SEMINÁRIO NACIONAL de GERENCIAMENTO COSTEIRO Brasília, 04 de novembro de 2014.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMINÁRIO NACIONAL de GERENCIAMENTO COSTEIRO Brasília, 04 de novembro de 2014."

Transcrição

1 SEMINÁRIO NACIONAL de GERENCIAMENTO COSTEIRO Brasília, 04 de novembro de Consulta Questionário GERCOs UFs 2014

2 Consulta GERCOs UFs - Objetivo: coletar informações institucionais, normativas, bem como ações desenvolvidas pelos estados brasileiros no âmbito do Gerenciamento Costeiro UFs responderam ao questionário 100% dos Estados Costeiros.

3 I - Informações Institucionais 2) Equipe dos GERCOs/UFs: Total de 79 Técnicos trabalham com o tema nos Estados. Distribuição por região: Formação/Especialização Principais: Biologia, Geografia, Arquitetura e Urbanismo, Agronomia, Geologia, Engº Ambiental, Oceanografia, Economia, Geoprocessamento, Planejamento e Gestão de Recursos Ambientais, Ciência Ambiental, Geodinâmica/geofísica, etc.

4 I - Informações Institucionais 3) Houve realização de encontros, seminários ou cursos envolvendo a temática da Zona Costeira no estado nos últimos 2 anos? Se Sim, Quais? Sim. Em 16 Estados ocorreram diversos eventos envolvendo a temática da Zona Costeira!

5 I - Informações Institucionais 5) Sobre a Comissão Técnica Estadual (CTE): - Há CTE Instituída? Sim (16), Não (1)

6 I - Informações Institucionais 5) Sobre a Comissão Técnica Estadual (CTE): - Principais temas reuniões:

7 I - Informações Institucionais 5) Sobre a Comissão Técnica Estadual (CTE): - As atas das reuniões estão disponibilizadas ao público? Se sim, de que forma? *Em todas são disponibilizadas via site estadual.

8 I - Informações Institucionais 6) Quais ferramentas de comunicação o GERCO/UF utiliza para contato com o público? (site / informativos / redes sociais, outras).

9 II - Instrumentos previstos no PNGC

10 II - Instrumentos previstos no PNGC, ou outros correlatos a) Sobre monitoramento, quais parâmetros de qualidade são monitorados no estado (ex. balneabilidade, qualidade de areia, etc.)? *Há estados que realizam análises concomitantes a balneabilidade inserindo questões como pluviosidade e biodiversidade marinha e lagunar.

11 II - Instrumentos previstos no PNGC, ou outros correlatos Divulgação Balneabilidade:

12 II - Instrumentos previstos no PNGC b) Há um Sistema de Informações do Gerenciamento Costeiro no estado que poderia ser conectado ao SIGERCO? Há informações sobre o gerenciamento costeiro em formato vetorial ou imagens raster que podem ser compartilhadas? Há algum Banco de Dados sobre o gerenciamento costeiro? Utiliza padrõesabertos? Software Livre? Quais?

13 II - Instrumentos previstos no PNGC

14 II - Instrumentos previstos no PNGC Principais ações demandadas nos PGIs Dificuldades - Baixa articulação e dependência junto as CTEs; - Paralisação em inúmeros municípios; - Integração com o PDM; - Adequação aos PDMs. - Demora na análise do PGI pela Coordenação Nacional. Necessidade de revisão dos PGIs;

15 III Envolvimento do Gerenciamento Costeiro nos seguintes temas a) Erosão linha de praia: Licenciamento com foco na proteção da costa Planos de Manejo de Conflitos entre Urbanização e Dunas Plano de Uso da Faixa de Praia em épocas de veraneio Analise de intervenção de obras costeiras Programa de Gestão da Linha de Costa (PGLC) Zoneamento Ecológico Econômico Urbano das Áreas de Ressacas GT de avaliação de vulnerabilidade de praias à erosão costeira Projetos para Recuperação da orla marítima e recomposição de praias arenosas Monitoramento do avanço dos processos erosivos nas praias * Em 8 Estados (48%) há ações sobre Erosão da linha de praia

16 III Envolvimento do Gerenciamento Costeiro nos seguintes temas b) Qualidade ambiental: Elaboração de instrumentos como Zoneamento Eólico, Silvicultura e Biodiversidade; Balneabilidade; Biodiversidade marinha e lagunar; Monitoramento do ar, da água e do solo do litoral; Adoção de metas de qualidade ambiental em subsídio ao ZEEC e ao Plano de Bacia Hidrográfica; * Em 5 Estados costeiros (30%) há ações sobre Qualidade ambiental!

17 III Envolvimento do Gerenciamento Costeiro nos seguintes temas c) Planejamento Marinho: Análise ambiental estratégica para o setor Portuário; Plano de Manejo das Áreas de Proteção Ambiental Marinhas; Zoneamento Ecológico Econômico marinho; Diagnóstico, Análise e aprovação de Parques Aquícolas; Proposição de Áreas marinhas para a criação de UCs marinhas; Análise de áreas de influencia de Bota-fora de dragagens; Licenciamento Ambiental de portos; Zoneamento Ambiental e Territorial das Atividades Náuticas; * Em 4 Estados (24%) há ações sobre Planejamento marinho!

