E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il M i in a s G Ge er a i is B e el lo H o or i iz zo on t te CM CONSULTORIA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il M i in a s G Ge er a i is B e el lo H o or i iz zo on t te CM CONSULTORIA 1"

Transcrição

1 ESTUDOS DE MERCADO Brasil Minas Gerais Belo Horizonte CM CONSULTORIA 1

2

3 SUMÁRI O I. CENÁRIO SOCIOECONÔMICO Contexto Demográfico Contexto Empresarial Domicílios Urbanos e Classe Social Potencial de Consumo Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte Algumas Considerações...9 II. CONTEXTO EDUCACIONAL Contexto da Educação Básica Contexto do Ensino Superior Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte Ampliação das Instituições de Ensino Superior IES Quantitativo de cursos Ampliação no quantitativo de vagas Análise comparativa do quantitativo de candidatos Análise comparativa do quantitativo de ingressantes Ampliação no número de matrículas Ampliação no quantitativo dos concluintes Análise dos processos seletivos...24 III. ANÁLISE DO DESEMPENHO DAS MAIORES IES Ranking das 10 maiores IES privadas Brasil Ranking das 10 maiores IES privadas Minas Gerais Ranking das 10 maiores IES privadas Belo Horizonte...28 IV. CONSIDERAÇÕES FINAIS

4 I. CENÁRIO SOCIOECONÔMICO A análise dos indicadores econômicos e sociais apresentada neste estudo considerou, em especial, o estado de Minas Gerais, mais especificamente sua capital Belo Horizonte, correlacionando a às principais variáveis sociais e econômicas e tendo presente ainda os dados nacionais. Ressalta se que as informações em análise, baseiam se em informações disponíveis nos principais institutos de pesquisas socioeconômicas do país, referendados no documento. O produto interno bruto (PIB) mineiro cresceu 93% em termos reais no período de 1975 e Em igual período, o Brasil registrou o crescimento de 65%. Esse relevante desempenho verificou se, sobretudo, no setor de transformação e nos serviços industriais de utilidade pública. Na indústria extrativa mineral, a supremacia mineira perdurou até 1980, quando o país passou a explorar, entre outras, as jazidas do complexo Carajás. Entretanto, em 1999, o estado ainda respondia por 53% do valor da produção mineral brasileira do setor de metálicos. Minas Gerais é atualmente (2009) a terceira economia do Brasil. O produto interno bruto do Estado, que representa 9,6% do PIB do país, tem apresentado taxas superiores à média nacional nos últimos anos. Conta ainda com uma economia diversificada, na qual vem ganhando cada vez mais espaço o segmento de serviços, que responde por cerca de 59,98% do PIB. O setor industrial representa 32,01%, enquanto a agropecuária é responsável pelos 8,01% restantes. O Estado de Minas Gerais tem a segunda maior rede de ensino público do Brasil, com 5,3 milhões de alunos em salas de aula e investe 29,4% da arrecadação no setor de educação, o que representa R$ 4,86 bilhões, apresentando, no ensino superior mais de 289 instituições. O atendimento à saúde ocorre com os mais de 700 hospitais, gerais e especializados, distribuídos em todas as regiões do Estado e visa à regionalização com o programa de saúde preventiva, composto por equipes de saúde que atendem aproximadamente 64,8% do território estadual. O governo tem intensificado a atuação na gestão do meio ambiente trabalhando a gestão dos recursos hídricos, a melhoria da qualidade ambiental, a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento florestal. 1. Contexto Demográfico A área de abrangência do estado de Minas Gerais perfaz Km 2, dos quais o município de Belo Horizonte ocupa 331 km 2 (0,06% do território estadual). A população estimada de Minas Gerais em 2008 foi de 19,5 milhões, dos quais 2,5 milhões de habitantes (10,5%) são de Belo Horizonte, e se concentram em sua totalidade na área urbana, segundo dados do IPC Target 1. Neste contingente populacional, o estado de Minas Gerais tem o predomínio do sexo feminino, com 50,8% do total da população, frente a 49,2% do contingente masculino, no município de Belo Horizonte, o sexo feminino é mais representativo, a proporção de mulheres é de (52,7%), frente à população masculina, que é de (47,3%). Quanto à faixa etária, tanto em âmbito nacional, quanto estadual e municipal, o quantitativo de pessoas com idades entre 30 e 49 anos é o que prevalece. No estado de Minas Gerais, essa proporção chega a 28,5% e no município, a proporção aumenta para 30,7%. Nota se que a representatividade das faixas etárias (20 a 29 anos e 30 a 49 anos), representa 50,0% da população. 1 Informações segundo o IPC Target 2008 Brasil em foco. 4

