Kit de Rastreamento estão presentes na embalagem do produto.

Verifique se todos os itens descritos no Kit de Rastreamento estão presentes na embalagem do produto. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Com o intuito de fornecer ao mercado um dispositivo de rastreamento seguro e confiável, com base na mais alta tecnologia de rastreamento de veículos, seguindo rígidos padrões de

Leia mais

APOSTILA DE REDES I. Cabos

APOSTILA DE REDES I. Cabos APOSTILA DE REDES I Cabos O projeto de cabeamento de uma rede, que faz parte do meio físico usado para interligar computadores, é um fator de extrema importância para o bom desempenho de uma rede. Esse

Leia mais

Capítulo. Hardware de redes

Capítulo. Hardware de redes Capítulo 2 Hardware de redes Uma rede é formada por componentes de hardware e de software. Entre os componentes de hardware estão os computadores e seus periféricos, os cabos, as placas de interface, os

Leia mais

Projeto da rede de dados para o Núcleo de Tecnologias para Educação e Gestão - NUTEG

Projeto da rede de dados para o Núcleo de Tecnologias para Educação e Gestão - NUTEG Projeto da rede de dados para o Núcleo de Tecnologias para Educação e Gestão - NUTEG Diretoria de Suporte à Informática Local: Núcleo de Tecnologias para Educação e Gestão NUTEG Endereço: Av. BPS, 1303

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida Já imaginou a bagunça...

Leia mais

Sistemas de Informação Tópicos Avançados em informática I Cabeamento Lógico Estruturado. 7º Período / Carga Horária: 72 horas

Sistemas de Informação Tópicos Avançados em informática I Cabeamento Lógico Estruturado. 7º Período / Carga Horária: 72 horas Sistemas de Informação Tópicos Avançados em informática I Cabeamento Lógico Estruturado 7º Período / Carga Horária: 72 horas EMENTA: Componentes e equipamentos de um sistema de cabeamento. Normas internacionais

Leia mais

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Secretário Adjunto Maurício Holanda Maia Secretário Executivo Antônio

Leia mais

CRIMPANDO CABOS. (fonte:

CRIMPANDO CABOS. (fonte: CRIMPANDO CABOS (fonte: http://www.hardware.com.br/livros/redes/crimpando-cabos.html) A ferramenta básica para crimpar os cabos é o alicate de crimpagem. Ele "esmaga" os contatos do conector, fazendo com

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 SUMÁRIO Descrição do Rastreador ST-240... 03 Descrição das entradas e saídas... 03 Led indicador GPS - Vermelho... 04 Led indicador GPRS - Azul... 04 Dicas de instalação... 05

Leia mais

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site :

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site : Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Cidade: CEP: Telefone : FAX: E-mail : Site : Assinatura Local e Data IMPORTANTE: Preencher os dados completos e em letra legível pois, em caso de aprovação, as informações

Leia mais

Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores

Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores Fonte: Prof. Ivan Max Freire de Lacerda Bacharel em Ciências da Computação pela UFRN; Professor âncora do SENAC/RN nas áreas de informática

Leia mais

Experiência 06: MONTAGEM DE UM RACK E USO DE IDENTIFICADORES

Experiência 06: MONTAGEM DE UM RACK E USO DE IDENTIFICADORES ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO

OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática PAOLA OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO

Leia mais

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 44 Roteiro Cabeamento Planejamento para o Cabeamento Estruturado Cabeamento Horizontal Cabeamento

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Instalações Lógicas. Autor: Sidney de Sales Leão

Instalações Lógicas. Autor: Sidney de Sales Leão Instalações Lógicas Autor: Sidney de Sales Leão 1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA INSTALAÇÕES LÓGICAS Sidney de Sales Leão BELO HORIZONTE 2008 2 Sumário

Leia mais

Instalações Lógicas. Autor: Sidney de Sales Leão

Instalações Lógicas. Autor: Sidney de Sales Leão 0 Instalações Lógicas Autor: Sidney de Sales Leão 1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA INSTALAÇÕES LÓGICAS Sidney de Sales Leão BELO HORIZONTE 2008 2

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Cabeamento Estruturado Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Definição Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a prover uma infra-estrutura

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ATERRAMENTO

GUIA PRÁTICO DE ATERRAMENTO 2014 GUIA PRÁTICO DE ATERRAMENTO MAURÍCIO RODRIGUES DOS REIS SENAI-MG 15/02/2014 GUIA PRÁTICO SOBRE ATERRAMENTO INTRODUÇÃO... Pág.02 CONCEITOS BÁSICOS... Pág.02 MONTAGEM PASSO A PASSO DE ATERRAMENTO...