18 III Envolvimento do Gerenciamento Costeiro nos seguintes temas d) Mapeamento de Risco (vulnerabilidade): Mapeamento das áreas de risco, que são levadas em consideração para os enquadramentos no ZEE; Diagnostico Socioambiental; Identificação e mapeamento as áreas de vulnerabilidade ambiental da Zona Costeira; Mapeamento de comunidades e identificação de riscos. * Em 9 Estados costeiros (53%) há ações sobre vulnerabilidade

19 III Envolvimento do Gerenciamento Costeiro nos seguintes temas e) Lixo Marinho: Conferência Regional sobre Lixo Marinho; Educação Ambiental * Em 16 Estados costeiros (94%) não há ações em combate ao Lixo Marinhol!

20 III Envolvimento do Gerenciamento Costeiro nos seguintes temas f) Integração entre a gestão de bacias hidrográficas e a gestão costeira: Cursos sobre a temática água e gestão na zona costeira; Participação em Comitês de Bacia Hidrográfica e Câmaras Técnicas; * Em 8 Estados costeiros (47%) não há ações de integração entre BH e Gestão Costeira!

21 III Envolvimento do Gerenciamento Costeiro nos seguintes temas g) Outros temas: Mapeamento de áreas prioritárias para a Conservação; Fórum Estadual de Manguezais; Gestão de Conflitos de uso e ocupação de solo: Ocupação dos campo de dunas; Projetos de Educação Ambiental: Praia Limpa; Certificação de Praias; Plano de Ordenamento do Uso e Ocupação da Orla Marítima

22 IV Inserção do Gerenciamento Costeiro nos instrumentos de planejamento e orçamento do estado a) Está presente no PPA estadual? Sim 12 70% Não 4 24% S/r 1 6% a) Está presente nas leis orçamentárias estaduais? Sim 12 70% Não 5 30%

23 V Envolvimento dos GERCOs/UFs com temas atinentes a UCs e Licenciamentos. 1) Envolvimento dos GERCOs nas etapas de criação e gestão de UCs:

24 V Envolvimento dos GERCOs/UFs com temas atinentes a UCs e Licenciamentos. 1) Envolvimento dos GERCOs nas etapas de criação e gestão de UCs: => Reconhecimento sobre a necessidade de maior participação das áreas dos GERCOs com os setores responsáveis pelas UCs nos órgãos ambientais estaduais responsáveis. - Indicação e categorização de áreas para UCs - Elaboração dos planos de manejos; - Monitoramento e fiscalização de APAs; - Participação nos Conselhos consultivos e gestores de Ucs.

25 V Envolvimento do GERCO/UF com temas atinentes a UCs e Licenciamentos. 2) Licenciamento (últimos 2 anos LC nº140): Participação dos GERCOs/UF nos processos de licenciamento de empreendimentos):

26 VI - Quais Projetos do GERCO nacional deveriam ser priorizados? Projeto Orla (7); SMC Brasil (5); Sistema de Monitoramento Ambiental da Zona Costeira - SMA (3); Zoneamento Ecológico Econômico Costeiro - ZEEC (2); Planejamento Espacial Marinho PEN (1); Sistema de Informações do Gerenciamento Costeiro SIGERCO (1); Planos Municipais de Gerenciamento Costeiro PMGCs (1); Mapeamento de áreas prioritárias para conservação costeira e marinha em escala regional/local (1); Definição da Linha de Costa (1)

27 VII - Outros temas relevantes: Desenvolvimento de Instrumentos de Planejamento (Zoneamento Ecologico Economico Costeiro Estadual, ZEECs, critérios de gestão ambiental); Troca de informações e experiências; Fortalecimento das coordenações estaduais de gerenciamento costeiro; Identificação de áreas de vulnerabilidade para populações e alto risco sócioambiental na zona costeira, bem como ações específicas; Projetos de Geração de energia; Exploração petrolífera na Bacia Foz do Amazonas; Avaliação ambiental integrada dos impactos da exploração das Bacias Petrolíferas Offshore (Pré-sal); Proteção às Tartarugas Marinhas; Monitoramento da Poluição, da erosão costeira (Linha de Praia) e da ocupação desordenada (discussão sobre ocupação da ZC); Mudanças climáticas; Recursos pesqueiros; Qualidade ambiental;

28 VII - Outros temas relevantes: Obrigado! MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Zoneamento Territorial Gerência Costeira Tel (61)

Ações de Gerenciamento Costeiro no Instituto Estadual do Ambiente

Ações de Gerenciamento Costeiro no Instituto Estadual do Ambiente Ações de Gerenciamento Costeiro no Instituto Estadual do Ambiente Luiz Eduardo de S. Moraes Chefe do Serviço de Gerenciamento Costeiro Gerência de Instrumentos e Gestão do Território Instituto Estadual

