NOTÍCIAS FISCAIS Nº BELO HORIZONTE, 31 DE JANEIRO DE 2014.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOTÍCIAS FISCAIS Nº 2.757 BELO HORIZONTE, 31 DE JANEIRO DE 2014."

Transcrição

1 NOTÍCIAS FISCAIS Nº BELO HORIZONTE, 31 DE JANEIRO DE "Gostar de ler é trocar horas de tédio por outras deliciosas." Montesquieu INDÚSTRIA MINEIRA TEM EM 2013 O PIOR RESULTADO DESDE A CRISE DE ABRANGÊNCIA DE AÇÕES NO STF ENTRA NA PAUTA... 4 INCIDE IOF NA CESSÃO DE CRÉDITO COM COOBRIGAÇÃO... 5 MG MUDA REGRAS PARA PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS... 5 EMPRESA É CONDENADA POR PEDIR ANTECEDENTES CRIMINAIS EM PROCESSO ADMISSIONAL... 7 ESPECIAL ESOCIAL... 8 CONSULTOR PREVÊ DIFICULDADES NA IMPLANTAÇÃO DO ESOCIAL... 8 FALTA DE PREPARO DE PMES É PONTO DE PREOCUPAÇÃO... 9 CUSTO CONTÁBIL PODE AUMENTAR 20% NO PRIMEIRO ANO PRIMEIRO PASSO É OLHAR CONSISTÊNCIA DE DADOS QUESTÕES LIGADAS À SAÚDE TERÃO QUE SER AGRUPADAS REDUÇÃO DA BUROCRACIA É APONTADA COMO VANTAGEM FORNECEDORES TESTAM NOVOS SISTEMAS TRANSMISSÃO DEVE COMEÇAR COM PRODUTOR RURAL AJUSTE REQUER SUPORTE DE ESPECIALISTAS DIREITO ASSEGURADO... 21

2 Indústria mineira tem em 2013 o pior resultado desde a crise de 2009 Fonte: Estado de Minas. A indústria mineira apresentou em 2013 o pior resultado de faturamento desde a crise financeira internacional, que estourou em 2008 e teve o principal impacto na economia brasileira em Segundo série histórica da pesquisa Indicadores Industriais da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), o faturamento apresentou queda de 0,05% no ano passado, ante crescimento de 0,32% em O resultado só não foi pior do que o registrado em 2009, quando a receita da indústria recuou -7,86%. Na avaliação do presidente do Conselho de Política Econômica e Industrial da Fiemg, Lincoln Fernandes, 2013 foi um ano mediano e sem motivos para ser lembrado. A estagnação foi puxada por perdas no faturamento dos setores de maior peso na produção fabril do estado. As vendas do ramo de metalurgia básica recuaram 3,54%, enquanto as dos produtos de metal tiveram retração de 15,69%. Outra contribuição foi o avanço tímido da receita do setor extrativo mineral, de grande importância para o estado, que chegou a 1,01% no ano. O setor de produtos de metal entende que com o câmbio mais elevado a demanda interna vai crescer em Ou seja, será um ano de recuperação, já que 2013 foi um ano para esquecer, afirmou Fernandes. O ramo da metalurgia básica, representado pelas usinas siderúrgicas, enfrentou ao longo do ano a concorrência do aço estrangeiro e a baixa demanda das exportações, em decorrência dos altos estoques no mundo. Já o segmento de produtos de metal, composto basicamente pelas fábricas de estruturas metálicas, amargou desaquecimento e também foi pressionado pela concorrência externa. No caso dos produtos de metal, o impacto foi o aumento da alíquota de importação de placas metálicas, que levou os fornecedores internacionais a substituí-las por estruturas prontas, trazendo uma concorrência predatória para a indústria nacional, explica o presidente do conselho da Fiemg. Compensação As receitas obtidas pela indústria de bens de consumo, no entanto, compensaram as perdas dos demais setores, fazendo com que o resultado do ano não fosse pior. Entre os destaques, os setores de artigos do vestuário e acessórios (10,96%), produtos têxteis (7,13%), produtos alimentícios (8,96%) e bebidas (8,69%). Fernandes explica que o salto pode ser explicado pelo aumento da demanda interna, mas também pela questão do câmbio. Esse não foi um ano perdido porque esses setores andaram bem. No caso do tecido e das confecções, por exemplo, o câmbio diminuiu a importação, explica o presidente, que lembra o efeito do câmbio também sobre a exportação de alimentos e de derivados do leite. Depois de um 2013 conturbado para a indústria, 2014 promete ser um ano de recuperação, segundo Lincoln. Entre os fatores que devem alavancar a produção

3 fabril, está a Copa, mas também o crescimento da demanda interna e de exportações por grandes e médias empresas. O crescimento da economia, apesar de estar aquém da necessidade e da expectativa do país, vem segurando o emprego e a renda do trabalhador brasileiro, que tem motivos para se lembrar de No ano passado, o desemprego caiu pela quinta vez consecutiva no Brasil desde É o que mostram dados divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ao longo de 2013, o desemprego médio apurado nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Recife e Salvador foi de 5,4%, 0,1 ponto percentual inferior ao observado em 2012 (5,5%) e 7 pontos percentuais abaixo da média de 2003 (12,4%). Trata-se da menor taxa média anual da história, segundo a pesquisa. Em dezembro, a taxa mensal caiu para 4,3%, ante 4,6% em novembro, e também é a menor em 11 anos. Na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), a taxa de desocupação média anual ficou em 4,2% no ano passado, ante 4,4% em Os números divergem do resultado da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), da Fundação João Pinheiro (FJP), Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos (Dieese) e outros parceiros, divulgada anteontem, porque a metodologia aplicada nos dois levantamentos é diferente. A taxa da RMBH foi a segunda menor entre as sete regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE, atrás apenas de Porto Alegre, com 3,5%. A maior taxa de desocupação foi encontrada em Salvador (8,1%), seguida de Recife (6,4%) e São Paulo (5,9%). A gente percebe que a situação do mercado de trabalho no país é de estabilidade. Tirando questões sazonais, o emprego ficou estável ao longo de 2013 e isso está se refletindo na taxa, observa a analista do IBGE em Minas, Luciene Longo. Para o professor titular da Unicamp, Cláudio Salvadore Dedecca, existe uma certa confusão do debate sobre economia e mercado de trabalho no país. Como nossa expectativa é de que o Brasil cresça mais, parece que não está ocorrendo crescimento e isso não é verdade. A economia está crescendo pouco, mas segue avançando. Numa situação de crescimento baixo, não é surpresa que o mercado trabalho cresça pouco ou fique estável, diz. Salários em alta Se o desemprego está em declínio, o rendimento dos brasileiros está em franco crescimento. De acordo com o IBGE, a média anual da renda nas seis regiões pesquisadas, calculada a partir do rendimento médio recebido no trabalho principal a cada mês, foi estimada em R$ 1.929,03, o que correspondeu a um crescimento de 1,8% em relação a 2012 (R$ 1.894,03). Nos últimos 10 anos, o poder de compra do rendimento de trabalho aumentou em 29,6% (em 2003 era de R$ 1.488,48). Em BH, o rendimento médio foi de R$ no ano passado. Na comparação com estimativas traçadas em 2003, o grupamento que apresentou o maior ganho de participação na população ocupada foi o de serviços prestados

4 às empresas, aluguéis, atividades imobiliárias e intermediação financeira (de 13,4% em 2003 para 16,2% em 2013). Os que mais perderam foram a indústria extrativa, de transformação e distribuição de eletricidade, gás e água (de 17,6% para 15,8%) e comércio, reparação de veículos automotores e de objetos pessoais e domésticos e comércio a varejo de combustíveis (de 20,2% para 18,8%), além de serviços domésticos (de 7,6% para 6,1%). Abrangência de ações no STF entra na pauta Fonte: Valor Econômico. A discussão sobre a abrangência de ações civis públicas que tratam de planos econômicos pode ser a principal forma de os bancos amenizarem uma eventual decisão desfavorável ao setor do Supremo Tribunal Federal (STF), na avaliação de Murilo Portugal, presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Mesmo assim, a entidade afirma que está confiante na vitória dos bancos nos julgamentos dos planos econômicos pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Questionado pelo Valor sobre a chance de uma decisão favorável aos bancos, Portugal disse por que acredita na possibilidade de sucesso. "Os bancos estão confiantes em suas chances de êxito nas ações referentes a todos os planos econômicos por dois motivos: pela força e justiça dos argumentos jurídicos apresentados e pelos graves impactos macroeconômicos que uma decisão contrária, mesmo que restrita a alguns planos, poderia acarretar para o país", disse. "A tradição do STF é proteger o direito individual, mas sem desconsiderar as consequências práticas de suas decisões." Por outro lado, a Febraban não descarta a possibilidade de buscar caminhos para reduzir os efeitos de um julgamento contrário aos interesses dos bancos, calculado em R$ 150 bilhões. O debate em torno das ações civis públicas abrangeria o questionamento da extensão que podem tomar, em termos de território ou de representação. Uma dúvida da Febraban, por exemplo, é se uma ação apresentada por uma entidade de defesa do consumidor teria validade apenas a seus associados. Ou se a decisão da Justiça local teria validade nacional. Para Portugal, embora cada plano traga especificidades, a tese central que o STF julgará é a constitucionalidade de o poder público emitir leis que alteram o regime monetário, com aplicação imediata para todos os contratos. Ontem, dia de balanços do Bradesco e do Santander, o tema dos planos econômicos entrou em pauta. Luiz Carlos Trabuco Cappi, presidente do Bradesco, foi questionado por jornalistas sobre qual estratégia que o banco está adotando para o julgamento. "Não vamos definir nenhuma estratégia a priori. Vamos aguardar o julgamento", respondeu.