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e

FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, em conformidade com os requisitos estabelecidos na Norma ANSI/TIA/EIA-568B.2

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Multicast: Ex; Precisamos enviar mensagem para grupo de computadores. Atualizar antivirus Para 70 maquinas, criamos um grupo multicast

Leia mais

Armadilha Eletrônica

Armadilha Eletrônica Manual de Instalação Armadilha Eletrônica Produtos Inteligentes www.sertam.com.br e-mail: sertam@sertam.com.br cód. ARM-MI rev.0 1 ANTESDECOMEÇAR Recomenda-se a leitura completa deste manual. A leitura

Leia mais

Anexo V: Solução de Pontos de rede local

Anexo V: Solução de Pontos de rede local Anexo V: Solução de Pontos de rede local 1. Objetivo: 1.1. Contratação de solução de Pontos de Rede de telecomunicação para conexão de diversos tipos de equipamentos eletrônicos como computadores, impressoras,

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com MANUTENÇÃO EM COMPUTADORES Carga horária: 32 horas/aula Competência: Conhecer a arquitetura

Leia mais

Placas, cabos e hubs

Placas, cabos e hubs PRÁTICA DE IDENTIFICAÇÃO DE MATERIAIS DE REDE Placas, cabos e hubs A maioria das redes de microcomputadores para PCs utilizam cabos e placas tipo Ethernet. Podemos encontrar três tipos de cabos Ethernet:

Leia mais

Conversor USB/HPN CTS500U. Manual de Instalação

Conversor USB/HPN CTS500U. Manual de Instalação Conversor USB/HPN CTS500U Manual de Instalação e Operação 1 - Apresentação do Conversor HPN/USB CTS500U Os conversores HPN/USB CTS500U permitem com baixo custo e alto desempenho a criação de uma rede

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

Comunicações por Computador

Comunicações por Computador Comunicações por Computador António Nabais Grupo de Sistemas e Tecnologias de Informação Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico do Cávado e do Ave anabais@ipca.pt 2006/2007 Componentes de

Leia mais

Redes de Computadores. Cablagem

Redes de Computadores. Cablagem Redes de Computadores Cablagem Meios físicos de transmissão guiados! Cabos coaxiais! Cabos de pares entrançados! Cabos de fibra óptica 2 Cabo coaxial Malha de cobre Condutor de cobre Revestimento externo

Leia mais

DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS

DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS DTN WEBEX NOVOS PRODUTOS Conectividade 6A Linha de Bandejas Ópticas HDX Linha de Racks ITMAX Linha de Racks Fechados Acessórios de Organização Produtos de alta densidade FTP UTP Descarregado Azul/Branco/Bege

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

Manual do Usuário - NKPROX

Manual do Usuário - NKPROX Manual do Usuário NKPROX Manual do Usuário - NKPROX Neokoros TI - Biometric Technology Índice 1 - Apresentação e Características Gerais...3 2 - Placa BMC - Especificações...4 2.1 - Conectores (pinagem

Leia mais

AM@DEUS Manual do Usuário

AM@DEUS Manual do Usuário 80 P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

1. Descrição Física. O tampo deverá ser vazado para passagem dos cabos, para cada computador.

1. Descrição Física. O tampo deverá ser vazado para passagem dos cabos, para cada computador. LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES (REDE FÍSICA E REDE LÓGICA) 1. Descrição Física Este laboratório é o ambiente ideal para aulas práticas e teóricas visando capacitar o aluno para o planejamento de

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado CabeamentoEstruturado Compostoporseiselementos: CabeamentoHorizontal(HorizontalCabling); CabeamentoBackbone(BackboneDistribution); ÁreadeTrabalho(WorkArea); SaladeTelecomunicações(TelecommunicationsRoom

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Kathiane Queiroz ATERRAMENTO ELÉTRICO Sistema de aterramento elétrico ATERRAMENTO ELÉTRICO Mas o que é o terra? Qual a diferença entre terra, neutro, e massa(carcaça do Equipamento)?

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO HISTÓRICO DE VERSÕES

INSTRUÇÃO DE TRABALHO HISTÓRICO DE VERSÕES HISTÓRICO DE VERSÕES 1/25 Versão Data Elaborado por Motivo da Revisão Revisado por Aprovado por 01 03 14/10/2013 09/04/2014 28/07/2014 Lucival B. R. Rocha Marco Antonio F. da Silva Inclusão montagem conector

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA APRESENTAÇÃO As especificações contidas neste memorial são referentes às instalações de cabeamento estruturado do prédio sede do Tribunal Regional do Trabalho 12ª Região TRT, localizado na Av. Jorn.Rubens

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 MANUAL ITED 1ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 10 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI GERAÇÃO 3.1 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 8 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE índice...2 1. Introdução...3 2. Documentos normativos aplicados...3

Leia mais

Redes de computadores. Cabeamento Estruturado

Redes de computadores. Cabeamento Estruturado Redes de computadores Cabeamento Estruturado Cabeamento Não-estruturado Dutos super-lotados Cabos dobrados Dificuldade de Manutenção Foto: Rodrigo Cabelo CABEAMENTO NÃO-ESTRUTURADO Mais exemplos... Outros

Leia mais