Leia mais

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica Documento de referência RBMA: Subsídios para Marco Regulatório de Mosaicos de Áreas Protegidas versão 1.0 agosto 2009 I Definição e base conceitual: 1 Os mosaicos foram definidos no SNUC a partir de: LEI

Leia mais

GERENCIAMENTO COSTEIRO NO ESPÍRITO SANTO

GERENCIAMENTO COSTEIRO NO ESPÍRITO SANTO GERENCIAMENTO COSTEIRO NO ESPÍRITO SANTO RENATO CORREA GOMES Coordenação de Gerenciamento Costeiro - IEMA Vitória, 22 de setembro de 2011 GERENCIAMENTO COSTEIRO O Gerenciamento Costeiro, mais conhecido

Leia mais

Filipe Freitas Mello Secretário de Estado de Planejamento SPG Célia Fernandes Diretora de Desenvolvimento das Cidades DCID

Filipe Freitas Mello Secretário de Estado de Planejamento SPG Célia Fernandes Diretora de Desenvolvimento das Cidades DCID Filipe Freitas Mello Secretário de Estado de Planejamento SPG Célia Fernandes Diretora de Desenvolvimento das Cidades DCID INFORMATIVO 2012 1. INTRODUÇÃO Visando à continuidade das atividades desenvolvidas

Leia mais

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas 1 OBJETIVOS DA OFICINA 1. Apresentar a Estrutura da Agenda Regionais e das Agendas Municipais 2. Apresentar o Objetivo geral do Eixo 3. Apresentar as Diretrizes

Leia mais

saico das Ilhas e Áreas Marinhas Protegidas o Litoral de Sao Paulo

saico das Ilhas e Áreas Marinhas Protegidas o Litoral de Sao Paulo saico das Ilhas e Áreas Marinhas Protegidas o Litoral de Sao Paulo É cada vez mais exíguo o tempo para agir e preservar as diversidades características dos sistemas costeiros e marinhos G. Carleton Ray,

Leia mais

MÓDULO II - DIAGNÓSTICO

MÓDULO II - DIAGNÓSTICO MÓDULO II - DIAGNÓSTICO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

Dimensão ambiental e atuação parlamentar. Consultoras Legislativas da Área XI

Dimensão ambiental e atuação parlamentar. Consultoras Legislativas da Área XI Dimensão ambiental e atuação parlamentar Ilidia Juras Suely Araújo Consultoras Legislativas da Área XI SUMÁRIO "Limites da Terra principais problemas ambientais: no mundo no Brasil A atuação parlamentar

Leia mais

Unidades de Conservação do Estado do Maranhão

Unidades de Conservação do Estado do Maranhão SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL Unidades de Conservação do Estado do Maranhão Lívia Karen Ribeiro de Paula Souza Superintendente

Leia mais

PLANO DE MANEJO DA ZPA-1

PLANO DE MANEJO DA ZPA-1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE FUNDAÇÃO NORTE-RIO-GRANDENSE DE PESQUISA E CULTURA DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE E URBANISMO

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGICO: Desafios para as Pequenas Empresas

PLANEJAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGICO: Desafios para as Pequenas Empresas PLANEJAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGICO: Desafios para as Pequenas Empresas Prof. Dr. Eduardo Trani Faculdade SENAC de Educação Ambiental Seminário de Resultados do Programa de Gestão Ambiental do SEBRAE-SP

Leia mais

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi Justificativa para a criação da Unidade de Conservação - Ponta de Pirangi Os recifes de corais são ecossistemas que abrigam grande biodiversidade marinha, tendo, portanto uma grande relevância ecológica,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Programa 0502 Amazônia Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da Amazônia, mediante o uso sustentável de seus recursos naturais. Indicador(es) Número de Ações 9 Taxa de participação de produtos

Leia mais

GESTORES PÚBLICOS DA GEOINFORMAÇÃO

GESTORES PÚBLICOS DA GEOINFORMAÇÃO GESTORES PÚBLICOS DA GEOINFORMAÇÃO DISPONIBILIZAÇÃO DE GEOINFORMAÇÕES SOBRE AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS FABIANA HESSEL ANALISTA AMBIENTAL DIVISÃO DE CONSOLIDAÇÃO DE LIMITES COORDENAÇÃO GERAL DE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS DERIVAÇÕES ANTROPOGÊNICAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS EM ARACAJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹

ANÁLISE COMPARATIVA DAS DERIVAÇÕES ANTROPOGÊNICAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS EM ARACAJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹ NÁLISE COMPRTIV DS DERIVÇÕES NTROPOGÊNICS EM ÁRES DE MNGUEZIS EM RCJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹ 1 Mestra e Doutoranda em Geografia, UFS, racaju-se, geisecastrosantos@hotmail.com. RESUMO: Os manguezais