5 O Santander mostrou em seu balanço uma reserva de R$ 853 milhões para provisões diversas, incluindo cíveis. Questionado se o valor seria usado como um colchão de recursos para o julgamento dos planos, o vice-presidente, Carlos Galán, não quis determinar o uso. Quarta-feira, o Valor publicou uma reportagem trazendo os bastidores da atuação dos bancos no caso dos planos. Certos de que têm poucas chances de vitória no julgamento, os bancos vão tentar convencer STF a julgar cada um dos planos em separado. Incide IOF na cessão de crédito com coobrigação Fonte: Valor Econômico. Uma solução de consulta da Coordenação-Geral de Tributação (Cosit) da Receita Federal reforma e pacifica seu entendimento em relação à incidência de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) nas operações de cessão de crédito - quando uma empresa vende a prazo as mercadorias que comercializa e cede o crédito referente a essa venda para uma instituição financeira por um valor com deságio. De acordo com a Solução de Consulta nº 25, publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, incide o IOF nesse tipo de cessão quando há uma coobrigação de quem cedeu o crédito. Outras soluções de consulta do Fisco dizem simplesmente que não incide IOF quando a cessionária for instituição financeira, por falta de previsão legal. A alíquota do IOF é de 0,0041% ao dia, mais um adicional de 0,38% que incide uma única vez. A nova solução de consulta determina que, na coobrigação, o comerciante continua obrigado a quitar a dívida caso o cliente dele não o faça. Isso está em linha com que o mercado pratica em geral, mas agora há mais segurança, afirma o advogado Diego Aubin Miguita, do Vaz, Barreto, Shingaki & Oioli Advogados. Quando do estabelecimento de cláusula de coobrigação do cedente (ou seja, em operações de cessão de direitos creditórios a instituição financeira com coobrigação), incide o IOF/Crédito sempre que restar a operação caracterizada como desconto de títulos, na forma estabelecida pela Solução de Divergência Cosit nº 16, de 2011, determina a Solução de Consulta Cosit nº 25, que orientará os fiscais do país. MG muda regras para procedimentos administrativos Fonte: Valor Econômico. O Regulamento do Processo e dos Procedimentos Tributários Administrativos de Minas Gerais foi alterado. Foi publicado no

6 Diário Oficial do Estado, desta quinta-feira, o Decreto nº , com mudanças sobre a concessão de regime especial e a classificação de débitos tributários. A nova norma altera o Decreto nº , de 2008, e entra em vigor em 1º de fevereiro. A nova redação do artigo 51 veda a concessão de regimes especiais para contribuinte cujo titular, gerente, diretor ou sócio tenha sido denunciado por crime contra a ordem tributária relativamente a tributo de competência do Estado, desde que não extinta a punibilidade. Antes, a redação não limitava em relação aos tributos de competência do Estado de Minas Gerais. Já o artigo 102 passa a incluir duas novas hipóteses de classificação de débitos tributários como não contenciosos. Em relação a estes não cabe discussão administrativa. O débito existe e será imediatamente inscrito em dívida ativa. Passam a ser não contenciosos também: o débito decorrente do não pagamento da taxa prevista no artigo 31 do Regulamento do Uso ou Ocupação da Faixa de Domínio e Área Adjacente das Rodovias (RFDR) e da respectiva Taxa de Licenciamento para Uso ou Ocupação da Faixa de Domínio das Rodovias (TFDR), da taxa de incêndio e da renovação do licenciamento anual do veículo, com expedição do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV). A partir de 1º de abril, no caso dessas situações, o débito e as multas correspondentes serão enviados para inscrição em dívida ativa, por meio eletrônico. Outra mudança instituída pelo novo decreto mineiro, segundo o advogado Marcelo Jabour, presidente da Lex Legis Consultoria Empresarial, é que o arrolamento administrativo de bens para garantia do crédito tributário passa a ser facultativo. Segundo a nova norma, o arrolamento administrativo poderá ser realizado sempre que o valor dos débitos de responsabilidade do sujeito passivo, vencidos e não pagos, ainda que suspensa sua exigibilidade, for maior que 30% do seu patrimônio conhecido. Para o arrolamento, além de o montante ser superior a 30% do patrimônio, o débito do contribuinte tem que ter um valor mínimo. Isso também foi aumentado. Antes era de Ufemgs e passa a ser de Ufemgs (R$ 527,64 mil). O decreto também traz uma novidade sobre inadimplência em parcelamento. Segundo Jabour, o contribuinte que estiver em atraso com o parcelamento, poderá não conseguir emitir a sua certidão negativa de débitos. A inclusão do parágrafo 3º ao artigo 220 estabelece: Na hipótese de inadimplemento de parcela relativa a parcelamento de débito tributário, a certidão de débitos tributários será positiva, ainda que não tenha ocorrido a desistência do parcelamento.

7 Empresa é condenada por pedir antecedentes criminais em processo admissional Fonte: TST. A exigência de certidão de antecedentes criminais para admissão em emprego é uma medida extrema. A avaliação foi feita pelo ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Aloysio Corrêa da Veiga, no julgamento de recurso de revista de uma atendente de telemarketing da AEC Centro de Contatos S.A., da Paraíba. A conduta foi considerada discriminatória, e a empresa terá de pagar R$ 2 mil de indenização à trabalhadora. Segundo a atendente, a empresa teria negado sua admissão após ela ter se recusado a apresentar certidão de antecedentes criminais para contratação. O caso foi julgado pela Vara de 3ª Vara do Trabalho de Campina Grande (PB), que condenou a AEC por danos morais no valor de R$ 2 mil. A empresa se defendeu alegando que a função de atendente possibilitava o acesso a dados sigilosos de clientes, número do cartão de crédito e dados bancários, o que justificaria a exigência. A AEC ainda rebateu a conduta discriminatória, lembrando que todos têm direito a obter informações e certidões dos órgãos públicos. Intimidade O Tribunal Regional do Trabalho da 13ª (PB) acolheu a argumentação da empresa no sentido de que a exigência de certidão é uma conduta legal que não viola a dignidade humana e a intimidade do trabalhador. O Regional ressaltou que a exigência era feita de maneira irrestrita, para todos os funcionários, no ato da contratação. Mas a decisão do TRT paraibano foi reformada pela Sexta Turma do TST, que deu provimento ao recurso de revista da trabalhadora. Para o relator, ministro Aloysio Corrêa da Veiga, houve violação ao artigo 1º da Lei 9.029/95, que proíbe práticas discriminatórias para efeitos admissionais "A exigência extrapola os limites do poder diretivo do empregador", ressaltou. Por unanimidade, a sentença foi restabelecida, com a condenação da empresa ao pagamento da indenização. A AEC já havia enfrentado a Justiça do Trabalho em caso julgado em novembro de 2013 pela Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho. Mas, ao contrário do entendimento da Sexta Turma, aquele colegiado decidiu absolver a empresa da condenação ao pagamento de danos morais a outra atendente de telemarketing da AEC, pela exigência do documento. Na época, os integrantes da Quarta Turma entenderam por unanimidade que a apresentação da certidão de antecedentes criminais para contratação da empregada não representava qualquer violação legal. Processo: RR

8 ESPECIAL esocial Consultor prevê dificuldades na implantação do esocial Fonte: Valor Econômico. O advogado João Fábio Fontoura, especialista em direito empresarial e sócio do escritório Bornholdt Advogados, de Joinville (SC), é realista. "Independentemente da lei ou de qualquer transição de plataforma, o mercado já espera contratempos." O trabalho de Fontoura tem sido antecipar problemas que poderão derivar da implantação do esocial. Ele tem despachado com frequência com funcionários dos departamentos de controladoria, RH e TI. "É um trabalho realizado pelo menos a oito mãos", diz. O processo de adequação da estrutura contábil tem exigido o envolvimento de novos profissionais e a capacitação da estrutura da empresa. No meio empresarial muitas situações ainda geram dúvidas. Três exemplos apresentados por Fontoura ilustram parte do problema. 1) Fechamento da folha de pagamento no dia 5 de cada mês e das horas cumpridas no dia 31 do mês anterior. Neste caso, o governo recomenda apenas que as empresas ajustem a sua rotina, o que pode não ser tão simples. 2) Quando por alguma razão - falta de pagamento ou disputa judicial - a empresa tiver que recolher valores anteriores à entrada em vigor do esocial. O governo responde que o acerto de contas será feito pelo método antigo, mas as empresas têm dúvida sobre como a informação será tratada e se ela de fato ingressará no sistema da Receita. 3) Diferença da nomenclatura para cargos, especialmente nas multinacionais. O analista júnior, por exemplo, inexiste no Código Brasileiro de Ocupações. Se o único caminho for utilizar a nomenclatura existente, poderá haver riscos trabalhistas para as empresas, como exigência de equiparação salarial ou aplicação do piso da categoria. A advogada Carolina Tavares, especialista em direito do trabalho e sócia do Marcelo Tostes Advogados, em Belo Horizonte (MG), reconhece que o esocial representa uma evolução, mas se preocupa com a operação cotidiana das empresas e com eventuais impactos negativos na competitividade decorrentes da contratação de mão de obra e de outros investimentos necessários - adaptação e compra de softwares - para cumprir as exigências do esocial. O governo quer facilitar a fiscalização. Se antes o fiscal do INSS, da Receita ou do trabalho tinham que cumprir um trâmite para marcar visita às empresas, agora eles só buscarão os dados no portal. Esse atalho preocupa. O tratamento às empresas que não cumprirem os prazos para os envios de informação é outro motivo de incertezas. Tavares pensa em questões práticas. "Não sabemos como agir no caso de uma queda da rede ou da indisponibilidade do sistema do governo", ressalta. "Essas dificuldades são comuns na data limite