5 Estes indicadores se revelam como fatores determinantes para o progresso regional do município mineiro quando associados ao índice de alfabetização que em 2008, abrangeu 88,8% da população, na capital Belo Horizonte, superior ao índice estadual que é de 82,5%, sendo ainda superior a média nacional, que é de 80,3%. Da mesma forma, outro aspecto preponderante é a densidade demográfica de Belo Horizonte que se posiciona no patamar de 7.409,3 habitantes por km 2. O crescimento demográfico atingiu 1,33% ao ano, acima da média estadual (1,13%) e da média nacional, (1,22%). A tabela a seguir, apresenta os dados populacionais do Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte: Tabela 1. População Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte, População Brasil Minas Gerais Belo Horizonte Dados (% ) Dados (% ) Dados (% ) Área (km 2 ) ,5 6,9% 331 0,06% População ,5% ,5% Urbana ,4% ,6% ,0% Rural ,6% ,4% 0,0% Gênero Homens ,9% ,2% ,3% Mulheres ,1% ,8% ,7% Faixa Etária 0 4 anos ,3% ,6% ,9% 5 9 anos ,9% ,4% ,1% anos ,1% ,8% ,2% anos ,2% ,2% ,4% anos ,2% ,9% ,3% anos ,8% ,5% ,7% Mais de 50 anos ,4% ,5% ,3% Alfabetizada ,3% ,5% ,8% Crescimento demográfico (% a.a.) 1,22 1,13 1,33 Densidade demográfica (hab/ km 2 ) 22,01 33, ,3 Fonte: IPC Target, Contexto Empresarial O perfil empresarial do estado de Minas Gerais, segundo a distribuição por setores econômicos, é direcionado à prestação de serviços (39,0%), em seguida as atividades do comércio (46,8%) e as da indústria (12,9%). Na capital mineira, ocorre a concentração nas áreas de prestação de serviços e comercial, com empresas registradas. Destas empresas, estão inseridas no segmento de prestação de serviços e 34,6% vinculadas ao comércio. A representatividade do setor industrial e da área de agribusiness totaliza apenas 12,7% na economia do município. A representatividade destes setores econômicos, em âmbito nacional, se apresenta em igual linha de participação percentual. A tabela que segue detalha os percentuais de participação dos principais setores da economia, considerando o Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte, em No caso do município de Belo Horizonte, a prestação de serviços gerais responde por 68,5% e a indústria em geral apresenta 57,2%. Nota se que na área comercial, o varejo é mais significativo, respondendo por 83,9% do número de estabelecimentos do respectivo setor. 5

6 Tabela 2. Setores Econômicos Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte, Setores Brasil Minas Gerais Belo Horizonte Dados (% ) Dados (% ) Dados (% ) Indústria ,8% ,9% ,4% Serviços ,6% ,0% ,6% Agribusiness ,1% ,4% ,3% Comércio ,5% ,8% ,6% Total Detalhamento dos Setores Brasil Minas Gerais Belo Horizonte Dados (% ) Dados (% ) Dados (% ) Serviços de Saúde ,8% ,1% ,8% Agências Bancárias ,7% ,7% 379 0,6% Educação ,8% ,8% ,0% Administração Pública ,9% ,0% 232 0,4% Atividades Financeiras ,7% ,9% ,3% Correios e Telecomunicações ,0% ,0% 455 0,7% Transporte ,8% ,8% ,4% Alojamento/Alimentação ,9% ,5% ,3% Serviços em Geral ,4% ,0% ,5% Indústria Extrativa ,6% ,3% 242 1,8% Construção ,7% ,9% ,6% Reciclagem ,9% 642 0,7% 94 0,7% Prod./Distr.Eletric/Gás/Água ,4% ,2% 100 0,7% Indústria em Geral ,4% ,8% ,2% Comércio Atacadista ,2% ,7% ,1% Comércio Varejista ,8% ,3% ,9% Fonte: IPC Target, Domicílios Urbanos e Classe Social Segundo o dicionário Houaiss 2, classe social é definida como grupo ou camada de pessoas numa sociedade estratificada, que se caracterizam por seu nível de vida, seus direitos ou privilégios e, em especial, pelo papel que desempenham na produção econômica. A classificação da ABEP 3 Associação Brasileira de Estudos Populacionais segundo o critério padrão de classificação econômica brasileira (CCEB 2008) delimita e subdivide essas classes sociais no padrão alfanumérico: Tabela 3. Classes por renda Brasil, Classes (CCEB2008) Renda Familiar Média Classe A1 R$ ,00 Classe A2 R$ 8.930,00 Classe B1 R$ 4.408,00 Classe B2 R$ 2.470,00 Classe C1 R$ 1.444,00 Classe C2 R$ 912,00 Classe D R$ 608,00 Classe E R$ 342,00 Fonte: TARGET Brasil em Foco Dicionário eletrônico Houaiss versão Critério Padrão de Classificação Econômica Brasil/2008 elaborado em Junho/07, em vigor desde Janeiro/08. 6