Leia mais

Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações de Pesca por Satélite

Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações de Pesca por Satélite Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações de Pesca por Satélite O programa foi instituído por meio da Instrução Normativa Interministerial n.º 02, de 04 de setembro de 2006 e criado em virtude do

Leia mais

CONSELHOS MUNICIPAIS DE CIDADES E PLANOS DIRETORES NO ESTADO DA BAHIA: SITUAÇÃO ATUAL E DESAFIOS

CONSELHOS MUNICIPAIS DE CIDADES E PLANOS DIRETORES NO ESTADO DA BAHIA: SITUAÇÃO ATUAL E DESAFIOS Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia Superintendência de Planejamento e Gestão Territorial SGT Diretoria de Planejamento Territorial - DPLANT Câmara Técnica de Planejamento e Gestão

Leia mais

PLANO DE METAS 2015 DA AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CPRH ÁREA FIM

PLANO DE METAS 2015 DA AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CPRH ÁREA FIM PLANO DE METAS 15 DA AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CPRH ÁREA FIM 1. DIRETORIA DE FONTES POLUIDORAS - DCFP ALIMENTAR O SILIA QUANTO AOS RELATÓRIOS DE VISTORIA PARA EMISSÃO DA LICENÇA DE OPERAÇÃO E RELATÓRIOS

Leia mais

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Março de 2010 TAL Ambiental (Technical Assistance to the Environmental

Leia mais

Ferramentas de Gestão Participativa para Conselhos Gestores de Unidades de Conservação

Ferramentas de Gestão Participativa para Conselhos Gestores de Unidades de Conservação Ferramentas de Gestão Participativa para Conselhos Gestores de Unidades de Conservação Aprender é uma responsabilidade compartilhada Idealização: Mariele Mucciatto Educação Ambiental Parque Nacional do

Leia mais

Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade. Sisbio

Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade. Sisbio Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade Sisbio Sisbio Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade Sistema interativo e simplificado de atendimento à distância e de informação. O

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Histórico 1989 - Plataforma Ambiental Mínima para Candidatos à Presidência 1990 - Plataforma Ambiental Mínima para os Candidatos ao Governo do Estado de São Paulo 1998 - Plataforma Ambiental Mínima para

Leia mais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Uberlândia Minas Gerais Abril de 2015 Índice Introdução... 2 Instrumentos de planejamento e gestão do uso do solo... 2 Zoneamento Ecológico-

Leia mais

ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO COMPARADA SOBRE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS MARINHOS

ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO COMPARADA SOBRE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS MARINHOS ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO COMPARADA SOBRE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS MARINHOS Canadá, União Européia (Espanha, França), Austrália, Nova Zelândia, EUA André Lima OAB/DF 17878 11 de abril de 2013 1) Canadá

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves SNUC Conceito É o conjunto organizado de unidades de conservação protegidas (federais, estaduais, municipais) que, planejado,

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha O Programa de Voluntariado realizado em Fernando de Noronha é oferecido pelo Parque Nacional Marinho, sob gestão do Instituto Chico

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado:

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado: PPCerrado Brasília, 28 de novembro de 2011. 1 O que é o PPCerrado: É um Plano de Ação (tático-operacional) que reúne ações para a redução do desmatamento no Cerrado e a viabilização de alternativas de

Leia mais

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL CEASA GO.

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL CEASA GO. PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL CEASA GO. Breve Currículo José Rodrigues de Oliveira Filho Mestrando em Ecologia e Produção Sustentável pela PUC-GO, Pós-Graduado em Gestão Ambiental pela UCG, Economista e publicitário.

Leia mais

Anexo 2 8 Padrão de Sistema de Envio do Banco de Dados Brutos via SGP e Consulta ao Geoexplo - R00

Anexo 2 8 Padrão de Sistema de Envio do Banco de Dados Brutos via SGP e Consulta ao Geoexplo - R00 6 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 2 8 Padrão de Sistema de Envio do Banco de Dados Brutos via SGP e Consulta

Leia mais

O que é a Convenção de Ramsar? Convenção de Zonas Úmidas de Importância Internacional

O que é a Convenção de Ramsar? Convenção de Zonas Úmidas de Importância Internacional O que é a Convenção de Ramsar? Convenção de Zonas Úmidas de Importância Internacional (Ramsar, Irã, 1971) Missão: a conservação e o uso racional de todas as zonas úmidas por meio de ação local, regional

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA 1. OBJETIVO GERAL As instruções técnicas contidas no presente Termo de Referência objetivam estabelecer os procedimentos e os

Leia mais

PATRIMÔNIO AMBIENTAL

PATRIMÔNIO AMBIENTAL PATRIMÔNIO AMBIENTAL PATRIMÔNIO Conjunto de direitos e obrigações de uma pessoa PATRIMÔNIO Bem ou conjunto de bens culturais ou naturais valor reconhecido para determinada localidade, região, país, ou