9 para o envio da declaração do imposto de renda e podem ocorrer com o esocial", exemplifica. "Será que o governo entenderá que existe um problema técnico ou não terá flexibilidade e aplicará friamente a letra da lei? Uma declaração da empresa que oferece o serviço será suficiente se a internet cair?", questiona. "O que acontecerá quando o problema for do próprio governo?" Beatriz Soares, diretora de consultoria da FEA Junior USP, prevê dificuldades para as micro e pequenas empresas porque, em geral, elas não têm as informações centralizadas ou não as utilizam de forma adequada. A parcela desse universo que terceiriza a folha de pagamento terá mais facilidades que a que faz a gestão das informações por conta própria. "As empresas sentirão os benefícios no longo prazo. Uma gestão mais eficiente é importante para acompanhar a evolução de uma empresa e favorece um maior controle do crescimento", diz. Das 40 empresas que procuraram a FEA Junior USP no último trimestre, 10 estavam preocupadas com o esocial. Falta de preparo de PMEs é ponto de preocupação Fonte: Valor Econômico. Se as grandes empresas estão com dificuldades para se preparar para a chegada do esocial, o que dizer das pequenas e microempresas? O prazo se aproxima. Em novembro, se não houver alterações no cronograma, será a vez de os microempreendedores individuais e empresas que operam no regime de lucro presumido e no Simples aderirem ao esocial. "As autarquias, fundações e órgãos da administração direta só entram no sistema a partir de janeiro do ano que vem", diz Edgar de Amaral Souza, gerente jurídico da Fecomércio-RJ. O prazo de adaptação dos pequenos empresários à nova exigência, no entanto, não é o único problema. "Mais do que o prazo apertado, nossa maior preocupação em relação às pequenas empresas é com o acesso online", diz Edgar de Amaral Souza, gerente Jurídico da Fecomércio-RJ. "Nem todas as empresas estão informatizadas." Souza defende um período de adaptação, sem punições aos empresários, para que eles se acostumem à nova exigência. Ana Paula Locoselli, assessora jurídica da Fecomércio-SP, acrescenta: "Muitos microempreendedores individuais sequer possuem contador. Como vão cumprir essa exigência a partir de novembro?" Ela lembra que o programa piloto do esocial foi realizado com 42 grandes empresas. "Essas organizações possuem uma estrutura jurídica, de recursos humanos e contábil que é fora da realidade para os microempresários. O trabalho será passado, quase sempre, para os contadores, que vão acabar cobrando mais pelo serviço." Juliana Lohmann, analista de políticas públicas do Sebrae-RJ, conta que a entidade vem se esforçando, em parceria com os conselhos e sindicatos de

10 contabilidade, para capacitar os profissionais da área por meio de oficinas e palestras. "O contador tem de ser um aliado para a empresa nessa hora, não pode ser visto apenas como um custo", diz. Hoje, Juliana avalia como preocupante o nível de preparação das micro e pequenas empresas brasileiras em relação ao esocial. "O custo de implantação do sistema é alto para a maioria dessas empresas", diz. No entanto, o sistema deve trazer benefícios no longo prazo, diz Juliana. "O sistema vai uniformizar as obrigações e racionalizar o processo burocrático. Além disso, é uma garantia de que as documentações enviadas não vão se perder no caminho", defende. Para ela, seria também uma boa oportunidade para que o governo estudasse a possibilidade de reduzir a carga trabalhista e previdenciária. "Com melhor entendimento sobre o que se arrecada é possível reduzir essa carga e dividi-la de forma mais justa, sem perda de arrecadação", diz. "Em 2006, quando foi instituído o Simples Nacional, muitos municípios temiam perder receita, mas não foi isso que aconteceu." Custo contábil pode aumentar 20% no primeiro ano Fonte: Valor Econômico. Se existem muitas dúvidas sobre as exigências e a parte operacional do Sped Social, os escritórios de contabilidade têm pelo menos uma certeza: os custos vão subir. O programa vai demandar investimentos em treinamento, mão de obra e, possivelmente, tecnologia. O aumento deve ser da ordem de 20%, estima Márcio Massao Shimamoto, diretor do Grupo King de Contabilidade, com aproximadamente 470 clientes. Shimamoto acredita que esse aumento de custos vai perdurar por um ano, até que todo o ciclo de inclusões do esocial se complete. Passado esse prazo, a elevação será diluída com a simplificação dos procedimentos e ganhos em agilidade. "O primeiro investimento tem de ser em capacitação profissional", diz Danilo Lollio, gerente de legislação da WoltersKluwer Prosoft. Segundo ele, falta conhecimento a muitos profissionais do setor e "vai faltar mais ainda quando as empresas precisarem se adaptar à nova realidade". Nem os próprios escritórios estão preparados. Pesquisa realizada pela Prosoft em dezembro com entrevistas indica que 39% das empresas contábeis ainda não têm uma estratégia para aderir ao programa. Segundo Lollio, treinar os profissionais será uma tarefa dos escritórios, já que o custo de capacitação é "relativamente alto". As palestras sobre o esocial realizadas atualmente - inclusive por sua empresa -, ainda sem o conteúdo definitivo do programa, custam cerca de R$ 800 por pessoa. "Um curso bem feito, com enfoque prático, terá de ser feito em dois ou

11 três dias, no mínimo, e não vai custar menos de R$ 2 mil", prevê. Esse custo vai sair do caixa dos clientes. Os escritórios prometem repassar o aumento dos encargos. O problema é o período de adaptação, afirma Renato Coelho, tributarista, sócio fundador do escritório Stocche, Forbes, Padis, Filizzola, Clapis Advogados. "A exemplo do que ocorreu no início da escrituração eletrônica, muitas empresas não estão aptas. Vão precisar investir em capacitação e softwares. Esse será o preço da adaptação, mas depois dele os custos vão cair", defende. A principal dificuldade é quanto à adequação de sistemas e a sincronização das informações, comenta Cintia Ladoani Bertolo, tributarista do escritório Bergamini Collucci Advogados. "As áreas das empresas costumam usar sistemas diferentes, até por conveniência. Esses sistemas muitas vezes não conversam entre si, o que traz problemas ao cruzamento de informações", afirma. Um exemplo: a contribuição previdenciária de muitas empresas é feita pelo sistema híbrido, com base na folha de pagamento e na receita bruta. Pode ser que o RH e a área financeira usem sistemas incompatíveis, gerando informações divergentes. Antes havia tempo para conciliá-las. A partir do esocial, a informação passa a ser transmitida junto com a folha de pagamento. O volume de exigências preocupa. "Ao todo são 46 obrigações novas que vão requerer cadastro", afirma Welinton Mota, diretor tributário da Confirp Consultoria Contábil. "São 46 tipos de arquivo XML ou layouts, num total de tags [linhas de registro], de acordo com as estatísticas de especialistas em software." Shimamoto estima em 150 os novos campos de inclusão de informações, com base no que viu no layout provisório. São informações que antes não eram prestadas. Cabia ao poder público fiscalizá-las. É o caso dos dados de saúde ocupacional. "Ninguém era obrigado a informar todos os exames que o funcionário fazia. Precisava tê-los à disposição da fiscalização", diz o diretor da King. "Agora é preciso informar cada exame. Os escritórios de contabilidade não têm essas informações no seu cadastro hoje." Welinton Mota acredita que muitos procedimentos terão de ser revistos. O pagamento das férias, por exemplo. Legalmente, precisa ser feito com dois dias de antecedência da data de saída do funcionário. Muitas empresas ignoram a regra e efetuam o depósito junto com o pagamento do salário. Com a necessidade de fazer o comunicado eletronicamente e a comunicação tem de estar conectada à operação de fato, quem não seguir a norma legal estará sujeito a multa.

12 Primeiro passo é olhar consistência de dados Fonte: Valor Econômico. O esocial é um dos componentes do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), em vigor há seis anos no Brasil, e visa a formalizar digitalmente as informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais relativas a todos os empregados e empregadores, tanto da iniciativa privada quanto da pública. Trata-se da escrituração digital da folha de pagamentos e das demais obrigações acessórias relativas à contratação e à utilização de mão de obra onerosa, com ou sem vínculo empregatício. As empresas terão de acessar e inserir dados no sistema pelo menos em três modalidades de evento: cadastro e dados permanentes, eventos aleatórios e folha de pagamento. Os dados são assinados digitalmente e transmitidos ao sistema do esocial, que envia de volta um recibo acusando que as informações foram acolhidas. Mas, caso haja alguma inconsistência, o sistema reenvia, mais tarde, uma nova comunicação com a crítica dos dados e o que deve ser corrigido para então ser retransmitido. O primeiro input ao esocial é o cadastramento da empresa e de seus funcionários, processo que deverá ser conduzido a partir de abril - produtor rural pessoa física e segurado especial -, com prazo final em 30 de junho para as empresas que declaram Imposto de Renda pelo lucro real, 30 de novembro para as de lucro presumido e 31 de janeiro de 2015 para órgãos e entidades das administrações públicas direta e indireta. Ângela Castro, sócia da área de outsourcing da Deloitte, diz que nesta primeira fase são enviadas todas as tabelas que formam o cadastro: as informações de proventos e descontos, lotações, cargos e funções, horários de trabalho. Na área de construção civil devem ser informados os estabelecimentos e obras de construção, que têm regras próprias. E para os portuários, devem ser informados os terminais de operação e operadores portuários cadastrados pelo OGMO (Órgão Gestor da Mão de Obra). E, por último, os processos administrativos e judiciais. A partir daí, na segunda fase, são informados os eventos trabalhistas, ou as ações ou situação advinda da relação entre empregador e trabalhador. O objetivo é fazer com que as empresas observem o prazo legal já existente na legislação trabalhista e previdenciária. Estão nesta categoria admissão, demissão, concessão de férias, aumentos de salário, licenças, exposição a agentes nocivos, entre outros eventos aleatórios. E, por fim, está o evento fixo mensal, que é a folha de pagamento e seus desdobramentos obrigatórios e tributários, que deve ser enviada até o dia 7 do mês subsequente. O acesso aos dados será disponibilizado tanto para os órgãos do governo como para empregadores e empregados.