7 É importante ressaltar que a ABEP levou em consideração algumas variáveis, além do critério econômico, como o número de automóveis, aparelhos de TV em cores, rádios, número de banheiros, quantidade de empregadas domésticas, posse de máquina de lavar roupa, geladeiras e freezers, vídeo cassete ou DVD, além do nível de instrução do chefe de família. Assim, apesar da classificação, a ABEP reconhece que não existem cortes naturais na distribuição de renda, bem como uma única técnica para encontrar os cortes corretos, sendo os critérios de separação, de acordo com a conveniência do usuário. Estes critérios servem apenas para mensuração no estudo econômico de uma determinada localidade. Neste sentido, analisando o número de domicílios urbanos de Minas Gerais e sua correlação com a faixa de renda da população, observou se que dos mais de 4,8 milhões de domicílios, 24,1% são habitados por famílias/pessoas que se enquadram na faixa de renda da classe (C1). Em seguida, a classe (C2) apresenta maior representatividade. No município de Belo Horizonte, dos domicílios, a maior representatividade é da classe social (C1) (23,8%), diferentemente da classificação estadual, a segunda classe com mais representatividade quanto à renda, é a classe (B2). A média brasileira de domicílios urbanos quanto a faixa de renda, enquadra se na classe (C1) e em seguida, a classe (C2). A tabela a seguir, apresenta detalhadamente os números de domicílios urbanos (Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte) e o enquadramento, segundo a faixa de renda da população. Tabela 4. Domicílios urbanos por classe social Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte, Faixa de Renda Brasil Minas Gerais Belo Horizonte A ,7% ,6% ,4% A ,9% ,3% ,3% B ,0% ,2% ,8% B ,4% ,1% ,7% C ,0% ,1% ,8% C ,8% ,1% ,7% D ,5% ,7% ,2% E ,8% ,8% ,1% Total ,0% Fonte: IPC Target, Potencial de Consumo Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte Outro aspecto analisado no presente estudo foi o índice de potencial de consumo (IPC) de Minas Gerais e Belo Horizonte em comparação com a média nacional. Este indicador traduzse da participação percentual no potencial total de consumo da população, e, considerando que o potencial de consumo nacional é de 100%, foi possível estabelecer o índice de participação relativa de Minas Gerais e Belo Horizonte. A tabela a seguir, destaca o índice IPC e o consumo per capita do Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte no ano de Tabela 5. Índice IPC Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte, CONSUMO Brasil Minas Gerais Belo Horizonte Índice Potencial de Consumo ,30 1,91 Consumo per capita urbano R$ ,79 R$ ,87 R$ ,63 Consumo per capita rural R$ 3.083,87 R$ 3.541,01 R$ 0,00 Fonte: IPC Target, Nota se que o IPC relativo a Minas Gerais é de 10,30, ou seja, para cada R$ 100,00 7

8 gastos na economia brasileira, R$ 10,30 são gastos no estado mineiro. Já o consumo per capita da população urbana apurado foi de R$ ,87 ao ano. Na capital mineira, estima se que para cada R$ 100,00 gastos na economia brasileira, R$ 1,91 são gastos em Belo Horizonte, sendo o consumo per capita de R$ ,63, acima da média brasileira e estadual. Outra análise em destaque é a que se refere ao percentual de consumo considerando a classe social e sua relação com os domicílios e as despesas da população urbana e a faixa de renda. Observou se que a classe social (A2) é a que despende maior remuneração com matrículas e mensalidades escolares (4,7%), sendo que a modalidade de despesas (33,1%) ocupa o primeiro lugar no orçamento familiar. Em seguida, a classe (A1) é a mais representativa nesse sentido, ao despender 4,1% da remuneração com matrículas e mensalidades e 48% com despesas em geral. Ressalta se que, se por um lado, a faixa de renda predominante do município de Belo Horizonte é a classe (C1), o potencial de consumo revela que as maiores despesas concentram se na manutenção do lar, restando às matrículas e mensalidades escolares a 7ª posição. A tabela que segue detalha o consumo da população, estratificada por classe social: Tabela 6. Consumo e despesas da população urbana Belo Horizonte, Belo Horizonte Classes A1 A2 B1 B2 C1 C2 D E Alimentação no domicílio 5,5% 8,6% 13,5% 16,3% 16,7% 21,3% 23,1% 24,7% 13,6% Alimentação fora do domicílio 3,1% 4,3% 4,9% 5,2% 5,1% 5,3% 4,2% 3,9% 4,7% Bebidas 0,7% 0,9% 1,3% 1,4% 1,3% 1,7% 1,8% 1,6% 1,2% Manutenção do lar 16,4% 19,1% 23,9% 25,0% 27,9% 28,1% 28,3% 33,9% 23,4% Artigos de limpeza 0,4% 0,5% 0,7% 1,0% 1,0% 1,2% 1,4% 1,4% 0,8% Mobiliários e artigos do lar 1,3% 1,5% 1,6% 1,9% 2,1% 2,4% 2,6% 2,4% 1,8% Eletrodomésticos e equipamentos Total 1,1% 1,4% 1,8% 2,0% 1,9% 2,1% 2,6% 3,2% 1,8% Vestuário confeccionado 2,3% 3,0% 3,9% 4,2% 4,2% 4,3% 4,1% 4,2% 3,7% Calçados 0,8% 1,2% 1,6% 1,8% 1,7% 1,7% 1,6% 1,4% 1,5% Outras despesas com vestuário 0,3% 0,5% 0,4% 0,3% 0,3% 0,3% 0,5% 0,2% 0,4% Transportes urbanos 0,7% 1,8% 2,5% 2,8% 3,6% 2,8% 2,2% 2,3% 2,4% Gastos com veículo próprio 4,4% 5,2% 5,2% 3,4% 2,7% 2,3% 1,1% 0,8% 4,1% Higiene e cuidados pessoais 0,8% 1,4% 2,0% 2,1% 2,5% 2,1% 1,9% 2,1% 1,9% Gastos com medicamentos 1,5% 2,1% 2,8% 2,9% 2,6% 3,1% 4,5% 3,8% 2,6% Outras despesas com saúde 2,7% 3,8% 3,6% 3,1% 2,8% 2,2% 2,8% 1,5% 3,2% Livros e material escolar 0,5% 0,8% 0,8% 1,0% 1,0% 1,5% 1,2% 1,3% 0,9% Matrículas e mensalidades 4,1% 4,7% 2,5% 0,9% 1,6% 0,5% 0,2% 0,2% 2,5% Despesas com recreação e cultura 2,2% 2,4% 2,2% 2,0% 1,4% 1,2% 1,0% 0,7% 2,0% Despesas com viagens 3,0% 3,5% 2,3% 2,0% 1,8% 1,3% 1,3% 1,2% 2,4% Fumo 0,2% 0,3% 0,5% 0,8% 0,8% 0,8% 0,8% 0,9% 0,6% Outras despesas 48,0% 33,1% 22,0% 19,9% 17,1% 13,8% 12,9% 8,4% 24,6% Consumo urbano (em bilhões) Fonte: IPC Target, ,29 8,53 7,37 7,14 4,66 2,06 1,17 0,06 33,30 8