Leia mais

O Enfrentamento à Vulnerabilidade Costeira de Pernambuco

O Enfrentamento à Vulnerabilidade Costeira de Pernambuco O Enfrentamento à Vulnerabilidade Costeira de Pernambuco COSTA DE PERNAMBUCO 187 Km de Costa 21 Municípios Costeiros 4.034.122 habitantes (2012) 44,99% da população de Pernambuco 4,53% do território de

Leia mais

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA INTRODUÇÃO O presente Termo de Referência tem como objetivo

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Licenciamento Ambiental Art. 2º - A localização, construção, instalação, ampliação, modificação e operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais consideradas efetiva ou potencialmente

Leia mais

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO Ministério do Meio Ambiente EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO 1 organização Dieter Muehe 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministra do Meio Ambiente Marina Silva Secretário

Leia mais

RESULTADO DA SELEÇÃO

RESULTADO DA SELEÇÃO RESULTADO DA SELEÇÃO CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - TERMO DE REFERENCIA Nº 04 Perfil: Técnico Pleno Produto:

Leia mais

Fernanda Amaral Dantas Sobral. Geóloga - CETESB/IPT

Fernanda Amaral Dantas Sobral. Geóloga - CETESB/IPT Análise do desenvolvimento do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno de Reservatórios Artificiais e contribuições para a elaboração de Termos de Referência Fernanda Amaral Dantas Sobral Geóloga

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

Estudo sobre gestão ambiental de estaleiros São Paulo, 6 de agosto de 2010

Estudo sobre gestão ambiental de estaleiros São Paulo, 6 de agosto de 2010 Estudo sobre gestão ambiental São Paulo, 6 de agosto de 2010 Este estudo foi desenvolvido no âmbito do projeto entitulado Metodologia de Projeto de Estaleiro, financiado com recursos do CT Aquaviário/FINEP.

Leia mais

APRESENTAÇÃO/DISCUSSÃO DO PLANO INTEGRADO PORTO CIDADE- PIPC EM SEMINÁRIOS E FÓRUNS DE DISCUSSÃO REGIONAL

APRESENTAÇÃO/DISCUSSÃO DO PLANO INTEGRADO PORTO CIDADE- PIPC EM SEMINÁRIOS E FÓRUNS DE DISCUSSÃO REGIONAL APRESENTAÇÃO/DISCUSSÃO DO PLANO INTEGRADO PORTO CIDADE- PIPC EM SEMINÁRIOS E FÓRUNS DE DISCUSSÃO REGIONAL Evento: Workshop para discussão sobre o Licenciamento do Porto de São Sebastião (regularização

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES

AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES ESTÁGIO DESEJÁVEL AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 3 O Conselho está inativo Pouca participação e articulação

Leia mais

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo:

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo: Oficina em Ilhabela Relatoria da Plenária Final Esta oficina, realizada no dia 28 de março de 2012, no Hotel Ilhabela, na sede do município, faz parte do processo de escuta comunitária no âmbito do projeto

Leia mais

Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada de Riscos de Desastres Naturais

Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada de Riscos de Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO Fortalecimento da Estratégia Nacional

Leia mais

GOVERNANÇA COSTEIRA EM ANGRA DOS REIS: REFLEXÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL. Maranhão, R.A. 1

GOVERNANÇA COSTEIRA EM ANGRA DOS REIS: REFLEXÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL. Maranhão, R.A. 1 GOVERNANÇA COSTEIRA EM ANGRA DOS REIS: REFLEXÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Maranhão, R.A. 1 1 PECE/POLI/USP, MBA em Gestão e Tecnologias Ambientais, Biológo e Mestre em Geografia,

Leia mais

O Plano Diretor como instrumento do Desenvolvimento dos Municípios Oficina 13 2º Congresso Pernambucano de Municípios

O Plano Diretor como instrumento do Desenvolvimento dos Municípios Oficina 13 2º Congresso Pernambucano de Municípios O Plano Diretor como instrumento do Desenvolvimento dos Municípios Oficina 13 2º Congresso Pernambucano de Municípios Área Técnica Planejamento Urbano e Habitação Confederação Nacional de Municípios (CNM)

Leia mais

Assessoria de Assuntos Estratégicos e Relações institucionais ASAE Gabinete do Ministro

Assessoria de Assuntos Estratégicos e Relações institucionais ASAE Gabinete do Ministro Assessoria de Assuntos Estratégicos e Relações institucionais ASAE Gabinete do Ministro Roteiro Plano Amazônia de Pesca e Aquicultura Amazônia Legal Pesca e Aquicultura na Amazônia Legal Plano Amazônia

Leia mais

Gestão de Riscos no Brasil

Gestão de Riscos no Brasil Gestão de Riscos no Brasil Eduardo Soares de Macedo Géologo PROCESSOS CAUSADORES DE RISCOS NATURAIS Classificação COBRADE SEDEC-MI CATEGORIA GRUPO SUBGRUPO 1. Terremoto 1. GEOLÓGICO 2. Emanação vulcânica