13 Ângela observa que o esocial terá impacto significativo na operação das empresas. Devido à necessidade de conhecimentos específicos - tanto em sistema e em legislação trabalhista como em processos -, as empresas precisam de esforços adicionais para implementar o esocial. Esse cenário tem elevado a demanda em serviços de consultoria. "O primeiro cuidado é observar se as informações que existem hoje estão consistentes. A empresa deve saber que estarão muito mais expostas. Antes, o governo tinha de enviar um fiscal para avaliar se as obrigações estavam sendo cumpridas. Agora o próprio sistema vai apontar" alerta Ângela. Denis del Bianco, diretor da Totvs Consulting, destaca que é quase impossível para a empresa executar as obrigações do Sped Social sem uma preparação prévia ou como alterar os processos e as política para poder executar, sem atropelos, o que o esocial exige. Segundo Renata Seldin, líder da prática de esocial na consultoria, o trabalho começa com a análise dos dados, e, em seguida, é feito um diagnóstico de tudo o que será necessário: do saneamento dos dados ao redesenho dos processos e à revisão da arquitetura de sistemas. Valéria Zotelli, sócia do Miguel Neto Advogados, e Silvinei Toffanin, diretor da Direto Contabilidade, dizem que uma das vantagens do esocial é que ele vai substituir uma série de obrigações hoje existentes. Entre elas a Relação Anual de Informações sociais) e o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. Questões ligadas à saúde terão que ser agrupadas Fonte: Valor Econômico. No âmbito da medicina do trabalho, os procedimentos introduzidos pelo esocial vão exigir maior agilidade por parte das empresas para reunir dados referentes a eventos, que o novo sistema classifica como "não periódicos". Neste grupo entram as informações como admissões e afastamento de funcionários por problemas de saúde. De acordo com os especialistas que atuam na área de legislação trabalhista e profissionais de recursos humanos, será um grande desafio transportar para o meio digital todas as informações contidas em guias, laudos e outros documentos referentes à área de saúde. Esse cenário ocorre em função de haver inúmeros dados que são apresentados em formulários específicos, em papel, e também costumam ser arquivados em meio físico, pelas empresas e pelos prestadores de serviços, como clínicas. O advogado Luiz Antonio Alves Gomes, sócio do escritório Renault Advogados Associados, destaca que a implantação do esocial não cria obrigações trabalhistas. "Haverá uma modificação na forma de fornecer as informações trabalhistas para o governo federal. As empresas que já possuem uma boa estrutura de RH, de segurança e medicina do trabalho, além de acesso a consultoria jurídica, terão muito mais facilidade em se adaptar às novas rotinas."

14 Gomes explica que o esocial divide as informações em eventos iniciais, como cadastramento de uma empresa; eventos de tabelas, tabelas referentes a cargos e horários; eventos periódicos, que são, por exemplo, remuneração e pagamentos de diversas naturezas; e eventos não periódicos, como admissões e afastamentos de funcionários. Segundo o advogado, mesmo antes da aplicação do esocial, há um sentimento geral de que as maiores dificuldades estarão relacionadas aos prazos para inserir informações dos "não periódicos". Ele chama a atenção para os dados referentes à saúde dos funcionários. "Será possível encontrar mais rapidamente dados que estão em desacordo, ao comparar as informações da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Além disso, ficará mais fácil para o governo identificar a própria ausência de informações obrigatórias. Um exemplo claro se refere ao atestado de saúde ocupacional, que deve ser realizado na admissão, na demissão e de forma periódica, este último muitas vezes é negligenciado." Gomes chama a atenção também para informações referentes ao laudo de insalubridade. "Outra norma já existente que passará a ser cobrada diz respeito à elaboração de laudo de insalubridade, confeccionado por médico do trabalho ou engenheiro de segurança do trabalho. O esocial irá exigir dados sobre fatores de risco e equipamentos de proteção disponibilizados aos empregados", completa. Luiz Claudio Garcia, sócio e diretor executivo da Personal Service, empresa que emprega cerca de 13 mil colaboradores e oferece serviços desde limpeza e conservação à área de engenharia para 160 empresas em 12 Estados, está otimista com relação à adoção do esocial. "Investimos em sistema para tratar todas as informações referentes a nossos colaboradores em meio digital. Temos uma área interna dedicada a controles de saúde ocupacional e tratamos com muito rigor temas como insalubridade e riscos. Portanto, a adoção do esocial trará mais tranquilidade para nossos clientes", afirma Garcia. Nos departamentos de RH há uma preocupação com relação à documentação que envolve as informações médicas dos funcionários e colaboradores. Gisele Sacarlateli, gerente de RH do grupo Toque a Campainha, explica que haverá um período de adaptação, porque nem todos os envolvidos na área de medicina do trabalho estão preparados já para trabalhar 100% em meio digital. Flavia Lepique, sócia responsável pela área trabalhista do escritório, diz que a legislação que abrange a área médica e de segurança do trabalho apresenta um universo de mais de cinco mil normas, que exigem prazos de cumprimento. Por outro lado, trata-se de uma área reconhecida por apresentar muitos documentos em meio físico. "Há pilhas de documentos nas empresas referentes à área de saúde. Isso exigirá um empenho do RH para manter o rigor das informações e cumprir prazos."

15 Redução da burocracia é apontada como vantagem Fonte: Valor Econômico. A proximidade da entrada em vigor do esocial é vista com cautela por algumas das principais associações patronais do país. Por um lado, elas veem no sistema uma chance de tornar menos burocrático o cumprimento de normas trabalhistas e previdenciárias. Por outro, temem que sirva apenas para tornar a arrecadação mais eficiente, sem abrir espaço para uma redução efetiva de encargos sobre a folha de pagamento. "A desburocratização é uma luta dos empresários há anos. Nesse sentido, a implantação do esocial é um grande avanço. Acho que eliminar os formulários preenchidos em papel e unificar os bancos de dados é uma tendência inevitável no médio e longo prazo", diz Edgar de Amaral Souza, gerente jurídico da Fecomércio-RJ. "Mas acredito que deveria haver um período de adaptação que servisse para o Fisco orientar as empresas, sem autuá-las por eventuais erros." Ana Paula Locoselli, assessora jurídica da Fecomércio-SP, por sua vez, ressalta que o fator tempo foi vital para a implantação do Sped Fiscal e que seria bom ter esse cuidado com o esocial. "O Sped Fiscal começou em 2007 e levou vários anos até ser estendido aos pequenos e microempresários", observa. Sobre a possibilidade de o novo sistema ajudar a reduzir encargos, Ana Paula é cética. "Não foi o que aconteceu com a implantação do Sped Fiscal", lembra. Enquanto isso, se o discurso oficial acena com potenciais benefícios aos trabalhadores com a instalação do esocial, ela também vê potenciais benefícios para os empresários. "A unificação desse banco de dados vai permitir que as empresas se defendam melhor nos tribunais do trabalho, especialmente em processos movidos de má fé", afirma. Para Luigi Nese, presidente da Confederação Nacional de Serviços, a mudança vai pesar no começo, mas depois deve ser positiva. "De início, é mais um custo nas costas do empresário, mas depois vai facilitar a vida", admite. "A burocracia vai diminuir, e suponho que será mais fácil corrigir eventuais erros na base de dados." Apesar dos eventuais benefícios, Nese acredita que o impacto positivo do esocial seria muito maior se houvesse um esforço para desonerar a folha de pagamento das empresas. "O sistema deve ser aprimorado para reduzir a carga que reduz a competitividade da economia brasileira", defende. Verônica Flecha de Lima, gerente de relações trabalhistas da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, vê com preocupação o processo de implantação da nova exigência, apesar dos benefícios gerados no longo prazo pela desburocratização. Para ela, o aumento no volume de informações a ser enviadas pelo esocial será um grande desafio para as empresas. "Hoje, muitas informações já são enviadas on-line para o Ministério do Trabalho e para a

16 Previdência, mas não no mesmo volume que será exigido quando o sistema for implantado", diz. Tudo isso se torna ainda mais difícil quando se leva em conta a complexidade da legislação trabalhista brasileira. "Será que tanta informação é realmente necessária", pergunta Verônica. "São muitos detalhes que serão informados e que podem gerar autuações contra as empresas por falta de conhecimento. Nem todo mundo sabe, por exemplo, que o empregador não pode dividir o período de férias de um funcionário que tenha mais de 50 anos de idade. Esse erro, que podia passar em branco, pode ser detectado e punido, mesmo que cometido de boa fé." Ana Paula, da Fecomércio-SP, também vê com preocupação os constantes adiamentos no cronograma de implantação do esocial. "As empresas vão adiando a adaptação, cada vez que o prazo final é modificado", diz. Além disso, é mais difícil se preparar quando as regras do jogo ainda não foram definidas. "No próprio site do esocial, a minuta do manual do sistema ainda está em elaboração." José Luiz Fernandes, presidente da Federação de Serviços do Estado de São Paulo, também acredita que as mudanças constantes durante a fase de preparação tornam mais difícil se preparar para a nova exigência. "Cada dia é uma novidade. Fica até difícil avaliar o impacto final para as empresas", diz. Fernandes aposta, no entanto, que o esocial vai aumentar a capacidade de fiscalização - e consequentemente - de arrecadação do governo em relação aos encargos trabalhistas e previdenciários. "Se isso servir para reduzir a carga será ótimo. As empresas não podem arcar com mais custos, temos de dividir esse fardo", diz. Fornecedores testam novos sistemas Fonte: Valor Econômico. As mudanças introduzidas pelo esocial já movimentam os fornecedores de software, que estão precisando adequar seus ERPs e sistemas de RH e desenvolver outros produtos para fazer a gestão do novo Sped. Num primeiro momento, não há novos negócios, uma vez que o Sped é uma obrigação legal que os fornecedores devem introduzir nos seus sistemas, sem custo para os clientes com contratos de manutenção. Mas a sua implementação está gerando demanda por serviços e muitos fornecedores estão desenvolvendo módulos adicionais, sobretudo para a parte de mensageria, a fim de viabilizar a troca de informações com o governo. Todos os produtos são ainda versões preliminares em teste nos clientes. Isso porque o governo não entregou a versão definitiva do layout e as especificações do WebService que vai viabilizar a transmissão das informações, o que está