9 5. Algumas Considerações A economia mineira tem sido impulsionada pelos setores da indústria, serviços e agropecuária e segundo os resultados econômicos do Estado, ao longo de 2008, nota se um índice de crescimento acima da média nacional, mesmo com queda no quarto trimestre de No aspecto demográfico, analisadas as principais considerações em relação ao estado mineiro, observa se que a população chega a mais de 19 milhões de habitantes, dos quais 9,2% são jovens com idades entre 15 e 19 anos, e, a renda per capita soma R$ ,87. A população estimada do município de Belo Horizonte soma 2,5 milhões de habitantes, 12,5% em relação ao total estimado em âmbito estadual, sendo que 8,4% são jovens com idades entre 15 e 19 anos. Acima da média nacional, a renda per capita de Belo Horizonte, enquadra se predominantemente entre as classificações de renda (B2 e C1), que, juntamente com os demais itens em análise, apresentam forte propensão populacional à demanda por serviços educacionais. 9

10 II. CONTEXTO EDUCACIONAL A análise em foco revela a importância da educação superior para o desenvolvimento socioeconômico do Brasil, sendo a formação profissional, via ensino superior, um instrumento de mobilidade e condicionante para minimizar as desigualdades sociais. Assim, a análise dos indicadores educacionais, subsidiada pelos censos da educação básica e superior, não é apenas informativa, mas imprescindível para a construção de tendências do cenário educacional, em especial no ensino superior. Portanto, revisitar as informações de 2007 e conhecer as de 2008, não pode ser visto apenas como um exercício de atualização de conhecimentos sobre o ensino brasileiro, mas como subsídio indispensável para a construção de um modelo de tendência educacional. 1. Contexto da Educação Básica A divulgação do Censo da Educação Básica 2008 demonstra que as matrículas do ensino básico cresceram 0,4%, frente a 2007, atingindo 53,2 milhões de alunos. É importante observar que o setor de educação profissional, apesar de representar menos de 1,5% do total de matrículas, apresentou o crescimento de 14,7%, frente a A tabela a seguir, apresenta as matrículas da educação básica no Brasil, entre os anos de 2007 e 2008 e os percentuais de crescimento. Tabela 7. Matrículas da educação básica Brasil, em Modalidades de Educação Básica Matrículas / Ano 2008 (a) 2007(b) (a/ b) Total Educação Básica ,40% Educação Infantil ,20% Creche ,90% Pré escola ,80% Ensino Fundamental ,10% Ensino Médio ,00% Educação Profissional ,70% Educação Especial ,20% Educação de Jovens e Adultos ,80% Ensino Fundamental ,10% Ensino Médio ,00% Fonte: MEC/Inep/Deed. Outro aspecto a ser avaliado é o número de matrículas nas escolas públicas e privadas. Ressalta se que as escolas privadas apresentaram o crescimento de 11,2% nas matrículas em 2008, com relação a 2007, enquanto que o ensino público apresentou queda de 1,1% no número de matrículas, considerando o mesmo período. A tabela a seguir, apresenta o número de matrículas na educação básica, considerando os setores públicos e privados, no período de 2007 e

11 Tabela 8. Comparação das matrículas da educação básica setores públicos e privados Brasil, em 2007/2008. Modalidade Educação Básica Matrículas na Educação Básica Total Público Privado % % % ,40% ,10% ,20% Educação Infantil ,20% ,90% ,50% Ensino Fundamental ,10% ,60% ,30% Ensino Médio ,00% ,00% ,20% Educação Profissional ,70% ,10% ,00% Educação Especial ,20% ,00% ,30% Educação de Jovens e Adultos ,80% ,10% ,90% Fonte: MEC/Inep/Deed. Destaca se que na educação básica, as matrículas do ensino médio e da educação de jovens e adultos (EJA) influenciam diretamente as matrículas do ensino superior. A partir deste cenário, nota se que matrículas do ensino médio se mantiveram estáveis nos anos de 2007 e 2008, ocorrendo apenas um pequeno crescimento de 2% nas matrículas da educação de jovens e adultos. Visando a uma análise comparativa, a tabela a seguir detalha as matrículas no ensino médio brasileiro, por estado e região, tornando evidente essa estabilidade nos anos de 2007 e 2008 na maioria dos estados e regiões. Destaca se que as regiões sudeste e nordeste apresentaram maiores números de matrículas e crescimento de 0,7% e 0,4% respectivamente. As regiões centro oeste, norte e sul apresentaram quedas de 2,9%, 2,1% e 0,3% nas matrículas, respectivamente. Tabela 9. Matrículas no ensino médio Brasil, em 2007/2008. Unidade da Federação Matrículas % Brasil ,00% Norte ,10% Rondônia ,10% Acre ,10% Amazonas ,80% Roraima ,80% Pará ,30% Amapá ,10% Tocantins ,20% Nordeste ,40% Maranhão ,40% Piauí ,20% Ceará ,20% R. G. do Norte ,70% Paraíba ,70% Pernambuco ,60% Alagoas ,20% Sergipe ,20% Bahia ,80% Sudeste ,70% Minas Gerais ,40% Espírito Santo ,60% Rio de Janeiro ,10% 11