Leia mais

Fórum SESI/CIESP Sustentabilidade

Fórum SESI/CIESP Sustentabilidade Fórum SESI/CIESP Sustentabilidade Cubatão junho 2010 Percy Soares Neto Rede de Recursos Hídricos CNI Tópicos 1 Organização da Gestão de Recursos Hídricos águas do domínio da União 2 Rede de Recursos Hídricos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR:

Leia mais

Políticas Públicas para o Consumo Sustentável. Patrícia Iglecias

Políticas Públicas para o Consumo Sustentável. Patrícia Iglecias Políticas Públicas para o Consumo Sustentável Patrícia Iglecias Políticas Públicas 2 Conjuntos de programas, ações e atividades desenvolvidas pelo Estado que visam assegurar determinado direito do cidadão,

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA SISTEMATIZADA SOBRE O PROCESSO DO ZONEAMENTO- ECOLÓGICO-ECONÔMICO-COSTEIRO (ZEEC) NO LITORAL NORTE DO RIO GRANDE DO SUL

ANÁLISE TÉCNICA SISTEMATIZADA SOBRE O PROCESSO DO ZONEAMENTO- ECOLÓGICO-ECONÔMICO-COSTEIRO (ZEEC) NO LITORAL NORTE DO RIO GRANDE DO SUL ANÁLISE TÉCNICA SISTEMATIZADA SOBRE O PROCESSO DO ZONEAMENTO- ECOLÓGICO-ECONÔMICO-COSTEIRO (ZEEC) NO LITORAL NORTE DO RIO GRANDE DO SUL Júlia Nyland do Amaral Ribeiro (*), Bruna Ost Mergen, Milton L. Asmus

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PORTOS VERA REGINA PEREIRA LIMA

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PORTOS VERA REGINA PEREIRA LIMA VERA REGINA PEREIRA LIMA Arquiteta e Gestora Ambiental. Auditora Lider ISO14001 O QUE É LICENCIAMENTO AMBIENTAL? Ato administrativo definido pela Legislação Ambiental nas esferas federal e estadual relativo

Leia mais

II Forum Latino Americano Geoespacial

II Forum Latino Americano Geoespacial II Forum Latino Americano Geoespacial Rio de Janeiro Agosto/2012 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Projeto DATAGEO Estabelecimento de uma INFRAESTRUTURA DE DADOS ESPACIAIS AMBIENTAIS IDEA-SP Secretaria de Meio

Leia mais

Na coluna à esquerda, o usuário pode baixar o arquivo.pdf de todas as normas de restrição à pesca inseridas no mapa.

Na coluna à esquerda, o usuário pode baixar o arquivo.pdf de todas as normas de restrição à pesca inseridas no mapa. APRESENTAÇÃO O Mapa da Pesca Sustentável é uma ferramenta desenvolvida pelo Governo do Estado de São Paulo para auxiliar pescadores e agentes de fiscalização na correta condução de suas atividades. As

Leia mais

Tecnologia em Construção Civil - Modalidade Movimento de Terra e Pavimentação

Tecnologia em Construção Civil - Modalidade Movimento de Terra e Pavimentação HABILITAÇÃO COMPONENTE TITULAÇÃO Meio Ambiente Localização Espacial e Interpretação de Imagens Agrimensura (EII) Agronomia Agropecuária (EII) Arquitetura Arquitetura e Urbanismo Ciências Agrárias (LP)

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do ponto focal: Alexander Anthony

Leia mais

Ekta Consultoria Soluções Ambientais

Ekta Consultoria Soluções Ambientais A Ekta trabalha com você e sua empresa para atingirmos o desenvolvimento sustentável, através da inovação, autonomia, criatividade e profissionalismo. Rua Mal. Deodoro, 262 Centro Curitiba - PR 55 (41)

Leia mais

Case Costa Brasileira: Gerenciamento Costeiro de Pernambuco RECIFE, NOVEMBRO 2014

Case Costa Brasileira: Gerenciamento Costeiro de Pernambuco RECIFE, NOVEMBRO 2014 Case Costa Brasileira: Gerenciamento Costeiro de Pernambuco RECIFE, NOVEMBRO 2014 LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA ZONA COSTEIRA BRASILEIRA LEI 7661/88 ZONA COSTEIRA PERNAMBUCANA PERNAMBUCO FAIXA TERRESTRE Municipios

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1. Contexto Geral Brasil e Mato Grosso Conservação Desenvolvimento Crescimento 2. Marco Legal Lei nº. 6.938/1981 Política Nacional do Meio Ambiente e Decreto nº. 99274/1990. Resolução

Leia mais

Clinografia: memorial descritivo. Mapeamento. Tomo 5 v.1. Informações sócio-econômicas: memorial descritivo. Tomo 7 v.1