17 deixando o setor preocupado. Segundo Roberto Plá, gerente do programa de unificação de crédito do Serpro, a última versão do layout foi disponibilizada em dezembro, mas ainda não é a definitiva porque todos os órgãos envolvidos - Receita Federal, Ministério do Trabalho, INSS, e Caixa Econômica Federal - ainda estão elaborando as regras de negócio. "O que vai orientar os fornecedores de software e as áreas de TI das empresas é o manual de XML que trará todas as especificações de arquivos que precisam ser enviados. Em fevereiro começa o processo de homologação dos eventos iniciais num ambiente de testes do Serpro", sinaliza Roberto Plá. Mais de 40 empresas participam do projeto piloto do esocial, entre as quais estão Banco do Brasil, Odebrecht, Petrobras, Grupo Ultra, SAP, Totvs, ADP e LG. Ângela Rachid, gerente de produto da ADP, especializada em outsourcing de RH, explica que empresas com poucos funcionários podem informar os dados diretamente na tela do esocial um a um. Mas, para as grandes empresas com extensas folhas de funcionários, será necessária a transmissão de arquivos, por isso os sistemas são necessários. A ADP não vende seu software, mas opera a folha de pagamento de clientes a partir de suas instalações. "Com o esocial, será tudo automatizado e de forma transparente para o cliente, inclusive com um workflow para apontar prazos fora do período e inconsistências no input dos dados. Vamos transmitir cerca de 5 milhões de registros de 6,2 mil clientes", assegura Ângela. Os fornecedores de ERP também já estão promovendo as mudanças em seus sistemas. Marcelo Souccar, diretor do segmento de serviços e jurídico da Totvs, informa que a empresa tem quatro clientes participando do processo de validação das mudanças trazidas pelo esocial: Tegma Logística, CHG Automotiva, Disal e Usina Alto Alegre (UAA). "O esocial não vai interferir só na folha de pagamentos, trata-se da junção de um sem número de obrigações fiscais num único arquivo para que todos os órgãos tenham a mesma informação. Exige alteração em diferentes módulos dos nossos ERPs. Também estamos oferecendo um módulo específico: o Totvs Automação Fiscal, que poderá ser usado até por empresas que não usam nossos ERPs", diz Souccar. Kelly Ribeiro, consultora da SAP, informa que a empresa já entregou para os clientes para testes o módulo de RH com as alterações que foram desenvolvidas pelo centro de localização em São Leopoldo (RS). A empresa avalia desenvolver um produto de esocial para clientes que não utilizam o SAP. "Ainda não temos o road map, mas o desenvolvimento será rápido." A LG, especializada em sistemas de RH, participa do piloto do Sped Social desde 2009 e está promovendo as alterações na sua suíte de RH e se preparando para entregar para os clientes o módulo de esocial que lê as informações na suíte. "O módulo esocial é um centralizador responsável pela comunicação com a Receita", explica Sáttila Silva, gerente de planejamento da LG.

18 A empresa lançou duas soluções: o Atualização esocial e o serviço Diagnóstico esocial. O primeiro permite que os usuários atualizem e insiram os dados cadastrais solicitados pelo governo federal. Já o Diagnóstico esocial apoiará no levantamento das informações necessárias para os cadastros de funcionários da empresa e dos dados provenientes de outros sistemas que são demandados pelo esocial. Segundo Ricardo Funari, diretor presidente da Synchro, o maior desafio é a complexidade de regras trabalhistas. "São 25 regras fiscais contra mais de 3 mil normas trabalhistas." Transmissão deve começar com produtor rural Fonte: Valor Econômico. Se não houver mais mudanças, as primeiras transmissões de eventos para a plataforma do esocial devem começar dia 30 de abril para um pequeno grupo de brasileiros. São cerca de 100 mil a 200 mil produtores rurais familiares, que, por lei, podem ter um empregado por até 120 dias. O aplicativo para eles é web, à semelhança dos empregados domésticos, de acordo com o Serpro. A expectativa é que os produtores rurais familiares se socorram das cooperativas e sindicatos para ter acesso a computadores e poder fazer o envio de dados. O módulo simplificado do produtor rural já foi apresentado a gestores públicos, agricultores e presidentes de sindicatos de trabalhadores rurais de Santa Catarina. O Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR) irá se reunir no início de fevereiro na Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), em Brasília, para debater e estruturar qual a melhor ação para a capacitação dos sindicatos e o repasse de informações aos produtores rurais. A ideia inicial é realizar cursos para dar esclarecimentos sobre o sistema e capacitar agentes para o preenchimento do programa. Segurados especiais também passam a ter que enviar informações pelo esocial a partir de 1º de maio. O cronograma previsto em circular da Caixa Econômica Federal aponta outras três etapas para a implantação do programa. Em 30 de junho as empresas tributadas pelo lucro real devem fazer o registro no esocial. Para as empresas tributadas pelo lucro presumido, entidades imunes e isentas e optantes do regime especial unificado de arrecadação de tributos e contribuições devidos pela microempresa e empresas de pequeno porte que fazem parte do Simples Nacional, do microempreendedor individual, contribuinte individual equiparado a empresa e outros equiparados a empresa ou a empregador, o prazo para o envio de informações vai até 30 de novembro. A última etapa, até 31 de janeiro de 2015, está reservada aos órgãos da administração direta da União, Estados, Distrito Federal e municípios, bem como suas autarquias e fundações.

19 Embora os estudos para o desenvolvimento do esocial tenham começado em 2009, todos os ministérios e órgãos federais envolvidos com o programa admitem que precisam melhorar a comunicação com as empresas para ajudá-las a incorporar a plataforma. O esforço final é para aprimorar os canais de diálogo. O comitê gestor do esocial trabalha ainda no desenvolvimento de um módulo simplificado para que as pequenas e microempresas possam cumprir as obrigações e aquelas que já têm sistema de folha de pagamento possam se comunicar diretamente com a plataforma. A expectativa de aumento inicial de custo das empresas, por exemplo, contradiz um dos objetivos do esocial", diz o auditor-fiscal José Alberto Maia, do Ministério do Trabalho e Emprego. "Estamos devendo informações mais detalhadas para facilitar a vida das empresas. Vamos alterar o manual para ajudar as empresas a se adaptar à ferramenta", afirma Daniel Belmiro, da Receita Federal. De acordo com especialistas, a maioria das empresas não está preparada para a implantação do esocial. "O esocial vai exigir um acompanhamento mais de perto, porque a informação chegará mais rápido ao Fisco", diz Luciana Ferrante, da Mazars. Ajuste requer suporte de especialistas Fonte: Valor Econômico. A preparação das empresas para entrar no esocial requer investimentos em mudança da cultura organizacional e tecnologia da informação. Imaginar que a tarefa está restrita ao departamento de recursos humanos pode dificultar a realização do dever de casa. Por um lado, o governo mantém que o prazo para a implantação desse pacote de mudanças é adequado. Consultores e empresas não estão tão convencidos. As grandes porque o volume de informações que precisam inserir no sistema é muito grande. Só o layout do esocial tem 200 folhas. As pequenas enfrentam outras barreiras. Muitas não centralizam as informações em um departamento e operam de forma pouco organizada. O encaminhamento do tema não diverge muito entre grandes, pequenas ou medias. Existem as que já descobriram o seu caminho e as que ainda não começaram a se adequar internamente. As dificuldades de encarar o desafio sozinha tem feito com que ajuda externa - de consultorias, escritórios de advocacia e contabilidade - seja requisitada. A pequena Além da Arte - Produtos Aromatizados vai direto ao ponto. Já se inscreveu em um curso da Fiesp para tomar conhecimento do assunto e seu escritório de contabilidade está se atualizando para depois atualizar os diretores.