12 Unidade da Federação Matrículas % São Paulo ,20% Sul ,30% Paraná ,70% Santa Catarina ,90% R. G. do Sul ,60% Centro Oeste ,90% Mato Grosso do Sul ,70% Mato Grosso ,90% Goiás ,00% Distrito Federal ,20% Fonte: MEC/Inep/Deed. Ressalta se que a educação de jovens e adultos EJA (ensino fundamental) é destinada à população jovem acima de 15 anos e para o EJA (ensino médio) direciona se a população jovem com idade acima dos 18 anos. Assim, o número de matrículas no EJA (principalmente no ensino médio), pode ser compreendido como fonte expressiva de matrículas para o ensino superior. Neste sentido, o quantitativo das matrículas da educação de jovens e adultos (EJA) leva em consideração os alunos que pretendem obter o diploma do ensino fundamental e os que desejam o diploma de ensino médio, apresentando queda de 0,8% em 2008, com relação ao ano anterior. Esse declínio é decorrente da baixa de 2,1% no número de matrículas do ensino fundamental, apesar do crescimento de 2,0% nas matrículas do ensino médio. O crescimento de 2,0% nas matrículas do EJA (ensino médio) demonstra o interesse da população em ampliar a qualificação estudantil, podendo a graduação tecnológica se tornar foco das IES, no oferecimento da formação profissional. Tabela 10. Matrículas na educação de jovens e adultos Brasil, 2007/2008. Unidades da Federação Ensino Médio Matrícula Educação de Jovens e Adultos Ensino Fundamental 2008 (a) 2007 (b) (a/b) 2008(c) 2007(d) (c/d) Brasil ,00% ,10% Norte ,60% ,80% Rondônia ,50% ,20% Acre ,00% ,70% Amazonas ,00% ,70% Roraima ,50% ,00% Pará ,00% ,70% Amapá ,90% ,50% Tocantins ,30% ,20% Nordeste ,10% ,20% Maranhão ,50% ,20% Piauí ,00% ,10% Ceará ,70% ,10% R. G. do Norte ,80% ,00% Paraíba ,60% ,80% Pernambuco ,30% ,10% Alagoas ,20% ,40% Sergipe ,00% ,00% Bahia ,80% ,80% Sudeste ,10% ,20% Minas Gerais ,70% ,90% Espírito Santo ,60% ,10% Rio de Janeiro ,50% ,10% São Paulo ,30% ,20% Sul ,60% ,40% 12

13 Unidades da Federação Ensino Médio Matrícula Educação de Jovens e Adultos Ensino Fundamental 2008 (a) 2007 (b) (a/b) 2008(c) 2007(d) (c/d) Paraná ,20% ,40% Santa Catarina ,10% ,50% R. G. do Sul ,80% ,00% Centro Oeste ,60% ,20% M. G. do Sul ,20% ,10% Espírito Santo ,70% ,60% Goiás ,80% ,70% Distrito Federal ,50% ,00% Fonte: MEC/Inep/Deed. 2. Contexto do Ensino Superior Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte O censo da educação superior 2007, divulgado pelo INEP apresentou dados educacionais imprescindíveis para estudos de mercado e análises de demandas, fornecendo informações quantitativas a serem trabalhadas pelo segmento do ensino superior brasileiro. Observa se que o cenário educacional vem se consolidando ao longo da última década, associado ao aumento do market share educacional, da criação de grandes redes e grupos educacionais, promovendo mudanças expressivas no setor. Ressalta se que a presente análise retrata informações anteriores a 2007, porém estima se que em 2009, o ensino de graduação apresenta um quantitativo de matrículas bem mais expressivo, pois os comunicados relevantes 4, divulgados pelas maiores redes de ensino superior, revelam que algumas já ultrapassaram a barreira psicológica de mais de 200 mil matrículas no primeiro semestre de Os gráficos que seguem apresentam os dados do censo do ensino superior 2007 e uma breve análise, em especial, em relação ao Brasil, estado de Minas Gerais e município de Belo Horizonte, objeto de estudo deste trabalho. 2.1 Ampliação das Instituições de Ensino Superior IES Atualmente, existem 319 IES no estado de Minas Gerais, representando 13,98% das IES brasileiras. Na capital minera existem 49 IES, que representam 2,1% do total nacional e 16,36% da IES do estado. Nota se que, entre os anos 2000 e 2007, houve significativa evolução na oferta dos serviços educacionais tanto no âmbito nacional, quanto no âmbito regional, já que o estado de Minas Gerais apresentou a expansão de 136% no número de IES e o município de Belo Horizonte, 104% no período. O gráfico a seguir, apresenta a evolução do número de IES e percentuais de crescimento no período de 2000 a Anhanguera Educacional, Estácio Participações, Kroton Educacional e SEB Educacional. 13