Clinografia: memorial descritivo. Mapeamento. Tomo 5 v.1. Informações sócio-econômicas: memorial descritivo. Tomo 7 v.1 ÁREA DE ESTUDO e BTS Ano: 1992 TEMA Geologia:memorial descritivo. Mapeamento Tomo 2 v.1 Solo e capacidade de usos das terras: memorial descritivo. Tomo 4 v.1 Solo e capacidade de usos das terras: Mapeamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DE BRASIL NOVO, MEDICILÂNDIA, URUARÁ E PLACAS PROJETO042/2014

Leia mais

MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE Introdução A capacidade da atuação do Estado Brasileiro na área ambiental baseia-se na ideia de responsabilidades compartilhadas entre União, Estados,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS O presente Termo de Referência visa a orientar a elaboração de programas de educação

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL:

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: III ENCONTRO LATINO AMERICANO E CARIBENHO SOBRE MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: Participação dos Estados Eugênio Cunha São Paulo 14 de março de 2008 SUMÁRIO PARTE I NÍVEL INSTITUCIONAL

Leia mais

3) PLANILHAS DE PLANEJAMENTO. Elaborado em 21 /01 /2009

3) PLANILHAS DE PLANEJAMENTO. Elaborado em 21 /01 /2009 3) PLANILHAS DE PLANEJAMENTO Planilhas de Planejamento das Comissões Tripartites Estaduais CTTE/AL ** Reunião de Planejamento Estadual AL Planilha 1 Composição dos Membros CTTE/2008 Representantes dos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 Regulamenta o 4º do art. 225 da Constituição Federal, para instituir o Plano de Gerenciamento da Floresta Amazônica. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei

Leia mais

CÓDIGO DO MEIO AMBIENTE

CÓDIGO DO MEIO AMBIENTE 1 CÓDIGO DO MEIO AMBIENTE LEI MUNICIPAL Nº 196/2011 2 ÍNDICE 3 CÓDIGO DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO CONDE SUMÁRIO TÍTULO I - DA POLÍTICA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE... 5 CAPÍTULO I -

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE Josiene Ferreira dos Santos Lima¹-Tecnóloga em Saneamento Ambiental. Aluna do Curso de Geografia (UFS). Pós-Graduanda em Gestão Ambiental e Desenvolvimento

Leia mais

A ZONA COSTEIRA EM CRISE: OPÇÕES DE GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA. Marcus Polette. Florianópolis SC. UNIVALI CTTMar

A ZONA COSTEIRA EM CRISE: OPÇÕES DE GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA. Marcus Polette. Florianópolis SC. UNIVALI CTTMar A ZONA COSTEIRA EM CRISE: OPÇÕES DE GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA Marcus Polette UNIVALI CTTMar Florianópolis SC 2008 ZONA COSTEIRA BRASILEIRA DECRETO FEDERAL 5.300/04 FAIXA TERRESTRE: LIMITES DOS MUNICÍPIOS

Leia mais

O Programa Produtor de Água

O Programa Produtor de Água O Programa Produtor de Água Arcabouço Legal e Institucional Lei nº 9.433 de 8.01.97 Titulo I - Da Política Nacional de Recursos Hídricos Capitulo II Dos Objetivos Artigo 2º - São objetivos da Política

Leia mais

A OCEANOGRAFIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

A OCEANOGRAFIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA A OCEANOGRAFIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Pinheiro, M. A. A.; Fontes, R. F. C.; Oliveira, A. J. F. C.; Pinheiro, H. M. S. Universidade

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural

Sistema de Cadastro Ambiental Rural Sistema de Cadastro Ambiental Rural XX Simpósio Jurídico ABCE ÂNGELO RAMALHO ASSESSOR MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO DIRETORIA DE FOMENTO E INCLUSÃO FLORESTAL São Paulo, Outubro/2014

Leia mais

O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo

O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo Seminário: Compostagem na Cidade de São Paulo 10 de agosto de 2012 O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo Eng. Cristiano Kenji Iwai Divisão de Apoio ao Controle de

Leia mais

AUDITORIA E LICENCIALMENTO AMBINETAL COMO INSTRUMENTOS DOS SISTEMAS DE MEIO AMBIENTE

AUDITORIA E LICENCIALMENTO AMBINETAL COMO INSTRUMENTOS DOS SISTEMAS DE MEIO AMBIENTE AUDITORIA E LICENCIALMENTO AMBINETAL COMO INSTRUMENTOS DOS SISTEMAS DE MEIO AMBIENTE NILVO LUIZ ALVES DA SILVA 1 1. INTRODUÇÃO O texto que segue aborda a auditoria ambiental da perspectiva do licenciamento

Leia mais

Fortalecimento da Gestão Regional Conjunta para o Aproveitamento Sustentável da Biodiversidade Amazônica

Fortalecimento da Gestão Regional Conjunta para o Aproveitamento Sustentável da Biodiversidade Amazônica Fortalecimento da Gestão Regional Conjunta para o Aproveitamento Sustentável da Biodiversidade Amazônica PAULO KAGEYAMA. SBF Ministério do Meio Ambiente PRIMEIRA REUNIÃO DE COORDENADORES NACIONAIS DO PROJETO

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL

A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL rocha. e.b Geógrafo - Mestrando em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento

Leia mais

1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia. Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias?