20 A Nestlé, por exemplo, instituiu um grupo multissetorial que envolve principalmente as áreas de recursos humanos e tecnologia da informação para tratar da implementação do esocial. Com mais de 21 mil colaboradores, a empresa garante que atenderá o sistema quando este entrar em vigor. No momento, o grupo está em prospecção com o mercado para avaliar qual a solução mais adequada. O consultor Marcelo Cordeiro, da área de tributação da PwC, afirma que o prazo é relativamente apertado. Ele recomenda que as empresas passem a operar dentro da lógica da multidisciplinaridade. Na prática, isso significa envolver setores responsáveis por processos tão diferentes como folha de pagamento, jurídico, impostos, compras, financeiro, controladoria e tecnologia da informação. A adequação às exigências do governo exige uma atenção redobrada às legislações trabalhista, previdenciária e do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), além do decreto 3000, de 1999, sobre o Imposto de Renda. Como as necessidades são diferentes segundo as práticas de cada empresa, o sistema de tecnologia da informação precisa ser adequado. Algumas rodam a folha de pagamento em casa, outras terceirizam a atividade. As multinacionais chegam a rodar a folha fora do país. Para funcionar em sintonia, os diferentes departamentos das empresas serão obrigados a conversar. Faz parte da rotina das empresas que departamentos específicos contem com a colaboração de autônomos. Em alguns casos, a contratação e os trâmites envolvidos nessa operação não são conhecidos pelo RH. Sem a sinergia necessária, a colaboração de terceiros - pessoa física ou jurídica - pode se transformar num problema. As práticas dos parceiros também merecem atenção. O diretor de impostos da E&Y, Marcelo Godinho, concorda que as dificuldades são grandes, que as empresas estão assustadas com o volume de informações exigido, mas ressalta outro ponto. As que operam num ambiente de concorrência e que cumprem com suas obrigações serão favorecidas. As competidoras que atuam com elevado grau de informalidade e, por conta disso, conseguem oferecer preços muito inferiores precisarão se adequar às novas regras e as discrepâncias tendem a desaparecer. A Ideias Consultoria, de Recife, atendeu 272 empresas no ano passado. Especializada em pequenas em empresas, tem muitos clientes no ramo alimentício como padarias, restaurantes e, no varejo, principalmente mercadinhos. Segundo o diretor Marlos Hossein, o tema ainda não se tornou prioridade para esse grupo. "As adesões acontecerão da metade do ano para frente, mas por enquanto essas empresas estão despreparadas", diz. Neste momento, os escritórios de contabilidade frequentam os primeiros cursos para se adequar à legislação.

Saiba tudo sobre o esocial

Saiba tudo sobre o esocial Saiba tudo sobre o esocial Introdução Com a criação do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), o Governo propiciou maior controle e agilidade na fiscalização das informações contábeis e fiscais

Leia mais

esocial Informações e Orientações Atualizadas

esocial Informações e Orientações Atualizadas esocial Informações e Orientações Atualizadas Conceito e Objetivos do esocial O esocial é uma ação conjunta destes órgãos e entidades do governo federal: Caixa Econômica Federal Instituto Nacional do Seguro

Leia mais

O que é? Pra que serve? Quem promove? Como vai funcionar? O dia a dia? Quando começa? Agenda. E agora, o que tenho que fazer????

O que é? Pra que serve? Quem promove? Como vai funcionar? O dia a dia? Quando começa? Agenda. E agora, o que tenho que fazer???? Fevereiro de 2014 O que é? Pra que serve? Quem promove? Como vai funcionar? O dia a dia? Quando começa? Agenda E agora, o que tenho que fazer???? O QUE É AFINAL? Componente do SPED (Sistema Público de

Leia mais

Agora começa a ser implementado o esocial, que constituirá a maior e mais complexa parte do Sped.

Agora começa a ser implementado o esocial, que constituirá a maior e mais complexa parte do Sped. Introdução O que é esocial? Com a criação do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), o Governo propiciou maior controle e agilidade na fiscalização das informações contábeis e fiscais das empresas

Leia mais

Linha do Tempo até esocial

Linha do Tempo até esocial Linha do Tempo até esocial 2005 Nfe 2006 Sped Fiscal 2007 Sped Contábil 2011 Desoneração da Folha de Pagamento 2013 esocial Sped Folha INVESTIMENTO DA RFB T REX Fabricado pela IBM e montado nos Estados

Leia mais

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 OBRIGATORIEDADE A empresa é obrigada a elaborar mensalmente a folha de pagamento da remuneração paga devida ou creditada a todos os segurados

Leia mais

Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo

Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo JOSE DE SOUZA MARQUES Contador e Advogado, pós graduado em Controladoria e Auditoria e em Direito Processual Tributário. Obrigações atuais

Leia mais

E-SOCIAL. Comunicamos que entrará em vigor, a partir de Abril de 2014, o novo projeto do governo, denominado E-Social.

E-SOCIAL. Comunicamos que entrará em vigor, a partir de Abril de 2014, o novo projeto do governo, denominado E-Social. E-SOCIAL Comunicamos que entrará em vigor, a partir de Abril de 2014, o novo projeto do governo, denominado E-Social. O E-Social é um projeto do governo federal que vai unificar o envio de informações

Leia mais

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais;

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais; Ref.: nº 26/2015 esocial 1. Conceito O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações descritas em seu objeto, armazenando-as em Ambiente Nacional, possibilitando aos órgãos participantes,

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

esocial Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Copyright 2013 1

esocial Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Copyright 2013 1 esocial Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Copyright 2013 1 O que é esocial? É o projeto de escrituração digital da folha de pagamento e das obrigações trabalhistas, previdenciárias

Leia mais

www.portalesocial.com.br

www.portalesocial.com.br www.portalesocial.com.br ÍNDICE: Introdução Pág. 03 O esocial: principais mudanças e desafios Pág. 03 Objetivos do esocial Pág. 04 Vantagens do esocial Pág. 04 Sobre a Pesquisa Pág. 05 Implantação do esocial:

Leia mais

Como preparar minha empresa para o esocial?

Como preparar minha empresa para o esocial? 1 Como preparar minha empresa para o esocial? SUMÁRIO Introdução Você sabe o que é o esocial? Como está sua empresa? Os pontos mais importantes para se adequar 3.1 - Criar um comitê 3.2 - Mapear os processos

Leia mais

O esocial e os desafios junto à fiscalização previdenciária, trabalhista e tributária. Necessidade de organização e consequências previsíveis.

O esocial e os desafios junto à fiscalização previdenciária, trabalhista e tributária. Necessidade de organização e consequências previsíveis. O esocial e os desafios junto à fiscalização previdenciária, trabalhista e tributária. Necessidade de organização e consequências previsíveis. Renan Cesco de Campos VIII Fórum de Relações Trabalhistas

Leia mais

Como o esocial muda o dia a dia da sua empresa?

Como o esocial muda o dia a dia da sua empresa? Como o esocial muda o dia a dia da sua empresa? SISTEMA HUMANUS DE GESTÃO DE RH O QUE É O ESOCIAL? O esocial é um projeto do governo federal que vai unificar o envio de informações pelo empregador em relação

Leia mais

APRENDA AS MUDANÇAS DE FORMA FÁCIL

APRENDA AS MUDANÇAS DE FORMA FÁCIL 2014 APRENDA AS MUDANÇAS DE FORMA FÁCIL I S O esocial está causando arrepios, mas pouca gente já sabe exatamente o que é. Em poucas palavras, o esocial é um programa do governo federal que tenta consolidar

Leia mais

TAX. esocial 2014. PAINEL FIEAM, CIEAM e CAMARA- NIPO BRASILEIRA. Abril de 2014 Tax

TAX. esocial 2014. PAINEL FIEAM, CIEAM e CAMARA- NIPO BRASILEIRA. Abril de 2014 Tax TAX esocial 2014 PAINEL FIEAM, CIEAM e CAMARA- NIPO BRASILEIRA Abril de 2014 Tax kpmg 1 Histórico T-Rex e Harpia A partir de 2006 a Receita Federal do Brasil colocou em operação um equipamento capaz de

Leia mais

Navegação em Nuvem. Abrangência Atual

Navegação em Nuvem. Abrangência Atual SPED Apresentação Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal (PAC

Leia mais

esocial Uma nova forma de registro dos eventos trabalhistas

esocial Uma nova forma de registro dos eventos trabalhistas esocial Uma nova forma de registro dos eventos trabalhistas José Maia Ministério do Trabalho e Previdência Social Eduardo Tanaka Receita Federal Apresentação: - Visão geral do projeto - Aspectos conceituais

Leia mais

esocial Como iniciar a implantação Parceria Fenabrave-SC Anelore B Tolardo

esocial Como iniciar a implantação Parceria Fenabrave-SC Anelore B Tolardo esocial Como iniciar a implantação Parceria Fenabrave-SC Anelore B Tolardo O que é o esocial Nova forma de enviar as informações dos trabalhadores para o governo. SPED Sistema Público de Escrituração Digital

Leia mais

esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas

esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas O que é o esocial? O Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (esocial)

Leia mais

Cenário Atual. Os empregadores devem preencher inúmeras declarações e documentos que possuem as mesmas informações.

Cenário Atual. Os empregadores devem preencher inúmeras declarações e documentos que possuem as mesmas informações. índice O que é o esocial?...03 Cenário Atual...04 Cenário Ideal...05 Abrangência...06 Identificadores das Empresas...07 Identificadores...08 Módulo Consulta Cadastral...09 Órgãos envolvidos no Projeto...11

Leia mais

Café da Manhã ANEFAC Os desafios da folha de pagamento eletrônica esocial Palestra + Discussão = Informação

Café da Manhã ANEFAC Os desafios da folha de pagamento eletrônica esocial Palestra + Discussão = Informação Café da Manhã ANEFAC Os desafios da folha de pagamento eletrônica esocial Palestra + Discussão = Informação Agenda Simpósio Serão 3 palestras seguidas, de 15 minutos cada, os temas e tópicos serão os seguintes:

Leia mais

Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo

Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo CONSTRUÇÃO CONJUNTA Receita Federal do Brasil; Caixa; Instituto Nacional do Seguro Social INSS; Ministério da Previdência Social MPS;

Leia mais

esocial NOVA ERA NAS RELAÇÕES ENTRE EMPREGADORES, EMPREGADOS E GOVERNO Victoria Sanches Tax & Accounting Software Thomson Reuters, Brasil

esocial NOVA ERA NAS RELAÇÕES ENTRE EMPREGADORES, EMPREGADOS E GOVERNO Victoria Sanches Tax & Accounting Software Thomson Reuters, Brasil esocial NOVA ERA NAS RELAÇÕES ENTRE EMPREGADORES, EMPREGADOS E GOVERNO Victoria Sanches Tax & Accounting Software Thomson Reuters, Brasil O FUTURO CHEGOU... As coisas acontecem muito rápido cada vez mais

Leia mais

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL NF-e Abrangência ECD esocial EFD EFD - IRPJ CT-e NFS-e E-Lalur FCont O esocial é um projeto do governo federal que vai unificar

Leia mais

NONO NONONO NO NONO NONO NONONO NONO CIESP Centro das Indústrias do Estado de São Paulo DR de Sorocaba

NONO NONONO NO NONO NONO NONONO NONO CIESP Centro das Indústrias do Estado de São Paulo DR de Sorocaba SPED Sistema Público de Escrituração Digital esocial NONO NONONO NO NONO NONO NONONO NONO CIESP Centro das Indústrias do Estado de São Paulo DR de Sorocaba 7 de outubro de 2014 O SPED Sistema Público de

Leia mais

Quais são os objetivos?