14 Gráfico 1. Evolução das IES Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte, 2000/2007. BRASIL 93% MINAS GERAIS 136% BELO HORIZONTE 104% Em relação ao crescimento de IES, no período de 2000 a 2007, o processo de interiorização no estado de Minas Gerais justifica se pela expansão de 88% das escolas públicas, já que o município de Belo Horizonte não apresentou registros de implantação de novas instituições. As IES privadas apresentaram o crescimento de 143% no âmbito estadual, ficando superior aos 132% de crescimento na capital mineira. A tabela a seguir, apresenta a ampliação no número de IES, (Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte), considerando a variável localização (capital e interior), bem como a categoria (pública e privada). Tabela 11. Evolução no número de IES Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte, 2000/2007. BRASIL /2007 CAPITAL % INTERIOR % PÚBLICA % PRIVADA % ESTADO DE MINAS GERAIS /2007 ESTADO % PÚBLICA % PRIVADA % CIDADE DE BELO HORIZONTE /2007 CAPITAL % PÚBLICA % PRIVADA % Destaca se ainda a ampliação das IES em Belo Horizonte. No período de 2000 a 2007, houve um crescimento de 132%, (IES privadas), passando de 19 IES em 2000 para 44 IES, em O gráfico a seguir, ilustra essa evolução do número de IES públicas e privadas em Belo Horizonte, considerando o período em análise. 14

15 Gráfico 2. Evolução das IES públicas e privadas Belo Horizonte, 2000/2007. PRIVADA 132% PÚBLICA 0% 2.2 Quantitativo de cursos Observa se que o censo educacional de 2007 registrou a existência de cursos de graduação no Brasil, o que sugere um crescimento de 122%, se comparado a oferta registrada pelo censo educacional de Da mesma forma, o estado de Minas Gerais, apresentou o crescimento de quase 200%, quando comparado à quantidade de cursos registrada no censo educacional de 2000 com os dados apresentados pelo censo de 2007, passando de 974 para cursos. No município de Belo Horizonte, foi possível mensurar um crescimento de 171% na oferta de cursos de graduação, passando de 168 cursos em 2000, para 455 cursos em O gráfico a seguir apresenta essa evolução de cursos, tanto em âmbito nacional quanto em âmbito estadual e municipal. Gráfico 3. Evolução no número de cursos Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte, 2000/2007. BRASIL 122% MINAS GERAIS 193% BELO HORIZONTE 171% 15

16 Ainda em relação à evolução da oferta de cursos de graduação em Belo Horizonte, no período de 2000 a 2007, as IES públicas apresentaram crescimento de 26% na oferta de cursos. No que se refere às IES privadas, houve crescimento de 245% e nota se um foco diretamente relacionado à demanda do mercado de trabalho, que busca formação mais específica, rápida e que exija menor investimento. Gráfico 4. Evolução no número de cursos, IES públicas e privadas Belo Horizonte, 2000/2007. PRIVADA 245% PÚBLICA 26% 2.3 Ampliação no quantitativo de vagas A ampliação do número de vagas no ensino superior brasileiro apresentou o crescimento de 132%, no período de 2000 a Nota se que em 2007, foram disponibilizadas vagas no âmbito nacional. A forte ampliação no quantitativo de vagas também é observada em âmbito estadual, que apresentou expansão de 194% no período em análise, quando em 2000, foram ofertadas vagas e em 2007, vagas. Especificamente, em Belo Horizonte, observou se que a ampliação no número de vagas é ainda maior, com crescimento de 219%, oferecendo em 2007, vagas. O gráfico a seguir, apresenta essa evolução no número de vagas no Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte, no período de 2000 a

17 Gráfico 5. Evolução do número de vagas Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte, 2000/2007. BRASIL 132% MINAS GERAIS 194% BELO HORIZONTE 219% A expansão do número de vagas, considerando o âmbito privado das IES de Belo Horizonte demonstrou que as vagas ofertadas em 2007, contribuíram para o crescimento de 287% no período 2000 a Já o número de vagas ofertadas pelas instituições públicas no mesmo período possibilitou o crescimento de 6% apenas. O gráfico a seguir, ilustra a ampliação de vagas nas IES públicas e privadas, em Belo Horizonte, no período 2000/2007. Gráfico 6. Evolução das vagas IES públicas e privadas, Belo Horizonte, 2000/2007. PRIVADA 287% PÚBLICA 6% 17

18 2.4 Análise comparativa do quantitativo de candidatos No âmbito nacional, o censo educacional de 2007 aponta a existência de candidatos, o que permite mensurar uma evolução de 29%, considerando os dados apresentados a partir do censo educacional de Em Minas Gerais, o crescimento de 25%, um pouco aquém da média brasileira, colaborou para que o número de candidatos saísse de alunos em 2000, para alunos em Especificamente em Belo Horizonte, registrou se o número de candidatos em 2007, permitindo apontar um crescimento de apenas 5%, no período de 2000 a O gráfico a seguir, apresenta essa evolução do número de candidatos no Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte. Gráfico 7. Evolução dos candidatos, Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte, 2000 a BRASIL 29% MINAS GERAIS 25% BELO HORIZONTE 5% O gráfico a seguir, apresenta essa evolução do número de candidatos em Belo Horizonte e os percentuais de crescimento (IES publicas e privadas), no período em análise ( ). Ressalta se que do total de candidatos em Belo Horizonte, pertencem aos processos seletivos das IES privadas e participaram da seleção nas IES públicas. Apesar da evolução de 26% nos processos seletivos das IES privadas, nota se que após 2004, ocorre paulatina redução no número de candidatos. A mesma redução ocorre nas IES públicas, que apresentaram decréscimo de 14% no crescimento, considerando o período em análise. 18

19 Gráfico 8. Evolução dos candidatos IES públicas e privadas, Belo Horizonte, 2000/2007. PRIVADA 26% PÚBLICA 14% 2.5 Análise comparativa do quantitativo de ingressantes A evolução na quantidade de ingressantes nas IES brasileiras apresentou no período 2000 a 2007 um crescimento de 65%. Em 2007, o censo educacional registrou o ingresso de alunos no ensino superior. No âmbito estadual, o quantitativo de ingressantes quase que dobrou no período em análise, ao apresentar o crescimento de 92%, perfazendo alunos em Apesar da forte expansão do período, percebe se que ocorre redução pontual no número de ingressantes entre 2006 e 2007, e que pode tornar se uma tendência. O mesmo ocorre na capital mineira, quando o número de ingressantes quase que dobrou no período em análise, ao apresentar o crescimento de 93%, subsidiado pela evolução da demanda dos alunos em 2000 à alunos em O gráfico que segue apresenta essa evolução, no período 2000/2007, considerando o Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte. 19

20 Gráfico 9. Evolução dos ingressantes, Brasil, Minas Gerais e Belo Horizonte, 2000/2007. BRASIL 65% MINAS GERAIS 92% BELO HORIZONTE 93% Ainda em relação ao quantitativo de ingressantes no ensino superior, nota se que em Belo Horizonte, no ano de 2007, houve alunos ingressantes nas IES privadas e somente nas IES públicas. Considerando o período em análise ( ), estes números revelam o crescimento de 124% no ensino privado, muito além da evolução do crescimento de 3% dos ingressos nas IES públicas. O gráfico a seguir apresenta essa evolução em Belo Horizonte. Gráfico 10. Evolução dos ingressantes IES públicas e privadas Belo Horizonte, 2000/2007. PRIVADA 124% PÚBLICA 3% 20

E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il R i io d de J a n e ei ir o CM CONSULTORIA 1

E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il R i io d de J a n e ei ir o CM CONSULTORIA 1 ESTUDOS DE MERCADO Brasil Rio de Janeiro CM CONSULTORIA 1 SUMÁRI O I. CENÁRIO SOCIOECONÔMICO... 4 1. Contexto Demográfico...4 2. Contexto Empresarial...5 3. Domicílios Urbanos e Classe Social...6 4. Potencial

Leia mais

E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il S Sã o P a u l lo C a p pi it ta l CM CONSULTORIA 1

E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il S Sã o P a u l lo C a p pi it ta l CM CONSULTORIA 1 ESTUDOS DE MERCADO Brasil São Paulo Capital CM CONSULTORIA 1 SUMÁRI O I. CENÁRIOS DO MERCADO PARA O ENSINO SUPERIOR... 4 1. Fatores Macroeconômicos...4 1.1 Conjuntura Econômica... 4 1.2 Contexto Demográfico...

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il B a h i ia S Sa l lv va d do or CM CONSULTORIA 1

E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il B a h i ia S Sa l lv va d do or CM CONSULTORIA 1 ESTUDOS DE MERCADO Brasil Bahia Salvador CM CONSULTORIA 1 SUMÁRI O I. CENÁRIOS DO MERCADO PARA O ENSINO SUPERIOR... 4 1. Fatores Macroeconômicos...4 1.1 Conjuntura econômica... 4 1.2 Contexto Demográfico...

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007 Brasília DF 2009 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO.... 3 PROCESSO DE COLETA

Leia mais

(YROXomR GR(QVLQR *UDGXDomR

(YROXomR GR(QVLQR *UDGXDomR (YROXomR GR(QVLQR 6XSHULRU² *UDGXDomR,QVWLWXWRÃ1DFLRQDOÃGHÃ(VWXGRV (& HÃ3HVTXLVDVÃ(GXFDFLRQDLV Brasília, 2 1 DIRETORIA DE INFORMAÇÕES E ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS João Batista Ferreira Gomes Neto COORDENAÇÃO-GERAL

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il G Go oi iá s G Go oi iâ n i ia CM CONSULTORIA 1

E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il G Go oi iá s G Go oi iâ n i ia CM CONSULTORIA 1 ESTUDOS DE MERCADO Brasil Goiás Goiânia CM CONSULTORIA 1 SUMÁRI O I. CENÁRIOS DO MERCADO PARA O ENSINO SUPERIOR... 4 1. Fatores Macroeconômicos...4 1.1 Conjuntura Econômica... 4 1.2 Contexto Demográfico...

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo 2014 2 Índice Palavra do Presidente 4 Educação Superior no Brasil: crescimento forte e constante 5 Instituições de Ensino Superior 6 por Estado Presenciais

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Índice Palavra do Presidente 5 Panorama do Ensino Superior - Brasil 6 / Evolução 7 por Estado / Número de IES 8 Pirâmides Etárias - Presenciais e de EAD

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL GEOGRAFIA CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL 1. ASPECTOS GERAIS O Brasil atualmente apresenta-se como o quinto país mais populoso do mundo, ficando atrás apenas da China, Índia, Estados Unidos e Indonésia.

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 19/03/2015 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2013 Uma análise das condições de vida da população brasileira 29 de

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il S Sa n t ta C a t ta r i in a F l lo or i ia n ó óp po ol li is CM CONSULTORIA

E S ST TU D O S D E M E R C A AD O B r a s i il S Sa n t ta C a t ta r i in a F l lo or i ia n ó óp po ol li is CM CONSULTORIA ESTUDOS DE MERCADO Brasil Santa Catarina Florianópolis CM CONSULTORIA SUMÁRI O I. CENÁRIOS DO MERCADO PARA O ENSINO SUPERIOR... 4 1. Fatores Macroeconômicos...4 1.1 Conjuntura Econômica... 4 1.2 Contexto

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

NOTA TÉCNICA AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E O MERCADO DE TRABALHO NO CEARÁ

NOTA TÉCNICA AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E O MERCADO DE TRABALHO NO CEARÁ Setembro de 2013 AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E O MERCADO DE TRABALHO NO CEARÁ O contexto histórico do desenvolvimento humano auxilia a compreender as dificuldades ainda existentes para o ingresso da pessoa

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 23/01/15 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged),

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção em A todo o Território Nacional. A presente análise visa

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA 2015 MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional José Roberto Bernasconi Diretor Executivo

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

Educação e trabalho em saúde

Educação e trabalho em saúde Educação e trabalho em saúde Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/UERJ. Coordenadora Geral do ObservaRH. Diretora do Centro Colaborador

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES Nº 72 Fevereiro 2014 Análise da Distribuição Espacial das Instituições de Ensino Superior Brasileiras a partir dos Dados do Censo da Educação Superior de 2011 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 O saneamento básico no Brasil não condiz com o país que é a 7ª. economia do mundo da população não possui coleta

Leia mais

Cursos de Graduação a Distância

Cursos de Graduação a Distância de Graduação a Distância 427 428 7 - de Graduação a Distância 7.1 -,,, por Vestibular e Outros Processos Seletivos (*), e nos de Graduação a Distância, segundo as Instituições Brasil 2004 (continua) Instituições

Leia mais

RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009

RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009 Salvador / Ba 2010 Superintendência de Estudos Sociais da Bahia - SEI Diretoria de Pesquisas DIPEQ Coordenação de Pesquisas Sociais COPES RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009 Workshop: A Base de

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Abril de 2015 O Comércio em Números é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho

Leia mais

Educação Financeira na Infância. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Educação Financeira na Infância. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Educação Financeira na Infância 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: A sondagem teve por objetivo identificar informações relacionadas à educação financeira durante

Leia mais

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006.

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. DEMOGRAFIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL: AS DESIGUALDADES REGIONAIS* FERNANDA R. BECKER UERJ Resumo: A População brasileira está se transformando, passando por mudanças significativas nas últimas décadas. Estas

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas 2012Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 Sumário Prova ABC

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

Mais de 446 mil estudantes se inscreveram para as vagas do SiSU

Mais de 446 mil estudantes se inscreveram para as vagas do SiSU Mais de 446 mil estudantes se inscreveram para as vagas do SiSU Data: 20/06/2011 Veículo: G1 O Sistema de Seleção Unificada (SiSU) para vagas no ensino superior no meio do ano teve mais de 446.508 inscritos.

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2010 / 2011 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente

Leia mais

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica Programa 2031 - Educação Profissional e Tecnológica Número de Ações 200 Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil 2013

Estatísticas do Registro Civil 2013 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estatísticas Vitais e Estimativas Populacionais Estatísticas do Registro Civil 2013 Dezembro de 2014 Estatísticas do Registro

Leia mais

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Agosto de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 03 o Sumário... 04 o Perfil dos respondentes... 05 o Pretensão

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2014 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2014 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do RS. Radiografia da. Educação Infantil. Estado do. Rio Grande do Sul em 2013. Edição. jan/2015

Tribunal de Contas do Estado do RS. Radiografia da. Educação Infantil. Estado do. Rio Grande do Sul em 2013. Edição. jan/2015 Tribunal de Contas do Estado do RS Radiografia da Educação Infantil no Estado do Rio Grande do Sul em 2013 Edição jan/2015 Radiografia da Educação Infantil no Estado do Rio Grande do Sul em 2013 Edição

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social Oferta de vagas por instituição UNIVERSIDADES FEDERAIS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE 408 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA 636 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2013 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2013 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 1 BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 Antônio Eugênio Cunha* O brasileiro vai investir 13,5% a mais com educação em 2012 relativo ao ano anterior. Este é o levantamento divulgado

Leia mais

Informe Econômico N 3

Informe Econômico N 3 Conjuntura Econômica Gerente Legislativa: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiário: Tharlen

Leia mais