1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia. Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias? 1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia O Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias? 18 a 20 de maio de 2012 Universidade Federal de Rio Grande FURG Rio Grande

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Planos de Gestão Integrada das Orlas Marítimas: PROJETO ORLA em SANTA CATARINA

Planos de Gestão Integrada das Orlas Marítimas: PROJETO ORLA em SANTA CATARINA Ministério do Planejamento Superintendência do Patrimônio da União em Santa Catarina Planos de Gestão Integrada das Orlas Marítimas: PROJETO ORLA em SANTA CATARINA O QUE É O PROJETO ORLA É uma ação conjunta

Leia mais

CATÁLOGOS DOS LIVROS DA BIBLIOTECA AMBIENTAL DO BOSQUE GERIBELO

CATÁLOGOS DOS LIVROS DA BIBLIOTECA AMBIENTAL DO BOSQUE GERIBELO CATÁLOGOS DOS LIVROS DA BIBLIOTECA AMBIENTAL DO BOSQUE GERIBELO Novembro/2011 Por: Lúcia Ângelo Vecchi 01- Legislação Estadual (Senador Bernardo Cabral) volume I-II-III. 02- Legislação de conservação da

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 009/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: DESENV. TECNOLÓGICO O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

Gestão dos bens imóveis da União no litoral brasileiro

Gestão dos bens imóveis da União no litoral brasileiro Gestão dos bens imóveis da União no litoral brasileiro Seminário Internacional Brasil-Espanha SMC/Brasil: apoio à gestão da costa brasileira Brasília, 10 e 11 de maio de 2011 Luciano Ricardo Azevedo Roda

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE GERENCIAMENTO COSTEIRO RELAÇÃO DE PÚBLICAÇÕES

PROGRAMA ESTADUAL DE GERENCIAMENTO COSTEIRO RELAÇÃO DE PÚBLICAÇÕES PROGRAMA ESTADUAL DE GERENCIAMENTO COSTEIRO RELAÇÃO DE PÚBLICAÇÕES (disponíveis para consulta. Biblioteca DEAMA IMA Rua Rio São Francisco nº. 01. Monte Serrat. Salvador-Bahia) 1. BRASIL. Ministério do

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 40 /2015 (Cria o cargo de Analista Ambiental) A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA :

LEI COMPLEMENTAR N 40 /2015 (Cria o cargo de Analista Ambiental) A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA : LEI COMPLEMENTAR N 40 /2015 (Cria o cargo de Analista Ambiental) A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA : Art. 1º. Fica criado o cargo de Analista Ambiental, de provimento efetivo e regime estatutário,

Leia mais

GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA

GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA Estado de São Paulo Estado de São Paulo 248.196.960 km 2 População total: 41.262.199 População urbana: 39.585.251 645 municípios Fonte: IBGE, Censo

Leia mais

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB CRUZ CE Reunião de Planejamento ETAPA IV (Produto D) ETAPA V (Produto E) ETAPA VI (Produto F) ETAPA VIII (Produto H) ETAPAS DO PMSB ETAPA I (Produto A) - Formação

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

Nesta 2º Circular divulgamos as seguintes informações

Nesta 2º Circular divulgamos as seguintes informações 2ª Circular Nesta 2º Circular divulgamos as seguintes informações 1. Prazos e Normatizações dos EDP s (Espaços de Diálogos e Práticas) 2. Prazos e Normatizações das Oficinas e Mini-Cursos 3. Valores de

Leia mais

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC - lei n 9.985/2000 traz a figura organizacional Mosaico, no cap. IV art.

Leia mais

2000 árvores/minuto **

2000 árvores/minuto ** http://www.nominuto.com/noticias/natureza/alertas-de-desmatamento-tiveram-aumento-de-9-na-amazonia-legal/115318/ 20 minutos: 0,2 km 2* (200.000 m 2 = 18,5 campos de futebol) da Amazônia legal; 2000 árvores/minuto

Leia mais

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 DECRETO Nº 7.404/2010 O QUE MUDA COM A LEI 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros

Leia mais

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Conectando pessoas e florestas Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica ti Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Objetivos PCE 1. Objetivo Geral: Demonstrar a viabilidade

Leia mais

Ao CONAMA Propostas do Fórum Nacional da Reforma Urbana, do Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos (COHRE) e Instituto POLIS

Ao CONAMA Propostas do Fórum Nacional da Reforma Urbana, do Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos (COHRE) e Instituto POLIS 1 Ao CONAMA Propostas do Fórum Nacional da Reforma Urbana, do Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos (COHRE) e Instituto POLIS À Resolução do CONAMA que dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade

Leia mais

RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS

RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS Nome do Responsável: Seilani N. Almendros de Oliveira Cargo do Responsável: Coordenadora do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas NETP/SEJUS

Leia mais