Quais são os objetivos? O que é EFD-Social EFD é a sigla para Escrituração Fiscal Digital. É o nome dado ao sistema que vai unificar o registro de escrituração das empresas em um único cadastro a ser compartilhado por diversos

Leia mais

e-social - VERSÃO 2.1

e-social - VERSÃO 2.1 Recursos Humanos OBRIGAÇÕES TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA NA FOLHA DE PAGAMENTO Março de 2016 - Brasília Realização Workshop OBRIGAÇÕES TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA NA FOLHA DE PAGAMENTO Apresentação Com

Leia mais

1 Informações diversas Câmara aprova ampliação de parcelamento do Refis da crise O plenário da Câmara aprovou na noite desta quarta-feira (21) a medida provisória que amplia o parcelamento de débitos tributários,

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais

ASSUNTOS DIVERSOS FÉRIAS COLETIVAS

ASSUNTOS DIVERSOS FÉRIAS COLETIVAS BOLETIM INFORMATIVO DUARTE BENETTI CONTABILIDADE ANO XXIX Nº 122 Dezembro / 2013 Assuntos Diversos...1 Fiscal... 2 Pessoal... 3 Social... 4 Feriado e Agenda Obrigações...5 Mensagem...6 ASSUNTOS DIVERSOS

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Palestrantes: Reginaldo da Silva dos Santos, André Bocchi e. Luis Antônio dos Santos

Palestrantes: Reginaldo da Silva dos Santos, André Bocchi e. Luis Antônio dos Santos esocial SEMINÁRIO Uma realidade RETENÇÕES a ser DE enfrentada IMPOSTOS pelos E CONTRIBUIÇÕES profissionais de RH, Contabilidade e de Gestão Administrativa Palestrantes: André Bocchi da Silva Reginaldo

Leia mais

Pequenas empresas devem ficar atentas ao novo esocial

Pequenas empresas devem ficar atentas ao novo esocial Boletim 712/2015 Ano VII 04/03/2015 Pequenas empresas devem ficar atentas ao novo esocial As empresas terão um ano para se adaptar às novas formas de declarações de dados trabalhistas, o esocial. Apesar

Leia mais

O que é o esocial? esocial subprojeto do SPED

O que é o esocial? esocial subprojeto do SPED O que é o esocial? esocial subprojeto do SPED Transmissão única Informações de folha de pagamento e de outras obrigações trabalhistas, previdenciárias e tributárias pelo empregador em relação aos seus

Leia mais

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa mais ágil, com menos papel e mais resultados. 2 ÍNDICE

Leia mais

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Como trabalhamos? no passado a pouco tempo Daqui para frente ECD Escrituração Contábil Digital IN RFB 787/07 O que é? : É a substituição

Leia mais

Dra. Valéria de Souza Telles. esocial - Dra. Valéria de Souza Telles 1

Dra. Valéria de Souza Telles. esocial - Dra. Valéria de Souza Telles 1 Dra. Valéria de Souza Telles esocial - Dra. Valéria de Souza Telles 1 Manual de Orientação do e - Social Versão 1.0 (Ato Declaratório Executivo SUFIS nº 5/13 DOU de 18/07/2013) Manual de Orientação do

Leia mais

Escrituração Fiscal da Folha de Pagamento e das Obrigações Previdenciárias (EFD-Social) esocial

Escrituração Fiscal da Folha de Pagamento e das Obrigações Previdenciárias (EFD-Social) esocial Escrituração Fiscal da Folha de Pagamento e das Obrigações Previdenciárias (EFD-Social) esocial O esocial vem mudar a legislação? Qual o prazo para o registro de funcionários? Art. 5º O empregador anotará

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA E O e-social UMA VISÃO GERAL

SAÚDE E SEGURANÇA E O e-social UMA VISÃO GERAL SAÚDE E SEGURANÇA E O e-social UMA VISÃO GERAL Jose Luiz P. de Barros Gerente de Segurança do Trabalho GST Diretoria de Qualidade de Vida DQV Membro Titula da CTPP Membro Titula da CT-SST Membro Titula

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

Desvendando o esocial

Desvendando o esocial 2011 Março de 2012 Outubro de 2012 1º semestre de 2013 Julho/2013 Primeiros layouts (não oficiais) Estudo dos layouts Primeira proposta de solução Segunda proposta de solução Indefinições do Governo Não

Leia mais

Boletim Mensal - Novembro/2015

Boletim Mensal - Novembro/2015 Boletim Mensal - Novembro/2015 Fiscal Contábil RH Notícias Calendário Obrigações Fiscal Fisco irá cruzar informações de bancos com o Imposto de Renda e apertar contribuinte. A partir de janeiro de 2016,

Leia mais

Adequação ao esocial Como se preparar?

Adequação ao esocial Como se preparar? www.pwc.com.br/esocial Adequação ao esocial Como se preparar? Agenda 1 2 3 4 5 Introdução O que é o esocial? Pesquisa Como as empresas estão se preparando? Impactos Mudanças no manual e seus impactos Discussão

Leia mais

www.pwc.com.br A preparação das empresas para o esocial www.pwc.com/br Titulo Subtitulo

www.pwc.com.br A preparação das empresas para o esocial www.pwc.com/br Titulo Subtitulo www.pwc.com.br A preparação das www.pwc.com/br empresas para o esocial Titulo Subtitulo Índice Índice Apresentação 3 Sobre a pesquisa 5 Principais conclusões da pesquisa 7 Como as empresas estão se preparando

Leia mais

A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS

A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS Informe Jurídico - nº I - 2014 A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS De acordo com o artigo 1º da Lei Complementar nº 110, de 29 de junho de 2001, em caso de demissão de empregado sem justa causa,

Leia mais

Contribuição Sindical dos empregados. Neste bip. Você sabia? edição 19 Março de 2012

Contribuição Sindical dos empregados. Neste bip. Você sabia? edição 19 Março de 2012 Neste bip Contribuição Sindical dos empregados... 1 Alterações no Aviso Prévio conforme Circular MTE 10/2011... 2 Formas de contabilização da Escrita Fiscal... 3 Importação de Notas Fiscais de Serviço...

Leia mais

03/05/2015. Entendendo o esocial

03/05/2015. Entendendo o esocial Entendendo o esocial 1 O que é o esocial O esocialé o instrumento de unificação da prestação das informações referentes à escrituração das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas e tem por finalidade

Leia mais

Artigo explica sobre as obrigações do e-social Fonte: Conselho Regional de Contabilidade de Santa Catarina

Artigo explica sobre as obrigações do e-social Fonte: Conselho Regional de Contabilidade de Santa Catarina Artigo explica sobre as obrigações do e-social Fonte: Conselho Regional de Contabilidade de Santa Catarina Você já deve ter ouvido falar do esocial. Se ainda não ouviu, certamente ouvirá, e continuará

Leia mais

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Análise do Projeto de Lei que dispõe sobre os planos de custeio e de benefícios do regime próprio de previdência social do Estado da Paraíba No dia 20

Leia mais

Curso esocial voltado à Administração Pública - Uma Relação Transparente com o Fisco.

Curso esocial voltado à Administração Pública - Uma Relação Transparente com o Fisco. Mostrar Todos Curso esocial voltado à Administração Pública - Uma Relação Transparente com o Fisco. Aspectos Tributários e Trabalhistas, no SPED, através da prática aplicada. Agora é Oficial! Instituído

Leia mais

O esocial e os desafios trabalhistas. A mudança na rotina de pessoal.

O esocial e os desafios trabalhistas. A mudança na rotina de pessoal. O esocial e os desafios trabalhistas. A mudança na rotina de pessoal. esocial -É o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhista (esocial); -Trata-se de um projeto

Leia mais

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS ESCRITA FISCAL A nota eletrônica é melhor do que a nota em papel? Sim a nota eletrônica não possui custo para emissão, necessitando apenas de um computador, um certificado digital

Leia mais

Comércio Varejista Obrigado a emitir NFeem substituição a Nota Fiscal modelo-1 ou 01-A.

Comércio Varejista Obrigado a emitir NFeem substituição a Nota Fiscal modelo-1 ou 01-A. Informativo Junho/2015 edição 22 Comércio Varejista Obrigado a emitir NFeem substituição a Nota Fiscal modelo-1 ou 01-A. O DECRETO Nº 52.094, de 27 de novembro de 2014, estabelece prazo final para a dispensa

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Dia: 07/01/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

II Seminário esocial Uma nova era nas relações entre empregadores, empregados e governo

II Seminário esocial Uma nova era nas relações entre empregadores, empregados e governo II Seminário esocial Uma nova era nas relações entre empregadores, empregados e governo Câmara Americana de Comércio São Paulo / SP 02/10/2015 Paulo Roberto Magarotto Auditor-Fiscal da Receita Federal

Leia mais

Neste bip. EFD Contribuições. Você sabia? Prazo final para entrega dos arquivos ECD e FCONT. edição 22 Junho de 2012

Neste bip. EFD Contribuições. Você sabia? Prazo final para entrega dos arquivos ECD e FCONT. edição 22 Junho de 2012 Neste bip EFD Contribuições... 1 Prazo final para entrega dos arquivos ECD e FCONT... 1 Configuração da Demonstração do Fluxo de Caixa... Configuração do Plano de Contas de acordo com a Lei 11.638/07...

Leia mais

Andrezza Célia Moreira

Andrezza Célia Moreira Andrezza Célia Moreira Contadora e Perita Sócia da JANIR MOREIRA & CONTADORES ASSOCIADOS Conselheira do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais CRC-MG O esocial é um projeto do governo federal

Leia mais

A preparação das empresas para o esocial

A preparação das empresas para o esocial www.pwc.com.br A preparação das empresas para o esocial Fevereiro de 2014 (DC2) Uso Restrito na PwC - Confidencial Agenda O esocial e seus impactos Sobre a pesquisa Principais conclusões Governança do

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

Potenciais riscos do esocial Como previnir? 2015 Grant Thornton International Ltd. All rights reserved.

Potenciais riscos do esocial Como previnir? 2015 Grant Thornton International Ltd. All rights reserved. Potenciais riscos do esocial Como previnir? Agenda 1 2 Contexto Introdutório Definição, Objetivos, Operacionalização, Comprovante/recibo de entrega; Sequência lógica de transmissão; Recolhimento de encargos

Leia mais

PRINCIPAIS DIFICULDADES PARA A APLICAÇÃO DO SPED CONTÁBIL E FISCAL 1

PRINCIPAIS DIFICULDADES PARA A APLICAÇÃO DO SPED CONTÁBIL E FISCAL 1 PRINCIPAIS DIFICULDADES PARA A APLICAÇÃO DO SPED CONTÁBIL E FISCAL 1 FERNANDES, Alexandre Roberto Villanova 2 ; KIRINUS, Josiane Boeira 3 1 Trabalho de Pesquisa _URCAMP 2 Curso de Ciências Contábeis da

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário)

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Integra o Programa de Unificação do Crédito Previdenciário) PUC 1 (Fazendário e Iniciativa

Leia mais

Boletim Mensal Novembro/2014

Boletim Mensal Novembro/2014 Boletim Mensal Novembro/2014 Fiscal Contábil Sumário RH Notícias Calendário de obrigações Fiscal MP 651 é prorrogada e convertida em lei nº 13.043/2014. O objetivo é estimular a economia do país, com custos

Leia mais

O que é o esocial? esocial subprojeto do SPED. MTE, CAIXA, RFB, Previdência, outros

O que é o esocial? esocial subprojeto do SPED. MTE, CAIXA, RFB, Previdência, outros O que é o esocial? esocial subprojeto do SPED Transmissão única Informações de folha de pagamento e de outras obrigações trabalhistas, previdenciárias e tributárias pelo empregador em relação aos seus

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos. WORKSHOP esocial. www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 09/10/2013

Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos. WORKSHOP esocial. www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 09/10/2013 Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos WORKSHOP esocial www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 09/10/2013 Sejam bem vindos, clientes e amigos Equipe da Soft Trade responsável pelo workshop

Leia mais

Receita Federal do Brasil CAE/Senado Federal, maio de 2007

Receita Federal do Brasil CAE/Senado Federal, maio de 2007 do Brasil CAE/Senado Federal, maio de 2007 Objetivos da criação da RFB Financiamento do Estado e da Previdência Social Aumento da percepção de risco pelo descumprimento Estímulo ao cumprimento espontâneo

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Versão 2.0 21/10/2015 Alterações em relação à versão anterior Alterado: itens 11, 13, 22, 29, 30, 33, 34, 40, 45, 47 e 50 Incluído: itens 12, 14, 15,

Leia mais

e-social Alexandre Corrêa

e-social Alexandre Corrêa e-social Alexandre Corrêa e-social O e-social consiste na escrituração digital da folha de pagamento e das obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais. Permitirá uma fiscalização muito mais eficaz,

Leia mais

.: Registro de Eventos Trabalhistas (RET): férias, aviso prévio, admissões, etc: análise e orientação sobre o preenchimento correto das informações;

.: Registro de Eventos Trabalhistas (RET): férias, aviso prévio, admissões, etc: análise e orientação sobre o preenchimento correto das informações; Gonzaga & Rocha Cursos e Treinamentos & FACEC - Faculdade de Ciência e Educação do Caparaó promovem: CURSO esocial.: Orientar os participantes sobre as principais regras e leiaute do esocial (Sistema de

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COMITÊ GESTOR DO ESOCIAL RESOLUÇÃO Nº 4, DE 20 DE AGOSTO DE 2015

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COMITÊ GESTOR DO ESOCIAL RESOLUÇÃO Nº 4, DE 20 DE AGOSTO DE 2015 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COMITÊ GESTOR DO ESOCIAL RESOLUÇÃO Nº 4, DE 20 DE AGOSTO DE 2015 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Decreto nº 8.373, de 11 de dezembro de 2014; Resolução n 2, de 3 de julho de

Leia mais

EFD-Social. Rio de Janeiro, 23 de Janeiro de 2013

EFD-Social. Rio de Janeiro, 23 de Janeiro de 2013 EFD-Social Arquitetura Rio de Janeiro, 23 de Janeiro de 2013 Simplificação das Obrigações Tributárias Prestação de Serviço ao Contribuinte-Cidadão x Modelo Tributário Complexo Pacto Federativo Combate

Leia mais

QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O. São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS!

QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O. São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS! QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 www.qsm.com.br ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS! O fato de mudarmos de ano nos faz revigorados e prontos para novos

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

Projeto esocial Aspectos Legais

Projeto esocial Aspectos Legais Projeto esocial Aspectos Legais ÍNDICE O que é o esocial Cenários e Leiaute Cronograma do Governo Fiscalização e Penalidades ÍNDICE O que é o esocial? O esocial é um projeto do Governo Federal, com implantação

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS O empregador deve efetuar o pagamento de salários aos empregados até o 5º (quinto) dia útil do mês subsequente ao vencido.

Leia mais

Lopes Contabilidade. Rua: Santana, 176 Centro Mogi das Cruzes-SP. Telefones: (11) 4796-9798 / (11) 2378-5434. Site: www.lopescontabilidade.com.

Lopes Contabilidade. Rua: Santana, 176 Centro Mogi das Cruzes-SP. Telefones: (11) 4796-9798 / (11) 2378-5434. Site: www.lopescontabilidade.com. Rua: Santana, 176 Centro Mogi das Cruzes-SP Telefones: (11) 4796-9798 / (11) 2378-5434 Site: www.lopescontabilidade.com.br E-mail: contato@lopescontabilidade.com.br Engana-se quem julga que contabilidade

Leia mais

esocial O que muda na sua empresa? TAX

esocial O que muda na sua empresa? TAX TAX esocial O que muda na sua empresa? 20XX KPMG, uma [estrutura legal] brasileira e firma-membro da rede KPMG de firmasmembro independentes e afiliadas à KPMG International Cooperative ( KPMG International

Leia mais

esocial: Sistema de escrituração digital das obrigações fiscais e previdenciários e trabalhistas

esocial: Sistema de escrituração digital das obrigações fiscais e previdenciários e trabalhistas 1 esocial: Sistema de escrituração digital das obrigações fiscais e previdenciários e trabalhistas Mariano Yoshitake Elisangela Perez Francisco Santos Ventura Gerson Barroso Camargo Luciana Alves Alípio

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 Obrigação Salário Mensal Fato Gerador e Fundamento Legal Pagamento mensal da remuneração. (ver nota 1) Salário-Mínimo Valor atual de R$ 788,00 - Decreto nº 8.381/14. Pró-labore Código

Leia mais

Neste bip. Férias Coletivas. Você Sabia? Edição 53 Janeiro de 2015

Neste bip. Férias Coletivas. Você Sabia? Edição 53 Janeiro de 2015 Neste bip Férias Coletivas... 1 Configurar Tarefas Automáticas... 2 Pedido de Rescisão e Interrupção do Aviso Prévio... 3 Cadastro NIS em Lote... 3 Erro ao Gerar a Depreciação de Um Período... 5 Férias

Leia mais

TRIBUTOS: SAIBA COMO DOMINAR OS FANTASMAS DA BUROCRACIA CORPORATIVA

TRIBUTOS: SAIBA COMO DOMINAR OS FANTASMAS DA BUROCRACIA CORPORATIVA 1 SUMÁRIO Introdução Quais as principais obrigações com que devo me preocupar? ECF EFD Contribuições SPED Fiscal SPED Contábil esocial Como lidar com todas essas informações? Organize-se para evitar penalizações

Leia mais

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN - Treinar e capacitar os profissionais que cobram e atendem inadimplentes nas escolas; - Cadastrar os inadimplentes

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Porto Alegre 26 de Julho de 2010 CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO presidencia.cft@camara.gov.br

Leia mais

CURSO LEGISLAÇÃO TRABALHISTA, PREVIDENCIÁRIA e NR S DO TRABALHO com IMPACTOS, RISCOS e IMPLEMENTAÇÃO DO esocial

CURSO LEGISLAÇÃO TRABALHISTA, PREVIDENCIÁRIA e NR S DO TRABALHO com IMPACTOS, RISCOS e IMPLEMENTAÇÃO DO esocial CURSO LEGISLAÇÃO TRABALHISTA, PREVIDENCIÁRIA e NR S DO TRABALHO com IMPACTOS, RISCOS e IMPLEMENTAÇÃO DO esocial LEGISLAÇÃO TRABALHISTA, PREVIDENCIÁRIA e NR S DO TRABALHO com IMPACTOS, RISCOS e IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas O governo brasileiro, por meio da Receita Federal do Brasil (RFB), está implantando mais um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes.

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais